MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA)"

Transcrição

1 MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 0

2 Alguns dados sobre o sector europeu dos transportes Representa cerca de 5% do PIB (idêntico em Portugal); Emprega diretamente 10 milhões de pessoas (173 mil em Portugal); A logística (transporte e armazenagem) corresponde aproximadamente entre 10% a 15% do custo de um produto acabado; Em média,13,2% do orçamento familiar é destinado a produtos e serviços de transporte; O congestionamento custa à Europa cerca de 1% do seu PIB anual. 1

3 Mercadorias transportadas na UE, por modo de transporte, em 2010 Rodoviário: é o modo de transporte dominante em termos de tonelagem transportada. Aéreo: registou o maior acréscimo em Fonte: Gráfico retirado da publicação INE Estatísticas dos transportes, 2010 Nota: Por não estarem ainda disponíveis dados de 2010, na análise relativa ao modo rodoviário, não foram incluídos dados do Reino Unido e da Grécia. 2

4 Transporte de mercadorias em Portugal, por modo de transporte Unidade: Milhões t Modo de Transporte Ano de 2001 Ano de 2010 Nacional Internacional Nacional Internacional Ferroviário 8,1 0,9 9,1 9,3 0,80 10,1 Rodoviário 291,5 11,8 303,3 196,7 21,2 217,9 Marítimo 10,2 46,0 56,2 14,2 51,8 66,0 Aéreo 0,04 0,10 0,14 0,03 0,11 0,14 309,8 58,9 368,7 220,2 73,9 294,1 Fonte: INE Estatísticas dos transportes, 2001 e

5 Distribuição do total de mercadorias transportadas, por modo de transporte, em 2010 Portugal 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 0,04% 0,05% 15,2% 22,4% 82,3% 74,1% Aéreo Marítimo Rodoviário Ferroviário 20,0% 0,0% 2,5% 3,4% Fonte: INE Estatísticas dos transportes, 2001 e

6 Mercadorias transportadas por modo de transporte: Variação Acumulada Portugal -20,2% -28,9% 25,6% Aéreo Marítimo -1,1% -23,3% 7,3% 17,5% 12,6% 39,3% Internacional Rodoviário -28,2% -32,5% 79,3% Nacional Ferroviário 11,1% -15,8% 14,2% -50,0% 0,0% 50,0% 100,0% Fonte: INE Estatísticas dos transportes, 2001 e 2010; Cálculos AEP 5

7 Mercadorias transportadas por modo de transporte: Variação média anual Portugal -2,5% -3,7% 2,6% Aéreo -0,1% -2,9% 0,8% Marítimo 1,8% 1,3% 3,7% Internacional Rodoviário -3,6% -4,3% 6,7% Nacional Ferroviário -1,9% 1,2% 1,5% -5,0% 0,0% 5,0% 10,0% Fonte: INE Estatísticas dos transportes, 2001 e 2010; Cálculos AEP 6

8 Mercadorias transportadas: tráfego nacional e internacional Portugal 100,0% 16,0% 25,1% Internacional 50,0% 84,0% 74,9% Nacional 0,0% Fonte: INE Estatísticas dos transportes, 2001 e 2010; Cálculos AEP 7

9 Tráfego internacional: quantidade transportada sobre a rede ferroviária, por países, em 2010 Unidade: Milhões t de Mercadorias Mercadorias Entradas Mercadorias Saídas 0,80 0,59 0,21 União Europeia 0,80 0,59 0,21 Espanha 0,80 0,59 0,21 Fonte: INE Estatísticas dos transportes,

10 Movimento de mercadorias (total e carga contentorizada) nos principais portos nacionais, Tipos de carga Contentores Contentores Ano: 2010 Contentores Portos Em tráfego nacional Em tráfego internacional CARREGADAS (10 6 t) 23,1 8,0 7,1 2,0 16,0 6,0 Aveiro 6,9% 0,0% 3,2% 0,0% 8,6% 0,0% Leixões 17,2% 27,4% 14,5% 25,3% 18,4% 28,1% Lisboa 15,7% 34,9% 12,5% 34,4% 17,2% 35,0% Setúbal 16,9% 4,2% 6,7% 0,2% 21,4% 5,5% Sines 35,4% 25,2% 50,0% 7,0% 28,9% 31,1% Ponta Delgada 1,7% 3,7% 5,5% 14,9% 0,0% 0,0% Caniçal 0,6% 1,6% 1,8% 6,3% 0,0% 0,1% Outros 5,6% 3,1% 5,7% 11,9% 5,5% 0,2% DESCARREGADAS (10 6 t) 42,9 6,0 7,1 2,0 35,8 4,0 Aveiro 5,0% 0,0% 4,8% 0,0% 5,0% 0,0% Leixões 22,4% 29,9% 31,0% 20,2% 20,6% 34,6% Lisboa 17,1% 21,8% 10,2% 12,3% 18,4% 26,4% Setúbal 7,0% 0,9% 6,8% 0,0% 7,0% 1,4% Sines 38,6% 26,7% 8,2% 5,1% 44,6% 37,2% Ponta Delgada 2,7% 6,6% 10,8% 20,1% 1,0% 0,0% Caniçal 2,2% 7,8% 12,5% 23,4% 0,2% 0,2% Outros 5,2% 6,3% 15,7% 19,0% 3,1% 0,2% Fonte: INE Estatísticas dos transportes,

11 Movimento de mercadorias ( e carga contentorizada) nos principais portos nacionais Ano: 2010 de carga (Carregada + Descarregada) Contentores Contentores Contentores Portos Em tráfego nacional Em tráfego internacional (Milhões t) 66,0 14,0 14,2 3,9 51,8 10,1 Aveiro 5,7% 0,0% 4,0% 0,0% 6,1% 0,0% Leixões 20,6% 28,5% 22,8% 22,8% 20,0% 30,7% Lisboa 16,6% 29,2% 11,3% 23,3% 18,0% 31,6% Setúbal 10,4% 2,8% 6,7% 0,1% 11,4% 3,9% Sines 37,5% 25,9% 29,2% 6,1% 39,7% 33,6% Fonte: INE Estatísticas dos transportes,

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais em tráfego comercial totalizou 32,6 milhões em 2013 (+4,9%).

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais em tráfego comercial totalizou 32,6 milhões em 2013 (+4,9%). Estatísticas dos Transportes e Comunicações 2013 13 de novembro de 2014 Dinâmicas diferenciadas nos vários modos de transporte Passageiros transportados aumentaram nos aeroportos nacionais (+4,9%) mas

Leia mais

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012 INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE SOBRE COMUNICAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA NORTE DE PORTUGAL GALIZA, SOB O TEMA «MOBILIDADE

Leia mais

Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 2014

Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 2014 Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 214 14 de abril de 215 Movimento de mercadorias em crescimento nos portos e aeroportos mas com redução por estrada Transporte de passageiros com aumento significativo

Leia mais

Transporte de Mercadorias

Transporte de Mercadorias Transporte de Mercadorias 1997-2006 ÍNDICE GERAL 1. TRANSPORTE DE MERCADORIAS 1997-2006...2 1.1 TRANSPORTE INTERNO...2 1.2 TRANSPORTE INTERNACIONAL...5 1.2.1 MERCADORIAS EXPORTADAS...5 1.1.2 MERCADORIAS

Leia mais

O transporte de passageiros aumentou por via ferroviária (+3,7%) e por metropolitano (+6,3%).

O transporte de passageiros aumentou por via ferroviária (+3,7%) e por metropolitano (+6,3%). Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 214 14 de janeiro de 215 Transporte de passageiros evidenciou crescimento nos aeroportos e ferrovia, mas movimento de mercadorias reduziu-se nos portos e no transporte

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS ADFERSIT 2011 A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS Eng.º António de Melo Pires Diretor Geral da Volkswagen Autoeuropa 21 de junho de 2011 1 Agenda 1. O papel dos transportes na competitividade das

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente TRANSPORTE INTERMODAL Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt

Leia mais

João Franco. Portos e Transportes Marítimos. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A.

João Franco. Portos e Transportes Marítimos. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. João Franco Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. Lisboa, 14 de novembro de 2013 Portos e Transportes Marítimos 1 Portugal como HUB de transporte marítimo Visão

Leia mais

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira)

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) Comissão Arco Atlântico Eduardo Borges Pires, Director de Estudos e Estratégia Sines, 11 de Março de 2011 Procura Transporte

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Global forwarding: ao serviço da supply chain

Global forwarding: ao serviço da supply chain José Guilherme Tavares jgbtavares@hotmail.com .... Logística Global Logística Global Desenhar a rede Encontrar as respostas para as necessidades da Supply Chain: Qual a origem da mercadoria Condicionantes/natureza

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo.

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo. CONCEITOS BÁSICOS: MODO DE TRANSPORTE Tipo de veículo utilizado para a deslocação de pessoas e mercadorias. DISTÂNCIAS RELATIVA Distância entre dois lugares, em função de factores sujeitos a variação,

Leia mais

LOGÍSTICA EM PORTUGAL

LOGÍSTICA EM PORTUGAL LOGÍSTICA EM PORTUGAL 1 LOGÍSTICA EM PORTUGAL SUMÁRIO EXECUTIVO LOGÍSTICA EM PORTUGAL 2 LOGÍSTICA EM PORTUGAL INTRODUÇÃO CONTEXTO ATUAL 4 OBJETIVO 5 PRESSUPOSTOS ORIENTADORES 6 LOGÍSTICA EM PORTUGAL CONTEXTO

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado A Plataforma Logística de Leixões uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado Junho de 2008 O TERRITÓRIO - A fachada Atlântica O TERRITÓRIO - O Norte e o Centro de Portugal Valença Chaves

Leia mais

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST Câmara Municipal de Sines Maio 2008 PDM de Sines Sistema de Transportes e Acessibilidades DESENVOLVIMENTO REGIONAL / NACIONAL População

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca

Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca Guarda, 1 de Julho de 2014 Mário Lopes (Presidente da ADFERSIT) mlopes@civil.ist.utl.pt OBJECTIVOS Tipos de tráfego: mercadorias, passageiros

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E CORREDOR ATLÂNTICO 2015-06-18 José Cruz Técnico Superior Enquadramento Regulamento (UE) Nº 1315/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho de 11 de dezembro de 2013,

Leia mais

Transportes: projectos prioritários até 2020

Transportes: projectos prioritários até 2020 Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 210140312 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt Transportes: projectos prioritários até 2020 A ADFERSIT (Associação Portuguesa para

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007

PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007 PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007 Crescimento sustentado da carga movimentada 16.000 14.000 12.000 1000 TONELADAS 10.000 8.000 6.000

Leia mais

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes 1 Pressupostos e condicionantes Estratégia de Mobilidade nacional para o transporte de passageiros e de mercadorias:

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Ferrovia, Logística e Competitividade no Cenário pós TGV Ordem dos Engenheiros, Lisboa 15 de Maio 2012 1 Exportações das indústrias florestais nacionais, 2011 As indústrias florestais são responsáveis

Leia mais

CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV

CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV 15 de maio de 2012 Luís Cabral da Silva 1 1 A energia de que necessitamos (mas não temos) 2 Vantagens energética, económica e ambiental

Leia mais

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício Florianópolis Brasil Florianópolis Brasil 2 a 4 de Dezembro de 2015 Os desafios de competitividade dos portos portugueses Os desafios

Leia mais

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu Ligação Ferroviária ria Sines/Elvas Luísa Soares Direcção de Estudos e Estratégia llsoares@refer.pt Zaragoza, 20.10.2009 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA. 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal

ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA. 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal 2. Não se justifica uma linha convencional de mercadorias para cargas

Leia mais

ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1

ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1 ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1 Tema da comunicação: Transportes, economia de transportes, políticas de transportes

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

Importância dos Transportes na Actualidade

Importância dos Transportes na Actualidade Modos de Transporte Importância dos Transportes na Actualidade Aumento da acessibilidade Facilitam os movimentos pendulares Estimulam o aumento da produção Estimulam as trocas comerciais Facilitam a localização

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012

Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012 Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012 Media partners: Informação e reservas: Escola Europea de Short Sea Shipping 2E3S.eu Telefone:(+34) 93 298 6070 E-mail: info@2e3s.eu

Leia mais

PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU

PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU João Carvalho joao.carvalho@imt-ip.pt Santiago de Chile, 28 a 31 de outubro de 2014 Reunião DIRCAIBEA Portugal na Europa Localização periférica

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D

A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D Mais que nunca, a economia mundial gira hoje em torno do

Leia mais

11.º Congresso Nacional ADFERSIT Sistema Portuário Português: Contributo para a Competitividade das Cadeias Logísticas Multimodais

11.º Congresso Nacional ADFERSIT Sistema Portuário Português: Contributo para a Competitividade das Cadeias Logísticas Multimodais 11.º Congresso Nacional ADFERSIT Sistema Portuário Português: Contributo para a Competitividade das Cadeias Logísticas Multimodais João Pedro Braga da Cruz 17 de Outubro de 2013 1. Introdução Uma das características

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux.

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O Projecto SEAROAD O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O serviço Ro-Ro um serviço integrado door-to-door com base marítima e rodoviária

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

Recorte nº 094. Índice 17 de Maio de 2010

Recorte nº 094. Índice 17 de Maio de 2010 Recorte nº 094 Índice 17 de Maio de 2010 Balneários da Doca de Recreio com aquecimento solar Projecto de AE do Mar vence Prémio de Logística do Porto de Setúbal Carregadores debatem portos e outros modos

Leia mais

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 534 Conclusões da Discussão Pública A Discussão Pública B Análise Preliminar à Alocação de Fundos Comunitários A Discussão Pública Discussão Pública Metodologia

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

Atividade dos Transportes

Atividade dos Transportes 28 de maio de 213 Atividade dos Transportes I. Transporte marítimo, fluvial, aéreo e ferroviário de passageiros e mercadorias (212 - dados provisórios) II. Transporte rodoviário de mercadorias no Continente

Leia mais

Seminário Transporte Marítimo

Seminário Transporte Marítimo TRANSPORTES & NEGÓCIOS Seminário Transporte Marítimo www.portosdeportugal.pt A Estratégia Portuária ria Nacional 30 de Março o de 2006 LÍDIA SEQUEIRA 1 MARCOS HISTÓRICOS DA ASSOCIAÇÃO A APAJP Associação

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Terminais de Contentores da Região Lisboa-Setúbal

Terminais de Contentores da Região Lisboa-Setúbal Terminais de Contentores da Região Lisboa-Setúbal Análise Comparativa Projecto apresentado à Comunidade Portuária de Setúbal e coordenado por J. Augusto Felício Lisboa, Novembro de 2014 ÍNDICE Sumário

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS DE TRANSPORTE GLOBAL DE PORTUGAL PARA O MÉXICO

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS DE TRANSPORTE GLOBAL DE PORTUGAL PARA O MÉXICO SOLUÇÕES LOGÍSTICAS DE TRANSPORTE GLOBAL DE PORTUGAL PARA O MÉXICO CARGA CONTENTORIZADA INCOTERMS PRINCIPAIS LIGAÇÕES POR VIA MARÍTIMA ENTRE PORTUGAL E O MÉXICO (TRÁFEGO DE CARGA CONTENTORIZADA) SAÍDAS

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA 1. Introdução 2. Modelo de Gestão dos Portos Portugueses 3. O Regime de Gestão Financeira dos Portos 4. Conclusão 2 1. Introdução

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Complementaridade Ferroviária Um MAR de Oportunidades Sessão : Transporte Internacional de Mercadorias ADFERSIT Lisboa 11 de Dezembro de 2012 1 Peso do grupo nas exportações nacionais (2011) A Portucel

Leia mais

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa + 1 Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa José Luís Cacho Presidente da Associação de Portos de

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional

O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional Ordem dos Engenheiros, FEUP, 30 de Junho de 2008 Mário Rui Silva Faculdade de Economia do Porto 1. Os Pressupostos da Análise Caracterização do

Leia mais

A LOGÍSTICA NA UNIÃO EUROPEIA

A LOGÍSTICA NA UNIÃO EUROPEIA A LOGÍSTICA NA UNIÃO EUROPEIA Gustavo Paulo Duarte Porto Alegre, 23 a 25 Junho de 2015 AGENDA Caracterização estrutural do setor e da conjuntura As oportunidades para a criação de valor Os apoios à competitividade

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

MARCO POLO. cios Que políticas de Transportes? Transportes e Negócios. 8º Ciclo de Seminários. Seminário de Transporte Marítimo

MARCO POLO. cios Que políticas de Transportes? Transportes e Negócios. 8º Ciclo de Seminários. Seminário de Transporte Marítimo 8º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios cios Que políticas de Transportes? Seminário de Transporte Marítimo MARCO POLO Regulamento Nº. N. 1382/2003, adoptado em 22 de Julho e publicado no Jornal

Leia mais

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS 1330 .1 SECTOR FERROVIÁRIO PROJETO - PRIV. PUB. RTE-T CORREDOR DA FACHADA ATLÂNTICA 734 0 5 0 2 Conclusão do Plano de Modernização -Linha do Norte 400 300

Leia mais

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Plano Estratégico de Transportes Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Princípios Orientadores Cumprir os compromissos Portugal tem de cumprir os compromissos assumidos. Quer externamente no âmbito

Leia mais

A Oferta IBERCARGO. e os Factores críticos para a competitividade do transporte ferroviário de mercadorias. Miguel Eurico Lisboa

A Oferta IBERCARGO. e os Factores críticos para a competitividade do transporte ferroviário de mercadorias. Miguel Eurico Lisboa A Oferta IBERCARGO e os Factores críticos para a competitividade do transporte ferroviário de mercadorias Miguel Eurico Lisboa Takargo Transporte de Mercadorias S.A. 1 Takargo Transporte de Mercadorias,

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros Uma Abordagem Valpi Sumário 1. Envolvente 2. Oportunidades 3. Abordagem Valpi Envolvente Repartição dos Modos Transporte na AMP 1991 2001 7,1

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Análise da viabilidade do estabelecimento de alternativas sustentáveis de transporte em Portugal, utilizando navios TMCD rápidos Artur Luís Coragem

Leia mais

Aspectos Gerais. Síntese. Características Geográficas. População e Língua PORTUGAL FICHA PAÍS

Aspectos Gerais. Síntese. Características Geográficas. População e Língua PORTUGAL FICHA PAÍS PORTUGAL FICHA PAÍS Aspectos Gerais Síntese 2 A República Portuguesa estende-se por 92.090 km, situando-se na Península Ibérica. Tem fronteiras a ocidente e sul com o oceano Atlântico, e a norte e leste

Leia mais

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas.

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. I. O Promotor A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. A Conceito Original pretende pois afirmar-se

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Índice Visão Ferroviária; Arquitectura de Sistemas de Informação; Desafios; Pág. 2 Visão Ferroviária - Introdução

Leia mais

MOVIMENTO DE PASSAGEIROS NOS AEROPORTOS AUMENTA NOS PRIMEIROS NOVE MESES DE 2007

MOVIMENTO DE PASSAGEIROS NOS AEROPORTOS AUMENTA NOS PRIMEIROS NOVE MESES DE 2007 ACTIVIDADE DOS TRANSPORTES Janeiro a Setembro 2007 03 de Dezembro de 2007 MOVIMENTO DE PASSAGEIROS NOS AEROPORTOS AUMENTA NOS PRIMEIROS NOVE MESES DE 2007 De Janeiro a Setembro de 2007, movimentaram-se

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

Fábrica de. Imperatriz

Fábrica de. Imperatriz Fábrica de Industrial Por que Maranhão? Logística Florestal Fábrica de Por que Maranhão? COMPETITIVIDADE FLORESTAL Nova Fronteira para produção de celulose PA MA PI TO BA FLORESTAL 25 anos de pesquisa

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA A Economia Caboverdiana tem resistido relativamente bem a crise mundial graças uma boa politica macroeconómica: a divida externa reduziu consideravelmente,

Leia mais

Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA

Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA Navegação Interior na Europa a Experiência Belga Porto de Antuérpia, BÉLGICA Maurício M. Souza SNI / GOI julho / 2008 1 Porto de Antuérpia e a Navegação Interior 1.Introdução 2. Navegação interior no Porto

Leia mais

A Alta Velocidade e o Turismo.

A Alta Velocidade e o Turismo. A Alta Velocidade e o Turismo. Estudo sobre o impacte do projecto de Alta Velocidade ferroviária no sector do turismo em Portugal Janeiro de 2010 Caderno 2 de 4 Relatório (Parte I) 1 Presentation Name

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI)

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) Artigo 1.º Objeto Pelo presente estabelece-se as condições que regem

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

Ribeiro de Araújo. Consultor

Ribeiro de Araújo. Consultor O sub-sistema AIS que integra o Sistema Português de VTS Costeiro Descrição sumária Apresentação preparada por Ribeiro de Araújo 2008 Sistema de Controlo de Tráfego Marítimo Objectivos Objectivo: melhorar

Leia mais