UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia: PIB = Produto Interno Bruto; S = poupança; C = consumo; I = investimento; G = gastos do governo; T = tributação; Y = renda; DA = Demanda Agregada; = inflação na data t; = inflação na data anterior a t; = inflação esperada para a data t; = margem de mark up ; z = determinantes dos custos, exceto desemprego; = taxa de desemprego na data t; = taxa de desemprego na data anterior a t; = taxa de desemprego natural; = coeficiente de proporção entre a variação da taxa de desemprego e a variação dos custos; = taxa de crescimento do produto na data t; = taxa de crescimento normal do produto; = coeficiente de proporção entre a variação da taxa de desemprego e a variação da produção, com relação à taxa normal; = taxa de crescimento da oferta monetária. 1. Robinson Crusoé planta coqueiros e pesca. No ano passado ele colheu cocos e pescou 5000 peixes. Para ele um peixe vale dois cocos. Robinson deu para Sexta-feira 2000 cocos em troca da ajuda na colheita e 1000 peixes para que ele colhesse minhocas que seriam usadas de isca na pescaria. Robinson estocou 1000 dos seus cocos na sua cabana para consumo futuro. Ele também usou 1000 peixes como fertilizantes para os seus coqueiros, o que é necessário fazer para que os coqueiros produzam bem. Sexta-feira consumiu todos os seus cocos e peixes. Com base nessas informações, marque a afirmação correta: a) O PIB desta economia em termos de peixe é b) A renda de Robinson em termos de peixe é c) Num sistema contábil ideal, o investimento da economia em termos de peixe é d) O consumo de Sexta-Feira em termos de peixe é 200. e) Nenhuma das anteriores 2. Considere uma economia que produza somente três tipos de frutas: maçãs, laranjas e bananas. Para o ano base (alguns anos atrás), os dados de produção e de preço são os seguintes: Fruta Quantidade Preço Maçãs 2000 sacos R$8,00 por saco Bananas 6000 cachos R$2,00 por cacho Laranja 8000 sacos R$5,00 por saco Para o ano corrente os dados de produção e preço são os seguintes: Fruta Quantidade Preço Maçãs 4000 sacos R$5,00 por saco Bananas cachos R$2,00 por cacho Laranja sacos R$4,00 por saco Com base nessas informações, marque a afirmação correta: a) O valor real do PIB no ano corrente é R$100000,00. b) A taxa de crescimento real do PIB entre o ano base e o ano corrente foi de 75,4% (até precisão na unidade).

2 c) Houve deflação de 20,0%. d) A deflação medida por um índice de pesos fixos que toma a produção do ano base como referência foi superior à deflação medida pelo deflator implícito do PIB. 2

3 3. Marque a alternativa correta: a) O fato de o Brasil ser credor líquido contribui para que o produto interno bruto do país seja maior que o produto nacional bruto. b) Os fluxos de capitais de curto prazo são contabilizados como transações correntes no Balanço de Pagamentos. c) A diminuição de importações, fretes e seguros provoca, ceteris paribus, diminuição da renda líquida enviada ao exterior. d) Os juros sobre a dívida pública não são contabilizados como parte da renda pessoal disponível. 4. Em um ano qualquer, são contabilizadas as seguintes transações com o exterior: - Um grupo chinês realiza investimento de 400 milhões de dólares. - Companhias estrangeiras instaladas no Brasil remetem lucros de 70 milhões de dólares ao exterior. - Uma agência de turismo brasileira efetua pagamentos a uma cadeia de hotéis norte-americana no valor de 10 milhões de dólares, referentes a serviços de hospedagem a turistas brasileiros. - Uma montadora francesa de automóveis investe 100 milhões de dólares na ampliação de uma fábrica no Paraná. - O Brasil importa, pagando à vista, 180 milhões de dólares em automóveis chineses. - O Brasil paga ao exterior 50 milhões de dólares em fretes. - O Banco Central do Brasil refinancia, junto a um credor norte-americano, o pagamento de juros vincendos no valor de 80 milhões de dólares. - Uma companhia aérea americana realiza uma compra à vista de aviões brasileiros no valor de 150 milhões de dólares. - Uma indústria brasileira de autopeças importa maquinário da Alemanha no valor de 60 milhões de dólares, financiados a longo prazo por um banco alemão. Escolha o resultado que surge dessa contabilização: a) O déficit no balanço comercial é de 100 milhões. b) O movimento autônomo de capitais é de 660 milhões. c) O déficit em transações correntes é de 300 milhões. d) O superávit total do balanço de pagamentos é de 320 milhões. 5. Um país realiza em determinado ano as seguintes transações com o exterior: - Pagamento de seguros: 20 unidades monetárias. - Investimento direto de não-residentes: 10 unidades monetárias. - Exportações de bens: 600 unidades monetárias. - Importações de bens: 400 unidades monetárias - Lucros reinvestidos: 30 unidades monetárias. - Pagamento de fretes: 20 unidades monetárias. - Amortização de dívida externa: 30 unidades monetárias. - Entrada de capital de curto prazo: 90 unidades monetárias. - Remessa de lucros: 20 unidades monetárias. - Pagamento de juros da dívida externa: 100 unidades monetárias. 3

4 Com base nessas transações, pode ser afirmado que: a) A transferência líquida de recursos ao exterior é igual a 200 unidades monetárias. b) O balanço de pagamento em conta corrente apresenta um déficit de 10 unidades monetárias. c) A renda líquida enviada ao exterior é de 120 unidades monetárias. d) A conta de capital apresenta um superávit de 80 unidades monetárias. 6. Apenas uma das afirmações a seguir está correta. Marque-a. a) Uma desvalorização da moeda, elevando o valor em moeda local das reservas internacionais, expande a base monetária. b) Uma elevação das reservas compulsórias, supondo que as reservas voluntárias são elevadas, aumenta o multiplicador bancário. c) Uma elevação dos encaixes dos bancos comerciais, tudo o mais constante, aumenta o multiplicador bancário. d) Um pagamento do Tesouro Nacional a um banco comercial, feito com depósitos do Tesouro nas Autoridades Monetárias, expande a base monetária. 7. Qual das opções abaixo reduz a demanda real por moeda: a) Aumento da taxa de juros nominal. b) Aumento do nível de renda da economia. c) Aumento dos custos de outras aplicações remuneradas. d) Aumento da incerteza no mercado financeiro. 8. Qual das opções abaixo aumenta o multiplicador bancário: a) Aumento da taxa de redesconto do Banco Central. b) Aumento do percentual de reservas obrigatórias sobre depósitos a vista a ser recolhido pelo Banco Central. c) Aumento do percentual de papel-moeda sobre depósitos à vista. d) Aumento da incerteza percebida pelos bancos quanto ao fluxo de depósitos à vista. 9. É correto afirmar, com relação às seguintes operações: (A) Uma empresa do setor têxtil liquida um empréstimo junto ao BNDES (B) Uma empresa desconta uma duplicata em um banco comercial, recebendo a inscrição de um depósito à vista. (C) Um banco comercial adquire um imóvel junto a uma construtora, pagando à vista. (D) A União faz uma remessa emergencial de recursos ao estado de Sergipe, sacando sobre seus depósitos no Banco Central. a) Em (A) há destruição de meios de pagamento. b) Em (B) há expansão nos meios de pagamento. c) O estoque de meios de pagamento fica inalterado em (C). d) O estoque de meios de pagamento fica inalterado em (D). 4

5 10. Sejam conhecidos: D = 0,5 (depósitos a vista nos bancos comerciais como proporção dos meios de pagamento) e R = 0,3 (encaixe total dos bancos comerciais como proporção dos depósitos à vista nos bancos comerciais). Supondo que haja um aumento de 650 bilhões de Reais na base monetária ( B = 650), pergunta-se: de quanto aumentarão os meios de pagamento? a) 100 bilhões de Reais b) 10 bilhões de Reais c) 1 trilhão de Reais d) meio trilhão de Reais e) 900 bilhões de Reais 11. De quanto deve ser a soma das propensões marginais a consumir bens domésticos, bens importados e a propensão marginal a poupar em uma economia sem crédito? a) 0,5 b) negativa c) maior do que 1 d) menor do que 1 e) igual a Se a economia representada pelas figuras abaixo está equilibrada em Y 0, respectivamente, estão desenhadas erradas as seguintes retas: C, I, G, S, T Y = C + I + G DA C C, I, G, S, T Y = C + I + G DA = C + I + G C = a + byd S + T I + G Y S + T I + G Y Y 0 Y 0 a) S + T e C = a + byd b) DA e Y = C + I + G c) DA e S + T d) Y = C + I + G e S + T e) S + T e DA 13. Sob regime de câmbio flutuante e com mobilidade perfeita de capitais, no médio prazo, é correto afirmar: a) Um aumento de impostos provoca elevação do estoque real de moeda. b) Uma política fiscal expansionista levará ao aparecimento de um déficit temporário no balanço de pagamentos. c) A política fiscal não exerce influência sobre a renda agregada. d) Um aumento na taxa real de juros externa diminui as reservas cambiais do país. e) Uma elevação dos impostos provoca uma depreciação cambial. 5

6 14. Com relação ao efeito de curto prazo da política monetária, é correta a seguinte afirmação: a) Em regime de câmbio fixo, a política monetária é capaz de alterar a demanda agregada. b) Sob regime de câmbio flutuante e com mobilidade perfeita de capitais, é possível melhorar o saldo de transações correntes mediante uma redução da quantidade de moeda em circulação. c) Em um regime de taxas flutuantes de câmbio e livre mobilidade de capitais, uma expansão monetária gera uma alta inicial dos investimentos e das exportações líquidas. d) Sob regime de câmbio flexível e livre mobilidade de capitais, uma expansão monetária provoca uma apreciação da moeda nacional. e) Com taxa de câmbio fixa e perfeita mobilidade de capitais, uma política monetária contracionista provoca uma redução no estoque de moeda estrangeira em poder do Banco Central. 15. No médio prazo, é correta a seguinte afirmação: a) Em uma economia com imperfeita mobilidade de capitais e regime de câmbio fixo, a política fiscal expansionista terá mais efeito sobre o produto se a inclinação da curva BP for menor que a da curva LM. b) Havendo plena mobilidade de capitais, o equilíbrio com taxas fixas de câmbio depende da curva LM. c) Em um regime de câmbio flexível e plena mobilidade de capitais, quando a taxa de juros internacional diminui, a renda nacional aumenta. d) Sob regime de câmbio flexível, a política monetária será tanto mais eficaz quanto maior for a mobilidade do capital. e) Em regime de câmbio flutuante e perfeita mobilidade de capital, uma política monetária expansionista causa apreciação da moeda doméstica, enquanto uma política fiscal expansionista causa sua depreciação. 16. Sendo a Curva de Phillips original, a taxa natural de desemprego será: a) b) c) d) e) 17. Na Curva de Phillips aceleracionista abaixo, a taxa de desemprego NAIRU será: u 1 u 0 u 2 u a) u 0 b) u 1 c) u 2 d) u 0 - u 1 e) u 2 - u 1 6

7 18. Com base na Teoria das Expectativas Adaptativas, é correto afirmar: a) b) é sempre defasado, com relação a c) é sempre menor do que d) é sempre calculado com base em e) não guarda qualquer proporção com 19. Nesta versão da curva de Phillips a) As expectativas são todas racionais; b) As expectativas são todas adaptativas; c) Não existe expectativa; d) Há tanto expectativas racionais, quanto adaptativas; e) A inflação é explicada pela taxa de desemprego e elemento alheio às expectativas. 20. Com base nas equações abaixo, representativas de uma economia qualquer, marque a afirmação correta. Curva de Phillips: Lei de Okun: Demanda Agregada: a) Uma política monetária restritiva aumenta a inflação no curto prazo; b) Uma política monetária expansionista diminui a inflação no curto prazo; c) Uma política monetária restritiva diminui a inflação no curto prazo; d) Uma política monetária expansionista não afeta a inflação no curto prazo; e) Uma política monetária expansionista não afeta a produção no curto prazo. PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MICROECONOMIA 21. Considere as seguintes equações de demanda e oferta para um mercado de um certo tipo de medicamento (quantidades expressas em milhares e preços em R$): Q D = - 2P + 24 Q S = 2P - 8 Pode-se afirmar que o preço e a quantidade de equilíbrio serão, respectivamente: a) R$ 6,00; b) R$ 6,00; c) R$ 8,00; d) R$ 7,00; e) R$ 8,00;

8 22. Analise as afirmativas abaixo: I. Bens de Giffen são bens inferiores, mas nem todo bem inferior é um bem de Giffen. II. Quando o consumidor maximiza sua utilidade, as utilidades marginais em proporção ao preço de cada um dos bens por ele adquiridos são iguais. III. Se a taxa marginal de substituição entre dois bens não varia ao longo da curva de indiferença, então os dois bens são complementares perfeitos entre si. Estão corretas: a) I e II b) I e III c) II e III d) I, II e III e) Nenhuma das alternativas 23. A tabela mostra o preço que sete consumidores pagariam para comprar um aparelho de DVD. Consumidor Preço (R$) Se o preço do aparelho for de R$ 300,00, o faturamento da loja e o excedente total do consumidor nesta amostra serão a) R$ 900,00; R$ 180,00 b) R$ 1.200,00; R$ 250,00 c) R$ 1.650,00; R$ 180,00 d) R$ 900,00; - R$ 30,00 e) R$ 1.500,00; R$ 250, A Curva de Engel relaciona a demanda por um bem com: a) seu preço, dada a renda do consumidor b) a renda do consumidor, dado seu preço c) a oferta do bem, dada a renda do consumidor d) as demandas dos outros consumidores, dado o seu nível de renda e) o nível de renda, dadas as demandas dos outros consumidores 25. A elasticidade-preço da demanda de um bem de consumo não durável é: a) menor no curto prazo, já que a produção anual é pequena com relação ao estoque existente na economia b) maior no curto prazo, já que uma mudança nos hábitos dos consumidores leva algum tempo para ocorrer c) maior no longo prazo, já que a produção anual é pequena com relação ao estoque existente na economia d) maior no longo prazo, já que uma mudança nos hábitos dos consumidores leva algum tempo para ocorrer e) igual no curto e no longo prazos 8

9 26. Sendo Q o produto total e L o número de trabalhadores, dada a função de produção Q = L + 10 L 2 L 3 Quando a empresa opera com quatro trabalhadores pode-se atribuir os seguintes valores para os produtos total e marginal: a) 100; 34 b) 66; 25 c) 100; 25 d) 100; -18 e) 130; Supondo que, dada a combinação de insumos atualmente empregada por uma empresa maximizadora de lucros, a taxa marginal de substituição técnica de trabalho por capital seja 4. Considerando que os preços correntes do capital e do trabalho sejam, respectivamente, de R$ 18,00 e R$ 6,00 por hora, pode-se afirmar que a empresa está empregando: a) muito capital e pouco trabalho b) muito capital e muito trabalho c) pouco capital e muito trabalho d) pouco capital e pouco trabalho e) quantidades adequadas de capital e de trabalho 28. Uma empresa do ramo de brinquedos investe 30% a mais em máquinas e na contratação de trabalhadores. Em função disso, a produção de brinquedos aumenta 20%. Pode-se dizer, então, que há: a) Economias de escopo b) Rendimentos crescentes de escala c) Economias de escala d) Rendimentos decrescentes de escala e) Rendimentos constantes de escala 29. Quando os recursos são escassos o conceito econômico de custo relevante é o de custo: a) irreversível b) de oportunidade c) contábil d) ambiental e) previsto 30. O custo médio é no trecho em que o custo médio é maior que o marginal. a) crescente b) nulo c) constante d) mínimo e) decrescente 9

10 31. A função custo total de uma empresa é expressa pela equação CT = Q. Para um nível de produção de unidades, pode-se afirmar que: I. O custo total médio é inferior a R$ 10,00. II. O custo fixo e o custo fixo médio são, respectivamente, de R$ 400,00 e R$ 0,04. III. O custo marginal é crescente. Estão corretas: a) todas as afirmativas b) nenhuma das afirmativas c) I e II d) I e III e) II e III 32. Em um determinado ramo da economia o lucro econômico é de 0,10. É correto afirmar que: a) este ramo está em equilíbrio de longo prazo b) algumas empresas sairão deste mercado c) as empresas estão tendo prejuízo d) este ramo está atraindo novos investimentos e) nada do que foi dito acima é correto 33. O gráfico apresenta as curvas de custo marginal, demanda e receita marginal de um monopólio. Comparando esse gráfico com o equilíbrio socialmente ótimo, ocorre, devido ao monopólio, que: a) a perda da sociedade, como um todo, é equivalente à área B b) a sociedade, como um todo, perde um montante representado pela soma das áreas A, B, C e D c) o produtor se apropria de um montante do excedente do consumidor representado pela área D d) o produtor perde um excedente equivalente à área C, mas ganha um montante representado pela área A e) os consumidores perdem um montante representado pela área A 34. As três afirmativas a seguir referem-se à discriminação de preços. I Discriminação de preços consiste em vender diferentes unidades de produto a preços diferentes. II O cartel é uma forma de discriminação de preços. III Discriminação de preços de segundo grau consiste em cobrar preços diferenciados de acordo com a quantidade consumida, de maneira que seriam negociados preços menores para compras volumosas. 10

11 Estão corretas: a) I e III b) I e II c) II e III d) Todas as alternativas e) Nenhuma das alternativas 35. Com relação ao monopólio natural, é INCORRETO afirmar que: a) uma empresa pode atender a todo o mercado com custo inferior ao que existiria se houvesse outras empresas competindo b) ocorre em setores onde existem significativas economias de escala c) em geral, caracteriza-se pela presença de elevados custos fixos e custos marginais baixos ou até decrescentes d) um bom exemplo de monopólio natural é o setor de telefonia fixa e) a venda de seus produtos ou serviços ao preço de concorrência perfeita proporciona lucros normais ao produtor 36. Considere um mercado de duopólio em que Q D = 53 P. A função custo total para cada uma das empresas é igual a CT = 5 Q. Pode-se afirmar que, no modelo de Cournot, as quantidades ofertadas, respectivamente, pelas empresas I e II e o preço de mercado serão: a) 24; 16 e R$ 29,00 b) 16; 16 e R$ 21,00 c) 24; 12 e R$ 17,00 d) 24; 24 e R$ 29,00 e) 24; 16 e R$ 17, Considere os mesmos dados da questão anterior. Agora, porém, a empresa I é a líder do mercado e decide primeiro a quantidade que ofertará. No modelo de Stackelberg as quantidades ofertadas, respectivamente, pelas empresas I e II e o preço de mercado serão a) 24; 16 e R$ 29,00 b) 16; 16 e R$ 21,00 c) 24; 12 e R$ 17,00 d) 24; 24 e R$ 29,00 e) 24; 16 e R$ 17, Assinale a alternativa INCORRETA. São características de um fluxo de caixa convencional relativo a um projeto de substituição de um ativo de capital: a) os custos irrecuperáveis devem ser contabilizados b) as entradas são representadas por setas apontando para cima c) as entradas e saídas devem ser contabilizadas de forma incremental (líquida) d) há um único desembolso no período 0 e) no cálculo do fluxo de caixa terminal desconta-se o fluxo de caixa terminal do ativo a ser substituído 11

12 Responda as questões 39 e 40 com base na tabela e nas informações a seguir: Projeto A Projeto B Investimento inicial R$ ,00 R$ ,00 Ano Entradas de Caixa , , , , , , , ,00 Os projetos A e B, de igual risco, são alternativas de expansão da capacidade produtiva de uma empresa do ramo de brinquedos. O custo de capital dessa empresa é igual a 12%. A tabela acima representa os fluxos de caixa de ambos os projetos. Nessa situação: 39. Pode-se afirmar que o valor presente líquido e o período de payback do projeto A são, respectivamente: a. R$ ,79 ; 3 b. R$ ,00 ; 4 c. R$ ,00 ; 3 d. R$ 6.196,79 ; 4 e. R$ 6.196,79 ; Em um contexto de racionamento de capital com que se defronta a empresa, pode-se afirmar que: a) de acordo com o critério de payback o projeto B é preferível b) de acordo com o critério do valor presente líquido o projeto B é preferível c) ambos os projetos apresentam retorno inferior ao custo de capital d) de acordo com o critério do valor presente líquido o projeto A é preferível e) de acordo com o critério de payback o projeto A é preferível 12

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

Aula 06: Moedas e Bancos

Aula 06: Moedas e Bancos Aula 06: Moedas e Bancos Macroeconomia Agregados Monetários. As contas do Sistema Monetário. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Moeda Conceitualmente, o termo moeda é usado para denominar tudo aquilo que é geralmente

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Balanço de Pagamentos (BP)

Balanço de Pagamentos (BP) Balanço de Pagamentos (BP) Trata-se do registro sistemático das transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Portanto, o estudo do BP torna-se relevante, uma

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA QUESTÕES DISCURSIVAS Questão n o 1 a) Taxa de Câmbio Em setembro/outubro de 2008, houve uma desvalorização do real em relação ao dólar acima de 40%, decorrente do aumento da aversão a risco que provocou

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Macroeconomia. Economia

Macroeconomia. Economia Macroeconomia Economia Fluxo de renda Comecemos então com o modelo simples de fluxo circular de renda. Bens e serviços vendidos Mercado de Bens e serviços Bens e serviços comprados Receita Despesa Empresas

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 9 de Junho de 2003 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 a) Devido ao deslocamento da curva de demanda, o mercado equilibra-se, a curto prazo, com elevação do preço e da quantidade negociada. A elevação do preço permite às empresas que já operam

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Crítica ao conceito de poupança http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo dos Três Hiatos Y = (C + I) + (XS -MS) + (G -T), onde: Y= PIB; (C + I)= demanda efetiva privada;

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais