PLANO MUNICIPAL DE CONTINGÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO MUNICIPAL DE CONTINGÊNCIA"

Transcrição

1 PLANO MUNICIPAL DE CONTINGÊNCIA Vila Velha / ES 2013 / 2015 Vila Velha / ES 23 de outubro de 2013

2 2 DOCUMENTO DE APROVAÇÃO O Plano de Contingência do Município de Vila Velha estabelece os procedimentos a serem adotados pelos órgãos envolvidos na resposta a emergências e desastres quando da atuação direta ou indireta em eventos relacionados a estes desastres naturais. O presente plano foi elaborado e aprovado pelos órgãos e instituições integrantes do sistema municipal de defesa civil de Vila Velha, identificados na página de assinaturas, os quais assumem o compromisso de atuar de acordo com a competência que lhes é conferida, bem como realizar as ações para a criação e manutenção das condições necessárias com vistas ao desempenho previsto nas atividades e responsabilidades contidas neste Plano. COORDENAÇÃO RODNEY ROCHA MIRANDA Prefeito Municipal de Vila Velha FABIANA MAIORAL Secretária Municipal de Prevenção e Combate à Violência ORGANIZAÇÃO KARIDENY NARDI MODENESI Assessora Especial JESSICA VICENTE GUANANDY Coordenadora Municipal de Defesa Civil

3 3

4 4

5 5

6 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES DATA ALTERAÇÃO OBS.

7 7 Os astronautas que tiveram a chance de olhar a terra do espaço viram como nosso planeta é incrivelmente bonito, e se referem a ele como um lar. Ponhamos de lado nossos temores e nossa obsessão com os direitos pessoais e tribais e sejamos corajosos o bastante para ver que a ameaça real provém do dano que infligimos à terra viva, da qual fazemos parte e que constitui nosso lar. (James Lovelock)

8 8 SUMÁRIO PÁGINA DE ASSINATURAS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. PÁGINA DE ASSINATURAS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. PÁGINA DE ASSINATURAS... 4 REGISTRO DE ALTERAÇÕES INTRODUÇÃO O MUNICÍPIO DE VILA VELHA POPULAÇÃO DISTRITOS E BAIRROS LITORAL E BACIAS HIDROGRÁFICAS CENÁRIOS DE RISCO Mapeamento de Risco Geológico Monitoramento e Alerta DESASTRES NATURAIS EM VILA VELHA HISTÓRICO TIPOS DE DESASTRES Enchente ou Inundação Gradual Enxurrada ou Inundação Brusca Alagamento Escorregamento ou Deslizamento Vendaval ou Tempestade Tipificação FATORES CONTRIBUINTES PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS ESCOPO E PRESSUPOSTOS OBJETIVOS Geral LEGISLAÇÃO PERTINENTE DEFINIÇÕES TÉCNICAS Desastre Situação de Emergência Estado de Calamidade Pública Dano Prejuízo Recursos PRESSUPOSTOS DO PLANEJAMENTO ÁREA DE ABRANGÊNCIA OPERACIONALIZAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE CONTINGÊNCIA FASES CONSIDERADAS E NÍVEIS DE AÇÃO Prevenção de Desastres Preparação para Desastres Resposta aos Desastres IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO DE ANORMALIDADE... 24

9 Critérios para ativação do plano Atividades competentes para a ativação Acionamento dos órgãos COORDENAÇÃO, COMANDO E CONTROLE Documentos Pertinentes ÓRGÃOS E INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS Parcerias RESUMO DAS AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS Socorro à população em risco: Assistência: Reabilitação do Cenário Afetado: ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS ENVOLVIDOS Atribuições Gerais Atribuições Específicas DESMOBILIZAÇÃO CRITÉRIOS PARA DESMOBILIZAÇÃO AUTORIDADES COMPETENTES PARA A DESMOBILIZAÇÃO PROCEDIMENTOS REFERÊNCIAS ANEXO I MAPEAMENTO DE RISCOS GEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA CPRM ANEXO II REGISTRO FOTOGRÁFICO Dique do Rio Jucu Alagamentos (chuva março de 2013) Alagamentos (chuva março de 2012) ANEXO III RELAÇÃO DE PONTOS FOCAIS E ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS ANEXO IV DOCUMENTOS PERTINENTES ORGANOGRAMA DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÃO DOCUMENTOS PERTINENTES MODELOS DE QUADROS... 59

10 10 1 INTRODUÇÃO As mudanças climáticas têm provocado desastres naturais de grandes proporções em todo o mundo, especialmente os relacionados aos aspectos hídricos, como as secas e as enxurradas. No Brasil, muitas pessoas sofrem danos físicos e materiais anualmente por desastres de veiculação hídrica. No Espírito Santo se registram com frequência, principalmente no período de outubro a março, desastres relacionados com as chuvas, tais como enchentes, enxurradas e deslizamentos. Nesse contexto, observa-se que nos últimos anos, chuvas fortes vêm ocorrendo frequentemente em um curto espaço de tempo, em períodos de poucas horas, quase sempre contrariando previsões climáticas disponíveis, causando danos e prejuízos diversificados. Prejuízos esses muitas vezes potencializados pelas condições geográficas do local, como é o caso do Município de Vila Velha, que apresenta em sua formação, características que contribuem para a ocorrência de enchentes, alagamentos, deslizamentos e outros. Dentre estas características, destaca-se a predominância de relevo plano, altitude média da sede de 4 metros acima do nível do mar e 32 quilômetros de litoral, banhados pelo Oceano Atlântico, além de ser um município cortado por muitos canais. Quando o período de chuva intensa coincide com a cheia da maré a situação piora. Os desastres naturais relacionados ao incremento das precipitações hídricas, e as inundações aliadas à topografia local não se traduzem como um acontecimento isolado, deslizamentos também são constantes. Todos os bairros do Município são de algum modo, afetados quando ocorrem enchentes e inundações, e diversos são os fatores que contribuem para a ocorrência de desastres, dentre os quais se destacam os naturais, oriundos do clima e a geografia da região e os humanos, por meio do processo de ocupação desordenada da cidade, inclusive em áreas de alagados com aterros irregulares, além das áreas de encosta (com ou sem matacões), transformando esses lugares em áreas com alto risco de inundações, enchentes, deslizamentos e desabamentos. Com efeito, nas áreas ainda não ocupadas, o planejamento do uso do solo, a seleção das áreas e um zoneamento das terras, aliados a consulta prévia à Secretaria Municipal de Meio Ambiente SEMMA são importantes mecanismos para o controle e minimização de desastres.

11 11 Entretanto, é de conhecimento da população e também do poder público, que algumas áreas sujeitas às inundações bem como aos riscos associados a esses tipos de desastres encontram-se ocupadas indevidamente, e pouco pode ser feito em curto prazo. Além disso, sabe-se que cortes de taludes e aterros irregulares em área de alagado visando à construção de moradias e até mesmo de empresas têm crescido consideravelmente em nosso Município, o que aumenta o risco de alagamento, deslizamento e desabamento e, consequentemente, o risco para a população. É importante ressaltar, no entanto, que os habitantes de áreas de risco de enchentes e inundações integram uma parcela da população que, em sua maioria, apresentam um nível de renda considerado baixo, sendo este um dos motivos mais fortes para a sua permanência no local. Considerando-se que atualmente não é possível mais a identificação precisa dos períodos de veiculação hídrica intensa em razão dos efeitos das mudanças climáticas, pois desastres característicos de uma determinada época do ano têm ocorrido em períodos diversos, reforçando a opinião de que os desastres não têm hora nem local para acontecer, torna-se imprescindível, sobretudo para a segurança da população, que o poder público e a sociedade estejam preparados. Constata-se a necessidade do somatório de esforços de vários segmentos governamentais, não governamentais e também da sociedade civil organizada, na busca de se atenuar os prejuízos decorrentes dos desastres e das vulnerabilidades latentes das regiões afetadas, visto que grandes enchentes, causadas por fortes chuvas, provocam um longo período de quebra da situação de normalidade em praticamente todo o município. Daí decorre a necessidade do desenvolvimento de diversas ações preventivas, de preparação para emergências, de socorro e reconstrução de áreas afetadas por desastres, essência do conceito de Defesa Civil. Nesse contexto, a Administração Municipal de Vila Velha desenvolveu o presente Plano Municipal de Contingência, visando delinear as ações de prevenção, preparação e resposta para a minimização de efeitos desastrosos e restabelecimento da normalidade social.

12 12 2 O Município de Vila Velha O Município de Vila Velha situa-se a 20 19'48" de latitude sul e 40 17'31" de longitude oeste, pertence à Região Metropolitana de Vitória e está localizado na Mesorregião Central Espírito-Santense, a 12 quilômetros ao sul da capital do estado. Ocupa uma área de 208,82 quilômetros quadrados, sendo que 54,57 quilômetros quadrados estão em perímetro urbano e os 154,25 quilômetros quadrados restantes constituem a zona rural. A sede tem uma temperatura média anual de 24,7 C e na vegetação original do município predomina a mata atlântica, tendo atualmente alguns trechos de restinga. Seus municípios limítrofes são a capital Vitória, a norte; Cariacica e Viana, a oeste; Guarapari, a sul; e o Oceano Atlântico, a leste. 2.1 POPULAÇÃO Em 2013, a população de Vila Velha foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em habitantes, sendo o segundo mais populoso do Espírito Santo e concentrando sua população na zona urbana. 2.2 DISTRITOS E BAIRROS Vila Velha é subdividida em cinco distritos, sendo eles Argolas, Ibes, Jucu, São Torquato e a Sede. A Sede é o mais populoso, reunindo habitantes, seguida por Ibes, com pessoas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE em Atualmente o município ainda dividi-se em 100 bairros oficiais, definidos conforme legislação aprovada pela lei nº 4707, de LITORAL E BACIAS HIDROGRÁFICAS Vila Velha possui 32 quilômetros de litoral, banhados pelo Oceano Atlântico e 02 bacias hidrográficas; as bacias dos rios Guarapari e Jucu, cujas áreas são, respectivamente, de 32 e 179 km². O rio Jucu é o principal rio que banha o município, nascendo na região serrana, em Domingos Martins, e desaguando no Oceano Atlântico, em território vila-velhense.

13 13 Além disso, existem 45 quilômetros de canais abertos que cortam a cidade, dentre os quais, Canal da Costa, Canal Bigossi, Canal Cocal, Canal Jaburuna, Canal Santa Rita, Canal Guaranhuns, Canal do Rio Congo e Canal Camboapina. 2.4 CENÁRIOS DE RISCO O crescimento acelerado das cidades aliado à sua ocupação desordenada, tem sido o principal responsável pelos eventos naturais com consequências catastróficas que se sucedem nos grandes e pequenos núcleos urbanos. Ocupação de encostas sem nenhum critério técnico ou planejamento, bem como a ocupação das planícies de inundação dos principais cursos d'água que cortam a grande maioria dos municípios brasileiros têm sido os principais causadores de mortes e das grandes perdas materiais. Sob esse aspecto, com a finalidade de identificar os principais riscos que atingem o Município, também são utilizadas as ferramentas elaboradas por órgãos do Governo Federal e do Governo Estadual, dentre as quais: Mapeamento de Risco Geológico Visando uma redução geral das perdas humanas e materiais, o Governo Federal firmou convênios de colaboração mútua para executar em todo o país, por meio do Serviço Geológico do Brasil (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CPRM), o diagnóstico e mapeamento das áreas com potencial de risco alto a muito alto. Devido a grandes demandas e ao histórico de vários municípios brasileiros, iniciou-se uma ação emergencial em algumas localidades desde novembro de 2011, com o objetivo de mapear, descrever e classificar as situações com potencialidade para risco alto e muito alto. No Espírito Santo já foram mapeados 44 municípios priorizados pela Defesa Civil Estadual a partir do histórico de desastres, dentre os quais, Vila Velha, conforme documento em mídia constante do Anexo I Monitoramento e Alerta A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Vila Velha conta atualmente com duas fontes de informações meteorológicas: o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural INCAPER e a Coordenadoria de Proteção e Defesa Civil Estadual CEPDEC.

14 14 Durante o período chuvoso, a equipe da Defesa Civil Municipal realiza visitas técnicas e inspeções às áreas de risco mapeadas, alertando e orientando os moradores, caso necessário, além de realizar o monitoramento do nível fluvial no dique do Rio Jucu, por meio da medição que a Companhia Espírito Santense de Saneamento CESAN realiza INCAPER O INCAPER concentra informações das instituições públicas que atuam com meteorologia e recursos hídricos no Estado do Espírito Santo. Sua função é monitorar as condições do tempo e do clima, bem como os recursos hídricos no Estado do Espírito Santo e realizar previsão do tempo e alertas meteorológicos, fornecendo subsídios para a tomada de decisão dos órgãos governamentais e não governamentais. Um de seus objetivos é subsidiar a Defesa Civil com informações e alertas meteorológicos CEPDEC A Defesa Civil Estadual utiliza como fonte de informação o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), além de também ser subsidiada de informações pelo INCAPER. 3 Desastres Naturais em Vila Velha 3.1 HISTÓRICO A partir da análise dos processos de decretação de situação anormal no Município de Vila Velha entre os anos 2009 e 2013, com ênfase nos dados contidos nos relatórios de Avaliação de Danos AVADAN, até 2012, e no Formulário de Informação de Desastres FIDE gerado em março de 2013, identificou-se que foi decretada Situação de Emergência 04 vezes no período, devido a precipitações hídricas concentradas em um curto espaço de tempo, denominadas pela Classificação e Codificação Brasileira de Desastres COBRADE como Enxurradas e Alagamentos. Segundo dados da Defesa Civil Municipal há registros também de enchentes e deslizamentos em Vila Velha, porém de menores proporções, além do último vendaval, ocorrido em maio de Registros fotográficos constam no Anexo II.

15 TIPOS DE DESASTRES Segundo o Plano Estadual de Proteção e Defesa Civil PEPDEC / ES, os tipos de desastres recorrentes são caracterizados como: Enchente ou Inundação Gradual A inundação gradual é caracterizada por um transbordamento paulatino de água da calha normal de rios e lagos, ou acumulação de água por drenagem deficiente em áreas que não são habitualmente submersas. Na maioria das vezes, a inundação é provocada por precipitações pluviométricas intensas e pela intensificação do regime de chuvas sazonais, mas podem ter outras causas, como: assoreamento do leito dos rios; compactação e impermeabilização do solo; precipitações intensas com marés elevadas; rompimento de barragens; drenagem deficiente de áreas a montante de aterros e estrangulamento de rios provocado por deslizamento Enxurrada ou Inundação Brusca A enxurrada possui causas e efeitos semelhantes à inundação gradual, porém advém de escoamentos superficiais com grande velocidade e energia, resultante de fortes chuvas Alagamento O alagamento é resultante do acúmulo momentâneo de águas em uma dada área, decorrente da deficiência do sistema de drenagem Escorregamento ou Deslizamento Fenômeno provocado pelo escorregamento de materiais sólidos, como solos, rochas, vegetação e/ou material de construção ao longo de terrenos inclinados, denominados encostas, vertentes ou escarpas. Caracteriza-se por movimentos gravitacionais de massa que ocorrem de forma rápida, cuja superfície de ruptura é nitidamente definida por limites laterais e profundos, bem caracterizados. Em função da existência de planos de fraqueza nos horizontes movimentados, que condicionam a formação das superfícies de ruptura, a geometria desses movimentos é definida, assumindo a forma de cunha, planar ou circular.

16 Vendaval ou Tempestade Deslocamento violento de uma massa de ar. Forma-se, normalmente, pelo deslocamento de ar de área de alta para baixa pressão. Ocorre, eventualmente, quando da passagem de frentes frias, e sua força será tanto maior quanto maior a diferença de pressão das "frentes". Os vendavais normalmente são acompanhados de precipitações hídricas intensas e concentradas, que caracterizam as tempestades. Além das chuvas intensas, os vendavais podem ser acompanhados de queda de granizo Tipificação Os tipos de desastres mais observados no Município de Vila Velha caracterizam-se como Enxurradas ou Inundações Bruscas e Alagamentos, segundo a Classificação Geral dos Desastres e na Codificação de Desastres, Ameaças e Riscos - CODAR, aprovadas pela Resolução nº 2, do Conselho Nacional de Defesa Civil, que os classificam assim como as demais possibilidades de desastres como: a) Enchentes ou Inundações Graduais CODAR: NE.HIG / CODAR: b) Enxurradas ou Inundações Bruscas CODAR: NE.HEX / CODAR: c) Alagamentos CODAR: NE.HAL / CODAR: d) Escorregamento ou deslizamento CODAR: NI.GDZ / CODAR: e) Vendavais ou tempestades CODAR: NE.EVD / CODAR: FATORES CONTRIBUINTES Grande parte dos processos geradores de desastres está relacionada a um planejamento urbano deficiente e ao crescimento rápido e desorganizado das cidades, ocorridos, muitas vezes, a partir da ocupação das margens dos canais e influenciado por processos históricos. Como agravante, em Vila Velha existem 45 quilômetros de canais abertos que cortam a cidade, dentre os quais, Canal da Costa, Canal Bigossi, Canal Guaranhuns e Rio Congo, os quais ainda apresentam deficiência na drenagem urbana aliada à existência de resíduos sólidos dispostos irregularmente.

17 PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS Os desastres relacionados às questões hídricas extremas provocam grandes danos materiais e, dependendo de sua intensidade, graves danos humanos, além de severos prejuízos sociais e econômicos. Em áreas densamente habitadas, podem danificar ou destruir habitações localizadas em área de risco, bem como danificar móveis e demais utensílios domésticos, provocando abatimento moral da comunidade, e muitas vezes, o rompimento do ciclo social local. O desastre prejudica a atuação dos serviços essenciais, especialmente os relacionados com a distribuição de energia elétrica e com o saneamento básico, que inclui a coleta do lixo, a distribuição de água potável, bem como, a disposição de águas servidas e de dejetos. Normalmente, os fluxos dos transportes e das comunicações telefônicas também são prejudicados e pode haver também queda nas atividades comerciais em razão da suspensão temporária do trabalho, com consequente queda de arrecadação de impostos. Os desastres também contribuem para intensificar a ocorrência de acidentes ofídicos e aumentar o risco de transmissão de doenças veiculadas pela água e pelos alimentos, por ratos (leptospirose), assim como a ocorrência de infecções respiratórias agudas. 4 ESCOPO E PRESSUPOSTOS O presente Plano de Contingência foi desenvolvido a partir da análise das avaliações e mapeamentos de risco efetuados e dos cenários de risco identificados como prováveis e relevantes, caracterizados como hipóteses de desastres. Levou ainda em consideração alguns pressupostos para o planejamento, que são premissas adotadas para o plano e consideradas importantes para sua compreensão e utilização. 4.1 OBJETIVOS O Plano Municipal de Contingência tem a finalidade de propor ações a serem efetuadas por meio do acionamento prioritário aos meios orgânicos e do envolvimento dos diversos Órgãos Públicos, quando da ocorrência de chuvas, bem como de qualquer outro tipo de desastre que envolva o meio ambiente e a população, focando nas ações de prevenção e no socorro às áreas consideradas vulneráveis ao desastre, principalmente em relação aos

18 18 efeitos naturais como chuvas prolongadas ou súbitas, enxurradas, chuvas de granizo ou vendavais, no intuito de melhor empregar os recursos disponíveis dos órgãos competentes, visando reduzir as vulnerabilidades, evitando danos humanos e proporcionando sempre a garantia da integridade física e moral da população bem como a preservação do patrimônio público e privado Geral Articular e facilitar a prevenção, preparação e resposta aos desastres no Município de Vila Velha, estabelecendo, nesse sentido, as atribuições de cada uma das Secretarias Municipais bem como das Instituições parceiras que o compõem, com vistas a preservar vidas e restabelecer a situação de normalidade no município, no menor prazo possível Específicos Identificar as áreas de abrangência do presente plano bem como as instituições parceiras que o compõem; Estabelecer procedimentos padrões reguladores de conduta bem como de mobilização e integração dos diversos órgãos junto à Coordenadoria Municipal de Defesa Civil; Instituir mecanismos de integração e atuação da Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência junto à Defesa Civil Estadual, Exército Brasileiro, Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo, Polícia Militar, Juizado da Infância e Juventude de Vila Velha e Marinha do Brasil, bem como aos demais parceiros; Estabelecer as ações de resposta ao desastre tipificado nos termos do item 3.2.1, minimizando danos e prejuízos à população afetada e ao Município. 4.2 LEGISLAÇÃO PERTINENTE A fundamentação legal para implementação do Sistema Municipal de Defesa Civil baseiase em: Constituição Federal de 1988; Lei Federal nº de 10 de abril de 2012 Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil - CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres; altera as Leis n os , de 1 o de dezembro de 2010, , de 10 de

19 19 julho de 2001, 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.239, de 4 de outubro de 1991, e 9.394, de 20 de dezembro de 1996; e dá outras providências; Lei Estadual Complementar nº 694 de 08 de maio de 2013 Reorganiza o Sistema Estadual de Proteção e Defesa Civil - SIEPDEC-ES e dá outras providências; Lei Municipal nº 5264 de 12/01/2012 Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil COMDEC, como órgão de apoio direto ao Prefeito na estrutura organizacional básica da Prefeitura Municipal de Vila Velha, e dá outras providências. 4.3 DEFINIÇÕES TÉCNICAS Em consonância com a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, o Plano Municipal de Contingência utiliza as seguintes definições técnicas: Desastre Resultado de eventos adversos, naturais e/ou provocados pelo homem sobre um cenário vulnerável, causando grave perturbação ao funcionamento de uma comunidade ou sociedade envolvendo extensivas perdas e danos humanos, materiais, econômicos ou ambientais, que excede a sua capacidade de lidar com o problema usando meios próprios; Situação de Emergência Situação de alteração intensa e grave das condições de normalidade em um determinado município, estado ou região, decretada em razão de desastre, comprometendo parcialmente sua capacidade de resposta; Estado de Calamidade Pública Situação de alteração intensa e grave das condições de normalidade em um determinado município, estado ou região, decretada em razão de desastre, comprometendo substancialmente sua capacidade de resposta;

20 Dano Resultado das perdas humanas, materiais ou ambientais infligidas às pessoas, comunidades, instituições, instalações e aos ecossistemas, como conseqüência de um desastre; Prejuízo Medida de perda relacionada com o valor econômico, social e patrimonial, de um determinado bem, em circunstâncias de desastre; Recursos Conjunto de bens materiais, humanos, institucionais e financeiros utilizáveis em caso de desastre e necessários para o restabelecimento da normalidade. 4.4 PRESSUPOSTOS DO PLANEJAMENTO Para a exitosa implementação deste Plano deverão ser compreendidas e adotadas algumas premissas, bem como as condições e limitações conforme exposto a seguir. a) O presente Plano traça linhas gerais sobre as ações de prevenção, preparação e resposta frente à ocorrência de eventos adversos extremos e possíveis desastres de modo que cada Secretaria e Instituição, dentro de sua esfera de atribuição, deverá elaborar seu planejamento interno (Plano Específico de Resposta) com foco na operacionalização das ações de sua responsabilidade, previstas neste plano. b) Cada Secretaria integrada ao Plano administrará seus recursos, utilizando-se de infraestrutura própria já existente, fornecendo informação continuada à Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência SEMPREV / COMDEC, para fins de controle e coordenação. c) Cada Secretaria bem como cada Instituição parceira do Município envolvida no Plano indicará dois servidores, que serão seus representantes junto ao Plano, sendo denominados como Pontos Focais. d) Aos Pontos Focais caberá a incumbência de estar à disposição quando for necessário o seu acionamento, tendo então, o órgão envolvido, já delegado a estes, quando designados, o poder de decisão na instituição que representam para acionar os meios e recursos atinentes a sua esfera de atribuições.

21 21 e) O tempo de mobilização previsto para os órgãos envolvidos neste plano bem como a comunicação aos órgãos estaduais de emergência é de no máximo duas horas, independente do dia da semana e do horário do acionamento. f) O projeto para instalação, manutenção e desligamento de Abrigos Temporários deve estar pronto para implementação imediata após acionamento da equipe responsável. g) Durante a confecção do plano de ação as equipes buscarão contemplar ações que visem: Socorro, assistência e reabilitação do cenário atingido; Pronto atendimento às vítimas; Evacuação de pessoas e bens dos locais sinistrados; Triagem e cadastramento das vítimas; Assistência médica; Fornecimento de roupas, agasalhos e alimentação; Transporte de feridos e doentes; Instalação de abrigos, alimentação e medicamentos para as vítimas do evento calamitoso. h) O site da Prefeitura Municipal de Vila Velha (www.vilavelha.es.gov.br) deverá ter informações atualizadas disponíveis aos cidadãos sobre a decretação de anormalidade. 4.5 ÁREA DE ABRANGÊNCIA O presente Plano contempla todo o espaço territorial do Município de Vila Velha, compreendendo sua zona urbana e rural, sendo que os bairros frequentemente mais atingidos com enxurradas ou inundações bruscas e alagamentos são: SANTOS DUMONT, COLORADO, ITAPARICA, ITAPOÃ, RIO MARINHO, COCAL, SANTA MÔNICA, SANTA INÊS, PONTAL DAS GARÇAS, DARLY SANTOS, TERRA VERMELHA, MORADA DA BARRA, ARAÇÁS, GUARANHUNS, JARDIM GUARANHUNS, COBILÂNDIA, JARDIM MARILÂNDIA, ARIBIRI E CENTRO DE VILA VELHA. Os bairros com maiores riscos de deslizamento são: ALECRIM, ATAÍDE, PAUL, PLANALTO, PRAINHA DA GLÓRIA, JABURUNA E SÃO TORQUATO (SAGRADA FAMÍLIA E MORRO DO BOA VISTA), com destaque para os dois últimos.

22 22 5 OPERACIONALIZAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE CONTINGÊNCIA 5.1 FASES CONSIDERADAS E NÍVEIS DE AÇÃO As atribuições de cada uma das instituições representadas no Plano foram divididas de forma a organizar as ações que envolvem as situações críticas em três fases distintas, porém não dissociadas, a saber: Prevenção de Desastres, Preparação para Desastres e Resposta aos desastres, sendo: Prevenção de Desastres A Avaliação de Riscos de Desastres advêm do estudo e da pesquisa destinada ao levantamento de áreas de risco, que possibilitam a elaboração de mapas que permitem a identificação das ameaças, vulnerabilidades e riscos de desastres. Depois de identificados e avaliados os riscos, passa-se à busca de medidas que tenham por objetivo a eliminação ou redução desses NÍVEL DE AÇÃO 1: OBSERVAÇÃO Compreende o mapeamento das áreas de risco, monitoramento e acompanhamento de boletins meteorológicos, índices pluviométricos, alterações nos níveis dos rios e seus afluentes, estabelecendo contato com as Coordenadorias Municipais de Proteção e Defesa Civil dos municípios vizinhos, a fim de estabelecer uma rede de troca de informações, contribuindo para a segurança de todas as regiões. Ocorre principalmente no período que compreende os meses de outubro a abril NÍVEL DE AÇÃO 2: ATENÇÃO Consiste na intensificação das vistorias aos pontos de monitoramento e pequenos serviços de cortes de árvores e desobstrução da drenagem, recobrimento preventivo dos taludes de maior risco. As equipes deverão manter-se em regime de sobreaviso e/ou em plantão permanente na sede da COMDEC ou no POSTO DE COMANDO, o que será determinado pelo Gabinete do Prefeito e Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência / COMDEC, objetivando maior eficácia e eficiência das ações, as quais são definidas considerando-se as chuvas de média ou forte intensidade (entre de 35 a 75 mm de pluviosidade) no curto espaço de tempo, que caracterizam o estado de Atenção.

23 Preparação para Desastres A Preparação para Emergência e Desastres tem como objetivo o desenvolvimento de projetos e ações que melhorem, primeiramente, a capacidade de atendimento à emergência, porém sem perder o foco na Prevenção e na Reconstrução. Ocorrerá sempre que houver uma elevada ou contínua precipitação na região ou nos Municípios vizinhos, ou com a elevação nos níveis dos rios que possa ser considerada de risco para o município ou ainda pela constatação de deslizamentos ou possibilidades de ocorrências dos mesmos por meio de comunicações prévias e vistorias in loco realizadas pela Defesa Civil Municipal NÍVEL DE AÇÃO 3: ALERTA O alerta será emitido pelo Gabinete do Prefeito e Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência / COMDEC, sempre que esses órgãos considerarem necessário, tendo por base as informações coletadas através das ações desenvolvidas e dados dos serviços meteorológicos, que devem ser constantemente monitorados, a fim de identificar a mudança de nível. Em caso de chuvas contínuas em solo encharcado, as equipes serão ampliadas e trabalharão em regime de plantão, com atendimento emergencial às vítimas Resposta aos Desastres A Resposta aos Desastres se traduz no atendimento propriamente dito, ou seja, no socorro, na assistência às vítimas da emergência e na reabilitação do cenário do desastre. Operacionalmente é a fase mais crítica e a que demanda maior urgência. Compreende os momentos do desencadeamento do desastre, a fase em que o evento adverso atua em sua plenitude máxima. Na reposta aplica-se a assistência às populações vitimadas, que é realizada através do desenvolvimento das atividades logísticas, assistenciais e de promoção da saúde. Também se insere nesse contexto a Reabilitação dos Cenários do Desastre, já que está dentro de uma rotina de estabilização do quadro geral, onde se busca evitar o agravamento da situação, bem como o restabelecimento das condições de normalidade.

24 NÍVEL DE AÇÃO 4: EMERGÊNCIA OU ALERTA MÁXIMO O nível de ação 4 é estabelecido quando da ocorrência de chuvas contínuas e concentradas e de solo muito encharcado, fatores esses associados ou não, e que desencadeiem pelo menos um tipo de desastre tipificado no item IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO DE ANORMALIDADE O monitoramento será feito por meio do acompanhamento de boletins e alertas meteorológicos, pela equipe técnica da Defesa Civil municipal, responsável pelo acompanhamento e identificação de situações de alerta, conforme descrito no item Critérios para ativação do plano O Plano de Contingência será ativado sempre que forem constatadas as condições e os pressupostos que caracterizem cenários de riscos previstos, seja pela evolução das informações monitoradas, pela ocorrência do evento ou pela dimensão do impacto, independente do nível de ação a ser acionado, e em especial quando: a. A precipitação pluviométrica monitorada for superior a 75 mm acumulados em 24 horas, desencadeando pelo menos um tipo de desastre tipificado no item 3.2.6; b. Ocorrer um longo período de precipitação pluviométrica, que desencadeie pelo menos um tipo de desastre tipificado no item 3.2.6; c. Quando o nível do Rio Jucu alcançar 4,20 metros (altura do dique); d. Quando se verificar a ocorrência de deslizamentos em vários pontos do Município, queda de barreiras e obstrução parcial ou total das vias de acesso; e. O Município for submetido a evento natural que gere situação de anormalidade Autoridades competentes para a ativação Sempre que uma situação caracterizada como alerta for identificada, esta notificação será repassada à Secretária de Prevenção e Combate à Violência que junto ao Gabinete do Prefeito Municipal, avaliará a emissão de um alerta, alarme ou acionamento do plano, de acordo com os critérios estabelecidos no item Acionamento dos órgãos O acionamento do Plano se dará pela imediata mobilização dos diversos órgãos envolvidos na fase de resposta aos desastres a que contempla este Plano e será realizado

25 25 por meio do contato direto com o Ponto Focal que os representam, conforme consta no Anexo III. O ponto focal deverá prontamente por em execução o seu Plano Específico de Resposta, segundo previsto no item 4.4, letra a e se apresentar na sala 202, do Edifício Central Park, situado a Rua Cabo Ailson Simões, 536, Centro, Vila Velha / ES, para instalação do Comando Unificado, visando à otimização do emprego de todos os recursos necessários, dispostos de acordo com que preceitua o Sistema de Comando de Operações SCO. 5.3 COORDENAÇÃO, COMANDO E CONTROLE A coordenação geral das ações previstas no Plano Municipal de Contingência de Vila Velha ficará a cargo da SEMPREV / COMDEC, no caso específico de medidas e ações emergenciais de resposta em situações críticas. A SEMPREV / COMDEC irá organizar, planejar e executar as atividades necessárias de socorro, assistência à população atingida e, reabilitação do cenário atingido. Para isso, definirá a instalação e coordenará o Posto de Comando bem como todas as ações de resposta, além de: * Avaliar a situação preliminarmente e implementar as ações voltadas para a segurança da operação e obtenção de informações, levando em consideração os procedimentos padronizados; * Verificar a aplicação deste Plano Municipal de Contingência, implementando ações e considerando o cenário identificado, as prioridades a serem preservadas, as metas a serem alcançadas, os recursos a serem utilizados, o organograma possível, os canais de comunicação disponíveis e o período operacional (início e previsão de término); * Concentrar esforços junto aos demais órgãos públicos, privados e com a sociedade, visando à prevenção e, se for o caso, execução de medidas destinadas a socorrer a área atingida, bem como colaborar nos esforços das ações assistenciais e recuperativas; * Estabelecer uma área de espera e designar um encarregado, o qual realizará o controle de todos os recursos disponíveis no local; * Coordenar tecnicamente o envio e atuação das equipes em suporte aos locais atingidos pelas chuvas, conforme a evolução do desastre; * Manter o controle dos funcionários acionados e equipes empenhadas, conforme o caso e demanda gerada;

26 26 * Solicitar ou dispensar recursos adicionais conforme a necessidade identificada no Plano; * Controlar a operação no Posto de Comando, registrando as informações que chegam e saem do comando; * Realizar sucessivas avaliações das situações e elaborar Plano de Ação para cada período operacional estabelecido, definindo horário para início e término das atividades; * Estudar a necessidade da declaração de Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública, confeccionando a documentação de situação de anormalidade, para encaminhamento à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SEPDEC), bem como para mensurar os danos e prejuízos causados pelo desastre, quando o caso; * Registrar as atividades realizadas e em andamento, visando consolidar as informações e facilitar seu uso para as etapas seguintes, considerando, entre outros fatores: 1. A situação inicial; 2. O organograma da estrutura organizacional de resposta; 3. Os recursos operacionais e logísticos envolvidos Documentos Pertinentes O presente Plano Municipal de Contingência está devidamente organizado para, em situação de um evento adverso, todos os envolvidos se mobilizarem com vistas à resposta adequada àquela situação. Para tal, consta no Anexo IV os modelos de quadros que serão utilizados com vistas a facilitar o procedimento operacional. 5.4 ÓRGÃOS E INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS SEMPREV Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência SEMAD Secretaria Municipal de Administração SEMAS Secretaria Municipal de Assistência Social SEMCOM Secretaria Municipal de Comunicação Social SEMCULT Secretaria Municipal de Cultura e Turismo SEMDEC Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico SEMDU Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano SEMED Secretaria Municipal de Educação SEMEL Secretaria Municipal de Esportes e Lazer

27 27 SEMFI Secretaria Municipal de Finanças SEMGES Secretaria Municipal de Gestão Estratégica SEMGOV Secretaria Municipal de Governo e Articulação Institucional SEMIPRO Secretaria Municipal de Infraestrutura, Projetos e Obras SEMMA Secretaria Municipal de Meio Ambiente SEMPLA Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão SEMSA Secretaria Municipal de Saúde SEMSU Secretaria Municipal de Serviços Urbanos SEMTRAN Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito EB Exército Brasileiro CBMES Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo PM Polícia Militar JIJU Juizado da Infância e Juventude de Vila Velha MB Marinha do Brasil Parcerias Outras instituições, dentre as quais, Conselho Tutelar, Empresariado Local, Organizações Religiosas, Governamentais e não Governamentais também atuam em parceria, conforme o caso. 5.5 RESUMO DAS AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS Socorro à população em risco: a) Estabelecimento de abrigos; b) Transporte para abrigos; c) Retirada da população das áreas de risco Assistência: a) Assistência Médica; b) Assistência Social; c) Assistência Alimentar; d) Segurança nos Abrigos Reabilitação do Cenário Afetado: a) Saneamento básico;

28 28 b) Desinfecção de casas atingidas; c) Obras Públicas. 5.6 ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS ENVOLVIDOS Atribuições Gerais São responsabilidades gerais de cada Secretaria ou Instituição envolvidos na implementação do Plano Municipal de Contingência: Manter um Plano Específico de Resposta bem como um Plano de chamada atualizado dos servidores sob sua responsabilidade; Desenvolver e manter atualizados os procedimentos operacionais padronizados necessários para a realização das tarefas previstas; Preparar e implementar os convênios e termos de cooperação necessários para a implementação do plano; Identificar e suprir as necessidades de comunicação para a realização das tarefas atribuídas à sua Secretaria ou Instituição; Identificar fontes de equipamento e recursos adicionais para a realização das tarefas atribuídas à sua Secretaria ou Instituição; Prover meios para a garantia da continuidade das operações de sua Secretaria ou Instituição, incluindo o revezamento dos responsáveis por posições chave; Identificar e prover medidas de segurança para as pessoas designadas para a realização das tarefas atribuídas à sua Secretaria ou Instituição na implementação do plano Atribuições Específicas As atribuições de cada uma das instituições representadas no Plano estão estabelecidas no Anexo III deste Plano assim como no Plano Específico de Resposta. 5.7 DESMOBILIZAÇÃO A desmobilização será feita de forma organizada e planejada, priorizando os recursos externos e mais impactados nas primeiras operações. Deverá ordenar a transição da reabilitação de cenários para a reconstrução, sem interrupção no acesso da população aos serviços essenciais básicos.

29 CRITÉRIOS PARA DESMOBILIZAÇÃO O Plano de Contingência será desmobilizado sempre que forem constatadas as condições e pressupostos que descaracterizem um dos cenários de risco previstos, seja pela evolução positiva das informações monitoradas, pela não confirmação da ocorrência do evento, ou pela dimensão do impacto, em especial quando: a) A evolução da precipitação monitorada pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil cessar ou voltar a sua condição de normalidade; b) A evolução do nível do rio for considerada normal; c) Concluídos os atendimentos das ocorrências geradas em decorrência do evento AUTORIDADES COMPETENTES PARA A DESMOBILIZAÇÃO A desmobilização do Plano de Contingência se dará pela Secretaria Municipal de Prevenção e Combate à Violência, com a anuência do Prefeito PROCEDIMENTOS Após a decisão formal de desmobilizar o Plano de Contingência, as seguintes medidas serão desencadeadas: Os órgãos mobilizados ativarão os protocolos internos definidos de acordo com o nível da desmobilização (total ou retorno a uma situação anterior); A COMDEC coordenará a desmobilização e a desativação do Posto de Comando.

30 30 6 REFERÊNCIAS PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL PEPDEC <http://www.defesacivil.es.gov.br /files/pdf/pepdec-es_2013.pdf >.Acessado em 30 de agosto de POLÍTICA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL PNPDEC ccivil _03/_Ato /2012/Lei/L12608.htm. Acessado em 30 de agosto de MANUAL DE DESASTRES. Vol. I. Manual de desastres: desastres naturais: Brasília (DF): Ministério da Integração Nacional, 2003 <http://www.integracao.gov.br/c/document_library/ get_file?uuid=47a84296-d5c0-474d-a6ca8201e6c253f4&groupid=10157 >. Acessado em 24 de setembro de PLANO DE CONTINGÊNCIA<http://www.defesacivil.sc.gov.br/index.php/gestao-de-risco- 2013/plano-de-contigencia-2013.html> (Acessado em 24 de setembro de 2013) BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. BRASIL, Ministério das Cidades, Secretaria de Programas Urbanos. Capacitação em mapeamento e gerenciamento de risco. LEI FEDERAL Nº DE 10 DE ABRIL DE 2012 Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil - CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres; altera as Leis n os , de 1 o de dezembro de 2010, , de 10 de julho de 2001, 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.239, de 4 de outubro de 1991, e 9.394, de 20 de dezembro de 1996; e dá outras providências.< ccivil_03/_ato /2012/lei /L12608.htm> (Acessado em 30 de agosto de 2013) LEI ESTADUAL COMPLEMENTAR Nº 694 DE 08 DE MAIO DE Reorganiza o Sistema Estadual De Proteção e Defesa Civil - SIEPDEC-ES e dá outras providências. <http://www.defesacivil.es.gov.br/files/meta/9c79332b-f0d f9cb26d981b2258/efae2fff be8d-07a6820af 2b3/91.pdf >. Acessado em 30 de agosto de LEI MUNICIPAL Nº 5264 DE 12/01/2012 Dispõe sobre a criação da coordenadoria municipal de Defesa Civil- COMDEC, como órgão de assessoria e apoio ao prefeito na estrutura organizacional básica da prefeitura municipal de Vila Velha e dá outras providências. <http://www.legislacaoonline.com.br/vilavelha /images/leis/html/l html>. Acessado em 30 de agosto de 2013.

31 31 7 ANEXO I 7.1 MAPEAMENTO DE RISCOS GEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA CPRM

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

45 45

46 46

47 47

48 48

49 49

50 50

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR CASA MILITAR Chefe da Casa Militar e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Gabinete Operações Defesa Civil Administrativo DEFESA CIVIL Coordenadoria Estadual de Defesa Civil

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC Natureza Jurídica: SISTEMA Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC)

PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC) PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC) OUTUBRO/2015 5ª ATUALIZAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: Paulo César Hartung Gomes Governador do Estado do Espírito Santo César Colnago Vice-Governador

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

Como Decretar Estado de Emergência em seu Município

Como Decretar Estado de Emergência em seu Município Passo a Passo Como Decretar Estado de Emergência em seu Município Preencher o Check List de Ações de Resposta aos Desastres CHECK LIST DE AÇÕES DE RESPOSTA AOS DESASTRES ( ) - Acionar o Plano de Contingência

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO)

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO) LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO) Prefeitura Municipal de Vila Velha SEMPLA - 2014 OBJETIVOS DA AUDIÊNCIA Apresentar a proposta para a LDO 2015 destacando seus principais aspectos: Princípios e diretrizes;

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem Base Legal Lei nº 12.340/2010 - Dispõe sobre as transferências de recursos

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

PASSO A PASSO CARTÃO DE PAGAMENTO DE DEFESA CIVIL

PASSO A PASSO CARTÃO DE PAGAMENTO DE DEFESA CIVIL PASSO A PASSO CARTÃO DE PAGAMENTO DE DEFESA CIVIL Antes da ocorrência do desastre 1º passo ----------------------------------------------------------------------------------------------------- Municípios

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Edison Pessanha Campos dos Goytacazes, que já enfrentou grandes enchentes, como as de 2007, com o rio Paraíba atingindo

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO ATUAÇÃO DO SETOR SAÚDE EM EVENTOS DE INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE

Leia mais

Sit. de Emergência / Estado de Calamidade Pública e suas conseqüências

Sit. de Emergência / Estado de Calamidade Pública e suas conseqüências Sit. de Emergência / Estado de Calamidade Pública e suas conseqüências Sd PM Silvio Rodrigo R. A. Correia Analista de Processos de SE/ECP DPDC Casa Militar Decreto Federal nº 7.257/10 define: Resultado

Leia mais

A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres

A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres VIII REUNIÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTAÇÃO A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres Goiânia - GO Agosto de 2012 Marco legal A Constituição Federal (CF) de 1988 estabelece

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA 1 CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro,

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES GESTÃO DE DESASTRES A expressão gestão de desastres foi recentemente conceituada pela Estratégia Internacional para a Redução de Desastres,

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes CURSO LÍDERES- CURSO INTERNACIONAL EM SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes David Rodrigues dos Santos Capitão Bombeiro Militar M.Sc em Desenvolvimento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Salvador/BA 25 a 28/11/2013 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Daniel Varriento Escobar*, Alcindo Neckel, Suelen Marques * Gestor Ambiental.E-mail:

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: Sílvio

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 Minascentro, Belo Horizonte/MG Eixo 3 - Direitos, justiça ambiental e políticas públicas A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Capivari (São Paulo), Brazil

Capivari (São Paulo), Brazil Capivari (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Manaus (Amazonas), Brazil

Manaus (Amazonas), Brazil Manaus (Amazonas), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto Nome do ponto focal: Mário Aníbal Gomes

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO)

PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO) ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO JOSÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto focal: OSIAS CORREIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização:

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

1) Socorro e Desastre Itaóca

1) Socorro e Desastre Itaóca 1) Socorro e Desastre Itaóca A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo deslocou um grupo de voluntários para prestar ajuda aos moradores da cidade de Itaóca, localizada no interior do estado,

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

Pedreira (São Paulo), Brazil

Pedreira (São Paulo), Brazil Pedreira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Carlos Evandro Pollo Nome do ponto focal: EDUARDO PAZINI Organização: PREFEITURA

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Curso de Capacitação em Mapeamento e Gestão de Riscos RISCO AMBIENTAL URBANO condição potencial da ocorrência de um acidente que possa causar perda

Leia mais

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo Henrique Massei Nome

Leia mais

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014.

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014. DECRETO Nº 31646 de 20 de fevereiro de 2014. Reorganiza o detalhamento da estrutura básica da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social. SEBASTIÃO ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

Comissão Municipal de Defesa Civil

Comissão Municipal de Defesa Civil Comissão Municipal de Defesa Civil - COMDEC - Plano Municipal de Contingência de Proteção e Defesa Civil ( PLANCON 2013 ) Versão 1 - Inundações (COBRADE 12.100) ÍNDICE 1 Introdução... pág 03 2 Finalidade

Leia mais

Valinhos (São Paulo), Brazil

Valinhos (São Paulo), Brazil Valinhos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Clayton Roberto Machado Nome do ponto focal:

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL

PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL OPERAÇÃO VERÃO 2013/2014 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CEDEC TESB CGE CONCAMP COMDEC - Amparo CPFL CPRM DMATE DAEE EIRD FIDE GCM IG ONU PCDC PGM REDEC Atibaia

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO 1 Proc. nº 27.401/2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 674 de 25 de novembro de 2013 Altera a Lei Complementar nº 582, de 19 de dezembro de 2008, alterada pela Lei Complementar nº 644, de 05 de abril de 2012, no que

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988

DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988 DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Defesa Civil, cria a Coordenação de Defesa Civil, lota cargo em comissão e função gratificada e dá outras providências. O

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal: ALLAN TÁCITO Organização: Prefeitura

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CARACTERIZAÇÃO DOS DESASTRES... 5 2.1 ESTIAGENS... 5 2.1.1 Sistema de Monitoramento,

Leia mais

DIRETRIZES S NA PLENÁRIA FINAL DA 1 A CNDC Grupo 01 - Tema: Capacitação 1) Qualificação profissional e formação educacional nos cursos BR.1D.CVF.2376 médios e superiores, nas suas respectivas áreas de

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DOS RISCOS DECORRENTES DOS DESASTRES NATURAIS Documento em discussão COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais