UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ MBA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO DE RÁDIO E TV Igor de Sá Alencastro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ MBA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO DE RÁDIO E TV Igor de Sá Alencastro"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ MBA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO DE RÁDIO E TV Igor de Sá Alencastro ENTRETENIMENTO, BRINCADEIRA E PERFORMANCE: UM ESTUDO SOBRE O PROGRAMA DE LUTA-LIVRE WWE MONDAY NIGHT RAW CURITIBA 2013

2 IGOR DE SÁ ALENCASTRO ENTRETENIMENTO, BRINCADEIRA E PERFORMANCE: UM ESTUDO SOBRE O PROGRAMA DE LUTA-LIVRE WWE MONDAY NIGHT RAW Trabalho Final apresentado ao Programa de Pós-Graduação MBA em Gestão da Produção em Rádio e Televisão, da Universidade Tuiuti dooparaná, como requisito para obtenção do grau de Especialista. Orientadora: Prof a. Patrícia Brum. CURITIBA 2013

3 Resumo Neste artigo é apresentado um estudo sobre o programa norte americano de luta-livre coreografada WWE Monday Night Raw, apontando as estratégias de mídia utilizadas por ele e suas repercussões. São analisados os possíveis efeitos e consequências da exposição aos conteúdos apresentados pelo produto. A fim de compreender um contexto mais amplo no qual se insere o programa, estudam-se os conceitos de Indústria Cultural (Adorno & Horkheimer) e Sociedade do Espetáculo (Debord). São utilizados também os estudos de Roger Silverstone sobre a mídia e o entretenimento. Palavras-Chave: luta-livre, entretenimento, performance, violência.

4 Abstract This paper presents a study of the North American program of choreographed wrestling TV show, WWE Monday Night Raw, pointing media strategies used by it and its repercussions. Also considering the possible side-effects and consequences of exposure to the product contents. In order to understand the broader context in which the show operates, the concepts of culture industry (Adorno & Horkheimer) and Society of the Spectacle (Debord) are debated. Studies from Roger Silverstone on the subject of media and entertainment are also used. Keywords: wrestling, entertaiment, performance, violence

5 5 Sumário Introdução... 7 Indústria cultural... 8 Sociedade do espetáculo Brincadeira e Performance O estudo de caso do programa WWE Monday Night Raw Considerações Finais... 22

6 6 Lista de Figuras Figura 1 - Público ao vivo Figura 2 - Episódio de Natal Figura 3 - Anão x Gigante Figura 4 - Mick Foley cai de altura elevada Figura 5 - Mulher em condição de submissão... 21

7 7 Introdução Na televisão atual, um debate a respeito das relações entre o entretenimento e a realidade tem recebido cada vez mais destaque. Isto tem acontecido em grande parte por conta do surgimento de inúmeros programas televisivos com formatos capazes de unir conteúdos de informações do cotidiano com a fantasia em um mesmo produto, além de fazer com que fatos da vida real e informações sobre acontecimentos verídicos se misturem e se confundam com um mundo ficcional. Esta receita tem sido aparentemente, muito eficiente para a obtenção de altos índices de audiência, principalmente nos casos em que uma realidade é retratada através do espetáculo. Para poder compreender este fenômeno foi necessário identificar e investigar um exemplo onde este tipo de estratégia de mídia é utilizado da forma mais explicita, tal como no programa norte-americano de luta-livre WWE: Monday Night Raw, um programa de sucesso internacional, que contém lutas coreografadas, pré-determinadas e histórias dramatúrgicas envolvendo diversos personagens interpretados por atletas de alto desempenho, e que mistura realidade com ficção em performances atléticas espetaculares com histórias de novela. Este tipo de show televisivo leva os limites do entretenimento ao extremo, conseguindo, através de suas lutas planejadas, executadas ao vivo com atletas reais, criar um mundo de ficção, com grande poder de atratividade junto ao público, pois reflete inúmeros valores da sociedade. Sendo assim, o objetivo do presente trabalho foi realizar uma análise das estratégias televisivas utilizadas por este programa em alguns de seus episódios. A pesquisa desenvolvida é um estudo de caso (Cf. GIL, 1991, p. 63 e SANTOS, 2000, p, 28), visto que, aborda um objeto de pesquisa restrito WWE: Monday Night Raw para aprofundar alguns de seus aspectos característicos. Além disso, como é comum nos estudos de caso, o trabalho desenvolvido também apresenta características exploratórias, pois permitiu maior familiaridade, aporte teórico e explicitação do fenômeno estudado. O presente trabalho partiu de uma contextualização mais ampla na qual foram levantados os conceitos de Indústria Cultural de Adorno e Horkheimer (1985) e Sociedade do Espetáculo de Guy Debord (1997), ambos necessários para orientar o raciocínio a respeito deste produto televisivo.

8 8 Para o entendimento das diversas estratégias da mídia televisiva e suas relações com a sociedade, bem como sua influência sobre os telespectadores, foram utilizados os estudos de Roger Silverstone (2005). Através das ideias deste autor foi possível pensar sobre o papel da mídia na cultura contemporânea e as variadas estratégias utilizadas pela indústria do entretenimento. Além disso foi feita uma reflexão sobre as formas com que a performance e a brincadeira são utilizadas no sentido de misturar realidade e ficção despertando sensações e experiências no público e promovendo a suspensão da descrença. Para o estudo sobre o programa de luta livre coreografada WWE: Monday Night Raw e o fenômeno da sua explosão índices de audiência, tal como as estratégias polêmicas empregadas neste produto, foram feitas reflexões acima dos artigos elaborados por Jackson Katz e Sut Jhally (2002) que apresentam as principais características que trazem o sucesso deste formato televisivo. Em contrapartida também foram destacadas e debatidas as principais críticas realizadas por estes autores a respeito do conteúdo controverso e violento deste programa e seus efeitos negativos na sociedade. Esta pesquisa, portanto, justificou-se pela importância em identificar e compreender as estratégias utilizadas pelo produto, bem como em analisar os motivos que fazem com que elas sejam eficazes na obtenção de altos índices de audiência, atentando também sobre os possíveis riscos que, misturar violência com a fantasia, podem trazer para a sociedade. Por fim, analisar o caso deste programa de grande sucesso nos Estados Unidos, serviu como base para nortear a compreensão de outros formatos televisivos, inclusive nacionais, que contem características semelhantes e são cada vez mais frequentes na mídia televisiva. Indústria cultural A vida na sociedade contemporânea caracteriza-se por ter seus valores e ideais refletidos e representados por um espetáculo midiático no qual a realidade do cotidiano se mistura com a ficção produzida pelos meios de comunicação e se transforma em produto. A partir deste contexto surge um universo onde a representação da vida passa a ser combustível para um mercado lucrativo. Todos

9 9 estes são elementos que compõem a chamada Indústria Cultural, uma das principais modalidades de divulgação e afirmação dos ideais de consumo criados pelo sistema capitalista. A expressão Indústria Cultural, foi utilizada inicialmente por Theodor Adorno e Horkheimer na década de 1940, para caracterizar a exploração comercial e vulgarização da cultura, principalmente através do rádio e do cinema (JAPIASSU, 1991, p.13). Deste contexto surge também a expressão cultura de massa, que diz respeito à influência social das mídias. Segundo o uso mais comum, o termo designa o conjunto de comportamentos, mitos e representações, produzidos e difundidos conforme uma técnica industrial que acompanha a expansão das mídias. Pode-se dizer que tudo o que é produzido pelo sistema industrializado de produção cultural (TV, rádio, jornal, revistas, etc.) é elaborado de forma a influenciar, aumentar o consumo e transformar hábitos, ou seja, a inevitável à disseminação de bens padronizados para a satisfação de necessidades iguais (ADORNO, 1985, p.114). Na Indústria Cultural, todos os instrumentos capazes de promover a massificação e a propagação de valores e ideais que estimulem o consumo são utilizados, sendo a mídia uma das ferramentas mais importantes e lucrativas para atender a esta função. O ritmo acelerado de produção e consumo, principalmente nos períodos de expansão econômica, é acompanhado por uma comunicação rápida, abrangente e generalizada. A informação se propaga na mesma velocidade da produção capitalista. Para Adorno (ADORNO, 1985, p.125), os consumidores são os trabalhadores e os empregados, os lavradores e pequenos burgueses. Todos atrelados a um sistema de produção capitalista que os mantém tão bem presos em corpo e alma que eles sucumbem sem resistência ao que lhes é oferecido. A Indústria Cultural é a indústria da diversão. O controle que ela exerce sobre os indivíduos (consumidores) é, também, mediado pela diversão (ADORNO, 1985, p.128). A diversão passa a ser o prolongamento do trabalho, uma pausa para quem precisa relaxar e escapar do trabalho repetitivo a fim de se colocar em condições de enfrenta-lo novamente.

10 10 Para que o individuo escape um pouco de seu ambiente de trabalho, são oferecidas possibilidades de entretenimento que não exija dele reflexão, crítica ou esforço intelectual. Através de seus produtos extremamente simplificados os diversos meios de comunicação conseguem transmitir com uma enorme frequência e velocidade, inúmeras inserções de uma cultura simplificada e constantemente similar para uma massa de pessoas que apenas recebem o seu conteúdo sem ter tempo ou chance para digerir, interpretar ou analisar o que estão assistindo. Desta forma é possível perceber que uma das principais metas na elaboração dos produtos da Indústria Cultural é que estes cumpram seu objetivo básico de promover ideais de consumo para as massas ou que simplesmente sejam geradores de lucro e consigam prender a atenção de grandes audiências. Para atender a esta necessidade, observa-se em quase todos estes meios, uma extrema superficialidade em quase todas as mensagens culturais. Este fenômeno considerado por muitos pesquisadores como sinal de degradação, para Adorno significou a transferência desajeitada da arte para a esfera do consumo (ADORNO, 1985, p.126), aproximando-a do feito de mercadoria. Na Indústria Cultural, os meios de comunicação não só transmitem mensagens, como também difundem e definem padrões de comportamento. Vivese numa sociedade na qual o cotidiano e a realidade se aproximam da ficção. Portanto é possível perceber que em muitos produtos a plateia é levada a se envolver profundamente a ponto de comentar a vida e os problemas dos personagens, e observar as histórias como se fossem reais, vivenciando as experiências dos personagens, chegando a repetir seus jargões e frases de efeito objetivamente determinadas pela Indústria Cultural copiando-as e deixando de lado suas próprias experiências e percepções. Segundo Adorno, o mundo inteiro é forçado a passar pelo filtro da Indústria Cultural. Usando o cinema como exemplo, ele chama a atenção para o fato de que a vida já não mais se distingue do filme sonoro. O filme adestra o espectador entregue a ele para se identificar imediatamente com a realidade (ADORNO, 1985, p. 119). Além do exemplo do cinema citado pelo autor, este tipo de adestramento também é usado em outras mídias, em especial, na TV. Uma das principais estratégias utilizadas pela Indústria Cultural para disseminar os seus ideais é a utilização de estereótipos e formas de representação

11 11 caricaturadas para despertar emoções no público. O Pato Donald dos cartoons, ao levar uma sova é uma metáfora caricaturada da vida cotidiana de milhões de indivíduos, para que se acostumem eles próprios com as agressões que sofrem no seu dia a dia (ADORNO, 1985, p. 130). Como esta é uma busca constante da mídia, praticamente tudo o que é produzido por ela tem como objetivo principal conseguir atingir, de qualquer forma (consciente ou inconscientemente) a mente humana e produzir sensações que provoquem os mais variados desejos e necessidades, ou que simplesmente consigam envolver psicologicamente grandes multidões com as mensagens transmitidas por seus produtos. A estratégia de categorizar por gêneros os produtos audiovisuais faz com que os telespectadores recebam tais produtos diretamente, sem sequer se preocuparem em fazer críticas ou questionar o conteúdo que estão assistindo. Sociedade do espetáculo Dentre as características das sociedades atuais estão o consumismo, a fragmentação e o espetáculo. De acordo com Guy Debord (1997) o imaginário das pessoas já se encontra totalmente preenchido pela satisfação garantida, proveniente de uma realidade fabricada que se projeta num mundo saturado pelas imagens. Para Debord (1997, p.13), toda a vida das sociedades na quais reinam as modernas condições de produção se apresenta como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo o que era vivido diretamente tornou-se uma representação (DEBORD, 1997, p. 13), sendo que o espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediada por imagens (DEBORD, 1997, p. 14). Debord lançou suas ideias num momento em que a televisão expandia-se no mundo ocidental tornando-se para ele o mais importante veículo da sociedade do espetáculo. Presente em quase todos os lares, tão comum quanto uma lâmpada, penetrando no cotidiano das pessoas tal qual o pão de cada dia, a televisão é tecnicamente capaz de fabricar, para cada fato da vida cotidiana, sua dose de fantasia, alimentando assim o espetáculo, que já não é mais um suplemento do mundo real, uma decoração que lhe é acrescentada. De fato o espetáculo é

12 12 O âmago do irrealismo da sociedade real. Sob todas as suas formas particulares informação ou propaganda, publicidade ou consumo direto de divertimentos, o espetáculo constitui o modelo atual da vida dominante na sociedade. É a afirmação onipresente da escolha já feita na produção, e o consumo que decorre dessa escolha. Forma e conteúdo do espetáculo são, de modo idêntico, a justificativa total da condição e dos fins do sistema existente. O espetáculo também é a presença permanente dessa justificativa, como ocupação da maior parte do tempo vivido fora da produção moderna (DEBORD, 1987, p ). O espetáculo supera a realidade encobrindo o é real, o que reforça o processo de alienação, que é a essência da sociedade em questão. Brincadeira e Performance Dentro do espetáculo produzido pelos meios de comunicação em que todos os produtos têm como propósito fundamental provocar reações e conexões psicológicas com seus públicos, destacam-se algumas estratégias midiáticas, apontadas por Roger Silverstone (2005, p ). Entre elas, duas são interessantes para a análise do programa WWE: Monday Night RAW: A brincadeira e a performance. A brincadeira é frequentemente empregada pela mídia como forma de representação do real, sendo possível através dela abrir portas para outros espaços que transcendem os limites do cotidiano. Por ter a capacidade de envolver o público num universo em que não existem questionamentos é capaz de desligar por alguns instantes as pessoas das aflições do dia a dia: A brincadeira é parte da vida diária, assim como é separada dela. Entrar num espaço e num tempo para brincar é transpor um limiar, deixar algo para trás. Um tipo de ordem e apreender uma realidade diferente e uma racionalidade definida por suas próprias regras e termos de troca e ação (SILVERSTONE, 2005,p.115) Através da utilização deste artifício é possível convidar o espectador a participar do espetáculo em que a sua resistência ao conteúdo recebido é reduzida,

13 13 permitindo que ele consiga se envolver de forma emotiva em situações em que nem tudo segue as mesmas ordens, regras e valores presentes na vida real. Sabendo que dentro do mundo da brincadeira não existem consequências ou punições o público passa a ser guiado apenas pelo prazer do entretenimento. Assim também a performance é empregada pela mídia para envolver o público. A performance diz respeito aos vários papéis que cada pessoa desempenha na vida. Como a mídia frequentemente se baseia na representação do cotidiano, tendo também a capacidade de influenciá-lo, a utilização de atos performáticos é constantemente empregada da maneira que mais atenda as suas demandas. Por esta razão é comum ver a performance nos meios de comunicação ser criada em cima da reelaboração amplificada dos papéis que são normalmente desempenhados pelas pessoas e de seus anseios, de um modo geral. O mundo é performado dentro de nossa mídia diariamente. E nós, seu público, performamos ao lado dele, como jogadores e participantes, imitando, apropriando-nos e refletindo sobre as verdades e falsidades dele. (SILVERSTONE, 2005, p. 136) Quando a performance é oportuna, as pessoas conseguem se identificar com valores projetados em uma atuação ou num personagem. A eficiência se dá pela capacidade de criar empatia imediata entre o espectador e uma figura idealizada. O sucesso de uma performance, na vida diária como nos espaços delimitados do palco e da tela, depende dos julgamentos e da aceitação de um público. (SILVERSTONE, 2005, p. 132) A aceitação está diretamente relacionada com a suspensão da descrença. Este termo foi definido pelo poeta e filósofo inglês Samuel Taylor Coleridge, em 1817, mas já Shakespeare, no prólogo de Henrique V, fazia alusão à mesma teoria. (GRANDE PLANO, 2004) Trata-se da condição que tem o leitor de uma obra literária, ou o telespectador de um programa de TV de anular o julgamento racional sobre a veracidade de uma situação, se deixando levar pela narrativa apresentada. A suspensão da descrença também é considerada por Silverstone (2005), quando analisa a naturalidade com que, em geral, se aceita uma performance por assim dizer instintivamente, porque a fazemos o tempo todo e também porque a vemos em nossa mídia o tempo todo, assim tornando-se algo natural. O fato de

14 14 sabermos das diferenças entre realidades mediadas e experienciadas não nos fazem descrer do que se apresenta na mídia. (SILVERSTONE, 2005, p. 135) O estudo de caso do programa WWE Monday Night Raw O programa WWE Monday Night Raw ilustra as estratégias de brincadeira e performance apresentadas por Silvertone e se insere nos conceitos de Indústria Cultural e Sociedade do espetáculo. A empresa WWE (World Wrestling Entertainment) é uma das marcas mais populares do mundo no ramo do entretenimento, sendo uma organização de mídia integrada que tem a sua programação transmitida em mais de 145 países e 30 línguas, alcançando mais de 600 milhões de casas em todo o planeta. Nos Estados Unidos, a soma de seus programas gera uma audiência de aproximadamente 12 milhões de telespectadores semanalmente (Fonte: O seu principal programa, Monday Night RAW é transmitido nos EUA ao vivo pelo canal USA Network e tem a duração de duas horas. No Brasil é transmitido dois dias depois, pelo canal Esporte Interativo. Trata-se de um programa de luta livre coreografada, ou pro-wrestling que contém lutas pré-determinadas e histórias dramatúrgicas envolvendo diversos personagens interpretados por atletas de alto desempenho. Apesar de não ser um programa muito conhecido em solo brasileiro, não há duvidas sobre o incrível sucesso que ele obteve no mundo inteiro, atingindo marcas altíssimas de renda e audiência. O programa também possui público ao vivo, além do público de telespectadores de TV. (Figura 1)

15 15 Figura 1 - Público ao vivo. Fonte: Sendo um produto que mistura realidade com ficção e performances atléticas espetaculares com histórias de novela, é possível perceber que este tipo de show televisivo leva os limites do entretenimento ao extremo. Conforme Silverstone (2005) a vida cotidiana implica contínuo movimento através de fronteiras e limiares. Neste sentido misturam-se as esferas do real e do fantástico; a realidade interna e a externa; o individual e o social. O grande espetáculo produzido pelo programa WWE: Monday Night Raw faz milhares de fãs, em todo o mundo, lotarem arenas ou ligarem suas televisões para assistir, semanalmente, ao vivo, uma espécie de teatro onde o palco é um ringue e os atores são, ao mesmo tempo, atletas e personagens, em combates coreografados nos quais tudo pode acontecer. No universo fantasioso do programa, dão-se situações impressionantes, como por exemplo, um personagem gigante ser derrotado por um anão, um lutador ser arremessado de uma grande altura sobre uma mesa e levantar em condições de vencer a luta, ou até, num episódio especial de Natal, Papai Noel entrar no ringue para distribuir presentes e, em seguida, ser massacrado pelo campeão dos pesos pesados, conforme se vê na Figura 2

16 16 Figura 2 - Episódio de Natal Fonte: Neste contexto onde muitos momentos tornam-se cômicos, a violência das lutas acaba encoberta por um clima de piada que reduz o julgamento do espectador sobre o que, de fato, é realidade e o que é ficção. O sucesso de audiência do programa WWE é, portanto, exatamente fruto da utilização das estratégias de performance e brincadeira, apontadas por Silverstone (2005, p.116), e que promovem a suspensão da descrença. Ainda segundo ele A mídia tem a capacidade de envolver o público em espaços e tempos distintos das confusões da vida cotidiana, que sem isso seriam implacáveis. Desde o início, as pessoas, mesmo quando conhecem o caráter coreografado das lutas, se surpreendem com o enredo e com o resultado final. Torcem pelos seus Wrestlers favoritos, como se fossem jogadores de qualquer outra modalidade esportiva comum. Como as performances são feitas por atletas reais, em condições físicas extraordinárias e forma física impressionante, a suspensão da descrença se torna maior ainda. No entanto, este tipo de produto frequentemente é apontado como um instrumento de banalização da violência, justamente por esta característica de fazer com que as agressões presentes nas lutas performáticas não pareçam ter as consequências que teriam na vida real. Sut Jhally (2002), aponta que justamente pelo fato dos lutadores conseguirem transmitir a ilusão de que os golpes são reais e ainda assim saírem ilesos, é que o programa torna-se um exemplo perigoso. No universo WWE todos os estereótipos idealizados pela sociedade estão presentes. Quase sempre os personagens realizam os desejos reprimidos das

17 17 pessoas: Alguém que bate no chefe ou o mais fraco que vence o mais forte, por exemplo. (Figura 3) Figura 3 - Anão x Gigante Fonte: Como todos os performers são uma mistura de acrobatas com fisiculturistas, atletas de alta capacidade, isto se torna um componente fundamental para produzir um espetáculo. O imprevisível pode acontecer diferentemente de uma luta meramente competitiva real. Desde o surgimento das primeiras lutas coreografadas televisionadas na década de 1950, sempre houve a dúvida se elas eram reais ou não. No início elas eram apresentadas como se fossem reais e os atletas tinham que manter as suas identidades escondidas e carregar seus papéis para suas vidas pessoais. O roteiro e o fato das lutas serem pré-determinadas eram segredos guardados cautelosamente. Com o tempo, diversos materiais surgiram desmistificando esse segredo e revelando os truques e a verdadeira face teatral das lutas. Ao contrário do que muitos pensavam isto não fez com que a luta-livre acabasse, pelo contrário, mais pessoas faziam questão de assistir, mesmo sabendo que as apresentações eram encenadas, elas se dispunham a acreditar. Apesar de todo o caráter teatral do programa, a ação apresentada nos ringues exige dos atletas uma capacidade atlética impressionante, e frequentemente, estes atletas sofrem com lesões gravíssimas. Além disso, apesar dos golpes encenados serem trabalhados e camuflados para não ferir tanto os

18 18 lutadores, o impacto e as quedas provocados por muitos destes movimentos são altamente nocivos para a integridade física e consequentemente reais. A busca por estas performances espetaculares, no intuito de chocar o público em nome do entretenimento, já fez com que diversos lutadores arriscassem suas vidas e sofressem lesões permanentes ao se jogar de alturas elevadas, se cortarem, se ferir propositalmente e realizar manobras arriscadas para proporcionar o deleite da plateia. Um dos exemplos mais famosos a respeito de performances surpreendentes e sacrifícios enfrentados para consegui-las é o do lutador Mick Foley que durante toda a sua carreira se arriscou e colocou sua integridade física em jogo para delírio do público. Conhecido como o Rei do Extremo, ele elevou os limites da violência ao machucar seu próprio corpo e correr risco de morte para trazer realismo a sua performance. Em um dos episódios mais famosos dos anos 90, Mick Foley foi arremessado do topo de uma jaula de aço a uma altura elevada e fraturou costelas. No momento da transmissão ao vivo houve um grande desconforto, pois todos sabiam que o atleta havia sofrido uma lesão real, fora do previsto. Mas, para surpresa de todos, o lutador levantou e continuou a encenação. Logo em seguida, surpreendeu mais ainda ao repetir uma queda semelhante a anterior, que desta vez fez com que ele perdesse um dente. ( Figura 4) Figura 4 - Mick Foley cai de altura elevada Fonte: Esta sede por acontecimentos extraordinários, suprida pelas histórias do WWE Monday Night Raw é provavelmente um dos principais fatores responsáveis pelo seu sucesso de audiência. As pessoas, principalmente os jovens, adeptos desse tipo de programa, frequentemente passaram a afirmar que preferiam assistir a uma luta coreografada em que não existiam regras e que os acontecimentos mais incomuns podiam ocorrer do que uma luta real, esportiva, de boxe ou outra luta de

19 19 contato, por exemplo. Ao contrário destas que são meramente competitivas, a lutalivre trouxe uma novela para os ringues e acrescentou através da performance treinada e estudada, atendendo a uma narrativa, eventos especiais e surpreendentes que não se encontram na maioria das modalidades esportivas tradicionais. A brincadeira com situações que desafiam leis estabelecidas no cotidiano é também um fator extremamente eficaz na obtenção dos altos índices de audiência neste programa. No entanto, diante de todo este sucesso televisivo e de tanto envolvimento do público com as histórias e lutas apresentadas, diversas questões polêmicas foram levantadas por pesquisadores a respeito das consequências que estes produtos podem trazer, bem como a respeito do contexto relacionado aos reflexos dos valores da sociedade apresentados no programa. Para muitas pessoas estudar estes programas de luta-livre é motivo de piada, ou loucura, pois elas próprias afirmam ser impossível gastar algum tempo útil se esforçando para compreender um produto que é obviamente teatral e coreografado. Ao contrário deste pensamento, estes programas apontam diversas características em sua construção que podem ser utilizadas para diagnosticar algo muito mais profundo do que o que apenas se entende como entretenimento. Grande parte do sucesso obtido pela empresa WWE, principalmente durante os anos 1990 foi graças à utilização de situações altamente controversas e polêmicas. Neste período em que a luta-livre bateu recordes de público, e talvez o mais concorrido entre as grandes empresas do ramo, foram constantes as críticas a respeito do conteúdo presente nestes programas, principalmente em relação ao efeito da exposição das crianças a estes materiais. Um dos principais problemas apontados pelos pesquisadores é a banalização e a glamourização da violência, que além de ser apresentada sem suas reais consequências é demonstrada nas histórias como único meio para se resolver conflitos. Sut Jhally e Jackson Katz (2002) afirmam que a questão que domina o debate a respeito da luta-livre é a respeito da violência, sendo especialmente o fato das crianças quererem imitar no mundo real o que elas veem seus heróis fazendo na TV toda semana.

20 20 Nos Estados Unidos houve vários registros de ocorrências relacionadas a jovens que morreram ou sofreram acidentes graves ao tentar imitar os movimentos coreografados presentes nos programas. A manifestação mais extrema deste fenômeno é o surgimento da chamada luta-livre de fundo de quintal onde crianças e jovens estão praticando e filmando os perigosos movimentos da luta na TV. Tudo isto tem se mostrado como resultado deste conjunto que utiliza a brincadeira e a performance para exibir a violência como se ela fosse inofensiva. Para Jackson Kats (2002) a luta-livre é algumas vezes descrita como desenhos animados para adultos o que em parte é verdade, pois a violência explode em todos os momentos, mas seus efeitos duram pouco e desaparecem na próxima cena. Tem-se a mesma estrutura na luta-livre, exceto pelo fato de que a violência está sendo praticada por atletas de verdade, sendo estes treinados para persuadir o público fazendo-o acreditar que o que aparentemente está acontecendo, realmente está acontecendo. Jhaly e Katz (2002) comentam um episódio protagonizado pelo lutador Mick Foley em que ele levou seus dois filhos para os bastidores do programa antes da luta. Fez com que eles conhecessem os outros lutadores e deu-lhes certeza de que tudo não passaria de brincadeira e que seu pai estaria apenas encenando a luta e não se machucaria. Mesmo com toda esta preparação e ainda que as crianças dissessem que tinham entendido, ao verem o pai sendo agredido violentamente durante a performance, ficaram histéricas e choraram, gritando por seu pai. Este exemplo, segundo os pesquisadores, explica que mesmo crianças que tenham sido alertadas sobre a não veracidade das lutas, podem se deixar levar pela forma com que a violência é representada. Como dito anteriormente esta violência glamourizada e extremamente convincente e atrativa, especialmente para os jovens, é colocada na narrativa dos episódios como a única forma de se resolver problemas e também está atrelada a um conceito de afirmação da masculinidade bastante antigo que liga as características necessárias para ser um homem à valores como força física, intolerância, grosseria, desrespeito às mulheres (Figura 5) e homossexuais e submissão dos mais fracos.

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira UNIIVERSIIDADE METODIISTA DE SÃO PAULO Professora orientadora: Maria Cristina Gobbi A TEORIA CRÍTICA Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira Autores: MÔNICA

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET BARREIRAS ALÉM DA INTERNET Resumo: O tema liberdade na internet tem atraído a atenção de muitas pessoas que se encontram envolvidas com o mundo virtual. O aumento do número de usuários, bem como a melhora

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

O FENOMENO BULLYING NO FILME UM GRANDE GAROTO RESUMO

O FENOMENO BULLYING NO FILME UM GRANDE GAROTO RESUMO O FENOMENO BULLYING NO FILME UM GRANDE GAROTO Natalia Hernandes CARVALHO (PIBIC-CNPq) Teresa Kazuko TERUYA (DTP-PPE-UEM) RESUMO Este trabalho trata da violência escolar com base na teoria crítica. Analisa

Leia mais

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens Débora da Silva Pereira Universidade Federal de Goiás Debbora.sp@hotmail.com As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens INTRODUÇÃO O objetivo central deste texto é veicular algumas abordagens

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB 1 Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento 2 Iêgo José 3 Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB RESUMO A arte da Dança sempre caminhou junto com o homem em sua evolução,

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Relatório de Pesquisa Qualitativa Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Dezembro de 2010 2 Sumário Introdução... 3 1. Avaliação do Filme Fim de Ano - 2010... 5 1.1. Percepção do Filme no Break... 5

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO Autora: Profª. Drª. Nilma Renildes da Silva UNESP - Bauru-SP-Brasil nilmarsi@fc.unesp.br Agências

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

Jiu-Jitsu Brasileiro e influência da Família Gracie na luta

Jiu-Jitsu Brasileiro e influência da Família Gracie na luta Jiu-Jitsu Brasileiro e influência da Família Gracie na luta Por Caroline Rodrigues e Maria Luíza Barbosa Com seus 70 anos de história, os Gracie conseguiram difundir a técnica criada pelo patriarca, Carlos

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno Planejamento Multimídia Prof. Bruno Moreno Sumário 03/03/2011 Ainda Novo Consumidor Vídeo da Não é uma Brastemp Público-alvo Concorrência Apresento-lhes Maria Luiza Vídeo sobre Novo Consumidor http://www.youtube.com/watch?v=riovee0wquq

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas.

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas. ÁLCOOL E JOVENS O que um jovem precisa saber para evitar problemas. Cerveja, vinhos, caipirinha, chope: elementos da vida cotidiana de muita gente. Essas bebidas ajudam a celebrar datas festivas, a selar

Leia mais

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse?

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse? Akira Nakao Des estresse! Você é competitivo, estressado, equilibrado, acomodado, tranquilo ou couraceiro? Lembra do material da nossa primeira semana? 01. Afinal de contas, o que é estresse? É um mecanismo:

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino

O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino Raquel de Paula RIBEIRO 1 Lisandro NOGUEIRA 2 Universidade Federal de Goiás Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia

Leia mais

LEITURA Redação 8ºAno Professora Patrícia Pinheiro TEXTO DE OPINIÃO Objetivo Quando escrevemos um texto de opinião, nosso objetivo é o de convencer. Apresentamos nossa opinião em relação a determinado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos

Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos Atividade extra Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos Questão 1 (UFPR 2013) Leia o texto a seguir: Ao realizar um experimento no laboratório da escola, um estudante fez

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

O esporte enquanto elemento educacional

O esporte enquanto elemento educacional O esporte enquanto elemento educacional Professor do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana - Bahia - e da Faculdade Social da Bahia. Mestre em Engenharia de Produção/Mídia

Leia mais

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO INTRODUÇÃO Espetáculo infantil que aborda a vida do garoto Reciclaudo, que se preocupa com o mundo, a sociedade, com os amigos da escola,

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença.

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença. GESTÃO DE PESSOAS I 3º Roteiro de Estudo - Globalização, capital humano e gestão de pessoas Vários paradigmas relacionados ao sucesso das empresas envolvem pessoas EMPRESAS DAS LEARNING ORGANIZATIONS CENÁRIO

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

box de series MEDIA KIT

box de series MEDIA KIT box de series MEDIA KIT www.boxdeseries.uol.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a),

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR SOBRE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS. TEMA 2: Televisão e Vídeo no Ensino Médio: algumas reflexões e sugestões. Prezado(a)

Leia mais

Lições de Disney para o Memorial do Ferro

Lições de Disney para o Memorial do Ferro Lições de Disney para o Memorial do Ferro Cláudio de Moura Castro Faz uns cinco anos, o grupo Disney contratou três figuras do mundo acadêmico para uma tarefa bastante curiosa. Receberam um contrato para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: narrativa sonora; som; bullying, PNE.

PALAVRAS-CHAVE: narrativa sonora; som; bullying, PNE. O que os olhos não veem, o coração não sente 1 Adrielly Campos e ALMEIDA 2 Camila Peixoto LESSA 3 Matheus Vitorino BUENO 4 Roberto RODRIGUES 5 Thalita Magalhães BASTOS 6 Geórgia Cynara Coelho de Souza

Leia mais

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman)

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) 1 Trecho 1:» O filme Homem-Aranha retrata um mundo moral, repleto de bem e mal. Há muitos vilões de pequeno porte, bem como um vilão de primeira classe,

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA TELEVISÃO ABERTA NOS ESTADOS DO AMAZONAS, MATO GROSSO DO SUL, PARÁ, RONDÔNIA, RORAIMA E ACRE

Leia mais

Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva

Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva ANTONIO BORGES TDD é a abreviatura de Telecommunications Device for the Deaf (Aparelho de telecomunicações para o surdo). O TDD é um sistema de comunicação

Leia mais

Unidade: Jogos e Educação. Unidade I:

Unidade: Jogos e Educação. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Jogos e Educação O JOGO Os jogos constituem uma forma de atividade própria do ser humano desde as épocas mais remotas, assumindo ao longo da história, diversos significados e tomando

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

pelas consequências de sua ação. São as consequências produzidas pelo comportamento que aumentarão ou diminuirão a probabilidade de que ele ocorra.

pelas consequências de sua ação. São as consequências produzidas pelo comportamento que aumentarão ou diminuirão a probabilidade de que ele ocorra. 136 Recriando o recreio O início das aulas é anunciado pelo sinal sonoro. Alunos e professores dirigem-se para as salas. A aula é planejada e as estratégias são definidas, levando-se em conta objetivos

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game.

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game. Design de Games: A importância da estética utilizada na interface de um game. Edival Oliveira Lago Filho* Resumo: O artigo tem como objetivo, refletir sobre a importância da estética aplicada sobre o design

Leia mais

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra.

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra. A Fulano de Tal Endereço Rio de Janeiro, de de Prezado Fulano de Tal, Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica

Leia mais

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto,

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, A UU L AL A Ele deu... a luz Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, prevenido, deu a sua ordem preferida: - Desliga a televisão que é perigoso, está trovejando! Mal ele acabou a frase, surgiu um

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais