QUESTÕES SIMULADO (INTERNET) 1) Segundo a doutrina e a legislação referente aos meios de prova, analise as assertivas abaixo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTÕES SIMULADO (INTERNET) 1) Segundo a doutrina e a legislação referente aos meios de prova, analise as assertivas abaixo:"

Transcrição

1 QUESTÕES SIMULADO (INTERNET) 1) Segundo a doutrina e a legislação referente aos meios de prova, analise as assertivas abaixo: I - As provas podem ser: (a) direta: é a que demonstra a existência do próprio fato narrado nos autos. (b) Indireta: é aquela que evidencia um outro fato, do qual, por raciocínio lógico se chega à uma conclusão a respeito dos fatos que constam nos autos. II - A legislação brasileira não adotou o sistema da convicção íntima do juiz, exceto no Tribunal do Juri, assim também, não foi acolhido o sistema da prova legal ou tarifada, por haver cálculo das provas produzidas. III - As reproduções fotográficas, cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte, contra quem forem exibidos, não lhes impugnar a exatidão. IV - Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados no Código de Processo Civil, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se funda a ação ou a defesa. Estão corretas apenas: (A) Todas as assertivas estão incorretas. (B) Somente a assertiva I. (C) As assertivas I e II. (D) As assertivas II e III. (E) Todas as assertivas estão corretas. X 2) Assinale a alternativa em que não cita corretamente os meios de prova em âmbito eletrônico: (A) Perícia eletrônica; interrogatório do réu preso por videoconferência. (B) X Documentos eletrônicos, tais como, contratos eletrônicos, s, textos disponibilizados na Internet, vídeos; perícia eletrônica; interrogatório do réu preso e oitiva de testemunha por videoconferência. (C) Documentos eletrônicos, tais como, contratos eletrônicos, s, textos disponibilizados na Internet, vídeos, inclusive a procuração eletrônica e, a perícia eletrônica. (D) A Assinatura digital e a certificação digital (ICP-Brasil) permitem a integridade e a autenticidade (identificação segura e inequívoca do autor) de uma mensagem ou transação feita em meios eletrônicos, equiparando-os aos documentos físicos. 3) Segundo a doutrina e a legislação referente aos meios de prova, no que se refere à prova pericial, analise as assertivas abaixo: I - A computação forense é um ramo da perícia voltado para o estudo e avaliação de situações que utilizam a computação como meio para se cometer ilícitos, o que envolve a preservação, identificação, análise e a estruturação de evidências armazenadas em computadores. II - Muitos desses dados são extremamente voláteis, ou seja, são facilmente perdidos; os métodos de exame não são únicos e não há padronização nas técnicas de coleta, que devem ser selecionadas pelo perito caso a caso face à variedade de sistemas, programas e ações ilícitas. 1

2 III - O perito não está adstrito ao mandado, dependendo do caso em concreto ele poderá solicitar aos órgãos públicos ou entes privados qualquer tipo de bem ou documento que venha elucidar a perícia. O trabalho do perito termina com a elaboração do laudo pericial, elaborando a conclusão lógica para que possa ser comprovado o fato em análise. Estão corretas apenas: (A) Todas as assertivas estão incorretas. (B) Somente a assertiva I. (C) As assertivas I e II. X (D) As assertivas II e III. (E) Todas as assertivas estão corretas. 4) O Código Civil no artigo 212 e, o Código de Processo Civil, a partir da Seção II (art. 342 e segs.), inserem um rol de provas específicas. Assinale a assertiva INCORRETA. (A) O fato jurídico pode ser provado mediante documentos e perícia. (B) O fato jurídico pode ser provado mediante presunção. (C) O fato jurídico pode ser provado mediante confissão e testemunha. (D) O rol legal é exemplificativo. (E) O rol legal é taxativo. X 5) Explique qual o procedimento para elaboração e assinatura de uma procuração eletrônica. A Procuração Eletrônica pode ser utilizada para todos os fins judiciais e extrajudiciais que requeiram uma procuração particular, é uma solução aplicável a todos os tipos de empresas, públicas ou privadas, de todos os setores da economia, que emitam ou recebam procurações. Escritórios de contabilidade, advogados, instituições financeiras, entidades de classe podem criar os seus próprios modelos e utilizá-los para a criação de procurações eletrônicas em que seus clientes outorguem poderes, nomeando-os como procurador. Uma vez criada a Procuração Eletrônica, o profissional assina com o certificado digital próprio e envia para o cliente que receberá uma mensagem informando da sua existência e instruindo-os à assinatura, que será feita também pelos clientes com o Certificado Digital ICP-Brasil. Lembrando, outorgante e outorgado - ambos - devem possuir o certificado digital ICP-BR. 6) Explique a força probante dos documentos eletrônicos, sem assinatura (ex.: s) e com assinatura (ex.: contratos). Diante das novas tecnologias, um , um texto eletrônico, uma foto, vídeo ou contratos, são meios de provas: CC. Art As reproduções fotográficas, cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte, contra quem forem exibidos, não lhes impugnar a exatidão. CPC. Art Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se funda a ação ou a defesa. 2

3 Art Fazem a mesma prova que os originais: IV - as cópias reprográficas de peças do próprio processo judicial declaradas autênticas pelo próprio advogado sob sua responsabilidade pessoal, se não lhes for impugnada a autenticidade. VI - as reproduções digitalizadas de qualquer documento, público ou particular, quando juntados aos autos pelos órgãos da Justiça e seus auxiliares, pelo Ministério Público e seus auxiliares, pelas procuradorias, pelas repartições públicas em geral e por advogados públicos ou privados, ressalvada a alegação motivada e fundamentada de adulteração antes ou durante o processo de digitalização. 1 o Os originais dos documentos digitalizados, mencionados no inciso VI do caput deste artigo, deverão ser preservados pelo seu detentor até o final do prazo para interposição de ação rescisória. 2 o Tratando-se de cópia digital de título executivo extrajudicial ou outro documento relevante à instrução do processo, o juiz poderá determinar o seu depósito em cartório ou secretaria. Obs.: textos digitais que são facilmente alteráveis sem deixar vestígio e sem assinatura, ex.: s, são considerados indícios de prova, devem haver outras provas que demonstrem o mesmo fato. Além disso, o sistema brasileiro é o do livre convencimento motivado do juiz, o juiz é o destinatário das provas, ele que vai analisá-las e irá fundamentar sua decisão. 7) A Constituição Federal garante no artigo 5º, X. "são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação", está correta a assertiva: (A) Pode-se dizer que intimidade e privacidade são palavras sinônimas e, portanto a Constituição confere igualmente proteção. (B)X A intimidade significa a esfera mais íntima, mais subjetiva e mais profunda do ser humano, com as suas concepções pessoais, seus gostos, seus problemas, etc. A privacidade é uma forma de externar essa intimidade, que acontece em lugares onde a pessoa esteja ou se sinta protegida da interferência de estranhos, como a casa onde reside. (C) A intimidade significa uma forma de externar a privacidade, que acontece em lugares onde a pessoa esteja ou se sinta protegida da interferência de estranhos, como a casa onde reside. A privacidade é a esfera mais íntima, mais subjetiva e mais profunda do ser humano, com as suas concepções pessoais, seus gostos, seus problemas, etc. (D) Há dois aspectos: um voltado para o exterior, em que a vida interior se debruça sobre a mesma pessoa, sobre os membros de sua família, sobre seus amigos, é a que integra o conceito de vida privada; outro para o interior, que envolve a pessoa nas relações sociais e nas atividades públicas, pode ser objeto da pesquisas e das divulgações de terceiros, porque é pública. 8) Gilmar F. Mendes, em sua obra Curso de Direito Constitucional, aborda o entendimento do escritor americano William Prosser, que sustenta a existência de quatro meios básicos de afrontar a privacidade: I - Intromissão na reclusão ou na solidão do indivíduo. II - Exposição pública de fatos privados. III - Exposição do indivíduo a uma falsa percepção do público (false light), que ocorre quando a pessoa é retratada de modo inexato ou censurável. IV - Apropriação do nome e da imagem da pessoa, sobretudo para fins comerciais. 3

4 Estão CORRETOS apenas (A) I, II e IV (B) III e IV (C) X - I, II, III e IV (D) II, III e IV 9) O direito à privacidade e intimidade devem ser compreendidos como direitos fundamentais do indivíduo. Está INCORRETA a assertiva: (A) Qualquer pessoa que se sentir ofendida com alguma publicação indevida de sua imagem, escritos ofensivos a honra, invasão de privacidade, intimidade na rede, sem a sua autorização, pode entrar em juízo e cobrar indenização por danos materiais e morais. (B) Não poderá ser revelado sem permissão a imagem, voz, nome, pensamentos e dados pessoais, qualquer reflexo da personalidade humana. (C) Salvo se autorizadas, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a boa fama ou a respeitabilidade, ou se destinarem a fins comerciais. (art. 20 CC) (D) Não poderá ocorrer violação por intromissão física, como ocorre com a invasão de domicílio, ou por invasão virtual, como ocorre com a captura de imagem e voz ou pelas modernas invasões proporcionadas pelos meios de informática. (E) X O direito à privacidade é assegurado também em meio eletrônico, nesse caso a privacidade e a intimidade das pessoas são mitigadas, na ponderação de valores, o direito à informação tem maior relevância ao interesse social, pois a Internet é um ambiente em que não há a garantia do direito à dignidade da pessoa humana. 10) A Constituição Federal no inciso X, do artigo 5º, garante a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas. analise as assertivas: I - A privacidade ganha caráter de proteção da pessoa humana tanto no aspecto indutor da cidadania, da atividade política em sentido amplo e dos direitos de liberdade de uma forma geral, sendo um dos pressupostos de uma sociedade democrática moderna. II - A inviolabilidade garantida pela CF consiste na faculdade que tem cada indivíduo de obstar a intromissão de estranhos na sua vida privada e familiar, assim como impedir-lhes o acesso a informações sobre a privacidade de cada um. III - Assegura ao homem um mínimo de direitos que devem ser respeitados pela sociedade e pelo Poder Público de forma a preservar a valorização humana, a vida e dignidade devem caminhar juntos. Estão CORRETOS apenas (A) I, II e III. X (B) II e III. (C) I e II. (D) I e III. (E) Nenhuma das alternativas. 4

5 11) A Constituição Federal no inciso XII, do artigo 5º, garante a inviolabilidade do sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal. Está INCORRETA a assertiva: (A) A jurisprudência entende que no caso de corporativo de empregado, a empresa tem direito de fiscalizar seu conteúdo, tendo em vista as mensagens serem de cunho profissional relativo ao exercício do trabalho, havendo intimidade ou privacidade a serem preservadas, além do que, a propriedade da máquina e o acesso à Internet são de propriedade do empregador, sendo que deve ser preservada a imagem da empresa. (B) X Essas garantias são absolutas, sua violação acarreta danos morais e materiais. (C) A má utilização pelo empregado, do acesso à Internet e da utilização do corporativo, poderá causar responsabilização da empresa, além de ser caracterizada desídia, possibilitando a dispensa por justa causa. (D) Não há violação do sigilo de correspondência ou do direito de intimidade ou privacidade, no caso da empresa verificar os s corporativos enviados e recebidos pelos seus empregados, visto que as mensagens são de cunho profissional relacionado com a empresa. 12) O artigo 21 do Código Civil determina que: A vida privada da pessoa natural é inviolável, e o juiz, a requerimento do interessado, adotará as providências necessárias para impedir ou fazer cessar ato contrário a esta norma. I - O Brasil tem um milhão de câmeras de segurança espalhadas pelas ruas, monitorando os passos de milhões de pessoas e, portanto está infringindo as garantias constitucionais que asseguram o direito à privacidade e intimidade. II - Através da rede mundial de computadores as ameaças ao direito à privacidade foram modernizadas, isto porque, a maior parte de seus usuários desconhece os meios pelos quais as informações pessoais são coletadas e o sistema dos cookies. III - Informações divulgadas por blogs ou sites de relacionamento que se referem a ela mesma não há violação ao direito à privacidade, intimidade ou honra, mas se a informação divulgada tratar-se de terceiros, depende de seu conteúdo, poderá haver violação no caso de exposição da pessoa, de parcela da sua intimidade ou privacidade ou de forma vexatória, por meio de palavras, sons ou imagens, caberá o dever de indenizar pelo dano material ou moral decorrente dessa violação. IV - Pessoas públicas (celebridades, políticos, etc.) têm o direito à privacidade de forma mitigada, ou seja, podem ser fotografadas em locais públicos e se tornarem notícia, mas há limites, não pode um paparazzo pular o muro da residência de um famoso, e fotografar horas de privacidade ou intimidade (através de vidros de janela, p. ex.) para estampar em uma revista ou jornal (virtual ou físico). V Se o consumidor quiser adquirir um bem pela Internet, deverá fornecer seus dados em formulários, inclusive dados sensíveis (números de documentos pessoais), portanto é mitigado o direito à privacidade. Estão CORRETOS apenas (A) I, II e IV 5

6 (B) III e IV (C) II, III, IV e V (D) X - II, III e IV Local público24 setembro 2009 Câmeras de segurança não invadem a privacidade Câmeras de vídeo auxiliam na segurança pública e não ofendem a dignidade da pessoa humana e o direito à intimidade e privacidade. Esse foi o dispositivo usado pelo juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública, Fernando Carlos Tomasi Diniz, ao julgar improcedente ação movida contra o município de Porto Alegre e o Estado, pela ONG Somos Comunicação Saúde e Sexualidade. A ONG reclamou da instalação de câmeras de vídeo em espaços públicos da capital. A captação por uma filmadora da imagem de uma pessoa em local público não fere sua dignidade. O que é indigno é ser agredido gratuitamente na rua, declarou o juiz. Tomasi Diniz ressaltou que quem está num ambiente público deve ter um comportamento compatível com a vida em grupo, o que não pode ser motivo de vergonha para ninguém. A restrição da intimidade já ocorre pelo simples fato das pessoas estarem em local público, e não pelas imagens que a câmera possa captar nestes locais, completou na sentença. O juiz entendeu, ainda, que ao recorrer por meio da Procuradoria-Geral do Município, o legislador está evitando, ao utilizar o sistema de câmeras de vídeo, que pessoas sejam molestadas, assaltadas por delinqüentes, sentindo-se impotente. Isso, sim, afronta a dignidade da pessoa humana conclui Diniz. Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Porto Alegre. Processo ) Segundo Montesquieu: Liberdade sem limite não é liberdade, é anarquia". "A liberdade é o direito de fazer tudo o que a lei permite; e se um cidadão pudesse fazer o que elas proíbem, não haveria mais liberdade, porque os outros teriam o mesmo poder. Assinale a assertiva CORRETA. (A) O 1º do artigo 220 da CF contraria o pensamento de Montesquieu: Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV. (B) x Esse pensamento está em consonância com o artigo 220 da CF: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição. (C) A liberdade de manifestação do pensamento tem maior alcance pela internet, pois qualquer pessoa poderá divulgar seu pensamento para uma infinidade de pessoas, sem censura prévia, vale dizer que não há limites para seu exercício, sendo absoluto. (D) A imprensa tem o dever de informar, segundo o artigo 5º, XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte quando necessário ao exercício profissional. Portanto, não gera responsabilidade a divulgação de informação inverídica, pois não há necessidade de checar se a fonte diz a verdade, visto a garantia do sigilo da fonte. 6

7 14) Segundo a legalidade da coleta de informações pelos cookies, no que se refere à tutela dos direitos da personalidade na Internet. Assinale a assertiva INCORRETA. (A) Os cookies são pequenos arquivos de dados que são enviados pelo servidor de um site diretamente para o disco rígido do computador do usuário, uma vez instalado, servirá de repositório de informações do usuário, tais como hábitos de navegação. (B) x Os cookies são arquivos enviados por para rastrear os dados pessoais do internauta, ou enviar publicidade. (C) Os cookies têm uma função importante de facilitar a navegação da Internet, permite uma navegação personalizada e não representa originariamente uma tecnologia desenvolvida para fins exclusivos de invadir ilicitamente a privacidade dos usuários da rede. (D) Para analisar a legalidade dos cookies com relação a violação da privacidade do internauta deverá ser verificado três momentos distintos da utilização dos cookies: coleta; o armazenamento e a utilização dos dados pessoais. 15) Com relação ao spam não se pode dizer que: (A) Spans são s enviados em massa, indesejados ou não solicitados, poderão até mesmo causar prejuízos, como no caso de lotar a caixa postal de uma empresa impedindo o recebimento de s importantes, tais como contratos, decisões de negócios, além do tempo perdido apagando esses s. (B) O spam pode assumir uma característica não comercial, um exemplo é a mensagem enviada para o e- mail do usuário com o intuito difundir e instalar, na sua máquina, vírus, trojans, spyware, etc. (C) A jurisprudência dos tribunais brasileiros tem entendido que o spam não gera indenização por dano moral, pois há a possibilidade do usuário adicionar filtros contra mensagens indesejadas, e a situação caracteriza mero dissabor, não bastando para configurar o dano moral. (D) X O Código de Autorregulamentação para a Prática de Marketing foi elaborado pelo Comitê Gestor da Internet do Brasil e por Associações Civis, tais como Fecomércio-SP, esse Código aplica-se amplamente, pois é lei em abstrato. (E) Os infratores das regras do Código de Autorregulamentação estão sujeitos às seguintes ações do Conselho de Ética: Advertência; recomendação de bloqueio do Domínio do Remetente, divulgação da decisão face ao não acatamento das medidas impostas. 16) Segundo a notícia publicada na Folha de São Paulo em 02/09/2003, o TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região (São Paulo) condenou o empresário Ricardo Mansur a três anos de reclusão em regime aberto pelo envio de spam difamatório contra o Bradesco, configurando crime contra o sistema financeiro nacional, artigo 3º da lei 7.492/86. Assinale a assertiva INCORRETA. (A) O ex-controlador do Mappin, Ricardo Mansur, foi o autor de um spam, envio de não solicitado para vários usuários, anônimo, alertando o mercado brasileiro de que o banco Bradesco passava por séria crise financeira e poderia falir. Esse spam era um hoax (notícia falsa, inverídica, boatos) e causou prejuízos ao Banco e ao sistema financeiro, devendo responder pela conduta danosa. (B) Os peritos em informática descobriram o número do IP da máquina em que havia sido enviado o spam, anônimo, as mensagens estavam partindo de Londres, de um cybercafé (computador público colocado em 7

8 cafés), dificultando as investigações que envolveram as polícias de Londres e dos Estados Unidos, pois as mensagens anônimas partiam de uma conta do provedor de endereços eletrônicos gratuito norteamericano hotmail. (C) Apenas com autorização judicial foi possível a quebra do sigilo da conta de correio eletrônico de Mansur nos Estados Unidos, possibilitou a apreensão dos quatro computadores, e ainda, a polícia grampeou por 15 dias, com ordem judicial, o particular de Mansur para checar suas mensagens. Conforme Lei 9.296/96 (Interceptação Telefônica), artigo 1º, Parágrafo único: o disposto nesta Lei aplica-se à interceptação do fluxo de comunicações em sistemas de informática e telemática. (D) O art. 3º da lei 7.492/86 tipifica a divulgação de informação falsa ou prejudicialmente incompleta sobre instituição financeira tem pena de reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa. (E) X Mansur não poderia ter tido seus dados violados, tendo em vista garantias asseguradas na Constituição (direito de privacidade e intimidade), sendo que ainda não há legislação específica sobre o spam, portanto nunca poderia ter sido condenado a crime e a pagamento de multa. 17) O Código de Autorregulamentação para a Prática de Marketing define alguns termos para que o envio de s marketings seja lícito. Segundo o Código, explique os termos: opt-in; soft-opt-in e opt-on. opt-in: é a permissão prévia concedida pelo Destinatário e comprovável pelo Remetente, autorizando o envio de Marketing por um determinado Remetente. Autorização expressa. Opt-out: forma disponibilizada e informada na mensagem de Marketing para que o destinatário exerça o descadastramento da respectiva Base de Destinatários. Soft-Opt-in envio de mensagens sem Opt-in, porém sempre a partir da prévia e comprovável relação comercial ou social entre o Remetente e o Destinatário. 18) O Marco Civil Regulatório disciplina os princípios para o uso da Internet no Brasil, no que se refere à preservação e garantia da neutralidade de rede (art. 3º). Analise as assertivas abaixo: I - O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação. II - Devem ser tratadas isonomicamente todas as informações que trafegam na rede, garantindo a velocidade de conexão e o acesso a qualquer tipo de informação na rede, não podendo diferenciar pacotes de conexão. III - A discriminação ou degradação do tráfego será regulamentada nos termos das atribuições privativas do Presidente da República ouvidos o Comitê Gestor da Internet e a Agência Nacional de Telecomunicações, e somente poderá decorrer de: (i) requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações; e (ii) priorização de serviços de emergência. Estão corretas apenas: (A) Todas as assertivas estão incorretas. (B) Somente a assertiva I. (C) A assertiva I e II. 8

9 (D) A assertiva II e III. (E) Todas as assertivas estão corretas. X 19) Segundo o Marco Civil Regulatório, na hipótese de discriminação ou degradação do tráfego, regulamentada pelo Presidente da República, nos termos da lei, o responsável pela transmissão ou roteamento deve? Assinale a alternativa INCORRETA. (A) abster-se de causar dano aos usuários. (B) agir com proporcionalidade, transparência e isonomia. (C) oferecer serviços em condições comerciais não discriminatórias e abster-se de praticar condutas anticoncorrenciais. (D) informar previamente de modo transparente, claro e suficientemente descritivo aos seus usuários sobre as práticas de gerenciamento e mitigação de tráfego adotadas, inclusive as relacionadas à segurança da rede. (E) bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado os dispositivos do Marco. X Art. 9 o - 3 o Na provisão de conexão à internet, onerosa ou gratuita, bem como na transmissão, comutação ou roteamento, é vedado bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado o disposto neste artigo. 20) O Marco Regulatório Civil estabelece a guarda de logs pelos provedores de conexão e de acesso a aplicações de Internet. Julgue as assertivas abaixo. I - Na provisão de conexão à internet, cabe ao administrador de sistema autônomo respectivo o dever de manter os registros de conexão, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de 1 (um) ano. II - A responsabilidade pela manutenção dos registros de conexão não poderá ser transferida a terceiros. A disponibilização ao requerente dos registros de que trata este artigo deverá ser precedida de autorização judicial. III - O provedor de aplicações de internet deverá manter os respectivos registros de acesso a aplicações de Internet, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de 6 (seis) meses. A disponibilização ao requerente deverá ser precedida de autorização judicial. Estão corretas apenas: (A) Todas as assertivas estão incorretas. (B) Somente a assertiva I. (C) A assertiva I e II. (D) A assertiva II e III. (E) Todas as assertivas estão corretas. X 21) Explique os níveis da licença Creative Commons. a) Um nível para leigos, passível de entendimento para quem não tem formação jurídica, explica no que consiste a licença e quais os direitos que o autor está concedendo. 9

10 b) um nível jurídico, em que a redação da licença se utiliza de termos jurídicos, tornando-a válida perante um determinado ordenamento jurídico; c) um nível técnico, em que a licença é transcrita em linguagem de computador, permitindo que as obras sob ela autorizadas no formato digital sejam digitalmente marcadas com os termos da licença, e permitindo que um computador identifique os termos de utilização para os quais uma determinada obra foi autorizada. O autor da obra escolhe qual tipo de direito irá autorizar, e preenche os três níveis da licença. 22) São tipos de licenças Creative Commons havendo ainda a possibilidade de fazer combinações das licenças. Assinale a assertiva incorreta. (A) Atribuição (BY): a obra poderá ser usada livremente sem nenhuma restrição, necessitando apenas de dar crédito ao autor. O autor poderá determinar como quer o crédito, podendo ser um link, uma breve descrição do autor, etc. (B) Uso Não comercial (NC): a obra precisa ter atribuição (BY) e não poderá ser usada para fins comerciais. (C) Não a obras derivadas (ND): a obra precisa ter atribuição (BY) e não poderá ser usada para criar obras derivadas, como a mixagem de uma música, ou fazer complementações em um texto. (D)X Compartilhamento pela mesma licença (SA): diz respeito as obras derivadas impedindo sua disponibilização por qualquer licença. 10

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Dep. Federal Alessandro Molon (PT-RJ) Relator do PL 2.126/2011 VI Seminário Telcomp São Paulo, 25 de setembro de 2013 + amplamente debatido 2.300 contribuições consultas públicas 6 audiências e seminários

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet Oficina sobre Governança da Internet e o Marco Civil da Internet GETEL/UnB Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 Marco Civil da Internet Marcus A. Martins Consultor Legislativo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014 Altera a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais;

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais; 1 TEXTO ORIGINAL PROPOSTA DO RELATOR Projeto de Lei 2.126 de 2011 Substitutivo ao Projeto de Lei 2.126 de 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Depois de 15 anos o marco civil da internet está prestes a sair mas ainda causa polêmica. Um dos aspectos mais relevantes é o do livre acesso (ou não). O Congresso Nacional deve

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede A) Questões chave levantadas: (Relato concatenado das discussões dos dias 13 e 14.) Busca de um ambiente legal e regulatório

Leia mais

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014.

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Marco Civil da Internet Herói ou vilão?

Marco Civil da Internet Herói ou vilão? II Workshop de Tecnologia de Redes do Ponto de Presença da RNP no Paraná Marco Civil da Internet Herói ou vilão? Curitiba - PR, 18 de setembro 2015 Apresentação: Omar Kaminski http://marcocivildadepressao.tumblr.com

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: 1 SUBEMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL ÀS EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET 14 de agosto de 2015 Flávia Lefèvre Guimarães Representante do 3º Setor no CGI.br

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET Constituição da Internet Brasileira MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil Instituto Coaliza Educação

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo Registro: 2015.0000401535 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2062435-54.2015.8.26.0000, da Comarca de Olímpia, em que é agravante

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Ecosistema Agenda Breve histórico sobre Direito Digital. O Marco Civil e as pessoas de TI:

Leia mais

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra REVISTA DIGITALKS. ano 01. número 02 um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra #Content marketing 11 passos

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

O Marco Civil da Internet no Brasil

O Marco Civil da Internet no Brasil Câmara dos Deputados Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Reunião ordinária Brasília, 27 de abril de 2010 Luiz COSTA O Marco Civil da Internet no Brasil Introdução Objetivo do Anteprojeto

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL

MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Corregedor-Geral da Advocacia da União Professor da Universidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182.

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0102487-25.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Espécies de Contratos Requerente: Valdirene Aparecida de Marchiori Requerido: Google Brasil Internet Ltda

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Os alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO:

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: www.condominio-on-line.com Email: * CPF / CNPJ: * Nome: * Apelido: Morador: Proprietário [ ] Inquilino [ ] * Complemento: * Tel. Celular: (Visão - Síndico) Tel. Residencial:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO SE Ç Ã O I V R E V ISA D A

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO SE Ç Ã O I V R E V ISA D A M INU T A D E A N T EPR OJE T O D E L E I PA R A D E B A T E C O L A B O R A T I V O SE Ç Ã O I V R E V ISA D A Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça Esplanada dos Ministérios, Edifício

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - o reconhecimento da escala mundial da rede;

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - o reconhecimento da escala mundial da rede; PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) Torna mais rigorosa a punição dos crimes contra a honra cometidos mediantes disponibilização de conteúdo na internet ou que ensejarem

Leia mais

Respostas do Grupo 4:

Respostas do Grupo 4: Respostas do Grupo 4: Resposta ao Grupo 1: Questão: É possível a garantia de neutralidade de redes ser concretizada para além da obrigatoriedade da interconexão,regulamentada, nos termos do artigo 146

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

Com sede na Rua Conselheiro João Alfredo, 102B Mooca São Paulo/SP CEP: 03106-060

Com sede na Rua Conselheiro João Alfredo, 102B Mooca São Paulo/SP CEP: 03106-060 Política de Privacidade da Babyou A Política de Privacidade da Babyou foi elaborada para reafirmar nosso compromisso com a privacidade e a segurança das informações que coletamos de nossos clientes e internautas.

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Dep. Federal Alessandro Molon (PT-RJ) Relator do PL 2.126/2011 + amplamente debatido 2.300 contribuições consultas públicas 7 audiências e seminários 4 regiões do país 62 palestrantes e-democracia xx

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A Política de Privacidade da SOS EMPRESARIAL foi elaborada para reafirmar nosso compromisso com a privacidade e a segurança das informações que coletamos de nossos clientes e usuários.

Leia mais

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda.

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS DE USO Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS E USOS: Estes Termos e Usos (doravante denominados Termos e Usos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) Este Contrato disciplina os termos e condições mediante as quais o Liceu Braz Cubas com sede em

Leia mais

TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR

TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR ATENÇÃO: LEIA ATENTAMENTE OS TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DESTE SITE PARA ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR (TERMOS DE USO). O PRESENTE TERMO DE USO IMPORTARÁ

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica?

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica? Universidade de Brasília UnB Faculdade de Direito Direito Administrativo 3 Turno: Noturno Grupo 3: Eliane Regis de Abreu 10/0099475 Isabel Rocha 10/0105432 Luisa Mendes Lara 10/0112781 Matheus Coelho 10/0115829

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. PROJETO DE LEI N o 757, DE 2003 (Apensados PL nº 2.766/03 e PL nº 6.

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. PROJETO DE LEI N o 757, DE 2003 (Apensados PL nº 2.766/03 e PL nº 6. COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 757, DE 2003 (Apensados PL nº 2.766/03 e PL nº 6.593/06) Proíbe as prestadoras dos serviços móvel celular e móvel pessoal

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio)

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) *C0050960A* C0050960A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) Dispõe sobre a utilização de sistemas de verificação biométrica e dá outras providências. DESPACHO: ÀS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99923000171201317 Assunto: PARECER Recurso contra decisão ao pedido de acesso à informação requerido à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT Senhor Ministro de Estado Chefe da,

Leia mais

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades!

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Esta política reflete os valores e a cultura do CLICK OPORTUNIDADES no relacionamento com as empresas, os alunos e os ex-alunos do SENAC RJ.

Leia mais

Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação

Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação 109 Conflitos entre o Direito à Intimidade e à Vida Privada e o Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação Juliana Grillo El-Jaick 1 Com o advento da Constituição da República de 1988

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

www.opiceblum.com.br

www.opiceblum.com.br www.opiceblum.com.br Aspectos legais da eliminação de papel: ambiente assistencial e administrativo Caio César Carvalho Lima caio@opiceblum.com.br Caio César Carvalho Lima Advogado Associado do Opice Blum,

Leia mais

PORTARIA N. TC-0614/2011

PORTARIA N. TC-0614/2011 PORTARIA N. TC-0614/2011 Dispõe sobre a política de segurança e utilização dos recursos de tecnologia da informação e política de governança do sítio e intranet do Tribunal de Contas do Estado de Santa

Leia mais

FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE.

FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE. FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE. Notificação Esse website é operado pela/para Sony Pictures Entertainment

Leia mais

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Lei Nº 9.609 CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS DE AUTOR E DO REGISTRO Art. 2º O regime de proteção à propriedade intelectual de programa de computador é o conferido às obras literárias pela legislação

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos Coordenação Geral de Polícia Fazendária Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado

Leia mais

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008.

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008. O Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer diretrizes e padrões para garantir um ambiente tecnológico controlado

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE AUTENTICAÇÃO DO SPEEDY GRÁTIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE AUTENTICAÇÃO DO SPEEDY GRÁTIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE AUTENTICAÇÃO DO SPEEDY GRÁTIS O presente instrumento disciplina os termos e condições mediante os quais o PROVEDOR BCMG Internet Ltda, regularmente inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais