CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI"

Transcrição

1 CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1

2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS ACESSO AO SISTEMA SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO TELA DE LOGIN SOLICITAR NOVA SENHA SISTEMAS DISPONÍVEIS E DADOS PESSOAIS AVISOS GERAIS TELA INICIAL DO CADASTRO: TELA INICIAL CADASTRAR CADASTRAR ADOLESCENTE Dados Iniciais do Adolescente Cadastrar Perfil de Saúde do Adolescente Anexo de Laudos Físicos e Psicossociais Relação de Doenças e Drogas Anexar Foto Cadastrar Processo do Adolescente Cadastrar Medidas para o Adolescente Efetuar Reavaliações Internações Cadastrar Ocorrências Cadastrar Mandado de Busca e Apreensão CADASTRAR ENTIDADE CONSULTA CONSULTAR ADOLESCENTE CONSULTAR ENTIDADE CONSULTAR PROCESSO CONSULTAR ATO INFRACIONAL RELATÓRIOS RELATÓRIOS ADMINISTRATIVOS ACESSO...Erro! Indicador não definido. 8. SAIR

3 APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou nacionalmente em dezembro de 2009, através da Resolução nº 77 da Presidência do CNJ, da Instrução normativa nº 03 da Corregedoria Nacional de Justiça e da Portaria 477 do CNJ (Comitê Gestor), o Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei (CNACL), que integra as listas de adolescentes em conflito com a lei. Pela resolução, os Estados que já dispõem de bancos de dados sobre adolescentes que cometeram infrações poderão manter seus sistemas, desde que assegurem o repasse de informações ao Cadastro Nacional. A criação do banco de dados está em conformidade com a proposta nacional de promoção de medidas de proteção à infância e à juventude e de reinserção social de adolescentes em conflito com a lei, aprovada pelo Plenário do CNJ em 4 de novembro de A criação do cadastro foi aprovada no início do mês de maio de 2009 durante o primeiro encontro dos integrantes do Fórum Nacional da Justiça da Infância e da Juventude, criado pelo CNJ para estudar políticas judiciárias na área. O cadastro trará informações sobre o histórico dos adolescentes, como tipo e data da infração cometida, se cumprem ou já cumpriram medida sócioeducativa ou de internação, assim como dados sobre cor, escolaridade e inserção familiar. Com isso, será possível traçar um diagnóstico nacional dos adolescentes que cumprem algum tipo de sanção ou estão internados, assim como auxiliar a promoção de políticas públicas para a infância e juventude. Embora o CNJ seja o responsável pelo desenvolvimento do sistema, a coordenação estadual ficará a cargo das Corregedorias dos Tribunais de Justiça. Elas terão acesso aos dados e ficarão encarregadas de cadastrar e liberar o acesso dos juízes competentes de cada uma das Varas da Infância e Juventude. As Corregedorias também terão que garantir a correta alimentação 3

4 do sistema, assim como a inclusão no cadastro de todas as informações já existentes no prazo de 180 dias, contados da data de publicação da resolução. A inserção dos dados no CNACL é feita pelos juízes competentes para a área da Infância e Juventude e, somente quando impossível o acesso à internet pelos juízes, a Corregedoria-Geral. O CNACL poderá ser acessado pelo link disponível no site do CNJ (www.cnj.jus.br) no menu Rede do Judiciário (Extranet) >> Sistemas ou de forma direta através do link Este Cadastro é uma ferramenta online (tempo real) de informações sobre o histórico dos adolescentes em conflito com a lei, além de ser um instrumento de efetividade da Justiça da Infância e Juventude, que gera um maior controle das medidas sócio-educativas; possibilita o controle pelas Corregedorias-Gerais e orienta as políticas públicas em favor dos adolescentes em conflito com a lei. OBJETIVOS Consolidar os dados relativos aos envolvidos na prática de atos infracionais que estejam ou não em cumprimento das medidas sócioeducativas. Possibilitar um efetivo controle das medidas sócio-educativas. Proporcionar maior segurança para os magistrados na aplicação de medidas aos adolescentes em conflito com a lei. Conseguir o maior número possível de informações sobre o adolescente em conflito com a lei (histórico de infrações, cumprimento de medida sócio-educativa, unidades de internação, escolaridade, inserção familiar, renda, etc). 4

5 OBSERVAÇÕES A senha de acesso é pessoal, intransferível e sigilosa. O usuário responde pelo uso indevido. O sigilo é dever dos usuários. O sistema identifica o autor das inserções e informações fornecidas. É proibida a consulta para fins particulares. USUÁRIOS JUIZ: Tem a função de: - Cadastrar adolescente e entidade. - Consultar adolescente, entidade, processo e ato infracional. - Consultar relatórios de adolescentes (com prazo de medida vencido, que atingiram idade máxima para cumprimento de medida, reincidentes, com mandado de busca e apreensão expedido, que faleceram durante cumprimento de medida) e de Vara/Comarca (processos por vara/comarca). - Solicitar acesso para auxiliar de juiz. AUXILIAR DE JUIZ: Tem funções semelhantes às do Juiz, salvo solicitar acesso de auxiliar de juiz. 5

6 1. ACESSO AO SISTEMA Para ter acesso ao sistema Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei, o usuário acessa diretamente pelo endereço ou acessa o site do Conselho Nacional de Justiça CNJ (www.cnj.jus.br), seleciona no Menu Principal do site (lado esquerdo da tela) a opção Extranet do Judiciário > Sistemas > Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei. O sistema remete o usuário para o Sistema de Controle de Acesso. 6

7 Para ser acessado, é necessário: navegador web (Browser), Internet Explorer 7 ou 8 ou Mozilla Fire Fox com JavaScript habilitado. O acesso é através do Sistema de controle de acesso do CNJ (senha única), sendo que a Corregedoria fará a habilitação dos magistrados aptos a utilizar o sistema 2. SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO 2.0 TELA DE LOGIN O usuário informa o CPF e a Senha, que são fornecidos inicialmente pela Corregedoria-Geral do Estado, que tem a qualidade de administrador do sistema a nível estadual com acesso a todas as informações do CNACL relativas ao seu Estado. O administrador do sistema, nesta qualidade a nível nacional, locado no CNJ, tem acesso irrestrito às informações do CNACL, sendo de sua 7

8 competência: criar logins de acesso de servidores de corregedoria e logins de gestores, e fornecer senha para as Corregedorias-Gerais dos Tribunais de Justiça dos Estados da Federação. Observação: A senha fornecida ao juiz e/ou auxiliar de juiz é temporária para o primeiro acesso, oportunidade em que deverá ser registrada a sua senha pessoal. 2.1 SOLICITAR NOVA SENHA Caso o usuário tenha esquecido a Senha de acesso, o Sistema de Controle de Acesso possui uma funcionalidade para recuperar esses dados na página de login. Na tela inicial do sistema, existe a opção: "Esqueceu sua senha?. O usuário clica em cima do link. O sistema exibe tela que solicita que o CPF seja informado. O usuário informa o CPF e então clica em "Enviar". Dessa forma, uma nova senha de acesso será enviada para o do usuário. 8

9 2.2 SISTEMAS DISPONÍVEIS E DADOS PESSOAIS Nesta tela o usuário visualiza os Sistemas Disponíveis os quais possui acesso e os Dados Cadastrais, sendo possível a atualização. Para acessar o sistema, o usuário clica no link do sistema desejado Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei. 2.3 AVISOS GERAIS Ao clicar no link, o sistema exibe tela de Avisos Gerais caso haja: Reavaliações a vencer, Medidas a vencer e Medidas vencidas, 9

10 sendo que ao lado de cada aviso há a quantidade de avisos e o link Visualizar. O usuário clica em visualizar. O sistema exibe os dados gerais, tais como: Data do ato, Adolescente, Processo, Medida, Dias desde o vencimento e o Vencimento. Conforme exemplo acima, o usuário clica em Obrigação de reparar o dano, para visualizar a medida. Podendo também clicar no nome do adolescente, para visualizar todos os dados e processos referentes a ele, ou no número do processo para visualizar os dados do processo específico. 10

11 3. TELA INICIAL DO CADASTRO: 3.0 TELA INICIAL Nesta tela o usuário terá acesso a todas as funcionalidades do sistema. Apresentação do Menu de acordo com o perfil do usuário logado. No caso de Juiz ou Auxiliar de juiz será subdividido em: Início: retorna à página inicial do sistema. 11

12 Cadastro: serão abertas ao usuário duas possibilidades de cadastro: Cadastrar Adolescente e Cadastrar Entidade. Consulta: serão abertas ao usuário quatro opções de consulta: Consulta de Adolescente, de Entidade, de Processo e de Ato Infracional. Relatórios: serão abertas ao usuário duas possibilidades de consultar dados do CNA, uma possibilidade é pelos Relatórios Administrativos e outra é pelos Relatórios Estatísticos. Suporte: serão abertas ao usuário duas possibilidades de alteração: Abrir Chamado e Solicitar acesso para auxiliar. Sair: ao clicar nesta opção o sistema remeterá para a tela de login. No final da página inicial, há algumas opções de Acesso Rápido, tais como: Cadastrar adolescente, Consultar adolescente, Cadastrar entidade, Consultar entidade e gerar relatório. 12

13 4. CADASTRAR 4.0 CADASTRAR ADOLESCENTE Somente Juiz e Auxiliar de Juiz, devidamente cadastrados, no sistema de controle de acesso podem cadastrar adolescentes na Comarca ou Vara de sua competência. Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de adolescente, o usuário tem duas opções: ou o usuário seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Adolescente, ou seleciona Cadastrar adolescente no link de Acesso rápido na tela inicial. 13

14 4.0.1 Dados Iniciais do Adolescente O sistema remete para a tela de Dados iniciais do adolescente. O usuário informa os Dados do adolescente (Nome do adolescente, Nome da mãe, Data nascimento e o Sexo), sendo estes dados obrigatórios, informa um Documento de identificação (Número do RG, Órgão Emissor RG, CPF, Nº Carteira de Trabalho), ou informa os dados da Certidão de Nascimento e clica em Cadastrar adolescente. Obs.: Caso haja algum adolescente com um dado semelhante, o sistema irá alertar. 14

15 O sistema remete para a tela de Cadastro do adolescente para o preenchimento de informações complementares. O usuário informa Dados de filiação, Endereço e contato, Escolaridade/Atividade profissional e clica em Salvar e preencher dados de saúde do adolescente. 15

16 4.0.2 Cadastrar Perfil de Saúde do Adolescente O cadastro do adolescente foi finalizado com sucesso. O sistema remete para a tela de Saúde para o preenchimento de informações sobre a saúde do pretendente. do corpo. O usuário informa Marcas corporais clicando com o mouse na região 16

17 O sistema exibe mensagem se o usuário deseja Adicionar uma marca neste local. O usuário clica em OK. O sistema exibe tela de Registro de marca corporal. O usuário preenche Descrição da marca e clica em Criar marca. 17

18 O sistema informa Marca salva com sucesso. O usuário clica em OK. 18

19 4.0.3 Anexo de Laudos Físicos e Psicossociais Após o preenchimento das marcas corporais, o usuário anexa Laudos físicos e psicossociais em Enviar laudo físico e Enviar laudo psicossocial. 19

20 Ao clicar em Enviar laudo físico, o sistema exibe tela para envio de laudo. O usuário clica em Procurar, o sistema exibe tela para que o usuário busque no seu computador o documento a ser anexado, informa a Descrição podendo adicionar observação e clica em Enviar anexo. 20

21 O laudo foi anexado, podendo o usuário visualizar o arquivo clicando na lupa, figura localizada ao lado direito da Descrição, ou excluir clicando na bolinha vermelha, figura também localizada ao lado direito da Descrição. 21

22 4.0.4 Relação de Doenças e Drogas drogas. Após anexar o laudo físico, o usuário informa a Relação de doenças e Para informar a Doença, o usuário clica na lupa, figura localizada ao lado direito do campo Doença. 22

23 O sistema exibe tela de Busca de doença. Há duas opções de busca no campo filtros. O usuário busca a doença ou pelo Código CID ou pela Descrição da Doença. O sistema exibe o Resultado da Busca. O usuário clica na Doença correspondente à situação de saúde do adolescente e no botão Fechar. 23

24 O sistema retorna para a página de Relação de doenças e drogas. O usuário informa o Tempo do problema em dias e clica em Inserir. Posteriormente, informa a Droga utilizada pelo adolescente selecionando na Relação de drogas, o Tempo que utiliza e clica em Inserir. Obs.: Caso o usuário só tenha a informação do Tempo do problema em meses ou anos, deverá clicar na figura da calculadora, informar o tempo e o sistema calcula automaticamente Anexar Foto Para anexar foto do adolescente, o usuário clica em Enviar/alterar foto. 24

25 O sistema exibe tela de Envio de foto principal. O usuário clica em Procurar, o sistema exibe tela para que o usuário busque no seu computador a foto a ser anexado. O usuário clica em Enviar foto. O sistema anexa a foto e exibe mensagem Anexo enviado com sucesso. 25

26 4.0.6 Cadastrar Processo do Adolescente Para cadastrar processos para o adolescente, o usuário clica em Processos, botão localizado na aba indicada na figura acima, e depois clica em Cadastrar novo Processo. O sistema exibe tela de Cadastro de processo. O usuário informa a Data, o Número e o Status, pois o campo Órgão já virá preenchido pelo sistema de acordo com a Vara do Juiz ou Auxiliar e clica em Cadastrar. 26

27 Após o cadastramento, o sistema exibe mensagem que o Processo foi cadastrado com sucesso. O usuário visualiza os dados cadastrados, podendo editar os dados do processo (na figura Alterar dados do processo ao lado direito) ou visualizar as medidas do processo (na última figura ao lado direito com o indicador de quantidade). 27

28 4.0.7 Cadastrar Medidas para o Adolescente Para cadastrar uma Medida, o usuário clica em Medidas, botão localizado na aba indicada na figura acima, e após clica em Cadastrar nova medida. O sistema exibe tela para selecionar o processo. 28

29 medida. O usuário seleciona o número do processo e clica em Cadastrar O sistema retorna para tela de cadastro de medida. O usuário informa a Data do ato e clica em Selecionar o Ato infracional. 29

30 Após clicar em Selecionar o Ato Infracional, o sistema remete para tela com a tabela padrão do CNJ de Atos Infracionais. O usuário seleciona o Ato Infracional referente ao processo do adolescente. 30

31 Após selecionar o Ato Infracional, o sistema retorna para tela de cadastro de medida. O usuário informa a Fase do artigo 180 do ECA, passando a informar os dados de Representação/Sentença. Ao final, o usuário clica em Salvar medida ao processo. 31

32 O sistema exibe tela com a Listagem de medidas do processo cadastradas no processo do adolescente. O usuário poderá Alterar (campo localizado no Status da medida), Excluir (na figura localizada ao lado direito) ou Visualizar (na figura da lupa localizada ao lado direito) Efetuar Reavaliações Para efetuar Reavaliações, vencidas ou a vencer, o usuário clica em Reavaliações localizado na aba indicada na figura acima. 32

33 O sistema exibe os dados referentes à Reavaliação e o usuário clica em Reavaliar. O sistema remete para a tela Detalhes da reavaliação. O usuário informa a data em que foi realizada a Reavaliação, seleciona a Situação da medida e clica em Salvar reavaliação. Obs.: Caso haja uma nova medida a ser cadastrada para o adolescente, o usuário seleciona no check box Cadastrar a nova medida. O sistema exibe um alerta para que o usuário Informe os dados da nova medida a ser cadastrada, conforme tela abaixo. O usuário clica em OK. 33

34 O sistema remete para a tela de Cadastro de medida do processo. O usuário informa todos os dados e clica em Salvar medida ao processo. 34

35 O sistema exibe tela com a Listagem de medidas do processo cadastradas no processo do adolescente. O usuário poderá Alterar (campo localizado no Status da medida), Excluir (na figura remover medida do processo localizada ao lado direito) ou Visualizar (na figura da lupa localizada ao lado direito). Obs.: Caso o sistema reporte erro no cadastro, o usuário seguirá os procedimentos conforme telas abaixo. 35

36 O usuário clica na descrição indicada pelo sistema. O sistema remete para a tela de Abertura de chamados, momento em que o usuário preenche os Detalhes do chamado, conforme indicado nas telas abaixo. 36

37 O sistema exibe mensagem Solicitação cadastrada com sucesso!, informa o Número da solicitação e como acompanhar a solicitação Internações Para visualizar as internações cadastradas, o usuário clica no ícone Internações, localizado na aba indicada na figura acima. O sistema exibe as informações principais da internação, tais como: Data da internação, Entidade, Medida e o Vencimento. 37

38 Para visualizar os dados da Entidade, o usuário clica no nome da Entidade, conforme indicado acima. Para visualizar a medida, o usuário clica na descrição da medida. Após clicar na descrição da medida, o sistema remete para a tela com os dados da medida, tais como: Dados do processo, Dados da medida e Fase do artigo 180 do ECA. Obs.: Caso o usuário deseje visualizar a partir desta tela os dados da instituição de internação, ele clica no nome da instituição, ao lado. 38

39 Cadastrar Ocorrências Para cadastrar qualquer ocorrência para o adolescente, o usuário clica no ícone Ocorrências, localizado na aba indicada na figura acima. 39

40 O sistema remete para tela de Cadastro de ocorrência. O usuário informa os dados da ocorrência, tais como: Título descritivo e Conteúdo e clica em Inserir registro. O sistema exibe o Cadastro da ocorrência. O usuário poderá visualizar a ocorrência ou removê-la, clicando nos ícones localizados a direita da ocorrência. 40

41 Cadastrar Mandado de Busca e Apreensão 41

42 Para cadastrar Mandados de busca e apreensão para o adolescente, o usuário clica no ícone Ocorrências, localizado na aba indicada na figura acima e depois clica em Cadastrar mandado. O sistema remete para tela de Cadastro de mandado de busca e apreensão. O usuário informa os dados do mandado, tais como: Data da expedição, Validade, número do Processo correspondente ao mandado, descreve o motivo e clica em Salvar mandado. Obs.1: O sistema exibe automaticamente preenchido o campo Juízo, primeiro campo dos Dados do Mandado, de acordo com a Vara o usuário (juiz ou auxiliar de juiz) atua. Obs.2: No campo Validade o usuário pode informar a data em que o adolescente completa 21 anos, já que não há prazo de validade estipulado. Obs.3: A descrição do motivo deve contar no mínimo 20 caracteres. 42

43 Após salvar o mandado, o sistema exibe Alerta na ficha inicial do adolescente, informando que o adolescente possui um mandado de busca e apreensão expedido, podendo visualizar as informações clicando em Visualizar mandados. 43

44 4.1 CADASTRAR ENTIDADE Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de entidade, o usuário tem duas opções: ou o usuário seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Entidade, ou seleciona Cadastrar entidade no link de Acesso rápido na tela inicial. 44

45 O sistema remete para a tela de Cadastro de entidade e o usuário informa os Dados da entidade, Endereço e contato e clica em Salvar entidade. O sistema exibe mensagem informando que a Entidade foi cadastrada com sucesso. 45

46 5. CONSULTA O usuário tem acesso a quatro opções de consulta pelo Menu Principal: Consulta de Adolescente, Entidade, Processo e Ato Infracional. Pelo Menu Acesso rápido, o usuário tem acesso a duas opções de consulta: Consultar adolescente e Consultar entidade. 46

47 5.0 CONSULTAR ADOLESCENTE Para acessar a tela para a consulta de adolescente, há duas opções: ou o usuário seleciona Consulta no Menu Principal e depois seleciona Adolescente, ou seleciona Consultar adolescente no link de Acesso rápido na tela inicial. O sistema remete para a tela de Consulta de adolescentes. O usuário informa o Nome do adolescente, Nome da mãe, Data de nascimento ou CPF nos Filtros de busca e clica em Buscar adolescente. O sistema exibe os dados principais referentes ao adolescente. O usuário clica no nome do adolescente. 47

48 O sistema remete para a tela que contém todos os Dados pessoais do adolescente. Obs.: O usuário poderá Alterar os dados ou Imprimir a ficha do adolescente, clicando nos botões disponíveis na ficha localizados no lado superior direito. 48

49 5.1 CONSULTAR ENTIDADE Ao clicar em Consultar entidade, o sistema remete para a tela de Consulta de entidades. O usuário informa o Nome da entidade, Sigla ou UF nos Filtros de busca e clica em Buscar entidade. Obs.: O usuário poderá só clicar em Buscar entidade para que o sistema exiba a lista de todas as entidades do Brasil, conforme tela acima. O usuário clica no Nome da entidade. 49

50 pelo usuário. O sistema remete para tela com os Dados da entidade selecionada Obs.: O usuário poderá alterar os dados da entidade, clicando em Alterar dados, botão localizado no lado superior direito. 50

51 5.2 CONSULTAR PROCESSO Ao clicar em Consultar >> Processo, o sistema remete para a tela de Consulta de processo. O usuário informa o Número do processo, Data ou UF nos Filtros de busca e clica em Buscar processo. Obs.: O usuário poderá só clicar em Buscar processo para que o sistema exiba a lista de todos os processos da Vara do usuário logado, conforme tela acima. 51

52 O usuário clica no Número do processo ou em Visualizar Processo, figura da lupa ao lado da descrição da Medida. O sistema remete para tela com os Dados do processo do adolescente. Obs.: O usuário poderá cadastrar nova medida ou alterar o status do processo, clicando em Cadastrar nova medida ou Alterar status do processo. 52

53 5.3 CONSULTAR ATO INFRACIONAL Ao clicar em Consultar >> Ato infracional, o sistema remete para a tela de Consulta de atos infracionais. O sistema exibe tabela com a Listagem navegacional dos atos infracionais, tabela padrão do CNJ. O usuário clica no Ato Infracional referente ao processo e no crime correspondente. 53

54 O sistema remete para tela com os Dados do ato infracional, contendo os seguintes dados: Ato infracional, Artigo e a descrição do artigo. 54

55 6. RELATÓRIOS O administrador, os juízes, auxiliares de juízes e servidores de corregedoria geram relatórios. O CNACL permite filtrar, por meio de pesquisas com critérios previamente definidos, informações relacionadas aos adolescentes e às Varas. As informações serão listadas e geradas em pdf. Os relatórios possibilitarão um diagnóstico preciso e atualizado, que permitirá ao Judiciário uma análise da ficha do adolescente. 55

56 Ao usuário está disponível duas formas de acesso aos Relatórios de Adolescentes e de Varas. O usuário clica em Relatórios no menu principal ou em Gerar relatório no menu de Acesso rápido. 6.0 RELATÓRIOS ADMINISTRATIVOS O sistema remete para tela de Relatórios Administrativos de Adolescentes e da Vara/Comarca. O usuário poderá gerar os Relatórios de Adolescentes (Adolescentes com prazo de medida vencido, Adolescentes que atingiram idade máxima para cumprimento de medida, Adolescentes reincidentes, Adolescentes com mandado de busca e apreensão expedido, Adolescentes que faleceram durante o cumprimento de medida) e da Vara/Comarca (Processos por Vara/Comarca) clicando na opção desejada. 56

57 O sistema disponibiliza o Relatório em PDF. O usuário clica em Abrir ou Salvar. 57

58 7. SUPORTE 58

59 7.0 ABRIR CHAMADO O juiz ou o auxiliar poderão cadastrar um chamado que será enviado ao Sistema de Controle de Acesso para ser respondido pelos administradores do CNACL. O usuário seleciona Suporte no Menu Principal e depois seleciona Abrir chamado. Após o sistema remeter para a tela de Abertura de chamado, o usuário seleciona o Tipo de chamado, a Prioridade, preenche o campo Descrição, anexa um documento e clica em Cadastrar. 59

60 O usuário clica OK. O sistema exibe tela do Sistema de Controle de Acesso e informa que o Chamado foi cadastrado com sucesso. 7.1 SOLICITAR ACESSO DE AUXILIAR Para que o juiz solicite acesso ao CNACL para seu auxiliar, o usuário seleciona Suporte no Menu Principal e depois seleciona Solicitar acesso de auxiliar. 60

61 O sistema remete para tela de Dados de preenchimento de informações do auxiliar que deseja obter acesso. O usuário informa os Dados do auxiliar, a Opção de lotação e clica em Enviar solicitação. 61

62 Após clicar em Enviar solicitação, o sistema exibe mensagem que a Solicitação de acesso de auxiliar foi efetuada com sucesso. A solicitação é enviada para a Corregedoria Estadual, que irá providenciar o acesso do auxiliar e informá-lo posteriormente. 62

63 8. SAIR Para sair do sistema, o usuário clica em Sair. 63

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS... 5 1. ACESSO AO SISTEMA... 6 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:... 8 2.0

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA Guia do Usuário APRESENTAÇÃO A Constituição Federal, art. 227, e a Lei 8.069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 19, elevaram o direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0 Sistema Nacional de Bens Apreendidos Manual do Usuário Versão 1.0 Brasília, 2009 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA NACIONAL DE BENS APREENDIDOS... 3 1.1- SNBA Versão 1.0... 3 1.2- Habilitação e Perfis de Acesso...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE:

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...1 1. DO CADASTRO DE PRETENDENTES:... 2 1.1. RECIBO DE INCLUSÃO:... 4 2. REGISTRO ADICIONAL DE PRETENDENTES:...

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Manual Cartão SUS Manual de Operação Julho/2011 Conteúdo Sumário...

Leia mais

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão NOVOSIS 3ª Versão Conteúdo Introdução... 3 Principais recursos:... 4 Para o cidadão:... 4 Para os órgãos públicos:... 4 Como Utilizar o SIC...

Leia mais

Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ

Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ Juventude Cadastros do CNJ A experiência prática do TJ PE Poder Coordenadoria Judiciário da Infância e Juventude de PE Coordenadoria da Infância e Juventude 1

Leia mais

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação A Defensoria Pública do Estado, por meio de sua Assessoria de Convênios, comunica que desenvolveu sistema denominado Sistema de Solicitação

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL. CERBERUS Manual do sistema Versão 1.0

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL. CERBERUS Manual do sistema Versão 1.0 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL CERBERUS Manual do sistema HISTÓRICO DA REVISÃO Data Versão Descrição Autor 07/08/2014 1.0 Criação do documento Antonio Rogério da Costa Silva LISTA DE FIGURAS

Leia mais

Manual para Envio de Petição Inicial

Manual para Envio de Petição Inicial Manual para Envio de Petição Inicial 1. Após abrir a página do PROJUDI, digite seu usuário e senha 1.1. Para advogados o usuário é o cpf.adv (ex: 12345678900.adv) 1.2. Após digitar os dados (login e senha),

Leia mais

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento SEBRAE-GO 1 Sumário Introdução... 3 1) Acesso ao Sistema... 4 1.1. LOGIN... 4 1.2. ALTERAR SENHA... 7 1.3. RECUPERAR SENHA...

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

manual Sistema de Gestão de Contribuições

manual Sistema de Gestão de Contribuições manual Sistema de Gestão de Contribuições Conteúdo 1. Login 4 2. Home 5 3. Informações básicas 3.1. Menus 6 3.2. Números e status 7 3.3. Ações 8 4. Ambientes da ferramenta 4.1. Sindicato 13 4.2. Empresas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS 2 SUMÁRIO SEÇÃO 1 - FLUXO DAS VARAS QUE NÃO POSSUEM CENTRAL DE MANDADOS... 03 1. CUMPRIMENTOS (PERFIS DE ANALISTA E TÉCNICO

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO

E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO MANUAL DE PETICIONAMENTO DO ADVOGADO Versão 1.0 1 ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 2. CADASTRO DE ADVOGADOS... 4 3. TELA DE LOGIN DO E-CNJ:... 7 4. PETICIONAMENTO NO SISTEMA E-CNJ...

Leia mais

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Financiamento e Proteção da Produção Seguro da Agricultura Familiar Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo Sistema de Controle Logístico de Medicamentos Como entrar no sistema 1 Tela inicial Funcionalidades do sistema Controle de permissões Menu Aplicativo Gerenciador de relatórios 0800 61 2439 siclom@aids.gov.br

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

Manual do Sistema de Apoio Operadores CDL

Manual do Sistema de Apoio Operadores CDL N / Rev.: Manual 751.1/02 Este documento não deve ser reproduzido sem autorização da FCDL/SC Aprovação: Representante da Direção Ademir Ruschel Elaboração: Supervisor da Qualidade Sílvia Regina Pelicioli

Leia mais

MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA

MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA 1 Acessar o endereço www.unafiscosaude.org.br, no menu Credenciados>Prestadores odontológicos>se deseja acessar o Sistema Facgto clique aqui. 1.2

Leia mais

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes)

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Page 1 of 30 Impressao Oficial de justiça De PJe - Manual imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Tabela de conteúdo 1 Manual do Oficial de Justiça

Leia mais

Manual de Procedimentos do novo Módulo de Atendimento Técnico HELPDESK

Manual de Procedimentos do novo Módulo de Atendimento Técnico HELPDESK Manual de Procedimentos do novo Módulo de Atendimento Técnico HELPDESK Novembro/2008 Módulo de Atendimento Técnico HELPDESK 2 O acesso ao Módulo de Atendimento Técnico é feito através da internet (Mozilla)

Leia mais

Portal do Magistrado Guia Rápido Atualização Cadastral e Inclusão de IRPF

Portal do Magistrado Guia Rápido Atualização Cadastral e Inclusão de IRPF Acesso ao Portal do Magistrado Como entrar no Portal do Magistrado: ENDEREÇO ELETRÔNICO: www.portaldomagistrado.tjsp.jus.br/ptlpdb/ Conecte seu Certificado Digital ao computador e informe sua Senha de

Leia mais

ÍNDICE. Página 2 de 21

ÍNDICE. Página 2 de 21 Página 1 de 21 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. MINHA CONTA... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Telas do Menu Minha Conta... 4 2.2.1. Tela de Dados Cadastrais... 4 2.2.2. Tela Gerenciar Contatos... 5 2.2.3. Tela

Leia mais

Manual do Usuário Plataforma Online

Manual do Usuário Plataforma Online correção online psico.vetoreditora.com.br Manual do Usuário Plataforma Online Utilização da Plataforma Online de correção de testes APRESENTAÇÃO GERAL INTRODUÇÃO A Plataforma Online de testes da Vetor

Leia mais

Manual do Usuário. Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO. Malote Digital

Manual do Usuário. Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO. Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO Malote Digital HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 03/10/2011 1.4.1 Elaboração do Documento Rodrigo Antunes 01/07/2013 1.8.0.0 Atualização do Documento Eliane Vieira 07/10/2013

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

Sistema de Prestação de Contas Siprec

Sistema de Prestação de Contas Siprec Sistema de Prestação de Contas Siprec Manual de Utilização Perfil Beneficiário Versão 1.3.4 Agosto de 2013 1 SUMÁRIO Manual do Usuário... 3 1. Objetivo do manual... 3 2. Sobre o sistema... 3 3. Quem deve

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA

MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA SISTEMA IMASUL DE REGISTROS E INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS DO MEIO AMBIENTE MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA Manual Operacional para uso exclusivo do módulo do Sistema Estadual de

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0

RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0 RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores Manual do Usuário Versão 1.0 1 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA RENAJUD... 3 1- RENAJUD versão 1.0... 3 2- Usuários... 4 3- Habilitação no Sistema... 4 II.

Leia mais

Índice. Sistema BioMarc IVB - Homologação

Índice. Sistema BioMarc IVB - Homologação Manual de Sistema Índice 1 - Acessando o Sistema... 4 2 Resultados... 5 2.1 Consultar Laudo... 6 2.2 Gerar Pacote... 6 2.3 Limpar... 7 3 Solicitação... 7 3.1 Solicitação de Material... 7 3.2 Solicitação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO CREDENCIADOS. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO CREDENCIADOS. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC MANUAL DO CANDIDATO SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC PESSOA JURÍDICA SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC Identificação do Edital Para fazer a inscrição, o candidato (Representante Legada da

Leia mais

Malote Digital. Manual do usuário

Malote Digital. Manual do usuário Malote Digital Manual do usuário Brasília, Novembro de 2014 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 03/10/2011 1.4.1 Elaboração do Documento Rodrigo Antunes 01/07/2013 1.8.0.0 Atualização do Documento

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Índice INTRODUÇÃO...1 OBJETIVOS....1 TELA DE LOGIN...2 Como Utilizar?...2 INICIANDO O TRABALHO...3 TELA INICIAL...3 PERDA DE CONEXÃO:...4 1. ADMINISTRAÇÃO...5 1.1. Alterar

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado 1 [PÚBLICA] Manual Operacional Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet Produto: Consignado ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo do Manual... 3 1.2. Público Alvo... 3 1.3. Conteúdo do Manual... 3

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

Manual do Sistema Carteira do Idoso

Manual do Sistema Carteira do Idoso Manual do Sistema Carteira do Idoso SUMÁRIO Manual do Sistema Carteira do Idoso... 3 1. Acessando o Sistema... 3 2. Tela Inicial... 4 2.1. Início... 5 2.2. Pesquisar Idoso... 5 2.2.1. Como pesquisar o

Leia mais

MANUAL DO PROESC EDUCACIONAL

MANUAL DO PROESC EDUCACIONAL Manual do Proesc Educacional 2012 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------- 3 1.2 ACESSANDO O SISTEMA -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos DESIG/GPGEM

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos DESIG/GPGEM Manual do Usuário SFC SISTEMA DE FATURAMENTO CORPORATIVO ECT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DESIG - DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por Claudimiro José dos Santos Neto Analista

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO MANUAL DO CANDIDATO Para participar do processo de credenciamento, acesse o site do Sebrae/SC em www.sebrae-sc.com.br, clique em Soluções deste Estado e depois clique em Seja consultor e/ou instrutor.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES 1.3

Leia mais

SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização

SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização Realização: SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 28/02/2013 1.0 Criação do documento. Diego Motta 03/03/2013 1.1 Revisão do documento.

Leia mais

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas Manual de Utilização ZENDESK Instruções Básicas Novembro/2013 SUMÁRIO 1 Acesso à ferramenta... 3 2 A Ferramenta... 4 3 Tickets... 8 3.1 Novo Ticket... 8 3.2 Acompanhamentos de Tickets já existentes...

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES

Leia mais

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Diário On-line Apresentação ----------------------------------------------------------------------------------------- 5 Requisitos Básicos

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA...

Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... Portal de Vendas Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 1.1. Guia Portal de Vendas... 7 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... 8 5.

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB

MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB MANUAL USUÁRIO AUDATEX WEB Audatex Web Nível Usuário (Versão 1.0) Gerência de Suporte Técnico Departamento de Treinamento Resp.: Roberto de Luca Jr. Versão 1.0 Revisão 1 Data 13/02/2007 SUMÁRIO GERAL Introdução...

Leia mais

RENAJUD. Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0

RENAJUD. Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0 RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores Manual do Usuário Versão 1.0 Sumário I. SOBRE O SISTEMA RENAJUD... 3 1 RENAJUD versão 1.0... 3 2 Usuários... 3 3 Habilitação no Sistema... 4 II. ACESSO

Leia mais

Professor On-line. Em construção versão: 16/01/2015. Elaboração SED/DITI/GETIG

Professor On-line. Em construção versão: 16/01/2015. Elaboração SED/DITI/GETIG Professor On-line Em construção versão: 16/01/2015 Tela inicial de acesso Nº do IP do equipamento que está acessando o sistema 2 Login Matrícula no formato NNNNNN-D-VV (número, dígito, vínculo) Obs: independente

Leia mais

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Subcomissão de Patrimônio - GEFIM REITORIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO COMPATRIM/GEFIM SISTEMA PATRIMÔNIO WEB Manual do usuário v.1.1 Sumário Introdução... 4 Fluxo das Principais

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

PORTAL SPA TISS. Manual do Credenciado. Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde.

PORTAL SPA TISS. Manual do Credenciado. Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde. PORTAL SPA TISS Manual do Credenciado Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde. Equipe de Treinamento de Desenvolvimento TIS SPA Saúde Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo...

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB ÍNDICE ÍNDICE... 2 1) Apresentação... 3 2) Informações importantes... 3 3) Programas e configurações necessários... 4 3.a. Programas necessários.... 4 3.b. Configurações necessárias....

Leia mais

Guia do Usuário PRONAVTECH GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR

Guia do Usuário PRONAVTECH GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR 1 Índice INTRODUÇÃO... 3 ACESSANDO O PRONAVTECH... 4 Primeiro Acesso... 5 Demais Acessos... 6 Esqueci Minha Senha... 7 Esqueci o usuário principal... 7 ÁREA DE TRABALHO DO PRONAVTECH...

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

P&F Manual Guia WEB TISS 3.0

P&F Manual Guia WEB TISS 3.0 A seguir será apresentado os passos para emissão de guia via internet, versão TISS 3.0. Essas guias foram desenvolvidas de acordo com o padrão estabelecido pelo órgão regulador do setor de saúde suplementar

Leia mais

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES Esse Manual tem como objetivo explicar todas as funções do novo sistema de abertura de chamados da Datacom Automações. Esse novo programa facilitará o atendimento entre

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

GPA (Gerenciador de Pedidos de Afastamentos)

GPA (Gerenciador de Pedidos de Afastamentos) GPA (Gerenciador de Pedidos de Afastamentos) Manual versão 1.2 Sistema de gerenciamento de pedidos de afastamento de Magistrados do Estado do Tocantins. 27/8/2013 Sumário 1. Introdução... 2 2. Definindo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Diretoria de Tecnologia da Informação Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR-IRB

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Diretoria de Tecnologia da Informação Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR-IRB Manual Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR- IRB. A Central de Relacionamento com o TCE é um sistema web. Devem ser utilizados os navegadores de Internet Explorer versão mínima 9 Google

Leia mais

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo 1 CONTEÚDO Conteúdo..2 Introdução... 3 Como acessar o Portal?... 4 Lançamento de Notas... 6 Lançamento de Frequência para Programas / Projetos

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO SERVIDOR 1ºGRAU MÓDULO 3 Sumário 1 Cadastros Básicos3 11 Documento3 111 Modelo3 112 Tipo6 12 Pessoa10 121 Conciliador10

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

MANUAL DE MOVIMENTAÇÃO WEB POR FORMULÁRIO

MANUAL DE MOVIMENTAÇÃO WEB POR FORMULÁRIO Este manual tem o objetivo de orientar o preenchimento do formulário de Movimentação Web disponibilizado na área de Movimentação de beneficiários por formulário que fica na área restrita da empresa no

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor

MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor SUMÁRIO Introdução... 2 Como acessar o sistema - PROFESSOR... 3 Primeira visita a página... 4 Atualizando o cadastro... 9 Imprimindo o comprovante...

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

Acesso ao sistema. Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema.

Acesso ao sistema. Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema. PENHORA ONLINE Acesso ao sistema Diretores de Cartórios Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema. Os diretores serão os administradores do sistema e

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO. Manual do Usuário

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO. Manual do Usuário PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO Manual do Usuário SCGB Sistema de Controle de Guias Bancárias Responsável: Henrique de Barros Saraiva Leão Conteúdo

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Secretaria de Gestão Processual Eletrônica. Tucujuris Web Contato: tucujuris@tjap.jus.br

Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Secretaria de Gestão Processual Eletrônica. Tucujuris Web Contato: tucujuris@tjap.jus.br A funcionalidade proporciona aos advogados o peticionamento inicial e o peticionamento incidental somente para os juizados virtuais da Justiça do Estado do Amapá. Procedimentos: 1. Acessar o site do Tribunal

Leia mais

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes 1. É possível excluir um processo que já foi enviado? Só será possível excluir o processo se o mesmo ainda não tiver sido recebido.

Leia mais

Faturamento Eletrônico - CASSEMS

Faturamento Eletrônico - CASSEMS 1 Conteúdo 1. Informações Iniciais... 3 1.1. Sobre o documento... 3 1.2. Organização deste Documento... 3 2. Orientações Básicas... 3 2.1. Sobre o Faturamento Digital... 3 3. Instalação do Sistema... 4

Leia mais

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6.

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6. Sumário OBJETIVO... 2 1 ACESSANDO O SISTEMA... 3 2 - TELA PRINCIPAL (Painel de Controle)... 4 3 MÓDULO ETIQUETAS... 4 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS... 7 5 ANEXAR DOCUMENTOS... 15 6 MENU TRÂMITE... 18 6.1 RECEBER

Leia mais

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/AEB/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação Transferência de Tecnologia do SGDC 01/2015 Transferência de Tecnologia Espacial no Âmbito do Decreto nº 7.769 de 28/06/2012

Leia mais

Manual de liberação de Guias on-line para o Prestador Credenciado

Manual de liberação de Guias on-line para o Prestador Credenciado Manual de liberação de Guias on-line para o Prestador Credenciado 1 SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Acesso ao Sistema... 3 3. Descrição das Funcionalidades Menu Guias Liberação On-line.... 4 3.1 Liberação

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.11 1

MANUAL VERSÃO 2.11 1 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 O QUE É O EOL?... 3 3 ACESSO AO CLIENTE... 3 4 ACESSANDO O EOL... 3 5 TELA INICIAL... 4 6 EXAMES ADMISSIONAIS... 5 7 MUDANÇA DE FUNÇÃO... 7 8 EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 1.0

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 1.0 MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS Versão 1.0 1 >> 1º Passo: Para acessar o SalicWeb Para inscrever a sua iniciativa cultural nos editais do Ministério da Cultura acesse o Sistema SalicWeb no endereço

Leia mais

Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO. Malote Digital

Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO. Malote Digital MANUAL DO USUÁRIO Malote Digital Malote Digital 1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 03/10/2011 1.4.1 Elaboração do Documento Rodrigo Antunes 01/07/2013 1.8.0.0 Atualização do Documento Eliane

Leia mais

Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA

Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA Este manual tem como objetivo auxiliar o docente na utilização do Portal Acadêmico, permitindo o acesso as rotinas acadêmicas através de ambiente WEB, flexibilizando

Leia mais

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP 1. Quem pode obter o acesso ao SEI-MP? O SEI-MP está disponível apenas para usuários e colaboradores internos do MP. Usuários externos não estão autorizados

Leia mais

Apresentação...2. 1. Como acessar o sistema...3

Apresentação...2. 1. Como acessar o sistema...3 Índice: Apresentação...2 1. Como acessar o sistema...3 1.1. Já estando cadastrado... 3 1.2. Não estando cadastrado... 4 1.2.1 Como cadastrar um Consultor... 4 1.2.2 Salvando o cadastro... 8 1.2.3 Inserindo

Leia mais

Como acessar e utilizar o Escritório Virtual

Como acessar e utilizar o Escritório Virtual Como acessar e utilizar o Escritório Virtual A proposta deste manual é ser o mais resumido possível, abordando os principais aspectos para que qualquer usuário possa acessar e utilizar os Escritórios Virtuais.

Leia mais