Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação"

Transcrição

1 Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso daqueles que lutam por igualdade entre todosfoto: AFP A decisão da suprema corte dos Estados Unidos essa semana reforça algo que nosso Supremo Tribunal Federal já afirmou em Além de garantir direitos iguais aos casais formados por duas pessoas do mesmo gênero, a corte reafirma o óbvio: todas as pessoas têm os mesmos direitos, não importa a sua orientação sexual. O próximo passo é enfrentar efetivamente as discriminações e violências. Casamento é entre pessoa e pessoa Apesar das diferenças nos procedimentos legais que culminaram na garantia desse direito, no Brasil, Estados Unidos e em mais 22 países, duas pessoas podem se casar, não importa se elas são do mesmo sexo ou de sexos diferentes. Nos outros 22 países existem outras formas de união civil. Esse

2 direito foi garantido de diversas formas e nem sempre em total pé de igualdade com as uniões entre pessoas de sexo diferente. A melhor forma de evitar tratamento discriminatório é aplicar a mesma lei a todos os casais. É assim no Brasil, EUA, Argentina, Espanha e outros países. Infelizmente, em alguns países as uniões entre pessoas do mesmo sexo estão em um patamar abaixo das demais. Alguns criaram uma nova modalidade de união civil especialmente para casais do mesmo sexo, outros incluíram exceções aos direitos decorrentes de casamentos de pessoas do mesmo gênero. Em Portugal, por exemplo, o Parlamento aprovou em 2010 o casamento, mas não o direito à paternidade/maternidade, pois negou a possibilidade de adoção conjunta por esses casais. Em 2012 o legislativo português legalizou a adoção unilateral, quando um cônjuge adota o filho ou filha do outro cônjuge, deixando de ser padrasto ou madrasta e tornando-se legalmente o que já são na realidade, pai ou mãe. A Suprema Corte norte-americana foi também o órgão responsável pela legalização em todo o país dos casamentos entre pessoas de raças diferentes. Até 1967, em 17 estados dos EUA era ilegal uma pessoa considerada branca casar com uma considerada de cor. Uma decisão da Corte pôs fim a essa outra forma de discriminação também expressamente apoiada pela lei de alguns estados. Curiosamente, argumentos contrários ao casamento inter-racial usados naquela época surgem hoje nos discursos de opositores ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Um juiz da Virgínia, que condenou um homem branco e uma mulher negra à prisão por terem se casado em outro estado, argumentou que não era a vontade divina que as pessoas de diferentes raças se unissem. Pra o casamento igualitário valer mesmo, ainda precisa de lei no Brasil? Muita gente acha que por se tratar de uma decisão do poder judiciário, o casamento entre pessoas do mesmo sexo no Brasil ainda não é um direito garantido, que sem uma lei que regulamente ainda haveria uma instabilidade legal. Não é verdade. A decisão do STF só pode ser alterada por outra decisão posterior do Tribunal, o que é extremamente improvável, já que foi uma decisão unânime e com argumentos muito fortes.

3 Em vários países o poder judiciário desempenhou um papel importante na legalização do casamento entre homossexuais O principal é que o reconhecimento das uniões homoafetivas como famílias não diminui ou retira direitos de ninguém, apenas existem pessoas ganhando mais cidadania e dignidade, ninguém perde. Não é necessário equilibrar direitos fundamentais, como no caso de liberar biografias não autorizadas de pessoas famosas, quando os direitos de expressão e informação estão de um lado e o direito à privacidade de outro lado. No Brasil, pode parecer estranho que Direitos Fundamentais sejam garantidos através de decisões da Justiça, mas isso já aconteceu por aqui com outros temas. Em 2012, o STF assegurou a possibilidade da interrupção terapêutica da gestação no caso de anencefalia fetal. Em 2007, o Tribunal garantiu o exercício do direito à greve dos servidores públicos, segundo as regras aplicáveis da lei que regulamenta a greve na iniciativa privada. Em vários países o poder judiciário desempenhou um papel importante na legalização do casamento entre homossexuais. Além de Brasil e EUA, a Suprema Corte do México decidiu nesse sentido esse mês. Na Argentina as decisões que permitiram casamentos em algumas províncias precederam a atuação do Congresso. Até hoje esses temas permanecem sem leis votadas pelo legislativo. A omissão do Congresso não pode transformar Direitos Fundamentais garantidos pela Constituição em letra morta. É obrigação dos representantes eleitos regulamentar direitos constitucionais, mas se eles se recusam a cumprir esse dever, a sua inércia, ou mesmo a atuação contrária aos Direitos Fundamentais, não pode servir para negar direitos aos cidadãos.

4 Essa força das decisões do STF é constitucional e deve ser respeitada. Quando nossa Corte Suprema ativamente garante Direitos Fundamentais já contidos na Constituição, nossa democracia se fortalece. Os direitos das minorias tendem a ser ignorados pela maioria, tanto na sociedade em geral como por seus representantes eleitos. E esse descaso não pode ser tolerado em um país que tem a dignidade da pessoa humana como um de seus fundamentos. Mas a decisão do STF foi sobre casamento ou união estável? Em maio de 2011 o STF reconheceu as uniões homoafetivas, com os mesmos efeitos das uniões estáveis entre pessoas de sexo diferente. Entre esses efeitos encontra-se a conversão da união em casamento. Afinal, nossa constituição reconhece igualmente como família a união civil decorrente de casamento ou de união estável. A melhor forma de evitar tratamento discriminatório é aplicar a mesma lei a todos os casais Como alguns juízes insistiam em impor limites aos efeitos da decisão do STF que não foram criados na decisão do Tribunal, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão responsável por supervisionar a atuação do poder judiciário, emitiu a resolução 175 em maio de 2013 determinando a obrigatoriedade de todos os cartórios, juízes e demais autoridades de realizar a conversão das uniões em casamento. Importante lembrar que casamento e união estável são duas formas pelas quais duas pessoas podem se unir civilmente no Brasil. A decisão do CNJ também determina às mesmas autoridades que realizem os casamentos de pessoas do mesmo sexo de forma direta, já que não há justificativa plausível para exigir a realização do registro de um tipo de união civil como requisito para outro tipo de união civil. Ser homossexual é natural O casamento pode ser uma forma conservadora de formação de família, mas ao garantir o direito de lésbicas, gays e bissexuais de se casarem com pessoas do mesmo sexo, toda a população LGBT ganha o reconhecimento de que não são cidadãos de segunda classe e não podem ser tratados de forma diferente.

5 Os ministros do STF votaram por unanimidade em favor do reconhecimento de que casais formados por pessoas do mesmo sexo (além de seus filhos e filhas, no caso de serem pais ou mães) são uma entidade familiar merecedora da mesma proteção constitucional dada às outras famílias. Essa decisão beneficia a todas as pessoas LGBT, porque significa que o Estado reafirmou a dignidade não apenas das pessoas LGBT afetivamente unidas, mas de todas, afirmando em rede nacional e em acórdão judicial que a sexualidade (seja entre iguais ou diferentes) é expressão da natureza humana e a sua prática é uma liberdade que o Estado e a sociedade devem respeitar. Cai por terra a visão anacrônica de que qualquer forma de sexualidade diferente da heterossexualidade seria uma doença imoral a ser revertida ou curada. O amor consensual entre adultos não é doença e qualquer projeto de lei que tenha essa noção como base está no mínimo 25 anos atrasado. Já se passou um quarto de século desde 17 de maio de 1990, quando a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua lista de doenças. Igualdade com discriminação não é igualdade plena Mesmo após as autoridades médicas e o poder judiciário entenderem que não tem nada de errado com as pessoas LGBT e que elas possuem os mesmos direitos que as outras pessoas, a discriminação e o preconceito ainda são fortes no Brasil. Muitas pessoas ainda sofrem violências e humilhações em suas famílias, escolas, trabalho, em serviços públicos e nas ruas. Todo grupo da nossa sociedade que se encontre em uma situação como essa merece ações de proteção do Estado contra os efeitos perversos da discriminação na sociedade. O Estado tem o dever de tomar todas as ações necessárias para proteger todos os seus cidadãos, incluindo as pessoas LGBT. É preciso combater os preconceitos e violações de direitos fundamentais de lésbicas, gays, travestis, transexuais e bissexuais nas escolas, nos serviços públicos, no ambiente de trabalho e mesmo dentro das casas. A privacidade do lar não pode servir de escudo para o abuso físico ou psicológico das pessoas. A Lei Maria da Penha já deixou isso claro ao proteger as mulheres de várias violências, assim como as leis de proteção das crianças e adolescentes, como a recente Lei Menino Bernardo, que proíbe castigos físicos. Essas leis deixam claro que tradições violentas ou discriminatórias não têm lugar no século XXI, seja dentro ou fora de casa. A discussão acerca da criminalização da homofobia busca dar essa resposta legal a esse mal social, mas não é a única forma de enfrentar as discriminações por orientação sexual ou identidade de gênero. A promoção da

6 igualdade deve acontecer também em outros espaços, especialmente nas escolas. A educação é a melhor forma de mudar o futuro do país e garantir a inclusão das pessoas LGBT na sociedade é papel dos governos e da sociedade, incluindo educadores e gestores escolares. A escola precisa deixar de ser um espaço de exclusão de diferentes e passar a ser um ambiente de inclusão da diversidade humana. *Sérgio Costa Floro é Bacharel em Relações Internacionais. Atua na área de Direito à Educação na ActionAid Brasil e na Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Grupo Parlamentar Projecto de lei n.º 14/XI ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Exposição de Motivos: O significado histórico do reconhecimento da igualdade A alteração

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Legislação Constituição Federal Art. 5 Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se

Leia mais

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013.

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. EMENTA: Dar-se-a nova redação a Ementa, aos artigos 1º, 2º, 3º, ao inciso II, IV, VI, VII, IX, X, XI, XIV do artigo 5º, letra C e Parágrafo único do artigo 6º, letra B do

Leia mais

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos.

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos. Palavras de Humberto Henderson, Representante Regional Adjunto para América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nacoes Unidas para os Direitos Humanos, Lancamento da Campanha Livres e Iguais

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual Audiência Pública: CSSF da Câmara dos Deputados, 06/11/2012 Apresentação Toni Reis Especialista em Sexualidade Humana Mestre em Filosofia, na área de ética

Leia mais

PARECER N.º, DE 2009

PARECER N.º, DE 2009 PARECER N.º, DE 2009 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 (PL n.º 5.003, de 2001, na Casa de origem), que altera a Lei n.º 7.716,

Leia mais

Projeto de lei n.º /XII

Projeto de lei n.º /XII Projeto de lei n.º /XII Elimina as discriminações no acesso à adoção, apadrinhamento civil e demais relações jurídicas familiares, procedendo à segunda alteração à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio, e à primeira

Leia mais

RELAÇÕES HOMOAFETIVAS

RELAÇÕES HOMOAFETIVAS RELAÇÕES HOMOAFETIVAS DIREITOS & CONQUISTAS ADOÇÕES HOMOAFETIVAS Lute com determinação, abrace a vida com paixão, perca com classe e vença com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida

Leia mais

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Normas nacionais sobre a não discriminação: a Constituição

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO

UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO Carla Medeiros Dias 1 Rogério da Silva Marques 2 Soraia Veloso Cintra 3 Resumo: Este artigo aborda o reconhecimento legal

Leia mais

MAPA MOSTRA PAÍSES ONDE CASAMENTO GAY É LEGALIZADO 28 / 6 / 2015 Projetos

MAPA MOSTRA PAÍSES ONDE CASAMENTO GAY É LEGALIZADO 28 / 6 / 2015 Projetos MAPA MOSTRA PAÍSES ONDE CASAMENTO GAY É LEGALIZADO 28 / 6 / 2015 Projetos ARGENTINA (2010) A Argentina tornou-se o primeiro país da América Latina a aprovar o casamento gay, em julho de 2010, apesar de

Leia mais

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo)

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Por Carlos Eduardo Rios do Amaral - Titular do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

Adoção por Casal Homoafetivo

Adoção por Casal Homoafetivo Assunto Especial - Doutrina União Homoafetiva - Alimentos e Adoção Adoção por Casal Homoafetivo DOUGLAS PHILLIPS FREITAS 1 Advogado, Psicopedagogo, Presidente do IBDFAM/SC, Professor da AASP - Associação

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

Mais uma vez a justiça não se curve à omissão do legislador e... faz Justiça!

Mais uma vez a justiça não se curve à omissão do legislador e... faz Justiça! Mais uma vez a justiça não se curve à omissão do legislador e... faz Justiça! Maria Berenice Dias Advogada especializada em Direito Homoafetivo Ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do RS Vice- Presidente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013 Autoriza a criação Programa de Incentivo às Semanas Culturais do Orgulho LGBT e de Inclusão Social da Diversidade nos municípios do Estado de São Paulo, e dá providências

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais Projeto Movimentos Sociais e Esfera Pública Impactos e Desafios da Participação da Sociedade Civil na Formulação e Implementação de Políticas Governamentais Limites, espaços e estratégias de Limites, espaços

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Programas de transferência de renda e combate à exclusão social H33, H40 2 Discriminação e

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Direito fundamental à homoafetividade

Direito fundamental à homoafetividade 1 Direito fundamental à homoafetividade Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Sumário: 1. Liberdade e igualdade; 2. Direito à sexualidade; 3. Família

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI

DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI Introdução: Simone Joaquim Cavalcante 1 UFCG Stella Márcia de Morais Santiago 2 UFCG No Brasil, observamos historicamente, as formas

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431 RESOLUÇÃO N 3431 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Complementar Estadual n 85, de 27 de dezembro de 1999, tendo em vista o contido

Leia mais

VÓS SOIS O SAL DA TERRA, DISSE JESUS

VÓS SOIS O SAL DA TERRA, DISSE JESUS VÓS SOIS O SAL DA TERRA, DISSE JESUS Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. (Mt. 5, 13) Carta do Padre Lodi

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Convenção

Leia mais

O Governador do Estado, Antonio Augusto Junho anastasia, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Publique-se.

O Governador do Estado, Antonio Augusto Junho anastasia, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Publique-se. O Governador do Estado, Antonio Augusto Junho anastasia, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Publique-se. Em 25/05/2011 O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli,

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

PLC 122/06 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.003-B, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PLC 122/06 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.003-B, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PLC 122/06 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.003-B, DE 2001 Altera a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, dá nova redação ao 3º do art.

Leia mais

A sociedade redescobre o conceito de família com base no afeto

A sociedade redescobre o conceito de família com base no afeto - DA POSSIBILIDADE DA CONVERSÃO DE UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA EM CASAMENTO Autora: Cristine Borges da Costa Araújo A sociedade redescobre o conceito de família com base no afeto A Suprema Corte do País

Leia mais

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida União estável e casamento homossexual Renata Barbosa de Almeida 1 Da ignorância à relevância: o percurso do reconhecimento legal Família como casamento. Constituição matrimonial através do Direito. Impedimentos

Leia mais

: 200900044000310 : ABGLT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GAYS, LÉSBISCAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS : SOLICITAÇÃO

: 200900044000310 : ABGLT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GAYS, LÉSBISCAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS : SOLICITAÇÃO CONSElHO fstaoual DE EOUCAÇAO ), i PARECER N. _---l(..lj_'...,/-1,/2009 Histórico A ABGL T - Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, por encaminhamento eletrônico,

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

CARTA PÚBLICA. À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff

CARTA PÚBLICA. À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff A instituição de Organismos de Políticas Públicas para as Mulheres pelo Poder Executivo é uma proposta dos movimentos feministas e de mulheres

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

ANEXO II: QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARGO/ QUANT.

ANEXO II: QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARGO/ QUANT. ANEXO II: QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA UNIDADE CARGO/ FUNÇÃO/ QUANT. DENOMINAÇÃO/ CARGO/FUNÇÃO NE/ DAS GABINETE 2 Assessor 102.4

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 015/2005 PRDF/PRDC/LT

RECOMENDAÇÃO N.º 015/2005 PRDF/PRDC/LT RECOMENDAÇÃO N.º 015/2005 PRDF/PRDC/LT O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, mediante ato da Procuradora da República signatária, no exercício de suas funções institucionais de que tratam os artigos 127 e 129,

Leia mais

União Homossexual. Humana Assistida

União Homossexual. Humana Assistida União Homossexual e Reprodução Humana Assistida Dra. Rívia Lamaita II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO 04 de junho de 2011 DEBATE ÉTICO SOBRE UNIÃO HOMOSSEXUAL: COMO SURGIU? Parte da razão para o não reconhecimento

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

A HOMOFOBIA SOB A ÓTICA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS 1

A HOMOFOBIA SOB A ÓTICA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS 1 A HOMOFOBIA SOB A ÓTICA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS 1 Ângela Zamberlan 2 Sadi Flôres Machado 3 A Declaração Universal dos Direitos Humanos 4, adotada e

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 FERNANDA CAROLINE PEREIRA MATHEUS FERNANDO ARENDT 1 O casamento é a celebração da união entre duas pessoas com o

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1 1 A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1 Por Toni Reis 2 Nesta discussão, é importante partir do pressuposto de que a diversidade sexual deve ser considerada como um direito humano. No âmbito

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E OUVIDORIAS Prof. Carlos Guimarães Professor da Universidade Estadual da Paraíba Doutorando e Mestre em Ética e Filosofia Política Ex-Ouvidor Público da Assembléia Legislativa -PB O que

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

20 São Paulo, 124 (88) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de maio de 2014

20 São Paulo, 124 (88) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de maio de 2014 20 São Paulo, 124 (88) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de maio de 2014 quarta-feira, 14 de maio de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (88) 21 Educação

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Cartilha Eletrônica de Direitos Homoafetivos

Cartilha Eletrônica de Direitos Homoafetivos Cartilha Eletrônica de Direitos Homoafetivos Cartilha Eletrônica de www.glslegal.com.br Direitos Homoafetivos 1ª edição junho/2010 Patrocinadores GLS Legal O GLS Legal é um sistema de suporte, assessoria

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2/XIII/1.ª ELIMINAÇÃO DA IMPOSSIBILIDADE LEGAL DE ADOÇÃO POR CASAIS DO MESMO SEXO

PROJETO DE LEI N.º 2/XIII/1.ª ELIMINAÇÃO DA IMPOSSIBILIDADE LEGAL DE ADOÇÃO POR CASAIS DO MESMO SEXO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 2/XIII/1.ª ELIMINAÇÃO DA IMPOSSIBILIDADE LEGAL DE ADOÇÃO POR CASAIS DO MESMO SEXO PRIMEIRA ALTERAÇÃO À LEI N.º 9/2010, DE 31 DE MAIO E SEGUNDA ALTERAÇÃO À LEI N.º 7/2001,

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

PROJETO DE LEI N2 J. A Câmara Municipal de Belo Horizonte decreta: CAPÍTULO 1 Disposições Gerais

PROJETO DE LEI N2 J. A Câmara Municipal de Belo Horizonte decreta: CAPÍTULO 1 Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE PROJETO DE LEI N2 J 25Ô//-I Dispõe sobre a ação do Município no combate às práticas discriminatórias por orientação sexual e dá outras providências. 2 A Câmara Municipal

Leia mais

REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. I Advento: Manifesto e Objetivos

REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. I Advento: Manifesto e Objetivos REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. Proposta por Mário de Carvalho Leony Delegado de Polícia Civil do Estado de Sergipe Membro do GT LGBT - SENASP I Advento: Manifesto e Objetivos A Rede Nacional

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer) *C0054094A* C0054094A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Susta a aplicação da Resolução nº 12, de 16 de Janeiro de 2015, da Secretaria de Direitos

Leia mais

A TUTELA DO ESTADO E A INFLUÊNCIA SOCIAL QUANTO AO PRECONCEITO AOS HOMOSSEXUAIS

A TUTELA DO ESTADO E A INFLUÊNCIA SOCIAL QUANTO AO PRECONCEITO AOS HOMOSSEXUAIS 86 A TUTELA DO ESTADO E A INFLUÊNCIA SOCIAL QUANTO AO PRECONCEITO AOS HOMOSSEXUAIS Lidiane Aparecida De Freitas Acadêmica do Curso de Direito do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto. Resumo A

Leia mais

A vez da diversidade cultural no Congresso de História

A vez da diversidade cultural no Congresso de História A vez da diversidade cultural no Congresso de História Hobsbawn disse que enquanto houver raça humana haverá história, o que seria uma generalização aceitável e segura. Podemos ampliar este pensamento

Leia mais

Novo código perdeu a chance de aceitar união gay

Novo código perdeu a chance de aceitar união gay NOTÍCIAS domingo, dia 6 de setembro de 2009 Família fora da lei Novo código perdeu a chance de aceitar união gay POR GLÁUCIA MILÍCIO E ALINE PINHEIRO O Código Civil de 2002 trouxe importantes mudanças

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais