Carapicuíba - SP. Junho / 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carapicuíba - SP. Junho / 2013"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Carapicuíba - SP Junho / 2013

2 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1.1 DENOMINAÇÃO E INFORMAÇÕES DA MANTIDA INSTITUIÇÃO MANTENEDORA DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTIDA INFORMAÇÕES DO CURSO APRESENTAÇÃO DO PROJETO CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES BASES LEGAIS PERFIL E MISSÃO DA IES DADOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO BREVE HISTÓRICO DA FNC FACULDADE NOSSA CIDADE ÁREAS OFERECIDAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO ÁREAS OFERECIDAS DO ÂMBITO DA PÓS GRADUAÇÃO ÁREAS DE ATUAÇÃO NA EXTENSÃO E PESQUISA CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO DO CURSO PERFIL DO COORDENADOR COMPOSIÇÃO DO NDE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CONTEXTO EDUCACIONAL POLÍTICAS INSTITUCIONAIS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ENSINO POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE PESQUISA POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE EXTENSÃO 22 2

3 4.3 RESPONSABILIDADE SOCIAL AÇÕES SOCIAIS NO MUNICÍPIO INCLUSÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO INCLUSIVA PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO DE ESTUDOS PARA ALUNOS CARENTES PRESSUPOSTOS CONTEXTUAIS E CONCEITUAIS QUE JUSTIFICAM A NECESSIDADE DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO MERCADO DE INSERÇÃO DO EGRESSO DO CURSO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E SEUS ELEMENTOS ESTRUTURAIS MATRIZ CURRICULAR DISTRIBUIÇÃO DAS CARGAS HORÁRIAS SEMANAIS CONTEÚDOS CURRICULARES PROGRAMA DE TÓPICOS TRANSVERSAIS NA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS DISCIPLINA DE LIBRAS (DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005) ADEQUAÇÃO DA METODOLOGIA DE ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO E PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CORPO DOCENTE ATUAÇÃO DO NDE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE COMPOSIÇÃO DO NDE

4 5.1.2 TITULAÇÃO DO NDE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL DO NDE REGIME DE TRABALHO DO NDE ATUAÇÃO DO COORDENADOR PERFIL DOS DOCENTES TITULAÇÃO DO CORPO DOCENTE ADEQUAÇÃO DA FORMAÇÃO REGIME DE TRABALHO DO CORPO DOCENTE DEDICAÇÃO AO CURSO TEMPO DE EXPERIÊNCIA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR OU EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL COLEGIADO DE CURSO INFRAESTRUTURA ESPAÇO FÍSICO GERAL PLANO DE EXPANSÃO FÍSICA ESPAÇO FÍSICO ATUAL DISTRIBUIÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO POR DEPENDÊNCIA BLOCO/ ANDAR CAMPUS PIGNATARI DISTRIBUIÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO POR DEPENDÊNCIA BLOCO/ ANDAR CONDIÇÕES DE SALUBRIDADE DAS INSTALAÇÕES ACADÊMICAS SALA DE PROFESSORES E SALA DE REUNIÕES GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES SALAS DE AULA ACESSO DOS ALUNOS A EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA BIBLIOTECA

5 6.4.1 LIVROS DA BIBLIOGRAFIA BÁSICA LIVROS DA BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS POLÍTICAS PARA A BIBLIOTECA LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA NORMAS DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA LABORATÓRIOS DIVERSOS UTILIZADOS PELO CURSO

6 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1.1 DENOMINAÇÃO E INFORMAÇÕES DA MANTIDA Faculdade Nossa Cidade FNC Avenida Francisco Pignatari, 630 Município: Carapicuíba SP CEP: Fone: Fax: Site: 1.2 INSTITUIÇÃO MANTENEDORA Centro Educacional Nossa Cidade Ltda. CNPJ: / Avenida Francisco Pignatari, 630 Município: Carapicuíba SP CEP: Fone: (11) Fax: (11) DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTIDA Joel Garcia de Oliveira Sexo: Masculino CPF: RG: Cargo: Diretor-Geral Profissão: Educador Nacionalidade: Brasileiro 6

7 1.3 INFORMAÇÕES DO CURSO Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Modalidade: Presencial Turno de Funcionamento: Matutino e Noturno Número de Vagas Anuais Totais: 240 (duzentas e quarenta) Regime Acadêmico de Oferta: Modular PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Dimensão das Turmas: máximo de 60 alunos nas aulas teóricas; nas atividades práticas a turma será subdividida de conformidade com a metodologia de ensino adotada pelo professor do componente curricular. Carga Horária do Curso: horas Integralização do Curso: Mínimo de 4 (quatro) e máximo de 6 (seis) períodos letivos Coordenador do Curso: Professor Edmarques Zanotti 1.4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO AUTORIZAÇÃO: PORTARIA No- 320, DE 02 DE AGOSTO DE 2011 O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Faculdade Nossa Cidade, autorizado em 02 de agosto de 2011 pela Portaria SETEC/MEC nº 320, publicada no DOU de 04 de agosto de 2011, com 240 (duzentas e quarenta) vagas anuais distribuídas nos períodos matutino e noturno, possui duração de horas, com disciplinas distribuídas em 04 (quatro) semestres. Para a Faculdade Nossa Cidade FNC, o projeto pedagógico deve ser antes de tudo, uma ação consciente, planejada com vistas ao futuro, olhando a realidade com visão de suprarealidade, pois o concreto é a ambiência que sofrerá a ação transformadora, na qual o ensino superior e, principalmente, seus egressos devem atuar, perseguindo uma realidade com possibilidade de existir. Este Projeto Pedagógico de Curso visa traçar ações curriculares e extracurriculares que possam desenvolver habilidades profissionais de seus alunos, levando em conta, ainda, as perspectivas e condições do mercado de trabalho regional e as demandas globais da sociedade, sem prescindir do pleno desenvolvimento da pessoa do formando e seu preparo para o exercício efetivo da cidadania. 7

8 O presente documento formaliza o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Faculdade Nossa Cidade FNC que se submete à apreciação das instâncias do Ministério da Educação para fins de reconhecimento. O projeto reflete os esforços de seus dirigentes no sentido de cumprir os princípios filosóficos, políticos e pedagógicos demarcados e as estratégias de ação para executá-lo. Permeiam o texto, como substrato a nortear-lhe a ação pedagógica, as decisões institucionais traduzidas na compreensão de uma educação como prática social e experiência de vida, que se manifestam na promoção de uma educação plena e cidadã. A estruturação desta proposta toma como referência inicial a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Número 9.394/1996 e se atem, com precisão, ao que determinam o Parecer CNE/CES 436/2001, a Resolução CNE/CP 3/2002 e o Parecer CNE/CES nº277/2006 do Ministério da Educação, que instituiem as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação do Graduado em Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental e, se conforma ainda às demais orientações legais oriundas do sistema regulador federal do ensino superior. Com o claro propósito de dar ao educando formação holística que concorra para o desenvolvimento sustentável do Estado de São Paulo, a proposta do Curso enfatiza, como já apontado, o comprometimento institucional com a educação para a cidadania, o bem comum, a ética e a pluralidade cultural, coadunando-se com o compromisso assumido pela Mantenedora com sua comunidade de inserção tal como patenteado em sua missão. Ademais, alinha-se com os paradigmas contemporâneos de formação profissional e as ações educativas que respondem à atual política brasileira para a área. Com a adoção do processo participativo do Núcleo Docente Estruturante NDE na preparação e atualização periódica deste Projeto Pedagógico desejou-se comprometer cada um dos participantes com o desafio de conduzir os trabalhos exitosamente. Os aspectos operacionais envolventes à sua execução são continuamente discutidos pela comunidade acadêmica, para que todo o corpo social da FNC seja de fato agente transformador da sociedade. Em razão do exposto e desejando contribuir para a sustentação de prioridades e o enfrentamento dos desafios da contemporaneidade, com senso de empreendedorismo e determinação em pensar constantemente as próprias ações, avaliando resultados e perspectivas, apresentamos o presente Projeto Pedagógico como instrumento a nortear o 8

9 Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental com base nos seus postulados e em sintonia com as transformações no campo da educação tecnológica, do trabalho e da sociedade como um todo. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES 2.1 BASES LEGAIS O Centro Educacional Nossa Cidade Ltda, empresa mantenedora da Faculdade Nossa Cidade, situado na Avenida Francisco Pignatari, Vila do Gustavo Correia- Carapicuíba- SP, CEP , é uma entidade de direito privado, com finalidade lucrativa, constituída sob a forma de sociedade empresarial por cotas de responsabilidade limitada, inscrita no CNPJ/MF sob o número / , cuja última alteração do Contrato Social se encontra registrado na Junta Comercial do Estado de São Paulo /12-8, datado de 01 de julho de A Instituição Faculdade Nossa Cidade está situada no mesmo endereço da mantenedora e está credenciada pela portaria MEC número 431, publicada no DOU de 13/02/2006 e encontra-se com processo de recredenciamento protocolizado no e-mec sob o nº PERFIL E MISSÃO DA IES A Faculdade Nossa Cidade apresenta como perfil a ação pedagógica centrada em um processo educacional ativo, realista e atualizada; a valorização da qualidade de ensino e independência intelectual do corpo docente e discente, respeito social, pluralismo de ideias, criatividade, iniciativa e responsabilidade profissional. Nesse sentido a FNC concebe como missão Ser um pólo difusor de conhecimento com base na formação de cidadãos capazes de atuar de maneira ética e objetiva no processo de melhoria da qualidade de vida de sua comunidade. 2.3 DADOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO A Faculdade Nossa Cidade está localizada na cidade de Carapicuíba, no Estado de São Paulo. De acordo com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE) 1, a população estimada da cidade de Carapicuíba, no ano de 2011, era de habitantes, o que equivale a dizer que a densidade demográfica era de ,98 hab./km². 1 Fundação Sistema Estadual Análise de Dados. Perfil do Municipio de Carapicuíba. Disponível em <http://www.seade.gov.br> Acessado em 04/09/

10 Ressalta-se que a economia do município baseia-se em um pequeno parque industrial, com 32 indústrias de médio porte, além de 200 de pequeno porte aproximadamente, com ramos de atividades diversas, alocadas em diferentes pontos. Na área do comércio, atrai o interesse de redes de lojas de vários segmentos do varejo. A população encontra espaço para participação dos vínculos empregatícios no setor de serviços, que emprega 53,80% da população. O comércio emprega 22,41% do total dos vínculos empregatícios, enquanto 16,87% da mão de obra está na indústria local. Quanto ao Índice Paulista de Responsabilidade Social, nota-se que o Poder Público Municipal é responsável pelos baixos níveis de desenvolvimento da riqueza e da escolaridade da população: 42% e 53% respectivamente. Além disso, a renda per capita da população, aferida em salários mínimos, é de 1,82%. Desses números, 7,72% dos domicílios têm renda per capita até ¼ do salário mínimo; e, 14,46% dos domicílios têm renda até ½ salário mínimo. Certamente, os números apontados anteriormente pelo SEADE, evidenciam fragilidades sócio-econômicas de um número considerável da população Carapicuíbana. Essas fragilidades ficam mais evidenciadas quanto se observam os índices de educação. A taxa de analfabetismo da população de 15 anos e mais, gira em torno de 6,27% da população. A média de anos de estudos da população de 15 a 64 anos é de 6,84%. A situação é mais delicada ao observarmos que 63,08% da população de 25 anos e mais têm menos de oito anos de estudos. O que nos permite dizer que a grande maioria da população não conclui os estudos do Ensino Fundamental. Apenas 35,06% da população de 18 a 24 anos têm ensino médio completo. Os dados da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados 2 registram também que o município contava, no ano de 2011, com 9 (nove) creches e 18 pré-escolas com crianças; 56 escolas estaduais que oferecem ensino fundamental e médio alunos; e, eleitores. Constituída por uma população de baixa renda, cerca de 3 salários mínimos, são muitas as dificuldades enfrentadas por esses jovens e adultos na busca de uma profissionalização e melhores condições de vida. O fator econômico constitui-se como um dos maiores entraves ao ingresso no ensino superior. 2 SEADE, op. cit. 10

11 Observa-se que os números que tratam da escolaridade, apontam que houve discreta melhora. Carapicuíba apresentou redução em seus níveis de riqueza, alto escore de longevidade e, apesar do aumento de alunos matriculados, registra-se ainda deficiência nos indicadores de qualidade escolar. Chama atenção a reduzida cobertura oferecida pela préescola, uma das mais baixas entre os municípios metropolitanos, aquém dos 75% registrados no Estado. Cresceu o escore do indicador agregado de escolaridade, como resultado do aumento observado principalmente nas taxas de conclusão dos ensinos fundamental e médio, não obstante o município ter recuado algumas posições no ranking, mantendo-se abaixo da média estadual. O descompasso entre a redução no nível do rendimento médio do emprego formal e o aumento do produto municipal, aliado à redução generalizada no consumo de energia elétrica reduzem o nível de riqueza municipal e faz Carapicuíba recuar algumas posições no ranking desta dimensão. De acordo com o Departamento de Ação Regional da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 3 que se preocupa com o Capital Humano de seus membros associados, o ranking do município de Carapicuíba ocupava, no ano de 2010, a 5ª. posição dentre os municípios afiliados na região administrativa de Osasco, que compõem sete municípios atendidos. Na análise da FIESP, o setor de serviços é o que mais contribui para o avanço econômico do município de Carapicuíba, com participação de 71% da economia local. Já o setor da administração pública vem em segundo lugar, empatado com o setor industrial. Cada um contribui com a participação de 21% dos investimentos. O quadro abaixo possibilita a visualização desses dados. Fonte: FIESP<http://apps.fiesp.com.br/regional/DadosSocioEconomicos/DadosGerais.aspx>. Acesso 26 de março de FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE SÃO PAULO (FIESP). Cidade de CARAPICUÍBA: Conhecer a região - Ranking municipal de IDH. São Paulo: FIESP, Disponível em: <http://apps.fiesp.com.br/regional/dadossocioeconomicos/rankingidh.aspx. >. Acesso em: 18 Maio

12 2.4 BREVE HISTÓRICO DA FNC FACULDADE NOSSA CIDADE A Faculdade Nossa Cidade foi credenciada em 10 de fevereiro de 2006 conforme portaria MEC número 431, publicada no D.O.U. de 13 de fevereiro de Seus membros fundadores Professora Doutora Edna Maria Fernandes dos Santos Nascimento, Professor Doutor Luiz Antônio Ferreira, Doutora Lucília Saad Mamar e Doutor Isidoro Villibor Júnior, trabalharam pelo ideal comum de oferecer a uma comunidade carente um ensino de qualidade. Buscando este mesmo ideal, em 10 de dezembro de 2007 a Instituição foi adquirida pelo Professor Doutor Joel Garcia de Oliveira por sua esposa Professora Mestra Sandra Aparecida Simões Garcia de Oliveira e pelo Esp. Silvio César Simões, com experiência de quase 20 anos na área Educacional. A administração atual não mede esforços para que a FNC Faculdade Nossa Cidade, torne-se um referencial no ensino superior no município de Carapicuíba e região. Para isso vem atualizando intensamente suas instalações físicas. Esta mudança visa atender de maneira plenamente satisfatória os cursos ofertados atualmente e aqueles que serão solicitados autorização de funcionamento junto ao MEC, cursos estes idealizados para atender a necessidade social da população de Carapicuíba e região. O diferencial da FNC Faculdade Nossa Cidade está em seu corpo docente com titulação adequada aos cursos e às disciplinas que ministram e, a ampla experiência e visão que seus mantenedores e diretores possuem na área educacional, tornando-se possível uma administração especialmente focalizada em atender as necessidades da comunidade a qual está inserida. A FNC está consciente da importância de investimentos perenes em infra-estrutura física e pedagógica para a oferta de um ensino superior de qualidade com vistas à formação de profissionais dotados de todas as competências e habilidades para o desenvolvimento da profissão escolhida. 2.5 ÁREAS OFERECIDAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO Reunindo-se neste contexto institucional, a Faculdade Nossa Cidade oferece Cursos Graduação nas modalidades: Bacharelado, Licenciatura e Superiores de Tecnologia, conforme demonstra o quadro a seguir: 12

13 CURSO MODALIDADE TEMPO DE DURAÇÃO PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO QTDE. DE VAGAS ANUAIS 1 Administração Bacharelado 4 anos (8 sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 493 de 10/02/2006 RECONHECIMENTO: PORTARIA SESU Nº 2054 de 29/11/ Ciências Contábeis Bacharelado 3 Direito Bacharelado 4 Enfermagem Bacharelado 4 anos (8 sem.) 5 anos (10 Sem.) 4 anos (8 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 276 de 20/07/ AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 502 de 22/12/ AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 263 de 14/07/ Engenharia Civil Bacharelado 5 anos (10 sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 276 de 20/07/ Farmácia Bacharelado 7 Educação Física Licenciatura 5 anos (10 Sem.) 3 anos (6 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 300 de 02/08/ RECONHECIDO: PORTARIA MEC Nº 317 de 27/12/ Letras Português/Inglês Licenciatura 3 anos (6 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SESU Nº 493 de 10/02/2006 RECONHECIMENTO: PORTARIA SESU Nº 65 de 22/01/ Pedagogia Licenciatura 3 anos (6 Sem.) RECONHECIMENTO: PORTARIA MEC Nº 275, de 14/12/ Gestão Ambiental Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 320 de 02/08/ Gestão da Tecnologia da Informação Superior Tecnológico 2 anos e meio (5 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 95 de 23/06/ Gestão de Recursos Humanos Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 99 de 30/06/2010 RECONHECIMENTO: PORTARIA SETEC Nº 217 de 31/10/ Gestão de Segurança Privada Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) RECONHECIMENTO: PORTARIA MEC Nº 307 de 27/12/ Gestão Financeira Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 95 de 23/06/ Logística Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 95 de 23/06/2010 RECONHECIMENTO: PORTARIA MEC Nº 124 DE 15/3/ Marketing Superior Tecnológico 2 anos (4 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 98 de 30/06/ Radiologia Superior Tecnológico 3 anos (6 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 319 de 02/08/ Redes de Superior 3 anos AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 318 de 02/08/

14 Computadores Tecnológico (6 Sem.) 19 Segurança no Trabalho Superior Tecnológico 3 anos (6 Sem.) AUTORIZAÇÃO: PORTARIA SETEC Nº 385 de 19/09/ Petróleo e Gás Superior Tecnológico 3 anos (6 Sem.) AUTORIZAÇÃO PORTARIA MEC Nº 323 de 28/12/ ÁREAS OFERECIDAS DO ÂMBITO DA PÓS GRADUAÇÃO A Faculdade Nossa Cidade oferece cursos de Pós Graduação na modalidade Lato Sensu a profissionais formados em nível superior, interessados em ampliar os conhecimentos teóricos em uma das seguintes áreas: Educação, Enfermagem, Finanças, Recursos Humanos, Marketing, Logística e Negócios. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da FNC contam com um corpo docente qualificado formado por mestres e doutores, com ampla experiência profissional e atuante no mercado de trabalho. 2.7 ÁREAS DE ATUAÇÃO NA EXTENSÃO E PESQUISA Na Faculdade Nossa Cidade as atividades de extensão e pesquisa são marcadas por um processo cultural, educativo e científico que viabiliza a relação transformadora entre a IES e a comunidade local. Desta forma, o conjunto de atividades ofertadas é concebido como práticas acadêmicas que proporcionam a formação contínua do profissional e do cidadão. Na FNC as atividades de extensão e pesquisa buscam atender áreas diversas do conhecimento: Línguas e Linguagens, Esportes, Educação, Economia e Finanças, Segurança, Comportamento e Saúde. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 3.1 DENOMINAÇÃO DO CURSO Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Modalidade: Presencial Turno de Funcionamento: Matutino e Noturno Número de Vagas Anuais Totais: 240 (duzentas e quarenta) 14

15 Regime de Acadêmico de Oferta: Modular Dimensão das Turmas: 60 (sessenta) Carga Horária do Curso: horas PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Integralização do Curso: Mínimo de 4 (quatro) e máximo de 6 (seis) períodos letivos Coordenador do Curso: Professor Mestre Edmarques Zanotti O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental funciona na Avenida Francisco Pignatari, número 630, Bairro Gustavo Correa, Carapicuíba-SP, CEP , nos turnos matutino e noturno com 240 vagas anuais. O PPC prevê uma carga horária de horas, em regime modular. O tempo mínimo de integralização previsto é de 2 anos (4 semestres) e máximo de 3 anos (6 semestres). 3.2 PERFIL DO COORDENADOR O Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental, Professor Mestre Edmarques Zanotti, possui Mestrado em Tecnologias Ambientais, pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, Graduação Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário UNIFIEO. Sua formação acadêmica e experiência profissional mantêm pertinência acadêmica e pedagógica com a área do curso. Iniciou as atividades nesta IES em fevereiro de Atualmente mantém, na Instituição, tempo integral cumprindo 40 horas de trabalho. O perfil profissional do Coordenador compõe-se por um conjunto de elementos que perpassam por saberes adquiridos ao longo da trajetória de sua formação docente. No âmbito da FNC, as ações cotidianas revelam um perfil empreendedor, uma vez que elas favorecem a implementação de mudanças que propiciam a melhoria do nível de aprendizado, estimulam o senso crítico e a criatividade de todos os envolvidos no processo educacional. O Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental é pró-ativo e, por conta disso, tem experiência na gestão de oportunidades. Trata-se de uma pessoa de amplo relacionamento tanto no meio acadêmico como na área profissional. Os contatos com dirigentes e profissionais de sucesso facilitam a promoção de intercâmbios e palestras para os alunos de seu Curso. No cotidiano acadêmico, demonstra ser ético, enérgico em suas ações, com decisões justas até mesmo na proposta de substituição de professores e colaboradores que não correspondam às expectativas do Curso. 15

16 A gestão acadêmica do Coordenador está comprometida com o planejamento estratégico da Faculdade Nossa Cidade (PDI, PPI, PPC), por isso participa de forma sistêmica do processo decisório e revela conhecer e executar muito bem a proposta do PPC do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental. As ações do Coordenador indicam também compromisso com a qualidade das práticas pedagógicas e melhoria contínua do Curso através da adoação de mecanismos de verificação de níveis de satisfação do corpo discente e corpo docente; dedicação à administração acadêmica, carga horária suficiente, compatível com número de professores, alunos e turnos do curso; articulação direta junto à comunidade acadêmica colegiados. e participação nos órgãos 3.3 COMPOSIÇÃO DO NDE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE Os docentes que compõem o NDE do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental possuem papel fundamental na estruturação, implantação e implementação do Projeto Pedagógico do Curso. O NDE realiza reuniões periódicas no intuito de discutir as ações a serem realizadas para o desenvolvimento das atividades acadêmicas e a atualização do PPC. O NDE é composto por 5 docentes, conforme quadro abaixo: Nome Edmarques Zanotti Esther Cosso Luiz Fidélis Barreira Junior Renato José Paes Valdir Luiz Lopes Titulação Mestre Mestre Mestre Mestre Doutor 4. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 4.1 CONTEXTO EDUCACIONAL O Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Faculdade Nossa Cidade FNC considera as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) no 16

17 que diz respeito à valorização do magistério e à qualidade da educação, à qualidade da oferta e de atendimento na educação superior, ao desenvolvimento econômico, à demanda do setor produtivo da região, à população do ensino médio e técnico local e à política institucional de expansão para a área tecnológica, de maneira plenamente adequada. A partir desse referencial, o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da FNC considerou o levantamento sócio-demográfico, da região oeste da grande São Paulo, realizado pela Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A (EMPLASA) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados de São Paulo (SEADE) para referendar a justificativa de que a cidade de Carapicuíba e região comportam e absorvem grande parte dos profissionais que a FNC pretende formar. Os estudos realizados por especialistas, geógrafos, sociólogos, arquitetos, economistas, historiadores e engenheiros da EMPLASA, apresentam uma leitura da região metropolitana de São Paulo que mostra mudanças histórico-sócio-geográfico-tecnológicas. A partir de resultados estatísticos, a EMPLASA propõe uma reflexão cuidadosa sobre a realidade levantada com a finalidade de melhor construção do espaço urbano. Considerando quatro dimensões para o desenvolvimento, prevêem a configuração futura da região metropolitana: o crescimento econômico, a equidade social, a preservação e melhoria da qualidade de vida e a preservação da disponibilidade de recursos naturais. A previsão desse desenvolvimento ampara-se em dois eixos: os dos recursos naturais e o dos recursos humanos. Quanto aos recursos naturais, deve ser preservado, conservado, recuperado o ambiente da metrópole por meio de ações educativas da população; em relação aos recursos humanos, a garantia da capacitação físico-mental e a profissionalização dos habitantes que garantem o desenvolvimento. Essas previsões norteiam as ações educativas que a FNC pretende desenvolver, contribuindo para a preservação do meio ambiente e prestando serviço com a formação de profissionais qualificados para a região. Segundo a SEADE, o sistema Índice de Desenvolvimento Humnao (IDH), adotado, mundialmente, mede a qualidade de vida e resulta da média aritmética de três indicadores: esperança de vida ao nascer (longevidade), educação e renda. O IDH varia de 0 a 1: até 0,499 desenvolvimento humano baixo; entre 0,500 e 0,799 desenvolvimento humano médio; maior que 0,800 desenvolvimento humano considerado alto. No ranking dos municípios, Carapicuíba aparece em 218º. lugar, com 0,793 que lhe confere desenvolvimento médio. 17

18 Os dados levantados pela EMPLASA e pela SEADE demonstram o potencial de desenvolvimento desses municípios integrantes da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) que comprovam a necessidade de mais escolas de nível superior que formem profissionais qualificados, principalmente, na cidade de Carapicuíba, sede da FNC. Esses referenciais delineiam o perfil do município de Carapicuíba, que conta com habitantes, situa-se na sub-região oeste da região metropolitana de São Paulo, a 23 km do marco zero da cidade de São Paulo, localizado na Praça da Sé. Tem como divisas as cidades de Barueri ao norte, Cotia ao sul, Osasco ao leste e Jandira a oeste. Vale ressaltar que a FNC é de fácil acesso, estando localizada no centro do município, a 100 metros do terminal rodoviário e da estação de trem. Há no entorno uma série de serviços, como agências bancárias, hospital municipal, delegacia de polícia, farmácias, supermercados e um comércio bastante frequentado pela população. A área territorial do município de Carapicuíba é de 36 km² e sua topografia tem característica bastante acidentada; seus acessos principais são as rodovias Castelo Branco ao norte, a Rodovia Raposo Tavares ao sul, é cortada pela Avenida dos Autonomistas na vertical e na horizontal pelo Rodoanel. Carapicuíba conta com 9 (nove) creches e 18 pré-escolas com crianças; 56 escolas estaduais que oferecem ensino fundamental e médio alunos; e, eleitores. É registrado um total de matrículas no ensino fundamental o que representa um significativo esforço de atendimento das necessidades locais por educação básica. Também é significativo o número de matrículas no ensino médio, , e seu número de concluintes, 5160, que se constituem, em tese, o futuro público-alvo da FNC, além dos alunos dos municípios vizinhos. Observa-se também crescente demanda por cursos superiores, motivada pelo aumento do número de alunos, que concluem o ensino médio, além de uma ampla gama de possibilidades oferecidas pelo mercado de trabalho regional, seja no setor público seja em empresas privadas. A exigência de qualificação cresce em todos os segmentos profissionais da região de Carapicuíba e a demanda por diplomas de curso superior não é exceção. Quanto mais se intensifica a disputa por empregos, maiores são as exigências que as empresas fazem sobre os candidatos às oportunidades de trabalho por elas oferecidas. 18

19 Deste modo, o volume e a qualidade dos recursos produtivos existentes em Carapicuíba mostram que essa região atingiu um alto grau de maturidade e produtividade em decorrência da combinação dos fatores acima mencionados e que tem também grande relevância do ponto de vista da geração de trabalho e renda, tanto em relação ao Estado de São Paulo como em relação ao Brasil. É nesse contexto que a Direção do Centro Educacional Nossa Cidade Ltda, apoiada pelas lideranças comunitárias, se volta para projetar este empreendimento educacional a Faculdade Nossa Cidade - apoiando-se justamente na situação recém-passada e presente e nas perspectivas viáveis, colocando à disposição da comunidade local e regional uma opção diferenciada para a formação de profissionais de nível superior. missão: O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da FNC considera como Oferecer a toda comunidade o desenvolvimento educacional no campo das Ciências Humanas e Tecnológicas e aperfeiçoamento profissional aplicado não somente na transmissão do saber, como também nas atividades de pesquisa e extensão, voltadas para a realidade da região, do Estado e do País POLÍTICAS INSTITUCIONAIS Para a Faculdade Nossa Cidade FNC, a educação é concebida como um instrumento que oferece ao indivíduo a oportunidade de construir a sua própria formação intelectual e profissional. Nessa linha filosófica, seus cursos têm e terão uma orientação de permanente estímulo à imaginação e à criatividade dos alunos, procurando exercitar seu raciocínio analítico, inspirar sua capacidade de realização e desenvolver suas habilidades de expressão oral e escrita. Do ponto de vista institucional, essa filosofia se traduz no compromisso de acompanhar a evolução das potencialidades do aluno, adotando procedimentos que orientem seu processo de aprendizagem e estimulem a conscientização do compromisso com sua própria formação, não só como profissional, mas também como cidadão responsável POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ENSINO Esta forma de pensar exige a incorporação de uma nova pedagogia, fundamentada 19

20 numa concepção mais crítica das relações existentes entre educação, sociedade e trabalho. Assim, compreender criticamente a educação implica em reconhecê-la como uma prática inscrita e determinada pela sociedade; implica ainda, entender que, embora condicionada, a educação pode contribuir para transformar as relações sociais, econômicas e políticas, na medida em que conseguir assegurar a todos ensino de qualidade, comprometido com a formação de cidadãos conscientes de seu papel na sociedade. A pedagogia que se inspira nessa concepção de educação, sem desconsiderar os condicionantes de ordem política e econômica, interessada em introduzir, no trabalho docente, elementos de mudanças que garantam a qualidade pretendida para o ensino, é coerente com esse pressuposto, e busca garantir, ao aluno, o acesso ao conhecimento socialmente acumulado. O processo de aquisição de conhecimento deve ser compreendido como decorrência das trocas que o aluno estabelece na interação com o meio (natural, social e cultural), cabendo ao professor exercer a mediação desse processo e articular essas trocas, tendo em vista a assimilação crítica e ativa de conteúdos significativos, vivos e atualizados. A compreensão acerca do processo de elaboração do conhecimento obriga à superação da abordagem comportamentalista da aprendizagem. Consequentemente, os métodos de ensino passam a fundamentar-se nos princípios da psicologia cognitiva, que privilegia a atividade e iniciativa dos discentes. Os métodos utilizados, além de propiciar o diálogo, respeitar os interesses e os diferentes estágios do desenvolvimento cognitivo dos alunos, favorecem a autonomia e a transferência de aprendizagem, visando, não apenas ao aprender a fazer, mas, sobretudo, ao aprender a aprender. Assim, a política de ensino da FNC fundamenta-se em um processo de educação que permite a formação e o desenvolvimento de profissionais capacitados para atenderem às necessidades e expectativas do mercado de trabalho e da sociedade, com competência para diagnosticar, desenvolver e implementar mudanças que contribuam para o desenvolvimento sustentável da sociedade, de forma geral, e, em particular, a Região de Carapicuíba e do Estado de São Paulo. São princípios subjacentes a essa política: Formação, desenvolvimento e aperfeiçoamento de profissionais nas diferentes áreas do conhecimento; Preocupação com o atendimento das necessidades da sociedade e da Região de 20

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

FACULDADE NOSSA CIDADE

FACULDADE NOSSA CIDADE FACULDADE NOSSA CIDADE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Carapicuíba - SP 2014 SUMÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 5 1.1 DENOMINAÇÃO E

Leia mais

Carapicuíba - SP. Março / 2013

Carapicuíba - SP. Março / 2013 SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Carapicuíba - SP Março / 2013 Sumário 1. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1.1 DENOMINAÇÃO E INFORMAÇÕES DA MANTIDA...6 1.2 INSTITUIÇÃO MANTENEDORA...6 1.2.1 DIRIGENTE PRINCIPAL

Leia mais

Carapicuíba - SP. Setembro / 2013

Carapicuíba - SP. Setembro / 2013 SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA Carapicuíba - SP Setembro / 2013 SUMÁRIO 1.1 DENOMINAÇÃO E INFORMAÇÕES DA MANTIDA... 7 1.2 INSTITUIÇÃO MANTENEDORA... 7 1.2.1 DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTIDA... 7 1.3

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e UF: SP Financeiras (FIPECAFI) ASSUNTO: Credenciamento da

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais