ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL DE GERADORES PIEZELÉTRICOS DE ENERGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL DE GERADORES PIEZELÉTRICOS DE ENERGIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DINÂMICOS E ENERGÉTICOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL DE GERADORES PIEZELÉTRICOS DE ENERGIA MARCEL ARAUJO CLEMENTINO FOZ DO IGUAÇU 2013

2

3 Marcel Araujo Clementino Análise Numérica e Experimental de Geradores Piezelétricos de Energia Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Dinâmicos e Energéticos como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Engenharia de Sistemas Dinâmicos e Energéticos. Área de concentração: Sistemas Dinâmicos e Energéticos. Orientador: Samuel da Silva Foz do Iguaçu 2013

4 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Biblioteca do Campus de Foz do Iguaçu Unioeste Ficha catalográfica elaborada por Miriam Fenner R. Lucas - CRB-9/268 C626 Clementino, Marcel Araujo Análise numérica e experimental de geradores piezelétricos de energia / Marcel Araujo Clementino. Foz do Iguaçu, p. : il. : tab. : graf. Orientador: Prof. Dr. Samuel da Silva. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Dinâmicos e Energéticos - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. 1. Energy harvesting. 2. Eletrônica de potência. 3. Estruturas Inteligentes. 4. Geradores piezelétricos de energia Modelagem e análise. I.Título. CDU 621

5

6 iv

7 Resumo A utilização de dispositivos piezelétricos para reaproveitamento de energia vibratória tem encontrado aplicações em várias áreas, sobretudo em monitoramento de integridade estrutural, seja para recarregar baterias ou alimentar diretamente sensores e outros dispositivos eletrônicos. Em geral, o uso prático da energia convertida por estes transdutores requer, primeiramente, a transformação da corrente alternada (CA) produzida em corrente contínua (CC). Isto é frequentemente obtido por meio da utilização de circuitos retificadores. Entretanto, utilizar o mesmo pacote de software para modelar sistemas de energy harvesting, geralmente compostos por um sensor piezelétrico acoplado em uma microviga e conectados a um circuito retificador, é apontado por alguns autores como um grande desafio a ser superado, pois necessita de requisitos multidisciplinares que incluem tópicos de engenharia elétrica e mecânica. Neste sentido, o principal objetivo deste trabalho é apresentar uma estratégia de modelagem simples, que utilize apenas uma plataforma computacional e considere, simultaneamente, os modelos de uma viga piezelétrica e um circuito prático de extração/armazenamento de energia, buscando meios de facilitar a análise e o projeto de sistemas de energy harvesting. Simulações numéricas e testes experimentais são realizados para ilustrar a abordagem proposta, considerando um circuito retificador de onda completa e uma carga resistiva conectados diretamente a uma viga piezelétrica sob condição engastada-livre. Além disso, são apresentados testes experimentais realizados com um sistema comercial de energy harvesting visando caracterizar e comparar seu desempenho frente aos circuitos retificadores de onda completa e resistivo, ambos confeccionados pelo autor. Um modelo de um grau de liberdade deste sistema também é apresentado. Os resultados mostraram que o modelo é adequado para realizar simulações de sistemas que possuam as características descritas neste trabalho e comprovaram a necessidade de se utilizar um circuito ativo para se ter um melhor reaproveitamento da energia gerada. Palavras-chave: Energy harvesting, eletrônica de potência, estruturas inteligentes, abordagem unificada. v

8 Abstract The use of piezoelectric devices to harvest vibration energy has found applications in several areas, especially in structural health monitoring, either to recharge batteries or to directly feed sensors and also electronic devices. In general, the practical use of the energy converted by these devices requires, first, converting the alternating current (AC) produced to direct current (DC). This is normally done by using rectifier circuits. However, modeling the harvesting system, usually a PZT sensor bonded on a cantilever micro-beam and coupled to a rectifier circuit, using the same software package is pointed out by some authors as a drawback to overcome, due to its multidisciplinary requirements, involving topics of both mechanical and electrical engineering. In this sense, the main goal of this dissertation is to describe a comprehensive and simple modeling strategy, which considers a single computational platform and, simultaneously, account for both the electromechanical model of a clamped piezoelectric beam and the practical energy harvesting circuit, seeking ways to facilitate the analysis and design of energy harvesting systems. Numerical simulations and experimental tests are performed to illustrate the proposed approach, considering a full-wave diode bridge as the non-controlled rectifier circuit and a resistive load, which are directly connected to the cantilevered piezoelectric beam. Additionally, experimental tests carried out with a commercial harvesting system are presented, aiming to characterize and compare its performance with a full-wave diode bridge and a resistive circuit, both developed by the author. A single degree of freedom model of this system is also presented. The results showed that the model is suitable to perform simulations of systems having the characteristics described in this dissertation and confirmed the need of using active circuits to better use the produced energy. Keywords: Energy harvesting, power electronics, smart structures, unified approach. vi

9 Este trabalho teve financiamento direto dos orgãos a seguir:

10 viii

11 Agradecimentos Gostaria de agradecer, primeiramente, por tudo que tenho e pelo que sou, agraciado por ter uma família e amigos sempre ao meu lado, e principalmente saúde para ter chego à este momento com êxito. Agradeço também ao professor Samuel da Silva por ter me orientado desde os tempos de iniciação científica, durante minha graduação, até o presente momento. Sempre acrescentando algumas tarefas aqui e ali, que no momento pareciam ser exageradas, mas que ao final, contribuíram bastante não só para o desenvolvimento deste trabalho, como também para meu crescimento pessoal, permitindo desenvolver meu senso crítico e me incentivando a fazer o que gosto. Ao professor Michael J. Brennan pelas conversas, comentários e contribuições no meu trabalho, que me ajudaram a encarar os problemas e dificuldades por uma nova perspectiva, tentando formulá-los da maneira mais simples possível e desta forma, facilitar sua compreensão. Aos membros do Grupo de Materiais e Sistemas Inteligentes (GMSINT) da UNESP/Ilha Solteira, por me terem me recebido muito bem e me auxiliado durante os 6 meses que fiquei em Ilha Solteira. Este período foi fundamental para a conclusão da dissertação, pois possibilitou a realização de grande parte dos experimentos, mas principalmente por ter proporcionado uma troca mútua de conhecimentos e experiências. Ao meu amigo Sidney, pelas conversas, passeios de bicicleta (às vezes, um tanto quanto inusitados), lanches, almoços, e as longas jornadas na UNESP, durante o tempo que fiquei em Ilha Solteira. Sua companhia e nossas conversas, neste período, tornaram minha estadia muito mais agradável e foram muito importantes para eu tomar certas decisões. Aos colegas do PGESDE pelo companheirismo, conversas, trocas de ideias e, principalmente, as risadas, que nos distraiam em meio as correrias no final dos trimestres. A companhia de vocês nestes momentos foi essencial para seguir com foco até o final. Ao professor Romeu Reginatto, por ter me auxiliado ao longo do Mestrado, tanto nas disciplinas quanto na pesquisa da dissertação, muitas vezes com um ponto de vista que eu não estava acostumado a seguir. À minha família, em especial, meus pais Rosemeri e Edson, e minha namorada Mariany, por terem sempre me apoiado nas decisões mais importantes, continuar incentivando a correr ix

12 x atrás dos meus sonhos e objetivos, e principalmente por estar ao meu lado não somente em minhas vitórias e conquistas, mas nos momentos de dificuldade, quando mais precisei. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação Araucária, Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (SETI-PR) pelo apoio financeiro. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela bolsa de estudos que proporcionou dedicação integral ao curso. Por fim, agradeço a todas as pessoas que contribuíram direta e indiretamente para a realização deste trabalho.

13 xi The real voyage of discovery consists not in seeking new lands but seeing with new eyes. Marcel Proust

14 xii

15 Sumário Lista de Figuras xiv Lista de Tabelas xvi Lista de Símbolos xvii 1 Introdução Objetivo Contribuições da dissertação Organização do trabalho Revisão Bibliográfica Modelos de geradores piezelétricos Circuitos eletrônicos para extração de energia Modelagem de sistemas acoplados Considerações finais Modelagem de Geradores Piezelétricos Materiais piezelétricos Propriedades e relações constitutivas da piezeletricidade linear Modelo eletromecânico da viga piezelétrica Método de Rayleigh-Ritz Representação no espaço de estados Circuitos para extração de energia Circuito retificador de onda completa em ponte com filtro capacitivo.. 30 xiii

16 xiv 3.4 Considerações finais Resultados Simulações numéricas e verificação do modelo Descrição das simulações Verificação numérica e experimental Otimização de um gerador piezelétrico acoplado a um circuito retificador Análise de sensibilidade Descrição do problema de otimização Resultados Aplicação experimental Descrição do sistema de Energy Harvesting Descrição do experimento Modelo SDOF do gerador piezelétrico Resultados Considerações finais Considerações Finais Conclusões Trabalhos futuros Referências Bibliográficas 69

17 Lista de Figuras 3.1 Comportamento do elemento piezelétrico enquanto sensor e atuador Eixos de polarização de um material piezelétrico Deslocamento de pontos sobre a linha normal ao planos xz e yz (de Lima Jr., 1999) Desenho esquemático de uma viga piezelétrica genérica Desenho esquemático do acoplamento entre o gerador piezelétrico e um circuito retificador com quatro diodos D 1, D 2, D 3 e D Esquema de ligação dos PZTs com os circuitos retificadores em uma viga piezelétrica, sendo C L e R L, respecitvamente, o filtro capacitivo e a carga resistiva do circuito e D 1 4 os diodos Características do modelo linear de um diodo (Sedra e Smith., 2007) Retificador de onda completa em ponte com filtro capacitivo e carga resistiva Forma de onda na saída do retificador de onda completa com filtro capacitivo (Sedra e Smith., 2007) Fluxograma das etapas envolvidas na simulação de um gerador piezelétrico de energia Implementação do modelo unificado de um gerador piezelétrico conectado à um circuito retificador de onda completa com filtro capacitivo Implementação de uma viga engastada, como dispositivo de Energy Harvesting, conectada à uma carga resistiva utilizando blocos do Simulink Corrente gerada pela viga piezelétrica para uma carga resistiva R = 100 kω e frequência de excitação f = 25 Hz Desenho esquemático da viga piezelétrica utilizada no processo de verificação experimental Viga piezelétrica acoplada ao shaker sob condição engastada-livre xv

18 xvi 4.7 Configuração dos equipamentos utilizada nos testes experimentais Circuito retificador de onda completa experimental FRF experimental da viga piezelétrica em condição de circuito aberto Comparação entre as tensões no PZT e na carga resistiva referentes aos resultados numéricos e experimentais realizados com frequência de excitação de 58 Hz Sensibilidade da potência gerada com relação aos parâmetros geométricos da viga e do PZT Desenho esquemático do sistema de Energy Harvesting acoplado Evolução dos parâmetros de otimização ao longo das iterações FRF do sistema eletromecânico Comparação da potência (P med ) transferida à carga para o caso ótimo e outro similar, com v fd = V e R D = 65 Ω Influência da carga resistiva sobre a potência extraída Influência de L b, L p, C L, R L e frequência de excitação (ω) sobre a potência extraída Sistema comercial de Energy Harvesting Desenho esquemático do sistema de Energy Harvesting Configuração dos equipamentos utilizados nos testes experimentais Sinais de entrada e saída utilizados para estimar a FRF do sistema eletromecânico Estimativa da FRF para PZTs em condição de circuito aberto Comportamento da variável de otimização ao longo da solução do problema Influência da carga resistiva sobre a potência extraída para f = 70 Hz Desenho esquemático do gerador piezelétrico conectado ao circuito resistivo Sinais de entrada e saída para o caso resistivo Circuito retificador de onda completa, em ponte, com filtro capacitivo Resultados referentes ao circuito de onda completa Tensão na carga e filtro capacitivo para os cinco testes realizados Comparação da tensão em R L para todos os circuitos estudados (f = Hz e R = 33 kω)

19 Lista de Tabelas 1.1 Potência consumida por equipamentos eletrônicos (Kim, 2002) Valores de aceleração e frequência de possíveis fontes de vibração para Power Harvesting (Roundy et al., 2003) Parâmetros do gerador piezelétrico Resultados da otimização do sistema acoplado Parâmetros do sistema comercial de Energy Harvesting (Advanced Linear Devices, 2012) Casos analisados ao longo dos testes experimentais Comparação dos resultados obtidos a partir dos testes experimentais xvii

20 xviii

21 Lista de Símbolos CA CC Corrente alternada Corrente contínua DSSH Double Synchronized Switch Harvesting ESSH Enhanced Synchronized Switch Harvesting FEA FRF MEF Análise de elementos finitos (Finite Element Analysis) Função de Resposta em Frequência Método de Elementos Finitos (FEM - Finite Element Method) PVDF Sensor piezopolímero (PoliVinyliDenoFloride) PZT Atuador/sensor piezocerâmico (Lead Zirconate Titanate) SDOF Refere-se à modelos de um grau de liberdade (Single Degree of Freedom) SHM Monitoramento de integridade estrutural (Structural Health Monitoring) SSH Synchronized Switch Harvesting SSHI Synchronized Switch Harvesting on Inductor SSHI-MR Synchronized Switch Harvesting on Inductor with Magnetic Rectif ier Letras Gregas α β δ Θ ε S ε T Constante referente ao amortecimento proporcional à massa Constante referente ao amortecimento proporcional à rigidez Representa variação de uma variável qualquer Matriz de acoplamento eletromecânico Matriz de constantes dielétricas para deformação mecânica constante Matriz de constantes dielétricas para tensão mecânica constante xix

22 xx φ ψ(z) Modos de vibrar assumidos Distribuição de potencial elétrico ao longo do PZT. ρ Massa específica [kg/m 3 ] Letras Romanas A Área [m 2 ] E q(t) u A B C o C p c E D o Campo elétrico [N/C] Corrente elétrica que circula pelo PZT/circuito de Energy Harvesting [A] Vetor de velocidade na direção x [m/s] Matriz dinâmica Matriz de entrada Matriz de saída Matriz de capacitância piezelétrica Módulo de elasticidade para campo elétrico constante Matriz de transmissão direta e Permissividade dielétrica [C/m 2 ] I K p K s K T M p M s n q s E u u x Matriz identidade Matriz de rigidez do elemento piezelétrico Matriz de rigidez do elemento estrutural Constante dielétrica relativa para tensão mecânica constante Matriz de massa do elemento piezelétrico Matriz de massa do elemento estrutural Número de modos de vibrar Vetor de carga elétrica [C] Matriz de compliância elástica para campo elétrico constante [m 2 /N] Vetor de deslocamento na direção x [m] Vetor de deslocamento axial, na direção x [m]

23 xxi u z v x y C L Vetor de deslocamento transversal, na direção z [m] Vetor de tensão elétrica [V] Vetor de estados Vetor de saídas Capacitância do circuito retificador [F] D Deslocamento elétrico ou densidade de fluxo elétrico [C/m 2 ] d D 1 4 F c F e F s g i circuit i P ZT L L b L p L x r(t) R L S Constante piezelétrica Diodos do circuito retificador Força de corpo [N] Força externa [N] Força de superfície [N] Constante de tensão Corrente que circula através do circuito retificador [A] Corrente que circula pelo elemento piezelétrico [A] Função Lagrangeana Comprimento da viga [m] Comprimento do PZT [m] Distância do engaste até o PZT [m] Coordenada temporal de deslocamento Carga resistiva do circuito de Energy Harvesting [Ω] Deformação mecânica [m/m] T Tensão mecânica [N/m 2 ] t b T c t p U Espessura da viga [m] Energia cinética total [J] Espessura do PZT [m] Energia potencial total [J]

24 xxii V Volume [m 3 ] v circuit v P ZT W w W e X Y Z z Fonte de tensão do circuito retificador [V] Tensão produzida pelo elemento piezelétrico [V] Trabalho virtual realizado por forças externas, forças de superfície e forças de corpo Largura da viga e do PZT [m] Trabalho elétrico [J] Coordenada x do eixo de referência padrão Coordenada y do eixo de referência padrão Coordenada z do eixo de referência padrão Coordenada generalizada () p Subscrito referente ao material piezelétrico (PZT) () s Subscrito referente à estrutura base (viga)

25 Capítulo 1 Introdução O desenvolvimento de dispositivos eletrônicos portáteis, em especial sensores wireless, geralmente envolve problemas relacionados à natureza de sua fonte de alimentação energética. A solução convencional adotada para tal problema propõe a utilização de baterias como fonte de energia, apesar destas possuírem algumas desvantagens: tendem a ser um pouco volumosas, contêm uma quantidade finita de energia, possuem uma vida útil limitada e contêm produtos químicos prejudiciais ao meio ambiente (Williams e Yates, 1996). Ainda, uma situação agravante ocorre quando estes sensores estão localizados em regiões remotas, onde a troca ou recarga destas baterias torna-se muitas vezes impraticável devido ao difícil acesso. Nestas ocasiões, pode ser viável utilizar um sistema autossuficiente, que possibilitaria recarregar a bateria sem a intervenção humana, como propõe o processo conhecido por Power Harvesting 1, cujo conceito está baseado na extração e/ou armazenamento de energia, oriunda de diversas fontes, para posteriormente reutilizá-la na forma de energia elétrica. Dentre as principais fontes de energia disponíveis para este processo, encontra-se a de natureza vibratória, cuja presença é inerente em diversos sistemas mecânicos e eletromecânicos. A vibração destes sistemas é simplesmente uma quantidade de energia, proveniente de desbalanceamento ou desalinhamento, por exemplo, que é dissipada para o ambiente caso não seja aproveitada. Cada estrutura possui frequências de vibração características (denominadas frequências naturais), sendo que sob a influência de alguma delas, as amplitudes de vibração tornam-se consideravelmente elevadas. Deste modo, trabalhar nesta condição, conhecida como ressonância, é a situação ideal para tais transdutores de energia. Entretanto, na maioria das situações práticas, a frequência de vibração dos sistemas não é um parâmetro fácil de ser modificado, o que leva, então, a outro cenário: a modificação do dispositivo de conversão de energia, que neste caso, por ser de natureza piezelétrica, é referenciado ao longo do texto como dispositivo (ou gerador) piezelétrico. Em outras palavras, deve-se projetá-lo para que sua frequência natural coincida com a frequência de vibração do sistema em que estiver inserido para extração de energia (Sodano et al., 2004b; de Marqui Jr. et al., 2009; de Marqui Jr. et al., 2010). 1 Este processo também é conhecido por Energy Harvesting ou Energy Scavenging. 1

26 2 A utilização de materiais piezelétricos para Power Harvesting tem obtido grande destaque ao longo da última década, visto que tais dispositivos necessitam de poucos componentes adicionais e geometrias relativamente simples para serem construídos (Beeby et al., 2006). Além disso, o fato deles proporcionarem o reaproveitamento da energia vibratória por meio da conversão direta de deformação mecânica em tensão elétrica, aliado à redução dos requisitos de energia de alguns dispositivos eletrônicos de baixa potência (tabela 1.1), tem aproximado este processo de aplicações mais reais, como apresentado, por exemplo, em Kymissis et al. (1998), Shenck e Paradiso (2001), Roundy et al. (2003), Sodano et al. (2005) e Feenstra et al. (2007). A tabela 1.2 mostra algumas fontes de vibração com potencial para Power Harvesting, ilustrando a variedade de locais disponíveis para aplicação de dispositivos piezelétricos. Tabela 1.1: Potência consumida por equipamentos eletrônicos (Kim, 2002). Nível de Consumo energético Potência [W] Desktops (sem o monitor) 10 2 Notebooks 10 Placas de CPU integradas 1 Chips microcontroladores de baixa potência 10 3 Tabela 1.2: Valores de aceleração e frequência de possíveis fontes de vibração para Power Harvesting (Roundy et al., 2003). Fonte de Vibração Aceleração [m/s 2 ] Frequência de pico [Hz] Compartimento do motor do carro Base da ferramenta de 3 eixos para usinagem Base do liquidificador 6, Secadora de roupas 3, Painel de instrumentação do carro 3 13 Moldura da porta logo após a porta fechar Micro-ondas pequeno 2, Saídas de climatização em edifício de escritórios 0, 2 1, 5 60 Janelas próximas à ruas movimentadas 0, Leitura de CDs em notebooks 0, 6 75 Piso do segundo andar de escritório movimentado 0, Estes dispositivos são definidos basicamente por uma estrutura base, à qual são acoplados materiais piezelétricos (geralmente cerâmicas PZT) visando gerar energia elétrica. Um circuito eletrônico é, então, conectado nos eletrodos das cerâmicas para converter a corrente alternada (CA) produzida, em corrente contínua (CC). Diversos modelos têm sido utilizados para prever a quantidade de energia que estes transdutores poderiam produzir e quanto desta

27 3 energia poderia ser armazenada e/ou reutilizada. A modelagem do comportamento eletromecânico abrange desde modelos de um grau de liberdade (SDOF 2 ) de parâmetros concentrados (Roundy et al., 2003) até modelos de parâmetros distribuídos com soluções analíticas (Chen et al., 2006; Erturk e Inman, 2009), aproximações de Rayleigh-Ritz (Sodano et al., 2004a) e elementos finitos (de Marqui Jr. et al., 2009). Em geral, estes trabalhos visam prever as características do dispositivo conversor que levariam à máxima potência gerada, enquanto a energia produzida é dissipada por um resistor (representando a carga elétrica). Contudo, para o uso prático desta energia, torna-se necessário a utilização de circuitos de extração de energia, como circuitos retificadores. Lallart e Guyomar (2008), Guan e Liao (2007) e Ottman et al. (2002) são alguns autores que trabalham com estes circuitos e abordam técnicas avançadas para modelar circuitos eletrônicos para Power Harvesting, além de utilizar capacitores ou baterias recarregáveis como meios de armazenamento. Recentemente, pesquisadores têm concentrado seus esforços em desenvolver modelos cuja interação entre a estrutura eletromecânica e o circuito eletrônico é considerada. No entanto, muitos destes modelos simplificam ou o domínio mecânico, considerando um modelo massa-mola-amortecedor (SDOF) e/ou técnicas de circuito equivalente para modelar o sistema eletromecânico (Yang e Tang, 2009; Elvin e Elvin, 2008; Elvin e Elvin, 2009), ou o domínio elétrico, usando um resistor (que representa a carga externa) ao invés de um circuito retificador. Logo, estes modelos podem não corresponder à realidade se apenas um dos domínios é modelado de forma adequada. Assim, embora na maioria dos casos se enfatize somente uma das abordagens (estrutura ou circuito), há pesquisadores com interesse em maximizar a potência gerada, buscando valores ótimos tanto para os parâmetros estruturais (Franco et al., 2011), como para os parâmetros do circuito de extração de energia (Wickenheiser e Garcia, 2010). Em geral, estes modelos são desenvolvidos em diferentes plataformas computacionais, que podem não ser compatíveis. Consequentemente, o processo de otimização, uma etapa muito importante no projeto de geradores piezelétricos, pode ser comprometido. Neste contexto, percebe-se que a busca por dispositivos com alta eficiência sempre foi alvo de estudo quando se trata de Power Harvesting. O desenvolvimento de modelos, tanto para o circuito de extração de energia quanto para os geradores piezelétricos, permitiu que tais dispositivos se tornassem mais adequados para aplicações de baixo nível energético, trazendo-os mais próximos da realidade. Entretanto, desenvolver um modelo que considere a interação entre ambos os domínios, elétrico e mecânico, e admita simulações utilizando apenas um ambiente computacional, facilitaria a execução das etapas de projeto, otimização e análise do sistema de geração e extração de energia. É neste sentido que o presente trabalho pretende contribuir para o desenvolvimento de geradores piezelétricos de energia. 2 Single Degree of Freedom.

28 4 1.1 Objetivo O objetivo principal deste trabalho é propor um modelo matemático de parâmetros distribuídos para um gerador piezelétrico de energia conectado a um circuito retificador nãocontrolado, que possa ser implementado na mesma plataforma computacional e permita simular condições próximas da realidade, bem como realizar análises de caráter energético e procedimentos de otimização, buscando meios de maximizar a energia gerada. Ainda, apresenta-se a análise de um gerador piezelétrico comercial, por meio de testes experimentais, com o objetivo de caracterizar seu comportamento, obter um modelo simples para predição da energia gerada e comparar, de maneira experimental, o desempenho do circuito comercial frente aos circuitos desenvolvidos pelo autor. 1.2 Contribuições da dissertação Este trabalho visa contribuir nos seguintes aspectos: Modelagem de geradores piezelétricos de energia: Na comunidade acadêmica é notória e de senso comum a importância de se ter um desenvolvimento progressivo de técnicas e métodos para realizar modelagens e análises mais criteriosas. Sendo assim, pretende-se colaborar com o aperfeiçoamento de modelos de geradores piezelétricos de energia apresentando uma abordagem diferente para realizar a modelagem. Propõe-se a implementação unificada dos modelos de um gerador piezelétrico (composto por elementos piezelétricos acoplados à uma microviga engastada) e de um circuito retificador de onda completa, utilizando a mesma plataforma computacional. A modelagem possibilita considerar em ambos os domínios, elétrico e mecânico, sistemas de maior complexidade, sendo estes implementados em um único software. Otimização de dispositivos de Energy Harvesting: Uma vez que as condições de trabalho destes dispositivos dependem do ambiente em que estão inseridos, grande parte de suas aplicações exigem um projeto prévio visando otimizar os recursos e maximizar a energia gerada. Uma das maneiras mais práticas de se alcançar este objetivo é utilizar processos de otimização para encontrar os parâmetros do sistema que forneçam a máxima energia possível. Assim, a modelagem apresentada por este trabalho possibilita a otimização do sistema de forma mais completa, visto que, diferentemente das modelagens convencionais, considera-se os parâmetros do circuito eletrônico e do sistema eletromecânico simultaneamente, sem a necessidade de se utilizar vários tipos de software. Além disso, de

29 5 forma prática, esta abordagem pode fornecer meios de se facilitar o projeto de dispositivos piezelétricos. Análise experimental de geradores piezelétricos de energia: Ao realizar uma breve pesquisa na área de Energy Harvesting observa-se que diversos dispositivos já foram desenvolvidos visando as mais variadas aplicações, seja de caráter acadêmico ou comercial. Contudo, esta gama de dispositivos pode muitas vezes não abranger determinada aplicação, ou de certo modo limitá-la, pois em geral, os fabricantes tendem à censurar algumas informações e/ou características. Assim, conforme apresentado neste trabalho, realizar uma análise a partir de testes experimentais pode ser útil para verificar o comportamento destes dispositivos e estimar os parâmetros desconhecidos. Além disso, ilustra-se tal procedimento, de prática comum nas áreas da engenharia, comparando três circuitos de Energy Harvesting e apresentando um modelo do gerador piezelétrico obtido a partir dos parâmetros estimados. 1.3 Organização do trabalho O trabalho está organizado em cinco capítulos que abordam aspectos relevantes para a modelagem e análise de um gerador piezelétrico de energia, assim como testes experimentais que caracterizam e validam seu comportamento real: Capítulo 1: introdução e apresentação do trabalho, incluindo o objetivo e as contribuições da dissertação; Capítulo 2: revisão bibliográfica de geradores piezelétricos, apresentando trabalhos de grande contribuição para modelagem de estruturas inteligentes e circuitos eletrônicos para extração de energia, assim como modelos acoplados, desenvolvidos até o momento, para sistemas de Energy Harvesting; Capítulo 3: descrição do modelo de parâmetros distribuídos para geradores piezelétricos acoplados a circuitos retificadores, desenvolvido utilizando aproximações de Rayleigh- Ritz. Além disso, aborda-se a teoria linear de materiais piezelétricos e outros conceitos importantes para a elaboração do modelo; Capítulo 4: compreende os resultados da dissertação, os quais podem ser dividido em três partes. A primeira descreve a implementação do modelo proposto e sua validação, realizada de forma numérica, confrontando os resultados com um modelo similar da literatura, e experimental, comparando os resultados com um protótipo. A segunda parte envolve uma análise de sensibilidade e um procedimento de otimização aplicado ao modelo proposto. E por fim, na terceira parte, apresentam-se alguns testes experimentais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. 9 Osciladores Capítulo a Cristal Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. objetivos Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal; Analisar osciladores

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Eduardo Contar econtar@gmail.com Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Reatores Eletrônicos

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect Pedro José Faure Gonçalves Gas Detect Projeto apresentado nas disciplina de Microprocessadores II e Eletrônica II Ministrado pelo prof. Afonso Miguel No curso de Engenharia de Computação Na Universidade

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS CRUZ DAS ALMAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CETEC Área de Conhecimento Materiais, Estrutura e Sistemas Eletromecânicos PONTOS DO

Leia mais

unesp Dissertação de Mestrado Sistema de Extração de Potência (Power Harvesting) usando Transdutores Piezelétricos Flavilene da Silva Souza

unesp Dissertação de Mestrado Sistema de Extração de Potência (Power Harvesting) usando Transdutores Piezelétricos Flavilene da Silva Souza unesp Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Departamento de Engenharia Elétrica Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Proposta de um circuito para extração de potência de transdutores piezelétricos usando transistores MOS

Proposta de um circuito para extração de potência de transdutores piezelétricos usando transistores MOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil Proposta

Leia mais

SISTEMA DE GERAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TRANSDUTOR PIEZELÉTRICO NA FORMA PULSADA

SISTEMA DE GERAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TRANSDUTOR PIEZELÉTRICO NA FORMA PULSADA SISTEMA DE GERAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TRANSDUTOR PIEZELÉTRICO NA FORMA PULSADA FABRICIO MARQUI SANCHES UNESP fabriciosmf@yahoo.com.br A CAPES SISTEMA DE GERAÇÃO E ARMAZENAMENTO

Leia mais

Flash de máquina fotográfica

Flash de máquina fotográfica FÍSICA (Eletricidade e Eletromagnetismo) de Souza CAPACITORES Capacitor, antigamente chamado condensador, é um componente que armazena energia em um campo elétrico, acumulando um desequilíbrio interno

Leia mais

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NOME: SEL0302 Circuitos Elétricos II PROFESSORES: Azauri Albano de Oliveira Junior turma Eletrônica PERÍODO LETIVO: Quarto período NÚMERO DE AULAS: SEMANAIS: 04 aulas TOTAL: 60

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1 DISCIPLINA: Créditos: 6 Caráter: Obrigatório Professor regente: Ály Ferreira Flores Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios Capacitores e) 12,5 J 1-Capacitores são elementos de circuito destinados a: a) armazenar corrente elétrica. b) permitir a passagem de corrente elétrica de intensidade constante. c) corrigir

Leia mais

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Débora Cardoso dos Santos 1, Sergio Hampshire C. Santos 2, Rodrigo G. Martins 3 1 Eng. Civil / Casagrande Engenharia/ PPE/UFRJ / deborac_santos@poli.ufrj.br

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Cristais - Coração dos Circuitos Digitais. Arnaldo Megrich ( engenheiro formado pela Escola de Engenharia Mauá, SP )

Cristais - Coração dos Circuitos Digitais. Arnaldo Megrich ( engenheiro formado pela Escola de Engenharia Mauá, SP ) Cristais - Coração dos Circuitos Digitais Arnaldo Megrich ( engenheiro formado pela Escola de Engenharia Mauá, SP ) Os circuitos osciladores são quase que desconhecidos pelos próprios engenheiros. Nesta

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Relatório Final de Atividades apresentado à disciplina de F-809. Aluna: Cris Adriano Orientador: Prof. Mauro de Carvalho Resumo Este trabalho

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais