Endometriose: aspectos atuais do diagnóstico e tratamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Endometriose: aspectos atuais do diagnóstico e tratamento"

Transcrição

1 Endometriose: aspectos atuais do diagnóstico e tratamento Dr. Marcos Asato Introdução A endometriose se caracteriza pela presença de tecido endometrial em sítios extra-uterinos, acometendo entre 10% e 15% das mulheres em idade reprodutiva, especialmente aquelas com queixas de dor pélvica e/ou infertilidade. Diversos aspectos dessa doença não estão esclarecidos, como etiologia, diagnóstico não invasivo e tratamento ideal. A doença acomete mais freqüentemente ovários, peritônio pélvico e ligamentos útero-sacros e, de modo menos comum, intestino, bexiga, diafragma, vagina e parede abdominal. Atualmente, considera-se de forma consistente que a endometriose se comporta como se fosse três doenças distintas, atingindo peritônio, ovário e septo retovaginal/intestino (13). É certo que essa classificação surgiu da observação clínica de que cada local de acometimento provoca características distintas, mas o terceiro quadro, dito como doença profunda, é aquele de abordagem mais difícil, devido à radicalidade que seu tratamento envolve, conforme discutiremos a seguir. Quadro clínico Não é possível discutir essas questões sem definir em quais pacientes a suspeita de endometriose deve ser aventada. Há uma grande variedade de sintomas dolorosos que podem estar relacionados à aparência, ao grau de invasão, à localização e à profundidade de acometimento das lesões São seis os sintomas que devem ser investigados: dismenorréia, dispareunia, dor pélvica acíclica, infertilidade e alterações urinárias e intestinais cíclicas. Dismenorréia é a dor em região pélvica em cólica que ocorre durante o período menstrual, sendo classificada em leve, moderada, severa e incapacitante, quando, respectivamente, melhora sem medicação analgésica, melhora com analgésicos, não melhora completamente com analgésicos, mas não impede a paciente de exercer suas atividades habituais e não melhora e impede a paciente de exercer suas atividades habituais. Dispareunia é a dor que ocorre durante a relação sexual, sendo dividida em dispareunia de penetração, que se pode relacionar, entre outras situações, a vulvovaginites e vaginismo, e dispareunia de profundidade, em que a paciente refere dor no fundo da vagina, que se pode relacionar à endometriose, especialmente os casos de acometimento profundo da doença. Dor pélvica acíclica é a dor que permanece por seis ou mais meses, sem relação com o fluxo menstrual. Infertilidade é considerada como tentativa de engravidar em casal possuindo vida sexual ativa sem utilizar método contraceptivo por pelo menos um ano. As alterações intestinais cíclicas, ocorrendo durante o período menstrual, incluem aceleração ou diminuição do trânsito intestinal, dor à evacuação, puxo, tenesmo e sangramento nas fezes e as alterações urinárias cíclicas incluem disúria, hematúria, polaciúria e urgência miccional no período menstrual. O exame físico ginecológico pode variar, dependendo da localização e estádio da doença. Nos casos leve e moderado, de acometimento essencialmente peritoneal ou ovariano leve, a avaliação clínica pode ser absolutamente normal. Ao toque vaginal bimanual, o útero fixo ou retrovertido, devido ao processo aderencial, é dado indireto para suspeita clínica. Aumento do volume anexial é sugestivo da presença de cisto de ovário. Dor ou sangramento de qualquer localização que apresente qualquer relação com a menstruação aumentam as suspeitas para a 1 / 10

2 doença, propiciando uma avaliação mais detalhada principalmente em cicatrizes cirúrgicas. Um dos achados mais relevantes ao exame físico é o encontro, ao toque vaginal, de espessamento e/ou dor em ligamentos útero-sacros e nódulo em fundo de saco de Douglas. Tais fatos corroboram não só a possibilidade da presença de doença como inferem a existência de doença profunda. Diagnóstico laboratorial Em diferentes centros envolvidos com o estudo da endometriose, várias substâncias foram testadas no sentido de se identificar algum método de avaliação laboratorial que permitisse o diagnóstico e o seguimento do tratamento das pacientes, sem ter de recorrer a videolaparoscopia. É possível citar como exemplos: anticorpos antiendométrio, propeptídeo protocolágeno tipo III, proteína C reativa, anticorpos anticardiolipina, proteína sérica amilóide A, CA19-9, CA15-3, antígeno carcinoembrionário, alfa-feto-proteína e beta-2-microglobulina, entre outras (2). O principal marcador que apresenta bons resultados no manejo da endometriose, quando avaliado em dosagens sanguínea, é o CA125, podendo estar elevado também no primeiro trimestre da gestação, mioma uterino, doença inflamatória pélvica e cistoadenoma de ovário. Porém, sua principal aplicação se encontra nos carcinomas epiteliais de ovário, onde está presente em 82% dos casos. Considerando-se as alterações imunológicas que podem estar envolvidas na etiopatogenia da doença, novos marcadores biológicos têm sido avaliados, sugerindo-se as seguintes observações: diminuição da ação citotóxica das células natural-killer na cavidade peritoneal contra as células endometriais; aumento no estado de ativação dos macrófagos do fluido peritoneal; aumento das citocinas que estimulam proliferação, implantação e remodelação celulares através da regulação das matrizes metaloproteinases e da angiogênese a interleucina-6 e o TNF-alfa se revelaram elevados no fluido peritoneal nas pacientes portadoras de endometriose e a presença desta interleucina associada a lesões glandulares vermelhas poderia se relacionar às situações de infertilidade A elevação dos níveis séricos e no fluido peritoneal do TGF-beta, MCP-1 e interleucina-8 no grupo de pacientes com a doença, com diminuição das dosagens conforme a maior severidade do quadro. Bedaiwy et al.(6) (2002) relataram, para os casos de endometriose, sensibilidade de 90% e especificidade de 89% quando a dosagem de fator de necrose tumoral alfa esteve acima de 15 pg/ml no líquido peritoneal e sensibilidade de 90% e especificidade de 67% quando a dosagem sérica da interleucina-6 esteve acima de 2 pg/ml. Estas alternativas não fazem parte da rotina clínica diária, mas são focos promissores de estudos, envolvendo a chance de se realizar o diagnóstico não invasivo da endometriose. Diagnóstico por imagem Ultra-som A ultra-sonografia transvaginal (Figura 1) é o exame inicial e, muitas vezes, o único método por imagem necessário para o diagnóstico das diversas doenças ginecológicas devido a sua elevada acurácia, inocuidade, baixo custo e fácil acesso. A proximidade do transdutor em relação às estruturas estudadas melhora a resolução das imagens, permitindo análises detalhadas dos tecidos e a relação entre os diversos órgãos pélvicos. O inconveniente do exame transvaginal é a dependência da atividade sexual da paciente e seu alcance limitado, variando em geral de 8 a 12 cm, necessitando de complementação do estudo com ultra-som transabdominal para massas com mais de 10cm. A aplicabilidade desse método nos casos de 2 / 10

3 suspeita de endometriose se encontra na avaliação da doença ovariana e os nódulos profundos em septo retovaginal, não havendo possibilidade de identificação de focos em peritônio (5). Os endometriomas se apresentam com ecos de baixa amplitude preenchendo um cisto ou uma loja de um cistomultiloculado, achados que não podem ser considerados patognomônicos, pois também são observados em outras situações (Figura 2). A sensibilidade e especificidade são de 83% e 89%, respectivamente, na diferenciação entre endometriomas e outros cistos. Alguns teratomas císticos apresentam características ecográficas semelhantes e a diferenciação entre endometrioma e cisto de corpo lúteo é ponto crítico, fato que indica controles ecográficos em ciclos diferentes para melhor definição do caso. Os endometriomas se apresentam como lesões persistentes ou em crescimento, enquanto cistos hemorrágicos evoluem com redução de suas dimensões ou desaparecimento. 3 / 10

4 Figura 1 - Endometrioma de ovário: aspecto ultra-sonográfico. Figura 2 - Endometriose em parede de reto: aspecto à ecoendoscopia. 4 / 10

5 Figura 3 - Endometriose peritoneal: lesão negra retrovariana. Ecoendoscopia Através de transdutor circular ultra-sonográfico acoplado em colonoscópio as lesões acima descritas podem ser avaliadas, tendo relevância o tamanho da lesão e sua proximidade em relação à mucosa intestinal. Este método de imagem está em processo de estudo para determinar sua precisão e aplicabilidade de forma rotineira. 5 / 10

6 Ressonância magnética nuclear A ressonância da pelve pode ser recomendada para a complementação do diagnóstico da endometriose pélvica. As principais indicações estão relacionadas ao estadiamento da endometriose e na avaliação de massas com hipótese diagnóstica duvidosa no estudo com ultra-som transvaginal. A detecção de implantes peritoneais é tema de debate, mas tem aplicação na identificação de doença profunda com invasão do trato intestinal, assim como em suspeita da doença em outros sítios menos freqüentes (9). Diagnóstico laparoscópico Endometriose peritoneal A lesão típica de endometriose é negra, pregueada, associada a uma cicatrização em forma de estrela, decorrente do sangramento tecidual e retenção de pigmentos sangüíneos (Figura 3). Jansen e Russel, em 1986, relacionaram outras lesões não pigmentadas, mais freqüentes ativas que as lesões típicas. Conforme o seu aspecto laparoscópico, são divididas em: lesões vermelhas (lesões em chama de vela, excrescências glandulares, petéquias e áreas de hipervascularização) e lesões brancas (opacificações brancas, aderências subovarianas, lesões tipo "café-com-leite" e defeitos do peritônio). As lesões mais freqüentemente encontradas são as opacificações brancas, seguidas das excrescências glandulares e lesões em chama de vela. A confirmação anatomopatológica de endometriose nestas lesões foi relatada em 81% das opacificações brancas, 81% das lesões em chama de vela, 67% das excrescências glandulares, 50% das aderências subovarianas, 47% das lesões em "café-com-leite" e 45% dos defeitos do peritônio. 6 / 10

7 Figura 4 - Produto de sigmoidectomia: nódulo de 6 cm em parede de retossigmóide (o exame anatomopatológico confirma endometriose). Quadro 1 - Abordagem da endometriose: conduta do Setor de Endometriose do Departamento de Ginecologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Endometriose profunda Considera-se doença profunda, quando sua infiltração ultrapassa 5 mm de profundidade, sendo composta essencialmente por células musculares, epitélio glandular ativo, estroma escasso, com reação inflamatória, retração e fibrose nos tecidos circunjacentes. Tem sido denominada por suas características histológicas, como "adenomiose externa". Koninckx classificou a endometriose infiltrativa em três tipos, provavelmente com um 7 / 10

8 mecanismo fisiopatológico específico para cada lesão. A lesão do tipo I possui a forma cônica com sua base na superfície peritoneal. A anatomia pélvica permanece intacta e o fundo-de-saco de Douglas e os ligamentos útero-sacros são claramente identificados. A endometriose do tipo II se caracteriza por uma anatomia pélvica distorcida por aderências que envolvem o intestino, os ligamentos útero-sacros e o fundo-de-saco e recobrem a lesão propriamente dita. A lesão do tipo III é profunda, localizando-se na sua maior parte abaixo do peritônio e deixando novamente a anatomia pélvica inalterada. A presença de lesão endometriótica profunda não pode ser descartada somente com a inspeção da cavidade, podendo uma pequena lesão estar escondendo sua porção maior sob o peritônio (12) (Figura 4). Tratamento Na ausência de ultra-som sugestivo de imagens anexiais compatíveis com endometrioma e com níveis de CA 125 inferiores a 50 U/ml, adotamos conduta conservadora com administração por 6 a 12 meses de contraceptivos hormonais orais combinados de baixa dosagem, como os que têm 30 mg de etinilestradiol e derivados da 19-nortestosterona, como o levonorgestrel, considerados com maior potência antiestrogênica (Quadro 1). A esta medicação acrescentamos antiinflamatórios não hormonais de nova geração no período perimenstrual e incentivamos a realização de exercícios físicos. No insucesso desse procedimento ou na identificação de CA 125 maior que 100 U/ml e/ou ultra-som sugestivo de endometrioma, procedemos a videolaparoscopia diagnóstica e terapêutica. Em tratando-se de doença nos estádios III ou IV da American Fertility Society(4), revisada em 1985 e atualizada em 1996, indicamos tratamento clínico subseqüente. O mesmo pode ser efetuado com análogos do GnRH, gestrinona, progestagênios puros em diferentes formas de administração (via oral, intramuscular trimestral, subdérmica ou dispositivo intra-uterino) ou anticoncepcionais orais combinados. Os análogos do GnRH são indicados na dependência da gravidade da doença e na inviabilidade de ressecção cirúrgica completa pelo melhor controle dos efeitos colaterais e maior objetividade da obtenção dos efeitos antiestrogênicos. Este procedimento dura de 3 a 4 meses, com controle 10 a 20 dias após a terceira ampola (mensal) de estradiol sérico e CA 125, além do ultra-som. Os estádios iniciais da doença merecem atenção especial. Por um lado, o próprio estadiamento da American Society of Reproductive Medicine (1996) é alvo de algumas críticas, uma vez que não avalia a doença infiltrativa. Assim, em mulheres com laparoscopia indicando endometriose nos estádios I e II, com desejo reprodutivo imediato, preconizamos após o tratamento endoscópico, indução da ovulação com gonadotropina de mulheres menopausadas ou FSH puro e no insucesso após 3 a 6 meses, indução e inseminação intra-uterina pelo mesmo intervalo de tempo. Na falha desses métodos ou em mulheres acima dos 35 anos ou com outros fatores de infertilidade associados, além da vontade da própria paciente, a fertilização assistida representa alternativa exeqüível. Tratamento cirúrgico Endometriose peritoneal Biópsias excisionais de algumas amostras teciduais devem ser realizadas para confirmação 8 / 10

9 histológica da doença. Há duas opções para o tratamento das lesões peritoneais: remoção dos implantes e de sua área circunjacente e cauterização das lesões até que tecido normal seja visualizado. Evita-se o uso de cautério monopolar, principalmente próximo a estruturas vitais, devido à propagação da corrente elétrica (3). Endometriose ovariana Lesões superficiais devem ser cauterizadas e na abordagem cirúrgica dos endometriomas se deve descartar risco de malignidade; remover todo tecido endometrial ectópico; minimizar trauma ovariano e reduzir aderências no pós-operatório. Nos cistos menores que 3 cm incisa-se o cisto, realiza-se drenagem do conteúdo e se procede a cauterização da cápsula. Na presença de cistos maiores que 3 cm, indica-se remoção de toda cápsula do cisto(3). Figura 5 - Endometriose intestinal: aspecto do coto distal do sigmóide com grampeador circular utilizado para realização de anastomose término-terminal. 9 / 10

10 Endometriose profunda Análise crítica pré-operatória é essencial para a equipe cirúrgica não se deparar com situação que não será resolvida da forma completa, tendo em vista o grau de complexidade do procedimento ideal, requerendo a participação de equipe de ginecologistas e cirurgiões do aparelho digestivo, pois a excisão total de todas as lesões visíveis e palpáveis da doença traz melhora significativa da dor pélvica e da fertilidade (18). Como é consenso na literatura, nos casos em que a endometriose infiltra a parede intestinal (Figura 5), considerando-se envolvimento da camada muscular e, por vezes, mucosa, o tratamento indicado é a ressecção do segmento acometido (8,16,17). Bibliografia Abrão, M.S.; Podgaec, S.; Izzo, C.R. et al. Perfil epidemiológico e clínico da endometriose. Rev Bras Ginec Obstet 1995; 17: Abrão, M.S.; Podgaec, S.; Filho, B.M. et al. The use of biochemical markers in the diagnosis of pelvic endometriosis. Hum Reprod 1997; 12: Abrão, M.S.; Podgaec, S. Tratamento cirúrgico da endometriose. In: Abrão, M.S. (ed.). Endometriose: uma visão contemporânea. Rio de; 5 10 / 10

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC Campus BOM DESPACHO Endometriose Integrantes: Amanda Gabriela Silva Alves Amanda Xavier Zica Graciete Meire Andrade Docente : Eduardo Nogueira Cortez Isa Raquel

Leia mais

Os exames que avaliam a fertilidade do casal

Os exames que avaliam a fertilidade do casal CAPÍTULO 4 Os exames que avaliam a fertilidade do casal Na pesquisa da fertilidade, os fatores são estudados levando-se em consideração cada uma das etapas no processo de reprodução. Para cada uma delas,

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

TÍTULO: ENDOMETRIOSE COM FOCO EM DIAGNÓSTICO DE IMAGEM VIA ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL COM PREPARO INTESTINAL.

TÍTULO: ENDOMETRIOSE COM FOCO EM DIAGNÓSTICO DE IMAGEM VIA ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL COM PREPARO INTESTINAL. TÍTULO: ENDOMETRIOSE COM FOCO EM DIAGNÓSTICO DE IMAGEM VIA ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL COM PREPARO INTESTINAL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

CONCEITO DIAGNÓSTICO INVASIVO E NÃO INVASIVO

CONCEITO DIAGNÓSTICO INVASIVO E NÃO INVASIVO CONCEITO Estima-se que 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva sejam portadoras de endometriose. Atribui-se o aumento em sua prevalência não só à melhora dos recursos diagnósticos, como pela evolução

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA ENDOMETRIOSE.

A UTILIZAÇÃO DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA ENDOMETRIOSE. A UTILIZAÇÃO DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA ENDOMETRIOSE. Deisiane Angélica Ferreira¹, Melina Rosa Molena¹, André Zago ² RESUMO A endometriose é uma doença muitas vezes diagnosticada tardiamente

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

endometriose Dr. Iúri Donati Telles de Souza iuritelles@hotmail.com

endometriose Dr. Iúri Donati Telles de Souza iuritelles@hotmail.com Endométrio e endometriose Dr. Iúri Donati Telles de Souza iuritelles@hotmail.com Endométrio eutópico proliferativo IÚRI TELLES O útero é um órgão endócrino com importantes funções autócrinas e parácrinas...

Leia mais

Endometriose & Dor Pélvica Crônica

Endometriose & Dor Pélvica Crônica Endometriose & Dor Pélvica Crônica Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM UFMG Ambulatório de Endometriose & DPC- HC-UFMG Endometriose A endometriose caracteriza-se pela

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro Os miomas são a principal causa de histerectomia em nosso meio, sendo responsável por um terço do total de indicações de histerectomia. Aproximadamente 30 a 50% de todas

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

CAPA. Arquivo Pessoal

CAPA. Arquivo Pessoal CAPA Arquivo Pessoal Aline e Rogério: mesmo com a Endometriose, casal não perde as esperanças de realizar o sonho de ter um filho, nem que seja por meio da fertilização in vitro 48 A endometriose rouba

Leia mais

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed ENDOMETRIOSE CONCEITO Ectopia do tecido endometrial funcionante (glandular e/ou estroma) Souza,mam Incidência 10 a 15 % idade reprodutiva Mulheres inférteis 25 a 30% Mulheres assintomáticas 1 e 2 % Infertil

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

Tipos de Anticoncepcionais

Tipos de Anticoncepcionais Tipos de Anticoncepcionais Dr. Orlando de Castro Neto Métodos anticoncepcionais ou métodos contraceptivos são maneiras, medicamentos e dispositivos usados para evitar a gravidez. Muitas vezes o método

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos O prolapso de órgão pélvico é uma condição muito comum, principalmente em mulheres maiores de quarenta anos. Estima-se que a metade das mulheres que têm filhos

Leia mais

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Marco Aurélio Martins de Souza Unimontes-MG Tiradentes MG SOGIMIG 2008 Introdução Climatério é um evento fisiológico Deve ser considerado sob uma perspectiva

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA ALESSANDRA BARROS DOS SANTOS ARIANE MARQUES MARTINS FRANCISCA JOISSE SOUZA BARBOSA

FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA ALESSANDRA BARROS DOS SANTOS ARIANE MARQUES MARTINS FRANCISCA JOISSE SOUZA BARBOSA FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA CURSO DE TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA ALESSANDRA BARROS DOS SANTOS ARIANE MARQUES MARTINS FRANCISCA JOISSE SOUZA BARBOSA ENDOMETRIOSE NOS SEUS DIAGNÓSTICOS DIFERENCIADOS: ULTRASSONOGRAFIA

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

PARTE I QUESTÕES 1 A 5 (RESPOSTAS ESCRITAS)

PARTE I QUESTÕES 1 A 5 (RESPOSTAS ESCRITAS) Instruções Prova teórico-prática de Ginecologia A prova teórico-prática de Ginecologia compõe-se de 5 (cinco) questões respondidas de forma escrita e 2 (duas) questões respondidas de forma oral. Para cada

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR Desconforto Menstrual Pycnogenol para o Desconforto Menstrual A maioria das mulheres em idade fértil sente uma variedade de sintomas relacionados ao

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1 1. Considerações iniciais 1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1 1.1.1 Pré-operatório 1 No ambulatório/na internação 1 Esclarecimentos/perguntas de ordem legal 2 Anestesia 3 Exames laboratoriais e de imagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA Renato Silva Martins Julho 2013 Introdução: Problemática da Infertilidade ESHRE European Society of Human Reproduction and Embriology

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed.

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Capítulo 1 A afirmativa I está incorreta, pois o teste de Schiller é considerado positivo quando não se cora pelo lugol. A afirmativa III está incorreta,

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar. Dr. Iúri Telles

Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar. Dr. Iúri Telles Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar Endometrioma em pacientes com prole definida Se dor: Laparoscopia com excisão completa da cápsula Se não tem dor: conduta expectante ativa USTV e CA125

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Endometriose em diferentes faixas etárias: perspectivas atuais no diagnóstico e tratamento da doença

Endometriose em diferentes faixas etárias: perspectivas atuais no diagnóstico e tratamento da doença Ciência et Praxis v. 4, n. 8, (2011) Artigo - revisão 53 Endometriose em diferentes faixas etárias: perspectivas atuais no diagnóstico e tratamento da doença Endometriosis in different age groups: perspectives

Leia mais

Endometriose Colônica Simulando Câncer Colorretal Relato de Dois Casos

Endometriose Colônica Simulando Câncer Colorretal Relato de Dois Casos RELATO DE CASOS Endometriose Colônica Simulando Câncer Colorretal Relato de Dois Casos Colonic Endometriosis Simulating Colorectal Cancer: Report of 2 Cases ADEMAR GARCIA 1 ; BRUNO SPADONI NETO 2 ; VICTOR

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais