Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação"

Transcrição

1 BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes 2012/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte 3 Rede 2 Enlace 1 Física Camada de Rede 1

2 Agenda Introdução; Algoritmos de roteamento; Algoritmos de controle de congestionamento; Qualidade de serviço; Interligação de redes; A camada de rede da Internet. 2

3 Introdução; Algoritmos de roteamento; Algoritmos de controle de congestionamento; Qualidade de serviço; Interligação de redes; A camada de rede da Internet. INTRODUÇÃO 3

4 Introdução Tópicos Objetivos; Comutação de pacotes Store-and-Forward; Serviços oferecidos à camada de transporte; Serviço não orientado a conexões; Serviço orientado a conexões; Datagramas v.s. Circuitos Virtuais. 4

5 Introdução Objetivos Camada de Enlace: move quadros de duas máquinas; Camada de Rede: Transferência de pacotes de uma origem a um destino; Pode envolver vários hops (saltos) em roteadores intermediários ao longo do percurso; Para atingir seus objetivos, tem a necessidade de conhecer a topologia da rede para escolher os caminhos mais apropriados. 5

6 Introdução Comutação Store-and-Forward Define o contexto de operação dos protocolos da camada de rede; Um host envia o pacote para o roteador mais próximo; O pacote é armazenado até chegar completamente e o checksum é verificado; Em seguida o roteador encaminha o pacote para o próximo roteador ao longo do caminho até que ele encontre o host de destino. 6

7 Introdução Serviços oferecidos A camada de rede oferece serviços à camada de transporte através de suas interfaces; Objetivos: 1. Os serviços devem ser independentes da tecnologia dos roteadores; 2. A camada de transporte deve ser isolada do número, tipo e da topologia dos roteadores presentes; 3. Os endereços de rede que tornam os pacotes disponíveis para a camada de transporte devem usar um plano de numeração uniforme; Dois tipos de serviço: Não orientados à conexão; Orientados à conexão. 7

8 Introdução Serviços oferecidos Serviços não orientados à conexão: Os pacotes são injetados individualmente na rede e roteados de modo independente uns dos outros; Neste contexto os pacotes são denominados datagramas e a rede formada é denominada rede de datagramas. 8

9 Introdução Serviços oferecidos Serviços orientados à conexão: É estabelecido um caminho entre os roteadores de origem e destino antes do envio de qualquer pacote. Todos os pacotes serão enviados através deste caminho; Esta conexão é denominada circuito virtual e a rede formada é denominada rede de circuitos virtuais. 9

10 Introdução Serviços oferecidos Datagramas v.s. Circuitos Virtuais (1): Questão Rede de Datagramas Rede de Circuitos Virtuais Configuração de circuitos Desnecessária. Obrigatória. Endereçamento Informações sobre o estado Roteamento Cada pacote contém os endereços completos de origem e destino. Os roteadores não armazenam informações sobre o estado das conexões. Cada pacote é roteado independentemente. Cada pacote contém um pequeno número do circuito virtual. Cada circuito virtual requer espaço em tabelas de roteadores por conexão. A rota é escolhida quando o circuito virtual é estabelecido; todos os pacotes seguem essa rota. 10

11 Introdução Serviços oferecidos Datagramas v.s. Circuitos Virtuais (2): Questão Rede de Datagramas Rede de Circuitos Virtuais Efeitos de falhas no roteador Qualidade de serviço Controle de congestionamento Nenhum, com exceção dos pacotes perdidos durante a falha. Difícil. Difícil. Todos os circuitos virtuais que tiverem passado pelo roteador que apresentou o defeito serão encerrados. Fácil, se for possível alocar recursos suficientes com antecedência para cada circuito virtual. Fácil, se for possível alocar recursos suficientes com antecedência para cada circuito virtual. 11

12 Introdução; Algoritmos de roteamento; Algoritmos de controle de congestionamento; Qualidade de serviço; Interligação de redes; A camada de rede da Internet. ALGORITMOS DE ROTEAMENTO 12

13 Algoritmos de roteamento Tópicos Introdução; O princípio da otimização; Roteamento pelo caminho mais curto; Roteamento por inundação (Flooding); Roteamento por vetor de distâncias; Roteamento de estado de enlace; Roteamento hierárquico; Roteamentos por broadcast, multicast e anycast; Roteamento para dispositivos móveis; Roteamento em redes ad hoc. 13

14 Algoritmos de roteamento Introdução Algoritmos de roteamento constituem um dos elementos mais importantes no projeto da camada de rede; O algoritmo de roteamento é a parte do software da camada de rede que decide sobre a interface de saída a ser utilizada na transmissão de um pacote de entrada; O roteamento é o processo de preenchimento e atualização de tabelas de roteamento contidas em cada roteador; O encaminhamento é o processo que trata a chegada de cada pacote, consultando a tabela de roteamento e direcionando-o através da interface de saída (definida previamente pelo roteamento). 14

15 Algoritmos de roteamento Introdução Algoritmos de roteamento podem ser classificados em: Não adaptativos (roteamento estático): A escolha das rotas é previamente calculada na inicialização da rede; Não responde bem a falhas; Mais útil quando a escolha de rotas é óbvia (ex. apenas uma opção); Adaptativos (roteamento dinâmico): Alteram as decisões de roteamento para refletir mudanças de topologia e tráfego; 15

16 Algoritmos de roteamento O princípio da otimização Caso o roteador J esteja no caminho ótimo entre I e K, então o caminho ótimo entre J e K também está na mesma rota; O conjunto de rotas ideais de todas as origens para determinado destino formam uma árvore denominada árvore de escoamento; Como se trata de uma árvore, não contém loops, assim um pacote será entregue dentro de um limite finito de hops. 16 (a) Uma rede. (b) A árvore de escoamento para o roteador B.

17 Algoritmos de roteamento Roteamento pelo caminho mais curto Técnica simples para obter caminhos ideais a partir de uma imagem da rede; A partir de um grafo da rede (nós representam hosts e arestas representam interfaces de ligação), aplica-se um algoritmo para encontrar o caminho mais curto entre dois hosts; Métricas possíveis (pesos das arestas): Número de hops; Distância física; Tempo de retardo; Etc... 17

18 Algoritmos de roteamento Roteamento por inundação (Flooding) Cada pacote é enviado para cada interface de saída, exceto aquela pela qual ele chegou; Problema: muitos pacotes duplicados; O cabeçalho de cada pacote contém um contador de hops que é decrementado a cada hop, quando zerado o pacote é descartado; Para evitar transmitir pacotes mais de uma vez, pode ser acrescentado um número de sequência relacionado a cada origem; Utilidades: Pode ser eficiente quando existirem vários destinos; É robusto, pois geralmente encontra um caminho, podendo ser eficiente em situações de guerra ou catástrofes. 18

19 Algoritmos de roteamento Roteamento por vetor de distâncias Cada roteador mantém uma tabela contendo a melhor distância até cada destino e qual interface deve ser utilizada; Estas tabelas são atualizadas com base na troca de informações com seus vizinhos; As métricas utilizadas são variadas; Também conhecido como algoritmo de Bellmand-Ford ou Ford-Fullkerson; Usado na ARPANET até

20 Algoritmos de roteamento Roteamento por vetor de distâncias Processo de atualização: 20 (a) Topologia da rede. (b) Entrada em A, I, H, K, e nova tabela de roteamento de J.

21 Algoritmos de roteamento Roteamento por vetor de distâncias Problema da contagem ao infinito: O estabelecimento das rotas pela rede é chamado convergência; Apesar de convergir para a resposta correta, no roteamento por vetor de distâncias pode ser feito de forma lenta; Notícias boas se espalham rapidamente, as más notícias se propagam lentamente: 21 (a) A inicialmente está fora de funcionamento e reestabelece comunicação. (b) A inicialmente está em funcionamento e perde a comunicação.

22 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace O roteamento por vetor de distância leva muito tempo para convergir (decorrência da contagem ao infinito); Assim, foi substituído por um novo algoritmo, o roteamento de estado de enlace; Nele, cada roteador realiza os seguintes passos: 1. Descobrir seus vizinhos e aprender seus endereços; 2. Medir a distância (ou custo) até cada um de seus vizinhos; 3. Criar um pacote contendo tudo que acabou de aprender; 4. Enviar este pacote para todos e receber pacotes de todos os outros roteadores; 5. Calcular o caminho mais curto até cada um dos outros roteadores. 22

23 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 1. Descobrir seus vizinhos e aprender seus endereços: Um pacote HELLO é enviado; Os vizinhos respondem com um identificador; Este identificador precisa ser exclusivo; Quando determinados roteadores estão conectados em broadcast a situação é um pouco mais complexa: 23 (a) Nove roteadores e uma LAN. (b) Grafo para a rede considerando um nó virtual N para representar a LAN (um roteador é selecionado para representar N).

24 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 2. Medir a distância (ou custo) até cada um de seus vizinhos: O custo pode ser definido automaticamente ou configurado pelo administrador da rede; Automaticamente: Um pacote especial ECHO/REPLAY é enviado e devolvido imediatamente; Com o tempo de ida e volta é possível estimar o custo; Manualmente: Um exemplo é utilizar valores inversamente proporcionais à largura de banda das conexões. 24

25 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 3. Criar um pacote contendo tudo que acabou de aprender: Os pacotes devem conter: Identidade do transmissor, Número de sequência, Idade (TTL), Lista de vizinhos e seus custos; Quando criar estes pacotes? Periodicamente em intervalos regulares; Na ocorrência de eventos significativos. (a) Rede. (b) Pacotes de estado de enlace para rede (a). 25

26 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 4. Enviar este pacote e receber pacotes de todos os outros roteadores (1): Parte mais complicada do algoritmo, todos os roteadores precisam receber os pacotes de estado de enlace de forma rápida e confiável; Algoritmo mais básico: Inundação; É feito o controle de roteadores e números de sequência; Para não haver repetição de número de sequência usa 32 bits; Problemas: Falha do roteador e reinício da numeração; Erro (adulteração) do número de sequência; 26

27 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 4. Enviar este pacote e receber pacotes de todos os outros roteadores (2): Solução: incluir a idade (TTL) do pacote; Ele é decrementado a cada segundo, quando chega a 0 os dados do roteador são descartados; Aprimoramentos: Retenção do pacote de estado de enlace; Confirmação dos pacotes de estado. 27

28 Algoritmos de roteamento Roteamento de estado de enlace 5. Calcular o caminho mais curto até cada um dos outros roteadores: A partir dos pacotes de estado é possível criar o grafo da subrede; Executa-se então o algoritmo de Dijkstra localmente; Memória necessária: ordem de K * N (K vizinhos e N roteadores). 28

29 Algoritmos de roteamento Roteamento hierárquico Com o aumento do tamanho das redes, a quantidade de recursos necessários para o roteamento também crescem; Uma estratégia a ser usada é a segmentação da rede em regiões, originando o roteamento hierárquico; Isso pode acarretar em um aumento do comprimento do trajeto, mas pesquisas apontam para que esta perda não seja tão impactante; O número ideal de níveis para uma rede de N roteadores é ln N, exigindo e ln N entradas por roteador na tabela de roteamento; 29

30 Algoritmos de roteamento Roteamento hierárquico Exemplo de roteamento em uma hierarquia de dois níveis com cinco regiões: 30

31 Algoritmos de roteamento Roteamento por broadcast Em algumas aplicações os hosts necessitam enviar mensagens a muitos ou a todos os outros hosts; O envio para todos os outros hosts é denominado broadcast; Existem vários métodos; N mensagens (1 para cada destino); Roteamento para vários destinos; Inundação; Encaminhamento pelo caminho inverso (vide figura no próximo slide). 31

32 Algoritmos de roteamento Roteamento por broadcast Encaminhamento pelo caminho inverso: (a) Rede. (b) Árvore de escoamento associada ao roteador I. (c) Árvore a partir do encaminhamento inverso. 32

33 Algoritmos de roteamento Roteamento por multicast Em determinadas aplicações é necessário enviar mensagens para vários receptores; Quando o número de receptores é muito grande o roteamento por broadcast pode ser uma boa alternativa; Por outro lado, quando ele for muito pequeno, enviar uma mensagem para cada receptor pode ser uma boa alternativa; Entretanto, quando este número não é grande ou pequeno o suficiente para as duas alternativas anteriores, um outro tipo de estratégia se torna necessária => Roteamento por multicast. 33

34 Algoritmos de roteamento Roteamento por multicast Para a realização do multcasting é necessário fazer o gerenciamento dos grupos; Usaremos como premissa que o roteador sabe a que grupo pertence cada host; Cada roteador calcula uma árvore de multicasting; O encaminhamento pode ser feito realizando podas. 34

35 Algoritmos de roteamento Roteamento por multicast Exemplo: (a) Rede. (b) Spanning tree* para o roteador mais à esquerda. (c) Árvore multicast para o grupo 1. (d) Árvore multicast para o grupo 2. * Uma spanning tree é uma árvore que é um subconjunto da rede que inclui todos os roteadores mas não contém loop. Uma árvore de escoamento ou de encaminhamento inverso é uma spanning tree. 35

36 Algoritmos de roteamento Roteamento por anycast Um pacote é entregue ao membro mais próximo de um grupo => Roteamento por anycast; Usado no DNS (protocolo da camada de aplicação); Não necessita um esquema novo para o roteamento, vetor de distância e estado de enlace podem ser usados; Todos os nós de um grupo receberão o mesmo identificador. 36

37 Algoritmos de roteamento Roteamento para dispositivos móveis Muitas pessoas utilizam dispositivos conectados enquanto viajam ou se locomovem; Hosts móveis: Dispositivos sem fio em carros em movimento; Celulares com acesso a redes; Notebooks utilizados em trânsito ; Poderíamos simplesmente utilizar os algoritmos vistos anteriormente, atualizado as tabelas de roteamento à medida que o host se movimenta; O número de hosts móveis vem crescendo rapidamente e a as atualizações necessárias começam a se tornar impeditivas. 37

38 Algoritmos de roteamento Roteamento para dispositivos móveis Outra alternativa é oferecer mobilidade acima da camada de rede; Normalmente ocorre com os notebooks; Em cada local eles adquirem novo endereço; Não se faz a associação entre os diferentes endereços; Outra ideia, envolvendo a camada de redes: Usada na Internet e em redes de celulares; O host móvel informa a um host local (agente local) onde ele está naquele instante; Como o agente local deverá sempre saber onde o host móvel se encontra, ele pode ser utilizado para manter a comunicação entre outros hosts e o host móvel; Tunelamento: o agente local recebe um pacote destinado ao host móvel, encapsula este pacote em um novo pacote enviando-o ao host móvel. 38

39 Algoritmos de roteamento Roteamento para dispositivos móveis Roteamento de pacotes para dispositivos móveis: 39

40 Algoritmos de roteamento Roteamento em redes ad hoc Vimos como realizar roteamento para hosts móveis e roteadores fixos no roteamento para dispositivos móveis; Uma situação ainda mais extrema envolve também roteadores móveis. Ex.: Trabalhos emergenciais em áreas de catástrofes naturais; Veículos militares em campos de batalha; Um grupo de pessoas com notebooks em uma área sem instalações ; Nestas situações, cada nó constitui um host e um roteador, e a rede é denominada rede ad hoc ou MANET (Mobile Ad Hoc NETworks). 40

41 Algoritmos de roteamento Roteamento em redes ad hoc Vários algoritmos foram propostos: AODV (Ad Hoc On-demand Distance Vector); DSR (Dynamic Source Routing); GPSR (Greed Perimeter Stateless Routing); No AODV as rotas são calculadas sob demanda, ou seja, apenas quando são necessárias; Duas tarefas essenciais são realizadas: Descoberta de rota (figura no próximo slide); Manutenção de rota: Cada nó envia um pacote Hello, aos vizinhos; Ausência de resposta indica que não está mais ao alcance, as rotas que o utilizam são eliminadas. 41

42 Algoritmos de roteamento Roteamento em redes ad hoc Descoberta de rota de A para I: (a) Área de broadcast de A. (b) Após B e D receberem. (c) Após C, F e G receberem. (d) Após E, H e I receberem. Os nós sombreados são os novos nós receptores. As linhas tracejadas são possíveis rotas inversas. As linhas contínuas correspondem à rota descoberta. 42

43 Introdução; Algoritmos de roteamento; Algoritmos de controle de congestionamento; Qualidade de serviço; Interligação de redes; A camada de rede da Internet. ALGORITMOS DE CONTROLE DE CONGESTIONAMENTO 43

44 Algoritmos de controle de congestionamento Tópicos Introdução; Roteamento com conhecimento do tráfego; Controle de acesso; Controle de tráfego; Corte de carga. 44

45 Algoritmos de controle de congestionamento Introdução Quando há um número excessivo de pacotes trafegando pela rede podem ocorrer atrasos ou perdas que prejudicam seu desempenho; Este estado da rede é denominado Congestionamento; As camadas de rede e transporte possuem responsabilidades de lidar com congestionamento; 45

46 Algoritmos de controle de congestionamento Introdução Colapso de Congestionamento: Goodput é diferente de throughput, ele exclui os bits de overhead de protocolos. Assim, ele será sempre menor que o throughput. 46

47 Algoritmos de controle de congestionamento Introdução Controle de Congestionamento v.s. Controle de Fluxo: Controle de Congestionamento: Garantia de que a rede seja capaz de transportar o tráfego oferecido; É uma questão global, envolvendo o comportamento de toda a rede; Controle de Fluxo: Está relacionado ao tráfego entre um transmissor em particular e um receptor em particular; Garantia de que um transmissor rápido não transmita dados numa velocidade maior do que o receptor seja capaz de tratá-los. 47

48 Algoritmos de controle de congestionamento Introdução Duas formas de tratar o congestionamento: Aumentar os recursos; Reduzir a carga; Escalas de tempo para impedir o congestionamento: 48

49 Algoritmos de controle de congestionamento Roteamento com conhec. do tráfego Os algoritmos de roteamento vistos anteriormente levam em consideração apenas pesos fixos para as arestas; Outros fatores (variáveis) podem ser levados em consideração: Carga (número de pacotes); Atraso de propagação; Atraso médio de enfileiramento; Assim, caminhos com menor peso favorecerão caminhos menos sobrecarregados. 49

50 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de acesso Técnica usada em redes de circuitos virtuais; A ideia é simples: não monte um novo circuito virtual a menos que a rede possa transportar o tráfego adicional sem ficar congestionada; Assim, a tarefa é estimar quantos circuitos caberão dentro da capacidade da rede sem causar congestionamento. 50

51 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de acesso O controle de acesso pode ser combinado ao roteamento com conhecimento de tráfego: Considera-se rotas em torno dos pontos críticos como parte do estabelecimento de uma conexão; (a) Rede congestionada. (b) Parte da rede sem congestionamento. Circuito virtual existente entre A e B. 51

52 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de tráfego Outra estratégia para contornar o congestionamento é fazer com que os transmissores reduzam suas transmissões em situações críticas (prevenção de congestionamento); Dois problemas precisam ser resolvidos (1): Determinar quando o congestionamento é iminente; Os roteadores precisam notificar os transmissores que estejam causando o congestionamento em tempo hábil. 52

53 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de tráfego Dois problemas precisam ser resolvidos (2): Determinar quando o congestionamento é iminente: Monitoramento dos recursos da rede: Médias de utilização dos enlaces de saída; Enfileiramento de pacotes em buffer*; Número de pacotes perdidos em função de buffering insuficiente; Os roteadores precisam notificar os transmissores que estejam causando o congestionamento em tempo hábil. * Das 3 alternativas a segunda é mais útil. A 1ª não está diretamente relacionada ao congestionamento, uma média de 50% de utilização do enlace pode ser pouco para um tráfego constante, mas pode ser muito para um tráfego altamente variável. Na 3ª o congestionamento já estará ocorrendo quando os pacotes forem perdidos. 53

54 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de tráfego Dois problemas precisam ser resolvidos (3): Determinar quando o congestionamento é iminente; Os roteadores precisam notificar os transmissores que estejam causando o congestionamento em tempo hábil: Os roteadores precisam identificar os transmissores corretos e notificá-los sem sobrecarregar uma rede que já está congestionada (ou prestes a ficar); Estratégias (exemplos a seguir): Pacotes Reguladores; Pacotes reguladores Hop a Hop; Notificação explícita de congestionamento. 54

55 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de tráfego Pacotes reguladores: (a) Um pacote regulador que afeta apenas a origem. (b) Um pacote regulador que afeta cada hop pelo qual passa. 55

56 Algoritmos de controle de congestionamento Controle de tráfego Notificação explícita de congestionamento: Não envia pacotes adicionais; Ao invés disso, marca um pacote que ao chegar ao destino será utilizado para alertar a necessidade de notificação ao transmissor; A notificação será então adicionada em um pacote de resposta do receptor ao transmissor; 56

57 Algoritmos de controle de congestionamento Corte de carga Quando os roteadores estão inundados de pacotes que não podem manipular, eles simplesmente os descarta; Quais pacotes descartar? Vinho: quanto mais velho melhor: Ex.: Transferência de arquivo; Leite: quanto mais novo melhor: Ex.: Mídia em tempo real; Prioridade: Ex.: Pacotes com informações de roteamento são mais importantes que pacotes de dados; A próprias aplicações podem marcar seus pacotes com uma indicação de sua importância; Como garantir idoneidade? Detecção Aleatória Prematura; 57

58 Introdução; Algoritmos de roteamento; Algoritmos de controle de congestionamento; Qualidade de serviço; Interligação de redes; A camada de rede da Internet. QUALIDADE DE SERVIÇO 58

59 Qualidade de serviço Tópicos Introdução; Requisitos da aplicação; Modelagem de tráfego; Listagem de pacotes; Controle de acesso; Serviços integrados; Serviços diferenciados. 59

60 Qualidade de serviço Introdução As técnicas anteriores foram projetadas para reduzir o congestionamento e melhorar o desempenho da rede; Algumas aplicações exigem garantia de desempenho mais altas do que o melhor que se pode fazer em um momento; A atenção agora está em oferecer uma qualidade de serviço adequada às necessidades das aplicações. 60

61 Qualidade de serviço Introdução Um solução seria a sobreposição: montar uma rede com capacidade suficiente para qualquer tráfego exigido dela; Entretanto, esta solução é muito cara, além de ser dependente de estimativas de tráfego futuro (se o padrão mudar ela pode não atender mais); Os mecanismos de qualidade de serviço permitem que uma rede com menos capacidade atenda aos requisitos da aplicação da mesma forma. 61

62 Qualidade de serviço Introdução Quatro aspectos devem ser resolvidos para garantir a qualidade de serviço: 1. Quais aplicações da rede são necessárias; 2. Como regular o tráfego que entra na rede; 3. Como reservar recursos nos roteadores para garantir desempenho; 4. Se a rede pode aceitar mais tráfego com segurança. 62

63 Qualidade de serviço Requisitos da aplicação Uma sequência de pacotes de uma origem para um destino é denominada fluxo; Não confundir fluxo com rota; Quatro parâmetros podem caracterizar as necessidades de um fluxo: 1. Largura de banda; 2. Atraso; 3. Flutuação (variação do atraso); 4. Perda; Estes parâmetros definem o QoS (Quality of Service) para o fluxo. 63

64 Qualidade de serviço Requisitos da aplicação Rigidez de requisitos de QoS de diferentes aplicações: Aplicação Largura de Banda Atraso Flutuação Perda Correio eletrônico Baixa Baixa Baixa Média Transf. de arquivos Alta Baixa Baixa Média Acesso à Web Média Média Baixa Média Login remoto Baixa Média Média Média Áudio por demanda Baixa Baixa Alta Baixa Vídeo por demanda Alta Baixa Alta Baixa Telefonia Baixa Alta Alta Baixa Videoconferência Alta Alta Alta Baixa 64

65 Qualidade de serviço Requisitos da aplicação Categorias de suporte a QoS: 1. Taxa de bits constante: Largura de banda e atraso uniformes; Ex.: telefonia; 2. Taxa de bits variável de tempo real: Quando os pacotes podem variar em tamanho (compactação de vídeo por exemplo); Ex.: Videoconferência; 3. Taxa de bits variável não de tempo real: Pacotes podem variar de tamanho mas não exige tempo real; Ex.: Streamming de vídeo; 4. Taxa de bits disponível: Aplicações não sensíveis a atraso ou flutuação; Ex.: Correio eletrônico. 65

66 Qualidade de serviço Modelagem de tráfego Em redes de dados o tráfego é caracterizado por rajadas, que são mais difíceis de lidar do que redes de tráfego constante; As rajadas podem encher os buffers e causar perdas de pacotes; A modelagem de tráfego é uma técnica relacionada à regulagem da taxa média de fluxo de dados que entra na rede; Quando um fluxo é configurado o usuário e a rede concordam com um determinado padrão de tráfego: Acordo de nível de serviço SLA (Service Level Agreement); Os pacotes que excedem o padrão acordado podem ser descartados ou serem marcados com baixa prioridade; O monitoramento do fluxo é denominado controle de tráfego; 66

67 Qualidade de serviço Modelagem de tráfego Algoritmos Leaky e Token bucket: (a) Modelagem de pacotes. (b) Leaky bucket. (c) Token bucket. 67

68 Qualidade de serviço Listagem de pacotes Para oferecer garantia de desempenho é necessário reservar recursos suficientes ao longo da rota percorrida pelos pacotes; Para isso, deve-se considerar que todos os pacotes de um fluxo seguem uma rota fixa: É difícil garantir qualidade se os pacotes percorrem rotas diferentes; Desta forma, algo semelhante a um circuito virtual será feito para todos os pacotes de um fluxo. 68

69 Qualidade de serviço Listagem de pacotes Os algoritmos que realizam a tarefa de alocar recursos de roteadores para os fluxos de pacotes são denominados algoritmos de escalonamento de pacotes; Três tipos de recursos podem ser reservados: 1. Largura de banda; 2. Espaço em buffer; 3. Ciclos de CPU. 69

70 Qualidade de serviço Listagem de pacotes Algoritmo de enfileiramento ordenado com rodízio de filas: Problemas: Oferece mais largura de banda para pacotes maiores; Todos os hosts possuem a mesma prioridade. 70

71 Qualidade de serviço Listagem de pacotes Algoritmo de enfileiramento ordenado com rodízio de filas ponderado (WFQ Weighted Fair Queueing): Rodízio é byte a byte e não pacote a pacote; Hosts com maior prioridade podem transmitir mais bytes. 71 (a) Rodízio de filas ponderado. (b) Tempo final dos pacotes.

72 Qualidade de serviço Controle de acesso Até aqui estudamos elementos necessários para a QoS, agora é hora de reuni-los para realmente oferecer QoS; No controle de acesso para regular o congestionamento procurávamos uma garantia de desempenho, mesmo que fraca; Agora, no controle de acesso para QoS as garantias são mais fortes: O usuário fornece à rede um fluxo com um requisito de QoS desejado (especificação de fluxo): Taxa e tamanho de token bucket; Taxa de dados de pico; Tamanho mínimo e máximo de pacote. 72

73 Qualidade de serviço Controle de acesso As reservas de recursos devem ser feitas em toda a rota; Muitos algoritmos de roteamento encontram o melhor caminho entre uma origem e destino e direciona todo o tráfego por ele; Muitos fluxos podem ser rejeitados por não haver recursos de reserva suficientes para atender o fluxo pelo melhor caminho; Roteamento por QoS: definir rotas diferentes que tenham capacidade de sobra para atender aos fluxos. 73

74 Qualidade de serviço Controle de acesso Algumas aplicações podem flexibilizar a especificação de fluxo: Exemplo: Uma aplicação de streaming de vídeo que normalmente utiliza 30 quadros/segundo pode reduzir a taxa do vídeo para 25 quadros por segundo caso a rede não possua recursos suficientes; Negociação de fluxo: Envolvidos: transmissor, receptor e roteadores intermediários; O transmissor prepara uma especificação de fluxo e o propaga através da rota; Cada roteador avalia e modifica os parâmetros conforme sua capacidade; Quando a especificação chega à outra extremidade os parâmetros podem ser estabelecidos. 74

75 Qualidade de serviço Serviços integrados Surgiram por iniciativa da IETF (Internet Engineering Task Force), nas RFCs 2205 a 2212 para a criação de uma arquitetura para streaming de multimídia; Tinha como foco aplicações unicast e multicast; Protocolo RSVP (Resource reservation Protocol) (1): Parte principal da arquitetura; Trata-se de um protocolo de reserva de recursos; Utiliza roteamento multicast com spanning trees; 75

76 Qualidade de serviço Serviços integrados Protocolo RSVP (Resource reservation Protocol) (2): Uma rede em que 1 e 2 são transmissores e 3, 4 e 5 são receptores: 76 (a) Rede. (b) A spanning tree multicast para o host 1. (c) A spanning tree multicast para o host 2.

77 Qualidade de serviço Serviços integrados Protocolo RSVP (Resource reservation Protocol) (3): Processo de reserva: (a) O host 3 solicita um canal para o host 1. (b) O host 3 então solicita um canal para o host 2. (c) O host 5 solicita um canal para o host 1. 77

78 Qualidade de serviço Serviços diferenciados Os algoritmos baseados em fluxo têm uma desvantagem por necessitar realizar uma configuração antecipada para estabelecer cada fluxo; Quando existem muitos fluxos este problema é potencializado; Assim, a IETF procurou uma alternativa para resolver esta questão; Surgiram os Serviços Diferenciados (SD), descritos nas RFCs 2474, 2475, e outras. 78

79 Qualidade de serviço Serviços diferenciados Esta técnica é conhecida como QoS baseada em classe; Um conjunto de classes de serviço são definidas com regras de encaminhamento correspondentes; Um cliente utilizando o DS terá seus pacotes marcados com a classe correspondente; A reserva de recursos é feita para uma classe de pacotes; O tráfego de uma classe deve seguir uma forma específica. 79

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Camada de Rede. Agenda INTRODUÇÃO

Camada de Rede. Agenda INTRODUÇÃO BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto CAMADA DE REDES PARTE II Fabrício Pinto Interligação de Redes 2 Supomos até agora uma única rede homogênea Máquinas usando o mesmo protocolo Suposição muito otimista Existe muitas redes diferentes LANs,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.» Roteadores são os dispositivos responsáveis pelo recebimento

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Figura 4.1 Principais componentes de uma rede

Figura 4.1 Principais componentes de uma rede Apostila de Redes de Computadores - Capítulo 4 página 1 de 51 Capítulo 4 - A camada de rede A camada de rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. Chegar ao destino pode

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3

Prefixo a ser comparado Interface 1 0 10 1 111 2 Senão 3 PEL/FEN Redes de Computadores 015/1 Segunda Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os principais serviços providos pela camada rede. ) Cite as diferenças entre datagrama e circuito

Leia mais

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros Endereço IP Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Endereços de interfaces e sub-redes (fonte: Kurose) No ex.,

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Djamel Sadok DI-UFPE jamel@di.ufpe.br

Djamel Sadok DI-UFPE jamel@di.ufpe.br Nível de Redes Djamel Sadok DI-UFPE jamel@di.ufpe.br 1 Nível de Redes Funções do Nível da Rede Estabelecimento de um caminho de conexão entre entidades de transporte usando circuitos virtuais e datagramas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA:

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE Profº Alexsandro M. Carneiro Outubro - 2005 ESTUDOS REALIZADOS Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Camada de Rede Camada Física

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Sub-redes NAT CIDR Protocolos de controle Sub-redes Todos os hosts de uma rede devem ter o mesmo número de rede Ex.: Universidade pega endereço de classe

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2.

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2. 21. A empresa ALPHA possui uma classe C para endereçamento de rede IP e usa como máscara o valor 255.255.255.224, para definir suas sub-redes. A quantidade máxima de equipamentos que podem estar conectados

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Além do IP, que é usado para a transferência de dados, a Internet tem diversos protocolos de controle usados na camada de rede.

Além do IP, que é usado para a transferência de dados, a Internet tem diversos protocolos de controle usados na camada de rede. Redes de Computadores 02 Camada De REDE Parte 04 Márcia Baltar Vieira marciabv@gmail.com 1 Redes de Computadores 02 Objetivos Gerais Objetivos do Material: Além do IP, que é usado para a transferência

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais