INSTRUÇÃO NORMATIVA SÉRIE: PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ASSUNTO: PROCEDIMENTOS E NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO NORMATIVA SÉRIE: PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ASSUNTO: PROCEDIMENTOS E NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 POP.CMP. 1. OBJETIVO Este documento se stina a orientar empregados docentes e administrativos e alunos quanto aos procedimentos e normas segurança a serem seguidas pelos usuários dos laboratórios. 2. OS LABORATÓRIOS Existem vários laboratórios com o mesmo nome e alguns individuais conforme scrito a seguir Descrição do espaço físico Todos eles são dotados iluminação natural e artificial, ventilação natural e artificial, uma porta e duas janelas Enreço Todos os laboratórios estão localizados na Primeira Avenida, número 904, esquina com Rua 240, Quadra 88, Setor Leste Universitário, CEP , Goiânia Goiás. O telefone é (62) Localização na PUC Goiás Campus I, Área 3, Blocos E e F 2.4. Horário funcionamento O horário funcionamento dos laboratórios é segunda à sexta-feira, das 07:00 às 22:00 horas e aos sábados das 07:00 às 13:00 horas Coornador Um professor do quadro permanente dos colegiados dos cursos 2.6. Intificação Os laboratórios estão agrupados da seguinte maneira: s Computação ( Lab), os Lab 400, salas 407F, 408F, 409F, 410F, 411F, 412F, 413F e 415F. s Computação ( Lab), os Lab 500, salas 501E, 503E, 504E, 506E e 507E. do PAF Programa Aplicativo Fiscal (PAF Lab) sala 502E. 1

2 POP.CMP. Sistemas Embarcados (Embedd Systems Lab) sala 505E. Res e Sistemas Computação (Network and Systems Lab) sala 405E. Automação (Automation Lab) sala 406F. Computação Aplicada (Applied Lab) sala 4F. Matemática Computacional (Math Lab) sala 416F. Computação Científica (Scientific Lab) sala 417F. No Anexo I estão incorporados a este POP os horários aulas cada disponíveis no Sistema Gestão Acadêmica da PUC Goiás através do Relatório Distribuição Disciplinas/Unidas por Horário/Sala/Bloco.. Esses horários pom sofrer alterações semestralmente, s que tenham a anuência do Coornador s. 3. DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS Os s Computação são s Didáticos Especializados, natureza didático-pedagógica, dotados equipamentos reconhecidos como ferramentas essenciais para a formação e qualificação dos profissionais da área computação. Todos os laboratórios que atenm ao curso estão interligados em re e com acesso à Internet alta velocida, através proxy, via Re Nacional Pesquisa em todas as máquinas. Contam com sala apoio técnico e com profissionais contratados, exclusivamente, para atenr aos alunos e aos professores. Os computadores servidores que atenm aos laboratórios estão localizados em salas técnicas. 4. DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS Os s Computação stinam-se a aplicação programas e softwares que permitam aos alunos familiarizarem se com os fundamentos computação, das tecnologias da computação e dos sistemas computação. 2

3 POP.CMP. São usuários típicos dos s Computação os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, regularmente matriculados nas seguintes disciplinas: Programação; Técnicas Programação I e II; Estrutura Dados I; Estrutura Dados II; Paradigmas Linguagens Programação; Projeto e Análise Algoritmos I; Projeto e Análise Algoritmo II; Linguagens Formais e Autômatos. São usuários típicos do do PAF os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, que fazem parte sse programa. São usuários típicos do Sistemas Embarcados os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, regularmente matriculados nas seguintes disciplinas: Sistemas Embarcados; Interface Homem Máquina; Trabalho Conclusão Curso I; Trabalho Conclusão Curso II. São usuários típicos do Res e Sistemas Computação os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, regularmente matriculados nas seguintes disciplinas: Res Computadores I; Res Computadores II; Sistemas Operacionais I; Sistemas Operacionais II; Sistemas Distribuídos; Segurança Sistemas e Aplicações. 3

4 POP.CMP. São usuários típicos do Automação os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, regularmente matriculados nas seguintes disciplinas: Microcontroladores e Microprocessadores; Projeto Componentes e Circuitos; Controle Processos. São usuários típicos do Computação Aplicada, Matemática Computacional e Computação Científica os graduandos Engenharia Computação, Ciência da Computação e Análise e Desenvolvimento Sistemas, regularmente matriculados nas seguintes disciplinas: Trabalho Conclusão Curso I; Trabalho Conclusão Curso II. Para o acesso aos laboratórios fora stes dias e horários bem como alunos matriculados em outras disciplinas ou e também por pessoas da comunida quando da oferta cursos extensão o aluno ve obter a autorização da Direção da Escola Ciências Exatas e da Des que haja disponibilida horário os professores outras disciplinas que não contém créditos específicos laboratório, também porão utilizar esses laboratórios para ministrar parte suas aulas para facilitar a compreensão conteúdos. 5. DA ESTRUTURA DO LABORATÓRIO Os s estão estruturados com: 5.1. Mobiliário: Bancadas, cairas estofadas e quadro branco. 4

5 POP.CMP Equipamentos: Hardware existente nos s 400 (405E, 407F, 408F, 409F, 410F, 411F, 412F, 413F e 415F) s Intificação 405 E 407 F 408 F 409 F 410 F Res e Sistemas Network and Systems Qt Maquinas Descrição Lenovo, Molo-A1P, CPU Intel pentium Insi 2.90 GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - BK6, CPU - Intel Core 2 Duo 2.93 GHz, Memória RAM 2 GB, HD 500 GB. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo - BK6, CPU - Intel Core 2 Duo 2.93 GHz, Memória RAM 2 GB. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo - BK6, CPU - Intel Core 2 Duo 2.93 GHz, Memória RAM 2 GB. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo - BK6, CPU - Intel Core 2 Duo 2.93 GHz, Memória RAM 2 GB. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Total

6 POP.CMP. 411 F 412 F 413 F 415 F Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo-A1P, CPU Intel pentium Insi 2.90 GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD 18 Lenovo, Molo-A1P, CPU Intel pentium Insi 2.90 GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - A02YBR, CPU - Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB, HD 500 GB. Monitor Lenovo, LCD Hardware existente nos s 500 (501E, 503E, 504E, 506E e 507E) s Intificação Qt Maquinas Descrição Total 507 E Lenovo, Molo - GJP, CPU Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor Philips, LCD 18 6

7 POP.CMP. 506 E 504 E 503 E 501 E Bloco E. Bloco E. Bloco E Lenovo, Molo - GJP, CPU Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor Philips, LCD 18 Lenovo, Molo - GJP, CPU Intel Core i GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor Philips, LCD 18 Lenovo, Molo - IPM31, CPU - Intel Pentium Dual Core 2.60 GHz, Memória RAM 3 GB, HD 160 GB. Monitor Samsung, LCD 15 Lenovo, Molo-A1P, CPU Intel pentium Insi 2.90 GHz, Memória RAM 8 GB. HD 500 GB Sata. Monitor LG, LCD 18 Lenovo, Molo - IPM31, CPU - Intel Pentium Dual Core 2.60 GHz, Memória RAM 3 GB, HD 160 GB. Monitor Samsung, LCD 15 Lenovo, Molo - IPM31, CPU - Intel Pentium Dual Core 2.60 Ghz, Memória RAM 3 GB, HD 160 GB. Monitor Samsung, LCD 15 Lenovo, Molo - S8P, CPU - Intel Pentium Dual Core 2.60 GHz, Memória RAM 2 GB, HD 300 GB. Monitor Samsung, LCD Programas (Softwares): Softwares instalados nos computadores dos s 407F, 408F, 409F e 410F. 1. Sistema Operacional Windows 7 2. Netbeans IDE 8 com: Java SE 7

8 POP.CMP. Java EE Java ME Java Card C/C++ Groovy PHP Servidores GlassFish Server Open Source Edition 3.1 Apache Tomcat 8 3. Java JDK 7 e 8 4. PGAdmin e PostgreSQL 5. MySQL Community Server MySQL Workbench 5 7. Astah Community V DevC++ V Visual Studio Express Office Adobe Rear X 12. QtCreator Softwares instalados nos computadores dos s 501E, 503E, 504E, 506E, 507E, 411F, 412F, 413F e 415F. 1. Sistema Operacional Fedora 17 64bits. 2. Mysql Workbench 3. Mysql Query Browser 4. Gimp 5. PGAdmin3 6. pgdesigner 7. Sqlite Browse 8. Sqliteman 9. SQL Power Architect 10. Kdbg 11. Eclipse Java 12. Qt Creator SQL Developer 8

9 POP.CMP.. ArgoUML 15. Astah Community Open System Architect 17. Poseidon UML 18. BOUML 19. EasyEclipse 20. SAGE 21. NETBEANS BlueJ 23. Prolog 24. Jeliot 25. Mysql Query Browser 26. Data Display Debugger 27. Oracle SQLveloper 28. Oracle Datamoler 29. Glassfish 30. Apache Tomcat 6 e OpenGL (freeglut3, glutg3) 32. GNS3 33. Eclipse C Octave 35. Geany 36. LibreOffice 37. GCC/G Arduino 39. Okular 40. VLC 41. Fritzing 42. Portugol 43. XMind 44. VirtualBox 45. MySQL Server PostgreSQL Inkscape 48. Google Chrome 49. Avrdu 50. Mono 9

10 POP.CMP. 51. Firefox 52. Nasm e yasm 53. Scite 54. Sqlite 55. Yad 56. Adobe PDF Jedit 58. Drjava 59. Eagle Fritzing 61. Solyp SQL veloper 6. MANUTENÇÃO E SEGURANÇA DO LABORATÓRIO Os s contam com um Técnico no período matutino e outro no período noturno, responsáveis pela manutenção e funcionamento dos equipamentos e dos softwares instalados nas máquinas; bem como, pela segurança uso dos equipamentos e pelas condições do ambiente laboratorial Horário dos Técnicos Os horários dos Técnicos pom sofrer alterações semestralmente, s que tenham a anuência do Coornador laboratórios e são: a) Célio Soares dos Santos De segunda a sábado, das 07h-11h. b) Diego Souza Lopes De segunda a sexta, das 18h-22h Do cadastramento das senhas acesso O acesso só é permitido mediante senha acesso. As senhas acesso são pessoais e estão vinculadas à matrícula do aluno regularmente matriculado. Os alunos usuários responm pelo uso exclusivo e intransferível suas senhas acesso. 10

11 POP.CMP. O cadastramento da senha é realizado na pagina do Serviço OnLine SOL, site atendimento ao aluno <https://sol.pucgoias.edu.br/aluno/login.asp>. Para tal, o aluno ve ter uma conta válido cadastrado na PUC Goiás Da renovação periódica das senhas acesso As senhas verão ser trocadas pelo aluno usuário periodicamente, através procedimento eletrônico e automático, acessando o mesmo site cadastramento da senha <https://sol.pucgoias.edu.br/aluno/login.asp>. Os alunos usuários sligados da PUC Goiás terão suas contas e senhas bloqueadas imediatamente, assim como o acesso a qualquer recurso da re Dos softwares antivírus Todos os computadores dos laboratórios possuem softwares antivírus instalados, que são atualizados periodicamente Das ocorrências As falhas tectadas nos equipamentos e softwares vem ser comunicadas imediato ao Técnico responsável, que provinciará a regularização. Em caso acinte no ambiente do laboratório cabe ao Técnico, ou ao Professor, ou ao Monitor, ou ao Coornador do Curso, que esteja no local, comunicar à Direção da Escola e à Seção Medicina e Segurança do Trabalho - SESMT da PUC Goiás. Prestando a assistência necessária ao saneamento da ocorrência, inclusive, se for o caso, acionando a UTV Vida (62) PERMISSÕES, ATRIBUIÇÕES, OBRIGAÇÕES E PROIBIÇÕES Os recursos da tecnologia informação disponibilizados pela PUC Goiás nos s são stinados exclusivamente às atividas acadêmicopedagógicas. 11

12 POP.CMP. 7.1 Das permissões Nos dias e horários constantes da gra disciplinas do aluno regularmente matriculado em uma das disciplinas constante do item 4, é permitido o livre acesso ao laboratório. O Acesso do aluno regularmente matriculado fora dos dias e horários sua gra disciplinas só será permitido mediante autorização do Coornador qualquer um dos Cursos listados no item 4, condicionado a que não comprometa o uso do laboratório pelos mais alunos. Em face das exigências legais, os gestores da PUC Goiás se reservam o direito bloquear a utilização protocolos e portas comunicação do protocolo TCP e bloquear o acesso à Internet terminados programas executáveis. 7.2 Das atribuições e obrigações Do Técnico responsável pelo laboratório: a. Cumprir e fazer cumprir os procedimentos segurança do laboratório; b. Atenr pessoalmente e por telefone alunos e professores; c. Controlar e monitorar o acesso dos alunos ao laboratório; d. Consertar e instalar aparelhos eletrônicos - hardwares; e. Instalar sistemas operacionais e aplicações - softwares; f. Estabelecer comunicação oral e escrita com vista a agilizar o trabalho; g. Redigir documentação técnica e organizar o local trabalho; h. Instalar os softwares solicitados pela Coornação do curso e disponibilizados para uso; i. Atenr o aluno usuário, treinando-o e orientando-o na utilização dos hardwares e softwares instalados; j. Acompanhar o sempenho do aluno usuário; k. Verificar diariamente o funcionamento dos computadores e dos equipamentos do laboratório antes do início das aulas, mantendo os computadores em perfeito uso; l. Fazer periodicamente manutenções preditivas, preventivas e corretivas softwares e hardwares; m. Substituir peças, quando for necessário; 12

13 POP.CMP. n. Fiscalizar e elaborar relatórios sempenho e tecção falhas software e hardware do laboratório e repassa-los ao Gestor da Tecnologia da PUC Goiás; o. Fiscalizar o acesso dos alunos a sites com conteúdos impróprios; p. Auxiliar professores e alunos, nos trabalhos pesquisa; q. Requisitar materiais uso do laboratório; r. Realizar a limpeza e a manutenção máquinas e equipamentos; s. Orientar e fiscalizar a limpeza das pendências do laboratório; t. Zelar pelos equipamentos do laboratório; u. Não permitir a entrada no laboratório aluno portando alimentos e/ou bebidas; v. Informar por escrito ao Coornador Curso, ou à Direção da Escola, as ocorrências envolvendo alunos no laboratório; w. Trabalhar segundo normas segurança, saú e meio ambiente. x. Utilizar Equipamento Proteção Individual (EPI) e/ou o Equipamento Proteção Coletiva (EPC), em todas as atividas recomendadas pela Legislação Trabalhista; Do Professor a. Cumprir e fazer cumprir os procedimentos segurança do laboratório; b. Registrar a presença do aluno; c. Exercer a regência dos alunos nas aulas práticas laboratório acordo com os objetivos do projeto pedagógico do curso; d. Elaborar e cumprir integralmente o programa e a carga horária das disciplinas, segundo a proposta pedagógica da PUC Goiás; e. Exercer com excelência atividas ensino e zelar pela aprendizagem dos alunos; f. Observar rigorosamente o Calendário Acadêmico da Instituição; g. Exercer ação disciplinar em suas atividas docente, com competência e respeito; h. Manter um comportamento ético na convivência acadêmica; i. Auxiliar na conservação do espaço físico, dos equipamentos, dos materiais e acervos dos laboratórios, responsabilizando-se pelos que lhe forem confiados. j. Trabalhar segundo normas segurança, saú e meio ambiente. 13

14 POP.CMP. k. Utilizar Equipamento Proteção Individual (EPI) e/ou o Equipamento Proteção Coletiva (EPC), em todas as atividas recomendadas pela Legislação Trabalhista Dos Alunos a. Conhecer e respeitar as normas e regulamentos específicos da Instituição; b. Cumprir os procedimentos segurança do laboratório; c. Tratar com urbanida e respeito os professores, colegas, funcionários administrativos e prestadores serviços na PUC Goiás; d. Manter espírito cooperação, ética, solidarieda e lealda em todos os espaços físicos da UCG, promovendo o respeito mútuo, abstendo-se prejudicar o bom andamento do processo ensino e aprendizagem e mais atividas; e. Cumprir com assiduida e pontualida as atividas acadêmicas nas aulas práticas e seminários realizados no laboratório, ou qualquer outra referente ao processo ensino aprendizagem previsto no Projeto Pedagógico do Curso; f. Zelar pelos equipamentos e ambiente do laboratório. g. Manter atualizados seus dados cadastrais junto à Secretaria da Escola; h. Cumprir o contrato prestação serviços educacionais firmado com a PUC Goiás. i. 7.3 Das proibições: Os recursos da tecnologia informação disponibilizados pela PUC Goiás nos s são stinados exclusivamente a atividas acadêmicopedagógicas; é expressamente proibido: a. Utilizar os computadores dos s sem senha ou com acesso local; b. Utilizar os equipamentos para fins pessoais, ou qualquer outro tipo ativida incompatível com as tarefas acadêmicas;

15 POP.CMP. c. Utilizar os computadores para fins incompatíveis com as atividas da aula que está sendo ministrada, ou seja, navegar na Internet, fazer tarefa outra disciplina, etc.; d. Configurar ou alterar as configurações re e acesso à Internet dos computadores; e. Instalar softwares sem a permissão do Técnico ou do Professor responsável; f. Instalar qualquer tipo software estranho às atividas acadêmicas; g. Instalar software não licenciado ( pirata ); h. Desinstalar ou remover programas e softwares instalados nos computadores do laboratório; i. Alterar a configuração padrão dos softwares instalados; j. Abrir, smontar, consertar e reconfigurar qualquer equipamento; k. Danificar equipamentos; l. Gravar CDs ou DVDs que não sejam stinados ao uso acadêmico; m. Trazer equipamentos particulares para utilização no laboratório, salvo dispositivos armazenamento removível pequeno porte, como pen drives ou laptop pessoal vidamente cadastrado; n. Conectar quaisquer dispositivos eletrônicos, inclusive computadores pessoais ou terceiros à re coorporativa da PUC Goiás que não estejam, obrigatoriamente, cadastrados no Centro Processamento Dados; o. Trazer ou retirar equipamentos sem autorização da Direção da Escola ou do Coornador do Curso; p. Remover ou sinstalar componentes e periféricos nos computadores do laboratório; q. Desenvolver e/ou disseminar vírus computador nos equipamentos ou na re; r. Criar e/ou utilizar programas que tenham o objetivo obter senhas ou outros dados pessoais outros usuários; s. Utilizar jogos; t. Acessar páginas ou utilizar software para disseminar conteúdo pornográfico; u. Ingressar nos laboratórios com qualquer tipo alimento, sólido ou líquido; v. Fumar; w. Consumir qualquer tipo alimento ou bebida; x. Portar ou consumir bebida alcoólica ou outras substâncias químicas entorpecentes ou ilícitas; y. Antrar no laboratório portando produtos inflamáveis. 15

16 POP.CMP. z. Desorganizar o laboratório; aa. Trocar periféricos (mouse, teclado, monitor vío, etc.) ou equipamentos lugar; bb. Retirar do lugar próprio, sem prévia autorização, qualquer documento, equipamento ou objeto; cc. Fazer transferências arquivos extensos via internet; dd. Referir-se, modo ofensivo ou srespeitoso, a professores, colegas, funcionários ou a qualquer pessoa nos espaços físicos da PUC Goiás; ee. Organizar, orientar ou tomar parte em manifestações contra aluno Calouro, a título Trote, que violem a liberda individual, que o submeta a qualquer constrangimento ou humilhação, que lhe cause danos físicos, morais ou materiais; ff. Tornar públicos assuntos pessoais alheios, conteúdo correspondências eletrônicas particulares; gg. Praticar atos contra outros alunos, professores e funcionários administrativos, que violem a sua liberda individual ou que configurem assédio ou bullying; hh. Publicar ou enviar produto trabalho outras pessoas, violando os direitos autorais; ii. Utilizar aparelho celular; jj. Realizar conexões Dial-Up a partir computadores conectados à re; Observação 1. As exceções, com o propósito e fins acadêmicos, serão avaliadas e autorizadas por escrito pelo Professor-responsável. Observação 2. No caso do item m, o Professor ou o Técnico não se responsabiliza pelo suporte caso o aluno opte por utilizar seu laptop pessoal. 8. DAS PENALIDADES O não cumprimento das normas e procedimentos scritos neste POP sujeitará os infratores às sanções disciplinares advertência, suspensão e sligamento, previstas no PCS2012, no RCD20 e no Art. 220 do Regimento Geral da PUC Goiás. 16

17 POP.CMP. 9. DA ATUALIZAÇÃO A presente norma porá ser modificada por proposta da Pró-Reitoria Graduação, por proposta da Coornação curso da Escola Ciências Exatas e da Computação, por proposta do SESMT, ou pela Administração Superior da PUC Goiás e aprovadas pelas instâncias Superiores da Instituição. 10. BASE LEGAL Este Procedimento Operacional Padrão POP para o Computação tem como base legal: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIAS. Estatuto da Pontifícia Universida Católica Goiás, 20.. Normas gerais dos laboratórios didáticos especializados dos cursos Ciência da Computação, Curso Superior Tecnologia em Análise e Desenvolvimento Sistemas e Engenharia Computação da Escola Ciências Exatas e da Computação da Pontifícia Universida Católica Goiás Regimento Geral da Pontifícia Universida Católica Goiás. (2006) Em processo revisão a luz do Estatuto 20.. Regimento Geral das Escolas. Aprovado pela Resolução nº 1/2013 do CEPEA.. Regulamento para uso tecnologia da informação. Aprovado pelo Ato Próprio Normativo do Gabinete do Reitor nº 002/ ANEXO I - HORÁRIO DE AULAS Relatórios do Sistema Gestão Acadêmica da Distribuição Disciplinas/Unidas por horários/sala/bloco dos seguintes laboratórios: 405E; 406F; 407F; 408F; 409F; 410F; 411F; 412F; 413F; 415F; 501E; 503E; 504E; 506E e 507E. 17

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS NORMAS GERAIS DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS DOS CURSOS DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO, CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DA PONTIFÍCIA

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Página 1 de 11 Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º - O Núcleo de Tecnologia de Informação, ao qual os laboratórios de Informática das Faculdades Integradas de

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano. Regulamento dos laboratórios de. Informática

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano. Regulamento dos laboratórios de. Informática Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Regulamento dos laboratórios de Informática MANUAL DOS LABORATÓRIOS ESTRUTURA, NORMAS E REGULAMENTOS EDIÇÃO: 10 de Março de 2014 Instituto Federal

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º A área de Help Desk de TI executa a organização dos laboratórios de Informática

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Índice 1. APRESENTAÇÃO...: 2 2. OBJETIVOS...: 2 3. INFRAESTRUTURA OPERACIONAL...: 3 3.1. Sala dos Professores...: 3 3.2. Secretaria das Coordenações...: 3 3.3. Secretaria Geral...: 3 3.4. Biblioteca...:

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática. Descritivo de T.I.

Regulamento dos Laboratórios de Informática. Descritivo de T.I. Regulamento dos Laboratórios de Informática Descritivo de T.I. Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO Art. 1º - A missão do Laboratório de Informática da Unidade Cenecista

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Tais laboratórios são estruturados e equipados conforme discriminado a seguir:

Tais laboratórios são estruturados e equipados conforme discriminado a seguir: INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS BARBACENA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DE ATUALIZAÇÃO DE HARDWARE E SOFTWARE DOS LABORATÓRIOS DE ENSINO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA DO IF DO

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes

Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I - DA NATUREZA Art. 1º. Este documento regulamenta e normatiza

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Faculdades Integradas Paulista

Faculdades Integradas Paulista http://www.fipsp.edu.br Associação Paulista de Ensino LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA 2011 Sumário Conteúdo 1. Introdução:... 3 2. Conexão à Internet:... 4 3. Relação de Laboratórios:... 5 4. Localização dos

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES Cursos: Superior de Tecnologia/Sistemas de Informação Título I Dos Laboratórios de Informática e Redes de Computadores Capítulo I

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador 1) Objetivos Os Laboratórios de informática da UNIFACS se destinam à prática do ensino, pesquisa e à elaboração de trabalhos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA VERSÃO 2.0 / 2010 I - DA NATUREZA (da finalidade) Este documento regulamenta e normatiza o funcionamento e uso do laboratório de informática do curso,

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA "Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB. Localização. Serviços DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB. Localização. Serviços DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB Localização 2º andar do prédio da FACERB, ao lado do Auditório. Serviços O Laboratório de Informática é um

Leia mais

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Amambai-MS 2010 Regulamento do uso do laboratório de informática da Faculdade de Amambai para

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE Janeiro, 2012 1. APRESENTAÇÃO A elaboração deste regulamento tem como propósito definir, claramente, as normas de utilização dos laboratórios de informática, os recursos

Leia mais

Título I Dos laboratórios de Informática

Título I Dos laboratórios de Informática Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1 o O Centro de Processamento de Dados - CPD, ao qual os laboratórios de Informática da FAPAN estão subordinados, tem como principal

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV: LITORAL NORTE RIO TINTO CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

REGIMENTO INTERNO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO

REGIMENTO INTERNO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO Página 1 REGIMENTO INTERNO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO O presente regimento dispõe sobre as normas de conduta e utilização do espaço físico destinado ao

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA JUNHO 2014 2 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Adriano Ferraz da Costa Edmar Augusto Yokome Filipe

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA Tem o presente regulamento a função de nortear as ações e procedimentos necessários ao bom funcionamento

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos UNIÃO DA VITÓRIA PR SUMÁRIO CAPÍTOLO I - Departamento de Informática e Laboratórios de Computação Dos Laboratórios de Computação e Seus Fins... 2 Da Estrutura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº 86/2010 de 20/08/2010) CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Os Laboratórios

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Normatiza o uso e aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, visando os recursos disponíveis e as necessidades dos usuários.

Leia mais

NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi

NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi 1. FINALIDADES E OBJETIVOS 1.1. Esta política tem a finalidade de estabelecer as regras e orientar as ações e procedimentos na utilização da rede sem fio da

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DE MAUÁ FADIM REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DE MAUÁ FADIM REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DE MAUÁ FADIM REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA O Laboratório de Informática oferece espaço e equipamento de informática para as atividades de ensino e pesquisa.

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO I. APRESENTAÇÃO O presente documento trata da regulamentação de acesso, permanência e uso dos Laboratórios de Computação vinculados ao Curso de Bacharelado em Ciência da Computação (BCC) do Campus Jataí

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1. O uso e o funcionamento do Laboratório de Informática da Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (FADIVALE) obedecerá às normas constantes deste regulamento.

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

DESCRIÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DESCRIÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Laboratório 1 FACI II 56,98 0,60 1,04 Pro, Microsoft Office 2013, Foxit PDF, Antivírus, Compactador de arquivos, NetBeans, versão 8.0, My SQL 5.0, SQL Server 2013

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO Normas para uso dos Laboratórios de Informática vinculados a Coordenação do Curso de Informática e ao Departamento de Tecnologia da Informação do IF Goiano Câmpus Posse GO. POSSE GO 2015 Sumário TÍTULO

Leia mais

40 Processador Core I7; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas. m 2 por estação 03 129,75 6,48 6,48

40 Processador Core I7; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas. m 2 por estação 03 129,75 6,48 6,48 LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Como apoio às suas atividades didáticas, o curso de Tecnologia em Jogos Digitais conta com uma excelente infraestrutura de laboratórios. 01 20 Processador pentium core 2 duo

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas para utilização dos Laboratórios da Faculdade Catuai, visando um melhor

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO Ao necessitar de algum

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇ Ã O E CULTURA REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓ RIO DE INFORMÁ TICA

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇ Ã O E CULTURA REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓ RIO DE INFORMÁ TICA FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇ Ã O E CULTURA REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓ RIO DE INFORMÁ TICA Goiânia 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCACAO E CULTURA S/S LTDA REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓ RIO DE

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS - INFORMÁTICA - BOA VISTA-RR

SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS - INFORMÁTICA - BOA VISTA-RR 1. O Aplicativo Java(TM) Plataform 8.65 pode ser definido como: A. Comando B. Anti-Vírus C. Plugin D. Browser E. Controlador 2. Um técnico de suporte de TI recebe o chamado de um usuário que afirma que

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979.

ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979. ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979.936/0001-79 ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Ao necessitar de algum

Leia mais

REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA

REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA REGULAMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SIPREV/Gestão de RPPS Implantação Manual de Instalação Versão 1.18

SIPREV/Gestão de RPPS Implantação Manual de Instalação Versão 1.18 Implantação Manual de Instalação Versão 1.18 1 de 44 - Manual de Instalação Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 19/05/09 1.0 Criação do documento Carlos Tabosa-UDCE 22/05/09 1.1 Revisão do

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE ENSINO A DISTÂNCIA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE ENSINO A DISTÂNCIA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE ENSINO A DISTÂNCIA Contrato de prestação de serviços educacionais que fazem entre si SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA HOSPITAL

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI

FACULDADE ERNESTO RISCALI PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS OLÍMPIA 2015 Rua Bruno Riscali Vila Hípica Olímpia (SP) - (17) 3281-1231 CEP: 15400-000 2 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas 1. OBJETIVO Esta cartilha define normas para preservar a confidencialidade, integridade e a disponibilidade das informações e recursos

Leia mais

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28 Volume 1 ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM Manual Técnico 4.28 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I N 0 - E M P R E S A S Manual Técnico 4.28 ACRONUS SOFTWARE 08.104.732/0001-33

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS E USOS DO SBDC

ANEXO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS E USOS DO SBDC 1 ANEXO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS E USOS DO SBDC Serviço de Biblioteca e Documentação Científica Profº Dr. José Victor Maniglia, da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. DAS FINALIDADES E SUBORDINAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 O Prof. Sérgio Clementi, Diretor da Faculdade de Engenharia, do Centro Universitário Fundação Santo André, no uso de suas atribuições estatutárias e resolve:

Leia mais

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Com a finalidade de oferecer uma completa infraestrutura em tecnologia aos seus alunos, a Faculdade Ideal dispõe de nove Laboratórios de Informática que arregimentam com o que

Leia mais

Regimento dos Laboratórios de Informática

Regimento dos Laboratórios de Informática Regimento dos Laboratórios de Informática O presente regimento dispõe sobre as normas de conduta e utilização do espaço físico destinado ao Laboratório de Informática destinados as atividades de ensino,

Leia mais

NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010

NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010 NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010 1. MATERIAIS Os materiais que ficam no laboratório são de uso exclusivo dos professores e alguns de uso exclusivo da coordenação

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

LOCALIZAÇÃO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA ORGANIZAÇÃO

LOCALIZAÇÃO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA LOCALIZAÇÃO 1º andar do prédio novo (piso abaixo do Salão de Eventos). HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO De segunda à sexta-feira,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA RESOLUÇÃO FACULDADE UNEB - DirGeral nº2/2011 T Í T U L O I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICA CONTÁBIL E GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICA CONTÁBIL E GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICA CONTÁBIL E GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA Responsável: Professor M Sc. Antonio Carlos Pereira GUAXUPÉ/MG Abril/2009 LABORATÓRIO

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado Versão 01 - Página 1/8 1 Objetivo Orientar o usuário de T.I. a solicitar atendimento. Mostrar o fluxo da solicitação. Apresentar a Superintendência 2 Aplicação Este Manual aplica-se a todos os Usuário

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av.

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av. REGULAMENTO Laboratórios de Informática da Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti - FEATI SUMÁRIO Objetivo... 3 1 Uso dos recursos... 3 2 Proibições... 4 3 Manutenções... 4 4 Responsabilidades...

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

Laboratórios de Informática e Salas Internet

Laboratórios de Informática e Salas Internet -= Público =- Laboratórios de Informática e Salas Internet versão 2.4 10/06/2011 Sumário 1. Introdução... 4 2. Laboratórios de informática... 4 2.1. Objetivos... 4 2.2. Horário de funcionamento... 5 2.3.

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE CONTROLS, também conhecido como NEXCON, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas pela Nexcode

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis 1. Pré-requisitos para Servidores - até 2 licenças: 1.1 Plano Básico: Processador: 3.0 GHz ou superior. Recomenda-se 3.2 GHz Dual-Core.

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DOS CURSOS DO ICHCA/UFAL

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DOS CURSOS DO ICHCA/UFAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ICHCA/UFAL NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DOS CURSOS DO ICHCA/UFAL

Leia mais

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES.

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. RESOLUÇÃO CAS Nº 39 /2010, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2010 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 5º do Regimento Unificado das

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1 Objetivos Este documento regulamenta e normatiza o processo de utilização dos Laboratórios de Informática da Faculdade Guairacá, de modo a sustentar o seu bom uso e funcionamento no âmbito acadêmico.

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/10 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais