Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP"

Transcrição

1 Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

2 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP (REGULAMENTO) 1 1. Preâmbulo O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) assumiu um papel pioneiro na criação de um mecanismo interno de prevenção, identificação e tratamento de potenciais conflitos de interesses corporativos relevantes, tema que apenas surgiu consagrado expressamente no Código de Governo das Sociedades da CMVM no início de No seguimento do compromisso assumido pelo CGS com as melhores práticas de governo das sociedades, o presente Regulamento substitui o Quadro de tratamento de conflitos de interesses, aprovado em 16 de Outubro de 2008, bem como a versão inicial do Regulamento aprovada pelo CGS em 29 de Julho de A revisão das regras voluntariamente adoptadas pela EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em matéria de Conflitos de Interesses ocorre após a sua vigência por um período superior a um ano. A aplicação das referidas regras tem permitido ao CGS emitir opinião fundamentada e qualificada sobre esta matéria no âmbito da apreciação dos relatórios de gestão e contas. Nesse sentido, o presente Regulamento pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido em articulação com o Conselho de Administração Executivo (CAE), dado o interesse comum de aperfeiçoar as práticas governativas que sejam capazes de promover a transparência e objectividade na gestão dos Conflitos de Interesses. Em termos operacionais, e de acordo com as melhores práticas de governo, as funções de supervisão e acompanhamento neste âmbito são exercidas pela CGSS, comissão especializada do CGS, composta por uma maioria de membros independentes. O presente Regulamento (Regulamento) tomou em consideração o Regulamento da CMVM n.º 4/2013, o Código de Governo das Sociedades da CMVM e o Código do Governo das Sociedades do IPCG. 2. Objectivos e responsabilidades 2.1. Em complemento ao escrupuloso cumprimento das normas legais, regulamentares e estatutárias aplicáveis, o presente Regulamento visa reforçar os procedimentos corporativos internos de prevenção, identificação e resolução de Conflitos de Interesses relevantes, nomeadamente em Negócios de Relevância Significativa entre Partes Relacionadas. Em particular, o presente Regulamento complementa os mecanismos internos da EDP desenvolvidos para efeitos do cumprimento da IAS Aprovado pelo CGS em

3 2.2. O presente Regulamento visa igualmente estabelecer os procedimentos relevantes no que respeita à articulação dos órgãos competentes no âmbito do tratamento dos Conflitos de Interesses Ao abrigo do disposto no artigo 22º, nº 1, alínea i) dos Estatutos da EDP, do artigo 12º, alínea j) do Regulamento Interno do CGS e do artigo 10º, nº 1, alínea g) do Regulamento Interno da CGSS, o presente Regulamento é aprovado pelo CGS, sob proposta da CGSS no âmbito do trabalho desenvolvido em articulação com o CAE. 3. Competências do CGS e da CGSS 3.1. Sem prejuízo da sua competência decisória e da possibilidade de a todo momento poder avocar essas funções, o CGS delega na CGSS o acompanhamento, de forma permanente, da avaliação e da fiscalização dos procedimentos internos relativos a matérias de Conflitos de Interesses, bem como da eficácia dos sistemas de avaliação e resolução de Conflitos de Interesses No âmbito das suas funções em matéria de Conflitos de Interesses, a CGSS deve designadamente: a) Informar periodicamente o CGS sobre a sua actividade. b) Apresentar recomendações ao CGS bem como a adopção de medidas adequadas a identificar, prevenir e resolver Conflitos de Interesses em Situações Relevantes. c) Dar conta dos resultados da sua actividade nesta matéria no relatório anual do CGS, incluindo um parecer conclusivo sobre a actuação do CAE em termos de cumprimento das orientações definidas para o tratamento de Conflitos de Interesses. d) Anualmente, avaliar da adequação do presente Regulamento e, caso considerado necessário, submeter ao CGS a respectiva revisão Para além de outras competências, o CGS deve: a) No âmbito da apreciação do relatório de gestão anual e intercalar da EDP, e tendo em conta o trabalho desenvolvido pela CGSS, emitir parecer sobre a aplicação do presente Regulamento, nomeadamente em relação aos negócios realizados entre Partes Relacionadas. b) Recomendar ao CAE medidas que sejam consideradas adequadas a reforçar os mecanismos de identificação, prevenção e resolução de Conflitos de Interesses. c) Em caso de Situações Relevantes lesivas do interesse da EDP, apreciar as consequências das referidas situações e tomar as medidas necessárias à tutela do referido interesse No âmbito da apreciação das Situações Relevantes deve ser assegurado que os Membros do CGS envolvidos nessa apreciação não se encontram numa situação de Conflito de Interesses. 3

4 4. Definições 4.1. Conflito de interesses: a situação em que os fins ou as vantagens, patrimoniais ou não patrimoniais, próprios ou alheios que um determinado Decisor pretenda prosseguir ou alcançar com a realização de uma Transacção seja susceptível de interferir com o cumprimento dos deveres de imparcialidade, objectividade e observância do Código de Ética a que o Decisor esteja obrigado no exercício das suas funções ou com os interesses que a sociedade relevante do Grupo EDP deve prosseguir Controlo: significa o poder para, directa ou indirectamente, determinar ou influenciar a gestão e as políticas de gestão ou para gerir as políticas financeiras e operacionais, nomeadamente em virtude da: a) Detenção, directa ou indirecta, de mais de metade dos direitos de voto; b) Existência de acordo que permita exercer mais de metade dos direitos de voto representativos do capital social; c) Capacidade para nomear ou destituir a maioria dos membros do órgão de administração ou do órgão de fiscalização Decisores: significa as pessoas referidas nos pontos 4.8.e., 4.8.f. e 4.8.g infra Fornecedores: as pessoais singulares ou colectivas que forneçam produtos ou prestem serviços à EDP ou às Sociedades Dominadas Grupo EDP: o grupo de sociedades constituído pela EDP e pelas sociedades que com esta se encontrem em relação de domínio ou de grupo (as Sociedades Dominadas), em virtude: a) Da detenção da maioria dos direitos de voto ou da possibilidade do seu exercício por efeito de acordo parassocial; b) Da possibilidade de nomeação ou destituição da maioria dos titulares dos órgãos de administração Influência Significativa: significa a capacidade para participar nas decisões relativas às políticas financeiras e operacionais de uma determinada entidade sem deter o Controlo sobre essas políticas; presume se que o Grupo EDP exerce influência significativa sobre uma entidade sempre que detiver, pelo menos, 25% dos respectivos direitos de voto (calculados de acordo com o disposto no Código de Valores Mobiliários ou no Código das Sociedades Comerciais, conforme aplicável) Negócios de Relevância Significativa: Para efeitos do presente Regulamento, correspondem a negócios jurídicos configuráveis como Situações Relevantes e que, nos termos das normas internas aplicáveis, exijam parecer prévio do CGS Partes Relacionadas: consideram se partes relacionadas: 4

5 a) Os accionistas com uma participação qualificada igual ou superior a 2% do capital social da EDP ou de Sociedade Dominada, calculada nos termos do artigo 20º do Código de Valores Mobiliários; 2 b) Qualquer sociedade que se encontre numa relação de domínio ou de grupo (em virtude da verificação de algum dos critérios referidos nos pontos 4.5.a) e 4.5.b)) com as pessoas ou entidades referidas no ponto 4.8.a). c) Qualquer entidade que esteja sob Controlo da EDP ou sobre a qual a EDP ou Sociedade Dominada exerça Influência Significativa; d) As entidades controladas conjuntamente pela EDP e outras entidades, nomeadamente no caso de joint ventures em que o Grupo EDP detenha o controlo conjunto. e) Os membros dos órgãos de administração (executivos e não executivos) da EDP e das Sociedades Dominadas do Grupo EDP, que o CAE qualifique como tal, em virtude de as pessoas em causa, por exercerem funções junto de determinadas Sociedades Dominadas do Grupo EDP, terem autoridade e responsabilidade, directa ou indirectamente, pelo planeamento, direcção e controlo de actividades do Grupo EDP. f) Quadros dirigentes responsáveis pela Gestão do Grupo EDP que correspondam a directores de primeira linha e outras pessoas com funções ou categoria que exerçam funções no Grupo EDP, desde que o CAE os qualifique como tal em virtude de as pessoas em causa terem autoridade e responsabilidade, directa ou indirectamente, pelo planeamento, direcção e controlo de actividades do Grupo EDP. g) Os colaboradores do Grupo EDP que sejam trabalhadores do quadro de pessoal permanente do Grupo EDP, com contrato individual de trabalho com ou sem termo, mesmo que em situação de relação de trabalho temporariamente suspensa, nos limites das respectivas delegações de competência que possam praticar actos no montante individual de ; os restantes colaboradores ao serviço do Grupo EDP, ainda que sob contrato de cedência ou requisição, a título duradouro ou ocasional e independentemente da natureza do vínculo contratual, em comissão de serviço ou mediante contrato de prestação de serviço, bem como exercendo actividades ao 2 No cômputo das participações qualificadas consideram se, além dos inerentes às acções de que o participante tenha a titularidade ou o usufruto, os direitos de voto: a) Detidos por terceiros em nome próprio, mas por conta do participante; b) Detidos por sociedade que com o participante se encontre em relação de domínio ou de grupo; c) Detidos por titulares do direito de voto com os quais o participante tenha celebrado acordo para o seu exercício, salvo se, pelo mesmo acordo, estiver vinculado a seguir instruções de terceiro; d) Detidos, se o participante for uma sociedade, pelos membros dos seus órgãos de administração e de fiscalização; e) Que o participante possa adquirir em virtude de acordo celebrado com os respectivos titulares; f) Inerentes a acções detidas em garantia pelo participante ou por este administradas ou depositadas junto dele, se os direitos de voto lhe tiverem sido atribuídos; g) Detidos por titulares do direito de voto que tenham conferido ao participante poderes discricionários para o seu exercício; h) Detidos por pessoas que tenham celebrado algum acordo com o participante que vise adquirir o domínio da sociedade ou frustrar a alteração de domínio ou que, de outro modo, constitua um instrumento de exercício concertado de influência sobre a sociedade participada; i) Imputáveis a qualquer das pessoas referidas numa das alíneas anteriores por aplicação, com as devidas adaptações, de critério constante de alguma das outras alíneas. 5

6 abrigo de programas de estágio ou de formação profissional, em conformidade com os limites decorrentes das respectivas relações jurídicas estabelecidas, que possam praticar actos no montante individual de h) Qualquer dos seguintes familiares dos Decisores: i. Cônjuge ou pessoa com quem viva em união de facto; ii. Descendentes, ascendentes ou outros dependentes de qualquer dos Decisores ou de qualquer uma das pessoas referidas no parágrafo anterior. i) Qualquer entidade directa ou indirectamente sob Controlo ou Influência Significativa dos Decisores. j) Qualquer fundo ou plano de benefícios, tais como pensões, outros benefícios de reforma, seguro de vida e cuidados médicos, para benefício dos empregados do Grupo EDP, ou de qualquer entidade que seja uma Parte Relacionada do Grupo EDP Situações Relevantes: Negócios jurídicos ou situações de facto existentes entre Partes Relacionadas que sejam susceptíveis de suscitar um Conflito de Interesses entre os sujeitos envolvidos com relevo para a prossecução do interesse da EDP Transacção: significa um acto ou negócio jurídico ou qualquer outro acto que implique uma transferência de recursos, serviços ou obrigações entre duas ou mais pessoas ou outras entidades. 5. Reporte de Situações Relevantes 5.1. Até 20 dias após o final de cada trimestre do exercício, o CAE deve informar a CGSS sobre: a) Os negócios que configurem Situações Relevantes, realizados no respectivo período que: i. Tenham um valor económico superior a 5 milhões de euros ou cujo montante anual acumulado perfaça esse valor, e/ou ii. Necessitem de ser comunicados no relatório de gestão, em virtude da sua relevância material ou de terem sido concluídos fora de condições normais de mercado. b) Os accionistas detentores de participação qualificada mínima de 2% na EDP ou nas suas Sociedades Dominadas, calculada nos termos do art. 20º do Código de Valores Mobiliários, que no período em análise: i. São credores da EDP em pelo menos 5% do passivo. ii. São clientes que representam pelo menos 1% da facturação total ou que tenham originado proveitos de pelo menos 5 milhões de euros. iii. São fornecedores que representam pelo menos 1% do valor global dos fornecimentos e serviços externos ou a quem tenham sido adquiridos serviços no valor de pelo menos 5 milhões de euros. 6

7 5.2. A informação prevista na alínea a) do ponto 5.1 deve incluir: a) Caracterização sumária das operações e das obrigações assumidas pelas partes. b) Menção dos procedimentos adoptados na selecção da contraparte, nomeadamente se a operação teve por base um concurso/consulta ou adjudicação directa. c) Nos casos de adjudicação directa, as razões que justificaram essa decisão e os mecanismos adoptados para mitigar riscos de potenciais conflitos de interesses. d) Nos casos de concurso/consulta, referir o tipo de contacto estabelecido com os potenciais interessados e identificação dos mesmos. e) No caso de terem existido propostas concorrenciais, informação sobre as condições das diferentes propostas e o motivo da selecção. f) Identificação do parâmetro de aferição da realização da operação em condições normais de mercado para operações similares. g) Medidas adoptadas para prevenir ou resolver potenciais conflitos de interesses; h) Indicação, se for o caso, do carácter plurianual da operação, caso em que deverá ser reportada a data inicial da adjudicação/contratação bem como a data em que se realizam os fornecimentos e/ou prestações de serviço Para além do envio da informação prevista na IAS 24, antes da celebração ou, não sendo possível, logo após a sua celebração, o CAE dá a conhecimento à CGSS dos contratos, incluindo eventuais adendas aos já existentes, estabelecidos entre a EDP e as Sociedades Dominadas sempre e quando o valor da operação seja igual ou superior: a) A 75 milhões de euros, no caso de suprimentos e empréstimos. b) A 75 milhões de euros, no caso de aquisição, venda, comercialização ou fornecimento de energia eléctrica ou gás natural, bem como de serviços e produtos conexos. c) A 5 milhões de euros nos restantes casos Logo que possível e independentemente do valor económico em causa, o CAE deve reportar à CGSS as Situações Relevantes de que tenha conhecimento que, de acordo com um padrão de diligência de um gestor criterioso e ordenado, sejam susceptíveis de gerar ou tenham gerado uma lesão do interesse social da EDP No âmbito da análise da informação reportada pelo CAE, a CGSS: a) Pode solicitar ao CAE informação ou documentação adicional, considerada necessária para formular um parecer fundamentado sobre as situações analisadas. b) Deve remeter ao CGS o seu parecer relativamente à análise efectuada sobre a informação reportada, podendo efectuar propostas de recomendações a transmitir ao CAE. c) Sendo identificada uma Situação Relevante susceptível de lesar o interesse social da EDP, deve comunicar de imediato essa situação ao CGS, podendo sugerir medidas a adoptar que permitam resolver ou gerir a situações de modo 7

8 compatível com o interesse social da EDP. 6. Parecer prévio sobre Negócios de Relevância Significativa 6.1. Nos Negócios de Relevância Significativa, conjuntamente com o pedido de parecer prévio do CGS ou a sua dispensa, o CAE deve prestar a informação prevista em Em relação aos Negócios de Relevância Significativa submetidos a parecer prévio do CGS: a) Caso a CGSS possa reunir antes da reunião do CGS, deve ser solicitado parecer a essa Comissão, o qual é dado a conhecer ao CGS para efeitos da respectiva decisão. b) Caso não seja possível à CGSS realizar a referida reunião, a apreciação do potencial conflito de interesses deve ser feita directamente pelo CGS no âmbito da sua decisão Em relação aos Negócios de Relevância Significativa que sejam objecto de pedido de dispensa de parecer prévio do CGS, devem ser consultados pelo menos três Membros da Comissão, sendo a sua maioria independentes No âmbito da apreciação do pedido do CAE, a CGSS, o CGS ou o Presidente do CGS, no caso previsto em 6.3, podem recomendar ao CAE a tomada de medidas consideradas adequadas a resolver o potencial conflito de interesses. 8

POLÍTICA DE TRANSACÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DO BANCO ECONÓMICO E PARTICIPADAS

POLÍTICA DE TRANSACÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DO BANCO ECONÓMICO E PARTICIPADAS POLÍTICA DE TRANSACÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DO BANCO ECONÓMICO E PARTICIPADAS Aprovada em reunião ordinária do Conselho de Administração aos 03 de Maio de 2018. Nota Preambular A evolução dos princípios

Leia mais

1. Objectivo, âmbito e competência

1. Objectivo, âmbito e competência Regulamento sobre Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses, incluindo transacções com partes relacionadas da Real Vida Pensões, S.A. Sociedade Gestora de Fundos de Pensões SA ( RVP ou

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS OU SOCIEDADE DE REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS OU SOCIEDADE DE REVISORES OFICIAIS DE CONTAS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS OU SOCIEDADE DE REVISORES OFICIAIS DE CONTAS Aprovado em 3 de Março de 2016 I. Âmbito e Objectivo

Leia mais

Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Coordenado por: Direcção de Organização e Gestão de Recursos Humanos 1. CONTEXTO A Galp Energia,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 3 de Março de 2016 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO REGULAMENTO APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES I. ENQUADRAMENTO A Comissão de Auditoria da REN Redes Energéticas Nacionais, SGPS,

Leia mais

Finibanco Angola Política de Conflito de Interesses

Finibanco Angola Política de Conflito de Interesses ANEXO I DELIBERAÇÃO 06/CA/2017 Finibanco Angola Política de Conflito de Interesses Política de Conflito de Interesses Julho de 2017 1/8 ÍNDICE I. Disposições Gerais 3 1. Âmbito 3 2. Conceito 3 3. Objectivos

Leia mais

Política de Transacções com Partes Relacionadas Banco de Fomento Angola

Política de Transacções com Partes Relacionadas Banco de Fomento Angola Política de Transacções com Partes Relacionadas Banco de Fomento Angola Versão preliminar (V2.0) Direcção de Gestão do Risco 15 de Outubro de 2018 Índice 1. Enquadramento e contexto regulamentar... 3 2.

Leia mais

ENQUADRAMENTO E ÂMBITO

ENQUADRAMENTO E ÂMBITO REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. ENQUADRAMENTO E ÂMBITO 1. Este Regulamento

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITO DE INTERESSES 1 Conteúdo 1. Preâmbulo... 3 2. Objecto... 3 3. Definições... 4 4. Âmbito de Aplicação... 5 5. Princípios Gerais... 6 6. Identificação de Situações

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Política de Transações com Partes Relacionadas

Política de Transações com Partes Relacionadas 2017 Política de Transações com Partes Relacionadas Grupo NOVO BANCO Julho / 2017 Índice 1. Objetivos... 3 2. Aplicação da Política às Entidades do Grupo NOVO BANCO... 3 3. Enquadramento Legal e Regulamentar...

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA, CONTROLO E TRANSAÇÕES ENTRE ENTIDADES RELACIONADAS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA, CONTROLO E TRANSAÇÕES ENTRE ENTIDADES RELACIONADAS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta prevalecerá. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE

Leia mais

Seminário: emissão de valores mobiliários e

Seminário: emissão de valores mobiliários e Seminário: emissão de valores mobiliários e ofertas públicas em tempos de crise Transparência e Participações Qualificadas 3 e 4 de Junho de 2013 Sala Conferência Hotel Praia Mar Índice Transparência -

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 4/2010 Deveres de informação de interesses a descoberto relevantes sobre acções

Regulamento da CMVM n.º 4/2010 Deveres de informação de interesses a descoberto relevantes sobre acções Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 4/2010 Deveres de informação de interesses a descoberto relevantes sobre acções O Comité Europeu de Reguladores

Leia mais

Decreto-Lei nº 36/92, de 28 de Março

Decreto-Lei nº 36/92, de 28 de Março Diploma consolidado Decreto-Lei nº 36/92, de 28 de Março A Directiva do Conselho nº 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização das regras essenciais a que deve obedecer a prestação de

Leia mais

COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO

COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho de Administração de 25 de Julho 2008, com as alterações introduzidas na reunião de 6 de Março e 18

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE OPERAÇÕES ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE OPERAÇÕES ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE OPERAÇÕES ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. ÍNDICE TÍTULO PRELIMINAR... 2 Artigo 1.- Definições... 2 Artigo 2.- Objecto e Finalidade... 2 Artigo 3.- Interpretação...

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 11/2000 Deveres de Informação

Regulamento da CMVM n.º 11/2000 Deveres de Informação Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 11/2000 Deveres de Informação Capítulo I Divulgação da Informação Artigo 1.º Meios gerais de divulgação 1. Os

Leia mais

REGULAMENTO N.º XX/2007 COMERCIALIZAÇÃO PÚBLICA DE CONTRATOS RELATIVOS AO INVESTIMENTO EM BENS CORPÓREOS

REGULAMENTO N.º XX/2007 COMERCIALIZAÇÃO PÚBLICA DE CONTRATOS RELATIVOS AO INVESTIMENTO EM BENS CORPÓREOS REGULAMENTO N.º XX/2007 COMERCIALIZAÇÃO PÚBLICA DE CONTRATOS RELATIVOS AO INVESTIMENTO EM BENS CORPÓREOS Ao abrigo do disposto no número 5 do artigo 9.º, do número 2 do artigo 10.º, dos artigos 11.º e

Leia mais

Política de Prevenção e Gestão de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A.

Política de Prevenção e Gestão de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A. do Haitong Bank, S.A. 1 Introdução O Haitong Bank, S.A. (o Banco ) desenvolve diversas actividades de intermediação financeira, oferecendo aos seus Clientes, nesta área, uma gama diversificada de serviços.

Leia mais

A Regulação das Sociedades Abertas no Mercado de Valores Mobiliários

A Regulação das Sociedades Abertas no Mercado de Valores Mobiliários 1 A Regulação das Sociedades Abertas no Mercado de Valores Mobiliários Imagem relacionada com o tema 2 Departamento de Política Regulatória e Normas (DPRN) Índice PARTE I Objectivos da Sessão Geral Específicos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 10/2005 (Altera os Regulamentos da CMVM no 7/2001 e n.º 4/2004 relativos ao Governo das Sociedades e a Deveres de Informação)

Regulamento da CMVM n.º 10/2005 (Altera os Regulamentos da CMVM no 7/2001 e n.º 4/2004 relativos ao Governo das Sociedades e a Deveres de Informação) Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 10/2005 (Altera os Regulamentos da CMVM no 7/2001 e n.º 4/2004 relativos ao Governo das Sociedades e a Deveres

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE CAPITAL, SGPS, S.A. (Aprovado na reunião de 27 de Julho de 2018)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE CAPITAL, SGPS, S.A. (Aprovado na reunião de 27 de Julho de 2018) REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE CAPITAL, SGPS, S.A. (Aprovado na reunião de 27 de Julho de 2018) ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de Administração tem a composição

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2019

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2019 Decreto-Lei n.º 71/2007, de 27 de março Aprova o novo estatuto do gestor público e revoga o Decreto-Lei n.º 464/82, de 9 de dezembro (Texto consolidado retirado da base de dados do DRE) ( ) Artigo 18.º

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011

Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011 1. Preâmbulo a. Este Código de Conduta foi elaborado em consonância

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data:

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data: Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural Edição: 1 Data: 20.04.2011 O Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural é a entidade concessionária da Rede Nacional

Leia mais

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Parte Geral Legislação Específica Convenções para Evitar a Dupla Tributação Convenção 90/436/CEE Acordos prévios sobre preços de transferência Conceito de Preços de Transferência

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO CONFLITOS DE INTERESSES DO GRUPO ESAF

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO CONFLITOS DE INTERESSES DO GRUPO ESAF POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO CONFLITOS DE INTERESSES DO GRUPO ESAF 1. Introdução A ESAF- Espírito Santo Activos Financeiros SGPS, S.A é a holding do Grupo Espírito Santo que enquadra a actividade de

Leia mais

Decreto-Lei nº 52/2010, de 26 de Maio

Decreto-Lei nº 52/2010, de 26 de Maio Decreto-Lei nº 52/2010, de 26 de Maio O presente decreto-lei transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva nº 2007/44/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de Setembro, no que se refere a

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO A AGMVM aprovou um Código de Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à

Leia mais

PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES

PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 2 Mota-Engil A reprodução integral ou parcial deste documento, sem prévia aprovação da Mota-Engil SGPS, SA, é estritamente proibida. 1. Introdução Nos termos

Leia mais

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO 19 de outubro 2017 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTO... 3 2. NOMEAÇÃO E COMPOSIÇÃO... 3 3. COMPETÊNCIAS... 3 4. RELATÓRIO DE GOVERNO... 5 5. REUNIÕES E REGIME

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Tendo em consideração: A) O regime jurídico aplicável à aquisição e alienação de acções próprias por sociedades anónimas estabelecido no Código das Sociedades Comerciais; B) A previsão do Contrato de Sociedade

Leia mais

PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE. Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA. Subsecção I Estrutura de Capital

PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE. Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA. Subsecção I Estrutura de Capital PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA Subsecção I Estrutura de Capital 1. Estrutura de Capital (capital social, número de acções,

Leia mais

Decreto-lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro

Decreto-lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Decreto-lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Os sistemas centralizados de valores mobiliários são formados por conjuntos interligados de contas, através das quais se processa a constituição e a transferência

Leia mais

Banco de Investimento Rural (BIR)

Banco de Investimento Rural (BIR) do Banco de Investimento Rural Dezembro 2018 (esta versão foi elaborada a 29.11.2018) Detalhes do documento Titulo: Ficheiro: Políticas de Conflito de Interesses BIR_ Políticas de Conflito de Interesse_v.2.0.doc

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

Política de Mitigação de Conflitos de Interesse

Política de Mitigação de Conflitos de Interesse Política de Mitigação de Conflitos de Interesse Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE E DEFINIÇÕES... 4 5. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR E NORMATIVO... 4 6.

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES Reconhecida a necessidade

Leia mais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais Recomendação Adoptada / Parcial Não adoptada As instituições devem adoptar uma politica de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco,

Leia mais

BANCO BPI, S.A. COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, n.º 284, Porto Capital Social integralmente subscrito e realizado: 1 293 063 324.98 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução A Popular Gestão de Activos, S.A., adiante designada por PGA, é uma sociedade

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR )

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) 1. Objeto, âmbito e competência 1.1. O presente documento contém a Política de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS O cumprimento da função de supervisão financeira por parte da CMVM, especialmente num contexto de crescente internacionalização e globalização dos mercados, de elevadíssima

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. 27 de Setembro de 2018 ÍNDICE OBJECTO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 3 COMPETÊNCIA DO CONSELHO FISCAL... 3 COMPOSIÇÃO... 5 FUNCIONAMENTO... 5 ARTICULAÇÃO

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 8/2004 Capital de Risco (Altera o Regulamento da CMVM n.º 12/2003 sobre Fundos de Capital de Risco)

Regulamento da CMVM n.º 8/2004 Capital de Risco (Altera o Regulamento da CMVM n.º 12/2003 sobre Fundos de Capital de Risco) Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 8/2004 Capital de Risco (Altera o Regulamento da CMVM n.º 12/2003 sobre Fundos de Capital de Risco) Nos termos

Leia mais

POLÍTICA DE CONFLITOS DE INTERESSES

POLÍTICA DE CONFLITOS DE INTERESSES POLÍTICA DE CONFLITOS DE INTERESSES (Aprovada em reunião do Conselho de Administração de 23 de Outubro de 2014) Banco Angolano de Investimentos, SA Sede Social: Complexo Garden Towers, Torre BAI, Travessa

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A.

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. ÍNDICE Artigo 1º.- Objetivo do Regulamento... 3 Artigo 2º. - Missão... 3 Artigo 3º.- Composição...

Leia mais

SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO

SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento do Conselho Fiscal da SUMOL+COMPAL, S.A., tendo por objectivo o cumprimento da lei

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 12/2003 Capital de Risco

Regulamento da CMVM n.º 12/2003 Capital de Risco Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 12/2003 Capital de Risco (com as alterações introduzidas e republicado pelo Regulamento da CMVM n.º 8/2004 (1)

Leia mais

PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Reconhecida a necessidade de uma proposta de actuação no âmbito das políticas de remuneração, em linha com as recomendações

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL [Com a redacção resultante da reunião do Conselho Fiscal de 11 de Março de 2016] REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º

Leia mais

Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações

Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações Regulamento da Política de Tratamento da Financial Insurance Company Limited, Sucursal em Portugal no Quadro do seu relacionamento com os

Leia mais

Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses

Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses Artigo 1 Princípios de base No exercício das suas funções, os deputados ao Parlamento

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

RELATÓRIO JUSTIFICATIVO SOBRE A PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DOS ESTATUTOS SOCIAIS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A

RELATÓRIO JUSTIFICATIVO SOBRE A PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DOS ESTATUTOS SOCIAIS DA EDP RENOVÁVEIS, S.A Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta última prevalecerá. RELATÓRIO JUSTIFICATIVO

Leia mais

AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro

AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro Havendo necessidade de se estabelecer os requisitos e procedimentos para a constituição de instituições financeiras e para a revogação da respectiva autorização; Ao abrigo

Leia mais

Litho Formas Portuguesa, S.A.

Litho Formas Portuguesa, S.A. Relatório sobre o governo das sociedades Cotadas A Litho Formas, S. A. respeita e cumpre com as recomendações da CMVM sobre o governo das sociedades cotadas, sempre que aplicável e de acordo com a sua

Leia mais

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7 O Decreto n.º 13/10, de 10 de Fevereiro faz a regulamentação ao Decreto-Lei n.º 17/09, de 26 de Junho (que regula a Formação do Pessoal Angolano no Sector Petrolífero) nomeadamente do recrutamento, integração,

Leia mais

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GENERALI NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS Artigo 1º ÂMBITO 1. O presente Regulamento consagra

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004O0013 PT 22.12.2004 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 1 de Julho de 2004 relativa à prestação,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/6

CÓDIGO DE CONDUTA 1/6 1/6 DO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CAPÍTULO I Âmbito e Objectivo Artigo 1º Âmbito 1 - O presente Código de Conduta estipula o conjunto das regras de natureza

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/4 Serviços Prestados pela ABDP em Operações de Reporte

Regulamento da CMVM n.º 97/4 Serviços Prestados pela ABDP em Operações de Reporte Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/4 Serviços Prestados pela ABDP em Operações de Reporte Ao abrigo da alínea a) do n.º 1 do artigo 14º do Código

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A.

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Aprovada em Comissão Executiva a 24/06/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO ÍNDICE I. ÂMBITO... 3 II. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 1. OBJETIVOS

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP

REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP Artigo 1º (ÂMBITO) O JE é um organismo do ICAP, estatutariamente consagrado, independente, imparcial e isento e que tem como principal atribuição e competência a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

Capital Social (do qual se encontra realizado o montante de )

Capital Social (do qual se encontra realizado o montante de ) Identificação da empresa PARPÚBLICA - Participações Públicas (SGPS) S.A. Capital Social 2 000 000 000 (do qual se encontra realizado o montante de 986 686 031) Pessoa Colectiva nº 502 769 017 Matriculada

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Artigo 1.º - Objecto O presente regulamento fixa os princípios de actuação do Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas. Artigo 1º (Princípios)

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas. Artigo 1º (Princípios) REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas Artigo 1º (Princípios) 1 - O apoio jurídico a associados deve ser articulado com a prossecução

Leia mais

Companhia Siderúrgica Nacional

Companhia Siderúrgica Nacional Companhia Siderúrgica Nacional Companhia Aberta Sede: Rua São José nº 20 - Grupo 1602, Centro, Rio de Janeiro - RJ, Brasil ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas O regulamento que ora se publica resulta de mais de dois anos de aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 8/2000 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Mobiliários

Regulamento da CMVM n.º 8/2000 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Mobiliários Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 8/2000 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Mobiliários Com o presente regulamento adapta-se o regime

Leia mais

Artigo Primeiro Princípios de Actuação do Conselho de Administração

Artigo Primeiro Princípios de Actuação do Conselho de Administração REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, S.A. Considerando que: a) Na sequência da revisão ao Código das Sociedades Comerciais ( CSC ), em matéria de governo societário e reforço

Leia mais

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A.

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. Aprovado em 27 de Julho de 2017 1. Enquadramento A EDP Energias

Leia mais

ALER ASSOCIAÇÃO LUSÓFONA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS REGULAMENTO INTERNO

ALER ASSOCIAÇÃO LUSÓFONA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS REGULAMENTO INTERNO ALER ASSOCIAÇÃO LUSÓFONA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS REGULAMENTO INTERNO Lisboa, 15 de Dezembro de 2014 CAPÍTULO I VIGÊNCIA E ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO Artigo 1.º (Vigência) O presente Regulamento Interno

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A. Artigo 1.º Composição A sociedade é gerida por um Conselho de Administração composto por um número par ou impar de membros, no mínimo de três

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

Anexo Declaração de Cumprimento (nº. 1 do Artigo 4º da Norma nº 5/2010-R, de 1 de Abril, do Instituto de Seguros de Portugal)

Anexo Declaração de Cumprimento (nº. 1 do Artigo 4º da Norma nº 5/2010-R, de 1 de Abril, do Instituto de Seguros de Portugal) Anexo Declaração de (nº. 1 do Artigo 4º da Norma nº 5/2010-R, de 1 de Abril, do Instituto de Seguros de Portugal) Indicação discriminada das recomendações adoptadas e não adoptadas contidas na Circular

Leia mais

REGULAMENTO DA CMC n.º /16 REGISTO DOS RESPONSÁVEIS COM FUNÇÃO DE GESTÃO RELEVANTE

REGULAMENTO DA CMC n.º /16 REGISTO DOS RESPONSÁVEIS COM FUNÇÃO DE GESTÃO RELEVANTE REGULAMENTO DA CMC n.º /16 REGISTO DOS RESPONSÁVEIS COM FUNÇÃO DE GESTÃO RELEVANTE RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO A necessidade de se garantir uma gestão sã e prudente das instituições financeiras

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA

JUNTA DE FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIO A ENTIDADES E ORGANISMOS QUE PROSSIGAM NA FREGUESIA FINS DE INTERESSE PÚBLICO Nota Justificativa A prossecução do interesse público da freguesia, concretizada, também,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA (DELIBERAR SOBRE A ALIENAÇÃO DE ACÇÕES PRÓPRIAS A TRABALHADORES E MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE OU DE SOCIEDADES PARTICIPADAS,

Leia mais

POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA

POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA INDICE CONTROLO DE VERSÕES... 2 Histórico de Versões... 2 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGAL... 3 2. OBJETIVO... 3 3.

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS TOTVS S.A.

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS TOTVS S.A. POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA TOTVS S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da TOTVS S.A. realizada em 16 de Março de 2017 1 Política para Transações com Partes Relacionadas

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A.

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. CÓDIGO de CONDUTA CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. 1º - Objeto O presente Código de Conduta estabelece os principais deveres de atuação dos Colaboradores, dos membros dos Órgãos Sociais

Leia mais

CMVM. PROPOSTA DE TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA DAS OPA (Dir. 2004/25/CE, de 21/4)

CMVM. PROPOSTA DE TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA DAS OPA (Dir. 2004/25/CE, de 21/4) PROPOSTA DE TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA DAS OPA (Dir. 2004/25/CE, de 21/4) 1 Consulta pública: já realizada (arts. 9º e 11º) de 21/01 a 22/04/2005; a realizar: Objecto: proposta de articulado de transposição

Leia mais