LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS..."

Transcrição

1 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO DAS REGIÕES A SEREM OBJETO DO PROGRAMA DE APOIO À POLÍTICA DE COMBA- TE ÀS DESIGUALDADES REGIONAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL... 3 AS FONTES DOS DIFERENCIAIS REGIONAIS DE CRESCIMENTO ENTRE 1985 E CARACTERIZAÇÃO DOS 24 COREDES POR GRAUS DE DESENVOLVIMENTO E PERFIS DAS ES- TRUTURAS ECONÔMICAS A estrutura do PIB As especializações regionais As especializações nos setores industriais e de serviços As especializações agrícolas Os mercados regionais: destinos do produto e origens dos insumos Os perfis econômicos e a dinâmica do crescimento das regiões de menor desenvolvimento (G14): especializações, produtividade agrícola e mercados de produtos e de insumos As regiões agroindustriais alimentícias de menor desenvolvimento (G14) As regiões agroindustriais metal-mecânicas de menor desenvolvimento (G14) As regiões agrícolas de menor desenvolvimento (G14) As regiões agropastoris de menor desenvolvimento (G14) A região de agricultura e turismo interno (G14)... 5 FONTES DOS DIFERENCIAIS DE RENDA NA AGROPECUÁRIA Antecedentes históricos A ocupação dos solos A estrutura de uso dos solos As atividades de pecuária As culturas temporárias As culturas permanentes Silvicultura e extração vegetal Horticultura e floricultura Quantificação dos diferenciais regionais do Valor Bruto da Produção agrícola segundo suas principais fontes: estrutura produtiva e produtividade A dotação de recursos naturais como fator explicativo dos diferenciais de produtividade e de estrutura produtiva Os condicionantes climáticos

2 8 6 AS CAPACITAÇÕES COMPETITIVAS REGIONAIS: UMA TENTATIVA DE HIERARQUIZAÇÃO DO PO- TENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DOS COREDES DO G CONCLUSÕES E SUGESTÕES DE LINHAS DE PROGRAMAS PARA DINAMIZAR REGIÕES DE ME- NOR DESENVOLVIMENTO Apoio à capacitação competitiva da cadeia da carne bovina A importância da cadeia da carne bovina na economia estadual Evolução recente e tendências no Brasil e no mercado internacional da carne Sugestões de linhas de financiamento para a capacitação competitiva da cadeia da carne bovina no Rio Grande do Sul Apoio à capacitação da cadeia do leite para exportar Brasil, maior exportador de lácteos do mundo? A importância da cadeia do leite na economia gaúcha e sua problemática competitiva Apoio à expansão da fruticultura nas regiões de menor desenvolvimento Estimativas de ocupação de mão-de-obra e de investimentos para implantação de pomares Evolução recente e perspectivas da fruticultura no Brasil e no mercado mundial Programas em curso de apoio à capacitação competitiva da fruticultura Irrigação das culturas de sequeiro Estiagens: causas e conseqüências As estiagens e as perdas na agricultura do Rio Grande do Sul Auto-suficiência em milho como insumo estratégico para as cadeias de carnes suína e de aves... REFERÊNCIAS

3 9 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Hierarquização das fontes dos diferenciais de renda e de produtividade na agropecuária do Rio Grande do Sul... Figura 5.2 Coredes especializados em pecuária do Rio Grande do Sul Figura 5.3 Domínios morfoestruturais do Rio Grande do Sul Figura 5.4 Regiões geomorfológicas do Rio Grande do Sul Figura 5.5 Unidades geomorfológicas do Rio Grande do Sul Figura 5.6 Variações mesoclimáticas no espaço climático regional do Rio Grande do Sul Figura 5.7 Zoneamento agroclimático para a cultura da alfafa no Rio grande do Sul Figura 5.8 Zoneamento agroclimático para a cultura de alho e cebola no Rio Grande do Sul Figura 5.9 Zoneamento agroclimático para a cultura da batatinha no Rio Grande do Sul Figura 5.10 Zoneamento agroclimático para a cultura de cana-de-açúcar no Rio Grande do Sul Figura 5.11 Zoneamento para cevada, por épocas de plantio, no Rio Grande do Sul... Figura 5.12 Zoneamento agroclimático para a cultura do feijão no Rio grande do Sul Figura 5.13 Zoneamento agroclimático para a cultura do feijão, com e sem irrigação, no Rio Grande do Sul Figura 5.14 Zoneamento agroclimático para a cultura de forrageiras no Rio Grande do Sul Figura 5.15 Zoneamento agroclimático para a cultura do fumo no Rio Grande do Sul Figura 5.16 Zoneamento agroclimático para a cultura da mandioca no Rio grande do Sul Figura 5.17 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, para plantio em agosto, no Rio Grande do Sul Figura 5.18 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, para plantio em setembro, no Rio Grande do Sul Figura 5.19 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, para plantio em outubro, no Rio Grande do Sul Figura 5.20 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, para plantio em novembro, no Rio Grande do Sul Figura 5.21 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, para plantio em dezembro, no Rio Grande do Sul Figura 5.22 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Figura 5.23 Zoneamento agroclimático para a cultura da soja no Rio Grande do Sul Figura 5.24 Zoneamento agroclimático da cultura da soja, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Figura 5.25 Zoneamento agroclimático para a cultura do sorgo no Rio Grande do Sul Figura 5.26 Zoneamento agroclimático para a cultura do trigo no Rio Grande do Sul Figura 5.27 Zoneamento agroclimático para a cultura da bananeira no Rio Grande do Sul Figura 5.28 Zoneamento agroclimático para a cultura de cítricos no Rio Grande do Sul Figura 5.29 Zoneamento agroclimático para a cultura da macieira no Rio Grande do Sul Figura 5.30 Zoneamento agroclimático para a cultura do pessegueiro no Rio Grande do Sul Figura 5.31 Zoneamento agroclimático para a cultura da videira americana no Rio Grande do Sul Figura 5.32 Zoneamento agroclimático para a cultura da videira européia no Rio Grande do Sul Figura 5.33 Capacidade de uso dos solos, com destaque para os Coredes do G14, no Rio Grande do Sul Figura 5.34 Solos do Rio grande do Sul Figura 7.1 Combate às disparidades regionais no Rio Grande do Sul... Figura 7.2 Média do número de bovinos, por município, no Rio Grande do Sul Figura 7.3 Abate de gado bovino na Região Centro-Oeste e no Rio Grande do Sul Figura 7.4 Estrangulamentos da cadeia de carne bovina do Rio Grande do Sul Figura 7.5 Estratégia e objetivos do Programa Juntos Para Competir Figura 7.6 Newsletter do Programa South Brazilian Beef

4 10 Figura 7.7 Média da produção de leite, por município, no Rio Grande do Sul Figura 7.8 Edição-convite da newsletter do South Brazilian Fruit Figura 7.9 Edição de agradecimento e divulgação da newsletter do South Brazilian Fruit Figura 7.10 Influência do fenômeno El Niño nas condições climáticas do mundo, nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro... Figura 7.11 Influência do fenômeno La Niña nas condições climáticas do mundo, nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro... Figura 7.12 Deficiência hídrica média anual, em milímetros, no Rio Grande do Sul... Figura 7.13 Épocas normais de deficiência hídrica no Rio Grande do Sul... Figura 7.14 Meses menos chuvosos no Rio Grande do Sul... Figura 7.15 Temperatura média das máximas, em graus centígrados, do mês mais quente (janeiro)... Figura 7.16 Zoneamento agroclimático para a cultura do milho, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Figura 7.17 Zoneamento agroclimático para a cultura da soja, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Figura 7.18 Excedente hídrico, em milímetros, no Rio Grande do Sul Figura 7.19 Meses mais chuvosos no Rio Grande do Sul... Figura 7.20 Ciclo hidrológico simplificado... Figura 7.21 Mapa geomorfologicamente esquemático do Rio Grande do Sul

5 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1.1 Participação das macrorregiões Grande Sul, Grande Nordeste e Grande Norte no PIB do Rio Grande do Sul Gráfico 2.1 Distribuição percentual do PIB entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 2.2 Distribuição percentual da população entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 2.3 Distribuição percentual da área entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 2.4 Distribuição percentual do PIB agrícola entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 2.5 Distribuição percentual do PIB industrial entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 2.6 Distribuição percentual do PIB de serviços entre as regiões abrangidas pelos Coredes, classificadas segundo o grau de desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Gráfico 5.1 Produtividade agrícola, PIB per capita, convergência regional da produtividade agrícola e impacto no PIB per capita no Rio grande do Sul Gráfico 5.2 Percentual da estrutura do uso do solo na agropecuária do Rio Grande do Sul Gráfico 5.3 Participação do Valor Bruto da Produção dos 10 Coredes mais importantes na pecuária do Rio Grande do Sul Gráfico 5.4 Fontes dos diferenciais de renda, na agropecuária, entre as regiões de menor (G14) e de maior desenvolvimento (G10), no Rio Grande do Sul Gráfico 5.5 Relação VBP/ha da agropecuária no G14 e simulações de cenários, no Rio Grande do Sul Gráfico 6.1 Desenvolvimento e desempenho dos Coredes do G Gráfico 7.1 Participação percentual do G14 no Valor Adicional Bruto (VAB) da agropecuária, na mão-de- -obra empregada na agropecuária, no Valor Adicional Fiscal (VAF) e na mão-de-obra empregada nas indústrias intensivas em recursos naturais do Rio grande do Sul Gráfico 7.2 Participação percentual do G14 nas populações rural e urbana, no número de pobre rurais e urbanos, na mão-de-obra empregada e no Valor Adicional Fiscal (VAF) das indústrias intensivas em trabalho do Rio grande do Sul Gráfico 7.3 Crescimento do PIB setorial do G10 e do G14 no Rio Grande do Sul Gráfico 7.4 Valor Adicionado Bruto (VAB) agrícola e PIB per capita do G10 e do G14 no Rio Grande do Sul Gráfico 7.5 Convergência do Valor Adicionado Bruto (VAB) agrícola e seu impacto no PIB per capita do G10 e do G14 no Rio Grande do Sul Gráfico 7.6 Fontes dos diferenciais do Valor Bruto da Produção (VBP), por hectare, entre o G10 e o G14 no Rio Grande do Sul Gráfico 7.7 Produção da pecuária de corte, PIB agrícola e global, exportações de carne, agrícolas e totais, e rebanho bovino no Brasil Gráfico 7.8 Consumo anual per capita de carne bovina no Brasil Gráfico 7.9 Mercado de carne bovina no Brasil Gráfico 7.10 Produção mundial de carne Gráfico 7.11 Consumo mundial de carne Gráfico 7.12 Participação da pecuária bovina do Rio Grande do Sul na do Brasil 1994, 2002 e Gráfico 7.13 Evolução das exportações de produtos lácteos do Brasil: 2000/ Gráfico 7.14 Produção de frutas, por países, no mundo Gráfico 7.15 Evolução das exportações de frutas frescas do Brasil Gráfico 7.16 Exportações de frutas, por países de destino, do Brasil Gráfico 7.17 Evolução da participação do Brasil no valor das exportações de frutas frescas no mundo

6 12 Gráfico 7.18 Produtividade média anual do milho no período Gráfico 7.19 Soja produção por hectare 1970 a Gráfico 7.20 Produtividade média anual do feijão no período Gráfico 7.21 Perdas com milho nos últimos 35 anos comparando a produtividade efetiva com a mais alta do período... Gráfico 7.22 Perdas com soja nos últimos 35 anos comparando a produtividade efetiva com a produtividade mais alta do período... Gráfico 7.23 Perdas em milhões de dólares no período comparando a produtividade efetiva com a máxima do período... Gráfico 7.24 Perdas em milhões de dólares com soja comparando a produtividade efetiva com a máxima do período Gráfico 7.25 Perdas com milho em milhões de dólares comparando a produtividade efetiva com a produtividade mínima de kg/ha com a irrigação Gráfico 7.26 Perdas com soja em milhões de dólares comparando a produtividade efetiva com a produtividade possível de kg/ha com irrigação Gráfico 7.27 Evolução da produção de milho no Rio Grande do Sul Gráfico 7.28 Evolução da participação do Rio Grande do Sul na produção de milho do Brasil Gráfico 7.29 Relação entre a produtividade física do milho do Rio Grande do Sul e a do Brasil

7 13 LISTA DE QUADROS Quadro 5.1 Critérios para zoneamento climático da cultura da alfafa no Rio Grande do Sul Quadro 5.2 Critérios para zoneamento climático das culturas do alho e da cebola no Rio Grande do Sul Quadro 5.3 Critérios para zoneamento climático da cultura da batatinha no Rio Grande do Sul Quadro 5.4 Critérios para zoneamento climático da cultura da cana-de-açúcar no Rio Grande do Sul 1994 Quadro 5.5 Critérios para zoneamento climático da cultura do feijão no Rio Grande do Sul Quadro 5.6 Distribuição das zonas e áreas para a cultura de feijão, com e sem irrigação, no Rio Grande do Sul Quadro 5.7 Critérios para zoneamento climático de forrageiras de clima temperado (pastagens de inverno) no Rio Grande do Sul Quadro 5.8 Critérios para zoneamento climático de forrageiras de clima tropical e subtropical (pastagens de verão) no Rio Grande do Sul Quadro 5.9 Critérios para zoneamento climático da cultura do fumo no Rio Grande do Sul Quadro 5.10 Critérios para zoneamento agroclimático da cultura da mandioca no Rio Grande do Sul 1994 Quadro 5.11 Critérios para o zoneamento agroclimático da cultura do milho no Rio Grande do Sul Quadro 5.12 Distribuição das zonas e áreas cultivadas com milho, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Quadro 5.13 Critérios para zoneamento climático da cultura da soja no Rio Grande do Sul Quadro 5.14 Distribuição das zonas e áreas cultivadas com soja, com ou sem irrigação, no Rio Grande do Sul Quadro 5.15 Critérios para zoneamento climático da cultura do sorgo no Rio grande do Sul Quadro 5.16 Critérios para zoneamento climático da cultura do trigo no Rio Grande do Sul Quadro 5.17 Critérios para zoneamento climático da cultura da banana no Rio Grande do Sul Quadro 5.18 Critérios para zoneamento climático da cultura de cítricos no Rio Grande do Sul Quadro 5.19 Índices ecoclimáticos para o zoneamento da cultura da macieira no Rio Grande do Sul 1994 Quadro 5.20 Critérios para zoneamento climático da cultura do pessegueiro no Rio Grande do Sul 1994 Quadro 5.21 Critérios para zoneamento climático da videira americana no Rio Grande do Sul Quadro 5.22 Critérios para zoneamento climático da videira européia no Rio Grande do Sul Quadro 5.23 Inserção das regiões no zoneamento agroclimático das diferentes culturas temporárias no Rio Grande do Sul Quadro 5.24 Inserção das regiões no zoneamento agroclimático das diferentes culturas permanentes no Rio Grande do Sul Quadro 5.25 Culturas com sérias restrições nos Coredes do Rio Grande do Sul Quadro 5.26 Coredes cujos territórios são considerados tolerados ou preferenciais para o desenvolvimento de culturas temporárias e permanentes no Rio Grande do Sul Quadro 5.27 Culturas temporárias e permanentes, preferenciais ou toleradas, por Coredes do Rio Grande do Sul... Quadro 5.28 Disponibilidade de solos por Corede, segundo a capacidade de uso e as classes e unidades de mapeamento, no Rio grande do Sul Quadro 6.1 Ranking de caracterização econômica e desempenho das regiões do G14 em anos e períodos selecionados... Quadro 7.1 Capacidade de abate de frigoríficos habilitados para a exportação no Rio Grande do Sul 2005 Quadro 7.2 Análise da concorrência internacional de leite e derivados Quadro 7.3 Posição dos produtores gaúchos no ranking dos 100 maiores produtores de leite do Brasil Quadro 7.4 Avaliação do risco ao produtor das várias espécies de frutas, frente a alguns cenários econômicos, no Brasil 2005 e Quadro 7.5 Anos de ocorrência dos fenômenos El Niño e La Niña séculos XX e XXI... Quadro 7.6 Indicadores de viabilidade, considerando-se o retorno do investimento pelo ICMS e pelo Funrural gerados, mais a taxa de água de 11,5%, no Projeto Taquarembó

8 14 LISTA DE TABELAS Tabela 1.1 Indicadores de concentração regional do PIB per capita no Rio Grande do Sul, no Brasil e em países selecionados Tabela 1.2 Crescimento anual do PIB pós Segunda Guerra Mundial, no Brasil e no Rio Grande do Sul e Tabela 1.3 Distribuição regional e crescimento do PIB e da população do Rio Grande do Sul 1985 e 2002 Tabela 1.4 Crescimento do PIB setorial do Brasil, do Rio Grande do Sul e das suas regiões Tabela 1.5 Evolução da distribuição regional do PIB setorial do Rio Grande do Sul 1985 e Tabela 1.6 Evolução da estrutura do PIB do Rio Grande do Sul e das suas regiões 1985 e Tabela 1.7 Participação da população pobre, por regiões, na população total do Rio Grande do Sul 1991 e Tabela 2.1 Critérios de seleção das 10 regiões mais desenvolvidas do Rio Grande do Sul Tabela 2.2 Indicadores de desenvolvimento das 14 regiões menos desenvolvidas do Rio Grande do Sul Tabela 2.3 Estrutura e evolução da população do Rio Grande do Sul e de suas regiões Tabela 3.1 Decomposição, por regiões e Coredes, do crescimento do PIB do Rio Grande do Sul Tabela 3.2 Decomposição percentual, por regiões e Coredes, do crescimento do PIB do Rio Grande do Sul Tabela 4.1 Estrutura do PIB, segundo grupos e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 4.2 Distribuição regional, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do PIB setorial do Rio Grande do Sul Tabela 4.3 Crescimento do PIB setorial do Brasil, do Rio Grande do Sul, dos grupos e subgrupos de regiões e Coredes Tabela 4.4 Uso do solo agrícola, segundo os grupos e subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 4.5 Participação da pecuária na área e no Valor Bruto da Produção (VBP) agrícola, por grupos e subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 4.6 Distribuição da área e do Valor Bruto da Produção (VBP) das culturas permanentes e temporárias, por grupos e subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 4.7 Produtividade da terra, Valor Adicionado Bruto (VAB) per capita e população dos setores agrícola e urbano, por grupos e subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul 2002 Tabela 4.8 PIB per capita, renda per capita dos residentes (RRpc) e percentual da população pobre, por grupos e subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul 2000 e Tabela 4.9 Número e estrutura do total de empregados, por setores de atividades e coeficiente de localização (CL), no Rio Grande do Sul e no Brasil Tabela 4.10 Participação do número de empregados no total do G10 e no total do RS e coeficientes de localização (CL) das atividades nas quais o grupo das 10 regiões mais desenvolvidas do RS (G10) é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.11 Participação do número de empregados no total do G14 e no total do RS e coeficientes de localização (CL) das atividades nas quais o grupo das 14 regiões menos desenvolvidas do RS (G14) é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.12 Crescimento anual do emprego de mão-de-obra, por atividades predominantemente tradeables, no G10, no G14, nos 24 Coredes, no Rio Grande do Sul e no Brasil Tabela 4.13 Crescimento anual do emprego de mão-de-obra, por atividades predominantemente non-tradeables, no G10, no G14, nos 24 Coredes, no Rio Grande do Sul e no Brasil Tabela 4.14 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização do G10 e do G14 em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.15 Estrutura de utilização da área agrícola e do Valor Bruto da Produção (VBP) do G10, do G14 e do Rio Grande do Sul

9 15 Tabela 4.16 Produtividade das especializações da lavoura do G10, do G14, dos seus subgrupos de regiões e do Rio Grande do Sul Tabela 4.17 Valor Bruto da Produção/ha das especializações agrícolas regionais do G10, do G14, dos seus subgrupos de regiões e do Rio Grande do Sul Tabela 4.18 Convergência da produtividade agrícola entre os grupos de Coredes de menor e de maior desenvolvimento e impacto no PIB per capita do Rio Grande do Sul Tabela 4.19 Percentual das vendas dos mercados do G10 e do G14 para o Rio Grande do Sul, para o Brasil e para o exterior Tabela 4.20 Estrutura e participação percentual do Valor Adicionado Fiscal (VAF) nas vendas do G10 e do G Tabela 4.21 Mercados de origens dos insumos do G10 e do G Tabela 4.22 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do Rio Grande do Sul, dos grupos e subgrupos de regiões e dos Coredes Tabela 4.23 Participação dos grupos e subgrupos de regiões e Coredes nas vendas, consideradas por Valor Adicionado Fiscal, origens dos insumos e mercados de destino, do Rio Grande do Sul Tabela 4.24 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Alimentício, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.25 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Alimentício-Norte, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.26 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Alimentício-Sul, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.27 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Alimentício-Centro-Sul, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.28 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização no G14 Agroindustrial Alimentício e em seus Coredes, em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.29 Produtividade e Valor Bruto da Produção (VBP) das especializações agrícolas do G14 Agroindustrial Alimentício, de seus Coredes e do Rio Grande do Sul Tabela 4.30 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Alimentício Tabela 4.31 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Alimentício-Norte Tabela 4.32 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Alimentício-Sul Tabela 4.33 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Alimentício-Centro-Sul Tabela 4.34 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.35 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica-Fronteira Noroeste, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.36 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica-Noroeste Colonial, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.37 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização no G14 Agroinsdustrial Metal- -Mecânica e em seus Coredes, em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.38 Produtividade e Valor Bruto da Produção (VBP) das especializações do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica, de seus Coredes e do Rio Grande do Sul

10 16 Tabela 4.39 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica Tabela 4.40 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica-Fronteira Noroeste Tabela 4.41 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agroindustrial Metal-Mecânica-Noroeste Colonial Tabela 4.42 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agrícola,sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.43 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agrícola-Nordeste, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.44 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agrícola-Missões, sua participação no em relação à economia brasileira Tabela 4.45 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agrícola-Médio Alto Uruguai, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.46 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização no G14 e em seus Coredes, em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.47 Produtividade e Valor Bruto da Produção (VBP) das especializações agrícolas do G14 Agrícola, de seus Coredes e do Rio Grande do Sul Tabela 4.48 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agrícola Tabela 4.49 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agrícola-Nordeste Tabela 4.50 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agrícola-Missões Tabela 4.51 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agrícola-Médio Alto Uruguai Tabela 4.52 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.53 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril-Fronteira Oeste, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.54 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril-Campanha, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.55 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril-Jacuí Centro, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.56 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril-Alto da Serra do Botucaraí, sua participação no total do RS e coeficientes de localização das atividades nas quais o grupo é especializado em relação à economia brasileira Tabela 4.57 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agropastoril-Central, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.58 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização no G14 Agropastoril e em seus Coredes, em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.59 Produtividade e Valor Bruto da Produção (VBP) das especializações do G14 Agropastoril, de seus Coredes e do Rio Grande do Sul Tabela 4.60 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril

11 17 Tabela 4.61 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril-Fronteira Oeste Tabela 4.62 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril-Campanha Tabela 4.63 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril-Jacuí Centro Tabela 4.64 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril-Alto da Serra do Botucaraí Tabela 4.65 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino, do G14 Agropastoril-Central Tabela 4.66 Estrutura setorial do número de empregados do G14 Agricultura e Turismo, sua participação em relação à economia brasileira Tabela 4.67 Especializações agropecuárias e coeficientes de localização do G14 Agricultura e Turismo- -Litoral em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.68 Produtividade e Valor Bruto da Produção (VBP) das especializações do G14 Agricultura e Turismo-Litoral em relação ao Rio Grande do Sul Tabela 4.69 Composição das vendas, segundo o Valor Adicionado Fiscal, a origem dos insumos e os mercados de destino do G14 Agricultura e Turismo-Litoral Tabela 5.1 Indicadores de ocupação dos solos no G10, no G14 e no Rio Grande do Sul 1995 e Tabela 5.2 Uso do solo, por atividade, no Rio Grande do Sul, nos grupos e subgrupos de regiões e nos Coredes Tabela 5.3 Estrutura percentual do uso do solo, por atividade, no Rio Grande do Sul, nos grupos e subgrupos de regiões e Coredes Tabela 5.4 Estrutura setorial e distribuição geográfica do VBP da agropecuária do G10, do G14 e do Rio Grande do Sul Tabela 5.5 Estrutura da agropecuária, por atividades, nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes e no Rio Grande do Sul Tabela 5.6 Distribuição dos rebanhos, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.7 Evolução dos rebanhos nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.8 Participação percentual da pecuária no Valor Bruto da Produção do Setor Primário, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes do Rio Grande do Sul Tabela 5.9 Estrutura do Valor Bruto da Produção da pecuária nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.10 Distribuição percentual do Valor Bruto da Produção da pecuária nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.11 Distribuição do número e percentual de empregados na indústria de laticínios, por grupos de regiões e principais Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 5.12 Estrutura das culturas temporárias, por produtos, nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.13 Estrutura das culturas temporárias em percentual do Valor Bruto da Produção, nos grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.14 Estrutura regional das culturas temporárias, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.15 Estrutura regional das culturas temporárias, em percentual do VBP, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.16 Valor Bruto da Produção/ha das culturas temporárias, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.17 Estrutura geográfica das culturas permanentes, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 5.18 Estrutura do Valor Bruto da Produção das culturas permanentes, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul

12 18 Tabela 5.19 Estrutura regional das culturas permanentes, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 5.20 Estrutura regional do Valor Bruto da Produção das culturas permanentes, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 5.21 Valor Bruto da Produção das culturas permanentes, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, no Rio Grande do Sul Tabela 5.22 Distribuição regional da silvicultura no Rio Grande do Sul Tabela 5.23 Distribuição regional do Valor Bruto da Produção da silvicultura no Rio Grande do Sul 2003 Tabela 5.24 Estrutura do valor da produção extrativa vegetal dos grupos, subgrupos de regiões e Coredes do Rio Grande do Sul Tabela 5.25 Estrutura regional do Valor Bruto da Produção da extrativa vegetal, por grupos, subgrupos de regiões e Coredes, do Rio Grande do Sul Tabela 5.26 Fontes dos diferenciais do Valor Bruto de Produção (VBP), na agropecuária, entre as regiões de menor (G14) e de maior (G10) desenvolvimento, no Rio Grande do Sul Tabela 5.27 Produtividade média da agropecuária e das regiões benchmarking do Rio Grande do Sul Tabela 5.28 Estrutura do uso do solo, em percentual da área, no G10 e no G14, no Rio Grande do Sul Tabela 5.29 Estrutura do Valor Bruto da Produção agropecuária no G10 e no G14, no Rio Grande do Sul Tabela 6.1 Características estruturais e desempenho segundo os atributos dos Coredes do G14, em períodos selecionados... Tabela 6.2 Características econômicas e de desempenho e valor das variáveis no G10, no G14 e nos Coredes, em períodos selecionados... Tabela 7.1 Indicadores da cadeia da carne bovina do Rio Grande do Sul Tabela 7.2 Número de estabelecimentos e de empregados no abate de reses e na preparação de produtos da carne, por Coredes, seus grupos e alguns municípios, no Rio Grande do Sul Tabela 7.3 Consumo de carnes per capita em países selecionados Tabela 7.4 Evolução da produção de leite de vaca no mundo, nos 10 principais países produtores e no Rio Grande do Sul 1995, 1999 e Tabela 7.5 Exportações da cadeia láctea, por produtos e destinos, do Brasil Tabela 7.6 Exportações mundiais de leite e produtos derivados Tabela 7.7 Exportações de leite e derivados do Brasil Tabela 7.8 Número de estabelecimentos e de empregados na indústria de laticínios, por grupos, seus Coredes e alguns municípios, no Rio Grande do Sul Tabela 7.9 Evolução da produção de leite, por regiões e principais estados, no Brasil Tabela 7.10 Maiores empresas da indústria de laticínios, segundo a recepção de leite, o número de produtores e a produção diária, no Brasil Tabela 7.11 Coeficientes de geração de emprego de mão-de-obra, por hectare e atividades, no Rio Grande do Sul... Tabela 7.12 Consumo per capita de frutas em países selecionados... Tabela 7.13 Consumo domiciliar per capita de frutas tropicais e temperadas, segundo regiões metropolitanas e capitais selecionadas, no Brasil Tabela 7.14 Consumo de frutas e sucos de frutas no Brasil Tabela 7.15 Elasticidade-renda da demanda e taxas de crescimento anual da produção e do consumo aparente das principais espécies frutícolas do Brasil anos Tabela 7.16 Exportações do Souh Brazilian Fruit através da SIAL Tabela 7.17 Estimativa do impacto anual do Projeto Taquarembó, segundo atividades da agropecuária, em Dom Pedrito, Lavras do Sul e Rosário do Sul

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

INTRODUÇÃO Relatório Final da Atividade 2 Introdução fontes de dinamismo econômico e social podem

INTRODUÇÃO Relatório Final da Atividade 2 Introdução fontes de dinamismo econômico e social podem 19 INTRODUÇÃO Este documento corresponde ao Relatório Final da Atividade 2 referente ao plano de trabalho do convênio celebrado entre a Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE)

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO I OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO POLITICAS REGIONAIS NA UNIÃO EUROPEIA E LIÇÕES PARA O BRASIL 1 a Reimpressão Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2012 Sumário LISTA DE ILUSTRAÇÃO 6 LISTA DE MAPAS. 7

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Airton Spies, PhD Eng. Agrônomo e Administrador de Empresas SEMINÁRIO ESTADUAL EPAGRI/CIRAM Florianópolis, 26/10/2011 Estado de

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Apresentação do trabalho Fluxograma do Estudo Relatório do Estudo Base de Microdados do Censo Agropecuár io 2006 Enquadráveis nas normas do Pronaf (Bacen) Não Enquadráveis

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Economia de Santa Catarina A economia de Santa Catarina é diversificada, no território são desenvolvidas atividades econômicas no ramo da indústria, extrativismo (animal, vegetal e mineral), agricultura,

Leia mais

Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Edson Paulo Domingues, Cedeplar/UFMG

Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Edson Paulo Domingues, Cedeplar/UFMG Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Edson Paulo Domingues, Cedeplar/UFMG IMPACTOS ECONÔMICOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR Edson Paulo Domingues UFMG FACE

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Boletim Regional Florianópolis

Boletim Regional Florianópolis Boletim Regional Florianópolis Carlos Hamilton Araújo Novembro de 2014 Índice I. Introdução II. Inferências Nacionais III. Região Sul IV. Santa Catarina V. Mercado de Crédito 2 I. Introdução 3 Missão do

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Dados divulgados nesta semana das anomalias de temperatura da superfície do mar no Oceano Pacífico indicaram que fenômeno El Niño está na presente,

Leia mais

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES TEMAS VOLUME DE RECURSOS Ocorreu um aumento médio de 20% no custo de produção em relação à safra anterior. Crise as traddings, agroindútrias e cerealistas reduziram a oferta de crédito. O crédito oficial

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br Porto Alegres GEOGRAFIA AGRÁRIA PÁG. 117 a 129 do livro. 375 a 388 Em 1970, a revolução verde foi um verdadeiro boom na produção de alimentos. Hoje,

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais