Defesa Civil DENISE FIGUEIRA NUNES. ações estruturantes frente a desastres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Defesa Civil DENISE FIGUEIRA NUNES. ações estruturantes frente a desastres"

Transcrição

1 DENISE FIGUEIRA NUNES Defesa Civil ações estruturantes frente a desastres Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Ten Cel R/1 Neyde Lúcia de Freitas Souza. Rio de Janeiro 2013

2 C2013 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Biblioteca General Cordeiro de Farias Nunes, Denise Figueira. Defesa civil: ações estruturantes frente a desastres/denise Figueira Nunes. Rio de Janeiro : ESG, f.: il. Orientador: Ten Cel R/1 Neyde Lucia de Freitas Souza. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Defesa Civil. 2. Prevenção de desastres. 3. Ações estruturantes 4. Responsabilidade social. I.Título.

3 Dedico este trabalho aos agentes das defesas civis municipais, aos bombeiros militares e aos voluntários que arriscam a vida todos os dias em defesa dos outros.

4 AGRADECIMENTOS Aos estagiários da Turma Força Brasil pelo convívio harmonioso de todas as horas. À Ten Cel Neyde Lucia Freitas Souza, pelo apoio e incentivo durante a elaboração desta monografia. Por fim, deixo aqui expresso meu sincero agradecimento a todos aqueles que de alguma forma contribuíram para a construção deste trabalho.

5 RESUMO Este trabalho aborda os aspectos estruturais do sistema de proteção civil no âmbito municipal. O município é o menor ente da federação e é onde estão concentradas as ações preventivas que visam mitigar os efeitos de desastres naturais. No Brasil, 90% dos municípios não possuem estrutura de defesa civil. Historicamente, as políticas públicas são voltadas para a remediação. É grande o desafio dos municípios para executar políticas públicas que envolvam saneamento básico, habitação, planejamento urbano e implementar as medidas estruturantes voltadas para a prevenção e remediação de desastres naturais previstas na nova Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei /12). Com base nas estratégias para prevenção de desastres estabelecidas no Marco de nas Ação de Hyogo visando o aumento de resiliência das cidades e para garantir que a redução de riscos de desastres seja uma prioridade local e nacional com forte base institucional para sua implementação, a Secretaria Nacional de Defesa Civil formulou um plano de ação de dez passos, prestando apoio para que os municípios desenvolvam ações em âmbito local para reduzir os perdas com desastres. A magnitude e consequências da tragédia ocorrida em 2011 no Rio de Janeiro evidenciaram para as autoridades e para a sociedade brasileira a necessidade de fortalecer o município com dotação de recursos especialmente destinados à criação de estruturas de defesa civil e políticas públicas que os capacitem a atuar de forma sistêmica e integrada na prevenção e mitigação de desastres. Palavras chave: Defesa Civil. Prevenção de desastres. Ações estruturantes. Responsabilidade social.

6 ABSTRACT This paper addresses the structural aspects of the civil protection system in the municipal context. The city is the smallest entity of the federation and is where are concentrated the preventive actions aiming to mitigate the effects of natural disasters. In Brazil, 90% of municipalities have no civil defense structure. Historically, public policies are geared towards remediation. The challenge for municipalities to implement public policies involving sanitation, housing, urban planning and structuring measures aimed at the prevention and remediation of natural disasters included in the new National Policy on Protection and Civil Defense (Law /12). Based on the Hyogo Framework for Action for achieving disaster resilience and to ensure that disaster risk reduction is a national and a local priority with a strong institutional basis for implementation, the Civil Defence National Secretary outlined a ten steps plan in order to offer guiding principles and practical means to the cities aiming to reduce disaster losses. The magnitude and consequences of the tragedy that occurred in 2011 in Rio de Janeiro revealed to the authorities and to the Brazilian society the need to strengthen the municipality with resource allocation specifically for the creation of structures of civil defense and public policies that enable them to work systemic and integrated in the prevention and mitigation of disasters. Keywords: Civil Defense. Disaster prevention. Structural actions. Social responsibility.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Desastres naturais mais recorrentes no Brasil...13 FIGURA 2 Ocorrência de desastres nas décadas 1990 e FIGURA 3 Municípios afetados por inundações, enxurradas, enchentes e alagamentos...15 FIGURA 4 Verbas orçamentárias para prevenção e resposta a desastres...36

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Classificação de desastres...12 Tabela 2 População afetada, por município...25 Tabela 3 Inundações e deslizamentos na Região Serrana do Rio de Janeiro em

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OS DESASTRES E A DEFESA CIVIL DESASTRES: CONCEITUAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E OCORRÊNCIA O SURGIMENTO DA DEFESA CIVIL A Defesa Civil no Brasil A POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA CIVIL ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE DESASTRES AÇÕES DA DEFESA CIVIL NO BRASIL RIO DE JANEIRO CIDADE RESILIENTE A DEFESA CIVIL E AS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE DESASTRES PREVENIR X REMEDIAR: A QUESTÃO ORÇAMENTÁRIA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 40

10 8 1 INTRODUÇÃO O Brasil, juntamente com outros 167 países, é signatário do Marco de Ação de Hyogo 1, instrumento adotado em 2005 pelas Nações Unidas como parte de uma Estratégia Internacional para Prevenção de Desastres visando gerar soluções coordenadas, a nível mundial, para redução de riscos de desastres. Foram estabelecidas metas para os municípios visando à avaliação e redução de riscos, a implantação de sistemas de alerta e alarme, além de cuidados com a água e construção em áreas de risco. Com o objetivo de aumentar a resiliência das comunidades afetadas e fortalecer a capacidade de reação, o Protocolo de Hyogo estabelece cinco metas prioritárias a serem alcançadas até o ano de 2015, quais sejam: garantir que a redução de desastres seja uma prioridade nacional e local com sólida base institucional para sua implantação; identificar, avaliar e monitorar as áreas com risco de desastre, e melhorar o sistema de alerta à população; utilizar o conhecimento, a educação e a inovação, para construir uma cultura de segurança e resiliência em todos os níveis; reduzir os fatores fundamentais de risco e fortalecer a preparação em desastres para uma pronta resposta em todos os níveis. Os municípios e os gestores municipais devem identificar as comunidades que se encontram ameaçadas, atuar preventivamente na redução dos riscos e dar resposta aos desastres com a participação de comunidades e da sociedade civil. O município é quem primeiro vivencia situações de crises e emergências, e é no âmbito municipal que estão concentradas as ações preventivas que visem mitigar os efeitos de desastres naturais. A campanha Construindo Cidades Resilientes 2, lançada no Brasil em 2010 pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, objetiva ordenar esforços para implementar as ações prioritárias do Protocolo de Hyogo no âmbito municipal ao estabelecer 1 Marco de Ação Hyogo, Conferência Mundial para Redução de Desastres, conduzida pela Organização da Nações Unidas em Hyogo, Japão, no período de 18 a 22 de Janeiro de 2005, estabelece metas mundiais de redução de riscos de desastres no período de dez anos. 2 Campanha Construindo Cidades Resilientes: Minha Cidade Está se Preparando, Estratatégia Internacional para a Redução de Desastres (EIRD), das Nações Unidas (ONU), foi lançada no Brasil pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional visando sensibilizar governos e cidadãos para os benefícios da redução de riscos por meio da implementação de 10 passos para se construir cidades resilientes.

11 9 mecanismos de organização e coordenação de ações com base na participação de comunidades e da sociedade civil organizada. Um progresso notável, derivado da Lei /12 (BRASIL.2012), que instituiu a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, foi o estabelecimento da competência dos entes federados nas ações de prevenção e remediação em sua jurisdição. Além disso, a referida legislação: Cria um cadastro nacional de municípios com risco de desastres naturais; Obriga prefeituras a fazerem mapeamento das áreas de risco e incluírem essas áreas no plano diretor municipal; Obriga municípios a elaborarem o plano de contingência, determinando quais são os procedimentos a serem adotados, no caso catástrofe; Veda a concessão de alvará para novas construções em áreas de risco, sob pena de o gestor ser processado por improbidade; Obriga o ensino de prevenção a desastres nas escolas; e Cria o serviço militar alternativo na área de Defesa Civil. A nova Política Nacional prioriza a integração das políticas públicas voltadas ao ordenamento territorial dos municípios, incentiva a criação de sistemas de informação e alerta, as iniciativas educacionais, o mapeamento das áreas de riscos e medidas estruturantes voltadas para a prevenção aos desastres naturais. O Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais, outro importante instrumento para a consecução das políticas preventivas, recebeu recursos federais que somavam 7,7 bilhões de reais em 2012, de acordo com dados do Ministério da Integração. No entanto, levantamento feito pela ONG Contas Abertas 3 com base em dados do Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI, mostra que o governo federal teve 5,7 bilhões de reais do orçamento disponível para o programa de prevenção de desastres mas aplicou somente 32,2% dos recursos. 3 Levantamento da ONG Contas abertas publicado na Revista Veja em edição do dia 23/12/12.

12 10 Mesmo os municípios já mapeados como área de risco sofrem com a demora na realização de obras estruturantes, seja por falta de projetos adequados, burocracia, rigidez da legislação ou despreparo de gestores no âmbito municipal. Para reduzir o impacto das tragédias naturais as ações de defesa civil visam prevenir, mapear, monitorar e responder prontamente às situações de emergência causadas pelas secas, enchentes e deslizamentos. No entanto, o que a população brasileira vivencia ano a ano é a repetição de tragédias que poderiam ser minimizadas com a implementação eficaz das políticas públicas concebidas para esse fim, com a capacitação técnica dos gestores municipais e, caso necessário, com a instauração do devido processo legal para apuração de eventuais responsabilidades dos agentes públicos. As tragédias que ocorrem anualmente no Brasil envolvendo enchentes, deslizamentos e perdas de vidas são uma mostra do que a ausência de quadros técnicos estáveis e preparados para ações preventivas, a ineficácia dos sistemas de prevenção a cargo do governo municipal e a ausência de políticas públicas eficientes ligadas à defesa civil representam para a população. A partir do levantamento histórico da atuação da defesa civil no mundo e particularmente no Brasil, este trabalho pretende analisar as ações preventivas no âmbito da administração municipal e identificar os possíveis entraves enfrentados pelos municípios na aplicação das leis que regem as ações da Política Nacional de Proteção e Defesa Civil e o sistema de informações e monitoramento de desastres. Em complemento, este trabalho enfoca o município do Rio de Janeiro, em especial a catástrofe ocorrida em 2011 e as ações decorrentes até os dias atuais. A escolha do enfoque no município recai no fato de ser este o menor ente da federação e em sua imensa maioria não possui meios ou gestores com a qualificação necessária para desenvolver projetos consistentes e de longo prazo visando a prevenção de desastres no âmbito dos municípios. Essas deficiências operacionais e carência de recursos humanos nos órgãos de defesa civil federal e municipais e, consequentemente, atrasos no processo de solicitação e liberação de recursos necessários para fazer frente a despesas emergenciais realizadas pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, já foram objeto de análise pelo Tribunal de Contas da União em auditoria realizada no período de 2004 a 2009 (TCU,2010). É a Defesa Civil municipal que estará encarregada de dar a primeira resposta em caso de desastre e sua preparação será determinante para mobilizar os

13 11 recursos materiais e humanos disponíveis e a agilidade para acionar o auxílio externo visando remover, abrigar e alimentar a população atingida. Em 2012 o orçamento da união alocou para ações de defesa civil recursos na ordem de R$5,74 bilhões, assim distribuídos: ações preventivas (R$3,47 bilhões) e de remediação (R$2,27 bilhões). De acordo com os dados disponíveis no Portal do Orçamento/Siga Brasil, somente 13,6% do orçamento destinado à prevenção foi efetivamente empenhado, enquanto 87% do montante previsto para remediação foi utilizado em regime de emergência. Esta lógica poderia ser invertida por meio de ações tais como fornecimento de assistência técnica aos municípios, formação de agentes facilitadores e o estabelecimento de prioridades para as ações de defesa civil em áreas já identificadas como de risco, capacitação adequada dos agentes envolvidos com a defesa civil e o envolvimento da comunidade das áreas a serem monitoradas. Entre as limitações da pesquisa vale ressaltar a ausência de dados confiáveis e padronizados sobre desastres no Brasil e a escassez de registros informatizados sobre a ocorrência de desastres, o que dificulta a atualização dos dados coletados. A metodologia utilizada no estudo foi baseada em pesquisa bibliográfica e documental, em especial na Lei , de 10 de abril de 2012 que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, em matérias jornalísticas em razão da contemporaneidade da legislação e nas publicações e proposições legislativas oriundas da Cämara dos Deputados.

14 12 2 OS DESASTRES E A DEFESA CIVIL 2.1 DESASTRES: CONCEITUAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E OCORRÊNCIA. Para uniformização e melhor compreensão deste texto, é necessário conceituar desastre. Para reconhecimento federal 4, desastre é o resultado de eventos adversos, naturais ou provocados pelo homem sobre um cenário vulnerável, causando grave perturbação ao funcionamento de uma comunidade ou sociedade envolvendo extensivas perdas e danos humanos, materiais, econômicos ou ambientais, que excede a sua capacidade de lidar com o problema usando meios próprios (CASTRO, 1999). De acordo com a Política Nacional de Defesa Civil (SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL, 2007), os desastres são classificados de acordo com os critérios de evolução, intensidade e origem: CRITÉRIO EVOLUÇÃO TIPO DE DESASTRE Súbito ou de evolução aguda De evolução crônica ou gradual Por somatório de efeitos parciais Acidente COMENTÁRIO Causados por eventos adversos violentos e rápidos. Exemplos: deslizamento, enxurrada, vendaval, terremoto, erupção vulcânica, chuva de granizo etc. Insidiosos, com agravamento progressivo. Exemplos: seca, erosão, poluição ambiental etc. Somatório de vários acidentes ou desastres que, após um período, definem um grande desastre. Exemplos: cólera, malária, acidentes de trânsito e de trabalho etc. Danos e prejuízos de pouca importância para a coletividade como um todo. INTENSIDADE Desastre de médio porte Desastre de grande porte Desastre de muito grande porte Natural Danos e prejuízos importantes, mas recuperáveis com recursos da própria área sob sinistro. Recuperação exige o reforço de recursos regionais, estaduais ou federais. Implica decretação de situação de emergência. Recuperação exige a ação coordenada de todos os níveis do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil e, eventualmente, a ajuda externa. Implica decretação de estado de calamidade. Decorrente de fatores e desequilíbrios da natureza que atuam independentemente da ação humana. CAUSA PRIMÁRIA Humana ou antropogênica Provocado pela ação ou omissão humana. Homem como agente e autor. Decorrente da intercorrência de fenômeno natural sobre áreas Mista degradadas pela ação humana ou quando um fenômeno é agravado pela ação ou omissão humana Tabela nº 1 Classificação de desastres Fonte: GANEM, 2011, adaptado a partir da Política Nacional de Defesa Civil (SNDC, 2007). 4 O reconhecimento federal de Situação de Emergência ou do Estado de Calamidade Pública se dará por meio de portaria, mediante requerimento do Poder Executivo do Município, do Estado ou do Distrito Federal afetado pelo desastre, obedecidos os critérios estabelecidos na Instrução Normativa MI nº 001, de 24 de agosto de 2012.

15 13 Os desastres naturais registrados com maior frequência no Brasil são os decorrentes de inundações, alagamentos, enxurradas, deslizamentos, estiagens, secas e vendavais, sendo que nos ambientes urbanos, onde está concentrada a grande maioria da população brasileira, as inundações, as enxurradas e os deslizamentos de solo ou rocha constituem-se nos eventos que causam os maiores impactos 5. Figura 1 : Desastres naturais mais recorrentes no Brasil Fonte: Atlas Bras. Desastres Naturais, O gráfico seguinte retrata os registros de desastres ocorridos nas décadas de 1990 e A disparidade no número de ocorrências evidencia a dificuldade de compilação de dados padronizados e confiáveis sobre desastres no Brasil, tendo em vista a ausência de coleta sistêmica e armazenagem adequada de dados. Como tendência é possível afirmar que tanto os desastres têm potencial crescimento, como o sistema de registro desses dados cresceu na última década. 5 O Atlas Brasileiro de Desastres Naturais, Volume Brasil, aponta que do total de afetados ( ) estiagem e seca é o desastre que mais afeta a população brasileira, por ser mais recorrente (50,34%), mas as inundações bruscas, com 29,56% dos afetados brasileiros, causam maior número de mortes (43,19%). A região com maior proporção de mortos é a Sudeste, em parte devido à alta densidade demográfica.

16 14 Figura 2: Ocorrência de desastres nas décadas 1990 e 2000 Fonte: Atlas Brasileiro de Desastres Naturais, Volume Brasil, No Brasil, a ocorrência e a intensidade dos desastres naturais dependem mais do grau de vulnerabilidade das comunidades afetadas do que da magnitude dos eventos adversos. A figura seguinte retrata a distribuição dos municípios afetados por, no mínimo, três eventos de inundações, enxurradas, enchentes e alagamentos entre janeiro de 2003 e maio de 2011, com Portaria de Reconhecimento de Situação de Emergência ou Estado de calamidade pública expedida pela Secretaria Nacional de Defesa Civil. Com essa distribuição, percebe-se a significativa concentração dessas situações de risco em municípios das regiões Sudeste, Sul e Nordeste do País.

17 15 Figura 3 Municípios afetados por inundações, enxurradas, enchentes e alagamentos. Fonte: Secretaria Nacional de Defesa Civil (MI). Elaboração: Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos (MP). A crescente urbanização do país não foi acompanhada de políticas de desenvolvimento urbano capazes de prover moradia para grande parcela da população que, aos poucos, estabeleceu-se em assentamentos precários e em terrenos e encostas que ofereciam risco potencial de deslizamento e desmoronamento gerando um quadro de extrema vulnerabilidade. Soma-se a este quadro a expansão da área impermeabilizada das cidades contribuindo para o aumento das áreas de risco.

18 16 O programa de Gestão de Riscos e Reposta a Desastres do Ministério da Integração aponta para a necessidade de uma ação coordenada e articulada dos entes federados para a consecução das seguintes ações estruturantes: ampliação do conhecimento público sobre as áreas de risco nos municípios mais críticos, por meio do mapeamento da suscetibilidade geológica aos fenômenos deslizamentos, inundações e enxurradas; mapeamento de riscos nas áreas ocupadas; definição de diretrizes para a ocupação urbana segura, tanto na escala de planejamento urbano, quanto na escala dos projetos de parcelamento do solo; monitoramento da ocupação urbana, permitindo avançar num processo de controle e fiscalização urbanos que reduza o avanço da ocupação sobre áreas de maior fragilidade natural. As intervenções estruturais de caráter preventivo devem ser ampliadas para envolver a implantação de sistemas de drenagem urbana e do manejo adequado das águas pluviais; a implantação de parques, bosques e áreas de lazer em áreas de grande suscetibilidade a inundações rápidas e enxurradas; e a execução de obras de estabilização e contenção de encostas, além da execução de intervenções emergenciais voltadas para proteger a infraestrutura e setores críticos sob risco de colapso iminente. Tais intervenções estruturais contemplam ainda a remoção criteriosa de moradias em áreas de risco, associada ao reassentamento em áreas próximas, de forma a permitir a manutenção das condições de emprego e renda e do acesso aos equipamentos públicos. 2.2 O SURGIMENTO DA DEFESA CIVIL O primeiro país a preocupar-se com a segurança de sua população foi a Inglaterra, que instituiu a Civil Defense (Defesa Civil) após os ataques sofridos entre 1940 e 1941, quando suas principais cidades e centros industriais foram bombardeados, causando milhares de perdas de vida na população civil. As autoridades inglesas padronizaram um conjunto de procedimentos para diminuir o número de mortes. O plano, que ficou conhecido como Defesa Passiva

19 17 atuava basicamente em três frentes: prevenção, alarme e socorro. Nascia assim o conceito moderno de Defesa Civil, até hoje usado como modelo para prevenção de catástrofes por vários governos em todo o mundo. A Civil Defense britânica foi o primeiro órgão de Defesa Civil organizado no mundo. As primeiras ações, estruturas e estratégias de proteção e segurança dirigidas à população, tanto no Brasil e como no resto do mundo, foram realizadas nos países envolvidos na Segunda Guerra Mundial. O Japão também possuía, durante a segunda guerra, um sistema eficiente de proteção civil, com alto grau de organização e mobilização. Esta organização foi evidenciada quando da explosão das bombas atômicas nas cidades de Hiroshima e Nagasaki. De um total de pessoas que residiam nas duas cidades, aproximadamente foram evacuadas, e cerca de sobreviveram. Sua capacidade organizacional permitiu que as indústrias voltassem a operar com 70% de sua capacidade em menos de dez dias. A Alemanha, após os bombardeios, teve sua população paralisada, pois não possuía um sistema de proteção civil eficiente e organizado. A Cruz Vermelha Internacional (1859) é a mais antiga organização ligada à defesa civil. Durante e após este período de guerras, surgiram outros organismos internacionais de proteção civil, como a Organização Internacional de Proteção Civil (1931), a Organização das Nações Unidas (1945), a Secretaria de Coordenação de Socorro às Catástrofes da Organização das Nações Unidas (1971) A defesa civil no Brasil Com a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial e, principalmente, após o afundamento, na costa brasileira, dos navios de passageiros Arará e Itagiba, totalizando 56 vítimas, o governo brasileiro, em 1942, cria o Serviço de Defesa Passiva Antiaérea e estabelece a obrigatoriedade do ensino da defesa passiva em todos os estabelecimentos de ensino, oficiais ou particulares, existentes no país, entre outras medidas. Em 1943, a denominação de Defesa Passiva Antiaérea é alterada para Serviço de Defesa Civil, sob a supervisão da Diretoria Nacional do Serviço da Defesa Civil, do Ministério da Justiça e Negócios Interiores e extinto em 1946, bem

20 18 como as Diretorias Regionais do mesmo Serviço, criadas no Estado, Territórios e no Distrito Federal. Em 1966, foi criado, no então Estado da Guanabara, um Grupo de Trabalho com a finalidade de estudar a mobilização dos diversos órgãos estaduais em casos de catástrofes. Este grupo elaborou o Plano Diretor de Defesa Civil do Estado da Guanabara, definindo atribuições para cada órgão componente do Sistema Estadual de Defesa Civil. Em foi organizada no Estado da Guanabara, a primeira Defesa Civil Estadual do Brasil. Em 1967 foi criado o Ministério do Interior com a competência, entre outras, de assistir as populações atingidas por calamidade pública em todo o território nacional. O Decreto-Lei nº 950, de , institui no Ministério do Interior o Fundo Especial para Calamidades Públicas FUNCAP, sendo regulamentado por intermédio do Decreto nº , de Com o intuito de prestar assistência e defesa permanente contra as calamidades públicas, é criado em , no âmbito do Ministério do Interior, o Grupo Especial para Assuntos de Calamidades Públicas - GEACAP. A Constituição Federal de 1988 estabelece em seu artigo 144 que cabe aos bombeiros militares executar as atividades de defesa civil. Portanto, a Carta Magna incumbe ao Corpo de Bombeiros, vinculados aos governos estaduais, a função de socorrer a população em situação de desastre. No mesmo ano, o Decreto instituiu o Sistema Nacional da Defesa Civil, que tinha como órgão central a Secretaria Especial de Defesa Civil, vinculada ao Ministério do Interior. O conceito de Defesa Civil como instituição estratégica para redução de riscos de desastres deu-se com a criação do Sistema Nacional de Defesa Civil SINDEC, por meio do Decreto nº , de No ano seguinte, a Assembleia Geral da ONU realizada em 22 de dezembro, aprovou a Resolução 44/236, que estabelecia o ano de 1990 como início da Década Internacional para Redução dos Desastres Naturais (DIRDN), objetivando a redução de perdas de vidas, danos e transtornos socioeconômicos provocados por desastres naturais como escorregamentos, terremotos, erupções vulcânicas, tsunamis, inundações, vendavais, secas e desertificação, incêndios, pragas, além de outras calamidades de origem natural.

21 19 Em 1989, em cumprimento aos termos da Resolução 44/236, o Brasil elaborou a Política Nacional de Defesa Civil - PNDC estruturada em quatro pilares: prevenção, preparação, resposta e reconstrução, estabelecendo metas e programas a serem alcançados até o ano Em 2010, o Sistema sofreu uma simplificação, com a exclusão das coordenadorias regionais e dos órgãos setoriais, os quais retornaram por meio da Lei /2012. Esta Lei ampliou as atribuições do Sistema, que passou a denominar-se Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil, visando fortalecer as ações de prevenção aos desastres. Na nova estrutura do Sistema Nacional de Defesa Civil, destaca-se a criação do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres CENAD, o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), o Grupo de Apoio a Desastres e o fortalecimento dos órgãos de Defesa Civil locais. Ainda em 2012 o governo federal lançou o Plano Nacional de Gestão de Risco e Resposta a Desastres Naturais, que prevê investimento de R$ 18,8 bilhões até o final de 2014 a ser utilizado em ações de prevenção a enchentes e inundações, mapeamento das áreas de risco, resposta a catástrofes, monitoramento e alerta, fortalecimento das Defesas Civis Municipais entre outras ações. Oitenta e três por cento desse total vão financiar obras capazes de prevenir ou minimizar os efeitos das catástrofes. 2.3 A POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA CIVIL A Lei /2012 (BRASIL, 2012) institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC), que abrange as ações de prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação. A nova política traz uma forte orientação no sentido de priorizar as ações de prevenção aos desastres naturais a partir de medidas estruturantes como: o incentivo à criação de sistemas de informação, mapeamento de áreas de risco, iniciativas educacionais e a articulação de diferentes políticas públicas direcionadas ao ordenamento territorial das cidades. Apesar de explicitar o estímulo à participação de entidades privadas, associações de voluntários, clubes de serviços, organizações não governamentais, associações de classe e comunitárias em suas diretrizes, a nova política não

22 20 apresenta uma estratégia clara para a organização da população residente nas áreas de risco frente a situações de prevenção e reação à ocorrência de eventos extremos. Entre os objetivos da PNPDEC estão a redução dos quatorze riscos de desastres; a incorporação do risco de desastre e as ações de proteção e defesa civil entre os elementos da gestão territorial e do planejamento das políticas setoriais; o desenvolvimento de cidades resilientes e os processos sustentáveis de urbanização; a identificação e avaliação das ameaças, suscetibilidades e vulnerabilidades a desastres; o monitoramento dos eventos meteorológicos, hidrológicos, geológicos, biológicos, nucleares,químicos e outros potencialmente causadores de desastres; a produção de alertas antecipados sobre a possibilidade de ocorrência de desastres naturais; o combate à ocupação de áreas ambientalmente vulneráveis e de risco e a realocação da população residente nessas áreas; e o estímulo às iniciativas que resultem na destinação de moradia em local seguro. A Lei /2012 determina que todos os Entes da Federação programem ações para desenvolver uma cultura nacional de prevenção de desastres e a conscientizar a população sobre os riscos de desastre no País e autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres, cuja base de dados será compartilhada pelas três esferas da Federação, visando ao oferecimento de informações atualizadas para prevenção, mitigação, alerta, resposta e recuperação em situações de desastre em todo o território nacional. Além disso, a Lei /2012 alterou a Lei 8.239, de 4 de outubro de 1991, que regulamenta o art. 143, 1º e 2º da Constituição Federal, que dispõem sobre a prestação de Serviço Alternativo ao Serviço Militar Obrigatório. Conforme as novas disposições, o Serviço Alternativo incluirá o treinamento para atuação em áreas atingidas por desastre, em situação de emergência e estado de calamidade. O objetivo dessa medida é oferecer a possibilidade de que os jovens alistados nas Forças Armadas possam ser capacitados para o exercício de outras atividades que não aquelas de cunho militar. A Lei define as responsabilidades de cada ente da federação cabendo à União atribuições relacionadas ao planejamento e monitoramento em ampla escala, bem como ao reconhecimento do estado de calamidade pública e situação de emergência. Os Estados também têm forte atuação nas ações de planejamento e monitoramento, na elaboração de Planos Estaduais de Proteção e Defesa Civil que

RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES

RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES CAMPANHA DA UNISDR (ESTRATÉGIA INTERNACIONAL PARA REDUÇÃO DE DESASTRES) EM PARCERIA COM A SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

DIRETRIZES S NA PLENÁRIA FINAL DA 1 A CNDC Grupo 01 - Tema: Capacitação 1) Qualificação profissional e formação educacional nos cursos BR.1D.CVF.2376 médios e superiores, nas suas respectivas áreas de

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do

Leia mais

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo Henrique Massei Nome

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

Araraquara (São Paulo), Brazil

Araraquara (São Paulo), Brazil Araraquara (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Marcelo Fortes Barbieri Nome do ponto focal:

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014 Mesquita, Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail

Leia mais

Capivari (São Paulo), Brazil

Capivari (São Paulo), Brazil Capivari (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Serra Negra (São Paulo), Brazil

Serra Negra (São Paulo), Brazil Serra Negra (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antônio Luigi Ítalo Franchi Nome do ponto

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal: ALLAN TÁCITO Organização: Prefeitura

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: Sílvio

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente São Paulo, 12 de mao de 2016 Estrutura da Apresentação Panorama Geral - Mudanças Climáticas - Desastres

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização:

Leia mais

Operações Humanitárias

Operações Humanitárias Logística de Operações Humanitárias Hugo Yoshizaki Agenda Introdução Legislação Pertinente Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC Próximos Passos 1 20/09/2011 2 Introdução O que é Logística? A logística

Leia mais

Jundiaí (São Paulo), Brazil

Jundiaí (São Paulo), Brazil Jundiaí (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Pedro Bigardi Nome do ponto focal: Eduardo

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DOS RISCOS DECORRENTES DOS DESASTRES NATURAIS Documento em discussão COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Valinhos (São Paulo), Brazil

Valinhos (São Paulo), Brazil Valinhos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Clayton Roberto Machado Nome do ponto focal:

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do ponto focal: Márcio Motta Organização:

Leia mais

GESTÃO DE DESASTRES NO BRASIL

GESTÃO DE DESASTRES NO BRASIL ESTUDO GESTÃO DE DESASTRES NO BRASIL Roseli Senna Ganem Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO OUTUBRO/2012

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

So cie da de. Proteção e Defesa Civil: novos paradigmas para o Sistema Nacional TEXTO DE REFERÊNCIA

So cie da de. Proteção e Defesa Civil: novos paradigmas para o Sistema Nacional TEXTO DE REFERÊNCIA So cie da de PRO TE ÇÃO CONHECI MENTO DIÁLOGO GESTÃO DE RISCO COOPE RAção INTE GRAÇÃO Proteção e Defesa Civil: novos paradigmas para o Sistema Nacional TEXTO DE REFERÊNCIA Brasília, dezembro de 2013 TEXTO

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Kiko Celeguim Nome do ponto focal: Norival Rodrigues Filho Organização:

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos

Leia mais

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO ATUAÇÃO DO SETOR SAÚDE EM EVENTOS DE INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC Natureza Jurídica: SISTEMA Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Nota Técnica de Adequação Financeira e Orçamentária da Medida Provisória n 448, de 2008 Brasília, 01 de dezembro de 2008. Assunto: Subsídios para exame da adequação financeira e orçamentária da Medida

Leia mais

Registro (São Paulo), Brazil

Registro (São Paulo), Brazil Registro (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Gilson Wagner Fantin Nome do ponto focal: Luciano Miyashita Organização:

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto focal: OSIAS CORREIA DE OLIVEIRA

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção)

Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção) Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção) Processo nº 4: Plano Integrado de Prevenção de Desastres Naturais da Bacia do Itajaí (PPRD) Parecer

Leia mais

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR CASA MILITAR Chefe da Casa Militar e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Gabinete Operações Defesa Civil Administrativo DEFESA CIVIL Coordenadoria Estadual de Defesa Civil

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Brasil CAMPINAS Fundação: 14 de julho de 1774 População: 1.144.862 Área: 796 km² Altitude: 654 m Hospitais: 32 Agências bancárias: 229

Leia mais

Pedreira (São Paulo), Brazil

Pedreira (São Paulo), Brazil Pedreira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Carlos Evandro Pollo Nome do ponto focal: EDUARDO PAZINI Organização: PREFEITURA

Leia mais

Manaus (Amazonas), Brazil

Manaus (Amazonas), Brazil Manaus (Amazonas), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto Nome do ponto focal: Mário Aníbal Gomes

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Belo Horizonte-MG 2012

PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Belo Horizonte-MG 2012 PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS Belo Horizonte-MG 2012 PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CICLO DE AÇÕES EXECUTADAS PELO SISTEMA FORMADO POR ENTIDADES E PELA SOCIEDADE CIVIL, ARTICULADO

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal:

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem Base Legal Lei nº 12.340/2010 - Dispõe sobre as transferências de recursos

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior Santa Catarina O QUE É DESASTRE? O BÁSICO: REFERÊNCIAS MULTILATERAIS ESTRATÉGIA INTERNACIONAL DE REDUÇÃO

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Pesquisa. Políticas Públicas e Iniciativas da Sociedade Civil de Prevenção e Resposta a Situações de Desastres Climáticos

Pesquisa. Políticas Públicas e Iniciativas da Sociedade Civil de Prevenção e Resposta a Situações de Desastres Climáticos Relatório Síntese Pesquisa Políticas Públicas e Iniciativas da Sociedade Civil de Prevenção e Resposta a Situações de Desastres Climáticos Janeiro de 2013 Realização: Parceria: Apoio Apresentação Ana Paula

Leia mais

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Edison Pessanha Campos dos Goytacazes, que já enfrentou grandes enchentes, como as de 2007, com o rio Paraíba atingindo

Leia mais

Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL

Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL 8 Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Vicente Cavalcanti Ibiapina Parente Ministério da Integração

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, EXTREMOS E DESASTRES NATURAIS

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, EXTREMOS E DESASTRES NATURAIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS, EXTREMOS E DESASTRES NATURAIS Annual Disaster Statistical Review 2012, CRED/UCL DESASTRES NATURAIS NO MUNDO DESASTRES NATURAIS NO MUNDO Annual Disaster Statistical Review 2012, CRED/UCL

Leia mais

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 MOBILIZAÇÃO, RESULTADOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Há um ano a CARE Brasil vem atuado na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Londrina (Paraná), Brazil

Londrina (Paraná), Brazil Londrina (Paraná), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Alexandre Lopes Kireeff. Nome do ponto focal:

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais