PAISAGEM URBANA E SEGURANÇA ESTUDO DE CASO PARA OS BAIRROS CENTRO E VILA TIBÉRIO NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAISAGEM URBANA E SEGURANÇA ESTUDO DE CASO PARA OS BAIRROS CENTRO E VILA TIBÉRIO NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO"

Transcrição

1 PAISAGEM URBANA E SEGURANÇA ESTUDO DE CASO PARA OS BAIRROS CENTRO E VILA TIBÉRIO NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO Luiz Gustavo FORTI* Gabriel Vendruscolo de FREITAS** RESUMO: O tema paisagem urbana e segurança é atual e envolve a todos, diretamente ou indiretamente, de uma forma global. Foram estudados dois bairros tradicionais do município de Ribeirão Preto, analisando as modificações de residências e pontos comerciais relacionadas com a segurança. Neste trabalho foi efetuada também uma pesquisa de campo para verificar a opinião de algumas pessoas sobre a questão da violência no bairro. PALAVRAS-CHAVE: Ribeirão Preto, Paisagem Urbana, Segurança, Habitação, Introdução A violência é um problema social que vem crescendo a cada dia no Brasil e no mundo. Nos países subdesenvolvidos, a desigualdade sócioeconômica é um dos fatores de elevação dos índices de violência nas grandes e médias cidades, causando prejuízos físicos, psicológicos e materiais tanto para as pessoas quanto para os Órgãos Públicos que investem grande quantia em dinheiro para o tratamento de feridos, * Licenciado em Geografia pelo Centro Universitário Barão de Mauá e Soldado da Polícia Militar do Estado de São Paulo em Ribeirão Preto. **Arquiteto e Urbanista, Mestrando em Engenharia Urbana pela UFScar. Docente do Centro Universitário Barão de Mauá, Ribeirão Preto. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

2 prevenção e combate das diversas formas de violência. Devido ao crescimento urbano e ao aumento dos níveis de violência, ocorrem atualmente nos grandes centros urbanos, modificações no arranjo espacial e nas configurações das fachadas das residências e dos comércios, como por exemplo: a construção de muros altos, portões fechados e reforçados, grades nas janelas e portas e utilização de equipamentos de segurança eletrônicos como câmaras filmadoras, cercas elétricas e alarmes e segurança particular, buscando a sensação de segurança e de bem estar e a valorização dos bairros e dos imóveis. A geografia e a questão da segurança e da violência é um tema importante atualmente, principalmente por ser visível os impactos negativos causados pelo aumento da violência na maioria das cidades brasileiras e principalmente nas grandes cidades internacionais, proporcionando uma diminuição na qualidade de vida dos habitantes. Dentre os principais autores que tratam sobre este assunto merecem destaque Milton Santos com as obras Metamorfoses do espaço habitado, A natureza do espaço e O espaço dividido entre outras obras, que retratam a questão urbana, espaço geográfico, paisagem, lugar e território, o global e o local. Outra autora que merece destaque é a pesquisadora Tereza Pires do Rio Caldeira, em seu rico estudo sobre o crime, segregação e cidadania em São Paulo denominado Cidade de muros: crimes, segregação e cidadania em São Paulo. Este artigo tem como objetivo apresentar transformações ocorridas na paisagem urbana de Ribeirão Preto, SP, tendo como ponto de partida os bairros Centro e Vila Tibério, em relação ao aspecto da segurança das moradias e pontos comerciais e apresentar um estudo sobre a percepção dos moradores destes bairros frente a questão da segurança nos dias atuais. Paisagem urbana, a segurança, e o medo. Como ponto de partida, é necessário conhecermos os conceitos de paisagem, segurança e medo. Segundo Milton Santos a paisagem é DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

3 o conjunto de objetos que nosso corpo alcança e identifica. A paisagem é o conjunto das coisas que se dão diretamente aos nossos sentidos; a configuração territorial é o conjunto total, integral de todas as coisas que compõem a natureza em seu aspecto superficial e visível; e o espaço é o resultado de um matrimônio ou um encontro, sagrado enquanto dura, entre a configuração territorial, a paisagem e a sociedade... Podem as formas, durante muito tempo, permanecer as mesmas, mas como a sociedade está sempre em movimento, a mesma paisagem, a mesma configuração territorial, nos oferecem, no transcurso histórico, espaços diferentes. ( SANTOS, 1998, p. 77.) Com isso, percebemos que a paisagem urbana não é formada apenas de volumes, mas também de cores, movimentos, odores, sons, etc. Porém, como não é possível perceber tudo ao mesmo tempo, o observador seleciona os elementos que mais chamam a sua atenção. Por isso, apesar de a realidade ser apenas uma, cada pessoa, e por extensão cada sociedade, num mesmo período histórico determinado, vê a paisagem de maneira diferenciada. A percepção é um processo seletivo de apreensão. Carlos (1999) traz argumentos que enriquece o conceito de paisagem, principalmente no que se refere às contradições e ao processo de construção desta com ênfase da ação e percepção humana. A paisagem não só é produto da história como também reproduz a história, a concepção que o homem tem e teve do morar, do habitar, do trabalhar, do comer e do beber, enfim, do viver... A paisagem geográfica é a forma exterior, a aparência caótica, sob a qual se descortina a essência articulada e objetiva do espaço geográfico... Sob esta aparência estática se esconde e revela todo dinamismo do processo de existência da paisagem, produto de uma relação fundamentada em contradições, em que o ritmo das mudanças é dado pelo ritmo do desenvolvimento das relações sociais (CARLOS,1999, p. 38). DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

4 Com estes dois conceitos supra citado podemos compreender como se dá o processo de formação da paisagem do nosso cotidiano, mas que não é possível compreendê-la em sua totalidade a não ser com lentes específicas que variam de observador para observador. Depois de efetuada a análise sobre a questão da paisagem, principalmente da paisagem urbana, será abordado agora o que é a segurança e por que ela está tão em evidência nos dias atuais, principalmente nos grandes centros urbanos. Entende-se por segurança o estado de quem se sente seguro, com certeza, confiante, com garantia, amparo, arrimo, dentre outros, é sentir-se confortável em seu espaço geográfico 1. A segurança consiste principalmente num estado de sensação humana, no qual lhe é proporcionado um bem estar e que lhe garanta o prosseguimento das atividades normais, em todas as áreas das atividades humanas, no lar, no trabalho, nas escolas, no lazer, etc. O artigo 139 da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, trata sobre a segurança pública, o que é, para quem é, e por quem são comandados e compostos os órgãos responsáveis pela segurança do país. Artigo 139. A Segurança Pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e incolumidade das pessoas e do patrimônio. 1 - O Estado manterá a Segurança Pública por meio de sua polícia, subordinada ao Governador do Estado. 2 - A polícia do Estado será integrada pela Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. 3 - A Polícia Militar, integrada pelo Corpo de Bombeiros, é força auxiliar, reserva do Exército. É no relacionamento da questão da paisagem com a questão 1 Espaço Geográfico: conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações, que procura revelar as práticas sociais dos diferentes grupos que nele produzem, lutam, sonham, vivem e fazem a vida caminhar. (Milton Santos). DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

5 da segurança que percebemos as diferenças entre os espaços geográficos de uma sociedade e suas distinções e contradições devido às diferentes posições de classe social a qual estas pertencem e se organizam. Violência é um conceito extremamente amplo, e que abrange situações e atitudes diversas, que vão desde uma atitude discriminatória de superioridade até o seu extremo que são os homicídios. A violência é típica do ser humano e tem se feito presente ao longo de toda a sua história. Não escolhe classe social nem idade, porém ocorre por vários motivos, principalmente pelo aspecto de competição entre os homens, por doenças mentais, mas o seu destaque de ocorrência, principalmente nos grandes centros urbanos, resulta da opressão das injustiças sociais e da miséria financeira e afetiva. Régis de Morais em seu livro O que é violência urbana (1981), faz várias apresentações sobre os diferentes tipos de violência urbana que ocorre nos grandes centros populacionais, violências estas que são tipificadas na Lei como crime e também aquelas institucionalizadas, aceitas até pela lei. Em sua obra, o conceito de violência e crime caminham juntos, inclusive com a participação do Estado através de seus atos repressivos. Neste estudo, quando apontamos ás modificações na paisagem urbana, estamos tratando de alterações na área urbana geradas pela insegurança dos moradores e pela violência. Violências tais que não respeitam lugar, horário, data, leis, etc, e que levam o medo à grande maioria da população, em todas as esferas sociais. A violência e o medo caminham juntos. O medo é uma perturbação do ânimo devido a um perigo real ou aparente, sendo vários os fatores que o estimulam no psicológico das pessoas, dentre eles, o medo do assalto, da violência pela agressão física, por acidente de trânsito, até pela perda de emprego e de pessoas queridas. Sobre o medo e o crime, Morais (1981) relata que: [...] As casas não mais expõem suas fachadas românticas, pois cercam-nas muros muito altos para dentro dos quais triangulam cães de guarda. As pessoas trafegam em seus automóveis com os vidros bem fechados para evitar abordagens perigosas em cruzamento de semáforos e, dependendo DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

6 de por ande andam a pé, sentem-se como se estivessem em plena prática de roleta russa. O medo do crime reduz as atividades sociais, principalmente entre as mulheres e os idosos, conduzindo a uma sociedade menos ativa, priorizando o individualismo, que incentiva as práticas segregadoras, construindo cotidianos limitados, e com isto, deixando espaço para a violência. Atualmente nossa sociedade passa por um processo de insegurança, devido a inúmeros fatores, causado pelo aumento da violência por crimes, principalmente daqueles com relação à vida e ao patrimônio. Podemos considerar este ano de 2006 violento em Ribeirão Preto e em quase todo o Estado de São Paulo onde existem cadeias e penitenciárias, devido principalmente às rebeliões que ocorrerão dentro dos presídios e aos ataques nas cidades, principalmente aos Órgãos de Segurança Pública, Corpos de Bombeiros e os Agentes de Segurança Carcerários, causados por uma facção criminosa denominada PCC (Primeiro Comando da Capital). São vários os fatores que levaram a esta situação social e tal problema não é recente. Crises políticas e econômicas causadas por corrupções no Governo do País e dos Estados, desempregos, desestruturação das famílias e dos valores morais, aumento do consumo de drogas lícitas (bebidas alcoólicas e cigarros diversos) e ilícitas (craque, cocaína, maconha, etc.), gerando um aumento da dependência química pelas pessoas. O crescimento dos crimes e da insegurança reforça o autoritarismo e a segregação, estimula o preconceito e o racismo, e torna naturais as desigualdades sociais.... A violência e o crime não existem isoladamente na sociedade brasileira, mas sim num tenso diálogo com a consolidação democrática (CALDEIRA, 2003, p. 45). Esta questão da insegurança que ronda os moradores da cidade é geral, a citação acima reforça esta afirmação e acrescenta a questão da violência e do crime como um fator atual dos diversos tipos de discriminação e de preconceito, não existe classe social excludente de DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

7 ser vítima do crime ou da violência, todos estão sujeitos a elas, mesmo porque muitas das vezes são causadas pelos próprios familiares ou vizinhos. A constatação visual do medo nas pessoas apresenta-se a nós pela elevação dos muros da cidade, nas novas tecnologias de segurança, na proliferação dos diversos tipos de seguros, no grande crescimento da industria de segurança privada e nos preconceituosos rituais de suspeita e de investigação nas entradas dos edifícios públicos e principalmente, nos privados. Ribeirão Preto no século XXI: Aspectos populacionais e econômicos. Ribeirão Preto é uma cidade localizada na região nordeste do Estado de São Paulo, cujas coordenadas geográficas são: Latitude Sul e Longitude Oeste. A área total do município de Ribeirão Preto é de 642 Km2, e conta com uma população estimada de mil habitantes (IBGE, 2005). A população de Ribeirão Preto tem apresentado números que impressionam e dão igualmente a medida de um crescimento urbano digno de uma metrópole. Segundo a figura 01, em 1912 a população rural do município representava o dobro da população urbana (50000 e pessoas respectivamente), este cenário foi invertido em 1940 onde a população urbana já era 51% maior do que a rural, e foi concretizado nas décadas de 50 e 60, momento em que o município teve um grande desenvolvimento demográfico, com a valorização e consolidação das áreas urbanas. Se em 1966 a população local era de habitantes a quinta maior do estado de São Paulo, quatorze anos depois, em 1980, já havia crescido mais de 70%, perfazendo o total de habitantes (IBGE, 1980). No último censo do IBGE (2000), a população de Ribeirão Preto era de habitantes, sendo no bairro centro habitantes e no bairro Vila Tibério habitantes. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

8 Evolução demográfica em Ribeirão Preto Rural Urbana Figura 01: Evolução demográfica em Ribeirão Preto. Fontes: 1912, 1940 e WALKER, Thomas W.; Barbosa, Agnaldo de Souza. Dos Coronéis à Metrópole: Fios e tramas da sociedade e da política em Ribeirão Preto no Século XX. 1991, IBGE Censos de 1991 e 2000 Nos dias atuais, a população ribeirão-pretana chega a habitantes. Neste ponto, há que salientar o papel destacado que Ribeirão Preto teve como pólo de atração de migrantes em face do fenômeno do êxodo rural, através da sedução exercida pelos centros urbanos emergentes. No início dos anos 60, a migração foi recebida como um fator favorável para o desenvolvimento da cidade, já que a cadência frenética das construções e da expansão do comércio e da indústria exigia cada vez mais mão-de-obra. Porém, as inovações tecnológicas que foram sendo introduzidas nas linhas de produção das fábricas e nos demais postos de trabalho e as diversas crises econômicas pelas quais passou o país em momentos distintos das últimas décadas, tornaram impossível a geração de empregos no mesmo compasso em que aqui chegava, e ainda chega todos os dias, uma massa cada vez maior de migrantes em busca de melhores condições de vida na intitulada Califórnia Brasileira. (BARBOSA, 2000, p. 177). A segregação, tanto social quanto espacial, é uma característica crescente em todas as cidades e metrópoles nacionais e mundiais. As cidades modernas, incluindo Ribeirão Preto, foram sempre marcadas DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

9 por desigualdades sociais e segregação espacial, e seus espaços são apropriados de maneira bem diferentes por diversos grupos, dependendo da sua posição social e de poder, diferenciando os bairros de classe pobre, média e rica. Ribeirão Preto é hoje uma cidade de muros, seus moradores pouco se arriscam a ter suas casas sem muros, grades ou barras nas janelas. Barras, cercas, muros,interfones, ofendículos (ex. fios elétricos sobre os muros), câmaras filmadoras, portão elétrico, etc, fazem parte da paisagem urbana não só por razões de segurança e de segregação, mas também por razões estéticas e de status. São investimentos na aparência pública que permite a comparação entre vizinhos, para mostrar tanto quem está saindo melhor socialmente quanto quem tem o gosto mais sofisticado ou moderno. A necessidade de se fechar foi uma resposta da sociedade ao medo do crime e que veio a modificar a maneira de viver dos moradores pobres e ricos, inclusive afetando a qualidade das interações públicas na cidade. As pessoas se sentem restringidas em seus movimentos, assustadas e controladas, saem menos à noite, andam menos pelas ruas e discriminam certas áreas consideradas como zonas proibidas. Caldeira, (2003), descreve com bastante propriedade sobre esta nova situação que vive as populações das grandes cidades e resume a atual situação numa frase bastante concisa: Tensão, separação, discriminação e suspeição são as novas marcas da vida pública. Os enclaves fortificados ou condomínios fechados, são os novos padrões de segregação social. Trata-se de espaços privatizados, fechados e monitorados para residências, consumo, lazer e trabalho e sua maior justificação de existência é o medo por crime violento. É o novo tipo de espaço público que vem sendo criado em Ribeirão Preto resultado de influências complexas e heterogêneas. Em cidades fragmentadas por enclaves fortificados é difícil manter os princípios de acessibilidade e livre circulação, que estão entre os valores mais importantes das cidades modernas. (CALDEIRA, 2003, p. 211). DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

10 As modificações da Paisagem Urbana nos bairros Centro e Vila Tibério. Os bairros Centro e Vila Tibério foram escolhidos para este trabalho devido a grande importância econômica e cultural que eles representam para o Município, desde a sua formação, e que vêm sofrendo mudanças em sua paisagem, principalmente após a década de 80, devido ao elevado crescimento demográfico e o aspecto da segurança. A Vila Tibério está localizada à noroeste do bairro Centro, na cidade de Ribeirão Preto, ambos localizados na região central da área urbana do município, conforme podemos perceber no mapa abaixo (Figura 02). FIGURA 02: Localização dos bairros Centro e Vila Tibério. Fonte: LEAPP, Laboratório de Estudos Aplicados e Práticas Pedagógicas Centro Universitário Barão de Mauá. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

11 Os dois bairros são separados pelo vale do ribeirão Preto, região que foi o centro do desenvolvimento urbano do município e que vem sofrendo constantes alterações na paisagem relacionada ao aspecto da segurança tanto contra crimes quanto ambientais como o problema das enchentes (Figura 03). FIGURA 03 Vista aérea dos bairros Centro e a Vila Tibério. Autor. Gabriel Vendruscolo de Freitas, 2003 O centro de Ribeirão Preto é a área mais popular da cidade, onde através da rodoviária e das principais avenidas que funcionam como artérias nesta cidade como a Av. Francisco Junqueira e a Av. Presidente Vargas que ligam a entrada da cidade até o centro levando pessoas, informações, mercadorias e novas tecnologias a este emaranhado conturbado denominado de espaço socializado e urbanizado. É no centro da cidade que está localizado a Praça Quinze de Novembro, marco do início de Ribeirão Preto, atualmente rodeado pelo calçadão (maior área comercial e tradicional), o teatro Pedro II, o Pingüim, a choperia mais famosa da cidade com grande fama e repercussão dentro e fora do município, a biblioteca Atino Arantes, uma das mais antigas e conhecidas da cidade, além de bancos, casas de bingo, bares, pontos de ônibus e de táxi, entre outros. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

12 Por ser um dos locais mais freqüentados do município por moradores da cidade e da região, e que concentra a maior localidade de atividades comerciais, fora os shopping centers, foram instaladas em pontos estratégicos do Centro, 10 câmaras filmadoras de última geração, com uma central de monitoramento composta por 2 monitores, 4 TVs, e 1 telão, que serão monitoradas pela Polícia Militar e pela Guarda Municipal, podendo auxiliar a Polícia Civil em suas investigações, orientar a Fiscalização Geral, os serviços públicos e até orientações ao trânsito. Este projeto chamado Olhos de Águia, foi efetivado por meio do convênio firmado entre a Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto e a Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, tendo seu início de atividade no mês de outubro de Na Vila Tibério, é possível encontrar pelo menos cinco gerações de residências. A figura 02 mostra as antigas casas operárias geminadas, com construções rente à calçada e sem garagem para veículo. Na geração seguinte, figura 03, as casas em geral tinham um jardim de frente, aberto para a rua. Nas figuras 04 e 05 apresentam algumas dessas casas da segunda geração ao lado de outras modificadas, com garagem para veículos e de acordo com os novos padrões com de segurança, como os grandes portões, muros altos e cerca elétrica. FIGURA 02 FIGURA 03 DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

13 FIGURA 04 FIGURA 05 Na figura 06, percebe-se os novos padrões de residências na Vila Tibério, que são os prédios de apartamentos, com todos os sistemas eletrônicos de vigilância, e na figura 07, os prédios altos que são um resultado do crescimento populacional em relação ao espaço, localizados próximo ao centro do bairro que é a igreja Coração de Maria. FIGURA 06 FIGURA 07 Podemos destacar nos dois bairros três fatores principais que influenciaram nas modificações da paisagem: - O crescimento populacional devido o crescimento da cidade, - Aintrodução de novos modelos de residências, e a destruição de casas antigas para construção de prédios coletivos de gabarito DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

14 médio e alto, com frentes totalmente fechadas por muros e portões altos, com o crescimento da utilização de ofendículos, como principalmente as cercas elétricas para a segurança das residências - Pelo aumento da criminalidade e de jovens e adultos usuários de entorpecentes, vistos dia e noite, pelas ruas e pelas praças dos bairros. Na figura 08, vista da rua Paraíso, no bairro Vila Tibério, percebemos a utilização de câmaras filmadoras nos dois lados da rua, em frente a uma loja de informática, onde de acordo com o proprietário, já ocorreram alguns furtos de veículo e em veículos, e com a instalação das mesmas, as ocorrências diminuíram. FIGURA 08 Equipamento de segurança, rua Paraíso, Vila Tibério, outubro, Dados estatísticos e pesquisa de campo Os dados estatísticos utilizados para esta pesquisa foram retirados de órgão governamentais como, o IBGE, fundação SEADE, secretarias de Segurança Pública do estado de São Paulo e do Município de Ribeirão. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

15 Tal pesquisa prende-se ao fato de se buscar comparações entre o aumento populacional, entre o aumento da violência e entre as transformações na paisagem em relação ao aspecto da sensação de segurança. A Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo mantém um banco de dados estatísticos de todos os municípios do estado, alimentado através dos boletins de ocorrência (BO) realizados pelas policias Militar e Civil, nas cidades e disponibilizados através da internet. Os dados foram coletados a partir de 1999 até 2005 e são apresentados em valores brutos ou na forma de taxas para cada habitantes. Antes de observarmos os gráficos é necessário saber a distinção entre o que é o furto e roubo, de acordo com o Código Penal, Decreto-lei Federal nº de 07/12/1940, que vigora até os dias atuais: Furto: Art Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel. Roubo. Art Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência. Percebe-se que a diferença do furto para o roubo está na violência à pessoa que foi vítima de um crime, em que foi lhe subtraído algum bem móvel, como dinheiro, carteira, celular, eletrodomésticos, veículos, jóias, etc. Como podemos observar na figura 09, a taxa de roubo se manteve constante no município nos últimos 7 anos, ocorrendo uma queda em 2002 e uma pequena recuperação de 2003 até 2005, porém, permanecendo abaixo da taxa de Sobre os Furtos, encontramos uma crescente evolução, também com uma queda significativa em 2002, seguida por uma evolução dos índices de 2003 até DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

16 FIGURA 9: Taxa de Furtos e Roubos em Ribeirão Preto. Fonte: - Até 2000: Dados da SSP 150/ : Dados da SSP 160/ 01. Organização, FREITAS e FORT 2006 Para uma melhor compreensão da área de estudo, foi elaborado por este autor junto ao laboratório de estudos aplicados e práticas pedagógicas de Geografia e História da UNIMAUÁ (LEAPP), o questionário da figura 10, que foi realizado no dia 29/09/06 entre 50 pessoas residentes nos bairros Centro e Vila Tibério, dentre eles 40 moradores e 10 comerciantes, de idade acima de vinte anos, com questões relacionadas ao que pensam estas pessoas sobre a violência nestes bairros e o que fizeram para combatê-la. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

17 FIGURA10 Instrumento de Pesquisa. Organização: FREITAS & FORT (2006) DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

18 Como podemos observar no gráfico abaixo, do total de pessoas entrevistadas, a maioria respondeu que a violência aumentou no bairro (66%), 10% das pessoas acham que a violência permaneceu normal, não aumentou nem diminuiu e 24% dos entrevistados relataram que a violência vem diminuindo nos últimos tempos. Fonte: FREITAS & FORT (2006) Outra questão levantada pela pesquisa foi há ocorrência de algum tipo de violência (Furto ou Roubo), sofrido pelo entrevistado, nas ruas do bairro, não necessariamente em suas residências, onde 24% dos entrevistados responderam que já haviam sido vítima da violência nas ruas, sendo 25% por furto e 74% por roubo. Fonte: FREITAS & FORT (2006) DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

19 Sobre a ocorrência de furtos ou roubos nas residências, que é o foco deste trabalho, o índice de pessoas que já foram vítimas é maior, representando 42% dos entrevistados, onde a maior categoria citada foram os furtos (76%) e 24% os roubos, como podemos observar nos gráficos abaixo. Fonte: FREITAS & FORT (2006) Fonte: FREITAS & FORT (2006) Com a realização do questionário também foi possível investigar se os entrevistados já haviam alterado alguma característica da residência devido à falta de segurança, onde 64% responderam que já tinham realizado alguma modificação e 36% responderam que não haviam modificado nada. Entre as modificações mais citadas estão a construção de muros DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

20 (42%), colocação ou reforço de portões (30%), grades em janelas e portas (30%), cercas elétricas e sistemas eletrônicos de vigilância (S.E.V) com 6% cada um. Do total de entrevistados, 50% responderam que sentem a necessidade da utilização de algum tipo de recurso citado acima, mas não realizam as alterações por falta de condições financeiras. Vale ressaltar ainda que normalmente as modificações são realizadas em conjunto, compreendendo mais de um tipo citado em cada residência. * S.E.V Sistema Eletrônico de Vigilância Fonte: FREITAS & FORT (2006) Considerações finais Ao término deste trabalho chegamos a algumas conclusões sobre os motivos que levam as pessoas a mudarem a fachada de suas residências, o espaço ao seu entorno e até de mudarem do lugar de onde residiam devido o aspecto da falta de segurança. Dentre as principais modificações, percebemos em primeiro lugar o aumento da altura dos muros das residências e dos portões, com grande crescimento destes automatizados, em segundo, a colocação de grades nas janelas e vitrôs e em terceiro, a utilização de cercas elétricas, alarmes, câmeras filmadoras, (sistemas eletrônicos de vigilância). Não foi possível adquirir os dados de crimes ocorridos apenas DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

21 nos dois bairros estudados, porém, com os dados que foram adquiridos na Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo, que representa o somatório de todos os crimes ocorridos desde 1999 até 2005, na cidade, pudemos constatar o aumento da criminalidade, relacionado com o crescimento populacional do município e pela questão das desigualdades sócio-econômicas, que não é um problema exclusivo de Ribeirão Preto. Para um futuro trabalho, seria interessante fazer o estudo de outros bairros deste município, relacionando o fator geográfico e histórico com a questão da segurança e da violência, além de ressaltar projetos e ações sociais que minimizem estes fatores, sempre considerando a importância de um Plano Diretor de Segurança Pública, com uma visão mais social e responsável para todos que necessitam deste serviço, pois a violência em seus vários aspectos, vem crescendo a cada dia nesta cidade que está em vias de se tornar uma metrópole regional de importância nacional e internacional. FORTS, Luis Gustavo; FREITAS, Gabriel Vendruscolo. Urban landscape and safety. Study of case for the neighborhoods Centro and Vila Tibério in the Ribeirão Preto- SP. DIALOGUS, Ribeirão Preto, V.4, n.1, p KEY WORDS: Ribeirão Preto, Urban Landscape, Safety, House, ABSTRACT: The theme urban landscape and safety is current and it involves all, directly or indirectly, in a global way. They were studied two traditional neighborhoods of the municipal district of Ribeirão Preto, analyzing the modifications of residences and commercial points related with the safety. In this work it was also made a field research to verify the opinion of some people on the subject of the violence in the neighborhood. DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Júlia Falivene. Metrópoles: cidadania e qualidade de vida. São Paulo: Moderna, (Coleção polêmica). CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crimes, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: EDUSP, 2. Ed, CORRÊA, Roberto Lobato.Região e organização espacial. São Paulo: Ática, (Série Princípios). FREITAS, Wagner Cinelli de Paula. Espaço e criminalidade: lições da Escola de Chicago. São Paulo: Editora Método, LACOSTE, Yves. A Geografia, isto serve em primeiro lugar para fazer a guerra. Campinas: Papirus LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo, Documentos, MELGAÇO, Lucas de Melo. A Geografia do atrito: dialética espacial e violência em Campinas SP. São Paulo, 2005.[Dissertação Mestrado em Geografia FFLCH USP] WALKER, Thomas, BARBOSA, Agnaldo de Souza. Dos coronéis à metrópole, fios e tramas da sociedade e da política em Ribeirão Preto no século XX. Ribeirão Preto, SP: Palavra Mágica, SANTOS, Milton e SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, SANTOS, Milton.- Metamorfoses do espaço habitado.são Paulo: Hucitec, 5. Ed, A natureza do espaço. São Paulo: EDUSP, 4. Ed. 2. reimpressão, O espaço dividido. Rio de Janeiro: Francisco Alves, Metamorfoses do espaço habitado.4ª ed. São Paulo: Hucitec, MORAIS, Regis de. O que é violência urbana?. São Paulo: Brasiliense, SILVA, Adriana Capretz Borges da. Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto: Um espelho de 100 anos. Ribeirão Preto: São Francisco, p , DIALOGUS, Ribeirão Preto, v.4, n.1,

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos.

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos. TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA CIDADE DE SÃO CARLOS: CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS FECHADOS E NOVAS FORMAS DE SOCIABILIDADE Ferreira, Francisco Barnabé 1 franbar@linkway.com.br 1 Aluno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - 2009

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - 2009 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - 2009 1 1 Rio de Janeiro, 15/12/2010 1 PNAD 2009 Segurança Alimentar Vitimização e Educação Trabalho Rendimento Fecundidade Tecnologia da Informação etc 2 153

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

Loteamentos Fechados & Segurança

Loteamentos Fechados & Segurança Mesa redonda 7: Espaço, território e conflitos urbanos Loteamentos Fechados & Segurança Thyana Farias Galvão de Barros Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Expressão Gráfica Universidade

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

2.3 A segregação social e a segregação espacial

2.3 A segregação social e a segregação espacial CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE 2.3 A segregação social e a segregação espacial Villaça (1998:142) comenta que há segregações das mais variadas

Leia mais

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS Ministério da Justiça Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública DIAGNÓSTICO DA CRIMINALIDADE 24 Evolução dos

Leia mais

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema Região Metropolitana de São Paulo Área total: 7.944 Km² População: 20,3 milhões de habitantes Densidade hab/km² Município de Diadema Área total: 30,7 Km2 População: 386.089 (IBGE/2010) Densidade demográfica:

Leia mais

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial Reconfigurações Espaciais e Diferenciação Social em Cidades de Angola e Moçambique Lisboa, Junho de 2014 Dinâmicas urbanas condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013

Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013 Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013 Centro de Políticas Públicas (CPP) Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa São Paulo, 2013 CPP-Insper Vitimização em São Paulo: 2003 2013 Centro

Leia mais

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS INTRODUÇÃO PROPOSTA ELABORAÇÃO DE UM DIAGNÓSTICO REALISTA. MATERIAL ESTATÍSTICAS, MAPEAMENTO DO CRIME MAPEAMENTO DA CONDIÇÃO SOCIAL ENTREVISTAS COM

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE Juliana A. Cantarino Toledo 1 Rayssa Pinto Rezende 2 Resumo O trabalho busca mostrar como a mídia em Juiz de Fora tem influenciado

Leia mais

GEOGRAFIA QUESTÃO 01 I V 180º 160º 140º 120º 100º 80º 60º 40º 20º 0º 20º 40º 60º 80º 100º 120º 140º160º180º

GEOGRAFIA QUESTÃO 01 I V 180º 160º 140º 120º 100º 80º 60º 40º 20º 0º 20º 40º 60º 80º 100º 120º 140º160º180º Processo Seletivo/UNIFAL - julho 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 01 Considere o Planisfério abaixo para responder as duas questões a seguir. 90º 80º 60º III 40º I V 20º IV 20º II 60º 40º N

Leia mais

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP.

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. Alex Pires Rabelo¹, Harley Rogério Sant Anna², Kell en Suleyzy Sant Anna³. Orientador

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Programa Vizinhança Solidária O Programa Vizinhança Solidária cria a adoção de mecanismos dentro da filosofia de polícia comunitária de estímulo à mudança de comportamento dos integrantes de determinadas

Leia mais

APRENDER A CIDADE: ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO 1

APRENDER A CIDADE: ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO 1 APRENDER A CIDADE: ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO 1 Karla Annyelly Teixeira de Oliveira 2 Izabella Peracini Bento 3 Inez Maria Milhome Viana Kauer 4 Kamila Santos de P. Rabelo 5 Lana de Souza Cavalcanti

Leia mais

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Violência afetiva e violência doméstica contra idosos Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Autores: PATRÍCIA LUÍZA COSTA - Bacharel em Química pela UFMG.

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto November 19, Resultados em : A Pesquisa de Qualidade de Vida da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto

Leia mais

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento 1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento O momento em que entramos ou saímos de nossas residências, costuma oferecer grande risco, pois normalmente estamos distraídos, além de abrirmos,

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Especificações Técnicas. Elaboração da Pesquisa

Especificações Técnicas. Elaboração da Pesquisa Especificações Técnicas Período 28 a 31 de julho de 2011 Abrangência Nacional Universo Eleitores com 16 anos e mais Amostra 2.002 entrevistas em 140 municípios Margem de erro 2 pontos percentuais e grau

Leia mais

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

18 Você já foi furtado ou roubado em algum momento de sua vida, caso foi quantas vezes? ( ) Seguro ( ) Pouco seguro ( ) Nada seguro ( ) Não sabe

18 Você já foi furtado ou roubado em algum momento de sua vida, caso foi quantas vezes? ( ) Seguro ( ) Pouco seguro ( ) Nada seguro ( ) Não sabe 4 ( ) Seguro ( ) Pouco seguro ( ) Nada seguro 12 Você se sente seguro ao sair da sua residência à noite? ( ) Muito seguro ( ) Seguro ( ) Pouco seguro ( ) Nada seguro 13 Ao sair de casa costuma deixar alguém?

Leia mais

A Integração como Meio de Prevenção e Proteção nos Condomínios. Palestrante: Cap PM José Elias de Godoy

A Integração como Meio de Prevenção e Proteção nos Condomínios. Palestrante: Cap PM José Elias de Godoy A Integração como Meio de Prevenção e Proteção nos Condomínios Palestrante: Cap PM José Elias de Godoy São Paulo, 29 de Maio de 2010 Objetivo Conscientizar os participantes sobre a real necessidade de

Leia mais

SAIA DA MIRA SAIA DA MIRA DICAS DE PREVENÇÃO

SAIA DA MIRA SAIA DA MIRA DICAS DE PREVENÇÃO SAIA DICAS DE PREVENÇÃO Todos os dias, em vários lugares, estamos expostos a riscos. Seja no trabalho, em casa, na escola, ou quando estamos passeando. Por isso, a Prefeitura de São José dos Campos elaborou

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Módulo: Indicadores de Segurança Pública. Palestrante: Renato Sérgio de Lima

Módulo: Indicadores de Segurança Pública. Palestrante: Renato Sérgio de Lima Módulo: Indicadores de Segurança Pública Palestrante: Renato Sérgio de Lima Recente publicação de Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2007 e 2008) afirma que não existe no Brasil um canal de disseminação

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

INTRODUÇÃO atuação das polícias abrangente diversificada ações repressivas preventivas proteção esforço risco recom- pensa diagnóstico

INTRODUÇÃO atuação das polícias abrangente diversificada ações repressivas preventivas proteção esforço risco recom- pensa diagnóstico INTRODUÇÃO O crime e a violência têm origem por inúmeros fatores. Por isso, a atuação das polícias tem sido a mais abrangente e diversificada possível. Combina ações repressivas e preventivas, com o objetivo

Leia mais

IMPORTANTES. Jamais tenha armas no estabelecimento. Elas tendem a aumentar o resultado danoso da situação. A vida deve estar sempre em primeiro lugar.

IMPORTANTES. Jamais tenha armas no estabelecimento. Elas tendem a aumentar o resultado danoso da situação. A vida deve estar sempre em primeiro lugar. INTRODUÇÃO O crime e a violência têm origem por inúmeros fatores. Por isso, a atuação das polícias tem sido a mais abrangente e diversificada possível. Combina ações repressivas e preventivas, com o objetivo

Leia mais

SEGURANÇA NA USP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP

SEGURANÇA NA USP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP SEGURANÇA NA USP GUARDA Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP MAPAS DE RISCO GUARDA GUARDA MAPA DE RISCO - USP 2011 Esporte para Todos ÁREA F ÁREA B Praça do Relógio ÁREA B1 ÁREA A Portão Fepasa ÁREA

Leia mais

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL MACEDO¹, Diego; ANDRADE¹, Daniel; DÓRIA¹, Vinícius; GASPARETO¹, Darci. Orientador Prof. MSc RIBEIRO¹, Gilson. ¹Universidade do Vale do

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi O Crack na Fronteira Brasileira Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi Resumo: O Observatório do Crack, projeto elaborado e mantido pela Confederação Nacional de Municípios

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

A EMPRESA. Breve Histórico. Contribuição Sócio-Econômico

A EMPRESA. Breve Histórico. Contribuição Sócio-Econômico PROJETO BEM ESTAR A EMPRESA Breve Histórico Foto Fachada em 2004 A ROQUE AÇO E CIMENTO é uma empresa Maranhense do segmento de material de construção que iniciou suas atividades em 24 de agosto de 2004

Leia mais

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS RIOS, R.B. 1 RESUMO: Nos dias atuais o ordenamento territorial, torna-se de suma importância frente aos

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDOS ATITUDINAIS II. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS III. CONTEÚDOS CONCEITUAIS 1. AS TRANSFORMAÇÕES DA VILA MADALENA Da vila

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

Cinco mitos que precisam ser quebrados

Cinco mitos que precisam ser quebrados Cinco mitos que precisam ser quebrados Há muitos avanços na luta contra a violência no Brasil. Contudo, ainda vivemos um triste círculo vicioso. Com base em alguns mitos sobre como vencer a violência,

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA. É possível homem e natureza estarem ocupando o mesmo lugar, apesar de atravancar o progresso? A comodidade da vida nas cidades urbanas é mais vantajosa do que a própria

Leia mais

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Segurança no dia-a-dia Vol. X Manual de Segurança Apresentação N ão há estratégias ou sistemas de segurança intransponíveis. Isso é o que dizem todos os especialistas

Leia mais

PREVENCÃO AO CRIME ATRAVÉS DO DESENHO URBANO

PREVENCÃO AO CRIME ATRAVÉS DO DESENHO URBANO PREVENCÃO AO CRIME ATRAVÉS DO DESENHO URBANO Crime Prevention Through Environmental Design (CPTED) 1 O que aprendemos na aula passada... PREVENCÃO SITUACIONAL DO CRIME 2 PREVENÇÃO AO CRIME Existem duas

Leia mais

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. II Condomínios Residenciais Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br F Apresentação inal de um dia de trabalho. O provável morador acaba de chegar em frente ao seu prédio, esperando

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Bairro São Geraldo

Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Bairro São Geraldo CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLEGIO CENECISTA NOSSA SENHORA DOS ANJOS GRAVATAÍ - RS Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor Bairro São Geraldo Nomes: Ana,

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO localização estratégica, infraestrutura e segurança para seu negócio. IMAGEM AÉREA DO LOCAL/202. DRAMATIZAÇÃO DA ÁREA DO LOTEAMENTO. 750m 2 Perspectiva

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto

Leia mais

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc.

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc. Dicas de Segurança I Cuidados no dia-a-dia Nas Ruas Previna-se contra a ação dos marginais não ostentando objetos de valor como relógios, pulseiras, colares e outras jóias de valor. Evite passar em ruas

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Vol. I. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. I. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. I Condomínios Residenciais Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Apresentação C âmeras espalhadas por todos os lados, guardas armados, portões altos e com cerca elétrica nem

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

O impacto no comércio, devido à 2ª onda de ataques em SC

O impacto no comércio, devido à 2ª onda de ataques em SC Núcleo de Pesquisas Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina O impacto no comércio, devido à 2ª onda de ataques em SC O impacto da 2ª onda de ataques em SC no comércio e hotéis Núcleo de Pesquisas

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

ASSALTO E MEDO. Dihego Pansini

ASSALTO E MEDO. Dihego Pansini ASSALTO E MEDO Dihego Pansini As relações humanas têm se aprofundado cada vez mais nas últimas décadas. Nesse processo, um dos grandes desafios do ser humano moderno é aprender a lidar com as diferenças

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

Uma vitória sobre o crime

Uma vitória sobre o crime Época 31/01/2008-21:44 Edição nº 507 Uma vitória sobre o crime Como o Estado de São Paulo conseguiu reduzir em mais de 60% a taxa de homicídios nos últimos oito anos e quais as lições que o Brasil pode

Leia mais

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Letalidade policial e prisões em flagrante SUMÁRIO EXECUTIVO AUTORAS PROFª DRª JACQUELINE SINHORETTO GIANE SILVESTRE MARIA CAROLINA SCHLITTLER 02 de

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

O Papel dos Municípios na Política de Segurança

O Papel dos Municípios na Política de Segurança 1 O Papel dos Municípios na Política de Segurança Jacqueline Muniz Centro de Estudos de Segurança e Cidadania - UCAM Jajamuniz@candidomendes.br Junho de 2000 Belo Horizonte Tradicionalmente, os problemas

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Jouber da Costa e Silva¹ Universidade Federal do Amazonas-Ufam Joubercs@gmail.com ¹ Mestrando em Geografia

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais