Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide"

Transcrição

1 Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Outubro 2010

2 Nota Introdutória O presente documento é uma adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide. No âmbito do Programa Rede Social procedeu-se à actualização do documento estratégico que concerne o Diagnóstico Social do Concelho. Após consultar diversas fontes, tais como INE, Carta Social, Instituto do Emprego e Formação Profissional, entre outras, foi-nos possível actualizar os diferentes capítulos que fazem parte do Diagnóstico: Tendências Demográficas; Educação e Aprendizagem, Convivência Social; Acesso à Saúde; Capital Humano e Emprego; e Nível de Vida e Rendimento. Há que salientar que devido à falta de informação actualizada por parte do Instituto Nacional de Estatística, não foi possível a alteração de dois capítulos: Configuração e Dinâmica do Tecido Empresarial; e Habitação. i

3 INDÍCE Enquadramento 1 I Tendências Demográficas. 3 II Educação e Aprendizagem 10 III Convivência Social 15 IV Acesso á Saúde 21 VI Capital Humano e Emprego. 28 VIII Nível de Vida e Rendimento 30 Bibliografia ii

4 ENQUADRAMENTO Página 11 A Rede Social materializa-se a nível local através da criação dos Conselhos Locais de Acção Social (CLAS), constituindo uma plataforma de planeamento e coordenação da intervenção social a nível concelhio. No concelho de Castelo de Vide o CLAS, inicialmente constituído por dezanove entidades, é actualmente constituído por vinte e nove entidades, designadamente: Constituição do CLAS de Castelo de Vide (2010): Agrupamento Vertical de Escolas de Castelo de Vide APPACDM Equipa de Intervenção Precoce de Castelo de Vide Associação de Jovens Terras de Vide Associação de Pais das Escolas do Concelho de Castelo de Vide Banda União Artística Câmara Municipal de Castelo de Vide Casa do Povo de Castelo de Vide Centro de Saúde de Castelo de Vide Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Portalegre Centro Paroquial de Assistência de Castelo de Vide CerciPortalegre Centro de Reabilitação e Formação Profissional Cooperativa de Habitação Sintra do Alentejo Direcção Regional de Educação do Alentejo Fábrica da Igreja de Castelo de Vide Fundação Nossa Senhora da Esperança Grupo de Amigos de Castelo de Vide Grupo de Folclore e Cultura de Póvoa e Meadas Guarda Nacional Republicana Instituto de Emprego e Formação Profissional Centro de Emprego de Portalegre Junta de Freguesia de Póvoa e Meadas Junta de Freguesia de Santa Maria Devesa Junta de Freguesia de Santiago Maior Junta de Freguesia de São João Baptista Lar da 3ª Idade de Nossa Senhora da Graça OCRE Associação para a Valorização do Ambiente, Cultura, Património e Lazer Rancho Folclórico Nossa Senhora da Alegria Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide Sociedade Recreativa 1º de Dezembro Sociedade Recreativa e Musical de Póvoa e Meadas 1

5 Página 12 Constituição do Núcleo Executivo do CLAS (2010): Câmara Municipal de Castelo de Vide Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Portalegre Centro de Saúde de Castelo de Vide Agrupamento Vertical de Escolas de Castelo de Vide Junta de Freguesia de Santa Maria Devesa Lar da 3ª Idade de Nossa Senhora da Graça Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide 2

6 1. TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS 1.1. Território e População Página 24 População Residente em 2008 Concelhos Hab. % Alter do Chão 3,442 Peso relativo da população do concelho no distrito 3,17% Arronches 3,211 Avis 4,931 Campo Maior 8,295 Castelo de Vide 3,701 Crato 3,707 Elvas 22,118 Fronteira 3,16 Gavião 4,027 Marvão 3,489 Monforte 3,087 Nisa 7,536 Ponte de Sor 17,078 Portalegre 23,731 Sousel 5,317 Castelo de Vide Distrito de Portalegre Distribuição da População pelos diferentes grupos etários no concelho de Castelo de Vide Grupo Etário Homens Mulheres Homens Mulheres De 0 a 4 anos De 5 a 9 anos De 10 a 14 anos De 15 a 19 anos De 20 a 24 anos De 25 a 29 anos De 30 a 34 anos De 35 a 39 anos De 40 a 44 anos De 45 a 49 anos De 50 a 54 anos De 55 a 59 anos De 60 a 64 anos De 65 a 69 anos De 70 a 74 anos De 75 a 79 anos De 80 a 84 anos De 85 a 89 anos* Mais de 89 anos Total * em 2008 o último grupo etário compreende as idades de 85 e mais anos Fonte: Censos 2001/INE

7 Página 25 Pirâmide Etária da População do Concelho de Castelo de Vide em 2001 >90 >90 85 a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a 14 5 a 9 5 a 9 0 a 4 0 a 4 H M Pirâmide Etária da População do Concelho de Castelo de Vide em e + 80 a a a a a a a a a a a a a a a 14 5 a 9 0 a 4 0 a 4 5 a 9 85 e + 80 a a a a a a a a a a a a a a a 14 M H 4

8 Página 26 Taxa de Natalidade em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 8,9 Alentejo 8,6 Arronches 5,0 Alto Alentejo 7,5 Avis 5,5 Portugal 9,8 Campo Maior 12,4 Castelo de Vide 2,7 Crato 7,0 Elvas 9,2 Fronteira 8,1 Gavião 3,4 Marvão 2,0 Monforte 10,3 Nisa 4,5 Ponte de Sor 7,1 Portalegre 8,5 Sousel 7,7 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Taxa de Mortalidade em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 21,3 Alentejo 14,0 Arronches 18,3 Alto Alentejo 15,8 Avis 15,6 Portugal 9,8 Campo Maior 13,0 Castelo de Vide 18,8 Crato 20,1 20,0 18,0 Elvas 12,9 16,0 Fronteira 18,8 14,0 Gavião 26,7 12,0 10,0 Marvão 15,9 8,0 Monforte 19,0 6,0 Nisa 26,4 4,0 2,0 Ponte de Sor 12,6 0,0 Portalegre 13,4 Sousel 15,0 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal 5

9 Página 27 Taxa de Nupcialidade em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 2,9 Alentejo 3,2 Arronches 3,1 Alto Alentejo 3,1 Avis 1,4 Portugal 4,1 Campo Maior 4,5 Castelo de Vide 3,0 Crato 3,7 4,5 Elvas 3,6 4,0 Fronteira 2,5 3,5 3,0 Gavião 2,4 2,5 Marvão 2,8 2,0 Monforte 2,3 1,5 Nisa 1,6 1,0 0,5 Ponte de Sor 2,5 0,0 Portalegre 3,8 Sousel 1,3 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Taxa de Divórcio em 2006 Concelhos Região Alter do Chão 0,8 Alentejo 1,9 Arronches 3,1 Alto Alentejo 2,0 Avis 1,8 Portugal 2,2 Campo Maior 1,2 Castelo de Vide 1,3 Crato 0,5 2,5 Elvas 2,7 2,0 Fronteira 2,4 Gavião 0,9 1,5 Marvão 1,6 1,0 Monforte 1,6 Nisa 1,0 0,5 Ponte de Sor 1,9 0,0 Portalegre 2,9 Sousel 0,9 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal 6

10 Taxa de Fecundidade em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 46,3 Alentejo 39,2 Arronches 25,5 Alto Alentejo 34,9 Avis 27,0 Portugal 40,4 Campo Maior 54,1 Castelo de Vide 12,6 Crato 36,2 45,0 Elvas 40,0 40,0 Fronteira 38,2 35,0 30,0 Gavião 18,9 25,0 Marvão 10,6 20,0 Monforte 44,3 15,0 Nisa 25,8 10,0 5,0 Ponte de Sor 32,3 0,0 Portalegre 37,7 Sousel 37,4 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Página 28 Nados Vivos fora do casamento em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 45,2% Alentejo 42,7% Arronches 37,5% Alto Alentejo 40,6% Avis 66,7% Portugal 36,2% Campo Maior 35,9% Castelo de Vide 60,0% Crato 34,6% 70,0% Elvas 49,8% 60,0% Fronteira 34,6% 50,0% Gavião 42,9% 40,0% Marvão 42,9% 30,0% Monforte 50,0% 20,0% Nisa 26,5% 10,0% Ponte de Sor 47,5% Portalegre 25,2% 0,0% Sousel 31,7% Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal 7

11 Índice de Envelhecimento em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 270,0% Alentejo 172,9% Arronches 295,6% Alto Alentejo 208,4% Avis 260,5% Portugal 115,5% Campo Maior 144,1% Castelo de Vide 235,1% Crato 300,8% 250,0% Elvas 149,5% 200,0% Fronteira 204,3% Gavião 442,5% 150,0% Marvão 328,4% Monforte 197,5% 100,0% Nisa 363,1% 50,0% Ponte de Sor 189,1% Portalegre 176,1% 0,0% Sousel 227,5% Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Índice de Dependência em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 76,8% Alentejo 57,0% Arronches 72,8% Alto Alentejo 61,6% Avis 65,6% Portugal 49,0% Campo Maior 55,0% Castelo de Vide 66,7% Crato 67,3% 80,0% Elvas 55,6% 70,0% Fronteira 60,4% 60,0% Gavião 85,0% 50,0% 40,0% Marvão 73,5% 30,0% Monforte 72,2% 20,0% Nisa 82,4% Ponte de Sor 59,5% 10,0% Portalegre 53,5% 0,0% Sousel 72,6% Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal 8

12 Resumo: Refere-se abaixo, de forma sintética, alguns indicadores demográficos. Saliente-se que o facto da população de Castelo de Vide ser reduzida, faz com que qualquer pequena alteração (ex. Nº. de Nascimentos) influencia de forma visível os resultados (fenómeno dos pequenos números). Alguns dos indicadores reportam levantamentos de momentos anuais, pelo que a sua comparação não deve ser entendida como evolutiva. População Residente: hab hab. Estima-se que a Pop. Residente tenha diminuído neste período em 4,4 % Taxa de natalidade: ,3% ,7%. Diminuição da taxa de natalidade em 3,6%.* Taxa de mortalidade: % ,8%. Verifica-se um ligeiro aumento da taxa de mortalidade.* Taxa de nupcialidade: ,7% ,0%. Taxa de divórcio: ,7% ,3%. Taxa de fecundidade: ,5% ,6%. Acentuada descida da taxa de fecundidade.* Nados vivos fora do casamento: ,7% ,0%. Acentuado aumento dos nados vivos fora do casamento.* Índice de envelhecimento: ,8% ,1%. Aumento do índice de envelhecimento. População dependente: ,1% ,7%. Acentuado aumento da população dependente. * os dados comparam apenas dois momentos de levantamento, pelo que não devem ser vistos como resultantes de uma evolução. Página 41 Análise de Pontos fracos 1. Processo acelerado de envelhecimento da população O envelhecimento da população é a característica social dominante no concelho. Este fenómeno deve ser encarado de forma prioritária nas políticas de desenvolvimento. Verifica-se um processo de rápido envelhecimento da população residente no concelho de Castelo de Vide, causada por um lado pelo aumento da população com mais de 65 anos a que se liga o aumento da esperança de vida, a migração positiva em idade de reforma, migração negativa em idade activa e, por outro lado, por uma quebra da taxa de natalidade (ex. 2004: 6,3%; 2008: 2,7%) com a consequente não renovação de gerações. Este processo traduz-se num índice de envelhecimento na ordem dos 235,1%, superiores ao dobro do verificado a nível nacional (115,5%). Num cenário pessimista, partindo do pressuposto de um decréscimo dos níveis de fecundidade até 2050, associado à hipótese dos saldos migratórios nulos e a um aumento da esperança média de vida à nascença, o fenómeno de envelhecimento atingirá previsivelmente, em 2050 no concelho de Castelo de Vide uma proporção de 762 idosos por cada 100 jovens. 9

13 2. EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM A oferta educativa no concelho de Castelo de Vide estende-se do nível Pré-Escolar ao Secundário (módulos/nocturno), compreendendo todos os níveis da escolaridade obrigatória: Pré-escolar: compreende três estabelecimentos, sendo um destes, privado (Centro Paroquial de Castelo de Vide), envolvendo 109 alunos. 1.º Ciclo: compreende um total de dois estabelecimentos de ensino a funcionar em Póvoa e Meadas e Castelo de Vide. 2.º Ciclo e 3.º Ciclo: compreendem apenas um estabelecimento de ensino (Escola Básica do 2.º e 3.º Ciclos Garcia d Orta) sediado em Castelo de Vide. A oferta formativa compreende os regimes de frequência diurno e nocturno, bem como a oferta de formação profissional qualificante através de Cursos de Formação Educação e Centro de Novas Oportunidades (CNO). Secundário (Módulos), compreende apenas um estabelecimento de ensino (Escola Básica do 2.º e 3.º Ciclos Garcia d Orta) sediado em Castelo de Vide. A oferta formativa compreende o regime de frequência nocturno por módulos e envolve formandos (44) dos concelhos de Castelo de Vide e Marvão. Oferta Formativa para grupos específicos: Disponibilizada pela Cerci Portalegre e através do Centro de Reabilitação e Formação Profissional, sedeado na zona Industrial de Castelo de Vide, são aqui desenvolvidos cursos de formação profissional inicial, visando a aquisição e o desenvolvimento de competências profissionais, tendo em vista potenciar empregabilidade dos seus destinatários, mas também a melhoria da competências pessoais e sociais, de modo a facilitar uma melhor integração em sociedade. São destinatários destas acções jovens com dificuldades de aprendizagem, de inserção socioprofissional e/ou com deficiências e incapacidades, com a idade mínima legal para prestar trabalho (16 anos), que pretendam ingressar no mercado de trabalho e não possuem uma qualificação compatível com o exercício de uma profissão ou ocupação de um posto de trabalho e que, face à natureza da sua incapacidade, não reúna condições para aceder à oferta formativa das estruturas regulares, mas que demonstrem capacidade para adquirir competências que permitam a sua inserção no mercado laboral. Página 49 Estabelecimentos de ensino e alunos matriculados no ano lectivo 2009/2010 Nível de Qualificação Estabelecimentos Alunos Pré-escolar º Ciclo º Ciclo º Ciclo 1 98 Curso EFA 1 16 RVCC U.F.C.D Total Fonte: Agrupamento Vertical de Escolas de Castelo de Vide 10

14 Relação entre a população residente com idades compreendidas entre os 0 e os 4 anos e o número de estabelecimentos escolares (Nível Pré-escolar), em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 44 Alto Alentejo 59 Arronches 31 Alentejo 122 Avis 22 Portugal 77 Campo Maior 120 Castelo de Vide 34 Crato Elvas Fronteira Gavião Marvão Monforte 53 Nisa Ponte de Sor Portalegre 79 0 Sousel 25 / Direcção Regional de Educação do Alentejo 2009 Relação entre a população residente com idades compreendidas entre os 5 e os 9 anos e o número de estabelecimentos escolares (1º Ciclo), em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 49 Alto Alentejo 67 Arronches 39 Alentejo 110 Avis 26 Portugal 89 Campo Maior 146 Castelo de Vide Crato 34 Elvas Fronteira Gavião 28 Marvão Monforte Nisa 50 Ponte de Sor Portalegre 73 0 Sousel 29 / Direcção Regional de Educação do Alentejo

15 Página 50 Relação entre a população residente com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos e o número de estabelecimentos escolares (2º Ciclo), em 2008 Alter do Chão 127 Alto Alentejo 237 Arronches 134 Alentejo 562 Avis 132 Portugal 461 Campo Maior 406 Castelo de Vide Crato 119 Elvas Fronteira Gavião 129 Marvão Monforte Nisa Ponte de Sor Portalegre 511 Sousel 127 / Direcção Regional de Educação do Alentejo 2009 Relação entre a população residente com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos e o número de estabelecimentos escolares (3º Ciclo), em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 127 Alto Alentejo 237 Arronches 134 Alentejo 461 Avis 132 Portugal 349 Campo Maior 406 Castelo de Vide Crato Elvas Fronteira Gavião Marvão Monforte Nisa Ponte de Sor Portalegre Sousel 127 / Direcção Regional de Educação do Alentejo

16 Página 55 Taxa de Retenção e desistência no ensino básico em 2007/2008 Concelhos Taxa Taxa Alter do Chão 7,0% Alto Alentejo 6,9% Arronches 2,0% Alentejo 8,5% Avis 14,8% Portugal 7,9% Campo Maior 7,4% Castelo de Vide 1,4% 9,0% Crato 7,6% 8,0% Elvas 5,9% 7,0% Fronteira 10,5% 6,0% Gavião 8,6% 5,0% Marvão 3,4% 4,0% Monforte 8,3% 3,0% Nisa 4,5% 2,0% Ponte de Sor 6,8% 1,0% Portalegre 8,0% 0,0% Sousel 4,7% 2.4. Identificação de pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças Página 66 Inclusão de novos pontos fortes: Existência de um Centro RVCC promovido por entidades públicas ou privadas a nível local, devidamente acreditado pelo Sistema Nacional de Acreditação de Entidades. Inexistência de abandono escolar no presente ano lectivo (2009/2010), no concelho de Castelo de Vide. Existência de uma oferta educativa mais alargada: 1- Curso de Educação e Formação de adultos 2- Curso de alfabetização de adultos 3- Percursos escolares alternativos 4- Cursos EFA 5- Curso de Português para estrangeiros 6- Percursos formativos diferenciados (destinados a jovens com dificuldades de aprendizagem). 7- Cursos de formação profissional inicial (Cerci Portalegre e Centro de Reabilitação e Formação Profissional) 13

17 Inclusão de novos pontos fracos: Diminuição acentuada da população em idade escolar; Dificuldades em concertar as necessidades sentidas pela escola e seus parceiros locais, com as ofertas públicas dimensionadas fora do concelho. Dificuldades de prosseguimento de estudos de nível secundário, ministrados em Portalegre, apesar de todos os apoios a nível concelhio. Resumo: Os valores referidos na síntese apresentada referem-se a dois momentos distintos 2001 e Embora sejam dados pontuais, dão-nos a noção da tendência actual. Registe-se a diminuição do abandono escolar. Relação entre a população residente com idade entre 0 e 4 anos e o número de estabelecimentos escolares de nível pré-escolar, em Castelo de Vide: alunos por estabelecimento alunos por estabelecimento. Diminuição do número de alunos por estabelecimento de nível pré-escolar. Relação entre a população residente com idade entre 5 e 9 anos e o número de estabelecimentos escolares de 1º ciclo, em Castelo de Vide: alunos por estabelecimento alunos por estabelecimento. Ligeira descida do número de alunos por estabelecimento do 1º ciclo. Relação entre a população residente com idade entre 10 e 14 anos e o número de estabelecimentos escolares de 2º ciclo, em Castelo de Vide: alunos por estabelecimento alunos por estabelecimento. Ligeira descida do número de alunos por estabelecimento do 2º ciclo. Relação entre a população residente com idade entre 10 e 14 anos e o número de estabelecimentos escolares de 3º ciclo, em Castelo de Vide: alunos por estabelecimento alunos por estabelecimento. Ligeira descida do número de alunos por estabelecimento do 3º ciclo. Retenção e desistência no ensino básico: 2001 Taxa de saída antecipada: 22,4%; Taxa de retenção: 11,6%. 2007/2008 Taxa de retenção e desistência: 1,4%. Descida acentuada dos valores de desistência e retenção no ensino básico. 14

18 3. CONVIVÊNCIA SOCIAL 3.2. Segurança e instabilidade Página 78 Taxa de Criminalidade em 2006 Concelhos Taxa Região Taxa Alter do Chão 41,7 Alentejo 31,4 Arronches 13,5 Alto Alentejo 29,6 Avis 15,2 Portugal 37,8 Campo Maior 23,5 Castelo de Vide 13,9 40,0 Crato 14,3 35,0 Elvas 41,4 Fronteira 37,7 30,0 25,0 Gavião 13,2 Marvão 22,1 20,0 Monforte 15,7 15,0 Nisa 18,6 10,0 Ponte de Sor 33,0 5,0 Portalegre 36,7 0,0 Sousel 18,9 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Página 79 Número de Habitantes por Bombeiro em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 48 Distrito de Portalegre 123 Arronches 89 Alentejo 193 Avis 130 Portugal 278 Campo Maior 218 Castelo de Vide Crato 88 Elvas Fronteira Gavião 45 Marvão Monforte Nisa 93 Ponte de Sor Portalegre Sousel 84 15

19 Página 82 Taxa de cobertura da população residente com menos de 5 anos pelo número de utentes dos infantários em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 26,7% Alto Alentejo 32,6% Arronches 43,5% Alentejo 9,2% Avis 22,7% Portugal 15,7% Campo Maior 9,7% Castelo de Vide 48,0% 60,00% Crato 43,1% Elvas 27,9% 50,00% Fronteira 46,6% 40,00% Gavião 35,4% Marvão 54,3% 30,00% Monforte 18,9% 20,00% Nisa 21,4% Ponte de Sor 19,1% 10,00% Portalegre 45,9% 0,00% Sousel 58,1% Taxa de cobertura da população residente com mais de 64 anos pelo número de utentes de Centro de Dia em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 8,2% Alto Atentejo 5,6% Arronches 2,7% Alentejo 2,2% Avis 6,0% Portugal 3,2% Campo Maior 4,0% Castelo de Vide 5,3% 6,00% Crato 12,4% Elvas 3,2% 5,00% Fronteira 4,3% 4,00% Gavião 9,6% Marvão 9,7% 3,00% Monforte 8,8% 2,00% Nisa 10,3% Ponte de Sor 4,4% 1,00% Portalegre 3,3% 0,00% Sousel 4,5% Castelo de Vide Alto Atentejo Alentejo Portugal 16

20 Página 83 Taxa de cobertura da população residente com mais de 64 anos pelo número de utentes de Lar de Idosos em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 13,3% Alto Alentejo 8,6% Arronches 15,1% Alentejo 2,9% Avis 9,1% Portugal 3,5% Campo Maior 4,5% Castelo de Vide 16,0% 18,00% Crato 15,7% 16,00% Elvas 7,4% 14,00% Fronteira 12,8% 12,00% Gavião 13,3% 10,00% Marvão 10,5% 8,00% Monforte 9,4% 6,00% Nisa 10,7% 4,00% Ponte de Sor 5,9% 2,00% Portalegre 4,8% 0,00% Sousel 7,5% Castelo de Vide Alto Alentejo Alentejo Portugal Taxa de cobertura da população residente com mais de 64 anos pelo número de beneficiários de Apoio Domiciliário em 2008 Concelhos % Região % Alter do Chão 14,6% Alto Alentejo 8,0% Arronches 4,4% Alentejo 3,3% Avis 11,2% Portugal 4,4% Campo Maior 5,5% Castelo de Vide 6,9% 9,00% Crato 13,0% 8,00% Elvas 5,6% 7,00% Fronteira 10,0% 6,00% Gavião 11,3% 5,00% Marvão 9,3% 4,00% Monforte 11,9% 3,00% Nisa 12,1% 2,00% Ponte de Sor 8,0% 1,00% Portalegre 5,1% 0,00% Sousel 5,8% Castelo de Vide Alto Alentejo Alentejo Portugal 17

21 Ao nível de equipamentos sociais não instalados no concelho destaca-se a valência do Centro de Convívio da Casa do Povo de Castelo de Vide, bem como todas as actividades recreativas, culturais e desportivas. Outras entidades prestam serviços formais e não formais à população jovem como seja o caso da Associação OCRE que mantém em permanência um Centro de Tecnologias de Informação espaço Internet e formação para as novas tecnologias. Para além destas, desenvolve actividades lúdicas e formativas com crianças e jovens no âmbito do projecto Ver para Querer do programa Escolhas, em parceria com o Agrupamento de escolas do Concelho, com a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Castelo de Vide, Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide. Neste âmbito, desenvolve actividades lúdicas e formativas tendo por objecto a inclusão social e comunitária. Desenvolve igualmente a mobilidade juvenil e técnica (intercâmbios e seminários). Em parceria desenvolve trabalho ao nível da prevenção primária e da valorização dos recursos naturais e culturais. A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Castelo de Vide, foi implementada em Agosto de 2006, através da Portaria Nº. 854/2006 de 23 de Agosto. A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Castelo de Vide funciona na modalidade alargada, constituída nos termos do artº. 17º. da Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, pelos seguintes elementos: a) Um representante do Município; b) Um representante do Instituto de Segurança Social ; c) Um representante dos Serviços Locais do Ministério da Educação; d) Um médico representante dos Serviços de Saúde; e) Um representante das Instituições particulares de Solidariedade Social ou de Organizações não governamentais que desenvolvam actividades de carácter não institucional destinadas a crianças e jovens; f) Um representante da Associação de Pais; g) Um representante das Associações ou Organizações Privadas que desenvolvam actividades desportivas, culturais ou recreativas destinadas a crianças e jovens; h) Um representante das Associações de Jovens ou dos Serviços de Juventude; i) Um representante da Guarda Nacional Republicana; j) Quatro pessoas designadas pela Assembleia Municipal ou pela Assembleia de Freguesia; k) Os técnicos que venham a ser cooptados pela Comissão. A comissão funciona também na modalidade restrita que é composta nos termos do art. 20º. da Lei de Protecção, sempre por um número ímpar, nunca inferior a cinco entre os membros que integram Comissão Alargada. Assim esta Comissão restrita é composta pelos seguintes elementos: - Representante do Município; - Representante do Instituto de Segurança Social; - Representante dos Serviços de Saúde; - Representante dos Serviços Locais do Ministério da Educação; - Representante da Guarda Nacional Repúblicana; - Um técnico cooptado da área de Direito. Esta Comissão Restrita reúne com a periocidade quinzenal e sempre que se verifique uma situação qualificada de emergência 18

22 Recursos Sociais (Inclusão das respostas sociais do concelho) Creche Centro Paroquial Assistência Castelo de Vide Respostas Sociais Capacidade Utentes Creche Outras actividades Pré-Escolar Fonte: Carta Social 2010 Centro de Dia e Lar de Idosos Albergue de João José Le Coq Respostas Sociais Capacidade Utentes Serviço de Apoio Domiciliário (Idosos) Centro de Dia Lar de Idosos Fonte: Carta Social 2010 / Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide Lar 3ª Idade Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas Respostas Sociais Capacidade Utentes Serviço de Apoio Domiciliário (Idosos) Centro de Dia 10 4 Lar de Idosos Fonte: Carta Social 2010 Ampliação do Lar da Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas (Resposta Lucrativa) Capacidade: 23 Utentes: 23 Lar João Gonçalves Palmeiro Novo Respostas Sociais Capacidade Utentes Lar de Idosos Serviço Apoio Domiciliário (Idosos) Fonte: Carta Social 2010 Respostas Sociais Sem acordo com a Segurança Social Com acordo na Segurança Social Fundação Nossa Senhora da Esperança (12 utentes) Fundação Nossa Senhora da Esperança (66 utentes) 19

23 Projectos de aumento das respostas sociais no concelho de Castelo de Vide: 1- Projecto para construção de uma Unidade de Cuidados Continuados de média duração da Fundação Nossa Senhora Esperança, com capacidade para 20 utentes. 2- Recuperação do Convento de São Francisco da Fundação de Nossa Senhora da Esperança, com vista ao aumento da capacidade do Lar de Idosos (30 utentes). 3- Construção do Lar Santo Amaro da Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide. 4- Intenção de construção de um Lar residencial da Santa Casa da Misericórdia. 5- Implementação de resposta social Centro Comunitário pela Santa Casa da Misericórdia. 6- Construção do Centro Comunitário Paroquial. 7- Intenção de construção ou remodelação do Centro Paroquial de Assistência. 8- Intenção de construção de uma residência autónoma Ampliação do Lar de Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas. 9- Intenção de implementação de um atelier para jovens e crianças pelo Lar de Nossa Senhora de Póvoa e Meadas. 10- Projecto de implementação de um centro de convívio da Casa do Povo de Castelo de Vide. 20

24 4. ACESSO À SAÚDE 4.1. Recursos Existentes Página Recorrendo aos dados cedidos pelo Centro de Saúde de Castelo de Vide, desempenham funções no concelho 7 enfermeiros, no ano de Recorrendo aos dados cedidos pelo Centro de Saúde de Castelo de Vide, desempenham funções no concelho 4 médicos (3 médicos de clínica geral e 1 médico de saúde pública), no ano de Página 96 Enfermeiros por 1000 Habitantes, em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 2,0 Alto Alentejo 5,7 Arronches 2,8 Alentejo 4,4 Avis 1,4 Portugal 5,3 Campo Maior 2,2 Castelo de Vide 2,7 Crato 3,8 6,0 Elvas 6,4 Fronteira 2,5 5,0 Gavião 3,0 4,0 Marvão 1,7 3,0 Monforte 3,6 Nisa 2,4 2,0 Ponte de Sor 2,2 1,0 Portalegre 14,9 0,0 Sousel 2,1 21

25 Médicos por 1000 Habitantes, em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 0,9 Alto Alentejo 3,0 Arronches 1,6 Alentejo 2,0 Avis 1,0 Portugal 3,7 Campo Maior 6,0 Castelo de Vide 1,9 Crato 0,5 4,0 Elvas 4,8 3,5 Fronteira 1,6 3,0 Gavião 0,5 2,5 Marvão 1,7 2,0 Monforte 1,6 1,5 Nisa 1,3 1,0 Ponte de Sor 1,6 0,5 Portalegre 4,5 0,0 Sousel 0,8 Página 97 Farmacêuticos por 1000 Habitantes, em 2008 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 1,2 Alto Alentejo 0,7 Arronches 1,2 Alentejo 0,5 Avis 1,0 Portugal 0,3 Campo Maior 0,4 Castelo de Vide 0,8 Crato 1,3 0,9 0,8 Elvas 0,5 0,7 Fronteira 0,9 0,6 Gavião 1,0 0,5 Marvão 0,9 0,4 Monforte 1,3 0,3 Nisa 0,7 0,2 Ponte de Sor 0,4 0,1 Portalegre 0,5 0,0 Sousel 0,8 22

26 Página 100 Taxa de Mortalidade em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 21,3 Alentejo 14,0 Arronches 18,3 Alto Alentejo 15,8 Avis 15,6 Portugal 9,8 Campo Maior 13,0 Castelo de Vide 18,8 Crato 20,1 20 Elvas 12, Fronteira 18,8 14 Gavião 26,7 12 Marvão 15, Monforte 19,0 Nisa 26,4 6 4 Ponte de Sor 12,6 2 Portalegre 13,4 0 Sousel 15,0 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Taxa bruta de mortalidade por doenças do aparelho circulatório, em 2006 Concelhos Região Alter do Chão 7,3 Alentejo 4,5 Arronches 6,8 Alto Alentejo 4,9 Avis 7,4 Portugal 3,1 Campo Maior 3,1 Castelo de Vide 6,7 Crato 5,9 0,9 0,8 Elvas 3,3 0,7 Fronteira 7,2 0,6 Gavião 11,9 0,5 Marvão 8,2 0,4 Monforte 6,6 0,3 Nisa 6,3 0,2 Ponte de Sor 4,3 0,1 Portalegre 2,8 0,0 Sousel 8,2 23

27 Taxa bruta de mortalidade por tumores malignos, em 2006 Concelhos Região Alter do Chão 2,8 Alentejo 2,6 Arronches 2,5 Alto Alentejo 2,9 Avis 3,0 Portugal 2,1 Campo Maior 2,5 Castelo de Vide 3,7 Crato 6,2 4,0 Elvas 2,4 3,5 Fronteira 5,1 3,0 Gavião 2,6 2,5 Marvão 5,2 2,0 Monforte 2,2 1,5 Nisa 3,0 1,0 0,5 Ponte de Sor 3,3 0,0 Portalegre 2,1 Sousel 0,5 Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal 4.3. Prevenção e cuidados de saúde Página 102 Pela análise dos indicadores disponibilizados pelo INE verifica-se uma tendência para um reduzido acesso aos serviços de saúde no concelho de Castelo de Vide (tendência que se nota em todas as especialidades consideradas, mas tem particular incidência nas consultas de saúde infantil e de saúde materna e obstetrícia). A análise dos valores recolhidos junto do Centro de Saúde permitem constatar uma situação diferente. De facto, para uma população de residentes no concelho, o Centro de Saúde apresenta, em 2009, um número inscritos, facto explicado por um número significativo de inscritos não residentes no concelho, nomeadamente de Marvão- Escusa e Nisa. Porém a análise do número de consultas por especialidade contraria os indicadores do INE verificando-se, na realidade, o acesso difundido da população aos serviços de saúde. As poucas consultas de saúde materna no Centro de Saúde de Castelo de Vide estão relacionadas com uma baixa natalidade (21 crianças nascidas) no ano de

28 Página 103 Consultas Médicas por 1000 Habitantes, em 2007 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 4,8 Alentejo 3,8 Arronches 4,5 Alto Alentejo Avis 3,0 Portugal 4,1 Campo Maior 3,6 Castelo de Vide 2,9 Crato 5,3 4,5 Elvas 3,6 4,0 Fronteira 4,7 3,5 Gavião 4,2 3,0 2,5 Marvão 3,8 2,0 Monforte Nisa 3,5 1,5 1,0 Ponte de Sor 3,3 0,5 Portalegre 6,4 0,0 Sousel 3,3 Castelo de Vide Alentejo Portugal Consultas de clínica geral em centros de saúde por habitante, em 2007 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 4,3 Alentejo 2,8 Arronches 4,2 Alto Alentejo 3,3 Avis 2,8 Portugal 3,3 Campo Maior 3,3 Castelo de Vide 2,7 Crato 5,1 3,5 Elvas 3,0 3,0 Fronteira 4,2 2,5 Gavião 4,0 2,0 Marvão 3,5 Monforte 3,6 1,5 Nisa 3,3 1,0 Ponte de Sor 2,9 0,5 Portalegre 2,7 0,0 Sousel 2,9 25

29 Consultas de planeamento familiar em centros de saúde por mulheres residentes com idade entre 15 a 24 anos, em 2007 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 4,2 Alentejo 1,4 Arronches 0,9 Alto Alentejo 2,0 Avis 0,7 Portugal 1,5 Campo Maior 0,9 Castelo de Vide 1,4 Crato 1,4 2,5 Elvas 4,2 2,0 Fronteira 3,3 Gavião 1,0 1,5 Marvão 1,9 Monforte 0,6 1,0 Nisa 1,7 0,5 Ponte de Sor 1,2 0,0 Portalegre 1,8 Sousel 1,0 Página 104 Consultas de saúde infantil em centros de saúde por habitantes com menos de 15 anos, em 2007 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 4,5 Alentejo 4,1 Arronches 4,4 Alto Alentejo 3,6 Avis 2,2 Portugal 3,8 Campo Maior 3,1 4,5 Castelo de Vide 2,5 4,0 Crato 3,6 Elvas 3,8 3,5 Fronteira 4,9 3,0 Gavião 4,4 2,5 Marvão 4,0 2,0 Monforte 3,8 1,5 Nisa 2,0 1,0 Ponte de Sor 4,8 0,5 Portalegre 2,6 0,0 Sousel 4,9 26

30 Consultas de saúde materna e obstetrícia em centros de saúde por mulheres residentes com idade entre 15 e 64 anos, em 2007 Concelhos N. Região N. Alter do Chão 0,18 Alentejo 0,14 Arronches 0,03 Alto Alentejo 0,14 Avis 0,12 Portugal 0,15 Campo Maior 0,22 Castelo de Vide 0,06 Crato 0,08 0,16 Elvas 0,19 0,14 Fronteira 0,18 0,12 Gavião 0,14 0,10 Marvão 0,09 0,08 Monforte 0,09 0,06 Nisa 0,07 0,04 Ponte de Sor 0,23 0,02 0,00 Portalegre 0,08 Sousel 0,11 Consultas realizadas no Centro de Saúde de Castelo de Vide em 2007, 2008 e Saúde Infantil (< 24 meses) Saúde Infantil (2-13 anos) Saúde Juvenil (14-18 anos) Consultas Adultos Planeamento Familiar Saúde Materna Domicílios Fonte: Centro de Saúde de Castelo de Vide Respostas do Centro de Saúde de Castelo de Vide em 2008 e Inscritos no Centro de Saúde Primeiras consultas * O número de inscritos no Centro de Saúde inclui utentes do Concelho de Castelo de Vide, Concelho de, Nisa, Concelho de Marvão e Concelho de Portalegre Fonte: Centro de Saúde de Castelo de Vide 27

31 6. CAPITAL HUMANO E EMPREGO 6.3. Desemprego Ao se analisarem os dados de 2010, verifica-se o aumento de desemprego no concelho. Salienta-se a procura de primeiro emprego e do desemprego jovem. A falta de oferta, em parte despoletada pela crise económica e retracção de apoios ao investimento, resulta do fraco tecido produtivo concelhio e da inadequação entre o potencial do concelho e os serviços instalados, que se traduz num problema estrutural. Saliente-se a incidência de desempregados com maior formação (Secundário e Superior). A falta de oportunidades adequadas às características do concelho, tanto de emprego como formativas, podem incrementar ainda mais as migrações para outras regiões. O volume de oferta e de colocações de desempregados inscritos é residual ou mesmo nulo. (Inclusão dos dados actualizados pelo IEFP de Portalegre, no ano 2010) I Desemprego registado no concelho de Castelo de Vide segundo o Género, o Tempo de inscrição e a Situação face à procura de Emprego. Género Tempo de Inscrição Situação face à procura de emprego Concelho Homens Mulheres <1 Ano 1 Ano e + 1º Emprego Novo Emprego Castelo de Vide Total 129 Fonte: IEFP Março 2010 II Desemprego registado no Concelho de Castelo de Vide segundo o Grupo Etário. Concelho Grupo Etário <25 Anos Grupo Etário Anos Grupo Etário Anos Grupo Etário 55 Anos e + Castelo de Vide Total 129 Fonte: IEFP Março 2010 III Desemprego registado no concelho de Castelo de Vide segundo os Níveis de Escolaridade. Concelho Castelo de Vide <1º Ciclo 1º Ciclo EB 2º Ciclo EB 3º Ciclo EB Ensino Ensino EB Secundário Superior Total 129 Fonte: IEFP Março

32 IV Desempregados inscritos, Ofertas recebidas e Colocações efectuadas. Concelho Desempregados Inscritos Ofertas Colocações Recebidas Castelo de Homens Mulheres Total Homens Mulheres Total Vide Fonte: IEFP Março 2010 V Desempregados inscritos por motivos de inscrição. Concelho Castelo de Vide Despedido Exinactivos Despediuse Motivos de Inscrição Despedimento por mútuo acordo Fim de trabalho não permanente Trabalho por conta própria Outros motivos Total 19 Fonte: IEFP Março

33 8. NÍVEL DE VIDA E RENDIMENTO Página 185 Índice do poder de compra concelhio, indicador per capita em 2007 Concelhos % Região % Alter do Chão 68,8% Alentejo 87,3% Arronches 58,5% Alto Alentejo 82,7% Avis 61,0% Portugal 100,0% Campo Maior 96,2% Castelo de Vide 68,9% Crato 66,4% Elvas 87,5% Fronteira 74,8% Gavião 60,4% Marvão 59,2% Monforte 66,6% Nisa 64,3% Ponte de Sor 82,9% Portalegre 107,2% Sousel 64,2% 120,0% 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% Castelo de Vide Alentejo Alto Alentejo Portugal Página 188 Ganho médio mensal em 2007 Concelhos Região Alter do Chão 685 Alentejo 862 Arronches 653 Alto Alentejo 802 Avis 763 Portugal 963 Campo Maior 1047 Castelo de Vide 712 Crato 686 Elvas 752 Fronteira 650 Gavião 654 Marvão 658 Monforte 765 Nisa 685 Ponte de Sor 816 Portalegre 857 Sousel

34 Disparidade no Ganho médio mensal por sexo em 2007 Concelhos % Região % Alter do Chão 9,2% Alentejo 14,6% Arronches 10,5% Alto Alentejo 12,6% Avis 14,4% Portugal 12,3% Campo Maior 18,1% Castelo de Vide 5,0% 16,0% Crato 7,8% 14,0% Elvas 9,4% 12,0% Fronteira 8,7% Gavião 8,0% 10,0% Marvão 12,3% 8,0% Monforte 5,6% 6,0% Nisa 14,1% 4,0% Ponte de Sor 13,1% 2,0% Portalegre 12,2% 0,0% Sousel 7,2% Ganho médio mensal no sector primário em 2007 Concelhos Região Alter do Chão 635 Alentejo 718 Arronches 636 Alto Alentejo 658 Avis 654 Portugal 695 Campo Maior 677 Castelo de Vide 584 Crato 615 Elvas 733 Fronteira 604 Gavião 709 Marvão 548 Monforte 735 Nisa 563 Ponte de Sor 655 Portalegre 592 Sousel

35 Página 189 Ganho médio mensal no sector secundário em 2007 Concelhos Região Alter do Chão 752 Alentejo 955 Arronches 660 Alto Alentejo 847 Avis 843 Portugal 874 Campo Maior 996 Castelo de Vide 693 Crato 638 Elvas 671 Fronteira 597 Gavião 632 Marvão 676 Monforte 664 Nisa 723 Ponte de Sor 922 Portalegre 945 Sousel Ganho médio mensal no sector terciário em 2007 Concelhos Região Alter do Chão 691 Alentejo 835 Arronches 655 Alto Alentejo 808 Avis 767 Portugal 1023 Campo Maior 1149 Castelo de Vide 730 Crato 717 Elvas 775 Fronteira 706 Gavião 657 Marvão 654 Monforte 804 Nisa 673 Ponte de Sor 773 Portalegre 837 Sousel

36 Página 190 Número de pensionistas por velhice em 2008 Concelhos N. % Alter do Chão ,5% Arronches ,4% Avis ,1% Campo Maior ,9% Castelo de Vide ,4% Crato ,7% Elvas ,1% Fronteira ,9% Gavião ,1% Marvão ,5% Monforte ,8% Nisa ,0% Ponte de Sor ,0% Portalegre ,0% Sousel ,6% Valor médio anual das pensões de velhice em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 4019 Alentejo 4399 Arronches 3788 Alto Alentejo 4226 Avis 4113 Portugal 5093 Campo Maior 4348 Castelo de Vide Crato Elvas 4204 Fronteira Gavião 4268 Marvão Monforte Nisa 4197 Ponte de Sor Portalegre 4414 Sousel

37 Página 191 Número de pensionistas por sobrevivência em 2008 Concelhos N. % Alter do Chão ,7% Arronches ,3% Avis ,1% Campo Maior 659 7,9% Castelo de Vide 367 9,9% Crato ,2% Elvas ,7% Fronteira ,6% Gavião ,6% Marvão ,5% Monforte ,4% Nisa ,3% Ponte de Sor ,1% Portalegre ,1% Sousel ,2% Valor médio anual das pensões de sobrevivência em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 2564 Alentejo 2327 Arronches 2243 Alto Alentejo 2319 Avis 2205 Portugal 2518 Campo Maior 2310 Castelo de Vide 2309 Crato 2538 Elvas 2216 Fronteira 2220 Gavião 2482 Marvão 2319 Monforte 2203 Nisa 2379 Ponte de Sor 2286 Portalegre 2305 Sousel

38 Página 192 Número de pensionistas por invalidez em 2008 Concelhos N. % Alter do Chão 118 3,4% Arronches 135 4,2% Avis 171 3,5% Campo Maior 246 2,9% Castelo de Vide 104 2,8% Crato 161 4,3% Elvas 678 3,1% Fronteira 115 3,6% Gavião 168 4,2% Marvão 145 4,1% Monforte 196 6,3% Nisa 298 3,9% Ponte de Sor 739 4,3% Portalegre ,4% Sousel 171 3,2% Valor médio anual das pensões de invalidez em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 3565 Alentejo 4200 Arronches 3686 Alto Alentejo 4010 Avis 4139 Portugal 4315 Campo Maior Castelo de Vide Crato Elvas Fronteira Gavião Marvão Monforte Nisa Ponte de Sor Portalegre Sousel

39 Página 193 Número de beneficiários do subsídio de desemprego em 2008 Concelhos N. % Alter do Chão 148 4,3% Arronches 123 3,8% Avis 315 6,4% Campo Maior 397 4,8% Castelo de Vide 134 3,6% Crato 170 4,6% Elvas ,1% Fronteira 289 9,1% Gavião 197 4,9% Marvão 142 4,1% Monforte 187 6,1% Nisa 205 2,7% Ponte de Sor ,5% Portalegre ,1% Sousel 320 6,0% Valor médio anual do subsídio de desemprego em 2008 Concelhos Região Alter do Chão 2589 Alentejo 2685 Arronches 2617 Alto Alentejo 2654 Avis 2533 Portugal 3136 Campo Maior 2706 Castelo de Vide 2911 Crato 2956 Elvas 2523 Fronteira 2673 Gavião 2704 Marvão 2882 Monforte 2355 Nisa 2886 Ponte de Sor 2408 Portalegre 3027 Sousel

40 Beneficiários do subsídio de desemprego por grupos etários em Castelo de Vide, em 2008 Grupo Etário N. % Menos de 25 anos 15 11,2% 25 a 29 anos 18 13,4% 30 a 39 anos 45 33,6% 40 a ,9% 50 a 54 anos 9 6,7% 55 e mais anos 23 17,2% Total ,0% Página 194 Número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção em 2010 Concelhos N. % Alter do Chão 67 3,2% Arronches 27 1,3% Avis 94 4,5% Campo Maior 199 9,6% Castelo de Vide 52 2,5% Crato 64 3,1% Elvas ,9% Fronteira 32 1,5% Gavião 43 2,1% Marvão 39 1,9% Monforte 93 4,5% Nisa 87 4,2% Ponte de Sor ,5% Portalegre ,9% Sousel 68 3,3% Fonte: Segurança Social

41 Resumo: O rendimento por via das pensões ou de outros subsídios, é uma componente importante na estrutura de receitas familiares do concelho. Índice do poder de compra concelhio, indicador per capita: , ,9. Diminuição do índice do poder de compra concelhio, em cerca de 11 pontos percentuais. Ganho médio mensal: Aumento do ganho médio mensal. Disparidade no ganho médio mensal por sexo: ,2% ,0%. Descida da disparidade no ganho médio mensal por sexo. Ganho médio mensal no sector primário: Aumento do ganho médio mensal no sector primário. Ganho médio mensal no sector secundário: Aumento do ganho médio mensal no sector secundário. Ganho médio mensal no sector terciário: Aumento do ganho médio mensal no sector terciário. Número de pensionistas por velhice: pensionistas pensionistas. Descida no número de pensionistas por velhice. Valor médio anual das pensões de velhice: Aumento do valor médio anual das pensões de velhice. Número de pensionistas por sobrevivência: pensionistas pensionistas. Descida no número de pensionistas por sobrevivência. Valor médio anual das pensões de sobrevivência: Aumento do valor médio anual das pensões de sobrevivência. Número de pensionistas por invalidez: pensionistas pensionistas. Descida no número de pensionistas de invalidez. Valor médio anula das pensões de invalidez: Aumento do valor médio anual das pensões de invalidez. Número de beneficiários de desemprego: beneficiários beneficiários. Descida no número de beneficiários de desemprego. Valor médio anual do subsídio de desemprego: Aumento do valor médio anual do subsídio de desemprego. 38

42 Fontes /BIBLIOGRAFIA A informação estatística de suporte á adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide foi obtida nas seguintes entidades bem como nos seus respectivos sites: Instituto Nacional de Estatística (em Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Carta Social 2010(www.cartasocial.pt) Centro Distrital de Segurança Social de Portalegre (www.seg-social.pt) Centro de Saúde de Castelo de Vide(www.ulsna.min-saude.pt) Direcção Regional de Educação do Alentejo (www.drealentejo.pt) Instituto do Emprego e Formação Profissional(www.iefp.pt) Ministério da Educação (www.min-edu.pt) 39

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente RETRATO DE PORTUGAL Resumo de indicadores da sociedade portuguesa contemporânea. Números que contam a nossa história mais recente. Um convite à discussão sobre os factos. Data de última atualização: 30.03.2011

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 4 Ao dia nove de Setembro do ano dois mil e nove, nesta Vila de Castelo de Vide, reuniu na Biblioteca Municipal pelas 10,00 horas, o Conselho

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO A RESPOSTAS INTEGRADAS DE APOIO SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO A RESPOSTAS INTEGRADAS DE APOIO SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO A RESPOSTAS INTEGRADAS DE APOIO SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. REQUERIMENTO PARECER DA REDE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

DEMOGRAFIA POPULAÇÃO FAMÍLIAS HABITAÇÃO ENERGIA E AMBIENTE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS ASSOCIATIVISMO CULTURA EDUCAÇÃO ACTIVIDADES ECONÓMICAS

DEMOGRAFIA POPULAÇÃO FAMÍLIAS HABITAÇÃO ENERGIA E AMBIENTE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS ASSOCIATIVISMO CULTURA EDUCAÇÃO ACTIVIDADES ECONÓMICAS UNIÃO EUROPEIA CASTELO DE VIDE DEMOGRAFIA POPULAÇÃO FAMÍLIAS HABITAÇÃO ENERGIA E AMBIENTE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS ASSOCIATIVISMO CULTURA EDUCAÇÃO ACTIVIDADES ECONÓMICAS EMPREGO E DESEMPREGO FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 2/2009 Reunião do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide realizada no dia doze de Maio de dois mil e nove - - - - Aos doze dias do

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de 6. Associativismo No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de movimento associativo e em termos de serviços/acções disponibilizados

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA RELATÓRIO II CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL SETEMBRO 21 Equipa Técnica Gabinete de Planeamento (GP) Coordenadora Geral: Ermelinda Martins Coordenadora

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o Mapa 1. Freguesia de Pinhal Novo Área 54,4 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 25.3 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos [...] aumento de 6 % do número de lugares em Creche (mais de 6000 novos lugares) [...] 08 2012 DESTAQUES - Dinâmica da Rede de Serviços Equipamentos Sociais (RSES) - Taxas de cobertura e de utilização

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário Índice Legislação Geral 1 Legislação Acção Social e Seguro Escolar 2 Alargamento da Rede de Edcação pré-escolar 2 Educação Especial 3 Inclusão e Sucesso Educativo 4 Notícias 5 Encerramento do Ano Lectivo

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

Atelier Inclusão Social

Atelier Inclusão Social Atelier Inclusão Social Porto, 3 de setembro de 2013 ccdr-n.pt/norte2020 Atelier Inclusão Social: Estrutura de apresentação Sumário 1. Enquadramento Europeu: Próximo ciclo da Politica de Coesão 2. Investimentos

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO TRABALHO: CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO JOANA VERGAS CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DÁRIO COSTA GRUPO TRABALHO (ALTERAÇÃO): CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO CONCEIÇÃO

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015 EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal 2015 FICHA TÉCNICA Título Educação em Números - Portugal 2015 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação desenvolvida para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Sul www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CINFÃES PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CINFÃES PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CINFÃES PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL Junho 2005 ÍNDICE GERAL Índice de Gráficos Índice de Quadros Conselho Local de Acção Social de Cinfães CLASCINF Composição-------------1

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias 2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias O Diagnóstico Social Concelhio, enquanto ferramenta essencial para o conhecimento e caracterização da realidade local, assume particular importância na

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 Revisão: Data: 24 Junho 2013 Elaborado por: Grupo SGQ Aprovado por: Mesa Administrativa Página 1 de 8 Índice 1. Introdução 3 2. Caracterização da Organização..3 3. Análise SWOT/FOFA..3

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo Perfil de Saúde e Seus Determinantes António Tavares, Ph.D., M.D. Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo Diretor do da ARSLVT, IP Fevereiro NOTA METODOLÓGICA Enquadramento Organização para

Leia mais