FIBRIA CELULOSE S.A. RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA ANO INVENTARIADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FIBRIA CELULOSE S.A. RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA ANO INVENTARIADO - 2013"

Transcrição

1 DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA FIBRIA CELULOSE S.A. ANO INVENTARIADO RELATÓRIO NO. BRASIL-VER/ BR REVISÃO NO. 01 BUREAU VERITAS CERTIFICATION Relatório ISO e GHG protocol, versão 1, 22/03/2013

2 Data da primeira emissão: Unidade Organizacional: 11/03/2014 Bureau Veritas Certification Brasil Cliente: Fibria Celulose S.A. Cliente ref.: João Carlos Augusti Sumário: O Bureau Veritas Certification realizou a Verificação do Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) 2013, da Fibria Celulose S.A., localizada à Alameda Santos, nº º andar, São Paulo SP, elaborado com base nos critérios da norma NBR ISO e das Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol, assim como nos critérios necessários para assegurar a operação consistente, monitoramento e relato das emissões e remoções de GEE da organização. O escopo de verificação é definido como uma revisão independente e objetiva do Relatório de Inventário de GEE, plano de monitoramento, procedimentos internos, registros e outros documentos relevantes e constou das seguintes etapas: i) Análise documental - relatório de inventário, registros e outros documentos relevantes, ii) Visita às instalações da sede da empresa, em São Paulo SP, objetivando avaliar o sistema de informações e seus controles, iii) Elaboração de um relatório inicial - elaboração de protocolo, com base nos critérios de verificação, apontando eventuais Solicitações de Ação Corretiva (SAC), Solicitações de Esclarecimento (SE) e Oportunidades de Melhoria (OM), iv) Análise das respostas ao protocolo - análise e aceite das respostas da organização às demandas levantadas pelo protocolo, v) Elaboração do relatório de verificação. A Fibria Celulose S.A. revisou seu Inventário de Gases de Efeito Estufa , originando a versão 2.1, de 07/03/2014, com as respostas para o atendimento às constatações apresentadas no protocolo. Em resumo, a opinião do Bureau Veritas Certification sobre o Inventário de Gases de Efeito Estufa , com base no processo e nos procedimentos realizados, conforme descrito acima, e nível de confiança razoável requerido, é de que este: - é preciso, confiável, materialmente correto e livre de discrepância material, erro ou distorção, e é uma representação justa dos dados de gases de efeito estufa para o ano inventariado de é preparado de acordo com a norma NBR ISO 14064:2007 Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa; - é preparado de acordo com as especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol. Relatório No.: Unidade de Negócio: Brasil-ver/ BR Sustentabilidade Termos indexados Nome da Organização: Fibria Celulose S.A. Trabalho realizado por: Antonio Daraya - Verificador líder Fernanda Bortolotto Observadora Trabalho verificado por: Cláudia Freitas Gerente Local de Produto Data desta revisão: Rev. No.: Número de páginas: 11/03/ Não pode ser distribuído sem permissão do Cliente ou unidade organizacional responsável Distribuição limitada Distribuição irrestrita 1

3 Abreviaturas GEE IPCC OM SAC SE Gases de Efeito Estufa Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas Oportunidade de Melhoria Solicitação de Ação Corretiva Solicitação de Esclarecimento 2

4 Índice Pág. 1. SUMÁRIO NÍVEL DE CONFIANÇA Objetivos Critérios Escopo Materialidade 7 3. ABORDAGEM DE VERIFICAÇÃO Plano de verificação Plano de amostragem 8 4. AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE GEE E SEUS CONTROLES Sistema de informações de GEE e seus controles Avaliação de dados e informações de GEE Avaliação da declaração de GEE DECLARAÇÃO DE VERIFICAÇÃO REFERÊNCIAS Curricula vitae da equipe de verificação 18 Anexo: Protocolo de verificação - Fibria Celulose S.A. 19 3

5 1. SUMÁRIO A Fibria Celulose S.A. contratou o Bureau Veritas Certification para verificar seu Inventário de Gases de Efeito Estufa , elaborado segundo os critérios da NBR ISO e das Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol. O inventário abrangeu todas as empresas que a Fibria Celulose S.A. tem controle operacional, a saber: Sede - Fibria Celulose S.A. Unidade de Jacareí Unidade de Aracruz Unidade de Três Lagoas Fibria é a maior empresa brasileira de celulose e papel, formada a partir da fusão de Aracruz e Votorantim Celulose e Papel, consolidada e oficializada em 1º de setembro de 2009, após um longo período de negociações que se estendeu desde A Fibria é produtora de celulose de eucalipto, possui capacidade produtiva de 5,25 milhões de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint venture com a Stora Enso. Em sociedade com a Cenibra, opera o único porto brasileiro especializado em embarque de celulose, Portocel Terminal Portuário de Barra do Riacho (Aracruz, ES). Com uma operação integralmente baseada em plantios florestais renováveis localizados nos estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Bahia, a Fibria trabalha com uma base florestal total de 1,077 milhão de hectares, dos quais 405 mil são destinados à conservação permanente. Inventários de gases de efeito estufa são ferramentas importantes para quantificar emissões; a Fibria trabalha com o conceito pegada de carbono, com limites ampliados. O inventário inclui as atividades diretas e indiretas relacionadas com a produção de polpa. Este é o 6 o inventário de emissões de GEE elaborado pela organização e compreende o período de 01/01/2013 a 31/12/2013. Foi preparado com o objetivo de publicar o relatório Pegada de Carbono 2014 (Carbon Footprint 2014), referente aos resultados obtidos no ano do inventário de Este inventário abrange os escopos 1 e 2 e por necessidade do uso pretendido, a organização incluiu emissões consideradas relevantes relacionadas ao escopo 3, como as emissões do consumo de energia elétrica pelos clientes, transporte de empregados, materiais e viagens aéreas. Escopos 1, 2 e 3, definições (ISO e GHG Protocol): Escopo 1: emissões diretas de GEE Escopo 2: emissões indiretas de GEE por uso de energia Escopo 3: outras emissões indiretas de GEE (opcional) 4

6 A Fibria classificou os seguintes itens como emissões diretas: Emissões da combustão de combustíveis fósseis em equipamentos estacionários (forno de cal, caldeiras de recuperação, caldeiras de energia); Emissões de CO 2 da combustão em equipamentos de transporte; Emissões de CO 2 da combustão em equipamentos florestais fora-de-estrada (colheita e frete); Emissões de CH 4 proveniente de sistemas de tratamento de efluentes; Emissões de CH 4 provenientes de aterros; Emissões de CO 2 e de N 2 O de fertilizantes e de produtos para a correção do solo; Emissões de CO 2 e de N 2 O provenientes pela combustão de biomassa. A Fibria classificou como emissões indiretas os seguintes itens: Emissões do consumo da energia elétrica comprada; Emissões de operações florestais terceirizadas (silvicultura, frete ferroviário para o transporte de madeira; Emissões de CO 2 provenientes do transporte de funcionários, inclusive viagens; Emissões por caminhões, trens, barcas no transporte de polpa. A Fibria também considerou o sequestro proveniente das plantações de eucalipto e de áreas de floresta nativa. Com relação a fontes de NF3, elas não foram inventariadas a tempo de incluí-las neste relatório, mas serão incluídas no relatório do próximo ano. Este relatório de verificação: - foi elaborado e revisado independentemente por verificadores com conhecimento, capacidade e competência que atendem ao requerido na NBR ISO seção 4.1; - aplica-se às informações relatadas dentro do escopo do trabalho descrito nesta seção; - resume as constatações da equipe de verificadores quanto ao inventário de GEE da organização. 2. NÍVEL DE CONFIANÇA No início do processo de verificação do inventário foi acordado com a organização que seria necessário um nível de confiança razoável. O nível de confiança determina a profundidade de detalhes com que os verificadores avaliam o inventário de GEE, para avaliar se há qualquer erro de materialidade, omissões ou erros de interpretação. O trabalho de verificação foi planejado e 5

7 executado para proporcionar um nível razoável de confiança que fornece a base para a emissão da Declaração de Verificação. 2.1 Objetivos A verificação do inventário de GEE é uma decisão voluntária da organização para assegurar que os princípios definidos na NBR ISO e GHG Protocol foram atendidos. Princípios Relevância: seleção das fontes de GEE, sumidouros de GEE, reservatórios de GEE, dados e metodologias apropriadas às necessidades do usuário pretendido; Integralidade: inclusão de todas as emissões e remoções pertinentes de GEE; Consistência: possibilidade de comparações significativas de informações relacionadas ao GEE; Precisão: redução de assimetrias e incertezas; Transparência: divulgação de informações suficientes e apropriadas, relacionadas aos GEE para permitir ao usuário pretendido a tomada de decisão com razoável confiança. Este relatório de verificação de gases de efeito estufa resume o processo de verificação realizada com base em: NBR ISO 14064:2007 Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa; NBR ISO 14064:2007 Parte 3: Especificações e orientação para a validação e verificação de declarações relativas a gases de efeito estufa; Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol Contabilização, Quantificação e Publicações de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa Segunda Edição. A Fibria Celulose S.A. considera que o relatório do inventário de emissões de GEE é um passo importante, pois determina a quantidade e a origem (fontes) das emissões e possibilita sua redução. O processo de verificação não se destina a fornecer qualquer forma de consultoria para a organização, no entanto as Solicitações de Ação Corretiva (SAC), Solicitações de Esclarecimento (SE) e as Oportunidades de Melhoria (OM) podem dar subsídios para a melhoria do inventário de GEE. 6

8 2.2 Critério O critério para elaborar esta verificação de inventário é: NBR ISO 14064:2007 Parte 3: Especificações e orientação para a validação e verificação de declarações relativas a gases de efeito estufa; Programa Brasileiro do GHG Protocol. 2.3 Escopo A Fíbria Celulose S.A. contratou o Bureau Veritas Certification para verificar seu Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013, abrangendo o seguinte escopo: a) A organização adota a consolidação pela abordagem de controle operacional, ou seja, responde por todas as emissões e remoções de GEE de todas as empresas de que é proprietária (100% de controle), que são: Sede - Fibria Celulose S.A. Unidade de Jacareí Unidade de Aracruz Unidade de Três Lagoas b) As fontes de emissão dos escopos 1 e 2 são todas as existentes nas instalações da organização e as do escopo 3 são as relevantes para o uso pretendido do inventário. d) Os tipos de GEE considerados para o inventário de GEE foram os definidos pelo Protocolo de Quioto. Entretanto, apenas foram identificadas emissões de CO 2, CH 4, e N 2 O. e) O período de tempo abrangido por este inventário é de 01/01/2013 a 31/12/ Materialidade O objetivo de uma verificação de GEE é permitir ao organismo de verificação atestar se a declaração de GEE está preparada de acordo com o programa de GEE subscrito (GHG Protocol e ISO ). O conceito de materialidade reconhece que algumas questões, quer individuais quer na forma agregada, são importantes se a declaração de GEE da parte responsável for apresentada de forma justa, de acordo com requisitos internos ou daqueles que o programa de GEE subscreve. A determinação da materialidade envolve tanto aspectos qualitativos como quantitativos. Como resultado da interação destes aspectos, diferenças de quantidade, 7

9 mesmo que relativamente pequenas, podem ter um efeito material sobre a afirmação de GEE. Uma discrepância, ou o agrupamento de todas as discrepâncias, em uma declaração de GEE é considerada material, se for provável que a decisão de quem emitiu a declaração tem razoável conhecimento de negócios e atividades de GEE (o usuário pretendido), seja mudada ou influenciada por tal discrepância ou pelo agrupamento de discrepâncias. A materialidade aceitável é determinada pelos requisitos internos do Bureau Veritas Certification, com base no nível de confiança acordado com a organização, o que determina o grau relativo de confiança necessária para emitir uma Declaração de Verificação. Confiança absoluta não é alcançável devido a fatores como o uso de julgamento, o uso de teste, limitações inerentes de controle e à natureza qualitativa de alguns tipos de evidência. 3. ABORDAGEM DE VERIFICAÇÃO 3.1 Plano de verificação Para esta verificação foi elaborado um Plano de Verificação para: garantir o nível de confiança requerido pelo usuário pretendido; definir os objetivos da verificação; definir os critérios de verificação; definir o escopo da verificação; definir a materialidade necessária para o usuário pretendido; definir as atividades da verificação. Este Plano de Verificação foi previamente apresentado, discutido e validado com a organização. Para dar suporte a este plano, foi elaborado um Plano de Amostragem, conforme abaixo. 3.2 Plano de amostragem Foi desenvolvido um Plano de Amostragem considerando: nível de confiança acordado com o cliente; 8

10 escopo de verificação; critérios de verificação; quantidade e tipo de evidência necessária para se chegar ao nível de confiança desejado; metodologias para determinar amostras representativas; riscos potenciais de erros, omissões ou informações falsas. Esta amostragem foi realizada durante a visita às instalações da sede da empresa, que ocorreu no dia 27/01/2014, e abrangeu a área responsável pela gestão de informações relativas ao inventário, bem como amostragem de áreas e processos emissores relevantes: Unidades operacionais de Jacareí, Aracruz e Três Lagoas, abrangendo as atividades: Florestais, Industriais, Logísticas. A definição do número de sites a visitar levou em consideração as 'Especificações de Verificação do Programa Brasileiro GHG Protocol', seção 2.2.3, Determinação do número necessário de instalações que devem ser visitadas, para o nível de confiança razoável: 0,6 x no. sites. foram consideradas as 3 unidades operacionais e a sede. Todas as informações de emissões são coletadas nas unidades operacionais e encaminhadas à sede para a revisão e compilação, por este motivo a visita técnica ocorreu na sede da empresa. Este inventário abrange os escopos 1, 2 e 3. A relação de emissões por escopo encontra-se detalhada na seção 1 - Sumário, deste relatório. 4. AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE GEE E SEUS CONTROLES 4.1 Sistema de informações de GEE e seus controles Durante a verificação do Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013 da organização foi avaliado o seu sistema de informações de GEE e seus controles para fontes de erros, omissões e informações falsas potenciais, levando-se em consideração: a) seleção e gerenciamento de dados e informações de GEE; b) processos de coleta, processamento, consolidação e elaboração de relatórios de dados e informações de GEE; 9

11 c) sistemas e processos que asseguram a precisão de dados e informações de GEE; d) planejamento e manutenção do sistema de informações de GEE; e) sistemas e processos que apoiam o sistema de informações de GEE; Não foi considerado o resultado de avaliações prévias, pois não fazem parte do escopo desta verificação. 4.2 Avaliação de dados e informações de GEE Durante a verificação do inventário de GEE da organização, a equipe de verificação examinou dados e informações de GEE para buscar evidências que confirmem o que está relatado no inventário de gases de efeito estufa da Fibria Celulose S.A Esta avaliação constou de uma amostragem e análise de diversos dados, entre eles: Planilhas de consolidação de dados de GEE: Planilha de cálculo industrial Fibria 2013, Planilha de cálculo silvicultura Fibria 2013, Planilha resumo 2013, Planilha data Planilhas auxiliares setoriais de coleta de dados de atividade: Florestais: (for01) Indicadores GRI, (for02) GRI Silvicultura, (for03) Transporte Ferroviário, (for04) Diesel 2013 Estradas, (for05) Relatório de Consumo Diesel 2013 Fibria. Industriais: (Ind 01, Ind04, Ind 05, Ind 09, Ind 32, Ind 35) Fibria Aracruz-BE, (Ind03, Ind07, Ind08, Ind12, Ind34, Ind37) Fibria Três Lagoas-BE, (Ind06, Ind10, Ind11, Ind33, Ind 36) Fibria Jacareí-BE, (Ind18)ARA Diesel Resíduos, (Ind 25, Ind 26) GRI Efluentes ARA. Logística: (log01, log02, log03) Planilha Completa 2013 Alatur, (log04-log09) Relatório_Emissões_Fibria, (log10) Resumo, (log12, log13) Km rodado rural, (log12, log13) Planilha Vanessa, (log16) Consumo diesel_gas 2013, (log18) GLP Santos. Entrevista com o responsável pelas informações do relatório de inventário de GEE da organização. A fim de assegurar transparência, foi elaborado um protocolo de verificação para o projeto, de acordo com os requisitos da NBR ISO e GHG Protocol. O protocolo mostra, de forma transparente, requisitos, critérios, meios de verificação e os resultados dos critérios identificados. 10

12 O protocolo de verificação tem o objetivo de: Organizar, detalhar e esclarecer os requisitos que um inventário de GEE deve atender (segundo a NBR ISO e GHG Protocol); Garantir um processo transparente de verificação, no qual o time de verificação registra como um requisito particular foi avaliado e os resultados desta verificação. O protocolo de verificação tem duas tabelas, descritas a seguir: Tabela 1 Protocolo de Verificação Requisitos Requisitos que o inventário de GEE deve atender. Cláusula ISO / GHG Protocol Referencia o requisito na NBR ISO e/ou GHG Protocol Comentários Apresenta a análise do verificador para a resposta apresentada. Conclusão Apresenta a conclusão do time de verificação sobre o requisito. Pode ser adequada (), uma Oportunidade de Melhoria (OM), uma Solicitação de Esclarecimento (SE) ou uma Solicitação de Ação Corretiva (SAC). Tabela 2 - Resolução de Solicitação de Ação Corretiva (SAC), Solicitação de Esclarecimento (SE) e Oportunidade de Melhoria (OM) SAC / SE / OM Descreve a respectiva SAC, SE ou OM Referência ao protocolo - Tabela 1 Referência seção tabela 1 à na Resposta do responsável pelo inventário Seção a ser usada pela organização, para descrever as ações tomadas para atender à constatação apresentada. Conclusão do time de verificação ( / SAC/ SE/ OM) Descreve a conclusão final do time de verificação, com base nas respostas dadas pela organização. Em 27/01/2014, o time de verificação do Bureau Veritas Certification realizou uma visita técnica à sede da empresa em São Paulo SP, para verificar se as informações sobre os processos existentes nas operações e atividades da organização estão consistentes com as informações constantes em seu Inventário de Gases de Efeito Estufa para o ano de Sede - Fibria Celulose S.A. Unidade de Jacareí 11

13 Unidade de Aracruz Unidade de Três Lagoas No início da visita, foi apresentada a metodologia e programação, de acordo com Plano de Verificação previamente apresentado à empresa e com as medidas definidas pelo protocolo de verificação e informações do inventário de GEE. Esta visita visa confirmar as fontes de emissão diretas e indiretas constantes do inventário e, eventualmente, outras fontes não mencionadas além de esclarecer dúvidas em relação às informações apresentadas pela organização. O principal objetivo desta fase do processo de verificação é verificar as informações existentes no Inventário de Gases de Efeito Estufa e documentos de suporte, buscando evidenciar a veracidade dos dados apresentados. Caso seja necessários mais esclarecimentos ou sejam constatadas não conformidades, são emitidas solicitações de esclarecimento ou de ação corretiva, que precisam ser esclarecidas pela organização, a fim de permitir ao Bureau Veritas Certification emitir uma Declaração de Verificação sobre o Relatório do Inventário de GEE. Outro resultado desta etapa do trabalho é apontar eventuais oportunidades de melhoria no sistema de gestão de GEE da organização. Neste processo identificou-se um total de 3 solicitações de ação corretiva e 5 solicitações de esclarecimento. A seguir estão resumidas as consideradas de maior relevância. Solicitações de Ação Corretiva: SAC AVD 01 - Não foi evidenciada a existência de um procedimento de controle de documentos e de controle de registros. SAC AVD 02 O item 2.20 da Seção 2 Termos e definições da NBR ISO define como ano-base o período histórico especificado com o propósito de comparar emissões e remoções de GEE ou outras informações relacionadas aos GEE ao longo do tempo e o GHG Protocol define como ano base uma data (um ano específico ou uma média de múltiplos anos) a partir da qual se controlam as emissões da empresa ao longo do tempo. No entanto, o relatório inventário de gases efeito estufa da empresa Fíbria Celulose S.A. utiliza como ano base o ano que está sendo coberto pelo relatório. Solicitações de Esclarecimento: SE AVD 01 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de projetos para a redução de emissões nem de projetos para o aumento das remoções de GEE. 12

14 SE AVD 02 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de ações para a redução de emissões nem de ações para o aumento das remoções de GEE. Foram definidas ações para reduzir ou prevenir emissões da Fibria Celulose S.A.? Destaca-se que melhorias no sistema de GEE são resultado do amadurecimento do sistema, bem como da implementação efetiva das recomendações apresentadas na ISO e GHG Protocol. A amostragem foi feita de forma aleatória, e em um tamanho suficiente para assegurar para o time de verificação a consistência de dados, em relação às informações disponíveis no Inventário de Gases de Efeito Estufa. Todos os limites operacionais foram visitados ou tiveram seus dados conferidos, buscando confirmar o tipo de fontes dos gases GEE informado pela organização. O plano de amostragem foi desenvolvido levando-se em conta o nível de confiança acordado com o cliente, o escopo de verificação e seus critérios, a quantidade e o tipo de evidências (qualitativas e quantitativas); as metodologias para a determinação de amostras representativas e os riscos potenciais de erros, omissões ou imprecisões. Os dados e informações que apoiam a afirmação de GEE foram de natureza histórica. A Fibria Celulose S.A. apresentou um inventário de emissão com base em dados de operação anual, compreendendo o período de 01/01/2013 a 31/12/2013. O documento intitulado Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013 e a respectiva planilha de dados de cálculo de emissões foram revisados pela organização e validados pelo Bureau Veritas Certification. Informações e detalhes sobre as Solicitações de Ação Corretiva, de Esclarecimento e Oportunidades de Melhoria emitidas estão apresentadas no Protocolo de Verificação, anexo a este relatório. Foram utilizadas como referência as orientações mais recentes do IPCC para Inventários de Gases de Efeito Estufa, seus fatores de emissão e metodologias, quando aplicável. 4.3 Avaliação da declaração de GEE Baseado nas informações que foram apresentadas ao Bureau Veritas Certification, e com base na amostragem realizada, evidenciou-se que o Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013 não contém discrepância material e que o mesmo fornece o nível de confiança acordado no início do processo de verificação. 5. DECLARAÇÃO DE VERIFICAÇÃO 13

15 A Declaração de Verificação tem o objetivo de confirmar que o relatório de inventário de emissões de GEE foi apresentado sem discrepância material. Esta Declaração de Verificação emitida pelo Bureau Veritas Certification sobre a qualidade e exatidão das informações e do Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013 nos sistemas, processos e seus controles foi baseada nas informações disponibilizadas pela organização e condicionadas ao que está definido e apresentado no relatório de verificação. Considerando o usuário pretendido, o nível de confiança requerido pela organização, ou seja, razoável, os processos e procedimentos descritos neste Relatório de Verificação o Bureau Veritas Certification declara que o Inventário de Gases de Efeito Estufa 2013, é preciso, confiável e livre de discrepância material, erro ou distorção e é uma representação equitativa dos GEE dados e informações sobre o período de referência (ano inventariado); foi elaborado em conformidade com a NBR ISO 14064:2007 Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa e também das Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol Contabilização, Quantificação e Publicações de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa Segunda Edição. As informações estão apresentadas de forma clara, compreensível e acessível, e permitem ao leitor formar uma opinião equilibrada sobre o desempenho e situação para o ano-base considerado, para o escopo definido. A Fibria Celulose S.A. estabeleceu sistemas apropriados para implementar os princípios da NBR ISO 14064, conforme descrito a seguir: Relevância: seleção das fontes de GEE, sumidouros de GEE, reservatórios de GEE, dados e metodologias apropriados às necessidades do usuário pretendido; Integralidade: inclusão de todas as emissões e remoções pertinentes de GEE; Consistência: possibilidade de comparações significativas de informações relacionadas ao GEE; - Precisão: redução de assimetrias e incertezas até onde seja desejável; - Transparência: divulgação de informações suficientes e apropriadas, relacionadas ao GEE para permitir ao usuário pretendido a tomada de decisão com razoável confiança. 14

16 11/03/2014 Antonio Daraya Verificador Líder de GEE Cláudia Freitas Gerente Local de Produto 15

17 6. REFERÊNCIAS /1/ Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa ano de 2013, versão 2.0. /2/ Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa ano de 2013, versão 2.1 de 07/03/2014. /3/ Planilhas de consolidação de dados de GEE. /4/ Planilhas auxiliares setoriais de coleta de dados de atividade. /5/ Manual de Operação Carbon Footprint, revisão 2. /6/ Notas Fiscais Comprobatórias. /7/ Faturas de energia elétrica do período 01/01/2013 a 31/12/2013. /8/ NBR ISO 14064:2007 Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa. /9/ NBR ISO 14064:2007 Parte 3: Especificações e orientação para a validação e verificação de declarações relativas a gases de efeito estufa. /10/ Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol Contabilização, Quantificação e Publicações de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa Segunda Edição. /11/ Manual de Operação Carbon Footprint, revisão

18 Pessoas entrevistadas: Pessoas entrevistadas durante o processo de verificação e/ou pessoas que contribuíram com outras informações q. /1/ Vinicius Suassuna - Consultor /2/ João Carlos Augusti - Fibria o0o 17

19 Curricula vitae da equipe de verificação Antonio Daraya Verificador Líder de Gases Efeito Estufa Formado em Engenharia Química, com pós-graduação em Administração de Empresas. Possui uma grande experiência em gerenciamento industrial e ambiental em diversas áreas industriais. É Auditor Líder dos Sistemas de Gestão ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007. Tem também experiência na implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade e de Gestão Ambiental. Antonio é Verificador Líder de Gases Efeito Estufa. Cláudia Freitas Gerente Local de Produto Graduada em Engenharia Química e pós-graduada em Sistema de Gestão Ambiental, com MBA em Gerenciamento. Experiência em gerenciamento ambiental, energia e projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. É auditora líder da norma ISO 14001:2004 e verificadora líder de GEE Gases de Efeito Estufa e especialista técnica da UNFCCC. 1. o0o - 18

20 Anexo: Protocolo de Verificação Fibria Celulose S.A. 19

21 Empresa: Título do relatório/ inventário Ano base: 2011 Fibria Celulose S.A. Inventário de Gases de Efeito Estufa Ano 2013 Critério utilizado 1 Programa Brasileiro GHG Protocol e Norma ISO Verificador: Data: 31/01/2014 Critério de Verificação A avaliação segue os seguintes critérios: Programa Brasileiro GHG Protocol Norma ISO Antonio Daraya e Fernanda Bortolotto (observadora) Todas as evidências são coletadas, analisadas e conferidas com: Valores apresentados no inventário de emissões do cliente Referências e fontes Fatores de emissão e conversão Verificação dos cálculos Especificações de verificação do GHG Protocol Requisitos na norma ISO Este protocolo é aplicável ao GHG Protocol e ISO , mencionar se for utilizado para apenas umas dessas normas. 20

22 Conclusões SAC = solicitação de ações corretivas SE = solicitação de esclarecimentos OM = oportunidades de melhorias = de acordo com a norma 21

23 N o Tabela 1: Requisitos do GHG Protocol e/ou norma ISO Requisito Critério de Verificação 2 Comentário Conclusão Prévia (SE/SAC/ OM/) Conclusão Final () Informações gerais O relatório inclui a descrição da organização que elaborou o relatório? Sim, Fibra Celulose S.A. O período coberto pelo relatório foi fornecido? Sim, 01/01/2013 a 31/12/2013. O nome da pessoa responsável foi fornecido? Sim, Vinicius Suassuna. 1 Instalações 1.1 Todas as instalações de propriedade da organização estão contabilizadas na quantificação (conforme abordagem de consolidação adotada)? Sim. As instalações de propriedade da Organização, com controle operacional total, são: Unidades operacionais de Jacareí, Aracruz e Três Lagoas, cobrindo as atividades Florestal, Industrial e Logística. 2 Limites Organizacionais 2 ISO ou GHG Protocol ou aplicável a ambas 22

24 2.1 Os limites organizacionais foram claramente definidos pela organização? Sim. A Fibria possui operações em sete estados do Brasil (Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo), e três fábricas (Unidade Aracruz, Jacareí, Três Lagoas). 23

25 Sim. O inventário ano base 2013 foi feito com base nos documentos listados a seguir, preparados pelo Instituto de Recursos Mundiais juntamente com o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável. - The Greenhouse Gas Protocol a Corporate Accounting and Reporting Standard [O Protocolo de Gases de Efeito Estufa: Contabilidade Corporativa e Padrões para Elaboração de Relatório] Edição revisada ; 2.2 A organização documentou o método de consolidação adotado? - Ferramentas de cálculo para Estimativa de emissões de gases de efeito estufa das fábricas de celulose e papel, do Grupo de Trabalho de Mudança de Clima do Conselho Internacional das Associações de Florestas e Papel (ICFPA, sigla em inglês de "International Council of Forest and Paper Associations"), versão 1.3; - Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Mobile Combustion [Ferramentas de cálculo para Estimativa de emissões de gases de efeito estufa da combustão móvel], versão 1.2; - CO2 Emissions from Business Travel [Emissões de CO2 de viagens de negócio]. Versão Programa Brasileiro GHG Protocol. Os documentos a seguir, preparados pelo IPCC, também foram usados: 24

26 A organização apresentou claramente a abordagem de consolidação adotada? A organização adotou abordagens diferentes de consolidação (caso definidas por um programa de GEE ou contrato legal)? No caso de instalações de propriedade de diferentes organizações, todas estão seguindo a mesma abordagem de consolidação? Houve mudança na abordagem? Em caso positivo, a mudança foi explicada? - Diretrizes de 2006 do IPCC para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa ; - Guia de boas práticas para uso da terra, mudança do uso da terra e floresta. Sim. Não. N.A. Não. 3 Limites Operacionais 3.1 A organização definiu claramente os limites operacionais? Os limites operacionais foram definidos de acordo com os protocolos internacionais WRI e WBCSD (World Resources Institute e World Business Council for Sustainable Development, respectivamente). 25

27 Todas as categorias de emissão estão definidas e claramente identificadas? As remoções das instalações existentes dentro dos limites operacionais foram quantificadas? Sim, as categorias de emissão estão definidas como: Escopo 1 Emissões diretas de GEE Fontes que são de propriedade da empresa ou controladas por ela: - Combustão estacionária (geração de vapor e eletricidade usando combustíveis fósseis), - Emissões geradas em processos específicos como tratamento de resíduos, fertilização e correção do solo, - Combustão móvel (transporte de resíduos, colheita e transporte de madeira). Escopo 2 Emissões indiretas - Produção da eletricidade importada do GRID pela empresa. Escopo 3 Outras emissões indiretas Fontes que não são de propriedade nem controladas pela empresa: - Transporte terceirizado, - Operações florestais terceirizadas (Silvicultura e Construção de Estradas), - Viagem aérea e Transporte de Funcionários, - Uso de produtos vendidos (eletricidade e vapor). Sim, as remoções por sequestro de CO 2 pelas áreas florestais da empresa foram quantificadas. 26

28 3.4 A metodologia de quantificação está mencionada e definida? Sim. O inventário de emissões e remoções por sumidouros foi feito com base nos documentos a seguir: The Greenhouse Gas Protocol a Corporate Accounting and Reporting Standard [Protocolo de Gases de Efeito Estufa: Contabilidade Corporativa e Padrões para Elaboração de Relatório] Edição revisada, do Instituto de Recursos Mundiais (WRI, do inglês World Resources Institute); Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Mobile Combustion [Ferramentas de Cálculo para Estimativa das Emissões de Gases de Efeito Estufa da Combustão Móvel]; Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Stationary Combustion [Ferramentas de Cálculo para Estimativa das Emissões de Gases de Efeito Estufa da Combustão Estacionária]; Diretrizes de 2006 do IPCC para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa e Guia de Boas Práticas para Uso da Terra, Mudanças no Uso da Terra e Florestas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas A organização explicou a seleção de metodologia de quantificação? Sim, está explicada no relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa. 4 Escopo 1 Emissões e remoções diretas de GEE 27

29 Todas as emissões e remoções diretas dentro dos limites organizacionais foram identificadas e quantificadas? As emissões de CO 2 originadas da combustão de biomassa foram quantificadas separadamente? Escopo 2 Emissões indiretas pelo uso de energia A organização quantificou as emissões indiretas de GEE originadas da geração de eletricidade, calor ou vapor importado/ consumido pela organização? Escopo 3 (opcional) Outras emissões indiretas de GEE Sim. Escopo 1 Emissões diretas de GEE Fontes que são de propriedade da empresa ou controladas por ela: - Combustão estacionária (geração de vapor e eletricidade usando combustíveis fósseis), - Emissões geradas em processos específicos como tratamento de resíduos, fertilização e correção do solo, - Combustão móvel (transporte de resíduos, colheita e transporte de madeira). Sim, emissões de CH 4 e N 2 O da combustão de biomassa foram quantificadas em toneladas de CO 2e, utilizando seus respectivos índices de conversão. Sim. Escopo 2 Emissões indiretas - Produção da eletricidade importada do GRID pela empresa. 28

30 Se determinado pelo programa de GEE aplicável ou pelas necessidades dos relatórios internos ou pelo uso previsto para o inventário de GEE? As emissões de CO 2 originadas da combustão de biomassa foram quantificadas separadamente? Houve exclusão de fontes? Qual foi o motivo? Sim. Escopo 3 Outras emissões indiretas Fontes que não são de propriedade nem controladas pela empresa: - Transporte terceirizado, - Operações florestais terceirizadas (Silvicultura e Construção de Estradas), - Viagem aérea e Transporte de Funcionários, - Uso de produtos vendidos (eletricidade e vapor). Sim. Sim, porque não atingiram o limite mínimo para inclusão de tco2e, de acordo com o Anexo 1 Critério de Inclusão/Exclusão, do Relatório do Inventário de Gases Efeito Estufa do ano base de Emissões de biomassa 7.1 As emissões de CO 2 originadas da combustão de biomassa foram quantificadas? Sim. 8 Documentos Requeridos 8.1 A organização documentou: 29

31 (i) (ii) (iii) (iv) Emissões e remoções de GEE separadamente por instalação? Projetos de melhoria para emissões e remoções de GEE? Ações dirigidas para reduzir ou prevenir emissões ou aumentar as remoções de GEE? Documentação de suporte, planejamento, desenvolvimento e manutenção do inventário de GEE? Sim. Os dados foram coletados manualmente (30% dos dados), através de planilhas de controle, declarações de fornecedores e balanço energético, e eletronicamente, através do Sistema SAP (70% dos dados). SE AVD 01 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de Projetos para a Redução de Emissões nem de Projetos para o aumento das remoções de GEE. Existe uma previsão para a elaboração de projetos de melhoria para emissões da Fibria Celulose S.A.? SE AVD 02 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de Ações para a Redução de Emissões nem de Ações para o aumento das remoções de GEE. Foram definidas ações para reduzir ou prevenir emissões da Fibria Celulose S.A.? Sim. Foram apresentados Controles Manuais através de Planilhas de Controle Interno, Declarações de Fornecedores, Balanço Energético, Controles Eletrônicos através do Sistema SAP, e Manual de Operação Carbon Footprint, revisão 2. SE AVD 03 Favor informar se o código de identificação MA do Manual de Operação Carbon Footprint, revisão 2 está correto. SE AVD 01 SE AVD 02 SE AVD 03 30

32 9 Procedimentos A organização estabeleceu e mantém procedimentos de gerenciamento de GEE? A organização estabeleceu e mantém procedimentos para retenção de documentos e manutenção de registros? Sim, no Manual de Operação Carbon Footprint, revisão 2 estão estabelecidos os procedimentos de gerenciamento de GEE. SAC AVD 01 - Não foi evidenciada a existência de um procedimento de controle de documentos e de controle de registros. SAC AVD Ano-base 10.1 Qual o ano-base histórico estabelecido pela organização para reportar emissões ou remoções de GEE? SAC AVD 02 O item 2.20 da Seção 2 Termos e definições da NBR ISO define como ano-base o período histórico especificado com o propósito de comparar emissões e remoções de GEE ou outras informações relacionadas aos GEE ao longo do tempo e o GHG Protocol define como ano base uma data (um ano específico ou uma média de múltiplos anos) a partir da qual se controlam as emissões da empresa ao longo do tempo. No entanto, o Relatório Inventário de Gases Efeito Estufa da empresa Fíbria Celulose S.A. utiliza como ano base o ano que está sendo coberto pelo relatório. SAC AVD 02 3 Esta seção é aplicável somente à ISO

33 A organização explicou a seleção do ano-base? A organização desenvolveu um inventário de GEE para o ano-base consistente com os requisitos do programa escolhido? Favor referir-se à SAC AVD 02. Favor referir-se à SAC AVD A organização mudou o seu ano-base? Favor referir-se à SAC AVD Em caso afirmativo, foi explicada a mudança? Favor referir-se à SAC AVD 02. SAC AVD 02 SAC AVD 02 SAC AVD 02 SAC AVD O ano-base foi recalculado por mudanças em: (i) Mudanças nos limites organizacionais e operacionais? Favor referir-se à SAC AVD 02. SAC AVD 02 (ii) Posse e controle de fontes ou sumidouros de GEE transferidos para dentro ou para fora dos limites organizacionais? Favor referir-se à SAC AVD 02. SAC AVD 02 (iii) Mudança nas metodologias de quantificação de GEE? Favor referir-se à SAC AVD 02. SAC AVD A organização completou e documentou uma avaliação da incerteza para emissões e remoções de GEE? Não houve uma avaliação da incerteza, uma vez que esta é uma recomendação e não um item mandatório na Norma. 32

34 11 Relatório GEE (inclusões opcionais) 4 GHG Protocol As emissões dos dados relevantes do escopo 3, de atividades de emissões para as quais dados confiáveis podem ser obtidos, foram fornecidas? Dados de emissões subdivididas acima, onde a transparência, por unidades de negócios/ instalações, país, tipos de fontes (combustão estacionária, processo, fugitivas, etc.) e tipos de atividades (produção de eletricidade, transporte, geração de eletricidade comprada que é vendida para os usuários finais, etc.) foram fornecidos? As emissões atribuíveis à própria geração de eletricidade, calor ou vapor, que é vendido ou transferido para outra organização foram fornecidas? As emissões atribuíveis à geração de eletricidade, calor ou vapor, que é comprada para revenda a usuários não finais foram relatadas? Uma descrição do desempenho medido contra benchmarks internos e externos foi fornecida? Sim. Sim. Embora sejam gerados e exportados energia elétrica e vapor, as emissões geradas pela sua produção não são deduzidas das emissões totais da empresa. N.A. N.A. 4 Informações opcionais a serem inseridas no Inventário de gases de Efeito Estufa. Apenas para o critério GHG Protocol. 33

35 As emissões de GEE não abrangidos pelo Protocolo de Quioto (por exemplo, os CFC, NO x ), foram informadas separadamente por escopos? Os indicadores relevantes da taxa de desempenho (por exemplo, as emissões por quilowatt-hora gerado, as toneladas de produção material, ou vendas) foram fornecidos? Um esboço de uma gestão / programas / ou estratégias de redução de GEE foi fornecido? Qualquer informação sobre quaisquer disposições contratuais relacionadas aos riscos e obrigações de GEE foi fornecida? Um esboço de qualquer verificação externa e uma cópia de qualquer declaração de verificação, se aplicável, dos dados de emissões foram fornecidos? As informações sobre as causas das mudanças de emissões que não provocaram um recálculo das emissões do ano-base (por exemplo, mudanças de processos, melhorias de eficiência, fechamento de fábricas) foram fornecidas? Não. Sim, tco 2 e/adt. SE AVD 04 Favor informar no Relatório Inventário de Gases Efeito Estufa o significado da sigla adt. Favor referir-se a AVD SE 01 e AVD SE 02. SE AVD 04 SE AVD 01 SE AVD 02 Não. Não. Favor referir-se à SAC AVD 02. SAC AVD 02 34

36 Os dados de emissões de GEE para todos os anos entre o ano-base e o ano de referência (incluindo detalhes e razões para os recálculos, se aplicável) foram fornecidos? As informações sobre a qualidade do inventário (por exemplo, informações sobre as causas e a magnitude das incertezas nas estimativas de emissão) e um esboço de políticas para melhorar a qualidade do inventário foram fornecidas? As informações sobre qualquer sequestro de GEE foram fornecidas? As informações sobre as compensações que foram compradas ou desenvolvidas fora do limite do inventário, subdivididos pelo GEE armazenamento / remoções e projetos de redução de emissões foram fornecidas? Os detalhes que os offsets estão verificados / certificados e/ou aprovados por um programa de GEE externo (por exemplo, o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL) foram fornecidos? Favor referir-se à SAC AVD 02. Sim, no anexo 17 do Relatório de Inventário de Gases de feito Estufa. Sim, na tabela Atividades Florestais/ Sinopse, do Relatório de Inventário de Gases de feito Estufa, foram apresentados as emissões e as remoções provenientes das atividades florestais da empresa. SAC AVD 02 Não. Não. 35

37 Informações sobre reduções nas fontes dentro do limite de inventário que foram transferidas como compensações a terceiros foram fornecidas? Mais detalhes que a redução foi verificada / certificada e/ou aprovada por um programa de GEE externo foram fornecidos? Não. Não. 36

38 TABELA 2: RESOLUÇÃO DAS SOLICITAÇÕES DE AÇÃO CORRETIVA E SOLICITAÇÕES DE ESCLARECIMENTO SAC ou SE SAC AVD 01 - Não foi evidenciada a existência de um procedimento de controle de documentos e de controle de registros. Referência item da Tabela Resposta do cliente No sistema integrado de gestão, existe procedimento documentado sobre controle de documentos e na última página do Manual, os documentos a serem controlados e áreas responsável Conclusão do time de verificação 07/02/2014 Além de a empresa ter um Sistema Integrado de Gestão, no qual existe um procedimento documentado para o Controle de Documentos, foi recebido o Manual de operações CARBON FOOTPRINT, revisão 02. Na página 29 desse Manual existe uma tabela Controle de Documentos, na qual constam todos os documentos controlados e a área responsável por sua emissão. A SAC AVD 01 foi 37

39 SAC AVD 02 O item 2.20 da Seção 2 Termos e definições da NBR ISO define como anobase o período histórico especificado com o propósito de comparar emissões e remoções de GEE ou outras informações relacionadas aos GEE ao longo do tempo e o GHG Protocol define como ano base uma data (um ano específico ou uma média de múltiplos anos) a partir da qual se controlam as emissões da empresa ao longo do tempo. No entanto, o Relatório Inventário de Gases Efeito Estufa da empresa Fíbria Celulose S.A. utiliza como ano base o ano que está sendo coberto pelo relatório A Fibria avalia anualmente suas emissões, comparando a performance com o ano anterior. No entanto, para fins de referência de ano-base, foi definido o ano de 2011, para cumprimento da meta de Longo Prazo da Fibria. Vide pagina 2, no final do resumo. fechada. 07/02/2014 Na aba Fibria Performance da planilha Excel Resumo 2013, podem ser encontradas as emissões dos escopos 1, 2 e 3, as emissões de biomassa, o total de emissões por site da empresa e o total de emissões da empresa desde o ano de 2008 até o ano de Além disso, há uma comparação entre cada ano e o ano anterior demonstrando a evolução dessas emissões ano a ano. Somente foi feita a comparação entre o ano de 2012 com o /ano base de 2011, faltando ainda a 38

40 comparação entre 2013 e o ano base de Como o Relatório Inventário de Gases de Efeito Estufa entregue aos verificadores se refere a Inventário de Carbono 2013 Ano Base 2012, favor informar onde pode ser encontrada a informação de que o Ano Base foi definido como o ano de A SAC AVD 02 não foi fechada. 01/03/2014 A resposta foi aceita. SAC AVD 03 No Relatório Carbon Footprint_2.0.pdf, a Na verdade, o valor de 51% é um valor arredondado. Conforme mencionado no relatório, foi utilizado a seguinte fórmula: Seq.Nativa Jac = Area *20%*70% +80%*Area*50% ; se fizer ponderado, dá A SAC AVD 02 foi fechada. 01/03/

41 informação Total Sequestration (inc. 51% of Conservation areas) da tabela Fibria Summarized Figures (in tones of CO2eq), na página 2 é diferente da informação Total Sequestration (inc. 50% of Conservation areas) da mesma tabela na página 17 do relatório. Também, o resultado 17,752,761 não pode ser obtido nem com a utilização de 51% nem com a utilização de 50%. SE AVD 01 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de Projetos para a Redução de Emissões nem de Projetos para o aumento das remoções de GEE. Existe uma previsão para a elaboração de projetos de melhoria para emissões da Fibria Celulose S.A.? 8.1 (ii) aproximadamente 54%; Se fizer ponderado pelas áreas, dá 51,7%. Anualmente é discutido no Comitê Interno de Sustentabilidade, o Potencial de Redução de Emissões. Além disso, foi definida uma meta de longo prazo, para dobrar o sequestro de carbono. Vide arquivo Potencial de Redução de Emissões.pptx A resposta foi aceita. A SAC AVD 03 foi fechada. 07/02/2014 Foi verificado o Relatório de Sustentabilidade 2011 onde aparece a meta de longo prazo de dobrar o sequestro de carbono, e o arquivo Potencial de Redução de Emissões. O esclarecimento foi aceito. A SAE AVD 01 foi 40

42 SE AVD 02 - Não foi evidenciada no Relatório de Inventário de Gases de Efeito Estufa a existência de Ações para a Redução de Emissões nem de Ações para o aumento das remoções de GEE. Foram definidas ações para reduzir ou prevenir emissões da Fibria Celulose S.A.? SAE AVD 03 Favor informar se o código de identificação MA do Manual de Operação Carbon Footprint, revisão 2 está correto. 8.1 (iii) Anualmente é discutido no Comitê Interno de Sustentabilidade, o Potencial de Redução de Emissões. Além disso, foi definida uma meta de longo prazo, para dobrar o sequestro de carbono. Vide arquivo Potencial de Redução de Emissões.pptx 8.1 (iv) MA fechada. 07/02/2014 Foi verificado o Relatório de Sustentabilidade 2011 onde aparece a meta de longo prazo de dobrar o sequestro de carbono e o arquivo Potencial de Redução de Emissões. O esclarecimento foi aceito. A SAE AVD 02 foi fechada. 07/02/2014 Apesar de o Relatório Inventário de Gases de Efeito Estufa ainda não estar terminado de modo a verificar no mesmo o código de identificação do Manual de Operação Carbon Footprint, o esclarecimento foi 41

43 aceito. A evidência será verificada por ocasião do recebimento do Relatório acima. A SAE AVD 03 não foi fechada. 01/03/2014 A resposta foi aceita. A SAE AVD 03 foi fechada. SAE AVD 04 Favor informar no Relatório Inventário de Gases Efeito Estufa o significado da sigla adt Vide Rodapé na página 2, e OBS no anexo 2 página, /02/2014 Apesar de o Relatório Inventário de Gases de Efeito Estufa ainda não estar terminado de modo a verificar no mesmo a inclusão do significado da sigla ADT, o esclarecimento foi aceito. A evidência será verificada por 42

THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO ATLÂNTICO TKCSA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA

THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO ATLÂNTICO TKCSA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA DO ATLÂNTICO TKCSA RELATÓRIO NO. BRASIL-VER/ BR. R.1793248 REVISÃO NO. 1 ANO INVENTARIADO 2013 BUREAU VERITAS CERTIFICATION

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Nasario de S.F. Duarte Jr. Resumo:o mercado de créditos de carbono assume proporções econômicas elevadas, e

Leia mais

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION Relatório 2014 Novo Olhar para o Futuro DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Fibria Celulose

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A. Nome fantasia: MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A.

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 B2W - Companhia Digital Nome fantasia: B2W - CNPJ: 00.776.574/0001-56 Tipo da empresa: Controlada Setor econômico:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Lojas Americanas SA Nome fantasia: Lojas Americanas - CNPJ: 33.014.556/0001-96 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa VIVO S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 22/06/2010

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015

Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015 Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015 Legislação aplicada Decreto Estadual n 45.229, de 3 de dezembro de 2009 Decreto Estadual n 46.674, de 17 de dezembro de 2014 Deliberação

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

Seção 2: Relatório de Validação

Seção 2: Relatório de Validação Registro de Atividade do Projeto MDL e Formulário de Relatório de Validação F-MDL-REG (Ao apresentar este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade proposta do projeto MDL atende

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Cosmeticos SA 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 20/04/2010

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Companhia Energética de Minas Gerais S.A (Cemig),

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de referência: 2012 Outubro de 2013 RIO DE JANEIRO - RJ Rio de Janeiro RJ. Telefone: +55-21-3256-7968

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Banco Bradesco S.A Nome fantasia: Organização Bradesco - CNPJ: 60.746.948/0001-12 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil Rachel Biderman Furriela Coordenadora Adjunta Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP FGV rachel.biderman@fgv.br www.fgv.br/ces

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1 página 1 Orientação sobre o registro de atividades de projetos no âmbito de um programa de atividades como uma única atividade de projeto do MDL (Versão 2.1) A Conferência das Partes na qualidade de reunião

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Seção 1: Pedido para registração

Seção 1: Pedido para registração Seção 1: Pedido para registração F-CDM-REG Formulário do relatório de registro e de validação de atividade do projeto de CDM (Submetendo a este formulário, a entidade operacional designada, confirma que

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS:

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: INVENTEARIOS DE EMISSÕES E METODOLOGIAS Carlos Henrique Delpupo 28 / 05 / 2010 CONTEÚDO 1.Visão geral 2. Inventário de Emissões 4. Mercado de carbono 5. Riscos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Sustentabilidade e Mudança Climática

Sustentabilidade e Mudança Climática Sustentabilidade e Mudança Climática 23 de Setembro 2009 Definindo uma Estratégia Corporativa para lidar com Mudanças Climáticas de forma sustentável Aceitar que o debate está concluído Entender a sua

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2009 Natura Cosméticos S/A Nome fantasia: Natura Cosmeticos SA - CNPJ: 71.673.990/0001-77 Tipo da empresa: Matriz Setor

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

RELATÓRIO INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA

RELATÓRIO INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA RELATÓRIO INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA Fibria Unidades Operacionais Jacareí Aracruz Três Lagoas Florestal Industrial Logística Inventário de carbono 2013 - Ano base 2012 Sequestro Emissões Sumário

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas. Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38

A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas. Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38 A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38 ISO WG5 Mudanças Climáticas ISO TC 207 - Environmental Management Working Group 5 Mudanças Climáticas Implantado em

Leia mais

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima Questionário ISE Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima 2016 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 6 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Seção 1: Solicitação de registro

Seção 1: Solicitação de registro Registro de Atividade de Projeto de MDL e Formulário do Relatório de Validação (Ao enviar este formulário, a Entidade Operacional Designada confirma que a atividade de projeto de MDL proposta atende a

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes - Fortaleza Nome fantasia: Deloitte - Fortaleza - CNPJ: 49.928.567/0013-55

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Workshop de Organismos de Validação e Verificação Rio de Janeiro, 12 de junho de 2013 Programa Brasileiro GHG Protocol Lançado

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Anidro do Brasil Extrações S/A Nome fantasia: Grupo Centroflora - CNPJ: 66.715.459/0002-60 Tipo da empresa: Holding

Leia mais