Capítulo 4: Camada de Rede. Modelo de serviço de rede. Circuitos virtuais. Funções da camada de rede. Antônio Abelém

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 4: Camada de Rede. Modelo de serviço de rede. Circuitos virtuais. Funções da camada de rede. Antônio Abelém Abelém@ufpa."

Transcrição

1 Funções da camada de Capítulo ntônio belém 4a- transporta pacote da estação remetente à receptora protocolos da camada de em cada estação, roteador três funções importantes: determinação do caminho: rota seguidapor pacotesdaorigem ao destino. lgoritmos de roteamento comutação: mover pacotes dentro do roteador da entrada à saída apropriada estabelecimento da chamada: algumas arquiteturas de requerem determinar o caminho antes de enviar os dados aplicação transporte aplicação transporte 4a- Modelo de serviço de Circuitos virtuais abstração do serviço Q: Qual é o modelo de serviço para o canal que transporta pacotes do remetente ao receptor? largurade bandagarantida? preservação de temporização entre pacotes (sem jitter)? entrega sem perdas? entrega ordenada? realimentar informação sobre congestionamento ao remetente? abstração mais importante provida pela camada de :? ou?? datagrama? circuito virtual 4a- caminho da-origem-ao-destino se comporta como um circuito telefônico em termos de desempenho em ações da ao longo do caminho da-origem-ao-destino estabelecimento de cada chamada antes do envio dos dados cada pacote tem ident. de CV (e não endereços origem/dest) cada roteador no caminho da-origem-ao-destino mantém estado para cada conexão que o travessa conexão da camada de transporte só envolve os sistemas terminais recursos de, roteador (banda, buffers) podem ser alocados ao CV para permitir desempenho como de um circuito 4a-4

2 Circuitos virtuais: protocolos de sinalização usados para estabelecer, manter, destruir CV usados em TM, frame-relay, X.5 não usados na Internet de hoje aplicação transporte 5. começa fluxo de dados 6. dados recebidos 4. conexão completa. chamada aceita. inicia chamada. chegada de chamada aplicação transporte Rede de datagramas: o modelo da Internet não requer estabelecimento de chamada na camada de roteadores: não guardam estado sobre conexões fim a fim não existe o conceito de conexão na camada de pacotes são roteados tipicamente usando endereços de destino pacotes entre o mesmo par origem-destino podem seguir caminhos diferentes aplicação transporte. envia dados. recebe dados aplicação transporte 4a-5 4a-6 Modelos de serviço da camada de : rquitetura de Rede Internet TM TM TM TM Modelo de serviço melhor esforço CR VR R UR anda nenhuma taxa constante taxa garantida mínima garantida nenhuma Garantias? Perdas Ordem Tempo não sim sim não não não sim sim sim sim não sim sim não não Modelo Internet está sendo estendido: Intserv, Diffserv Informa s/ congestion.? não (inferido via perdas) sem congestion. sem congestion. sim não 4a-7 Rede de datagramas ou CVs: por quê? Internet troca de dados entre computadores serviço elástico, sem reqs. temporais estritos sistemas terminais inteligentes (computadores) podem se adaptar, exercer controle, recuperar de erros núcleo da simples, complexidade na borda muitos tipos de s características diferentes serviço uniforme difícil TM evoluiu da telefonia conversação humana: temporização estrita, requisitos de confiabilidade requer serviço garantido sistemas terminais burros telefones complexidade dentro da 4a-8

3 Roteamento protocolo de roteamento meta: determinar caminho (seqüência de roteadores) bom pela da origem ao destino bstração de grafo para algoritmos de roteamento: nos do grafo são roteadores arestas do grafo são os s físicos custo do : retardo, financeiro, ou nível de congestionamento 5 D C E caminho bom : 5 F tipicamente significa caminho de menor custo outras definições são possíveis 4a-9 Classificação de lgoritmos de Roteamento Informação global ou descentralizada? Global: todos roteadores têm info. completa de topologia, custos dos s algoritmos estado de s Descentralizada: roteador conhece vizinhos diretos e custos até eles processo iterativo de cálculo, troca de info. com vizinhos algoritmos vetor de distâncias Estático ou dinâmico? Estático: rotas mudam lentamente com o tempo Dinâmico: rotas mudam mais rapidamente atualização periódica em resposta a mudanças nos custos dos s 4a-0 Uma algoritmo de roteamento de estado de s lgoritmo de Dijkstra topologia da, custos dos s conhecidos por todos nós realizado através de difusão do estado de s todos nós têm mesma info. calcula caminhos de menor custo de um nó ( origem ) para todos os demais gera tabela de rotas para aquele nó iterativo: depois de k iterações, sabemos menor custo p/ k destinos Notação: c(i,j): custo do do nó i ao nó j. custo é infinito se não forem vizinhos diretos D(V): valor corrente do custo do caminho da origem ao destino V p(v): nó antecessor no caminhodaorigemaonóv, imediatamente antes de V N: conjunto de nós cujo caminho de menor custo já foi determinado 4a- O algoritmo de Dijkstra Initialização: N = {} para todos nós V 4 se V adjacente ao nó 5 então D(V) = c(,v) 6 senão D(V) = infinito 7 8 Repete 9 determina W não contido em N tal que D(W) é minizado 0 adiciona W ao conjunto N atualiza D(V) para todo V adjacente ao nó W e ainda não em N: D(V) = min( D(V), D(W) + c(w,v) ) /* novo custo ao nó V ou é o custo velho a V ou o custo do 4 menor caminho ao nó W, mais o custo de W a V */ 5 até que todos nós estejam em N 4a-

4 lgoritmo de Dijkstra: exemplo lgoritmo Estado de Enlaces Passo N inicial D DE DE DEC DECF D(),p(),,, D(C),p(C) 5, 4,D,E,E D(D),p(D), D(E),p(E) infinito,d D(F),p(F) infinito infinito 4,E 4,E 4,E Cada roteador executa duas tarefas: testa o status de todos os seus roteadores vizinhos e divulga o estado dos s para todos os outros roteadores. Estes pacotes enviados para todos os roteadores, são usados para construir uma base de dados topológica. 5 D C E 5 F Cada roteador deve possuir uma base idêntica, e utiliza o algoritmo de Dijkstra (shortest path first - SPF) para calcular as melhores rotas para todos os destinos informação é retransmitida periodicamente, e depois de mudanças de topologia 4a- 4a-4 Comportamento ásico Detalhes de Estado de Enlaces Link State Databases (Uma para cada Área) lgoritmo de Dijkstra SPF Tree Tabela de Roteamento Cada roteador usa as informações de estado dos s (link-state) locais e recebidas de roteadores adjacentes para construir uma tabela de rotas que modele a configuração da inter- Informações de estado dos s são armazenadas em uma base de dados de estado de s (L. S. Database). usa-se um protocolo de inundação, que transmite a informação (datada!) aos seus vizinhos, que a retransmitem, e assim sucessivamente, até alcançar a todos os nós. o (r)estabelecer conectividade, as partes envolvidas devem comparar os Ds e manter somente a versão mais atual para cada registro. 4a-6

5 Segurança Objetivo é manter cópias sincronizadas da D do estado de s Para proteger a D contra corrupção usa-se: Reconhecimento de mensagens entre vizinhos no algoritmo de inundação Cada registro da D protegido por temporização Todos registros usam checksum Transmissão segura de registros do D Todas as mensagens podem ser autenticadas utenticação pode ser diferente para cada sub- ou conjunto de sub-s IP (Área) 0: Sem autenticação; : Senha não criptografada; : senha criptografada 4a-7 Métricas Múltiplas Suporte possível para diferentes métricas maior vazão menor retardo menor custo (financeiro) melhor confiabilidade Uso de métricas múltiplas requer: documentar diversas métricas por calcular tabelas de rotas diferentes por métrica indicar qual métrica deve ser usada pelo pacote a ser roteado (TOS) 4a-8 Um Exemplo N N N H 0 RT9 N9 RT RT RT N RT N4 RT RT N 8 8 RT5 7 6 RT6 Ia Ib 7 5 RT0 N N RT7 N6 N8 4 RT8 N0 N7 9 N N5 Árvore SPF para o Roteador RT6 H N N N RT9 0 RT RT RT N9 N0 N N4 RT RT4 RT Ib 7 Ia 6 N8 RT RT5 RT0 N7 N N RT7 N6 RT8 N4 9 N N5 4a-9 4a-0

6 Tabela de Rotas - RT6 Type Dest rea Path Type Cost Next Hop dv. Router(s) N N 0 0 RT * N N 0 0 RT * N N 0 7 RT * N N4 0 8 RT * N Ib 0 7 * * N Ia 0 RT0 * N N6 0 8 RT0 * N N7 0 RT0 * N N8 0 0 RT0 * N N9 0 RT0 * N N0 0 RT0 * N N 0 4 RT0 * N H 0 RT0 * SR RT5 0 6 RT5 * SR RT7 0 8 RT0 * N N * 0 RT0 RT7 N N * 4 RT5 RT5 N N4 * 4 RT5 RT5 N N5 * 7 RT0 RT7 4a- Protocolo RIP (Routing Information Protocol) Utiliza lgoritimo de Vetor de Distância (Distance Vector Protocol) Cada roteador comunica a seus vizinhos que possui rotas para determinados pontos da Inter- lta carganae grandestabelasde rotas Difundido nos programas routed e gated RIP v não suporta sub- na divulgação lgoritmo Vetor de Distâncias (ellman-ford) cada roteador sabe o custo dos seus s à seus vizinhos ele mantém uma tabela de rotas, a qual inclui para cada destino conhecido a distância (custo) para alcançá-lo (vetor de distâncias) periodicamente ele envia para seus vizinhos uma cópia da sua tabela de rotas, e recebe cópias das deles. se uma destas tabelas revela uma rota nova, ou uma de menor custo do que uma atual, esta será incorporada na tabela local. Rede Exemplo 4 6 D E 5 nós:,, C, D e E s:,,, 4, 5 e 6. C 4a- 4a-4

7 Partida Fria Vamos supor que o custo de cada seja Inicialmente, cada roteador desconhece seus vizinhos: sua tabela de rotas contêm apenas o próprio nó, com distância 0. Por exemplo, para o nó temos: Destino Enlace Custo local 0 e o vetor de distâncias é: =0 Partida Fria Cada nó enviará sua tabela para seus vizinhos pelos s comuns. pós receber as mensagens de e D, a tabela de será reformulada: Destino Enlace Custo local 0 D ou seja, seu vetor de distâncias agora se tornou: =0, =, D= 4a-5 4a-6 Partida Fria O processo continua. O resultado final em é: Destino Enlace Custo local 0 D C E Existem resultados semelhantes nos demais nós: Os nós descobriram a topologia da Queda de um Enlace Supomos que, depois de estabilizadas as tabelas, cai o (entre e ) D 4 5 E 6 C 4a-7 4a-8

8 Queda de um Enlace Queda de um Enlace s novas tabelas de e têm custo infinito para as rotas usando o caminho entre eles. Destino Enlace Custo local 0 infinito D C infinito E infinito Destino Enlace Custo local 0 infinito D infinito C E 4 4a-9 pós executar o algoritmo até convergir temos uma nova topologia, com conectividade global Destino Enlace Custo local 0 D C E Destino Enlace Custo local 0 4 D 4 C E 4 4a-0 Convergência lenta ( bouncing effect ) convergência a uma nova topologia pode demorar, por causa do tempo para esquecer rotas antigas. Consideramos a exemplo original, com queda do, onde o custo do 6 é 0, permanecendo os demais custos iguais a - C = inf 4 C D 5 E 6 Custo=0 4a- Convergência lenta ( bouncing effect ) Suponha que mande seu vetor de distâncias (para e D) antes de fazê-lo irá adicionar o custo de um salto () ao valor difundido por () e atualizará sua tabela criando um loop De/Para Enlace Custo para C para C C para C local 0 D para C E para C 4 4a-

9 Convergência lenta ( bouncing effect ) Os pacotes irão ficar circulando na até o TTL deles expirar lém disso, as tabelas de rotas também ficarão sendo atualizadas com valores de custos dos s inconsistentes Esse processo irá continuar até que a volte a um estado estável, com versões coerentes nas tabelas de rota 4a- Contagem até Infinito Pior resultado é obtido quando a é particionada por quedas de. Consideramos o caso da queda simultânea dos s e 5 D 4 5 E 6 C 4a-4 Remédios para convergência lenta Split horizon Não enviar através de um informação sobre destinos roteados por este Splithorizonwithpoisonreverse Todos nós incluídos nas mensagens: mas com custo infinito se roteado por este Triggered updates - quando enviar mensagens?. com freqüência pré-determinada. quando ocorrer mudanças de topologia 4a-5 Protocolo RIP Participantes são ativos (divulgam vetores de distância) ou passivos (somente escutam informações de outros roteadores e atualizam tabelas de rotas) tivos geram broadcast a cada 0s Roteador mantêm uma rota como válida por 80s Não trata da velocidade das rotas Os roteadores RIP são configurados geralmente com custo para entrada em dado => HOP count Máximo hops == 6 == infinito, logo o diâmetro máximo da deve ser de 5 saltos Umarotaémantidaatéqueumamelhorsejadivulgada Se existirem duas rotas para a mesma com o mesmo custo, o roteador RIP mantêm apenas a primeira que aprendeu na Tabela de Rotas

10 Mensagem RIP s mensagens RIP são transportadas via datagramas UDP na porta 50 Cabeçalho IP Cabeçalho UDP Datagrama IP Datagrama UDP Mensagem RIP Formato da Mensagem RIP Octeto Octeto Octeto Octeto 4 COMMND VERSION MUST E ZERO FMILY OF NET MUST E ZERO IP DDRESS OF NET MUST E ZERO MUST E ZERO DISTNCE TO NET FMILY OF NET MUST E ZERO IP DDRESS OF NET MUST E ZERO MUST E ZERO DISTNCE TO NET... Campos da Mensagem RIP COMMND Request for partial or full routing info Response containing routing info Trace mode on (obsoleto) 4 Trace mode off (obsoleto) 5 Reserved VERSION: ou - RIP v. FMILY OF NET ( para IP) Rota default é representada pelo endereço IP Cada mensagem informa até 5 rotas RIP - Operação Iniciação Processo de roteamento descobre quais as interfaces do roteador que estão operacionais Por cada uma destas interfaces, troca informações com roteadores vizinhos, solicitando suas TR s completas tualizações regulares cada 0 segundos envia entradas da TR tualizações por evento Sempre que o custo associado a uma rota muda Remoção por time-out pós80s, a rotamantidanatabelade rotasexpira Custo é ajustado para 6 e a rota é mantida por mais 0s 4a-40

11 Protocolo RIP C G G Protocolo RIP C G G Rede Rede Rede Rede Rede Rede Rede GW M Rede GW M Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Protocolo RIP C G G Protocolo RIP C G G Rede Rede Rede Rede Rede G Rede G Rede Rede Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede -

12 Protocolo RIP C G G Protocolo RIP C G G Rede Rede G Rede G Rede Rede Rede Rede G Rede Rede Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - 0 Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Protocolo RIP C G G Protocolo RIP C G G Rede Rede G Rede Rede G Rede G Rede Rede Rede G Rede Rede G Rede G Rede Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Rede G Rede G Rede G

13 Protocolo RIP C G G Protocolo RIP C G G Rede G Rede Rede Rede Rede G Rede G Rede G Rede Rede Rede Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Rede G Rede G Rede G Rede G Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Rede G Rede G Rede G Rede G Protocolo RIP C G G RIP - Extensões ao RIP Comunicação entre roteadores é feita por multicast Permite a definição de máscaras de s diferentes G Rede G Rede Rede Rede G Rede Rede para sub-s diferentes proveita os campos deve ser zero do RIP- para Tabela de Rotas Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede GW M Rede - Rede - Rede - Rede - Rede - Rede G Rede - Rede G Rede - Rede G Rede G Rede G Rede G Rede G Rede G introduzir nova funcionalidade de modo compatível. Possibilita uso de autenticação (fraca) tualmente, texto livre (plain text) 4a-5

14 Formato da Mensagem RIP Octeto Octeto Octeto Octeto 4 COMMND () VERSION () MUST E ZERO FMILY OF NET IP DDRESS OF NET SUNET MSK NEXT HOP GTEWY DISTNCE TO NET... ROUTE TG Roteamento Hierárquico Neste estudo de roteamento fizemos uma idealização: todos os roteadores idênticos não hierarquizada ( flat ) nãoé verdade, na prática escala: com > 00 milhões de destinos: impossível guardar todos destinos na tabela de rotas! troca de tabelas de rotas afogaria os s! autonomia administrativa internet = de s cada admin de pode querer controlar roteamento em sua própria 4a-54 Roteamento Hierárquico utonomous Systems agregar roteadores em regiões, sistemas autônomos (Ss) roteadores no mesmo S usam o mesmo protocolo de roteamento protocolo de roteamento intra-s roteadores em Ss diferentes podem usar diferentes protocolos de roteamento inter-s roteadores de borda roteadores especiais no S usam protocolo de roteamento intra-s com todos os demais roteadores no S também responsáveis por rotear para destinos fora do S usam protocolo de roteamento inter-s com outros roteadores de borda princípio não existe um limite teórico para o tamanho de um S: pode ser uma simples local pode ser uma corporativa inteira pode ser um conjunto de s de clientes de um provedor de conectividade Internet S usa um IGP - protocolo de roteamento interno - para calcular rotas internas S usa um EGP - protocolo de roteamento externo - para trocar informação sobre rotas com outros Ss 4a-55 4a-56

15 Tipos de S S folha (Stub S) S com apenas conexão para outro S S com Múltipla Conectividade (Multihomed S) S com várias conexões para outros Ss mas que não aceita tráfego não-local Tráfego não-local == Tráfego que não se originou no S e nem se destina ao S S de Trânsito (Transit S) S com várias conexões para outros Ss e que aceita tráfego não local, freqüentemente sob certas condições (policy restrictions) 4a-57 Internet Hoje Stub S Empresa Empresa Empresa Provedor Provedor Provedor Provedor Transit S Empresa Empresa Empresa Multi-homed S Stub S Identificação de S Roteamento Intra-S e Inter-S Número de 6 bits (~64K possíveis) Utilizados no rasil nos provedores principais (com conexão ao exterior) e usuários com conexões a mais de um S a C.b b C d.a a b.c c.a a c Roteadores de borda: fazem roteamento inter-s entre si fazem roteamento b intra-s com outros roteadores do seu próprio S Ss no rasil: RNP (96), RedeRio (75), Embratel (40), Uninet (577), GlobalOne (6505), Inside (706), Intelig (779) Roteamento inter-s, intra-s no roteador de borda.c camada de camada de camada 4a-60

16 Roteamento Intra-S e Inter-S a C Estação e C.b b.a roteamento Inter-S entre e.c a d b c roteamento Intra-S no S.a a c Estação e b roteamento Intra-S no S Hierarquia de Ss na Internet Inter-S: roteadores de fronteira (exterior gateways) Intra-S: roteadores internos (interior gateways) 4a-6 4a-6 Roteamento Inter-S Roteamento inter-s na Internet: GP GP (order Gateway Protocol): o padrão de fato Protocolo Vetor de Caminhos : semelhante ao protocolo de Vetor de Distâncias cada order Gateway (roteador de fronteira) difunda aos vizinhos (pares) caminho inteiro (i.é., seqüência de Ss) ao destino p.ex., roteador de fronteira X pode enviar seu caminhoaodestino Z: Path (X,Z) = X,Y,Y,Y,,Z 4a-6 4a-64

17 Roteamento inter-s na Internet: GP Roteamento inter-s na Internet: GP Supomos: roteador X envia seu caminho para roteador W W pode ou não selecionar o caminho oferecido por X razões de custo, políticas (não roteia via o S de um concorrente), evitar ciclos. Se W seleciona caminho anunciado por X, então: Caminho (W,Z) = W, Caminho (X,Z) Note: X pode controlar tráfego de chegada através do controle dos seus anúncios de rotas aos seus pares: p.ex., se não quero receber tráfego para Z -> não anuncia rotas para Z 4a-65 mensagens GP trocadas usando TCP. mensagens GP: OPEN: abre conexão TCP ao roteador par e autentica remetente UPDTE: anuncia caminho novo (ou retira velho) KEEPLIVE mantém conexão viva na ausência de UPDTES; também reconhece pedido OPEN NOTIFICTION: reporta erros na mensagem anterior; também usada para fechar conexão 4a-66 Por quê tem diferenças entre roteamento Intra- e Inter-S? Políticas: Inter-S: administração quer controle sobre como tráfego roteado, quem transita através da sua. Intra-S: administração única, logo são desnecessárias decisões políticas Escalabilidade: roteamento hierárquico economiza tamanho de tabela de rotas, reduz tráfego de atualização Desempenho: Intra-S: pode focar em desempenho Inter-S: políticas podem ser mais importantes do que desempenho Camada de Rede na Internet Funções da camada de em estações, roteadores: Camada de Protocolos de rot. seleção de rotas RIP, OSPF, GP Camada de transporte: TCP, UDP Tabela de rotas Camada de Camada protocolo IP convenções de endereços formato do datagrama convenções de manuseio do pct protocolo ICMP relata erros sinalização de roteadores 4a-67 4a-68

18 Endereçamento IP: introdução Endereçamento IP endereço IP: ident. de -bits para interface de estação, roteador interface: conexão entre estação, roteador e físico roteador típico tem múltiplas interfaces estação pode ter múltiplas interfaces endereço IP associado à interface, não à estação ou roteador = endereço IP: part de (bits de mais alta ordem) parte de estação (bits de mais baixa ordem) O quêéuma IP? (da perspectiva do endereço IP) interfaces de dispositivos com a mesma parte de nos seus endereços IP podem alcançar um ao outro sem passar por um roteador LN Esta consiste de s IP (para endereços IP começando com, os primeiros 4 bits são a parte de ) 4a-69 4a-70 Endereçamento IP Como achar as s? disassociar cada interface do seu roteador, estação criar ilhas de s isoladas Sistema interligado consistindo de seis s Endereços IP dada a noção de, vamos reexaminar endereços IP: endereçamento baseado em classes : classe C D 0 estação 0 estação 0 estação 0 endereço multiponto bits to to to to a-7 4a-7

19 Endereçamento IP: CIDR Endereçamento baseado em classes: uso ineficiente e esgotamento do espaço de endereços p.ex., da classe aloca endereços para 65K estações, mesmo se houver apenas K estações nessa CIDR: Classless InterDomain Routing parte de do endereço de comprimento arbitrário formato de endereço: a.b.c.d/x, onde x é no. de bits na parte de do endereço parte de parte de estação Endereços IP: como conseguir um? Estações (parte de estação): codificado pelo administrador num arquivo DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol: obtém endereço dinamicamente: plug-and-play estação difunde mensagem DHCP discover servidor DHCP responde com DHCP offer estação solicita endereço IP: DHCP request servidor DHCP envia endereço: DHCP ack / 4a-7 4a-74 Mensagens DHCP Processo de Lease DHCP DHCP DISCOVER - roadcast para localização de servidor DHCP DHCP OFFER - Oferta de endereço IP para um cliente DHCP REQUEST - Requisição do endereço IP oferecido (bcast) DHCP DECLINE - Informa que houve um erro na oferta DHCP CK - Confirmação do servidor sobre a atribuição do end. DHCP NK - Negativa de fornecimento do endereço (raro) DHCP RELESE - Cliente libera o endereço IP utilizado (raro) DHCP INFORM - Cliente que já possui endereço IP pode requisitar outras informações de configuração respectivas àquele endereço DHCP DISCOVER (broadcast, UDP 67) DHCP OFFER (IP, tempo, params) de DHCP OFFER (IP, tempo, params) de DHCP REQUEST para (broadcast) ou DHCP DECLINE para (parâmetros errados) DHCP CK de ou DHCP NCK de 4a-75 4a-76

20 Endereços IP: como conseguir um? Rede (parte de ): conseguir alocação a partir do espaço de endereços do seu provedor IP loco do /0 provedor Organização / Organização / Organização / Organização / 4a-77 Endereçamento hierárquico: agregação de rotas Endereçamento hierárquico permite anunciar eficientemente informação sobre rotas: Organização / Organização n / Organização / Organização /.... Provedor Provedor mande-me qq coisa com endereços que começam com /0 mande-me qq coisa com endereços que começam com /6 Internet 4a-78 Endereçamento hierárquico: rotas mais específicas Provedor tem uma rota mais específica para a Organização Organização / Organização / Organização /.... Organização / Provedor Provedor mande-me qq coisa com endereços que começam com /0 Internet mande-me qq coisa com endereços que começam com /6 ou / Endereçamento IP: a última palavra... P: Como um provedor IP consegue um bloco de endereços? : ICNN: Internet Corporation for ssigned Names and Numbers aloca endereços gerencia DNS aloca nomes de domínio, resolve disputas (no rasil, estas funções foram delegadas ao Registro nacional, sediado na FPESP (SP), e comandado pelo Comitê Gestor Internet R) 4a-79 4a-80

21 Enviando um datagrama da origem ao destino datagrama IP: campos misc end. IP origem end. IP dest dados datagrama permanece inalterado, enquanto passa da origem ao destino campos de endereços de interesse aqui tabela de rotas em dest. próx. rot. Ns E... 4a-8 Enviando um datagrama da origem ao destino aampos misc dados Supomos um datagrama IP originando em, e endereçado a : procura endereço de de descobreque édamesma que camada de remeterá datagrama direamente para num quadro da camada de e estão diretamente ligados dest. próx. rot. Ns E... 4a-8 Enviando um datagrama da origem ao destino Enviando um datagrama da origem ao destino aampos misc dados Origem, destino E: procura endereço de de E E numa diferente, E não ligados diretamente tabela de rotas: próximo roteador na rota para E é...4 camada de envia datagrama ao roteador...4 num quadro da camada de datagrama chega a...4 continua dest. próx. rot. Ns E... 4a-8 próx. aampos misc dados dest. rot. Nenl. interface Chegando a...4, destinado a procura endereço de de E... E fica na mesma que a... interface...9 do roteador... roteador, E estão diretamente ligados... camada de envia E datagrama p/... dentro de quadro de camada de via interface datagrama chega a...!!! 4a-84

22 Formato do datagrama IP número da versão do protocolo IP comprimento do cabeçalho (bytes) tipo dos dados (DS) número máximo de s restantes (decrementado a cada roteador) protocolo da camada superior ao qual entregar os dados ver comp. cab ident. 6-bits sobrevida bits tipo de serviço camada superior comprimento início do bits fragmento checksum Internet endereço IP de origem bits endereço IP de destino bits Opções (se tiver) dados (comprimento variável, tipicamente um segmento TCP ou UDP) comprimento total do datagrama (bytes) para fragmentação/ remontagem p.ex. temporizador, registrar rota seguida, especificar lista de roteadores a visitar. IP: Fragmentação & Remontagem cada de tem MTU (max.transmission unit) - maior tamanho possível de quadro neste. tipos diferentes de têm MTUs diferentes datagrama IP muito grande dividido ( fragmentado ) dentro da um datagrama vira vários datagramas remontado apenas no destino final bits do cabeçalho IP usados para identificar, ordenar fragmentos relacionados remontagem fragmentação: entrada: um datagrama grande saída: datagramas menores 4a-85 4a-86 IP: Fragmentação & Remontagem ICMP: Internet Control Message Protocol compr =4000 ID =x compr =500 bit_frag =0 ID =x ID =x início =0 um datagrama grande vira vários datagramas menores compr =500 compr =040 ID =x bit_frag = bit_frag = início =0 início =480 bit_frag início =0 =960 usado por estações, roteadores para comunicar informação s/ camada de relatar erros: estação,, porta, protocolo inalcançáveis pedido/resposta de eco (usado por ping) camada de acima de IP: msgs ICMP transportadas em datagramas IP mensagem ICMP: tipo, código mais primeiros 8 bytes do datagrama IP causando erro Tipo Código descrição 0 0 resposta de eco (ping) 0 dest. inalcançável estação dest inalcançável protocolo dest inalcançável porta dest inalcançável 6 dest desconhecida 7 estação dest desconhecida 4 0 abaixar fonte (controle de congestionamento - ñ usado) 8 0 pedido eco (ping) 9 0 anúncio de rota 0 0 descobrir roteador 0 TTL (sobrevida) expirada 0 erro de cabeçalho IP 4a-87 4a-88

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Camada de rede. Funções

Camada de rede. Funções amada de rede Serviços fornecidos pela camada de rede Encaminhamento Estado-da-ligação Vector-distância Internet Protocol (IP) Encaminhamento na Internet Intra-domínio Inter-domínio IPv6, DHP, IP móvel,

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3 PEL/FEN Redes de Computadores 015/1 Segunda Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os principais serviços providos pela camada rede. ) Cite as diferenças entre datagrama e circuito

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Exercícios de Fixação TCP/IP

Exercícios de Fixação TCP/IP Capítulo 2 Endereço de Rede Exercícios de Fixação TCP/IP a) (V) Os pacotes IP são datagramas não-confiáveis b) (F) Os endereços do tipo 127.x.x.x são utilizados em redes do tipo Intranet c) (F) Os endereços

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF Monografia apresentada na disciplina Laboratório de Redes II no Mestrado de Redes de Computadores da UNIFACS. Alunos : Manoel Carvalho Marques Neto manoel.netom@unifacs.br

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações

Telecomunicações e Redes de Computadores. 3 Nível de Rede. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Telecomunicações e Redes de Computadores 3 Nível de Rede Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Área Científica de Telecomunicações Objectivos Enquadramento Endereçamento ao nível de rede Encaminhamento

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Capítulo 4. A camada de REDE

Capítulo 4. A camada de REDE 1 Capítulo 4 A camada de REDE 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas das avaliações,

Leia mais

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.» Roteadores são os dispositivos responsáveis pelo recebimento

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados

IPv6. Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 Problema do espaço de endereços do IPv4 Outros problemas abordados IPv6 - formato do datagrama Mudanças mais importantes Capacidade de endereçamento expandida Cabeçalho fixo de 40 octetos Aumentar

Leia mais

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Capítulo 4 Camada de Rede 1 Capítulo 4: Camada de Rede Metas: q Entender os princípios em que se fundamentam os serviços de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Aula 03 Introdução ao encaminhamento 2004-2005

Aula 03 Introdução ao encaminhamento 2004-2005 Aula 03 Introdução ao encaminhamento V1 V2 FCUL 2004-2005 Sumário Introdução ao encaminhamento. Distance Vector Routing. Link State Routing.. (Nota: a maioria das figuras foram retiradas de A. Tanenbaum

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais