ECA303 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECA303 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL I"

Transcrição

1 NOTAS VÁLVULAS E POSICIONADORES 1.1. INTRODUÇÃO Existem alguns processos industriais que dependem da correta distribuição e controle de fluídos (líquidos, gases e vapores) e para isso em sua malha de controle utilizam algum tipo de elemento final de controle para executar determinadas tarefas do processo. Esse elemento final de controle geralmente é um mecanismo que varia a quantidade de energia ou material (agente de controle), em resposta ao sinal enviado pelo controlador, a fim de manter a variável controlada em um valor (ou faixa de valores) pré - determinado. Elementos finais de controle podem ser válvulas, bombas dosadoras, dampers (variações de válvulas borboleta), hélices de passo variável, motores com variadores de velocidade, etc. As válvulas são os principais representantes dos elementos finais de controle responsáveis pela manipulação do fluxo de fluídos e ou energia, que tem como finalidade atuar no processo de modo a corrigir o valor da variável controlada sempre que houver algum desvio de seu valor desejado. São instaladas em linhas de tubulações que se destinam a diferentes objetivos, tais como: garantir a segurança da instalação e dos operadores, permitirem a realização de manutenção e substituição de equipamento, estabelecer e controlar a pressão e escoamento de fluídos em tubulações, etc. Existe uma grande variedade de tipos e subtipos de válvulas, cuja escolha depende das características de operação, natureza do fluído, condições de pressão, temperatura e forma de acionamento estabelecido para cada tipo de processo. Na maioria dos casos, a válvula é o componente mais sujeito a condições severas de pressão, temperatura, corrosão, etc. e ainda assim, deve operar de modo satisfatório. A seleção da válvula é da maior importância tanto sob o ponto de vista da operação normal da instalação quanto do aspecto de custos envolvidos. Uma escolha incorreta pode algumas vezes causar sérios problemas, provocando alterações consideráveis no desempenho da planta e podendo até causar graves danos à instalação. A fim de melhor compreendermos o que é uma válvula e principalmente uma válvula de controle, vamos verificar quais os seus componentes funções e características principais. 1

2 1.2. COMPONENTES DE UMA VÁVULA DE CONTROLE Uma válvula de controle divide-se basicamente nas seguintes partes: a) Atuador b) Corpo e internos c) Castelo e engaxetamento Atuador Atuador de diafragma e mola É a parte da válvula de controle que fornece a força com que a válvula realiza seu trabalho. O atuador mais comum consiste de uma câmara bipartida que contém um diafragma flexível. Numa das partes desta câmara o atuador recebe o sinal de controle, e, na outra parte, o diafragma é fixado a um prato, onde se apóiam uma haste e uma mola. Quando se aplica em seu lado próprio, ar, proveniente do controlador, se este for pneumático, a força produzida se opõe à força gerada pela mola, a qual limita o curso e regula a posição da haste. A maioria dos atuadores opera numa faixa de pressão que varia de 3 a 15 psi (libras por polegada ao quadrado) ou no sistema métrico 0,2 a 1,0 kgf/cm2. O sistema de atuação das válvulas de controle transforma pressão de ar em força aplicada ao diafragma e existe uma relação praticamente linear entre a pressão de ar de atuação e o deslocamento (curso da haste). Tal relação pode ser ilustrada na figura. 2

3 Além dos atuadores tipo mola e diafragma, existem outros tipos de atuadores pneumáticos bastante aplicados em indústrias de processo para controle e principalmente bloqueio de fluxo, são os atuadores a pistão. Nas figuras são apresentados esquemas dos atuadores do tipo pistão com retorno por mola. Estes atuadores destinam-se a bloqueio de fluxo por questões de segurança de processo e equipamentos, sendo que a válvula pode assumir, neste caso, a posição aberta ou fechada. A mola é instalada numa câmara oposta ao compartimento onde é injetado o ar de acionamento, de modo que, na falha de alimentação pneumática, a mola leva o atuador e, conseqüentemente, a válvula para a posição desejada. Válvulas solenóide São válvulas que por construção promovem o desvio de fluxo de ar do atuador da válvula principal, de modo que esta possa assumir a posição de falha desejada. O comando do solenóide é elétrico, normalmente vindo do sistema de intertravamento da planta, o qual energiza ou desenergiza a solenóide, dependendo da especificação da mesma. A figura mostra uma válvula atuada por cilindro com retorno por mola, acionada por uma válvula solenóide de três vias. Para ilustrar a aplicação da figura, vamos considerar que: O solenóide piloto está energizada, ou seja, circula corrente através de sua bobina, fazendo com que o ar passe da via 1 para a via 2, alimentando o pistão com ar comprimido. A via 3 está fechada, de modo a manter o pistão pressurizado pela aplicação da pressão; A mola oposta à câmara do pistão está comprimida para manter a válvula principal na posição desejada (aberta ou fechada). 3

4 Nestas condições, quando a solenóide for desenergizada por um comando externo a via 1 será bloqueada, impedindo a entrada de ar comprimido, a via 3 será aberta, provocando o escape do ar contido na câmara do pistão para a atmosfera, despressurizando este compartimento. A mola oposta, até então comprimida, deverá, nestas condições, levar a válvula para a posição oposta. O dimensionamento do pistão, bem como da mola, depende da pressão máxima d tubulação na qual a válvula está instalada. Atuadores Manuais Podemos incluir as válvulas acionadas por volante e haste roscada, alavancas e volantes com caixa de redução. A figura apresenta uma válvula acionada por volante e haste roscada utilizada em bloqueio em caso de pressões mais baixas, em linhas de pequeno diâmetro, bloqueio de tomadas de instrumentação etc. A maior utilização deste tipo de acionamento se dá em caso de necessidade de se efetuar regulagem manual de fluxo para alguma finalidade de processo, tais como ajuste de fluxo em tomadas de amostras, manutenção de pressão num dado valor e outras. Válvulas acionadas por meio de alavanca são do tipo quarto de volta, e são instaladas em aplicações que requerem fechamento rápido e eficiente, livres de vazamento. As estações de redução de pressão de gás natural, por exemplo, utilizam muito este tipo de válvula como bloqueio, de modo a efetuar manobras de comutação, isolar equipamentos para substituição e manutenção. Operam normalmente em pressões baixas e médias em linhas de até 6. Em caso de tubulações que operam em altas pressões em diâmetros de 6 ou maiores, as válvulas manuais possuem acionamento por meio de volante com caixa de redução, o que confere maior torque de atuação. 4

5 Atuadores Elétricos Esse tipo de atuador é composto por um motor elétrico acoplado a uma caixa de redução, conforme mostra a figura. As válvulas equipadas com este conjunto moto-redutor são normalmente de grandes diâmetros, onde as forças requeridas para abertura e fechamento são, em geral, grandes, não podendo ser fornecida com atuadores pneumáticos. A utilização mais comum deste tipo de atuador encontra-se em adutoras, oleodutos, terminais de tancagem de produtos químicos e petroquímicos, e similares, onde as distâncias entre o ponto de comando e o da localização da válvula são grandes. Atualmente, com grande desenvolvimento da tecnologia eletrônica digital, as válvulas com atuadores elétricos são muito aplicadas em controle modulante e mesmo em operações de bloqueio, sendo interligados em redes através das quais se comunicam entre si e com outros dispositivos do sistema de controle e monitoração, possibilitando operações de diagnósticos operacionais e de falhas, coleta de dados para estabelecer rotinas de manutenção, etc. Atuadores Hidráulicos São compostos de um pistão e uma bomba de óleo, que, quando solicitada por um comando externo, bombeia mais ou menos óleo para o interior do pistão. A figura ilustra esse tipo de atuador, que é normalmente aplicado em locais onde a temperatura ambiente é elevada para atuadores pneumáticos, ou quando se necessita de forças de atuação maiores. 5

6 1.2.2 Corpo e internos O fluído do processo passa pelo corpo da válvula, sendo que o obturador é o elemento móvel da válvula, responsável por restringir a vazão. O seu formato fixa a relação entre a abertura da válvula e a vazão correspondente. A sede recebe o obturador isolando o mesmo do corpo. O corpo da válvula é função da aplicação, bem como os seus internos Castelo e engaxetamento O castelo é a parte da válvula que conecta o atuador ao corpo da válvula, guiando a haste da mesma, alojando o sistema de selagem do fluído de processo (engaxetamento) e exercendo um papel importante de realizar a troca de calor do sistema de engaxetamento com o ambiente. Os castelos podem ser divididos em normal, alongado e com foles. Com o castelo normal a válvula pode ser utilizada em aplicações em que a temperatura não ultrapasse 180 C e que o fluido de processo não possua características tóxicas ou inflamáveis. O castelo alongado é utilizado quando a temperatura ultrapassa 180 C e também para aplicações criogênicas. Em relação aos castelos com fole são utilizados para fluídos tóxicos e inflamáveis. O fole é normalmente fabricado de liga metálica resistente à corrosão, flexível, devendo ser soldado a haste da válvula. 6

7 Quanto as gaxetas devem ser compatíveis com o fluído do processo, deve efetuar uma boa selagem da haste e produzir o mínimo atrito no deslizamento da haste. Os materiais mais utilizados são o teflon e o grafite. O teflon está limitado a temperatura da ordem de 230 C, mas carregado com fibra de vidro, pode atender até temperaturas de 450 C. O grafite apresenta como maior vantagem a resistência a altas temperaturas (540 C). Alguns tipos especiais utilizados em castelos alongados podem atingir temperaturas de até 640 C. Uma desvantagem do grafite é a menor durabilidade obrigando sua substituição com maior freqüência TIPOS DE VÁVULAS DE CONTROLE Para cada tipo de processo ou fluído sempre temos pelo menos um tipo de válvula que satisfaça os requisitos técnicos de processo, independente da consideração econômica. Cada um desses tipos de válvulas possui as suas vantagens, desvantagens e limitações para este ou aquele processo Válvulas Globo Válvula de deslocamento linear, corpo de duas vias, com formato globular, de passagem reta, internos de sede simples ou de sede dupla. É a que tem maior uso na indústria e o termo globo é oriundo de sua forma, aproximadamente esférica. São para aplicação em caso de fluídos limpos, isentos, portanto, de sólidos em suspensão, fibras etc., os quais poderiam danificar os internos da válvula, comprometendo seu fechamento. É do tipo de deslocamento de haste e a sua conexão com a linha pode ser através de flanges rosca ou solda. Ela será de sede simples ou dupla, de acordo com o número de orifícios que possua para a passagem do fluído. Seu funcionamento se dá pelo movimento do obturador tampando o orifício para bloquear o fluxo do fluído. O fluxo do fluído muda de direção e essas mudanças de direção causam uma alta perda de carga (ou energia). Cuidados especiais devem ser tomados durante a sua seleção quando a perda de carga for alta. A má especificação pode provocar vibrações excessivas, danificando a válvula, a tubulação, suportes e/ou equipamentos interligados. Válvulas do tipo globo são utilizadas em geral para diâmetros até 250 mm. Quanto aos materiais de construção são normalmente fabricadas com corpo em aço carbono fundido Sendo os internos fabricados em aço inox. Cabe ressaltar que os internos devem ser sempre fabricados em material melhor do que o corpo uma vez que o desgaste é sempre maior. 7

8 1.3.2 Válvulas esfera Originalmente utilizadas em serviços de bloqueio. São utilizadas em indústrias que manipulam fluídos denominados fluídos sujos, com fibras, sólidos em suspensão e outros. Os internos são compostos pela esfera propriamente dita, assentos normalmente fabricados em teflon, aplicados aos dois lados da esfera (montante e jusante). As válvulas esfera apresentam uma boa característica de controle e também muita boa vedação. Quando aplicada em controle, muitas vezes a esfera apresenta um desenho caracterizado, ou seja, uma usinagem com perfil diferente do cilíndrico, de modo a determinar a curva de característica, ou seja, o modo como a válvula deixa passar a sua vazão em função do ângulo de abertura da válvula Válvula Borboleta São constituídas em um anel de mesmo diâmetro da tubulação, com um disco que gira dentro do anel em torno de um eixo, abrindo ou fechando a passagem do fluído. O disco é a peça que mais afeta o desempenho da válvula, causa turbulência provocando a perda de carga e aumenta a corrosão local. Um fator importante a ser considerado no projeto do disco é a tendência de se fechar sozinho com o fluxo do fluido. É fabricada com diâmetros que variam de 0.075m a 6 m. A operação é muito simples podendo ser manual, através de alavanca, ou de um sistema de engrenagens e volante em válvulas que requerem maior torque. A operação automática pode ser efetuada por um atuador pneumático, hidráulico ou elétrico acoplado ao eixo da válvula. Se for considerada a rotação do disco de 0 a 90, a curva característica (vazão em função da abertura) é conforme figura. 8

9 1.3.4 Válvula tipo Diafragma Este tipo de válvula é constituído basicamente do corpo e de um diafragma elástico que se move em direção ao canal do fluído, produzindo o assentamento da válvula. O movimento ascendente da haste ligada ao diafragma regula a abertura da válvula. O mecanismo de acionamento não tem contato com o fluído. A construção deste tipo de válvula favorece seu revestimento interno, fazendo com que seja utilizados em serviços corrosivos e fluídos contendo sólidos em suspensão. O corpo da válvula pode ser fabricado em ferro fundido, aço carbono e aço inoxidável. O diafragma pode ser fabricado em polietileno, borracha natural, teflon, etc. O acionamento é normalmente feito por volante ou ainda por alavanca de operação rápida de noventa graus. Também é ideal para acionamentos pneumático com molas. Devido ao material do diafragma, a válvula possui limites operacionais de pressão e temperatura bem estreitos, com a pressão variando de 3,5 a 8,3 bar e temperatura de 70 C a 150 C. A figura ilustra válvula e sua curva característica da válvula, ou seja, a variação da vazão através da válvula, em função da abertura da mesma Válvulas tipo Guilhotina As válvulas denominadas guilhotinas utilizam um meio básico de se variar a restrição a um escoamento, que é deslizar uma placa através de uma abertura, normalmente circular, conforme mostra a figura. São também denominadas válvulas gaveta. O desenho mais utilizado é a válvula de gaveta deslizante, onde um disco desliza por uma abertura em forma de V, originando uma abertura de forma caracterizada. São normalmente utilizadas na indústria de papel e celulose devido a manipulação de polpas, sendo o desenho destas válvulas favorável à remoção de fibras eventualmente remanescentes no disco da válvula. 9

10 1.4. APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE CONTROLE Sabemos que uma válvula regula o fluxo de material ou energia num processo ajustando uma abertura através da qual passa um determinado fluído. Trata-se de um orifício variável na linha de processo, onde a vazão através deste orifício é proporcional à área de abertura e à raiz quadrada da queda de pressão na válvula. A abertura varia devido ao posicionamento da haste e a queda de pressão é dada pelas características do processo, de acordo com o layout da instalação, das tubulações e equipamentos e dos fluídos que estão sendo manipulados. As características de fluxo inerentes às válvulas se distinguem em diversos tipos, dependendo do formato do obturador que controla a abertura do orifício de passagem. A seguir são apresentadas as formas básicas de alguns tipos de obturadores usados em válvulas de controle. A figura apresenta um gráfico da variação de vazão pela válvula, em função de sua abertura. O gráfico mostra a variação de vazão paras as três características mais comuns, que são a linear, a igual porcentagem e abertura rápida Válvula com característica de abertura rápida Introduz uma grande variação na vazão, com pequenos aumentos de abertura da válvula. Seu uso é limitado a serviços on-off. Para controle liga-desliga ou mesmo bloqueio de fluxo Válvula de característica linear A área de passagem do fluído varia linearmente com as variações de movimento do obturador. Trabalha com o estrangulamento do fluxo e sua conseqüente regulagem. Matematicamente, a característica desse tipo de válvula pode ser descrita como: 10

11 A= k X Onde A é a área de passagem do fluído, k é a constante da válvula, e X é a distância entre o obturador e a sede. Como o fluxo é diretamente proporcional a área, vem: Q = (X/Xm). Qm Onde: Q é a vazão através da válvula; Qm é a vazão correspondente a máxima elevação do obturador, a uma dada queda de pressão; Xm é a elevação máxima, a uma dada queda de pressão. A característica linear é usada onde se quer uma regulagem linear precisa, e onde a perda de carga do sistema é razoavelmente constante e concentrada na sede da válvula Válvula com característica de igual porcentagem Apresenta, sob condições constantes de queda de pressão, uma porcentagem igual ao crescimento da vazão, por unidade de distância do obturador em relação a sede. Trabalha estrangulando o fluxo e não proporciona um fechamento completamente hermético quando fechada. A equação que traduz as características desta válvula é: 11

12 1.4.4 Rangeabilidade Rangeabilidade de uma válvula é a relação entre a máxima e a mínima vazão que a válvula pode efetivamente controlar. Se uma válvula pode controlar a vazão desde 2% da capacidade máxima até 100%, então a sua rangeabilidade será: R = 100/2 = 50, ou seja, R=50:1 A tabela apresenta alguns valores típicos. OBS Em uma válvula com característica igual porcentagem pequenas variações de curso pelo extremo da curva provocam grandes variações na rangeabilidade da válvula. Portanto a rangeabilidade é função da definição da controlabilidade nos extremos do curso da válvula. 12

13 1.4.5 Cavitação A cavitação é um fenômeno originado em quedas repentinas de pressão, geralmente observado em sistemas hidráulicos. A combinação entre a pressão, temperatura e velocidade resulta na liberação de ondas de choque e micro-jatos altamente energéticos, causando a aparição de altas tensões mecânicas e elevação da temperatura, provocando danos na superfície atingida. Para todo fluido no estado líquido pode ser estabelecida uma curva que relaciona a pressão à temperatura em que ocorre a vaporização. Por exemplo: na pressão atmosférica a temperatura de vaporização da água é de cerca de 100 C. Contudo, a uma pressão menor, a temperatura de vaporização também se reduz. O Teorema de Bernoulli nos ajuda a dizer que um fluido escoando, ao ser acelerado, tem uma redução da pressão, para que a sua energia total se mantenha constante. Considere-se um fluido no estado líquido escoando com uma temperatura T e a uma pressão P. Em certos pontos devido à aceleração do fluido em uma válvula, a pressão pode cair a um valor menor que a pressão mínima em que ocorre a vaporização do fluido (Pv) na temperatura T. Então ocorrerá uma vaporização local do fluido, formando bolhas de vapor. A este fenômeno costuma-se dar o nome de cavitação (formação de cavidades dentro da massa líquida). Ela deve ser sempre evitada por causa dos prejuízos financeiros que causa devido a erosão associada. Estas bolhas de vapor que se formaram no escoamento devido à baixa pressão, serão carregadas e podem chegar a uma região em que a pressão cresça novamente a um valor superior à Pv. Então ocorrerá a "implosão" dessas bolhas. Se a região de colapso das bolhas for próxima a uma superfície sólida, as ondas de choque geradas pelas implosões sucessivas das bolhas podem provocar trincas microscópicas no material, que com o tempo irão crescer e provocar o descolamento de material da superfície, originando uma cavidade de erosão localizada. O fluxo através de uma válvula de controle causa uma perda de carga, sendo que a pressão tem seu valor mínimo na chamada vena-contracta, havendo uma recuperação parcial da pressão a jusante da válvula. As figuras a seguir ilustram as três situações que podem ocorrer no escoamento de um fluído em uma válvula de controle devido a uma perda de pressão. A figura (a) mostra a queda de pressão e a correspondente recuperação quando o fluído é um líquido e continua líquido. P1 é a pressão a montante e P2 a pressão à jusante da válvula. A figura (b) mostra quando um líquido entra na válvula e a pressão estática cai abaixo da pressão de vapor do líquido e a pressão a jusante permanece abaixo desta pressão de vapor, temos uma condição denominada flashing, com vapor na saída da válvula. A figura (c) mostra a pressão cai abaixo da pressão de vapor e depois se recupera, ficando acima desta pressão, há um colapso ou implosão das bolhas de vapor formadas nessa região. 13

14 (a) (b) (c) Em caso de cavitação ou flashing, deve ser feito um dimensionamento apropriado da válvula de controle, bem como selecionar os internos compatíveis com essas condições. Uma rápida avaliação pode ser feita para se determinar se a válvula está operando sob condições de flashing ou cavitação, calculando-se o P limite como: O valor de Cf é função da geometria (tipo) de válvula e das condições de fluxo, e indica quanto cai, na vena-contracta, a pressão, abaixo da pressão de vapor. A tabela mostra os valores de Cf para alguns tipos de válvula. Resumidamente, duas medidas para se evitar a cavitação são normalmente adotadas: 1) Reduzir a perda de carga através da válvula para um valor inferior ao P crítico, o que pode ser conseguido instalando-se a válvula num ponto mais abaixo da tubulação; 2) Instalar uma válvula com maior fator Cf. 14

15 1.4.6 Coeficiente de vazão Cv Trata-se de um índice que traduz a capacidade de uma válvula de controle, o qual é utilizado pelos usuários e publicado pelos fabricantes de válvulas com base em testes de bancada. Por definição, o Cv de uma válvula de controle é a vazão de água em galões por minuto (GPM) que passa pela válvula, quando a queda de pressão através da mesma for de 1 psi. É um índice cujo valor conduz à identificação do diâmetro da válvula, necessário ao controle da variável à qual a válvula se destina em função das condições de processo. No cálculo do Cv devem ser consideradas as condições de escoamento, ou seja, se o fluxo é crítico ou subcrítico e as equações a serem utilizadas variam de um caso para outro em fluídos do tipo líquido, gases e vapores. Ex: Uma válvula de controle com CV igual a 12 tem uma área efetiva de passagem quando totalmente aberta, que permite o escoamento de 12 GPM de água com uma pressão diferencial de 1 psi CARACTERÍSTICA DE VAZÃO INSTALADA DAS VÁLVULAS DE CONTROLE A característica de vazão instalada é definida como sendo a real característica de vazão, sob condições reais de operação, onde a pressão diferencial não é mantida constante. De fato a pressão diferencial num determinado sistema de controle de processo, nunca se mantém constante. As características de vazão fornecidas pelos fabricantes das válvulas de controle são inerentes, já que não possuem condições de simular toda e qualquer aplicação da válvula de controle. A característica de vazão inerente é teórica, enquanto que a característica de vazão instalada é a real. Instalada a válvula de controle de processo, a sua característica de vazão inerente sofre profundas alterações. O grau de alteração depende do processo em função do tipo de instalação, tipo de fluido, etc. Nessa situação a característica de vazão inerente passa a denominar-se característica de vazão instalada. Dependendo da queda de pressão através da válvula e a queda de pressão total do sistema, a característica de vazão pode alterar-se consideravelmente e, o que é mais interessante, é que se a característica de vazão inerente for linear, esta tende a abertura rápida, enquanto que a característica inerente igual porcentagem, tende a linear conforme podemos ver pelas figuras a seguir. 15

16 1.5 Posicionadores O posicionador é um equipamento cuja função é assegurar o correto posicionamento da haste da válvula, de acordo com o sinal de comando correspondente, enviado por um equipamento controlador. Normalmente, o atrito da haste com o sistema de engaxetamento da válvula é o que mais contribui para a denominada histerese, ou seja, uma pequena diferença entre o posicionamento da haste para o mesmo valor do sinal de comando, em instantes diferentes. Então o posicionador é o dispositivo que trabalha em conjunto com o atuador da válvula de controle para posicionar corretamente o obturador em relação à sede da válvula. O posicionador compara o sinal emitido pelo controlador com a posição da haste da válvula e envia ao atuador da válvula a informação necessária para colocar o obturador na posição correta. O posicionador também pode atuar como um amplificador do sinal de saída sendo este recurso bastante explorado para tornar a característica de resposta da malha mais ou menos agressiva. Dependendo da velocidade de variação do processo, o ajuste do posicionador poderá ser feito de diferentes formas. Como indicação geral tem: Em um processo lento, como temperatura, deve se ajustar o ganho do posicionador para próximo ao máximo. Desta forma a válvula irá responder à menor mudança no incremento do sinal de entrada. Porém, deve se ajustar a velocidade de saída próximo do mínimo para prevenir a instabilidade do atuador. Em um processo rápido, como malhas de pressão e vazão, o ajuste do ganho deve ser ao mínimo e o ajuste de velocidade de saída deve ser próximo ao máximo para a resposta ser clara e estável. 16

17 1.5.1 Classificação de posicionadores Os posicionadores são classificados dependendo do sinal de entrada e do tipo e ação do atuador, como segue: Quanto ao sinal de entrada Dependendo do tipo de sinal de entrada no posicionador (manual, pneumático, elétrico ou digital) tem-se: Pneumático P/P com sinal de entrada e saída em pressão. Analógico I/P com sinal de entrada em corrente ou tensão e saída em pressão. Eletrônico I/P com sinal de entrada em corrente e sinal de saída em pressão e mostrador digital. Digital I/P com sinal de entrada em corrente (4 a 20 ma) com comunicação digital HART. Digital I/P com protocolo de comunicação PROFIBUS PA ou FOUNDATION Fieldbus e sinal de saída pneumático. Quanto ao tipo de Atuador Lineares: utilizados em válvulas tipo globo e diafragma. Rotativos: utilizados em válvulas tipo esfera, borboleta. Empresas líderes de mercado atualmente já possuem montagens integradas entre posicionador e atuador reduzindo ao máximo a exposição de partes mecânicas móveis, assim como, os tubos de ar comprimido. Quanto à ação do atuador Simples ação: o atuador gera força motriz pneumática somente em um sentido. Dupla ação: o atuador gera força motriz pneumática em ambos os sentidos, devendo possuir duas saídas pneumáticas no posicionador. 17

18 1.5.2 Posicionadores Digitais A tecnologia da microeletrônica permitiu a utilização de microprocessadores na fabricação de posicionadores digitais, os quais permitem um melhor processamento de sinais, funções de diagnóstico e controle de comunicação. Em comparação com os posicionadores convencionais, os posicionadores programáveis permitem adaptar estes dispositivos facilmente ao controle de processo. Mediante a modulação em pulsos de ar de alimentação e saída pode-se obter uma precisão e rapidez da posição da haste da válvula utilizando para isto micro solenóides. Esta tecnologia permite uma economia de ar comprimido com controle estabilizado. Adicionalmente, o posicionador microprocessado apresenta os seguintes benefícios: Rápido comissionamento, partida e calibração, auto-ajuste mediante parâmetros pré-definidos. Funções automáticas de diagnóstico que permitem aperfeiçoar a manutenção preventiva e preditiva. Facilidade de comunicação digital. Possibilidade de tecnologia de comunicação digital em barramento de campo. A seleção de um posicionador digital não é feita somente em função de sua característica, mas essencialmente depende do sistema de controle e do sistema de comunicação da planta. Adicionalmente devem ser feitas as seguintes considerações: Aplicações em áreas de risco (classificadas): onde o posicionador deve ser à prova de explosão, para poder-se conectar ou desconectar durante a operação da planta. Interoperabilidade, onde o posicionador deve permitir ser instalado em válvula de diferentes fabricantes, com diferentes sistemas de comunicação. 18

19 EXERCÍCIOS 1) Defina elemento final de controle em uma malha de controle atuando em um processo industrial. 2) Defina uma válvula, cite pelo menos três de suas funções e quais os fatores principais que determinam o tipo de sua escolha para a aplicação em um determinado processo. 3) O que é atuador em uma válvula de controle? Cite pelo menos 4 tipos e algumas de suas características. 4) O que é uma válvula solenóide? Explique o funcionamento de uma válvula atuada por cilindro com retorno por mola, acionada por uma válvula solenóide de três vias. 5) O que é sede e obturador de uma válvula? 6) O que é castelo e engaxetamento em uma válvula? 7) Faça um comparativo entre os principais tipos de válvulas: Globo, Esfera, Borboleta, Diafragma e Guilhotina. 8) A variação de vazão pela válvula, entre outros fatores, é em função da abertura de sua haste, podendo ser Rápida abertura, linear e Igual porcentagem. Explique cada uma dessas três características. 9) O que é rangeabilidade em uma válvula? Como é a rangeabilidade em uma válvula com característica igual porcentagem? 10) O que é cavitação? O fluxo através de uma válvula de controle sofre uma perda de carga podendo levar a condição de cavitação. Como se pode avaliar rapidamente se uma válvula está operando sob condições de cavitação? Se a válvula estiver operando sob condições de cavitação o que se pode adotar como medida de correção? 11) Diferencie característica inerente de característica instalada das válvulas de controle. Na prática o que pode acontecer com a característica de vazão devido a queda de pressão através da válvula e a queda de pressão total do sistema? 12) O que vem a ser um posicionador? 13) Em função da velocidade de variação do processo, como pode ser realizado o ajuste do posicionador? 14) A tecnologia da microeletrônica permitiu a utilização de microprocessadores na fabricação de posicionadores digitais. O que esse tipo de posicionador apresenta como benefício? 15) Cite cinco considerações que normalmente devem ser analisadas para a seleção de um posicionador digital. 19

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo As válvulas automáticas são utilizadas em processos de automação ou acionamento remoto para controle de fluxo de líquidos e gases, e também nos processos de dosagem

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 EXCELÊNCIA EM CONTROLE DE FLUXO 1 Válvula Globo de Controle Série 10 Características gerais As válvulas globo de controle de sede simples da série 10, produzidas pela

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

Operações Unitárias. Válvulas. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Operações Unitárias. Válvulas. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Operações Unitárias Válvulas Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Válvulas São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo de fluidos nas tubulações. Há diversas formas

Leia mais

Válvula de controle. José Carlos Costa Pinto

Válvula de controle. José Carlos Costa Pinto Válvula de controle José Carlos Costa Pinto Importância da Valvula de Controle Parte do d sistema de instrumentação Parte do d sistema de tubula ulação Afeta dinâmicamente o ganho da malha de controle

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS

INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS TIC B Sp E G Sc Spv TIPOS DE VÁLVULAS Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas deve-se subentender tipos

Leia mais

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento.

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento. VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo em uma tubulação. São acessórios muito importantes nos sistemas de condução, e por isso devem merecer o maior cuidado

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

Atuadores Pneumáticos

Atuadores Pneumáticos / / D Atuadores Pneumáticos Os atuadores pneumáticos HiTork são dispositivos utilizados para o acionamento de válvulas de controle e outros elementos semelhantes. Possuem construção robusta, grandes torques

Leia mais

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes.

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Série M Série P Válvulas de Guilhotina - Série M Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Manual Pneumática Dados de Operação BITOLA 50 2 65 21/2 80 3 100 4 125 5 150 6 200

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas

Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas Por: Artur Cardozo Mathias O controle do fluxo nos processos industriais normalmente é feito através de válvulas que podem ser tanto de acionamento

Leia mais

VÁLVULAS E POSICIONADORES

VÁLVULAS E POSICIONADORES VÁLVULAS E POSICIONADORES -0- SUMÁRIO 1 - ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE 3 1.1 - DEFINIÇÃO 3 2 - VÁLVULAS DE CONTROLE 3 2.1 - PARTES PRINCIPAIS DE UMA VÁLVULA DE CONTROLE 4 2.2 - ATUADOR 4 2.3 - CORPO 1

Leia mais

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01 Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Módulo I Aula 01 VÁLVULAS As válvulas aplicadas em grandes escalas nas indústrias são dispositivos usados para estabelecer, controlar e interromper a passagem

Leia mais

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista Válvula de Fluxo Anular 1º Encontro Técnico da Baixada Santista André Marques Produtos Tradicionais - SGC aplicados a Controle de Perdas Peças de Manutenção Válvulas de Controle Tubos e Conexões e Intervenção

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Elementos Finais de Controle

Elementos Finais de Controle Elementos Finais de Controle Fonte: Simone Massulini Acosta Variam a quantidade de energia ou material (agente de controle), em resposta ao sinal enviado pelo controlador, a fim de manter a variável controlada

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Dosadoras a Motor bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Serie 600 Serie 500 Há opção de duplo diafragma cabeçotes duplex e válvulas EZE- Serie 700 CLEAN TM consulte-nos! Detalhamento de sistema

Leia mais

Válvula Plástica de Diafragma RAF - P. Irrigação. Válvula Plástica. www.idealtrading.com.br / Tel: 71-35032799

Válvula Plástica de Diafragma RAF - P. Irrigação. Válvula Plástica. www.idealtrading.com.br / Tel: 71-35032799 Válvula Plástica de Diafragma RAF - P Irrigação Válvula Plástica www.idealtrading.com.br / Tel: 71-502799 Ideal Trading - Válvula Hidráulica de Controle RAF - P Válvula de Controle de Diafragma - Alta

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.

Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com. UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br VD-FLUX Válvula Distribuidora de Fluxo Universal tipo Pistão * Patente PI 9702874-6 02/06/1997 A Válvula Distribuidora de Fluxo Universal Tipo Pistão VD- Flux da Detroit foi projetada e desenvolvida para

Leia mais

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em:

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Série Plástica PAZ De acordo com a filosofia de desenvolvimento dos produtos da Ooval, a série PAZ é produzida com materiais de alta qualidade adequados A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Capacidade

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades.

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. CAPÍTULO 3 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO. Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. BOMBEIO

Leia mais

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS a ma + Comunicação Digital HART DESCRIÇÃO O posicionador microprocessado FY proporciona o posicionamento rápido e seguro dos atuadores tipo diafragma ou cilindro.

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

Válvulas controladoras de vazão

Válvulas controladoras de vazão Generalidades Válvula controladora de vazão variável Válvula de controle de vazão variável com retenção integrada Métodos de controle de vazão Válvula de controle de vazão com pressão compensada temperatura

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento Informações Gerais Para garantir a qualidade e a vida útil de uma válvula é necessário verificar a instalação, aplicação, bem como o seu material de acordo com o fluido que será utilizado e uma manutenção

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda INTRODUÇÃO É notável o avanço da Física e eletrônica

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER. Connect With Quality. Richard Klinger Ind. e Com. Ltda

Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER. Connect With Quality. Richard Klinger Ind. e Com. Ltda Connect With Quality Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER Richard Klinger Ind. e Com. Ltda Av. Duque de Caxias, 2001 Jardim Sta. Lúcia CEP 13223-025 Várzea Paulista São Paulo Fone: (11) 4596.9514

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 17 Bombas Hidráulicas Tópicos Abordados Nesta Aula Características das Bombas Hidráulicas. Definição São Máquinas Hidráulicas Operatrizes, isto é, máquinas que recebem energia potencial (força motriz

Leia mais

Válvulas solenoides de 2/2 vias servo operadas tipo EV220B 15 50

Válvulas solenoides de 2/2 vias servo operadas tipo EV220B 15 50 Catálogo técnico Válvulas solenoides de 2/2 vias servo operadas tipo EV220B 15 50 EV220B 15 50 é um programa universal de válvula solenoide de 2/2 vias indiretamente servo-operada. O corpo da válvula em

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho).

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho). As Válvulas de segurança da GPA são a forma mais efetiva de proteger sua prensa freio embreagem contra mau funcionamento ou operação acidental derivada por falha da válvula. MEP-A é uma série de válvulas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1 SOLUÇÔES INTEGRAIS 111 Sistema estrutural de alumínio Perfis e acessórios Série MICRO Tipo... Liga... Estado... Tolerâncias dimensionais... Terminação... Sistema modular de perfis de alumínio e seus acessórios

Leia mais

inox. Atualmente, válvulas solenóide servo-assistidas são usadas cada vez mais ao invés de válvulas de ação direta.

inox. Atualmente, válvulas solenóide servo-assistidas são usadas cada vez mais ao invés de válvulas de ação direta. Este artigo traz uma visão tecnológica das válvulas solenóide para aplicações com alta pressão. O uso das mesmas em fornecedoras de gás natural e, em sistemas aspersores (água-neblina) de extintores de

Leia mais

DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES

DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO 1 INDICE 01- INTRODUÇÃO 02- DADOS TÉCNICOS 03- INSTALAÇÃO 04- COMANDOS ELETRICOS E PNEUMÁTICOS 05- OPERAÇÃO 06- MANUTENÇÃO NOTA:

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2 Fig. 1 02 Fig. 3 Fig. 2 03 INFORMAÇÃO TÉCNICA SOBRE VÁLVULAS DE PULSO 1 8 9 10 A ASCO possui uma ampla linha de válvulas de pulso para o mercado de filtros de manga com acessórios que permitem monitorar

Leia mais

GE Oil & Gas BR200/BR400. Relés Amplificadores de Volume de Alta Capacidade Masoneilan* Manual de Instruções

GE Oil & Gas BR200/BR400. Relés Amplificadores de Volume de Alta Capacidade Masoneilan* Manual de Instruções GE Oil & Gas BR200/BR400 Relés Amplificadores de Volume de Alta Capacidade Masoneilan* Manual de Instruções Descrição do Produto Masoneilan BR400 e BR200 da GE são amplificadores de volume de alta capacidade

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS FOLHA: 1 de 5 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL OBRA. Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 A B EMISSÃO PARA APROVAÇÃO ATENDENDO COMENTÁRIOS

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Santos/SP, outubro de 2014.

Santos/SP, outubro de 2014. RECUPERAÇÃO DE EROSÃO CAVITACIONAL EM TURBINAS DE AÇO CARBONO COM APLICAÇÃO DE AÇO INOXIDAVEL COM COBALTO DAS UNIDADES GERADORAS TIPO FRANCIS DA UHE CACHOEIRA DOURADA. Santos/SP, outubro de 2014. Introdução

Leia mais

1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 3 PURGA...

1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 3 PURGA... SISTEMAS DE SELAGEM SUMÁRIO 1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 2.1 -SÊLO LÍQUIDO...4 2.2 -SÊLO DE AR...5 2.3 -SÊLO

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Elementos de Vedação Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Conceito Vedação é o processo usado para impedir a passagem, de maneira estática ou dinâmica, de líquidos, gases e sólidos particulados

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca:

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca: HSO Hidráulica e Pneumática Ltda, e uma empresa constituída de engenheiros, técnicos e projetistas especializados nos setores de hidráulica e pneumática. Atuam fortemente na engenharia e desenvolvimento,

Leia mais

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti Prof. Casteletti Objetivo da Instrumentação Manter as variáveis do processo sobre controle para: a) manter e melhorar a qualidade do produto; b) melhorar a produtividade; c) manter a segurança - da unidade;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR CH-0509-BR Introdução Fundada em 1981, a HENFEL Indústria Metalúrgica Ltda. é uma tradicional empresa do setor mecânico / metalúrgico, fornecedora de Caixas

Leia mais

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação.

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação. FORNO CREMATŁRIO JUNG - CR270012 1 2 Obs.: As imagens acima são meramente ilustrativas. O equipamento das fotos é semelhante ao modelo cotado, entretanto, sua aparência, acessórios e funcionalidade podem

Leia mais

INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE

INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE Introdução Elemento final de controle ê o mecanismo que altera o valor da variável manipulada, em resposta a um sinal de salda do controlador

Leia mais