A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS"

Transcrição

1 A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS O que é digestão? A digestão de alimentos é um processo pelo qual os alimentos ingeridos, na maioria bastante complexos, são quebrados em formas mais simples para que possam ser absorvidos e, assim, aproveitados pelos animais. 1 Como ocorre a digestão? A digestão de alimentos pode ser por processo mecânico, químico ou fermentativo. Na digestão mecânica, uma porção do alimento é quebrada em porções menores, sem alteração na sua composição química. Isto favorece a digestão na medida em que resulta em maior área para actuação das enzimas digestivas. Embora o exemplo mais óbvio de digestão mecânica seja a mastigação, é bom lembrar que nem sempre o alimento é eficientemente reduzido de tamanho na boca. De facto, a digestão mecânica mais eficiente ocorre no estômago de animais monogástricos, na moela das aves e no rúmen e retículo de animais ruminantes. Na digestão química, alimentos complexos são quebrados em compostos mais simples por um processo de hidrólise. Esta alteração da estrutura química dos alimentos é catalisada por enzimas e ocorre de forma sequencial, em etapas. A digestão química finaliza quando são originados os constituintes unitários do alimento complexo. Como exemplo, temos a digestão química do amido, que é um polissacarídeo formado por inúmeras unidades de glicose ligadas entre si. A digestão do amido ocorre em etapas, até que a glicose se torne disponível para ser absorvida. Amido acção enzimática n Glicoses Digestão química do amido. A digestão fermentativa é um processo relativamente semelhante à digestão química. Porém, neste caso, as enzimas que catalisam a quebra química dos alimentos são enzimas produzidas por microrganismos que habitam o tracto digestivo dos animais. Além disso, durante a digestão fermentativa, a quebra do alimento pode ir além da unidade que constitui o alimento mais complexo. Por exemplo, durante a digestão fermentativa do amido o processo não se interrompe com a formação de glicose. Após ser formada, a glicose é metabolizada e são originados ácidos gordos de cadeia curta, também chamados de ácidos gordos

2 voláteis (AGV). A importância e a intensidade dos processos mecânico, químico e fermentativo para a digestão de alimentos varia entre animais, em função do hábito alimentar. O que é absorção? A absorção do alimento é a passagem de nutrientes pela parede intestinal, para alcançar os vasos sanguíneos e serem distribuídos aos tecidos do organismo. Os principais locais de absorção são os intestinos delgado e grosso dos diferentes animais. 2 Os processos de digestão e de absorção de alimentos variam entre animais? O processo de digestão varia entre os animais, mas esta variabilidade ocorre principalmente em função do hábito alimentar de cada animal, muito mais do que em função da espécie, como pode parecer. Assim, processos digestivos utilizados por diferentes espécies, como peixes, anfíbios, aves e mamíferos, podem apresentar grandes semelhanças desde que os animais apresentem o mesmo hábito alimentar. De facto, existe uma relação estreita entre o hábito alimentar e o processo de digestão. Esta relação estreita se aplica também à anatomia do tracto digestivo dos animais. De tal forma que, ao se estudar a fisiologia da digestão, deve se agrupar animais não pela espécie, mas sim pelo hábito alimentar. Assim, não falamos que vamos estudar a fisiologia do tracto digestivo de aves, peixes, mamíferos ou animais silvestres, mas que vamos estudar fisiologia do tracto digestivo de carnívoros, omnívoros ou herbívoros. Como se divide o tracto gastrointestinal? O tracto gastrointestinal pode ser dividido em boca, esófago, estômago, intestino delgado e intestino grosso (Fig). O tracto digestivo de animais ruminantes apresenta também os pré estômagos, que se situam anteriormente ao estômago. Na maioria das aves observa se a presença da moela ou estômago muscular e do papo. Cada um dos segmentos apresenta funções e características próprias, constituindo ambientes que diferem entre si com relação ao tipo de secreção presente, a actividade enzimática e até mesmo o ph. A separação entre segmentos dá se pela presença de esfíncteres, que impedem o refluxo de alimento e permitem a sua passagem apenas no momento apropriado. Fígado Pâncreas Ceco Esôfago Reto Boca Duodeno Jejuno e íleo Cólon Fig. Trato gastrointestinal. Duodeno, jejuno e íleo formam o intestino delgado. Ceco, cólon e recto formam o intestino grosso

3 Especificidades do trato gastrointestinal de animais de diferentes hábitos alimentares Animais carnívoros apresentam como característica um tracto gastrointestinal simples, com intestinos delgado e grosso bastante curtos (Fig). Animais herbívoros apresentam grandes câmaras de fermentação que podem localizar se anteriormente ao estômago glandular ou no intestino grosso (Fig). Animais omnívoros apresentam intestino delgado bastante longo. Alguns apresentam também dilatações do intestino grosso que funcionam como câmara de fermentação (Fig). 3 Cão Porco Ovelha Carnívoro Omnívoro Herbívoro Fig. Tracto intestinal de animais de diferentes hábitos alimentares A digestão e a absorção podem ser controladas? A digestão de alimentos é altamente dependente: 1) das secreções produzidas pelas glândulas da parede do tracto digestivo e das chamadas glândulas anexas (glândulas salivares, pâncreas e fígado); 2) da motilidade do tracto digestivo. As secreções vão contribuir com enzimas que catalisam o processo digestivo e também com iões que mantém o ph adequado para a acção de enzimas. Em várias partes do tracto digestivo pode ser observado o ph requerido para a acção da enzima em causa. Como exemplo, temos a secreção gástrica que contém uma enzima chamada pepsina, bem como ácido clorídrico (HCl). A secreção de HCl faz com que o ambiente gástrico se torne ácido, o que favorece a activação e a acção da pepsina. A velocidade de passagem do alimento pelo tracto digestivo influencia tanto a digestão como a absorção de alimentos. De facto, a velocidade de trânsito deve ser lenta o suficiente para permitir que ocorra a digestão (enzimática ou fermentativa) e a absorção de alimentos.

4 A manipulação dos alimentos vai influenciar directamente a velocidade de trânsito e, portanto, a digestão e a absorção. Assim, o oferecimento de alimento muito moído ou picado para um animal pode levar a uma diminuição do seu aproveitamento. O PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS: DA INGESTÃO À ABSORÇÃO 4 Como se dá a ingestão de alimentos? O modo de ingerir ou seja, a preensão de alimentos, varia muito entre animais. De facto, os animais utilizam diferentemente as estruturas buco maxilares, como lábios, dentes, língua, mandíbulas e, no caso das aves, o bico. Mesmo animais de mesmo hábito alimentar, como ovinos, bovinos e equinos, podem apresentar diferentes formas de ingestão. Enquanto ovinos utilizam os lábios, que são móveis e ágeis, os bovinos utilizam a língua, uma vez que apresentam lábios rígidos. Os equinos, por outro lado, apresentam hábito de pastoreio diferenciado em relação aos ruminantes, já que na preensão dos alimentos a principal estrutura utilizada é o lábio superior, o que implica o corte mais baixo da forragem. Com isso, embora sejam herbívoros, esses animais alimentam se de diferentes partes das plantas. Como os alimentos são processados em cada parte do tracto gastrointestinal? 1. BOCA E ESÓFAGO na boca os alimentos são mastigados e misturados com a saliva. Depois, poderá ocorrer a deglutição, um processo que envolve também o esófago. Em alguns animais, particularmente omnívoros será iniciada a digestão do amido. Na boca e esófago não ocorre absorção de nutrientes 1.1. Mastigação e deglutição A mastigação tem como função a quebra dos alimentos, o que aumenta a superfície para actuação de enzimas, além de facilitar a deglutição. Porém, pedaços grandes de alimentos podem ser deglutidos sem quebra intensa. A mastigação tem um controle voluntário, podendo ser interrompida a qualquer momento. A deglutição é a passagem do alimento da boca para o estômago. Compreende 3 fases: fase oral nesta fase o alimento apreendido é empurrado para a faringe por um movimento da língua para cima e para trás. Esta fase é totalmente voluntária. fase faringeana inicia se com a chegada de alimento na faringe e o estímulo de receptores aí presentes. O estímulo destes receptores gera informações para um centro nervoso que envia uma série de estímulos que alteram o posicionamento de certas estruturas anatómicas da região, de modo a permitir que o alimento ingerido alcance o esófago sem penetrar nas vias aéreas (narinas e traqueia). Nesta fase a respiração está inibida.

5 fase esofágica inicia se com a entrada do alimento no esófago. O alimento que entra no esófago é levado para o estômago por contracções peristálticas Secreção salivar e esofágica A secreção salivar é produzida pelos três pares principais de glândulas salivares: parótida, submandibular e sublingual. A secreção salivar pode ser dividida em fases, de acordo com o estímulo inicial: 5 fase psíquica esta fase é caracterizada pela secreção de saliva antes mesmo do animal ingerir o alimento. Ela pode ocorrer pela visão ou cheiro do alimento, bem como por estímulos condicionados, como por exemplo quando o animal vê o tratador. fase oral esta fase corresponde ao aumento da secreção provocado pela presença de alimento na boca. A fase oral e psíquica, juntas, correspondem a aproximadamente 90% do volume de saliva produzido. fase gástrica esta fase corresponde ao aumento da salivação decorrente da presença de alimento no estômago. A secreção nesta fase só ocorrerá em grande quantidade quando o alimento presente no estômago for irritante para a mucosa gástrica. O aumento da saliva neste caso levará à diluição da substância irritante e também poderá servir de veículo para sua eliminação através do vómito. A secreção esofágica é basicamente muco, estimulada pelo contacto do alimento com as células mucosas que revestem o esófago. No esôfago de algumas aves pode ser observada uma estrutura saculiforme chamada de papo, que se presta ao armazenamento de alimentos. O papo não produz enzimas. No entanto, em algumas aves podem ser encontradas enzimas regurgitadas de segmentos mais inferiores. Certas aves, como por exemplos as pombas, secretam uma substância chamada de leite do papo que é utilizada na alimentação dos filhotes Digestão acção da amilase A amilase ou α ptialina é uma enzima que age sobre o amido. Acredita se que a amilase ocorra apenas em animais omnívoros. Mesmo nestes animais a acção da amilase é limitada. Primeiro, pelo pouco tempo de permanência do alimento na boca. Segundo, porque a amilase é inactivada após a deglutição do bolo alimentar, em virtude do ph ácido do estômago. Portanto, em animais omnívoros e carnívoros, a digestão do amido ocorre principalmente no intestino delgado, sob a acção da amilase pancreática. 2. ESTÔMAGO o estômago tem funções importantes dentro do processo digestivo. Uma destas funções é o armazenamento de alimentos e a outra, a quebra de alimentos. No estômago é iniciada a digestão de proteínas, mas não ocorre absorção de nutrientes.

6 2.1. Motilidade armazenamento, mistura, quebra e esvaziamento do alimento armazenamento o armazenamento de alimento no estômago é possível devido à ocorrência de relaxamento. A capacidade de armazenar possibilita ao animal, principalmente monogástricos, ingerir grandes quantidades de alimentos, poucas vezes por dia. Quando ocorre a deglutição, o estômago é estimulado a se relaxar, permitindo o armazenamento de grande quantidade de alimentos. Os estímulos para que ocorra o relaxamento são a deglutição e a distensão gástrica provocada pela entrada de alimento no estômago. 6 mistura e quebra depois do alimento estar armazenado dentro do estômago começam a ocorrer contracções peristálticas. Estas contracções forçam o deslocamento do alimento para a frente. A contracção provoca a quebra do alimento, ao mesmo tempo que exerce uma pressão sobre ele, forçando o em direcção ao fundo e em direcção ao intestino. A constante ida e volta do alimento em direcção ao fundo gástrico leva à sua mistura com as secreções gástricas. O alimento misturado às secreções recebe o nome de quimo. esvaziamento o esvaziamento depende da força das contracções gástricas, que são controladas por estímulos originados no estômago e no duodeno Secreção Gástrica pepsinogénio, HCl e muco. Pepsinogénio é o precursor inactivo da pepsina, a enzima activa. Como ocorre com outras enzimas que digerem proteínas, a pepsina deve ser secretada na forma inactiva para que não ocorra a digestão da própria parede gástrica. Ácido clorídrico é o responsável pela activação do pepsinogénio e favorece a acção da pepsina uma vez que torna ácido o ph da secreção gástrica. Além disso, o HCl tem uma função bactericida importante. Muco o muco é produzido por células mucosas de superfície e por células mucosas das glândulas. O muco faz parte da barreira mucosa gástrica, que é um conjunto de factores que, juntos, impedem a lesão da parede gástrica pelo ácido. A barreira é constituída pelo muco, pelo bicarbonato secretado pelas células de superfície, pela camada de água que fica aderida à parede gástrica e pelo tipo de junção entre as células Digestão acção da pepsina A pepsina inicia a digestão de proteína. Em consequência de sua acção são formados péptidos menores e poucos aminoácidos. A digestão de proteína ocorre em maior intensidade no intestino, inicialmente por acção das enzimas pancreáticas.

7 Moela. As aves podem apresentar dois estômagos. Um deles mais anterior, glandular, chamado de proventrículo e outro muscular, chamado de moela. O proventrículo tem função semelhante à do estômago glandular dos demais animais. A função da moela é triturar o alimento. Em algumas aves podem ser encontrados pequenos cálculos (pedrinhas) no interior da moela, que ajudam na quebra do alimento. Nas aves carnívoras, a moela é responsável também por esmagar a presa, podendo haver uma separação entre as partes moles e os ossos e penas, que serão regurgitados. Após trituração ou esmagamento, o alimento pode voltar para o proventrículo para sofrer a acção do suco gástrico. Quando o alimento estiver bem digerido vai ser deslocado para o intestino delgado, onde será continuado o processo de digestão. 7 Ausência de estômago. Alguns peixes, principalmente os que se alimentam de pequenas partículas (micrófagos), podem não apresentar estômago. Um exemplo é a carpa comum. 3. Intestino Delgado O intestino delgado é o principal local de digestão química e é também o principal local de absorção. Portanto, as funções do intestino são muito importantes em animais monogástricos omnívoros e carnívoros. Estas funções são auxiliadas pelas secreções pancreática e biliar que alcançam o intestino. Grande parte da absorção de água, grande parte da absorção de iões e vitaminas e toda a absorção dos nutrientes provenientes da digestão enzimática ocorre no intestino delgado. A absorção ocorre nas vilosidades intestinais e, uma vez absorvidos, os nutrientes, com excepção das gorduras, são transportados para vasos sanguíneos para serem distribuídos para o organismo. Os vasos linfáticos, também presentes nas vilosidades constituem a via para a absorção da gordura Motilidade intestinal movimentos de mistura e de propulsão Para que todo o alimento possa ser digerido, é de grande importância que os alimentos sejam intensamente misturados com as secreções digestivas, pelos movimentos de mistura que ocorrem no intestino delgado. Além dos movimentos de mistura, ocorrem também movimentos peristálticos no intestino que promovem o deslocamento do alimento. No movimento peristáltico ocorre uma contracção anterior e um relaxamento posterior ao segmento distendido pelo alimento. A contracção anterior força o bolo alimentar em direcção ao segmento distendido, promovendo seu deslocamento ou propulsão. É fundamental que a velocidade de trânsito se faça de modo a não prejudicar a digestão e absorção. Essa velocidade normalmente é proporcional à distensão da parede, uma força exercida pelo alimento ou pela água presentes. distensão contracção relaxamento Propulsão do alimento

8 3.2. Secreção O intestino secreta principalmente água e iões. Diferentemente das outras secreções, a intestinal não apresenta enzimas Digestão A digestão de todos os tipos de nutrientes é iniciada pelas enzimas pancreáticas. Essas enzimas são liberadas no intestino delgado por meio de ductos. Além do ducto pancreático, desemboca também no intestino delgado o ducto biliar por onde chega a secreção biliar. Esta secreção é fundamental para a digestão e a absorção de gorduras. A digestão de nutrientes é completada pela acção das enzimas Secreção pancreática: enzimas e HCO 3 O pâncreas apresenta dois tipos de secreções, sendo uma rica em enzimas e a outra rica em bicarbonato. As enzimas pancreáticas podem ser divididas em proteolíticas, lipolíticas e amilolítica. (quadro). A secreção de bicarbonato tem como função a neutralização do quimo ácido proveniente do estômago. O aumento do ph decorrente dessa secreção é importante porque a acção das enzimas pancreáticas ocorre em ph próximo do neutro e, além disso, a neutralização do quimo propicia uma protecção da mucosa intestinal. Quadro: Enzimas pancreáticas Enzimas Substrato Produto Proteolíticas Proteínas Di e tripeptídeos Lipolíticas Amilolítica Triglicerídeos Ester de Colesterol Fosfolipídeos Amido Monoglicerídeos Colesterol Lisofosfolipídeos Maltose Maltotriose Limite dextrinas Secreção biliar: sais biliares. Os sais biliares alcançam o intestino delgado após serem secretados na bílis. No intestino colocam se em torno das gotas de gordura e actuam como detergentes, permitindo a divisão das gotas maiores em gotículas. Esse efeito tem como consequência um aumento da superfície para actuação das enzimas lipolíticas pancreáticas.

9 Digestão e absorção de glícidos CEF Tratamento de Animais em Cativeiro 9º F Os principais glícidos presentes na dieta animal são amido, glicogénio, sacarose, lactose e celulose. A celulose é digerida por digestão fermentativa. O amido e glicogénio são polissacarídeos com estruturas equivalentes. Ambos sofrem acção das amilases, sendo a principal a amilase pancreática, formando glicose. A sacarose e a lactose são digeridas pelas enzimas sacarase e lactase. Os produtos da digestão da sacarose são glicose e frutose e os da lactose são galactose e glicose. Portanto, glicose, galactose e frutose são os monossacarídeos originados da digestão dos glícidos no intestino delgado. 9 Digestão e absorção de proteínas As proteínas da dieta sofrem parcial digestão no estômago. No intestino delgado são submetidas à acção das diferentes enzimas pancreáticas. Em consequência são formados di e tripeptídeos que serão digeridos e os PROTEÍNA DA DIETA Estômago Pepsina Polipeptídeos + aminoácidos Pâncreas Tripsina Quimiotripsina Elastase Carboxipeptidase A Carboxipeptidase B Oligopeptídeos + aminoácidos Di e tripeptídeos aminoácidos Peptidases membrana Peptidases citosólicas Di e tri peptídeos aminoácidos Intestino Delgado SANGUE aminoácidos que se originam são absorvidos. Digestão e absorção de gorduras As gorduras que fazem parte da dieta são principalmente triglicerídeos, colesterol e fosfolípidos. Essas gorduras são, primeiramente, submetidas à acção detergente dos sais biliares e, posteriormente, às enzimas pancreáticas.

10 4. Intestino Grosso No intestino grosso não ocorre digestão química e nem absorção dos produtos de digestão química originados no intestino delgado. Porém, ocorre absorção de água e iões. Neste segmento ocorre digestão fermentativa em diferentes intensidades Motilidade movimentos de mistura, de propulsão e defecação 10 Como no intestino delgado, os movimentos de mistura têm como função uma maior exposição do conteúdo intestinal à superfície de absorção. De uma forma análoga, os movimentos de propulsão levam ao deslocamento do bolo fecal pelo intestino. Quando este bolo chega ao recto, ocorre distensão deste segmento. A distensão leva a estímulos nervosos que desencadeiam o relaxamento do esfíncter anal interno. Este relaxamento pode levar à defecação desde que ocorra também o relaxamento do esfíncter anal externo Absorção No intestino grosso ocorre absorção de nutrientes provenientes de digestão fermentativa, além da absorção de água, iões e vitaminas. O intestino grosso absorve cerca de 90% da água que recebe. A absorção de água ocorre de modo a preservar o organismo de uma desidratação, uma vez que grandes quantidades de água circulam pelo tracto digestivo. OS ANIMAIS HERBÍVOROS E A DIGESTÃO FERMENTATIVA Qual a principal diferença dos animais herbívoros, com relação à digestão? Os animais herbívoros são capazes de aproveitar alimentos de origem vegetal, para os quais não possuem enzimas. O aproveitamento do alimento é possível pela acção de microrganismos que habitam o tracto digestivo destes animais, cujas enzimas actuam sobre alimentos de origem vegetal, realizando a chamada digestão fermentativa. Onde se localizam os microrganismos? Os microrganismos são encontrados nas chamadas câmaras fermentativas, que são grandes expansões do tracto gastrointestinal, situadas anteriormente ao estômago glandular, como no caso de ruminantes, ou no intestino grosso, como ocorre em herbívoros monogástricos. Além da digestão fermentativa, realizada pelos microrganismos, os herbívoros também apresentam digestão química e mecânica dos alimentos.

11 Como a posição da câmara fermentativa influencia o processo digestivo como um todo? Devido à presença de câmaras fermentativas, os animais ruminantes realizam a digestão fermentativa antes da digestão química. Portanto, a digestão química pode complementar a digestão fermentativa levando ao maior aproveitamento dos alimentos. No caso de herbívoros monogástricos, a posição da câmara fermentativa distal ao local de digestão química impede que os alimentos que já sofreram acção dos microrganismos sejam aproveitados. Alguns dos animais contornam este problema praticando a cecotrofia, pela qual as fezes são ingeridas, permitindo uma continuidade da digestão e um melhor aproveitamento dos alimentos. 11 Quais as principais características dos herbívoros ruminantes? A principal característica do tracto digestivo do herbívoro ruminante que o diferencia dos demais mamíferos, é a presença do rúmen, retículo, omaso e abomaso. São estruturas que se apresentam pouco desenvolvidas quando o animal nasce. Tanto, que os ruminantes recém nascidos podem ser considerados como um animal monogástrico. Estas estruturas, que também são estéreis, começam a ser colonizadas e a desenvolver se à medida que o animal passa a ingerir alimentos sólidos. No animal recém nascido, o leite ingerido vai directamente para o estômago glandular, ou abomaso. Como se dá a digestão no herbívoro ruminante? Digestão no rúmen retículo. O rúmen e o retículo são os principais locais de actividade fermentativa. Fisiologicamente, consideramos estas duas estruturas como uma unidade funcional. A digestão no rúmenretículo é realizada por bactérias, protozoários e fungos que vivem em simbiose com o ruminante, que é o hospedeiro. Os microrganismos dependem do alimento do hospedeiro para sua manutenção e reprodução. Portanto, é necessário o aporte constante de energia e de proteína no rúmen, para que os microrganismos possam reproduzir se e manter se adequadamente. Além disso, é importante que o ph do rúmen seja mantido dentro de uma faixa de 5,5 a 6,9, que é uma faixa compatível com os microrganismos importantes para os processos digestivos. A constante produção de ácidos gordos no rúmen tende a provocar uma acidez, sendo o ph controlado pela absorção dos ácidos gordos e pela enorme produção de saliva, que é rica em tampões bicarbonato e fosfato. O ph do rúmen influencia o tipo de microrganismo que se vai desenvolver. Dentro da faixa de normalidade, o ph mais alto estimula o desenvolvimento de microrganismos celulolíticos, enquanto que o ph mais baixo estimula o desenvolvimento de microrganismos amilolíticos. Como o ph varia em função da quantidade de saliva produzida, e esta depende da intensidade de mastigação, podemos concluir que o alimento ingerido influencia o microrganismo que será desenvolvido no rúmen. Como se dá a digestão de glícidos no rúmen retículo? Os principais glícidos ingeridos pelos ruminantes são celulose, hemicelulose, pectina e amido. A digestão microbiana destes leva à formação de ácidos gordos de cadeia curta, que são ácido acético, ácido propiónico e ácido butírico. O ácido acético formado será utilizado como energia pela maior parte dos tecidos do ruminante. Este ácido pode também ser utilizado na síntese de gordura do tecido adiposo e da gordura do

12 leite. O ácido propiónico vai originar glicose. Isto é importante porque certos tecidos, como é o caso do tecido nervoso, necessitam de glicose como fonte energética. A glicose também vai ser precursora do açúcar do leite, que é a lactose. O ácido butírico será utilizado principalmente como fonte de energia para a parede rumenal. Durante a digestão fermentativa são formados gases como metano e CO 2, que serão eliminados pela eructação. 12 Como se dá a digestão de proteína no rúmen retículo? Parte das proteínas ingeridas pelo ruminante passa pelo rúmen sem sofrer transformação. Esta proteína é chamada de proteína by pass. Uma outra parte sofre grande transformação no rúmen, sempre por acção dos microrganismos. Inicialmente, a proteína é digerida em aminoácidos, que são posteriormente quebrados em amónia e uma cadeia de carbono. Os aminoácidos e também a amónia serão posteriormente utilizados pelos microrganismos na síntese de proteínas somáticas. Quando ocorre esvaziamento rumenal os microrganismos (com suas proteínas somáticas) são levados ao abomaso e intestino delgado. Aí as proteínas são digeridas e os aminoácidos são absorvidos, por um processo idêntico ao de animais monogástricos. Resumindo, podemos dizer que as proteínas ingeridas pelos ruminantes são modificadas no rúmen retículo para serem, posteriormente, digeridas e absorvidas. Porém, não ocorre absorção de aminoácidos no rúmen. A amónia não utilizada é absorvida e vai para o fígado, onde será transformada em ureia. Parte da ureia pode ser eliminada pela urina, mas parte volta para o rúmen. A volta da ureia ao rúmen pode ocorrer directamente, pela circulação ou, indirectamente, após sua secreção na saliva. A ureia que volta ao rúmen pode ser transformada em amónia e utilizada na síntese protéica. Como se dá a digestão de gordura no rúmen retículo? As gorduras ingeridas pelo ruminante são, na sua maioria, gorduras insaturadas, istoé possuem duplas e triplas ligações. A gordura quando chega ao rúmen é quebrada em ácidos gordos e glicerol e os ácidos gordos passam de insaturados para saturados. Então, os ácidos gordos vão para o intestino delgado onde serão absorvidos. Isto explica porque os animais herbívoros, mesmo se alimentando de vegetais, tem gordura saturada no seu tecido adiposo. Quais as funções e as características dos movimentos do rúmen retículo? Os movimentos do rúmen retículo promovem mistura, esvaziamento, eructação dos gases e ruminação.

13 Mistura A B gases 13 recém ingerido; rúmen ingerido; mais digerido Figura. A movimentos de mistura (linha tracejada representa o retículo contraído); B estratificação do alimento Os alimentos que chegam no rúmen retículo são constantemente submetidos à mistura. A mistura é iniciada por uma contracção do retículo, que diminui de tamanho e exerce uma pressão acentuada sobre o seu conteúdo. Parte deste conteúdo é deslocado em direcção ao rúmen. Quando cessam os movimentos, ocorre uma estratificação do conteúdo do rúmen retículo, de modo que o alimento recém ingerido, que é mais leve, fica sobrenadando e o alimento mais digerido fica depositado. É importante lembrar que existe uma grande quantidade de líquido no rúmen, consequente da grande produção de saliva (que pode chegar a 100 litros/dia no bovino adulto). Na parte superior do rúmen fica uma bolha formada pelos gases produzidos durante a fermentação. Esvaziamento do rúmen retículo Quando ocorre a contracção do retículo, o material mais digerido e mais pesado, que fica depositado no retículo é forçado para o omaso, devendo passar pelo orifício retículo omasal. Deve se destacar que o oferecimento de alimento muito picado ou quebrado pode facilitar a passagem pelo rúmen retículo, mas atrapalhar a digestão fermentativa por impedir a retenção do alimento na câmara fermentativa. Ruminação A ruminação compreende a regurgitação, a re insalivação, a re mastigação e a re deglutição. A ruminação é iniciada por um esforço inspiratório que gera uma pressão no esofago menor que a pressão no rúmen. O gradiente de pressão faz com que o alimento que está sobrenadando no rúmen (e que é o menos digerido) entre no esófago. Daí, por movimentos antiperistálticos o alimento é levado à boca, onde sofre nova

14 mastigação e é misturado à saliva (produzida em grande quantidade). Em seguida, o alimento é deglutido e volta para o rúmen retículo. Eructação de gases A eructação é uma maneira do ruminante se livrar da grande quantidade de gases que se formam durante a fermentação. A produção excessiva de gases pode ocorrer quando é oferecido material facilmente fermentável, o que leva à uma enorme distensão do rúmen e a paralisia dos movimentos. 14 Quais as características dos herbívoros monogástricos? Os herbívoros monogástricos são animais que apresentam câmara de fermentação no intestino grosso. Em animais de pequeno porte, como o coelho, o ceco é o principal local de fermentação. Nos animais de grande porte, como o cavalo, o cólon é o principal local de fermentação. Em aves omnívoras, como a galinha, podese observar fermentação no ceco, sendo que estes animais apresentam um par de cecos. A fermentação nos herbívoros monogástricos também depende da presença de microrganismos, que apresentam as mesmas exigências dos microrganismos que habitam o rúmen retículo. Nestes animais a manutenção do ph depende principalmente do HCO 3 secretado no íleo e cólon. O tempo de retenção de alimentos nas câmaras é longo e isto é alcançado principalmente pelo antiperistaltismo que está presente no intestino grosso destes animais. Digestão de nutrientes Glícidos Os glícidos que chegam ao intestino grosso são principalmente os que fazem parte da parede vegetal, como celulose e hemicelulose, para os quais o animal não tem enzima no intestino delgado. No entanto, pode também chegar amido que vai ser digerido pelos microrganismos. Deve se lembrar a importância da digestão fermentativa para o fornecimento de energia para o animal, uma vez que sua dieta é basicamente de vegetais. A digestão de glícidos nos herbívoros monogástricos também leva à formação de ácidos gordos de cadeia curta, que são absorvidos na parede do ceco e cólon. Estes ácidos gordos têm o mesmo destino que nos ruminantes. Proteínas As proteínas que chegam ao intestino grosso podem ser digeridas e pode também ocorrer síntese de proteínas microbianas. Porém, não se conhece mecanismo de absorção de aminoácidos neste local. Gorduras Também não existe absorção de produtos de digestão de gorduras no intestino grosso de animais herbívoros.

15 Como se percebe, parte do alimento que chega ao intestino grosso dos herbívoros monogástricos pode ser perdido pela não absorção. Este problema é contornado pelos animais de pequeno porte que, em sua maioria, fazem cecotrofia ou coprofagia. O exemplo mais estudado é o coelho. Como se dá a cecotrofia e qual sua função? A cecotrofia, que é a ingestão de fezes, permite aos animais que a praticam um maior aproveitamento dos alimentos. Um exemplo destes animais é o coelho. Nos coelhos pode se observar a produção de dois tipos de fezes: fezes moles e fezes duras. As fezes duras são as que podem ser observadas nos locais onde os animais ficam alojados. As fezes moles normalmente não podem ser observadas porque são os animais as ingerem, retirando directamente do ânus. Estas fezes são produzidas principalmente no ceco e são constituídas pelo alimento parcialmente fermentado como as proteínas e gorduras, pelos ácidos gordos produzidos e que escaparam da absorção, além de vitaminas e de microrganismos, tudo isso envolto por uma capa de muco. 15 Após ingestão, este material sofrerá digestão química no intestino delgado, possibilitando o aproveitamento de nutrientes. O processo começa com o rompimento da capa de muco no estômago, expondo o seu conteúdo. A cecotrofia é considerada fisiológica, uma vez que se o animal for impedido de praticá la entrará em deficit nutricional. Ela se distingue da coprofagia, que é a ingestão de fezes que ocorre, por exemplo, quando a alimentação é restrita.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S SISTEMA DIGESTÓRIO Profº Fe r n a n d o Belan - BIOLOGIA MAIS DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO EXTRACELULAR DIGESTÓRIO INCOMPLETO Cnidários Platelmintos DIGESTÓRIO COMPLETO Nematelmintos

Leia mais

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem.

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. - Possibilidade de degradar os glúcidos estruturais da forragem como celulose, hemicelulose e pectina. - A degradação

Leia mais

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com Prof. Admilson Toscano IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com 1ª Parte: Princípios e Bases para a Nutrição Animal Anatomia Geral Monogástricos x Ruminantes Secreções Digestivas Estômagos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Ruminantes: Animais que mastigam e regurgitam o alimento ingerido Dividido em 2 subordens: 1-) Ruminantia: veado, alce, rena, antílope, girafa,

Leia mais

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20 Sistema Digestório DIGESTÃO Processos mecânicos e químicos sofridos pelos alimentos para serem convertidos em moléculas muito pequenas possíveis de serem absorvidas e transportadas

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins Biologia I Sistema Digestório Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II Prof a. Fabíola Martins 1- Sistema digestório humano 1.1-Tubo digestório: Cavidade bucal faringe esôfago estômago Intestino delgado Intestino

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema:

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema: Biologia Tema: Nutrição e Sistema Digestório Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um conjunto de órgãos responsáveis pelas transformações mecânicas e químicas dos alimentos, tornando

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Programa de Pós-Graduação em Zootecnia Produção Animal FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Profa. Dra. Cinthia Eyng FCA/UFGD OBJETIVOS DA AULA: Importância da digestão; Estrutura do sistema digestório;

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS SOMA. Ficha de trabalho Sistema digestivo

CENTRO DE ESTUDOS SOMA. Ficha de trabalho Sistema digestivo Ficha de trabalho Sistema digestivo Grupo I 1- Faz a legenda da figura. 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 1.1. Diz o que entendes por Digestão. 1.2. Dos órgãos que legendaste indica: a. Os que fazem parte

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Função retirar dos alimentos as substâncias necessárias para o desenvolvimento e manutenção do organismo. Alimento é digerido e transformado

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO A função do sistema digestório é retirar dos alimentos ingeridos os nutriente necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

BIOLOGIA Nutrição e digestão

BIOLOGIA Nutrição e digestão Módulo 29 Página 29 à 41 MORFOFISIOLOGIA É o estudo da estrutura e do funcionamento do corpo humano Sobre os sistemas dos animais: Finalidade Importância Sobre os filos: As adaptações Aspectos gerais da

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO Digestão é o processo de transformação de macromoléculas, por hidrólise enzimática, liberando unidades

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA

FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA Prof. André Maia 1 - Fisiologia É à parte da Biologia que estuda as funções das células, órgãos, sistemas, etc. 1.1 Sistema É um conjunto de órgãos e estruturas, responsável

Leia mais

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia da Digestão Deise Maria Furtado de Mendonça Função Geral O sistema ou aparelho gastrintestinal é a porta de entrada do organismo a todos os nutrientes necessários: carboidratos, lipídios, proteínas,

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório 2 Habilidades: Conhecer o sistema digestório humano, compreendendo o papel de cada um de seus órgãos e glândulas anexas no processo de digestão. 3 4 Comendo insetos

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. André Maia O sistema ou aparelho digestivo (também chamado sistema digestório) é o sistema que, nos animais, é responsável por obter dos alimentos ingeridos os nutrientes

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES

SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Zootecnia Curso de Pós-graduaP s-graduação o em Zootecnia SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES Funções Ingestão e transporte dos alimentos

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório Introdução Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia Sistema Digestório O sistema digestório se resume em um longo tubo muscular que tem início nos lábios e termina

Leia mais

TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora responsável: Izabelle Auxiliadora Molina de Almeida Teixeira

TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora responsável: Izabelle Auxiliadora Molina de Almeida Teixeira UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes SISTEMA DIGESTIVO Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes A Alimentação A nossa alimentação deve ser variada, proporcionando ao organismo

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

Digestão extra-celular

Digestão extra-celular Digestão extra-celular Na maioria dos seres heterotróficos multicelulares a digestão realiza-se fora das células, digestão extracelular, podendo ocorrer fora do corpo, digestão extracorporal, como nos

Leia mais

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea Sistema Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea A maioria dos mamíferos mastiga o alimento

Leia mais

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida Sistema Digestório O tubo digestivo apresenta as seguintes regiões; boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus. A parede do tubo digestivo tem a mesma estrutura da boca

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires. Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires. Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções Tópicos 1. O que é digestão? 2. Por que temos que comer? 3. Os tipos de

Leia mais

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano.

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. Tipo de itens O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. 1. Quais são as suas principais funções? Transporte de nutrientes, defesa, regulação térmica e controlo 2. Quais os seus constituintes?

Leia mais

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO E SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES = Ingestão e Digestão = Alimentos = Absorção = Nutrientes = Eliminação = Restos (não-digeridos / não-absorvidos) 1. Mecânicos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 SISTEMA DIGESTÓRIO 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 Tubo Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares

Leia mais

Conhecendo nosso corpo

Conhecendo nosso corpo Ciências Naturais Conhecendo nosso corpo A menor unidade do corpo humano é a célula. Existem diferentes células que formarão diferentes tecidos. Os tecidos formarão os órgãos. E estes os diferentes sistemas.

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. A importância da digestão para o nosso corpo é: a) desenvolver nosso organismo.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Sistema Digestório Ciências da Natureza Ensino Médio 4min 45seg Habilidades: (H30) Identificar a função dos órgãos e

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

INTERVENÇÃO. Práticas do Sistema Digestório. Plano da Intervenção. Para viver, crescer e manter o nosso organismo precisa consumir alimentos.

INTERVENÇÃO. Práticas do Sistema Digestório. Plano da Intervenção. Para viver, crescer e manter o nosso organismo precisa consumir alimentos. INTERVENÇÃO Práticas do Sistema Digestório Autores: Alexia Rodrigues Menezes, Bibiana Ferrer, Cristina Langendorf e Suelen Mattoso. Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Para viver, crescer e manter o

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos SISTEMA DIGESTIVO OU DIGESTÓRIO Sistema Digestório Destina-se se à retirada dos nutrientes (carboidratos, açucares, lipides, gorduras, proteínas, vitaminas, sais minerais e água) dos alimentos para assegurar

Leia mais

Técnicas Laboratoriais de Biologia. Pedro Pinto

Técnicas Laboratoriais de Biologia. Pedro Pinto Técnicas Laboratoriais de Biologia Pedro Pinto Introdução Os alimentos que ingerimos habitualmente contêm componentes que os seres vivos utilizam para realizarem as funções vitais nutrientes. O nutriente

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial.

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial. BIOLOGIA Prof. Hélder Telles AULA 03 1. (Fgv 2015) O pâncreas é uma glândula anfícrina, ou seja, com dupla função, desempenhando um papel junto ao sistema digestório na produção de enzimas, tais como amilases

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos INTRODUÇÃO Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos Nos organismos heterótrofos os alimentos são obtidos de forma pronta. A digestão é um conjunto de processos que visa

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dra. Camila da Silva Frade ? Para a manutenção da vida dos animais, pois obtêm nutrientes essenciais para os processos corpóreos a partir

Leia mais

Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução

Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução Fisiologia: Digestão, respiração, circulação, excreção, coordenação e reprodução 1. No nosso organismo existem dois tipos de enzimas do tipo amilase, a amilase pancreática e a amilase salivar, com velocidades

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

Estrutura Funcional do TGI. Fisiologia do Sistema Digestório. Função do trato gastrintestinal:

Estrutura Funcional do TGI. Fisiologia do Sistema Digestório. Função do trato gastrintestinal: Fisiologia do Sistema Digestório Organização Anatomofuncional e Funções do Trato Gastrintestinal Prof. Dr. Leonardo Rigoldi Bonjardim Prof. Adjunto do Depto. de Fisiologia- CCBS-UFS Material disponível

Leia mais

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens Biologia - revisão 301 1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens a) Cite o nome do substrato digerido pela principal

Leia mais

Questões. Biologia Professor: Rubens Oda 24/11/2014. #VaiTerEspecífica. 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia.

Questões. Biologia Professor: Rubens Oda 24/11/2014. #VaiTerEspecífica. 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia. Questões 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia. De acordo com o heredograma e outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que a) normalidade ocorre na ausência

Leia mais

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma:

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma: IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS Aluno(a): Turma: Querido (a) aluno (a), Este estudo dirigido foi realizado para que você revise

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II Trabalho elaborado por: Objectivos No âmbito da disciplina Técnicas Laboratoriais de Biologia, foi-nos proposto a realização de um estudo da digestão,

Leia mais

BIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PROF ESTEVAM DIGESTÃO

BIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PROF ESTEVAM DIGESTÃO BIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PROF ESTEVAM CONTEÚDO: Digestão e Circulação DIGESTÃO O processo de digestão é um dos primordiais dos seres vivos por ser por meio dele que se adquire a matéria necessária

Leia mais

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO O SISTEMA DIGESTÓRIO A DIGESTÃO A digestão é o conjunto das transformações, mecânicos e químicos, que os alimentos orgânicos sofrem ao

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Digestão Animal e Humana

Exercícios de Aprofundamento Biologia Digestão Animal e Humana 1. (Unifesp 2015) Recomenda-se frequentemente aos vestibulandos que, antes do exame, prefiram alimentos ricos em carboidratos (glicídios) em vez de gorduras (lipídios), pois estas são digeridas mais lentamente.

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos

Leia mais

Sistema Digestório - Estômago

Sistema Digestório - Estômago Sistema Digestório - Estômago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Estômago é um alargamento do canal alimentar em forma de saco entre o esôfago e o duodeno

Leia mais

Fisiologia digestiva. de cães e gatos - introdução

Fisiologia digestiva. de cães e gatos - introdução Fisiologia digestiva de cães e gatos - introdução Trato digestório Cão (75cm) Gato (50cm) intestino delgado 3,9m 2,1m intestino grosso 0,6m 0,4m total 4,5m 2,5m Transito rápido, pequeno tempo de permanência

Leia mais

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA 1. Lipases são enzimas relacionadas à digestão dos lipídios, nutrientes que, em excesso, levam ao aumento da massa corporal. Certos medicamentos para combate à obesidade

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais