Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil. A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil. A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool"

Transcrição

1 Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes 1 A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool Em novembro de 1975, por meio do Decreto nº , o Presidente Ernesto Geisel criou o Proálcool, um programa de incentivo à produção do álcool combustível visando a alternativas para enfrentar a crise do petróleo que ameaçava as economias mundiais importadoras do produto. Esse Programa alterou significativamente o perfil da produção de açúcar e álcool do Brasil e estimulou aumento importante da área plantada de cana-de-açúcar. Em relação ao processo de implementação do Programa, devem ser destacadas duas fases: a primeira iniciou-se com a promulgação do Decreto-Lei nº , de novembro de 1975, e estendeu-se até Essa etapa corresponde ao uso da mistura álcool-gasolina, à implantação das destilarias anexas e ao envolvimento da indústria automotiva para a produção de carros a álcool. A segunda fase, iniciada em 1979, e que atingiu seu ápice em 1985, é a da produção em larga escala 1 Profª Doutora do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. usp.br 137

2 Desde a criação do Proálcool, em 1975, aos dias atuais, a produção brasileira de álcool obteve um crescimento médio anual de 11,8%. do álcool hidratado, para ser usado em carros movidos exclusivamente com esse combustível. Desde a criação do Proálcool, em 1975, aos dias atuais, a produção brasileira de álcool passou de aproximadamente 555 milhões de litros para 17,7 bilhões de litros, o que significa um crescimento médio anual de 11,8%. Contudo, as taxas de crescimento são distintas durante o tempo. Entre as safras 1975/76 e 1978/79, a produção de álcool passou de 560 milhões de litros para 2,49 bilhões de litros. Nota-se uma aceleração do crescimento a partir da segunda fase do Proálcool (safra 1979/80) até o auge do Programa, em 1985/86. Nesse período a produção passou de 3,39 bilhões de litros para 11,8 bilhões de litros, o que representa uma taxa geométrica média anual de cres- Divulgação/Unica 138 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

3 cimento de 23%. Destaca-se que o crescimento maior foi na Região Centro-Sul 2. A evolução da produção de álcool no Brasil a partir do lançamento do Proálcool pode ser vista na Figura 1. Figura 1. Evolução da produção brasileira de álcool /76 a 2006/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /07 Norte-Nordeste Centro-Sul Fonte: elaborada A partir do auge do Programa, em 1985, surge um período de estabilidade da produção ao redor de 12 bilhões de litros, que se estende até meados da década de Em 1986, diversos fatores contribuíram para que se iniciasse uma fase de avaliação do Programa pelo Governo. Conforme Santos (1993), desde janeiro daquele ano os preços internacionais do a partir de Moraes (2000) e UNICA. 2 Existem duas regiões produtoras no Brasil, diferenciadas pelo período da safra. Os seguintes estados fazem parte da Região Norte-Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins. Da região Centro-Sul: São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 139

4 petróleo começaram a declinar; a produção interna crescente desse produto diminuía a dependência do País em relação ao petróleo importado; e os planos econômicos do Governo priorizavam o controle da inflação e do déficit público, evidenciando que a expansão do Programa deveria ser feita por meio do aumento da produtividade das atividades agrícolas e industrial, já que os financiamentos governamentais para a ampliação da capacidade instalada estavam suspensos. Do lado da demanda, em 1989 e 1990, houve duas crises de abastecimento de álcool, que marcaram profundamente os consumidores de carros movidos com esse combustível, levando à queda nas vendas e à rejeição a esse produto, tendência que só se inverte com o lançamento dos carros bicombustíveis ou flex-fuel 3, em A partir da safra 1998/99, observa-se uma queda na produção de álcool, que pode ser explicada pela desregulamentação do setor, com conseqüente finalização dos incentivos à produção, e pela queda acentuada na demanda dos carros a álcool, que por sua vez reduziu o consumo do próprio álcool hidratado. A redução da intervenção estatal no setor 4, em 1999, coincidiu com uma grave crise de super oferta do produto, quando os níveis de preço do álcool atingiram patamares mais baixos inclusive que os custos de produção, instalando-se grave crise no setor. Nesse período ocorreu o 3 O carro bicombustível é um veículo cujo motor admite a utilização de álcool hidratado ou de gasolina, em qualquer proporção: desde 100% álcool até 100% gasolina, sendo que o consumidor pode fazer a escolha em função dos preços relativos entre os dois produtos, ou conforme a disponibilidade dos mesmos. A primeira montadora a lançar o carro bicombustível foi a Volkswagen, com o Gol. 4 Ver Moraes, M.A.F.D. (2000). A desregulamentração do setor sucroalcooleiro do Brasil. 140 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

5 Divulgação/Unica fechamento de várias usinas e a adequação da oferta à demanda do mercado. Contudo, a partir de 2002, observa-se o início da retomada da produção e venda de álcool. Nesse período, a questão ambiental começava a preocupar diversos países, fortalecendo a produção de álcool combustível, considerado um combustível limpo. O uso de combustíveis oxigenados - com o objetivo de reduzir a emissão de CO 2 - passou a ser uma tendência nos países desenvolvidos a partir de meados de Também em 2003, houve o lançamento dos carros flex-fuel no Brasil, que não só causou aumento do consumo de álcool hidratado, mas também foi muito importante para a retomada do crescimento da sua produção. O consumidor aderiu ao novo produto, que possibilita o uso de qualquer proporção entre álcool e gasolina. 141

6 Banco de Imagens Petrobras/Rogério Reis Incentivos de mercado: os carros flex-fuel e o mercado internacional de álcool É interessante notar que, desde o início do Proálcool, os consumidores reagem imediatamente às políticas de incentivo e desincentivo ao Programa e aos preços relativos entre álcool hidratado e gasolina. Isso faz com que as tendências nas vendas de carros movidos com os diferentes combustíveis se revertam em poucos meses. Ressalta-se, portanto, a importância do consumidor no sucesso do Proálcool e, nos anos recentes, no crescimento do mercado de carros flex-fuel. A Figura 2 apresenta a evolução das vendas de carros a álcool, a gasolina, e, a partir de 2003, dos carros bicombustíveis. 142 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

7 Figura2. Evolução das vendas de carros a álcool e a gasolina Gasolina Álcool Flex-fuel Fonte: elaborado a partir de dados da Anfavea. Observam-se mudanças importantes ao longo do tempo. Desde 1979 até 1986, as vendas de carros a álcool, de forma geral, apresentam crescimento. Ao término de 1982, o mercado de carros a álcool estava superaquecido, representando 38% das vendas totais de carros de passageiros, sendo que em dezembro esse percentual chegou a 67%. Entre os anos de 1983 e 1989, as vendas de veículos a álcool representavam, em média, 90% das vendas totais de automóveis. A partir de 1989, provavelmente devido à grave crise ocasionada pela falta do álcool ocorrido nessa época, a participação das vendas de carros a álcool começou a diminuir e, em 1990, a porcentagem de vendas desses veículos em relação ao total representava apenas 11%. Em 1995, esta porcentagem passou a somente 2,2% das vendas totais, sendo que, em 2000, chegou a aproximadamente 1%. Conforme salientado anteriormente, em 2003 ocorreram duas importantes alterações no agronegócio da cana-de-açúcar, que alteraram significativamente as perspectivas de de- 143

8 Quanto ao mercado internacional de álcool, é uma oportunidade excelente para o País, considerandose as vantagens comparativas que temos na produção desse produto. manda pelo álcool combustível no médio prazo: a primeira foi o lançamento do carro bicombustível (flex-fuel), a segunda foi o desenvolvimento do mercado externo para o álcool. É importante observar que o veículo flex-fuel dá ao consumidor o direito de escolher o combustível que quer utilizar, considerando-se questões de eficiência (potência, consumo) e de preços relativos entre álcool hidratado e gasolina. O impacto do lançamento desse produto deve ser analisado sob dois aspectos: o primeiro, já mencionado, é o da autonomia do consumidor, que contribui para afastar a preocupação com o risco do desabastecimento ocorrido no passado (já que na falta de álcool hidratado o consumidor pode abastecer com gasolina). O segundo aspecto é regular o mercado: num cenário desfavorável ao uso do álcool hidratado devido a relação de preços com a gasolina, os consumidores tendem a migrar para esse combustível, reduzindo a demanda pelo álcool hidratado, com conseqüente redução de preços, tornando novamente atrativo seu uso. Ademais, deve ser considerado o impacto sobre a produção de álcool, decorrente do aumento da demanda adicional pelo álcool hidratado advinda das vendas dos carros bicombustíveis, num cenário de preços favorável para esse combustível. Nessa situação, pode-se imaginar que todo comprador de carro flex-fuel é um consumidor potencial do álcool hidratado, e a demanda por esse produto tende a crescer proporcionalmente às vendas desses veículos. Quanto ao mercado internacional de álcool, é uma oportunidade excelente para o País, considerando-se as vantagens comparativas que temos na produção desse produto, e o fato de o álcool ser um combustível renovável menos poluente que a 144 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

9 gasolina. Desde a assinatura do Protocolo de Quioto, diversos países desenvolvidos estão procurando alternativas ao petróleo, de forma a reduzirem suas emissões de CO 2, o que abre excelentes oportunidades para o álcool combustível. Contudo, o mercado internacional de álcool, embora concreto, deve ser encarado como de médio a longo prazo, pois diversas barreiras têm que ser vencidas, desde as protecionistas, impostas por alguns países desenvolvidos, até as culturais. Poucos países atualmente conhecem o uso do álcool combustível em larga escala, sendo necessário divulgar a experiência brasileira. Além disso, os países que já demonstraram interesse concreto no uso do álcool anidro para mistura na gasolina, como o Japão, precisam de uma garantia de abastecimento, e a preços condizentes, já que não querem correr o risco de preços decorrentes da existência de apenas um fornecedor mundial do produto, no caso o Brasil. Gargalos de logística também precisam ser solucionados se aumentarem as exportações. 145 Divulgação/Unica

10 O crescimento da produção de cana-de-açúcar A elevação da produção de álcool fez com que também se aumentasse muito a demanda de cana-de-açúcar do País, com conseqüente acréscimo de sua produção e expansão para regiões não tradicionalmente produtoras. Entre os anos de 1975 a 2006, a produção brasileira de cana-de-açúcar passou de 88,9 milhões para 456 milhões de toneladas, um crescimento de 413%; ao passo que a área plantada saltou de 1,9 milhões para 6,2 milhões de hectares, representando um crescimento de 226,3%. Observa-se que o aumento da área foi menor que o da produção, o que indica um crescimento importante da produtividade agrícola, decorrentes de investimentos públicos e privados. Conforme Macedo (2007), entre 1980 e 1990 observou-se a introdução de novas variedades de cana-de-açúcar Divulgação/Unica 146 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

11 (desenvolvidas no Brasil), uso de vinhaça como fertilizante, controle biológico da broca da cana, otimização das operações agrícolas, entre outros. No início do período, a produtividade agrícola era de 46,8 toneladas de cana-de-açúcar por hectare, e, em 2006, atingiu 74,1 toneladas por hectare. A Figura 3 indica o crescimento da produção, área colhida e produtividade, considerando-se o início do período como base 100. Figura 3. Cana-de-Açúcar: produção, área colhida e produtividade Fonte: elaborada a partir dos dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Área Colhida Produção Produtividade IBGE e UNICA. Os ganhos de produtividade foram também observados na área industrial. Conforme Nastari (2005), os ganhos de produtividade agroindustrial cresceram em média 3,77% ao ano durante 1975 e Em 1975, produzia-se 2024 litros de álcool hidratado equivalente por hectare. Trinta anos depois, esse valor atingiu 5931 litros por hectare. Na área industrial, os investimentos realizados foram principalmente no desenvolvimento de novos sistemas de moagem, fermentações com capacidades maiores e autonomia em energia (Macedo, 2007). 147

12 Competitividade da agroindústria brasileira Os ganhos de produtividade agrícola e industrial resultaram em reduções importantes dos custos de produção ao longo do tempo, sendo atualmente o Brasil o país com os menores custos de produção mundial. Dado o grande número de produtores que utilizam diferentes sistemas produtivos (solos, custos da terra, níveis tecnológicos, mecanização, matéria-prima própria ou comprada, etc), é difícil uma estimativa precisa dos custos de produção. Carvalho (2002) apresenta uma comparação entre os custos de produção do álcool produzido a partir das principais matérias-primas utilizadas. Destaca-se que o álcool de cana-de-açúcar produzido no Brasil tem o menor custo, conforme ilustrado na Tabela 1. Tabela 1. Comparação custos médios de produção álcool anidro País Anidro (US$/l) Matéria-Prima BR: Centro-Sul 0,19 Cana-de-açúcar BR: Norte-Nordeste 0,23 Cana-de-açúcar Fonte: Carvalho, 2002 EUA 0,33 Milho UE 0,55 Trigo - Beterraba Observa-se que, em comparação com a região Centro-Sul do Brasil, o álcool de milho produzido nos Estados Unidos apresenta um custo 73% mais elevado; o álcool produzido a partir de trigo ou beterraba tem custos 189% mais altos. Outra questão importante refere-se à eficiência energética, que é a quantidade de energia produzida em relação à 148 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

13 quantidade de energia necessária para produzi-la. Novamente o álcool de cana-de-açúcar apresenta o melhor desempenho. A tabela 2 traz o balanço energético das principais matérias-primas atualmente utilizadas para a produção de álcool. Observa-se que para a cana-de-açúcar, cada quantidade de energia fóssil utilizada resulta na produção de 8,3 unidades de energia renovável, ou seja, um balanço energético extremamente favorável para esse produto. Tabela 2. Balanço energético principais matérias-primas Matéria-Prima Energia Renovável Produzida/ Energia Fóssil Consumida Trigo 1,2 Milho 1,3 1,8 Beterraba 1,9 Cana-de-Açucar 8,3 Fonte: Macedo et alii, F.O. Lichts 2004, International Energy Agency Localização da produção e estrutura de mercado O crescimento da produção de álcool, conforme salientado anteriormente, deu-se principalmente na região Centro- Sul. Na safra 2006/07, a referida região foi responsável por 87,5% da produção nacional de cana-de-açúcar, por 85,5% da produção de açúcar e 90,5% da produção de álcool. São Paulo, o maior estado produtor do País, na mesma safra foi responsável por 63% de toda a cana produzida no Brasil, por 63,3% da produção nacional de álcool e por 65% da produção 149

14 de açúcar. A Figura 4 traz a produção por região, para o Brasil e para o estado de São Paulo. Figura 4. Produção de cana-de-açúcar, açúcar e álcool por região produtora Cana-de-Açúcar Milhões t NNE CS Brazil SP Álcool Mil litros NNE CS Brazil SP Fonte: elaborado a partir dos dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Açúcar Mil t NNE CS Brazil SP 150 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

15 Da mesma forma, a maior parte das usinas e destilarias localiza-se na região Centro-Sul, principalmente no estado de São Paulo. Observa-se que, em 2006, do total de 363 unidades existentes, 46,5%, ou seja, 169 unidades produtoras localizavam-se em São Paulo. Figura 5. Número de usinas/destilarias por Estado AL AM BA CE ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RS SE SP TO A partir da desregulamentação do setor, em 1999, dado o ambiente institucional mais propício aos investimentos, observou-se a formação de grupos econômicos produtores de açúcar e álcool, por meio do processo de fusões e aquisições. Embora tenha ocorrido a entrada de capital externo de várias nacionalidades, tais como francês (Coinbra-Louis Dreyfus, Tereos), americano (Cargill, Infinity Bioenergy, Globex, Brenco) e asiático (Noble), a grande maioria da produção ainda é de capital nacional, visto que a participação dos grupos estrangeiros foi da ordem de 5% na safra 2006/07. Em 2006, os vinte maiores grupos do Brasil foram responsáveis por 41,3% da produção de cana-de-açúcar, por 39,3% da produção de álcool e por 46% da produção de açúcar. Apesar do acelerado movimento de fusões e aquisições, a indústria nacional de açúcar e álcool não era concentrada: o 151

16 CR 4, ou seja, a razão de concentração dos 4 maiores grupos produtores de álcool era de 14,9%. O maior grupo produtor do Brasil é o Grupo Cosan, que, em 2006, tinha 17 usinas e destilarias, sendo responsável por aproximadamente 7% da produção brasileira de álcool, 11,1% da produção de açúcar e 9% da moagem total de cana-deaçúcar. Ressalta-se que a moagem do grupo Cosan, que foi de 34 milhões de toneladas de cana-de-açúcar naquele ano, representou 71% da produção da região Norte-Nordeste. Geração de empregos No ano de 2005, trabalhavam no setor de cana-de-açúcar, açúcar e álcool do Brasil, segundo os dados dos Registros Administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS), empregados. A Tabela 3 traz a evolução do número de trabalhadores formais envolvidos na produção de cana-deaçúcar, açúcar e álcool, para as duas regiões produtoras, e o total do Brasil, para os anos de 2000 a Tabela 3. Número de empregados formais por região produtora 2000 a 2005 Região Produtora Fonte: Elaborado a partir de MT-b Rais (vários anos). NNE CS Total Brasil Nota-se que, para o Brasil como um todo, entre 2000 e 2005, considerando-se os três setores (cana-de-açúcar, açú- 152 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

17 car e álcool) conjuntamente, houve aumento expressivo de 52,9% do número de empregados formais, que passou de empregados em 2000 para em Entre esses, 63%, ou seja, empregados, estavam na região Centro-Sul do País. Na Tabela 4 apresenta-se o número de empregados formais por região produtora e por setor: cana-de-açúcar, açúcar e álcool. Observa-se que, em 2005, existiam empregados na atividade da cana-de-açúcar no Brasil, empregados na produção de açúcar e um contingente menor, mas ainda importante, na indústria do álcool: empregados. Tabela 4. Número de empregados formais por região produtora e por setor 2000 a 2005 Região NNE Cana-de-Açúcar CS Total Brasil NNE Açúcar CS Total Brasil NNE Álcool CS Total Brasil Total Brasil 3 setores Percebe-se que, entre 2000 e 2005, o crescimento dos empregados formais das usinas de açúcar (101,9%) e destilarias de álcool (88,4%) do Brasil foi maior do que o dos Fonte: Elaborado a partir de MT-b Rais (vários anos). 153

18 trabalhadores rurais (16,2%) envolvidos com a produção de cana-de-açúcar, provavelmente em decorrência do processo de mecanização da colheita de cana. É importante observar que nesse período houve crescimento da produção de canade-açúcar: em 2000, a produção nacional foi de 325,33 milhões de toneladas e, em 2005, foi de 419,56 milhões (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2005), ou seja, um crescimento da produção da ordem de 28,9%. Notase também que, em 2000, 55% eram empregados rurais. Já em 2005 sua participação caiu para 42,2%. Ressalta-se o grande número de trabalhadores formalmente empregados nos três setores da agroindústria canavieira cana-de-açúcar, açúcar e álcool -, que, em 2005, foi de trabalhadores. Não se inclui nesse total os empregados de outros setores relacionados com a cadeia produtiva, por exemplo, adubos e fertilizantes, tratores e equipamentos, comercialização, transporte, etc. Divulgação/Unica 154 Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

19 Considerações finais O Brasil é internacionalmente reconhecido pelo pioneirismo em desenvolver a produção e uso em larga escala de um combustível renovável, produzido a partir da cana-de-açúcar, com alta eficiência energética e com os menores custos de produção do mundo. A motivação principal do Proálcool, na época de seu lançamento, era reduzir a dependência do País em relação ao petróleo importado, bem como atenuar os impactos sobre os indicadores macroeconômicos do País. Além disso, possibilitou ao Brasil deter o domínio da tecnologia da produção de álcool e desenvolver carros com motores alimentados exclusivamente pelo álcool hidratado. Mais recentemente, a indústria automobilística nacional lançou o carro bicombustível, amplamente aceito pelo consumidor brasileiro. Grandes foram os crescimentos da produção de cana-deaçúcar, de álcool e de açúcar desde a criação do Proálcool, em 1975, o que foi possível devido às extensões territoriais do País, aos investimentos em tecnologia industrial e agrícola, incluindo as novas variedades de cana-de-açúcar mais produtivas. Também o envolvimento da indústria automobilística, a criação da rede de postos com oferta de álcool hidratado em todo o território nacional, a criação de tanques coletores, de dutos para transporte, dentre outras ações, foram essenciais para o sucesso do Programa. Se na época da criação do Proálcool o principal atrativo do uso do álcool combustível foi a redução da dependência em relação ao petróleo importado, atualmente acrescentamse os benefícios ambientais ligados às reduções líquidas das emissões de CO 2. O fato de ser renovável e menos poluente do que a gasolina tornou o álcool uma alternativa interessante 155

20 para os países que desejam reduzir suas emissões de carbono, o que pode representar oportunidades importantes ao Brasil, dada sua competitividade e disponibilidade de terras. Nesta nova fase, além da viabilidade econômica, fatores ambientais e sociais ligados à produção são igualmente relevantes. Nesse sentido, é importante ressaltar o potencial de geração de empregos da agroindústria canavieira: em 2005, 982 mil pessoas foram inseridas formalmente no mercado. Nesse cenário de crescimento e maior inserção internacionalmente, ressaltam-se os desafios logísticos e a expansão sustentável da produção, incluindo-se, portanto, os cuidados com o meio-ambiente e a preocupação com as questões sociais, de forma a estender os benefícios gerados na cadeia produtiva aos empregados agrícolas e industriais. Bibliografia Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). CARVALHO, L.C.C. Etanol: perspectivas de mercado. In: MORAES, M.A.F.D; SHIKIDA, P.F.A. Agroindústria canavieira no Brasil: evolução, desenvolvimento e desafios. São Paulo: Atlas, cap.2, p MACEDO, I.C. Greenhouse gas emissions and bio-ethanol production / utilization in Brazil. Piracicaba: CTC, 05/97, jan p. MACEDO,.I.C. A energia da cana-de-açúcar. Doze estudos sobre a agroindústria da cana-de-açúcar no Brasil e sua sustentabilidade. São Paulo: Berlendis&Vertecchia: Unica. 2ª. Ed Biocombustíveis no brasil: Realidades e perspectivas

21 MORAES, M.A.F.D. A desregulamentação do setor sucroalcooleiro do Brasil. Americana: Caminho Editorial, 2000, 238p. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTE- CIMENTO. Acessado em 27/05/2007. REGISTROS ADMINISTRATIVOS. RAIS. Ministério do Trabalho e Emprego. CD-ROM. Vários anos SANTOS, M.H.C. Política e políticas de uma energia alternativa: o caso do Proálcool. Rio de Janeiro: Notrya, p. 157

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Doutorando: Julio Cesar Neves dos Santos Orientadora: Profa. Ph.D Eunice Maia de Andrade O que é Álcool combustível? Histórico UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PETROBRAS BIOCOMBUSTÍVEL S/A COMISSÃO ESPECIAL DE ENERGIAS RENOVÁVEIS ABRIL DE 2009 1 Agenda Planejamento Estratégico da Petrobras Biocombustível

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Produção de Energia versus Produção de Alimentos

Produção de Energia versus Produção de Alimentos 1 o Seminário do Centro-Oeste de Energias Renováveis e suas Conseqüências Produção de Energia versus Produção de Alimentos Prof. Suani Coelho Centro Nacional de Referência em Biomassa Universidade de São

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil

6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil 60 6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil 6.1 Overview do Mercado Brasileiro "Somos e seremos os campeões mundiais de energia limpa, um país que sempre saberá crescer de forma saudável e equilibrada.

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Carro flex com etanol: uma atitude inteligente.

Carro flex com etanol: uma atitude inteligente. Carro flex com etanol: uma atitude inteligente. O carro flex, abastecido com álcool combustível, o etanol, é uma arma poderosa no combate ao aquecimento global, um dos principais problemas que o mundo

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos?

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Workshop BNDES -Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Carlos Eduardo Osório Xavier Gestor de projetos PECEGE/ESALQ/USP

Leia mais

MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS

MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS Sara Lucia da Silva Ribas (UFOP) saraluribas@yahoo.com.br Bruna de Fatima Pedrosa Guedes Flausinio (UFOP) brunafpguedes@gmail.com Este

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Impacto da cana na produção de leite. São Paulo, 27 de março o de 2007 Roberto Jank Jr. Leite Brasil - Vice-presidente

Impacto da cana na produção de leite. São Paulo, 27 de março o de 2007 Roberto Jank Jr. Leite Brasil - Vice-presidente Impacto da cana na produção de leite São Paulo, 27 de março o de 2007 Roberto Jank Jr. Leite Brasil - Vice-presidente Exportações do Agronegócio Brasileiro TAXAS ANUAIS DE CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol BMFBovespa Seminário Perspectivas do Agribusiness 2012-2013 Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol Andy Duff, Food & Agribusiness Research, Rabobank Brasil 22 de maio de 2012 Food & Agribusiness

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

VENDAS DE HIDRATADO CRESCEM 10,5% EM 2014

VENDAS DE HIDRATADO CRESCEM 10,5% EM 2014 Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 19/fevereiro/2015 n. 433 VENDAS DE HIDRATADO CRESCEM 10,5% EM 2014 Compilados os dados finais de 2014 pela ANP foi possível analisar claramente o crescimento

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia Anuário Estatístico da Agroenergia Brasília/DF 2009 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 07/setembro/2015 n. 591 AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO A finalização da primeira semana de setembro

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais