Crise do capitalismo e reestruturação da economia mundial. As estratégias de desenvolvimento na America Latina. Francisco Luiz Corsi 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crise do capitalismo e reestruturação da economia mundial. As estratégias de desenvolvimento na America Latina. Francisco Luiz Corsi 1"

Transcrição

1 Crise do capitalismo e reestruturação da economia mundial. As estratégias de desenvolvimento na America Latina Francisco Luiz Corsi 1 1- Introdução Análises que têm por objeto a América Latina não deixam de ser arriscadas, pois a região é marcada pela diversidade, com inúmeras peculiaridades nacionais. O risco de generalização é, portanto, muito grande. Todavia, uma série de aspectos comuns pode justificar a empreitada 2, sobretudo as experiências históricas e culturais comuns, a situação de dependência e subordinação ante as potências hegemônicas, e a similar inserção na economia mundial, elementos que tanto influenciam os processos políticos e ideológicos, e os projetos de desenvolvimento, que constituem objeto deste artigo. (Arceo, 2006, p. 28). Mais especificamente, o presente texto tem por objeto a discussão das conseqüências das crises de 1929, da década de 1970 e da atual para as estratégias de desenvolvimento das economias latino americanas, em especial para os casos do Brasil e Argentina. Sem menosprezar as determinações sociais, políticas e econômicas internas, esses momentos históricos foram decisivos para a definição dos rumos das economias da região. Pretendemos também fazer um breve contra ponto da trajetória de desenvolvimento das economias latino-americanas com as do Leste asiático. O artigo 1 Mestre em Economia e Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor de Economia da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) da Universidade Estadual Paulista UNESP. Pesquisas concentradas na área de História Econômica, em especial em política econômica brasileira no período e em trajetórias de desenvolvimento econômico. No momento, está desenvolvendo um projeto de pesquisa que busca realizar uma análise comparativa das políticas econômicas de Brasil e Argentina no período Entre esses aspectos comuns cabe destacar a origem das economias da região no processo de expansão comercial capitalista a partir do século XV, a inserção da região como exportadora de produtos primários na economia mundial, a acentuada concentração da propriedade e da renda, a formas que assumiu o processo de industrialização após a crise dos anos de 1930 com base na substituição de importações e as formas de adoção das políticas neoliberais, marcadas pela privatização das empresas públicas, abertura das economias nacionais, processo de acentuada desnacionalização e elevada dívida externa (Acerceo, 2006, p. 28). Sobre as questões metodológicas pertinentes a um estudo comparativo ver a respeito Devoto e Fausto (2004) e Cruz (2007) 1

2 não pretende esgotar temas tão complexos, mas apenas realizar um balanço dessas questões e tecer alguns comentários críticos acerca desses processos. A crise de 1929 e a depressão que se seguiu acarretaram uma relativa desarticulação da economia mundial, que abriu novas possibilidades de desenvolvimento para os países da região que já tinham alcançado certo patamar de desenvolvimento. Definiram-se projetos de desenvolvimento voltados para o mercado interno e para a industrialização via substituição de importações. A Segunda Guerra e as dificuldades de reorganização da economia no imediato pós-guerra projetariam esse quadro para o período subseqüente. Não se colocava à época estratégias voltadas para as exportações. A retomada do processo de internacionalização do capital, sobretudo, a partir de meados da década de 1950 colocou novas questões para essas estratégias de desenvolvimento, que enfrentavam diversos obstáculos, em particular no tocante ao financiamento externo. A crise de 1974 e a reestruturação do capitalismo que se seguiu fecharam os espaços para as estratégias desenvolvimentistas. Com a globalização observa-se crescente tendência de abertura comercial e financeira das economias nacionais, uma onda de inovações tecnológicas, a reestruturação dos processos produtivos, a intensificação dos fluxos de capitais e a realocação espacial de inúmeros setores industriais para a periferia, sobretudo para o Leste Asiático. Os países latino-americanos enfrentando severas crises de endividamento externo e inflacionária (processos articulados à nova situação internacional) tiveram enormes dificuldades de se inserir de forma dinâmica nessa nova ordem. Abandonaram as estratégias desenvolvimentistas e assumiram as políticas recomendadas pelo chamado Consenso de Washington. A região entrou em uma fase de estagnação e instabilidade econômica, marcada por forte vulnerabilidade externa. As crises internacionais tendiam a se desdobrara em crises financeiras internas. A situação começou a mudar com a fase de expansão da economia mundial e com a guinada para centro esquerdo observada em importantes países da região, que significou rupturas, em graus variados, com o modelo neoliberal. Verifica-se a retomada do crescimento e a adoção de políticas sociais mais abrangentes. Todavia, as economias latino-americanas continuaram na trajetória, seguida desde a adoção do modelo neoliberal, de involução do setor industrial e 2

3 retomada da importância dos setores primários, o que representa uma inserção na economia mundial cada vez mais acentuada como exportadora de produtos agrícolas e minerais. Tendência exacerbada com a crescente ascensão da China no cenário internacional. A crise atual ao acenar com o deslocamento do centro do capitalismo para a Ásia e para um mundo multipolar parece acentuar a tendência de uma inserção pouco dinâmica na economia mundial dos países da região. O artigo basear-se-á em ampla bibliografia existente sobre esses temas e nas bases de dados existentes na CEPAL. Palavras - chave: Crise, Desenvolvimento, América Latina 2- A crise de 1929, relativa desarticulação da economia mundial e a definição de projetos nacionais de desenvolvimento A década de 1930 foi marcada pela Grande Depressão. A atividade econômica regrediu em quase todos os países do mundo capitalista e o desemprego atingiu taxas elevadíssimas. Com a queda acentuada dos preços dos produtos primários, as regiões menos desenvolvidas, que em muitos casos já enfrentavam problemas de superprodução desde a década anterior, também imergiram na depressão. Como diz Hobsbawm (1995, p. 96), esses eventos tornaram...a depressão global no sentido literal. Uma das mais importantes conseqüências dessa globalidade da Grande Depressão foi uma relativa desarticulação da economia mundial. A queda acentuada dos fluxos de capital, mercadorias e força de trabalho rompeu com a tendência de contínua integração da economia mundial. Consolidou-se a tendência de redução do livre deslocamento internacional de mão de obra, já delineada desde a I Guerra Mundial. Entre 1929 e 1932, o volume das trocas mundiais caiu em 25% e seu valor sofreu uma diminuição de cerca de 60%. O sistema multilateral de trocas praticamente desmoronou, prevalecendo em seu lugar acordos bilaterais de comércio e um ferrenho protecionismo. Paralelamente, observou-se um declínio de cerca de 90% dos empréstimos internacionais e, ao longo da década de 1930, uma drástica redução dos investimentos diretos externos. A redução dos fluxos de capital atingiu negativamente os países 3

4 devedores, contribuindo para uma queda ainda maior das importações e para a generalizada suspensão dos pagamentos das dívidas externas a partir de Na América Latina observou-se uma onda de moratórias das dívidas externas. (Hobsbawm, 1995; Kennedy 1989). Outro elemento importante de desagregação dos laços econômicos foi o solapamento do já combalido padrão ouro-divisas (Gold Exchange Standard), a partir da desvalorização da libra (1931) e do dólar (1933). O desmoronamento do padrão monetário internacional foi fundamental para a constituição de áreas restritas de comércio vinculadas às diferentes moedas. Em virtude da relativa desarticulação da economia mundial e da queda generalizada da atividade econômica, muitos, à época, acreditavam que um sistema mundialmente integrado parecia estar com seus dias contados. A ascensão do nazismo, que recolocava de forma mais aguda a luta pela hegemonia mundial, e a política expansionista do Japão no Extremo Oriente aumentavam ainda mais as incertezas quanto ao futuro. O contexto era de acirramento das disputas interimperialistas e das lutas e classe. Embora os movimentos de esquerda tenham sofrido um refluxo no início dos anos 1930, voltaram a crescer a partir de meados da década, acirrando os embates com o nazifascismo e as disputas ideológico-políticas entre socialismo e capitalismo. A vitória da Frente Popular na França e a Guerra Civil Espanhola são emblemáticas dos confrontos vividos naquele momento. O fato da URSS, que levava a cabo uma política de construção do socialismo em um só país, passar incólume pela crise, apresentando vigoroso crescimento sob a égide dos planos qüinqüenais, consistia em outra fonte de dúvidas quanto à sobrevivência do capitalismo (Hobsbawm, 1995). A relativa desarticulação da economia mundial abriu espaços para a busca de saídas nacionais para a crise. A alarmante situação econômica vivida por diversos países empurrou a maioria dos governos a experimentar políticas alternativas à ortodoxia econômica neoclássica, então perplexa diante dos acontecimentos. Ao longo da década de 1930, os Estados passaram a intervir cada vez mais na economia, procurando regular os mercados e estimular a atividade econômica. As desvalorizações competitivas de moedas, os controles de câmbio e importações, as restrições à livre circulação de capitais e de força de trabalho, o comércio bilateral e um forte protecionismo passaram a ser adotadas por um número crescente de países. Cada país queria proteger-se da crise 4

5 mundial, direcionando sua economia para o mercado interno e, ao mesmo tempo, exportando mais e importando menos. A Grã-Bretanha, símbolo da economia liberal, a partir de 1932 com a introdução da lei de Direitos de Importação, que estabelecia um aumento significativo das tarifas, rompeu com três quartos de século de política liberal e procurou orientar sua economia para o mercado interno e consolidar a área do esterlino com os acordos comerciais de Ottawa, assinados com outros membros da comunidade britânica nesse mesmo ano. Os EUA se fecharam ainda mais com a introdução da tarifa Smoot-Hawley em Esses não eram casos isolados, mas representavam uma tendência geral (Hobsbawm, 1986; Kennedy, 1989). A América Latina foi duramente atingida pela crise e muitos países romperam com a ortodoxia e também buscaram novos rumos. Grosso modo, podemos dividir os países da região em dois blocos. Os países menos desenvolvidos tinham poucas alternativas de mudanças de rumos, pois suas economias pouco diversificadas pautavam-se na exportação de produtos primários e o grau de urbanização era bastante reduzido. Estes países procuraram enfrentar a crise por meio de políticas ortodoxas, que ao contribuírem para reduzir a demanda agregada agravavam a própria situação. Para estes países, a crise foi mais dura e demorou mais tempo para ser superada. Neste caso, encontravam-se Equador, Peru, Venezuela, Paraguai, Bolívia, Cuba, Haiti, República Dominicana e mais seis países centro-americanos (Cano, 2000). Embora suas economias fossem fundamentalmente agrárias, outro grupo formado por países, que já tinham uma economia mais diversificada, com um incipiente processo de industrialização e urbanização, seguiu trajetória distinta. Este grupo englobava o Chile, a Colômbia e, sobretudo, México, Brasil e Argentina. Para esses países o leque de opções era maior. Seguiram a tendência geral. Fecharam suas economias e buscaram soluções próprias para a situação. A crise tinha tornado evidente a vulnerabilidade de países dependentes de uns poucos produtos primários de exportação. Pelo menos os principais países da região, a partir de 1931, adotaram controles de câmbio e de importações, políticas creditícias e monetárias de caráter expansivo, medidas que significavam uma maior presença do Estado na economia, políticas de formação de estoques reguladores para os principais produtos de exportação, medidas de proteção e incentivo à indústria e procuram rever o pagamento de suas dívidas externas. De imediato, não se observa a adoção de políticas de cunho 5

6 industrializante: a preocupação inicial parecia ser em neutralizar a crise através da diversificação da economia (Donghi, 1975). Os governos, as classes sociais e os partidos políticos demoraram algum tempo para tomar consciência das novas possibilidades que se abriram naquele momento para os países que já tinham alcançado certo patamar de desenvolvimento capitalista. Só um pouco mais tarde, com o avanço das ideologias nacionalistas, os projetos nacionais de desenvolvimento vieram a ganhar contornos mais nítidos como nos casos do cardenismo no México e do peronismo na Argentina e o vargismo no Brasil. (Llach, 1992; Ianni, 1991). Contudo, mesmo dentro desse grupo encontramos diferentes estratégias de desenvolvimento, condicionadas pelos resultados das lutas e dos impasses políticos e sociais de cada país. Os casos do Brasil e da Argentina são emblemáticos. No Brasil, a Revolução de 1930 deslocou a burguesia cafeeira da posição hegemônica, o que conferiu ao Estado, em um contexto de crise de hegemonia, maior autonomia para responder rapidamente a crise e para conduzir um projeto calcado na industrialização e no mercado interno, que amadureceu paulatinamente e ganhou contornos mais nítidos no Estado Novo. A política de defesa do café, o monopólio do câmbio e a política monetária e fiscal expansiva foram fundamentais para a relativamente rápida recuperação da economia e contribuíram para o processo de industrialização deslanchar a partir de Uma série de outras medidas também foi fundamental para a mudança de rumos nos anos que se seguiram, a saber: a legislação trabalhista, visando a regulação das relações entre capital e trabalho, a criação de inúmeros organismos de fomento e regulação de setores específicos da economia, a implantação da grande siderurgia, as incipientes tentativas de planejamento econômico em 1939 e 1943 por meio do Plano de Obras Públicas e Raparelhamento da Defesa Nacional e do Plano de Obras e Equipamentos, centrados na expansão da infra-estrutura e na indústria de base, a busca racionalização do serviço público, as tentativas de criar mecanismo de financiamento dos investimentos, como a CREAI do Banco do Brasil e a formação de um fundo de investimentos a partir da cobrança de impostos sobre as operações cambiais, a nacionalização dos recursos naturais presentes nos códigos de Águas e Minas (1934) e na Constituição de 1937 e as medidas protecionistas. Medidas que expressam o projeto de desenvolvimento e Vargas Na argentina, o golpe de Estado desferido pelo general Uriburu derrubou o governo constitucional de Yrigoyen e reafirmou a hegemonia dos setores 6

7 exportadores e da chamada oligarquia diversificada, que tinha origem agrícola, mas tinha diversificado sua atuação para o comércio, os serviços, a indústria e finanças. Dessa forma, a política de enfretamento da crise parece ter sido fortemente condicionada pela reafirmação do predomínio dos grandes proprietários de terras, expresso no golpe de Estado e depois nas eleições de Augustim Justo. O Brasil, ao contrário, vivia uma crise de hegemonia, que abria uma maior possibilidade de adoção de políticas alternativas. No país platino não se observa, pelo menos nos primeiros anos da crise, medidas de caráter industrializante e nem um programa amplo de defesa da renda e do emprego semelhante à política de defesa do café implementada por Vargas. A suspensão da convertibilidade da moeda ainda em 1929, o que no Brasil só viria a ocorrer em dezembro de 1930, quando as nossas reservas tinham se esgotado, não impediu a forte desvalorização do peso. Como no Brasil, foram introduzidos, em 1931, controles de câmbio, que seriam aperfeiçoados em 1933 com a introdução de licenças de importações e taxas múltiplas de câmbio, pois a deterioração das contas externas não deixava alternativa. Essas medidas adotadas a partir de 1933 estimulariam a indústria. Os aumentos das tarifas aduaneiras em 1930 e 1932 não tinham por objetivo estimular a produção industrial interna, mas sim incrementar a arrecadação do Estado. Em 1931, foi introduzido o imposto sobre a renda com objetivo de ampliar a arrecadação e diminuir a dependência da receita pública em relação ao imposto de importação. Essas medidas somadas a diminuição de gastos acarretaram um equilíbrio das finanças públicas por volta de A política monetária também foi ortodoxa. Entre 1929 e 1933, observase uma redução da oferta monetária de 14%. As taxas de juros aumentaram em plena depressão. Os rendimentos das Letras Hipotecarias aumentaram de uma média 6,1% em dezembro de 1928/29 para 7% em dezembro de Os rendimentos dos títulos do governo subiram de 6,2 para 7,5% no mesmo período. As taxas de juros só passaram a declinar a partir dessa data. A elevação das taxas de juros reais foi muito maior que esses números, pois se verificou deflação no período. Ou seja, o governo argentino levou a cabo uma política de equilíbrio orçamentário e monetário justamente no período mais agudo da crise como recomendava a boa ortodoxia neoclássica. Política bem diversa da aplicada por Vargas, que ampliou consideravelmente o gasto público e expandiu a base monetária nesse período, particularmente na fase mais aguda da crise em 1931 e 1932A diferença entre a política econômica dos dois países pode também ser observada no tratamento dispensado a dívida externa. A Argentina em nenhum 7

8 momento suspendeu o pagamento de suas dívidas, caso raro na América Latina no período. Manteve seus compromissos externos, apesar das crescentes dificuldades em pagá-los. Enquanto o Brasil decretou moratória da dívida em 1931 e Também manteve sua tradicional alianaça com a Inglaterra, assinando um acordo comercial com os britânicos muito mais bastante desfavorável de que o Brasil firmou com os EUA no mesmo período (Alejandro, 1973; Romero, 1994; Cano, 2000; Ferrer, 2006). O primeiro esboço de uma política claramente industrializante na Argentina se deu com o chamado Plano Pinedo de 1941, que propunha uma industrialização centrada nos setores de processamento de produtos agrícolas e minerais, nos quais a Argentina detinha vantagens comparativas, e na expansão da construção civil. Também estabelecia um esquema interno de financiamento de investimentos de longo prazo, que seria coordenado pelo Banco Central e sustentado pelo fortalecimento dos mercados de capitais e do sistema financeiro. O plano propunha uma industrialização voltada para as exportações e um redirecionamento econômico e político em direção a nova potência, os EUA. A proposta do Plano transcendia o contexto imediato da guerra, no qual a Argentina aumentou consideravelmente, como o Brasil, suas exportações para os países vizinhos. Contudo, não chegou a ser aprovado não só em virtude do bloqueio que a União Cívica radical fazia às matérias apresentadas pelo governo no Congresso, mas também devido às dificuldades de sustentar o desenvolvimento a partir das exportações em um contexto de relativa desarticulação da economia mundial e, sobretudo, por falta de complementaridade com a economia norte-americana, o grande mercado que poderia absorver as exportações argentinas, dada a decadência da Inglaterra, tradicional aliada dos argentinos. A definição de uma ampla política industrializante na Argentina deu-se com Perón, que estabeleceu amplas políticas voltadas para o fortalecimento do mercado interno, em particular a indústria. A política peronista também estava centrada na geração de empregos e na distribuição da renda. Tudo isso seria financiado pelas exportações, que passaram a ser diretamente controladas pelo Estado, o que foi um dos fatores de seu esmorecimento no final da década de 1940, com conseqüências bastante negativas para o próprio programa de desenvolvimento argentino (Llach, 1992). Este quadro que abria a possibilidades de projetos nacionalistas e desenvolvimentistas projetou-se para o período subseqüente. A reorganização da economia mundial no pós-guerra, sob a hegemonia dos EUA, não fechou essas 8

9 possibilidades. As dificuldades dos EUA em levar a cabo seu projeto de reorganizar a economia mundial sob a égide do livre comércio e da livre circulação de capital forçaram-no a aceitar a permanência, por longo tempo, dos controles de câmbio e dos fluxos de capital, especialmente os de curto prazo. As dificuldades das economias destroçadas pela guerra, as lições da Grande Depressão, a correlação de forças favorável aos trabalhadores no centro e o avanço dos movimentos de descolonização, muitos deles de inspiração marxista, em um contexto de Guerra Fria, abriram espaço para a economia mundial organizar-se com base em fortes economias nacionais e nos países desenvolvidos contribuíram para o florescimento do Estado de Bem-Estar Social. O grande capital financeiro internacional, enfraquecido pela depressão, teve que se adaptar a nova situação. Para a América Latina não estava colocada, neste contexto, uma estratégia dirigida para as exportações. Isto pelo menos até a segunda metade dos nos Varguismo, Cardenismo e Peronismo são exemplos de projetos de desenvolvimento voltados para a indústria e para o mercado interno. Embora buscassem fortalecer o capital nacional, internalizar os centros de decisões e garantir uma margem maior de autonomia na definição de suas políticas internas e externas, esses projetos não excluíam a participação de capital estrangeiro no financiamento do desenvolvimento e de empresas estrangeiras na economia nacional. Pelo contrário, buscavam com matizes e intensidades diferentes articular o desenvolvimento ao financiamento e ao capital externo. Não buscavam a autarquia econômica e nem romper com o bloco ocidental. Mas ao lutarem por certa autonomia, principalmente no contexto de acirramento da guerra fria, eram considerados nacionalistas. Vargas, por exemplo, esperava ser possível industrializar o Brasil, garantir sua soberania e conseguir um papel de destaque na América Latina, contando para isso com apoio político, financeiro e tecnológico norte-americano. Com tais objetivos, esse era um difícil projeto no contexto em que os EUA firmavam-se como grande potência e exigiam estrita subordinação dos países que estavam em sua área de influência 3 (Corsi, 3 Projeto Nacional de desenvolvimento não é entendido aqui como um projeto que integra os interesses coletivos da nação. Entendemos que as classes e as facções de classe podem ter um projeto seu para a nação. A sociedade é marcada pela luta de classes e, portanto, não podemos falar em interesses que congreguem o conjunto das forças sociais. Ao falarmos em projeto não queremos dizer que as ações das classes, das facções de classe e de grupos estejam previamente definidos por um projeto dado. Mesmo porque esses projetos nunca aparecem acabados. Eles sofrem inflexões, são abandonados etc. a partir da luta social e das mutantes circunstâncias políticas, sociais e econômicas (Corsi, 2000). 9

10 2000). Perón buscou, diante a forte crise econômica enfrentada pela Argentina no final da década de 1940, aproximar-se dos EUA e atrair capital estrangeiro para financiar o desenvolvimento argentino (Romero, 2006). As estratégias de desenvolvimento têm que ser analisadas em seu contexto histórico. No período em pauta, os projetos de desenvolvimento visando à industrialização e autonomia nacional, embora contando para viabilizar esses objetivos com apoio político e financeiro externo, pareciam uma alternativa plausível. Pelo menos para os países mais importantes da região, como México Argentina e Brasil, que dispunham de um mercado interno potencialmente amplo e abundantes recursos naturais e certo patamar de desenvolvimento capitalista, a estratégia de garantir um crescimento voltado para o mercado interno parecia à única saída em um contexto de relativa desarticulação da economia mundial. A estratégia voltada para as exportações era inviável. No período , as economias nacionais estavam relativamente fechadas e o comércio internacional em crise. Depois do final II Guerra até a segunda metade da década de 1950, embora observemos uma retomada do comércio internacional, a possibilidade de sustentar o crescimento nas exportações não parecia alentadora, mesmo porque as economias centrais não estavam abertas para os produtos manufaturados da periferia. Ou seja, não se colocava à época a possibilidade de um desenvolvimento calcado nas exportações de produtos manufaturados e a crise dos anos 1930 tinha demonstrado a inviabilidade de países cujas economias se sustentavam em um punhado restrito de produtos primários. Além disso, nesse período, os fluxos de capitais para a América Latina foram modestos. Esse contexto contribuiu para a formação de uma visão negativa das exportações de produtos primários como saída para o desenvolvimento, claramente expressa no pensamento cepalino. A divisão internacional do trabalho naquele momento não abria a possibilidade de estratégias de desenvolvimento voltadas para as exportações (Arceo e Basualdo, 2006; Corsi, 2000). Os projetos desenvolvimentistas conseguiram garantir taxas respeitáveis de crescimento. Desse ponto de vista, foram um sucesso. Os problemas desses projetos residiam sobretudo nos resultados sociais do crescimento. Esses projetos apresentaram grandes dificuldades de enfrentar os graves problemas de desigualdade e miséria que historicamente assolavam a região e também se mostraram incapazes para completar os processos de industrialização. 10

11 A incapacidade de completar os processos de industrialização residia, pelo menos em parte, em problemas relativos à constituição de um esquema de financiamento interno da acumulação de capital. Esse problema estava vinculado à incapacidade do Estado articular esse esquema e garantir uma maior ação na economia. As classes dominantes, mesmo aqueles setores beneficiados pelas políticas industrializantes, sempre viram com preocupação o excesso de intervenção estatal na economia, embora muitos setores, particularmente o setor industrial, necessitassem de ampla proteção e auxílio creditício, sem falar na necessidade do Estado assumir os setores da economia que a burguesia não tinha condições de levar avante, mas vitais para a continuidade do crescimento. As classes dominantes também sempre viram com desconfiança as mobilizações operárias e a intervenção dos trabalhadores na vida política. Em momentos de agudização dessas mobilizações, unificavam-se contra qualquer mobilização popular mais intensa, o que fragilizava os projetos nacionais de desenvolvimento. Outro problema era o das políticas cambiais que não incentivam as exportações agrícolas, o que contribuía para agravar os crônicos problemas das contas externas, agravados ainda mais pela deterioração dos termos de intercâmbio. O Estado na América Latina, que aparentemente era forte e isso era bem visível no tratamento dispensado a classe subalterna, nessas questões mostrava seu lado frágil (Fiori, 1995, Arceo, 2006; Corsi, 2000). Contudo, observa-se a partir de meados da década de 1950 a retomada do processo de internacionalização do capital. A retomada dessa tendência, nos anos 1950, marca o fortalecimento dos grandes oligopólios e da grande finança, o que seria um dos fatores da crise da ordem econômica internacional estabelecida em Bretton Woods na década de Esse processo também teve conseqüências para os países da região. A forte expansão das empresas multinacionais em direção às regiões periféricas redefiniu a divisão internacional do trabalho e colocou novas questões para os projetos nacionais de desenvolvimento, que, em muitos casos, estavam em um beco sem saída, em virtude de sérios problemas de financiamento interno e externo. Essas empresas multinacionais dirigiam-se para a periferia para ocupar os mercados internos, então fortemente protegidos, que tinham potencial de crescimento, mão-de-obra barata, abundância de recursos naturais e tinham alcançado um razoável desenvolvimento capitalista. O 11

12 objetivo não era conquistar uma base para exportar produtos manufaturados baratos para o conjunto do sistema. Isto não se colocava à época (Oliveira, 2003) 4. Para alguns países, abriu-se a possibilidade de um desenvolvimento baseado em uma larga associação com o capital estrangeiro. Nessa fase, começaram a ficar evidentes as crescentes dificuldades de projetos de desenvolvimento com autonomia nacional, embora alguns países continuassem a desenvolver-se nessa direção. A diferença com o período anterior no tocante às estratégias de desenvolvimento é que agora eram propostas estratégias de desenvolvimento associado com maior subordinação ao capital estrangeiro, a busca de certa autonomia e projeção internacional tinha ficado para trás. Uma comparação com os países do Leste asiático, que tenderam a seguir outro caminho, é ilustrativa. Vejamos o caso da Coréia. Antes de tudo, é preciso assinalar que esse país seguiu nos anos 1950 e início da década seguinte uma estratégia de desenvolvimento baseada na substituição de importações, que só conseguiu se sustentar graças às significativas injeções de capital norte-americano. A industrialização via substituição não representava uma saída consiste para esse país, que não tinha um mercado interno potencialmente promissor e nem era dotado de abundantes em recursos naturais, que pudessem sustentar uma estratégia calcada em exportações de produtos primários ou contribuir para o financiamento de uma estratégia substitutiva de importações (Amsden, 1992; Canuto, 1994; Goldenstein, 1992; Arceo, 2006; Arrighi, 1997; Velasco e Cruz, Os próximos parágrafos baseiam-se nessas obras). Mas algumas características, que poderiam indicar obstáculos para o desenvolvimento, transformaram-se com as mudanças na divisão internacional do trabalho e no quadro geopolítico da região em vantagens. Inicialmente a ajuda financeira e posteriormente o acesso privilegiado ao mercado norte-americano, que só podem ser explicados pelo papel geopolítico da Coréia na guerra-fria, foram de grande importância para o desenvolvimento da região. O estreito mercado interno, dado os níveis baixos de renda, a população relativamente pequena e o arrocho dos salários, e a carência de recursos naturais foram fatores que induziram o país a buscar uma estratégia dirigida para as exportações, o que implicava construir uma indústria competitiva. Cabe destacar também que a situação internacional tinha se alterado substantivamente. O 4 Sobre esse ponto, também baseamo-nos em Belluzzo e Coutinho (1984). 12

13 avanço da internacionalização do capital e o acentuado crescimento dos fluxos comerciais abriam novas possibilidades. No que diz respeito à questão do desenvolvimento da tecnologia, outro ponto fraco da América Latina, a Coréia logrou um desenvolvimento em bases nacionais, que só foi possível graças aos fortes investimentos em educação e ao fato das empresas coreanas terem que desenvolver capacidade tecnológica para competir. As multinacionais, que entraram em larga escala na América Latina a partir de meados dos anos 1950, não se interessaram pela Coréia, com seu mercado exíguo, apesar de sua relativa abundância de mão de obra barata. Isso foi um dos fatores que permitiu a preponderância do capital nacional na economia coreana e induziu ao desenvolvimento tecnológico, pois as multinacionais não têm interesse de desenvolver tecnologia nos países periféricos, elas trazem de suas matrizes pacotes tecnológicos prontos. Além disso, o Estado, que teve grande peso no desenvolvimento do país, estabelecia metas de desempenho para as empresas, que incluíam o desenvolvimento de tecnologias. A ação norte-americana na Coréia também contribuiu para o equacionamento de outras duas questões chave do processo de desenvolvimento das regiões periféricas, a saber: o problema agrário e o do papel do Estado na economia. Os EUA ao patrocinarem uma reforma agrária na Coréia criaram um amplo campesinato, que foi importante para a sustentação do Estado autoritário no país e, ao mesmo tempo, neutralizaram os grandes proprietários. É verdade que a reforma agrária só foi possível naquele país devido ao fato das terras distribuídas terem sido propriedades que estavam nas mãos dos japoneses e dos colaboracionistas, nacionalizadas após o término da II Guerra. Também não existia uma burguesia (industrial, comercial e financeira) de peso, dado o próprio desenvolvimento acanhado da economia. Da mesma forma, o proletariado era débil e desorganizado. O Estado também tratou a classe trabalhadora com mão de ferro, o que garantiu elevada taxa de exploração. Esse contexto, conferiu grande autonomia ao Estado coreano para implementar projetos de desenvolvimento, ainda mais que ele contava com forte apoio externo. Além disso, as empresas japonesas nacionalizadas foram utilizadas pelo Estado no processo de formação dos grandes grupos nacionais (Velasco e Cruz, 2007). Na América Latina, a burguesia agrária vinculada às exportações nunca foi anulada. Na Argentina, o seu peso político e econômico foi um dos fatores que bloquearam o avanço da industrialização. No Brasil, onde foi deslocada da posição 13

14 hegemônica em 1930, continuou a ter um papel relevante e serviu para impor limites à ação industrializante do Estado. A presença dessas forças sempre foi um dos fatores de instabilidade política na região. Na América Latina a presença das classes populares na vida política foi, no período em pauta, aparentemente maior que na Coréia. Embora esses setores tenham sido um ponto importante de apoio para as políticas industrializantes, nunca foram totalmente subordinados ao Estado, o que exigia reconhecimento de suas demandas e políticas voltadas para os trabalhadores. Isto muitas vezes assustava as classes dominantes que se reaglutinavam para bloquear avanços reais ou imaginários das classes subalternas. O Estado na região nunca teve a autonomia que desfrutou o Estado coreano. Este no plano da política internacional manteve a mais estrita subordinação a política norte-americana. Porém, em compensação, teve espaço para desenvolver uma economia forte, centrada no capital nacional, sem que isso significasse qualquer forma de isolamento, mas sim profunda articulação com a economia mundial (Basualdo e Arceo, 2006). Os projetos voltados para a industrialização visando diferentes graus e formas de associação com o capital estrangeiro e ou visando autonomia, que proliferaram na periferia do sistema entre as décadas de 1930 e 1970, vieram em sua maioria a ruir a partir dos anos O fracasso dos projetos socialistas também pode ser visto sob essa ótica, pois eles, entre outros aspectos, representavam alternativas de desenvolvimento ao sistema capitalista. Embora tivessem obtido êxito parcial no tocante à industrialização, ao desenvolvimento tecnológico e à melhoria do nível de vida de suas populações, o fracasso desses projetos reforçaria, segundo vários autores, dentre eles Ianni (1992), as enormes dificuldades de um desenvolvimento econômico, social, político e cultural fora do âmbito da sociedade capitalista global. A partir de outro referencial teórico, Arrighi (1997) vai nessa mesma direção, considera o desenvolvimento da periferia uma ilusão. A reestruturação do sistema capitalista, que marcou esse período, foi, em grande medida, uma resposta à crise estrutural aberta em 1974 e à crescente contestação social. A reestruturação buscou-se recompor a rentabilidade do capital em queda acentuada, reorganizando o processo produtivo, por meio da introdução da chamada acumulação flexível, e realocando espacialmente setores importantes da indústria, o que contribuiu para o surgimento de novas fronteiras de acumulação de capital, em especial na Ásia. Nesses complexos processos, foram introduzidas novas tecnologias que poupam 14

15 trabalho e diferentes formas de reorganização do processo de trabalho, acompanhadas da desregulamentação do mercado e da precarização das condições de trabalho. Mudanças que contribuíram para fragmentar a classe trabalhadora e enfraquecer os sindicatos. Observa-se rápida e acentuada desregulamentação das economias nacionais, caracterizada pela abertura comercial e, sobretudo, financeira. O incremento da concorrência, a reestruturação produtiva e as novas tecnologias têm condicionado profundas alterações nas classes sociais, na luta de classes e na posição dos países no capitalismo globalizado (Belluzzo, 2005). Nesse processo, os EUA conseguiram reafirmar sua hegemonia, embora tenha ela passado a enfrentar problemas crescentes tanto em termos econômicos quanto políticos. Foi central também o deslocamento espacial para a periferia, sob o comando dos grandes oligopólios, de importantes setores industriais. Nesse processo, gestou-se, ao longo dessa fase, um novo pólo dinâmico de acumulação de capital no Leste asiático, enquanto o resto da periferia, apesar de inúmeras especificidades regionais, tendeu para uma fase de lento crescimento e crise social. Para a periferia do sistema capitalista, um dos marcos desse processo foi a abertura das economias nacionais iniciada ainda na década de Esse processo foi inspirado no chamado Consenso de Washington, que apesar de vago teve enorme influência na região. Suas propostas não se esgotavam, como assinala Arceo (2006), nas propostas de estabilização da economia, mas consistiam, sobretudo, em uma agenda de reestruturação das economias periféricas com o objetivo de prepará-las e inserí-las na nova ordem global de acordo com os interesses financeiros 5 (Arceo, 2006). Esses marcos gerais balizam a análise que se segue das estratégias de desenvolvimento adotadas pelos países latino-americanos. 2- Crise de 1974, reestruturação do capitalismo e periferia A crise do padrão de acumulação desenvolvimentista e as novas estratégias de desenvolvimento e inserção na economia mundial só podem ser entendidas a partir da compreensão da nova fase do capitalismo iniciada no final da década de 1970 e começo da seguinte, denominada por Chesnais (1996) de mundialização do capital, compreendida como um aprofundamento do processo de internacionalização do capital, 5 Sobre o Consenso de Washington ver Fiori,

16 cujo traço principal é a hegemonia do capital financeiro. A lógica dessa fração do capital passou a condicionar as demais formas do capital, indicando um entrelaçamento entre elas. Desde o início dos anos 1980, observa-se um crescimento vertiginoso dos mercados de capitais, de câmbio e de títulos em escala global. As estrelas do mercado financeiro global são os hedge funds e os fundos de pensão e de investimento. Também continuam tendo papel importante as grandes corporações e os bancos centrais dos países mais desenvolvidos. Esses organismos movimentam massas impressionantes de riqueza na sua forma líquida com objetivo de valorização crescente e no curto prazo de seus fundos 6 (Cintra, 2005, p ). A constituição desse mercado financeiro global deu-se sob a liderança dos EUA. O dólar é a moeda chave desse mercado e a transnacionalização do sistema financeiro norte- americano é peça fundamental na sua sustentação (Belluzzo, 2005). Esse mercado financeiro global caracteriza-se pela instabilidade e pela rapidez de seus fluxos. A postura dos gestores dos fundos de buscar resultados de curtíssimo prazo a qualquer preço é, sem dúvida, um dos elementos importantes que influenciam essa instabilidade e exacerba a especulação 7. Especulação que floresce ainda mais nos momentos de grande liquidez na economia mundial, como, por exemplo, no início da década de O capital financeiro global especula com o petróleo, as commodites, as ações, os títulos, as moedas e a expansão imobiliária em diversos países. Dessa maneira amplifica-se a instabilidadade da economia mundial (Chenais, 1996; Cintra, 2005). Esse capital rentista é muito sensível a qualquer alteração nas variáveis reais da economia. O incremento da inflação, os desequilíbrios mais acentuados das contas 6 Apenas os fundos de pensão da OECD (Organização para a Cooperação Econômica e o Desenvolvimento) administravam um estoque de ativos estimado em US$ 7,4 trilhões, representando 27% do PIB desses países e 39,1% do valor da capitalização das ações nos mercados de capitais desses mesmos países (Cintra, 2005, p. 17) 7 Todos os agentes econômicos relevantes (investidores institucionais, bancos e corporações) passam a utilizar os derivativos e outros instrumentos de transferência de risco, procurando dispersar ou assumir riscos de preço (oscilações nas taxas de juros, câmbio, inflação, índice de bolsas etc.). Vale dizer, procuram realizar proteção contra riscos ou tomar posição para realizar ganhos de capital. Procuram ainda adotar técnicas de gestão de recursos, como a alavancagem, utilizando derivativos e empréstimos, para aumentar a rentabilidade esperada dos investimentos. As agências de classificação de risco passam a participar ativamente desse circuito. Sua função é montar parâmetros para a classificação de riscos dos diferentes agentes emissores de securits e de alguns tipos de derivativos (Cintra, 2005, p. 18). 8 A partir de 1992, a redução das taxas de juros e a expansão do crédito levada a cabo pelos bancos centrais dos países desenvolvidos com o objetivo de tirar a economia da recessão geraram uma enorme liquidez e diminuíram a rentabilidade do capital financeiro, que passou a buscar desenfreadamente oportunidades mais rentáveis de aplicação, muitas vezes utilizando-se de alavancagem de recursos. Os países em desenvolvimento foram inundados com capitais extremamente voláteis, que tanta instabilidade acarretaram na década passada. (Chenais, 1996; Cintra, 2005). 16

17 externas ou das contas do governo e a queda da rentabilidade das empresas podem acarretar intensos movimentos de fuga de capitais, o que pressiona os Estados a adotar políticas ortodoxas, visando controlar a demanda agregada e assim evitar pressões inflacionárias e desequilíbrios externos e fiscais que poderiam levar a repentinas mudanças cambiais. Esse processo tende a pôr em questão a capacidade de os Estados controlarem suas economias à medida que o capital financeiro busca impor políticas de abertura das economias nacionais e políticas deflacionistas (Corsi, 2002, p. 16) 9. A existência dessa massa de capital flutuando na economia mundial vincula-se diretamente a crise de superprodução vivida pelo capitalismo desde a década de A crise de superprodução dos anos 1970 abriu uma fase de reestruturação do capitalismo de largas conseqüências para o conjunto da economia mundial, sobretudo para as classes sociais, para as lutas de classe, para a concorrência intercapitalista e para a distribuição espacial da acumulação de capital 10. Contrastado com os chamados 30 anos glorioso, marcados por altos índices de crescimento e, nos países centrais, pela redução da desigualdade social sob a égide do Estado de bem estar (Hobsbawm, 1995), segui-se um período relativamente longo de baixo crescimento, que se estendeu até 2003, e de grande instabilidade, em especial a partir do final dos anos Entre 1990 e 2007, foram seis crises baseadas no estouro de bolhas especulativas. O ritmo da acumulação de capital foi bastante desigual nesta fase. As economias desenvolvidas apresentaram um crescimento modesto, embora as taxas não tenham sido homogêneas. Extensas áreas da periferia, sobretudo na América Latina e na África, tiveram um desempenho medíocre, apresentando retrocessos sociais e econômicos significativos, enquanto várias economias do leste asiático apresentaram um crescimento acelerado Isso não significa, porém, que os países devam adequar-se passivamente à chamada globalização nem que esse processo atinja de forma homogênea e integradora o conjunto do planeta. A perda de graus de liberdade na definição da política econômica por parte dos Estados depende da situação econômica, social, política e geopolítica de cada país, como também da posição política e ideológicas dos governos (Corsi, 2002, p ). 10 Fugiria dos limites do presente capítulo uma discussão detida sobre os determinantes e os desdobramentos da crise dos nos 1970, embora tenhamos particular interesse sobre os seus desdobramentos. Uma discussão sobre este ponto pode ser encontrada em Arrighi ( 1996 a,b e 2008), Brenner (1999 e 2003), Belluzzo (2009), Fiori (1999), Harvey (1992), Hosbawm (1995) e Mandel (1990). Baseamo-nos amplamente nestas obras nos próximos parágrafos. 11 Além do baixo e desigual crescimento, observa-se também o fim da tendência à convergência dos níveis de desenvolvimento presente entre 1950 e 1975 no plano mundial (ARRIGHI, 1996; CHESNAIS, 2006). O PIB real dos cinco países mais ricos do mundo (EUA, Japão, Alemanha, Grã-Bretanha e França) cresceu em média, entre 1950 e 1973, 4,4%. Entre 1973 e 200, esse crescimento foi de 2,3% (Gonçalves, 202, p. 50) O Japão entrou em uma fase de estagnação nos anos 1990, cresceu em média por ano 1,3% 17

18 Entender esse padrão de acumulação de capital implica discutir alguns traços fundamentais da crise e de seus desdobramentos. A crise estrutural dos anos 1970 resultou da articulação de uma crise de superprodução com a falência do padrão monetário internacional estabelecido em Bretton Woods. Também resultou do aprofundamento das lutas de classe entre meados dos 1960 e meados da década seguinte. Outro elemento da crise estrutural foi a derrota dos EUA no Vietnã e o avanço de movimentos nacionalistas, socialistas e fundamentalistas na periferia do sistema. A crise energética foi outra relevante determinação da crise estrutural ao colocar fim a um dos pilares do crescimento econômico do período anterior, a energia barata. A partir do início dos anos 1960 observa-se um incremento da produção e da capacidade produtiva em escala mundial, que decorria da entrada maciça de produtos japoneses e alemães no mercado mundial e também devido ao avanço das industrializações tardias na periferia. Esse processo gerou um forte incremento da concorrência intercapitalista, o que acabou afetando negativamente as taxas de lucro e gerou capacidade ociosa não planejada em diversos setores. A situação agravou-se em virtude do ímpeto do movimento sindical, que não só impedia a recomposição dos lucros por meio do arrocho dos salários como os pressionava para cima. Nesse contexto, a economia norte-americana foi a mais afetada, pois apresentava modestos ganhos de produtividade e, ao mesmo tempo, elevação dos salários, fruto das lutas sindicais. A economia dos EUA também era pressionada pela elevação dos gastos decorrentes da nesse período, depois de ter sido o campeão do crescimento econômico na fase anterior. A Europa Ocidental cresceu, nos anos 1990, 2,0% aa, enquanto que entre 1958 e 1973 o crescimento médio do PIB tinha sido de 4,9% a a. Na Europa Central e Oriental, a situação foi mais dramática depois da dissolução da URSS. A região apresentou crescimento negativo de 3,2% entre 1991 e 2000, enquanto que no período tinha crescido 4,5% a a. Na Oceania também observamos tendência ao baixo crescimento, com uma média anual de 3,2% a a entre A situação da África também não foge ao quadro geral; o crescimento médio anual do PIB alcançou a cifra de 2,9% nos anos 1990, contra um crescimento médio de 4,7% no período (GONÇALVES, 2002, p. 111). O PIB latino-americano cresceu em média 54% ao ano entre 1950 e Entre 1981 e 1990, esse incremento foi de 0,9%. Na década seguinte, o crescimento médio anual do PIB foi de 3,3% (CANO, 1999, p ; Gonçalves, 2002, p. 111). Porém, a melhora observada na primeira metade da década de 1990 sofreu forte reversão. De 1997 a 2002, quando a economia globalizada entrou em declínio, depois da crise asiática seguida das crises russa, brasileira e argentina e do lento estouro da bolha especulativa de Wall Street, segundo dados apresentados pela CEPAL, a economia latino-americana encontra-se estagnada. No referido período, o PIB da região cresceu em média 1%, enquanto o crescimento demográfico foi de 1,5%, o que acarretou uma queda do PIB per capita de 1,45% no período. O caso mais grave foi o da Argentina, que, entre 1999 e 2002, teve uma retração de cerca de 20% do PIB, de 10,9% só em Níveis comparáveis aos da Grande Depressão dos anos 1930 (CEPAL, 2003). Entre 1991 e 2003, o crescimento médio anual do PIB da América Latina e do Caribe, segundo Singh (2005), foi de 2,8%. A Ásia foi uma exceção, cresceu mais na década de 1990 (7,3% a a) do que entre 1958 e 1973 (5,8% a a), cabendo destacar a China e a Índia, que cresceram em média por ano respectivamente, na década de 1990, 10,5% a a e 5,5%.a a 18

19 Guerra do Vietnã, da Guerra Fria e da majoração dos dispêndios sociais destinados a responder a onda de contestação social que varreu o país na segunda metade dos anos A perda de competitividade e a saída volumosa de capitais vinculadas à crescente internacionalização dos grandes empresas, associada à resistência destas em repatriarem os lucros obtidos no exterior para fugirem de maior carga fiscal sobre esses recursos, gerou déficits nas contas externas. Os crescentes déficits externos e internos passaram a ser cobertos cada vez mais com emissão de moeda, o que tornou insustentável a paridade estabelecida em 1944 e deixou o dólar a mercê de movimentos especulativos. A desvalorização do dólar em 1971 e a introdução do regime de câmbio flutuante dois anos mais tarde, que parecia num primeiro momento fruto das fraquezas políticas e econômicas dos EUA, mostrou ser, pouco tempo depois, elemento importante para a reafirmação, pelo menos temporariamente, da hegemonia dos EUA e do predomínio do capital financeiro na economia mundial. A aparente decadência dos EUA abria novas possibilidades em um contexto de crescente contestação social. As décadas de 1960 e de 1970 foram caracterizadas pela ascensão das forças de esquerda e dos movimentos sociais tanto no centro como na periferia do sistema, que parecia estar sendo tomada pelo nacionalismo, pelo fundamentalismo e pela esquerda. Floresceu uma cultura anticapitalista. Sugiram movimentos como o feminista e o ecológico, alternativos aos burocratizados movimentos tradicionais de esquerda. A crise de hegemonia dos EUA também se processava em um contexto de avanço da URSS, de crise econômica e energética. A possibilidade de profundas transformações sociais parecia eminente à época. Muitos contemporâneos sonhavam com o fim próximo do capitalismo. Entretanto, o capital financeiro e as grandes empresas, cada vez mais internacionalizadas, se fortaleceram ao longo do extenso período de acelerada acumulação de capital que marcou os 30 anos gloriosos. O capital financeiro finalmente se recuperou do baque sofrido na crise de 1929 e na depressão que se seguiu. As grandes empresas retomaram o movimento de internacionalização a partir de meados da década de 1950 e reorganizaram a seu favor a divisão internacional do trabalho, fechando espaços para os projetos nacionais de desenvolvimento que propunham um desenvolvimento centrado no mercado interno e tinham florescido na periferia desde a 19

20 década de 1930, em especial na América Latina. Essas forças estavam ávidas para retomar o terreno que tinham perdido para os trabalhadores em decorrência de uma correlação de forças favorável a estes ao final da II Guerra Mundial, expressa no avanço da social democracia e na extensa regulação política do processo de acumulação de capital. As possibilidades de revolução, contudo, logo se dissolveram no ar. A própria crise e o processo de reestruturação que se seguiu, ao elevar as taxas de desemprego, ao impor novas formas de organização do processo de produção, que implicaram novas experiências para a classe trabalhadora, com conseqüências profundas na cultura, na consciência de classe e nas formas de organização, e ao enfraquecer os sindicatos contribuíram para a mudança da correlação de forças a favor da grande burguesia mundializada e para a hegemonia do capital financeiro. O neoliberalismo foi a expressão ideológica maior desse processo. Suas propostas respondiam aos anseios e interesses desses setores. Desregulamentação das economias nacionais, permitindo plena liberdade de comércio e circulação de capitais, desregulamentação do mercado de trabalho e diminuição da ação estatal da economia, seguida de equilíbrio monetário, fiscal e no balanço de pagamentos. A social democracia foi desarmada, não tinha uma resposta consistente para a queda na atividade econômica acompanhada de inflação crescente e redução das receitas públicas, justamente no momento de exacerbação dos gastos decorrente da ampliação do desemprego. Os grupos mais a esquerda, muitos deles transformados em seitas, perderam a capacidade de análise concreta das situações concretas. Não tinham também propostas consistentes e se afastaram dos trabalhadores. Situação que se agravaria, posteriormente, com o colapso da URSS. Os grandes bancos, os fundos de pensão e investimentos, as grandes corporações e os governos do núcleo orgânico do capitalismo reagiram à crise estrutural reorganizando o sistema. Nos países desenvolvidos, sob comando do neoliberalismo, que rapidamente alcançou uma posição hegemônica, iniciou-se um processo de desmonte do Estado de Bem-estar Social. Os gastos públicos, até então destinados prioritariamente para área social, passaram a ser um elemento importante para sustentar a valorização do capital financeiro, sobretudo por meio da ampliação da dívida pública. As economias nacionais foram desregulamentas, em particular no que diz respeito aos sistemas bancários e aos mercados de capitais. Os mecanismos que permitiam ao Estado 20

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO ANDRÉIA POLIZELI SAMBATTI Professora da UNIOESTE/Campus de Cascavel, Ms. em Teoria Econômica DENISE RISSATO

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

A crise geral do capitalismo: possibilidades e limites de sua superação

A crise geral do capitalismo: possibilidades e limites de sua superação A crise geral do capitalismo: possibilidades e limites de sua superação LUIZ FILGUEIRAS * Determinantes gerais da crise A atual crise econômica geral do capitalismo tem, como todas as anteriores, determinantes

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008 Nome: Nº: Turma: Geografia 3º ano Gabarito - Prova Augusto Mar/10 1. Observe as imagens abaixo e faça o que se pede: Imagem 1 Imagem 2 Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Brasil, Argentina e Coréia: uma análise comparativa (1970 1990) 1

Brasil, Argentina e Coréia: uma análise comparativa (1970 1990) 1 5 Brasil, Argentina e Coréia: uma análise comparativa (1970 1990) 1 Francisco Luiz Corsi 2 Agnaldo dos Santos 3 José Marangoni Camargo 4 RESUMO O presente artigo aborda de forma comparativa o desenvolvimento

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

A inserção internacional brasileira*

A inserção internacional brasileira* cap_04_palestras.qxd:layout 1 8/1/11 11:38 PM Page 43 43 A inserção internacional brasileira* ANTÔNIO CORRÊA LACERDA O Brasil foi um dos países que mais mudou nos últimos dez anos, conquistando uma maior

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que

China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que nos momentos de crise, a China acaba perdendo território.

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Sistema Financeiro Internacional

Sistema Financeiro Internacional Sistema Financeiro Internacional - Conceito: relações de troca ou negócios entre moedas, atividades, fluxos monetários e financeiros, empréstimos, pagamentos, aplicações financeiras internacionais, entre

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Título: A Grande Depressão e o seu impacto social:

Título: A Grande Depressão e o seu impacto social: ESQUEMA NO QUADRO SOBRE A GRANDE DEPRESSÃO (1929) Título: A Grande Depressão e o seu impacto social: 1- Introdução: - Após a 1ª Guerra Mundial (1914-18) a Europa vive tempos difíceis. - Década de 20: -

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Cenários para o Atlântico Norte

Cenários para o Atlântico Norte Cenários para o Atlântico Norte Por Samuel Pessôa Valor Econômico, 20.9.2012 A economia de mercado na China é o fenômeno mais marcante do capitalismo desde a revolução industrial. O Valor pediu- me para

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL. Luiz Carlos Bresser Pereira

INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL. Luiz Carlos Bresser Pereira Mais! 2a. versão -Agosto 1994 INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL Luiz Carlos Bresser Pereira O desenvolvimento e a distribuição da renda só serão alcançáveis se o Brasil for capaz de se transformar

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Uma Política Industrial para o Brasil

Uma Política Industrial para o Brasil Uma Política Industrial para o Brasil 11 Os marcos históricos do desenvolvimento industrial brasileiro são o ponto de partida para reflexões sobre os desafios enfrentados pela indústria brasileira nos

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Samuel Pinheiro Guimarães postado em: 26/04/2014 Integração regional e acordos de livre comércio 1. A conveniência da participação

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Um elemento definidor do capitalismo contemporâneo é o papel central dos EUA e

Um elemento definidor do capitalismo contemporâneo é o papel central dos EUA e OS EUA E O CAPITAL FINANCEIRO André Guimarães Augusto 1 Um elemento definidor do capitalismo contemporâneo é o papel central dos EUA e o predomínio do capital financeiro na economia e políticas mundiais.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods

Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods Sistema monetário internacional Muitos economistas acreditam que o dinheiro e o sistema monetário internacional

Leia mais