Jornadas do outono francês Apontamentos sobre o atual estado da luta de classes na França. Danilo Chaves Nakamura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornadas do outono francês Apontamentos sobre o atual estado da luta de classes na França. Danilo Chaves Nakamura"

Transcrição

1 Jornadas do outono francês Apontamentos sobre o atual estado da luta de classes na França Se a emancipação das classes operárias requer o seu concurso fraterno, como é que irão cumprir essa grande missão com uma política externa que persegue objetivos criminosos, joga com preconceitos nacionais e dissipa em guerras piratas o sangue e o tesouro do povo? Karl Marx, jul Luta de classes na Era da Emergência A devastação que a epidemia econômica causara no comércio e na indústria tornou ainda mais insuportável a dominação exclusiva da aristocracia financeira (...). As oscilações da última crise comercial européia ainda não tinham dissipado. As bancarrotas ainda se seguiam umas às outras. A presunção burguesa e a arrogância dos capitalistas despertaram subitamente ao verem a pressa escrupulosa com que se procurava comprar-lhes a confiança. (...) A Bolsa rege o crédito do Estado como o sistema bancário [rege] o crédito comercial. Aos operários não restava escolha: ou morriam de fome ou iniciavam a luta. (MARX, K p ). Essas palavras de Karl Marx - deslocadas de seu tempo - parecem encaixar-se na paisagem da crise econômica mais recente. Na metade do século XIX, já era possível presenciar os personagens do capital financeiro, o acumulo de capitais ociosos nas bolsas de valores e nos bancos, a quebra do setor produtivo e comercial, o papel do Estado na salvaguarda dos interesses de grupos particulares, a confiança re-adquirida ao se denunciar os altos proventos dos homens de negócio gananciosos e a tendência da crise se espalhar pelo mercado. Também era possível definir o sentido último de toda crise capitalista: (...) a pobreza e restrição do consumo das massas face ao impulso da produção capitalista a desenvolver as forças produtivas, como se seu limite fosse apenas a capacidade de consumo absoluta da sociedade (MARX, K, P. 501). Mas analogias forçadas à parte, o fato é que estamos diante de uma crise distinta daquela analisada por Marx na década de quarenta do século XIX. A crise econômica, aberta em 2007 com o estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, desenvolve-se num cenário de dominação do capital financeiro. No turbilhão de 1848, o setor financeiro ainda estava em gestação. O modo natural que o capital se utilizava para sair das crises era: destruição de grande massa de capital fictício e de capital-mercadoria invendável, acompanhada de um período de grande penúria dos trabalhadores, e cujo resultado final é a concentração do capital restante nas mãos dos grupos capitalistas sobreviventes (LETÍZIA, V p. 2). Hoje, o capital ocioso está sendo preservado com o intuito de garantir arbitrariamente os direitos do capital financeiro. A forma de resolver essa crise tem jogado para frente, de forma magnificada, o mesmo problema, pois busca salvar a riqueza financeira da fogueira que ela mesma provoca (PAULANI, L. 2009).

2 Também é importante lembrarmos que a dominância financeira do capitalismo contemporâneo é produto da mundialização do capital. Na época de Marx, a periferia do capitalismo aparecia como apêndice das economias européias, a entrada da China no mercado mundial era uma espécie de sonho/pesadelo dos capitalistas britânicos. Os países em desenvolvimento estavam deixando de ser colônias, na América, ou então, sendo transformados em postos avançados da corrida imperialista européia, na África e na Ásia. Hoje, a China - sob os olhos do Partido Comunista - é um espaço privilegiado do crescimento capitalista. Outros países asiáticos seguem o mesmo caminho chinês de crescimento econômico, ou seja, baseando-se na superexploração da população. No continente americano, o exemplo de uma (ex) periferia feliz, é o Brasil que aparece como modelo de sucesso na produção de commodities e como plataforma privilegiada na valorização de capitais especulativos. Enquanto os problemas de fundo não aparecem, devido à formação específica do sistema financeiro de cada um desses países e somados às intervenções estatais, decolamos, para falarmos como a The Economist, rumo a um horizonte incerto. Faço essas rápidas ponderações sobre a economia mundial para arriscar alguns palpites sobre o horizonte da classe trabalhadora. Esse também é incerto, mas nos interessa diretamente, quando o que procuramos é uma saída anticapitalista de uma crise que ainda rasteja. Se na introdução de 1895 a As lutas de classe na França 1848 a 1850, F. Engels já apontava para a necessidade de se repensar as estratégias da luta operária, devido ao lugar que ela conquistou após as jornadas de 1848 e a comuna de Mas atenção, Engels defendia isso, mas sem abrir mão do que ele denominou de direito à revolução, único direito realmente histórico, o único em que assentam todos os Estados Modernos sem exceção (ENGELS, F p. 58). Passados mais de cem anos, é essa integração da classe operária com poder de barganha que deve ser repensada, assim como o direito à revolução, antes reconhecido como incontestável pela consciência universal. Saltando alguns anos, temos, no imediato pós Segunda Guerra Mundial, uma classe trabalhadora européia capaz de arrancar das classes dominantes o papel de parceira social no processo de consolidação de uma nova sociedade. As mobilizações da classe trabalhadora, somada ao espectro da Revolução de Outubro, permitiram a classe trabalhadora formas de acesso ao produto social e o reconhecimento do trabalhador como membro de um coletivo dotado de um estatuto social (CASTEL, R p. 434). Se pularmos para os nossos dias, podemos perceber que o atual regime de acumulação de capital é subproduto da acumulação industrial anterior, (...) a conseqüente expansão e diversificação das atividades financeiras no espaço mundial facilitou a circulação da enorme massa de capital que vinha se acumulando nos fundos de pensão - provenientes da prosperidade americana e do estado de bem-estar europeu após que se somava à torrente de juros vinda dos países periféricos - que nessa época faziam sua industrialização impulsionada por endividamento externo -, assim como da massa de dólares depositados nos bancos ocidentais pelos países produtores de petróleo do Oriente Médio, que ganharam maior participação nos lucros durante os conflitos dos anos nessa região (LETÍZIA, V p. 3). Percebemos também que o desenvolvimento das finanças que, aparece no interior das relações econômicas e sociais, inviabiliza o compromisso de uma sociedade

3 salarial, já que os custos do estado de bem-estar começam a se chocar com a lucratividade do capital. Então, é a partir da dissolução da sociedade salarial que devemos pensar a classe trabalhadora. A interrupção da parceria deixa claro que as chamadas conquistas sociais se apoiavam num progresso nos quais os assalariados não controlavam nenhum dos parâmetros. Que a ampliação das proteções sociais teve como efeito a dissolução dos indivíduos na lógica do planejamento estatal de controle da segurança. E, que o indivíduo está em contato direto com a lógica da sociedade salarial que se dissolveu. Portanto, se o Estado se retira, é o vínculo social que corre o risco de se decompor (NAKAMURA, E p. 3). Paralelo a isso, o direito à revolução que foi relegado à simples ilusão de um passado. Em parte essa renúncia é responsabilidade da esquerda que, presa em sua má consciência pelo despotismo e pelas atrocidades que defendeu durante os anos do socialismo de caserna soviético, hoje não vê outra saída a não ser a do capital (LETÍZIA, V. 1996). Por outro lado, esse direito está esfumaçado por uma ideologia da emergência que se objetiva transformando tudo em urgência: decisões econômicas, políticas securitárias, políticas sociais (moradia, saúde, educação, meio ambiente) (ARANTES, P. 2008). Era da Emergência, cujo sôo do alarme é o mesmo de duzentos anos atrás. Só que lá, o barulho era sinal de que o mundo deveria ser virado de ponta cabeça pelas classes oprimidas. Aqui, o eminente fim do mundo é a oportunidade estratégica para que o capitalismo sobreviva, desastre após desastre (KLEIN, N. 2007). Enfim, chegamos onde queríamos chegar desde o início desse artigo. Felizmente, o percurso histórico não é linear, tampouco passível de previsões certeiras a partir de cálculos estatísticos e econométricos. Os recentes acontecimentos na Europa, principalmente na França, demonstram isso e apontam para o retorno da luta de classes num patamar ainda indefinido. O que se segue é apenas uma tentativa de procurar entender em que situações nós - anticapitalistas - nos encontramos. Partiremos dos estudos sociológicos sobre a condição operária francesa e de algumas análises divulgadas no último número da revista Carré Rouge, sobre as lutas sociais desse fim de Modernização capitalista Michel Pialoux e Stéphane Beaud vêm a pelo menos duas décadas estudando a classe operária francesa (ver: Retorno à condição operária investigação em fábricas da Peugeot na França, Violences urbaines, violance sociale: genèse des nouvelles classes dangereuses, 80% au bac... et après, Pays de malheur! Un jeune de cite écrit à un sociologue e outros). Eles fazem parte de uma geração de sociólogos franceses que têm contribuído muito na renovação dos estudos sobre o mundo do trabalho, sobre o processo de reestruturação do setor produtivo, sobre a desestruturação dos antigos vínculos de solidariedade e etc. Junto dessa dupla podemos incluir as boas análises de Danièle Linhart sobre a angústia e o sofrimento no trabalho. As sugestões de Luc Boltanski e Ève Chiapello sobre o que eles chamaram de Le Nouvel Sprit du Capitalism. E outros, como Christophe

4 Dejours que estudou os danos psicológicos causados no trabalho e Oliver Masclet que estudou a questão das moradias na França. Vamos ao que interessa. Segundo Danièle Linhart a reestruturação do trabalho está ligada a crise provocada pelas novas formas da concorrência e da evolução do mercado. Essa modernização começou nos anos 70 como reação imediata aos acontecimentos de 1968, o intuito era inverter a relação de forças tornada demasiadamente desfavorável e ligada à expansão da classe operária. No caso do ramo produtivo estudado por Pialoux e Beaud fábrica automotiva isso significou romper em poucos anos com a organização mais taylorista do trabalho e adotar o modelo japonês, que se tornara mais eficiente em termos econômicos (PIALOUX, M; BEAUD, S p. 25). Esquematicamente: produção em fluxos tensos ( estoque zero, pane zero ) e na imposição de normas de qualidade muito estritas ( defeito zero ). A partir daí, a competitividade da indústria de automóveis baseia-se na rapidez de adaptação à demanda (diz-se que o mercado entrou na fábrica ) e na confiabilidade dos carros. Nesse sistema de produção, em que um carro produzido é um carro encomendado na concessionária, o objetivo consiste em utilizar da melhor maneira possível as empresas subcontratadas (os chamados fornecedores ) que entregam dia a dia as peças para a montagem dos veículos (ibidem, p. 25). Essas mudanças trouxeram também uma série de reformulações na relação capital/trabalho. Reformulações que não foram apenas causadas por um relativo enfraquecimento numérico do operariado. Novamente segundo Pialoux e Beaud, esse processo diz respeito a uma história social muito mais ampla, onde a classe operária perdeu sua autonomia simbólica. Os operários foram batizados de operadores, os horários foram individualizados através de jornadas flexíveis, os sindicatos ficaram desorientados, os antigos operários foram forçados a se adaptarem à nova ordem produtiva em que os gestores impõem objetos quantitativos em curto prazo, os assalariados foram empurrados para um engajamento subjetivo em busca de baterem metas e etc. Como se não bastasse, soma-se que essa desestruturação atinge outras esferas da atividade social, como escola, moradia e família. Além de gerar um sentimento de angústia, insegurança e competitividade num país onde o nível de desemprego é de mais de 10% (aproximadamente 4 milhões de pessoas. Principalmente jovens com menos de 25 anos e pessoas de mais de 55 anos). O descompasso entre as gerações O interessante no trabalho de Pialoux e Beaud é a demonstração de que a dissolução do estado de bem-estar não é uma simples retirada de direitos sociais, mas sim uma destruição deliberada de toda uma sociedade que se ergueu ao redor do mundo do trabalho: escola, moradia, sindicatos. E que essa destruição reflete o grau de desconexão entre pais e filhos das famílias operárias (CHESNAIS, F p 35-36). Pialoux e Beaud, em seus materiais de campo, recolheram inúmeras entrevistas nas fábricas, nos sindicatos, nas escolas e nas cidades e bairros empobrecidos. Promoveram também bate-papos entre três gerações de operários (1 - operários sindicalizados, politizados. Lutaram, conquistaram benefícios sociais e hoje, em sua maioria aposentados,

5 sentem orgulho dessas lutas. 2 - geração que já tem 20 anos de trabalho. Ainda se orgulha de ter trabalhado duro, de ter lutado e transmitido valores de um movimento operário estruturado mental e politicamente. 3 - originários de cidades empobrecidas dos anos 90 e filhos de imigrantes. Rejeitam a herança do mundo operário e sonham com um sucesso individual de pequeno patrão. São vítimas diretas da dinâmica de segregação social e espacial que, há quinze anos, provoca fraturas escancaradas no universo das classes populares). O que chama nossa atenção é a revelação de como a reestruturação opera no grupo operário: pauperização material, sentimento de abandono e de desapego à hierarquia social, desmobilização do grupo e as mudanças no restante da sociedade. As transformações dos anos 90 na divisão do trabalho fizeram surgir subgrupos, os quais se tornaram tão vulneráveis, a ponto de não se saber mais se pertencem ou não à classe operária (PIALOUX, M; BEAUD, S. 2002). Para os autores, a perda da auto-suficiência, da identificação e da respeitabilidade de classe tem uma explicação, Vinte anos de crise: os jovens, principalmente os de origem imigrante, foram quem suportou o peso maior e estão em vias de pagar por isso. Materialmente, através do desemprego e da precariedade. Mas também, em suas cabeças, através do refúgio na religião, da irritação devido à questão da identidade, da reafirmação do machismo, do ódio pelos "brancos" etc., contribuindo para o desmoronamento do que havia de capital coletivo nas classes populares (ibidem). O que ouvimos, é simplesmente o que poderíamos ouvir. Espanto seriam eles ainda guardarem algum tipo de esperança em relação ao futuro, algum tipo de gratidão com as empresas, algum tipo de identificação com as ações dos sindicatos ou do PSF. O que temos é seu exato oposto: A gente não quer depender de ninguém. Não queremos um chefe superior que nos dê ordens. Não queremos trabalhar na fábrica, queremos respirar, queremos ser patrão. Temos que evoluir. A gente é rebaixado, é preciso dizer as coisas como elas são... a gente é rebaixado quando é operário. De qualquer forma eu, com 19 anos, tenho consciência de que minha vida já era. Sobre o Partido Socialista: O laboratório experimental da sociedade destes vinte últimos anos (obrigado, socialistas de merda!) fecha e joga no lixo (ou na prisão) suas cobaias, mesmo contra a vontade destas últimas. Entre os muros A consciência do fracasso começa cedo. No livro Pays de malheur!, Stéphane Beaud se corresponde com o jovem de origem magrebina Younes Amrani. Para o jovem, até o ensino primário, tudo vai muito bem, nossos dias felizes. No liceu, as coisas complicam: Tomamos consciência de que a concorrência é forte e que nós não temos as mesmas capacidades (com relação aos franceses). O fracasso no bac agrava a situação. Soma-se a isso o serviço militar, o contato com o haxixe, o álcool e etc. A religião ameniza um pouco o uso de drogas, mas segundo o jovem: o Islã às vezes representa um comportamento útil para o indivíduo, não oferece nenhuma solução coletiva.

6 No bairro, Younes se lembra dos laços de amizade e dos destinos de seus companheiros: suicídio, depressão, loucura ou prisão. Para ele é insuportável: Os caras estão desconsolados, a molecada gasta adoidado, as meninas se acham atrizes de cinema... E todo mundo está desempregado. Eu não acredito que a molecada de hoje seja mais feliz, acho que eles não são piores que nós; é o ambiente social que se tornou pior: menos trabalho que antes, colocados a parte os trabalhos temporários, mais tempo pra pensar e, quando sabem aquilo que alguns de nós vivemos, devem se dizer: Nós somos mais espertos que eles, então faremos pior (in: HOLDER, S p ). O significado das palavras: aquilo que nós vivemos. E que os meninos de hoje dizem: então faremos pior, são as revoltas. Younes viveu os acontecimentos de de forma intensa e os últimos incidentes são ações de meninos mais jovens que Younes, que estão vendo as coisas piorarem nos seus bairros. Para que elas aconteçam, basta um detonador, pois a situação já é explosiva: o desemprego dos jovens com baixa escolaridade, a precarização sem saída, o agravamento da segregação urbana, o fracasso escolar, a pauperização e a desestruturação das famílias populares nos conjuntos habitacionais HLM (Habitação de Locação Moderada), a discriminação no recrutamento, o racismo ordinário etc. (PIALOUX, M; BEAUD, S p. 37). No outono de 2005, o detonador foi uma ação policial. Dois meninos de 15 anos filhos de imigrantes malineses e tunisianos (lixeiros em Paris) que perseguidos se esconderam em uma central elétrica e morreram eletrocutados. O discurso securitário - promovido pelo governo e seus intelectuais de plantão - procura encontrar micro-grupos culpados, a fim de ocultar a gênese das atitudes dessa juventude, que sofre com os problemas estruturais de um país maldito. Esse discurso busca identificar os meneurs, casseurs ou voyous. Esse discurso, que busca a ralé delinqüente no meio de possíveis jovens verdadeiros, faz parte de toda uma política que busca criar um estado de insegurança permanente. Na tentativa de tentar explicar esse estado de emergência como regra, Paulo Arantes escreve: Nesse quartiers de tous les dangers, populações socialmente vulneráveis correm de fato o risco de se tornarem delinqüentes, sendo, portanto, recomendável neutralizá-las antes que passem às vias de fato. É quando os amálgamas estratégicos começam a despontar, pouco importa a procedência das categorizações, já que a luta contra a insegurança se generalizou: uma zona urbana sensível pode repentinamente se revelar uma zona de não-direito (numa e noutra direção jurídica), e logo numa zona de segurança, regida por uma lógica de guerra, conforme vai ficando patente no modo como se militarizam o vocabulário e as providências dos experts e agentes da ordem (ARANTES, P p ). Um possível horizonte para as lutas futuras Mesmo com reiteradas proclamações públicas do presidente Nicolas Sarkozy reafirmando de que não mexeria na aposentadoria: O direito a aposentadoria aos 60 anos deve permanecer. Ou: Eu não farei isso. Este é um compromisso que assumi perante os franceses. Portanto não tenho mandato para isso. E vocês sabem, essas coisas contam para mim (HALAMI, S. 2010). Bastou o estouro da crise em 2007 e a chegada de pacotes de

7 recomendações de instituições européias e internacionais para que Sarkozy mudasse de idéia. Somam-se a isso as recomendações para que o governo congele os salários dos funcionários públicos, transferência de encargos financeiros acarretados por internações de longa duração, aumento da taxa de TVA (imposto sobre bens e serviços), além dos famosos ajustes fiscais. Nós temos pela frente dez anos de rigor, argumentou Jacques Attali, exbraço direito do socialista François Mitterrand e hoje diretor de uma comissão do governo de Sarkozy, cuja função é liberar o crescimento. As manifestações foram massivas. Sete manifestações com aproximadamente 3 milhões e meio de pessoas, durante os meses de setembro e outubro. Todas as intersindicais estavam presentes: CFDT, CFTC, CGT, FSU, Solidaires e UNSA. Os partidos políticos de esquerda também estavam presentes nas jornadas de luta: PS, PC, NPA, Lutte Ouvrière e outros. E claro, os anarquistas, os autonomes e os san-papiers organizados. A reforma da previdência - que modifica a idade da aposentadoria de 60 para 62 (para quem trabalhou mais de 41 anos) e de 65 para 67 (para quem começou a trabalhar mais tarde, por conta dos estudos, do desemprego ou das licenças) certamente foi o estopim do movimento. Mas outras coisas pesaram como, por exemplo, a insatisfação em relação ao governo de Sarkozy, que sustenta os índices mais baixos de aprovação da história da Quinta República, os casos de corrupção como o affaire Woerth-Bettancourt, a tentativa do governo de tentar encobrir o tema da reforma com sentimentos xenófobos contra os romenos e os ciganos e outros. Todavia, a novidade não estava nas bandeiras das organizações políticas dividindo o espaço das ruas, tampouco numa simples demanda de trabalhadores com espírito corporativo. O novo estava na participação de trabalhadores atomizados de diversas categorias e idades e na participação de jovens dos liceus (que já haviam se movimentado em 2006 por conta do CPE). Participações que, segundo algumas análises, demonstram que esse movimento era um movimento contra o mundo do trabalho pós-reestruturação, ou ainda, uma luta contra o neoliberalismo. As faixas e os gritos parecem revelar isso. A radicalidade dos bloqueios das refinarias que possibilitou (ou forçou) que outros setores paralisassem, também. E, o encontro de gerações de operários que, segundo a boa sociologia francesa, não se enxergavam como iguais, também aponta para essa direção. Expressões contra o mundo do trabalho eram constantes durante as jornadas: Melhor se matar de trabalhar do que morrer no trabalho! Por uma vida após o trabalho! Metro, trabalho e túmulo. Danièle Linhart argumenta que essas palavras revelam o que se tornou o trabalho na França. Para ela, a participação dos jovens, ao lado dos mais idosos, nos mostra a lucidez de uma juventude que sabe que a taxa de desemprego entre eles é uma das piores da Europa. Diante da batalha contra a reforma e contra esse assalariamento que causa angústias, sofrimentos e desmoralizações, apareceu outra expressão que chama nossa atenção: Je lutte de classes. Linhart interpreta que essa frase simboliza a continuidade, mas também a ruptura geracional da classe trabalhadora. Je lutte de classes seria uma possível aliança entre o individualismo imposto pelo mundo do trabalho e uma tradição que dorme (LINHART, D. 2010). Pierre Dardot e Christian Laval discordam, para eles a fortuna desta fórmula é particularmente revelador de uma nova configuração das

8 forças sociais em que não mais as vanguardas desempenham o papel reservado na formação de certas categorias. Mais amplamente, o eu ( je ) expressa a consciência de que agora luta de classes ( lutte de classes ) se refere ao campo subjetivo, devido as novas formas de poder no trabalho, de mobilização e formação da subjetividade (DARDOT, P; LAVAL, C p. 8). Conclusões (necessariamente provisórias) Sem querer plantar qualquer tipo de otimismo do tipo: Estamos Vencendo!, parece inevitável que a crise social avance com o desenvolvimento da crise econômica. Nosso exemplo aqui foi a França, mas países como Irlanda, Itália, Portugal, Espanha e Grécia vivem condições iguais ou piores que a francesa. A situação dos movimentos de resistência é de extrema dificuldade. Atomização, desmoralização, angústia e sentimento de solidão marcam parte dos trabalhadores. Para quem considera isso algum tipo de exagero retórico, basta acompanhar o caso dos trabalhadores da ex-estatal France Telecom. Outra parcela perdeu qualquer tipo de esperança ou futuro dentro das atuais condições de trabalho. Esses são jovens da periferia, filhos de imigrantes árabes, que são perseguidos pelas políticas de segurança, ou quando não, se contentam com o espaço que foi reservado para eles, em trabalhados temporários e precários que exigem baixa qualificação. Inclui-se ainda, os milhares de imigrantes clandestinos que buscam reconhecimento e/ou qualquer tipo de trabalho diante de uma economia de baixo crescimento. Condição operária, sem classe operária, uma vez que o mundo operário passou - material e simbolicamente - por uma destruição deliberada. No entanto, um horizonte emancipador parece se abrir, Claro, o caminho é tortuoso e nada garante que chegaremos a algum lugar. Os acontecimentos são muito recentes e ainda é difícil uma análise mais clara das forças sócias que se apresentaram nas jornadas de outono. Como defende François Chesnais, no movimento que irrompe, nosso desafio é identificar com os trabalhadores e com os jovens que se politizam nas lutas, não o que nós (nós e eles) não queremos, mas o que queremos. Um dia saberemos mais ou menos o que queremos implantar coletivamente. E sem delegação (CHESNAIS, F. 2010). O alarme continua soando, mas ainda é cedo para anunciar o direito ao verdadeiro estado de emergência... Bibliografia ARANTES, Paulo. Alarme de incêndio no gueto francês. Margem Esquerda n. 12. São Paulo: Boitempo, BEAUD, Stéphane; PIALOUX, Michel. Retorno à condição operária investigação em fábricas da Peugeot na França. São Paulo: Boitempo, 2009.

9 Rebeliões urbanas e desestruturação das classes populares (França, 2005). Tempo social v. 18 n. 1. São Paulo: Departamento de sociologia da USP, A terceira geração operária. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, A destruição deliberada da solidariedade militante. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis, RJ: Vozes, CHESNAIS, François. Enquête sur les ouvriers de Peugeot à Sochaux. Carré Rouge. Paris, A propôs de la journée d`action du 12 octobre. Carré Rouge. Paris, DARDOT, Pierre; LAVAL Christian. Le retour de la guerre sociale. Carré Rouge. Paris, ENGELS, Friedrich. Introdução As lutas de classes na França. A revolução antes da revolução. São Paulo: Expressão popular, HALAMI, Serge. O despertar francês. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, HOLDER, Samuel. Resenha: Stéphane Beaud e Younes Amrani, Pays de Malheur! Tempo social v. 18 n. 1. São Paulo: Departamento de sociologia da USP, Quelques éléments de discussion sur la crise politique et sociale em France. Carré Rouge. Paris, KLEIN, Naomi. Doutrina de choque A ascensão do capitalismo de desastre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LASNE, Nöelle. Face à la retraite, l`usure des corps. Le Monde, 12 out LETÍZIA, Vito. Conquistas sociais x neoliberalismo: o povo francês trava a primeira grande batalha. Olho da História, n. 2. Salvador: Enfrentar a grande crise. Olho da História, n. 12. Salvador: A grande crise rastejante. Olho da História, n. 13. Salvador: LINHART, Danièle. Uma resposta a Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, O que as manifestações nos revelam. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, MARX, Karl. As lutas de classes na França 1848 a A revolução antes da revolução. São Paulo: Expressão popular, Das Kapital. Kritik der politischen Ökonomie. dritter Band. Berlim: Dietz Verlag, NAKAMURA, Emmanuel. Crítica à lei da apropriação capitalista a acumulação do capital e a sua zona de anomia. Dissertação de mestrado na Unicamp, orientação de Marcos Lutz Müller. Campinas, PAULANI, Leda. Marx, as crises e a desregulação financeira. Carta Maior. São Paulo, 2009.

10 PEDDER, Sophie. All the world`s a stage For France`s theatrical president. The economist The world in (Special edition). Dez PERRIN, Evelyne. Ce qui sourd de ce mouvement social. Carré Rouge. Paris, 2010.

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1 Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo Danilo Chaves Nakamura 1 Para minha geração, o êxito do capital era um problema. Agora muitos acreditam que isso é

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012

Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012 Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012 Mariana Bruce Mestre em História pela Universidade Federal

Leia mais

A comida entrou na roda financeira

A comida entrou na roda financeira A comida entrou na roda financeira Brasil de Fato - seg, 2011-05-02 15:06 admin Para Walter Belik, especulação e irresponsabilidade dos governos neoliberais levou a crise que ainda deve durar vários anos

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL DATA: 03, 04 e 05 de Setembro de 2014 LOCAL: Centro de Formação 18 de Agosto: Rua Barão de Itapetininga, 163-2º andar Centro de São Paulo. O QUE É ORGANIZACIONAL NA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

D) Em uma Ordem Multipolar, o poder mundial estaria dividido entre Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, Índia e Coreia do Sul.

D) Em uma Ordem Multipolar, o poder mundial estaria dividido entre Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, Índia e Coreia do Sul. Aluno(a): PROF.: B - Negão DISCIP.: Geografia DATA: / /2016 ATIVIDADE INSTRUMENTAL 9 º A ( x ) B ( x ) C ( x ) D ( ) 1 - (UERN-2011) GAB=C Nova Ordem Mundial e o nome dado a configuração de relações internacionais

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO?

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? (Revista Época nº 897 17/08/2015 pág. 57) Há nítida diferença entre o consumidor de drogas, levado ao vício pelo traficante, e este. O primeiro inicia-se

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Anossa exposição acerca do tema da crise internacional é justamente,

Anossa exposição acerca do tema da crise internacional é justamente, O IMPACTO DA CRISE ECONÔMICA E FINANCEIRA NO MERCADO DE TRABALHO Márcio Pochmann * Anossa exposição acerca do tema da crise internacional é justamente, em primeiro lugar, para dizer o óbvio, que já no

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Declaração final do VI Encontro

Declaração final do VI Encontro Declaração final do VI Encontro O VI Encontro do Foro de São Paulo, reunido na cidade de San Salvador, República de El Salvador, entre os dias 26 e 28 de julho de 1996, com a presença de 187 delegados

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil O mundo tem passado por uma série de dificuldades nos últimos anos. Junto com crises financeiras que, muitas vezes, esvaziam países, nos vemos também

Leia mais

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto 3-5-2010 CURSO DE TIS MAHATMA GANDHI Sandra Jacinto 1869 Gandhi nasce no dia 2 de outubro, na Índia ocidental( Porbandar). 1891 - Forma-se em direito em Londres volta para a Índia a fim de praticar a advocacia.

Leia mais

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade.

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O Estadão criou uma iniciativa para debater e gerar ideias, propostas e soluções que contribuam com o desenvolvimento do

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Anexo I NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Ana Maria Ribeiro da Cruz Diana Patrícia Henriques Fernandes Joana Catarina

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I CAPÍTULO I OS NÚMEROS DA CRISE A crise de 1929 consistiu, acima de tudo, numa queda generalizada da produção em quase todo o mundo industrializado (com exceção da URSS e do Japão). Convém primeiro entendê-la

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

André Galhardo Fernandes

André Galhardo Fernandes CRESCIMENTO, DESENVOLVIMENTO E DEPENDÊNCIA INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO NA ÁFRICA SUBSAARIANA: UM ESTUDO SOBRE CRESCIMENTO E DEPENDÊNCIA Dissertação de mestrado André Galhardo Fernandes São Paulo, 19

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

Trabalho, sindicalismo e pobreza

Trabalho, sindicalismo e pobreza Trabalho, sindicalismo e pobreza António Brandão Guedes 1. Revalorizar o trabalho Tal como no início do século XX também hoje enfrentamos importantes e complexos desafios colocados pela economia e pelo

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Marcus

GEOGRAFIA. Prof. Marcus GEOGRAFIA Prof. Marcus Migração e xenofobia Migração Trata-se de um fluxo de pessoas. Existe por diversos motivos, como: Fluxos globais, regiões superpovoadas, desemprego, desorganização, desigualdade,

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA?

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? Carmen Gomes Macedo 1 Ednéia Alves de Oliveira 2 Resumo Este projeto objetiva

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI 16:30-18:00 ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO PALESTRANTE: ROBERTO VERTAMATTI PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

O MUNDO MENOS SOMBRIO

O MUNDO MENOS SOMBRIO O MUNDO MENOS SOMBRIO Luiz Carlos Bresser-Pereira Jornal de Resenhas n.1, março 2009: 6-7. Resenha de José Luís Fiori, Carlos Medeiros e Franklin Serrano (2008) O Mito do Colapso do Poder Americano, Rio

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

DEMOGRAFIA II. Prof. Maicon Fiegenbaum

DEMOGRAFIA II. Prof. Maicon Fiegenbaum DEMOGRAFIA II Prof. Maicon Fiegenbaum Estrutura etária; Estrutura econômica; Migrações; IDH. ESTRUTURA ETÁRIA Populações Jovens *países subdesenvolvidos; *elevado crescimento vegetativo e a baixa expectativa

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE!

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! Uma síntese das resoluções tomadas, a partir de rico debate, pela 1ª Conferência Nacional do Partido Socialismo e Liberdade, realizada em Brasília, nos dias 26, 27 e

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais