UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO GILBERTO COLOGNESE VALANDRO FILHO CUIABÁ MT 2011

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELÁTORIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO GILBERTO COLOGNESE VALANDRO FILHO Relatório apresentado à Coordenação do Curso de Ciência da Computação da Universidade Federal de Mato Grosso, para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. CUIABÁ MT 2011

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GILBERTO COLOGNESE VALANDRO FILHO Relatório de Estágio Supervisionado apresentado à Coordenação de Estágio como uma das exigências para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação da Universidade Federal de Mato Grosso Aprovado por: Prof. Dr. João Paulo Ignácio Ribas Instituto de Computação (Coordenador do Estágio Supervisionado) Prof. Dr. Jésus Franco Bueno Instituto de Computação (Orientador) Prof. Nelcileno Virgílio de Souza Araújo Instituto de Computação (Professor Convidado) Tânia Bueno de Menezes Almeida dos Santos SUPERVISOR

4 DEDICATÓRIA A Deus graças pela fidelidade À minha família pelo incentivo e confiança Aos amigos pela cumplicidade, companheirismo e por todo apoio

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 6 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS... 7 TÍTULO... 8 RESUMO... 8 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MODELO DE PROCESSO DE SOFTWARE ITERATIVO E INCREMENTAL GESTÃO DE PROCESSOS FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO GENEXUS MATERIAS, TÉCNICAS E MÉTODOS RESULTADOS DIFICULDADES ENCONTRADAS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 30

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Diagrama do Ciclo de Vida Iterativo e Incremental Figura 2. Representação em tabela das ênfases atribuídas a cada fase do desenvolvimento. Campos mais escuros indicam maior ênfase Figura 3. Tela do sistema Eventum exibindo alguns chamados em seus diversos status Figura 4. Tela de abertura de um Novo Chamado e dos campos a serem preenchidos Figura 5. Fluxograma do PDMS do Setor de Operações Continuadas Figura 6. Tela de uma Nova Nota Interna Figura 7. Apontamento de Tempo gasto com diferentes atividades Figura 8. Print da ferramenta Share Point, exibindo a sessão do Projeto Safira Figura 9. Interface do Menu Principal do Sistema SAFIRA da prefeitura de Canoas/RS Figura 10. Ferramenta Genexus 3.0 exibindo uma das principais telas do Modelo SAFIRA Figura 11. Gráfico referente aos dados da Tabela

7 7 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS LTDA Limitada GUI Graphical User Interface Interface Gráfica do Usuário PDMS Processo de Desenvolvimento e Manutenção de Software SGQ ISO CASE Sistema de Gestão da Qualidade International Organization for Standardization Organização Internacional para Padronização Computer Aided Software Engineering Engenharia de Software Auxiliada por Computador

8 8 O Ciclo de Vida do Software SAFIRA, com foco na Fase de Implementação Autor: Gilberto Colognese Valandro Filho Orientador: Prof. Dr. Jésus Franco Bueno Supervisor: Tânia Bueno de Menezes Almeida dos Santos RESUMO Este Relatório de Estágio Supervisionado foi desenvolvido com o intuito de explicitar todo o conteúdo pertinente ao período de estágio cumprido na empresa Ábaco Tecnologia de Informação LTDA. As atividades executadas na empresa durante o período de estágio se referem a atividades de Implementação de software. Este software se trata do Modelo SAFIRA, um Modelo de Execução Orçamentária, Contábil e Financeira, implantado em seis diferentes prefeituras municipais distribuídas pelo Brasil. O setor que gerencia este sistema em especial e mais uma série de outros sistemas é o Setor de Operações Continuadas, que segue a metodologia do Modelo de Processo de Software Iterativo e Incremental para administrar o andamento de todos os processos pelos quais os softwares passam. As fases de Implementação neste modelo de processo é o que merece destaque no presente relatório, pois é a etapa onde o sistema sofre alterações de código e novas funcionalidades ou melhorias são acrescentadas em forma de incrementos de software. Para a codificação do sistema, a equipe de desenvolvimento responsável pelo Modelo SAFIRA se utiliza das ferramentas Genexus 3.0 e Genexus 9.0, para as plataformas Desktop e Web, respectivamente. Para qualquer necessidade de modificação de sistema detectada, deve ser realizada a abertura de um Novo

9 9 Chamado no sistema Eventum pelo Analista de Negócio, onde serão especificados, com detalhes, os requisitos referentes à alteração proposta. A equipe de desenvolvimento é então designada para a etapa de codificação, e executa o que foi solicitado. Fases subseqüentes são a de Testes, onde as alterações serão validadas, a de Versão Liberada, onde um conjunto de modificações é disponibilizado para homologação e a própria fase de Homologação, que corresponde à atualização da nova versão na máquina do cliente. Além do conhecimento prático adquirido na fase de Implementação do sistema SAFIRA, como o aprendizado da ferramenta Genexus, vale também destacar o reconhecimento da importância do trabalho em equipe dentro de uma Organização no mercado de trabalho. Em números, foi atendido durante o período de cumprimento de estágio um total de vinte chamados para a Prefeitura de Canoas/RS, três chamados para a Prefeitura de Cachoeiro Itapemirim/ES, e um chamado para a Prefeitura de Rondonópolis/MT. Em termos de experiência, o Estágio Supervisionado proporcionou uma ampliação no conhecimento de programação, constatação da aplicação prática da Engenharia de Software no desenvolvimento de sistemas, especialmente no que envolve Gerência de Projetos e Ciclo de Vida de softwares, e por último, e não menos importante, o comprometimento e responsabilidade pessoal e profissional com a empresa.

10 10 INTRODUÇÃO O presente trabalho, um dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação, trata-se do Relatório de Estágio Supervisionado onde estarão contidas informações, tais como fundamentos teóricos e práticos relacionados às atividades desenvolvidas, métodos aplicados e procedimentos seguidos no período referente ao Estágio cumprido na empresa Ábaco Tecnologia de Informação LTDA. O objetivo deste Relatório é expor ao corpo docente integrante desta Coordenação e a todos os demais interessados, a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso de graduação em um ambiente do mercado de trabalho. Tal prática está relacionada com a execução de atividades de Implementação desenvolvidas no Modelo de Execução Orçamentária, Contábil e Financeira SAFIRA das prefeituras de Canoas, no Rio Grande do Sul, Cachoeiro Itapemirim, no Espírito Santo e também de Rondonópolis, em Mato Grosso. A organização deste documento se deu na divisão de capítulos, contendo a Revisão de Literatura, que trata dos fundamentos teóricos e práticos relacionados ao estágio, os Materiais, Técnicas e Métodos utilizados e aplicados na área de trabalho, os Resultados apontados após a execução do mesmo, as Dificuldades Encontradas durante o seu período de duração e por fim as Conclusões, correspondentes às considerações finais.

11 11 1. REVISÃO DE LITERATURA De modo a fundamentar a parte prática da execução das atividades do Estágio Supervisionado, faz-se necessário algum embasamento teórico referente à: Modelo de Processo de Software Iterativo e Incremental, Gestão de Processos e Ferramenta de Desenvolvimento Genexus. 1.1 MODELO DE PROCESSO DE SOFTWARE ITERATIVO E INCREMENTAL Um processo de software é um conjunto de atividades e resultados associados que produz um produto de software. [...] Um modelo de processo de software é uma descrição simplificada desse processo de software que apresenta uma visão dele (SOMMERVILLE, 2007, p. 6). Segundo Bezerra (2006), um processo de desenvolvimento de software seguindo a abordagem de Ciclo de Vida Iterativa e Incremental divide o desenvolvimento de um produto de software em ciclos. Nestes ciclos podem ser identificadas as fases de Análise, Projeto, Implementação e Testes. Este modelo foi criado em resposta às deficiências detectadas no Modelo Cascata, o mais tradicional, e pode até mesmo ser visto como uma generalização dele, já que o software é desenvolvido em incrementos e cada incremento é desenvolvido em cascata (Figura 1).

12 12 Figura 1. Diagrama do Ciclo de Vida Iterativo e Incremental. Fonte: BEZERRA, Eduardo, 2006, p. 33. Cada ciclo está associado a um subconjunto de requisitos, que são desenvolvidos quando alocados a um ciclo de desenvolvimento. No próximo ciclo outro subconjunto de requisitos é desenvolvido, produzindo um novo incremento do sistema que contém extensões e refinamentos sobre o anterior. Sendo assim, o sistema segue evoluindo em versões até que se atinja a versão completa do produto. Dentre algumas vantagens desta abordagem estão: Redução dos riscos, já que os custos estão envolvidos a um único incremento e não a um produto inteiro; Aceleração do tempo de desenvolvimento do projeto como um todo, porque os desenvolvedores trabalham mais eficientemente quando buscam resultados menores e mais claros; Adaptação à mudança de requisitos, já que os requisitos correspondentes às necessidades dos usuários não podem ser totalmente definidos no início e são refinados durantes as iterações. Existem também algumas desvantagens quanto à aplicação do modelo, como: Dificuldade de gerenciamento, porque as fases do ciclo podem estar ocorrendo de forma simultânea;

13 13 O usuário pode se entusiasmar com a primeira versão do sistema, pensando que ele já corresponde ao sistema como um todo; Riscos comuns a todos os modelos, por exemplo, o projeto pode não satisfazer aos requisitos do usuário, a verba do projeto pode acabar, ou ainda, o sistema de software pode ser entregue ao usuário tarde demais. A Figura 2 representa uma tabela onde se dá a ênfase principal de cada uma das fases do modelo incremental: Figura 2. Representação em tabela das ênfases atribuídas a cada fase do desenvolvimento. Campos mais escuros indicam maior ênfase. 1.2 GESTÃO DE PROCESSOS A Gestão de Processos de Negócio é um conceito que une gestão de negócios e tecnologia da informação com foco na otimização dos resultados das organizações através da melhoria dos processos de negócio. São utilizados métodos, técnicas e ferramentas para analisar, modelar, publicar, otimizar e controlar processos envolvendo recursos humanos, aplicações, documentos e outras fontes de informação. Sua utilização vem crescendo significativamente pela sua utilidade e rapidez na melhoria dos processos das empresas em que já foi implementado. As ferramentas conhecidas como Sistemas de Gestão de Processos do Negócio monitoram o andamento dos processos de forma rápida e barata e é por meio delas que os gestores podem analisar e alterar os processos baseado em dados reais. A direção da empresa pode enxergar, por exemplo, aonde se encontram os gargalos, onde certas tarefas estão sofrendo atraso, o quanto estão atrasando e com que frequência isso ocorre. Em decorrência disto, fatores cruciais para o desempenho

14 14 de uma empresa podem ser identificados e analisados com extrema facilidade e rapidez em detrimento de outras ferramentas que não os Sistemas de Gestão de Processos do Negócio. 1.3 FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO GENEXUS Genexus é uma ferramenta de desenvolvimento de software criada pela empresa Uruguaia ARTech, baseada em conhecimento e orientada ao desenvolvimento de aplicações corporativas, tanto para o ambiente WEB quanto GUI. O Genexus trabalha com o conhecimento contido na visão dos usuários, capturando tal conhecimento e o sistematizando em uma base de conhecimento puro, o que permite gerar aplicações para múltiplas arquiteturas e plataformas. Em outras palavras, seria dizer que ele é uma ferramenta de desenvolvimento multiplataforma, onde o Analista tem o foco apenas no conhecimento do negócio. Isto faz com que o programador não tenha que conhecer a fundo a programação em si, já que o Genexus cria o código fonte necessário na linguagem desejada e para a base de dados que se decida. Genexus conta com três ambientes: desenho, protótipo e produção. Sua ideia é automatizar tudo aquilo que for automatizável, normalizar a base de dados, o que significa executar uma série de passos no projeto da base de modo a permitir um armazenamento consistente e um eficiente acesso aos dados, e realizar manutenção automática na mesma. Com isso, a ferramenta permite ao analista ou desenvolvedor se concentrar no negócio e focar toda sua atenção naquilo que um programa não poderá fazer: entender os problemas do usuário. Além disso, se torna possível reduzir significativamente os custos de manutenção e os tempos de desenvolvimento dos sistemas.

15 15 2. MATERIAS, TÉCNICAS E MÉTODOS De modo geral, todos os setores e projetos da empresa Ábaco fazem uso de um sistema web denominado Eventum (Figura 3), onde é estabelecido todo o controle das atividades a serem desenvolvidas por parte de um setor/funcionário a outro setor/funcionário. O Reclamante, ou seja, aquele que necessita da prestação de um serviço de outra parte integrante da empresa abre um Novo Chamado (Figura 4) por meio do sistema. Nele, o mesmo deve especificar campos como a Categoria do Chamado, como exemplo, uma consulta técnica ou uma nova implementação ou um reparo de erro, a Prioridade do Chamado, ou seja, se a necessidade de atendimento é altíssima, alta, média, leve ou baixa, o Designado para atendimento, sendo este um setor ou um funcionário responsável, um Resumo do que se trata a solicitação e por fim, uma Descrição Completa do motivo pelo qual o chamado está sendo aberto. Existe também, a possibilidade de se anexar arquivos, caso necessário.

16 Figura 3. Tela do sistema Eventum exibindo alguns chamados em seus diversos status. 16

17 17 Figura 4. Tela de abertura de um Novo Chamado e dos campos a serem preenchidos. O Designado para atendimento recebe então, a notificação de que um chamado foi para ele encaminhado, inicia a realização do serviço e ao finalizá-lo, retorna a solicitação cumprida para o Reclamante que o designou. Uma vez que a solicitação tenha sido atendida por completo, o Reclamante pode então finalizar este chamado e dar sequência em suas atividades. O encaminhamento, o início do desenvolvimento correspondente ao que foi pedido, a finalização, e o fechamento do chamado são todos determinados através da mudança do status do chamado no sistema Eventum, o que permite com que todos aqueles que têm acesso a um projeto visualizem em que situação o chamado se encontra. De forma mais específica, o Setor de Desenvolvimento de Operações Continuadas, onde são desenvolvidas manutenções em sistemas já existentes e que já estão implantadas nos Clientes, também cumpre todas as etapas deste procedimento. Quando uma necessidade de alteração no sistema é identificada, seja ela uma nova implementação, uma melhoria, ou ainda um reparo de erros, um novo chamado é aberto pelo Analista de Negócio e Suporte. Para tanto, o Analista especifica os

18 18 campos na abertura do chamado, como relatado anteriormente, e o mesmo passa ao status de Novo Pedido. Assim que se inicia ou se finaliza as análises de suporte e negócio os status do chamado também são alterados, seguindo sempre a seguinte ordem: Iniciado Análise de Suporte, Concluído Análise de Suporte, Iniciado Análise de Negócio, Concluído Análise de Negócio. Quando o chamado atinge este último estágio, é obrigatoriedade do analista anexar um documento com o levantamento de requisitos, onde a próxima equipe que dará continuidade no procedimento, ou seja, a equipe de Desenvolvimento, analisará o impacto da atualização no sistema, decidirá em conjunto com o Analista de Negócio qual a melhor forma para atender a necessidade do cliente e iniciará a etapa de codificação do sistema. O chamado é sempre encaminhado inicialmente ao líder de uma determinada equipe, que ficará responsável por distribuir o pedido da codificação para o desenvolvedor que ele designar. Nesta etapa o status do chamado é Distribuído para Codificação. O então designado, recebe e altera o status do chamado para Iniciado Codificação, analisa o documento anexado, e inicia o desenvolvimento. Caso haja a necessidade de se interromper esta etapa para o atendimento de outra prioridade, o desenvolvedor pode alterar o status para Paralisado Codificação e assim que estiver pronto a dar continuidade no atendimento do chamado paralisado, retomar a codificação. Finalizando a alteração, o desenvolvedor seleciona o status Concluído Codificação e gera um arquivo de extensão.xpw referente ao objeto do modelo no qual foi feita a modificação. Este arquivo é encaminhado via a todos os desenvolvedores da equipe e anexado no Eventum, para que cada um deles consolide em suas respectivas máquinas o novo objeto com a alteração, de modo que todos os modelos de sistemas de todos os colaboradores mantenham-se sempre atualizados e equivalentes. Vale também destacar que se não existir a possibilidade de uma alteração ser realizada por quaisquer motivos, o desenvolvedor pode devolver o chamado para análise, uma etapa anterior, alterando o status para Devolvido para Análise/Suporte e sempre justificando o motivo da devolução. Assim, basta aguardar o retorno do Analista referente a uma nova Análise de Negócio ou à finalização do chamado.

19 19 Existe um cronograma de versão para cada cliente, e quando cada data deste cronograma é atingida, o líder da equipe gera todos os executáveis correspondentes à versão e executa um procedimento denominado Liberação de Versão, onde todo este pacote de alterações é disponibilizado para testes. Caso exista algum chamado nesta versão que não pôde ser atendido até a data estipulada no cronograma, o líder de desenvolvimento entra em contato com o Analista de Suporte/Negócio, que por sua vez, em conversa com o Cliente, entra em consenso a respeito da definição de outra data de liberação deste chamado. Fica acordado então, que o mesmo poderá ser liberado na próxima versão prevista. Neste momento o status de todos os chamados que consta como Concluído Codificação e Paralisado Teste passam a Disponível para Testes. Os chamados se encontram na situação de Paralisado Teste quando necessitam de atendimento urgente e os executáveis são gerados e liberados antes da versão prevista. Sendo assim, eles permanecem com o mesmo status até que a chegue a data da versão a que ele está vinculado e seja iniciada a etapa de testes juntamente com os demais chamados. O Analista de Negócio seleciona o status Iniciado Teste, realiza os testes necessários e verifica se as solicitações foram integralmente atendidas. Caso positivo, o status passa para Concluído Teste. Caso negativo, o Analista anexa um novo documento denominado Documento de Teste explicitando o que ainda permanece inconforme, e o chamado é retornado para codificação com status Devolvido para Codificação. Assim que todos os chamados referentes a uma Versão são validados na fase de testes, inicia-se a fase de Homologação, onde as modificações são testadas pelo Testador juntamente com o Cliente. Nesta fase os status dos chamados são de Iniciado Homologação e se tudo estiver conforme, o documento de Homologação é assinado pelo cliente oficializando que as solicitações dos chamados liberados foram atendidas. As alterações são homologadas no Cliente e os status passam a Finalizado Homologação. Após todo este processo, o chamado é Finalizado pelo Reclamante (aquele que deu abertura no chamado), e seu novo e último status é o de Finalizado. O Fluxograma do Processo de Desenvolvimento e Manutenção de Software do Setor de Operações Continuadas é demonstrado na Figura 5:

20 20 Figura 5. Fluxograma do PDMS do Setor de Operações Continuadas. Fonte: PDMS Ábaco Eventum. As mudanças de status são feitas através da postagem de Notas Internas (Figura 6), onde cada responsável por dar sequência em um chamado especifica o que iniciará a fazer ou o que acaba de ser concluído. Através das Notas Internas é permitido ao funcionário apontar uma entrada de tempo, o que determina quanto tempo cada um gasta para realizar cada atividade. O Chefe das equipes do Setor de Operações Continuadas faz o levantamento do tempo de trabalho de cada colaborador por meio do lançamento destes minutos gastos na execução das atividades (Figura 7).

21 21 Figura 6. Tela de uma Nova Nota Interna. Figura 7. Apontamento de Tempo gasto com diferentes atividades.

22 22 Além do sistema Eventum, existe ainda outra ferramenta web conhecida como Share Point (Figura 8), onde são compartilhados arquivos de uso comum entre os integrantes de um determinado Projeto, como Documentos de Homologação e de Liberação de Versão, scripts e arquivos executáveis referentes a uma Versão, e arquivos de interesse geral, como o Manual de Gestão da Qualidade, Normas diversas e templates de documentos padronizados para serem utilizados por qualquer colaborador que necessite preencher ou elaborar um. O Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), em busca da certificação da qualidade de seus serviços e da satisfação do cliente, gerencia todos os fluxos de processos das áreas de escopo da empresa (Fábrica de Software, Operações Continuadas, Outsourcing e Treinamentos) visando garantir a total conformidade de suas ações com as normas previstas na NBR ISO 9001:2008. Figura 8. Tela da ferramenta Share Point, exibindo a sessão do Projeto Safira. A ferramenta para Desenvolvimento utilizada no Sistema SAFIRA (Figura 9), um dos sistemas integrantes do Setor, é o Genexus em sua versão 3.0 (Figura 10). As principais Ferramentas CASE que são usadas para dar suporte aos processos são o

23 23 Microsoft Office Word, onde são feitos os levantamentos de requisitos de um chamado e os documentos de testes, o Microsoft Office Excel, onde são desenvolvidos, por exemplo, cronogramas de versão e layouts de relatórios enviados por Clientes, demonstrando como um relatório deve ser exibido após gerado pelo sistema, o PL/SQL Developer, uma Ferramenta de consulta ao Banco de Dados onde são realizadas consultas no Banco, sempre que necessário, e o Microsoft Visual Basic 6.0, onde são simulados os testes das funcionalidades do sistema. Figura 9. Interface do Menu Principal do Sistema SAFIRA da prefeitura de Canoas/RS.

24 24 Figura 10. Ferramenta Genexus 3.0 exibindo uma das principais telas do Modelo SAFIRA. O Modelo SAFIRA é dividido em um grande número de Objetos, que são codificados de acordo com as requisições. Estes objetos podem ser Work Panels, Transações, Procedimentos ou Relatórios. O Desenvolvedor abre os objetos que necessitam de alteração no Genexus, ou ainda, criam novos, e iniciam ali o desenvolvimento. Quando uma alteração é de maior impacto sobre um objeto, por exemplo, quando a modificação de código ou de layout de um relatório é extensa, é executado o procedimento Save As, que gera um novo objeto idêntico ao primeiro. Este novo objeto é o que será codificado, evitando que informações do objeto original sejam perdidas. Sempre que há mudança em um ou mais objetos e o desenvolvedor deseja testá-la, o mesmo seleciona uma função denominada Specify Selected, que é uma espécie de compilação em particular apenas dos objetos que sofreram modificação, e

25 25 logo após seleciona a função Execute, que executa o programa com as alterações já compiladas. Esta prática exclui a necessidade de que todo o modelo seja construído novamente e assim, evita grande desperdício de tempo. Quando uma codificação é concluída, um novo arquivo.xpw é gerado e encaminhado aos demais desenvolvedores da mesma equipe. Ao receber um novo arquivo.xpw, cada colaborador consolida este arquivo em sua máquina e desta forma mantém o seu modelo atualizado e igual ao dos demais.

26 26 3. RESULTADOS O espaço de tempo dedicado às atividades propostas no Estágio Supervisionado certamente gerou resultados positivos. Inicialmente foi possível constatar com clareza, operando no Setor de Operações Continuadas, uma das fases do clico de vida Incremental e Iterativo de um software, a fase de Implementação. O que antes era abstraído apenas em teoria, passou agora a ser visualizado na prática. Todas as tarefas executadas por qualquer Desenvolvedor são acompanhadas pelo líder de Desenvolvimento, já que o trabalho de todos caminha sempre em paralelo e todos devem saber em qual objeto os outros estão trabalhando para evitar sobreposições. Sendo assim, a convivência e cumplicidade com o grupo responsável por esta fase contribuíram muito para o aprendizado de como se dá o trabalho em equipe dentro de uma Organização. Todo o sistema SAFIRA foi desenvolvido através da Ferramenta Genexus e, da mesma forma, toda manutenção necessária é prestada nela. Sendo assim, o conhecimento da ferramenta, de sua linguagem própria e de suas funcionalidades foram todos adquiridos por meio do estudo e do manuseio deste novo ambiente de programação, o que também caracteriza um resultado positivo. Como toda requisição de alteração do software é realizada através dos chamados no sistema Eventum, segue o gráfico ilustrativo (Figura 11) correspondente à quantidade de chamados atendidos em favor do sistema SAFIRA, implantado em três diferentes prefeituras (Tabela 1), desde a inserção na empresa até o momento de conclusão do estágio. Tabela 1. Distribuição do Atendimento de Chamados referentes ao período de 22/08/2011 à 28/11/2011 Canoas Cachoeiro Itapemirim Rondonópolis Gilberto Fonte: PDMS Ábaco Eventum.

27 Figura 11. Gráfico referente aos dados da Tabela 1 27

28 28 4. DIFICULDADES ENCONTRADAS Antes do ingresso na empresa, foi realizado um extenso processo seletivo onde uma das principais etapas era o curso de Genexus. Para que se pudesse obter as noções básicas do funcionamento da ferramenta, o curso foi ministrado utilizando-se a versão do Genexus Evolution, que possui mais recursos do que as versões anteriores. Concluído o curso com sucesso, fui incluído na equipe de Operações Continuadas, como um dos Desenvolvedores do sistema SAFIRA. Ocorreu que a maior parte do sistema foi desenvolvida em uma das primeiras versões do produto, o Genexus 3.0, e por isso, atividades de implementação eram também nele desenvolvidas. Foi nesta divergência que se deu uma das maiores dificuldades durante a execução do estágio, pois o Genexus 3.0 é destinado à plataforma Desktop e o Genexus Evolution à Web. Outras dificuldades encontradas foram o conhecimento da Regra de Negócio do Sistema Contábil, que possui várias particularidades, e o processo de trabalho, que tem todo um fluxo a ser seguido. Entretanto, buscando o auxílio da líder, sempre solícita, e de alguns colegas de trabalho, foi possível absorver até com certa rapidez as regras para o bom andamento das operações no Setor. Muito empenho e dedicação foram despendidos em horas de estudo do sistema e suas funcionalidades, dos comandos e funções da linguagem específica da ferramenta Genexus para que se chegasse a uma abstração do sistema e de tudo o que a ele estava relacionado. Graças a este esforço próprio e à colaboração da equipe, foi possível executar com êxito todas as tarefas que a mim foram designadas.

29 29 5. CONCLUSÕES Todo trabalho desenvolvido na empresa desde o início até a conclusão do Estágio apresentou resultados bastante positivos para o processo de formação profissional. O primeiro deles foi permitir a aquisição de noções maiores de programação de sistemas, com um desafio ainda maior pelo fato de o sistema já estar implantado e ser até então, completamente desconhecido. Um segundo ponto foi a ampliação da visão de Gerência de Processos, onde pôde-se constatar na prática como se dá a administração de cada um dos processos referentes ao desenvolvimento de um software, desde a etapa de Elaboração até a etapa de Transição. A inserção no mercado de trabalho foi também, um fator de extrema importância, uma vez que a seriedade com que a empresa administra seus serviços estimula e exige do funcionário dedicação, comprometimento e responsabilidade com suas competências. Pode-se afirmar com convicção, portanto, que ao final do período destinado à realização do Estágio Supervisionado, as expectativas e objetivos pessoais foram integralmente atendidos graças à colaboração mútua entre empregado e empregador.

30 30 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEZERRA, Eduardo. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Campus Fabricio de los Santos. Genexus no Brasil. Disponível por www em (acessado em 24 de novembro de 2011). Rodrigo Santos. Um Pouco Sobre Genexus. Disponível por www em html/ (acessado em 24 de novembro de 2011). SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 8ª Edição. São Paulo: Pearson Education Washington Grimas. Gestão de Processos de Negócios. Disponível por www em (acessado em 11 de dezembro de 2011).

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier 1 Capítulo 2 Processo de Desenvolvimento de Software Quanto mais livros você leu (ou escreveu), mais

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UTILIZANDO A FERRAMENTA GENEXUS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PROECSSOS NA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE HOSPITALAR NICOLLAS AUGUSTO FARIAS SANTOS

UTILIZANDO A FERRAMENTA GENEXUS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PROECSSOS NA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE HOSPITALAR NICOLLAS AUGUSTO FARIAS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UTILIZANDO A FERRAMENTA GENEXUS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PROECSSOS NA

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração.

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração. Gestão de projetos técnicos de baixa complexidade: a relação entre projeto, gestão e desenvolvimento do site SETIS Bruno Bergmann bernemano@gmail.com Felipe Valtl de Mello valtlfelipe@gmail.com Gabriel

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte

2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte 2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte O MPS.BR tem como foco, ainda que não exclusivo, atender a micro, pequenas e médias empresas de

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor Software FarmaInfor 1.Gerenciamento 2.Iniciação 3.Elaboração 4. Desenvolvimento 5.Trenferência 6. Finalização 6.1 Assinatura 1.1 Montar Equipe 2.1 Levantar Requisitos 3.1 Definir Módulos 4.1 Codificar

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 5 Informação Gerencial Professora: Cintia Caetano Introdução O processo de tomada de decisão Antes: Administrar era uma arte pessoal A informação não era considerada

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

GTI2-Tecnologia. Documento Visão. Versão <1.0>

GTI2-Tecnologia. <Analisador de logs> Documento Visão. Versão <1.0> GTI2-Tecnologia Documento Visão Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 02/06/2014 1.0 Desenvolvimento do documento Visão Eduardo, Fernando, Inácio e Hudson.

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores Módulo de Gestores Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores As telas oficiais do Módulo de Gestores estão disponíveis

Leia mais

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 1 NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 FEVEREIRO /2006 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Fernando Cesar Uzan Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente trabalha na Coordenadoria

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM Manual do Almoxarifado SIGA-ADM DIRETORIA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO(DGTI) MARÇO/2012 Requisição de Almoxarifado Requisições O sistema retornará a tela do menu de Administração. Nela selecione

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios Introdução à Engenharia de Software Profª Jocelma Rios Jun/2013 O que pretendemos Apresentar os conceitos básicos de engenharia de software e as disciplinas que a compõem Apresentar as questões mais relevantes

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Guia de Utilização Mantis Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado Por 02/09/2008

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais