Rd Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rd Redes de Computadores"

Transcrição

1 Rd Redes de Computadores Licenciatura i Engª ªInformática 2º Semestre 2009/2010 Prof. José Rogado jose dot rogado at ulusofona dot pt Universidade Lusófona 4 1

2 Objectivos: Descrever os princípios e os serviços associados ao nível rede: Características dos circuitos de rede Routing (escolha de rotas) Endereçamento Funcionamento de um router IPv6, mobilidade Implementação na Internet 4-2

3 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link state Vector distância Routing hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em brodacast e multicast 4-3

4 Serviços do Encapsular os segmentos em datagramas no emissor Encaminhar segmentos do emissor ao receptor Entregar os segmentos ao nível de transporte no receptor Os protocolos do nível rede estão em todos os hosts e routers O router examina o header de todos os datagramas 4 4

5 Funcionalidades principais Forwarding: mover pacotes no interior do router desde a interface de entrada até à interface de saída apropriada Routing: determinar a rota a seguir pelos pacotes desde d a origem até ao destino Analogias: Forwarding: escolha da direcção certa numa rotunda Routing: planeamento de uma viagem desde a origem ao destino Utilização de algoritmos de Routing 4 5

6 Relação entre routing e forwarding 4 6

7 Modelo de Serviço do Modelo de Serviço associado ao encaminhamento de datagramas através de um canal entre um emissor e um receptor: Serviços associados a datagramas isolados: Garantir a entrega Garantir a entrega dentro de um intervalo específico Serviços associados a um fluxo de datagramas: Entrega ordenada Garantia de largura de banda mínima Restrições nos tempos de separação entre a entrega dos pacotes (jitter) 4-7

8 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link state Vector distância Routing hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em broadcast e multicast 4-8

9 Tipos de Serviço do Em algumas arquitecturas de rede, existe uma funcionalidade adicional associada ao nível rede ATM, X.25, Frame Relay (ver cap. V) Antes do envio dos datagramas, dois hosts e os routers (ou switches na terminologia ATM) envolvidos estabelecem uma ligação virtual Participação activa dos routers (ou switches) Existem assim dois tipos de serviços do nível rede: Circuito Virtual que fornece serviços com conexão Datagrama que fornece serviços sem conexão 4-9

10 Arquitectura ATM O ATM é um protocolo de comutação de pacotes (células) que utiliza Circuitos Virtuais para realizar o encaminhamento entre origem e destino Situa se em principio no nível 2 embora forneça funcionalidades de encaminhamento Mais detalhes no próximo capítulo 4 10

11 Características dos Modelos de Serviço Guarantees? Network Service Congestion Architecture Model Bandwidth Loss Order Timing feedback Internet t best effort none no no no no (inferred via loss) ATM CBR constant yes yes yes no Constant Bit Rate rate congestion ATM VBR guaranteed yes yes yes no Variable Bit Rate rate congestion ATM ABR guaranteed no yes no yes Available Bit Rate minimum ATM UBR none no yes no no Unspecified Bit Rate 4-11

12 Circuitos Virtuais (CV) CV: Semelhante a um circuito telefónico A nível da performance Ao nível das acções realizadas pela rede ao longo do caminho Estabelecimento e finalização de ligação separadas da transmissão dos dados Cada pacote transporta o identificador do CV e não o endereço de destino Cada router no caminho mantém um estado para cada conecção estabelecida Recursos da ligação e dos routers (largura de banda e buffers) podem ser alocados a um dado CV 4-12

13 Implementação de Circuitos Virtuais Um CV consiste de: 1. Um caminho da origem ao destino 2. Número de CV: um número para cada segmento da ligação 3. Tabelas de encaminhamento em cada router utilizado Cada pacote que circula num CV é identificado pelo número do circuito O número de CV do pacote muda em cada ligação O número de cada novo CV é obtido da tabela de encaminhamento Os routers (ou switches) mantêm informação de estado associada a cada circuito virtual Cada vez que é criado um novo CV é inserido um elemento na tabela de encaminhamento de cada router 4-13

14 Tabelas de Encaminhamento Número de CV Número de interface Elementos das tabelas de encaminhamento nos routers R1 e R2 Router If. de Entrada CV de origem If. de Saída CV de destino R R

15 Protocolos de Sinalização Utilizados para criar, manter e remover circuitos virtuais Utilizados em ATM, X25 X.25 e Frame Relay Não utilizados no Internet Protocol application transport network data link physical 1. Initiate call 2. Incoming call 4. Call connected 3. Accept call 5. Data flow begins 6. Receive data application transport network data link physical 4 15

16 Redes Datagrama Não existe estabelecimento de conecção no nível rede Não existe o conceito de conecção Os routers não guardam estado relativamente às conecções end to end Os pacotes são encaminhados utilizando o endereço do host de destino Pacotes sucessivos entre os mesma origem e destino podem seguir caminhos (rotas) )diferentes application transport network data link physical 1. Send data 2. Receive data application transport network data link physical 4 16

17 Routing em Redes Datagrama A determinação do caminho a seguir em cada router é determinada pela análise do endereço de destino Em cada router existe uma tabela de encaminhamento Cada elemento da tabela associa um intervalo de endereços a um interface de saída O router faz seguir (forward) o pacote pela interface associada ao intervalo a que pertence o endereço de destino

18 Exemplo Router com 4 interfaces de saída Endereço de 32 bits Intervalo do Endereço de Destino 2 32 : 4 mil milhões de possibilidades Interface de saída até até até senão

19 Redução do número de elementos Prefix Matching: comparação de parte mais significativa do endereço Prefixo Interface desaída senão 3 Exemplos ED: Que interface? 0 ED: Que interface? 2 É escolhida a interface que corresponde ao maior prefixo comum! 4 19

20 Redes Datagrama ou Circuito Virtual? Internet Transferência de dados entre computadores Serviço flexível, sem requisitos temporais rigorosos Sistemas finais i inteligentes t (computadores) Podem adaptar se, realizar controle e correcção de erros Simplicidade no interior da rede, complexidade na periferia Suporta múltiplos tipos de ligação Diferentes características Difícil estabelecer um serviço uniforme ATM Evoluiu a partir da telefonia Analogia com o diálogo humano Requisitos temporais e de fiabilidade rigorosos Necessidade de garantir níveis de serviço Sistemas finais pouco espertos Telefones Redes inteligentes Complexidade no interior da rede 4-20

21 Comparação Redes Datagrama Circuito Virtual 4-21

22 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link state Vector distância Routing hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em brodacast e multicast 4-22

23 Internetworking Internet: o protocolo IP permite interligar uma enorme diversidade de redes heterogéneas 4 23

24 O da Internet Funcionalidades do nível rede (Hosts e Routers): Transport layer: TCP, UDP Nível Rede Routing protocols path selection RIP, OSPF, BGP forwarding table IP protocol addressing conventions datagram format packet handling conventions ICMP protocol error reporting router signaling Link layer Physical layer 4 24

25 Formato dos Datagramas IP IP protocol version number header length (bytes) type of data max number remaining hops (decremented at each router) upper layer protocol to deliver payload to Overhead TCP+IP: 20 bytes of TCP 20 bytes of IP = 40 bytes + app layer overhead 32 bits ver head. type of length len service fragment 16 bit identifier flgs offset time to upper Header live layer checksum 32 bit source IP address 32 bit destination IP address Options (if any) Data (variable length, typically a TCP or UDP segment) total datagram length (bytes) for fragmentation/ reassembly E.g. timestamp, record route taken, specify list of routers to visit. ii 4 25

26 O Header IP O cabeçalho do Protocolo Internet IPv4 Total: 20 bytes 4-26

27 O Header IP (I) Version versão do protocolo IP utilizada. Já disponível versão 6, utiliza se contudo maioritariamente a versão 4. IHL IP Header Length: Número de conjuntos de 32 bits que o cabeçalho tem, sendo o valor mínimo 5 (valor por defeito). TOS Type of Service: permite a indicação do tipo de serviço pretendido Actualmente começam a ser utilizados pelos DiffServ (Serviços Diferenciados) e ECN (explicit Congestion Notification) Voz digitalizada it d mais importante t a velocidade d que a fiabilidade. d Transferência de ficheiros mais importante a ausência de erros que a velocidade. Os primeiros três bits do campo são a precedence de 0 normal a 7 (Network control packet) de seguida existem três flags D, T e R (Delay, Throughput e Reliability). Informação deveria ser utilizada pelos routers para escolher quel a encaminhamento a escolher (satélite, linha alugada, etc.) na prática os routers ignoram este campo. Total length comprimento total do datagrama. máximo de bytes. Identification para o host destino determinar a que datagrama um novo fragmento pertence. Todos os fragmentos do mesmo datagrama contêm o mesmo valor no campo Identification. DF Don t Fragment bit indica que a máquina destino deve receber o datagrama na sua totalidade e não em fragmentos, todas as máquinas devem estar preparadas para aceitar fragmentos de 576 bytes ou menos. 4-27

28 O Header IP (II) MF More Fragments bit, serve para indicar que que o datagrama contém mais fragmentos, apenas o último dos fragmentos não terá este bit posicionado a 1. Fragment Offset posição que o fragmento deve ocupar no corrente datagrama. Fragmentos, excepto último são múltiplos de 8 bytes. Máx de 8192 fragmentos/datagrama máx de bytes mais um que max Total length. Time to live contador para limitar o tempo de vida útil de um pacote na rede. (segundos máximo de 255 s. Decrementado em cada nó ou fila de espera até atingir o valor zero quando é eliminado pela rede. Protocol indica a que protocolo de transporte o datagrama pertence. (TCP e UDP definidos no RFC 1700). Header Checksum detecção erros de transmissão no cabeçalho. Recalculado em cada nó da rede uma vez que pelo menos o campo Time to Live é modificado. Source Address e Destination Address endereços origem e destino. Options acrescentado até um múltiplo de quatro bytes. (Security, Source Routing, Record route, Timestamp. 4-28

29 Fragmentação e Assemblagem IP Nem todas as ligações de rede utilizadas pelo IP têm o mesmo tamanho de trama MTU: Max. Transfer Unit Ethernet: 1500 bytes ATM: 48 bytes Os datagramas IP são divididos em fragmentos pela rede Cada fragmento é enviado num novo datagrama Os fragmentos são assemblados no destino Os bits do header IP são utilizados para identificar e ordenar os fragmentos relacionados 4-29

30 Fragmentação e Assemblagem IP Exemplo Datagrama de 4000 bytes MTU = 1500 bytes length =4000 ID =x fragflag =0 offset =0 O datagrama inicial é fragmentado em vários datagramas de comprimento inferior length ID fragflag offset 1480 bytes de dados =1500 =x =1 =0 ( do header) offset = 1480/8 length =1500 ID =x fragflag =1 offset =185 O flag é posicionado em todos os fragmentos excepto no último length =1040 ID =x fragflag =0 offset =370 O offset é indicado em múltiplos de 8 bytes! 4 30

31 Endereçamento IP: Introdução Endereço IP: identificador de 32bits de cada interface de rede dos hosts e routers Interface: dispositivo que realiza a ligação gç entre o host/router e o meio físico Os routers têm geralmente múltiplos interfaces Os hosts geralmente têm um só interface Cada interface tem um endereço IP associado =

32 Partições O endereço IP é dividido em duas zonas: N.º de rede (bits de maior peso) N.º de host (bits de menor peso) O que é uma partição? É caracterizada pelo facto de todos as interfaces terem o mesmo número de rede Não poderem estar ligadas fisicamente sem ser através de um router partição network address Rede com 3 partições host address /

33 Partições do Laboratório (com gateways) 4-33

34 Partições do Laboratório (com router) Sala Q3.1 Sala Q3.2 Sala Q

35 Partições do Laboratório (conectividade) 4-35

36 Tabela de Roteamento do Laboratório Tabela do roteamento do Router 4-36

37 Versão com Gateways 4-37

38 Tabela de Roteamento Gateway1 Gateway de acesso à rede /24 Cada servidor de bancada tem uma tabela de roteamento equivalente 4-38

39 Tabela de Roteamento Gateway2 Gateway de acesso à rede /24 Cada servidor de bancada tem uma tabela de roteamento equivalente 4-39

40 IP: Classes de Endereçamento 4-40

41 Endereços IP XXX.XXX.XXX.XXX => nnn.nnn.hhh.hhh em que XXX Valor de 0 a 255 ( 00 a FF em Hexadecimal) nnn REDE e hhh HOST CLASSES DECIMAL HEXADECIMAL FORMATO A 0 a F nnn.hhh.hhh.hhh 127 Redes com Hosts B 128 a B nnn.nnn.hhh.hhh Redes com Hosts C 192 a 223 C0 DF nnn.nnn.nnn.hhh Redes com 254 Hosts Aproximadamente 2 Biliões de Endereços Tcp/Ip E não chegam!! Aproximadamente 100 Triliões de Endereços Ethernet 4-41

42 Endereços IP Especiais 4-42

43 Endereçamento IP: CIDR CIDR: Classless InterDomain Routing A zona atribuída à subnet é de tamanho arbitrário O formato utilizado é abcd/x a.b.c.d/x, onde x é o número de bits utilizados pela zona da subnet subnet part host part /2323 0/

44 Mascaras de Rede (Netmasks) As mascaras de rede (netmasks) permitem extrair o número de rede de um endereço IP através de uma operação lógica simples (AND) Netmask classe A > Netmask classe B > Netmask classe C > NetmaskCIDR /22 > /26 > Exemplo: IP: Netmask: Rede: Network Host Endereço IP Netmask (AND) Network Nº de Rede 4-44

45 NAT: Network Address Translation Justificação: Os endereços IP são escassos em IPv4! A utilização do NAT permite que uma rede local utilize apenas um endereço IP para aceder ao exterior: Evita a necessidade de alocação de uma gama de endereços IP por parte do ISP: apenas um endereço é utilizado para todos os dispositivos É possível modificar endereços dos dispositivos na rede local sem notificar o mundo exterior Pode se mudar de ISP sem mudar os endereços dos dispositivos na rede local Os dispositivos no interior da rede local não endereçáveis explicitamente podem ser acedidos a partir da rede externa > segurança adicional. 4-45

46 NAT: Network Address Translation Exemplo Resto da Internet Rede locall (ex., rede doméstica) / Todos os datagramas à saída de uma rede local têm o mesmo e único endereço de origem IP: e diferentes números de portos de origem Os datagramas com origem ou destino na rede local têm x como endereços de origem ou destino 4 46

47 NAT: Implementação Um router que implemente NAT efectua as seguintes operações: À saída: substituir os campos (endereço IP de origem, n.º de porto) em todos os datagramas de saída por (endereço IP NAT, novo n.º de porto) Os clientes/servidores remotos responderão utilizando (endereço IP NAT, novo n.º de porto) como endereço destino. Memorizar (na tabela de translação NAT) todos as correspondências entre (endereço IPde origem, n.º ºde porto) e (endereço IP NAT, novo n.º de porto) À entrada: substituir os campos (endereço destino IP NAT, novo n.º de porto) )de todos os dt datagramas de chegada pelos correspondentes (endereço IP de origem, n.º de porto) armazenados na tabela NAT 4-47

48 NAT: Funcionamento 2: router NAT Muda o source addr do datagrama de , 3345 para , 5001, e actualiza tabela 2 NAT translation table WAN side addr LAN side addr , , 3345 S: , 5001 D: , S: , 3345 D: , : host envia datagrama dt para , S: , 80 D: , S: , 80 D: , : Chega resposta para dest. address: , : router NAT Muda o dest addr do datagrama de , 5001 para ,

49 Diferentes tipos de NAT (I) Source: NAT Simétrico É estabelecido um mapeamento entre um endereço e porto internos e um endereço e porto externo Esse mapeamento só pode ser utilizado pelos dois intervenientes para enviar e receber dados 4-49

50 Diferentes tipos de NAT (II) Source: Full Cone NAT É estabelecido um mapeamento entre um endereço e porto internos e um endereço e porto externo Esse mapeamento pode ser utilizado por qualquer endereço e portos externos para enviar dados para o endereço e porto internos Outros tipos de NAT: Address Restricted Cone NAT Port Restricted Cone NAT Ver link para mais detalhes 4-50

51 Considerações sobre a utilização do NAT Campo número de porto tem 16 bits: É possível ter cerca de ligações simultâneas com um único endereço de à saída LAN! A utilização do NAT é controversa: Os routers devem apenas processar protocolos só até ao nível 3 O router modifica o porto que é um conceito do nível 4! Viola argumentos a favor do ponto a ponto a possibilidade NAT deve ser tida em conta por designers de aplicações, i.e., aplicações P2P Cria problemas ao VoIP As limitações de endereçamento IP deveriam ser resolvidas pelo IPv6 Mas a realidade é que o NAT é utilizado por todo o lado! 4-51

52 ICMP: Internet Control Message Protocol Utilizado por hosts e routers para comunicar informação ao nível rede Comunicação de erros: unreachable host, network, port,,protocol Echo request/reply (utilizado pelo ping) Implementado em cima do IP: As mensagens ICMP são transportadas em datagramas IP Mensagem ICMP: contém type, code mais os 8 primeiros bytes do datagrama IP que causou o erro 4-52

53 ICMP Tipos de Mensagens

54 Comando Traceroute e ICMP Origem envia séries de segmentos UDP para destino 1º tem TTL=1 2º tem TTL=2, etc. N.º de porto incoerente Quando o datagrama n chega ao router n: O router descarta o datagrama Envia para a origem uma mensagem ICMP 11: Time to Live Expired Mensagem inclui nome do router e endereço IP Quando a mensagem ICMP chega, a origem calcula o RTT Traceroute faz isto 3 vezes Critério de paragem Segmento UDP acaba por chegar ao host de destino O n.º de porto enviado não corresponde a nenhum válido Destinatário devolve um pacote ICMP host unreachable (type 3, code 3) Quando a origem obtém este ICMP, pára. 4-54

55 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link state Vector distância Routing hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em brodacast e multicast 4-55

56 IPv6 Origem em 1990, para suceder ao IPv4 RFC ref.org/rfc TEXTS/2460/index.html f / / / h Motivação inicial: espaço de endereçamento de 32 bit está esgotado. Motivação adicional: Formato do cabeçalho ajuda a acelerar processamento/encaminhamento Cabeçalho muda para facilitar QoS Formato datagrama IPv6: Cabeçalho de comprimento fixo 40 bytes A gestão da fragmentação é retirada do header principal e gerida separadamente num header adicional 4-56

57 Datagrama IPv6 Principais características Tamanho de cabeçalho fixo de 40 bytes Os campos de endereços passaram para 128 bits Introdução do conceito de fluxo e tipo de tráfego Não tem campo de checksum nem de gestão de fragmentos 4-57

58 IPv6: Outras Mudanças Checksum: eliminada totalmente para reduzir o tempo de processamento em cada hop. Fragmentation: gerida ponto a ponto pelo emissor e receptor dos pacotes e não pelos routers Options: permitidas, mas fora do cabeçalho, indicado pelo campo Next Header ICMPv6: nova versão do ICMP Tipos de mensagens adicionais, i. e. Packet Too Big Grupo multicast de funções de gestão 4-58

59 Fragmentação IPv6 Fragment Header 4-59

60 Protocolo IPv6 Convergência Internet e Redes de Telecomunicações (comutação IP) => processo de transição IPv4 => IPv6 Version mantém se do IPv4 terá sempre o valor fixo 6. Traffic Class distingue entre pacotes com diferentes requisitos de entrega em tempo real. Campo sempre presente mesmo no IPv4 (TOS), nunca usado de forma generalizada. Sugestão: 0 e 7 para transmissões que sejam capazes de reduzir a sua actividade em caso de congestão. 8 e 15 para tráfego em tempo real, com taxa de envio constante (Por exemplo Áudio e Vídeo). Sug. 1 para News, 4 para FTP e 6 para Telnet. Flow Label Permite quer ao emissor quer ao destinatário definir uma pseudo ligação com propriedades e requisitos particulares, como por exemplo um fluxo de pacotes de um processo de um host origem para um processo num host destino com determinados requisitos em termos de atraso e de largura de banda. Payload length indica quantos bytes se seguem ao cabeçalho de 40 bytes e corresponde ao campo Total Length do protocolo IPv4, o nome foi mudado em virtude do seu significado ter mudado ligeiramente (os bytes do cabeçalho não são contados como eram anteriormente). 4-60

61 Header IPv6 Next Header existe para permitir a indicação de quais dos possíveis seis cabeçalhos de extensão que seguem, caso existam. Se este cabeçalho é o último cabeçalho então o campo next header indica para que protocolo de transporte t deve ser passado o pacote (TCP, UDP, ). Hop Limit utilizado para prevenir que os pacotes permaneçam para sempre na rede, substitui o campo Time to Live do protocolo IPv4, mudou de nome por ser originalmente definido para representar segundos e não ser assim que é efectivamente utilizado, mas sim decrementado em cada nó da rede. Source Address e Destination Address Endereços origem e destino de 16 bytes para substituir os endereços de 4 bytes do IPv4. Definida uma nova notação com oito grupos de quatro dígitos hexadecimais (16 bits) com : entre cada grupo. Zeros à esquerda podem ser omitidos e um ou mais grupos de 16 bits zero podem ser substituídos por dois : Endereço 8000:0000:0000:0000:0123:4567:89AB:CDEF poderá ser representado td por 8000::123:4567:89AB:CDEF Os endereços IPv4 podem ser representados ::

62 Protocolo IPv6: Extensões Extension Headers Alguns campos adicionais podem ser necessários O IPv6 introduziu a possibilidade de utilizar extension headers opcionais que são incluídos depois do header inicial e referidos pelo campo Next Header 4-62

63 Transição de IPv4 Para IPv6 A compatibilidade de IPv6 com IPv4 é possível mas o contrário não Nem todos os routers podem ser actualizados simultaneamente É impossível declarar um dia em que se faria a mudança de todo o parque informático global Dual Stack: elementos activos capazes de falar os dois protocolos Tunneling: IPv6 transportado como dados no datagrama IPv4 entre routers IPv4 4-63

64 Dual Stack No caso de haver um troço de rede com IPv4 entre a origem e o destino, as características do IPv6 não são mantidas de ponto a ponto 4-64

65 Tunneling No caso do tunneling, as características do IPv6 são mantidas ponto a ponto, excepto no troço em que só há IPv4 A-to-B: IPv6 B-to-C: IPv6 inside IPv B-to-C: IPv6 inside IPv4 E-to-F: IPv6

66 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link state Vector distância Routing hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em brodacast e multicast 4-66

67 Routers Router Equipamento activo que liga várias redes e realiza o encaminhamento de pacotes com base em algoritmos e tabelas de encaminhamento. Também pode impedir ou filtrar a passagem de certos tipos de pacotes. Actua no nível rede (nível 3 do modelo OSI). 4-67

68 Resumo da Arquitectura de um Router Duas funções chave: Correr algoritmos/protocolos de routing (RIP, OSPF, BGP) encaminhar datagramas da ligação de chegada para a de saída Quatro componentes: Portas de Entrada Malha de Comutação Processador de encaminhamento Portas de Saída Malha de Comutação 4-68

69 Funcionalidade das Portas de Chegada Nível Físico: recepção nível bit Nível Ligação: desencapsulamento Processamento do Pacote: Conhecido o destino de um datagrama, a porta de saída é seleccionada através das tabelas de encaminhamento. Objectivo: completar o processamento do pacote de chegada à velocidade da linha Queuing: se os datagramas chegam mais rapidamente que a taxa de encaminhamento na malha de comutação. 4-69

70 Três tipos de malha de comutação 4-70

71 Comutação através de Memória Input Port Memory Output Port Routers de primeira geração: System Bus Computadores tradicionais com comutação realizada através de controle directo do CPU Pacotes copiados para a memória do sistema A velocidade é limitada pelo tempo de acesso da memória O encaminhamento de um datagrama implica dois acessos à memória (escrita e leitura) 4-71

72 Comutação através de Bus O datagrama passa da memória de entrada para a memória de saída através de um Bus partilhado Contenção no Bus: a velocidade de comutação está limitada pela largura de banda do Bus Cisco 1900: Bus com 1 Gbps, suficiente para routers empresariais mas não para routers regionais ou de backbones 4-72

73 Comutação através de Crossbar Ultrapassa as limitações da largura de banda do bus Redes de interligação inicialmente desenvolvidas para máquinas paralelas Design avançado: os datagramas são fragmentados em células de comprimento fixo que são comutadas através da malha Cisco 12000: permite débitos de ~100 Gbps através da rede de interligação 4-73

74 Funcionalidade das Portas de Saída Buffering necessário quando os datagramas chegam mais rapidamente do que a taxa de emissão de saída Algoritmo de escalonamento selecciona datagrama da fila de espera para emissão 4-74

75 Introdução Circuitos virtuais e datagramas IP: Internet Protocol Formato dos datagramas Esquema de endereçamento IPv4 ICMP IPv6 Funcionamento de um Router Algoritmos de routing Link State Vector Distância Routing Hierárquico Routing na Internet RIP OSPF BGP Routing em broadcast e multicast 4-75

76 Algoritmos de Routing Determinam as rotas ou caminhos entre um router de origem e uma rede de destino Permitem construir as tabelas de encaminhamento existentes it t em todos os routers de uma rede A quantidade de routers e sub redes existentes na Internet implica a utilização de vários níveis de algoritmos Algoritmos inter organizacionais Algoritmos intra organizacionais Organização: Autonomous System (AS) 4-76

77 Abstracção utilizada: Grafos Os algoritmos de routing abstraem a topologia da rede sob a forma de grafos Utilizam a noção de custo para determinar o peso de uma ligação na determinação de uma rota Custo da ligação (x 1, x 2 2) = c(x 1, x 2 2) Ex: c(w,z) = 5 O custo pode ser 1 por cada troço, ou ser inversamente relacionado com a largura de banda ou factor de congestão Custo do caminho (x 1, x 2, x 3,, x p ) = c(x 1,x 2 ) + c(x 2,x 3 ) + + c(x p-1,x p ) Pergunta: Qual é o caminho de menor custo entre u e z? Algoritmo de Routing: calcula os caminhos de menor custo entre os nós de um grafo de uma rede 4-77

78 Classificação dos Algoritmos de Routing Informação central ou descentralizada? Central: Todos os routers têm completa informaçãosobre a topologia e custo de toda a rede Algoritmos Link State LS Descentralizada: Os routers só conhecem os vizinhos a que estão fisicamente ligados e os custos dessas ligações Processo iterativo de cálculo e troca de informação entre routers vizinhos Algoritmos Distance Vector DV Estáticos ou dinâmicos? Estáticos: As rotas mudam pouco frequentemente no tempo Dinâmicos: As rotas mudam mais frequentemente Necessidade de actualização periódica em resposta a mudanças de topologia ou custos de ligação 4-78

79 Routing Hierárquico A aproximação utilizada pelos algoritmos LS e DV não é real Os routers não são todos idênticos A rede não é um grafo linear -> antes uma rede de redes Problemas de escala: Mais de 200 milhões de destinos: Não se podem guardar todos numa tabela de routing O volume de dd dados respeitante t a trocas de tabelas poderia saturar a rede! Autonomia administrativa Internet = rede de redes Cada administrador de rede pode querer implementar uma política de routing específica na sua organização A solução é dividir o espaço de roteamento global em parcelas mais pequenas e aplicar os algoritmos a vários níveis 4-79

80 Routing Hierárquico: princípios Agregação de routers em regiões denominadas Autonomous Systems (AS) Correspondendo a uma organização ou domínio Os routers numa mesma AS utilizam o mesmo protocolo interno Protocolo de routing intra-as Os routers em AS distintos i podem utilizar diferentes protocolos Um ou mais routers de um AS são designados Gateway Router e estabelecem ligações permanentes com os routers correspondentes dos AS a que estão ligados Protocolo de routing inter-as 4-80

81 Interligação de ASs?? A tabela de routing é configurada pelos algoritmos inter e intra-as Intra-AS configura as rotas para os destinos internos Intra-AS e Inter-AS colaboram na configuração das rotas para destinos externos 4-81

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Capítulo 4 Camada de Rede

Capítulo 4 Camada de Rede Redes de Computadores DCC/UFJ Capítulo 4 Camada de Rede Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram disponibilizados

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4.

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Camada de rede: IP Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Internet Rede 2 Rede 1 Internet Rede 4 Rede 3 Rede 5 O

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço "físico" Classes de endereços

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço físico Classes de endereços O protocolo IP Protocolos em Redes de Dados - Aula 02 - Os protocolos IP Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada

Leia mais

Nível de rede - Tópicos

Nível de rede - Tópicos Nível de rede - Tópicos Introdução: Revisão do modelo de camadas Serviços genéricos do nível de rede IP: Serviços e endereçamento NAT, ICMP, IPv6 Encaminhamento 4 30 Como se obtém um endereço IP? P: Como

Leia mais

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes: Endereços IP Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede Na Internet, endereços são únicos e atribuídos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama IP - Internet Protocol Histórico O protocolo internet (IP), definido e aprovado pelo DoD (Departamento de Defesa Americano), foi concebido para uso em sistemas de computação interconectados através de

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros Endereço IP Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Endereços de interfaces e sub-redes (fonte: Kurose) No ex.,

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de Aula 02 Os protocolos FCUL Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada passo, é necessário fazer uma tradução entre o

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto CAMADA DE REDES PARTE II Fabrício Pinto Interligação de Redes 2 Supomos até agora uma única rede homogênea Máquinas usando o mesmo protocolo Suposição muito otimista Existe muitas redes diferentes LANs,

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Funções da camada de rede

Funções da camada de rede Funções da camada de rede As duas funções fundamentais desta camada são: 1. Endereçamento ou addressing atribuição de um código único a cada interface de estação, tornando possível enviar e receber pacotes

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

7.4 Encaminhamento IP

7.4 Encaminhamento IP 7.4 Encaminhamento IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Encaminhamento IP Características Baseado

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Telecomunicações e Redes de Computadores 3 Nível de Rede Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Objectivos Enquadramento Endereçamento ao nível de rede Encaminhamento

Leia mais

ICMP Internet Control Message Protocol

ICMP Internet Control Message Protocol TCP UDP ICMP Internet Control Message Protocol ARP IP ICMP Acesso à rede Funcionalidade Mensagens ICMP Internet Control Message Protocol - ICMP Funcionalidades Informar máquina de origem da ocorrência

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Cap. 04 Camada de Rede

Cap. 04 Camada de Rede Cap. 04 Camada de Rede 4.1 Introdução e Serviços 4.1.1 Repasse e Roteamento 4.1.2 Modelo de Serviço de Rede 4.2 Redes Datagramas / Circuitos Virtuais 4.2.1 Redes de Circuitos Virtuais 4.2.2 Redes de Datagramas

Leia mais

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits)

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits) INTERNET Colecção de redes e gateways que utiliza o protocolo TCP/, e funciona como uma única rede virtual. - Internet Protocol Providencia - Conectividade Universal - Serviços - connectionless - connection

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Capítulo 4 Camada de Rede 1 Capítulo 4: Camada de Rede Metas: q Entender os princípios em que se fundamentam os serviços de

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede Pilha de protocolos da Internet M Aplicação Ht M Transporte Hr Ht M Rede Hr Ht M Enlace Mensagem Segmento Datagrama Quadro He Física

Leia mais