Serviço Geológico do Brasil CPRM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Geológico do Brasil CPRM"

Transcrição

1 Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny

2 Obje8vos: Em 2011 a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CPRM,recebeu do Governo Federal a incumbência de fazer o levantamento das áreas de risco alto e muito alto a inundações e deslizamentos em 812 municípios brasileiros. Desses 36 estão no Estado do Paraná

3 Metodologia utilizada: Levantamento de áreas com histórico de desastres naturais ou municípios que já identificaram situações de risco; Visita de campo nas áreas definidas; Observação de indicios ( situação topográfica, declividade, escoamento das águas plúviais e servidas, trincas no terreno, árvores inclinadas e outros indicios de deslizamentos ou inundações frequêntes); Definição, cartografia do setor em imagens google earth e, q Elaboração de SIG, prancha e relatório.

4 Serviço Geológico do Brasil CPRM

5

6 Inicio dos trabalhos de setorização no Paraná: 2012 Número de municípios trabalhados até 2014: 36 Número de setores de deslizamento: 47 (1 corrida) Número de setores de inundação: 67 Total de setores: 114

7 MUNICÍPIOS COM ÁREAS DE RISCO RELACIONADAS A EROSÃO, JÁ MAPEADOS EM OUTRAS OCASIÕES OU SEM RISCOS IDENTIFICADOS NO MOMENTO EROSÃO: 2 SEM ÁREAS DE RISCO: 3 MUNICÍPIOS MAPEADOS POR OUTRAS INSTITUIÇÕES OU EM OUTRAS AÇÕES GOVERNAMENTAIS: 2

8

9 Serviço Geológico do Brasil CPRM

10 Serviço Geológico do Brasil CPRM Principais caracterís8cas geotécnicas e topográficas das áreas com risco alto e muito alto de deslizamento : Declividade 60 ou maior Solo com espessura em variando de 2 metros à mais de 10 metros Altura das encostas variando de 5 a 20 metros Argilo siltoso Deslizamentos planares Alta densidade de ocupação das encostas, casas de alta vulnerabilidade.

11 Serviço Geológico do Brasil CPRM

12

13 Principais Caracterís8cas das áreas de risco alto e muito alto a inundações e enchentes: Ocupação densa da planície de inundação Construções junto as margens e dentro do canal maior do rio Rios e córregos assoreados ou com obstruções ao seu escoamento normal Casas com vulnerabilidade alta a média

14

15 Serviço Geológico do Brasil CPRM

16

17 Sugestões para diminuição ou eliminação do risco de deslizamento a)planejamento urbano (principalmente nas áreas periféricas e de expansão das cidades) b) Fiscalização na ocupação de encostas (consciendzação contra o uso da técnica de corte e aterro nas encostas) c)implantação de programas habitacionais que atendam parcelas maiores da população de baixa renda, principalmente aquela que hoje reside em áreas de risco. d)remoção das moradias, quando necessário.

18 Sugestões para diminuição ou eliminação do risco de deslizamento e)obras de contenção pontuais f) Implantação de sistemas de monitoramento e alarme g) Educação ambiental e formal h)criação e fortalecimento da Defesa Civil em todos os municípios

19 Sugestões para diminuição ou eliminação do risco de inundação a)planejamento urbano (principalmente nas áreas periféricas e de expansão das cidades) b) Fiscalização na ocupação das margens de rios e córregos c)implantação de programas habitacionais que atendam parcelas maiores da população de baixa renda, principalmente aquela que hoje reside em áreas de risco. d)remoção das moradias, quando necessário.

20 Sugestões para diminuição ou eliminação do risco de inundação e)obras de controle de cheias, obras que melhorem o escoamento das águas f) Implantação de sistemas de monitoramento e alarme g) Educação ambiental e formal h)criação e fortalecimento da Defesa Civil em todos os municípios

21 Serviço Geológico do Brasil CPRM Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade COMUNIDADE Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações MAIS SEGURA Mais Ciências da Terra para a Sociedade MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Nelson José Hubner Moreira Ministro Interino

Leia mais

Geotecnia Ambiental e SIG S na Análise e no Planejamento do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Risco

Geotecnia Ambiental e SIG S na Análise e no Planejamento do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Risco Geotecnia Ambiental e SIG S na Análise e no Planejamento do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Risco Beatriz Nozari Ribeiro de Carvalho Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis SC Brasil bianozari@yahoo.com.br

Leia mais

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 1 Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Geociências asccoti@yahoo.com.br

Leia mais

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA Leandro Galvanese Kuhlmann¹; Victor Augusto Hilquias Silva Alves². Resumo A CPRM Serviço

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS Gabriela de Azevedo Reis 1 gabrielareisazevedo@gmail.com Lyvia

Leia mais

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Com a crescente urbanização e expansão das cidades os problemas resultantes das chuvas tem se tornado cada vez mais frequentes e mais graves devido a diversos fatores:

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM NA GESTÃO DE RISCOS E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM NA GESTÃO DE RISCOS E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS A ATUAÇÃO DO SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM NA GESTÃO DE RISCOS E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS Departamento de Gestão Territorial Diretoria de Hidrologia e Gestão Territorial Serviço Geológico do Brasil

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ)

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ) MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE Silva, L.O. 1 ; Placido, D.T. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:leugeo25@gmail.com;

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCOS DE SANTA MARIA-RS

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCOS DE SANTA MARIA-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA SECRETARIA DO MUNICIPIO DE HABITAÇÃO E DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA TOMADA DE PREÇOS Nº 019/2005 REGISTRADA PELA LEI Nº 8.666/93 ELABORAÇÃO

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC Desenvolvimento sustentável e equilibrado em toda Santa Catarina FAPESC FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econõmico

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Avaliação emergencial das áreas visitadas em Rio do Sul Santa Catarina Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Data da missão: 24/09/2013 26/09/2013 Data deste relatório:

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias

Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias CAP. 5 MAPAS, CARTAS NÁUTICAS, PLANTAS, DESENHOS E FOTOGRAFIAS 5.1 EXTRATO DA CARTA NÁUTICA- DHN 1503 Figura 5-1 Extrato da Carta DHN 1503.

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do

Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente Fone: 061-3105-2072 wigold.schaffer@mma.gov.br

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- Almeida, L. 1 ; Santos, W.L. 2 ; Arcos, F.O. 3 ; 1 UFAC Email:ane_almeidasantos@hotmail.com;

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Salvador/BA 25 a 28/11/2013 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Daniel Varriento Escobar*, Alcindo Neckel, Suelen Marques * Gestor Ambiental.E-mail:

Leia mais

Desastres Naturais: Análise de Riscos Ambientais no Estado de São Paulo.

Desastres Naturais: Análise de Riscos Ambientais no Estado de São Paulo. Desastres Naturais: Análise de Riscos Ambientais no Estado de São Paulo. Geórgia Jorge Pellegrina Universidade Estadual Paulista, Bauru, Brasil, georgia@ipmet.unesp.br Anna Silvia Palcheco Peixoto Universidade

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061 Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação Marcos Gamberini 20061 O QUE É A MATA CILIAR? 2 As matas ciliares desempenham múltiplas funções no ecossistema Mata Ciliar tem relação direta com a QUALIDADE

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP.

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. (Relatório de Andamento Bairro-Cota 200) Centro de Tecnologias

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos Aços Longos Gabiões Belgo Produtos Gabiões Belgo A mais nova solução para obras geotécnicas e hidráulicas Uma linha de produtos com a qualidade Belgo Bekaert para o mercado de construção civil. São elementos

Leia mais

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão Nossa Terra Episódio 5 Erosão Resumo A Série Nossa Terra é composta por sete documentários de 15 minutos cada um, em que a Geologia é explorada de forma dinâmica por meio de questionamentos, experimentos,

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro)

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Virginia Amaralinda Calabrez Martins Graduanda em Geografia na Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC)

VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC) VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC) MANSUR de M. S, C.¹ ¹ Universidade Regional de Blumenau FURB,

Leia mais

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ.

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Aline Nogueira Costa e Helena Polivanov Departamento de Geologia de Engenharia e Ambiental, Universidade

Leia mais

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Mesa Redonda Recuperação de áreas Degradadas por Catástrofes e Reconstrução Emergencial A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Fernando A. M. Marinho

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Deslizamentos em SC - causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras Joinville SC 12/02/2009 Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Luiz A. Bressani, PhD Departamento

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO

PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO SEINFRA PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO João Bosco de Almeida Secretário de José Almir Cirilo Secretário Executivo de Coordenação Geral Fellipe Alves Gestor de Planejamento A PRIMEIRA

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

Ação antrópica: instrumento de planejamento territorial como elemento mitigador.

Ação antrópica: instrumento de planejamento territorial como elemento mitigador. Ação antrópica: instrumento de planejamento territorial como elemento mitigador. Talita Fernanda Feltrin¹; Cintia Isabel de Campos²; Archimedes Azevedo Raia Junior³ ¹Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 Minascentro, Belo Horizonte/MG Eixo 3 - Direitos, justiça ambiental e políticas públicas A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE

Leia mais

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Omar Yazbek BITAR* As perspectivas associadas à exploração da bacia geológica de Santos (Bacia de Santos),

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2016-17 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE GEOGRAFIA O setor

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Sumário Executivo do Plano Diretor

Sumário Executivo do Plano Diretor Sumário Executivo do Plano Diretor 1. Objetivo do estudo i) Elaborar o plano diretor de medidas de mitigação dos desastres de enchentes e escorregamentos ii) Realizar estudos de viabilidade dos projetos

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS POR RESÍDUOS DE OBRAS RODOVIÁRIAS DEPOSITADOS À MARGEM

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental.

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental. ELABORAÇÃO DO MAPA DE DANOS AMBIENTAIS DA APA PETRÓPOLIS,VOLTADO À PREVISÃO DE MOVIMENTOS DE MASSA - MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL. BONATTO, G. (1), (1) Aluno do Programa de

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO Flávia Aparecida Tavares Bonadeu (1), Adailton Antônio dos Santos (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)flaviabonadeu@hotmail.com,

Leia mais