Trabalho de TCP/IP Avançado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de TCP/IP Avançado"

Transcrição

1 Trabalho de TCP/IP Avançado Novembro/ Professor: Paulo Lício de Geus Alunos: Anna Paula Ferreira - ra Guilherme Steinberger Elias - ra Tema: BGP 1. Introdução BGP (Border Gateway Protocol protocolo de gateway de fronteira) O BGP-4 possibilita o intercâmbio de informações de roteamento entre os diversos sistemas autônomos, ou ASs (Autonomous Systems), que em conjunto, formam a Internet. Explicando de uma forma simplificada, ele permite que os dados trafeguem entre os ASs até chegar ao AS de destino, e dentro dele siga até o seu destino final (máquina). Uma vez que o BGP-4 também estará presente (em uma versão chamada BGP-4+ [RFC 2283]) no backbone Internet do futuro ( 6bone), conhecer seus mecanismos básicos é fundamental para quem esteja envolvido na administração de um AS de qualquer porte ou que precisa saber mais sobre roteamento na Internet. 2. Histórico Há alguns anos, quando o principal backbone da Internet era a ARPANET, as instituições de pesquisa conectadas à rede precisavam gerenciar manualmente as tabelas de rotas para todos os possíveis destinos. Com o crescimento da Internet, verificou-se que era impraticável manter todas as tabelas atualizadas dessa forma, e que mecanismos de atualização automática eram necessários. Os pesquisadores da Internet optaram, então, por usar uma arquitetura que consistia de um reduzido e centralizado grupo de es (core routers) que tinham, em suas tabelas, as rotas para todos os possíveis destinos da Internet; e um outro grupo maior de es que possuíam em suas tabelas apenas informações (rotas) parciais, e não para toda a Internet. Os core routers eram administrados pelo INOC (Internet Network Operations Center), e o grupo maior de es externos ficou conhecido pelo termo "noncore routers" (es fora do núcleo), que conectavam as redes locais das instituições de pesquisa ao backbone da ARPANET. 117/05/02

2 2.1 GGP Foi desenvolvido, então, o protocolo GGP (Gateway-To-Gateway Protocol), que foi usado nos core routers para atualização automática das tabelas de rotas entre eles. O GGP era um protocolo baseado no algoritmo de vetor de distância (Vector-Distance, também conhecido como Bellman-Ford). Essa arquitetura tem, tecnicamente, pontos fracos graves principalmente com relação a sua capacidade de expansão, e a Internet acabou crescendo muito, indo além de um único backbone gerenciado de forma centralizada. Verificou-se, portanto, não ser possível expandir esse backbone arbitrariamente, por haver diversas limitações técnicas. Como o backbone de cada site pode ter uma estrutura complexa, o esquema de core routers não iria conseguir suportar a conexão de todas as redes diretamente. Era necessário um novo esquema que permitisse aos noncore routers passar informações aos core routers sobre as redes que estavam "atrás" de si, além de oferecer autonomia de gerenciamento aos sites. Até o momento, estava sendo usado o conceito de interconexão que levava em conta apenas a arquitetura do roteamento em uma internet e não contemplava as questões administrativas envolvidas. Os projetistas notaram que as interconexões de um backbone com arquitetura complexa não devem ser encaradas como várias redes independentes conectadas a uma internet, mas como uma organização que controla várias redes e que garante que as informações sobre as rotas internas são consistentes e que pode escolher um de seus es para fazer a ponte de comunicação para o "mundo exterior". Entra em cena o conceito do Sistema Autônomo (Autonomous Systems - AS), no qual as redes e es estão sob o controle de uma mesma entidade administrativa. Esse conceito substitui a idéia das redes locais conectadas ao backbone central. Cada AS tem a liberdade de escolher o esquema e arquitetura que melhor lhe convém para descobrir, propagar, validar e verificar a consistência das suas rotas internas e a responsabilidade de anunciar para os outros ASs as rotas para suas redes internas não visíveis. Para anunciar as rotas para suas redes internas entre si, os ASs precisavam concordar em usar um esquema único, como um mesmo idioma por toda a Internet; e para permitir um algoritmo de roteamento automatizado distinguir entre um AS e outro, foi designado a cada AS, um número (Autonomous System Number - ASN) pela mesma autoridade central encarregada de atribuir todos os endereços identificadores das redes conectadas à Internet. 2.2 Exterior Gateway Protocol EGP Dois es que pertençam a ASs diferentes e trocam informações de roteamento entre si são considerados "vizinhos externos" (exterior neighbors). Se ambos pertencerem ao mesmo AS são considerados "vizinhos internos" (interior neighbors). O protocolo de 217/05/02

3 roteamento usado pelos exterior neighbors é o Exterior Gateway Protocol ou simplesmente EGP [RFC 904]. É ele que permite o anúncio das rotas para as redes internas do AS para o núcleo (core) da Internet. Com o tempo, o EGP apresentou diversas limitações técnicas e potenciais problemas para ser usado na Internet. Apesar das tentativas para produzir novas versões (EGP2 e EGP3) do protocolo, os projetistas não obtiveram sucesso por haver a necessidade de muitas alterações fundamentais na estrutura do mesmo. O EGP apresentou deficiências insustentáveis, como restrições em topologia, incapacidade de evitar "loops" de roteamento e pouca flexibilidade para a configuração de políticas de roteamento. Um grande desafio para os projetistas era a solução de como transformar uma arquitetura internet para não depender de um sistema centralizado (core routers) - deixando uma topologia organizada hierarquicamente e iniciando outra, com diferente estrutura. Além disso, tinha o desafio de como fazer uma arquitetura internet suportar uma forma de colaboração mais próxima entre certos ASs do que entre outros. Isso levou os engenheiros do IETF a desenvolver uma solução para esses problemas através de um novo, mais moderno e mais robusto protocolo de roteamento externo. 2.3 Border Gateway Protocol Version 4 - BGP-4 O BGP é um protocolo de roteamento para ser usado entre múltiplos sistemas autônomos em internets baseadas no protocolo TCP/IP. O BGP-4 [RFCs 1771, 1772] tornou-se o sucessor natural do EGP, efetivamente atacando suas deficiências mais sérias, ou seja, evitando "loops" de roteamento e permitindo o uso de políticas de roteamento entre ASs baseado em regras arbitrárias por eles definidas. Além disso, o BGP-4 foi a primeira versão do BGP a suportar endereços agregados (Classless Interdomain Routing, ou simplesmente CIDR) e o conceito de supernets. 3. O uso do BGP-4 O BGP é usado nas situações em que uma rede precisa conectar-se a mais de um provedor simultaneamente (multi-home), ou quando se deseja ter um pouco mais de controle sobre quais caminhos seus dados seguirão pela Internet. Basicamente, o BGP serve para informar às redes externas a um AS quais são as rotas para redes atingíveis dentro de sua rede. O propósito do BGP-4 é anunciar rotas para outras redes externas, ou sistemas autônomos. Esses anúncios são como "promessas" de que os dados serão transportados para o espaço IP representado pela rota sendo anunciada. BGP é uma minuta de um protocolo padrão. O seu status é eletivo. Ele é descrito na RFC O protocolo de gateway de fronteira é um protocolo de gateway externa usado para trocar informações sobre a acessibilidade da rede entre os ASs. 317/05/02

4 Sistemas Autônomos IGPs IGPs EGP Sistema Autônomo A IGPs Sistema Autônomo C Sistema Autônomo B O BGP-4 foi introduzido na Internet na rodada de livre troca de informação de roteamento entre os sistemas autônomos. Baseado em CIDR (Classless Inter-Domain Routing roteamento inter-domínio sem classe), o BGP evoluiu desde então, para apoiar a agregação e a redução da informação de roteamento. Em essência, o CIDR é uma estratégia designada para tratar dos seguintes problemas: Exaustão do espaço de endereços classe B Crescimento da tabela de roteamento O CIDR elimina o conceito das classes de endereços e fornece um método para resumir n rotas diferentes em rotas únicas. Isto reduz significamente a quantidade de informação de roteamento que os es BGP devem armazenar e trocar. Definição de alguns termos usados no BGP: Emissor BGP Um sistema executando BGP. Vizinhos BGP Um par de emissores BGP trocando informações de roteamento inter-as. Os vizinhos BGP podem ser de dois tipos: Interno: Um par de emissores BGP no mesmo sistema autônomo. Os vizinhos BGP internos devem apresentar uma imagem consistente do AS aos seus vizinhos BGP externos. 417/05/02

5 Externo: Um par de vizinhos BGP em sistemas autônomos diferentes. Os vizinhos BGP externos devem estar ligados por uma conexão BGP como é definido a seguir. Essa restrição significa que na maioria dos casos onde um AS tem várias conexões BGP inter- AS, isto também exigirá vários emissores BGP. Sessão BGP Uma sessão TCP entre vizinhos BGP que estejam trocando informações de roteamento usando BGP. Os vizinhos monitoram o estado da sessão enviando regurlamente uma mensagem manter viva. (O intervalo recomendado é de 30 segundos.) * A mensagem Manter viva é implementada na camada de aplicação, e é independente da mensagem Manter viva (keeplive) disponível em várias implementaçòes TCP. ASBR (AS border router de borda AS) Um que tem uma conexão para vários sistemas autônomos. Nota: A nomeclatura para este tipo de é de certa maneira variada. A RFC 2328, que descreve o OSPF, usa o termo de fronteira de AS. A RFC 1771 e a 1772, que descreve o BGP, usa os termos de fronteira e de gateway. Nós usamos o primeiro termo sistematicamente ao descrever tanto o OSPF quanto o BGP. O BGP define dois tipos de es de fronteira de AS, dependendo de seu relacionamento de topologia com o emissor BGP que se refere a ele. Interno Um de próximo salto no mesmo AS que o emissor BGP. Externo Um de próximo salto em um AS diferente do emissor BGP. O endereço IP de um de fronteira é especificado como um próximo salto de destino quando o BGP anuncia um caminho AS a um dos seus vizinhos externos. Os es de fronteira de próximo salto devem compartilhar uma conexão física tanto com os emissores BGP que enviam, quanto com os que recebem. Se um emissor BGP anuncia um de fronteira externo como um próximo salto, este deve ter tomado conhecimento de um dos pares do emissor BGP. Conexão AS O BGP define dois tipo de conexões inter-as: Conexão Física Um AS compartilha uma rede física com outro AS, e esta rede está conectada a pelo menos um de fronteira de cada AS. Como estes dois es compartilham uma rede, eles podem trocar pacotes entre si, sem exigir quaisquer protocolos de roteamento intra-as. (Isto é, não precisam de um IGP ou de um EGP para se comunicarem.) Conexão BGP Uma conexão BGP significa que há uma sessão BGP entre um par de emissores BGP, um em cada AS. Esta sessão é usada para comunicar as rotas através dos es de fronteira conectados fisicamente e que podem ser usados para redes específicas. O BGP requer que os emissores BGP estejam na mesma rede dos es conectados 517/05/02

6 fisicamente para que a sessão BGP também seja independente de todos os protocolos de roteamento intra-as ou inter-as. Os speakers BGP não precisam ser es de fronteira, e vice-versa. Obs.: O termo conexão BGP pode ser usado para referir-se a uma sessão entre dois emissores BGP no mesmo AS. Tipo de Tráfego O BGP categoriza o tráfego em um AS como um entre dois tipos: local Tráfego local é o tráfego que se origina ou termina neste AS. Isto é, tanto o endereço IP de origem quanto o de destino estão no AS. trânsito Tráfego de trânsito é todo o tráfego não-local. Uma das metas do BGP é minimizar a quantidade de tráfego de trânsito. Tipo do AS Um AS é categorizado como um dos três tipos: stub Um AS stub tem uma única conexão inter-as com um outro AS. Um AS stub carrega apenas o tráfego local. multihomed Um AS multihomed tem conexões com mais de um AS mas recusa carregar tráfego de trânsito. transit Um AS de trânsito tem conexões com mais de um AS e carrega tanto o tráfego de trânsito quanto o local. O AS pode impor restrições às normas sobre o que o tráfego de trânsito carregará. Número do AS Um número de 16 bits identificando unicamente um AS. Este é o mesmo número AS usado pelo BGP. Caminho do AS Uma lista de todos os números de AS atravessados por uma rota quando está trocando informações de roteamento. Em vez de trocar contagens de métrica simples, o BGP comunica todos os caminhos aos seus vizinhos. Norma de roteamento Um conjunto de regras que obrigam o roteamento a estar de acordo com as exigência da autoridade que gerencia o AS. As normas de roteamento não são definidas no protocolo BGP, mas são selecionadas pela autoridade do AS e apresentadas ao BGP na forma de dados de configuração de implementação específica. As normas de roteamento podem ser selecionadas pela autoridade do AS da maneira que esta considerar correta. Por exemplo: 617/05/02

7 Um AS multihomed pode recusar-se a agir como um AS de trânsito. Faz isto ao não anunciar rotas para outras redes que não sejam aquelas diretamente a ele conectadas. Um AS multihomed pode limitar-se a ser um AS de trânsito para um conjunto restrito de ASs adjacentes. Faz isto anunciando a sua informação de roteamento apenas a este conjunto. Um AS pode selecionar qual AS de saída deve ser usado para carregar o tráfego de trânsito. Um AS também pode aplicar critérios relacionados ao desempenho quando selecionar os caminhos de saída: Um AS pode otimizar o tráfego para usar caminhos ASs curtos em vez de longos. Um AS pode selecionar rotas de trânsito de acordo com a qualidade do serviço dos saltos intermediários. A informação do serviço de qualidade poderia ser obtida usando mecanismos externos para o BGP. A partir destas definições pode-se verificar que um AS stub ou um AS multihomed tem as mesmas propriedades de topologia que um AS na arquitetura ARPANET. Isto é, ele nunca age como um AS intermediário em uma rota inter-as. Na arquitetura ARPANET, o EGP para que tal AS trocasse informação de alcance com os seus vizinhos, e isto ainda é verdade com o BGP. Sendo assim, um AS stub ou um AS multihomed podem a continuar a usar o BGP ( ou qualquer outro protocolo adequado) para operar com um AS de trânsito. Entretanto, a RFC 1772 recomenda que, para estes tipos de AS, o BGP seja usado em vez do EGP, porque isto fornece vantagens em largura de banda e em desempenho. Além disto, em um AS multihomed, é mais provável que o BGP forneça uma rota inter-as melhor que o EGP, já que o EGP apenas verifica a acessibilidade e não a distância. Seleção de Caminho Cada emissor BGP deve avaliar os caminhos diferentes para um destino do(s) (es) de fronteira para uma conexão AS, selecionar o que melhor concorda com as normas de roteamento em vigor e então anunciar esta rota a todos os seus vizinhos BGP naquela conexão AS. O BGP é um protocolo de vetores de distância mas, ao contrário dos protocolos de vetores de distância tradicionais como o rip, onde há uma métrica única, o BGP determina a ordem de preferência aplicando uma função de mapeamento em cada caminho, para um valor preferencial e selecionando o caminho que tem o valor mais alto. A função aplicada é gerada pela implementação do BGP de acordo com a informação da configuração. Entretanto, o BGP não mantém uma métrica de custo para todo o caminho, o que muitas vezes considera-se um defeito, mas não existe nenhum mecanismo que o BGP possa utilizar para obter um custo uniforme para os caminhos ao longo de inúmeras redes atuais de provedores de serviço. Quando há vários caminhos viáveis para um destino, o BGP mantém todos eles mas só anuncia aquele que tiver o mais alto valor de preferência. Esta abordagem permite uma mudança rápida para um caminho alternativo, caso o primeiro tenha falhado. 717/05/02

8 Normas de Roteamento A RFC 1772 inclui um conjunto de normas recomendadas para todas as implementações: Uma implementação BGP deve ser capaz de controlar as rotas que anuncia. A granularidade deste controle deve ser pelo menos no nível de rede para as rotas anunciadas e no nível de AS para os receptores. Por exemplo, o BGP deve fornecer uma norma para anunciar uma rota a uma rede específica para um AS adjacente específico. Deve-se tomar cuidado quando um emissor BGP selecionar uma nova rota que não possa ser anunciada para um determinado companheiro exteno, enquanto a rota previamente selecionada foi anunciada para aquele companheiro. Especificamente, o sistema local deve indicar explicitamente ao companheiro que a rota anterior está agora inexeqüível. O BGP deve fornecer uma norma de ponderação (pesos) para os caminhos. Cada AS pode receber a designação de um peso e o caminho preferencial ao destino é então aquele com o menor peso agregado. O BGP deve fornecer uma norma para excluir um AS de todos os caminhos possíveis. Isto pode ser feito com uma variante da norma anterior; para cada AS a ser excluído é dado um peso infinito e o processo de seleção da rota recusa-se a considerar os caminhos de peso infinito. Atualizações de Roteamento de Roteadores Norma de Entrada Roteador BGP Processo de Decisão Rotas a serem Usadas Norma de Saída Atualizações de Roteamento de es BGP Tabela de Roteamento Normas de Roteamento e Processo BGP A figura apresenta as normas de roteamento e o processo BGP: 1. As atualizações de roteamento são recebidas de outros es BGP. 2. O mecanismo de normas de entrada filtra as rotas e manipula atributos. 3. O processo de decisão escolhe as rotas que o BGP usará. 4. O mecanismo de saída filtra as rotas e manipula atributos para as rotas a serem anunciadas. 5. As atualizações de roteamento são anunciadas a outros es BGP. 817/05/02

9 Consistência do AS O BGP exige que um AS de trânsito apresente a mesma visão para todo AS que estiver usando os seus serviços. Se o AS tiver vários emissores BGP, eles devem concordar com dois aspectos da topologia: intra-as e inter-as. Como o BGP não lida de forma alguma com o roteamento intra-as, uma visão consistente da topologia intra-as deve ser fornecida pelos protocolos de roteamento interno empregados pelo AS. Naturalmente, um protocolo como o OSPF que implementa a sincronização dos bancos de dados do presta-se muito bem a este papel. A consistência da topologia externa pode ser fornecida por todos os emissores BGP no AS tendo as sessões BGP entre si, mas o BGP não necessita que este método seja usado, apenas que a consistência seja mantida. Troca de Informações de Roteamento O BGP só anuncia as rotas que ele mesmo usa para os seus vizinhos. Isto é, o BGP está de acordo com o paradigma salto a salto normal da Internet, apesar de ter informação adicional na forma de caminhos AS e teoricamente ser capaz de fornecer informação de uma rota para um vizinho que ele mesmo não usaria. Quando dois emissores BGP criam uma sessão BGP, eles começam trocando todas as suas tabelas de roteamento. A informação de roteamento é trocada via mensagens. Como a informação de roteamento contém o caminho AS completo, para cada destino relacionando na forma de uma lista de números AS além do alcance usual e a informaçào do próximo salto usado nos protocolos de vetores de distância, ele pode ser usado para suprimir os ciclos de roteamento e para eliminar o problema de contagem até o infinito encontrado no. Depois que os vizinhos BGP tiverem desempenhado a troca inicial dos seus bancos de dados de roteamento, eles só trocam atualizações para esta informação. Descrição do Protocolo O BGP é executado em uma conexão de camada de transporte confiável, entre es vizinhos. O BGP depende da conexão de transporte para a fragmentação, retransmissão, reconhecimento e seqüenciamento. Ele assume que a conexão de transporte será encerrada de maneira ordenada, entregando todos os dados caso apareça uma notificação de erro. As implementações práticas do BGP usam o TCP como mecanismo de transporte. Portanto, as unidades dos dados do protocolo BGP estão contidas dentro dos pacotes TCP. As conexões para o serviço BGP em um usam TCP porta 179. O protocolo BGP abrange quatro estágios principais: Abertura e confirmação de uma conexão BGP com um vizinho Manutenção da conexão BGP Envio de informações de acessibilidade Notificação de condições de erro ASX Abrir ASY BGP Manter viva Atualizar BGP Notificação 917/05/02

10 A Figura mostra: As Mensagens BGP Fluem entre os emissores BGP. Abrindo e Confirmando uma Conexão BGP: A comunicação BGP entre dois es começa com o estabelecimento da conexão do protocolo de transporte TCP. Ums vez que a conexão tenha sido estabelecida, cada envia uma mensagem abrir ao seu vizinho. A mensagem abrir do BGP, como todas as mensagens BGP, consiste de um cabeçalho padrão mais o conteúdo específico do tipo de pacote. O cabeçalho padrão consiste de um campo de 16 octetos, com todos os bits iguais a um quando o código de autentificação for 0, do comprimento do pacote BGP total, e de um campo de tipo que especifíca o pacote como sendo um dos quatro tipos possíveis: 1. ABRIR 2. ATUALIZAR 3. NOTIFICAÇÃO 4. MANTER VIVA Cabeçalho da Mensagem BGP Número de Octetos Configurado todo em 1 s 16 Marcador 2 Comprimento 1 Tipo 1 = Abrir 2 = Atualizar 3 = Notificação 4 = Manter-se Viva Amensagem aberta define o número AS do de origem, o seu identificador de BGP e o tempo de retenção para a conexão. Se durante um período de retenção não forem recebidas quaisquer mensagens Manter viva, Atualizar ou Notificação, o de origem assume um erro, envia uma mensagem de notificação e encerra a conexão. A mensagem Abrir também fornece um comprimento de parâmetro opcional e parâmetros opicionais. Estes campos podem ser usados para autenticar um companheiro BGP. Formato da Mensagem Abrir do BGP Números de octetos 19 Cabeçalho Comum Tipo =1 1 Versão 2 2 Número de AS do Transmissor Tempo de Retenção Identificador do BGP Cumprimento do Parâmetro Opcional Parâmetros Opicionais 1017/05/02

11 Uma mensagem Abrir aceitável é reconhecida por uma mensagem Manter viva. Quando es vizinhos tiverem enviado mensagens Manter viva em resposta a abrir, eles podem prosseguir com a troca de outras mensagens Manter viva, Notificação e Atualizar. Mantendo a Conexão BGP: Mensagens BGP devem ser trocadas periodicamente entre os vizinhos. Se nenhuma mensagem tiver sido recebido pelo período do cronômetro de retenção calculado através do uso do menor entre os tempos de retenção configurados e o de retenção recebido na mensagem ABRIR, então um erro é assumido na conexão. O BGP usa mensagens Manter viva para manter a conexão entre os vizinhos. As mensagens Manter viva consistem apenas do cabeçalho do pacote BGP, sem nenhum dado. A RFC recomenda que o cronômetro de retenção seja de 90 segundos e o cronômetro Manter viva seja de 30 segundos. Enviando Informações de Acessibilidade: As informações de acessibilidade são trocadas entre os vizinhos BGP em mensagens de Atualizar. Uma mensagem Atualizar é usada para anunciar uma única nota exeqüível para um companheiro, ou para retirar de serviço rotas não-exeqüíveis. Uma atualização pode anunciar simultaneamente uma rota exeqüível e retirar de serviço várias rotas inexeqüíveis. Blocos básicos de uma mensagem ATUALIZAR: NLRI (Network Layer Reachability Information Informações de acessibilidade de camada de rede) Atributos de caminho Rotas retiradas Mensagem Atualizar do BGP Número de Octetos 19 Cabeçalho Comum 2 Comprimento de Rota Inexeqüível Tipo = 2 Variável Variável Variável 2 Rotas Retiradas Comprimento do Atributo do Caminho Total Atributo do Caminho Informação de Alcance de Camada de Rede NLRI (Network Layer Reachability Information Informações de acessibilidade de camada de rede): O NLRI é o mecanismo pelo quel o BGP-4 suporta o roteamento sem classe. O NLRI é uma indicação de campo variável, na forma de uma rota de prefixo IP, das redes que estão sendo anunciadas. O NLRI também é representado por <comprimento, prefixo>. A forma <14, > indica uma rota a ser alcançada da forma ou /14 no formato CIDR. 1117/05/02

12 BGPs Trocando NRLIs AS1 Caminho 1, caminho 2 AS2 Emissor BCP Caminho 3, caminho 4 Emissor BCP Informação de Acessibilidade Caminho 1 Caminho 2 Caminho 3 Caminho 4 Informação de Acessibilidade Caminho 1 Caminho 2 Caminho 3 Caminho 4 Atributos de Caminho: Cada atributo de caminho consiste de um conjunto triplo de valores: flag de atributo, tipo do atributo e valor do atributo. Três dos flags de atributo fornecem informações sobre o status dos tipos de atributo, e podem ser opicional ou bem conhecido, transitório ou não-transitório e parcial ou completo. Os flags de atributo devem ser lidos em conjunto com os seus tipos de atributo associados. Há sete tipos de atributos que juntos definem uma rota anunciada: Origem, que é um atributo obrigatório bem conhecido (código tipo 1), e define a origem da nota como um IGP, um EGP ou INCOMPLETO (por exemplo uma rota estática). Caminho AS é um atributo obrigatório bem conhecido (código tipo 2), e define os ASs que devem ser cruzados para alcançar a rede que está sendo anunciada. É uma seqüência de números de AS que uma rota atravessou para alcançar um destino. O AS que origina a rota acrescenta o seu próprio número de AS quando envia a rota ao seu companheiro BGP externo. Cada AS que recebe a rota e a encaminha para outro companheiro BGP anexará o seu próprio número AS como último elemento da seqüência. Próximo salto é um atributo obrigatório bem conhecido (código 3), e define o endereço IP do ASBR que é o próximo salto no caminho ao(s) destino(s) relacionado(s). 1217/05/02

13 Multi_exit_disc que é um atributo opcional não transitório (código tipo 4), usado por um processo de decisão de um emissor BGP para discriminar entre vários pontos de saída para um sitema autônomo vizinho. Local_pref é um atributo arbitrário bem conhecido (código tipo 5), e usado por um emissor BGP para informar outros emissores BGP, em seu próprio sistema autônomo, do grau de preferência do emissor de origem para uma rota anunciada. Atomic_aggregate é um atributo arbitrário bem conhecido (código tipo 6), e usado por um emissor BGP para informar outros emissores BGP que o sistema local selecionou uma rota menos específica, sem selecionar uma rota mais específica que está incluída nela. Agregador é um atributo transitivo opicional (código 7), e indica o último número AS que formou a rota agregada, seguido pelo endereço IP do emissor BGP que formou a rota agregada. Atributos do Caminho BGP Número de Octetos 1 1 O T P EL Tipo de Atributo Reservado O = Opcional T = transitório P = Parcial EL = Comprimento Estendido 1 ou 2 Variável Comprimento do Atributo Valor do Atributo Rotas Retiradas: Um comprimento de rota inexeqüível indica em octetos o comprimento total do campo Rotas Retiradas. Este valor igual a 0 indica que nenhuma rota está sendo retirada de serviço, e que o campo Rotas Retiradas não está presente nesta mensagem de atualização. Rotas retiradas é um campo de comprimento variável. As atualizações que não são exeqüíveis ou que não estejam mais em serviço e precisam ser retiradas da tabela de roteamento BGP. As rotas retiradas têm os mesmos formatos da NLRI. As rotas retiradas também são representadas por <comprimento, prefixo>. A forma <15, > indica uma rota a ser retirada da forma ou /15 no formato CIDR. 1317/05/02

14 Trocando as Rotas Retiradas AS1 Caminho 1 AS2 Emissor BCP Emissor BCP Troble Informação de Acessibilidade Caminho 2 Caminho 3 Caminho 4 Informação de Acessibilidade Caminho 2 Caminho 3 Caminho 4 Notificando Erros: As mensagens de notificação são enviadas por um vizinho quando as condições de erro são detectadas. A conexão de transporte BGP é fechada imediatamente depois que uma mensagem de notificação tenha sido enviada. As mensagens de notificação consistem de um código de erro e um sub-código de erro, que qualificam o erro principal. O formato das mensagens de notificação. Mensagem de Notificação BGP Números de Octetos 19 Cabeçalho Comum Tipo = Variável Código de Erro Sub-código de Erro Dados Os códigos de erro que são fornecidos pelo BGP são os seguintes: Erro de Cabeçalho de Mensagem Erro de Mensagem Abrir Erro de Mensagem Atualizar Expirou o Cronômetro de Retenção 1417/05/02

15 Erro do Mecanismo de Estado Finito Cessar Um campo de dados é incluído na mensagem de notificação para fornecer informações de diagnóstico adicionais. Referências RFC 1771 A Border Gateway Protocol 4 (BGP-4) RFC 1772 Application of the Border Gateway Protocol in the Internet RFC 1812 requirements for IP Version 4 Routers Biografia TCP/IP Tutorial e Técnico Martin w. Murhammer Orcun Atakan Stefan Bretz Larry R. Pugh Kazunari Suzuki David H. Wood Editora Makron Books Artigo: BGP4 Parte 1-12 de Março de 1999 Alex Soares de Moura RNP News Generation Volume 3, número /05/02

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 06 -BGP: Introdução p.4. BGP: ilustração. BGP: Border Gateway Protocol

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 06 -BGP: Introdução p.4. BGP: ilustração. BGP: Border Gateway Protocol Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 06 - Funcionalidades fundamentais do BGP. Tipos de pacotes. Atributos principais. BGP: Introdução Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Protocolos em Redes

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito 1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com Professor Guerra Faculdades Santa Cruz Ab.guerra@gmail.com Protocolo BGP Conceitos de Internet a Internet é um conjunto de redes distintas, agrupadas em estruturas autônomas (AS); um AS não está relacionado

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Roteiro Características Terminologia utilizada PTT, PIX, ASN Configurações Práticas Referências Característcas É um

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 05 - OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt OSPF. Suporte para diferentes tipos de redes. Encaminhamento hierárquico no OSPF. IS-IS. IGRP.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Projeto de pesquisa apresentado para Universidade Mogi das Cruzes Prof. Orientador: xxxxxxxxxxxxxxxxx.

Projeto de pesquisa apresentado para Universidade Mogi das Cruzes Prof. Orientador: xxxxxxxxxxxxxxxxx. Universidade Mogi das Cruzes UMC Unidade Vila Lobos Sistema de informação BGP - Border Gateway Protocol BGP Border Gateway Protocol São Paulo, 2011 Nome: João Paulo Brigagão da Cruz RGM: 66282 Nome: Cleyton

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Encaminhamento Inter-AS Protocolo BGP. Redes de Comunicação de Dados

Encaminhamento Inter-AS Protocolo BGP. Redes de Comunicação de Dados Encaminhamento Inter-AS Protocolo BGP Redes de Comunicação de Dados Encaminhamento Inter-AS Introdução Border Gateway Protocol Mensagens BGP Atributos de Rotas Cenário prático: BGP Exemplos práticos BGP

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Parte V Roteamento Unicast na Internet Roteamento Inter-Domínio

Parte V Roteamento Unicast na Internet Roteamento Inter-Domínio Roteamento em Redes de Computadores CPE 825 Parte V Roteamento Unicast na Internet Roteamento Inter-Domínio Luís Henrique M. K. Costa luish@gta.ufrj.br Otto Carlos M. B. Duarte otto@gta.ufrj.br Universidade

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução ao BGP Sistema Autonômo Fundamentos do BGP Sessão BGP Cabeçalho BGP Mensagem BGP Tabelas BGP Estados do BGP Border Gateway Protocol (BGP)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

ROTEAMENTO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM DESVIOS DE ALTA CONECTIVIDADE

ROTEAMENTO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM DESVIOS DE ALTA CONECTIVIDADE ROGÉRIO SANTINI ROTEAMENTO TOLERANTE A FALHAS BASEADO EM DESVIOS DE ALTA CONECTIVIDADE Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa de Pós- Graduação em informática,

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Política de Roteamento BGP. Diretoria Adjunta de Engenharia e Operações

Política de Roteamento BGP. Diretoria Adjunta de Engenharia e Operações Política de Roteamento BGP Diretoria Adjunta de Engenharia e Operações Data 17/07/2013 Política de Roteamento BGP Diretoria Adjunta de Engenharia e Operações 2 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Definições...

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DO PROTOCOLO BGPv4

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DO PROTOCOLO BGPv4 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO DE ESPECIALIZACÃO EM CONFIGURAÇÃO E GERENCIAMENTO DE SERVIDORES E EQUIPAMENTOS DE REDES MAURO BORDINHÃO JUNIOR DESCRIÇÃO

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais