Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº6. Jorge Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº6. Jorge Gomes jorge@lip.pt"

Transcrição

1 Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº6 Jorge Gomes

2 MTU Os frames do nível de ligação possuem um tamanho máximo para a quantidade de informação útil que podem transportar. No caso de uma rede Ethernet a carga útil de um frame pode ser 1492 ou 1500 bytes dependendo do tipo de encapsulamento. Pode ser maior com Jumbo frames Pode ser mais pequeno se tivermos de transportar informação sobre VLANs O tamanho máximo da carga útil de um frame designa-se por MTU (Maximum Transmission Unit). O nível de transporte TCP divide a informação a transmitir por segmentos de acordo com o MTU. Se o nível de rede IP receber um pacote para transmissão com tamanho superior ao MTU máximo esse pacote é partido em datagramas IP de modo a caber no MTU máximo. Infiniband Token ring 16Mbits/s FDDI 4352 Ethernet Jumbo 8000/9000 Ethernet 1500 IEEE 802.3/ loopback PPP (baixo atraso) 296

3 MTU Quando duas maquinas ligadas à mesma rede local comunicam entre si o MTU relevante é o MTU da rede local. No entanto quando duas maquinas ligadas a redes diferentes comunicam entre si os datagramas IP podem ter de atravessar varias redes com MTUs diferentes. Neste ultimo caso o MTU relevante é o MTU mais pequeno de entre todos os MTUs das varias redes que o datagrama atravessar. Uma vez que o encaminhamento de tráfego numa rede IP é dinâmico o MTU de uma ligação também pode variar no tempo. O RFC 1191 define um mecanismo para determinar o MTU de um dado caminho de forma a eliminar a necessidade de fragmentação. Path MTU discovery

4 MTU O MTU tem impacto directo no desempenho: da rede switches / routers etc dos hosts Quanto menor for o MTU maior será: O numero de frames a processar O numero de operações de comutação Interrupts nos hosts Processamento de headers IP Em redes rapidas 1GbE ou 10GbE: O Impacto dos interrupts e processamento de headers IP no consumo de CPU pode ser muito elevado Em 10GbE para se obter bons desempenhos é importante usar Jumbo frames (MTU 8000 ou 9000) Também em redes de armazenamento (iscsi) o uso de Jumbo frames pode ter impacto positivo no desempenho

5 MTU Em algumas circunstâncias os MTUs pequenos podem ser recomendáveis por reduzirem a latência. Numa linha série RS232 a 9600bits/s um MTU baixo pode melhorar a resposta interactiva. 9600bits/s com 8 bits por byte mais 1 start bit e 1 stop bit = 960bytes/s Se no mesmo link estiver a ser usado por uma aplicação interactiva e por uma aplicação de transferência de ficheiros (FTP) que transmite grandes pacotes de dados (1024 bytes por pacote). Então temos de esperar cerca de 533ms em media antes de podermos enviar um pequeno pacote da aplicação interactiva. Estudos efectuados mostram que respostas superiores a ms são mal toleradas pelos humanos. Uma redução do MTU da linha para 256 bytes reduz o tempo máximo de espera para 266ms e o tempo médio para 133ms. O valor de MTU apresentado para o PPP é 296bytes = 256 data + 40 headers.

6 Protocolo IP (Nível de rede)

7 IP O IP (RFC 791) é o protocolo de rede do TCP/IP. O IP é usado por protocolos como o TCP,UDP, ICMP e IGMP entre outros O IP fornece um serviço não garantido: Não garante a chegada dos datagramas ao destino. Não garante a sequencia de chegada. Quando algo corre mal os datagramas são deitados fora: Uma mensagem de erro ICMP pode ser enviada para a origem. Exemplos de problemas que levam à perda de datagramas: Um router pode esgotar os buffers. Corrupção do datagrama. Fragmentação pode ser necessária mas o router pode não possuir a essa funcionalidade ou estar simplesmente inibida. Fragmentação pode ser necessária mas o datagrama IP pode ter o bit de não fragmentação activo. Uma lista de acesso / firewall pode bloquear a passagem de datagramas.

8 O cabeçalho IP O tamanho mínimo de um cabeçalho IP é 20 bytes (5 * 32bits). O cabeçalho pode ter mais de 20 bytes se forem usadas opções. O tamanho máximo do cabeçalho é 60 bytes (15 * 32bits). O cabeçalho está dividido em palavras de 32 bits. Cada palavra de 32 bits é transferida em formato big endian. Ordem de transmissão bits 0-7, 8-15, 16-23, Todos os inteiros binários são transferidos em big endian. Sistemas com hardware little endian têem de proceder à conversão de formato antes da transmissão. Por esta razão este formato é conhecido por Network byte order.

9 O cabeçalho IP Os campos do cabeçalho IP são: Versão: a versão de IP mais usada é a versão 4 (existe a 6). Tamanho: tamanho do cabeçalho em palavras de 32 bits. Tipo de serviço (TOS): 3 bits de precedência: indicam a importância do datagrama. 4 bits TOS: tipo de serviço, cada um dos 4 bits define um tipo de serviço. Só um dos 4 bits pode estar activo. Minimizar os atrasos. Maximizar debito de transferência. Maximizar fiabilidade. Minimizar o custo monetário. 1 bit não é usado. Tamanho total: tamanho total do datagrama IP em bytes. O tamanho máximo de um datagrama IP é bytes. Nenhum sistema é obrigado a aceitar datagramas IP superiores a 576 bytes. O limite mais habitual nas implementações 8192 bytes. Identificação: identifica cada datagrama. É incrementado cada vez que um datagrama é enviado.

10 O cabeçalho IP Os campos do cabeçalho IP são: (continuação) Tempo de vida: limita o numero de routers pelos quais o datagrama pode passar. É inicializado a um dado valor normalmente 64 e é decrementado por cada router atravessado. Quando chega a zero o pacote é deitado fora. Protocolo: identifica o tipo de protocolo que entregou dados ao IP para transmissão. Checksum do cabeçalho: complemento para um da soma do cabeçalho dividido em palavras de 16 bits com o campo de checksum a zero. Endereços IP: O cabeçalho contém ainda um endereço IP de origem e um endereço IP de destino. Opções: o cabeçalho IP pode conter campos opcionais: Restrições de utilização e segurança. Registo de rota. Regista os endereços IP dos routers por onde passa. Registo de tempo. Regista o tempo para cada router atravessado. loose source routing strict source routing

11 O cabeçalho IP versão (4) tamanho (4) Tipo de serviço (8) tamanho total em bytes (16) identificação (16) flags (3) offset do fragmento (13) tempo de vida (8) protocolo (8) checksum do cabeçalho (16) endereço IP de origem (32) endereço IP de destino (32) opções dados

12 Precedência e TOS Originalmente o campo de 8 bits de TOS eram divididos em: 3 bits de precedência 4 bits de tipo de serviço (TOS) 1 bit reservado Precedência (3) Tipo de serviço (4) Reservado (1) 7

13 3 bits de precedência: Precedência Usados para definir a politica de queueing Não afecta a escolha da rota apenas a prioritização Os valores de precedência são geralmente ignorados pois podem ser usados indevidamente 111 Network control 110 Internetwork control 101 CRITIC-ECP 100 Flash override 010 Immediate 001 Priority 000 Routine

14 TOS O campo de tipo de serviço (ToS) é usado como indicação para os routers e hosts para tratamento diferenciado na escolha da rota Requer configuração explicita dos equipamentos caso contrario é ignorado Num dado pacote apenas um bit pode estar activo Tipos de serviço originais usados por algumas aplicações Aplicação Minimização de atrasos Bit 3 Maximizar Transferência Bit 4 Maximizar Fiabilidade Bit 5 Minimizar Custos Bit 6 Valor Hex telnet rlogin FTP control data TFTP SMTP comando data SNMP NNTP BGP x10 0x10 0x10 0x08 0x10 0x10 0x08 0x04 0x02 0x04

15 Diff Serv No final dos anos 90 o IETF redefiniu o bits de tipo de serviço. O novo esquema designa-se por serviços diferenciados: Differentiated Services Code Point (DSCP). Codepoint 6 bits Não Usado 2 bits O esquema define 6 bits que podem ser usados como ponteiros para tipos diferentes de serviços que são interpretados pelos dispositivos de encaminhamento de tráfego (routers). Quando os últimos 3 bits do codepoint estão a zero os primeiros 3 bits assumem o significado do campo original de precedência, mantendo assim compatibilidade com o campo de precedência. Codepoint xxxxx0 xxxx11 xxxx01 Atribuído por Interpretações pré-definidas pelo IETF Para uso local ou testes Para uso local ou testes (por enquanto)

16 Opções IP (RFC 791) 8 bits option type (RFC 791) Flag 0 não copiar esta opção para os fragmentos 1 copiar esta opção para os fragmentos Class 0 controlo (maioria das opções) 2 debug e medições (internet timestamp) Number Identifica a opção

17 Number: Opções IP 0: fim da lista de opções, não tem campo data 1: No operation, não tem campo data usado p/ alinhamento a 32 bits 2: Security, 11 bytes de data classificação de segurança (DoD, agencias de segurança) 3: Loose source routing (desaconselhado) 4: Internet timestamp 7: Record route 8: Stream ID, 4 bytes de data (obsoleto) 9: Strict source routing (desaconselhado) 18: enhanced traceroute (RFC 1393) Option length: Tamanho do campo options data em octetos

18 Subnets Um endereço IP possui duas componentes endereço de rede e endereço de sistema (host). É possível partir a componente de sistema em: Endereço de sub-rede (subnet). Endereço de sistema (host). Todos os sistemas possuem obrigatoriamente suporte para subnets. É da responsabilidade do administrador a decisão de dividir o espaço de endereçamento para sistemas em subnets. É também sua responsabilidade escolher quantos bits usar para criar subnets. As subnets são transparentes para os routers exteriores à rede. A utilização de subnets esconde os detalhes da topologia interna de uma rede IP, mantendo o tamanho das tabelas de encaminhamento.

19 Subnets Exemplo com uma rede /24 (antiga classe C). Net Hosts 24 bits 8 bits Net SubNets 14 Hosts 24 bits 4 bits 4 bits Net SubNets 2 Hosts 24 bits 6 bits 2 bits Net SN 62 Hosts 24 bits 2 bits 6 bits

20 Subnets Exemplo com uma rede /24 (antiga classe C). Subnet de 3 bits dá 8 subnets Net SN 30 Hosts 24 bits 3 bits 5 bits Endereço IP (2) Endereço IP (10) Endereço IP das subnets (10)

21 Subnets Net SN 30 Hosts 24 bits 3 bits 5 bits Internet Router Router Router (2) (2) Router Router (2) (2) (2)

22 Subnets e mascaras Para configurar uma interface IP é necessário saber: o endereço IP atribuído à interface. quantos bits são usados para definir a rede e subnet caso exista. Para definir o numero de bits usados para definir a rede + subnet usase uma mascara de 32 bits em que os bits de rede são representados por 1 e os bits de host por 0 (zero). Para o exemplo anterior a representação será: 24 bits de rede + 3 bits de subnet + 5 bits de host 27 bits para definir a componente de rede + 5 bits para a componente hosts (2) 0xffffffe x.x.x.x /27

23 Subnets e mascaras Com base no endereço IP da interface e sua mascara um host pode terminar se um datagrama se destina: a um host na mesma rede IP a um host noutra rede IP (o datagrama terá de ser enviado para um router) ou se o datagrama é um broadcast Ainda com base no exemplo anterior: Endereço IP Net SN 30 Hosts 24 bits 3 bits 5 bits Mascara bits 5 bits

24 Subnets Continuando o exemplo de subnets numa rede /24 Usando os 3 primeiros bits do host para definir subnets Endereço IP (2) Endereço IP (10) Mascara (2) Mascara (10)

25 Subnets Exemplo com uma rede /24 (antiga classe C). Subnet de 3 bits dá 8 subnets Net SN 30 Hosts 24 bits 3 bits 5 bits Endereço IP das subnets (10) / / / / / / / /27 Mascara (10)

26 Endereços IP especiais Na tabela seguinte: 0 significa um campo com todos os bits a zero. 1 significa um campo com todos os bits a um. netid, hostid significam um valor que não é todo 0 ou todo 1. Endereço IP Pode aparecer como Descrição Net Subnet Host origem destino netid netid netid subnetid 1 0 hostid qualquer OK OK OK nunca nunca nunca nunca nunca nunca OK OK OK OK OK Este host nesta net O hostid especificado nesta net Endereço de loopback Broadcast limitado à subnet local Broadcast directo à net netid Broadcast directo netid,subnetid Broadcast directo a todas as SN

27 Endereços IP especiais Exemplos: um host na rede local (source) broadcast para todos os hosts na rede local /24 host 7 na rede local /24 broadcast directo para todos os hosts na rede /8 o próprio host na rede de loopback Endereço IP Pode aparecer como Descrição Net Subnet Host origem destino netid netid netid subnetid 1 0 hostid qualquer OK OK OK nunca nunca nunca nunca nunca nunca OK OK OK OK OK Este host nesta net O hostid especificado nesta net Endereço de loopback Broadcast limitado à subnet local Broadcast directo à net netid Broadcast directo netid,subnetid Broadcast directo a todas as SN

28 Subnet Zero A primeira subnet tem todos os digitos binarios a 0 É designada por subnet zero Tradicionalmente é desaconselhado usar esta subnet Exemplo: Em classfull a rede: Não sabendo a mascara a rede pode ser interpretado como sendo uma rede Ou seja não é possível pelo endereço de rede inferir que o espaço possui subnets É possível usar a subnet zero mas é preciso ter cuidado Pode criar confusões Muito cuidado com as mascaras de rede!!! Em alguns equipamentos é necessário habilitar a utilização da subnet zero CISCO IOS e similares: ip subnet-zero

29 Subnet All-Ones A última subnet tem todos os digitos binarios a 1 É por vezes designada por subnet All-Ones Tradicionalmente é desaconselhado o seu uso Exemplo: A subnet tem o endereço de broadcast Não sabendo a mascara pode ser interpretado como sendo o endereço de broadcast da rede /24 Ou seja olhando simplesmente para não é possível inferir que o espaço possui subnets Tanto pode ser o broadcast de /24 como de /27 É possível usar a subnet All-ones: É preciso ter muito cuidado com a correcta especificação das mascaras Em casos limite pode mesmo criar loops de tráfego na rede

30 Subnets variáveis O RFC1009 permite que uma rede dividida em subnets possa usar mascaras de diferentes tamanhos. O RFC sobre novos requisitos de routing veio tornar o suporte de subnets de tamanho variável um requisito. O uso de mascaras de tamanho variável permite uma gestão mais eficiente do espaço de endereçamento. O maior problema com as subnets de tamanho variável é a falta de suporte em alguns protocolos de routing para o envio das mascaras de subnet juntamente com os endereços das subnets. Os protocolos de routing mais recentes não possuem este problema.

31 Subnets variáveis Exemplo de subnets de tamanho variável usando uma rede /24 : Endereço IP (2) Endereço IP (10) Mascara (2) Mascara (10)

32 Encaminhamento IP ou routing IP (Nível de rede)

33 Encaminhamento IP O encaminhamento é efectuado pelo nível IP. Todos os sistemas com IP fazem encaminhamento Encaminhamento (routing) consiste em: a) Procurar na tabela de routing um endereço de host ou rede que coincida com o endereço de destino do datagrama b) Desta forma determinar qual a interface pela qual o datagrama deve ser enviado e qual o próximo passo Politica de encaminhamento (routing) É o conjunto de regras que determina que entradas devem de existir na tabela de routing. A politica de encaminhamento é determinada através de criação manual de entradas na tabela de encaminhamento ou através de um processo de routing.

34 Encaminhamento IP Encaminhamento de datagramas IP quando se trata da comunicação entre sistemas na mesma rede IP: Envio directo Quando se pretende enviar um datagrama para um sistema numa rede IP diferente O datagrama é enviado para um router ligado na rede local. Note-se que estamos a falar de redes IP: Numa mesma rede física podem coexistir múltiplas redes IP Sistemas em redes IP diferentes mesmo estando fisicamente no mesmo domínio de broadcast Ethernet precisam de um router para comunicar Router R A B A B R1 R2 IP orig: A dest: B MAC orig: A dest: B IP orig: A dest: B MAC orig: A dest: R1 IP orig: A dest: B MAC orig: R2 dest: B

35 Encaminhamento IP A maior parte dos sistemas existentes podem ser configurados para funcionarem eles mesmo como routers. A diferença entre um sistema normal (host) e um router: ao contrario de um host um router reenvia datagramas entre as suas interfaces. Cada vez que um router recebe um datagrama destinado a um outro sistema: o router percorre a sua tabela de encaminhamento para determinar por qual interface deve enviar o datagrama para o seu destino.

36 Encaminhamento IP Nível de transporte (TCP, UDP etc.) Sim Endereço IP de destino é um endereço de multicast ou broadcast, ou endereço de uma interface local? Não O sistema é um router Não Datagrama é eliminado Sim IP Nível de ligação (driver de rede) Função IP de saída Consulta da tabela de encaminhamento Para onde ou por onde enviar o datagrama IP? Rede

37 Tabela de encaminhamento Uma tabela de encaminhamento IP contém: Endereço IP de destino: pode ser um endereço de um host, ou o endereço de uma rede. Um endereço de rede possui a porção do endereço reservada para o host a zero. Endereço IP do próximo passo: Endereço IP de um router que dá acesso ao IP de destino Flags que especificam se: O endereço de destino é o endereço de uma rede ou de um host. O endereço de destino está numa rede directamente ligada ou é alcançável através de um router. Interface: especifica a interface local a usar para enviar o datagrama IP para o endereço de destino.

38 Tabela de encaminhamento Exemplo de tabela de routing: Destination Gateway Genmask Flags Iface U eth0 Nenhum router conhece o caminho completo para os destinos. Cada router só conhece: Quais as redes directamente ligadas a si. Quais os endereços relevantes de outros routers nas redes directamente ligadas (routers vizinhos) e quais as redes a que estes routers dão acesso.

39 Tabela de encaminhamento O encaminhamento IP efectua as seguintes operações: 1. Procura na tabela de encaminhamento uma linha que corresponda completamente ao endereço IP de destino. Se encontrar envia o datagrama para o router correspondente ou para uma rede local directamente ligada dependendo das flags. 2. Procura na tabela de encaminhamento uma linha que corresponda ao endereço da rede de destino. Se encontrar envia o datagrama para o router correspondente ou para uma rede local directamente ligada dependendo das flags. 3. Procura na tabela de encaminhamento uma linha que corresponda ao default router. Se encontrar envia o datagrama para o router correspondente. Se nenhum destas operações resultar o datagrama não poderá ser entregue e uma mensagem de erro ICMP host unreachable ou network unreachable é enviada para a origem.

40 Tabela de encaminhamento Quando uma interface é inicializada uma rota directa é automaticamente adicionada: Para redes partilhadas (Ethernet) a rota é para a rede IP. Para uma ligação ponto a ponto a rota é para o host no outro extremo da ligação. Outras rotas podem ser adicionadas: Manualmente (rotas estáticas) através de comandos Automaticamente através de: um processo de routing mensagens de redirecção ICMP.

41 Tabela de encaminhamento O endereço, mascara e broadcast da interface eth0 é: inet addr: Bcast: Mask: A configuração da interface com os parâmetros acima descritos dá automaticamente origem a uma entrada na tabela de routing: Destination Gateway Genmask Flags Iface U eth0

42 Default route A default route é a rota usada: Quando não existe nenhuma outra rota mais apropriada para chegar ao destino pretendido. Ou seja quando a comparação do endereço IP de destino com cada uma das outras rotas existentes na tabela de routing falha. Cada maquina pode ter zero, uma ou mais default routes. O RFC de host requirements especifica que todas as maquinas devem suportar mais de uma default route. No entanto existem muitas implementações que suportam apenas uma default route. Quando mais de uma default route existe: O comportamento normal é enviar os datagramas em round-robin para os vários routers. Desta forma pode ser implementada uma forma de balanceamento. Se as rotas possuírem prioridades diferentes uma será escolhida e a segunda será usada caso a primeira rota desapareça

43 Flags de routing Existem 5 flags que podem aparecer em tabelas de routing: U a rota está UP. H a rota aponta para uma maquina. Se esta flag não estiver presente a rota aponta para uma rede. G a rota é indirecta através de um router. Se esta flag não estiver presente a rede ou maquina de destino estão numa rede directamente ligada a uma interface da maquina local. D a rota foi criada por uma mensagem de ICMP redirect. M a rota foi modificada por uma mensagem de ICMP redirect.

44 Flags de routing A flag G distingue uma rota directa de uma rota indirecta: Rota directa: a maquina de destino encontra-se numa rede directamente ligada à maquina local: Tratando-se de uma rede partilhada o endereço MAC de destino a usar no envio do frame será o endereço MAC da maquina de destino. O endereço MAC terá de ser obtido por ARP a partir do endereço IP. Rota indirecta: a maquina de destino só é acessível através de um router: Tratando-se de uma rede partilhada o endereço MAC de destino do frame a enviar será o endereço MAC do router a obter via ARP. O endereço IP será o endereço IP da maquina de destino.

45 Uma tabela de routing simples Em Linux uma tabela de routing pode ser listada através do comando netstat usando a opção -r. Destination Gateway Genmask Flags MSS Window irtt Iface UH eth U eth U lo UG eth0 Destino Router para esta rota a própria maquina. Mascara significa que devemos considerar para comparação todos os bits do destino ( ). Flags: U a rota está UP, H a rota é para uma maquina. Interface: interface por onde os datagramas devem ser enviados (Ethernet 0). Destino Router para esta rota a própria maquina. Mascara significa que devemos considerar para comparação os primeiros 24 bits do destino ( ). Flags: U a rota está UP. Interface: interface por onde os datagramas devem ser enviados (Ethernet 0).

46 Uma tabela de routing simples Destination Gateway Genmask Flags MSS Window irtt Iface UH eth U eth U lo UG eth0 Destino Router para esta rota a própria maquina. Mascara significa que devemos considerar para comparação os primeiros 8 bits do destino (127). Flags: U a rota está UP. Interface: interface por onde os datagramas devem ser enviados (loopback). Destino Router para esta rota Mascara nenhum bit do endereço de destino deve ser usado para comparação. Todos os endereços comparados com esta rota retornam verdade. Flags: U a rota está UP, G a rota aponta para um router. Interface: interface por onde os datagramas devem ser enviados (Ethernet 0).

47 Tabela de encaminhamento Para o destino mascara Esta é a rede IP local onde este host está ligado A gateway é ou seja a rede está directamente ligada A interface a que a rede /24 está ligada é a eth1 Flags (U route is UP) Para o destino mascara (default route) /0 é um wildcard para qualquer outra rede A gateway é o router Sabemos que é um router pela presença da flag G A interface para chegar ao router é a eth1 # netstat -rn Kernel IP routing table Destination Gateway Genmask Flags MSS Window irtt Iface U eth UG eth1

48 Tabela de encaminhamento Para o destino mascara A gateway é o router (flag G) A interface para chegar ao router é a eth0 Para o destino mascara A gateway é ou seja a rede está directamente ligada A interface a que a rede /16 está ligada é a eth0 Para o destino mascara A gateway é o router (flag G) A interface para chegar ao router é a eth0 Para o destino mascara (default route) /0 é um wildcard para qualquer outra rede A gateway é o router (flag G) A interface para chegar ao router é a eth0 Destination Gateway Genmask Flags MSS Window irtt Iface UG eth U eth UG eth UG eth0

49 Tabela de encaminhamento Para o destino mascara (é um host flag H) Não tem gateway e a interface para chegar ao host é a tun0 (um tunel) Para o destino mascara (é uma rede) A interface a que a rede está ligada é a eth2 Para o destino mascara (é uma rede) A interface a que a rede está ligada é a eth3 Para o destino mascara (default route) /0 é um wildcard para qualquer outra rede A gateway é o router (flag G) A interface para chegar ao router é a eth2 Destination Gateway Genmask Flags MSS Window irtt Iface UH tun U eth U eth UG eth2

50 Tabela de encaminhamento Em versões mais actuais do Linux a rede não aparece nas tabelas de routing A rede é tratada como local e por isso não precisa de aparecer nas tabelas As redes de scope local não aparecem nas tabelas de routing # /sbin/ip addr ls 1: lo: <LOOPBACK,UP,LOWER_UP> mtu qdisc noqueue link/loopback 00:00:00:00:00:00 brd 00:00:00:00:00:00 inet /8 scope host lo 2: eth0: <BROADCAST,MULTICAST,UP,LOWER_UP> mtu 1500 qdisc pfifo_fast qlen 1000 link/ether 00:23:7d:db:ca:42 brd ff:ff:ff:ff:ff:ff inet /8 brd scope global eth0 3: eth1: <BROADCAST,MULTICAST> mtu 1500 qdisc noop qlen 1000 link/ether 00:23:7d:db:ca:43 brd ff:ff:ff:ff:ff:ff

51 Tabela de encaminhamento O comando ip também pode ser usado para listar e manipular as tabelas de routing # /sbin/ip route list /8 dev eth0 proto kernel scope link src default via dev eth0

52 Tabela de encaminhamento Para o destino mascara (default route) /0 é um wildcard para qualquer outra rede A gateway é o router interface VLAN 31 Rota estática (introduzida à mão) Para o destino mascara A interface a que a rede está ligada é a VLAN 10 Para o destino mascara A interface a que a rede está ligada é a VLAN 31 Para o destino mascara A gateway é o router interface VLAN 31 Rota estática (introduzida à mão) Destination Gateway Dist/Metric Last Change *S /0 via , Vl 31 1/0 17w4d C /8 Direct, Vl 10 0/0 17w4d C /24 Direct, Vl 31 0/0 17w4d S /24 via , Vl 31 1/0 17w4d

53 Encaminhamento Exemplos para RedHat Linux: As rotas para as redes locais são criadas automaticamente quando a interface de rede é configurada A configuração da interface de rede pode ser vista em: /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0 Se a interface de rede for a eth3 então será ifcfg-eth3 IPADDR= NETMASK= NETWORK= A rota por defeito /0 pode ser configurada em /etc/sysconfig/network GATEWAY= Pode-se adicionar rotas via uma interface em: /etc/sysconfig/network-scripts/route-eth0 GATEWAY0= ADDRESS0= NETMASK0=

54 Encaminhamento Para criar rotas também se pode usar o comando /sbin/route As rotas criadas desta forma desaparecem com reboot Exemplos: /sbin/route add net netmask gw dev eth0 /sbin/route add net netmask gw dev eth0 /sbin/route del net netmask gw dev eth0

55 Encaminhamento Adicionar rotas estáticas num router com IOS (CISCO) ou similar Exemplos: ip route ip route ip route ip route Null0 show ip route show ip route static show ip route connected

56 Fragmentação IP O nível de ligação impõe um limite máximo no tamanho dos frames. Este limite corresponde ao MTU do IP: Quando o IP necessita de enviar um datagrama, primeiro obtém o MTU da interface por onde o datagrama vai ser transmitido. O tamanho de cada datagrama é comparado ao MTU da interface. Se um datagrama for superior ao MTU então tem de ser fragmentado antes de ser transmitido. A fragmentação pode ocorrer no sistema de origem do datagrama ou em qualquer router ao longo do trajecto. Um fragmento pode ser fragmentado múltiplas vezes de acordo com o MTU das interfaces por onde é transmitido. A desfragmentação só ocorre quando os fragmentos chegam ao destino final. Quando um datagrama é fragmentado cada fragmento torna-se um pacote com o seu próprio cabeçalho IP.

57 Fragmentação IP Os campos do cabeçalho IP que são usados na fragmentação são: Identificação: identifica cada datagrama logo tem de ser copiada para cada fragmento de um mesmo datagrama. Flags: Bit 0: não é usado Bit 1: bit don t fragment é usado para indicar que um datagrama nunca deve ser fragmentado. Se este bit estiver activo e o recurso à fragmentação for necessário o datagrama é deitado fora e uma mensagem de erro é enviada para a origem. Bit 2: more fragments bit é usado num fragmento para indicar que se seguem mais fragmentos. O ultimo fragmento tem este bit a zero. Offset do fragmento: posição do inicio do fragmento a contar a partir do inicio do datagrama original (multiplos de 8 bytes). Os fragmentos possuem um tamanho em múltiplos de 8 bytes Tamanho total: Para um fragmento contém o seu tamanho.

58 Fragmentação IP Se um fragmento for perdido todo o datagrama do qual faz parte terá de ser transmitido novamente. Não existe qualquer possibilidade de retransmitir um fragmento perdido. A fragmentação aumenta probabilidade de todo um pacote ter de ser retransmitido A fragmentação pode levar a ocupação da rede por fragmentos que têm de voltar a ser todos retransmitidos caso um único se perca

59 Fragmentação IP Quando um primeiro fragmento de um datagrama é recebido é lançado um temporizador durante o qual o sistema espera pela chegada dos restantes fragmentos. Este temporizador dura entre 30 e 60 segundos por fragmento. Se não chegarem todos os fragmentos então os fragmentos que chegaram são deitados fora. Se os fragmentos tiverem de ser deitados fora então: Se o primeiro fragmento do datagrama já tiver chegado, uma mensagem de erro (ICMP time exceeded) é enviada para a maquina de origem do datagrama. A mensagem de erro inclui os primeiros 8 bytes de dados do datagrama. Se o primeiro fragmento ainda não tiver chegado, então nenhuma mensagem de erro é enviada porque não existem disponíveis os primeiros bytes de dados do datagrama.

60 Fragmentação IP Um datagrama pode ser fragmentado por qualquer router ao longo do caminho: O host de origem nunca chega a saber da fragmentação Se um fragmento se perde todo o datagrama tem de ser repetido Péssimo em redes congestionadas Como os fragmentos secundários não possuem informação dos headers de transporte (TCP, UDP etc) Levanta problemas de segurança Obriga à reassemblagem na firewall Para evitar a fragmentação envia-se os datagramas entre redes com o default MTU máximo de 576 bytes Actualmente evita-se a fragmentação através do mecanismo de path MTU discovery

61 Fragmentação IP Path MTU discovery: RFC 1191 de 1990 mas com adopção pratica a partir de 2002 Os datagramas IP são enviados com o bit de don t fragment 1 Se a fragmentação for necessária o router: Terá de deitar fora o fragmento Gerar mensagem de erro ICMP do tipo: Fragmentation needed but don t fragment bit is set A mensagem ICMP contém o MTU máximo permitido Como funciona: Envia-se o maior datagrama possivel Se receber uma mensagem de erro ICMP Reenviar o datagrama mas usando como tamanho o valor de MTU contido na mensagem ICMP recebida Cuidado com as firewalls que bloqueiam mensagens ICMP!!! Não bloquear as mensagens de fragmentation needed

62 Protocolo ARP (Nível de ligação)

63 ARP Os endereços IP só fazem sentido para o nível de rede do TCP/IP Os protocolos de ligação usados em redes partilhadas como a Ethernet, etc usam os seus próprios endereços de hardware MAC address As ligações ponto-a-ponto não usam endereços de hardware. As interfaces no nível de ligação Não utilizam endereços IP para determinar o destino de um frame Utilizam os endereços de hardware (MAC address). A resolução de endereços Efectua o mapeamento entre endereços IP e os endereços de hardware usados no nível de ligação. O ARP (Address Resolution Protocol) (RFC 826) Converte dinamicamente endereços IP em endereços de hardware.

64 Formato de um frame ARP Encapsulamento Ethernet (RFC 894) endereço Destino (6) endereço Origem (6) tipo 0x0806 (2) DADOS ( ) trailer CRC (4) Tipo hard (2) Tipo proto (2) Compr. hard (1) Compr. proto (1) Oper (2) Endereço hard origem (6) Endereço proto origem (4) Endereço hard destino (4) Endereço proto destino (6) Tipo hard: tipo de endereço de hardware. Para redes Ethernet o valor é 1. Tipo proto: tipo de endereço de protocolo. Para o IP o valor é 0x0800. Compr. hard: comprimento do endereço de hardware. Para Ethernet o valor é 6. Compr. Proto: comprimento do endereço de protocolo. Para IP o valor é 4. Oper: Operação: 1 ARP request; 2 ARP reply; 3 RARP request; 4 RARP reply. Endereço hard origem: Endereço de hardware da interface que enviou. Endereço proto origem: Endereço de protocolo da interface que enviou. Endereço hard de destino: Endereço de hardware da interface de destino. Endereço proto de destino: Endereço de protocolo da interface de destino.

65 Funcionamento do ARP Uma aplicação num sistema pretende comunicar com outro sistema. A aplicação traduz o nome do sistema remoto num endereço IP usando a função gethostbyname() que traduz o nome usando: DNS (Domain Name system). Uma tabela num ficheiro local. NIS, etc A aplicação pede ao protocolo de transporte TCP o estabelecimento de uma ligação. TCP envia um segmento de estabelecimento de ligação para o nível IP. O IP determina se o endereço IP de destino: Está numa rede IP diferente (caso em que o datagrama é enviado a um router) Está na mesma rede (caso em que é contactável directamente) Em qualquer dos casos o endereço Ethernet (do router ou do host) tem de ser determinado.

66 Funcionamento do ARP O ARP é usado para obter do endereço Ethernet a partir do endereço IP. O ARP envia um broadcast (ARP request) que é recebido por todos os hosts da rede local Ethernet. O pedido ARP contém: O endereço IP que se pretende traduzir. Um campo de operação que indica que se pretende traduzir o endereço. Todos os sistemas recebem o pedido ARP e comparam o seu endereço IP com o endereço contido no pedido ARP. O sistema ao qual o endereço pertence : responde directamente ao sistema de onde o pedido foi originado. cria uma entrada na sua cache de ARP para o sistema de origem do pedido. O sistema que efectuou o pedido recebe um ARP reply com o endereço Ethernet do sistema que pretende contactar. O datagrama IP pode agora ser enviado. A correspondência endereço IP endereço Ethernet é guardada numa cache.

67 Funcionamento do ARP Será que o está na minha cache de ARP? Quero falar com NÃO Adiciono à minha cache de ARP :AA:C1:FE:B7:FE Agora já posso enviar datagramas Ethernet directamente para ele Sou eu mas primeiro Adiciono à minha cache ARP :BB:D1:A3:F0: :BB:D1:A3:F0: :AA:C1:FE:B7:FE :CD:D1:00:1C:AB Broadcast ARP-request Enviado para o broadcast Ethernet Sou o Tenho o MAC 00:BB:D1:A3:F0:01 Pergunto quem tem o ? Unicast ARP-reply Para 00:BB:D1:A3:F0:01 IP Eu sou o E o meu MAC é 00:AA:C1:FE:B7:FE

68 Funcionamento do ARP A existência da cache ARP é fundamental ao bom desempenho do protocolo. As entradas da cache expiram alguns minutos após a sua criação. O TTL das entradas depende do sistema Num host tipicamente 20 minutos $ /sbin/arp -a monica.lip.pt ( ) at 00:11:d8:5c:75:b9 [ether] on eth0 stlip02.lip.pt ( ) at 00:1b:21:39:a9:62 [ether] on eth0 ns01.lip.pt ( ) at 00:22:19:19:f7:e5 [ether] on eth0 nbjorge.lip.pt ( ) at 00:1a:80:d9:06:1b [ether] on eth0 swlip01-lan.lip.pt ( ) at 00:01:e8:56:08:3d [ether] on eth0 lnlip01.lip.pt ( ) at 00:e0:81:5a:e9:83 [ether] on eth0

69 Proxy ARP O Proxy ARP permite que um router responda a pedidos ARP provenientes de uma rede em beneficio de um sistema ligado a outra rede. Este comportamento leva o sistema que efectua o pedido a considerar o router como sendo o detentor do endereço IP. Todos os datagramas IP são assim enviados para o router que os encaminha para o verdadeiro destino Host Proxy ARP On behalf of the PPP hosts Host PPP Router host Host ARP Reply ARP Req Broadcast

70 ARP Gratuito Um ARP gratuito é o envio de um pedido ARP por um sistema para tradução o seu próprio endereço IP. Um ARP gratuito possui o endereço de protocolo de origem igual ao endereço de protocolo de destino. As vantagens do ARP gratuito são: Pode ser usado durante o boot de um sistema para determinar se algum outro sistema possui o mesmo endereço IP. Permite actualizar o endereço de hardware nas caches dos vários sistemas caso o endereço de hardware seja alterado: Porque a placa de rede foi substituída. Porque um servidor de backup com o mesmo endereço IP tomou o lugar do servidor principal após uma falha deste. Quando um sistema recebe um broadcast com um pedido ARP cujo endereço IP já se encontra em cache, esta entrada da cache é actualizada.

71 ARP Linux O comando ARP pode ser usado para criar entradas estáticas de ARP jorge]# arp -s :22:19:21:fe:e8 jorge]# arp a swlip01-lan.lip.pt ( ) at 00:01:e8:56:08:3d [ether] on eth0? ( ) at 00:22:19:21:fe:e8 [ether] PERM on eth0 monica.lip.pt ( ) at 00:11:d8:5c:75:b9 [ether] on eth0 Através de uma entrada estática um sistema pode responder a pedidos ARP em beneficio de outros Proxy ARP jorge]# arp i eth0 -s :22:19:21:fe:e8 pub jorge]# arp a swlip01-lan.lip.pt ( ) at 00:01:e8:56:08:3d [ether] on eth0? ( ) at 00:22:19:21:fe:e8 [ether] PERM PUP on eth0 monica.lip.pt ( ) at 00:11:d8:5c:75:b9 [ether] on eth0

72 Protocolo RARP (Nível de ligação)

73 RARP Os endereços IP das interfaces são normalmente obtidos a partir de ficheiros de configuração locais. Em alguns sistemas como terminais X, impressoras ou estações de trabalho sem disco, o endereço IP é obtido a partir da rede como base no endereço de hardware. Cada interface de rede possui um endereço de hardware único atribuído pelo fabricante. O RARP (RFC 903) envia um broadcast para a rede com o endereço de hardware da interface, um servidor de RARP responde directamente com o endereço IP correspondente. O formato de um pacote RARP é idêntico ao ARP, com a diferença do frame type que no caso do RARP é 0x8035. O campo de operação é 3 para um pedido e 4 para uma resposta.

74 RARP A implementação de um cliente RARP é bastante simples, mas a implementação de um servidor RARP é bastante mais complicada. Um servidor RARP precisa de manter uma lista de endereços IP e endereços de hardware correspondentes. Como os kernels não podem ler ficheiros directamente a funcionalidade de um servidor RARP tem de ser implementada como um processo. O RARP usa um tipo especifico de frame no nível de ligação o que implica que seja capaz de receber e enviar frames deste tipo. Logo as implementações de servidores RARP encontram-se bastante ligadas a sistemas operativos específicos. O RARP não permite o envio de outras informações de configuração importantes como a mascara de rede, o default router, os servidores de DNS etc. Actualmente usa-se o DHCP em vez do RARP.

75 Protocolo ICMP (Nível de rede)

76 ICMP O ICMP (RFC 950) é usado para transmitir mensagens de erro. As mensagens de erro ICMP são produzidas pelas camadas IP, TCP ou UDP. As mensagens ICMP são transmitidas dentro de datagramas IP. Como o ICMP é encapsulado em datagramas IP tem as mesmas propriedades: Não oferece garantias de que chegue um datagrama chegue ao destino. É connectionless ou seja não é mantida qualquer informação de estado sobre datagramas sucessivos. Cada datagrama é tratado independentemente. Datagrama IP Cabeçalho IP (20) Mensagem ICMP

77 Formato de mensagem ICMP tipo (8) código (8) Conteúdo dependendo do tipo e código.. checksum (16) Os primeiros 4 bytes de todos as mensagens ICMP são comuns. O restante depende do tipo e código de cada mensagem. Existem 15 tipos principais de mensagens. Alguns tipos de mensagem usam códigos para especificar com mais detalhe o tipo de condição que levou ao envio da mensagem. O checksum cobre toda a mensagem ICMP e é calculado usando o mesmo método do checksum IP. As mensagens de erro ICMP contêm: O cabeçalho IP do datagrama IP que causou o erro. Os primeiros 8 bytes de dados do datagrama IP que causou o erro. Os 8 bytes de dados devem conter a maioria do cabeçalho L4 (TCP, UDP, etc)

78 ICMP Para evitar broadcast storms as mensagens de erro ICMP nunca são produzidas nas seguintes condições: Em resposta a outra mensagem de erro ICMP. Em resposta a um datagrama destinado a um endereço de broadcast ou multicast IP. Em resposta a um datagrama enviado como broadcast do nível de ligação. Em resposta a um fragmento que não seja o primeiro. Em resposta um datagrama cujo endereço de origem não defina um sistema especifico.

79 Tipos de mensagens ICMP Tipo Código Descrição 0 0 Resposta de eco (usado pelo Ping) Destino não alcançável Rede não alcançável Sistema não alcançável Protocolo não alcançável Porta não alcançável Fragmentação necessária mas bit DF activo Falha de source routing Rede de destino desconhecida Sistema de destino desconhecido Sistema de origem isolado (obsoleto) Rede de destino proibida administrativamente Sistema de destino proibido administrativamente Rede não alcançável para o TOS especificado Sistema não alcançável para o TOS especificado Comunicação administrativamente proibida Precedência de sistema violada Cutoff de precedência em efeito Query x Erro x x x x x x x x x x x x x x x x

80 Tipos de mensagens ICMP Tipo Código Descrição 4 0 Source quench (router ou sistema em sobrecarga) Redirecção Redirecção para rede Redirecção para sistema Redirecção para tipo de serviço e rede Redirecção para tipo de serviço e sistema Query Erro x x x x x 8 0 Pedido de eco (Usado pelo Ping) x Anuncio de router Pedido de router Tempo excedido Tempo de vida igual a zero durante transito Tempo de vida igual a zero na reassemblagem Problema de parâmetros Cabeçalho IP errado Opção necessária não está presente x x x x x x

81 Tipos de mensagens ICMP Tipo Código Descrição Query Erro Pedido de acerto de tempo (timestamp) Resposta de acerto de tempo (timestamp) x x Pedido de informação (obsoleto) Resposta de informação (obsoleto) x x Pedido de mascara Resposta de mascara x x Existem outros tipos de mensagens ICMP: Para o IPv6 Para mobilidade Para traceroute experimental com IP options Para aplicação experimental em protocolos de segurança AH e ESP para autenticidade e encriptação etc

82 Pedido de mascara e resposta Tipo 17 ou 18 (8) Código 0 (8) checksum (16) Identificador (16) Mascara de rede (32) Numero de sequência (16) É usado para obter a mascara de rede. O pedido é enviado como um broadcast, varias respostas podem ser obtidas. O identificador e numero de sequência podem ser qualquer valor e são usados pelo cliente para poder emparelhar pedidos com respostas.

83 Pedido de acerto de tempo e resposta Tipo 13 ou 14 (8) Código 0 (8) checksum (16) Identificador (16) Numero de sequência (16) Timestamp de partida no cliente (32) Timestamp de recepção no servidor (32) Timestamp de transmissão no servidor (32) É usado para obter o tempo corrente a partir de outros sistemas. Retorna o tempo em milissegundos deste a meia noite em tempo universal coordenado (UTC). Não fornece a data. Infelizmente varias implementações possuem problemas em termos de precisão. É preferível usar o protocolo NTP para acertar o tempo.

84 Destino não alcançável Tipo 3 (8) Identificador (16) Código 0-15 (8) Não usado conteúdo sempre 0 (32) checksum (16) Numero de sequência (16) Cabeçalho IP incluindo opções do datagrama IP que originou a mensagem ICMP mais os primeiros 8 bytes de dados do datagrama IP As mensagens de destino não alcançável incluem parte do datagrama IP original, para que seja possível determinar qual o processo que originou o datagrama que provocou o erro de modo a entregar-lhe o diagnostico de erro. Os bytes 9 e 10 pode ser usados pelas mensagens código 4 para indicar o MTU da interface (fragmentation needed but DF bit set)

85 Ping O Ping é um programa que serve para determinar se outro sistema está acessível na rede IP. Usualmente se um sistema não for capaz de responder a um Ping também não será capaz de responder a protocolos de nível mais alto: Esta afirmação pode não ser verdade para sistemas protegidos por firewalls. A resposta a pedidos de echo ICMP pode estar inibida Existem também alguns sistemas que carregam dinamicamente o suporte para TCP/IP (antigo MacOS). A componente de server do Ping é implementada dentro do kernel. O cliente Ping usa mensagens ICMP de pedido de eco dirigidas a um servidor. O servidor responde a cada pedido de eco com uma resposta de eco ICMP. O Ping permite também obter o round trip time entre dois sistemas

86 Eco ICMP Tipo 0 ou 8 (8) Identificador (16) Código 0 (8) Dados opcionais checksum (16) Numero de sequência (16) O identificador serve para identificar o processo cliente para o caso de existirem vários pings em execução simultânea. O número de sequência é incrementado em cada instancia para cada mensagem de pedido de eco enviada. O numero de sequência permite saber quando as mensagens são perdidas, duplicadas ou chegam fora de ordem.

87 Ping O Ping pode ser usado de varias formas: Para testar se um sistema está alcançável enviando um único pedido de eco. Para testar a conectividade medindo a perda de pacotes e o RTT enviando pedidos de eco segundo a segundo. Para testar a conectividade medindo a perda de pacotes e o RTT mínimo, máximo e médio enviando novos pedidos de eco logo que as respostas aos anteriores chegam. Verificar o MTU gerando pacotes de diferentes tamanhos É frequente que o RTT para a primeira mensagem de ping seja mais lento devido: À necessidade de usar ARP para obter o endereço de hardware do sistema de destino ou router. Ao estabelecimento de entradas em tabelas de switches. Ao estabelecimento de circuitos. À abertura de linhas dialup.

88 Opção de registo de rota A opção IP de registo de rota (RR) faz com que cada router ao longo do percurso adicione o seu endereço IP da interface de saída a uma lista na área do datagrama reservada às opções. O comando ping possui geralmente uma opção que permite activar a opção de registo de rota. Quando o datagrama chega ao destino a lista de endereços IP é copiada para o datagrama de resposta de eco. Infelizmente existem alguns problemas: A suporte para a opção RR é opcional nos clientes, routers e servidores. O numero de endereços podem ser registados é de apenas 9. Estas insuficiências tornam a opção RR pouco útil. Código 7 (1) Compr. 39 (1) Ptr 4-40 (1) Ender IP 1 (4) Ender IP 2 (4) Ender IP 3 (4) Ender IP 9 (4)

89 Opção de registo de tempo A opção IP de registo de tempo é similar à opção de registo de rota. Código 0x44 (1) Compr (1) Ptr 4-40 (1) OF FL (1) Tempo 1 (4) Tempo 2 (4) Tempo 3 (4) Tempo 9 (4) O campo FL (flags) tem o seguinte significado: 0 regista apenas o tempo por cada router que é atravessado. 1 regista o tempo e o endereço IP de cada router. 3 os campos são inicializados com 4 pares de endereços IP. Cada router compara o seu endereço com os endereços da lista, se for igual preenche o campo de tempo correspondente. Se a lista encher, cada router incrementa o campo OF. O formato do tempo é o numero de milissegundos desde a meia noite UTC

90 Traceroute O comando traceroute é uma ferramenta de debugging para redes IP que permite ver qual a rota que o tráfego segue entre dois sistemas. O traceroute não usa a opção IP de registo de rota. O comando traceroute funciona: Enviando datagramas UDP para o host de destino usando uma porta UDP de destino potencialmente livre ( > 30000). O que faz gerar um ICMP porta não alcançável quando chega ao destino. O traceroute determina os routers que são atravessados: Enviando 3 datagramas UDP com TTL começando em 1 e que são incrementado para cada conjunto de 3 datagramas. Cada router decrementa o TTL e caso este seja 0 deita fora o datagrama enviando uma mensagem ICMP de tempo excedido. É assim possível obter os endereços dos routers pois estes são os endereço de origem das mensagem ICMP de tempo excedido.

91 Traceroute O traceroute permite também obter o RTT entre o sistema de origem e cada router intermediário até ao sistema de destino, através da cronometragem do envio de cada datagrama UDP até à recepção da mensagem de erro ICMP correspondente. Atenção: Como o routing IP é dinâmico não existe nenhuma garantia que todos os datagramas usados num traceroute sigam o mesmo percurso. O percurso que as mensagens ICMP seguem pode ser diferente do percurso dos datagramas UDP (routing assimétrico). Por estas razões não se pode tirar conclusões sobre o tempo de demora a alcançar um determinado router, porque não sabemos o tempo de cada um dos trajectos mas sim o somatório da ida e volta. Para se determinar o caminho no sentido contrario é preciso: pedir a alguém que esteja do outro lado para efectuar um traceroute no sentido inverso. Usar loose source routing

92 Traceroute $ traceroute traceroute to ( ), 30 hops max, 60 byte packets 1 swlip01-lan.lip.pt ( ) ms ms ms 2 gtlip-routers.lip.pt ( ) ms ms ms ( ) ms ms ms 4 ROUTER4.10GE.Lisboa.fccn.pt ( ) ms ms ms 5 fccn.rt1.mad.es.geant2.net ( ) ms ms ms 6 so rt1.gen.ch.geant2.net ( ) ms ms ms 7 so rt1.fra.de.geant2.net ( ) ms ms ms 8 TenGigabitEthernet7-3.ar1.FRA4.gblx.net ( ) ms ms ms ( ) ms ms ms 10 google-1.ar4.fra3.gblx.net ( ) ms ms ms ( ) ms ms ( ) ms ( ) ms ( ) ms ms ( ) ms ms ms ( ) ms ( ) ms ms ( ) ms ( ) ms ms 16 ew-in-f147.1e100.net ( ) ms ms ms

93 mtr O mtr é similar ao traceroute mas melhor Combina a funcionalidade do traceroute e do ping numa única ferramenta Usa datagramas ICMP de eco Requer previlegios de root jorge]# mtr --report -c4 HOST: pcjorge.lip.pt Loss% Snt Last Avg Best Wrst StDev 1. swlip01-lan.lip.pt 0.0% gtlip-routers.lip.pt 0.0% % ROUTER4.10GE.Lisboa.fccn.pt 0.0% fccn.rt1.mad.es.geant2.net 0.0% so rt1.gen.ch.geant2.n 0.0% so rt1.fra.de.geant2.n 0.0% TenGigabitEthernet7-3.ar1.FR 0.0% % google-1.ar4.fra3.gblx.net 0.0% % % % % % ew-in-f99.1e100.net 25.0%

94 Opção de source routing O routing IP é dinâmico com cada router a decidir qual o próximo router para onde enviar um determinado datagrama. As aplicações não interferem no mecanismo normal de routing. O source routing permite que seja o processo que envia os dados a especificar o caminho que deve ser percorrido até ao destino. Existem duas formas de source routing: Strict source routing: é especificado o caminho exacto a percorrer. Se um router encontrar na opção de source routing um próximo router que não esteja numa rede directamente conectada o datagrama é deitado fora e uma mensagem ICMP de falha de source routing é enviada. Loose source routing: são especificados alguns dos routers pelos quais o datagrama tem de passar. O datagrama pode passar por mais routers do que os especificados e entre estes é usado routing normal. Alguns versões de traceroute permitem o uso de source routing.

95 Opção de source routing Código 0x83 0x89 (1) Compr. 39 (1) Ptr 4-40 (1) Ende r IP 1 (4) Ende rip 2 (4) Ende r IP 3 (4) Ende r IP 9 (4) O formato da opção IP de source routing é idêntico ao formato da opção RR. O código é 0x83 para loose é 0x89 para strict. Com funciona: O host de origem remove a primeira entrada da lista e usa-a como endereço de destino. Toda a lista é movida para a esquerda uma posição. O endereço de destino original é guardado na ultima posição da lista à direita. Cada router verifica se é o destino do datagrama. Se não for o destino e a opção for strict o datagrama é deitado fora e um erro é enviado, se for loose o datagrama é enviado seguindo as regras normais de encaminhamento. Se o router for o destino a posição da lista indicada pelo ponteiro é usada como próximo destino. O endereço da interface de saída do router é guardada na posição indicada pelo ponteiro, e finalmente o ponteiro é incrementado 4 bytes.

96 Traceroute Anteriormente foi dito que para verificar o trajecto no sentido inverso se podia usar loose source routing juntamente com o traceroute. O truque consiste em usar o endereço do host remoto a partir do qual pretendemos efectuar o traceroute como um endereço da lista de loose routers e o endereço da maquina de origem como destino final Origem R1 4 R2 Destino 5

97 Fragmentação requerida Tipo 3 (8) Código 4 (8) Campo não usado (zero) (16) checksum (16) Esta mensagem de erro é enviada quando se conjuga: datagrama com o bit de don t fragment activo datagrama demasiadamente grande para ser enviado sem fragmentação. Este tipo de mensagem pode ser usado para determinar o MTU máximo suportado entre duas maquinas. Alguns routers não preenchem o MTU da interface causadora. Dificulta o uso do Path MTU discovery MTU da interface causadora (16) Cabeçalho IP incluindo opções do datagrama IP que originou a mensagem ICMP mais os primeiros 8 bytes de dados do datagrama IP

98 MTU de um trajecto Existe um método de ajuste dinâmico do MTU (RFC 1191) que permite enviar datagramas com um tamanho máximo que não ultrapasse o MTU de um trajecto: O método consiste em enviar datagramas com o bit de don t fragment activo. O primeiro datagrama possui uma tamanho igual ao MTU da interface da maquina de origem. Se o datagrama ultrapassar o MTU de alguma interface ao longo do trajecto então uma mensagem de erro de fragmentação requerida é recebida. Se mensagens de erro forem recebidas o tamanho dos datagramas é diminuído para o MTU especificado na mensagem de erro. Caso o campo MTU da mensagem de erro esteja a zero o tamanho do datagrama é diminuído de acordo com uma tabela. O MTU é recalculado para cada trajecto de 10 em 10 minutos.

99 Router ou host em sobrecarga Tipo 4 (8) Código 0 (8) Campo não usado (zero) (32) checksum (16) Cabeçalho IP incluindo opções do datagrama IP que originou a mensagem ICMP mais os primeiros 8 bytes de dados do datagrama IP Esta mensagem de erro é enviada quando um sistema (host ou router) recebe datagramas IP a um ritmo demasiado elevado para poderem ser processados. Um sistema não é obrigado a enviar este tipo de mensagem. Usualmente o TCP diminui o ritmo de envio de datagramas quando recebe esta mensagem. Algumas implementações UDP passam a mensagem à aplicação que está a gerar os datagramas (o BSD original não o faz).

100 Redirecção ICMP Uma mensagem de redirecção ICMP é enviada por um router para o endereço IP de origem de um datagrama, quando o datagrama deveria ter sido enviado para outro router. Por exemplo: Uma maquina envia um datagrama para o default router. O default router verifica a sua tabela de routing e determina que o datagrama deverá ser encaminhado para outro router. Se o default router determina que a interface que deve usar para enviar o datagrama para o outro router é a mesma interface pela qual o datagrama foi recebido então: O datagrama é encaminhado para o router. Uma mensagem de ICMP redirect é enviada para o endereço IP da maquina de origem indicando que futuros datagramas devem ser enviados directamente para o outro router. Esta mensagem dá origem à adição de uma nova rota na maquina de origem.

101 Redirecção ICMP A Router X Router Y B O sistema A possui uma default route através do router X O sistema A envia um pacote IP para B através do router X O router X recebe o pacote e percebe que ele próprio não é a melhor rota porque : Existe um router Y que anuncia melhor conectividade para a rota O router Y é acessível através da interface pela qual o pacote foi recebido O router X envia uma mensagem de ICMP redirect para A indicando que o router correcto para a rota em questão e o router Y O sistema A recebe a mensagem ICMP e actualiza a sua tabela de routing

102 Encaminhamento IP Nível de transporte (TCP, UDP etc.) ICMP Comando netstat ou route Sim Endereço IP de destino é um endereço de multicast ou broadcast, ou endereço de uma interface local? Não? Função IP de saída determinar próximo router Tabela de encaminhamento Processamento de opções IP Nível de ligação (driver de rede) Processos de routing Comandos de routing Rede

103 Redirecção ICMP Tipo 5 (8) Código 0-3 (8) Endereço IP do novo router a ser usado (32) checksum (16) Cabeçalho IP incluindo opções + os 8 primeiros bytes dos dados transportados pelo datagrama Existem 4 tipos de mensagens de redirecção: 0 redirecção para uma rede 1 redirecção para um host 2 redirecção para tipo de serviço mais rede 3 redirecção para tipo de serviço mais host

104 Descoberta de routers com Usando as mensagens ICMP de pedido e anuncio de router é possível definir automaticamente o default router nas maquinas de uma rede: Quando o sistema faz boot envia um broadcast ou multicast (all routers) pedindo aos routers da rede que enviem o endereço da sua interface. Os routers respondem com mensagens de anuncio de router via broadcast ou multicast para (all hosts). Cada mensagem pode incluir vários endereços e cada endereço possui associado um valor de preferência. Os valores de preferência devem ser configurados pelos administradores de sistema. O sistema escolhe a rota com maior valor de preferência Este sistema permite implementar uma forma simples de redundância na default route Se um router for abaixo deixa de anunciar e outra rota anunciada por outro router poderá ser escolhida O sistema pode verificar se a rota é valida através de informação proveniente do nível TCP, respostas ARP, ping etc. ICMP

105 Descoberta de routers com ICMP Periodicamente e de forma aleatória os routers enviam para a rede estas mesmas mensagens Permite garantir que todos os sistemas possuem as suas tabelas de routing actualizadas Permite que caso um router desapareça outro seja escolhido Permite que caso surja uma melhor rota esta seja escolhida TTL de cada router aprendido 30 é de minutos Os anúncios são enviados aproximadamente de 7 em 7 minutos Anuncio por broadcast ou multicast para o grupo (all hosts) Do lado dos hosts a funcionalidade deve ser implementada por um processo que deve correr permanentemente. Não é praticamente usado pois o DHCP permite efectuar a configuração do default router

106 Descoberta de routers com Solicitação de router Tipo 10 (8) Código 0 (8) ICMP Não é usado (valor zero) (32) checksum (16) Anuncio de router Tipo 9 (8) Nº de endereços (8) Código 0 (8) Tama. de endereço (8) Endereço IP do router (32) Nível de preferência (32) checksum (16) Tempo de vida em segundos (16)

107 Protocolo UDP (Nível de transporte)

108 Protocolo UDP O UDP é um protocolo de transporte simples que não oferece garantia de chegada ao destino e sequência de chegada dos seus datagramas. Em UDP cada operação de output de um programa gera exactamente um único datagrama UDP. Os programas que utilizam UDP devem preocupar-se com o tamanho dos datagramas IP que são gerados a partir dos datagramas UDP de forma a não ultrapassar o MTU. Se o MTU for excedido o datagrama será fragmentado. Encapsulamento UDP Cabeçalho IP (20) Cabeçalho UDP (8) DADOS UDP

109 Protocolo UDP Qual é então o tamanho máximo de dados que pode ser enviado num datagrama UDP: Teoricamente o tamanho maximo de datagrama IP é bytes Retirando o header IP (20 bytes) e o header UDP (8 bytes) sobram bytes para dados Se o datagrama IP for superior ao MTU vai ocorrer fragmentação (deve-se evitar a fragmentação!!!) Na prática: O tamanho máximo de buffer UDP limita frequentemente a recepção dos segmentos. O tamanho máximo dos pacotes NFS são frequentemente o limite (8192 bytes em NFSv2, 32KB ou 54KB em versões mais recentes). Deve-se ser muito cuidado com o tamanho dos datagramas especialmente em ligações WAN onde o MTU pode ser mais pequeno que na LAN. Muitas aplicações limitam os dados UDP a 512 bytes ou menos para ficarem dentro do tamanho de datagrama IP garantido 576 bytes

110 Protocolo UDP Porta de origem (16) Tamanho (16) Porta de destino (16) Checksum UDP (16) Dados As portas identificam os processos de origem e destino. O tamanho corresponde ao tamanho do cabeçalho UDP e dados. O checksum UDP é opcional e cobre o cabeçalho e dados. Como os dados podem ter um tamanho impar um byte a zero pode ser adicionado se necessário para efeitos de calculo de checksum. O UDP (e TCP) incluem no calculo do checksum alguns campos do protocolo IP (IP pseudo header) para garantir a integridade do datagrama.

111 Protocolo UDP O facto de o protocolo IP e UDP poderem suportar datagramas de um determinado tamanho não quer dizer que todas as aplicações suportem esse tamanho. Os APIs UDP permitem às aplicações definir qual o tamanho máximo de datagrama que desejam receber. Quando um datagrama é superior ao máximo que uma aplicação deseja receber o resultado depende da implementação do API. BSD: o datagrama é truncado e o excesso deitado fora. As versões mais recentes permitem notificar a aplicação da ocorrência da truncagem (Linux). SVR4 socket API: Não trunca o datagrama e o excesso é retornado em chamadas subsequentes. A aplicação não é notificada. TLI API: Não trunca o datagrama e o excesso é retornado em chamadas subsequentes. Uma flag indica ao programa que deve efectuar mais reads para obter o resto do datagrama.

112 Servidores UDP Para receber ou transmitir datagramas UDP um programa tem de se associar (efectuar o bind) a uma ou mais portas UDP. Em sistemas com múltiplos endereços IP é possível especificar num programa qual o endereço utilizar para receber datagramas Usualmente um programa quando efectua o bind este é feito sobre todos os endereços IP do sistema. Os servidores UDP são normalmente iterativos ou seja processam um pedido de cada vez. Associada a cada porta UDP em uso existe um fila de tamanho limitado para receber datagramas que depois são entregues ao processo. Desta forma se vários clientes enviarem pedidos a um servidor estes ficam em fila de onde o servidor os vais ler. Se muitos pedidos chegarem simultaneamente a fila enche, os próximos pedidos a chegar são perdidos e uma mensagem ICMP de sobrecarga é enviada para as maquinas que os originaram.

113 Servidores UDP Normalmente um programa servidor pode receber datagramas UDP de qualquer endereço IP. É possível definir qual o endereço IP remoto e porta UDP remota dos quais um programa aceita receber datagramas UDP. Resumindo: Local Remoto Descrição da restrição de acesso IP.porta IP.porta Acesso restrito a um cliente IP.porta *.* Restrito a datagramas que cheguem a um endereço *.porta *.* fixo Aceita todos os datagramas

114 Processos UDP: Servidores UDP $ netstat --udp -a Active Internet connections (servers and established) Proto Recv-Q Send-Q Local Address Foreign Address udp 0 0 *:syslog *:* udp 0 0 *:snmp *:* udp 0 0 *:sunrpc *:* udp 0 0 *:ipp *:* udp 0 0 *:ntp *:*

115 Restrição de acesso: Servidores UDP Proto Recv-Q Send-Q Local Address Foreign Address udp :ntp *:* Proto Recv-Q Send-Q Local Address Foreign Address udp 0 0 *:ntp :* Proto Recv-Q Send-Q Local Address Foreign Address udp 0 0 *:ntp :123 Também é valido para o TCP Implica que o programa tenha sido escrito para permitir este tipo de restrição Na pratica as restrições são implementadas: Nas firewalls Por bibliotecas como o libwrap (TCP wrapper) nos processos servidores

116 TFTP (Trivial File Transfer Protocol)

117 TFTP O TFTP é frequentemente usado para transferir o sistema operativo e ficheiros de configuração Ex. durante o boot de dispositivos de rede. O TFTP usa UDP para ser simples e compacto de modo a poder ser facilmente incorporado em BOOT ROMs. Os comandos que um cliente pode enviar ao servidor são: Leitura de um ficheiro Escrita de um ficheiro O TFTP não possui qualquer forma de autenticação ou segurança. A maior parte dos servidores TFTP possuem a possibilidade de definir qual o directório ou directórios que podem ser acedidos remotamente.

118 TFTP Mensagem TFTP Header IP (20) Header UDP (8) opcode 1 ou 2 (2) Nome do ficheiro (n) Zero 0 (1) modo (n) Zero 0 (1) Opcodes 1 - Leitura 2 - Escrita 3 - dados 4 - ACK 5 - Erro opcode 3 (2) opcode 4 (2) Numero de bloco (2) Numero de bloco (2) Dados (0-512) opcode 5 (2) Numero de erro (2) Mensagem de erro (n) Zero 0 (1)

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

ICMP. Tipos de mensagens ICMP

ICMP. Tipos de mensagens ICMP ICMP Tipos de mensagens ICMP ICMP (Internet Control Message Protocol) Normalmente considera-se que o ICMP faz parte da camada de rede Comunica mensagens de erro, mensagens de informação, mensagens de resposta

Leia mais

Redes de Comunicações

Redes de Comunicações A Camada de Rede da arquitectura TCP/IP O Protocolo IP (Internet Protocol) O Protocolo ARP (Adress Resolution Protocol) O Protocolo RARP (Reverse Address Resolution Protocol) O Protocolo ICMP (Internet

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

ICMP Internet Control Message Protocol

ICMP Internet Control Message Protocol TCP UDP ICMP Internet Control Message Protocol ARP IP ICMP Acesso à rede Funcionalidade Mensagens ICMP Internet Control Message Protocol - ICMP Funcionalidades Informar máquina de origem da ocorrência

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4.

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Camada de rede: IP Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Internet Rede 2 Rede 1 Internet Rede 4 Rede 3 Rede 5 O

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede 1. Configuração de rede no Windows: A finalidade deste laboratório é descobrir quais são as configurações da rede da estação de trabalho e como elas são usadas. Serão observados a

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço "físico" Classes de endereços

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço físico Classes de endereços O protocolo IP Protocolos em Redes de Dados - Aula 02 - Os protocolos IP Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Internet Control Message Protocol - ICMP. Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br

Internet Control Message Protocol - ICMP. Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br Internet Control Message Protocol - ICMP Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br Pauta Cabeçalho ICMP Funções do ICMP Bibliografia Stevens, R.W. TCP/IP Illustrated Volume 1 Addison-Wesley

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de Aula 02 Os protocolos FCUL Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada passo, é necessário fazer uma tradução entre o

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redes de Computadores I - Protocolos de Controle: ICMP. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Protocolos de Controle: ICMP. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Protocolos de Controle: ICMP por Helcio Wagner da Silva Introdução Na Internet, cada roteador opera de maneira autônoma X X X X 2 Introdução Infelizmente, nada funciona corretamente

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Pilha de protocolos TCP/IP. IPv4; ARP; UDP; BOOTP/DHCP; ICMP; TCP e IGMP. 1 A camada IP A pilha de protocolos normalmente designada por TCP/IP exerce actualmente

Leia mais

7.4 Encaminhamento IP

7.4 Encaminhamento IP 7.4 Encaminhamento IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Encaminhamento IP Características Baseado

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 O ICMP - - é um protocolo que faz parte da pilha TCP/IP, enquadrando-se na camada de rede (nível

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro ConeglianBianchiniexerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Protocolo de resolução de endereços: ARP

Protocolo de resolução de endereços: ARP Protocolo de resolução de endereços: ARP Introdução, cache ARP, formato do pacote ARP, exemplos de ARP em acção, proxy ARP, ARP "Gratuito, comando arp. Endereço físico Os endereços IP fazem apenas sentido

Leia mais

Além do IP, que é usado para a transferência de dados, a Internet tem diversos protocolos de controle usados na camada de rede.

Além do IP, que é usado para a transferência de dados, a Internet tem diversos protocolos de controle usados na camada de rede. Redes de Computadores 02 Camada De REDE Parte 04 Márcia Baltar Vieira marciabv@gmail.com 1 Redes de Computadores 02 Objetivos Gerais Objetivos do Material: Além do IP, que é usado para a transferência

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Tecnologia de Redes. Protocolo ICMP

Tecnologia de Redes. Protocolo ICMP Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Protocolo

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits)

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits) INTERNET Colecção de redes e gateways que utiliza o protocolo TCP/, e funciona como uma única rede virtual. - Internet Protocol Providencia - Conectividade Universal - Serviços - connectionless - connection

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede Bacharelado em Informática Disciplina: Internet e Arquitetura Arquitetura OSI Arquiteturas de Arquitetura IEEE Arquitetura Internet Inter-rede Apresentação Sessão Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama IP - Internet Protocol Histórico O protocolo internet (IP), definido e aprovado pelo DoD (Departamento de Defesa Americano), foi concebido para uso em sistemas de computação interconectados através de

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores CPE 825

Roteamento em Redes de Computadores CPE 825 Roteamento em Redes de Computadores CPE 825 Luís Henrique M. K. Costa luish@gta.ufrj.br Otto Carlos M. B. Duarte otto@gta.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro -PEE/COPPE P.O. Box 68504 - CEP

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Sistemas Operacionais de Redes Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Agenda Conhecer o funcionamento do mecanismo de rede Configurar as configurações básicas de rede Compreender

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Funções da camada de rede

Funções da camada de rede Funções da camada de rede As duas funções fundamentais desta camada são: 1. Endereçamento ou addressing atribuição de um código único a cada interface de estação, tornando possível enviar e receber pacotes

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Redes IP. Capítulo 3 - Protocolo IP

Redes IP. Capítulo 3 - Protocolo IP 1 Redes IP Capítulo 3 - Protocolo IP Camada Inter-Redes - Protocolo IP Características do Protocolo IP O Datagrama IP Encapsulamento de Datagramas Tamanho do Datagrama, MTU da Rede e Fragmentação IP versão

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Ping. O programa Ping, opção de record route e de timestamp.

Ping. O programa Ping, opção de record route e de timestamp. Ping O programa Ping, opção de record route e de timestamp. Ping Testa se um outro terminal se encontra atingível O programa envia uma mensagem ICMP echo request para um terminal e espera por receber uma

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

CAP 258 - REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Redes - PROTOCOLO TCP/IP. Redes - Parte III PROTOCOLO TCP/IP 91 1 ENDEREÇO IP 91 2 SUB-REDES E SUPER-REDES 96

CAP 258 - REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Redes - PROTOCOLO TCP/IP. Redes - Parte III PROTOCOLO TCP/IP 91 1 ENDEREÇO IP 91 2 SUB-REDES E SUPER-REDES 96 Redes - Parte III PROTOCOLO TCP/IP 91 1 ENDEREÇO IP 91 1.1 MÁSCARA DE REDE 92 1.2 ENDEREÇO DE BROADCAST. 93 1.3 ENDEREÇOS DE REDES ESPECIAIS: 94 1.4 OUTRAS NOTAÇÔES DE ENDEREÇAMENTO 95 2 SUB-REDES E SUPER-REDES

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Tecnologia de Redes. Protocolo IP

Tecnologia de Redes. Protocolo IP Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Protocolo IP Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Introdução ao protocolo IP Endereçamento IP Classes

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP

1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP 1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP 1.1 Exemplo de subredes HUB ROTEADOR HUB 1.2 ICMP - Internet Control Message Protocol ICMP é um protocolo que roda sobre IP e é usado para comunicar diversas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma rede experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP)

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Administração de Redes 2014/15 Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) 1 Configuração de parâmetros de rede Para poder funcionar em rede e ligar-se à Internet, uma máquina precisa de ter um conjunto

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê IPv6 César Loureiro V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê Outubro de 2014 Agenda Esgotamento IPv4 Endereçamento e Funcionalidades do IPv6 Implantação IPv6 IPv6 na Rede Tchê Dicas de Implantação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL OUTLINE DHCP PROTOCOLO RELAY AGENT EXEMPLO LINUX EXEMPLO IOS DHCP Dynamic Host Configuration Protocol, ou DHCP, é um dos protocolos de suporte

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais