Os movimentos dos sem-teto da cidade de São Paulo: semelhanças e diferenças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os movimentos dos sem-teto da cidade de São Paulo: semelhanças e diferenças"

Transcrição

1 Os movimentos dos sem-teto da cidade de São Paulo: semelhanças e diferenças Nathalia C. Oliveira * Resumo: Nosso objetivo é entender quais as semelhanças e diferenças entre três dos principais movimentos dos sem-teto da cidade de São Paulo: MMC (Movimento de Moradia do Centro), MSTC (Movimento Sem-Teto do Centro) e MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto). Centrar-nos-emos, inicialmente e de maneira mais profunda, na semelhança entre eles. Estamos falando aqui das suas bases sociais e da classe social a qual pertencem os sem-teto. No que se refere às diferenças entre os três movimentos, abordaremos de maneira bem provisória (já que a pesquisa se encontra em andamento) suas respectivas orientações político-ideológicas, principalmente no que se refere à resistência ao neoliberalismo. Palavras-chave: Movimentos dos sem-teto; classes sociais; capitalismo neoliberal. Abstract: Our matter is to understand what are the similarities and differences among three of the main homeless movements from São Paulo city: MMC (Movimento de Moradia do Centro), MSTC (Movimento Sem-Teto do Centro) and MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto). Firstly, we will focus on the similarities, this mean, social basis and understanding about what social class the homeless belongs to. Secondly, we will start a brief discussion (since our research is still in process) about the different political-ideological orientations, mainly about the neoliberalism resistance. Keywords: Homeless social movements; social class; neoliberalism O texto a seguir é fruto de uma pesquisa ainda em desenvolvimento e nosso objetivo é iniciar uma comparação entre três dos principais movimentos dos sem-teto da cidade de São Paulo, no que se refere à base social, organização, reivindicações e orientações político-ideológicas. Para isso, escolhemos três movimentos, a saber, MMC (Movimento de Moradia do Centro), MSTC (Movimento Sem-Teto do Centro) e MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto). Centrar-nos-emos na semelhança entre os movimentos dos sem-teto, nos referindo aqui às suas bases sociais e à classe social a qual pertencem os sem-teto. Defendemos a importância de se analisar a base social dos movimentos sociais e assim identificar o seu caráter classista. No que se refere às diferenças entre os três movimentos, faremos apenas algumas constatações provisórias e indicaremos nossa hipótese principal a respeito da heterogeneidade das orientações polítco-ideológicas dos diferentes movimentos. * Mestranda em Ciência Política pela Unicamp, integrante do grupo Neoliberalismo e Relações de Classes, alocado ao Cemarx. End. eletrônico:

2 Semelhanças Classes sociais e movimentos sociais: Uma importante temática trazida pelos novos movimentos sociais é a idéia de se falar de igualdade e diferença ao mesmo tempo. Aliás, a igualdade está na base da reivindicação de ser e poder ser diferente. É interessante atentar que igualdade e diferença não devem ser considerados como coisas opostas, contraditórias e incompatíveis. Com isso, se tem a possibilidade de compreender melhor a diversidade e a heterogeneidade desses movimentos. E ainda temos a idéia de diferença dentro da diferença. Por exemplo, o grupo das feministas: dentro dele há diferenças entre as lésbicas, as negras, ou ainda, as pobres. Distintamente do sentido comum dado pelos autores, creio que essa noção da diferença dentro da diferença possibilita que compreendamos melhor a relação entre duas feministas: uma da classe trabalhadora e outra da classe burguesa, por exemplo. Elas são iguais e diferentes, sem que isso possa representar uma noção de contraditoriedade. Assim, percebe-se que os novos movimentos sociais exigem que sejam interpretados em suas diversas dimensões. Sendo que as principais pareceram ser: classes sociais e identidade; economia e cultura. No nosso entender, os autores que sabem da importância deste estudo em diversas dimensões, se diferenciam pela questão de ênfase : referencial teórico e ideologia do pesquisador. De um lado, e certamente este é o lado da maioria, se assume que é possível haver uma influência do econômico nas reivindicações e interesses dos movimentos, no entanto, isso não basta e é fundamental que se analise a cultura, os valores, identidades. De outro lado, tem-se que para uma análise da realidade é necessário que se leve em conta vários fatores: ideológicos, políticos e econômicos, sujeito e estrutura. No entanto, em última instância, é a estrutura que pauta grande parte das reivindicações e interesses, e as classes sociais são um dos elementos mais importantes para compreender os movimentos sociais e a luta política atual. É bem verdade que existem autores extremistas, tanto de um lado, como de outro. No entanto, creio que a maioria dos pesquisadores pensa na articulação das múltiplas determinantes. É pensando nesta articulação, porém com a ênfase maior no que se refere às classes sociais, que realizamos nossa pesquisa sobre os sem-teto.

3 Igualdade e diferenças É necessário entender que os movimentos dos sem-teto são constituídos por famílias, ou seja, participam deles pai, mãe, filhos, avós, jovens e crianças 1. Há, assim, uma grande diversidade entre os comportamentos, necessidades e ações desses membros. Podemos dizer que apesar de a base social ser semelhante nos três movimentos aqui pesquisados, certamente esta não é uma base homogênea no que se refere ao gênero, etnia, idade e identidades. Os sem-teto são homens, mas a maioria são mulheres, existem brancos e negros. Ao lado dos idosos estão as crianças, inclusive os recém-nascidos e os jovens sem preparo para o mundo do trabalho. Os sem-teto da cidade de São Paulo abrangem migrantes, pessoas advindas de outros estados brasileiros (em sua maioria nordestinos); paulistas, pessoas que deixam a zona rural para se lançarem no solo urbano; e também paulistanos, filhos de São Paulo que se encontram a margem da sociedade capitalista. Para além da luta dos sem-teto, há setores dos movimentos que ainda têm a luta contra a opressão feminina ou a luta contra a homofobia. O preconceito racial e o preconceito em relação aos migrantes nordestinos também devem ser mencionados. A renda média familiar dos sem-teto é muito baixa de modo que mesmo aqueles que ainda conseguem vender a sua força de trabalho (muitos se encontram desempregados) não têm condições de pagar um aluguel e, ao mesmo tempo, comprar alimento para a família. E isso é um dos principais fatores que une estas pessoas em movimentos reivindicatórios de moradia. Dessa maneira, se um homem ou mulher faz parte dos movimentos dos sem-teto é porque sua reivindicação imediata é a moradia, sua situação sócio-econômica não é nada favorável. E, apesar dos sem-teto terem trajetórias, gêneros, opções sexuais e identidades diferentes, estão todos na mesma luta, conseqüência de estarem na mesma situação socioeconômica, apesar de toda diversidade, de todas as diferenças, são iguais, são sem-teto. Pertencem à classe trabalhadora: explorada pelos capitalistas que no intuito de aumentar a sua riqueza, aumentam também a miséria da classe trabalhadora. Mulher, mãe e sem-teto É notória a forte presença das mulheres nos movimentos dos sem-teto e não seria justo deixar de discutir isto, já que, durante muito tempo, a mulher não esteve presente 1 Gonçalves (2005) fala que para o MST, a luta pela terra é considerada uma luta da família. Acreditamos assim que os movimentos os sem-teto também apresenta esta luta da família.

4 no mercado de trabalho e muito menos organizadas socialmente e politicamente. As relações sociais devem ser pensadas sim do ponto de vista do gênero, sem esquecer, no entanto, da grande importância das classes sociais. Souza-Lobo, em A classe operária tem dois sexos, demonstra que apesar de haver todo um universo da classe trabalhadora, esta possuía dois sexos e isso deveria ser aprofundado para que se pudesse fazer uma boa análise sociológica da realidade. Assim, Souza-Lobo introduz na análise elementos como a divisão sexual do trabalho, relações de gênero, dominação masculina, segregação ocupacional, etc. Lobo defende que há trabalhos próprios e qualificados para homens e mulheres, ou seja, há uma forte relação entre sexo e mercado de trabalho, há uma segregação ocupacional. Vide exemplo de atividades como empregada doméstica, babá e manicure. A divisão sexual do trabalho encontra reflexos na divisão de tarefas nas ocupações de prédios e terrenos realizadas pelos sem-teto. Por exemplo, no MMC (Movimento de Moradia do Centro) a portaria e segurança das ocupações ficam por conta dos homens, enquanto a parte da limpeza fica para as mulheres. Uma das lideranças ainda justifica que a segurança fica com os homens, principalmente no inicio da ocupação, porque os homens agüentam mais o impacto, embora as mulheres tivessem condições já que existem hoje muitas policiais femininas e seguranças mulheres. Nos acampamentos do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) as famosas cozinhas comunitárias, coletivas, são coordenadas principalmente por mulheres, copiando assim a lógica da divisão sexual do trabalho. Foi no MSTC (Movimento Sem-Teto do Centro) que encontramos mulheres na portaria, no entanto, não temos elementos suficientes para afirmar que neste movimento, nos momentos das ocupações, há um status de igualdade entre homens e mulheres e que a divisão sexual do trabalho é rompida. Mesmo porque ao mesmo tempo em que as mulheres estão na portaria, os homens são naturalmente considerados como retraídos para a cozinha. Nun (2000) se refere às profundas modificações que vêm ocorrendo por toda parte na estrutura ocupacional. O trabalhador típico, o operário industrial chefe de família, dá lugar para as mulheres sem cônjuge que sustenta a família com um emprego temporário e mal-remunerado no setor de serviços. A categoria de trabalho não qualificado se feminiza cada vez mais. O setor terciário é gueto ocupacional feminino e a concentração esta principalmente no emprego doméstico (Gonçalves, 2003). Quando a mulher entra no mercado de trabalho não há uma redefinição da esfera da família entre papéis de homens e mulheres, de modo que a

5 mulher fica aprisionada duplamente: casa e trabalho, tendo assim uma intensificação da carga de trabalho. Geralmente as mulheres participam de movimentos que são voltados para a reprodução social: creche, saúde, habitação, melhores condições de vida. Os movimentos sociais são, em grande parte, resultados de uma relação causal entre miséria e demanda. E é isso que pode explicar a grande participação das mulheres nos movimentos dos sem-teto. Ademais, existe a questão da maternidade. Não é raro encontrarmos muitas mulheres, chefes de famílias, que vão com seus filhos lutar por uma moradia, unindo-se aos movimentos dos sem-teto. Em algumas entrevistas com a base dos movimentos, muitas mulheres diziam estar naquela luta, nas situações precárias das ocupações, por causa de seus filhos, como tentativa de dar uma vida mais digna para eles. É mais que comum encontrarmos a presença de inúmeras mulheres grávidas ou com bebês, que participam das ocupações, inclusive, algumas delas entram em trabalho de parto durante os momentos críticos das ações de reintegrações de posse. O poder das mulheres nas ocupações passa a ser mais notório, há casos de ocupações em que o número de mulheres chega a 70% do total dos ocupantes. É comum serem as mulheres as coordenadoras dos movimentos dos sem-teto, são elas também as grandes lideranças das ocupações e acampamentos. Os movimentos dos sem-teto como um movimento classista O conceito de classe social utilizado aqui vem da tradição marxista que o relaciona com a posição que os agentes ocupam na estrutura produtiva. No entanto, uma classe social não é um dado exclusivamente econômico, como também não é apenas uma construção social, fundada nas relações concretas estabelecidas entre os agentes sociais. Assim, uma classe se define a partir da posição dos agentes na estrutura econômica, porém só se constitui enquanto classe nos conflitos, nas lutas, no processo de mobilização política que passa pela capacidade de agregar interesses e construir solidariedades. Deve-se pensar a classe social como um fenômeno, ao mesmo tempo, econômico, político, objetivo e subjetivo: (...) é no terreno das formações sociais em conjunturas especificas que se decide a formação do operariado como classe. Não há, no plano das relações de produção e das forças produtivas capitalistas, que representa o nível econômico do modo capitalista de produção, nada que torne inevitável, ao contrario do que sugere o economicismo, a formação da classe operaria como classe ativa. (...)

6 Mas não há, tampouco, uma formação de classe operária apenas no nível das práticas sociais (BOITO JR., 2003, p. 246). De acordo com Marx em O 18 Brumário de Luis Bonaparte, o conceito de classe social pode ser utilizado não somente nos momentos em que os agentes da produção estão mobilizados num embate em torno da preservação ou da revolucionarização da ordem vigente, mas sim no momento em que os agentes atuam no processo político visando manter ou conquistar posições na distribuição da riqueza ou na balança do poder. O conflito de classes aparece assim como um fenômeno político permanente e das maneiras mais distintas possíveis. Pensando nesta definição de classe, para dizermos que os movimentos dos semteto possuem um caráter classista, devemos verificar qual é a posição dos sem-teto na estrutura produtiva e de que maneira eles agregam interesses e constroem uma solidariedade. A posição dos agentes na estrutura produtiva: Os sem-teto necessitam vender a força de trabalho para conseguirem sobreviver, são, portanto, trabalhadores destituídos dos meios de produção. Numa formação social concreta, a configuração de classes sociais é mais completa de modo que tanto a classe trabalhadora, quanto a classe dominante devem ser pensadas no plural já que cada qual contém suas frações de classes com interesses econômicos diversificados (POULANTZAS, 1977). Com o processo de reestruturação produtiva, a bipolarização das classes sociais não se encontra tão bem definida (capitalista e operário de indústria) e, por isso, o conceito de frações de classes se tornam um bom recurso analítico. Sendo assim, acreditamos que os sem-teto, no que se refere ao nível da produção, pertencem à classe trabalhadora, ou melhor, a uma fração da classe trabalhadora que podemos denominar de massa marginal. Este conceito de massa marginal, dentro da concepção marxista, trata a marginalidade no nível das relações produtivas, e não de consumo. O debate a este respeito tem suas bases na teoria da população, elaborada por Marx no capitulo XXIII, A Lei Geral da Acumulação Capitalista, de O Capital e em Grundrisse.

7 Tal debate se deu de maneira intensa na década de 1970, dentro do contexto latino americano e acreditamos ser válido até os dias atuais. Destacaremos dois principais autores: José Nun e Lúcio Kowarick. Nun propõe uma nova categoria para designar as manifestações não funcionais do excedente da população: a massa marginal. Se por um lado o sistema gera este excedente, por outro, não precisa dele para continuar funcionando. Gera-se uma massa marginal não absorvível pelo setor hegemônico da economia e que não possui uma relação de funcionalidade com a acumulação, mas de afuncionalidade ou desfuncionalidade. Nun fala que a massa marginal se refere tanto aqueles que não têm emprego quanto aos que têm de forma precária, aos que não se encontram no setor das grandes corporações monopolistas (fora do tipo dominante de organização produtiva) e dá mais detalhes a respeito dos tipos básicos de implicação marginal no processo produtivo: 1) diferentes modos de fixação de mão-de-obra: a) rural por conta própria : comunidades indígenas, minifundiários de subsistência, pequenos mineiros; b) rural sob proteção : colonos sem-servis de fazendas tradicionais, comunidades dependentes ou cativas, trabalhadores vinculados por métodos coercitivos mais ou menos manifestos; c) urbano por conta própria : pequenos artesões pré-capitalistas, d) urbano sob patrão : trabalhadores, especialmente em serviços domésticos, adstritos a um fundo de consumo e que não recebem salário em dinheiro. 2) mão-de-obra livre de qualquer forma de enraizamento pré-capitalista, que fracassa, total ou parcialmente em seu intento de incorporar-se de maneira estável ao mercado de trabalho. A distinção que importa aqui é entre urbano e rural e as formas compreendidas são: desemprego aberto, a ocupação refúgio em serviços puros, o trabalho ocasional, o trabalho intermitente e o trabalho por temporada. 3) abrangem os assalariados dos setores menos modernos, onde as condições de trabalho são mais rigorosas, as leis sociais têm escassa aplicação e as remunerações oscilam em torno do nível de subsistência. Nun (1978, p. 125) conclui: Até aqui me referi, sobretudo à instancia econômica porque constitui ela o nível básico de emergência do problema da superpopulação relativa, cujas relações com o sistema nos marcos do capitalismo permitem distinguir uma marginalidade funcional, a do exercito industrial de reserva, e outra não funcional, a da massa marginal.

8 Kowarick não distingue a massa marginal do exército industrial de reserva e por isso a população marginal não é disfuncional ao capitalismo. A massa marginal garante sua funcionalidade ao capitalismo porque funciona como exército industrial de reserva, servindo assim para que os salários sejam fixados a preços muito baixos devido à concorrência entre os trabalhadores (barateamento do custo da reprodução da força de trabalho). E a segunda função está no que se refere ao momento da expansão do capital, momento em que os trabalhadores são lançados em diferentes e novos pontos da produção, participando de testes sem que isso prejudique os outros ramos. A marginalidade é inerente ao sistema capitalista, embora se apresente de maneira diferente entre os países: nos desenvolvidos apresenta-se como um fenômeno transitório, não permanente; já na América Latina, é algo constante e cada vez maior. Kowarick afirma que o capitalismo monopolista não é um novo capitalismo, a essência da acumulação é a mesma: exploração do trabalhador através do qual efetiva a criação de mais valia. Se a população sobrante aumenta, isso não implica dizer que ela deixa de ter funções para o capital. No entanto, Kowarick não nega que tenha havido algumas mudanças entre o capitalismo competitivo e o monopolista, porém isso não é o suficiente para negar a existência de uma grande identidade entre os conceitos: exército industrial de reserva e massa marginal (mão de obra marginalizada). Segundo a definição de Kowarick, um grupo deve ser caracterizado como marginal, na medida em que encarna as novas relações de produção não tipicamente capitalistas (terceiro setor) e/ou as velhas formas tradicionais (artesanato e indústria domiciliar). A parcela marginal da sociedade é um segmento da classe trabalhadora que se distingue do assalariado a partir de um modo peculiar de inserção nas estruturas produtivas, não tipicamente capitalistas, mas também não destituída de importância no processo de acumulação. Como forma de diferenciar o trabalhador assalariado do trabalhador marginal, Kowarick diz que enquanto o primeiro sofre uma exploração intensiva, o segundo sofre uma exploração extensiva aqui se faz referência à baixa remuneração, insegurança no emprego, divisão rudimentar das tarefas e baixa tecnologia. Kowarick nos apresenta os diferentes tipos de empregos que indicam modalidades de inserção marginal nas estruturas produtivas: artesanato, trabalhador autônomo, comercio de mercadorias (ambulantes), prestação de serviços (alojamento, alimentação, reparação e instalação de máquinas e atividades domésticas remuneradas.

9 Assim, temos de um lado a funcionalidade da massa marginal, que ela faz parte do exército industrial de reserva e, de outro lado, temos a afuncionalidade ou até mesmo a desfuncionalidade desta massa. No entanto, estamos falando aqui de funcionalidade estritamente econômica, se ampliarmos para as esferas políticas e ideológicas fica muito difícil de negar a idéia de funcionalidade da massa marginal. De acordo com Oliveira (1997), mesmo um menino de rua que vive de pequenos roubos, teria sua utilidade indireta ao capital no sentido de que serve como contraexemplo para os bons filhos dos trabalhadores que precisam ser disciplinados. Temos então uma funcionalidade ideológica da massa marginal. Apesar da discordância no que se refere à funcionalidade, parece haver um consenso entre os autores no que se refere a quem são os trabalhadores marginais. Esses seriam aqueles que estão à margem do tipo de organização produtiva dominante: indústria monopolista. Eles seriam, portanto: subempregados, desempregados, com trabalho temporário (os chamados bicos ), ou ainda, deixam de ser trabalhadores assalariados e passam a ser autônomos (como por exemplo, os camelôs). E como sabemos, os sem-teto possuem uma absorção pelo mercado de trabalho capitalista semelhante a dos trabalhadores marginais. Daí afirmamos que a maioria dos sem-teto são trabalhadores marginalizados. Fizemos uma listagem das principais ocupações dos sem-teto 2. Muitos deles se encontravam desempregados e as principais profissões mencionadas foram: pedreiro, ajudante/servente de pedreiro, auxiliar de entregas, metroviário, cobrador de lotação, caminhoneiro, garçom, lavador de carros, camelô, ambulante, comerciante, ajudante geral, auxiliar de serviços gerais, mecânico, pintor de paredes, soldador, doméstica, diarista, cozinheira, garçonete, auxiliar de enfermagem, aposentada, costureira, exlavradora e dona de casa. Estamos falando aqui, portanto, de trabalhadores marginalizados. A construção social da classe: a reunião dos agentes em coletivos A construção de uma classe passa pela idéia de ser e de se reconhecer como igual socialmente e portadores de interesses comuns. E é isso que acontece com os semteto ao perceberem que se encontram na mesma situação socioeconômica, partilham as mesmas necessidade e têm, portanto, os mesmo interesses, no caso aqui: uma moradia 2 Esta listagem foi fruto da análise de reportagens sobre os sem-teto na grande imprensa e da nossa observação durante a realização da pesquisa de campo.

10 digna para suas respectivas famílias. Agregando estes interesses vem a necessidade de organização do coletivo, de organização do movimento que reivindica a moradia. Trava-se assim uma luta política, uma luta de classes, ou melhor, uma luta entre frações de classes: os trabalhadores marginalizados versus os capitalistas imobiliários, além é claro, da presença do Estado. Com o que temos até aqui já é o suficiente para afirmarmos que os movimentos dos sem-teto são movimentos classistas, são compostos pela classe trabalhadora, mais especificamente, pelo setor mais pobre desta classe, a massa marginal. A principal reivindicação deste movimento é característica da classe trabalhadora: uma moradia digna já que os sem-teto não têm condições de se alimentarem e pagar um aluguel. No que se refere ao posicionamento político dos movimentos parecem haver diferenças, e será sobre essas que trataremos a seguir. Diferenças Reivindicações e orientações político-ideológicas: A reivindicação imediata dos movimentos dos sem-teto é uma moradia, é essa carência que os fazem se organizar em movimentos sociais. Essas pessoas vivem no constante (di) lema: Se pagar o aluguel, não come. Se comer, não paga o aluguel. Temos, portanto, como principais reivindicações o aperfeiçoamento dos programas habitacionais existentes e suas aplicações efetivas para a parcela mais pobre da população. Apesar da reivindicação de urgência dos diferentes movimentos dos semteto ser a mesma, os movimentos que atuam na periferia reivindicam moradia neste local, enquanto os movimentos que atuam no centro, objetivam conquistar um espaço na região central. O espaço de atuação não é a única diferença entre esses movimentos, eles também se diferem por suas orientações político-ideológicas e formas de organização. Poderíamos dizer que existem gradações de politização nos distintos movimentos. Um primeiro nível de politização poderia ser representado por um grupo de pessoas com habitação precária que se organiza para pressionar o governo para que consiga casa para elas; representaria uma luta localizada para resolver interesses localizados legítimos, mas localizados. Geralmente os ditos movimentos instantâneos (aqueles que se organizam e se desmobilizam rapidamente) são os que se encontram nesse primeiro nível de politização, eles são destituídos de qualquer sigla e não possuem relações com partidos políticos, nem têm uma ideologia definida. Tais

11 movimentos são constituídos de famílias que se encontram em uma mesma situação, por exemplo, são ex-moradores de uma favela que teve os barracos queimados em um incêndio. Então, essas famílias se unem, momentaneamente, para conquistarem uma moradia somente para aquele grupo, sem pretensões maiores. Saindo da luta local para a luta ampla, dirigida a todos que têm habitações precárias, estaremos saindo também do corporativismo para a política, ou seja, o problema habitacional é posto em outro nível, no nível da política de Estado, onde se pressiona um governo para que ele tenha uma política habitacional que resolva o problema da habitação no país. Os sem-teto (a base propriamente dita) do Movimento Sem-Teto do Centro (MSTC) falam claramente que suas lutas são estritamente por moradias, alguns falam de moradias para quem participa do movimento, outros, falam de moradia para todos aqueles que não as têm. Já as lideranças do MSTC possuem abertamente uma luta política, estão em busca de políticas habitacionais efetivas que atinjam a todos, principalmente os sujeitos que se encontram nas classes de mais baixa renda da sociedade. Talvez o Movimento de Moradia do Centro (MMC) se diferencie um pouco do outro movimento citado porque, apesar de grande parte da base deste movimento lutar por políticas habitacionais, percebemos que o coordenador geral do movimento, possui uma consciência e politização mais ampla, que consiste na crença de que a questão habitacional não será resolvida separadamente das outras áreas sociais, sendo necessário uma transformação social. Há ainda, um terceiro nível, e esse é o mais elevado. Trata-se daquele em que os movimentos dos sem-teto percebem que para mudar a política habitacional é preciso mudar toda a política econômica e social e concluem que com o bloco no poder vigente, tal política não mudará. Aí eles passariam da luta para influenciar o poder à luta pelo poder. Essa luta pelo poder, obviamente, possui limitações, e se refere aqui mais a uma forte resistência e contestação dos governos e do bloco no poder atual, podendo também aparecer a idéia de uma outra sociedade, socialista, talvez. As posições e resistências dos sem-teto parecem ser diferentes frente as Era FCH e a Era Lula, por isso, faz-se necessário discutir questões relacionadas às rupturas e continuidades entre essas duas Eras. A partir das idéias das lideranças do MTST, talvez pudéssemos dizer que neste terceiro nível estaria o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), já que este é um movimento que afirma surgir justamente porque tem princípios diferentes dos

12 movimentos urbanos já existentes. Además, na sua agenda aparece a necessidade da reforma urbana, juntamente com o questionamento do caráter mercantil da produção do solo urbano. Porém, nos questionamos se de fato há uma politização ampla, que transcenda a cúpula do movimento. Diante disso, aparece uma segunda hipótese em relação às orientações políticoideológica dos sem-teto. Enquanto o Movimento Sem-Teto do Centro e o Movimento Moradia do Centro estariam mais próximos do Partido dos Trabalhadores (PT), o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto se encontraria muito ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Isso poderia dar algumas pistas da diversidade de orientações políticoideológicas dos sem-teto. Obviamente que tudo isto deve ser melhor analisado e aprofundado, na fase posterior da pesquisa. Referências: BENOIT, Hector. O assentamento Anita Garibaldi. Entrevistas com lideranças do MTST. Crítica Marxista, São Paulo, nº 14, BENOIT, Hector. Entrevista: Luis Gonzaga da Silva: A luta popular pela moradia. Crítica Marxista, São Paulo, nº 10, BOITO Jr, Armando. A (díficil) formação da classe operária In: vários autores. Marxismo e Ciências Humanas. São Paulo: Xamã, GONÇALVES, R. Dinâmica sexista do capital: feminização do trabalho precário. Lutas Sociais, São Paulo, nº 9/10, GONÇALVES, Renata. Acampamentos: novas relações de gênero (com)fundidas na luta pela terra. Lutas Sociais, São Paulo, nº13/14, KOWARICK, Lucio. Capitalismo e marginalidade na América Latina. Rio de Janeiro, Paz e Terra, MARX, Karl. A lei geral da acumulação capitalista (cap. XXIII do Livro Primeiro). In:. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, (Col. Os Economistas). NUN, José. Superpopulação relativa, exército industrial de reserva e massa marginal In: PEREIRA, L. (Org). Populações Marginais. São Paulo: Duas Cidades, NUN, José. Marginalida y otras cuestiones. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Santiago, nº 4,1972. NUN, José. O futuro do emprego e a tese da massa marginal. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n º 56, OLIVEIRA, Luciano. Os excluídos existem? Notas sobre a elaboração de um novo conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n 33, Anpocs, PINHEIRO, Jair. Nem teto, nem mãe gentil: luta dos sem-teto pelo solo urbano em São Paulo. Lutas Sociais, São Paulo, nº 13/14, POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

A LUTA POR MORADIA DOS TRABALHADORES SEM-TETO BRASILEIROS. UMA REFLEXÃO SOBRE TRABALHO E MORIADIA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO NEOLIBERAL

A LUTA POR MORADIA DOS TRABALHADORES SEM-TETO BRASILEIROS. UMA REFLEXÃO SOBRE TRABALHO E MORIADIA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO NEOLIBERAL A LUTA POR MORADIA DOS TRABALHADORES SEM-TETO BRASILEIROS. UMA REFLEXÃO SOBRE TRABALHO E MORIADIA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO NEOLIBERAL Nathalia C.Oliveira Doutoranda em ciência política pela Unicamp e

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

As mulheres e os movimentos dos sem-teto no Brasil: análise das relações sociais de classes e sexos

As mulheres e os movimentos dos sem-teto no Brasil: análise das relações sociais de classes e sexos As mulheres e os movimentos dos sem-teto no Brasil: análise das relações sociais de classes e sexos Nathalia C. Oliveira* Resumo: Constatado que grande parte das bases sociais dos movimentos dos sem-teto

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira.

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira. A SUPEREXPLORAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO FEMININA NO BRASIL TAMARA SIEMANN LOPES (autora) 1 CINTHIA DE SOUZA(coautora) 2 Resumo: A inserção da mulher nas atividades econômicas passou a ser uma variável relevante

Leia mais

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas Para um mundo melhor, relações compartilhadas 6 Quem coloca a roupa na lavadora? 7 Quem vai à reunião da escola dos filhos? 8 Quem vai ao supermercado fazer as compras? Responda as questões abaixo optando

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST

Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST Djacira Maria de Oliveira Araujo 1 As relações de gênero decorrem de mudanças nas relações pessoais e embora as mudanças nas relações

Leia mais

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG.

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. ELIANA GARCIA VILAS BOAS* LEANDRA DOMINGUES SILVÉRIO** Ao participar dos debates propostos pela Linha de Pesquisa:

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Lutas sociais e relações de gênero: a participação das mulheres no MST. As mulheres sempre encontraram dificuldades para atuar no interior do processo

Lutas sociais e relações de gênero: a participação das mulheres no MST. As mulheres sempre encontraram dificuldades para atuar no interior do processo Lutas sociais e relações de gênero: a participação das mulheres no MST Renata Gonçalves Honório - PPG-UNICAMP As mulheres sempre encontraram dificuldades para atuar no interior do processo revolucionário.

Leia mais

Nathalia Cristina Oliveira Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política do IFCH / Unicamp

Nathalia Cristina Oliveira Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política do IFCH / Unicamp O acirramento da luta pelo solo urbano no centro da cidade de São Paulo: os proprietários imobiliários, os governos neoliberais e os movimentos dos sem-teto Nathalia Cristina Oliveira Mestranda do Programa

Leia mais

Cartilha de princípios

Cartilha de princípios Cartilha de princípios 2 MTST - Cartilha de princípios AS LINHAS POLÍTICAS DO MTST O MTST é um movimento que organiza trabalhadores urbanos a partir do local em que vivem: os bairros periféricos. Não é

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Natália Silva Colen 1

Natália Silva Colen 1 Novas formas de organização do trabalho e oportunidade de emprego: a economia solidária como dispositivo para inclusão das mulheres no mercado de trabalho GT: Economia Solidária e Cooperativismo Natália

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 1 MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA Autores: SOUZA, Juliana S., mestranda CTS UFSCar; Maria Zanin, professora Doutora CTS USFCar Email dos autores: soares.s.juliana@gmail.com;

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Temos encontrado com freqüência a Psicologia relacionada ao termo das Políticas Públicas. Isto é bastante positivo. Mas estes

Leia mais

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE.

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. Maria da Glória Gohn University of Campinas-Brazil 1 O paper da Profa Susan Eckstein analisa as novas tendências

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Área: Economia. Silvia Padilha

Área: Economia. Silvia Padilha 9 A relação entre trabalho, miséria e exclusão: uma breve análise da situação no mercado de trabalho das pessoas cadastradas no Programa Bolsa Família em Cascavel/PR no período de 2005 a 2007. Área: Economia

Leia mais

TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA

TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA Francisco Negrini Romero Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP Resumo A experiência de Economia Solidária em EJA é relatada, na cidade

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

O Minha Casa Minha Vida enxuga gelo

O Minha Casa Minha Vida enxuga gelo O Minha Casa Minha Vida enxuga gelo Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, diz que o programa privilegia somente construtoras e defende as ocupações, que chegarão às operadoras

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

MST: entre a possível constituição de classe nos acampamentos e o refluxo político-ideológico nos assentamentos

MST: entre a possível constituição de classe nos acampamentos e o refluxo político-ideológico nos assentamentos 1 MST: entre a possível constituição de classe nos acampamentos e o refluxo político-ideológico nos assentamentos Eliel Machado e Renata Gonçalves** Sobre diferentes formas de propriedade, sobre as condições

Leia mais

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER A condição da mulher na sociedade de classes: o machismo a serviço do capital Danielle Sampaio Albuquerque Niágara Vieira Soares Cunha O presente artigo tem como objetivo por em evidência a constituição

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011

Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011 Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011 TÍTULO DO TRABALHO Relação Movimentos Sociais e Intelectuais na Formação Política de Temática

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Sistemas de produção e gênero na agricultura familiar

Sistemas de produção e gênero na agricultura familiar Fazendo Florianópolis, Gênero de 8 25 - Corpo, a 28 de Violência agosto de e Poder 2008 Sistemas de produção e gênero na agricultura familiar Vilênia Venâncio Pôrto Aguiar; Edenilse Pellegrini da Rosa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) Dispõe sobre atendimento diferenciado à mulher chefe de família nos programas habitacionais populares, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Gabarito das questões de SOCIOLOGIA Questão 01 - Explique como o trabalho se

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Débora de Fina Gonzalez Introdução A consolidação da participação feminina no mercado de trabalho coloca em pauta

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

A relevância de classe no debate da desigualdade Classe social e gênero, intersecções.

A relevância de classe no debate da desigualdade Classe social e gênero, intersecções. A relevância de classe no debate da desigualdade Classe social e gênero, intersecções. Juliana Anacleto dos Santos Mestranda em Ciências Sociais PPGCSO/UFJF Os estudos sobre classes sociais trazem à luz,

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução A presença da mulher nos cuidados em saúde ST. 27 Elenice Pastore Luisa Dalla Rosa Universidade de Passo Fundo Palavras-Chave: Relações de gênero flexibilização do trabalho saúde As relações de gênero

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação

Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação O movimento tem projeto político e objetiva: Contribuir com a organização, articulação e fortalecimento dos movimentos de moradia no estado de São

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL O 22º CONSINASEFE aprovou a reorganização do GT Gênero e Raça, criado no IX CONSINASEFE realizado em Florianópolis em 1996, agora com o nome de GT Gênero, Raça,

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA Andrea Palmerston Muniz 1 Jones Ferreira Matos 2 Lília Mara Sousa Ribeiro 3 Marciene Batista Soares 4 RESUMO: O presente

Leia mais

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA?

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? Carmen Gomes Macedo 1 Ednéia Alves de Oliveira 2 Resumo Este projeto objetiva

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Acerca do saber e da prática de enfermagem

Acerca do saber e da prática de enfermagem Acerca do saber e da prática de enfermagem Juan Stuardo Yazlle Rocha* * Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP, O estudo do Saber e da Prática da Enfermagem, desde uma perspectiva histórico-social,

Leia mais