Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil"

Transcrição

1 Maria Celia Montagna de Assumpção Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Nessa aula, você verá alguns conhecimentos que os alunos precisam adquirir para entender as regras que orientam a leitura e a escrita no sistema silábico, ou seja, que conhecimentos precisam ter para ler algo escrito no nosso sistema. O conhecimento da escrita começa desde que a criança é bem pequena. Esse conhecimento evolui, muda com a idade e é reconstruído ao longo da vida. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 1

2 Veja como a criança procede quanto às etapas na compreensão da escrita. Num primeiro momento, ela percebe a escrita como algo que pertence ao universo gráfico, diferenciando-a do desenho: para ela, o que não é desenho é escrita. Esse conhecimento é adquirido por meio do contato com a cultura escrita, durante a leitura de livros, revistas, anúncios ou presenciando um adulto escrevendo. Depois, a criança estabelece algumas propriedades para que determinado objeto seja considerado uma escrita: a linearidade. Para pertencer à escrita os objetos devem estar dispostos em linhas. É muito comum observar uma criança que está habituada ver o adulto escrevendo, fazer traços ou traçar unidades gráficas na horizontal, dizendo que está escrevendo. Ainda nesse âmbito, a criança reconhece que deve haver algum tipo de fragmentação na linearidade: espaços entre unidades ou grupos de unidades. Outros atributos juntam-se aos anteriores e a criança estabelece que, para ser escrita, tem de haver quantidade mínima de unidades e existir uma variação interna as unidades devem ser diferentes e não podem ser desenhos e nem figuras geométricas. Esse tipo de escrita, segundo Teberosky (2003), é chamado de escrita diferenciada porque, a cada vez que a criança escreve um nome, as formas gráficas são diferentes em quantidade e variedade interna. Os conhecimentos abordados até o momento são classificados como conhecimentos não escolares, construídos nas interações entre os indivíduos e as propriedades externas da linguagem escrita. Com base nessas condições, a criança define o que pode ser lido e o que não pode, mesmo não sabendo ler ainda. Esse tipo de conhecimento antecede o uso do sistema. A última etapa que normalmente acontece antes do início da escolarização refere-se ao momento em que a criança começa a se esforçar para interpretar ou produzir palavras próximas do modelo convencional, como ocorre com nome próprio. No processo de aprendizagem da linguagem, é preciso considerar as regras e convenções que a regem. No entanto, nem todas as regras são evidentes e algumas delas requerem o ensino. Por isso, grande parte da aprendizagem que segue normas é realizada na escola. Por ser um sistema que possui regras e convenções, a escrita requer também um acordo social tanto para essas regras serem instituídas como para serem destituídas. O exemplo mais claro é representado pela ortografia: não há duas maneiras de ortografar uma palavra. A ortografia não admite variações. As regras são impostas obrigatoriamente e a atitude dos indivíduos é de Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 2

3 conformidade com elas. Há ainda outro aspecto da escrita que também não pode ser mudado que são as marcas gráficas (letras, acentos, pontuação) e os valores a elas atribuídos. Um terceiro exemplo são os gêneros textuais: também existem normas obrigatórias que determinam como devem ser escritos, como são suas estruturas, embora a criatividade seja aceita em relação ao conteúdo. Como são aprendidas as regras, as normas e as convenções? Geralmente, a aprendizagem da convenção é o resultado de uma interação social (TEBEROSKY, 1999). Quando se observa um grupo de crianças numa sala de aula, é possível perceber como o intercâmbio, a troca de ideias entre elas, comparando suas produções escritas, enriquece a aprendizagem. Ao confrontar a própria produção com as dos colegas, a criança tem a oportunidade de referendar ou não suas hipóteses, verificando se há necessidade de fazer ajustes, confirmados pelo professor, que, por sua vez, se respalda nas normas e nas convenções. Mesmo numa classe onde as crianças estejam em diferentes níveis de escrita, o confronto das produções acontece para confirmar a regra. A comparação pode ser feita em relação à forma gráfica, ao valor sonoro das letras, à correspondência entre as letras e os segmentos fonológicos, buscando confirmar a convenção. Isso pode acontecer com alfabetizados e não alfabetizados: todos sabem que existe uma norma que rege a escrita e que se impõe a todos para que a escrita possa ser compartilhada pelos seus usuários. Mesmo não conhecendo a regra, os alunos sabem que ela existe e que as pessoas se ajustam a ela. O professor é imprescindível nesse momento, pois os alunos precisam deles para mostrar-lhes o quanto estão próximos ou não da convenção, ou seja, o que já venceram e o que ainda falta vencer para que possam avançar. Por ser regida por normas, a escrita tem ainda outra função: regulação e controle social do comportamento. As noções de lei, norma e convenção estão associadas à escrita. A escrita influencia a linguagem oral de algumas pessoas, tornando-se modelo de correção da fala. E a ortografia torna-se modelo de pronúncia. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 3

4 Concluindo, as regras e as convenções da escrita são aprendidas na interação entre os indivíduos, por meio do confronto de suas produções, com o intuito de ajustar a própria escrita às convenções impostas pelas normas. Nesse contexto, é imprescindível a atuação do professor como especialista para situá-los em relação ao que ainda precisam controlar. Capacidades importantes para a apropriação do sistema de escrita A seguir, serão apresentadas algumas capacidades necessárias para o domínio do sistema de escrita, que devem ser trabalhadas de forma sistemática na sala de aula. No entanto, é preciso esclarecer que essas aquisições não acontecem de forma sequencial, mas simultaneamente, umas contribuindo para a aquisição das outras. Na aula anterior, você viu que um dos aspectos fundamentais nos momentos iniciais da alfabetização é que o aluno diferencie letras, números e desenhos. Por não ser um saber empírico, é preciso ser trabalhado na classe, em situações que ajudem os alunos a perceber as diferenças que há entre letras e desenhos, letras e rabiscos, letras e números, letras e outros símbolos gráficos. Esse conhecimento é desenvolvido principalmente através da exploração de livros, revistas e outros impressos que fazem parte da cultura escrita. Não basta a criança observar livros e revistas, é preciso que o professor problematize, desafiando as crianças por meio de perguntas que abram possibilidades para a aprendizagem. O professor pode propor que procurem na classe, nos calendários, nas listas telefônicas e em folhetos com preços de mercadorias os símbolos que representam os números e quais representam letras, por exemplo. Outra convenção gráfica no sistema que precisa ser compreendida, logo no início do aprendizado, é a orientação e o alinhamento da escrita: de cima para baixo, da esquerda para a direita e de forma linear. A finalidade do ensino dessas convenções é fazer com que o aluno compreenda que escrevemos da esquerda para a direita, isto é as sequências das letras nas palavras e das palavras nas frases obedecem a essa ordem. Tanto a fala como a escrita são produzidas de forma linear: na fala, um som depois do outro; na escrita, letra após letra, palavra após palavra, frase após frase. No entanto, essa linearidade acontece de forma diferente na escrita e na fala. Quando se ouve os enunciados da fala parece uma cadeia contínua na qual não se percebe os limites das palavras. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 4

5 Quando escrevemos, separamos nitidamente uma palavra da outra por espaços em branco e delimitamos as frases por sinais de pontuação. Essas marcas não são óbvias, são convenções sociais que precisam ser ensinadas e aprendidas. Como já foi visto na primeira aula, é recomendável que o professor, ao fazer a leitura em voz alta para os seus alunos, aponte cada palavra lida, mostre os sinais de pontuação, indique a direção da escrita, mostre a margem esquerda, chame a atenção para o espaçamento dos parágrafos em relação à margem esquerda. Ao explorar esses marcadores, os alunos percebem que a segmentação da fala é diferente da escrita e aos poucos vão aprendendo o que é palavra, frase, texto, mesmo sem saber ler. É indispensável que os alunos também compreendam como é a distribuição do texto no seu suporte: a escrita ocupa a frente e o verso da folha na maioria dos impressos e escreve-se a partir da margem esquerda do papel. Esses conhecimentos são importantes, pois serão úteis aos alunos em momentos posteriores do seu aprendizado da escrita, para o domínio da ortografia, da pontuação e da paragrafação. Esses conceitos vão se expandindo e, a cada nova aproximação, são reconstruídos. A partir de novas hipóteses e confrontos, a criança avança no seu conhecimento sobre o sistema de escrita. Outro requisito indispensável para ler e escrever com autonomia é entender a relação entre os fonemas e como são representados graficamente. Para isso, é importante que os alunos, durante o processo de alfabetização, prestem atenção à pauta sonora da linguagem e operem ludicamente com as unidades do sistema fonológico, por meio de jogos e brincadeiras como Lá vai a barquinha carregada de... (palavras começadas com PA ou terminadas com ÃO), dando destaque às sílabas das palavras ao pronunciá-las. Nesse processo, a criança vai desenvolvendo a consciência fonológica que é a capacidade de analisar e refletir de forma consciente sobre os segmentos fonológicos da língua. Essa capacidade permite compreender que a língua falada pode ser segmentada em unidades distintas: a frase pode ser dividida em palavras, as palavras em sílabas e as sílabas em fonemas. Para introduzir essa questão, convém estimular os alunos a reconhecerem e relacionarem as unidades fonológicas com as correspondentes unidades gráfi cas: sílaba oral e sílaba escrita por meio de brincadeiras com rimas, palavras que comecem ou terminem por determinada sílaba. Conhecer o alfabeto é fundamental para que o aluno compreenda que esse sistema é composto por letras e as letras são unidades estáveis que representam na escrita os sons vocálicos ou consonantais que constituem as palavras que falamos. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 5

6 A importância dessa aprendizagem na fase inicial da alfabetização está na necessidade de o aluno saber o nome das letras e que esse nome representa um dos sons da fala que ela pode representar na escrita. Isso é verdadeiro para a maioria das letras. O domínio desse conhecimento pode auxiliar na leitura e na compreensão da grafia das palavras. Convém que o alfabeto completo, preferencialmente na ordem alfabética, seja apresentado aos alunos para que tenham uma visão do conjunto. Isso facilita a distinção entre elas. O alfabeto deve ficar à vista para que possa servir de modelo constante para os alunos. Ainda nesse item, os alunos precisam conhecer a categorização gráfica das letras, que podem ter muitas formas gráficas, gerando diferentes alfabetos. Apesar da diferença gráfica nas letras, uma mesma letra permanece a mesma não importando se está grafada com letra de forma, letra cursiva, maiúscula ou minúscula, porque ela exerce a mesma função no sistema de escrita: ela é usada exatamente da maneira exigida pela ortografia. A letra P sempre será P, não importando em que grafia ela é traçada. No entanto, no início da alfabetização, é mais fácil para a criança ler e escrever usando letras maiúsculas de forma, também denominadas letras bastão. As letras grafadas dessa maneira são diferenciadas, separadas e contadas com mais facilidade pelas crianças do que no alfabeto cursivo. Nessa fase inicial da alfabetização, a criança passa muito tempo contando quantas letras tem um nome, se tem mais ou menos do que outro, se é formado por muitas ou poucas letras. No alfabeto cursivo é mais difícil a criança perceber as letras separadamente. Há ainda outro aspecto que deve ser observado: escrever com letra maiúscula de forma é mais fácil do que escrever com a letra cursiva, não só pelo traçado, mas pelas junções. A letra cursiva exige que o aluno comece e termine a escrita de uma palavra sem tirar o lápis do papel. Para desenvolver essa habilidade, é preciso que a criança tenha uma boa rotatividade de pulso e independência dos membros superiores. Sem ter esse domínio, a criança tende a colocar toda a força do corpo sobre o braço para traçar a palavra e pode desenvolver movimentos parasitas aos movimentos da escrita. Além dos motivos expostos, não há outros motivos importantes em favor do uso das maiúsculas nos períodos iniciais. Quanto ao aprendizado da escrita, é necessário orientar os alunos a dominar os instrumentos e suportes de escrita do cotidiano escolar: livros, caderno, papel, lápis, borracha, computador. Conhecer esses objetos significa saber para que servem e como são usados. Apesar de variarem graficamente, as letras têm um valor funcional. É preciso que a criança saiba Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 6

7 que não se pode escrever qualquer letra em qualquer lugar para formar um vocábulo: as letras têm uma função dentro da palavra. Por exemplo, para escrever LUAN cada uma das letras tem que estar no seu lugar, começando da esquerda para a direita: se quisermos ler essa palavra, a letra L é a primeira letra. Caso o aluno escreva essa LUAN, da direita para a esquerda (NAUL), não é possível ler LUAN, porque a primeira letra não é o L e sim o N. A criança precisa compreender que a letra substitui o segmento sonoro falado, ou seja, para ler LUAN a letra L deve estar em primeiro lugar. O papel do professor é decisivo, pois é por meio das suas mediações que a criança compreenderá esses princípios. Seguindo a ordem da esquerda para a direita pode-se ler a palavra corretamente. Mas, se a leitura for feita da direita para a esquerda tem-se um amontoado de sons sem sentido, pois raramente dá certo ler uma palavras da direita para a esquerda, salvo em casos de palíndromos, como AMOR/ROMA. Conhecer o princípio acrofônico (um conjunto de regras que usamos para decifrar os valores sonoros das letras) é a chave da decodificação: num primeiro momento atribuímos o som que é dado a cada letra e depois somamos os sons para descobrir o que está escrito. Descobrir as regras da decifração (relação letra/som) é uma estratégia para se alfabetizar. Esse aprendizado, que representa um avanço decisivo no processo de alfabetização, se realiza quando o aluno entende que o princípio geral que regula a escrita é a correspondência letra/som, ou seja, grafema/fonema. Isso significa compreender a natureza alfabética do sistema de escrita. Os fonemas são unidades de sons representados por grafemas na escrita. Grafemas são letras ou grupo de letras que representam um som. Por exemplo, A, B, C são grafemas, QU, RR, CH, LH, NH também são grafemas. Nas primeiras tentativas de lidar com as relações entre fonemas e grafemas, alguns alunos poderão tender a ler, por exemplo, beoca em vez de boca. É possível que esteja fazendo o seguinte raciocínio: a palavra começa com a letra B, que tem o som (bê), então deve ser beoca. O professor precisa ajudar o aluno a superar essa hipótese equivocada. Uma atividade que ajuda o aluno a superar essa hipótese é trabalhar com palavras em que o fonema consonantal apareça seguido de diferentes vogais: boca, bica ou bola, bala, bela, bule. Trabalhar com pares mínimos também é uma atividade específica muito utilizada pelos linguistas, que ajuda a explicar aos alunos como detectar os segmentos fonéticos da fala, para relacioná-los às letras do alfabeto. Obtém-se um par mínimo quando se juntam duas palavras de significados diferentes, cuja forma fonética varia apenas com relação a um som: mala/mola; vela/vila. É preciso mostrar para os Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 7

8 alunos quais letras são usadas para representar o som diferente, explicando que no próprio nome da letra já tem uma pista de que som ela representa. Ler e produzir textos escritos de gêneros diversos devem ser atividades que fazem parte da rotina escolar. Uma palavra ou um nome próprio pode ser considerado texto se for usado numa situação para produzir sentido. Compreendendo essa definição para o que é texto, pode-se dizer que as crianças são capazes de produzir textos escritos desde os primórdios da alfabetização, se esse texto tiver razão de ser e obedeça a determinadas convenções ou regras que cumpram seus objetivos. As crianças precisam aprender que, ao escrever um texto, é preciso levar em conta para quem e para que está sendo escrito. Esse é um princípio que deve orientar o processo de escrita que os alunos precisam aprender desde cedo. Por exemplo, se o aluno souber que o seu texto será acompanhado de uma gravura, deve considerar que pode deixar de escrever algumas informações, porque o leitor vai obtê-las olhando para a gravura. Se estiver escrevendo para alguém que conhece, poderá deixar de colocar algumas informações que fazem parte do repertório compartilhado. No entanto, se for escrever para quem não conhece, não poderá deixar as informações importantes de lado, pois esse leitor não poderá inferi-las. O papel do professor na promoção da aprendizagem da leitura e da escrita As crianças não aprendem espontaneamente. Aprendem reflexivamente, porque alguém as põe em situação de pensar. Aprender é fruto de esforço. Esse esforço precisa ser a busca de uma solução ou de uma resposta que satisfaça e reequilibre. Quando o professor fica mais preocupado em dar respostas do que fazer perguntas, ele evita que o aluno faça o necessário esforço para aprender. Num contexto de mundo pronto a resposta fazia sentido. Num contexto de mundo em construção a reposta impede a aprendizagem (SANTOS, 2009). O desejo, a vontade, a curiosidade e a disponibilidade interna para aprender são a mola da aprendizagem. O professor pode alimentar essa aprendizagem instigando a curiosidade, fazendo perguntas que desequilibre o aluno e ele sinta vontade de buscar a resposta. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 8

9 Para que os alunos aprendam de forma reflexiva, o professor deve organizar atividades que levem o aluno a refletir e que possam ser abordadas por todos, apesar da diversidade, já que admitem respostas pessoais diversas. É o professor que provoca a sede de aprender, gerando questionamentos, dúvidas, criando a necessidade e não apresentando respostas prontas. Nesse sentido, é preciso trazer para os alunos materiais físicos e mentais necessários para resolver com sucesso um problema. O professor deve ficar atento para oferecer a ajuda de que necessitam. Nem mais, nem menos. Para ilustrar o papel do professor na promoção da aprendizagem, veja o comentário de um aluno das séries iniciais: O meu professor só faz perguntas que ele já tem a resposta. ao fazer essa afirmação, a criança tinha a total percepção de que o professor não fazia questões que o fizesse pensar, mas elaborava questões que pudessem ser respondidas apenas de memória, não permitindo que o aluno buscasse respostas usando o seu repertório de conhecimento, pensando, raciocinando para responder. Considerando esse relato do aluno, o professor deve organizar as atividades de modo que tenham sentido para a criança. Por meio de atividades significativas, é possível conectar os alunos numa rede ampla de relações, favorecendo a interconexão de conhecimentos ao redor de núcleos temáticos complexos e atrativos. Além disso, é função do professor avaliar e oferecer ajuda. Ao deparar-se com um conflito, o professor não pode abandonar a criança, pois sabe que, sem ajuda, ela dificilmente resolverá o problema. Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 9

10 Referências Bibliográficas ADAMS, M. J. Consciência fonológica em crianças pequenas. Porto Alegre: Artmed, BASSEDAS, E.; HUGUET, T.; SOLÉ, I. Aprender e ensinar na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed,1999. CAGLIARI, L. C. Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, CURTO, L. M.; MORILLO, M. M.; TEIXIDÓ, M. M. Escrever e ler: como as crianças aprendem e como o professor pode ensiná-las a escrever e ler. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, SOARES, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, SANTOS, J. C. F. Aprendizagem signifi cativa. Porto Alegre: Editora Mediação, TEBEROSKY, A; COLOMER, T. Aprender a ler e escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, TEBEROSKY, A. Aprendendo a escrever: perspectivas psicológicas e implicações educacionais. São Paulo: Editora Ática, UFMG. Alfabetizando / Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, Copyright 2013 Abril Educação - Todos os direitos reservados 10

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT Cimária França de Oliveira 1 Terezinha Felix Silva C. Deus 2 Resumo A função desse trabalho é de

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br 1 PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br No processo de aprendizagem da língua escrita, o trabalho com objetos significativos

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Proposta de trabalho: Sequência Didática

Proposta de trabalho: Sequência Didática Proposta de trabalho: Sequência Didática Equipe Central/ SEE/ EENSA 2013 Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Superintendência de Desenvolvimento

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

Corrigir ou não corrigir: eis a questão

Corrigir ou não corrigir: eis a questão Corrigir ou não corrigir: eis a questão Resumo Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo Temático 1: Leitura é problema de quem? O presente artigo tem por finalidade

Leia mais

Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização

Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização Prof. Dr. Diogo Porfírio de Castro Vieira Prof. Me. Guilherme Vaz Torres Prof.ª Me. Tania Cristina Pedreschi R. Squilaci Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização Brasil

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 Daniele Santiago Santos 2 Olivia Margarete Machado Queiroz Souza 3 Resumo: Este artigo

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1. Compreensão e valorização da cultura escrita SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA

ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA Kecia Karine Santos de Oliveira (UFS) 1 INTRODUÇÃO A escrita se faz presente em todos os momentos da vida, nas suas diversas formas de representações

Leia mais

UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1. Resumo

UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1. Resumo UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1 NILÇA GUTEMBERG 2 Resumo Este artigo apresenta uma breve análise do desempenho escolar,numa turma do ciclo de alfabetização

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Unidade 3 6º encontro Orientadora: Elaine R. Cruz Ortega Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Ano 1: A escrita alfabética: por que ela é um sistema

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA.

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. PRESTES, Jessica Franson Discente na Graduação do Curso de Pedagogia na

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

1. Ensino Fundamental de 9 anos

1. Ensino Fundamental de 9 anos Eliete Bevilacqua Presta e Albanize Aparecida Arêdes Neves 1. Ensino Fundamental de 9 anos Reflexões sobre a organização do trabalho pedagógico nas salas do 1º ano Em cumprimento às determinações do governo

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português ENSINO FUNDAMENTAL Cruzeiro 3213-3838 Octogonal 3213-3737 www.ciman.com.br MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO ESCUTA/ LEITURA/ PRODUÇÃO DE TEXTO ORAL E ESCRITO Textos narrativos Contos de

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O que é ortografia? A ortografia é uma convenção social criada para facilitar a comunicação escrita. Dominando-a, temos uma forma comum de escrever cada

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma tarde assustadora. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, enquanto as vogais

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

LIVROS DIDÁTICOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM COMO ATIVIDADE PARA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA?

LIVROS DIDÁTICOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM COMO ATIVIDADE PARA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA? LIVROS DIDÁTICOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM COMO ATIVIDADE PARA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA? Lidiane Valéria de Jesus Silva¹ Patrícia Batista Bezerra² Kátia Leal Reis de Melo³

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico; Metas Curriculares de Português- 1º Ciclo 1º

Leia mais

Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização

Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização Reportagens ALFABETIZAÇÃO De sílaba em sílaba Trabalhe rimas, aliterações e consciência silábica para facilitar o processo de alfabetização Por Eloísa Bombonatti* Refletir sobre o sistem a alfabético Estim

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Flávia Araújo de Almeida, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática flaviamoc2007@yahoo.com.br Geisa Magela Veloso, Profa

Leia mais

AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO

AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO Ana Cláudia Jacinto Peixoto de Medeiros Universidade Federal de Ouro Preto, email: anaclaudiaufu@yahoo.com.br

Leia mais

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO Helena Ferro Blasi (UFSC) helenablasi@ccs.ufsc.br Tatiane Moraes Garcez (UFSC) fono.tatiane@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO Há cerca de 875 milhões de

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas

Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas Elisa Prado 1 e Olavo Egídio Alioto 2 1 Professor do curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Método de São Paulo. 2 Aluna do quarto semestre

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I

V MO M S S B RIN I CAR D E E C ONST S R T UIR I VAMOS BRINCAR DE CONSTRUIR AS NOSSAS E OUTRAS HISTÓRIAS UNIDADE 4 ANO 2 Abril de 2013 Iniciando a conversa Objetivos Centrais: conhecer a importância do uso de jogos e brincadeiras no processo de apropriação

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos e Silvana Bento de Melo Couto. Escola: E. M. José

Leia mais

Alfabetização. Introdução

Alfabetização. Introdução Alfabetização Introdução As parcerias entre o Instituto Ayrton Senna e governos estaduais e municipais são firmadas porque ambas as partes acreditam na importância do desenvolvimento do potencial das crianças

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização

Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização Resumo Este trabalho é o resultado de uma investigação desenvolvida por um grupo de pesquisa vinculado ao Programa de Pós Graduação

Leia mais

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) Autor(a): Ana Paula Campos Cavalcanti Soares Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação Centro

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº 02/2009 PARTE I - LÍNGUA PORTUGUESA: COMUM A TODOS OS CARGOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº 02/2009 PARTE I - LÍNGUA PORTUGUESA: COMUM A TODOS OS CARGOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº 02/2009 PARTE I - LÍNGUA PORTUGUESA: COMUM A TODOS OS CARGOS Leitura de textos diversos, envolvendo as variedades lingüísticas, interpretação de diferentes gêneros de texto:

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Representar as idéias do texto através de desenho, modelagem e dramatização;

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Representar as idéias do texto através de desenho, modelagem e dramatização; PLANO DE TRABALHO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA ANO: 1º GÊNERO: PARLENDA PERÍDO APROXIMADAMENTE: CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ideia de representação; (desenho, modelagem

Leia mais

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA Regina Ferreira Terra Rodrigues Aluna do 5ª A do Curso de Pedagogia da FALS. Orientação: Profª Ms.Eliane A. Bacocina Cabe a este trabalho

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Resumo Fernanda Guinoza Matuda 1 Maria Elena Roman de Oliveira Toledo 2 Esta pesquisa buscou, por

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

Por que é importante planejar o fazer didático?

Por que é importante planejar o fazer didático? SECRETARIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA SEDUC COORDENADORIA DE COOPERAÇÃO COM OS MUNICÍPIOS - COPEM PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 1º ANO Caro professor (a), Iniciamos mais

Leia mais

Atividades Práticas em Leitura e Escrita

Atividades Práticas em Leitura e Escrita Atividades Práticas em Leitura e Escrita Andréa Carla Machado Elaine Cristina dos Santos 2015 Andréa Carla Machado; Elaine Cristina dos Santos Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais