Delegados Técnicos. Seminário de Árbitros Évora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Delegados Técnicos. Seminário de Árbitros 2014 - Évora"

Transcrição

1 Delegados Técnicos Seminário de Árbitros Évora

2

3 Regra 112 Delegados Técnicos! Os Delegados Técnicos, juntamente com o Comite Organizador, a quem providenciarão todo o auxílio necessário, serão responsáveis pela garantia de que todos os preparativos técnicos são feitos em completa conformidade com as Regras Técnicas da IAAF e com o Manual de Instalações de Atletismo da IAAF.! Os Delegados Técnicos submeterão relatórios escritos, quando necessário, relativamente à fase preparatória da competição, e deverão cooperar com o(s) Delegado(s) da Organização.

4 Regra 112 Delegados Técnicos! Adicionalmente, os Delegados Técnicos deverão:! a) Submeter à entidade competente propostas sobre o horário das provas e mínimos de participação.! b) Determinar a lista de engenhos que serão utilizados e se os atletas podem utilizar engenhos pessoais ou fornecidos por outras marcas.! c) Assegurar que os Regulamentos Técnicos serão enviados a todas as Federações Membros participantes com a necessária antecedência em relação à data da competição.

5 Regra 112 Delegados Técnicos! d) Ser responsáveis por todas as restantes preparações técnicas necessárias à realização da competição.! e) Controlar as inscrições e ter o poder de as rejeitar por motivos técnicos ou de acordo com a Regra (Rejeições por outros motivos que não técnicos devem resultar de uma decisão do Conselho da IAAF ou da relevante Associação de Área).! f) Determinar as marcas de qualificação nos concursos, assim como as bases para a realização de voltas qualificativas preliminares nas corridas.

6 Regra 112 Delegados Técnicos! g) Organizar voltas qualificativas preliminares e os grupos das provas combinadas.! h) Nas competições referidas na Regra 1.1 a), b), c) e f), presidir à Reunião Técnica e reunirão com os Oficiais Técnicos.

7 Delegado Tecnico nas provas da F.P.A.! São, em conjunto com o CO FPA responsáveis por garantir que todos os preparativos técnicos são feitos em conformidade com as regras da IAAF;! Submetem relatórios escritos mas, apenas no final da competição (obrigatório e de suma importância)! Propostas de programas horários e mínimos de participação Não, é inteiramente da responsabilidade do CO;

8 Delegado Técnico nas provas da F.P.A.! Definição da listagem de engenhos a utilizar Não;! Assegurar que os rgulamentos são enviados a todos os participantes Não, a FPA assume essa responsabilidade;! É responsável por todas as restantes preparações técnicas necessárias à realização da competição;

9 Delegado Técnico nas provas da F.P.A.! Controlo das incrições Sim, mas apenas nas incrições de última hora;! Determinar marcas de qualificações nos concursos (não se aplica pois não realizamos qualificações nos concursos);! É responsável por organizar as voltas qualificativas e apuramentos para a voltas seguintes, no que diz respeito às corridas séries;

10 Delegado Técnico nas provas da F.P.A.! Normalmente não preside à reunião técnica porque, a mesma não se realiza no entanto deverá prestar todos os esclarecimentos técnicos a quem os solicite e, principalmente ao corpo de juízes presente;! Assegura o cumprimento do programa horário e tomará todas as decisões sobre alterações ao mesmo;

11 Delegado Técnico nas provas da F.P.A.! Verificará a área da competição para garantir que a mesma se encontra em conformidade com as Regras Técnicas da IAAF;! Decidirá qual o sistema de cronometragem oficial;! Definirá a distância das meias-luas nos lançamentos;! Dirigirá a ação e interação entre os diversos participantes na competição;

12 Delegado Técnico nas provas da F.P.A.! Estará em contato com todos os setores da competição, por meio de um sistema de comunicação;! Fará todas as confirmações de participações;! Verificará todos os resultados;! Recolherá todos os documentos inerentes à competição (teste zero, documentação inerente a recordes e resultados) e será responsável por fazêlos chegar à FPA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição Art. 1º - Art. 2º - Art. 3º - O Troféu Brasil de Atletismo é uma competição realizada anualmente que têm por propósito básico a difusão do Atletismo e a verificação

Leia mais

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO Art. 1º - As competições serão regidas pelas Regras Oficiais da Federação Internacional de Atletismo Amador e da Confederação Brasileira de Atletismo em tudo que não

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE JUVENIS têm por propósito básico a integração nacional,

Leia mais

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA 1. NOTA INTRODUTÓRIA Nos Campeonatos de Portugal Absolutos de Pista Coberta serão atribuídos os títulos individuais

Leia mais

Programa de Voluntários Rio 2016 SSV Voluntário Especialista de Esporte

Programa de Voluntários Rio 2016 SSV Voluntário Especialista de Esporte Programa de Rio 2016 SSV Voluntário Especialista de Esporte 1 Seremos 70.000 Um Maracanã praticamente lotado no Programa Rio 2016 GENERALISTAS (60%) Credenciamento e bilhetagem, serviços ao espectador,

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE INICIADOS E JUNIORES

CAMPEONATOS REGIONAIS DE INICIADOS E JUNIORES ASSOCIAÇÃO DE ATLETISO DE ÉVORA Bairro da Cruz da Picada lote 5 R/C Dtº - 7000-772 ÉVORA Telefone / Fax 266708425 e-mail: ass.atletismo.evora@sapo.pt / http:/www.atletismo-evora.pt CAPEONATOS REGIONAIS

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA

VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA PROGRAMA HORÁRIO E REGULAMENTO Hora Limite Confirmação Câmara de Chamada Entrada na Pista hora Disciplina Sexo 14:30 14:55 15:05 15:30 Lançamento do Dardo Masculino

Leia mais

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas.

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas. Art. 1º - Os CAMPEONATOS ESTADUAIS CAIXA DE ATLETISMO MIRIM têm por propósito básico a integração estadual, a difusão do Atletismo e a verificação do desenvolvimento de seu estágio técnico nos diversos

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016 CONTEÚDOS 1. Filiações a. Formulários b. Escalões c. Inscrições Iniciais d. Renovações e. Transferências f. Taxas de Filiação g. Contratos Plurianuais 2. Atletas Estrangeiros 3. Filiações de Atletas Portugueses

Leia mais

Programa de Voluntários. Voluntário Especialista de Esporte (SSV) 19 Dez 2013

Programa de Voluntários. Voluntário Especialista de Esporte (SSV) 19 Dez 2013 Programa de Voluntários Voluntário Especialista de Esporte (SSV) 19 Dez 2013 1 Master Plan Olympic Village Maracanãzinho 1 Venue Maracanãzinho Maracanãzinho Programa de Voluntários Rio 2016 Área de Workforce

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA Art. 1º O Torneio de Futebol Society tem por finalidade: A congregação dos graduandos, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

REGRAS DE COMPETIÇÃO 2008

REGRAS DE COMPETIÇÃO 2008 REGRAS DE COMPETIÇÃO 2008 Tradução e Composição: Hugo Pacheco INDICE Índice.. Definições.. 1 Regra 1.... 4 Capítulo 5 Secção I - Oficiais 6 Secção II - Generalidade. 19 Secção III - Provas de Pista.. 27

Leia mais

NORMA 12. CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02.

NORMA 12. CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02. NORMA 12 CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02.2015 Art. 1º - As categorias e respectivas faixas etárias da Confederação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Estas normas são complementadas com a leitura do Regulamento de Filiação de Agentes Desportivos da FPA e do Regulamento Geral de Competições da FPA. Escalões FILIAÇÕES DE ATLETAS Escalão Anos de Nascimento

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

Vigência 2014. REGULAMENTO SOBRE A CRIAÇÃO E INSTITUIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TENIS - CBT CAPÍTULO I DA ANUIDADE

Vigência 2014. REGULAMENTO SOBRE A CRIAÇÃO E INSTITUIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TENIS - CBT CAPÍTULO I DA ANUIDADE Vigência 2014. REGULAMENTO SOBRE A CRIAÇÃO E INSTITUIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TENIS - CBT CAPÍTULO I DA ANUIDADE Art. 1º- O sistema único, integra o DSTênis, sistema gerenciador

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE R.C.I.

REGULAMENTO DE PROVAS DE R.C.I. CAPÍTULO I REALIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 1 Organizações As Associações ou Clubes, que pretendam organizar provas, terão que estar filiadas no CPC, devem dirigir o seu pedido ao CPC 4ª Comissão Subcomissão

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

AJUIZAMENTO da MARCHA ATLÉTICA

AJUIZAMENTO da MARCHA ATLÉTICA AJUIZAMENTO da MARCHA ATLÉTICA Manual Prático para Juízes, Dirigentes, Treinadores e Atletas Tradução e adaptação do Manual da IAAF Edição 2006 Novembro 2006 AJUIZAMENTO Um Juiz de Marcha tem por função

Leia mais

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento O Centro de Alto Rendimento de Atletismo é um espaço vocacionado para o treino de Atletas de Alto Rendimento que ambicionam competir em Campeonatos da

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

COPA BRASIL DE PARACICLISMO 3ª Etapa Curitiba/PR 17 a 19 de outubro de 2014

COPA BRASIL DE PARACICLISMO 3ª Etapa Curitiba/PR 17 a 19 de outubro de 2014 COPA BRASIL DE PARACICLISMO 3ª Etapa Curitiba/PR 17 a 19 de outubro de 2014 Recebemos os participantes da Copa Brasil de Paraciclismo, desejando as boas vindas, sorte nas competições, e acima de tudo que

Leia mais

Grande Prémio Serra da Estrela Atletismo. Caminhada BTT REGULAMENTO

Grande Prémio Serra da Estrela Atletismo. Caminhada BTT REGULAMENTO REGULAMENTO O Grande Prémio Serra da Estrela Subida do Vale da Bouça, realizar-se-á no Domingo dia 6 de Julho de 2014 na Bouça. 1 Organização O Grande Prémio Serra da Estrela Subida do Vale da Bouça, é

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES

COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Regulamento Depois de um ano de experiência com este modelo de selecção e preparação dos atletas para as competições internacionais, o balanço é muito positivo e encorajador

Leia mais

REGULAMENTO DE ATLETISMO

REGULAMENTO DE ATLETISMO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Competição de Atletismo, modalidade individual dos JOGOS ESCOLARES TV SERGIPE- 2014, será realizada de acordo com as Normas das OLIMPÌADAS ESCOLARES

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Definição) O (CAD) é um dos órgãos integrantes do Tribunal Arbitral do Desporto

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETICÕES DESPORTIVAS MILITARES NACIONAIS... 3

REGULAMENTO DAS COMPETICÕES DESPORTIVAS MILITARES NACIONAIS... 3 Portaria n. 260/98 (2.ª série), de 17 de Fevereiro de 1998, dos Ministérios da Defesa Nacional e da Administração Interna, publicada no DR, 2.ª série, n.º 53, de 04.03.98 REGULAMENTO DAS COMPETICÕES DESPORTIVAS

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

V ETAPA - 2015 XV CAMPEONATO MINEIRO DE ORIENTAÇÃO. Local: Belo Horizonte/MG Data: 29 de novembro de 2015

V ETAPA - 2015 XV CAMPEONATO MINEIRO DE ORIENTAÇÃO. Local: Belo Horizonte/MG Data: 29 de novembro de 2015 V ETAPA - 2015 XV CAMPEONATO MINEIRO DE ORIENTAÇÃO Local: Belo Horizonte/MG Data: 29 de novembro de 2015 Boletim Informativo nº 1 de 18 de outubro de 2014 Boletim Informativo nº 1 Belo Horizonte/MG, 18

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO

PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, DA COMPOSIÇÃO E DA FILIAÇÃO Artigo 1º O Plano de Auxílio Mútuo PAM, do Porto Organizado de Santos, é

Leia mais

REGULAMENTO GERAL 2 JOGOS DO IFRS JOGOS DE INTEGRAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES

REGULAMENTO GERAL 2 JOGOS DO IFRS JOGOS DE INTEGRAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES 2015 REGULAMENTO GERAL 2 JOGOS DO IFRS JOGOS DE INTEGRAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES Art.1º Os 2º Jogos do IFRS JOGOS DE INTEGRAÇÃO têm por objetivo proporcionar momentos de

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

NORMA 10 MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA

NORMA 10 MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA NORMA 10 MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA Art. 1º - Todas as provas de rua (corridas de rua ou provas de marcha) para serem reconhecidas pela CBAt devem ter o seu percurso medido e certificado por

Leia mais

SEÇÃO I - OFICIAIS REGRA 110 OFICIAIS INTERNACIONAIS

SEÇÃO I - OFICIAIS REGRA 110 OFICIAIS INTERNACIONAIS 1 REGRAS TÉCNICAS REGRA 100 GERAL Todas as competições internacionais, como definidas na Regra 1, serão realizadas sob as Regras da IAAF, o que deverá constar em todos os anúncios, propagandas, programas

Leia mais

REGULAMENTO DESPORTIVO

REGULAMENTO DESPORTIVO TORNEIO DE FUTEBOL INFANTIL JOSÉ TORRES AMADORA 2014 FUTEBOL 7 INFANTIS COMPLEXO DESPORTIVO MUNICIPAL DO MONTE DA GALEGA 4 e 5 de outubro de 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO 01 Regras 02 Escalão etário 03 Equipas

Leia mais

REGRAS OFICIAIS DA IAAF QUE TRATAM DE CORRIDAS 2014 / 2015

REGRAS OFICIAIS DA IAAF QUE TRATAM DE CORRIDAS 2014 / 2015 REGRAS OFICIAIS DA IAAF QUE TRATAM DE CORRIDAS 2014 / 2015 REGRA 240 CORRIDAS DE RUA 1. As distâncias padrão para homens e mulheres serão de 10km, 15km, 20km, Meia-Maratona, 25km, 30km, Maratona (42,195km),

Leia mais

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 2-08/12/2013 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3 4. CALENDÁRIO DE EVENTOS INTERNACIONAIS E PRIORIDADES

Leia mais

Campeonato Estadual de Verão - Infantil a Sênior 2013 Regulamento

Campeonato Estadual de Verão - Infantil a Sênior 2013 Regulamento Campeonato Estadual de Verão - Infantil a Sênior 2013 Regulamento 29 e 30 de novembro de 2013. Local : Piscina de 50m do Parque Aquático do Grêmio Náutico União ( GNU ), localizado na Rua Quintino Bocaiúva,

Leia mais

Associação de Atletismo de Braga

Associação de Atletismo de Braga Hora Inicio Associação de Atletismo de Prova sábado, 5 de Junho de 2010 15:30 400 Metros Marcha SEN F Serie 15:30 400 Metros Marcha SEN M Serie 15:30 Salto em Altura JUV a SEN F Final + (1,00-1,05-1,10

Leia mais

CORRIDA DUQUE DE CAXIAS 2014 REGULAMENTO

CORRIDA DUQUE DE CAXIAS 2014 REGULAMENTO CORRIDA DUQUE DE CAXIAS 2014 REGULAMENTO I - OBJETIVO: Cultuar o Patrono do Exército, Marechal Luiz Alves de Lima e Silva - o Duque de Caxias, despertar o interesse salutar da prática desportiva e buscar

Leia mais

Federação de Futebol do Estado de Rondônia Fundada em 29 de Outubro de 1944 Filiada à Confederação Brasileira de Futebol - CBF

Federação de Futebol do Estado de Rondônia Fundada em 29 de Outubro de 1944 Filiada à Confederação Brasileira de Futebol - CBF 1 PLANO GERAL DE AÇÃO - 2015 1. INTRODUÇÃO O presente documento foi elaborado visando atender as determinações da Lei n 10.671, de 15/05/2003 Estatuto de Defesa do Torcedor e suas alterações (Lei 12.199/2010),

Leia mais

O Júri da Competição será formado pelo Controlador COLPAR, Diretor do Campeonato, Juiz Chefe e Chefes de Delegação estrangeira presente;

O Júri da Competição será formado pelo Controlador COLPAR, Diretor do Campeonato, Juiz Chefe e Chefes de Delegação estrangeira presente; 1. FINALIDA E DATA Regulamentar as atividades a serem desenvolvidas para e no Campeonato Brasileiro de Pilotagem de Velames 2015, que será realizado no Centro Nacional de Pára-quedismo, cidade de Boituva,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 1 1/11/201 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3. CALENDÁRIO DE EVENTOS

Leia mais

Regulamento 21ª MEIA MARATONA DE LISBOA. Organização

Regulamento 21ª MEIA MARATONA DE LISBOA. Organização Regulamento 21ª MEIA MARATONA DE LISBOA Organização 1. Numa organização do Maratona Clube de Portugal, vai realizar-se no dia 20 de Março, com partida às 10.30h, uma prova pedestre destinada a todos os

Leia mais

FEDERAÇÃO METROPOLITANA DE JUDÔ FEMEJU. Fundada em 05 de outubro de 1963

FEDERAÇÃO METROPOLITANA DE JUDÔ FEMEJU. Fundada em 05 de outubro de 1963 Chefe de Delegação - responsabilidades Tomar ciência da documentação preparada pela FEMEJU, do regulamento da competição e das normas para eventos nacionais da CBJ; Recolher documentação dos atletas (carteira

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

GUIA DO PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA CBAt

GUIA DO PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA CBAt GUIA DO PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA CBAt 1. Princípios Gerais a) Qual é a Política da CBAt para Testes Fora de Competição? Estabelecer o grupo apropriado de atletas brasileiros para serem testados.

Leia mais

2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário

2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário 2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário da Universidade Federal de Goiás CATEGORIA 2 EMPREENDEDORISMO SOCIAL Agosto de 2015 REGULAMENTO CATEGORIA 2 EMPREENDEDORISMO SOCIAL 1. APRESENTAÇÃO A Categoria

Leia mais

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA COMARCA DE LEIRIA (Aprovado na reunião de 12 de Dezembro de 2014) Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento interno do conselho

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES IX CIRCUITO NACIONAL DE ÁGUAS ABERTAS Regulamento 02.Agosto.2009 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO / CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL 0 1. ORGANIZAÇÃO Associação de Natação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º - A Taça São Paulo de Futsal - 2015 será disputado por equipes com atletas com deficiência intelectual. Art.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional AUDITORIA INTERNA PO. 05 08 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a atividade de auditoria interna da qualidade, utilizada pelo Crea GO para verificar a eficácia e adequação do Sistema de Gestão da Qualidade. 2.

Leia mais

CONVITE REGULAMENTO INFORMAÇÕES

CONVITE REGULAMENTO INFORMAÇÕES Competição Individual e por Equipas Trampolim Individual e Duplo-Mini Trampolim Santarém, de 4 a 7 de Julho, 2013 CONVITE REGULAMENTO INFORMAÇÕES WWW.SCALABISCUP.COM Índice REGULAMENTO... 4 ESCALÕES...

Leia mais

1ª Liga de Futsal 2014/2015

1ª Liga de Futsal 2014/2015 1ª Liga de Futsal 2014/2015 Patrono RICARDINHO 1 I Liga Futsal 2014/2015 Regulamento Equipas Artigo 1º Esta liga de futsal encontra-se aberta a equipas de empresas devidamente certificadas, podendo ser

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE Em vigor a partir de 27 de Janeiro de 2010 INDICE 1. CAMPEONATO NACIONAL DE REGATAS EM LINHA... 3 2. DEFINIÇÃO... 3 3.

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº JFRJ-EDT-2013/00195 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE ESTAGIÁRIOS

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº JFRJ-EDT-2013/00195 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE ESTAGIÁRIOS EDITAL Nº JFRJ-EDT-2013/00195 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE ESTAGIÁRIOS A EXCELENTÍSSIMA JUÍZA FEDERAL SUBSTITUTA NO EXERCÍCIO DA TITULARIDADE DA 6ª VARA FEDERAL DE SÃO JOÃO DE MERITI, DA

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Conselho de Arbitragem

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Conselho de Arbitragem ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DA IAAF 2006/2007 APROVADAS PELO CONGRESSO DA IAAF, HELSINQUIA (FIN) O 45º Congresso da IAAF, reunido no passado dia 4 de Agosto de 2005, em Helsínquia, Finlândia, aprovou a alteração

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013 CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS Época de 2013 Federação Portuguesa de Atletismo, Março 2013 39º CAMPEONATO MUNDO DE CORTA MATO Bydgoszcz, Polónia 24 Março MASCULINOS FEMININOS Seniores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL Regimento da eleição para os representantes dos servidores técnico administrativos em educação para a Comissão Geral de Jornada de Trabalho e para

Leia mais

REGULAMENTO DA VOLTA DA FATEA 2015

REGULAMENTO DA VOLTA DA FATEA 2015 REGULAMENTO DA VOLTA DA FATEA 2015 1 A prova 1.1 A prova será realizada no dia 6 de Dezembro de 2015 na cidade de Lorena, com caminhada de 2 km e corridas de 5 km. 1.2 A prova terá percurso de aproximadamente

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA FUNDADA EM 5 DE JUNHO DE 1927 Rio de Janeiro, 11 de setembro de 2013. OF / CBE / PRES / Nº 2013.491 - CIRCULAR. Da Confederação Brasileira de Esgrima. Aos Srs. Presidentes

Leia mais

XXVI TRAVESSIA DOS TEMPLÁRIOS

XXVI TRAVESSIA DOS TEMPLÁRIOS Regulamento 28 Setembro.2014 APROVADO PELA FPN EM 22 DE JULHO DE 2014 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO / CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL 0 1. ORGANIZAÇÃO Associação de Natação do Distrito de Santarém. Associação

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

LIGA REGIONAL 2016 / REGULAMENTO

LIGA REGIONAL 2016 / REGULAMENTO LIGA REGIONAL 2016 / REGULAMENTO 1-CALENDÁRIO: DATA INSC. INÍCIO TÉRMINO TORNEIO E CIDADE ATÉ 06/01 16/01 à 06/02 TÊNIS CLUBE DE SOROCABA ATÉ 03/02 13/02 à 13/03 ST/RICARDO MIRANDA/CERQUILHO ATÉ 09/03

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos 2015, nas categorias

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGATAS OFICIAIS E CAMPEONATOS ESTADUAIS CAPÍTULO I DOS REMADORES E SUAS CATEGORIAS: Artigo 1º O(a)(s) remador(a)(es)(as) que vierem a participar de regatas da serão divididos

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013

JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DPEP COMISSÃO DE DESPORTOS DO EXÉRCITO (L Mil Foot-ball/1915) 1. FINALIDADE JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013 INSTRUÇÕES TÉCNICO-NORMATIVAS Difundir as

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO JOGOS DO SESI-PR 2014 SESI ESPORTE

BOLETIM INFORMATIVO JOGOS DO SESI-PR 2014 SESI ESPORTE BOLETIM INFORMATIVO JOGOS DO SESI-PR 2014 SESI ESPORTE SUMÁRIO COMITÊ ORGANIZADOR... 3 ESTRATÉGIA DE REALIZAÇÃO... 4 FUNCIONAMENTO DA FASE... 6 CONTATOS DO COMITÊ ORGANIZADOR... 7 INSCRIÇÕES... 8 TAXA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA REGULAMENTO DA II GINCANA NACIONAL DE ECONOMIA CAPÍTULO I Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Conselho Federal de Economia promoverá a II Gincana Nacional de Economia - 2012 na

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY XIII JOGOS AFFEMG Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais 1- DO LOCAL REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY 1.1 - Os jogos acontecerão em campos de futebol society de grama sintética ou natural, aprovados

Leia mais

ANEXO I MODELOS DE FICHAS DIVERSAS

ANEXO I MODELOS DE FICHAS DIVERSAS ANEXO I MODELOS DE FICHAS DIVERSAS FICHA DE INDICAÇÃO DAS CORES DOS UNIFORMES Modalidade e gênero Especificação Uniforme 1 (cor predominante) Uniforme 2 (cor predominante) Basquetebol Feminino Basquetebol

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS

ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS REGULAMENTO 2012-2013 Ponto 1. Máquinas e distância de jogo Nas competições de dardos eletrónicos da Associação de Setas de Lisboa

Leia mais

Curso de Treinadores de Nível 1

Curso de Treinadores de Nível 1 Gestão da equipa em Competição 2008 Temas a abordar Gestão da equipa em Competição Preocupações do Treinador, na semana da Competição Aspectos relacionados com Logística Aspectos relacionados com os Treinos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA RESOLUÇÃO Nº 1.908, DE 28 DE MARÇO DE 2014. Aprova o Regulamento da IV Gincana Nacional de Economia - 2014. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

XXV Campeonato Brasileiro Interfederativo Infanto- Juvenil Troféu Chico Piscina

XXV Campeonato Brasileiro Interfederativo Infanto- Juvenil Troféu Chico Piscina REGULAMENTOS XXV Campeonato Brasileiro Interfederativo Infanto- Juvenil Troféu Chico Piscina CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Com a participação das Federações filiadas à Confederação Brasileira de

Leia mais

III Torneio de Atletismo Master

III Torneio de Atletismo Master III Torneio de Atletismo Master GOVERNADOR VALADARES-MG 18 de Julho de 2015 Realização: AMAVA - Associação Master de Atletismo Vale do Aço Apoio: Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer de Governador

Leia mais

Enquadramento... 1. Objetivos... 1. Alunos... 1. Professores estagiários... 1. Recursos... 1. Humanos... 1. Temporais... 2. Espaciais...

Enquadramento... 1. Objetivos... 1. Alunos... 1. Professores estagiários... 1. Recursos... 1. Humanos... 1. Temporais... 2. Espaciais... i Índice Enquadramento... 1 Objetivos... 1 Alunos... 1 Professores estagiários... 1 Recursos... 1 Humanos... 1 Temporais... 2 Espaciais... 2 Materiais... 2 Procedimentos de planeamento e organização...

Leia mais

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU 4.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 229/1 II (Comunicações) COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU Regulamento da Conferência dos Órgãos Especializados

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia EDITAL

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia EDITAL Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia EDITAL 2º Semestre 2012 1. Disposições gerais 1.1 Tema do concurso A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada,

Leia mais

GUIA DO ATLETA PARA O PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA IAAF

GUIA DO ATLETA PARA O PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA IAAF MANTENHA O ATLETISMO LIMPO Proteja sua saúde e seu esporte GUIA DO ATLETA PARA O PROGRAMA FORA DE COMPETIÇÃO DA IAAF Tradução CBAt Alerta-se que em caso de divergências de interpretação, prevalece o texto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

PROF. RESPONS.: Luiz Iwashita CEB Centro Esportivo Bagozzi Rua Caetano Marchesini, 850 - Portão Curitiba Pr Fone: (41) 3345-7130 / (041) 9979-1210

PROF. RESPONS.: Luiz Iwashita CEB Centro Esportivo Bagozzi Rua Caetano Marchesini, 850 - Portão Curitiba Pr Fone: (41) 3345-7130 / (041) 9979-1210 Ru PROF. RESPONS.: Luiz Iwashita Rua Caetano Marchesini, 850 - Portão Curitiba Pr Fone: (41) 3345-7130 / (041) 9979-1210 CONVITE A Associação de Judô IWASHITA tem a imensa satisfação de convidar a Vossa

Leia mais

NORMA 07. RECONHECIMENTO E HOMOLOGAÇÃO DE CORRIDAS DE RUA Em vigor a partir de 01/01/2015

NORMA 07. RECONHECIMENTO E HOMOLOGAÇÃO DE CORRIDAS DE RUA Em vigor a partir de 01/01/2015 NORMA 07 RECONHECIMENTO E HOMOLOGAÇÃO DE CORRIDAS DE RUA Em vigor a partir de 01/01/2015 1. Princípios Gerais 1.1 Somente a Confederação Brasileira de Atletismo - CBAt tem poderes para oficializar eventos

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita REGIMENTO do CONSELHO GERAL do Agrupamento de Escolas da Moita 2012 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza, responsabilidade,

Leia mais