Miguel Reis e Silva ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL: ALGUMAS REFLEXÕES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Miguel Reis e Silva ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL: ALGUMAS REFLEXÕES. www.institutovaloresmobiliarios.pt"

Transcrição

1 ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL: ALGUMAS REFLEXÕES

2 ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL: ALGUMAS REFLEXÕES * MIGUEL REIS E SILVA ** SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Acções sem valor nominal: 2.1. Conceito. Seus elementos; 2.2. Acções; 2.3. Valor nominal. O capital social; 2.4. Proposta de definição de acções sem valor nominal. 3. Enquadramento do Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio. 4. Finalidades do Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio. 5. O regime português das acções sem valor nominal: 5.1. Acções sem valor nominal como acções-parcela; 5.2. As acções sem valor nominal como instituto central de Direito societário; 5.3. Princípios essenciais do regime das acções sem valor nominal; 6. Conclusão 1. Introdução O recente Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, mediante uma alteração ao CSC 1, consagrou, no ordenamento jurídico português, a possibilidade de as sociedades anónimas e em comandita por acções emitirem acções sem valor nominal, constituindo, por isso, um inquestionável marco no sistema jurídico societário e mobiliário nacional 2. Até à entrada em vigor deste decreto-lei 3, a emissão de acções sem valor nominal encontrava-se legalmente interditada 4, não obstante a sua admissibilidade fosse há muito * O presente estudo corresponde, com algumas alterações, ao trabalho final apresentado para avaliação no XV Curso de Pós-Graduação em Direito dos Valores Mobiliários, promovido pelo Instituto dos Valores Mobiliários, no ano lectivo de ** Advogado. 1 Pertencem a este diploma as disposições legais citadas sem a indicação da respectiva fonte, excepto se o contrário resultar manifestamente do contexto. 2 O impacto do Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, sobre o Direito societário e mobiliário português é dobrado pela circunstância de este diploma ter efectuado a transposição da Directiva 2007/36/CE, de 11 de Julho, do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa ao exercício de certos direitos pelos accionistas de sociedades cotadas, publicada no JOUE L, n.º 184, de 14 de Julho de 2007, pp , comummente denominada por Directiva dos Direitos dos Accionistas. 3 O Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio que, surpreendentemente, atenta a sua indiscutível importância, não contém qualquer disposição reguladora da sua aplicação no tempo, entrou em vigor em 24 de Maio de 2010, nos termos do disposto no art. 2.º, n. os 2 e 4, da Lei n.º 74/98, de 11 de Novembro.

3 sustentada entre nós 5 e apesar de uma certa tendência legislativa para a superação do conceito de valor nominal (ainda que sem prescindir dele) 6. Tendo embora decorrido mais de um ano sobre o começo da vigência do regime das acções sem valor nominal e sendo já abundante a literatura sobre o tema 7, a irrecusável relevância do novo quadro legal, bem como dos seus reflexos sobre o regime dos actos societários praticados por sociedades emitentes de acções sem valor nominal, convida ao exame mais detido das soluções introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio. É este o tema em estudo. 2. Acções sem valor nominal 2.1. Conceito. Seus elementos A análise das alterações introduzidas ao CSC pelo Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, e a correcta apreciação do seu impacto no sistema jurídico supõem o conhecimento 4 O art. 276.º, n.º 1, na sua redacção anterior à introduzida pelo Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, declarava peremptoriamente que [o] capital social e as acções devem ser expressos num valor nominal, assim tornando inadmissível, no Direito pregresso, a emissão de acções sem valor nominal. 5 Vide 3., infra. 6 Reportamo-nos ao antecedente legislativo próximo do Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, o Decreto-Lei n.º 64/2009, de 20 de Março, que estabelecia mecanismos extraordinários de diminuição do valor nominal das acções das sociedades anónimas (cfr. o respectivo art. 1.º). No entanto, como adiante se dirá (cfr. 3., infra), o que este diploma, na verdade, possibilitava era a redução extraordinária do próprio capital social das sociedades anónimas, através de dois mecanismos distintos, que assentavam na diminuição do valor nominal das acções emitidas. 7 Sobre o novo regime das acções sem valor nominal, vide ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO, Acções sem valor nominal, Revista de Direito das Sociedades, ano 2, n. os 3 e 4, Coimbra, Almedina, 2010, pp ; PAULO DE TARSO DOMINGUES, As acções sem valor nominal, Direito das Sociedades em Revista, ano 2, vol. 4, Coimbra, Almedina, 2010, pp ; PAULO DE TARSO DOMINGUES, As acções sem valor nominal no Direito português, in AAVV: I Congresso Direito das Sociedades em Revista, Coimbra, Almedina, 2011, pp ; PAULO DE TARSO DOMINGUES, Traços essenciais do novo regime das acções sem valor nominal, in PAULO DE TARSO DOMINGUES / MARIA MIGUEL CARVALHO (coord.), Capital social livre e acções sem valor nominal, Coimbra, Almedina, 2011, pp ; PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções sem valor nominal, Coimbra, Coimbra Editora, 2011; e PAULO OLAVO CUNHA, Aspectos críticos da aplicação prática do regime das acções sem valor nominal, in PAULO DE TARSO DOMINGUES / MARIA MIGUEL CARVALHO (coord.), Capital social livre e acções sem valor nominal, Coimbra, Almedina, 2011, pp

4 prévio do conceito de acções sem valor nominal, tornando-se, portanto, necessário proceder à sua delimitação. Atentando na expressão acções sem valor nominal, constatar-se-á que a mesma é construída através da articulação de dois conceitos bem vincados de Direito societário: acções e valor nominal. O primeiro releva positivamente, permitindo a identificação do género: estão em causa acções e não quaisquer outras participações sociais ou valores mobiliários. O segundo releva negativamente, possibilitando a identificação da espécie dentro do género: trata-se de acções caracterizadas pela circunstância de não terem valor nominal. Importa, pois, analisar em que consistem estas realidades Acções O vocábulo acção cunhado pelo legislador, mas por ele não definido é signo polissémico que, historicamente, tem comportado três significados distintos: modalidade da participação ou direito social (Aktienrecht); forma de representação da participação ou direito social (Aktienurkunde); e fracção do capital social (Quote des Grundkapitals) 8 / 9. Examinemo-los sucessivamente. 8 Esta construção deve-se aos trabalhos de ACHILLES RENAUD, Das Recht der Aktiengesellschaften, Leipzig, Bernhard Tauchnitz edt., 1875, p Sobre o conceito de acção no Direito português, vide JOÃO LABAREDA, Das acções das sociedades anónimas, Lisboa, AAFDL, 1988, pp. 5 e ss.; JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, Direito dos Valores Mobiliários, vol. II, Coimbra, Coimbra Editora, 2001, pp (existe separata); JOSÉ A. ENGRÁCIA ANTUNES, Os instrumentos financeiros, Coimbra, Almedina, 2009, pp , em especial pp ; PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades comerciais, 4.ª ed., Coimbra, Almedina, 2010, pp ; e PAULO CÂMARA, Manual de Direito dos valores mobiliários, 2.ª ed., Coimbra, Almedina, 2011, pp

5 Numa primeira acepção, a acção é a modalidade da participação social (ou direito social 10 ) nas sociedades anónimas e nas sociedades em comandita por acções 11, ou seja, a socialidade ou condição de sócio, apresentando-se, por essa razão, como a medida da posição, absoluta e relativa, do sócio naqueles tipos sociais 12. Neste sentido, a acção é uma situação jurídica complexa, formada por um conjunto concatenado de situações jurídicas, activas e passivas, indissociáveis da condição de sócio de sociedade anónima ou de sociedade em comandita por acções 13 / 14. Paralelamente, o termo acção é utilizado para designar o título representativo da participação social. Neste caso, a acção corresponderá à própria forma de representação da participação social e não à participação social, que será, então, tomada como realidade abstracta Entre nós, JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, p. 62, refere-se à acção como modalidade da participação social e modalidade do direito social, indistintamente. No entanto, esta relação de sinonímia afigura-senos de rejeitar (cfr. nt. 14, infra). 11 Cfr. os arts. 271.º e 478.º. 12 A doutrina é, aliás, convergente neste ponto. Reenvia-se para os autores mencionados na nt. 9, supra. 13 Como manifestação da indissociabilidade das situações jurídicas que integram a participação accionista, tenha-se presente o princípio da proibição do pacto leonino, consagrado no art. 22.º, n.º 3 (cfr., também, o art. 994.º do CCiv): é nulo o acordo por meio do qual se determine a exclusão de um sócio da comunhão dos lucros ou a sua isenção da participação nas perdas da sociedade. Dito de outro modo, são incompatíveis com a socialidade a exclusão do direito aos lucros e a isenção do dever de participar nas perdas. Isto é, não pode uma participação social congregar, tão-só, situações jurídicas activas ou, apenas, situações jurídicas passivas. Em síntese: ubi commoda, ibi incommoda. Não deve, todavia, confundir-se a indissociabilidade das situações jurídicas que formam a acção em relação à condição de sócio com a sua incindibilidade. Efectivamente, certos direitos inerentes à participação accionista maxime, o direito ao dividendo, ou seja, à fracção do lucro distribuível correspondente à acção, uma vez deliberada a sua distribuição (cfr. PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, p. 298) são destacáveis, podendo ser alienados ou onerados. Porém, mesmo na hipótese de destaque, a fonte última dos direitos inerentes destacados é a condição de sócio: o direito destacado existe por causa da socialidade. Ademais, diga-se que o destaque dos direitos inerentes à acção não afecta o conteúdo desta, nem a posição do accionista. 14 A definição oferecida em que os autores convergem impõe a rejeição da relação de sinonímia entre participação social e direito social, na medida em que a primeira, sendo uma situação jurídica complexa, e, portanto, composta por situações jurídicas activas e passivas, não pode ser entendida como direito subjectivo permissão normativa específica de aproveitamento de um bem, na fórmula de ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO, Tratado de Direito civil português, vol. I, Parte geral, t. I, 3.ª reimp. da 3.ª ed. (2005), 2011, pp Conferindo, embora, a titularidade de certos direitos subjectivos, como o direito de quinhoar nos lucros, de participar nas deliberações de sócios, de obter informações sobre a vida da sociedade e de ser designado membro dos órgãos de administração e de fiscalização da sociedade (cfr. o art. 21.º, n.º 1), a condição de sócio acarreta, igualmente, determinados deveres e obrigações, como os de realizar entradas e de quinhoar nas perdas (cfr. o art. 20.º). Assim, só a expressão participação social permite retratar, adequadamente, a condição de sócio. 15 Assim, JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, p. 64.

6 Semelhante entendimento do conceito de acção escora-se numa razão histórica: as primeiras sociedades anónimas e em comandita por acções emitiram títulos 16, documentos em papel representativos das respectivas participações sociais. Intui-se, com relativa facilidade, que esses títulos, representando as acções rectius, as participações sociais, se confundiram, erradamente 17, com elas, generalizando-se, consequentemente, o uso do signo acções como referência aos títulos representativos das participações accionistas. Não obstante a necessidade de representação da participação social seja justificada, por razões de reforço da segurança no tráfego jurídico e da confiança na existência e no conteúdo da situação jurídica representada 18, a referência à acção enquanto forma de representação tenderá a perder relevância, por diversas razões 19. Como é sabido, a nossa lei admite, actualmente, duas formas de representação das participações accionistas: a representação cartular e a representação escritural. A primeira modalidade, correspondendo à técnica de representação clássica, consiste na emissão de um documento em papel (título) que incorpora a participação social, ao passo que a segunda se traduz no registo informático da participação accionista numa conta aberta em nome do respectivo titular junto de um intermediário financeiro integrado em sistema centralizado, de um único intermediário financeiro indicado pelo emitente, ou da própria sociedade emitente Questão mais delicada é a da qualificação, ou não, da acção como título de crédito, a que a doutrina vem respondendo afirmativamente: cfr., por todos, JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, pp Sobre a noção de título de crédito, vide PAULO OLAVO CUNHA, Cheque e convenção de cheque, Coimbra, Almedina, 2009, pp Dizemos erradamente, pois, como, com toda a propriedade, nota JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, p. 64, o título é, apenas, um instrumento de representação da posição social, que não se apresenta, portanto, como essencial. Só assim se compreende que a perda ou a destruição do título não afectem a participação social, mas somente dêem origem à sua reconstituição ou reforma judicial (cfr. o art. 51.º do Cód.VM e os arts º e ss. do Código de Processo Civil). Convergentemente, embora a propósito dos valores mobiliários em geral, PAULO CÂMARA, Manual, p Cfr. JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO, As acções, p Cfr., por todos, PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, p Cfr. os arts. 46.º, n.º 1, 61.º e 65.º, n.º 1, do Cód.VM.

7 A forma de representação escritural constitui o resultado de uma natural evolução do sistema jurídico societário e mobiliário, na medida em que o legislador, sem perder de vista a necessidade de assegurar a certeza no tráfego, tem vindo a desenvolver um esforço de remoção dos obstáculos de ordem formal à desejada celeridade do comércio jurídico, que caracteriza o universo em que se movem as sociedades comerciais. Ora, reconhecendo-se, hoje, que a acção tanto pode ser representada por um título, como por um simples registo em conta, não tem sentido encará-la como forma de representação da participação social, já que semelhante entendimento assenta num pressuposto de exclusividade da forma de representação cartular 21. Para mais, deverá recordar-se, a propósito das acções admitidas à negociação em mercado regulamentado, que os accionistas não estabelecem, necessariamente, um contacto directo com as mesmas 22. A acção é, ainda, entendida como uma fracção do capital social, por meio da qual é determinada a posição do respectivo titular numa sociedade anónima ou em comandita por acções. A acção funcionará, assim, como a medida concreta dos direitos e deveres do seu titular. Recentemente, também esta acepção do conceito de acção tem merecido crítica de alguma doutrina, com fundamento na possibilidade de emissão de acções representativas, não do capital social, mas do património da sociedade 23. Sendo, contudo, certo que, nalguns ordenamentos jurídicos, as acções podem representar o próprio património da respectiva sociedade emitente e não o seu capital social v.g. as chamadas no par value shares características do Direito norte-americano, cumpre reconhecer que essa realidade corresponde a um traço identitário dos sistemas jurídico- 21 Sem prejuízo do que dissemos, deverá ter-se presente que a lei, ao qualificar a acção como valor mobiliário (cfr. o art. 1.º, al. a), do Cód.VM) e ao definir o valor mobiliário como documento representativo de situações jurídicas homogéneas, susceptível de transmissão em mercado (cfr. o art. 1.º, al. g), do Cód.VM), mantém, ainda, actual o entendimento da acção como documento. Cfr., sobre este ponto, nt. 25, infra. 22 Neste sentido, vide PAULO CÂMARA, Parassocialidade e transmissão de valores mobiliários, Lisboa, FDL, 1996, pp Vide PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp

8 societários não enformados pelo regime do capital social 24. Relativamente a estes, e somente estes, o argumento colhe. Porém, a crítica já improcederá quanto aos sistemas jurídico-societários de matriz europeia, como o português, em que o regime do capital social é fundamental e imprescindível. Enquanto assim for, a acção é (e deve ser percepcionada como) uma fracção do capital social. E mesmo que o que vem de dizer-se não procedesse, cabe recordar que, nos termos do art. 271.º, nas sociedades anónimas e em comandita por acções (nestas, por remissão do art. 478.º), o capital é dividido em acções. Valem, aqui, portanto, as presunções de que o legislador soube expressar o seu pensamento em termos adequados e de que consagrou as soluções mais acertadas (cfr. o art. 9.º, n.º 3, do CCiv). A par destes significados, o termo acção adquiriu, recentemente, um outro sentido: o de valor mobiliário, como resulta directamente do art. 1.º, al. a), do Cód.VM. A acção é, deste modo, uma realidade compósita que agrega as situações jurídicas representadas e a forma de representação, unidas em torno da aptidão circulatória, ou seja, uma posição jurídica representada 25. Retenha-se, de entre as várias acepções apresentadas, a de acção enquanto participação social. 24 Sobre a relação entre as no par value shares e a superação do conceito (ou do dogma) do capital social, vide PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, pp PAULO CÂMARA, Manual, p Apenas esta noção permite superar as insuficiências da definição legal de valor mobiliário (documento representativo de situações jurídicas homogéneas, susceptível de transmissão em mercado), que desconsidera, no que à acção respeita, que a mesma é, prima facie, a própria participação social nas sociedades anónimas e em comandita por acções, que o documento representa. Propondo um conceito mais abrangente de valor mobiliário, cfr. JOSÉ A. ENGRÁCIA ANTUNES, Os instrumentos, pp Como valor mobiliário, a acção é, nos termos do art. 2.º, n.º 1, al. a), e n.º 2, do Cód.VM, um instrumento financeiro, ou seja, um instrumento jus-comercial, susceptível de criação e/ou negociação no mercado de capitais, cuja finalidade primordial [é] o financiamento e/ou a cobertura do risco da actividade económica das empresas (cfr. JOSÉ A. ENGRÁCIA ANTUNES, ob. cit., p. 7).

9 Contudo, mais do que o conhecimento do seus diversos significados, é decisivo para a compreensão do conceito de acção o conhecimento das respectivas características. Assim, da análise da lei e recorrendo ao esforço de sistematização desenvolvido pela doutrina, afirmar-se-á que as acções se caracterizam por serem indivisíveis, livremente transmissíveis, representativas da mesma fracção do capital social e susceptíveis de agrupamento 26. Prescreve o art. 276.º, n.º 6 (correspondente ao n.º 4, na redacção anterior à introduzida pelo Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio), que as acções são indivisíveis, isto é, que são absolutamente insusceptíveis de fraccionamento (stock split) 27 / 28. Importante característica das acções é, igualmente, a da sua livre transmissibilidade, que encontra acolhimento no art. 328.º, n.º 1. Aliás, no Direito societário português, são ilícitas as cláusulas de intransmissibilidade absoluta e as que restrinjam a transmissibilidade de acções não expressamente previstas no art. 328.º, n.º 2. Assim, as únicas limitações à regra da livre transmissibilidade das acções legalmente admitidas são: a subordinação da transmissão das acções nominativas ao consentimento da sociedade (cfr. a al. a) do n.º 2 do art. 328.º), o estabelecimento de um direito de preferência a favor dos restantes accionistas, na eventualidade de alienação de acções nominativas 26 Vide PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp Como nota PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp , a indivisibilidade das acções circunscreve-se às participações sociais, não afectando os títulos que as representam. Deste modo, caso, nos termos do art. 97.º, n.º 1, al. b), do Cód.VM, um título seja representativo de várias acções, o princípio da indivisibilidade das acções não constitui qualquer impedimento a que o respectivo titular solicite a divisão do título à sociedade emitente solução que resulta, aliás, do art. 98.º do Cód.VM. 28 PAULO CÂMARA, Manual, pp. 129, nota que esta característica vem perdendo relevância, como consequência da possibilidade de destaque dos direitos inerentes à acção, circunscrevendo-se, hoje, aos direitos ditos políticos (v.g., o direito à informação e o direito ao voto). Todavia, a indivisibilidade da acção não deve confundir-se com a incindibilidade das situações jurídicas, activas e passivas, que a compõem. Efectivamente, a indivisibilidade da acção significa que a própria posição accionista, entendida como um todo, é insusceptível de divisão, ou seja, não pode originar outras por vontade do respectivo titular (já o poderá ser, porém, por via de uma alteração do pacto social: neste sentido, PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, p. 115), ao contrário do que sucede com a posição quotista (cfr. o art. 221.º). Ora, a indivisibilidade da acção não implica que as situações jurídicas que esta congrega sejam incindíveis. Trata-se, na verdade, de conceitos que operam a diferentes níveis.

10 (cfr. o art. 328.º, n.º 2, al. b)) e a subordinação da transmissão de acções nominativas e da constituição de penhor ou de usufruto sobre elas ao cumprimento de determinados requisitos, objectivos ou subjectivos, conformes com o interesse social (cfr. o art. 328.º, n.º 2, al. c)). A regra é, pois, a inversa da vigente para as sociedades por quotas (cfr. o art. 228.º, n.º 2), o que se funda na necessidade de assegurar constante liquidez nos mercados de capitais 29. Como traço identitário das acções no sistema jurídico-societário português 30, cumpre referir, ainda, a circunstância de aquelas representarem a mesma fracção no capital social, como expressamente declara o art. 276.º, n.º 4. Por último, e na medida em que a lei ou o contrato de sociedade podem condicionar o exercício de alguns direitos sociais à titularidade de um certo número de acções v.g., o direito de exigir a prestação de informações por escrito, para o qual é necessária a titularidade de acções representativas de dez por cento do capital social (cfr. o art. 291.º, n.º 1), e o direito de voto nas deliberações da assembleia geral, que o pacto social pode atribuir apenas aos accionistas titulares de um determinado número de acções (cfr. o art. 379.º, n.º 5), a lei societária admite, enquanto manifestação do princípio da igualdade de tratamento entre os accionistas 31, o agrupamento de acções, ou seja, a agregação das acções de um accionista às de outro, com o específico propósito de exercício de direitos sociais, que, de outra maneira, estaria vedado. Recolhidos estes subsídios quanto ao conceito e às características das acções, passemos, agora, à análise do conceito de valor nominal. 29 Recorde-se, a propósito, a lição de ALEXANDRE BRANDÃO DA VEIGA, Transmissão de valores mobiliários, Coimbra, Almedina, 2004, p. 16: Os valores mobiliários existem para circular, valem em grande medida porque circulam, criam mercado porque o fazem. 30 Por seu turno, nos sistemas jurídico-societários não enformados pelo regime do capital social, as acções representam idênticas fracções do património da sociedade. 31 Sobre este princípio, cfr., por todos, PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp

11 2.3. Valor nominal. O capital social A referência a acções com valor nominal e a acções sem valor nominal é suficiente para se perceber que a toda a acção é atribuído um valor. Na realidade, são-lhe atribuídos diversos valores. Segundo registam alguns autores, a acção é susceptível de ter os seguintes valores: o valor nominal, correspondente a uma cifra invariável em dinheiro, formalmente ligado à acção e, bem assim, ao capital social (o qual, por sua vez, é computado pela soma do valor nominal da totalidade das acções emitidas); o valor contabilístico, obtido pelo quociente entre o valor do património líquido da sociedade e o número total de acções emitidas (book value); o valor real, calculado em função do número de acções da titularidade de certo accionista, e que constitui um instrumento de avaliação da respectiva posição relativa na sociedade emitente; o valor de mercado, que traduz o preço de aquisição de uma acção e que, tendencialmente, reflectirá o seu valor real; e o valor de cotação, o preço de aquisição de uma acção emitida por uma sociedade emitente de valores mobiliários admitidos à negociação em mercado regulamentado, determinado pelos agentes económicos 32. A estes somam-se, desde a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, o valor de emissão, que consiste na cifra em dinheiro, associada à acção (embora não formalmente) e temporalmente cingida ao acto societário da sua criação (emissão), aferido através do quociente entre o capital social e o número total de acções emitidas, e o valor percentual, que exprime a relação proporcional entre o número de acções detidas por um accionista e o capital social 33. Ora, de todos estes valores da acção, o valor nominal era aquele que maior relevância tinha, sob o ponto de vista jurídico, pelas suas implicações. 32 ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO / ADELAIDE MENEZES LEITÃO, anotação n.º 5 ao art. 276.º, in ANTÓNIO MENE- ZES CORDEIRO (coord.), Código das Sociedades Comerciais Anotado, 2.ª ed., Coimbra, Almedina, 2011, p Em boa verdade, o art. 44.º, n.º 1, al. b), do Cód.VM, já obrigava a que o valor percentual constasse do registo de emissão das acções escriturais e do título representativo das acções tituladas (em relação a estas, cfr. o art. 97.º, n.º 1, do Cód.VM).

12 Como é sabido, a ideia de valor nominal accionista é uma característica específica dos sistemas jurídico-societários enformados pelo regime do capital social, tornando-se, pois, essencial compreendê-lo e às suas implicações em termos gerais. As sociedades comerciais são pessoas colectivas de Direito privado cujo objecto é a prática de actos de comércio (cfr. o art. 2.º do CCom) e que se organizam em conformidade com um dos seguintes tipos societários consagrados no CSC (cfr. o art. 1.º, n.º 2): sociedade em nome colectivo, sociedade por quotas, sociedade anónima, sociedade em comandita simples e sociedade em comandita por acções. As sociedades comerciais têm por finalidade imediata o desenvolvimento de uma actividade económica e por finalidade mediata a obtenção de lucro. Naturalmente, para que possam desempenhar a sua actividade, deverão munir-se com os recursos indispensáveis e adequados à exploração da concreta actividade económica que pretendam exercer. Ora, o conjunto dos meios financeiros, em dinheiro ou em espécie, reunidos pelos sócios com vista ao desenvolvimento pela sociedade da respectiva actividade económica estatutária constitui o capital social, computado pela soma dos apports dos sócios, e que, aquando da constituição da sociedade e, bem assim, no momento inicial do exercício da actividade social, corresponde, a mais das vezes, ao respectivo património 34. Neste sentido, por capital social deve entender-se a cifra numérica, em dinheiro, expressa em euros, de valor constante 35, correspondente ao património de constituição da empresa Cfr. PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp Em bom rigor, o valor do capital social é, apenas, tendencialmente constante, dado que a lei permite o seu aumento (cfr. os arts. 87.º e ss.) e a sua redução (cfr. os arts. 94.º e ss.). 36 Vide PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, p. 460, que adapta e actualiza a lição de PAULO SEN- DIN, Curso de sociedades comerciais, Lisboa, AAFDL, policopiado, Ainda sobre o conceito de capital social, vide PAULO DE TARSO DOMINGUES, Variações sobre o capital social, Coimbra, Almedina, 2009, pp. 47 e ss..

13 Esta definição espelha a diferença entre capital social e património social, sendo este o valor apurado pela diferença entre o activo e o passivo da sociedade, tratando-se, portanto, de uma realidade mutável por natureza. O capital social é um conceito fundamental no Direito das sociedades comerciais português, desempenhando funções internas e externas. Por um lado, o capital social serve funções internas, de organização da vida societária. É através da ponderação da participação social que se determina a posição, absoluta e relativa, de cada sócio na respectiva sociedade. Paralelamente, o capital social representa um importante mecanismo de protecção dos sócios, na medida em que todos os sócios deverão contribuir equitativamente para a sociedade 37. Ademais, o princípio da proibição da emissão de acções por um valor inferior ao do respectivo valor nominal (emissão abaixo do par) constituía um importante obstáculo à diluição das participações dos primitivos accionistas, em consequência da subscrição de acções por terceiros, em grande quantidade e por um preço inferior ao pago por aqueles o que poderia importar uma alteração do controlo da sociedade. Por outro lado, o capital social, através do seu regime, constitui um factor de protecção de terceiros, assumindo um papel de garantia dos credores sociais 38. Pondo de parte aspectos de pormenor, afirma-se que o capital social é uma garantia dos credores pela consagração, entre nós, de dois princípios: o da intangibilidade do capital social e o da conservação do capital social. Vejamos em que termos. 37 PAULO DE TARSO DOMINGUES, O capital social como entrave ao financiamento das sociedades. Os novos conceitos e regime de capital social introduzidos pelo DL 64/2009 são solução?, Direito das Sociedades em Revista, ano I, vol. II, Coimbra, Almedina, 2009, p. 177, nt A centralidade do regime do capital social é, na verdade, pedra de toque dos sistemas jus-societários de matriz europeia. Recorde-se, a propósito, que a Segunda Directiva do Conselho em matéria de Direito das sociedades (Directiva 77/91/CEE, do Conselho, de 13 de Dezembro de 1976, JOCEE L, n.º 26, de 31 de Janeiro de 1977), comummente denominada por Directiva do Capital Social, proclamava, no seu quarto considerando, que devem ser adoptadas normas comunitárias para conservar o capital, que constitui uma garantia dos credores, proibindo, nomeadamente, que seja afectada por indevidas distribuições aos accionistas e limitando a possibilidade de a sociedade adquirir acções próprias.

14 Como se referiu, capital social e património social são conceitos inconfundíveis, muito embora o capital social corresponda, em regra, ao património inicial de uma sociedade comercial, necessário ao desenvolvimento da sua actividade. Ora, considerando que o capital social se destina, primeiramente, a dotar a respectiva sociedade comercial dos meios necessários ao início da sua actividade, assim como à sua implantação no mercado em que actua, impõe-se o reconhecimento da sua susceptibilidade de erosão no momento fundacional da sociedade, bem como durante o exercício da actividade social. Por aqui se vê que o capital social não é, em si mesmo, uma garantia dos credores da sociedade. Na verdade, entendida em sentido técnico-jurídico, a garantia dos credores sociais é o património da sociedade (cfr. o art. 601.º do CCiv). Neste contexto, o capital social é, tão-só, a medida relativamente à qual se determina se no decurso do funcionamento da sociedade resultou acréscimo ou diminuição do património social 39. Dito de outro modo, o capital social opera como bitola por meio da qual se afere a evolução do património de uma sociedade comercial (a garantia dos credores) 40. Estas considerações preliminares facilitam a compreensão do princípio da intangibilidade do capital social, de acordo com o qual o capital social tem como afectação exclusiva a reunião e a manutenção dos recursos necessários ao desenvolvimento da actividade compreendida no objecto social e não a satisfação dos interesses pessoais dos sócios. Concretizando a intangibilidade do capital social, e procurando garanti-la, o legislador consagrou, no art. 32.º, o princípio da conservação do capital social Cfr. FERNANDO OLAVO (apontamentos dos alunos ALBERTO XAVIER e MARTIM DE ALBUQUERQUE), Direito comercial, vol. II, Lisboa, AAFDL, policopiado, 1963, p Expressamente neste sentido, PAULO OLAVO CUNHA, O novo regime da redução do capital social e o artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais, in AAVV, Prof. Inocêncio Galvão Telles: 90 anos. Homenagem da Faculdade de Direito de Lisboa, Coimbra, Almedina, 2007, p

15 O art. 32.º, n.º 1, na redacção que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei n.º 185/2009, de 12 de Agosto, interdita a distribuição dos activos da sociedade aos respectivos sócios, quando o seu capital próprio 42, incluindo o resultado líquido do exercício, constante dos documentos de prestação de contas, elaborados e aprovados nos termos legais, seja inferior à soma do capital social e das reservas (legais ou estatutárias) não distribuíveis, bem como quando, em virtude da distribuição de bens, aquele se tornasse inferior ao valor da referida soma. O princípio da conservação do capital social tem por finalidade promover e garantir uma aproximação entre o capital social e o património social 43. O legislador, ao impor a intangibilidade e a conservação do capital social, procurou construir uma disciplina jurídica destinada e apta a assegurar que, durante o período em que a sociedade exercer a respectiva actividade, o seu património social não é inferior ao capital social 44. Em suma: o capital social corresponde ao núcleo intangível do património da sociedade (cifra de retenção do património social). Por isso, se diz que é a garantia dos credores 45 / 46. Dito isto, debruçamo-nos, agora, sobre o conceito de acções sem valor nominal. 41 Na realidade, a consagração deste princípio deriva de uma imposição comunitária: cfr. o art. 15.º, n.º 1, al. a), da Directiva do Capital Social. 42 Segundo o art. 349.º, n.º 2, entende-se por capital próprio o somatório do capital realizado, deduzidas as acções próprias, com as reservas, os resultados transitados e os ajustamentos de partes de capital em sociedades coligadas. Recordar-se-á, contudo, que o âmbito desta definição se circunscreve ao limite de emissão de obrigações por sociedades anónimas. Em termos gerais, vale a pena reter a noção proposta por PAULO OLAVO CUNHA, Direito das sociedades, pp : património (líquido) societário que é formado exclusivamente à custa de bens de que a sociedade beneficie com carácter de estabilidade, incluindo os que são necessários para cobrir o capital social acrescido das reservas legais (obrigatórias e especiais) acumuladas. 43 Convergentemente, PAULO DE TARSO DOMINGUES, Garantias da consistência do património social, in AAVV, Problemas do Direito das sociedades, 2.ª reimp. da 1.ª ed. (2002), Coimbra, Almedina, 2008, pp Contra, PAULO CÂMARA, anotação n.º 3 ao art. 32.º, in ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO (coord.), Código, p. 166, nt. 1, para quem o princípio da conservação do capital social visa somente promover a aproximação do capital social ao património social e não garanti-la. 44 PAULO DE TARSO DOMINGUES, O capital, p. 177, nt Na medida em que a distribuição de bens pelos accionistas nunca poderá afectar o capital social. 46 Não deve, no entanto, olvidar-se o preâmbulo do Decreto-Lei n.º 33/2011, de 7 de Março (que alterou o CSC, reduzindo o montante mínimo do capital social nas sociedades por quotas para dois euros e para um euro, nas sociedades unipessoais por quotas), que declara peremptoriamente que o capital social não representa uma garantia para os credores e, em geral, para quem se relaciona com a sociedade.

16 2.4. Proposta de definição de acções sem valor nominal Como é sabido, as acções representam a mesma fracção do capital social, nos sistemas jurídico-societários de matriz europeia, enformados pelo regime do capital social. Sem surpresa, o regime do capital social repercutia-se, com relativa naturalidade e até muito recentemente, sobre as próprias acções, as quais, consideradas nas suas múltiplas acepções, serviriam, também, para alcançar os objectivos prosseguidos com a instituição daquele regime 47. Por esta razão, a todas as acções era, necessariamente, atribuído um valor nominal, ou par 48, correspondente a um valor unitário, tendencialmente fixo 49, apurado por via da divisão da cifra do capital social pelo número total de acções emitidas 50, e que traduz o valor mínimo das entradas a realizar por cada participação accionista Por este motivo, o valor nominal é menção obrigatória do contrato de sociedade (cfr. o art. 272.º, al. a)), e, bem assim, do título representativo da acção nominativa (cfr. o art. 97.º, n.º 1, ex vi art. 44.º, n.º 1, al. b), do Cód.VM), e do registo da emissão da acção escritural (cfr. o art. 44.º, n.º 1, al. b), do Cód.VM). 48 Sobre a sinonímia entre valor nominal e par, cfr. o art. 298.º, n.º 1. Na doutrina norte-americana, vide, FRE- DERICK DWIGHT, The par value of stock, Yale Law Journal, n.º 16, 1907, pp Dizemos tendencialmente fixo porque o valor nominal, reflectindo o capital social, variará quando este varie. Cfr., a título de exemplo, o art. 92.º, n.º 4, quanto ao aumento de capital, e o art. 94.º, n.º 1, al. b), relativo à redução do capital social por diminuição do valor nominal (como lembram PAULO DE TARSO DOMINGUES, O capital, pp. 191, e PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, p. 88, esta última hipótese é admitida entre nós pela possibilidade de emitir as chamadas penny stocks acções com valor nominal diminuto (um cêntimo), estabelecida no art. 276.º, n.º 3 (anterior art. 276.º, n.º 2, na redacção conferida pelo Decreto- Lei n.º 343/98, de 6 de Novembro, que adaptou o CSC ao euro)). Sobre o conceito de penny stocks, vide PEDRO MAIA, As participações sociais, in J. M. COUTINHO DE ABREU (coord.), Estudos de Direito das sociedades, Coimbra: Almedina, 2010, p Nas sociedades emitentes de acções com valor nominal, o capital social corresponde, portanto, à soma de todas as acções emitidas. 51 PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, p. 13. Na formulação de YURI BIONDI, Le azioni, in GIOVANNI. E. COLOMBO / GIUSEPPE B. PORTALE, Trattato delle società per azioni, vol. II, Turim, UTET Giuridica, 1996 (reimp. da ed. de 1991), pp , o valor nominal é o mínimo estatutário de participação accionista.

17 No Direito anterior, [a] referência a um valor nominal constituía um esquema técnico destinado a permitir a aplicação segura de determinadas regras 52. Em sintonia com o regime do capital social, o valor nominal desempenhava funções internas: de determinação da posição, absoluta e relativa, de cada accionista, de garantia do princípio da igualdade de tratamento dos accionistas 53 e, por último, de obstáculo a um grave enfraquecimento das participações sociais dos primitivos accionistas (uma vez que o valor nominal operava como preço mínimo de subscrição) 54. Pela sua relação umbilical com o capital social o qual, no Direito precedente, correspondia à cifra resultante da soma do valor nominal da totalidade das acções emitidas, o valor nominal operava, ainda, como instrumento de avaliação da situação patrimonial da sociedade 55. Delimitados os conceitos de acção e de valor nominal, estamos, agora, habilitados a definir o que seja uma acção sem valor nominal. Colhidos e ponderados os elementos acima escalpelizados, dir-se-á que, por acção sem valor nominal, se deve entender a participação social numa sociedade anónima ou numa sociedade em comandita por acções desprovida de valor nominal. Sendo certo que esta definição está longe de ser perfeita e tecnicamente adequada, a verdade é que ela é, também, a única que permite uma análise compreensiva da figura 56 : é que, tendo presentes as experiências jurídicas de outros ordenamentos e o labor 52 ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO / ADELAIDE MENEZES LEITÃO, anotação n.º 6 ao art. 276.º, in ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO (coord.), Código, p Neste sentido, vide JOHN COFFEE JR., The mandatory / enabling balance in Corporate Law: An essay on the judicial role, Columbia Law Review, vol. 89, n.º 7, 1987, p. 1637, e YURI BIONDI, Le azioni, p. 15. Não obstante pudessem ser qualitativamente diferentes, as acções, conquanto representavam idênticas fracções do capital social, eram quantitativamente iguais. 54 PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, p. 21. O princípio da proibição da emissão de acções abaixo do par, acolhido no art. 298.º, n.º 1, na sua redacção originária e anterior à introduzida pelo Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio, impedia e continua a impedir que os primitivos accionistas de uma sociedade vissem a sua posição social prejudicada pela entrada de novos accionistas que adquirissem acções por um valor inferior ao do par e em quantidades avultadas. 55 Cfr. 2.3., supra. 56 Convergentemente, RAINER FUNKE, Wert ohne Nennwert Zum Entwurf einer gesetzlichen Regelung über Zulassung nennwerloser Aktien, Colónia, AG, 1997, p. 386.

18 sistematizador da doutrina, podemos distinguir entre duas espécies de acções sem valor nominal, consoante se enquadrem, ou não, em sistemas jurídico-societários enformados pelo regime do capital social 57. Afigura-se-nos, por esta razão, da maior conveniência atentar nas soluções consagradas noutras latitudes, ainda que sinteticamente. Segundo a doutrina da especialidade, as acções sem valor nominal são um produto do Direito belga 58, posteriormente aproveitado e desenvolvido por outros ordenamentos 59. Como é reconhecido, a emissão de acções sem valor nominal por sociedades anónimas (sociétés anonymes), bem como por sociedades em comandita por acções (sociétés en comandite par actions), foi, primeiramente, possibilitada pela Loi du 18 mai 1873, tendo encontrado posterior acolhimento nas Lois sur les sociétés commerciales, coordonées le 25 mai 1913 (cfr. o art. 41., 1 ) 60. Saliente-se, desde já, que a técnica seguida no Direito belga passa pela possibilidade, e não pela obrigatoriedade, de emitir acções sem valor nominal: é reconhecida aos accionistas a liberdade de optar entre as acções com valor nominal e as acções sem valor nominal. 57 Cfr., por todos, JOSÉ GABRIEL PINTO COELHO, Estudo sobre as acções das sociedades anónimas, Revista de Legislação e Jurisprudência, n.º 3093, ano 89.º, 1957, pp Cfr. THIERRY TILQUIN, Les actions et parts sans valeur nominale en Droit belge, in AAVV, Bulletin JOLY Sociétés, Julho de 1998, pp (p. 739). Diferentemente, ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO / ADELAIDE MENEZES LEITÃO, anotação n.º 8 ao art. 276.º, in ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO (coord.), Código, p. 804, referem que as acções sem valor nominal surgiram no Direito norte-americano, em Todavia, JOHN WILDMAN / WELDON POWELL, Capital stock without par value, Nova Iorque, Arno Press, 1980 (reimp. da ed. de Chicago, A. W. Shaw, 1928), pp , indicam que a New York Stock Corporation Law se inspirou em legislação teutónica sobre sociedades mineiras, datada de Não constitui nosso propósito desenvolver um estudo jus-comparativo sobre as acções sem valor nominal, pelo que nos furtaremos ao tratamento sistemático e autónomo das soluções consagradas noutros ordenamentos. Referi-las-emos, apenas, enquanto instrumento para a avaliação de algumas soluções consagradas pelo legislador nacional no Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio. Para um aprofundamento do estudo das acções sem valor nominal noutros sistemas jus-societários, cfr., por todos, PAULO CÂMARA / ANA FILIPA MORAIS ANTUNES, Acções, passim, em especial pp As Lois sur les sociétés commerciales foram objecto de sucessivas alterações, que, dada a sua magnitude, terão justificado nova consolidação daquelas lois, conhecida como Lois sur les sociétés commerciales, coordonnées le 30 novembre 1935.

19 Essa possibilidade é, ainda, reforçada pela circunstância de o sistema belga admitir a coexistência, numa mesma sociedade, de acções com valor nominal e acções sem valor nominal 61. Na disciplina das Lois sur les sociétés commerciales, as acções sem valor nominal apresentavam-se como acções representativas de uma mesma fracção do capital social, ou, se se quiser, de uma idêntica quota-parte no capital social, sendo, por isso, designadas por acções de quotidade ou acções-quota (actions de quotité) 62. O montante de capital representado em cada acção-quota era determinado pelo quociente entre a cifra do capital social e o número total de acções correspondentemente emitidas 63. O irrecusável interesse de que se revestia semelhante solução, assim como os seus comprovados méritos, parecem ter justificado a sua extensão às sociedades de responsabilidade limitada (sociétés à responsabilité limitée), empreendida pelo art daquelas Lois sur les sociétés commerciales 64. As actions de quotité correspondem a uma experiência adquirida do sistema jurídicosocietário belga, de que são traço identitário. É sintomática disso a circunstância de aquelas, apesar de centenárias, terem sido recebidas no actual Code des Sociétés 65. Pela sua proximidade cronológica com o regime belga, vale a pena aludir ao Direito luxemburguês, onde a possibilidade de emissão de acções sem valor nominal (também, actions de quotité) foi introduzida pelo art da Loi du 10 août 1915, concernant les sociétés commerciales. 61 Cfr., no Direito actual, o art do Code des Sociétés. 62 Cfr. JOSÉ GABRIEL PINTO COELHO, Estudo, pp Cfr. JOSÉ GABRIEL PINTO COELHO, ob. cit., pp. 337 e Na redacção que lhe foi introduzida pelo art. 34 da Loi modifiant les lois sur les sociétés commerciales, coordonnées le 30 novembre 1935, du 13 avril Cfr. os arts. 238., relativamente às sociedades de responsabilidade limitada, e 476., em relação às sociedades anónimas e em comandita por acções (estas por remissão do art. 657.).

20 As soluções vigentes no sistema luxemburguês são, no essencial, semelhantes às que vigoram no Direito belga 66. Como referência incontornável no quadro das experiências jurídicas europeias em matéria de acções sem valor nominal, haveremos, ainda, de nos confrontar com a Directiva do Capital Social, que representou um passo na direcção da consagração desta figura nos sistemas jurídico-societários dos vários Estados-Membros da União Europeia. O primeiro aspecto a reter sobre a Directiva do Capital Social é que se trata de um instrumento comunitário de harmonização mínima, o que se projecta directamente sobre o tema deste estudo: em momento algum aquela directiva impõe, aos Estados-Membros, um dever de permitirem, nos respectivos ordenamentos jurídicos internos, a emissão de acções sem valor nominal. Efectivamente, a técnica do referido acto comunitário é a da devolução da competência para a decisão de admitir, ou não admitir, a emissão de acções sem valor nominal aos Estados-Membros. Retenha-se, a propósito, o disposto no art. 3.º, al. c), da directiva, segundo o qual, o número de acções subscritas sem menção de valor nominal, no caso de a legislação nacional autorizar a emissão destas 67, deverá constar dos estatutos da sociedade. Na verdade, e no que a este estudo importa, a Directiva do Capital Social, mais do que estabelecer, para os Estados-Membros, a possibilidade de introduzirem, nos respectivos ordenamentos jurídicos internos, as acções sem valor nominal, pretendeu acautelar as soluções dos sistemas jurídico-societários belga e luxemburguês 68. Em termos substantivos, a referida directiva buscou, notoriamente, inspiração nos Direitos belga e luxemburguês. 66 As acções das sociedades em comandita por acções podem, igualmente, não ter valor nominal (cfr. o art da referida lei, que remete para o regime das sociedades anónimas). Por seu turno, também as partes sociais das sociedades de responsabilidade limitada podem não ter valor nominal (cfr. o art daquela lei). 67 Destacámos. 68 Convergentemente, ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO / ADELAIDE MENEZES LEITÃO, anotação n.º 9 ao art. 276.º, in ANTÓNIO MENEZES CORDEIRO (coord.), Código, p. 804.

Mercado de Capitais BRIEFING NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL MAIO 2010 01

Mercado de Capitais BRIEFING NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL MAIO 2010 01 MAIO 2010 01 NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL Mercado de Capitais Foi publicado o Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio ( DL n.º 49/2010 ), que entra em vigor

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Enquadramento. Introdução. Sara Fevereiro MEMBRO ESTAGIÁRIA AÇÕES: COM VALOR NOMINAL E SEM VALOR NOMINAL

Enquadramento. Introdução. Sara Fevereiro MEMBRO ESTAGIÁRIA AÇÕES: COM VALOR NOMINAL E SEM VALOR NOMINAL 46 Sara Fevereiro MEMBRO ESTAGIÁRIA Introdução O presente artigo procura clarificar a novidade das ações sem valor nominal no nosso país, introduzida pelo DL n.º 49/2010, de 19 de maio, acompanhando o

Leia mais

Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011

Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011 Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011 ANTÓNIO AMADO * Este pequeno artigo destina-se a ajudar os alunos de Direito Comercial do ISMAT a compreender,

Leia mais

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou:

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou: Independência dos membros do Conselho de dministração da Portugal Telecom, SGPS, S., com excepção dos membros da respectiva Comissão de uditoria Considerando as alterações ao Código das Sociedades Comerciais

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento Preâmbulo O presente diploma transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva 2004/39/CE do Parlamento

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA SCOIEDADE ANÓNIMA PORTUCEL, S.A., ELABORADO NOS TERMOS DO Nº 2 DO ARTIGO 59º DO CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL, EM CONSEQUÊNCIA DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL EFECTUADA

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS EM ANGOLA

SIMPLIFICAÇÃO DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS EM ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS EM ANGOLA Sofia Vale Julho de 2015 No dia 17 de Junho de 2015 foi publicada no Diário da República a Lei da Simplificação do Processo

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS Edição de Bolso 8.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 1 1 CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA. SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Pessoa Colectiva nº 502 028 351 Matriculada na Conservatória de Registo Comercial da Maia sob o nº 45 466 Capital Social

Leia mais

SONAECOM - S.G.P.S., S.A.

SONAECOM - S.G.P.S., S.A. SONAECOM - S.G.P.S., S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede: Lugar do Espido - Via Norte - Maia sob o n.º único de matrícula e Pessoa Colectiva n.º 502 028 351 Capital Social:

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial A maior parte das alterações que ocorrem na vida de uma empresa têm de ser registadas no Registo Comercial. O registo comercial destina-se a

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, compete ao Tribunal de Contas, no âmbito do parecer sobre a Conta Geral

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais Set. 2012 (1ª Versão) MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais 1. Empresa comercial e sociedade

Leia mais

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março O Decreto-Lei nº 172/99, de 20 de Maio, reconheceu no ordenamento nacional os warrants autónomos qualificando-os como valores mobiliários. Em decorrência de normas

Leia mais

AS «NOVAS» ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL COMO ALTERNATIVA DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS PORTUGUESAS

AS «NOVAS» ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL COMO ALTERNATIVA DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS PORTUGUESAS FORO DE ACTUALIDAD 107 AS «NOVAS» ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL COMO ALTERNATIVA DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS PORTUGUESAS As «novas» acções sem valor nominal como alternativa de financiamento para as empresas

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei aplica-se aos seguintes valores mobiliários de estrutura derivada:

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 5/VI/2008 C(2008) 2274 final RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 5/VI/2008 relativa à limitação da responsabilidade civil dos revisores oficiais de contas e das sociedades

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1 e a) do n.º 5 do artigo 34.º da lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede e Objecto Artigo 1º Denominação A sociedade continua a sua existência e actividade sob a denominação Lisgráfica-Impressão

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q

ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q .., -..~, j I., ~J i ~ REGIÃO AUTONOMA DOS AçoRES te ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q PARECER SOBRE A ANTE-PROPOSTA DE LEI SOBRE "ISENÇÃO FISCAL DE L DCROS DE EMPRESAS SEDIADAS NOS AÇORES PONTA DELGADA,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE CONCURSO LIMITADO POR PRÉVIA QUALIFICAÇÃO ao abrigo dos artigos 162.º a 192.º do Código dos Contratos Públicos (CCP) aprovado pelo n.º 1, do art.º 1.º do D.L. n.º 18/2008, de 29/01 AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS

ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS José Alberto Pinheiro Pinto Economista Professor auxiliar convidado da Faculdade de Economia do Porto e da Universidade Católica Portuguesa As

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Objectivo A presente directriz visa normalizar os procedimentos contabilísticos necessários para

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280.

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280. NOTA JURÍDICA 1) A MULTICENCO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, S.A., ora CONSULENTE, solicitou esclarecimentos sobre a seguinte questão: a celebração, entre a CONSULENTE e o MUNICÍPIO DE SETÚBAL, de contrato

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE Caixa Económica de Cabo Verde, S.A Sede: Avenida Cidade de Lisboa, Praia Capital Social: 348.000.000 (trezentos e quarenta e oito milhões) Escudos Matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Praia

Leia mais

4. SOCIEDADES DE GESTÃO FINANCEIRA. Decreto-Lei n.º 11/2005, de 7 de Fevereiro. Cria as Sociedades de Gestão Financeira B.O. n.

4. SOCIEDADES DE GESTÃO FINANCEIRA. Decreto-Lei n.º 11/2005, de 7 de Fevereiro. Cria as Sociedades de Gestão Financeira B.O. n. 4. SOCIEDADES DE GESTÃO FINANCEIRA Decreto-Lei n.º 11/2005, de 7 de Fevereiro Cria as Sociedades de Gestão Financeira B.O. n.º 6 - I Série Decreto-Lei n.º 11/2005 de 7 de fevereiro Com o presente diploma

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

PARTE I DO DIREITO PRIVADO

PARTE I DO DIREITO PRIVADO PARTE I INTRODUÇÃO ÍNDICE SISTEMÁTICO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO O DIREITO ÍNDICE E AS SUAS FONTES Objecto e plano do curso... 21 PARTE I INTRODUÇÂO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO TÍTULO I O DIREITO E

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da COFINA, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que os resultados

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 127/XII Exposição de Motivos A Lei n.º 63-A/2008, de 24 de novembro, que estabelece medidas de reforço da solidez financeira das instituições de crédito no âmbito da iniciativa para

Leia mais

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos.

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. Proc.º n.º C. N. 20/2009 SJC CT ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO PROBLEMA: O helpdesk do Balcão das Heranças e Divórcios com Partilha colocou

Leia mais

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS Sector de Talatona, Zona Residencial I 3º B, GU 19 B, Bloco A5, 1º e 2º I Luanda, Angola Tel: +244 222 70 40 00 Fax: +244 222 70 40 09 E-mail: comunicação.institucional@cmc.gv.ao UO/OD 5477 NIF 7403008227

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL. GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL. GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92 J'=-''''"' REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92 ISENÇÃO FISCAL DAS EMPRESAS SEDIADAS NOS AÇORES Tendo em vista aumentar o investimento

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva 2011/61/UE do Parlamento e do Conselho, de 8 de Junho de 2011, também designada por

Leia mais

CONSEST, promoção imobiliária, S.A.

CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CAPITULO I Denominação, objecto e sede social Artigo 1º Denominação e sede 1. A Sociedade adopta a firma CONSEST Promoção Imobiliária, S.A., e tem sede na Av. Defensores

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais