ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) - TELEBRÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) - TELEBRÁS"

Transcrição

1 ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) - TELEBRÁS Objeto: Contratação, mediante registro de Preços, de solução de rede de comunicação de dados em protocolo IP/MPLS, referente ao CORE IP e respectivo planejamento técnico. HUAWEI DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES LTDA, já qualificada nos autos do procedimento licitatório em referência, vem, respeitosamente, perante V. Sa., por seu representante subscrito ao final, com fundamento no art. 4º, inciso XVIII, da Lei nº /2002 e no item 14.1 do Edital do certame, interpor o presente RECURSO ADMINISTRATIVO em face da respeitável decisão proferida pelo il. Pregoeiro, que declarou a MEDIDATA INFORMÁTICA S/A vencedora do certame, após desclassificação da proposta da ora Recorrente, apresentada em valor inferior, pelos fundamentos de fato de direito a seguir aduzidos. Pugna a Recorrente pela reconsideração da decisão pelo nobre Pregoeiro, ou, caso assim não se entenda, pelo encaminhamento do apelo à autoridade superior para decisão final, nos moldes do item do edital. 1

2 1. DA TEMPESTIVIDADE E DO INTERESSE RECURSAL A decisão que declarou a sociedade empresária MEDIDATA INFORMÁTICA S/A como vencedora do certame foi inserida no sistema em (segunda-feira). A intenção de recorrer foi formalizada no mesmo dia, ao tempo e modo previstos no edital, a fim de viabilizar o manejo do presente recurso, nos termos do art. 4º, inciso XX, da Lei nº /2002 e dos itens 14.1 e 14.2 do Edital. Sendo assim, o prazo legal de três dias, fixado no art. 4º, XVIII, da Lei nº /2002 e no item 14.1 do Edital, somente teria fim em (quintafeira), data esta não ultrapassada pela interposição do presente recurso. Portanto, afigura-se tempestivo e regular o apelo. O interesse jurídico se afigura evidente, eis que a ora Recorrente apresentou a proposta com o melhor preço e terminou por ser desclassificada do certame, inadequadamente, como será evidenciado a seguir. Nesse contexto, o acolhimento do presente recurso, em sua integral extensão, tal como se espera, tem o condão de desclassificar a proposta da concorrente MEDIDATA e de reverter a desclassificação da ora Recorrente, a fim de que seja declarada vencedora do certame. De outro lado, a lei estabelece a legitimidade recursal ampla, no ponto, ao asseverar que (...) qualquer licitante poderá manifestar imediata e motivadamente a intenção de recorrer (...). (art. 4º, inciso XVIII, da Lei nº /2002). Assim, demonstrados os requisitos essenciais ao conhecimento do recurso, urge explicitar as razões de reforma da decisão. 2

3 2. DA DECISÃO ATACADA E DAS RAZÕES PARA SUA REFORMA Por meio da decisão ora combatida, o digno Pregoeiro declarou a empresa MEDIDATA vencedora do pregão eletrônico, após a desclassificação da proposta da ora Recorrente, HUAWEI DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES LTDA, que apresentou proposta com melhor preço, que consubstanciaria economia substancial à contratante, superior a R$ ,00 (SETE MILHÕES E QUINHENTOS MIL REAIS). Ocorre que, na visão da Recorrente, sua desclassificação não se sustenta juridicamente e a proposta declarada vencedora (MEDIDATA) não preenche os requisitos técnicos estabelecidos pelo Edital. 2 - A) DO EQUÍVOCO DA DESCLASSIFICAÇÃO DA RECORRENTE A desclassificação da ora Recorrente, com todo o respeito, decorreu de equívoco do douto pregoeiro, como será a seguir evidenciado, eis que os vícios apontados na proposta da HUAWEI DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES LTDA, decorreram de inadequada análise da proposta e da documentação encaminhada ou poderiam ter sido sanados no curso do procedimento, preservando-se a proposta financeira substancialmente mais favorável à TELEBRÁS. A partir de análise detida da proposta e dos demais documentos encaminhados, percebe-se que a proposta da ora Recorrente se revela adequada e atende a todas as exigências técnicas postas no edital, sobretudo à vista dos instrumentos contidos no próprio edital e na legislação de regência para o esclarecimento de dúvidas quanto às características do produto/serviço proposto pela licitante. 3

4 Como se sabem há a possibilidade de saneamento da proposta pelo próprio pregoeiro, tal como prevê o item 26.3 do edital, eis que se têm em mira falhas que não alteram a substância da proposta. Confira-se e disposição expressa do edital, verbis: 26.3 No julgamento da habilitação e das propostas, o pregoeiro poderá sanar erros ou falhas que não alterem a substância das propostas, dos documentos e sua validade jurídica, mediante despacho fundamentado, registrado em ata e acessível a todos, atribuindo-lhes a eficácia para fins de habilitação e classificação. Noutro giro, o edital, afinado com o princípio da instrumentalidade das formas, também é claro em assentar que o desatendimento de exigências formais não importará a exclusão da licitante, ipsis litteris: 26.9 O desatendimento de exigências formais não essenciais não importará o afastamento da LICITANTE desde que seja possível o aproveitamento do ato, observados os princípios da isonomia e do interesse público nos termos do 2º do art. 26 do Decreto nº 5.450/2005. E por fim, não se pode deixar de observar a salutar prerrogativa conferida ao pregoeiro (item 26.1 do edital), inerente à direção do procedimento licitatório, de promover diligências, tendentes a obter maiores informações ou esclarecimentos referentes à proposta, evitando a desnecessária e injusta desclassificação de licitantes com plenas condições de execução do objeto licitado. No tocante à promoção de diligências não realizadas no caso confira-se a lição da doutrina especializada, verbis: 4

5 É absolutamente legítimo ao pregoeiro interromper a sessão a fim de serem realizadas diligências. Estas têm o objetivo de esclarecer alguma dúvida do pregoeiro que não possa ser resolvida durante a própria sessão. Evidente que o pregoeiro deve adotar todas as providências a fim de evitar a interrupção da sessão pública. Todavia, se a realização de diligências for indispensável, poderá a sessão pública ser interrompida a fim de, por exemplo, o pregoeiro verificar se o bem fornecido pelo vencedor atende às especificações do edital, ou mesmo para esclarecer algum fato pertinente à documentação apresentada pelo vencedor acerca de sua habilitação. Realizada a diligência e esclarecidos os fatos que a justificaram, deverá o pregoeiro notificar os licitantes sobre a data, horário e local onde será dado prosseguimento à sessão pública A partir desse contexto se espera a apreciação do presente recurso, formulado a partir da indicação individualizada dos vícios apontados pelo digno pregoeiro, acompanhados das razões para o afastamento da falha tida por existente e das informações disponíveis para os produtos e/ou serviços ofertados, constantes do inteiro teor da proposta ou mesmo estampadas no site da fabricante. Vejamos! 2.A.1) Pregoeiro fala: (10/12/ :25:46) Para o item GR1-IT5-AE38 Deverá implementar o Rate Shapping Bidirecional (Ingress e Egress) com granularidade a partir de 64K bit/s por porta embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap5.7.6 Traffic Shaping, pag 141, segundo parágrafo), não foi encontrada a evidência quanto a granularidade do shapping a partir de 64K bit/s. A comprovação desse item pode ser encontrada em documento diferente do especificado no ponto-a-ponto de comprovações, porém enviado juntamente com a proposta. Ou seja, com o exame do documento Command Reference NE40E.htm, QoS Commands, HQoS Configuration Commands, encaminhado com a proposta, percebe-se a adequação do equipamento ofertado na proposta. 5

6 Para que não fique qualquer dúvida quanto ao ponto, seguem a as informações constantes do mencionado documento: share-shaping Function Using the share-shaping command, you can configure a traffic shaping rate in the flow queue (FQ) template for the overall traffic of multiple FQs. Using the undo share-shaping command, you can cancel the traffic shaping rate that is configured for the overall traffic of multiple SQs. Format share-shaping cos-value &<2 8>shaping-value undo share-shaping Parameters cos-value: specifies the priority of an FQ. The value can be af1 to af4, be, cs6, cs7, or ef. shaping-value: specifies the traffic shaping rate for the overall traffic of multiple SQs. The value is an integer that ranges from 1 to , in kbit/s. Flow queue view 2: Configuration level Views Default Level Usage Guidelines In the multi-play service, rate limit needs to be implemented on multiple services from a family as a whole. This command is used to implement traffic shaping on the overall traffic of at least two SQs. Example # In the SQ template named test, set the shaping rate for the overall traffic of AF1 and EF to 1000 kbit/s. <HUAWEI> system view [HUAWEI] flow-queue test [HUAWEI-flow-queue-template-test] share-shaping af1 ef 1000 Parent topic: HQoS Configuration Commands Related Topics flow-queue Huawei Proprietary and Confidential Copyright Huawei Technologies Co., Ltd. 6

7 2.A.2) Pregoeiro fala: (10/12/ :25:16) Para os itens GR1-IT2-BG23, GR1-IT3-BG23, GR1-IT4-BG23, GR1-IT5-BG23, GR1-IT6-BG23 e GR1-IT7-BG23 Implementar ibgp multipath com pelo menos 8 caminhos embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Command Reference - NE40E, IP Routing Commands, BGP Configuration Commands, maximum load-balancing (BGP)), o número máximo apontado pelo comando é limitado por licença... Não obstante as considerações do digno pregoeiro, a partir da análise da proposta e da documentação apresentada pela ora Recorrente, percebe-se que todas as licenças pertinentes para o atendimento ao edital foram ofertadas. Em relação à licença específica de load-balancing BGP é oportuno esclarecer que não há qualquer custo adicional ao cliente especificado na proposta quanto ao ponto. Por fim, a quantidade de load-balancing BGP é indicada de forma clara, ou seja, suporta até 16 caminhos. Destacam-se as informações disponíveis do equipamento: maximum load-balancing eibgp Function Using the maximum load-balancing eibgp command, you can configure the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing. Using the undo maximum load-balancing eibgp command, you can remove the configured maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing. By default, the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing is not configured. Format maximum load-balancing eibgp number undo maximum load-balancing eibgp Parameters number: specifies the maximum number of equal-cost EBGP routes and IBGP routes. It is an integer that ranges from 1 to 16. 7

8 NOTE: The maximum number of equal-cost routes varies with different products and different protocols. The maximum value can be adjusted by purchasing licenses. Views BGP-VPN instance view Default Level 1: Monitoring level Usage Guidelines After the maximum load-balancing eibgp command is run in the BGP-VPN instance view, load balancing is performed among equal-cost BGP private routes, irrespective of route types, EBGP or IBGP. Example # Set the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing to 3. <HUAWEI> system-view [HUAWEI] bgp 100 [HUAWEI-bgp] ipv4-family vpn-instance vpna [HUAWEI-bgp-vpna] maximum load-balancing eibgp 3 Parent topic: BGP Configuration Commands 2.A.3) Pregoeiro fala: (10/12/ :23:58) Para os itens GR1-IT2-BG22, GR1-IT3-BG22, GR1-IT4-BG22, GR1-IT5-BG22, GR1-IT6-BG22 e GR1-IT7-BG22 Implementar ebgp multipath com pelo menos 8 caminhos embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Command Reference - NE40E, IP Routing Commands, BGP Configuration Commands, maximum load-balancing (BGP))... Pregoeiro... o número máximo apontado pelo comando é limitado por fala: licença e o valor máximo que a licença pode prover não foi (10/12/2010 encontrado na referida documentação. 15:24:15) Como explicitado no item anterior, a partir da análise da proposta e da documentação apresentadas pela ora Recorrente, percebe-se que todas as licenças pertinentes para atendimento ao edital foram ofertadas. Em relação à licença específica de load-balancing BGP é oportuno esclarecer que não há qualquer custo adicional ao cliente especificado na proposta quanto ao ponto. 8

9 Por fim, a quantidade de load-balancing BGP é indicada de forma clara, ou seja, suporta até 16 caminhos. Destacam-se as informações disponíveis do equipamento: maximum load-balancing eibgp Function Using the maximum load-balancing eibgp command, you can configure the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing. Using the undo maximum load-balancing eibgp command, you can remove the configured maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing. By default, the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing is not configured. maximum load-balancing eibgp number undo maximum load-balancing eibgp Format Parameters number: specifies the maximum number of equal-cost EBGP routes and IBGP routes. It is an integer that ranges from 1 to 16. NOTE: The maximum number of equal-cost routes varies with different products and different protocols. The maximum value can be adjusted by purchasing licenses. BGP-VPN instance view 1: Monitoring level Views Default Level Usage Guidelines After the maximum load-balancing eibgp command is run in the BGP-VPN instance view, load balancing is performed among equal-cost BGP private routes, irrespective of route types, EBGP or IBGP. Example # Set the maximum number of EBGP and IBGP routes that perform load balancing to 3. <HUAWEI> system-view [HUAWEI] bgp 100 [HUAWEI-bgp] ipv4-family vpn-instance vpna [HUAWEI-bgp-vpna] maximum load-balancing eibgp 3 Parent topic: BGP Configuration Commands 9

10 2.A.4) Pregoeiro fala: (10/12/ :22:54) Pregoeiro fala: (10/12/ :23:35) Para os itens GR1-IT2-CD13, GR1-IT3-CD12, GR1-IT4- CD12, GR1-IT5-CD12 e GR1-IT6-CD8 Possuir capacidade para 500 mil labels MPLS (LFIB) por sistema embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap83 Service Performance Specifications, pag 212, Table 8-9, MPLS), não foi localizada informação clara que elucidasse precisamente o número de labels MPLS suportado pelo equipamento (LFIB). Com todo o respeito, o vício apontado pelo pregoeiro não constitui fundamento hábil a justificar a desclassificação da proposta da ora Recorrente. A informação tida como faltante encontra-se disponibilizada no site da fabricante indicado na documentação para consulta como fonte de dados mais atualizados do produto - para livre e irrestrita consulta, como se observa dos seguintes endereços eletrônicos: ou Para extirpar qualquer incerteza quanto ao ponto, confira-se a clareza das informações disponibilizadas: 10

11 Cumpre explicitar, desde logo, que não há qualquer óbice à consulta, pelo pregoeiro, dos web sites dos fabricantes de produtos ofertados, para informações mais específicas e o esclarecimento de dúvidas porventura existentes. Tal postura, ao revés, compatibiliza-se com a direção do procedimento licitatório, eis que, como se sabe, cabe ao pregoeiro verificar a conformidade da proposta com os requisitos estabelecidos no instrumento convocatório. (art. 11, IV, do Decreto nº 5.450/2005). De outro lado, é certo que para a perfeita apreciação das propostas, é dado ao ilustre pregoeiro proceder diligências (art. 43, 3º, da Lei nº 8.666/93 e item 26.1 do edital), a fim de obter maiores informações ou esclarecimentos referentes aos produtos ou serviços ofertados. 11

12 Ademais, a verificação do site dos fabricantes, quando pertinente como no caso - prestigia, inclusive, o princípio da eficiência, almejado pela Administração Pública (art. 37, caput, da Constituição Federal de 1988), eis que, como cediço, é a fonte mais atualizada de informações sobre os produtos na área da informática. Nesse quadro, as informações constantes do web site da fabricante, antes explicitadas, assentam a adequação do produto ofertado às exigências do edital, revelando-se inadequada a desclassificação da Recorrente, no ponto. 2.A.5) Pregoeiro fala: (10/12/ :22:14) Para o item GR1-IT3-GI27 Suportar interface 100GE padrão IEEE 8023ba o texto postado (Ciente e de acordo. Vide Descritivo Técnico em Escopo de fornecimento) não faz referência a nenhum documento técnico. Embora exista a cotação da placa, nos documentos enviados e usualmente citados, bem como na declaração de atendimento de requisitos técnicos, não foi encontrada nenhuma referência de conformidade ou suporte ao padrão 802.3ba. Com todo o respeito, o vício apontado pelo pregoeiro não constitui fundamento hábil a justificar a desclassificação da proposta da ora Recorrente. A informação tida como faltante encontra-se disponibilizada no site da fabricante indicado na documentação para consulta como fonte de dados mais atualizados do produto - para livre e irrestrita consulta, como se observa do seguinte endereço de atendimento ao padrão IEEE 802.3ba (placas LPUF-100): edg_solution_whitebook.do Para extirpar qualquer incerteza quanto ao ponto, confira-se a clareza das informações disponibilizadas: Introduction to the Technologies in Implementing Huawei End-to-End 100G Solution The IEEE, ITU-T, and OIF are three standardization organizations that address the 100G standards. Huawei is the chief contributor to the 100G standard. Huawei puts forward at least 10 proposals covering the fields such as 100GE PCS model and OTN mapping to the IEEE 12

13 and at least 30 proposals covering the applications such as ODU4 mapping structure to the ITU-T SG15. Besides that, Huawei cooperates with the ITU-T SG15 to advance the OTN standardization and has a seat to the edition of the G.709. Huawei makes a number of innovations in the 100G application and applies the 100G standard to its products. 1. Solar 2.0 PFE2A: 100 Gbit/s Packet Forwarding Engine Currently, the 20/40G LPUs adopting the Huawei-developed Solar Application Specific Integrated Circuit (ASIC) chip Solar 1.0 are commercially deployed in a large scale and are sold more than 100,000 units. The 100GE LPU, as shown in Figure 2, adopts the Solar 2.0 PFE2A chip and has the advantages of flexible application of services, high performance, and low-power consumption.the Solar 2.0 PFE2A chip is developed based on the Macro Instruction for Packet Processing, a technology specialized in the process of IP/MPLS/ETH packets. Compared with the network processor, the Solar 2.0 PFE2A chip has the characteristics of flexible application of services, high performance, and low-power consumption GE LPU Solutions100G WDM Code Modulation Technology Based on the IEEE 802.3ba standard, Huawei provides two types of 100GE LPUs, namely, 1x100GE LPUF-100 (Figure 3) and 10x10GE LPUF-100 (Figure 4), which are used in different application scenarios. The 100GE LPU adopts two Solar 2.0 PFE2As as forwarding engines, one of which processes 100 Gbit/s upstream traffic and the other processes 100 Gbit/s downstream traffic. In this manner, the Solar 2.0 PFE2A ensures the traffic forwarding at the wire speed of 100 Gbit/s, as shown in Figure 5. The Physical Interface Card (PIC) module is based on the programmable 100GE MAC chip that is developed by Huawei, and supports IEEE 802.3ba, S-Eth, IEEE 1588v2, and ODU4. The built-in output Traffic Management (otm) engine enables five-level Hierarchical QoS (HQoS) scheduling of the downstream traffic. The 1x100GE LPU supports a Forwarding Information Base (FIB) with the capacity of 4MB, fully meeting the requirement of IP network expansion. The 100GE interface supports Compact Form Factor Pluggable Multi-Source Agreement (CFP MSA), which implements the plug and play function of optical modules. 13

14 3. 100G WDM Code Modulation Technology Advanced code modulation technology is the key to realizing ultra-long-haul and largecapacity WDM transmission technology. Having years of technological experience and industry's leading experts, Huawei develops advanced code modulation technologies such as OPFDM-DQPSK, opdm-dqpsk, and epdm-qpsk. The OPFDM-DQPSK technology, through polarization control, effectively reduces the non-linear effects in the high-speed Denseness Wavelength Division Multiplexing (DWDM) system, and realizes the ultra-haul transmission over 1200 km. The opdm-dqpsk technology, through advanced algorithms and hardware, realizes fast optical polarization tracing and the transmission of 80 wavelengths at 100 Gbit/s. The epdm-qpsk technology is a product of a series of key innovative technologies, including coherence detection, high-speed Analog Digital Conversion (ADC), and high-speed Digital Signal Processing (DSP). Among these technologies, the DSP chip, with the help of advanced algorithms, realizes polarization tracing, phase, clock, and data recovery, dispersion compensation, and Polarization Mode Dispersion (PMD) compensation. The epdm-qpsk technology can realize the transmission of 80 wavelengths over 1500 km at 100 Gbit/s, and has a great tolerance of dispersion and PMD. 4. High-gain FEC Technology The high-gain Forward Error Correction (FEC) technology is a key to the implementation of ultra-haul transmission. To prevent the damage caused by noises to optical signals, it is required that the 100G system should support higher-gain FEC technology. Therefore, Huawei develops the FEC algorithm with high gain and low-power consumption, which reduces the impact of optical signal damage and ensures ultra-haul transmission. ou 14

15 ou ou Nesse quadro, as informações disponíveis no web site da fabricante (que podem e devem ser consideradas para a avaliação da proposta, tal como explicitado no item anterior!), assentam a adequação do produto ofertado às exigências do edital, revelando-se inadequada a desclassificação da Recorrente, no ponto. 2.A.6) Pregoeiro fala: (10/12/ :21:09) Para o item GR1-IT3-CD1 - Possuir capacidade de comutação por slot de interfaces igual ou superior a 100 Gbps (full-duplex). - embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap821 NE40E-X16, pag 209, Table 8-5), não foi localizado um valor que deixasse clara a capacidade de comutação por slot oferecida pelo equipamento. 15

16 Pregoeiro fala: (10/12/ :21:45) Pregoeiro fala: (10/12/ :22:01) Com base na documentação enviada Hardware Description NE40E, Cap2.4.2 CR5DSFUI407B, pag 59, existe a indicação de que a capacidade do sistema é de 2.56 Tbits/s (half-duplex) e 1.28Tbits/s (full-duplex) provida pelo somatório (load-balance) das 4 SFU s (Switching Fabric Unit) que proporcionam 320Gbit/s cada. Por conseguinte, a divisão da capacidade total de comutação full-duplex (1.28Tbits) pela quantidade de slots do equipamento (16) resulta em uma capacidade de comutação por slot de 80Gbps. Diante do exposto, verifica-se uma inconsistência de informação entre as documentações apresentadas. A capacidade de switching dos roteadores NE40E-X16 é de 400G por slot, conforme se depreende de documento enviado juntamente com a proposta. Nesse sentido, confiram-se as informações postas no documento Product Brochure - NE40E Universal Service Router.pdf, Cap. 2 Product Highlights, pág. 4 : 16

17 Outra referência clara de que o equipamento suporta 400Gbit/s por slot pode ser encontrada no documento Product Description - NE40E.pdf, Cap. 1.2 Benefits, pág. 24, Compatibility and Extensibility, primeiro marcador, também encaminhado com a proposta: 2.A.7) Pregoeiro fala: (10/12/ :20:34) Para os itens GR1-IT6-GR2 e GR1-IT7-GR6 Possuir redundância de sistema de resfriamento/ventilação embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap3.3.2 FAN, pag 53), existe indicação de apenas um módulo de FAN sem rendundância; Embora a figura constante de documento anexada mostrar apenas um FAN para o NE40E-X3, é fato que o roteador NE40E-X3 suporta 2 módulos de FANs, conforme documento fornecido juntamente com a proposta Hardware description NE40E, páginas 115 ou 4-11 e 116 ou Confiram-se as especificações do produto: 17

18 18

19 2.A.8) Pregoeiro fala: (10/12/ :19:20) Para o item GR1-IT5-AE2 Possuir capacidade para endereços MAC por sistema embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap8.4 System Features, pag 212, Table 8-9, Layer 2 features), o valor em questão é de apenas ; Conforme se pode constatar do documento Product Description - NE40E, pág. 212, cap. 8.9, tabela 8-9, linha MAC entries (dynamic and static), é efetivamente indicada a quantidade de endereços MAC suportados por cartão de interface (LPU line processing unit), ou seja, o roteador em questão possui 8 slots dedicados somente para interfaces de serviços. Desta forma a capacidade de endereços MAC do sistema é: 256K x 8 (slots para placas LPU) = 2048K endereços MAC Para o ITEM 5 Roteador Tipo 4, ofertamos 3 placas de interfaces LPUF, conseqüentemente a quantidade de endereços MAC suportados é: 256K x 3 (LPU) = 768K endereços MAC Sendo assim, a proposta atende às especificações do Termo de Referência Anexo I do edital. 2.A.9) Pregoeiro fala: (10/12/ :18:42) Para os itens GR1-IT2-AD8, GR1-IT3-AD5, GR1-IT4-AD5, GR1-IT5- AD6, GR1-IT6-AD5 e GR1-IT7-AD8 Possuir dispositivo de boot secundário que pode ser flash ou outra tecnologia e com capacidade suficiente para armazenar pelo menos duas cópias do sistema operacional, não devendo a capacidade do dispositivo ser inferior a 2Gbytes embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, a referência disponibilizada Pregoeiro...(Product Description - NE40E, Cap8.2.2 NE40E-X8, pag 210, fala: Table 8-6, CF card) faz citação a 2 CFs de 1Giga e o requisito é de (10/12/2010 que o boot secundário possua dispositivo individual com no 15:19:02) mínimo 2Giga, logo, não está em conformidade com o requisito. 19

20 Em que pese o respeito ao digno pregoeiro, o simples fato de estar indicado na tabela - coluna remarks two CF cards, each of which is 1GB - não quer dizer que o equipamento em questão não suporte CF card com capacidade de 2GB. Pelo contrário, da análise da coluna Typical Configuration fica claro que a configuração típica do CF card é de 2GB. Destaca-se: Como se pode perceber, cada placa MPU (Main processing unit, roteadores NE40E-X16 e NE40E-X3) / SRU (Switching and routing processing unit, roteador NE40E-X8) possui a capacidade de instalação de 2 (dois) CF cards. Um equipamento instalado na parte interna da placa MPU/SRU e o outro na parte externa. Tal solução, aliás, oferece ainda uma vantagem, pois há 2 (dois) CF cards dentro de cada placa MPU/SRU, que desempenham funções independentes: a) CF card interno: é responsável pelo armazenamento dos arquivos do sistema operacional e dos arquivos de configurações do roteador. Desta forma, esse CF card é exclusivo somente para sistema operacional e arquivo de configuração. Assim, problemas de excesso de log e alarmes não prejudicariam o espaço para armazenamento de versões de software e arquivos de configuração. 20

21 logs e alarmes do roteador. b) CF card externo: é responsável pelo armazenamento exclusivo dos O sistema operacional dos roteadores da família NE40E é denominado de VRP (Versatile Routing Platform), cujo tamanho aproximado é de 300Mbytes. Diante disso, pode-se inferir que a exigência de um dispositivo de boot com 2Gbytes de capacidade é o armazenamento de pelo menos 2 (duas) versões de software do roteador. Como se constata do documento Product Description NE40E.pdf, Cap SRU, pag. 49, cada placa SRU/MPU possui 2 (dois) CF cards: 21

22 2.A.10) Pregoeiro fala: (10/12/ :18:03) Para os itens GR1-IT2-GE53, GR1-IT3-GE53, GR1-IT4-GE53, GR1- IT5-GE53, GR1-IT6-GE51 e GR1-IT7-GE51 Implementar RFC SNMP Version 2c, SMIv2 and Revised MIB-II embora o documento de Comprovação ponto a ponto indique a conformidade com o solicitado, pela referência disponibilizada (Product Description - NE40E, Cap9.1 Standards and Telecom Protocols, pag 236), não foi encontrada a conformidade com a RFC1908; No tocante ao vício apontado pelo ilustre pregoeiro, deve-se observar que não foi encontrada a informação de suporte da RFC 1908 na documentação, porque este padrão está obsoleto e foi substituído pela RFC De outro lado, a comprovação de suporte a RFC 2576 pode ser encontrada de forma clara no documento Product Description - NE40E,, cap. 9.1 Standards and Telecom Protocols, pag do anexo I do edital): Quanto ao ponto, cumpre destacar importante disposição do edital (item Em referência aos padrões IETF solicitados ANEXO I e para RFC s standard track que tenham sido publicadas no ano de 2010 tornando obsoletas RFC s mais antigas, admitir-se-á a compatibilidade com a RFC imediatamente anterior desde que se obrigue a contratada instalar o suporte à RFC mais moderna até junho de 2011, sem quaisquer ônus à Telebrás, seja quanto a licenciamento, alterações de hardware ou instalação. Não bastasse, a informação pode ser encontrada nos documentos mais atuais na própria web site da empresa, nos endereços eletrônicos: ou 22

ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) TELEBRÁS

ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) TELEBRÁS ILMO. SR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) TELEBRÁS PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2010 (PROCESSO Nº 76/2010-TB) - TELEBRÁS MEDIDATA

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone Laboratório 4 OSPF Backbone Equipamento necessário: Três OmniSwitches Objectivo: Este laboratório tem como objectivo familiarizar os alunos com as configurações RIP em comutadores OmniSwitch. Sintaxe dos

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Ferramentas de gestão de rede Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Maio de 2007 Ferramentas de gestão de rede Necessidade O Internet Activities Board recomenda que todas as implementações IP

Leia mais

GPON-IN-A-BOX. QREN - I&D em Co-Promoção. Co-financiado por:

GPON-IN-A-BOX. QREN - I&D em Co-Promoção. Co-financiado por: Co-financiado por: Co-financiado por: PT Inovação/DSR3 GPON Solutions - Central Office OLT8CH / OLT360 3 Agenda FTTx Topology OLT7-8CH Equipment OLT360 Equipment SW Features & HW Resources RF Overlay in

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Switch Central de Grande Porte

Switch Central de Grande Porte Switch Central de Grande Porte GERAL 1. Estrutura de chassi modular, para instalação em gabinete padrão EIA 19, e kit completo de instalação. Os equipamentos ofertados deverão vir acompanhados de kits

Leia mais

ILMO. SR. PREGOEIRO DA AGENCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A - ABGF

ILMO. SR. PREGOEIRO DA AGENCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A - ABGF ILMO. SR. PREGOEIRO DA AGENCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A - ABGF Processo nº 011/2014 Pregão Eletrônico SRP nº 09/2014 CPD CONSULTORIA, PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0)

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Enquadramento Geral Objetivos do Percurso Dotar os formandos de conhecimentos iniciais de Routing e Switching Preparar para os exames de

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO 04

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO 04 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 04 Referência: Pregão Eletrônico n. 29/2008 Objeto: Aquisição de 6 (seis) switches, conforme especificações do Edital e seus Anexos. PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Copyright 2007, 2016 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Sobre os critérios de aceitabilidade pág 2/3 (1) Os subitens 1.1 e 1.5 da proposta excedem os preços máximos admissíveis estabelecidos

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

Lista de Gerência de Redes

Lista de Gerência de Redes Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Professor: João José Costa Gondim Aluno: Marcelo Vale Asari Matrícula: 06/90708

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring RMON e RMON2 Remote Network Monitoring Luciano Paschoal Gaspary O protocolo SNMP e a MIB-II ainda são amplamente utilizados para o gerenciamento de equipamentos de rede. Agentes de software presentes nesses

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0

SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0 SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0 Objetivo Implementing Cisco Secure Mobility Solutions (SIMOS) v1.0 é um treinamento que faz parte da grade de certificação CCNP Security. Este curso visa

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS. Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços;

CARACTERÍSTICAS GERAIS. Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços; Roteador Carrier Ethernet CARACTERÍSTICAS GERAIS Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços; Tanto o sistema operacional quanto o hardware (envolve todos os componentes

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Sub-Redes, VLSM e CIDR

Sub-Redes, VLSM e CIDR Sub-Redes, VLSM e CIDR Sub-Redes Sub-Redes Mecanismo introduzido originalmente para minimizar o problema do crescimento das tabelas de rotas na Internet (RFC 950/1985). Reduz o tamanho das tabelas de rotas

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO E COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS.

ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO E COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS. ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO E COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS. Ref. Contra Razões ao Recurso administrativo do Edital de pregão Eletrônico nº 068-A/2012 CONTRARRAZÕES AO RECURSO ADMINISTRATIVO

Leia mais

LABORATÓRIO 3 (parte 2)

LABORATÓRIO 3 (parte 2) FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Desempenho de Redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 3 (parte 2) OBJETIVOS Verificar e manipular ferramentas de desempenho

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Generalidades sobre Serviços de Comunicação na Internet Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 1 - Sumário

Leia mais

Registo de resultados 1:

Registo de resultados 1: Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais III Relatório do 1º Guião Laboratorial para avaliação: Gestão de

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007 Processo: A 07/204 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de empresa especializada para a prestação de serviços em implementação de windows server 2003 enterprise, active directory,

Leia mais

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Módulo 10: Monitoração de Ambientes Autor: Rodrigo Hjort SERPRO / Coordenação Estratégica de Tecnologia / Curitiba www.frameworkdemoiselle.org.br

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP)

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) OUTLINE SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL ESTRUTURA DA INFORMAÇÃO DE GESTÃO PROTOCOLO SNMPV1 SNMPV2 SNMPV3 SNMP NO IOS SNMP NO PACKET

Leia mais

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla - 1 - - 2 - COMUNICAÇÃO INTER PROCESSOS DISTRIBUÍDOS. - 3 - - 4 - Os sockets UDP e TCP são a interface provida pelos respectivos protocolos. Pode-se dizer que estamos no middleware de sistemas distribuídos

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Nine Developing Network Management Strategies Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Gerencia da Rede Contribui para atingir os objetivos dos requisitos Contribui

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Lista de Gerência de Redes

Lista de Gerência de Redes Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Professor: João José Costa Gondim Aluno: Marcelo Vale Asari Matrícula: 06/90708

Leia mais

Aquisição de 500 (quinhentos) cartuchos de fita LTO4 em mídia regravável, conforme especificação constante do Anexo I: Memorial Descritivo.

Aquisição de 500 (quinhentos) cartuchos de fita LTO4 em mídia regravável, conforme especificação constante do Anexo I: Memorial Descritivo. Processo: A 09/078 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Aquisição de 500 (quinhentos) cartuchos de fita LTO4 em mídia regravável, conforme especificação constante do Anexo I: Memorial Descritivo.

Leia mais

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 Dangelo Ávila Gerente de Produto Email: dmavila@ra.rockwell.com Cel: (021) 98207-5700 PUBLIC PUBLIC - 5058-CO900H Agenda 1.

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

PARECER 068/2015 PROCESSO DE LICITAÇÃO 004/2015 1 DO BREVE RESUMO FÁTICO

PARECER 068/2015 PROCESSO DE LICITAÇÃO 004/2015 1 DO BREVE RESUMO FÁTICO PARECER 068/2015 PROCESSO DE LICITAÇÃO 004/2015 1 DO BREVE RESUMO FÁTICO Cuida-se de processo de licitação na modalidade Pregão Presencial 04/2015, tipo Menor Preço por Item, para aquisição de 05 (cinco)

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Application Notes: Monitoramento SNMP. Monitoramento SNMP com Cacti

Application Notes: Monitoramento SNMP. Monitoramento SNMP com Cacti Application Notes: Monitoramento SNMP Monitoramento SNMP com Cacti Application Notes: Monitoramento SNMP Monitoramento SNMP com Cacti. Data 30/04/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Introdução

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva. Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba

Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva. Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Alexis Saito Ericsson Telecomunicações Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Qualidade de Serviço em redes Qualidade

Leia mais

Caracterização dos servidores de email

Caracterização dos servidores de email Caracterização dos servidores de email Neste documento é feita a modulação de um servidor de email, com isto pretende-se descrever as principais funcionalidades e características que um servidor de email

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

M I N I S T É R I O P Ú B L I C O

M I N I S T É R I O P Ú B L I C O MANIFESTAÇÃO DE RECURSO ADMINISTRATIVO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 075/2012-MP/PA PREGOEIRA: ANDRÉA MARA CICCIO EMPRESA RECORRENTE: PREMIUM SERVICE LTDA CONTRARRAZÕES: TREVO COMERCIO E SERVICO LTDA - ME OBJETO:

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Abordagem de lista de acesso Método de

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI.

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Camanducaia/MG, 23 de Janeiro de 2013 AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Departamento Regional / BA. Gerência de Suprimentos. Rua Edístio Pondé, n. 342, STIEP, Salvador/BA, CEP. 41.770-395.

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP. Data 10/05/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Configurando o Protocolo SNMP Traps

Leia mais

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA 1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA Switch de 10 portas, Quantidade unidades. 1.1.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação e deve ocupar uma unidade

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO. Recorrida: HITACHI KOKUSAI LINEAR EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS S/A.

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO. Recorrida: HITACHI KOKUSAI LINEAR EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS S/A. PROCESSO: 0366/2012 PREGÃO ELETRÔNICO: Nº 001/2012 JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO EMENTA: Recurso interposto contra o Pregão Eletrônico nº 001/2012 (AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DIGITAL EM

Leia mais

Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global

Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Material de Suporte Convenções Configurar Diagrama de

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

ATA DE ADSSIMIBILIDADE RECURSO ADMINISTRATIVO

ATA DE ADSSIMIBILIDADE RECURSO ADMINISTRATIVO ATA DE ADSSIMIBILIDADE RECURSO ADMINISTRATIVO PROCESSO LICITATÓRIO N 128/2015 PREGÃO PRESENCIAL N 072/2015 LICITANTE RECORRENTE: LIFEMED INDUSTRIAL DE EQUIPAMENTOS E ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES S.A. LICITANTE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais