Arquitetura de protocolos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de protocolos"

Transcrição

1 Arquitetura de protocolos Segue o modelo híbrido Usada pelos nós sensores e pelo nó sorvedouro Inclui planos de Gerenciamento de energia Como um nó sensor usa a sua energia Pode desligar o receptor após receber uma mensagem de um de seus vizinhos Evita o recebimento de mensagens duplicadas Faz somente sensoriamento se tem pouca energia Gerenciamento de mobilidade Onde o nó sensor está Conhecimento dos nós vizinhos Balanceamento de energia e de tarefa

2 Arquitetura de protocolos Inclui planos de (cont.) Gerenciamento de tarefa Como a distribuição da tarefa será feita entre os nós sensores (balanceamento e escalonamento de tarefa) Nem todos os sensores precisam realizar a tarefa ao mesmo tempo Função do nível de energia disponível Planos de gerenciamento ajudam os nós sensores a Coordenar a tarefa de sensoriamento Diminuir o consumo global de energia

3 Arquitetura de protocolos Arquitetura de protocolos (Fonte: Akyildiz)

4 Camada enlace Responsável por Multiplexação de fluxos de dados Detecção de quadros de dados Controle de acesso ao meio Modos de operação de economia de energia Controle de erros

5 Controle de acesso ao meio Dois objetivos Criação de uma infraestrutura de rede Compartilhamento justo e eficiente de recursos de comunicação entre nós sensores

6 Controle de acesso ao meio MAC de outras redes sem fio têm como objetivo Provisão de alta qualidade de serviço e eficiência de banda passante Celular Centralização na estação base Atribuição de recursos Estação base é continuamente alimentada e telefones podem ter suas baterias trocadas pelos usuários Questão de energia deixada de lado

7 Controle de acesso ao meio MAC de outras redes sem fio têm como objetivo (cont.) Provisão de alta qualidade de serviço sob condições de mobilidade Bluetooth Não há estação base Baterias podem ser trocadas pelo usuário Questão de energia de importância secundária

8 Controle de acesso ao meio Redes de sensores Número muito grande de nós Potência de transmissão e alcance bem menores Mudanças de topologia mais frequentes Mobilidade Falhas Bem menor do que nas redes ad hoc tradicionais Logo, os MACs do Bluetooth ou de outras redes ad hoc tradicionais não são voltados para redes de sensores

9 Modos de economia de energia Mais óbvio Desligar o transceptor quando não é necessário Porém para ativar o transceptor a energia gasta é grande Podem existir vários modos de operação dependentes do Número de estados do microprocessador, memória, conversor A/D e transceptor

10 Controle de erros ARQ Custo adicional de energia e de sobrecarga na retransmissão FEC Maior complexidade de decodificação Compensa se a energia gasta no processamento (codificação e decodificação) é menor do que o ganho na codificação

11 Camada física Responsável por Seleção de frequência Geração de portadora Detecção de sinal Modulação Criptografia Sugestão de uso da banda ISM na faixa de 915 MHz Industrial, Scientific, and Medical WINS MHz e 2,4 GHz

12 Tecnologias Duas opções próximas das redes de sensores Bluetooth IEEE

13 IEEE Muitas aplicações de controle e monitoramento para indústrias e domicílios Pedem um maior tempo de vida de bateria Usam menos banda passante Possuem uma menor complexidade Exemplos Medição de água ou gás Monitoramento de segurança Redes sem fio padrões não atendem esses requisitos

14 IEEE Em 2000, a ZigBee Alliance e o IEEE começaram o desenvolvimento de um novo padrão de redes pessoais sem fio Objetivo Criar um padrão com complexidade, custo e energia extremamente baixos Foco Em redes de sensores sem fio Aplicações onde Custo das soluções WPANs é muito alto Desempenho como de uma rede Bluetooth não é necessário

15 IEEE ZigBee Camadas rede a aplicação IEEE Camadas física e enlace

16 ZigBee Aliança formada por mais de 400 membros Motorola, Philips, Samsung, APC, Cisco, Crossbow, Dust Networks, EDF, LG, NEC, Epson, Texas Instruments e outros ZigBee Zig-zag das abelhas para indicar comida as outras abelhas Metáfora para a maneira como os dispositivos na rede se acham e se comunicam

17 ZigBee Objetivo Definir produtos de monitoramento e controle Confiáveis De baixo custo De baixo consumo Conectados sem fio à rede Baseados em um padrão aberto global

18 ZigBee Mercados iniciais Controle domiciliar Automação predial Automação industrial ZigBee 1.0 Dezembro de 2004

19 IEEE Para alcançar um pequeno consumo de energia Assume que a quantidade de dados a ser enviada é pequena Dados transmitidos com pequeno duty-cycle Estrutura do pacote com pequeno overhead

20 Arquitetura do IEEE Rede Ad Hoc Topologia depende da aplicação Estrela Pequena latência Malha (peer-to-peer) Maior cobertura Roteamento fora do escopo do padrão Tipos físicos de dispositivos Dispositivos de funcionalidade completa Dispositivos de funcionalidade reduzida

21 Dispositivos de funcionalidade completa Full Function Devices - FFDs Nós capazes de comunicação e roteamento Geralmente são alimentados através da rede elétrica Podem ser usados em qualquer topologia Podem virar o coordenador de rede Podem se comunicar com quaisquer tipos de dispositivos

22 Dispositivos de funcionalidade reduzida Reduced Function Devices - RFDs Nós simples que enviam e/ou recebem dados Implementação simples em termos de RAM e ROM Geralmente são alimentados com bateria Não podem se tornar o coordenador de rede Somente se comunicam com os FFDs Cada RFD só pode estar associado a um FFD por vez

23 Arquitetura do IEEE Tipos lógicos de dispositivos Coordenador Coordenador de rede Outros

24 Coordenador FFD Provê sincronização através do envio de quadros de sinalização (beacons) para Outros dispositivos Outros coordenadores

25 Coordenador de rede Único nó dentre os coordenadores Começa a rede Realiza outras tarefas Sincronização

26 Outros Nós comuns

27 Redes IEEE Tipos de redes IEEE (fonte: Callaway et al.)

28 Subcamada de acesso ao meio Usa endereço de 64 bits do IEEE ou endereço especial de 16 bits Endereço de 16 bits alocado pelo coordenador na associação Correção de erros ARQ (Automatic Repeat request) Retransmissão de quadros não reconhecidos Avaliação da condição dos canais disponíveis quando a banda passante é menor do que um determinado valor Troca-se pelo de menor energia

29 Subcamada de acesso ao meio Segurança Três níveis Sem mecanismo Listas de controle de acesso Criptografia através de chaves simétricas (AES-128) Métodos de acesso CSMA/CA quando não usa beacons Slotted CSMA/CA ou acesso sem disputa quando usa beacons Transmissão de dados Entre qualquer dispositivo e o coordenador Entre quaisquer dispositivos Só no caso de topologia em malha

30 Subcamada de acesso ao meio Tempos de acesso divididos em períodos de superquadros (uso de beacons) Com disputa Sem disputa

31 Superquadro Coordenador envia beacons em intervalos predeterminados Tempo entre dois beacons é dividido em 16 slots (valor padrão) Dispositivo pode transmitir a qualquer tempo durante um slot (acesso com disputa) Uso de Slotted CSMA/CA Slots sincronizados com beacon Mas deve terminar a sua transação antes do próximo beacon

32 Superquadro Existe também um acesso sem disputa Formado pelos Guaranteed Time Slots (GTSs) Ocorre antes de terminar o superquadro Tamanho do período livre de disputa depende da demanda Em cada beacon há indicação do começo do período livre de disputa e da duração do superquadro Usado por aplicações que necessitam de baixa latência ou banda garantida

33 Superquadro Pode ser dividido em Parte ativa Parte inativa Coordenador pode economizar energia ( dormir )

34 Subcamada de acesso ao meio Estrutura do superquadro

35 Quadro de dados Controle de quadro (2 octetos) Tipo do quadro Formato do campo de endereço Controla o uso do ACK Número de sequência (1 octeto) Endereço (4 a 20 octetos) Identificador da PAN destino (2 octetos) Endereço de destino (2 ou 8 octetos) Identificador da PAN fonte (2 octetos) Endereço de origem (2 ou 8 octetos) Quadro de dados do IEEE

36 Quadro de dados Cabeçalho auxiliar de segurança (0 a 14 octetos) Opcional Indica o nível de segurança a ser usado no quadro Dados Tamanho máximo da PSDU é de 127 octetos CRC (2 octetos) Quadro de dados do IEEE

37 Quadro ACK Controle de quadro (2 octetos) Número de sequência (1 octeto) Indica a qual quadro o reconhecimento se refere CRC (2 octetos) Quadro ACK do IEEE (adaptado de Callaway et al.)

38 Camada física Bandas que não necessitam de licença 868 MHz 915 MHz 2,4 GHz Transmissão de pelo menos 1 mw Alcance típico de 10 a 20 m (1 mw)

39 Bandas de 868 e 915 MHz Técnicas de transmissão DSSS (Direct Sequency Spread Spectrum) Separação por código Modulações BPSK ou O-QPSK (opcional) PSSS (Parallel Sequency Spread Spectrum) Modulação ASK

40 Banda de 868 MHz 3 canais Modulação BPSK 1 bit por símbolo 20 kbaud Taxa de 20 kbps Modulação O-QPSK 4 bits por símbolo 25 kbaud Taxa de 100 kbps Modulação ASK Taxa de 250 kbps

41 Banda de 915 MHz 30 canais Modulação BPSK 40 kbaud Taxa de 40 kbps Modulação O-QPSK 62,5 kbaud Taxa de 250 kbps Modulação ASK Taxa de 250 kbps

42 Banda de 2,4 GHz 16 canais Técnica de transmissão DSSS Modulação O-QPSK 62,5 kbaud Taxa de 250 kbps

43 IEEE a Publicada em agosto de 2007 Duas camadas físicas alternativas UWB (Ultra Wide Band) Frequências de 3 a 5 GHz, 6 a 10 GHz e menores que 1 GHz Taxas físicas de 851 kbps (obrigatória), 110 kbps, 6,81 Mbps e 27,24 Mbps CSS (Chirp Spread Spectrum) Frequência de 2450 MHz Taxas físicas de 1 Mbps e 250 kbps (opcional)

44 Produtos Vários produtos existem Diferentes meios de transmissão Diferentes tipos de sensores

45 Cots Dust Berkeley Vários tipos de nós sensores Controlador Sensores Temperatura Luz Umidade Pressão Outros Unidade de comunicação (transceptor) Rádio-frequência Laser Infravermelho

46 Cots Dust Arquitetura do nó sensor (Fonte: Berkeley)

47 Cots Dust Mini Mote (Fonte: Berkeley) RF 916,5 MHz Alcance de 20 m 10 kbps Sensor de temperatura

48 ZigBee Kit de desenvolvimento ZigBee (Fonte: CompXs) Par de rádios Par de placas-mãe

49 Bibliografia I. F. Akyildiz et al., A Survey on Sensor Networks, IEEE Communications Magazine, agosto de 2002 A. A. F. Loureiro et al., Redes de Sensores sem Fio, Minicurso do XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, E. Callaway et al., Home Networking with IEEE : A Developing Standard for Low-Rate Wireless Personal Area Networks, IEEE Communications Magazine, agosto de 2002

50 Bibliografia IEEE, Wireless Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) Specifications for Low-Rate Wireless Personal Area Networks (WPANs), IEEE Standard , setembro de 2006

ZigBee: arquitetura e aplicações

ZigBee: arquitetura e aplicações ZigBee: arquitetura e aplicações Prof. Felipe da Rocha Henriques Abril, 2011 CEFET/RJ UnED Petrópolis UnED Petrópolis Laboratório de Multimídia, Animação, Redes e Comunicações MARC Professores: Dalbert

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Objetivos. Ao término desta palestra você irá:

Objetivos. Ao término desta palestra você irá: Objetivos Ao término desta palestra você irá: Conhecer as especificações IEEE802.15.4 Conhecer o protocolo ZigBee Conhecer o protocolo MiWi Conhecer o módulo ZIGBEE Conhecer o Kit ZIGBEE Agenda IEEE 802.15.4

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Proposta de uma abordagem para analisar métricas de QoS em redes pessoais sem fios: WPANs

Proposta de uma abordagem para analisar métricas de QoS em redes pessoais sem fios: WPANs Proposta de uma abordagem para analisar métricas de QoS em redes pessoais sem fios: WPANs Henrique Parcianello Maurer, Carlos Oberdan Rolim Departamento de Engenharias e Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK Quadros Transmitido em taxa variável Dados Transmitidos em uma taxa básica RTS CTS ACK Quadro de dados Controle de quadro (2 octetos) Subdividido em 11 campos Versão (2 bits) Tipo (2 bits) Dados Controle

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

A Camada Física do Padrão IEEE 802.15.4

A Camada Física do Padrão IEEE 802.15.4 A Camada Física do Padrão IEEE 802.15.4 O padrão IEEE 802.15.4 apresenta uma arquitetura de comunicação estruturada em camadas. A figura abaixo ilustra a arquitetura de um dispositivo LR-WPAN baseado neste

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café

Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café César Augusto de Andrade Lima, Luís Augusto Mattos Mendes Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Faculdade

Leia mais

Protocolo MiWi (Tradução parcial)

Protocolo MiWi (Tradução parcial) Protocolo MiWi (Tradução parcial) INTRODUÇÃO Aplicações empregando redes sem fio são cada vez mais comuns. Existe uma grande expectativa de que dispositivos caseiros e/ou industriais possam se comunicar

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

A Subcamada MAC. Figura 1 - A Camada MAC

A Subcamada MAC. Figura 1 - A Camada MAC A Subcamada MAC Na arquitetura em camadas do padrão 802.15.4, a subcamada MAC provê uma entre interface entre a subcamada de convergência de serviços (SSCS - Service Specific Convergence Sublayer) e a

Leia mais

Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee

Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee Rafael Antônio Asatiany Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Faculdade Regional

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

ANALISADOR DE REDE MULTI-CANAL PADRÃO IEEE802.15.4

ANALISADOR DE REDE MULTI-CANAL PADRÃO IEEE802.15.4 ANALISADOR DE REDE MULTI-CANAL PADRÃO IEEE802.15.4 Rafael A. de Carvalhon¹, Vitor H. P. Cardoso¹, Renato F. Fernandes Jr. 1,2, André L. Dias 2, Guilherme S. Sestito 2, Dennis Brandão 2 1 Faculdade de Engenharia

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

SISTEMA DE AQUISIÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS USANDO O PADRÃO IEEE 802.15.4 DE REDES DE SENSORES SEM FIO

SISTEMA DE AQUISIÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS USANDO O PADRÃO IEEE 802.15.4 DE REDES DE SENSORES SEM FIO SISTEMA DE AQUISIÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS USANDO O PADRÃO IEEE 802.15.4 DE REDES DE SENSORES SEM FIO COSTA FILHO, Antonio Agripino da antonio.costa@ee.ufcg.edu.br NETO, J. M. R. de S. jose.neto@ee.ufcg.edu.br

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

REDES DE SENSORES SEM FIO

REDES DE SENSORES SEM FIO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ELETRÔNICOS DIGITAIS SANDRO NATALINO DEMETRIO

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Computação Móvel e Ubíqua Ciência da Computação Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues vagner@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~vagner/ Tecnologias de Redes

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis 1 Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

IEEE 802.11 a, b, g, n

IEEE 802.11 a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Bruno Dias Martins Rodolfo Machado Brandão Costa Rodrigo Leite de Queiroz Sumário 1. Introdução 4. Perguntas

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

A PROPOSAL FOR A MULTI-CHANNEL IEEE802.15.4 WIRELESS SENSOR NETWORK ANALYSER

A PROPOSAL FOR A MULTI-CHANNEL IEEE802.15.4 WIRELESS SENSOR NETWORK ANALYSER PROPOSTA DE UM ANALISADOR DE REDE SEM FIO MULTICANAL PADRÃO IEEE802.15.4 Rafael A. de Carvalho, Vitor H. Prado, Renato F. Fernandes, Josué S. de Morais Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que intervém prover o acesso lógico e físico para os dispositivos que compõem a malha da rede de acesso em um nível de enlaces

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Redes sem fio Redes Bluetooth. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

Redes sem fio Redes Bluetooth. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Redes sem fio Redes Bluetooth Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Bluetooth Bluetooth é uma marca registrada de propriedade do grupo denominado SIG O SIG (Special Industry Group) foi criado em 1988 por: Ericsson,

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA POS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA POS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA POS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Avaliação de Desempenho de uma Rede WirelessHART Por David John Freitas Fraga Dissertação de Mestrado RECIFE,

Leia mais

O QUE É ESTE TAL DO ZigBee?

O QUE É ESTE TAL DO ZigBee? O QUE É ESTE TAL DO ZigBee? - Publicado no UTC Journal 2008 Special Issue Smart Utilities Networks - Autor: George R. Stoll Presidente do Utility Telecom Consulting Group. Pode ser contactado no +1-303-840-2878

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br e interligação com redes cabeadas UNIP rffelix70@yahoo.com.br A comunicação portátil tornou-se uma expectativa em muitos países em todo o mundo. Existe portabilidade e mobilidade em tudo, desde teclados

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

REDES DE SENSORES SEM FIO EM MONITORAMENTO E CONTROLE. Sergio Torres dos Santos

REDES DE SENSORES SEM FIO EM MONITORAMENTO E CONTROLE. Sergio Torres dos Santos REDES DE SENSORES SEM FIO EM MONITORAMENTO E CONTROLE Sergio Torres dos Santos DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Otimização de posicionamento de nós roteadores em redes de comunicação sem fio, aplicadas em automação industrial

Otimização de posicionamento de nós roteadores em redes de comunicação sem fio, aplicadas em automação industrial 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Márcio Sebastião Costa Otimização de posicionamento

Leia mais

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias RESUMO RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias O proposto sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias utiliza a transmissão de sinais

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio

Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio Prof. Rafael Fernandes Lopes, D.Sc. Instituto Federal do Maranhão IFMA Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Ailton Akira Shinoda 1 1 Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Ilha Solteira, SP, shinoda@dee.feis.unesp.br

Leia mais

Módulos de Comunicação Wireless para Sensores

Módulos de Comunicação Wireless para Sensores Módulos de Comunicação Wireless para Sensores Identificação de características desejáveis Para uma adequada integração no ambiente industrial / de linha produtiva a que se destinam, os módulos de comunicação

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Capítulo 4. Subcamada de controle de acesso ao meio

Capítulo 4. Subcamada de controle de acesso ao meio slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall, 2011 Capítulo 4 Subcamada de

Leia mais

WPANs - Redes Pessoais sem fio Uma simulação de sensoriamento remoto para aplicações médicas

WPANs - Redes Pessoais sem fio Uma simulação de sensoriamento remoto para aplicações médicas WPANs - Redes Pessoais sem fio Uma simulação de sensoriamento remoto para aplicações médicas Eliezio Lacerda da Costa 1, Cássio D. B. Pinheiro 1 1 Universidade Federal do Pará (UFPA) Campus Universitário

Leia mais

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Modelo de referência OSI

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Modelo de referência OSI ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Modelo de referência OSI Material elaborado pelo Prof. Bernardo Ordoñez Adaptado por: Eduardo Simas (eduardo.simas@uia.br) DEE Departamento de Engenharia Elétrica Escola Politécnica

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais