RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/ set-200 Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 1 de 17

2 SUMÁRIO Item Descrição Página 1 Considerações Iniciais 3 2 Coordenação 3 3 Documentos Complementares 3 4 Reconhecimentos 3 5 Entidades Participantes 4 6 Artefatos 4 7 Rastreabilidade Padrões Utilizados 4 8 Análise Estatística dos Resultados Erro Normalizado Teste de Cochran Teste de Grubbs Teste de Estabilidade e Homogeneidade Valores Designados 8 9 Interpretação de Resultados Picnômetro de Vidro DV-053 (Análise dos Resultados) Pipeta Volumétrica VD-007 (Análise dos Resultados) Balão Volumétrico VD-008 (Análise dos Resultados) Microseringa de Vidro VD-009 (Análise dos Resultados) Considerações Finais 17 Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 2 de 17

3 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Programa de Ensaios de Proficiência (PEP 002/2010) em serviços de calibração de Volume, iniciou-se em Janeiro/2011 com a finalização em Abril/2011, sendo coordenado pela SETTING Proficiency, tendo como objetivo verificar o desempenho dos laboratórios, através da análise comparativa dos resultados e respectivas incertezas expandidas obtidas aplicando o estudo do Erro Normalizado em módulo. 2. COORDENAÇÃO A Coordenação deste programa foi conduzida pela Diretoria da SETTING Proficiency, sob gerenciamento da Coordenação Técnica, a qual fazem parte o Eng.º Edson Carlos Stavale e a Coordenadora Técnica Tatiana M. Ramos Pina com o apoio da Assessoria Técnica dos Laboratórios, o Sr. Octavio Oliveira Luiz. 3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ILAC-G13:08/2007- ILAC: Guidelines for the Requirements for the Competence of Providers of Proficiency Testing Schemes - NIT-DICLA 048: Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência em Fase Piloto - ABNT ISO / IEC Guia 43: Ensaios de proficiência por comparações interlaboratoriais DOQ-CGCRE-005 INMETRO: Orientações Para a Organização de Comparações Interlaboratoriais pelas Comissões Técnicas da DICLA - VIM: RECONHECIMENTOS A SETTING Calibrações e Ensaios Ltda tem seu Sistema de Gestão da Qualidade certificado na Norma NBR ISO 9001 desde junho de 1998, e em julho de 2009 teve seu Sistema de Gestão da Qualidade convertido pela nova versão da Norma NBR ISO 9001:2008, na qual teve incluído no seu escopo de certificação o processo de gerenciamento de Programas de Ensaios de Proficiência. A divisão SETTING Proficiency reconhece a importância de Programas de Ensaios de Proficiência que são utilizados como ferramenta para melhoria contínua da qualidade dos processos de medição das Entidades, bem como da Coordenação do Programa. Os programas de Ensaio de Proficiência promovidos pela SETTING Proficiency estão cadastrados no banco de dados do EPTIS (European Proficiency Testing Information Systems). Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 3 de 17

4 5. ENTIDADES PARTICIPANTES Empresa Cidade Estado Bioagri Laboratório Ltda. Piracicaba SP Cetrel S.A Camaçari BA Elus Serviços de Instrumentação Ltda - ME São Paulo SP Herbarium Laboratório Botânico Ltda. Colombo PR Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Manaus AM Irmãos Duarte Calibrações Ltda. Belo Horizonte MG Visomes Comercial e Metrológica Ltda. São Paulo SP 6. ARTEFATOS Descrição dos artefatos: Balão Volumétrico, Marca Brand, Classe A, Capacidade 100 ml,; Microseringa de Vidro; Marca Hamilton, Modelo Glastight#1001, Capacidade 1000 µl; Picnômetro de Vidro, Marca VCN, Capacidade 100 ml; Pipeta Volumétrica, Marca Pyrex, Capacidade 10 ml. 7. RASTREABILIDADE Os artefatos foram medidos por gravimetria conforme procedimento de calibração (PC Rev.14) do Laboratório de Volume da SETTING Calibrações, o qual foi baseado e atende aos requisitos das Normas NBR-11588, ISO 4787 e ASTM E542. Os resultados apresentados correspondem a média aritmética das medições Padrões Utilizados DV-053 Picnômetro de Vidro Balança Analítica, código MS-012, calibrada pela empresa KNwaagen, número de certificado B /10, com validade até maio de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /10, com validade até abril de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de Termohigrômetro Digital, código TU-001, calibrado pela empresa Visomes, número de certificado LV 25793/09, com validade até agosto de Termômetro de líquido em vidro, código TP-093, calibrado pela empresa Labelo, número de certificado T0441/2009, com validade até março de Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 4 de 17

5 Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de VD-007 Pipeta Volumétrica Balança Analítica, código MS-012, calibrada pela empresa KNwaagen, número de certificado B /10, com validade até maio de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /10, com validade até abril de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /11, com validade até maio de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de Termohigrômetro Digital, código TU-001, calibrado pela empresa Visomes, número de certificado LV 25793/09, com validade até agosto de Termômetro de líquido em vidro, código TP-091, calibrado pela empresa Labelo, número de certificado T1181/2010, com validade até agosto de Termômetro de líquido em vidro, código TP-093, calibrado pela empresa Labelo, número de certificado T0441/2009, com validade até março de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de VD-008 Balão Volumétrico Balança Analítica, código MS-012, calibrada pela empresa KNwaagen, número de certificado B /10, com validade até maio de Balança Digital, código MS-021, calibrada pela empresa Setting, número de certificado MS /10, com validade até julho de Balança Digital, código MS-007, calibrada pela empresa Setting, número de certificado MS /10, com validade até julho de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /10, com validade até abril de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /11, com validade até maio de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de Termohigrômetro Digital, código TU-001, calibrado pela empresa Visomes, número de certificado LV 25793/09, com validade até agosto de Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 5 de 17

6 Termômetro de líquido em vidro, código TP-093, calibrado pela empresa Labelo, número de certificado T0441/2009, com validade até março de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de VD-009 Microseringa de Vidro Balança Analítica, código MS-012, calibrada pela empresa KNwaagen, número de certificado B /10, com validade até maio de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /10, com validade até abril de Barômetro Digital, código PS-028, calibrado pela empresa Setting, número de certificado PS /11, com validade até maio de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de Termohigrômetro Digital, código TU-001, calibrado pela empresa Visomes, número de certificado LV 25793/09, com validade até agosto de Termômetro de líquido em vidro, código TP-040, calibrado pela empresa Labelo, número de certificado T2230/2008, com validade até dezembro de Picnômetro de Vidro, código DV-115, calibrado pela empresa Polimate, número de certificado RBC 4498/08, com validade até outubro de ANÁLISE ESTATÍSTICA DOS RESULTADOS 8.1 Erro Normalizado A análise estatística foi realizada com base no método do Erro Normalizado (En), conforme fórmula seguinte: En = X U lab lab X 2 ref + U ref 2 onde: X lab = resultado obtido pelo laboratório participante X ref = valor designado U lab = incerteza expandida do laboratório participante U ref = incerteza expandida do valor designado Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 6 de 17

7 Nota: Uma incerteza expandida muito elevada, apresentada pelo laboratório, pode resultar em um En < 1 explicando assim um resultado muito discrepante em comparação ao valor designado e induzindo desta forma a uma avaliação como laboratório com desempenho satisfatório quando na realidade seus resultados não são satisfatórios. Para avaliar se há incertezas e resultados dispersos foram aplicados os testes de Cochran e Grubbs conforme seções mostradas a seguir Teste de Cochran Foi aplicado o teste de Cochran para verificar se há incertezas dispersas ou atípicas entre as entidades, conforme expressão mostrada a seguir: Onde: C CAL U 2 max = p 2 U i i= 1 U 2 = Expandida do laboratório participante U 2 = Somatória das s dos laboratórios 8.3. Teste de Grubbs Foi aplicado o teste de Grubbs para verificar se há resultados dispersos ou atípicos entre as entidades, conforme expressão mostrada a seguir: G CAL = X LAB X S Onde: Xlab = Resultado do Laboratório participante. _ X = Resultado da média dos Laboratórios. S = Desvio Padrão dos Laboratórios Estabilidade e Homogeneidade Para avaliação da estabilidade dos artefatos, foram realizadas cinco medições no artefato antes do início do programa constatando que os artefatos se apresentaram estáveis, aplicando-se a Carta de Controle para avaliação, e assim o programa validado. Para avaliação da homogeneidade foram realizadas cinco medições no artefato antes do início do programa e aplicado o ANOVA para realização desse estudo, foi constatado que os artefatos se apresentaram homogêneos, e assim o programa validado. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 7 de 17

8 8.5 Valores Designados Os valores designados foram obtidos através das medições realizadas conforme o procedimento de calibração do Laboratório de Massa da Setting Calibrações (), Acreditado pelo CGCRE/INMETRO sob nº 0165, localizado na Rua Rei Alberto da Bélgica, 187 Vila Formosa São Paulo SP. O valor designado declarado para todos os pontos calibrados do artefato é a média aritmética das 10 calibrações realizadas pelo laboratório de, sendo 5 calibrações antes do início do programa, e 5 calibrações após o término do programa, a incerteza expandida do valor designado para cada ponto foi calculada conforme apresentado no item Nota: Apenas para o picnômetro de vidro DV-053, o valor designado será a média aritmética das 5 calibrações iniciais, devido à quebra do artefato no último laboratório participante Cálculo da de Referência uc = 2 2 ( ) + ) + u Onde: u a : é a incerteza máxima obtida nas n medições realizadas no início e final do programa, considerando a distribuição de probabilidade normal. u est : é a incerteza devido ao estudo estabilidade do equipamento, a qual deve ser obtida através da diferença entre o valores máximo e mínimo das n medições realizadas antes e após o programa, considerando a distribuição de probabilidade como retangular. u hom : é a incerteza do ANOVA, considerando a distribuição de probabilidade como retangular. A expandida deve ser determinada conforma expressão a seguir: a (u est ( u hom ) 2 U = u C x k Após a obtenção do valor de ν eff, conforme expressão mostrada a seguir, deve-se utilizar da Tabela t de Student, para um nível de confiança de aproximadamente 95%, para se obter o Fator de Abrangência k. Gl (ef) = uc 4 ( u 4 i ) ν i Onde: u i = cada componente da incerteza ν i = número de graus de liberdade de cada componente da incerteza. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 8 de 17

9 Valor designado do Picnômetro de Vidro DV-053 Certificados de Calibração: VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /10 Ponto de Medição (ml) Valor Designado (ml) Expandida (g) , , Valor designado da Pipeta Volumétrica VD-007 Certificados de Calibração: VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /11, VD /11, VD /11, VD /11, VD /11 Ponto de Medição (ml) Valor Designado (ml) Expandida (g) 10 10, , Valor designado do Balão Volumétrico VD-008 Certificados de Calibração nº: VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /11, VD /11, VD /11, VD /11, VD /11 Ponto de Medição (ml) Valor Designado (ml) Expandida (g) ,976 0, Valor designado da Microseringa de Vidro VD-009 Certificados de Calibração nº: VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /10, VD /11, VD /11, Vd /11, VD /11, VD /11 Ponto de Medição (ml) Valor Designado (ml) Expandida (g) ,638 0, ,960 0, ,053 0,33 Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 9 de 17

10 9. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados dos Laboratórios foram encaminhados para a Coordenação do Programa, sendo codificados e analisados pela Coordenação Técnica. O Erro Normalizado foi calculado conforme equação apresentada no item 8.1 deste relatório. Os resultados foram analisados com base no cálculo do Erro Normalizado, sendo cálculos realizados utilizando-se os valores absolutos verificados pelos, para fins representativos os valores foram apresentados em módulo. O desempenho de cada laboratório participante do Programa de Comparação Interlaboratorial foi avaliado em cada um dos parâmetros de controle e, a partir do erro normalizado, reportado como SATISFATÓRIO (caso En 1) ou NÃO SATISFATÓRIO (caso En > 1). Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 10 de 17

11 9.1. Picnômetro de Vidro DV-053 Participantes Resultado Erro EN Desempenho ,3873 0, , ,021 0,17 SATISFATÓRIO ,40 0,02 101, ,021 0,26 SATISFATÓRIO ,4000 0, , ,021 0,26 SATISFATÓRIO , , , ,021 0,95 SATISFATÓRIO , , , ,021 0,07 SATISFATÓRIO ,391 0, , ,021 0,06 SATISFATÓRIO ,403 0, , ,021 0,38 SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados do Picnômetro DV-053, observou-se que os laboratórios em geral obtiveram resultados satisfatórios comparados ao Valor Designado, não havendo resultados insatisfatórios. Ao aplicar o teste de Grubbs, para análise dos resultados dos, o laboratório 4 apresentou resultado disperso conforme o teste, no resultado do teste de Cochran, aplicado para a análise das incertezas dos, laboratório 5 apresentou incerteza dispersa em relação às demais conforme o teste. Através da representação gráfica pode-se observar o quanto o resultado do laboratório 04 está disperso em relação ao valor designado, e que os demais laboratórios apresentam uma pequena dispersão entre si e em relação à. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 11 de 17

12 9.1.1 Pipeta Volumétrica VD-007 Participantes Resultado Erro EN Desempenho 01 10, , , ,003 3,54 NÃO SATISFATÓRIO 02 10,03 0,01 10, ,003 0,56 SATISFATÓRIO 03 10, ,011 10, ,003 0,28 SATISFATÓRIO 04 10,0360 0, , ,003 2,15 NÃO SATISFATÓRIO 05 10, ,063 10, ,003 0,60 SATISFATÓRIO 07 10,037 0,016 10, ,003 0,79 SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados da Pipeta Volumétrica VD-007, observou-se que os laboratórios 02, 03, 05 e 07 obtiveram resultados satisfatórios comparados ao Resultado de Referência. Os laboratórios 01 e 04 obtiveram resultados insatisfatórios. Ao aplicar os testes de Grubbs, para análise dos resultados dos não houve nenhum resultado disperso ao aplicar o teste de Cochran, para a análise das incertezas dos, o Laboratório 05 apresentou uma incerteza dispersa. Através da representação gráfica nota-se que o quanto está elevada a incerteza do laboratório 05 e também uma dispersão nos resultados encontrados pelos laboratórios. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 12 de 17

13 9.1.2 Balão Volumétrico VD-008 Participantes Resultado Erro EN Desempenho 01 99,8682 0, ,976 0,032 3,16 NÃO SATISFATÓRIO 02 99,90 0,03 99,976 0,032 1,73 NÃO SATISFATÓRIO 03 99,9300 0,02 99,976 0,032 1,22 NÃO SATISFATÓRIO 04 99,9070 0, ,976 0,032 0,95 SATISFATÓRIO 05 99, ,087 99,976 0,032 0,38 SATISFATÓRIO 06 99,966 0,009 99,976 0,032 0,30 SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados do Balão Volumétrico VD-008, observou-se que os laboratórios 04, 05 e 06 obtiveram resultados satisfatórios comparados ao Resultado de Referência. Os laboratórios 01, 02 e 03 obtiveram resultados insatisfatórios. Ao aplicar os testes de Grubbs, para análise dos resultados dos e o teste de Cochran, para a análise das incertezas dos, não houve nenhum resultado e incerteza dispersos, porém, através da representação gráfica nota-se uma dispersão nos resultados dos laboratórios entre si e em relação ao valor designado. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 13 de 17

14 9.1.3 Microseringa de Vidro VD-009 Ponto 100 µl Participantes Resultado Erro EN Desempenho ,49 0,72 102,638 0,26 2,81 NÃO SATISFATÓRIO ,40 2,20 102,638 0,26 1,01 NÃO SATISFATÓRIO 05 99, , ,638 0,26 3,05 NÃO SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados do ponto 100 µl da Microseringa VD-009, observou-se que todos os laboratórios obtiveram resultados insatisfatórios comparados ao Resultado de Referência. Ao aplicar os testes de Grubbs, para análise dos resultados dos e o teste de Cochran, para a análise das incertezas dos, não houve nenhum resultado e incerteza dispersos, porém, através da representação gráfica pode-se observar que a incerteza do laboratório 04 é bastante elevada, nota-se também um pequeno desvio nos resultados dos laboratórios entre si e em relação ao valor designado. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 14 de 17

15 Ponto 500 µl Participantes Resultado Erro EN Desempenho ,83 0,95 500,960 0,21 2,19 NÃO SATISFATÓRIO ,60 2,60 500,960 0,21 0,90 SATISFATÓRIO , ,32 500,960 0,21 0,69 SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados do ponto 500 µl da Microseringa VD-009, observou-se que os laboratórios 04 e 05 obtiveram resultados satisfatórios comparados ao Resultado de Referência. O laboratório 01 obteve resultado insatisfatório. Ao aplicar os testes de Grubbs, para análise dos resultados dos e o teste de Cochran, para a análise das incertezas dos, não houve nenhum resultado e incerteza dispersos, porém, através da representação gráfica pode-se observar que a incerteza do laboratório 04 é bastante elevada, nota-se também um pequeno desvio nos resultados dos laboratórios entre si e em relação ao valor designado. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 15 de 17

16 Ponto 1000 µl Participantes Resultado Erro EN Desempenho ,00 0,99 999,053 0,33 1,97 NÃO SATISFATÓRIO ,40 2,30 999,053 0,33 1,14 NÃO SATISFATÓRIO , , ,053 0,33 1,04 NÃO SATISFATÓRIO Representação Gráfica: Análise dos resultados: Analisando os resultados do ponto 1000 µl da Microseringa VD-009, observou-se que todos os laboratórios obtiveram resultados insatisfatórios comparados ao Resultado de Referência. Ao aplicar os testes de Grubbs, para análise dos resultados dos e o teste de Cochran, para a análise das incertezas dos, não houve nenhum resultado e incerteza dispersos, porém, através da representação gráfica pode-se observar que a incerteza do laboratório 04 é bastante elevada, nota-se também um pequeno desvio nos resultados dos laboratórios entre si e em relação ao valor designado. Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 16 de 17

17 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS Para o 2º Programa de Ensaio de Proficiência na Grandeza Volume, foram inscritas 7 Entidades, todos enviaram seus resultados. Sendo que as entidades 06 e 07 obtiveram aproveitamento 100% satisfatório, as demais entidades que obtiveram resultados INSATISFATÓRIOS devem verificar quais problemas podem ter ocorrido para tomada de ações corretivas pertinentes. Todas as Entidades receberam um código secreto, garantindo que nenhuma Entidade tenha conhecimento do código da outra. Os resultados enviados são mantidos de forma confidencial, sendo de conhecimento da SETTING Proficiency, que é a entidade organizadora. Os testes de Grubbs e Cochran foram aplicados apenas para análise de resultados e incertezas dispersas entre as entidades, sendo válido para a análise do desempenho dos laboratórios o Erro Normalizado. Os Valores Designados foram expressos com uma casa a mais, por serem são obtidos através da média aritmética das dez calibrações realizadas no artefato. Apenas para o picnômetro de vidro DV-053, o valor designado foi obtido pela média aritmética das 5 calibrações iniciais, devido à quebra do artefato no último laboratório participante. São Paulo, 23 de maio de 2011 Eng o. Edson Carlos Stavale Diretor Fim do Relatório PEP 002/2010 Revisão 00 Relatório do PEP 002/2010 rev.00 Página 17 de 17

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 7º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA ESPECÍFICA DA ÁGUA

RELATÓRIO FINAL DO 7º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA ESPECÍFICA DA ÁGUA RELATÓRIO FINAL DO 7º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA ESPECÍFICA DA ÁGUA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 19

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 19 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 19 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA TDA Fol. 1 de 22 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-2009

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO EM MASSA ESPECÍFICA MEDIÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 02 de

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA INSTALAÇÕES PERMANENTES Revisão 02 23 de Setembro de 2013 Vide alterações

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO CALIBRAÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 03 11 de NOVEMBRO de 2014

Leia mais

Última atualização: 17/08/2015. Apoio:

Última atualização: 17/08/2015. Apoio: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015)

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS ELÉTRICOS E ÓPTICOS: LÂMPADAS Apoio: Programa PEP REDE 1503 Rodada 036/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003, rev. 002 Origem:

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE ELETRICIDADE NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 30 de OUTUBRO de 2015

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DIMENSIONAL NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 01 05 de MAIO de 2015 Vide alterações

Leia mais

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 001/2008 (Dimci/Dicep)

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

RELATÓRIO DE 2014/2015 MOD01 rev12

RELATÓRIO DE 2014/2015 MOD01 rev12 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA INTERLABORATORIAL

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS -

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS - ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 05/03/2015)

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1302 Rodada 019/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 20/08/2015)

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Página 2 de 9 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA... 4 6 ESCOPO

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME Revisão 01 12 de junho 2015 Fol. 1 de 9 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO:

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DO PROGRAMA

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE 2015 MOD01 rev13

RELATÓRIO FINAL DE 2015 MOD01 rev13 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA DE ENSAIOS DE

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM ANÁLISES DE CARVÃO

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM ANÁLISES DE CARVÃO ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA DE ENSAIOS DE

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE MASSA NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 01 de DEZEMBRO de 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Ensaio de Proficiência em Sucos 2ª Rodada Ácido Benzóico em Suco de Laranja

Ensaio de Proficiência em Sucos 2ª Rodada Ácido Benzóico em Suco de Laranja Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Protocolo nº 004/2014 (Dimci/Dicep) Revisão nº 00

Leia mais

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 29 de JUNHO de 2015 INTRODUÇÃO

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão

Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão Protocolo de Participação 2013 1ª Rodada Registro RMMG nº 364/2013 Revisão 00 de 06/09/2013 RMMG.PEP SED 006-00

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

Aspectos técnicos relacionados à

Aspectos técnicos relacionados à II Workshop de Acreditação de Produtores de Materiais de Referência e de Provedores de Ensaios de Proficiência Aspectos técnicos relacionados à norma ISO 13528:2005 Roberto Gonçalves Junqueira Professor

Leia mais

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009 RESULTADOS ALCANÇADOS NO PROJETO QUALI-H2O Débora França de Andrade VII SEMINÁRIO RIO METROLOGIA VII SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA 4 e 5 de Agosto de 2009 PARCEIROS FUNÇÕES DOS PARCEIROS Suporte e apoio gerencial.

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS Reunião da Comissão Técnica de Temperatura e Umidade (CT-11) de 25/06/2013 1 A Pauta sofreu inversão e alguns acréscimos em relação à proposta enviada em 21/05 (itens marcados em amarelo) 1. Comparações

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre. Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência

Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre. Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência Rio de Janeiro (RJ), 01 e 02 / 09 / 2011 Suzana Saboia de Moura Divisão de Desenvolvimento de

Leia mais

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA NORMA No NIT-DICLA-026 APROVADA EM MAI/08 Nº 01/06 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014 MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre A Coordenação Geral

Leia mais

Acreditação da REMESP como Provedora de Ensaio de Proficiência e Programas de Comparação Interlaboratorial 2013

Acreditação da REMESP como Provedora de Ensaio de Proficiência e Programas de Comparação Interlaboratorial 2013 Logo remesp Logo enqualab Acreditação da REMESP como Provedora de Ensaio de Proficiência e Programas de Comparação Interlaboratorial 2013 Vera Maria Lopes Ponçano Renata Cardoso de Sá Luciana Vieira Santana

Leia mais

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática 1 Conceição Fonseca, Alice Oliveira, Rui Lucas - CTCV FÓRUM SPQ EXPO EXPONOR 26 de Setembro de 2013 1. RESUMO

Leia mais

Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Ultrassom 1ª Rodada - Medição de Espessura

Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Ultrassom 1ª Rodada - Medição de Espessura Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Ultrassom 1ª Rodada - Medição de Espessura ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ULTRASSOM 1ª RODADA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA Período de inscrição: 26/11/12 a 05/12/12 RELATÓRIO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas.

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Renata Martins Horta Borges Divisão de Acreditação de Laboratórios Coordenação

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA

ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA ORGANIZAÇÃO PROMOTORA DO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Experiência no controle da qualidade analítica

Experiência no controle da qualidade analítica Experiência no controle da qualidade analítica Mario Maroto abril/ 2006 A ECOLABOR A ECOLABOR Comercial Consultoria e Análises Ltda. é uma empresa privada brasileira, fundada em 1992. Análises MICROBIOLÓGICAS,

Leia mais

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DA INTERCOMPARAÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS:

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: Áreas de Metalurgia, Produtos Metálicos, Máquinas e Equipamentos Apoio: Programa PEP REDE 1405 Rodada 010/2015 (Instruções aos Participantes,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA PILOTO DE ENSAIO

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

1º RELATÓRIO PARCIAL DE 2014 MOD01 rev10

1º RELATÓRIO PARCIAL DE 2014 MOD01 rev10 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA DE PROFICIÊNCIA

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: ELETRICIDADE Revisão 02 de 16-mar-2010 Q SETTING CALIBRAÇÕES

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rede Brasileira de Calibração - RBC

Rede Brasileira de Calibração - RBC Página 1 de 7 BRASIL Acesso à informação --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 24 Data da Acreditação 08/10/1997 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do

Leia mais

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial de Condutividade Eletrolítica em Etanol Combustível

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial de Condutividade Eletrolítica em Etanol Combustível Relatório Final da Comparação Interlaboratorial de Condutividade Eletrolítica em Etanol Combustível COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CONDUTIVIDADE ELETROLÍTICA EM ETANOL COMBUSTÍVEL RELATÓRIO FINAL Nº 00/010

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Marta Brandão Tozzi Bolsista, Química Industrial, M. Sc. Maria Alice Goes Orientadora, Engenheira Metalúrgica, D. Sc. Resumo O CETEM é acreditado

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014 MOD04 rev10

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014 MOD04 rev10 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03 Ensaio de Aptidão Calibração de uma Micropipeta Variável 2014 Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento... 3 4.1 Regras de

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

Relatório Final do Ensaio de. Proficiência em Cachaça 3ª Rodada

Relatório Final do Ensaio de. Proficiência em Cachaça 3ª Rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Cachaça 3ª Rodada Parâmetros: Relatório Preliminar Chumbo do Ensaio e Cobre de Proficiência em Cachaça 3ª Rodada Parâmetros Chumbo e Cobre ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

Leia mais

Relatório da comparação interlaboratorial com termopar de isolação mineral tipo K

Relatório da comparação interlaboratorial com termopar de isolação mineral tipo K Relatório da comparação interlaboratorial com termopar de isolação mineral tipo K Organizada pela CT 11 Paulo R. da F. Santos (Inmetro), Slavolhub G. Petkovic (Inmetro) et al 2005-2006 1. INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS E CÁTIONS -

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS E CÁTIONS - ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA DE ENSAIOS DE

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais