Quando informação é prevenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quando informação é prevenção"

Transcrição

1

2

3 MORAR COM MAIS SEGURANÇA Cartilha de orientação para o cidadão Quando informação é prevenção O direito à moradia é garantido pela Constituição, mesmo que o acesso seja difícil para muitos brasileiros. E ter um lugar para construir sua casa própria é uma das grandes conquistas da vida. Mas, embora poucos reconheçam, construir demanda responsabilidade. Mais do que isso, construir exige respeito aos limites entre o sonho e a ilegalidade. Toda construção deve seguir especificações rígidas previstas na legislação. Por isso, quem pretende adquirir um terreno em encostas, nas suas proximidades ou na margem de rios, deve estar alerta para evitar riscos, não só à integridade da moradia, mas de que ela caia na ilegalidade. Conhecer os limites estabelecidos pelo plano diretor da cidade é o primeiro passo para ter a capacidade de reconhecer as áreas adequadas para construção. As informações coletadas junto às prefeituras de estudos e do mapeamento das áreas de risco de deslizamentos e enchentes, entre outras questões, pode evitar inúmeros problemas no futuro e permitir a segurança ideal para quem sonha em ter sua casa própria. Nesse sentido, contar com o apoio de um profissional registrado no CREA-RJ visa a garantir que a construção seguirá todos os parâmetros necessários previstos na Lei, com custo adequado ao tipo de obra, e de que a edificação terá a qualidade exigida para evitar tragédias que, infelizmente, são cada vez mais frequentes nos grandes centros urbanos. Qualidade de vida é, também, investir em prevenção e viver em um ambiente seguro. E estar seguro requer consciência e conhecimento. Nesta cartilha, o CREA-RJ divulga informações básicas sobre o uso do solo urbano e as legislações vigentes no país para construção de moradias. Zelar pela vida dos cidadãos, e garantir reservas para que eles garantam seus direitos, são metas que norteiam o trabalho diário do nosso Conselho. Eng. Eletricista e Técnico em Eletrotécnica CLAYTON GUIMARÃES DO VABO 1º Vice-Presidente no exercício da Presidência

4 DIRETORIA (mandato 2011) 1º Vice-Presidente (no exercício da presidência) Engenheiro Eletricista e Técnico em Eletrotécnica CLAYTON GUIMARÃES DO VABO 2º Vice-Presidente Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho SÉRGIO NISKIER 1º Diretor Administrativo Engenheiro Metalúrgico e de Segurança do Trabalho ROCKFELLER MACIEL PEÇANHA 2º Diretora Administrativa Meteorologista FRANCISCA MARIA ALVES PINHEIRO 3º Diretor Administrativo Técnico em Eletrotécnica SIRNEY BRAGA 1º Diretor Financeiro Engenheiro Eletricista ANTONIO CLAUDIO SANTA ROSA MIRANDA 2º Diretor Financeiro Técnico em Eletrônica, Engenheiro Eletricista - Ênfase em Computação e de Seg. do Trabalho RICARDO DO NASCIMENTO ALVES 3º Diretor Financeiro Engenheiro Eletricista, de Seg. do Trabalho e Técnico em Eletrotécnica JOSÉ AMARO BARCELOS LIMA Consultoria Técnica Engenheiro Civil Sanitarista ADACTO BENEDICTO OTTONI Assessoria de Meio Ambiente do CREA-RJ Engenheiro Civil ANTERO JORGE PARAHYBA Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil CEEC/CREA-RJ Produção Editorial e Gráfica Organização: Assessoria de Marketing e Comunicação do CREA-RJ Projeto Editorial, Pesquisa, Projeto gráfico: Curta Comunicação Ilustração Capa: Cláudio Duarte Imagens Assessoria de Meio Ambiente do CREA-RJ Prefeitura do Rio de Janeiro Universidade de Brasília

5 MORAR COM MAIS SEGURANÇA Cartilha de orientação para o cidadão Apresentação O CREA-RJ é uma instituição reconhecida pela excelência técnica e por sua atuação ágil, eficiente e íntegra. Em um Estado marcado pela incidência de fortes chuvas, sobretudo nos meses de verão, a publicação da cartilha Morar com Mais Segurança pretende orientar aqueles que pretendem construir ou adquirir um terreno ou residência sobre os cuidados necessários a serem tomados para evitar armadilhas e ilegalidades. Ao difundir amplamente este material, o Conselho pretende tornar públicas informações técnicas sobre o uso do solo urbano;, além do conhecimento sobre a legislação ambiental vigente, que regulamenta áreas de preservação permanente, topos de morro e faixas marginais de proteção dos rios. Em mais uma iniciativa de divulgação, o CREA-RJ colabora para ajudar o cidadão a exercer seus direitos, dos quais muitas vezes acaba por abrir mão por puro desconhecimento. Boa leitura e bom proveito! 5

6 1. Morar com mais segurança A ocupação urbana irregular e desordenada pode ocasionar graves danos ambientais. O desmatamento pode gerar erosão do solo, que contribui para o assoreamento de rios e reservatórios. O acúmulo de resíduos sólidos em áreas inadequadas, por sua vez, pode contaminar lençóis freáticos, prejudicando a qualidade da água. A impermeabilização do solo dificulta a infiltração da água, comprometendo o ciclo hidrológico, o que agrava problemas como erosão do solo, assoreamento da calha dos rios, inundações e enchentes. Já a infiltração constante no solo de águas indevidas carreará materiais finos gerando vazios e reacomodações dos materiais sobre estes. Por tudo isso é fundamental saber onde é mais adequado, permitido e como construir. No Brasil, a falta de planejamento e de controle urbanos são as principais responsáveis pela expansão das cidades em áreas proibidas pela legislação. Nesses casos, quase sempre, ignora-se ou desrespeita-se o plano diretor municipal. O estado do Rio de Janeiro O estado do Rio abriga parte significativa do que restou da Mata Atlântica brasileira. Seu relevo é bastante diversificado, com montanhas e baixadas localizadas entre a Serra da Mantiqueira e o Oceano Atlântico. O interior do Estado possui uma vasta área serrana entre a Baixada Fluminense e o vale do rio Paraíba do Sul. A capital também é marcada por um relevo acidentado, com diversos morros e montanhas, além de muitos rios e um regime intenso de chuvas durante o verão. Por essas características físicas, que oferecem riscos potenciais de acidentes naturais, e pela necessidade de preservação das reservas ambientais do estado, é tão importante a preocupação com o uso adequado do solo e a ocupação criteriosa dos espaços urbanos. Plano diretor O plano diretor é uma lei municipal que estabelece as diretrizes para a ocupação adequada do território. Ele estabelece o que pode (e o que não pode) ser feito em cada área do município. O plano está previsto no artigo 182 da Constituição Federal e na Lei /01, o Estatuto da Cidade. Pelo Estatuto, o plano diretor é obrigatório para as regiões metropolitanas, aglomerações urbanas acima de 20 mil habitantes e cidades integrantes de áreas especiais de interesse turístico. O plano diretor estabelece os limites urbanos onde é permitida a edificação ou a utilização obrigatória, levando em conta a infraestrutura e a demanda para a utilização do solo urbano não utilizado. Ele estabelece ainda as condições de exercício do direito de construir e as áreas onde serão permitidas alterações de uso do solo. Conhecer e respeitar o plano diretor municipal é o primeiro passo para alguém que pretende adquirir um terreno e construir com segurança. Por isso, antes de tudo, é fundamental procurar o órgão municipal responsável pela elaboração e fiscalização do plano diretor para evitar ilegalidades. 6

7 A escolha do local mais adequado Mesmo estando de acordo com a legislação, é importante ficar atento para as condições físicas do terreno e para as características técnicas da habitação que se pretende construir ou onde se vai morar. Construir um imóvel em local inadequado pode obrigar seu morador a conviver com um problema pelo resto da vida. Por isso é tão importante que a obra seja efetivamente realizada por um profissional capacitado, como um engenheiro ou arquiteto, sob o registro de sua responsabilidade. Procure a Prefeitura, que é o órgão municipal responsável pela elaboração e fiscalização do plano diretor para evitar ilegalidades; Informe-se no órgão ambiental competente se o local apresenta pendências, como a falta de tratamento sanitário, por exemplo; Verifique se a documentação do terreno/imóvel tem pendências jurídicas; Certifique-se também que o terreno não se encontra dentro de uma área de preservação permanente (APP), onde não é permitido construir devendose manter a vegetação nativa. FIQUE ATENTO Os lugares podem ter pequena inclinação natural (sempre menor do que 45º). O terreno deve preservar espaços para as ruas e acesso para cada casa, de modo que serviços de socorro, como ambulâncias e bombeiros, distribuição de gás e de coleta de lixo possam chegar sem dificuldades. A coleta adequada de lixo e o saneamento de esgoto são fatores muito importantes de prevenção de acidentes, como desmoronamentos de encostas, e de preservação contra a degradação ambiental. Legislação ambiental O Código Florestal brasileiro define como área de preservação permanente as florestas e outras formas de vegetação natural ao longo dos rios ou cursos d água, desde o seu nível mais alto em faixa marginal de proteção. As faixas marginais são definidas por uma largura mínima de proteção às matas ciliares entre 30 e 500 metros, de forma proporcional à largura de seus rios (de 10 a 600 metros). Nascentes, topos de morros, restingas e encostas com inclinação superior a 45º também são caracterizadas como Áreas de Preservação Permanente - APPs. Acesse e conheça na íntegra o Código Florestal Brasileiro. 7

8 2. A Importância do Projeto para a Segurança da Obra A definição do tipo de construção só deve ser realizada por profissionais habilitados e com registro no CREA-RJ - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro. É de suma importância que o contratante exija dos profissionais envolvidos os respectivos registros da ART Anotação de Responsabilidade Técnica, que delimita as responsabilidades pelas partes da obra/serviço a ser realizado. FIQUE ATENTO Cuidados com a construção de moradias Em terrenos acidentados, as casas precisam estar afastadas do topo do morro e da beira da encosta, sem impedir o caminho natural da água das chuvas. Calhas, biqueiras, calçadas e impermeabilização em torno da habitação ajudam a diminuir a infiltração da água das chuvas. É preciso ainda que a edificação tenha bons alicerces, para evitar rachaduras nas paredes ou, até mesmo, a sua ruína. A segurança nos morros depende do tipo de solo, da quantidade de água que se infiltra nele, da vegetação preservada, da posição da habitação, do saneamento de esgoto, da coleta de lixo, dos cuidados com o lugar e da limpeza das linhas d água. Como acontecem os deslizamentos Veja como se formou a catástrofe na região serrana do Rio de Janeiro O subsolo desses locais é dividido basicamente em duas partes: A parte superior é uma camada de solo composta por terra e árvores. É a parte superficial e a mais atingida pela chuva. A região inferior é composta por rochas. Elas são áreas mais estáveis e dificilmente deslizam. A intensidade da destruição causadas pelos deslizamentos depende de fatores como a qualidade e tipo de solo, quantidade de chuva, declividade, permiabilidade e tipo de rocha no subsolo. 8

9 O que são áreas acidentadas? A região fica com a estrutura enfraquecida, a partir da diminuição da cobertura vegetal (desmatamento) e da ocupação de casas. As raízes das árvores ajudam a fixar o solo nas rochas. Sem elas ou com menos cobertura vegetal, a área torna-se menos estável. Construções em morros também alteram os caminhos naturais de drenagem de água, aumentando a instabilidade do terreno. A chuva cai em uma área enfraquecida. As rochas e sedimentos se desprendem da base rochosa estável. O solo não aguenta e começa a descer. A camada de solo se separa da base rochosa sólida e a gravidade faz com que ela deslize pela encosta. O peso se acumula e causa uma espécie de avalanche, levando tudo para baixo. Como as casas não estão fixadas diretamente na rocha, mas apenas sobre as terras, elas acabam descendo também, ficando soterradas. O entulho bloqueia os rios piorando o escoamento da chuva e aumentando as inundações. Quanto maior a aclividade, maior a força da gravidade, contribuindo mais para o processo. Infografia Gazeta do povo Chamamos de áreas acidentadas terrenos caracterizados por inclinações significativas, como morros e encostas. Em países de clima tropical, como o Brasil, há algumas regiões em que ocorrem inundações e quedas de encostas naturais motivadas por intensas chuvas. Em outras áreas, porém, há falta de água para a agropecuária e para uso humano. Porém, a maior parte desses problemas acontece mais por falta de cuidados com a natureza do que devido a mudanças climáticas. Trata-se de um problema de gestão ambiental. O que é gestão ambiental? Podemos definir a gestão ambiental como o conjunto de ações coordenadas que permitem ao ser humano ocupar o meio ambiente e explorar seus recursos gerando o menor impacto possível. Para isso é crucial o conhecimento técnico, mas é necessário também a consciência sobre os impactos da ação humana sobre a natureza. Quando vamos escolher um terreno para construir uma edificação, seja ela uma moradia ou outro tipo de construção, temos que avaliar muito bem que consequências esta intervenção humana causará no meio ambiente. Isso porque seus impactos podem se voltar contra o próprio morador, como em situações de alagamentos ou em quedas de barreiras. Para isso, é fundamental respeitar o movimento natural das águas, o chamado ciclo hidrológico. 9

10 O ciclo hidrológico Quando a água da chuva chega à superfície da terra, uma parte dessa água é infiltrada no solo e outra parte escorre sobre a superfície para áreas mais baixas, podendo se juntar também a rios, lagos e oceanos. As raízes das plantas absorvem parte da água infiltrada no solo e a devolvem à atmosfera por meio da transpiração. A evaporação e transpiração da água vão formar as nuvens, que quando se tornam maiores e mais pesadas, caem sob a forma de chuva, reiniciando todo o ciclo hidrológico. Fatores naturais (como o tipo de clima, a porosidade do solo e a extensão da cobertura vegetal) e fatores humanos (como o desmatamento, a impermeabilização da superfície do terreno causada pelo processo de urbanização ou a construção desordenada de edificações) vão determinar a taxa de infiltração do solo. Dessa forma, a falta de cuidado com a gestão ambiental pode acarretar uma interferência inadequadas do homem. Desmatamentos e impermeabilizações urbanas acabam comprometendo a capacidade de infiltração do terreno. Com isso, a água que não penetra no solo nem evapora escoa superficialmente e vai causar o surgimento de erosões do solo, alagamentos, inundações, além de pressionar os sistemas de drenagem das águas da chuva. Por isso é tão importante saber qual o local adequado na hora de escolher onde (e como) construir. 3. A Atuação do Sistema Confea/Crea A definição do tipo de fundação só pode ser realizada por profissionais habilitados e registrados nos Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Algumas pessoas acreditam que é custoso contratar profissionais registrados nos CREAs. Elas esquecem, no entanto, que todo tipo de construção envolve conhecimentos técnicos sofisticados que podem ser executados somente por profissionais habilitados pelo Sistema Confea/ Crea. Mais do que isso, trata-se de um assunto que envolve a segurança e a integridade física de muitas pessoas. Contratar um curioso ou um amador para executar uma obra com esse grau de complexidade é um ato criminoso e irresponsável. Uma construção conduzida de forma incorreta, em terreno inapropriado, pode ruir e desabar. Com orientação técnica adequada, no entanto, é possível harmonizar as condições do terreno com o projeto técnico, otimizando níveis de segurança e custos de construção. Ao fim, a contratação de um profissional gera obras com valores mais baixos, de forma adequada, legal e segura. Sabemos, porém, que muitos moradores encontram-se em situação de precariedade social e econômica. Para garantir que mesmo aqueles com renda mais baixa possam contar com a necessária assistência técnica dos profissionais do Sistema na hora de construir existe a Lei de Assistência Técnica Gratuita. Conheça na íntegra a Lei de Assistência Técnica Gratuita. Acesse 10

11 Lei de Assistência Técnica Gratuita Sancionada em dezembro de 2008, a lei garante que famílias com renda de até três salários mínimos tenham direito à assistência técnica gratuita para a construção e reforma de casas de até 60m² ou de interesse social. Na prática, ela significou a criação de um sistema de financiamento público para a remuneração do trabalho de engenheiros, arquitetos e urbanistas envolvidos no projeto e administração de habitação de baixa renda. A lei prevê cinco modalidades para a realização da assistência técnica. O serviço poderá ser prestado por: 1. por profissionais ligados diretamente a órgãos públicos com atuação na área; 2. integrantes de equipes de organizações não governamentais; 3. profissionais inscritos em programas de residência acadêmica em arquitetura, urbanismo ou engenharia; 4. programas de extensão universitária, por meio de escritórios-modelos ou escritórios públicos com atuação na área; 5. profissionais autônomos ou integrantes de equipes, contanto que credenciados previamente, selecionados e contratados pelos órgãos públicos. 4. A Atuação do CREA-RJ Durante as fortes chuvas que caíram na Região Serrana do estado do Rio, em Janeiro de 2011, o CREA-RJ elaborou prontamente um relatório de inspeção realizada nas áreas de Teresópolis e Nova Friburgo. A análise identificou que não existiam planos de contingência para enchentes e deslizamentos de encostas nos municípios afetados, sendo indicadas no relatório inúmeras medidas de curto prazo a serem implantadas. O documento apontou que, sem instrumentos permanentes de monitoramento ambiental, não há como alertar a população previamente sobre eventos extremos, visando a evacuação e evitando mortes. O levantamento realizado pelos técnicos do Conselho evidenciou que a falta de planejamento urbano, com ocupações desordenadas, foi a principal responsável pela ocorrência do desastre. Entre as medidas de médio e longo prazo sugeridas pelo Conselho para amenizar e solucionar esses problemas estavam a elaboração de um mapeamento das áreas de risco e a condução de um programa de contingência. O CREA-RJ defende que o poder público deve prever a retirada das populações de áreas de alto risco, como encostas íngremes, e topos de morro, o reflorestamento de áreas desmatadas e a recuperação das faixas marginais 11 11

12 de proteção dos rios. Além disso, é necessário o planejamento de obras definitivas para o controle de enchentes nas áreas afetadas pela catástrofe da Região Serrana. Em agosto de 2011, após seis meses da tragédia na região serrana, o CREA-RJ voltou a fazer nova inspeção nas áreas afetadas e produziu um relatório que constata a precariedade das casas ainda existentes no local. Residências que, inclusive, ainda continuam sendo habitadas. O relatório foi encaminhado para os Ministérios Públicos estadual e federal. Deslizamentos de encostas em morros próximo ao centro de Nova Friburgo - Fotos relatório CREA-RJ 5. Políticas Públicas para Reduzir os Riscos das Tragédias Urbanas Causadas pelas Chuvas Intensas (Deslizamentos / Enchentes) Ocupação urbana apropriada Com a construção de mais e mais edificações em uma cidade, passa-se a ter uma área de infiltração cada vez menor, pois a área construída contribui para a impermeabilização do solo. O traçado urbano deve priorizar a existência de áreas para a infiltração natural e a redução do escoamento superficial mediante a interposição de galerias, o que reduz os riscos de enchentes. A ocupação dos espaços acontece de forma horizontal ou vertical e requer da comunidade e do poder público atenção com o desmatamento e o excesso de impermeabilização. 12 Medidas de controle As medidas de controle voltadas para reduzir os danos causados por enchentes e quedas de barreiras podem ser aplicadas em duas frentes. A primeira foca no planejamento da ocupação e do uso do solo. Nesta frente de atuação, o terreno é ocupado de forma progressiva e ordenada, acompanhada por obras de infraestrutura básica. A preservação de áreas de vegetação natural vem acompanhada de obras de controle do escoamento superficial das águas das chuvas, com a construção de poços, trincheiras, valas de infiltração e bacias de retenção. A segunda frente de combate a inundações e alagamentos inclui medidas não estruturais, como regulamentos que disciplinem a ocupação e o uso do solo (legislação ambiental) e a conscientização da população por meio da educação ambiental que a sensibilize da necessidade de respeito às normas ambientais.

13 Prevenção O armazenamento e uso das águas pluviais, e o reuso de águas servidas contribuem para evitar problemas como alagamentos, inundações e erosões, além de reduzir a demanda de água tratada. Algumas metodologias podem ser aplicadas tanto pelas prefeituras das cidades como por condomínios e casas, gerando, inclusive, economia de água. Veja alguma delas: Bacias de detenção Uso: parques e ao redor de prédios Conhecidas como espelhos d água, elas retém temporariamente a água, que, por sua vez, é aos poucos liberada, regulando picos de vazão. Podem possuir dispositivo de fuga para pequenas vazões direcionadas para a infiltração no solo ou para a rede pública de drenagem de águas pluviais. Na seca, também podem favorecer evapotranspiração. Pavimentos drenantes Uso: ciclovias, calçadas e ruas com baixo tráfego de veículos Os revestimentos dessas estruturas são geralmente construídos por elementos talhados de rocha ou por blocos pré-moldados maciços de concreto, que podem ser vazados ou perfurados. A infiltração ocorre pelas juntas, furos ou espaços vazados. Quando mais espessas e porosas as camadas receptoras de base, maior será a capacidade de armazenamento e infiltração da estrutura. Bacias de sedimentação Uso: ao longo das vias por onde a água da chuva escorre São estrutura de armazenamento temporário que retêm sólidos em suspensão ou absorvem poluentes vindos do escoamento de águas superficiais. Permitem o armazenamento rápido nos picos de cheia e a liberação dessa água lentamente para os sistemas de drenagem. Podem ser incorporadas para prevenir erosões. Captação de águas pluviais Uso: residências, condomínios e comércio As calhas nos telhados captam a água da chuva e, por uma tubulação, levam até um filtro para retirar sujeiras trazidas da cobertura e poluição do ar. Depois a água vai para dois reservatórios. O de água pluvial serve para irrigação de jardins e descarga em sanitários. O de água potável serve para o banho e para louça, escovar os dentes. Valas de infiltração Uso: ao longo das rodovias, estacionamentos, parques industriais e áreas verdes de casa São estruturas lineares pouco profundas e vegetadas, geralmente utilizadas quando o lençol freático é superficial ou o manto impermeável é pouco profundo. Elas permitem o armazenamento temporário de águas pluviais e favorecem sua infiltração no solo. Poços de infiltração Uso: residências, edifícios e praças Estruturas cilíndricas cuja profundidade e diâmetro dependem das características do solo e do volume de água a ser infiltrado. Nessa construção podem ser utilizados pneus. O principal cuidado é o de executar furos na face inferior dos pneus de modo a evitar o acúmulo de água. Dependendo da profundidade do poço, ele ajuda no reabastecimento do lençol freático. Recomenda-se manter os poços fechados com tampas removíveis, para evitar acidentes. Trincheiras de infiltração Uso: áreas industriais, pátios, estacionamentos e ao longo de ruas e avenidas As trincheiras permitem o armazenamento e a infiltração de água no solo. São estruturas lineares pouco profundas, preenchidas total ou parcialmente com material granular, como britas e seixos, e revestidas com manta geotêxtil que funciona como filtro. O enchimento das trincheiras pode ser feito de garrafas PET, entulhos de construção e pneus usados. Fonte: Cartilha de infiltração/geotecnia UnB - Valdo Virgo/CB/D.A Press 13

14 Políticas públicas de habitação A implementação de políticas públicas de habitação no Brasil é uma competência do poder executivo. O Ministério das Cidades, no âmbito federal, e as secretarias estaduais e municipais da área são os responsáveis pelo planejamento e aplicação de políticas que promovam infraestrutura urbana adequada às condições do território e meios para a construção de novas edificações, com atenção à preservação ambiental, segurança e conforto da população. Essas condições, no entanto, variam segundo as características de cada cidade e exigem soluções próprias para a forma como os problemas se manifestam no plano local. Políticas para reduzir os riscos das tragédias causadas pelas chuvas intensas As prefeituras, por meio de suas defesas civis, têm a obrigação de alertar os moradores sobre situações de risco e tomar as providências necessárias para eliminar os fatores de perigo. Além da assistência técnica aos moradores, o poder público municipal tem o dever de coibir ocupações irregulares, demolindo-as, se necessário. Em caso de catástrofes, a prefeitura é a responsável pela execução de ações de salvamento, fornecimento de abrigo e cuidado com os desalojados, além da provisão de reparos aos danos causados pela chuva. Segundo o estudo feito pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) sobre o desastre de Janeiro de 2011, na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, que registrou mais de 900 mortos e centenas de desaparecidos, as chuvas ganharam a dimensão de catástrofe por conta do desrespeito à legislação ambiental: O presente estudo demonstra que os efeitos da chuva teriam sido significativamente menores se a Área de Preservação Permanente (APP) ao longo dos cursos d água estivesse livre para a passagem da água, bem como se áreas com elevada inclinação e os topos de morro estivessem livres da ocupação e intervenções inadequadas, concluiu o relatório encomendado pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério. O mesmo código também estabelece como Área de Preservação Permanente o entorno de nascentes de rios, as encostas mais inclinadas e os topos de morros: Registrou-se também que em áreas com florestas bem conservadas, livres de intervenções como estradas, edificações ou queimadas, o número de deslizamentos é muito menor do que nas áreas com intervenções, completa o referido relatório. Planos de contingência O que deve ser feito em caso de catástrofes Para enfrentar situações de risco deve-se, preventivamente: Sair imediatamente de casa Procurar lugares sem perigo de queda de barreiras Informar aos órgãos da Defesa Civil quando observar situações de risco Solicitar à Defesa Civil a colocação de lonas plásticas nas barreiras e outras intervenções necessárias 14

15 Sinais de perigo Rachaduras nas paredes das casas, nas barreiras, nas escadarias e nas canaletas Muros de arrimo ou paredes com rachaduras Árvores, muros e postes inclinados Terrenos afundados, com rachaduras e desníveis em pavimentações Surgimento de olhos d água (aparecimento de água por afloramento do lençol freático) para pontos seguros mapeados na região com o auxílio de agentes da Defesa Civil, de lideranças comunitárias e de moradores treinados da própria comunidade. Os equipamentos funcionam em 60 comunidades indicadas por estudos feitos pela GeoRio. Os moradores dos locais onde estão sendo instalados os equipamentos de alerta também receberam material para orientá-los sobre o funcionamento do sistema. Sistema de Alerta e Alarme comunitário para chuvas fortes (GEORIO) A instalação do sistema de alerta e alarme pela Prefeitura do Rio começou em janeiro de 2010, com a implantação de um conjunto de sirenes no Morro do Borel, na Tijuca, uma das comunidades com alto risco de deslizamento. Até agosto de 2011, o sistema está instalado em 32 comunidades, e a expectativa é de que alcance 60 comunidades até o inicio do verão de 2011/2012. O sistema é acionado caso a Defesa Civil identifique que as chuvas chegaram a níveis críticos nestes locais. Em caso de emergência, a população das áreas de risco é encaminhada Fotos: Sistema de Alerta / Radar Meteorológico Fonte: Divulgação Prefeitura Rio de Janeiro 15

16 6. Telefones/Sites Úteis Defesa Civil 199 Municipal - Estadual - Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro (GEO Rio) (21) Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro - CREA-RJ (21) Instituto Nacional de Meteorologia INMET Rio de Janeiro (21) Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro 1048 Fontes de consulta Relatório Preliminar da Inspeção Realizada pelo CREA-RJ em áreas de Teresópolis e Nova Friburgo afetadas pelas fortes chuvas ocorridas em Janeiro/2011 Relatório Tragédia Anunciada CREA-RJ Agosto/2011 Cartilha infiltração / José Camapum de Carvalho, Ana Cláudia Lelis - Brasília, Série Geotecnia UnB; v. 2. TUCCI, Carlos E. M., PORTO, Rubem, La Laina e BARROS, Mário T. de, Drenagem Urbana. Editora da UFRGS, Porto Alegre, 1998 Site Ministério das Cidades Site Governo Federal Site Ministério do Meio Ambiente Site da Prefeitura do Rio de Janeiro 16

17 Sede CREA-RJ Rua Buenos Aires, 40 - Centro - CEP Tel: (21) Telecrea: (21) Inspetorias e Postos de Relacionamento Metropolitana Barra da Tijuca Telefax: (21) Campo Grande Tel: (21) Duque de Caxias Tel: (21) Ilha do Governador Tel: (21) Miguel Pereira Tel: (24) Nova Iguaçu Telefax: (21) Posto de Relacionamento de Itaguaí Posto de Relacionamento do Recreio dos Bandeirantes Tel: (21) Posto de Relacionamento de Madureira Tel: (21) Posto de Relacionamento de São João de Meriti Tel: (21) Posto de Relacionamento de Jacarepaguá Tel: (21)

18 Sul Angra dos Reis Telefax: (24) Barra do Piraí Telefax: (24) Posto de Relacionamento na Eletronuclear Tel: (24) org.br Paraty Tel: (24) Resende Telefax: (24) Valença Telefax: (24) Volta Redonda Tel: (24) Posto de Relacionamento de Pinheiral Tel: (24) Leste Araruama Telefax: (22) Armação dos Búzios Tel: (22) Cabo Frio Telefax: (22) Macaé Telefax: (22) Rio das Ostras Telefax: (22) Posto de Relacionamento de São Pedro da Aldeia tel: (22) Leste Metropolitana Magé Tel: (21) Maricá Tel: (21) Niterói Tel: (21) São Gonçalo Telefax: (21) Itaboraí Tel: (21) Posto de Relacionamento de Piratininga Tel: (21) Norte Campos dos Goytacazes Tel: (22) Itaocara Tel: (22) Itaperuna Telefax: (22) Santo Antônio de Pádua Telefax: (22) Serrana Cantagalo Tel: (22) Nova Friburgo Telefax: (22) Petrópolis Telefax: (24) Teresópolis Telefax: (21) Três Rios Telefax: (24)

19 19

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

Autovistoria. Prevenção agora é Lei

Autovistoria. Prevenção agora é Lei Autovistoria Prevenção agora é Lei Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de

Leia mais

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro 3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro JANEIRO/2012 (Um ano após a tragédia ocorrida em janeiro/2011) www.crea-rj.org.br APRESENTAÇÃO Já temos um ano decorrido após a tragédia

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão Nossa Terra Episódio 5 Erosão Resumo A Série Nossa Terra é composta por sete documentários de 15 minutos cada um, em que a Geologia é explorada de forma dinâmica por meio de questionamentos, experimentos,

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL 141 4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL Este capítulo se destina a apresentação de algumas tipologias multifuncionais de infraestrutura verde que podem ser aplicadas à área de estudo

Leia mais

Série Geotecnia UnB. Cartilha. Infiltracao. Volume 2. Autores: José Camapum de Carvalho Ana Cláudia Lelis

Série Geotecnia UnB. Cartilha. Infiltracao. Volume 2. Autores: José Camapum de Carvalho Ana Cláudia Lelis Série Geotecnia UnB Volume 2 Cartilha Infiltracao Autores: o José Camapum de Carvalho Ana Cláudia Lelis Série Geotecnia UnB Volume 2 Cartilha Infiltracao José Camapum de Carvalho Ana Cláudia Lelis Camapum

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

PROGRAMA VIVA O MORRO. uma nova forma para ocupar, construir, administrar e viver nos morros

PROGRAMA VIVA O MORRO. uma nova forma para ocupar, construir, administrar e viver nos morros GUIA DE OCUPAÇÃO DOS MORROS Região Metropolitana do Recife PROGRAMA VIVA O MORRO PROGRAMA VIVA O MORRO uma nova forma para ocupar, construir, administrar e viver nos morros Morar no morro pode ser agradável

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Construção e Reforma Legal. Cartilha de orientação para o cidadão

Construção e Reforma Legal. Cartilha de orientação para o cidadão Construção e Reforma Legal Cartilha de orientação para o cidadão Construção e Reforma Legal Cartilha de orientação para o cidadão Apresentação A presente cartilha é mais uma contribuição do CREA-RJ no

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer uma sistemática organizada de controle e combate a situações de vazamentos e derrames com risco ambiental e este procedimento se aplica a todas

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Drenagem Urbana

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 11B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA RIO DE JANEIRO - Junto com São Paulo é o estado mais importante da Região Sudeste, estando também entre os mais

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Programa Telhados Verdes São Paulo

Programa Telhados Verdes São Paulo Programa Telhados Verdes São Paulo Um telhado pode ter múltiplas funções inovadoras, atuando simultaneamente em diversas frentes de sustentabilidade. Qual a utilidade de um telhado? Prevenção de enchentes

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem Manual do Síndico O que é o CREA-RO? O C o n s e l h o R e g i o n a l d e E n g e n h a r i a e Agronomia do Estado de Rondônia - CREA- RO é uma autarquia

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE Redes Integradas de Monitoramento Rede Hidrometeorológica Básica do Estado do Rio de Janeiro Monitoramento de Quantidade e Qualidade de Água REDES DE MONITORAMENTO

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO Laudo de Vistoria Ambiental I Identificação da Propriedade: Associação Condomínio Parque Primavera CNPJ 60.549.656/0001-90 Rua Eurico Gaspar Dutra 255 - Carapicuíba CEP 06342-200 ÁREA DE ESTUDO II Característica

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

O QUE SÃO DESASTRES?

O QUE SÃO DESASTRES? Os três irmãos Tasuke O QUE SÃO DESASTRES? Este material foi confeccionado com a subvenção do Conselho de Órgãos Autônomos Locais para a Internacionalização Prevenção e desastres A prevenção é o ato de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Uma prática com jovens no contexto do meio ambiente seguro

Uma prática com jovens no contexto do meio ambiente seguro Rua São Gonçalo, 118 Boa Vista - Recife, PE Brasil CEP: 50070-600 Tel - 55 81 3221.3137 / 3570 / 4266 www.habitatbrasil.com.br Uma prática com jovens no contexto do meio ambiente seguro ÍNDICE 1 Apresentação

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS: TÍTULO: POLUIÇÃO DO RIO JAGUARIBE AUTORES: RODRIGO LEITE RAFAEL (rodrigogeo@uol.com.br), GEYZON ULISSES DA SILVA SOUZA (geyzonguss@uol.com.br) INSTITUIÇÃO: UFPB ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente OBJETIVOS:

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO TELHADO VERDE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 1 Jacilândio Adriano de Oliveira Segundo; 2 Bruno Menezes da Cunha Gomes; 3 Laércio Leal dos Santos; 4 Phillipy Johny

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais