Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins"

Transcrição

1 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento daquilo que pretendemos tratar nesta dissertação, a saber, como é possível a validade universal do juízo sobre o belo, sendo ele um juízo singular e sua validade, subjetiva. O primeiro passo a ser dado nesse caminho é o primeiro não só no sentido cronológico, mas também primeiro no sentido lógico, por ser o mais fundamental. Só assim será possível fincar os pés em um terreno firme para tratar do julgamento acerca do belo. Neste primeiro momento nos concentraremos na exposição das bases nas quais Kant fundamenta os juízos reflexivos estéticos A faculdade do juízo Para descrever a faculdade 3 do juízo precisamos, primeiramente, analisála em seus elementos para, em seguida, fornecer os meios segundo os quais ela é válida no âmbito da estética e finalizar mostrando como ela se especifica no juízo estético do belo. A faculdade do juízo, nas palavras de Kant, é a capacidade de subsumir a regras, isto é, de discernir se algo se encontra subordinado à dada regra ou não. (KANT, 1994, B 172 p. 177). Podemos observar que em cada Crítica o autor procura se ocupar desse tema e de suas aplicações: teórica, prática e estética/teleológica. Nessa dissertação o foco está na aplicação estética, à qual Kant se dedicou na primeira parte da CFJ. 3 Faculdade em alemão Vermögen e é derivado do latim facultas e do grego dynamis. Dynamis significa poder, e facultas significa a capacidade para realizar algo. A relação existente entre essas palavras nos mostra que faculdade é a potência que o sujeito possui para uma realização.

2 13 A faculdade do juízo em geral é a faculdade de pensar o particular como contido sob 4 o universal. No caso de este (a regra, o princípio, a lei) ser dado, a faculdade do juízo, que nele subsume o particular, é determinante (o mesmo acontece se ela, enquanto faculdade transcendental, indica a priori as condições de acordo com as quais apenas naquele universal é possível subsumir). Porém, se só o particular for dado, para o qual ela deve encontrar o universal, então a faculdade do juízo é simplesmente reflexiva. (KANT, 2008, B XXVI p. 23). A faculdade do juízo concerne à capacidade de pensar o particular como contido no universal. Nessa passagem, que pertence à Introdução publicada da CFJ, além de dar a conceituação geral da faculdade do juízo, Kant estabelece a distinção entre os juízos determinantes e os juízos reflexivos. O critério de distinção está na maneira segundo a qual o particular e o universal se relacionam entre si. Esta relação, possível de ser realizada pela faculdade do juízo, possui duas formas: uma em que o universal encontra-se disponível e para o qual o sujeito deve encontrar o particular. A essa maneira de relacionar universal e o particular, Kant chama de juízo determinante. Na outra, apenas o particular está disponível e o sujeito busca o universal. Essa outra maneira de relacionar particular e universal é chamada por Kant de juízo reflexivo. O juízo determinante é a faculdade de pensar o particular como contido no universal, quando o universal é dado e subsume 5, sob ele, o particular. É o tipo de juízo no qual uma faculdade legisla sobre a outra, quando duas delas se relacionam entre si. O juízo de conhecimento é determinante, por exemplo, quando há relação entre a imaginação e o entendimento sob legislação do entendimento. Nesse juízo há uma espécie de coerção entre as faculdades, pois uma determina a outra. Quando a razão determina a vontade, o juízo também é determinante, portanto, o juízo determinante do qual estamos tratando não é o único caso. O juízo reflexivo é a faculdade de pensar o particular como contido no universal, quando só o particular é dado e para o qual ele deve encontrar o universal. Desse modo, o juízo reflexivo é aquele que, a partir de fenômenos, procura um conceito por meio da reflexão. O conceito é buscado para que o objeto dado possa ser pensado. O que se busca é um meio de se lidar com o 4 Visto que o termo usado no alemão é unter, a melhor tradução é sob o universal. 5 Subsumir é considerar um fato como aplicação de uma lei, ou seja, quando se conhece o universal e assim se concebe o particular a partir de sua lei.

3 14 particular dado e não, determinar o objeto para se saber o que ele é, nesse sentido sua validade é subjetiva, pois precisamos do conceito para lidar com o objeto. O Juízo pode ser considerado, seja como mera faculdade de refletir, segundo um certo princípio, sobre uma representação dada, em função de um conceito tornado possível através disso, ou como uma faculdade de determinar um conceito, que está no fundamento, por uma representação empírica dada. (KANT, 1995, B 16 p. 47). No caso do juízo determinante, se ele é um juízo de conhecimento, as faculdades cognitivas se relacionam por meio do esquema da imaginação de modo a que os dados sensíveis sejam determinados. O entendimento, por meio dos conceitos, determina os dados da sensibilidade em relação aos quais, a imaginação exerce um papel mediador, formando um esquema que possibilitará que haja um acordo entre a universalidade do conceito e a singularidade dos dados sensíveis. A determinação dos dados sensíveis pelo conceito do entendimento é possível por meio de uma coerção entre as faculdades cognitivas do sujeito, pois o entendimento, por meio do conceito determina a imaginação, que, por sua vez, determina os dados sensíveis. Diferentemente, o juízo reflexivo não parte de nenhum conceito. Ele parte de um dado singular para o qual é preciso encontrar o conceito universal para pensar sobre o dado. O conceito de juízo reflexivo ou reflexionante, se o consideramos como uma das espécies de juízo mencionadas acima, tem, sob si, três sub espécies de juízo: o juízo reflexivo teleológico 6, que diz respeito à finalidade da natureza, mas dessa espécie não procuraremos dar conta nessa dissertação; o juízo reflexivo estético 7, que diz respeito à representação com relação ao sentimento de prazer e desprazer; e o juízo reflexivo que possibilita a formação de conceitos e leis empíricas, ao qual também não vamos dar conta na presente investigação. 6 O juízo reflexivo teleológico apesar de ser reflexivo não tem ligação com prazer e/ou desprazer e sim com a finalidade. É possível arriscar uma interpretação de que esse juízo envolve uma espécie de prazer reflexivo, mas não pretendemos tratar desse tema. 7 Para distinguir se algo é belo ou não, referimos à representação, não pelo entendimento ao objeto em vista do conhecimento, mas pela faculdade de imaginação (talvez ligada ao entendimento) ao sujeito e ao seu sentimento de prazer e desprazer. (KANT, 2008, B 4 p. 47).

4 15 Para realizar sua função, o juízo reflexivo é compelido a ascender do particular na natureza para o universal e por isso ele necessita de um princípio. Como o juízo reflexivo parte de um objeto dado, é preciso um princípio em função do qual o objeto pode ser pensado. Faz-se necessária uma lei para buscar o universal em vista do particular. Quando exerce a função reflexiva, a faculdade do juízo deixa de ser simplesmente coadjuvante e toma a dianteira em relação ao entendimento, pois na função determinante o entendimento é que tem a dianteira e o juízo é regrado pelo conceito puro do entendimento. No entanto, a multiplicidade da natureza e a multiplicidade da experiência vão além daquilo que o entendimento pode determinar. Segundo Kant, as exigências racionais levam o sujeito a encontrar na própria razão princípios em função dos quais o ser humano tenha condições de lidar com esta multiplicidade, para que ele possa pensá-la como constituindo um todo. Deleuze 8 observa que Kant faz uso do termo faculdade em dois sentidos. No primeiro sentido, faculdade remete para as diversas relações de uma representação em geral [...] num segundo sentido, faculdade designa uma fonte específica de representações. (DELEUZE, 1994, p. 15). Deleuze nos esclarece que em ambos os sentidos, faculdade é um poder a priori, isto é, cada uma dessas faculdades deve ser capaz de uma forma superior. Logo, Deleuze nos possibilita entender que a faculdade é superior quando relaciona as representações a priori, isto é, aquela que apresenta a relação entre as representações de forma universal e necessária. Uma faculdade tem uma forma superior quando ela acha em si mesma a lei do seu próprio exercício, (mesmo que desta lei decorra alguma relação necessária com outra faculdade) a fim de que funcione com validade universal. Sob sua forma superior, uma faculdade é autônoma, ou seja, é guiada por uma lei, ou melhor, por um princípio 9 próprio, se ela é capaz legislar sobre os objetos que lhe são submetidos. 8 Essas considerações foram feitas por Deleuze em sua obra: A filosofia crítica de Kant. 9 Um princípio é um começo ou um ponto de partida que possui, classicamente, características ontológicas e lógicas. Um princípio puro é distinto do empírico e alinhado com o a priori. É considerado como a possibilidade de conhecimento a priori. É uma condição universal. Os princípios têm tanto uma função constitutiva quanto regulativa. Os constitutivos entendem dever submeter a existência das aparências a regras a priori (KANT, 1994, B 222 p. 210), e os

5 16 Como a faculdade do juízo relaciona faculdades diferentes entre si, as representações correspondentes se relacionam de forma sintética (ou, em outras palavras: o que acontece é uma conexão entre as representações). No que concerne à faculdade de desejar, ela atua de forma superior quando a vontade não é determinada pelo prazer esperado, mas pela simples forma da lei, a saber, quando ela é determinada pela razão. Percebemos dessa maneira que uma faculdade é autônoma na medida em que exerce suas funções de forma a priori e encontra-se suprida por um princípio que possibilita um procedimento reflexivo dessa faculdade. A faculdade do juízo reflexiva, que tem a obrigação de elevar-se do particular na natureza ao universal, necessita por isso de um princípio que ela não pode retirar da experiência, porque este precisamente deve fundamentar a unidade de todos os princípios empíricos sob princípios igualmente empíricos, mas superiores e por isso fundamentar a possibilidade da subordinação sistemática dos mesmos entre si. (KANT, 2008, B XXVII p. 24). Esse princípio do qual estamos tratando é chamado por Kant de conformidade a fins <Zweckmässigkeit>, e trata-se da possibilidade de vislumbrar uma unidade nas leis empíricas da natureza. Tal princípio é regulativo. Um princípio regulativo nos dá os meios de lidar com a natureza de modo a que possamos interagir com ela. Ele possibilita, por exemplo, pressupor que há uma continuidade na natureza de modo a que possamos formar conceitos e leis empíricas. Na Primeira Introdução Kant afirma que é preciso que se pense a natureza com uma finalidade porque ela forma uma conexão sistemática das leis empíricas, então, é considerável pensar todo o agregado de experiências particulares como sistema das mesmas. (KANT, 1995, B 8 p. 38). É preciso pressupor uma continuidade na natureza para que seja formada uma conexão sistemática de leis empíricas. Essa continuidade só pode ser pensada em função de um princípio, pois a soma das leis particulares não dá conta sozinha de unificar a multiplicidade de experiências. Este princípio opera como se 10 a regulativos são aqueles que oferecem regras segundo as quais uma unidade da experiência deverá resultar das percepções. (KANT, 1994, B 222 p ). 10 Como se tem, nesse caso, caráter analógico, pois afinal o princípio da conformidade a fins não determina nada na forma do entendimento. É como se determinasse a forma como entendemos o mundo, mas na verdade é apenas uma regra para a reflexão. É a condição sem a qual não se pode

6 17 natureza se deixasse determinar pela nossa faculdade da razão. No entanto, ele nada determina na forma do entendimento, seu aspecto reflexivo visa resguardar apenas uma lei para o juízo, que é contingente em relação à natureza. É que, sem pressupormos isso, não teríamos qualquer ordem da natureza segundo leis empíricas e, por conseguinte nenhum fio condutor para uma experiência e uma investigação das mesmas que funcione com estas segundo toda a sua multiplicidade. (KANT, 2008, B XXXVI p. 29). Na Introdução publicada na CFJ Kant faz uma referência implícita ao princípio regulativo. Ele se refere à possibilidade de se pensar a conformidade a fins da natureza. Tal princípio é então, uma condição que o sujeito admite a priori quando tem necessidade de dar conta daquilo que a natureza lhe oferece. Por meio de tal princípio é possível supor uma ordem para a natureza. Por isso a faculdade do juízo possui um princípio a priori para a possibilidade da natureza, mas só do ponto de vista de uma consideração subjetiva de si própria, pela qual ela prescreve uma lei, não à natureza (como autonomia), mas sim a si própria (como heautonomia) para a reflexão sobre aquela, lei que se poderia chamar da especificação da natureza [...]. (KANT, 2008, B XXXVII p ). O princípio da conformidade a fins, possível de ser pensado em função do princípio regulativo, é subjetivo, pois não determina nada em relação aos objetos da natureza, mas sim dá a regra para que eles possam ser pensados. Tal princípio possibilita que se julgue a natureza como podendo especificar suas leis universais e empíricas em conformidade com um sistema lógico e único em função do juízo (KANT, 1994, A / B p ). Kant estabelece esse princípio sabendo que a lei garantidora da unidade da natureza é dada a priori pela razão. E assim, é possível atribuir à natureza um sistema e não tomá-la como um mero agregado. É como se a razão desse a condição de possibilidade para que a natureza seja considerada como um sistema, em função de uma exigência lógica. O juízo reflexivo juntamente com o princípio da conformidade a fins pensar universalmente o princípio de finalidade, pois não se pode demonstrá-lo, afinal é um princípio regulativo e não constitutivo. É uma hipótese, é como se a natureza fosse final para o homem, mas não se sabe de fato se ela é. Através do princípio será possível pensar a natureza como um sistema e não como um mero agregado.

7 18 pretendem fornecer uma regra para se pensar o particular diante do universal indisponível. Este princípio tem a função de guiar o sujeito em seu julgamento sobre a natureza para que ele possa lidar com ela de uma forma que faça sentido. O juízo reflexivo fornece, portanto, as condições para que seja possível tratar dos dados particulares da natureza, dados que escapam aos conceitos do entendimento. A conformidade a fins (ou princípio de finalidade) é dada por uma exigência lógica da razão de ordenação da natureza. Existem duas definições que Kant dá à conformidade a fins: na primeira, um fim é o conceito de um objeto enquanto encerra, ao mesmo tempo, a base da realidade desse objeto. (KANT, 2008, B XXVII p. 24); na segunda, fim é o objeto de um conceito, enquanto este é considerado como a causa daquele (a base real da possibilidade do objeto). (KANT, 2008, B 32 p. 64). A conformidade a fins não é o mesmo que fim, a conformidade a fins é um princípio e fim tem a ver com um conceito de um objeto, e pode ser tomado também como objeto. Em nenhum dos dois casos está dito que fim é um princípio. Podemos estabelecer uma relação entre o princípio de finalidade e o conceito de fim, pois afinal o conceito de fim pode tornar mais evidente o principio de finalidade. As definições de fim se relacionam com o princípio de finalidade através da noção de causa final. A conformidade subjetiva é o poder de julgar discernindo a possibilidade de um fim. A partir desses conceitos é possível observar que, por meio do princípio de finalidade, os juízos reflexivos podem ser tidos como estabelecendo uma sintonia entre o sujeito e as coisas, o que possibilita ao sujeito pensar a natureza como final para ele. É como se a natureza fosse feita para o homem, porque o princípio da conformidade a fins opera como se a natureza se deixasse compreender como um todo pela experiência. Esse princípio possibilita lidarmos com a natureza como se ela fosse final para nós. Admitir essa homogeneidade na natureza nos possibilita formar conceitos para os particulares da natureza. Por meio do princípio de finalidade consideramos a natureza como se fosse feita para interagirmos com ela. É preciso ter um critério para hierarquizar conceitos, ou seja, um critério capaz de por em ordem tudo que conhecemos através do entendimento. E tais juízos que procedem desse princípio, não têm a pretensão de determinar a natureza, mas

8 19 apenas regulá-la. A partir desse princípio o homem pode admitir uma sistematicidade, através da qual ele é capaz não só de interagir com o meio em que ele vive, mas também de pensá-lo como um todo. Concentrar-nos-emos agora na proposta da CFJ, segundo a qual a faculdade do juízo tem como principal função estabelecer as relações entre o sentimento de prazer e de desprazer e as faculdades cognitivas. Percorreremos a partir de agora o caminho que pretende analisar a relação entre a conformidade a fins e o sentimento de prazer e desprazer. O problema a ser resolvido é como o princípio de finalidade se liga ao sentimento de prazer e/ou desprazer. Kant indica no primeiro momento da Analítica que esse sentimento é a condição para o juízo estético. É preciso provar a condição estética dos juízos reflexivos estéticos, para descrever a possibilidade deste princípio transcendental do gosto A conformidade a fins como princípio transcendental do gosto Após essa aproximação acerca do princípio que pretende fundar os juízos estéticos, agora começaremos o tratamento dos juízos estéticos e sua ligação com esse princípio. O elemento central dos juízos estéticos é o prazer que está ligado à representação, que de forma nenhuma pode se reverter em conhecimento. Na verdade, através deles nada conheço no objeto da representação, ainda que eles possam ser até o efeito de um conhecimento qualquer. (KANT, 2008, BXLIII p.33). Diz Kant, o objeto só pode ser designado conforme a fins, porque sua representação está imediatamente ligada ao sentimento de prazer. (KANT, 2008, B XLII p. 33). Quando o sujeito sente prazer em sua relação com a natureza, ele pode identificar uma espécie de finalidade que resulta nesse sentimento, pois se o sujeito sente prazer é possível atribuir esse sentimento a um indício de que a natureza foi feita para lhe dar prazer. A finalidade do juízo estético é uma finalidade sem fim (trataremos com mais atenção desse tema no segundo capítulo, no tópico 3.1), porém o sentimento de prazer é um indício da conformidade a fins.

9 20 Por isso um objeto só pode ser designado conforme a fins, porque a sua representação está imediatamente ligada ao sentimento de prazer; e esta representação é ela própria uma representação estética da conformidade a fins. (KANT, 2008, BXLII p. 33). Podemos expor o argumento da seguinte forma: na medida em que a conformidade a fins é apenas uma pressuposição do juízo reflexivo e nada diz de objetivo, a não ser enquanto possibilidade de regrar a maneira de pensá-lo, assim é certo afirmar que ela não é um princípio para os juízos determinantes. A conformidade a fins e esse sentimento encontram-se em conexão na medida em que ambos participam do momento estético da reflexão sujeito-objeto, momento que precede o ajuizamento reflexivo. (TROMBETTA, 2000, p. 85). Se o prazer está ligado à conformidade a fins e esta é um princípio transcendental (necessário, mesmo que subjetivo), o juízo de gosto que é fundamentado no prazer tem o direito a essa base transcendental que concede assim necessidade e universalidade. Desta forma o prazer não pode mais do que exprimir a adequação deste objeto às faculdades de conhecimento que estão em jogo na faculdade do juízo reflexiva e por isso, na medida em que elas aí se encontram, exprime simplesmente uma subjetiva e formal conformidade a fins do objeto. (KANT, 2008, B XLX p ). Na verdade, como o fundamento do prazer ou desprazer é colocado simplesmente na forma do objeto para a reflexão geral, por conseguinte em nenhuma sensação do objeto, é também colocado sem relação a um conteúdo que contenha uma intenção qualquer, é apenas a legalidade no uso empírico da faculdade do juízo em geral (unidade da faculdade da imaginação e do entendimento) no sujeito com que a representação do objeto na reflexão concorda. As condições dessa reflexão são válidas a priori de forma universal. (KANT, 2008, B XLV p. 34). O que salta aos olhos nesse momento é o caráter a priori e universal da reflexão presente no juízo estético, o qual não se encontra determinado em algum conteúdo. Por outro lado, a universalidade não está pautada numa validade a priori, enquanto necessidade objetiva fundada em conceitos, mas no sentimento ligado à conformidade a fins. A partir de agora podemos entender que o caráter universal da reflexão dos juízos de gosto não está presente em um conteúdo determinado, pelo contrário, podemos localizá-lo em suas condições de possibilidade.

10 21 Ora, este conceito transcendental de uma conformidade a fins da natureza não é nem um conceito de natureza, nem de liberdade, porque não acrescenta nada ao objeto (da natureza), mas representa somente a única forma segundo a qual nós temos que proceder na reflexão sobre os objetos da natureza com o objetivo de uma experiência exaustivamente interconectada, por conseguinte é um principio subjetivo (máxima) da faculdade do juízo. (KANT, 2008, B XXXIV p. 28). A operação reflexiva, que tem sua origem no ajuizamento estético, possui uma ligação indissociável com o sentimento de prazer e o estado de ânimo. Para esclarecer um pouco mais o juízo reflexivo estético vamos nos dedicar a ele no próximo tópico deste capítulo O juízo reflexivo estético Nessa parte trataremos do ajuizamento 11 reflexivo estético, o qual diz respeito ao sujeito e ao seu sentimento de prazer e/ou desprazer. Este prazer ao qual o juízo estético está ligado se dá pela presença de objetos formalmente aptos, que originam um operar das faculdades cognitivas, diferente do juízo de conhecimento. É justamente por não determinar nada em relação ao objeto que a dimensão estética é aquela que diz respeito apenas ao sujeito e seu sentimento de prazer ou desprazer. Aquilo que na representação de um objeto é meramente subjetivo, isto é, aquilo que constitui a sua relação com o sujeito e não com o objeto é a natureza estética dessa representação. [...] Aquele elemento subjetivo numa representação que não pode de modo nenhum ser uma parte do conhecimento é o prazer ou desprazer. (KANT, 2008, B XLII p ). Existem duas espécies de juízo estético: o juízo sobre o belo e sobre o sublime. Não pretendemos dar conta nesta dissertação do juízo sobre o sublime. Nossa investigação concentrar-se-á no juízo reflexivo estético sobre o 11 A tradução de Beurteilung por ajuizamento e de Urteil por juízo. O segundo expressa união de dois conteúdos representacionais, e o primeiro é a relação da consciência ajuizante com o objeto representado, não ampliando o conhecimento, mas expressando aprovação ou desaprovação. (KANT, 2008, B 4 p. 47 nota do tradutor).

11 22 belo que é denominado juízo de gosto. É através da análise desse juízo que vamos lidar com a validade universal do sentimento acerca do belo. Nos juízos reflexivos estéticos sobre o belo, as faculdades cognitivas, imaginação e entendimento, se relacionam através de um jogo livre, que tem como efeito o estado de ânimo que gera o sentimento de prazer. As faculdades do sujeito neste momento não estão determinando nada em relação ao objeto, estão na verdade experimentando um sentimento ao se relacionarem com tal objeto. Tal prazer estético tem a pretensão de revelar se algum objeto é ou não belo, de acordo com o estado de ânimo do sujeito perante tal objeto. Sabendo que é através do jogo harmonioso entre suas faculdades que o sujeito pode sentir prazer e, em função desse sentimento, julgar esteticamente o objeto. Torna-se preciso analisar agora uma questão fundamental acerca desta classe de juízos: se é o prazer que precede o juízo, ou se é o juízo que precede o prazer? Nesse momento nos deparamos com a questão-chave da CFJ; se o sentimento de prazer precede o ajuizamento estético ou se é este ajuizamento que precede o prazer? Kant nos responde que: Se o prazer no objeto dado fosse o antecedente e no juízo de gosto somente a comunicabilidade <Mitteilbarkeit> 12 universal do prazer devesse ser concedida à representação do objeto, então um prazer não seria nenhum outro que o simples agrado na sensação sensorial e, por isso, de acordo com sua natureza, somente poderia ter validade privada, porque dependeria imediatamente da representação pela qual o objeto é dado. (KANT, 2008, p. 61 B 27). É na resposta para essa pergunta que encontramos a chave para abrir a questão que buscamos fundamentar, a saber, a capacidade dos juízos reflexivos estéticos terem validade subjetiva e universal apesar de serem juízos singulares. Se o prazer antecede o juízo, este consistiria apenas na comunicação do sentimento, então tal prazer seria resultante de um simples agrado na sensação sensorial. De tal modo que só possuiria validade privada. No entanto, se é o ajuizamento estético que como condição subjetiva de gosto, tem que jazer como fundamento do mesmo e ter como consequência o prazer no objeto, (KANT, 2008, p. 61 B 27) então não pertence a simples sensação do sujeito, mas resulta a reflexão. Desse modo poderemos entender 12 O verbo mitteilen possui o significado de compartilhar, e Kant faz uso desse termo como uma harmonia comunicativa.

12 23 aquilo para o que Kant chama a nossa atenção: que o juízo antecede o prazer, pois o juízo se dá no momento do acordo entre duas faculdades cognitivas. O prazer se dá depois do juízo, pois o juízo é o próprio jogo livre entre imaginação e entendimento. Ao entender que o juízo reflexivo implica em como o sujeito sente a si mesmo da maneira que ele é afetado pela representação do objeto e que esse sentimento fundamenta-se na harmonia entre as faculdades do sujeito, e como as faculdades têm um estatuto transcendental, podemos admitir que todos os sujeitos que foram afetados pelo mesmo objeto possam sentir a harmonia interna de suas faculdades. E assim podemos comunicar nossa avaliação sobre o objeto fundandonos na harmonia sentida. Pela comoção, isto é, pelo jogo livre entre as faculdades é possível admitir a validade da universalidade do juízo singular reflexivo estético. Mesmo dependendo de um sentimento de prazer por parte do sujeito, a validade universal se torna possível porque é um sentimento que não se atém à sensação sensorial. A universalidade acerca do juízo sobre o belo se dá em função das faculdades cognitivas de todos os sujeitos. O juízo estético de sensação também só é possível em função das faculdades cognitivas do sujeito. Ele precisa da sensibilidade para sentir e do entendimento para saber o que ele está sentindo. Entretanto no juízo reflexivo estético as faculdades cognitivas estão se relacionando livremente e harmonicamente. Ora, qualquer sujeito está apto para o julgamento do belo, se um objeto provoca o livre jogo entre as faculdades cognitivas do sujeito. Então, este objeto pode provocar o mesmo estado de ânimo em qualquer sujeito. Analisar a faculdade do juízo, a conformidade a fins e o juízo reflexivo estético nos ajuda a esclarecer os fundamentos da proposta kantiana. Vamos seguir adiante para apresentar o âmbito do juízo sobre o belo mais precisamente. É necessário justificar a legitimidade desse juízo segundo suas condições de possibilidade. Tal juízo deve ser considerado por todos como universalmente válido, pois possui um fundamento a priori para seu exercício.

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

KANT E A FACULDADE DE JULGAR

KANT E A FACULDADE DE JULGAR KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP DANILO CITRO SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO OURO PRETO 2011 2 Danilo Citro Sobre a analogia entre natureza e arte na

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA *

KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA * KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA * André Luiz da Paz e Silva ** A autonomia do juízo de gosto puro pelo belo, devido a sua total liberdade em relação tanto à dimensão do conhecimento

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa Prof. Ricardo Bicalho Redes de Computadores Ciência e Método Científico AULA 3 1 AGENDA PORQUE ESTUDAR METODOLOGIA ENSINO SUPERIOR E PESQUISA ELEMENTOS

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant

Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant Júlia Casamasso Mattoso Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA Programa de Pós-graduação em Filosofia Júlia

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Lucas Nascimento Machado RESUMO Em nosso artigo, discutiremos a relação entre ceticismo e filosofia tal como ela se daria na conexão entre Hume,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Danilo Citro 1 Resumo: Com a Crítica da Faculdade do Juízo, Kant tem a intenção de estabelecer de algum modo uma ligação entre as duas

Leia mais

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O CONHECIMENTO OBJETIVO Daniel Tourinho Peres(UFBA/CNPq) 1 Em um livro de grande prestígio, consagrado à relação de conflito entre a filosofia e a retórica,

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Desencantamento

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1 133 UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT Alexandre TELES 1 Resumo Kant, em sua Lógica Transcendental deriva da forma do juízo a sua Tábua das Categorias, as quais

Leia mais

RESENHA. PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p.

RESENHA. PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p. RESENHA PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p. JORGE VANDERLEI COSTA DA CONCEIÇÃO Mestrando em Filosofia pela PUC-PR

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Sobre o princípio e a lei universal do Direito em Kant Guido Antônio de Almeida* RESUMO O artigo distingue duas fórmulas do princípio do Direito em Kant; mostra que na primeira delas

Leia mais

Plínio Junqueira Smith

Plínio Junqueira Smith RAZÃO E UNIVERSALIDADE NA MORAL HUMEANA Plínio Junqueira Smith Universidade São Judas Tadeu psmith@usjt.br Em recente e bastante interessante artigo, 1 o prof. Adriano Naves de Brito defendeu a tese, segundo

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

/90/ A beleza como símbolo da moralidade. na Crítica da Faculdade do Juízo de Kant 1

/90/ A beleza como símbolo da moralidade. na Crítica da Faculdade do Juízo de Kant 1 /90/ A beleza como símbolo da moralidade na Crítica da Faculdade do Juízo de Kant 1 Verlaine Freitas A Crítica da Faculdade do Juízo é concebida por Kant como possuidora de um princípio que permite a passagem

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

KANT E O GÊNIO NA FILOSOFIA

KANT E O GÊNIO NA FILOSOFIA KANT E O GÊNIO NA FILOSOFIA DANILO CITRO RESUMO: O gênio é a faculdade do espírito na obra de arte bela. Este princípio de vida vem da produção de objetos que só o gênio é capaz. Para isto, ele tem a imaginação

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos 15 2. METODOLOGIA CIENTÍFICA Metodologia científica é a disciplina que estuda os caminhos do saber, aonde método significa caminho, logia estudo e ciência saber. De forma simplificada, então, a metodologia

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

1 O INÍCIO DA PERSONALIDADE E A SITUAÇÃO DO NASCITURO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO. Flora Soares Guimarães* Leonardo Alves Guedes* Lívia Gueiros Maia* Michel Alves de Souza* Paola Teixeira Lessa

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

Gênio e natureza na crítica do juízo

Gênio e natureza na crítica do juízo A Revista de Filosofia Danilo Citro * Gênio e natureza na crítica do juízo Resumo Propomos relacionar a noção de gênio na Crítica da Faculdade do Juízo com as introduções à mesma obra, que dizem respeito

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE 1 PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE Prof. Dr. Flávio Villaça Professor Titular de Planejamento Urbano da FAU-USP Versão de 20/12/04 Flavila@uol.com.br INTRODUÇÀO Este texto foi elaborando

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

12 Guia prático de história oral

12 Guia prático de história oral parte i Fundamentos 12 Guia prático de história oral 1. TEMA Ao longo dos últimos anos, muitas abordagens se somam à chamada história oral, termo, contudo pouco explicado e confundido com gravações de

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Habilidade: Problematizar quais as possibilidades do conhecimento verdadeiro. REVISÃO Conhecimento = Relação SUJEITO e OBJETO Fontes do conhecimento Racionalismo

Leia mais

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Conhecimento e Ciência: tipos de conhecimentos Professora: Sueli Andrade Disciplina: Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Parágrafos selecionados da. Crítica da faculdade do juízo *

Parágrafos selecionados da. Crítica da faculdade do juízo * Parágrafos selecionados da Crítica da faculdade do juízo * Immanuel Kant Primeira Seção ANALÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO ESTÉTICA Primeiro Livro ANALÍTICA DO BELO Primeiro momento do juízo de gosto 1, segundo

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ O EXERCÍCIO NOTURNO O exercício noturno, Retrospecção, é mais valioso do que qualquer outro método para adiantar o aspirante no caminho

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Principais correntes e seus representantes

Principais correntes e seus representantes Teoria do Conhecimento A necessidade de procurar explicar o mundo dando-lhe um sentido e descobrindo-lhe as leis ocultas é tão antiga como o próprio Homem, que tem recorrido para isso quer ao auxílio da

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA ESTRATÉGIAS DE LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NA UNIVERSIDADE: DA DECODIFICAÇÃO À LEITURA CRÍTICA Urbano Cavalcante Filho (UESC, UFBA, IFBA) urbanocavalcante@yahoo.com.br 1. Introdução Todos

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

SOBRE O LUGAR DO JUÍZO DE GOSTO NA ESTÉTICA KANTIANA

SOBRE O LUGAR DO JUÍZO DE GOSTO NA ESTÉTICA KANTIANA Rone E. Santos 1 SOBRE O LUGAR DO JUÍZO DE GOSTO NA ESTÉTICA KANTIANA Resumo: O presente trabalho busca analisar como, dentro do empreendimento analítico kantiano, é possível verificar uma passagem do

Leia mais