BSD DAY. Gerenciando Redes Avançadas com FreeBSD e Software Livre. Alex Moura RNP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BSD DAY. Gerenciando Redes Avançadas com FreeBSD e Software Livre. Alex Moura RNP"

Transcrição

1 BSD DAY Gerenciando Redes Avançadas com FreeBSD e Software Livre Alex Moura RNP 13 de Agosto de 2005

2 Agenda Objetivos Introdução Redes Avançadas NOCs Network Operations Centers Gerência de Redes FreeBSD e Software Livre Aplicações Ferramentas para gerenciamento de redes BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 2

3 Objetivos O uso desoftware Livre e gratuito é viável como plataforma para gerência de redes, avançadas ou tradicionais. OFreeBSD, dentre os sistemas operacionais de código aberto, atende as atividades de engenharia e operações de redes e é usado em funções importantes das redes de pesquisa e educação, em várias áreas de P&D. Mostrar algumas Ferramentas de Software Livre usadas em NOCs, na operação de redes IP, em P&D nas redes avançadas. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 3

4 Redes Avançadas BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 4

5 Redes Avançadas Características das Redes de P&E (NRENs) Precisam ser construídas e operadas para ter o seu melhor desempenho e alta disponibilidade. Serviços avançados são demandados pelos usuários, como IPv6, Multicast, VoIP, Vídeo etc. Usuários com aplicações exigentes em termos de latência e largura de banda. O consumo de banda pode chegar ao máximo, consumido por um único usuário, com uma única aplicação. Engenharia e NOC devem oferecer suporte específico a projetos e experimentos de P&E de sua comunidade de usuários, e que podem impactar no desempenho da rede. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 5

6 Classificação das Redes Avançadas A Internet pode ser classificada em 3 gerações, de acordo com as tecnologias usadas e aplicações suportadas: Primeira geração Segunda Geração Terceira geração Não confiável IPv4 Sem QoS Sem garantia de banda Baixas velocidades IPv6 Multicast QoS Multimídia, VoIP Uso de DWDM e outras tecnologias ópticas Uso de roteamento e comutação em camada óptica BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 6

7 Desempenho das Redes Avançadas O padrão atual é 10Gbps, por limitação da atual tecnologia usada nos roteadores, nas conexões de longa distância (WAN) [1]. Redes Abilene, CA*net4, Géant RedCLARA RNP Núcleo (Core) 10Gbps (OC-192 / STM-64) 155Mbps (OC-3 / STM-1) 10Gbps (OC-192 / STM-64) 2.5Gbps (OC-48 / STM-16) [2] [1] Existem tecnologias de maior capacidade (ex.: 40Gbps) para redes locais e regionais [2] Previsão para o último trimestre de 2005 BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 7

8 Aplicações das Redes Avançadas Uso de tecnologias IPv6, MPLS, VPNs, QoS etc. Videoconferência, transmissão de vídeo (streaming) e vídeo sob demanda Indexação e Busca Middleware (segurança, diretórios, PKI) Mobilidade Computação em Grade (Grid Computing) Tele-medicina, astronomia, física (luz síncrotron, grid etc.), educação à distância, HDTV sobre IP etc. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 8

9 Consórcios de Redes Avançadas (P&E) APAN Asian-Pacific Advanced Network (Ásia) Internet2 (EUA) CLARA Cooperação Latino-Americana de Redes Avançadas (América Latina) TERENA Trans-European Research and Education Networking Association (Europa) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 9

10 APAN (Ásia) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 10

11 RedCLARA (Am. Latina) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 11

12 Géant (Europa) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 12

13 Internet 2 (EUA) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 13

14 Principais Redes Avançadas (P&E) AARNet - Australia's Research and Education Network Abilene (EUA) CA*Net4 (Canadá) RedCLARA (América Latina) Dante/Géant (Europa) ESnet (EUA) JGN-II - Japanese Gigabit Network 2 (Japão) NLR National Lambda Rail (EUA) RNP Rede Nac. de Ensino e Pesquisa (Brasil) The Quilt (EUA) UKERNA (Reino Unido) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 14

15 RNP A Rede Acadêmica Brasileira RNP A primeira rede nacional de acesso à Internet Começou como um projeto do Min. da Ciência e Tecnologia (comunidade acadêmica e Governo) Modelo da rede acadêmica brasileira - 3 níveis: backbone nacional redes regionais redes institucionais Implementação da rede iniciada em 1991 BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 15

16 RNP Institucionalização em 1999, como associação privada, sem fins lucrativos Convênio: Programa Interministerial de Implantação e Manutenção da Rede Nacional para Ensino e Pesquisa (PI-MEC/MCT) em 1999 Em 2002, a AsRNP foi qualificada pelo governo federal como uma Organização Social e firmou um contrato de gestão com o MCT BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 16

17 RNP 27 Pontos de Presença (PoPs): 1 em cada estado brasileiro e mais 1 no Distrito Federal Mais de 200 instituições conectadas Universidades Federais, Institutos Federais de Pesquisa e outras instituições de ensino e pesq. Mais de 1 milhão de usuários O backbone nacional RNP fornece: Interconexões entre redes regionais Conexões com backbones nacionais e internacionais (acadêmicos e comerciais) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 17

18

19 GLIF O Futuro das Redes Avançadas GLIF - Global Lambda Integrated Facility (SURFnet e Univ. of Amsterdam) Consórcio para implementar um LambdaGrid Banda prevista das NRENs, a serem disponibilizadas para experimentos previamente agendados de pesquisa e aplicações BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 19

20 Network Operation Center NOC BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 20

21 NOC Local a partir do qual é exercido o controle de redes de comunicações. O suporte (help desk ou service desk) de um NOC geralmente oferece: Suporte e foco em coordenação, comunicações e controle entre provedores de serviços de rede e usuários. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 21

22 NOC Dentre os serviços prestados pelos NOCs, destacam-se: Elaboração de procedimentos operacionais e respectiva documentação Resolução de problemas Gerenciamento e implementação de mudanças Implementação e monitoramento da segurança Monitoramento, avaliação e melhoria do desempenho Gerenciamento de comunicações Coordenação de atividades operacionais Geração de relatórios. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 22

23 NOCs das Redes Avançadas GlobalNOC Indiana University (IU) (EUA) Gerencia conexões com redes de P&E da Ásia, Europa, Rússia e América do Sul ao STAR TAP e a outras redes como: Abilene, vbns e ESnet. Abilene NOC IU (EUA) APAN JP NOC (Japão) NLR NOC National Lambda Rail NOC (EUA) ARDNOC Advanced Research and Development Network Operations Center CA*net 3 e 4 (Canadá) CLARA-NOC - RedCLARA (América Latina) CEO Centro de Engenharia e Operações RNP (Brasil) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 23

24 Global NOC (I.U.) Global NOC Univ. de Indiana Maior NOC de redes avançadas. Redes atendidas: Redes STAR TAP/Euro-Link/TransPAC Abilene (Internet2) MIRnet (conexão com a Rússia) AMPATH (América do Sul) Redes do campus da Univ. de Indiana Operação. Mantém estatísticas de todas as redes gerenciadas: Paradas programadas e não programadas e a duração. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 24

25 Gerência de Redes BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 25

26 Gerência e Operação de Redes Praticamente todas as infra-estruturas de redes precisam de operação, em várias aplicações: Backbones acadêmicos e comerciais; Redes metropolitanas Provedores de acesso Internet (ISPs) Pontos de Troca de Tráfego (PTT, NAPs, IXPs) Datacenters Redes corporativas Assim, cada vez mais: São exigidos maior qualidade dos serviços, Aumenta a criticidade da operação. É requerido o uso de boas e confiáveis ferramentas de apoio. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 26

27 Gerência de Redes Um conjunto de procedimentos, equipamentos e operações, planejados para manter uma rede operando próximo de sua máxima eficiência, pelo maior tempo possível, economizando custos e recursos. Sobrecargas eventuais ou falhas podem causar congestionamentos, funcionamento ineficiente prejudicando os usuários (clientes). Adicionalmente, podem ocorrer necessidades de provisionamentos de recursos sob demanda BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 27

28 Monitoramento e Operação de Redes Monitoramento - acompanhamento dos eventos de uma rede, a fim de diagnosticar problemas e determinar quando e quais procedimentos de contingência devem ser aplicados, bem como obter estatísticas para administração e otimizações de desempenho. Operação - Gerenciamento integrado de redes, sistemas de informação e recursos que forneçam um cenário comum de operação. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 28

29 Desafios para os NOCs Maior foco em demandas de segurança e em gerenciamento de rede Maior quantidade de elementos a serem monitorados Redes mais complexas (VPNs, Voz, Vídeo etc.) Maior quantidade e mais complexos serviços dependem da rede. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 29

30 Padrões para Gerência de Redes FCAPS acrônimo referente às áreas funcionais de gerenciamento definidas no modelo ISO de gerenciamento de redes Falhas Configuração Contabilização Desempenho Segurança (Fault) (Configuration) (Accounting) (Performance) (Security) ITIL Biblioteca de Infra-estrutura de T.I. (Information Technology Infrastructure Library) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 30

31 Uso do FreeBSD em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 31

32 P&D com FreeBSD O sistema operacional FreeBSD é empregado, há muitos anos, em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias. Protocolos Multicast IPv4/IPv6: PIM-SM, MLDv2, IGMPv3 (KAME, XORP) Implementação de roteador IPv6 de baixo custo em redes (FreeBSD, Zebra/Quagga) Available Bandwidth Estimator (ABwE) Abilene BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 32

33 P&D com FreeBSD Vantagens Alta disponibilidade (uptime): helm:~$ date; uptime Tue Aug 9 21:55:38 BRT :55PM up 1488 days, 13:51, 1 user, load averages: 0.00, 0.00, 0.00 helm:~$ Capacidade para atualizações do S.O. com baixo tempo de parada (downtime) Alta flexibilidade para otimizações Maduro e robusto: derivado do código Unix original desenvolvido há mais de 20 anos. Pilha TCP/IP madura, utilizada em diversos produtos comerciais BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 33

34 Vantagens(cont.) P&D com FreeBSD Suporte a todos os principais serviços e aplicações Internet (www, ftp, smtp, pop3, imap, ntp, dns, bootp, tftp, rpc, ssh, sftp, etc e mais: whois, ) Usado pela NASA para pesquisa com QoS (ALTQ, CBQ) Desvantagens Administração arcaica e não intuitiva (qual UNIX não é?), por outro lado, quem precisa de GUIs? BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 34

35 P&D com FreeBSD FreeBSD em Projetos da Internet2 (cont.) Bandwidth Control (BWCTL) Network Diagnostic Tester (NDT) One-way Latency Measurement (OWAMP) iperf thrulay - network capacity tester IPv6 High-End Video Transmission over IP BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 35

36 P&D com FreeBSD FreeBSD em Projetos da Internet2 Abilene Observatory (25 projetos beneficiados) Cada nó da rede Abilene tem dois racks, sendo um para equipamentos de roteamento e outro para servidores do projeto e resto do espaço disponível para co-location de outros hardwares de projetos de pesquisa aprovados (ex.: Projetos PlanetLab, AMP e Especificações dos servidores (NMS hosts) Observatório CPU: (2x)1.26 Ghz Xeons SO:FreeBSD (Linux as option) Memória: 1 GB Memory Discos: (2x)18GB SCSI NICs: Conexões de Fibra GigEth (NMS-1 e NMS-2) ou FastEth Alimentação DC Internet2 End to End Performance Initiative Tools BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 36

37 Uso do FreeBSD em NOCs BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 37

38 FreeBSD em NOCs Diversos NOCs de NRENs utilizam o FreeBSD em sua infra-estrutura RNP Registro.BR APAN JP NOC Serviços: DNS, , web, squid, Monitoração: OC3mon, OC12mon, GPS, BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 38

39 Tokyo XP NOC Tools OC3mon traces the traffic of ATM links Surveyor measures one-way delay, developed by ANS Skitter measures the reachability, developed by CAIDA MRTG monitor the traffic FreeBSD em NOCs BGP route view views the BGP routes advertised/received on the WEB Multicast Session view views the SD session on the WEB Pchar/Netperf measure bandwidth BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 39

40 Ferramentas para Gerência de Redes BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 40

41 Ferramentas Nome Cacti fping H.323 Beacon Tool Iperf Ipplan LG Looking Glass More.groupware MRTG mtr Multicast Beacon Nagios NeDi URL dast.nlanr.net/projects/iperf/ iptrack.sourceforge.net dast.nlanr.net/projects/beacon/ nedi.web.psi.ch BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 41

42 Ferramentas Nome Network Weathermap ping Plone RT Request Tracker RANCID rrdtool SmokePing Stager traceroute Webmin URL netmon.grnet.gr/weathermap/ /sbin/ping people.ee.ethz.ch/~oetiker/webtools/rrdtool/ people.ee.ethz.ch/~oetiker/webtools/smokeping/ software.uninett.no/stager/ /usr/sbin/traceroute BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 42

43 Ferramentas Atendimento e suporte Request Tracker (RT) - Sistema para atendimento e acompanhamento de solicitações (helpdesk) Groupware more.groupware Documentação Wiki: Moinmoin, Kwiki, Mediawiki CMS (Content Management System): Plone BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 43

44 Cacti Cacti - é uma interface gráfica web feita em PHP para a ferramenta RRDTool, que coleta dados via SNMP, armazena informações sobre os gráficos de estatísticas, contas de usuários e demais configurações em uma base de dados MySQL. Ports: cd /usr/ports/net/cacti && make install clean BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 44

45 Cacti - Interface BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 45

46 Cacti Gerenciando Dispositivos BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 46

47 Cacti Consulta por período BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 47

48 fping fping similar ao ping, usa ICMP para obter respostas de hosts. É possível especificar qualquer quantidade de hosts em uma mesma consulta, que são feitas em paralelo (threads). Saída preparada para uso em scripts e por outros softwares. Ports: cd /usr/ports/net/fping && make install clean Uso: fping [opções] [hosts...] BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 49

49 fping Ex.: # fping \ is alive is alive is alive is alive BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 50

50 fping Ex.: fping -C : [0], 84 bytes, 0.29 ms (0.29 avg, 0% loss) : [0], 84 bytes, 252 ms (252 avg, 0% loss) : [0], 84 bytes, 320 ms (320 avg, 0% loss) : [0], 84 bytes, 390 ms (390 avg, 0% loss) : : : : BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 51

51 iperf Aplicação cliente/servidor para medições de desempenho TCP e UDP Mede a banda TCP máxima Facilita ajuste fino de parâmetros TCP e UDP Reporta banda, jitter, e perda de pacotes Ports: cd /usr/ports/benchmarks/iperf && \ make install clean Uso: No servidor, digite: iperf -fk -i30 -u -s (f)ormato reporta em kbps / (i)ntervalo para reportes = 30 seg. (u)dp / (s)ervidor BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 52

52 iperf No cliente, digite: iperf -u -b800k -t3600 -c [servidor] (u)dp / (b)andwidth = 800kbps / (t)empo de execução = 3600 seg. (c)liente / [servidor] = servidor a ser acessado Resultado: iperf]$ iperf -fk -i30 -u -s Server listening on UDP port 5001 Receiving 1470 byte datagrams UDP buffer size: 64.0 KByte (default) [ 3] local port 5001 connected with port 1031 [ ID] Interval Transfer Bandwidth Jitter Lost/Total Datagrams [ 3] sec 3000 KBytes 819 Kbits/sec ms 0/ 2090 (0%) [ 3] sec 3000 KBytes 819 Kbits/sec ms 0/ 2090 (0%) [ 3] sec 3000 KBytes 819 Kbits/sec ms 0/ 2090 (0%) [...] [ 3] sec 9000 KBytes 819 Kbits/sec ms 0/ 6393 (0%) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 53

53 LG LG -é umaferramentaparaimplementarum Looking Glass. CGI script escrito em perl Executa comandos de protocolo BGP, ping e traceroute em roteadores, ou repassa comandos a outros looking glasses. Suporta IPv4 e IPv6 Usa ssh, telnet ou rsh para acessar o roteador Testado com roteadores Cisco, Juniper e Zebra Ports: N/D BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 54

54 BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 55

55 BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 56

56 MRTG MRTG - Ferramenta para coletar informações e gerar estatísticas Usada para registrar tráfego de rede Gera páginas HTML com imagens PNG Fornece uma representação visual do tráfego Permite monitorar e analisar diversas funções (roteadores, servidores, latência, utilização, temperatura etc.) Diversas formas de visualização de dados Licença: GPL Autor: Tobias Oetiker BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 57

57 mtr My Traceroute O mtr combina "traceroute" e "ping" em uma mesma ferramenta de diagnóstico. Autores: Matt Kimball (autor original) Roger Wolff (atual mantenedor) Ports: cd /usr/ports/net/mtr Uso: mtr <hostname end.ip> ex.: mtr BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 58

58 mtr BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 59

59 mtr BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 60

60 Nagios O que é Nagios? Aplicação de código aberto (GPL) para monitoramento de redes Plataformas: FreeBSD, Linux, Solaris, etc. Monitora hosts e serviços de uma rede Fornece uma visão geral do estado dos sistemas da rede Notifica quando em caso de problemas Permite ações rápidas para resolução de problemas Fornece relatórios de disponibilidade para SLAs etc. Originalmente chamava-se NetSaint (netsaint.org) Nome trocado para Nagios em 2001 por questões de marca registrada N.A.G.I.O.S. = Nagios Ain't Gonna Insist On Sainthood BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 61

61 Nagios Projetado de forma modular Daemon contém a lógica de monitoramento e escalonador CGIs permitem aos usuários visualizar status via web Aplicações externas cuidam do trabalho de monitoramento de baixo nível Comandos externos podem ser disparados para tratamento de alertas, mudanças de estados e informações de monitoramento Possui facilidades para integração com outras aplicações BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 62

62 Nagios O que pode ser monitorado? Servidores, estações de trabalho, impressoras, roteadores etc. Genericamente, qualquer coisa que: Tem ou é associada com um endereço de algum tipo É alcançavel pela rede Nagios não sabe ou se importa com protocolos de rede ou endereços Não é limitado a monitorar equipamentos de rede e serviços Alvos de monitoramento Hosts Serviços BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 63

63 Nagios Hosts Geralmente hardware: servidores, switches, roteadores, printers etc. Podem haver relações de dependência com outros hosts Podem fornecer um ou mais serviços Serviços Coisas associadas com, ou fornecidas por um host Serviços tangíveis (e.g. uso de disco, toner de impressora) Serviços intangíveis (ex.: HTTP, SMTP, IMAP, POP3, DNS) BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 64

64 Nagios BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 65

65 Nagios BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 66

66 Nagios BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 67

67 Nagios BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 68

68 NeDi NeDi Network Discovery Suite, um sistema em perl para descoberta e administração de equipamentos Cisco. Características Gerenciamento centralizado de configurações de dispositivos Interface web Geração de mapas Listagens de dispositivos Suporta discovery de equipamentos Cisco e outros que suportem o protocolo CDP (Cisco Discovery Protocol). Autor: Remo Rickli BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 69

69 NeDi BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 70

70 NeDi Integração com Cacti e administração de contas e perfis de usuários em desenvolvimento BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 71

71 NeDi Geração automática de mapas BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 72

72 RANCID rancid Really Awesome Network ConfIg Differ Entrada de dados: Diversos comandos show( ) em roteadores Saída de dados: Saída dos comandos show é processda, e armazenada em CVS diffs são enviados por Combinado com cvsweb, se obtém uma interface web para visualização dos diffs. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 73

73 Network Weathermap Network Weathermap Software livre e gratuito, feito em script perl Autor: Panagiotis Christias Licença: GPL (General Public License) Linguagem: Perl Características: Facilidade de implementação e de manutenção Poucos requerimentos de hardware e software BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 74

74 Weathermaps Network Weathermaps apresentam dados complexos de forma sumarizada. Estendem a metáfora meteorológica de representação da Internet em forma de nuvem (escondendo sua complexidade), baseada nos mapas de tempo e clima dos noticiários e jornais, que mostram chuvas, tempestades e previsões climáticas. São uma forma de visualização gráfica do tráfego de uma rede em um determinado momento. Mostram, em mapas, retratos do tráfego de uma rede, com atualizações periódicas. Geralmente estes mapas também exibem estatísticas detalhadas e outras informações. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 75

75 Aplicações dos Weathermaps Rápida visualização do tráfego em uma rede Permite fácil visualização do uso quantitativo e qualitativo nos enlaces da rede (congestionamentos) Ferramenta de apoio às atividades de Traffic Engineering, Capacity Planning e de Segurança - visualização de ataques DoS/DDoS. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 76

76 Network Weathermap da RNP BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 77

77 Outras Ferramentas Stager Ferramenta web para armazenamento, agregação e apresentação de estatísticas de rede, usando NetFlow, MPing e SNMP. Zabbix Aplicação web para monitorar aplicações e redes, que suporta coleta via polling e recebimento de traps. Possui recurso para envio de alertas de eventos por . Suporta SNMP (v1,v2 e v3). BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 78

78 Conclusões Diversas opções de ferramentas disponíveis Acesso ao código fonte Gerenciamento de funções operacionais de uma console centralizada ou distribuída. Possibilidade de se criar soluções sob medida para necessidades particulares Sem custo de licenciamento (por sessão, usuário etc.) Suporte comercial disponível para muitos softwares Possibilidade de melhor retorno de investimento do que as alternativas comerciais. BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 79

79 Redes Avançadas Referências Dante Géant Géant2 Internet2 GLIF - Global Next Generation Internet Initiatives NOCs IU Global NOC - Abilenet NOC - BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 80

80 FIM Muito obrigado! Alex Moura BSDDAY - São Paulo - 13 de agosto de Alex Moura 81

Gerenciamento de Redes com Software Livre

Gerenciamento de Redes com Software Livre Gerenciamento de Redes com Software Livre Tenho que manter uma rede... e agora? Alex Moura - alex@rnp.br Outubro 2005 RNP/REF/0236 2000 RNP Agenda Objetivos Introdução Redes Avançadas NOCs Network Operation

Leia mais

Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps. Alex Soares de Moura RNP

Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps. Alex Soares de Moura RNP Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps Alex Soares de Moura RNP Agenda O que são Network Weather Maps? Características Aplicações Estudo de caso: implementação na RNP Implementação Requerimentos

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

GT QoS2: Qualidade de Serviço

GT QoS2: Qualidade de Serviço GT QoS2: Qualidade de Serviço José Augusto Suruagy Monteiro Junho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT QoS2, responsável pelo desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Uma ferramenta de gerenciamento é qualquer utilitário que possa auxiliar no trabalho de gerenciamento da rede; Podem ser comandos simples

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Arlindo Follador Neto 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015

Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015 Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015 Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é a Internet? O que é a Internet? Equipamentos que compõe a Internet: Switch Roteador

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

Estudo de caso no POP-GO

Estudo de caso no POP-GO Monitoramento de Redes com Software Livre Estudo de caso no POP-GO Giovane César Moreira Moura 2º Fórum Goiano do Software Livre 1º de Outubro 2005 RNP/REF/0236 Monitoramento 2000 RNP de Redes com Software

Leia mais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Introdução Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Gerência de redes Monitoração e controle da rede a fim de garantir seu funcionamento correto e seu valor

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

A partir do XMon é possível:

A partir do XMon é possível: Monitoramento XMon É uma ferramenta para gerenciar o seu ambiente de TI de forma centralizada e constante, obtendo informações precisas da performance de todos os seus ativos e previna possíveis problemas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Raphael Celuppi Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Setembro 2009 Sumário

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes SOBRE A AUTORA Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente participa do grupo

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Sobre os autores Marjorie Roberta dos Santos Rosa Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes Éverton Perleberg 1, André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATECPEL) Rua Gonçalves

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende

Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende Apresentação dos palestrantes Tópicos Gerenciamento de redes O que é Zabbix Porque escolher o Zabbix Principais recursos Dicas de instalação

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Rede sob Controle com o NAGIOS

Rede sob Controle com o NAGIOS Rede sob Controle com o NAGIOS Carlos Coletti Assessoria de Informática carlos@unesp.br Agenda Conceitos de Monitoramento Nagios: histórico e funcionamento Instalação Os Arquivos de Configuração A Interface

Leia mais

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR Questões sobre conectividade Internet O que você realmente sabe sobre sua conectividade com o resto da

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

IV Workshop POP-RS / Rede Tche

IV Workshop POP-RS / Rede Tche IV Workshop POP-RS / Rede Tche Serviços e Segurança na Rede Tchê POP-RS/CERT-RS César Loureiro Porto Alegre, novembro de 2012 Agenda I Apresentação do CERT-RS Honeypots Incidentes reportados ao CERT-RS

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

ESCOLHA A VERSÃO MAIS ADEQUADA PARA O SEU CENÁRIO. A plataforma MonitoraIT possui três versões: Standard (STD), Professional (PRO) e PREMIUM.

ESCOLHA A VERSÃO MAIS ADEQUADA PARA O SEU CENÁRIO. A plataforma MonitoraIT possui três versões: Standard (STD), Professional (PRO) e PREMIUM. ESCOLHA A VERSÃO MAIS ADEQUADA PARA O SEU CENÁRIO A plataforma MonitoraIT possui três versões: Standard (STD), Professional (PRO) e PREMIUM. A versão STD integra as funcionalidades essenciais de monitoramento.

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP IV Workshop VoIP Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP Alex Galhano Robertson Recife, 29 de maio de 2009 Agenda Serviços Digitais para Saúde O serviço fone@ms Visão Geral Premissas Treinamento A rede

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 1.1 Introdução 1.2 Motivações 1.3 Transmissor, Receptor e Canal de Comunicação 1.4 Protocolos e Modelo de Camadas 1.5 Serviços de Rede 1.6

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Conceitos sobre Internet 2

Conceitos sobre Internet 2 Conceitos sobre Internet 2 Realizada em 27/01/2000, atualizada em 06/02/2001 Cláudia Helena Bianchi Lencioni e-mail: claudia@cirp.usp.br Seção de Rede Internet no Brasil Possui metade do número total de

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br Protocolos TCP/IP - Tópicos Introdução IP Endereçamento Roteamento UDP, TCP Telnet, FTP Correio DNS Web Firewalls Protocolos TCP/IP

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli O gerenciamento de uma rede através do Tivoli esta baseado no conceito de regiões de policiamento (Policy Region

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências.

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências. Cacti Segundo o site www.cacti.org, o Cacti é uma solução gráfica completa de rede desenvolvida para aproveitar o poder de armazenamento e funcionalidades gráficas do RRDTool's. Trata-se de uma interface

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

PTTrix. membro a membro no PTT. PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR. GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007

PTTrix. membro a membro no PTT. PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR. GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007 PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007 Christian Lyra Gomes lyra@pop-pr.rnp.br Pedro R. Torres Jr. torres@pop-pr.rnp.br PoP-PR - Ponto de Presença da RNP no Paraná

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.09.05 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

FACULDADE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GERÊNCIA DE REDES Professor: Fernando Tsukahara Alunos: André de Oliveira Silva Lucas Rodrigues Sena Trabalho da disciplina de Gerência de Redes para complementar o projeto

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude. ntop

Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude. ntop UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude ntop Marcelo Santos Daibert João

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 81 APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Luiz Eduardo de Castilho Junior,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais