EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro"

Transcrição

1 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. com o Número de Identificação de Pessoa Coletiva (NIPC) , para a instalação Central Termoelétrica de Sines sita em São Torpes, freguesia e concelho de Sines, para o exercício da atividade de Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro Incluídsa, respetivamente, nas categorias 1.1 e 5.4 do Anexo I do Decreto-Lei n.º 173/2008, de 26 de Agosto, e classificada, respetivamente, com as CAE Rev.3 n.º (Produção de eletricidade de origem térmica) e CAE Rev.3 n.º (Tratamento e eliminação de outros resíduos não perigosos), de acordo com as condições fixadas no presente documento. A Licença Ambiental é válida até 30 de abril de Amadora, 29 de abril de A Vogal do Conselho Diretivo da APA, I. P. Ana Teresa Perez

2 Este aditamento é parte integrante da Licença Ambiental n.º 300/2009, de 30 de abril. Onde se lê: Alteração ao ponto Águas A água consumida na instalação provém de uma captação de água salgada (ver descrição no ponto 1 do Anexo I), acionada por uma estação de bombagem. A água é captada por 4 eletrobombas, uma por cada Grupo gerador, com caudal de 10 m3/s, e é utilizada no circuito de refrigeração principal, do tipo aberto, que assegura o arrefecimento dos condensadores de vapor. Fica autorizada, provisoriamente até à emissão do respetivo Título de Utilização de Recursos Hídricos (TURH), a utilização do domínio hídrico para captação de águas superficiais, consoante as condições apresentadas no Quadro I.1, do Anexo I.3. Deverá ler-se: A água consumida na instalação provém de uma captação de água salgada (ver descrição no ponto 1 do Anexo I), acionada por uma estação de bombagem. A água é captada por 4 eletrobombas, uma por cada Grupo gerador, com caudal de 10 m3/s, e é utilizada no circuito de refrigeração principal, do tipo aberto, que assegura o arrefecimento dos condensadores de vapor. A utilização dos recursos hídricos para captação de águas superficiais está autorizada de acordo com o estipulado na Licença de Utilização dos recursos Hídricos para Captação de Água Superficial n.º 11/CSP/RG/2011, de (ver Anexo I.3). Alteração ao ponto Águas residuais e pluviais Existem três pontos de descarga de águas residuais: EH1: constituído por dois pontos de descarga distintos, denominados EH1 e EH1a e onde descarregam as águas do circuito de refrigeração, efluentes tratados na ITEL e na ETAR e os efluentes tratados da instalação de dessulfuração (LT9). Antes dos pontos de descarga existe uma estrutura de restituição constituída por dois canais distintos, canal 1 e canal 2, de secção trapezoidal de 5 m de largura, inclinação 4/3 e 304 m de comprimento. As águas do circuito de refrigeração de cada dois grupos são restituídas em cada um dos dois canais. Os efluentes tratados da instalação de dessulfuração são descarregados no canal 1 que descarrega no ponto EH1, enquanto os efluentes tratados na ITEL e na ETAR são descarregados no canal 2 que descarrega no ponto EH1a; EH2: consiste num ponto de descarga, na ribeira da Esteveira, do efluente decantado do silo B0 (LT3), do by-pass das bacias de decantação do parque de carvão quando a bacia de decantação do silo A0 também não tem capacidade de o receber (LT1 e LT2), das águas pluviais não contaminadas; EH3: consiste num ponto de descarga num afluente da ribeira da Junqueira, dos efluentes provenientes das bacias de decantação oeste, central e leste do Aterro CEC quando a qualidade do efluente respeitar as condições estabelecidas nesta licença. Está autorizada, provisoriamente até à emissão do respetivo TURH, a utilização do domínio hídrico para os efeitos de descarga das águas residuais nos pontos EH1 e EH2. A descarga no ponto EH1 deverá respeitar as condições apresentadas no Quadro II.5, do Anexo II. A rejeição de águas residuais no ponto EH3 só poderá ocorrer quando a sua qualidade respeitar os VLE estabelecidos, provisoriamente até à emissão do respetivo TURH, no Quadro II.6, do Anexo II desta licença e, no máximo, até um mês após a colheita e respetiva verificação de conformidade para que, a qualidade das águas retidas não seja muito alterada por afluência à bacia de decantação de águas com diferentes características. Caso a qualidade das águas não seja compatível com a rejeição no ponto EH3, estes efluentes deverão ser encaminhados para tratamento nas ITEL. Alteração ao ponto Emissões atmosféricas As emissões pontuais de poluentes para a atmosfera geradas na instalação, são provenientes de dez fontes de emissão pontuais identificadas no Quadro I.3, do Anexo I.5, desta licença. Página 2 de 5

3 No que respeita ao dimensionamento das chaminés das fontes FF1 a FF3 estas apresentam uma altura adequada à correta dispersão dos poluentes, tendo sido dado cumprimento ao disposto no Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril, e ao procedimento de cálculo estabelecido na Portaria n.º 263/2005, de 17 de Março, e na Declaração de Retificação n.º 38/2005, de 16 de Maio. A instalação dispõe ainda de três grupos diesel de emergência associados aos (fontes FF4 a FF6), dois grupos diesel de emergência associados ao sistema de combate a incêndios (fontes FF8 e FF9) e um grupo diesel de emergência associado à unidade de dessulfuração (fonte FF9). Para a fonte pontual FF10, no que respeita ao dimensionamento da chaminé, deverá ser apresentado um estudo relativo à altura da chaminé, tendo por base o definido na Portaria n.º 263/2005, de 17 de Março e na Norma Portuguesa NP 2167:2007, para estudo de eventual correção da altura da chaminé da referida fonte pontual. Neste estudo deverá ser ainda entregue um estudo de dispersão de poluentes, tendo por base os poluentes característicos emitidos nesta fonte e o regime de funcionamento do equipamento associado à fonte pontual. Deverão ser enviados a esta Agência, dois exemplares do referido estudo até 28 de junho de Para além das emissões pontuais existem ainda emissões difusas de partículas associadas a várias fontes, sendo as principais: Parque de carvão - armazenamento em local aberto e operações de descarga e manuseamento; Aterro CEC frente de exploração e operações de deposição; Aterro de Gesso frente de exploração e operações de deposição; Área de armazenamento e preparação de calcário; Área de armazenamento de gesso; Alteração ao ponto Subprodutos Em substituição do definido neste ponto da Licença Ambiental, Decorrente da atividade da instalação é gerado como subproduto cinzas volantes, recolhidas no percurso dos gases de exaustão das caldeiras dos Grupos 1 a 4, que são utilizadas na indústria cimenteira e betoneira; Decorrente da operação de dessulfuração dos gases de combustão é gerado como subproduto gesso (materiais cálcicos),que são utilizados na indústria de construção, de acordo com os pressupostos definidos no ofício ref. 1395/10/DOGR-DRS-1100, emitido em , pela APA. O operador deverá incluir no RAA os quantitativos dos subprodutos gerados, enviados para utilização nas indústrias acima referidas, com indicação dos respetivos recetores. Alteração ao ponto Fonte de Emissão FF3 Para esta fonte pontual, tendo em conta o regime de funcionamento apresentado, de acordo com o disposto no art.º 21º, do Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril, é atribuída a dispensa de monitorização, desde que a fonte não ultrapasse as 500 horas de funcionamento. Caso sejam ultrapassadas as 500 horas de funcionamento deverá ser dado cumprimento ao definido no Quadro II.2 do Anexo II. Aquando da realização de campanhas de monitorização, deve ser apresentado no RAA, além das concentrações medidas, os caudais mássicos de todos os poluentes monitorizados. Alteração ao ponto Outras Fontes de Emissão Relativamente às fontes FF4 a FF9 deverá ser incluída no RAA a informação constante do Quadro II.3, do Anexo II desta licença, bem como o PCI e a densidade dos combustíveis consumidos. Página 3 de 5

4 No que respeita à fonte FF10, o controlo das emissões poluentes para a atmosfera deverá ser realizado de acordo com parecer após a análise dos elementos a entregar no âmbito do estudo previsto no ponto desta LA. Alteração ao Anexo I.3 Captações de água Neste anexo da Licença Ambiental, em substituição do Quadro I.1 Captações de água, deverá ser considerada a Licença de Utilização dos recursos Hídricos para Captação de Água Superficial n.º 11/CSP/RG/2011, de , que se anexa. Alteração ao Anexo I.4 Identificação das fontes de emissão pontual para a atmosfera Em substituição do Quadro I.3 Fontes de emissão pontual para a atmosfera provenientes da instalação, deverá ser considerado o quadro seguinte: Código da Fonte Potência Térmica (MW th) Altura da Chaminé (m) Equipamento associado Combustível Carvão- Combustível principal FF FF FF3 21,0 30 FF4-3,0 FF5-3,0 FF6-3,0 FF7-6,0 FF8-6,0 FF9-5,0 Grupo gerador de vapor n.º 1 e n.º 2 Grupo gerador de vapor n.º 3 e n.º 4 Caldeira auxiliar dos grupos geradores Nota: Funcionam apenas durante o arranque dos grupos ou durante ensaios) Grupo diesel do sistema de incêndios Grupo diesel do sistema de incêndios Gerador diesel de Emergência Unidade de dessulfuração FF10 (2) - 8,4 (2) encaminhada para fonte pontual: Sala de lavagem e decapagem Extracção localizada: e extracção da sala de lavagem Fuelóleo e Light Fuel (1) - Combustível auxiliar em caso de arranque ou de variação de carga) Gás Propano- Apenas para ignição dos queimadores das caldeiras Está prevista a substituição em 5% a 10% do uso de carvão pelo uso de biomassa (ou combustível derivado de resíduos CDR) ou pelo uso de Coque de Petróleo Gasóleo (1) Combustível utilizado em situações de arranque a frio, em que se encontram todos os grupos parados. Este combustível corresponde a uma mistura de fuelóleo (60%) e gasóleo (40%), em que mistura ocorre diretamente nos tanques de fuelóleo. (2) Ver ponto desta LA. Página 4 de 5

5 Alteração ao ponto 1 do Anexo II Monitorização das emissões para o ar deve considerar-se: Quadro II.1 Valores Limite de Emissão (VLE) e Frequência de Monitorização para as fontes FF1 e FF2 Parâmetro VLE (1) Expressão dos Frequência da monitorização NO x 200 expresso como NO 2 Partículas 20 SO2 200 Compostos Inorgânicos Fluorados 5 Compostos Inorgânicos Clorados 30 CO COV H 2S 5 Metais I (2) 0,2 Metais II (2) 1 Metais III (2) 5 (1) Todos os VLE se referem a um teor de 6% de O 2 e gás seco nos efluentes gasosos. (2) De acordo com o definido na parte A do Anexo da Portaria n.º 675/2009, de 23 de Junho Contínuo duas vezes em cada ano civil, com um intervalo mínimo de dois meses entre medições Quadro II.2 Valores Limite de Emissão (VLE) e Frequência de Monitorização para a fonte FF3 Parâmetro VLE (1) Expressão dos Frequência da monitorização (3) NO x 500 CO 500 SO Partículas 150 H 2S 5 COV 50 Metais I (2) 0,2 Metais II (2) 1 Metais III (2) 5 expresso como NO 2 duas vezes em cada ano civil, com um intervalo mínimo de dois meses entre medições (1) VLE que se referem a um teor de 3% de O 2 e gás seco nos efluentes gasosos. (2) De acordo com o definido na parte A do Anexo da Portaria n.º 675/2009, de 23 de Junho; (3) Programa de monitorização a realizar sempre que a fonte ultrapasse as 500 horas de funcionamento anual. Quadro II.3 Monitorização para as fontes FF4 a FF9 Parâmetro N.º horas de funcionamento Combustível consumido Expressão dos horas/ano ton/ano Página 5 de 5

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23 Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar (ex. Salvador Caetano Indústrias Metalúrgicas e Veículos de Transporte,

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

Centro de Produção Sines

Centro de Produção Sines Centro de Produção Sines Conferência Pacto para a Saúde e Ambiente Sines, 6 de Junho de 2007 Agenda A Central e as suas características O desempenho técnico e ambiental da Central As exigências legais

Leia mais

1º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 3/2009/DRA de 6 de Maio de 2009

1º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 3/2009/DRA de 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direção Regional do Ambiente 1º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 3/2009/DRA de 6 de Maio de 2009 Nos termos da legislação relativa

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. Resiquímica Resinas Químicas, S.A.

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. 1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 1.º Aditamento à Licença Ambiental

Leia mais

Central Termoelétrica do Pego

Central Termoelétrica do Pego Central Termoelétrica do Pego Índice 0. Mensagem da Administração... 3 1. Âmbito... 4 2. Apresentação... 4 3. O Compromisso da Pegop Segurança, Saúde e Ambiente.. 4 4. Processo de produção de energia elétrica...

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.197.05 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008 1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 1º Aditamento à Licença Ambiental do

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.174.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador licença ambiental LA nº 315/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Cerâmica das Alhadas, S.A. com o Número

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador ECODEAL Gestão Integral de Resíduos Industriais, S.A.

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

EDA - Electricidade dos Açores, S.A. Central Termoeléctrica do Belo Jardim

EDA - Electricidade dos Açores, S.A. Central Termoeléctrica do Belo Jardim LICENÇA AMBIENTAL N.º 5/2008/DRA Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrado da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa EDA - Electricidade dos Açores, S.A. com

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa Selenis, Indústria de Polímeros, S.A. com o Número de

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

24/05/2015. Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015. Seminário Energia e Ambiente, 2/37

24/05/2015. Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015. Seminário Energia e Ambiente, 2/37 Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015 Cláudia Trindade claudiatrindade@sondar.net Sara Capela sara@uvw.pt 2/37 1 3/37 Solução? SONDAR.i Efluentes Gasosos SONDARLAB Medições da Qualidade Ar Exterior

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE. Central Termoeléctrica

LICENÇA AMBIENTAL. REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE. Central Termoeléctrica LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE com o

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.170.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.023.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.173.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.245.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador licença ambiental LA nº 411/0.0/2011 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Ribacarne Matadouro Regional do

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Cerâmica F. Santiago, S.A. Cerâmica F. Santiago, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. Cerâmica F. Santiago, S.A. Cerâmica F. Santiago, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Cerâmica F. Santiago, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.208.04 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

Diamantino Malho & C.ª, Lda. com o Número de Identificação de Pessoa Coletiva (NIPC) 501 492 518, para a instalação. Diamantino Malho & C.ª, Lda.

Diamantino Malho & C.ª, Lda. com o Número de Identificação de Pessoa Coletiva (NIPC) 501 492 518, para a instalação. Diamantino Malho & C.ª, Lda. licença ambiental LA n.º 260/0.1/2014 Nos termos da legislação relativa ao Regime de Emissões Industriais aplicável à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição, é concedida a Licença Ambiental ao operador

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa

LICENÇA AMBIENTAL. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa com o Número de

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.121.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL LA nº 563/1.0/2015

LICENÇA AMBIENTAL LA nº 563/1.0/2015 LICENÇA AMBIENTAL LA nº 563/1.0/2015 Nos termos da legislação relativa ao Regime Emissões Industriais, é concedida a Licença Ambiental ao operador Sugal Alimentos, S.A. com o Número de Identificação de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direção Regional do Ambiente REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direção Regional do Ambiente LICENÇA AMBIENTAL LA n.º 1/2012/DRA Nos termos da legislação relativa ao Licenciamento Ambiental de instalações

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Sonae Indústria - Produção e Comercialização de Derivados de Madeira, S.A. Sonae Indústria, S.A. - Unidade de Mangualde

LICENÇA AMBIENTAL. Sonae Indústria - Produção e Comercialização de Derivados de Madeira, S.A. Sonae Indústria, S.A. - Unidade de Mangualde LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Sonae Indústria - Produção e Comercialização de Derivados

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. Unidade de Pevidém

LICENÇA AMBIENTAL. Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. Unidade de Pevidém LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março Portaria n.º 240/92 de 25 de Março O Decreto-Lei n. º 88/91, de 23 de Fevereiro, que procedeu à transposição da Directiva n. º 87/101/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro de 1986, remeteu expressamente,

Leia mais

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Domínio do Ambiente Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Guia OGR EA.G.06.01.00 - janeiro 2013 Ficha técnica Título Guias para a atuação das Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Leia mais

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO)

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO) SERVIÇO DE COORDENAÇÃO TÉCNICA MUNICIPIO DE PENAMACOR Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Penamacor Registo n.º ; Livro n.º Data / / Processo n.º / O Funcionário FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012 DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012 Central Termoelétrica do Ribatejo Atualização da Declaração Ambiental 2011 REG.NO. PT- 000091 Direção de Produção Térmica índice Mensagem do Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA, DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA, DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA AGRICULTURA E DO MAR 1480 Diário da República, 1.ª série N.º 47 9 de março de 2015 MINISTÉRIOS DA ECONOMIA, DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA AGRICULTURA E DO MAR Portaria n.º 68/2015 de 9 de março No uso

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS CONAMA 382 e Turbinas a Gás Abrangência (1): Ficam aqui definidos os limites de emissão para poluentes

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL LA nº 456/1.0/2013

LICENÇA AMBIENTAL LA nº 456/1.0/2013 LICENÇA AMBIENTAL LA nº 456/1.0/2013 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador SCC Sociedade Central de Cervejas

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

Relatório de Caracterização do Efluente Gasoso Ecoparque de Trajouce. ETAL Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes. Janeiro, 2015 1 TRATOLIXO

Relatório de Caracterização do Efluente Gasoso Ecoparque de Trajouce. ETAL Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes. Janeiro, 2015 1 TRATOLIXO Relatório de Caracterização do Efluente Gasoso Ecoparque de Trajouce ETAL Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes Janeiro, 2015 1 TRATOLIXO Relatório de Caracterização Efluente Gasoso Caldeira da ETAL

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL. n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008

4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL. n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008 4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 4.º Aditamento à Licença Ambiental

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8 Geradores de Vapor 4º ano Aula 8 2 Perdas de Calor nos geradores de vapor Tópicos Balanço de energia Perdas de Calor Método do Balanço Directo Método do Balanço Indirecto Perdas de Calor com Gases Efluentes

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.015.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2013

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2013 DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2013 Central Termoelétrica de Lares REG.NO. PT- 000109 EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. índice 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Domínio do Ambiente Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Guia PCIP EA.G.04.01.00 - janeiro 2013 Ficha técnica Título Guias para a atuação das Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. com o Número de

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo Relatório de Visita de Estudo 30 Novembro 2004

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas (DPAAC) Índice N.º 2 do Artigo 9.º-A

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais