Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009."

Transcrição

1

2

3

4

5

6

7

8 Solução do caso É TUDO VERDADE! Em julho de 1813, o verdadeiro Francisco José Rebello enviou seu requerimento ao juiz municipal do Desterro. Este requerimento e todos os outros documentos que compõem a ação de liberdade de Liberata estão depositados no Arquivo Nacional, na seção da Corte de Apelação. Leia o primeiro requerimento de Liberata e a petição escrita por Francisco José Rebello: 1. Diz Liberata, mulher parda cativa de José Vieira Rebello, morador na Enseada das Garoupas, que ela Suplicante como pessoa miserável e desamparada, sem ter quem dela se compadecesse mais do que as sagradas Leis de Sua Alteza Real, e as Justiças do mesmo soberano Senhor, implora de joelhos toda a devida vênia para que por esta primeira vos possa em seu nome fazer saber a Alta Justiça os tormentos de seu cativeiro, as sevícias que de dia em dia sofre sem respirar, sem poder conseguir os meios de se queixar por seu curador, por se achar como em um cárcere privado, vigiada, de não pode conseguir os meios de ser ouvida, porque sendo a suplicante comprada pelo dito seu senhor, na Vila de Paranaguá, sendo a suplicante menor de 10 anos, e chegando à casa do dito seu senhor sendo por diferentes ocasiões perseguida, e atacada do mesmo, procurando mandá-la aos Matos por lugares remotos e despovoados tudo a fim de solicitar já com violência e promessas de sua liberdade, finalmente a levou de sua honra, e de maneira que continuando o dito seu senhor a persegui-la, teve do mesmo logo um filho por nome João, que não podendo o mesmo senhor negar o referido seu filho, não só pela semelhança de seu pai, como por ser já sabido o furor na Pia, porém movendo-se grandes desordens em casa com a senhora do suplicante, tudo vai em cima da miserável, que não pode escapar-se aos castigos, nem evitar de ser perseguida do dito seu senhor, que veio a procurar um pardo a fim de que o mesmo senhor a largasse, por não ser de sua vontade o viver naquela vida com seu senhor, atacada ainda mais pelos mesmos filhos do suplicado. E porque não pode viver um semelhante tormento, e na conformidade das sagradas leis tem todo o Direito à sua liberdade, portanto suplica a V.S que se faça justiça. Francisco José Rebello. Corte de Apelação maço 214 número O que você acha que aconteceu com Liberata? Será que ela conseguiu a tão sonhada liberdade? Surpreenda-se com o verdadeiro final da história: Por incrível que pareça, um ano e poucos meses depois de enviar o requerimento ao juiz municipal do Desterro, Francisco José Rebello enviou outro, desistindo da ação. Liberata também confirmou que desistia do processo; ela disse que conseguiu a carta de liberdade, que já estava livre? Como? Nós não sabemos ao certo como tudo aconteceu as últimas páginas do processo estão rasgadas mas podemos deduzir que Liberata conseguiu a sua liberdade negociando diretamente com seu senhor. Quem sabe ele se arrependeu de todas as maldades que cometeu?

9 Referências CARDOSO, Paulino de Jesus. Negros em Desterro: experiências das populações de origem africana em Florianópolis. Séc. XIX. Itajaí, Casa Aberta, GRINBERG, Keila. Liberata, a lei da ambiguidade as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro, Relume Dumará, LIMA, Henrique Espada. Sob o domínio da precariedade: Escravidão e os significados da liberdade de trabalho no século XIX, in Topoi, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p , MAMIGONIAN, Beatriz Galotti. Africanos em Santa Catarina: escravidão e identidade étnica ( ), in: Fragoso, João Luis Ribeiro; Florentino, Manolo G.; Sampaio, Antonio Carlos Jucá; Campos, Adriana. (Org.). Nas rotas do império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória; Lisboa; Brasília: Ed. UFES; Instituto de Investigações Científicas Tropicais; CNPq, 2006, p PENNA, Clemente Gentil. Escravidão, liberdade e os arranjos de trabalho na Ilha de Santa Catarina nas ultimas décadas da escravidão ( ). Dissertação de Mestrado. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, REBELATTO, Martha. Fugas escravas e quilombos na Ilha de Santa Catarina, século XIX. Dissertação e Mestrado. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso: O comércio de escravos... 43 O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso vitorhgcardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos.

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Marcos Henrique Oliveira Pinheiro Descendente de Açorianos Formação Educação Física Pesquisador de Genealogia Participante da 2 Semana de

Leia mais

LIBERATA: a lei da ambigüidade as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX

LIBERATA: a lei da ambigüidade as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX LIBERATA: a lei da ambigüidade as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX Keila Grinberg Keila Grinberg Liberata: a lei da ambigüidade as ações de liberdade da Corte de

Leia mais

Introdução hovia huva izia

Introdução hovia huva izia 1 "E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna lá sete vezes ". 1 Reis 18:43 Introdução: A cada semana temos declarado que

Leia mais

As fugas e os ajuntamentos de escravos fugitivos nos denominados

As fugas e os ajuntamentos de escravos fugitivos nos denominados FUGAS E QUILOMBOS NA ILHA DE SANTA CATARINA, SÉCULO XIX * Martha Rebelatto ** As fugas e os ajuntamentos de escravos fugitivos nos denominados quilombos sempre foram uma opção para os cativos em momentos

Leia mais

End. Eletrônico: ameliaassisalves@gmail.com / ameliaalves29@hotmail.com. Licenciatura e bacharelado em História pela Univ.Federal de Mato Grosso

End. Eletrônico: ameliaassisalves@gmail.com / ameliaalves29@hotmail.com. Licenciatura e bacharelado em História pela Univ.Federal de Mato Grosso Curriculum Vitae. 2014. Historiadora/pesquisadora: MARIA AMELIA ASSIS ALVES CRIVELENTE End.: Faz Santa Clara Rodovia MT 251, altura km 30. CEP.: 78050-973 Cuiabá, Mato Grosso Brasil. End. Eletrônico: ameliaassisalves@gmail.com

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

EDUCAÇÃO, POLÍTICAS PÚBLICAS E INCLUSÃO: sujeitos, saberes e práticas 17 a 19 de novembro de 2015 CARTA DE ACEITE

EDUCAÇÃO, POLÍTICAS PÚBLICAS E INCLUSÃO: sujeitos, saberes e práticas 17 a 19 de novembro de 2015 CARTA DE ACEITE intitulada A MULHER NEGRA E A AFIRMAÇÃO DE SUA IDENTIDADE: uma análise sócio histórica, de autoria de Beatriz Gonçalves da Silva, Maria Beatriz Souza Nascimento foi aceito para ser incluído na programação

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Palavras-chave: Patrimônio cultural; História e Cultura Afro-Brasileiras; Educação Patrimonial; Diversidade Cultural; Promoção da Igualdade

Palavras-chave: Patrimônio cultural; História e Cultura Afro-Brasileiras; Educação Patrimonial; Diversidade Cultural; Promoção da Igualdade Programa SANTA AFRO CATARINA: Educação patrimonial e a presença de africanos e afrodescendentes na Ilha de Santa Catarina Contemplado no Edital PROEXT 2011 MEC/SESu Coordenadoras: Profa. Dra. Andréa Ferreira

Leia mais

Comerciantes de escravos em Campinas década de 1870.

Comerciantes de escravos em Campinas década de 1870. Comerciantes de escravos em Campinas década de 1870. Rafael da Cunha Scheffer Doutorando em Historia Social da Cultura na Unicamp, bolsista Fapesp. Na segunda metade do século XIX, com a proibição efetiva

Leia mais

O TRÁFICO ILEGAL E OS AFRICANOS LIVRES NO BRASIL OITOCENTISTA

O TRÁFICO ILEGAL E OS AFRICANOS LIVRES NO BRASIL OITOCENTISTA O TRÁFICO ILEGAL E OS AFRICANOS LIVRES NO BRASIL OITOCENTISTA Nielson Rosa Bezerra 1 Ainda na primeira década dos Oitocentos, o tráfico de escravos atlântico de escravos foi estabelecido como ilegal pelo

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Boletim Eletrônico. 1 - Apresentação. 2 Público Alvo. IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo

Boletim Eletrônico. 1 - Apresentação. 2 Público Alvo. IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo Boletim Eletrônico IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo II Seminário Memória e Experiência: Elementos de formação da Capoeira Angola II Seminário Internacional Áfricas: Historiografia

Leia mais

CLIPPING DE ARTGOS. 02/2015 Março / Abril PERIODICIDADE BIMESTRAL

CLIPPING DE ARTGOS. 02/2015 Março / Abril PERIODICIDADE BIMESTRAL CLIPPING DE ARTGOS 02/2015 Março / Abril PERIODICIDADE BIMESTRAL SUMÁRIO CURIOSIDADES... 2 A guerra contra os índios botocudos e a formação de quilombos no Espírito Santo... 2 Tramas, terra e liberdade:

Leia mais

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA Isabella Cristina de Souza UFSC 1 RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional EM ÁGUAS DO ATLÂNTICO SUL: escravos-marinheiros no cais do porto de Itajaí (SC) no século XIX. José Bento Rosa da Silva Manoel Caetano Vieira, era

Leia mais

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Número de Inscrição Título do Projeto Nota Situação 1 Escritas Confessionais nos Compêndios Didáticos

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

ANNA, FELICIANA E BENEDICTA NA LUTA PELA ALFORRIA: HEGEMONIA SENHORIAL E A RESISTÊNCIA DE ESCRAVAS EM MACEIÓ (1849-1879) Danilo Luiz Marques*

ANNA, FELICIANA E BENEDICTA NA LUTA PELA ALFORRIA: HEGEMONIA SENHORIAL E A RESISTÊNCIA DE ESCRAVAS EM MACEIÓ (1849-1879) Danilo Luiz Marques* ANNA, FELICIANA E BENEDICTA NA LUTA PELA ALFORRIA: HEGEMONIA SENHORIAL E A RESISTÊNCIA DE ESCRAVAS EM MACEIÓ (1849-1879) Danilo Luiz Marques* Anna As alforrias no Brasil oitocentista se deram de diversas

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa Institucional de Iniciação Científica convida a todos para participar do Seminário de Iniciação Científica da FAJE que acontecerá no dia 06 de Agosto de 2015,

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Leia este texto para responder às questões de 1 a 4. Quando eu nasci, meu pai logo se encarregou de registrar este acontecimento.

Leia mais

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 5 IBMC 03/11/12 INTRODUÇÃO Vídeo: Como ter a

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

PLEBISCITO POPULAR. Por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DA VOTAÇÃO

PLEBISCITO POPULAR. Por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DA VOTAÇÃO PLEBISCITO POPULAR Por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DA VOTAÇÃO 01 a 07 de Setembro de 2014 O presente manual contém todas as orientações para os procedimentos

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

Relacionamento com Deus

Relacionamento com Deus Relacionamento com Deus Apocalipse 3:14-19 Lucas 11 Mateus 6 Pra Ivonne Muniz Junho 2014 Apocalipse 3:14-19 E ao anjo da igreja de Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O MOCL

ORIENTAÇÕES PARA O MOCL MINISTÉRIO DE ORAÇÃO POR CURA E LIBERTAÇÃO RCC BRASIL Março de 2015 ORIENTAÇÕES PARA O MOCL 1) IMPOSIÇÃO DAS MÃOS Sobre esse assunto já houve muita orientação. Mesmo assim, ainda surgem polêmicas. A imposição

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO.

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. HORTA, 13 DE JUNHO DE 2005 CAPITULO I INTRODUÇÃO Em 6 de Abril de 2005 deu entrada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Plano de Ensino Disciplina: Tópico Especial - História da Escravidão no Brasil (HST 5880) Carga Horária:

Leia mais

REIS BONS E REIS MAUS

REIS BONS E REIS MAUS Bíblia para crianças apresenta REIS BONS E REIS MAUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO SEMESTRAL Professor: Soely Aparecida Annes Disciplina: História Série: 3º ano 1º semestre Ano: 2013 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES: RELAÇÕES DE PODER, RELAÇÕES DE TRABALHO E RELAÇÕES CULTURAIS CONTEÚDOS

Leia mais

A ÚNICA EXPLICAÇÃO PARA A NUVEM

A ÚNICA EXPLICAÇÃO PARA A NUVEM No dia 28 de Fevereiro de 1963 um estranho fenômeno aconteceu no estado do Arizona E.U.A que deixou os cientistas sem palavras. Antes do por do sol, no estado do Arizona um SINAL apareceu nas nuvens. Uma

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

sumário 1. rumo ao SINAI... 3 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62

sumário 1. rumo ao SINAI... 3 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62 sumário 1. rumo ao SINAI... 3 2. os mandamentos... 14 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62 6. israel avança... 78 7. o cântico de débora... 95 8. gideão, o guerreiro...

Leia mais

População escrava e africanos na Ilha de Santa Catarina (1830-1860) Maria Helena Rosa Schweitzer

População escrava e africanos na Ilha de Santa Catarina (1830-1860) Maria Helena Rosa Schweitzer População escrava e africanos na Ilha de Santa Catarina (1830-1860) Maria Helena Rosa Schweitzer Em 1807 a Inglaterra lançou sua campanha contra o tráfico de escravos pelo Atlântico. Nesse período, a nação

Leia mais

EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS

EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS Aula 02 EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão (Gl 5:1). A Epístola aos Gálatas foi escrita

Leia mais

CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU

CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU Breve histórico da Região 1660 Início da construção do Convento de Santo Antônio, do qual remonta a origem da comunidade de São Francisco

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11 TEMPOS DE SOLIDÃO Jó 23:8-11 Na semana passada, eu falei muito sobre maldições, punições e castigos que Deus envia aos desobedientes e rebeldes. Falei sobre a disciplina Divina, cuja finalidade é o verdadeiro

Leia mais

Jesus pode mudar a sua vida João 4.46-47 e 49-53. Ao longo da vida passamos por muitas mudanças.

Jesus pode mudar a sua vida João 4.46-47 e 49-53. Ao longo da vida passamos por muitas mudanças. Jesus pode mudar a sua vida João 4.46-47 e 49-53 Ao longo da vida passamos por muitas mudanças. Pr. Fernando Fernandes Penápolis, 20/10/2012 3º Cristo na Praça Dia Municipal do Evangélico 1 Mudanças sociais,

Leia mais

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1)

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) Ministério de Intercessão A Intercessão e a Batalha Espiritual Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) O que é Intercessão?

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência;

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência; Instruções de Uso Depois de finalizada a petição inicial, você deverá seguir os seguintes passos: 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e

Leia mais

Actividades realizadas ao longo do ano. Quem somos. Vila de Rabo de Peixe. Verão. Natal. durante o ano. Páscoa

Actividades realizadas ao longo do ano. Quem somos. Vila de Rabo de Peixe. Verão. Natal. durante o ano. Páscoa 2004-2012 Fica situada na Ilha de São Miguel a cerca de 10 km da Ribeira Grande e 25 km de Ponta Delgada. É uma das zonas mais pobres de Portugal. Dos seus oito mil habitantes, mais de metade vive em situação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO

CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO Quando alguém estuda a reforma do século XVI, fica impressionado coma intrepidez dos reformadores. Homens que foram conduzidos por

Leia mais

VOTAÇÃO DO CANDIDATO POR SEÇÃO

VOTAÇÃO DO CANDIDATO POR SEÇÃO 1 de 16 MUNICÍPIO: ARAQUARI ELEITORES APTOS: 16439 ZONA: 27 SEÇÕES (VOTOS): 3 (1) ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA ALMIRANTE BOITEUX 2 de 16 MUNICÍPIO: BALNEÁRIO CAMBORIÚ ELEITORES APTOS: 86981 ZONA: 56 SEÇÕES

Leia mais

Abolição e Resistência na Bahia

Abolição e Resistência na Bahia Vol. 5, No. 2, Spring 2008, 237-242 www.ncsu.edu/project/acontracorriente Review/Resenha Dale Torston Graden, From Slavery to Freedom in Brazil. Bahia, 1835-1900. Albuquerque: University of New Mexico

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. II Curso de Extensão Universitária em Direito do Desporto

Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. II Curso de Extensão Universitária em Direito do Desporto Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa II Curso de Extensão Universitária em Direito do Desporto 2011 2012 Coordenador científico Prof. Doutor José Manuel Meirim Coordenação Prof. Doutor José

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Os processos civis como fontes históricas para a análise da escravidão em Sant Ana de Paranaíba no século XIX CAMARGO, Isabel Camilo de.

Os processos civis como fontes históricas para a análise da escravidão em Sant Ana de Paranaíba no século XIX CAMARGO, Isabel Camilo de. Os processos civis como fontes históricas para a análise da escravidão em Sant Ana de Paranaíba no século XIX CAMARGO, Isabel Camilo de. 1 Este trabalho busca fazer uma análise das Cartas de Alforrias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Plano de Ensino Disciplina: HST 7018 Laboratório de Ensino de História Social do Trabalho e da Cultura

Leia mais

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

CD - EU TE CHAMEI IGREJA BATISTA FONTE DE VIDA

CD - EU TE CHAMEI IGREJA BATISTA FONTE DE VIDA ifras Sacerdotes da Adoração - EU TE HAMEI IREJA BATISTA FONTE E VIA MINISTÉRIO E LOUVOR- IREJA BATISTA FONTE E VIA EIÇÃO E IFRAS ALTON BIANHI IFRAS Sacerdotes da Adoração EU TE HAMEI 1. Palavra de vitória

Leia mais

Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014.

Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014. Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014. Ilustríssimo Senhor Rinaldo Marinho Costa Lima Diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho - DSST Secretaria de Inspeção do Trabalho

Leia mais

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública.

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. No BATISMO DE JESUS, no Rio Jordão, revela-se o Filho amado de Deus,

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro.

O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro. 95 O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro. Oseas Batista Figueira Junior RESUMO. Este trabalho tem como objetivo estudar e analisar as formas de controle social

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

COMPADRIO E APADRINHAMENTO DE ESCRAVOS EM PORTO ALEGRE, 1772 1800

COMPADRIO E APADRINHAMENTO DE ESCRAVOS EM PORTO ALEGRE, 1772 1800 COMPADRIO E APADRINHAMENTO DE ESCRAVOS EM PORTO ALEGRE, 1772 1800 Luciano Costa Gomes 1 Neste trabalho abordaremos alguns aspectos relativos à prática de escolha de padrinhos e compadres entre escravos

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

VOCÊ PERDOA FACILMENTE?

VOCÊ PERDOA FACILMENTE? VOCÊ PERDOA FACILMENTE? Você perdoa facilmente? Ama intensamente? Briga com facilidade? Tem muitos amigos? Confia em muitas pessoas? Sabe dizer quando está certa ou errada? Prefere morrer por quem ama,

Leia mais

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 TRÁFICO DE PESSOAS Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o tráfico

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

OBJETIVOS CURRICULARES

OBJETIVOS CURRICULARES OFICINA DE PROJETOS Ciências Naturais 1 Construir noções sobre planeta a partir do planeta Terra; 2 Descrever a estrutura do planeta; 3 Conceituar a litosfera, destacando as rochas, os minérios e o solo

Leia mais