Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau"

Transcrição

1 Workshop PLANTAS MEDICINAIS E PRÁTICAS FITOTERAPÊUTICAS NOS TRÓPICOS IICT/CCCM 29, 30 e 31 de Outubro Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau Maria Adélia Diniz 1, Eurico S. Martins 1, Olga Silva 2 & Elsa T. Gomes 2 1 Herbário do Instituto de Investigação Científica Tropical 2 imed.ul, Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa

2 Sumário Introdução Metodologia Resultados Considerações finais Malila-de-cabelo (crioulo)

3 Introdução Diversidade de ecossistemas e da flora da Guiné- Bissau Utilização tradicional dos recursos fitogenéticos e seu estudo pela etnobotânica Médicos tradicionais, os curandeiros, usam plantas para curar os males físicos e psíquicos Dificuldade de acesso aos Serviços de Saúde da medicina ocidental A transmissão de conhecimentos é feita oralmente Necessidade da recolha dos conhecimentos tradicionais para os poder preservar

4 Metodologia Inquéritos etnobotânicos: 1991, 1994, 1995 e 1998 Adulai Camará (Mandinga) Bubacar Seidi (Fula) Cabé Nacanca (Balanta) Mussassene (Felupe)

5 Metodologia Cabê Nacanca (Balanta) Umarú Seidi (Fula) Madjula (Tanda) Cecília (Mancanha)

6 Recolha de material para herbário Registo no livro de campo, etiquetagem, secagem, montagem e estudo taxonómico Herborização em São Domingos Prensa de herborização

7 Recolha de material para estudo farmacológico Raízes Caules Folhas Planta inteira Floresta caducifólia em Contúboel Raízes de mantcha (Balanta)

8 Recolha de material para estudo farmacológico Pade-pade (Fula) Macete (Crioulo)

9 Secagem de material para estudo farmacológico em Contúboel em Iemberém

10 Visitas a mercados tradicionais Mercado Bandim (Bissau)

11 Resultados Inventariação de cerca de 150 plantas Nomes científicos Nomes vernáculos Partes utilizadas Utilização Princípios activos Publicação de um manual

12 Exemplos Euphorbiaceae Alchornea cordifolia (Schumach. & Thonn.) Müll.-Arg. Pó de arco (crioulo) Blora (balanta) Charque (fula) Amim (tanda) Doenças respiratórias Parasitoses Dores de dentes Raízes Caules Folhas Frutos Alcalóides Flavonóides Taninos Terpenos Esteróides

13 Exemplos Icacinaceae Icacina oliviformis (Poir.) J.Raynal Manganaz (crioulo) Sila (fula) Unasse (mancanha) Foia (balanta) Dores de rabada (rins) Antiinflamatório Folhas e ramos Casca Tubérculo Raízes???????

14 Exemplos Rutaceae Zanthoxylum leprieuri Guill. & Perr. Butonque (crioulo) Barquelém (fula) Mantcha (balanta) Ierim-ô (mandinga) Asma Paludismo Anti-inflamatório Dores de dentes Mordeduras de cobras Raízes Acúleos Alcalóides Ácidos aromáticos Óleos essenciais

15 Exemplos Combretaceae Terminalia macroptera Guill. & Perr. Macete (crioulo) Bode (fula) Fadi (balanta) Hólô-foro (mandinga) Diurético Tosse Cicatrizante Laxativo Doenças venéreas Doenças hepáticas Raízes Folhas Cascas Flavonóides Taninos Triterpenóides

16 Considerações finais Continuação dos inquéritos etnobotânicos Continuação dos estudos dos constituintes químicos e actividade biológica Maior colaboração entre praticantes da medicina tradicional e da medicina ocidental Valorização dos recursos naturais Sensibilização para a conservação da biodiversidade Elaboração de uma farmacopeia da Guiné-Bissau

17 Referências Crowley, E. & Ribeiro, R Sobre a medicina tradicional e formas da sua colaboração com a medicina moderna. Soronda 4, Diniz, M.A., Silva, O., Paulo, M.A. & Gomes, E.T Medicinal uses of plants from Guinea- Bissau. In L.J.G. van der Maesen et al. (eds.), The Biodiversity of African Plants Proceedings of the XIVth AETFAT Congress, Kluwer Academic Publishers, Dordrecht. Espírito Santo, J Plantas úteis da flora da Guiné Portuguesa. Boletim Cultural da Guiné Portuguesa 8(29), Espírito Santo, J.V. do Algumas plantas venenosas e medicinais usadas pelos indígenas da Guiné Portuguesa. Boletim Cultural da Guiné Portuguesa 3(10), Gomes, E.T. & Diniz, M.A Plantas usadas em medicina tradicional na região de Contúboel. Comunicações, Instituto de Investigação Científica Tropical, Sér. Ciências Agrárias, 13, Gomes, E.T., Silva, O., Diniz, M.A. & Martins, E.S Plantas Medicinais da Guiné-Bissau: Manual Prático. ACEP/AD, Bissau. 74 p. Hepper, F.N. (ed.) Flora of West Tropical Africa, 2nd ed. Vol 2. Crown Agents for Oversea Governments and Administrations, London. 544 p. Hepper, F.N. (ed.) Flora of West Tropical Africa, 2nd ed. Vol 3. Crown Agents for Oversea Governments and Administrations, London. 574 p. Iwa, M.M Handbook of African medicinal Plants. CRC Press, Boca Raton, Florida. 435 p. Keay, R.W.J Flora of West Tropical Africa, 2nd ed. Vol 1. Crown Agents for Oversea Governments and Administrations, London. 828 p.

DIVERSIDADE DOS RECURSOS VEGETAIS NA MEDICINA TRADICIONAL DA GUINÉ-BISSAU. Diniz, M.A., Martins, E.S., Silva, O.* e Gomes, E.T.

DIVERSIDADE DOS RECURSOS VEGETAIS NA MEDICINA TRADICIONAL DA GUINÉ-BISSAU. Diniz, M.A., Martins, E.S., Silva, O.* e Gomes, E.T. DIVERSIDADE DOS RECURSOS VEGETAIS NA MEDICINA TRADICIONAL DA GUINÉ-BISSAU Diniz, M.A., Martins, E.S., Silva, O.* e Gomes, E.T.* Herbário do Instituto de Investigação Científica Tropical, Trav. Conde da

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

RECONHECIMENTO BOTÂNICO DA GUINÉ-BISSAU: ESTUDOS E MISSÕES DO IICT

RECONHECIMENTO BOTÂNICO DA GUINÉ-BISSAU: ESTUDOS E MISSÕES DO IICT Resumo RECONHECIMENTO BOTÂNICO DA GUINÉ-BISSAU: ESTUDOS E MISSÕES DO IICT LUÍS CATARINO 1,2 ; MARIA CRISTINA DUARTE 1,2 ; MARIA MANUEL ROMEIRAS 1,3 1 Jardim Botânico Tropical, Instituto de Investigação

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em 1968;

Licenciatura em Ciências Biológicas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em 1968; CURRICULUM VITAE Nome científico: A. E. Gonçalves Nome completo: António Esteves Gonçalves Local e Data de nascimento: Évora (Santo Antão), 6 de Fevereiro de 1939 Nacionalidade: Portuguesa Bilhete de Identidade:

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA ZONA NORTE DE TERESINA Francisco Ivan da Silva 1 *, Eurípedes Siqueira Neto 2, Jackson Araújo Lima 3, Miguel de Castro Silva 4, Teodorico Cavalcante

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

Metabólitos Secundários

Metabólitos Secundários Metabólitos Secundários Produção de substâncias nas plantas Constituintes químicos com capacidade de produzir ação ou efeito terapêutico PLANTA ÁGUA MINERAIS LUZ SOLAR GÁS CARBÔNICO OXIGÊNIO SUBSTÂNCIAS

Leia mais

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013 1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Dia 18/09 (quarta-feira) CURSOS PRÉ-SIMPÓSIO - 08:00 12:00 Curso 1: Métodos de avaliação da atividade antimicrobiana de produtos naturais. Ministrante: Prof. Dr. Mateus Matiuzzi

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO NÚCLEO I

ESTRUTURA DO CURSO NÚCLEO I NÚCLEO I Seminário de Introdução ao Curso 30 24 CH UACS Concentrado Ética 30 24 CH UACS (1 dias) Teorias Educacionais e a Pedagogia da Alteridade 0 4 12 CH UAE Antropologia Geral 0 4 12 CH UACS 1 Geografia

Leia mais

Workshop: Destilação de óleos essenciais

Workshop: Destilação de óleos essenciais OLD JOBS AND NEW JOBS Workshop: Destilação de óleos essenciais 27 de fevereiro de 2015 Destilação de óleos essenciais PAULA MENDES LOURDES GERALDES Óleo essencial (OE) Definição óleos voláteis odoríferos

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

CURSO: FARMACIA INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSO: FARMACIA INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ Turno: INTEGRAL CURSO: FARMACIA Currículo 2014 INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular FARMACOGNOSIA I Departamento Carga Horária Período Código CONTAC Teórica

Leia mais

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO (X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA,

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: INFORMATIZAÇÃO DAS COLEÇÕES ZOOLÓGICAS: MODELAGEM E PADRONIZAÇÃO [DR. MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA] SUBPROJETO:

Leia mais

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS -

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - - CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). PLANTAS

Leia mais

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB Rosélia Maria de Sousa Santos¹; José Ozildo dos Santos 2 ; Rafael Chateaubriand de Miranda¹; Iluskhanney

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO Santos, J.P.Q. (1) ; Tabelini, H.M. (1) ; Hollunder, R.K. (1) ; Pereira, M.C.A. (1) jaqueline_pego@hotmail.com (1) Graduanda

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Botânica Aplicada a Farmácia Código: FAR 102 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

Plantas Medicinais dos Handa no Sul de Angola

Plantas Medicinais dos Handa no Sul de Angola Plantas Medicinais dos Handa no Sul de Angola Financiamento do projecto: FCT, POCI 2010 Por: IICT - Lisboa Projecto de pesquisa Título: Recursos Botânicos e Saber Medicinal na História e Cultura dos Handa

Leia mais

Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás

Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás Guizelle Aparecida de ALCÂNTARA*; José Realino de PAULA*; Leonardo Luiz BORGES*.

Leia mais

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical Revista de Biologia Neotropical: Oito anos divulgando a pesquisa científica (2004 2011)* GOMES-KEIN, Vera Lúcia 1 ; RODRIGUES, Walter Alvarenga 1 ; CHEN-CHEN, Lee 1 ; CARVALHO, Salvador de 1 ; LACERDA,

Leia mais

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas.

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. Sua história remonta ao século I, como evidenciado nos

Leia mais

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê.

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. É de pequenino que se cultiva o pepino Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. Porquê hortas nas escolas? As hortas ligam as crianças aos recursos alimentares As crianças tomam

Leia mais

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: FARMACOBOTÂNICA Professor(es): FÁTIMA MARIA MOTTER MAGRI Carga horária: DRT: 1125359 Código da Disciplina: 061.1303.6

Leia mais

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel.

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Unha-de-gato Unha-de-gato Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Elias Melo de Miranda Foram os indígenas peruanos que descobriram o uso medicinal da

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico

CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico Este programa aborda a disciplina de ciências naturais de uma forma prática, partindo de temas como a biodiversidade, a gestão de recursos e a monitorização ambiental.

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidade Didática: Terra Ambiente de Vida METODOLOGIAS/ SITUAÇÕES DE.Antes de começar.como trabalhar em Ciências Terra Ambiente de Vida.Onde existe vida.primeira abordagem ao conceito de biosfera.salientar

Leia mais

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta HOTSPOTS As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta PRESERVANDO AS RIQUEZAS MAIS AMEAÇADAS DA TERRA Conservar a biodiversidade do planeta e demonstrar que as sociedades humanas podem viver

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3

PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3 PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3 CURSOS ESTRITO SENSO OFERTADOS PELA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CAPINA GRANDE - UECG DOUTORADOS: 1. ENGENHARIA AMBIENTAL ÁREA BÁSICA: ENGENHARIA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO DADOS SOBRE A DISCIPLINA 1. Disciplina: NUTRIÇÃO DE PLANTAS 2. Responsável(eis): Renato de Mello Prado 3.

Leia mais

Departamento de Botânica. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Departamento de Botânica. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Botânica Faculdade de Ciências da Universidade do Porto ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO âmbito do projecto Projecto de divulgação científica

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O CONHECIMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS DA GUINÉ-BISSAU

CONTRIBUIÇÃO PARA O CONHECIMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS DA GUINÉ-BISSAU Portugaliae Acta Biol. 19: 417-427. Lisboa, 2000 CONTRIBUIÇÃO PARA O CONHECIMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS DA GUINÉ-BISSAU Maria Adélia Diniz*, Eurico Sampaio Martins*, Elsa Gomes** & Olga Silva** * Centro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

NOS JARDINS DA GEOMETRIA, COM O SOFTWARE GEUP

NOS JARDINS DA GEOMETRIA, COM O SOFTWARE GEUP NOS JARDINS DA GEOMETRIA, COM O SOFTWARE GEUP Sandra Silva Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Viana do Castelo sandrasilva@esa.ipvc.pt Resumo No âmbito do Projecto Ciência Viva intitulado

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

Oficinas de Verão Serviço Área Protegida

Oficinas de Verão Serviço Área Protegida Oficinas de Verão Serviço Área Protegida 18 de Julho 19 de Julho 10h00 18 a 29 de Julho de 2011-Tema: Oficina dos Cientistas Loucos Recepção dos participantes Preenchimento da Ficha de Assiduidade Apresentação

Leia mais

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP.

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP. Revista Ceciliana Dez 3(2): 35-39, 2011 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPO MAIOR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPO MAIOR s/ Canguru Matemático -estimular e motivar o maior número possível de alunos para a matemática. -Desenvolver a capacidade de resolu de problemas. matemática do 2º - Provas elaboradas pela organiz -Provas

Leia mais

MEMÓRIA DE ÁFRICA E DO ORIENTE (1997-2013) Catálogo e Biblioteca Digital sobre Portugal e países com história comum

MEMÓRIA DE ÁFRICA E DO ORIENTE (1997-2013) Catálogo e Biblioteca Digital sobre Portugal e países com história comum MEMÓRIA DE ÁFRICA E DO ORIENTE (1997-2013) Catálogo e Biblioteca Digital sobre Portugal e países com história comum O sítio na internet: http://memoria-africa.ua.pt Objetivo Criação de uma biblioteca virtual

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA POTENCIAR A APRENDIZAGEM DA FÍSICA AMBIENTAL NOS ESTUDANTES DO CURSO DE FÍSICA NO ISCED DA HUÍLA.

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA POTENCIAR A APRENDIZAGEM DA FÍSICA AMBIENTAL NOS ESTUDANTES DO CURSO DE FÍSICA NO ISCED DA HUÍLA. REPUBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR, CIÊNCIA E TECNÓLOGIA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO DA HUÍLA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXACTAS REPARTIÇÃO DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO EM FÍSICA

Leia mais

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7 Página 1 de 7 Diagnóstico Objectivos Diagnóstico Acções Recursos Intervenientes Calendarização Água Resíduos Energia Transportes Biodiversidade Mar Plano de Acção Elementos do Plano de Acção Temas em que

Leia mais

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina Matriz Curricular A grade curricular proposta para o Curso de Farmácia abrange três modalidades de disciplinas: disciplinas básicas, que serão comuns aos cursos de Bioquímica, Enfermagem e Medicina, disciplinas

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

Natural&Orgânico. Beleza&Bem Estar. Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia

Natural&Orgânico. Beleza&Bem Estar. Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia Natural&Orgânico Equilíbrio Harmonia Beleza&Bem Estar Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia Bem vindos a Beleza Natural! Na Arte dos Aromas, a natureza é a nossa fonte de inspiração. Acreditamos

Leia mais

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Número de Bolsistas e Valores Pagos (Médias), Segundo os Programas de Pós-Grad. Níveis: Mestrado

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Cogumelos Grande diversidade variam de comestíveis até altamente tóxicos Pouco conhecimento sobre os mesmos: preconceito e não aproveitamento.

Leia mais

Fernando Bruno XAVIER¹; Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; Ricardo Monteiro CORREA²; Henrique José G. M. MALUF¹; Alexandre Knychala FILHO¹.

Fernando Bruno XAVIER¹; Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; Ricardo Monteiro CORREA²; Henrique José G. M. MALUF¹; Alexandre Knychala FILHO¹. Características e utilização medicinal de Jatropha multifida (L.) e Alternanthera brasiliana (L.) KUNTZE. Fernando Bruno XAVIER¹; Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; Ricardo Monteiro CORREA²; RESUMO Henrique

Leia mais

e-mail mariaromeiras@net.sapo.pt

e-mail mariaromeiras@net.sapo.pt CURRICULUM VITAE Nome Maria Manuel Cordeiro Salgueiro Romeiras Local e data de nascimento Lisboa, 28 de Novembro de 1968 Estado civil Casada Nacionalidade Portuguesa Residência Quinta do Junqueiro, R.

Leia mais

Novas Oportunidades de Investimentos na Indústria Extrativa Vegetal da Floresta Amazônica

Novas Oportunidades de Investimentos na Indústria Extrativa Vegetal da Floresta Amazônica Novas Oportunidades de Investimentos na Indústria Extrativa Vegetal da Floresta Amazônica O Brasil é considerado pelos meios científicos como detentor de uma das maiores diversidades biológicas do mundo.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 7º ANO PROFESSORA: LUCIANA PERES

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

O estado da arte da biodiversidade em Angola: Experiência do Centro de Botânica da UAN

O estado da arte da biodiversidade em Angola: Experiência do Centro de Botânica da UAN 4ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia em Angola Workshop sobre partilha de dados científicos sobre a biodiversidade O estado da arte da biodiversidade em Angola: Experiência do Centro de Botânica

Leia mais

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Aneo 1 Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Quadro 1 Área a avaliar: Resultados do 1º Período Sucesso

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA OBJETIVO

Leia mais

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS Nome: Carlos de Barros Rodrigues Filiação: José Alves Rodrigues e Adelaide de Barros Fernandes Data de Nascimento: 5 de Outubro de 1953 Estado Civil: Divorciado Naturalidade:

Leia mais

FITOTERAPIA. BABOSA - Aloe barbadensis Miller, (A. vulgaris Lamark), A. vera Tourn.ex Linn.

FITOTERAPIA. BABOSA - Aloe barbadensis Miller, (A. vulgaris Lamark), A. vera Tourn.ex Linn. FITOTERAPIA COMO JÁ FOI ESCRITO OUTRAS VEZES, A DIFERENÇA ENTRE O REMÉDIO E O VENENO É A DOSE (PARACELSO- MÉDICO QUE VIVEU ENTRE OS SÉCULOS XV E XVI). ABORDAREMOS, À PARTIR DESTA SEMANA, AS PLANTAS DESACONSELHADAS

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Escola EB2 São João Baptista. Projecto de Preservação Ambiental. «Unidos Por Um Ambiente Melhor»

Escola EB2 São João Baptista. Projecto de Preservação Ambiental. «Unidos Por Um Ambiente Melhor» Escola EB2 São João Baptista Projecto de Preservação Ambiental «Unidos Por Um Ambiente Melhor» Professora Dinamizadora: Filomena Ramos 2010-2011 1 INTRODUÇÃO A intervenção do Homem sobre a Natureza, abate

Leia mais

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos Audição Conjunta Presidentes dos Laboratórios do Estado Funcionamento e financiamento dos Laboratórios Aplicação das recomendações internacionais IICT Assembleia da República.02.27 IICT Qual a Relevância

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG

Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Mostra de Extensão Implantação de horto medicinal na Associação Olga Chaves Rocinha em Bambuí - MG André de Souza Gontijo 1 ; Bruna Guimarães

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular MÉTODOS

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010 Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra Temas permanentes - consultar/retirar formulário: www.uc.pt/jardimbotanico Temas sazonais Junho e Julho 2010 ACÇÃO: Visita Ateliê Celebração

Leia mais

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar Município da Nazaré PROJECTO VIVER O MAR Valorizar a associação da Nazaré ao Mar como factor de identidade Assegurar o conhecimento Científico

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Gestão de Eventos Área Científica: Ciências da Comunicação CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 CURSO: Comunicação e Relações Públicas Ano: 1º 2º 3º 4º Semestre:

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Briófitos nas grutas dos Açores

Briófitos nas grutas dos Açores Briófitos nas grutas dos Açores Rosalina Gabriel Laura Jennings, Nídia Homem, Paulo A. V. Borges, Isabel Amorim & Fernando Pereira azorean biodiversity group Cavidades vulcânicas dos Açores: um mundo de

Leia mais

Caracterização da Droga vegetal de Brosimum gaudichaudii Trécul.

Caracterização da Droga vegetal de Brosimum gaudichaudii Trécul. 1 Caracterização da Droga vegetal de Brosimum gaudichaudii Trécul. Frederico Severino MARTINS 1a ; Cristhianne Soares Silva MORAES 1 ; Edemilson Cardoso da CONCEIÇÃO 1 1 Faculdade de Farmácia Universidade

Leia mais

PT0033 - Gestão Global do Fundo ONG Componente Ambiente SEMINÁRIO FINAL. Projectos co-financiados pelo MFEEE Desenvolvimento e resultados

PT0033 - Gestão Global do Fundo ONG Componente Ambiente SEMINÁRIO FINAL. Projectos co-financiados pelo MFEEE Desenvolvimento e resultados PT0033 - Gestão Global do Fundo ONG Componente Ambiente SEMINÁRIO FINAL Projectos co-financiados pelo MFEEE Desenvolvimento e resultados 03-12-2010 Projecto: Nº116 /Conservação da Natureza e Biodiversidade

Leia mais

Curso Livre para Qualificação Profissional em Naturopatia

Curso Livre para Qualificação Profissional em Naturopatia Escola Superior de Ciências Tradicionais e Ambientais ESCAM www.escam.com.br escam@escam.com.br Curso Livre para Qualificação Profissional em Naturopatia O profissional ao freqüentar o Curso Livre para

Leia mais