GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2"

Transcrição

1 /04/2013 1

2 GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2

3 17/04/2013 3

4 A Soldagem TIG (GTAW) O processo de soldagem Gas Tungsten Arc Welding - GTAW, ou soldagem TIG - Tungsten Inert Gas, como é mais conhecido atualmente, é um processo de soldagem a arco elétrico que utiliza-se de um arco entre um eletrodo não-consumível de tungstênio e a poça de soldagem. Conforme pode-se notar pela figura anterior, a poça de soldagem, o eletrodo e parte do cordão são protegidos através de um gás de proteção, que é injetado pelo bocal da tocha. Seu desenvolvimento deveu-se à necessidade de disponibilidade de processos eficientes de soldagem de materiais de difícil soldabilidade, tais como o alumínio, cobre e magnésio; notadamente na indústria da aviação, no começo da Segunda Grande Guerra Mundial. Sua berço de criação foi na Alemanha, onde o processo TIG é conhecido como WIG, sigla de Wolfranium Inert Gas. Assim, com o seu aperfeiçoamento, surgiu um processo de alta qualidade e relativo baixo custo, de uso em aplicações diversas, com inúmeras vantagens. 17/04/2013 4

5 17/04/2013 5

6 Soldagem TIG (GTAW) O processo TIG permite soldar uma série de tipos de materiais, com ou sem material de adição. Dependendo da aplicação da solda, é possível adicionar material à poça de fusão, nesse caso, o material deve ser compatível com o metal de base. Para isolar a região de soldagem dos contaminantes atmosféricos - Nitrogênio (N2), Oxigênio (O2) e Dióxido de Carbono (CO2) - e umidade (na forma de H2), que prejudicam as propriedades mecânicas da junta, são utilizados gases de proteção com características químico-físicas específicas (todos inertes), que também ajudam a formar e manter o arco elétrico estável. A altura do arco elétrico é controlada pela diferença de potencial (tensão) aplicada entre os eletrodos (assim como no caso do processo MIG/MAG), ou pela distância eletrodo peça, e sua intensidade pela corrente elétrica que se faz fluir através da coluna de gás ionizado (produção de arco sob ambiente plasmático). 17/04/2013 6

7 Soldagem TIG (GTAW) O eletrodo utilizado na soldagem TIG é o de tungstênio, que tem o maior ponto de fusão dos metais: 3400 o C, podendo este ser puro (99,9%) ou ainda ser ligado com outros materiais (sempre na forma de óxidos), geralmente: Cério (Ce), Lantânio (La), Tório (Th) e Zircônio (Zr). Além disso, o tungstênio é chamado termoiônico, porque tem facilidade de emitir elétrons ao ser aquecido, o que auxilia bastante a estabilidade do arco Os eletrodos de tungstênio puro têm a vantagem de apresentar menor custo e menor efeito de retificação quando utilizada a corrente alternada. Por outro lado, as desvantagens são a dificuldade na abertura do arco e menor durabilidade. Nos processos automatizado, exige-se que os eletrodos sejam ligados ao Zircônio (Zr). 17/04/2013 7

8 Vantagens Apresenta cordões de solda de alta qualidade; Ausência de escória no cordão; Ausência de respingos e faíscas; Pode ser empregado em todas posições; Ótimo para soldagem de pequenas espessuras; Ótimo desempenho na soldagem autógena; Ausência de fluxos e revestimentos sólidos; Aparência higiênica e cirúrgica da solda; Baixa sensibilização à corrosão intergranular; Baixa distorção, devido a sua baixa energia de soldagem. 17/04/2013 8

9 Desvantagens Custo relativamente alto principalmente no caso da soldagem de alumínio, que há a necessidade de uma fonte geradora de alta frequência e CA; Necessita de grande habilidade do soldador; Dificuldade na soldagem em campo influência do vento; Baixa mobilidade, devido a quantidade de acessório ser extensa; Alta incidência de luzes UV e IV; Inadequado para soldagem de chapas de mais de 10 mm. Baixa taxa de deposição. 17/04/2013 9

10 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

11 17/04/

12 O Equipamento 17/04/

13 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

14 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) Fontes de soldagem TIG 17/04/

15 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) Controle de gás de proteção (Q e P) 17/04/

16 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) Conjunto Regulador + Manômetros (interno e trabalho) Conjunto Regulador + Manômetro + Fluxômetro 17/04/

17 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) Tocha 17/04/

18 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) Tochas TIG 17/04/

19 Equipamento para Soldagem TIG (GTAW) A tocha conduz a corrente e o gás inerte para a zona de soldagem; tem a extremidade revestida de material isolante a fim de ser manuseada com segurança pelo operador. A tocha serve como suporte do eletrodo de tungstênio e também fornece o gás de proteção. Dentro da tocha existe uma pinça que segura o eletrodo, e que deve ser selecionada de acordo com o diâmetro do eletrodo. As tochas, que suportam o eletrodo e conduzem o gás de proteção até o arco, são classificadas basicamente pelo seu mecanismo de refrigeração. As tochas refrigeradas a gás são mantidas na temperatura adequada pelo efeito de resfriamento causado pelo próprio gás de proteção. Estas tochas estão limitadas a uma corrente máxima de cerca de 200 A. Já as tochas refrigeradas a água, promovem a circulação de água, normalmente em circuito fechado, para refrigeração. Desta forma, pode-se dispor de tochas que suportam correntes de até 1000 A. 17/04/

20 Parâmetros de Soldagem 17/04/

21 Parâmetros de Soldagem Os parâmetros de soldagem são responsáveis pela qualidade do cordão de solda e o desenvolvimento do processo; assim, é preciso conhecer essas variáveis para escolher o procedimento adequado a cada tipo de trabalho. Os parâmetros a considerar no processo TIG são: Comprimento do arco; Velocidade de soldagem; Vazão do gás; Corrente de soldagem; Polaridade; 17/04/

22 Comprimento do Arco O comprimento do arco é a distância entre a ponta do eletrodo e o metal de base (o que no processo MIG/MAG, chamamos de Stick-out); o aumento do comprimento faz aumentar também a tensão do arco, sob uma dada corrente de soldagem e determinado gás de proteção. O comprimento do arco influencia diretamente no cordão de solda, que será tanto mais largo quanto maior for o arco. Um arco muito curto ou muito longo torna-se instável, favorecendo a formação de porosidades, mordeduras e falta de fusão. Em conseqüência, a penetração também será afetada, embora que discretamente. Maior distância Cordão mais largo Menor distância Cordão mais estreito 17/04/

23 Velocidade de Soldagem A velocidade de soldagem tem influência sobre a penetração e a largura do cordão de solda; assim, para uma velocidade muito alta de soldagem, o arco não permanece tempo suficiente na região de solda para proporcionar uma boa fusão e penetração do cordão. Já para uma velocidade baixa, a penetração aumenta. Mas, para uma velocidade excessivamente baixa de soldagem, o próprio metal fundido na poça funciona como isolante térmico para a transferência de calor do arco para o metal base, prejudicando também a penetração de solda. Uma velocidade maior melhora a eficiência e a produtividade da soldagem, reduzindo os custos de produção; no entanto, velocidades altas demais podem causar descontinuidades, como falta de penetração e mordeduras. Menor velocidade de Maior velocidade de soldagem soldagem Cordão mais largo e Cordão mais estreito e maior a penetração menor a penetração 17/04/

24 Vazão do Gás de Proteção A vazão do gás é responsável pela proteção adequada do eletrodo e da poça de fusão garantindo soldas isentas de oxidação e porosidade. Seu valor ideal depende do tipo de metal a ser soldado, condições de ventilação do ambiente e nível de amperagem utilizado. Para que a proteção oferecida pelo gás seja eficiente, é preciso considerar a vazão do gás. A vazão deve ser forte o suficiente para deslocar o ar para longe da área da solda e assim proteger a poça de fusão; no entanto, uma vazão elevada pode causar turbulência no fluxo do gás, resultando em descontinuidade ou defeitos no cordão e instabilidade do arco, sem falar no custo maior de soldagem. 17/04/

25 Vazão do Gás de Proteção A vazão ideal leva em consideração fatores como: Tipo de gás utilizado; Distância entre o bocal e a peça; Tipo e posição da tocha; Tipo de junta; Diâmetro do bocal; Velocidade e posição de soldagem; Tipo de metal a ser soldado; Tamanho da poça de fusão. Uma vazão baixa não oferece proteção adequada à poça de fusão, causando também descontinuidades. Uma regra para determinar a vazão ideal é fazer um teste, iniciando com vazão elevada e diminuindo gradativamente até que comece uma oxidação superficial do cordão; a vazão ideal será a mais próxima e superior a essa. 17/04/

26 Corrente de Soldagem A corrente de soldagem pode-se considerar, de forma geral, que ela controla a penetração da solda, com efeito diretamente proporcional, além de influenciar na penetração de solda, a limpeza superficial dos óxidos da superfície do metal base e o desgaste do eletrodo de tungstênio. A corrente afeta também a tensão do arco, sendo que para um mesmo comprimento de arco, um aumento na corrente causará um aumento na tensão do arco. O ajuste da vazão de gás está relacionado com a intensidade de corrente ideal para os diferentes metais a soldar. Considerando o argônio como gás de proteção, a relação vazão/corrente pode ser mostrada em um quadro. Menor Corrente Cordão mais estreito e menor a penetração. Menor Corrente Cordão mais largo e maior a penetração 17/04/

27 Corrente de Soldagem 17/04/

28 Polaridade Quando se trabalha com CC, o ignitor de alta freqüência é usado apenas para abrir o arco e em seguida é desligado. Geralmente os aparelhos possuem um dispositivo que inibe as faíscas do ignitor quando o arco está aberto. Na soldagem com CC, o circuito pode ter o eletrodo ligado tanto ao pólo negativo quanto ao positivo. 17/04/

29 Corrente Contínua com Polaridade Direta Quando o eletrodo está ligado ao pólo negativo CC -, os elétrons fluem do eletrodo em altas velocidades, bombardeando o metal de base e provocando um aquecimento considerável nesse metal; a concentração de calor, portanto, é de aproximadamente 70% na peça e 30% no eletrodo. O cordão de solda obtido com CC, é estreito e com grande penetração. Este tipo de corrente é aplicado na soldagem de aço, cobre, aços inoxidáveis austeníticos (ao cromo-níquel) e ligas resistentes ao calor. 17/04/

30 Corrente Contínua com Polaridade Inversa Quando ligado ao pólo positivo, CC +, o eletrodo é positivo e o metal é negativo; os elétrons fluem do metal de base para o eletrodo, o qual se aquece e tende a fundir a extremidade. A concentração de calor é de aproximadamente 30% na peça e 70% no eletrodo. Por esta razão, a soldagem com CC + requer um eletrodo com diâmetro maior ou uma corrente mais baixa para evitar o superaquecimento e conseqüente fusão do eletrodo, que contamina a poça de fusão. Esse inconveniente torna a soldagem com CC + pouco utilizada, uma vez que não é viável para correntes elevadas. O cordão de solda obtido é largo, com pequena penetração. 17/04/

31 Corrente Alternada Teoricamente, uma soldagem com CA é uma combinação das soldagens com CC + e CC - A corrente assemelha-se a uma onda, cuja parte superior representa a polaridade positiva, ou CC +, e a inferior a negativa ou CC -. Os elétrons e os íons partem da peça para o eletrodo e vice-versa, causando uma concentração equilibrada de calor de 50% para cada um e um cordão com penetração média. A CA é aplicada na soldagem de alumínio, magnésio e suas ligas. Na soldagem com CA, o arco tende a extinguir quando a corrente é muito baixa ou nula, uma vez que a corrente cai a zero a cada inversão de polaridade; neste caso, o ignitor deve permanecer ligado para estabilizar a descarga elétrica. 17/04/

32 Corrente Alternada Quando se utiliza CA com eletrodo de tungstênio puro, acontece o efeito de retificação, que é a diferença de emissividade eletrônica existente entre o eletrodo de tungstênio puro e o material que está sendo soldado. Na CA, existe uma mudança cíclica do fluxo de elétrons, que ora se deslocam do eletrodo de tungstênio para a poça de fusão, ora saem da poça de fusão em direção ao eletrodo. Devido ao efeito de retificação, há um desbalanceamento nesse movimento, tornando a emissão de elétrons vindos da poça de fusão menor que a emissão de elétrons provenientes do eletrodo; isto provoca o aparecimento de duas senóides de intensidades diferentes. 17/04/

33 Corrente Alternada O efeito de retificação é mais prejudicial no caso da soldagem de alumínio e de magnésio, que apresentam óxido refratário, porque o fluxo de elétrons emitido pela poça de fusão não é suficiente para romper completamente a camada de óxido existente durante a soldagem. A fim de atenuar o efeito de retificação, utiliza-se um transformador com condensador-filtro, que equilibra as senóides representantes do fluxo de elétrons. 17/04/

34 Tensão A tensão do arco, designação dada para a tensão entre o eletrodo e a peça, é fortemente influenciada por diversos fatores, estes já citados como parâmetros: Corrente do arco; Perfil da ponta do eletrodo; Comprimento do arco (Distância entre o eletrodo e a peça); Tipo da gás de proteção; Como existe uma relação direta entre a tensão e o comprimento do arco, a tensão é usada para controlar o processo, pois uma vez fixados diversos outros parâmetros, a tensão do arco possibilita o controle do comprimento do arco, que é difícil de monitorar. Por sua vez, o comprimento do arco afeta diretamente a largura da poça. Apesar disso, na maioria dos processos com chapas, o comprimento do arco desejado é o menor possível. Este controle o comprimento do arco pela tensão, entretanto, deve ser feito de maneira cuidadosa, observando-se outros parâmetros que também afetam a tensão como contaminação do eletrodo e do gás de proteção, alimentação imprópria do material de adição, mudanças de temperatura no eletrodo e erosão do eletrodo. A velocidade de avanço afeta a penetração e a largura no processo, sendo esta última, porém, muito mais afetada. 17/04/

35 Quadro Resumo 17/04/

36 Consumíveis 17/04/

37 Classificação AWS do Eletrodo Os eletrodos para o processo TIG são varetas sinterizadas de tungstênio puro ou ligado ao Tório (Th), Zircônio (Zr), Lantânio (La) ou Cério (Ce), ambos na forma de óxidos. A classificação do eletrodo quanto à composição química encontra-se na norma ANSI/AWS A , apresentada no quadro. 17/04/

38 Classificação AWS do Eletrodo A norma AWS A estabelece um código para a identificação dos eletrodos conforme sua composição química. Segundo esse código, a letra E significa eletrodo; W é para wolfrâmio (ou tungstênio), o elemento químico de que é feito o eletrodo, X é o elemento químico adicionado ao eletrodo e P significa puro. Ex: AWS EWT 1 Eletrodo de Tungstênio, com adição 1 % de Tório (valor pode variar). 17/04/

39 Composição Química do Eletrodo Os elementos químicos adicionados ao eletrodo são importantes para permitir um desempenho melhor do processo de soldagem. Os eletrodos com adição de Zircônio (Zr) ou Tório (Th) apresentam vantagens, tais como maior durabilidade, maior resistência com potências elevadas e melhores propriedades de ignição. Por outro lado, as desvantagens, quando se utiliza corrente alternada, são o custo maior, maior efeito de retificação e menor estabilidade do arco. 17/04/

40 Composição Química do Eletrodo EWC é o eletrodo de tungstênio com óxido de cério (Ceo3), conhecido como Céria. Este tipo de eletrodo apresenta maior facilidade de ignição, melhor estabilidade do arco, reduzida taxa de vaporização ou queima e trabalha muito bem com corrente alternada ou contínua, em qualquer polaridade; estas vantagens aumentam com o aumento de quantidade de Céria. EWL é o eletrodo de tungstênio que contém 1% de óxido de lantânio (LaO3), conhecido como Lantânia; as características de operação e vantagens deste eletrodo são muito similares às do eletrodo com Céria. EWT é o eletrodo que contém óxido de tório (ThO3), conhecido como tória; a tória é responsável pelo aumento de vida útil do eletrodo em relação aos eletrodos de tungstênio puro devido a sua alta emissão de elétrons, melhor ignição e estabilidade do arco. Estes eletrodos têm maior vida útil e apresentam grande resistência a contaminantes de tungstênio na solda. EWZ é o eletrodo com adição do óxido de zircônio (ZiO3), conhecido como zircônia; este eletrodo é o preferido para aplicações nas quais a contaminação por tungstênio deve ser minimizada. O eletrodo com zircônia tem bom desempenho quando usado com corrente alternada e apresenta alta resistência a contaminação. 17/04/

41 Preparação do Eletrodo A preparação do eletrodo (angulação e afiação) sempre é definida conforme a corrente utilizada na soldagem, bem como o diâmetro do eletrodo. Essa preparação é feita por meio de esmerilhamento (com rebolo de oxido de Silício SIO3) da ponta, sempre no sentido longitudinal, para facilitar o direcionamento dos elétrons. Em casos especiais, as marcas do esmerilhamento são retiradas por meio de polimento. Na soldagem com corrente contínua, a ponta do eletrodo deve ser pontiaguda. O cone correto da ponta pode ser obtido por uma norma prática: a altura do cone deve ser 2 (duas) vezes a 2 (duas) vezes e meia o diâmetro do eletrodo. No caso de soldagem com corrente alternada, a ponta do eletrodo deve ser ligeiramente arredondada. 17/04/

42 Preparação do Eletrodo C.C. C.A. 17/04/

43 Seleção do Eletrodo Conforme Parâmetros A escolha do tipo e do diâmetro do eletrodo deve levar em consideração a espessura e o tipo do material, o tipo de junta, o número de passes e os parâmetros de soldagem, como amperagem e tensão, além da composição química do eletrodo. Um quadro auxilia a seleção do eletrodo: 17/04/

44 Seleção do Eletrodo Conforme Parâmetros 17/04/

45 Metal de Adição O metal de adição para soldagem TIG é geralmente apresentado sob forma de varetas com cerca de 1 metro de comprimento. No caso de soldagem mecanizada, utilizam-se bobinas de fio enrolado. Os diâmetros dos fios e das varetas obedecem a um padrão que varia entre 0,5 mm e 5 mm. Os materiais e ligas utilizados na confecção das varetas são variados; classificam-se segundo sua composição química e de acordo com as propriedades do metal depositado. É importante que o metal de adição esteja isento de umidade, oleosidade e oxidação. A escolha do metal de adição leva em consideração fatores como: similaridade com o metal de base, composição química, propriedades mecânicas e custos razoáveis. O diâmetro do fio ou da vareta deve corresponder à espessura das peças a soldar ou à quantidade de material que será depositada. Estas informações encontram-se disponíveis nos catálogos dos fabricantes. Os consumíveis utilizados como metal de adição na soldagem TIG são especificados segundo normas que definem as características do arame, as propriedades mecânicas desejadas, ensaios recomendados, dados de identificação, garantia do fabricante, condições de aceitação e embalagem. 17/04/

46 Classificação AWS do Metal de Adição 17/04/

47 Classificação AWS do Metal de Adição A especificação AWS A5.18 prescreve os requerimentos para a classificação de eletrodos sólidos ou compostos (arame tubular com núcleo metálico metal cored) e varetas para os processos GMAW, GTAW e PAW na soldagem de aço carbono. A Especificação AWS A5.9 se aplicam a arames, varetas, fitas e eletrodos compostos de aços inoxidáveis. O teor de Cr cromo destes consumíveis é no mínimo de 10,5%. ER designa eletrodo na forma de arame ou vareta. XX designa o limite de ruptura no ensaio de tração em Ksi. Y este dígito indica a forma construtiva: S designa eletrodo sólido e C designa eletrodo composto. X designa a faixa de composição química. 17/04/

48 Classificação AWS do Metal de Adição 17/04/

49 Principais Varetas Utilizadas na Soldagem de Aços Inoxidáveis 17/04/

50 Principais Varetas Utilizadas na Soldagem de Aços Inoxidáveis 17/04/

51 Gases de Proteção Os gases de proteção utilizados no processo TIG são os inertes, isto é, que não reagem com o eletrodo nem com a poça de fusão; como exemplos citam-se o argônio (Ar), mais utilizado, o hélio (He) ou uma mistura de ambos. Os gases de proteção do processo TIG devem ter um grau de pureza de 99,99%, no mínimo, para que a solda apresente a qualidade desejada. O teor de umidade também é um fator importante que deve ser controlado. A escolha do gás depende de fatores como tipo de metal que se quer soldar, espessura das peças e posição de soldagem. As misturas de argônio e hélio, respectivamente 70% e 30% e 30% e 70%, são as que apresentam os melhores resultados na soldagem de metais não ferrosos, como alumínio, magnésio e ligas. As misturas argônio e hidrogênio (8% em geral) são as mais utilizadas em soldagem TIG manual e automática dos aços inoxidáveis. 17/04/

52 As Funções dos Gases de Proteção A principal função de um gás de proteção no processo TIG é excluir os gases da atmosfera que podem contaminar a poça de fusão, o eletrodo e a parte aquecida da vareta de adição. Os gases são definidos, regidos e classificados pela AWS A5.32. A escolha do gás é importante porque influencia a velocidade de soldagem, na penetração, no acabamento e na estabilidade do arco. 17/04/

53 Gases de Proteção 17/04/

54 Gases de Proteção 17/04/

55 Argônio (Ar) O Argônio (Ar) é um gás, sendo o terceiro elemento da classe dos gases nobres. É incolor e inerte, constituindo cerca de 1% do ar atmosférico. É sem sobra de dúvidas o gás mais utilizado na soldagem TIG, frente a diversas propriedades tolerantes e frente a sua versatilidade. O emprego do gás argônio no processo TIG apresenta algumas vantagens, como: Uma boa estabilidade do arco; Baixo consumo do gás; Baixas tensões de arco; Custo baixo do processo; Facilidade na abertura do arco; Melhor efeito de limpeza de óxidos quando usada a corrente alternada. Por ser mais pesado que o ar, o argônio forma uma eficiente cortina de proteção ao redor da poça de fusão. 17/04/

56 Hélio (He) O hélio (He) é um gás monoatômico, incolor e inodoro. Tem o menor ponto de evaporação de todos os elementos químicos, e só pode ser solidificado sob pressões muito grandes. É o segundo elemento químico na tabela periódica, e está em segundo lugar entre os gases em maior abundância no universo, atrás do hidrogênio (H). O gás hélio (He) empregado no processo TIG apresenta consumo alto, pois é um gás mais leve que o ar; sua densidade baixa provoca a subida do gás em turbulência, prejudicando a proteção da poça de fusão, por isso, o fluxo do hélio deve ser de 2 a 3 vezes maior que a do argônio. O hélio requer altas tensões de soldagem, o que demanda maior energia para uma mesma corrente e comprimento de arco; permite grande penetração do cordão de solda; apresenta custo alto, mas, em contrapartida, possibilita maior velocidade no caso de soldagem automática de alumínio e suas ligas. Em soldagem automática de alumínio e suas ligas, o gás hélio puro pode ser utilizado com corrente contínua e polaridade negativa. 17/04/

57 O Processo 17/04/

58 17/04/

59 Limpeza da Junta A preparação de junta a ser soldada é fundamental para a obtenção de soldas de alta qualidade. O processo TIG por não ser eficiente na desoxidação e limpeza da poça de fusão, exige uma limpeza rigorosa da junta, retirando-se resíduos de óleo, graxa, fuligem etc. As bordas devem estar ao metal brilhante e quando necessário é feita a proteção com um gás inerte, geralmente o próprio argônio. Na contra solda em passes de raiz, como na soldagem de tubulações de aços inoxidáveis, é necessário ainda a utilização de purgas, de modo a garantir total proteção da poça de fusão, e ainda garantir a constante limpeza da junta. A limpeza deve ser efetuada por meio de escovas (mecânicas ou manuais), discos de lixa, discos abrasivos ou qualquer outro meio de lixamento. Uma atenção especial deve ser tomada quanto a possibilidade de contaminação destes meios de preparo na junta, o que pode vir ocasionar problemas na junta soldada!!! 17/04/

60 Posicionamento da Tocha Posicionamento da tocha para soldagem plana Posicionamento da tocha para soldagem em ângulo 17/04/

61 Alimentação e Progressão da Solda 17/04/

62 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

63 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

64 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

65 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

66 Soldagem TIG (GTAW) 17/04/

67 Fim!!! 17/04/

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

Processo de Soldagem TIG - GTAW

Processo de Soldagem TIG - GTAW Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Processo de Soldagem TIG - GTAW Disciplina: Processo de Soldagem. Professor: Alexandre Queiroz

Leia mais

A SOLDAGEM GTAW (OU TIG)

A SOLDAGEM GTAW (OU TIG) A SOLDAGEM GTAW (OU TIG) O processo de soldagem TIG tem a fama, justificada, de ser um processo de alta qualidade pois foi desenvolvido no início dos anos 40 para atender a uma indústria bem exigente,

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG Processos Soldagem MIG/MAG No Processo MIG/MAG (Gas Metal Arc Welding GMAW) é estabelecido um arco elétrico entre um eletrodo consumível nu alimentado continuamente (arame-eletrodo) e o metal de base,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG

MANUAL DE INSTRUÇÕES. LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG MANUAL DE INSTRUÇÕES LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG II Sumário 1. Introdução 1 2. Descrição do Equipamento 2.1 Ligando a fonte na Rede 2.2 Descrição do Painel Frontal

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

GTAW Soldagem TIG 23/6/2013 2

GTAW Soldagem TIG 23/6/2013 2 2012 23/6/2013 1 GTAW Soldagem TIG 23/6/2013 2 23/6/2013 3 A Soldagem TIG (GTAW) O processo de soldagem Gas Tungsten Arc Welding GTAW, ou soldagem TIG Tungsten Inert Gas, como é mais conhecido atualmente,

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

Soldagem a Plasma - PAW

Soldagem a Plasma - PAW Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Soldagem a Plasma - PAW Disciplina: Processo de Soldagem. Professor: Alexandre Queiroz Bracarense,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de:

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG-MAG Prof. Luiz Gimenes Jr. Engº José Pinto Ramalho INTRODUÇÃO A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG, quando a proteção gasosa utilizada

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE SOLDAGEM PROF. JAQUES JONAS SANTOS SILVA RESENDE, NOVEMBRO DE 2008. ÍNDICE 1. SOLDAGEM...

Leia mais

Apostila de Soldagem MIG/MAG

Apostila de Soldagem MIG/MAG Apostila de Soldagem MIG/MAG MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE METAL... 4 EQUIPAMENTOS Soldagem manual... 7 SUPRIMENTO DE ENERGIA... 10 GASES DE PROTEÇÃO... 14 ARAMES... 23 SEGURANÇA... 29 TÉCNICAS E PARÂMETROS

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

SENAI-PE. Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido

SENAI-PE. Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido 2 Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco Presidente Jorge Wicks Côrte Real Departamento Regional do SENAI de Pernambuco Diretor Regional

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM Soldagem A soldagem é o mais importante processo de união de metais utilizado na indústria. Aplicações da soldagem: Estruturas simples Grades Portões Estruturas

Leia mais

Seu parceiro em Soldagem e Corte. Soldagem MIG/MAG

Seu parceiro em Soldagem e Corte. Soldagem MIG/MAG Seu parceiro em Soldagem e Corte Soldagem MIG/MAG ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE METAL... 4 EQUIPAMENTOS... 12 SUPRIMENTO DE ENERGIA... 18 GASES DE PROTEÇÃO... 27 ARAMES... 46 SEGURANÇA...

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03 ARAMES PARA SOLDA A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com GerdauMIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas, nos mais diversos segmentos.

Leia mais

SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA

SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA PROCESSO MIG - MAG Elaboração : Engenheiro Arnaldo Mello Solci White Martins Gases Industriais S/A - Bauru 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem

Leia mais

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS ARAMES PARA SOLDA ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com Gerdau-MIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas,

Leia mais

Processo de Soldagem por Arame Tubular

Processo de Soldagem por Arame Tubular Processo de Soldagem por Arame Tubular Engº Roberto Joaquim INTRODUÇÃO Data da década de 30 o início da utilização de proteção gasosa nas operações de soldagem, para resolver problemas da contaminação

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS

PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS Muitos soldadores e profissionais de corte de aço devem se preocupar com as emanações que encontram quando realizam suas atividades de soldagem e corte. A maioria dos

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

APOSTILA L&A SOLDAGEM

APOSTILA L&A SOLDAGEM APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM TIG APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM TIG SALVADOR 2012 Copyright 2012 por L&A SOLDAGEM. Todos os direitos reservados Área Tecnológica L&A Soldagem Elaboração:

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17.

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17. CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM ÍNDICE: 1. Conceitos. 2. Normas Técnicas Aplicáveis. 3. Especificações e Classificações AWS. 4. As Normas AWS. 5. Gases de Proteção AWS A5.32. 6. Eletrodos Revestidos AWS A5.1,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

CURSO DE. Franco Canan

CURSO DE. Franco Canan CURSO DE SOLDAGEM Curso de Soldagem 1. INTRODUÇÃO 1.1) O que é soldagem 1.2) Visão geral do processo MIG/MAG 1.3) Responsabilidades do soldador 1.4) Compromisso com a Empresa (Cliente) 2. EQUIPAMENTOS

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG)

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A suposta facilidade operacional da soldagem pelo processo GMAW (MIG-MAG) pode sugerir que este seja um processo que requeira poucos cuidados, mas quando se começa a entender

Leia mais

APOSTILA L&A SOLDAGEM

APOSTILA L&A SOLDAGEM APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM MIG/MAG E ARAME TUBULAR APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM MIG/MAG E ARAME TUBULAR SALVADOR 2012 Copyright 2012 por L&A SOLDAGEM. Todos os direitos reservados

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Funilaria de Autos 1. Os processos de soldagem podem ser classificados em três

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW)

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) 2015-Jul Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) Público alvo: Vendedores e Representantes comerciais 1 Informações iniciais : Ciclo de Trabalho (Fator de trabalho) O Ciclo de Trabalho é a relação entre

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

SOLDAGEM 4/18/2014 BIBLIOGRAFIA JUNTA SOLDADA

SOLDAGEM 4/18/2014 BIBLIOGRAFIA JUNTA SOLDADA BIBLIOGRAFIA SOLDAGEM Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica Soldagem I Introdução aos Processos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Prof. Paulo Villani Marques Belo Horizonte, janeiro de

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 46 CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 47 PROCESSO DE SOLDAGEM TIG (Tungsten Inert Gas) GTAW É um processo de soldagem por fusão, a arco elétrico que utiliza o calor gerado

Leia mais

Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA

Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA Senai RJ Volta Redonda Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA Edson Urtado O histórico... Processo desenvolvido nos anos 50; No início o plasma foi desenvolvido para o corte do aço inóx e alumínio; Alto

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS.

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. 1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. Os aços inoxidáveis são aços de alta liga, geralmente contendo cromo, níquel, molibdênio em sua composição química. Estes elementos de liga, em particular o cromo, conferem uma

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica 1. Objetivos: - Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem (e corte) oxi-acetilênica. - Familiarizar-se

Leia mais

Olhal soldável VLBS Elevação e amarração de cargas Cumpre as diretrizes de maquinaria 2006/42/EG C F T D E T I Articulação 180 G B A H Descrição Carga de trab. (t) Dimensões (mm) Solda Peso O VLBS forjado

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 9 CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 10 SOLDAGEM POR OXI-GÁS (SOLDA A GÁS) A soldagem por oxi-gás é um processo de soldagem por fusão, no qual a união entre os metais é conseguida através da aplicação do

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Solda soldagem EaD 10/10/2010 Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Prof. Dr. Almir M. Quites www.soldasoft.com.br O mercado exige cada vez mais qualificação profissional, mas todos nós temos

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E MATERIAIS TECNOLOGIA DA SOLDAGEM Prof. Dr. Kléber Mendes de Figueiredo São Luís 2005 O presente trabalho é uma compilação de

Leia mais

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização.

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização. 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem a arco sob proteção gasosa consiste em um aquecimento localizado da região a se unir, até que esta atinja o ponto de fusão, formando - se então a poça

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Rev. 08/2014 PROCESSO TIG

Rev. 08/2014 PROCESSO TIG PROCESSO TIG Rev. 08/2014 ATENÇÃO Importante: Leia este manual atentamente antes de utilizar o produto. Em caso de falta de experiência ou desconhecimento dos métodos e o funcionamento seguro, consulte

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Distribuição. Soluções em Aço para Solda

Distribuição. Soluções em Aço para Solda Distribuição Soluções em Aço para Solda A ArcelorMittal Distribuição apresenta sua linha de produtos para solda. A Belgo Bekaert Arames é líder de mercado no Brasil e tem um dos mais modernos parques industriais

Leia mais

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 11/98 CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS Luiz F. de Matteo Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO Alcindo Fernando Moreira Juno Gallego Ruis Camargo Tokimatsu Wyser José Yamakami Vicente

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais