ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE UM SOFTWARE PARA CONTROLE DE USUÁRIOS DE ESTACIONAMENTOS PARA A EMPRESA E1 - SIS-E1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE UM SOFTWARE PARA CONTROLE DE USUÁRIOS DE ESTACIONAMENTOS PARA A EMPRESA E1 - SIS-E1"

Transcrição

1 1 ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE UM SOFTWARE PARA CONTROLE DE USUÁRIOS DE ESTACIONAMENTOS PARA A EMPRESA E1 - SIS-E1 MÁRCIO BARRETO SANTANA Porto Alegre 2007

2 2 MÁRCIO BARRETO SANTANA ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE UM SOFTWARE PARA CONTROLE DE USUÁRIOS DE ESTACIONAMENTOS PARA A EMPRESA E1 - SIS-E1 Trabalho de Conclusão de Curso II apresentado à Faculdade de Informática, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Dr. Sidnei Renato Silveira. Porto Alegre 2007

3 3 Dedico este trabalho a meu filho Cristian que desde o dia de seu nascimento tem sido a razão do meu viver e a motivação para a busca do conhecimento contínuo para que eu possa lhe transmitir.

4 4 Aos meus pais, irmãos, professores, colegas da graduação, ao coordenador e orientador do Curso de Informática Dr. Sidnei Renato Silveira e principalmente ao Dr. Roberto Carlos Ritter Vieira que sem ele não seria possível o meu ingresso e conclusão da graduação.

5 5 RESUMO Uma das várias exigências do mercado de trabalho é que seus candidatos possuam formação superior para ocupar os cargos ofertados, aumentando a procura por Instituições que oferecem ensino superior, a fim de se qualificarem ainda mais. Esta procura tem demandado às instituições de ensino um aumento significativo de vagas em seus estacionamentos, como foi o caso do UniRitter no campus de Porto Alegre. Devido à necessidade destas novas vagas de estacionamento, foi construído um novo edifício garagem, que aumentou em mais de quinhentas o número de vagas destinadas aos alunos, professores, funcionários e visitantes do UniRitter, criando a necessidade de um controle e gerenciamento eficiente. A partir da necessidade deste controle é que surgiu a oportunidade de realizar um Sistema de Informação que atendesse aos requisitos da empresa terceirizada responsável pelo gerenciamento do estacionamento do UniRitter Campus Porto Alegre, a E1 Estacionamentos. Para a implementação do Sistema de Informação para controle do estacionamento, foram realizados alguns encontros com os responsáveis da Empresa E1 Estacionamentos, para realizar a especificação de requisitos e a partir destas, iniciou-se a fase de planejamento para a implementação do sistema, além de ser traçado um comparativo com outros sistemas com a mesma finalidade de controle e ou gerenciamento para estacionamentos. A fase de projeto do sistema consistiu em construir o modelo E-R (Entidade-Relacionamento) do banco de dados a partir dos diagramas gerados através das especificações da UML (Unified Modeling Language). A segunda etapa envolveu a implementação e a validação do sistema, juntamente com os usuários do atual Sistema da Empresa E1 Estacionamentos. Palavras-Chave: Sistemas de Informação, Gerenciamento de Estacionamentos

6 6 ABSTRACT One of the many requirements of the working world is that candidates have higher education to occupy the job positions offered, increasing the demand for universities in order to be even more qualified. This has caused a significant increase in need of vacancies in parking lots of the universities, as was the case of UniRitter in the Porto Alegre Campus. Due to the need of these new parking spaces, a new garage building was constructed, which increased by more than five hundred the number of places for students, teachers, staff and visitors to UniRitter, creating the need for control and efficient management. From this need of control, the opportunity to come up with an Information System that would serve the requirements rose from the outsourcing company responsible for the management of the parking lot of the UniRitter Porto Alegre Campus and the E1 Parking lot. There has been some meetings with those responsible for the E1 Parking Enterprise to implement the Information System for control of the parking lot, for the specification of requirements, and from these on, for the process of planning the implementation of the system, as well as drawing a comparison to other systems with the same purpose of control and/or management of parking lots. The design phase of the system was to build the model ER (Entity - Relationship) from the database starting from diagrams generated by the specification of UML (Unified Modeling Language). The second stage involved the implementation and validation of the system, along with users of the current system of the E1 Parking Company. Keywords: Information Systems, Parking Management

7 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ER GUI IP OMT OOP OOSE TCC RUP SGBD UML Entidade-Relacionamento Graphical User Interface Internet Protocol Object Modeling Technique Object Oriented Programming Object Oriented Software Engineering Trabalho de Conclusão de Curso Rational Unified Process Sistema Gerenciador de Banco de Dados Unified Modeling Language

8 8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 - Arquitetura geral do RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007)...19 FIGURA 02 - Ferramentas e melhores práticas (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) FIGURA 03 - Fases do RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) FIGURA 04 - Gráfico das fases de construção no RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) FIGURA 05 - Redefinição do produto ou da arquitetura (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) FIGURA 06 - Tela inicial do Sistema Park Service...34 FIGURA 07 - Cadastro de valores Sistema Park Service...34 FIGURA 08 - Cadastro de mensalistas...35 FIGURA 09 - Exemplo de relatório do Park Service...36 FIGURA 10 - Tela inicial do Sistema Gerenciador de Estacionamentos da Pazello...38 FIGURA 11 - Cadastro de valores no Sistema Pazello...39 FIGURA 12 - Cadastro de mensalistas no Sistema Pazello...40 FIGURA 13 - Relatório de caixa no Sistema Pazello...41 FIGURA 14 - Hardware para automação de estacionamentos da Aucon...43 FIGURA 15 - Modelo ER...49 FIGURA 16 - Diagrama de Classes...51 FIGURA 17 - Diagrama de Casos de Uso...52 FIGURA 18 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Cliente...53 FIGURA 19 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Tipo Cliente...54 FIGURA 20 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Valor Crédito...55

9 9 FIGURA 21 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Acesso Entrada...56 FIGURA 22 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Acesso Saída...57 FIGURA 23 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Usuário...58 FIGURA 24 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Tipo Usuário...59 FIGURA 25 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Permissão Usuário...60 FIGURA 26 - Diagrama de Seqüência Cadastrar Compra Crédito...61 FIGURA 27 - Tela principal do SIS-E FIGURA 28 - Formulário de login...64 FIGURA 29 - Formulário de entrada...65 FIGURA 30 - Formulário de saída...66 FIGURA 31 - Formulário consulta de créditos disponíveis...67 FIGURA 32 - Formulário cadastro de valores para créditos...69 FIGURA 33 - Formulário cadastro de tipos de clientes...70 FIGURA 34 - Formulário cadastro de clientes...71 FIGURA 35 - Formulário cadastro de permissões para grupos de usuários...72 FIGURA 36 - Formulário relatório de acessos...73 FIGURA 37 - Formulário relatório de condutor...74 FIGURA 38 - Formulário relatório de movimento de caixa...76 FIGURA 39 - Formulário relatório de movimento de caixa com dados...77 FIGURA 40 - Relatório de movimento de caixa com dados gerados para a impressora...77 FIGURA 41 - Formulário relatório de movimento estornado...78

10 10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 01 - Usuários do sistema participantes da validação...80 GRÁFICO 02 - Layout do sistema...81 GRÁFICO 03 - Facilidade de acesso às opções (funcionalidades) do sistema 82 GRÁFICO 04 - Disposição das funcionalidades do sistema...83 GRÁFICO 05 - Relatórios gerados pelo sistema...84 GRÁFICO 06 - Controle de acesso ao sistema por usuário (Login)...85 GRÁFICO 07 - Créditos nos cartões de identificação dos alunos...86 GRÁFICO 08 - Localizar condutores de veículos...87 GRÁFICO 09 - Não existe limitação quanto ao número de créditos...88 GRÁFICO 10 - Possibilidade de estornar os movimentos do caixa...89 GRÁFICO 11 - Visualizar movimentos estornados...90 GRÁFICO 12 - Comparação entre SIS-E1 e o atual Sistema...91

11 11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Interface Gráfica Programação Orientada a Objetos (OOP) Unified Modelling Language (UML) Rational Unified Process (RUP) Fases do RUP Fase de Planejamento Fase de Iniciação Fase de Elaboração Fase de Construção Fase de Transição Redes de Computadores Banco de Dados Projeto do Banco de Dados Tecnologias para automação de Estacionamentos TRABALHOS RELACIONADOS Park Service Gerenciador de Estacionamento Pazello Soluções em Software Aucon Automação SOLUÇÃO PROPOSTA Modelagem de Solução Proposta Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso Diagramas de Seqüência... 53

12 12 4 IMPLEMENTAÇÃO DO SIS-E Validação do sistema SIS-E CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXO ANEXO REFERÊNCIAS... 98

13 13 INTRODUÇÃO Devido à grande exigência do mercado de trabalho atual, as pessoas, para conquistarem uma vaga, devem estar cada vez mais qualificadas. Uma entre tantas destas qualificações é a realização de um curso de graduação, que tem levado a cada semestre uma quantidade razoável de alunos para as salas das Instituições de Ensino Superior. Neste sentido, outro e não menos importante problema a ser resolvido é a disponibilidade de vagas nos estacionamentos das instituições e o controle de entrada e saída juntamente com a movimentação financeira dos mesmos. Pensando-se nesta necessidade de administrar os estacionamentos e a qualificação específica de cada tipo de estacionamento no que tange aos Sistemas de Informação, tem-se aqui uma valiosa fatia do mercado para ser explorado pela Tecnologia da Informação. No caso específico do estacionamento do UniRitter, a empresa E1 necessita de algumas funcionalidades que não são contempladas por ferramentas de software existentes no mercado. Algumas ferramentas existentes possuem muitos recursos, mas seu custo é extremamente caro. Sendo assim, desenvolveu-se um Sistema de Informação para o Controle do Estacionamento do UniRitter, voltado às necessidades da comunidade acadêmica e com baixo custo. Além do exposto acima, o desenvolvimento do sistema proposto permitiu a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos durante o curso de graduação, possibilitando a implementação de um sistema seguindo as fases de análise de requisitos, modelagem, implementação, testes e validação, integrando conceitos de programação, modelagem, bancos de dados e redes de computadores.

14 14 O objetivo principal a ser alcançado com a realização deste projeto Final de Curso foi o estudo, modelagem e construção de um Sistema de Informação para controle do estacionamento da empresa E1, nos domínios do UniRitter, no campus de Porto Alegre. Como objetivos específicos para este trabalho, propõem-se: 1. Estudar aspectos que envolvam o desenvolvimento de Sistemas de Informação, envolvendo a modelagem e interface; 2. Estudar Sistemas de Informação existentes para o controle de estacionamentos; 3. Estudar a linguagem de programação Visual Basic.NET; 4. Estudar o Banco de Dados Firebird; 5. Estudar a ferramenta JUDE Community; 6. Definir os requisitos para a construção do sistema junto à empresa E1; 7. Definir as funcionalidades da aplicação; 8. Implementar o sistema proposto; 9. Validar o sistema junto aos usuários. O presente trabalho está organizado da seguinte forma: o capítulo 1 apresenta o referencial teórico o qual fundamenta as técnicas que serão utilizadas para a construção do sistema proposto. O capítulo 2 apresenta trabalhos relacionados com a mesma área do sistema, apresentando as principais vantagens e desvantagens de cada sistema estudado. O capítulo 3 apresenta a modelagem do sistema proposto, incluindo o modelo E-R, diagramas de classe, caso de uso e seqüência. O capítulo 4 apresenta as informações referentes à implementação do sistema. Encerrando o trabalho, são apresentadas as conclusões e as referências bibliográficas utilizadas.

15 15 1 REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo apresenta algumas informações sobre as áreas envolvidas no desenvolvimento do sistema proposto, envolvendo Interfaces Gráficas, Programação Orientada a Objetos, Redes de Computadores, Banco de Dados e Tecnologias para automação e gerenciamento de Estacionamentos. 1.1 Interface Gráfica Uma grande parte dos Sistemas de Informação voltados para o gerenciamento de estacionamentos não utiliza interfaces gráficas. Acredita-se que as ferramentas sejam implementadas utilizando-se interfaces baseadas em texto, com sistema operacional MS-DOS, para agilizar a operação através das teclas de atalhos. No entanto, as ferramentas que utilizam Interfaces Gráficas, também têm a possibilidade de se valer do recurso de teclas de atalhos assim como de outros recursos mais avançados, proporcionando a mesma agilidade no momento de se manusear o sistema e proporcionando uma interface mais agradável ao usuário. Interface gráfica do usuário - GUI (Graphical User Interface) é um mecanismo de interação homem-computador onde o usuário é capaz de selecionar esses símbolos e manipulá-los de forma a obter algum resultado prático. Esses símbolos são designados de widgets e são agrupados em kits (ROCHA, 2001). Os símbolos são formas gráficas de representar o que, em interfaces baseadas em texto, só podia ser feito por linhas de comandos, ou seja, para

16 16 abrir determinado arquivo era necessário realizar a escrita open + o nome do arquivo. Considerando-se uma interface gráfica, basta clicar sobre o símbolo correspondente para abrir o arquivo desejado. Este processo é possível graças aos comandos associados aos símbolos e não visíveis aos usuários, já que para o mesmo importa apenas a funcionalidade do aplicativo e não como o mesmo faz para realizar as tarefas solicitadas (ROCHA, 2001). Neste sentido, o sistema desenvolvido utiliza uma interface gráfica, já que as interfaces baseadas em caracter, de certa forma, estão ultrapassadas. Como foi mencionado anteriormente, as interfaces gráficas incorporam as mesmas funcionalidades das baseadas em texto e outras tantas não suportadas pelas mesmas, além é claro das questões estéticas, que neste caso convidarão sutilmente o usuário a utilizar o sistema proposto neste trabalho. 1.2 Programação Orientada a Objetos (OOP) Um recurso muito utilizado na programação de computadores é o paradigma da programação orientada a objetos (OOP Object Oriented Programming). Este recurso está disponível em várias linguagens de programação tais como Java, Delphi e Visual Basic.NET, que será a linguagem utilizada para a realização do aplicativo proposto (SILVEIRA, 2006). Dentro do paradigma de OOP um programa é visto como uma coleção de Objetos (como no mundo real), que se caracterizam por possuírem ações próprias e que se comunicam entre si. Os atributos são as estruturas dos objetos e os métodos são a forma de manipular estes atributos (SILVEIRA, 2006). Uma das várias vantagens da programação OOP é a reutilização do código, através da definição de classes. Uma classe pode ser ampliada ou reduzida quando necessário (SILVEIRA, 2006). A classe nada mais é do que um abstrato. Abstrato é aquilo que opera fora do âmbito concreto; em outras palavras, é aquilo que possui um alto grau de generalização. Por exemplo, se três pessoas imaginarem uma outra pessoa,

17 17 cada uma destas pessoas imaginará uma outra com características que podem ser iguais e/ou diferentes entre as três e nem por isto elas não vão ser pessoas. Este é o conceito de abstração, que é uma das formas de se trabalhar com programação OOP (MARTIM, 2007). Eventos são todas as coisas que acontecem dentro de uma determinada classe. Por exemplo: considerando-se uma classe chamada Pessoa (sendo que esta pessoa tem nome, idade, sexo e altura) e supondo-se que esta pessoa tinha a altura de 1,7m. Decorrido um período de tempo de dois anos ela aumentou quatro centímetros. Este crescimento de quatro centímetros é um evento que ocorreu dentro da classe, no atributo altura (MARTIM, 2007). Em especial, neste trabalho, a OOP é utilizada na declaração de classes e na implementação dos métodos, através do desenvolvimento do sistema proposto utilizando-se a linguagem de programação Visual Basic.NET Unified Modelling Language (UML) UML é um sistema de notação (incluindo a semântica para suas notações) dirigida à modelagem de sistemas, usando conceitos orientados a objetos (LARMAN, 2000). A UML é um padrão emergente, que está sendo aceito pela indústria, para a modelagem orientada a objetos. Ela começou como um esforço conjunto de Grady Booch e Jim Rumbaugh em 1994, para combinar seus dois métodos populares os métodos Booch e OMT (Object Modeling Technique). Mais tarde, Ivar Jacobson se juntou a eles (o criador do método OOSE, Object Oriented Software Engineering). Em resposta a uma solicitação do OMG (Object Management Group), uma entidade de padronização estabelecida pela indústria, para definir uma linguagem e notação de modelagem padronizada, a UML foi submetida como candidata em 1997 (LARMAN, 2000). O OMG aceitou a UML, a qual também recebeu a aprovação de fato pela indústria, uma vez que seus criadores (Grady Booch, Jim Rumbaugh e Ivar Jacobson) representam os métodos de análise e/ou projeto de primeira

18 18 geração, mediante que os mesmos já eram prestadores de serviços na área, sendo eles muito populares (LARMAN, 2000). Muitas organizações de desenvolvimento de software, além de fornecedores de ferramentas CASE adotaram a UML e outros tantos estão adotando-a. É muito provável que ela se torne um padrão mundial utilizado por desenvolvedores, autores e fornecedores de ferramentas CASE (LARMAN, 2000). No projeto proposto, a utilização da UML não é diferente dos demais casos mencionados anteriormente; ela tem a mesma função de modo a se adequar aos padrões de modelagem já praticados por organizações da área de desenvolvimento de Sistemas de Informação. 1.3 Rational Unified Process (RUP) O Rational Unified Process (também chamado de processo RUP) é um processo de engenharia de software, que oferece uma abordagem baseada em disciplinas para atribuir tarefas e responsabilidades dentro de uma organização de desenvolvimento. Sua meta é garantir a produção de software de alta qualidade, que atenda às necessidades dos usuários dentro de um cronograma e de um orçamento previsível. (KRUCHTEN,2003) No caso específico deste trabalho não será considerada a questão custo para o desenvolvimento do projeto, assim como os membros da equipe de desenvolvimento, mediante que o mesmo não é fruto de um produto comercial e sim acadêmico.

19 19 A figura 01 mostra a arquitetura geral do RUP. FIGURA 01: Arquitetura geral do RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007). O RUP tem duas dimensões: O eixo horizontal representa a linha de tempo e mostra os aspectos do ciclo de vida do processo à medida que o mesmo é desenvolvido; O eixo vertical representa as disciplinas, que agrupam as atividades de maneira lógica, por natureza. A primeira dimensão representa o aspecto dinâmico do processo quando ele é aprovado e é expressa em termos de fases, iterações e marcos. A segunda dimensão representa o aspecto estático do processo, como ele é descrito em termos de componentes, disciplinas, atividades, fluxos de trabalho, artefatos e papéis do processo. No caso do presente trabalho a aprovação do projeto ocorre logo após o levantamento de requisitos para o mesmo

20 20 O RUP mostra como é possível aplicar as melhores práticas de engenharia de software e usar ferramentas para automatizar o processo de desenvolvimento de software, conforme mostra a figura 02. FIGURA 02: Ferramentas e melhores práticas (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) Fases do RUP A partir de uma perspectiva de gerenciamento, o ciclo de vida de software do RUP é dividido em quatro fases seqüenciais, que são: - Iniciação; - Elaboração; - Construção e - Transição. Cada uma destas fases é concluída por um marco principal, ou seja, cada fase é basicamente um intervalo de tempo entre dois marcos principais. Em cada final de fase é executada uma avaliação para determinar se os objetivos da fase foram alcançados. Uma avaliação satisfatória permite que o projeto passe para a próxima fase (KRUCHTEN,2003).

21 21 principais. A figura 03 apresenta as quatro fases, assim como seus marcos FIGURA 03: Fases do RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) Fase de Planejamento As fases não são idênticas em termos de programação e esforço. Embora isso varie muito de acordo com o projeto, um ciclo de desenvolvimento inicial típico para um projeto de médio porte deve prever a seguinte distribuição de esforço e programação (KRUCHTEN,2003). O quadro 01 apresenta a relação entre as fases x esporços e programação. Quadro 01 - Fases x esforços e programação Iniciação Elaboração Construção Transição Esforço ~5% 20% 65% 10% Programação 10% 30% 50% 10%

22 22 Este ciclo de desenvolvimento pode ser descrito graficamente como mostra a Figura 04. FIGURA 04: Gráfico das fases de construção no RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007). Para um ciclo de evolução, as fases de iniciação e de elaboração seriam bem menores. Ferramentas que automatizam parte do esforço de construção podem amenizar isso, tornando a fase de construção muito menor do que as fases de iniciação e de elaboração juntas (KRUCHTEN,2003). Uma passagem pelas quatro fases é um ciclo de desenvolvimento; cada passagem pelas quatro fases produz uma geração do software. A menos que o produto "desapareça", ele irá se desenvolver na próxima geração, repetindo a mesma seqüência de fases de iniciação, elaboração, construção e transição, mas agora com ênfase diferente nas diversas fases. Esses ciclos subseqüentes são chamados de ciclos de evolução. À medida que o produto atravessa vários ciclos, são produzidas novas gerações (KRUCHTEN,2003).

23 23 Os ciclos de evolução podem ser disparados por melhorias sugeridas pelos usuários, mudanças no contexto do usuário, mudanças na tecnologia subjacente, reação à concorrência e assim por diante. Normalmente, os ciclos de evolução têm fases de Iniciação e Elaboração bem menores, pois a definição e a arquitetura básicas do produto foram determinadas por ciclos de desenvolvimento anteriores. São exceções a essa regra os ciclos de evolução em que ocorre uma redefinição significativa do produto ou da arquitetura, conforme mostra a figura 05 (KRUCHTEN,2003). FIGURA 05: Redefinição do produto ou da arquitetura (RATIONAL UNIFIED PROCESS, 2007) Fase de Iniciação A meta dominante da fase de iniciação é atingir o consenso entre todos os envolvidos sobre os objetivos do ciclo de vida do projeto. A fase de iniciação tem muita importância principalmente para os esforços dos desenvolvimentos novos, nos quais há muitos riscos de negócios e de requisitos que precisam ser tratados para que o projeto possa prosseguir. Para projetos que visam melhorias em um sistema existente, a fase de iniciação é mais rápida, mas ainda se concentra em assegurar que o projeto seja compensatório e que seja possível fazê-lo (KRUCHTEN,2003). Os objetivos principais da fase de iniciação incluem (KRUCHTEN,2003).

24 24 - Estabelecer o escopo do software do projeto e as condições limite, incluindo uma visão operacional, critérios de aceitação e o que deve ou não estar no produto; - Discriminar os casos de uso críticos do sistema, os principais cenários de operação e o que direcionará as principais trocas de design; - Exibir, e talvez demonstrar, pelo menos uma opção de arquitetura para alguns cenários básicos; - Estimar o custo geral e a programação para o projeto inteiro (e estimativas detalhadas para a fase de elaboração imediatamente a seguir); - Estimar riscos em potencial (as origens de imprevistos); - Preparar o ambiente de suporte para o projeto Fase de Elaboração A meta da fase de elaboração é criar a baseline para a arquitetura do sistema, a fim de fornecer uma base estável para o esforço da fase de construção. A arquitetura se desenvolve a partir de um exame dos requisitos mais significativos (aqueles que têm grande impacto na arquitetura do sistema) e de uma avaliação de risco. A estabilidade da arquitetura é avaliada através de um ou mais protótipos de arquitetura (KRUCHTEN,2003). Os objetivos primários da fase de elaboração incluem (KRUCHTEN,2003): - Assegurar que a arquitetura, os requisitos e os planos sejam estáveis o suficiente e que os riscos sejam suficientemente diminuídos a fim de determinar com segurança o custo e a programação para a conclusão do desenvolvimento. Para a maioria dos projetos, ultrapassar essa marca também corresponde à transição de uma operação rápida e de baixo risco para uma operação de alto custo e alto risco com uma inércia organizacional freqüente.

25 25 - Tratar todos os riscos significativos do ponto de vista da arquitetura do projeto; - Estabelecer uma arquitetura da baseline derivada do tratamento dos cenários significativos do ponto de vista da arquitetura, que normalmente expõem os maiores riscos técnicos do projeto; - Produzir um protótipo evolutivo dos componentes de qualidade de produção, assim como um ou mais protótipos descartados para diminuir riscos específicos como: trocas de design/requisitos; reutilização de componentes; possibilidade de produção do produto ou demonstrações para investidores, clientes e usuários finais; demonstrar que a arquitetura de baseline suportará os requisitos do sistema a um custo justo e em tempo justo; estabelecer um ambiente de suporte. Para atingir esses objetivos básicos, é também importante configurar o ambiente de suporte para o projeto. Isso inclui criar um caso de desenvolvimento, criar templates e diretrizes, e configurar ferramentas (KRUCHTEN,2003) Fase de Construção A meta da fase de construção é esclarecer os requisitos restantes e concluir o desenvolvimento do sistema com base na arquitetura da baseline. A fase de construção é de certa forma um processo de manufatura, em que a ênfase está no gerenciamento de recursos e controle de operações para otimizar custos(não aplicável para o presente projeto), programações e qualidade. Nesse sentido, a mentalidade do gerenciamento passa por uma transição do desenvolvimento da propriedade intelectual durante a iniciação e

26 26 elaboração, para o desenvolvimento dos produtos que podem ser implantados durante a construção e transição (KRUCHTEN,2003). Os objetivos principais da fase de construção incluem (KRUCHTEN,2003). - Minimizar os custos de desenvolvimento; - Atingir a qualidade adequada; - Atingir as versões úteis (alfa, beta e outros releases de teste); - Concluir a análise, o desenvolvimento e o teste de todas as funcionalidades necessárias; - Desenvolver de modo iterativo e incremental um produto completo que esteja pronto para a transição para a sua comunidade de usuários. Isso implica descrever os casos de uso restantes e outros requisitos, incrementar o design, concluir a implementação e testar o software; - Decidir se o software, os locais e os usuários estão prontos para que o aplicativo seja implantado; - Atingir um certo paralelismo entre o trabalho das equipes de desenvolvimento Fase de Transição O foco da Fase de Transição é assegurar que o software esteja disponível para seus usuários finais. A Fase de Transição pode atravessar várias iterações e inclui testar o produto em preparação para release e ajustes pequenos com base no feedback do usuário. Nesse momento do ciclo de vida, o feedback do usuário deve priorizar o ajuste fino do produto, a configuração, a instalação e os problemas de usabilidade; todos os problemas estruturais mais graves devem ter sido trabalhado muito antes no ciclo de vida do projeto (KRUCHTEN,2003). No fim do ciclo de vida da Fase de Transição, os objetivos devem ter sido atendidos e o projeto deve estar em uma posição para fechamento. Em alguns casos, o fim do ciclo de vida atual pode coincidir com o início de outro

27 27 ciclo de vida no mesmo produto, conduzindo à nova geração ou versão do produto. Para outros projetos, o fim da transição pode coincidir com uma liberação total dos artefatos a terceiros que poderão ser responsáveis pela operação, manutenção e melhorias no sistema liberado (KRUCHTEN,2003). Essa fase de transição pode ser muito fácil ou muito complexa, dependendo do tipo de produto. Um novo release de um produto de mesa existente pode ser muito simples, ao passo que a substituição do sistema de controle do tráfego aéreo de um país pode ser excessivamente complexo (KRUCHTEN,2003). As atividades realizadas durante uma iteração na Fase de Transição dependem da meta. Por exemplo, ao corrigir erros, normalmente bastam a implementação e o teste. Se, no entanto, novas características tiverem de ser adicionadas, a iteração será semelhante a uma da fase de construção, exigindo análise, design, etc. A Fase de Transição entra quando uma baseline estiver desenvolvida o suficiente para ser implantada no domínio do usuário final. Isso normalmente requer que algum subconjunto usável do sistema tenha sido concluído com nível de qualidade aceitável e documentação do usuário, de modo que a transição para o usuário forneça resultados positivos para todas as partes. A partir de algumas das várias regras sugeridas pelo RUP para o gerenciamento e implementação de Software foram usadas todos os recursos mencionados no item 3 (Solução Proposta) do presente trabalho. 1.4 Redes de Computadores Nas duas últimas décadas o conceito de rede transformou-se em uma alternativa prática de organização, possibilitando processos capazes de responder às demandas de flexibilidade, conectividade e descentralização das esferas contemporâneas de atuação e articulação social (FOROUZAN, 2006). A palavra rede é bem antiga e vem do latim retis, significando entrelaçamento de fios com aberturas regulares que formam uma espécie de tecido. A partir da noção de entrelaçamento, malha e estrutura reticulada, a

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial)

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) Manual de Usuário TECHNEXT (2012) 1 de 28 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Página Sumário 1. Sobre o Techmanager...

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Operações de Caixa. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais

Operações de Caixa. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Operações de Caixa Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Introdução... 3 Suprimento... 3 Sangria... 4 Abertura de Caixa... 6 Fechamento de Caixa...

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário)

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Guia de Orientação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2013 Página 1 de 47 Índice PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO...

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

BH PARK Software de Estacionamento

BH PARK Software de Estacionamento BH PARK Software de Estacionamento WWW.ASASSOFTWARES.COM.BR Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Travar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4 Contrato de Manutenção...

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

GEST - SISTEMA DE GESTOR DE ESTACIONAMENTOS

GEST - SISTEMA DE GESTOR DE ESTACIONAMENTOS GEST - SISTEMA DE GESTOR DE ESTACIONAMENTOS VISÃO GERAL 1- INTRODUÇÃO GEST Sistema Gestor de Estacionamentos é o sistema desenvolvido pela INFRAERO para o controle operacional e financeiro do fluxo e permanência

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

MANU AL DO COMPRADOR

MANU AL DO COMPRADOR MANUAL DO COMPRADOR Conhecendo o Vale Transporte Eletrônico O que é o Vale Transporte Eletrônico? O vale-transporte é um benefício definido pela Lei Federal nº 7.418/85 e Lei Federal 7.619/87 oferecido

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor Sistema de Gestão e Controle de Consignações On-Line - CONSIGFÁCIL MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor V.4.2 (Agosto/2014) 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSANDO O CONSIGFÁCIL... 4 1.1. NAVEGADOR... 4

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Sistema de Estacionamento DMP Parking

Sistema de Estacionamento DMP Parking Sistema de Estacionamento DMP Parking Dimensões: Indisponível Características Gerais Sistema de Estacionamento DMP Parking para o controle e gerenciamento de todas as funções automatizadas no estacionamento,

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais