DRENOS. Profa. Dra. Juliana Nery de Souza Talarico Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DRENOS. Profa. Dra. Juliana Nery de Souza Talarico Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo"

Transcrição

1 + DRENOS Profa. Dra. Juliana Nery de Souza Talarico Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

2 + DEFINIÇÃO Cateteres São tubos de diversos materiais e calibres inseridos no organismo, com a função de infundir líquidos ou também retirá-los. Também pode ser utilizados para monitorização de funções vitais. Drenos São tubos ou materiais colocados no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar, evitando o seu acúmulo e removendo coleções diversas e ainda, orientar trajetos fistulosos.

3 + DRENOS INDICAÇÃO Fluxo do produção de fluído for superior à absorção espontânea. FINALIDADE Retirar uma quantidade de líquido dentro de uma cavidade natural ou criada; Evitar/prevenir possíveis complicações relacionadas às cirurgias.

4 + DRENOS: mecanismo de drenagem ESPONTÂNEA OU SIMPLES: gradiente de pressão entre o local a ser drenado e o meio externo ocorre naturalmente por: pressão dos órgãos, capilaridade (dreno laminar), gravidade (dreno tubular). SUCÇÃO OU SISTEMA A VÁCUO: gradiente de pressão entre o local a ser drenado e o meio externo ocorre por pressão negativa criada no orifício externo do dreno (dreno tubular).

5 + DRENOS: tipos de estrutura LAMINARES são achatados, maleáveis, feitos de borracha sintética ou de plástico siliconizado. Condução do efluente é direta. Funcionam por capilaridade. Os mais usados são os de Penrose TUBULARES são em forma de tubo, feitos de polietileno, silicone ou latéx. A condução do efluente está dependência do número e tamanho dos orifícios laterais, a drenagem se faz através de seu lúmem. Funcionam tanto por capilaridade, gravidade como por sucção. Os mais usados são os torácicos.

6 + DRENOS: calibre Unidade de medida: French (Fr) 1Fr = 1mm

7 + DRENOS: cavidade abdominal esôfago e estômago

8 + DRENOS: cavidade abdominal intestino delgado

9 + DRENOS: cavidade abdominal fígado e vias biliares

10 + DRENOS: cavidade abdominal fígado e vias biliares

11

12 + Drenos: cavidade torácica DEFINIÇÃO introdução de um dreno em uma das três cavidades do tórax (cavidade pleural, mediastinal), com o objetivo de retirar coleções líquidas e gasosas INDICAÇÃO Hemotórax e Pneumotórax: trauma, espontâneo e iatrogênico -Empiema Pleural (fase aguda) -Derrame pleural neoplásico

13 + DRENOS: cavidade torácica sistemas de drenagem VALVULARES Indicada em Pneumotórax A ação combinada das membranas possibilita a passagem de ar e/ou dos fluidos, do tórax para o coletor, mas não o seu retrocesso. Tubo de plástico no interior do qual estão duas lâminas de borracha em íntimo contacto entre si. SELO D ÀGUA Selo hídrico impede a entrada de ar no espaço pleural pela barreira entre a pressão atmosférica e a pressão intrapleural. Utilizar solução estéril (Água destilada) Trocar o selo d água (1x/dia)

14 + DRENOS: cavidade torácica sistemas de drenagem Sistema ativo de drenagem sistema de aspiração contínua possui uma câmara de transmissão de pressão negativa que é regulável por mecanismo de sifonagem reversa através de coluna d água submersa. A câmara de transmissão de pressão negativa possibilita uma transmissão de aspiração moderada (graduada) ao sistema de drenagem pleural ou mediastinal Sistema passivo de drenagem É um tipo de drenagem que faz apelo à força gravitacional e à existência de uma pressão positiva intrapulmonar, para a concretização da drenagem pleural. Pode ser realizada de um modo simples, isto é, o frasco que serve de selo d água é o mesmo que vai servir de coletor do drenado, ou pelo sistema de duplo frasco, funcionando o primeiro frasco exclusivamente como coletor e o segundo como selo de água.

15 + DRENOS: cavidade torácica sistemas de drenagem Desvantagens e Complicaçoes do Sistema Selo d àgua: Restringem a sua mobilidade; Risco de colapso pulmonar pelos campleamentos frequentes; Formação de coágulos; Pneumotórax hipertensivo; Risco de desligamento de uma das conexões

16

17

18 + DRENOS: OUTROS - SUCÇÃO

19 + DRENOS: SUCÇÃO

20 +

21 +

22