revistahugv Revista do Hospital Universitário Getúlio Vargas The Journal of Getulio Vargas University Hospital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "revistahugv Revista do Hospital Universitário Getúlio Vargas The Journal of Getulio Vargas University Hospital"

Transcrição

1 revistahugv Revista do Hospital Universitário Getúlio Vargas The Journal of Getulio Vargas University Hospital v.5. n. 1-2 jan./dez MIOLO DO HUGV 2006.pmd 1

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS Rua Apurinã nº 04 Praça 14 de Janeiro, Cep: Manaus - AM Fones: (092) UFAM FUNDADORES Ricardo Torres Santana Jorge Alberto Mendonça LISTA DO CONSELHO EDITORIAL DA REVISTA HUGV EDITOR-CHEFE Fernando Luiz Westphal Maria Augusta Bessa Rebelo Rosane Dias da Rosa Kathya Augusta Thomé Lopes Maria Lizete Guimarães Dabela LISTA DO CONSELHO CONSULTIVO DA REVISTA HUGV Aluísio Miranda Leão Ângela Delfina B. Garrido Antonio Carlos Duarte Cardoso Célia Regina Simoneti Barbalho Cláudio Chaves Clemencio Cezar Campos Cortez Dagmar Keisslich David Lopes Neto Domingos Sávio Nunes de Lima Edson Sarkis Gonçalves Ermerson Silva Eucides Batista da Silva Eurico Manoel Azevedo Fernando César Façanha Fonseca Fernando Luiz Westphal Gerson Suguyama Nakajima Ione Rodrigues Brum Ivan da Costa Tramujás Jacob Cohen João Bosco L. Botelho Julio Mario de Melo e Lima Kathya Augusta Thomé de Souza Lourivaldo Rodrigues de Souza Luís Carlos de Lima Luiz Carlos de Lima Ferreira Luiz Fernando Passos Maria Augusta Bessa Rebelo Maria do Socorro L. Cardoso Maria Fulgência Costa L. Bandeira Maria Lizete Guimarães Dabela Mariano Brasil Terrazas Neila Falcone Bonfim Nelson Abrahim Fraiji Nikeila Chacon de O. Conde Osvaldo Antônio Palhares Ricardo Torres Santana Rosana Cristina Pereira Parente Rosane Dias da Rosa Wilson Bulbol MIOLO DO HUGV 2006.pmd 2

3 revistahugv Revista do Hospital Universitário Getúlio Vargas The Journal of Getulio Vargas University Hospital v.5. n. 1-2 jan./dez MIOLO DO HUGV 2006.pmd 3

4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS Copyright 2006 Universidade Federal do Amazonas/HUGV REITOR DA UFAM Dr. Hidembergue Ordozgoith da Frota DIRETOR DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS Dr. Raymison Monteiro de Souza PRODUÇÃO GRÁFICA-EDITORIAL: EDUA DIRETOR DA EDUA Dr. Renan Freitas Pinto DIRETORA DA REVISTA Profª Dayse Enne Botelho REVISÃO (LÍNGUA PORTUGUESA) Sergio Luiz Pereira CAPA TIRAGEM 300 EXEMPLARES FICHA CATALOGRÁFICA Ycaro Verçosa dos Santos CRB R454 Revista do Hospital Universitário Getúlio Vargas. Revista do Hospital Getúlio Vargas. V. 5, n. 1-2 (2006) / Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, p. Semestral Título da revista em português inglês ISSN Medicina-Periódico I. Hospital Universitário Getúlio Vargas II. Universidade Federal do Amazonas. CDU 61(051) MIOLO DO HUGV 2006.pmd 4

5 SUMÁRIO Editorial... Kathya Augusta Thomé Lopes 7 ARTIGOS ORIGINAIS 1. Caracterização das reações transfunsionais ocorridas no Hospital Universitário Getúlio Vargas, Amazonas, Brasil, no período de 2001 a Avaliação clínico-cirúrgica dos pacientes submetidos a ressecção pulmonar por bronquiectasias O deprimido diante do entrevistador clínico iniciante Estudo sobre a atitude do profissional de saúde com relação à perspectiva de vida ativa de pacientes com sequelas de traumatismo raqui-medular Treinamento muscular inspiratório em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica... RELATO DE CASO 6. Tratamento de fraturas faciais ocasionadas por projetéis de arma de fogo (P. A. F.): Relato de Caso Clínico Deficiência de 11β-Hidroxilase Relato de Caso e Revisão de Literatura Pneumonia Necrosante: Relato de Caso Tratamento da discromia gengival: Comparação de duas técnicas Hamartoma Hipotalâmico causando puberdade precoce central: Relato de Caso A importância do planejamento na reabilitação estética do sorriso pela cirurgia plástica periodontal: Relato de Caso Relato de Caso: Insuficiência Respiratória pós-pleurodese Resumo MIOLO DO HUGV 2006.pmd 5

6 6 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 6

7 EDITORIAL Kathya Augusta Thomé Lopes* A Revista do HUGV é um periódico da Ufam que possibilita a publicação de artigos e resultados de investigações, busca estimular a divulgação do conhecimento elaborado nas mais diversas áreas da saúde dentro e fora do âmbito do Hospital Universitário Getúlio Vargas. Tem como pressuposto disponibilizar artigos e trabalhos de pesquisa que venham contribuir para melhorar as ações dos profissionais e das instituições. A pesquisa de certa maneira tem como perspectiva promover o desenvolvimento e minimizar os problemas da saúde. Assim, por intermédio de uma produção científica rigorosa e com qualidade, é possível encontrar respostas e soluções para as questões prioritárias de saúde da população, bem como do sistema e da política de saúde. Talvez a grande dificuldade ainda esteja relacionada à capacidade de incorporar os resultados desta produção nas ações de saúde. Torna-se imprescindível encontrar estratégias para disseminar este conhecimento visando possibilitar a sua utilização em benefício do bem-estar das populações em todas as suas dimensões. A investigação científica em saúde teve uma ampliação nos últimos anos, indo desde o aumento de projetos de pesquisa até as diversas oportunidades para auxílios e fomentos nesta área, o que de certa forma tem motivado o avanço dessas investigações. Um outro fator importante é a atenção que tem se dado aos aspectos éticos em pesquisa visando a garantia de um compromisso entre o pesquisador e os sujeitos da pesquisa, na mesma proporção as pesquisas realizadas com rigor científico expressam qualidade no seu desenvolvimento e ainda não são positivamente compreendidas pelos especialistas e nem pela sociedade. Tendo em vista as transformações apresentadas nas diversas especialidades da saúde, nada mais justo que usar o conhecimento adquirido em prol do benefício da sociedade, e isto passa pela divulgação intensiva dos achados científicos, daí o papel importante da divulgação pelas revistas científicas. Arriscaríamos afirmar que os conhecimentos disponíveis podem não ser adequados e suficientes para a solução dos diversos problemas identificados na área da saúde, contudo é importante que haja uma atuação incessante dos pesquisadores para a busca de novas informações e geração de conhecimentos para redução de doenças e principalmente a formulação de políticas de prevenção. A começar pela convicção de que as ações adequadas e favoráveis a uma boa qualidade de saúde serão na maioria das vezes advindas de descobertas de pesquisas bem elaboradas, e que, por sua vez, são desenvolvidas com base na inquietação de seus pesquisadores, promovendo achados importantes para a área, tais como: o que favorecer para que as pessoas permaneçam saudáveis; os fatores gerais que influenciam; as características locais; prioridades; os determinantes sociais, políticos e ambientais de saúde, dentre outros. É importante que essas ações sejam estimuladas dentro do âmbito do HUGV, notadamente por se tratar de um hospital de ensino. * Professora Doutora da Faculdade de Educação Física da Ufam Coordenadora do Programa de Atividades Motoras para Deficientes / PROAMDE Chefe da Divisão de Pesquisa Clínica e Social do HUGV 7 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 7

8 Além de estimular e disseminar a importância da realização de pesquisas e a veiculação dos diversos conhecimentos elaborados na área de saúde, o Hospital Universitário Getúlio Vargas, por intermédio do Conselho Editorial e Consultivo da Revista do HUGV, propõe-se a avaliar os trabalhos apresentados à publicação priorizando o rigor científico, observando, ainda, a importância dos achados para o benefício da sociedade bem como a sua aplicação prática. A realização de projetos de pesquisa propicia a constante produção de conteúdo científico, assim como possibilita a captação de recursos para os Serviços e, em última instância, para a Instituição. Portanto, a Divisão de Apoio à Pesquisa Científica disponibiliza orientação aos profissionais deste Hospital interessados em realizar projetos de pesquisa. 8 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 8

9 MIHARU MAGUINORIA MATSUURA MATOS, RIVALDO CASTRO VILAR, YVELISE FERREIRA, RENEIDE DE PINHEIRO, MARIA ELIZETE DE ALMEIDA CARA ARACTERIZA CTERIZAÇÃ ÇÃO DAS REAÇÕES TRANSFUNSIONAIS AIS OCORRID ORRIDAS NO HOSPIAL UNI- VERSITÁRIO GETÚLIO VAR ARGAS AS,, AMAZONAS AS,, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2003 CHARATERIZATION OF TRANSFUNSIONAL REACTIONS OCCURED IN THE UNIVERSITY HOSPITAL GETÚLIO VARGAS, AMAZONAS, BRAZIL, IN THE PERIOD OF 2001 THE 2003 Miharu Maguinoria Matsuura Matos 1, Rivaldo Castro Vilar 2, Yvelise Ferreira 3, Reneide de Pinheiro Almeida 4, Maria Elizete de Almeida Araújo 5 RESUMO: Diante do complexo quadro que envolve a prática transfusional, aliada ao fato de que o Estado do Amazonas possui dados incipientes referente às reações transfusionais, o presente estudo propôs descrever as reações ocorridas no Hospital Universitário Getúlio Vargas, da cidade de Manaus, Brasil. Acredita-se que as informações, apresentadas neste estudo, contribuem para o conhecimento real das reações transfusionais ocorridas e possibilita o aprimoramento do trabalho desenvolvido pela Hemovigilância do HUGV, permitindo uma maior segurança transfusional. Casuística: Avaliação de todos os relatórios de reação transfusional e livros de registro de transfusão sangüínea do banco de dados da Agência Transfusional do hospital, no período de 2001 a Resultados: Das transfusões analisadas, 21 desencadearam reações transfusionais, caracterizando uma freqüência de 0,10%. A incidência de reação alérgica foi de 0,04% e reação febril não hemolítica foi de 0,03%. Esses dados diferem dos disponíveis na literatura quanto à incidência, mas é similar quanto aos tipos de reação mais freqüentes. Conclusões: Observou-se uma baixa taxa de reação transfusional refletindo que existem dificuldades na monitorização e notificação das reações ocorridas neste hospital. Considera-se que essa taxa foi influenciada por diversas causas, principalmente em conseqüência das subnotificações, pois representa uma inconsistência da definição de caso por falta de conhecimento técnico-científico dos envolvidos na terapia transfusional. Palavras-chave: Reações transfunsionai, transfunsão sanguínea, hemovigilância, Incidentes transfunsionais, notificação de reações adversas. ABSTRACT: Facing the complex situations that involves the transfusional practice, followed by the fact that the state of Amazon doesn t have enough information about transfusional reactions, the present study proposed to describe the reactions occured in the University Hospital Getulio Vargas in Manaus, Brazil. It is believed credit that the information in this study contribute to the real knowledge of transfusional reactions occured and offer the improvement of the work developed by the Hemovigilance of HUGV, allowing a higher transfusional security. Material and methods: Review of all the reports of transfusional reaction and the blood transfusions registers of the data base of the Transfusional Agency of the hospital in period of years from 2001 to Results: Of 21,289 transfusions analyzed, 21 had transfusional reactions, characterizing a frequency of 0,10%. The alergical incidence of reactions was 0,04% and no hemolytic fever reaction was 0,03%. These data differ from the available literature in incidence terms but it was similar to the types of reaction found in this study. Conclusions: A low tax of transfusional reaction was observed in this study reflecting the existence of difficulties in the monitorization and notification of the reactions occurred in this hospital. It is considered that this tax was influenced by several causes, mainly due to subnotifications, that represent an inconsistency of the case definition due to technician-scientific knowledge of the people involved in the transfusional therapy. Key-words: Transfusional reactions. Blood transfusion. Hemovigilance. Transfusional incidents. Notification of adverse reactions. 1 Farmacêutica-Bioquímica, HUGV, Ufam 2 Farmacêutico-Bioquímico, Ufam 3 Médica, Hemoam 4 Farmacêutica-Bioquímica, HUGV, Hemoam 5 Gerente de Risco Sanitário Hospitalar, HUGV, Ufam 9 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 9

10 CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS OCORRIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS, AMAZONAS, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2003 INTRODUÇÃO OBJETIVO A transfusão de sangue consiste na administração do sangue de um indivíduo doador para um indivíduo receptor. Esse procedimento põe os antígenos do doador, sejam antígenos das membranas celulares ou antígenos plasmáticos, em contato com o sistema imunológico (anticorpos) do receptor, levando a reações do sistema imunológico do receptor da transfusão, que podem resultar em efeitos indesejáveis à transfusão. Esses resultados indesejáveis são chamados de reações transfusionais ou incidentes transfusionais. 1 O propósito fundamental de uma agência transfusional é assegurar uma terapia de transfusão efetiva e livre de quaisquer efeitos indesejáveis. Entretanto, vidas ainda têm sido perdidas como conseqüência de reações transfusionais. No Brasil, segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2 não se conhece a freqüência real desses incidentes transfusionais, sejam eles inerentes à terapêutica, decorrentes de má indicação e do uso dos produtos sangüíneos, ou de falhas no processo durante o ciclo do sangue. Daí a necessidade de se investigar, identificar e notificar de forma sistemática as reações transfusionais a fim de que possam ser introduzidas medidas corretivas e preventivas. Diante deste complexo quadro que envolve a prática transfusional, aliada ao fato de que o Estado do Amazonas possui dados incipientes referente às reações transfusionais, o presente estudo propôs caracterizar as reações ocorridas no Hospital Universitário Getúlio Vargas HUGV, da cidade de Manaus, Brasil, no período de 2001 a 2003 por meio da avaliação dos relatórios de reação transfusional e livros de registro do banco de dados da Agência Transfusional do hospital. Sabe-se que o conhecimento das ocorrências das reações transfusionais é de grande valor no campo da orientação clínica e laboratorial, prevenindo o aparecimento ou recorrência de reações transfusionais imediatas ou tardias e levando a uma maior segurança e eficácia transfusional. Descrever as principais reações transfusionais ocorridas no Hospital Universitário Getúlio Vargas HUGV, da cidade de Manaus, Brasil, no período de 2001 a 2003, por meio de levantamento de dados. CASUÍSTICA O levantamento dos dados foi realizado pelas informações obtidas do banco de dados da Agência Transfusional do HUGV e da avaliação de todos os relatórios de reação transfusional e dos livros de registro de transfusão sangüínea, com ênfase nos resultados dos testes imunohematológicos da investigação transfusional e ao parecer conclusivo fornecido pelo Hemocentro do Amazonas Hemoam. O levantamento da reação transfusional foi baseado no número de sua ocorrência em relação ao número de unidades transfundidas no mesmo período. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Amazonas. Para a caracterização das reações transfusionais foi avaliado o tipo de reação transfusional ocorrida de acordo com a sua natureza e o momento da instalação. Considera-se reação transfusional do tipo imediato (aguda) aquela ocorrida durante a transfusão ou em até 24 horas e reação do tipo tardio aquele que ocorre após 24 horas da transfusão realizada. As reações transfusionais do tipo imediata (aguda) estão envolvidas com: reação hemolítica aguda, reação febril não hemolítica, reações alérgicas, sobrecarga volêmica, contaminação bacteriana, edema pulmonar não cardiogênico, reação hipotensiva e hemólise não imune. E as do tipo tardia estão envolvidas com: reação hemolítica tardia, doença enxerto-vs-hospedeiro, púrpura pós-transfusional, aparecimento de anticorpos irregulares/ isoimunização, hemossiderose e doenças transmissíveis por vírus, bactérias e parasitas. Esta classificação segue os critérios do Ministério da Saúde/Anvisa MIOLO DO HUGV 2006.pmd 10

11 MIHARU MAGUINORIA MATSUURA MATOS, RIVALDO CASTRO VILAR, YVELISE FERREIRA, RENEIDE DE PINHEIRO, MARIA ELIZETE DE ALMEIDA RESULTADOS Foram analisados os resultados de transfusões de sangue, no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2003, sendo (42,35%) de concentrado de hemácias (CH), (37,53%) de concentrado de plaquetas (CP), (15,12%) de plasma fresco congelado (PFC), 644 (3,02%) de crioprecipitado e 418 (1,96%) de plasma preservado (PP). A Tabela 1 apresenta a distribuição dos hemocomponentes transfundidos no HUGV de acordo com o ano estudado. Tabela 1 Distribuição dos hemocomponentes e derivados transfundidos no HUGV de acordo com o ano estudado Hemocomponentes e derivados CH PFC PP CP Criopreciptado Total Ano Total Transfundido CH = Concentrado de hemácias; PFC = Plasma Fresco Congelado; PP = Plasma Preservado; CP = Concentrado de Plaquetas Neste estudo, das transfusões realizadas, 21 desencadearam reação transfusional, caracterizando uma freqüência de 0,10%, sendo 11 (52%) do sexo feminino e 10 (48%) do sexo masculino. A média de reação transfusional notificada foi de uma reação transfusional a cada dois meses. A análise estatística da ocorrência de reação transfusional de acordo com o ano não apresentou diferença estatisticamente significante (p>0.05). A Tabela 2 demonstra a freqüência de reação transfusional com base no número de unidades transfundidas por ano. Das vinte e uma (0,10% das transfusões) reações transfusionais ocorridas, dezenove (90,4% das reações 0,09% das transfusões) estavam envolvidas com a transfusão de CH, uma (4,8% das reações 0,005% das transfusões) com PFC e uma (4,8% das reações 0,005% das transfusões) com CP. A Tabela 3 demonstra a distribuição dos hemocomponentes transfundidos em relação ao número de reação transfusional ocorrido. Tabela 3 Distribuição dos hemocomponentes e derivados transfundidos no HUGV em relação ao número de reação transfunsional ocorrido. Hemocomponentes e derivados CH PFC PP CP Criopreciptado Total Total transfundido Reação transfusional CH = Concentrado de hemácias; PFC = Plasma Fresco Congelado; PP = Plasma Preservado; CP = Concentrado de Plaquetas O CH foi responsável por dezenove reações transfusionais (90,4% das reações 0,09% das transfusões), ocorridas no HUGV, sendo que dezessete (89,5% das reações 0,08% das transfusões) foram do tipo imediato (aguda) e duas (10,5% das reações 0,01% das transfusões) do tipo tardio, como mostra a Figura 1. REAÇÕES POR CONCENTRADO DE HEMÁCIAS 10,5% Reação aguda Reação tardia Tabela 2 Freqüência de reação transfusional ocorridas no HUGV em relação ao número de transfusões realizadas por ano Ano Total N.º de Transfusões realizadas (100%) Sem reação Transfunsional (99,9%) Com reação Transfunsional (0,1%) 89,5% Figura 1 Tipos de reação transfunsional ocorridos pelo uso de concentrado de hemácias Observou-se que das dezessete reações transfusionais do tipo imediata (89,5% das rea- 11 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 11

12 CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS OCORRIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS, AMAZONAS, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2003 ções 0,08% das transfusões), já que se desenvolveram durante ou em até 24 horas da transfusão realizada, o mesmo ocorrendo com aquelas decorrentes do CP e do PFC quanto ao tempo de instalação da reação, oito (47,0% das reações 0,04% das transfusões) eram reação alérgica, sete (41,2% das reações 0,03% das transfusões) eram reação febril não hemolítica e duas (11,8% das reações 0,01% das transfusões) de outras causas, conforme representadas na Figura 2. Das duas reações transfusionais do tipo tardio (0,01% das transfusões), encontradas neste estudo, mostraram que ambas (100%) foram reação hemolítica tardia, caracterizando uma freqüência de reação transfusional a cada transfusões de sangue. 41,2% 11,8% REAÇÕES TRANSFUSIONAIS DO TIPO AGUDA 47,0% Reação alérgica Reação febril não hemolítica Reações por outras causas Figura 2 Classificação das reações tranfunsionais do tipo imediata ocorridas no HUGV DISCUSSÃO A freqüência de 0,10% de reação transfusional encontrada neste estudo foi abaixo da nossa expectativa, embora essa taxa demonstre uma certa homogeneidade do número de reação transfusional com o de unidades transfundidas no decorrer dos anos. A Fiocruz 3 estima que 1 a 3% das transfusões de sangue dão origem a uma reação transfusional. Este percentual sobe para 10% em pacientes politransfundidos. Uma freqüência de reação transfusional semelhante à encontrada neste estudo foi apresentada por Silva et al 4 de 0,17% em pacientes internados na Santa Casa de Belo Ho- rizonte, como também por Ditzel et al, 5 que mostraram uma taxa de 0,28% de reação transfusional ocorridas no Hemocentro de Curitiba. Ainda na cidade de Curitiba, Rocha 6 detectou que 1,53% dos pacientes do Hospital Erasto Gaertner gerou reação adversa à transfusão. Os autores das literaturas consultadas foram unânimes em afirmar que a subnotificação foi a principal causa da baixa taxa de reação transfusional encontrada nesses estudos. Segundo cálculos de Lopes; Amorim Filho, 3 uma em cada cinco transfusões induz a algum tipo de complicação; entretanto, nem sempre é fácil identificar uma reação transfusional, pois, muitas vezes, são tão leves que passam despercebidas, contribuindo para uma incidência subestimada. Neste estudo, considera-se que essa baixa representatividade foi influenciada por diversas causas, principalmente em função das subnotificações das reações transfusionais. A subnotificação é um problema grave e muito sério que leva a uma falsa impressão de harmonia no trabalho quando na verdade representa uma inconsistência da definição de caso por falta de conhecimento técnico-científico dos envolvidos na terapia transfusional. Portanto, se sugere a elaboração de estratégias para a capacitação da equipe médica nas identificações, investigações e notificações de reações transfusionais a fim de que possam ser introduzidas medidas corretivas e preventivas. A freqüência de reação transfusional por unidade de hemocomponente transfundido, neste estudo, foi muito abaixo do esperado, ocorrendo uma reação a cada 474 transfusões de concentrado de hemácias, de transfusões de plasma fresco congelado e de transfusões de concentrado de plaquetas. Essa diferença, mais uma vez, comprova a existência de subnotificações das reações transfusionais ocorridas no HUGV. Os dados encontrados neste estudo quanto ao tipo de reação transfusional ocorrida são similares ao da literatura; 2,6,7 entretanto, diferem quanto à incidência, que foi abaixo do descrito pelos autores consultados, sugerindo uma subnotificação dos casos no serviço. Addas-Car- 12 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 12

13 MIHARU MAGUINORIA MATSUURA MATOS, RIVALDO CASTRO VILAR, YVELISE FERREIRA, RENEIDE DE PINHEIRO, MARIA ELIZETE DE ALMEIDA valho 8 confirma que a reação febril não hemolítica e a alérgica são as reações adversas associadas à transfusão mais freqüentes (em torno de 95% dos casos) e que a ocorrência destas reações transfusionais parece ser constante, pois não sofre grandes influências nem mesmo com a implantação de novas tecnologias. Das duas reações transfusionais do tipo tardias encontradas neste estudo foram reação hemolítica tardia. Por intermédio da análise estatística desses dados observou-se que houve uma taxa aumentada de reação do tipo tardia neste estudo, pois, segundo informações na literatura, relatam a ocorrência de uma reação em cerca de transfusões em pacientes politransfundidos, ou que já tiveram gestações com imunização a antígenos eritrocitários. Um fato interessante observado durante o desenvolvimento deste estudo foi o uso rotineiro de corticóides e anti-histamínico nos pacientes do HUGV antes das transfusões como medida profilática das reações transfusionais. Foram encontradas referências sobre o uso desses medicamentos nos pacientes com história prévia de alergia às transfusões, mas não como procedimento de rotina a todos os pacientes a serem transfundidos. Acredita-se que tal procedimento poderia mascarar as reações transfusionais e, conseqüentemente, também contribuir para a baixa freqüência dessas reações. CONCLUSÕES 1. Neste estudo, observou-se uma baixa taxa de reação transfusional refletindo que existem dificuldades na monitorização e notificação das reações ocorridas neste hospital; 2. As subnotificações podem ser responsáveis pela baixa representatividade encontrada neste trabalho, pois representa uma inconsistência da definição de caso por falta de conhecimento técnico-científico dos envolvidos na terapia transfusional; 3. Há uma necessidade de se elaborar estratégias para a capacitação da equipe clínica nas identificações, investigações e notificações de reações transfusionais a fim de que possam ser introduzidas medidas corretivas e preventivas. REFERÊNCIAS 1. SOUZA, M. H. L., REGO, M. M. S. «Reações às Transfusões». In: Princípios de Hematologia e Hemoterapia. Disponível em: sangue15.htm. 2. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária: Manual Técnico de Hemovigilância. 2.ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, LOPES, M. E. D., AMORIM FILHO, L. «Reações Transfusionais». In: Textos de Apoio em Hemoterapia. V. 2. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000, p SILVA, D. R., CARVALHO, R. V. F., DIAS, R. P. «Incidência de reações transfusionais em pacientes atendidos pela agência transfusional da Hemominas na Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte: importância da notificação dos casos». In: Congresso Nacional do Colégio Brasileiro de Hematologia, 17, Foz do Iguaçu, Anais... Foz do Iguaçu: Série de Monografias da Escola Brasileira de Hematologia, 1999, v. 6. Sup. 1, p DITZEL, D. R. C., BALDANZI, G. R., MEROLLI, R., ALMEIDA, P. T. R. «Incidência e tipo de reações transfusionais descritas em um Hospital Universitário». In: Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, 25, 2002, Salvador, Anais... Salvador: Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 2002, p ROCHA, J. M. «Reação transfusional e a importância de um sistema de notificação». In: Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, 25, 2002, Salvador, Anais... Salvador: Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 2002, p GOULART, G. L., COZAC, A. P., GONÇAL- VES, L. L., FERREIRA, O., ÂNGULO, I. L., 13 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 13

14 CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS OCORRIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS, AMAZONAS, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2003 MIGUEL, C. E. «Reações transfusionais imediatas no ambulatório de transfusão do Hemocentro de Ribeirão Preto». In: Congresso Nacional do Colégio Brasileiro de Hematologia, 17, 1999, Foz do Iguaçu, Anais... Foz do Iguaçu: Série de Monografias da Escola Brasileira de Hematologia, 1999, v. 6, Sup. 1, p ADDAS-CARVALHO, M. «Hemovigilância: avaliação do registro das reações transfusionais no período de 5 anos nos Hospitais Universitários da Unicamp». In: Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, 25, 2002, Salvador, Anais... Salvador: Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 2002, p MIOLO DO HUGV 2006.pmd 14

15 FERNANDO LUIZ WESTPHAL, LUIZ CARLOS LIMA, JOSÉ CORREA DE LIMA NETTO, CINTIA TEIXEIRA SOARES, BRENA LUIZE FERREIRA AVALIA ALIAÇÃ ÇÃO CLÍNICO-CIRÚR O-CIRÚRGIC GICA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A RESSECÇÃO PULMONAR POR BRONQUIECT ONQUIECTASIAS CLINICAL-SURGICAL EVALUATION OF PATIENTS WERE SUBMITTED TO THE LUNG RESSECTION BY BRONCHIECTASIS FERNANDO LUIZ WESTPHAL 1, LUIZ CARLOS LIMA 2, JOSÉ CORREA DE LIMA NETTO 3, CINTIA TEIXEIRA SOARES 4, BRENA LUIZE FERREIRA 5 RESUMO: A alta prevalência de doenças infecciosas e o caráter endêmico da tuberculose, em nossa região, determinam um alto índice de complicações pulmonares, dentre elas as bronquiectasias. Estes pacientes são acometidos de infecções recorrentes, além do transtorno social conseqüente à grande produção de secreção que leva a um comprometimento do estado nutricional. Objetivos: Analisar os aspectos epidemiológicos, clínicos e cirúrgicos dos pacientes submetidos à ressecção pulmonar para o tratamento de bronquiectasias. Método: Estudo retrospectivo dos pacientes operados no Hospital Universitário Getúlio Vargas e Hospital Sociedade Beneficente Portuguesa de Manaus entre janeiro de 1993 a dezembro de Os dados foram tratados estatisticamente para a comparação entre algumas variáveis. Resultados: 70 pacientes foram avaliados, com a idade média de 43,6 anos e predominância do sexo feminino (66,6%). As etiologias mais comuns foram as seqüelas de processo tuberculoso prévio e as infecções pulmonares. A hemoptise foi o sinal mais freqüente e as bronquiectasias localizadas as mais encontradas. O tipo de ressecção mais utilizado foi a lobectomia. Não houve diferença significativa quanto às complicações pósoperatórias entre as bronquiectasias localizadas e as multissegmentares. O tempo médio de cirurgia foi de 287 minutos e da retirada dos drenos 4,4 dias. A permanência hospitalar foi em média 16,6 dias. A mortalidade foi de 1,85%. Conclusão: Houve um alto índice de complicações, provavelmente relacionadas ao processo inflamatório intenso encontrado na cavidade pleural destes pacientes, aliado ao comprometimento nutricional, o que acarretou um tempo de internação elevado. Palavras-chave: Bronquiectasia, Etiologia, Tratamento, Complicações. ABSTRACT: The high prevalence of infectious diseases and the endemic character of the tuberculosis, in our area, determine a high index of pulmonary complications, among them the bronchiectasis. These patients have recurrent infections, besides the social upset in consequence of the great secretion production that leads to a nutritional state compromise. Objectives: To analyze the epidemiological, clinical and surgical aspects of the patients submitted to the lung resection to the bronchiectasis treatment. Methods: A retrospective study of the patients operated at the University Hospital Getulio Vargas and Portuguese Beneficent Society of Manaus from January of 1993 to December of The data were studied statically to comparison between some variables. Results: 70 patients were evaluated and the average age was of 43,6 years and it was a female predominance (66,6%). The most common etiologies were the sequels of previous tuberculosis disease and the pulmonary infections. The hemoptysis was the most frequent sign and the localized bronchiectasis the most found. The most used resection type was the lobectomy. There was not significant difference in the postoperative complications between the localized bronchiectasis and the multisegmental. The average surgery time was 287 minutes and the chest tube was removed in 4,4 days. The usual duration of hospital staying was 16,6 days. The mortality was of 1,85%. Conclusion: There was a high index of complications, probably related to the intense inflammatory reaction in the pleural cavity of these patients with the nutritional compromise, what determined a high time of hospital staying. Key-words: Bronchiectasis, Etiology, Treatment, Complications. 1 Doutor Cirurgião torácico Ufam/HUGV/UEA 2 Doutor Cirurgião torácico Ufam/HUGV/UEA 3 Especialista Cirurgião torácico HUGV 4 Acadêmica de Medicina bolsista Fapeam/UEA 5 Acadêmica de Medicina UEA 15 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 15

16 AVALIAÇÃO CLÍNICO-CIRÚRGICA DOS PACIENTES SUBMETIDOS À RESSECÇÃO PULMONAR POR BRONQUIECTASIAS INTRODUÇÃO A bronquiectasia é uma doença caracterizada pela dilatação e distorção irreversível dos brônquios em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede. 1 Sua patogenia está relacionada à agressão infecciosa e deficiência na depuração das secreções brônquicas, associada à resposta imune deficiente do hospedeiro que promove a perpetuação do processo inflamatório local com posterior destruição da parede brônquica. 2 Nos países com um alto índice de doenças infecciosas a possibilidade da ocorrência de bronquiectasias é maior, pois, além da agressão pulmonar ocasionada pelo processo infeccioso, há o fator de defesa do hospedeiro, usualmente alterados por problemas de desnutrição. Assim, no Primeiro Mundo, as bronquiectasias são geralmente decorrentes de doenças congênitas ou hereditárias e nos países em desenvolvimento causadas por processos infecciosos. 3 Várias infecções pulmonares têm sido associadas ao desenvolvimento da bronquiectasia. Alguns indivíduos com provável infecção viral, ou por micoplasma, desenvolvem infecções respiratórias repetidas e bronquiectasias. Além da lesão tecidual direta, as seqüelas das infecções tuberculosas podem incluir linfadenopatia caseosa em torno dos brônquios ou vias aéreas lesionadas, que predispõe a colonização bacteriana e, conseqüentemente, a bronquiectasia. 4 Nos achados clínicos, com freqüência, os pacientes relatam acessos constantes de «bronquite» que exigem séries repetidas de antibioticoterapia. Na maioria dos pacientes os sinais e sintomas consistem em tosse diária produtiva de escarro mucopurulento, hemoptise intermitente, pleurisia e dispnéia. 5 As principais indicações e objetivos da cirurgia na bronquiectasia consistem na remoção do pulmão destruído parcialmente, eliminando os episódios infecciosos, eliminando a produção substancial de escarro purulento e eliminação das vias aéreas bronquiectásicas que causam hemorragias e abrigam microrganismos resistentes. 6 O tratamento cirúrgico se baseia em algumas premissas: doença com distribuição segmentar ou lobar e unilateral; sintomas persistentes ou recorrentes, quando o tratamento clínico é interrompido e hemoptise importante. Algumas séries de casos estudados, nos últimos 30 anos, mostram uma morbidade de 3-33% e uma letalidade de 0,4-8,3%. 7 O objetivo imediato da extirpação cirúrgica é a remoção dos segmentos ou lobos mais comprometidos, com preservação das áreas não supurativas ou sem sangramento. Ressecções dos lobos médio e inferior são realizadas com maior freqüência. As complicações são empiema, hemorragia, escape de ar prolongado e expansão insuficiente do pulmão remanescente em função da atelectasia persistente ou supuração. 8 A nossa região é uma área endêmica em tuberculose, com muitos pacientes com seqüelas pulmonares passíveis de tratamento cirúrgico, e em doenças infecciosas, o que determina um grande número de pacientes candidatos à cirurgia para o tratamento de bronquiectasias. Portanto, o objetivo deste trabalho é a avaliação clínica e cirúrgica dos pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico de bronquiectasias no Serviço de Cirurgia Torácica. CASUÍSTICA E MÉTODO Trata-se de um de estudo retrospectivo por meio da revisão de prontuário dos pacientes operados no Hospital Sociedade Beneficente Portuguesa (SBP) e Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), no período de janeiro de 1993 a dezembro de 2003, de ambos os sexos, com o diagnóstico de bronquiectasia. O critério de exclusão utilizado foi ausência de informação nos prontuários que impossibilitava o preenchimento do protocolo utilizado no estudo. O trabalho foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal do Amazonas. 16 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 16

17 FERNANDO LUIZ WESTPHAL, LUIZ CARLOS LIMA, JOSÉ CORREA DE LIMA NETTO, CINTIA TEIXEIRA SOARES, BRENA LUIZE FERREIRA A revisão dos prontuários permitiu o preenchimento de um protocolo com os seguintes itens: perfil epidemiológico; diagnóstico préoperatório, etiologia; tipo de bronquiectasia, tipo de ressecção cirúrgica, tempo de permanência na UTI, tempo para a retirada de dreno torácico, complicações, tempo de internação e óbito. Os dados foram analisados por meio de análise estatística descritiva para as variáveis. Para avaliar a associação entre as variáveis foi utilizado o teste do qui-quadrado com nível de 5% de significância. CONDUTA DO SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA A cirurgia mais comumente realizada é a lobectomia com ligadura em seqüência da artéria, veia e brônquio. Sempre utilizamos a ligadura dupla dos vasos, com a segunda ligadura transfixante com seda 3-0. O brônquio é suturado com fio absorvível 4-0, com sutura em figura de 8. Para as lobectomias inferiores utilizamos um dreno pleural e para as superiores utilizamos dois drenos pleurais. Normalmente o pós-operatório é realizado na Unidade de Terapia Intensiva no primeiro dia de pós-operatório e após o paciente é enviado para a enfermaria de Cirurgia Torácica. RESULTADOS As indicações para o tratamento de bronquiectasias são a infecção pulmonar de repetição e a hemoptise. Uma vez que o paciente é atendido no Ambulatório, é solicitado uma interconsulta com o Serviço de Pneumologia para a maximização do tratamento clínico nos casos de infecção pulmonar. Em caso de processos infecciosos ativos dos seios nasais ou na cavidade oral com acometimento dos dentes ou gengiva, o paciente é encaminhado para tratamento antes da cirurgia. A prova de função pulmonar segue as orientações baseadas nos achados espirométricos e naqueles casos de função pulmonar limítrofe, indicamos a realização da cintilografia pulmonar qualitativa e quantitativa para determinar o grau de função pulmonar remanescente no pósoperatório. Com esta conduta conseguimos avaliar adequadamente cerca de 90% dos pacientes candidatos a cirurgia. A anestesia sempre é realizada com entubação seletiva, com tubo de dupla luz. Quando há dificuldade para tal, realizamos a entubação seletiva com tubo simples orientado por broncoscopia. Em dois casos desta série operamos o paciente em posição de Overholt decúbito ventral para evitar a aspiração de secreção contralateral. É utilizado a antibioticoterapia profilática na indução anestésica. Foram analisados os prontuários de 70 pacientes submetidos à ressecção pulmonar por bronquiectasia. Houve predominância do sexo feminino (66,6%) e a idade média foi de 43,6 anos. O fator etiológico mais freqüentemente encontrado neste trabalho foi a seqüela de tuberculose (34,2%), seguido de processos infecciosos (Tabela 1). Observa-se um grande número de casos em que não foram identificados a etiologia, alguns devem ser decorrentes da impossibilidade de definir a etiologia com as informações do paciente. Tabela 1 Etiologia e tipo de bronquiectasias nos pacientes submetidos à ressecção pulmonar Etiologia Turbeculose Infecção Respiratória Discinesia Ciliar Sinusite Corpo estranho Não identificada Total Localizada n % ,4 10,6 4, ,7 100 multissegmentar n % 40,4 10,6 4, ,7 100 Quanto ao tipo de bronquiectasia, localizada ou multissegmentar, observa-se uma predominância do tipo localizada (67,1%) quando comparado com a multissegmentar. Os sinais e 17 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 17

18 AVALIAÇÃO CLÍNICO-CIRÚRGICA DOS PACIENTES SUBMETIDOS À RESSECÇÃO PULMONAR POR BRONQUIECTASIAS sintomas mais freqüentes nesta amostra foram a hemoptise (54,3%), a tosse (38,5%) e a infecção de repetição (11,4%) (Tabela 2). Tabela 2 Sinais e sintomas em pacientes submetidos à ressecção pulmonar por bronquiectasia com e sem turbeculose Sinais e Sintomas Hemoptise Tosse produtiva Infecção respiratória Refluxo gastroesofágico Emagrecimento ETIOLOGIA Turbeculose Não turbeculose 17 (24,3%) 9 (12,9%) 3 (4,3%) 0 (0%) 1 (1,4% 21 (30,0%) 18 (25,7%) 5 (7,1%) 1 (1,3%) 0 (0%) Quanto ao tratamento cirúrgico, os tipos de ressecções realizadas foram assim distribuídos: lobectomia 72,6%, bilobectomia em 9,6%, lobectomia média mais lingulectomia em 6,8%, pneumectomia em 5,5%, segmentectomia em 2,7%, lobectomia superior esquerda mais lobectomia média em 1,4% e lobectomia média mais lobectomia inferior em 1,4% dos pacientes (Tabela 3). Observa-se um número maior de ressecções em relação ao número de casos, pois três pacientes realizaram mais de uma cirurgia para ressecção pulmonar para o tratamento de bronquiectasias. torácica, febre e hipertensão arterial sistêmica também em 1 paciente (Tabela 4). Tabela 4 Complicações ocorridas nos pacientes operados TIPOS Fuga aérea Pneumonia Sangramento Coágulo intrapleural Hematoma de parede HAS Empiema Dor torácica Febre Total Nº de complicações % 12,3 5,4 4,2 2,7 2,7 2,7 1,4 1,4 1,4 34,2 As complicações pós-operatórias foram mais evidentes nos pacientes sem passado de tuberculose quando comparado aos pacientes com passado de tuberculose, porém este dado não foi estatisticamente significante (p=0,96) (Tabela 5). Tabela 5 Complicações pós-operatórias com relação à etiologia Complicações Sem Com Total ETIOLOGIA TB Não TB 15 (34,1%) 29 (65,9%) 9 (34,6%) 17 (65,4%) 24 (34,3%) 46 (65,7%) Total 44 (100%) 26 (100%) 70 (100%) Tabela 3 Tipos de ressecção pulmonar utilizada TIPOS DE RESSECÇÃO Tipos Nº de ressecção % Não houve diferença significativa quanto às complicações pós-operatórias entre as bronquiectasias localizadas e as segmentares (p= 0,81) (Tabela 6). Lobectomia Bilobectomia Lobectomia média mais lingulectomia Pneumectomia Segmentectomia Lobectomia sup. Esq. mais Lobectomia média Lobectomia média mais Lobectomia inferior Total ,6 9,6 6,8 5,5 2,7 1,4 1,4 100 Tabela 6 Complicações pós-operatórias com relação à localização Localização Complicação Total Localizada 30 (63,8%) 17 (36,2%) 47 (100%) Multissegmentar 14 (60,9%) 9 (34,1%) 23 (100%) Total 44 (62,9%) 26 (37,1%) 70 (100%) Observamos complicações em 34,2% dos pacientes, sendo as mais comuns o escape aéreo em 9 pacientes, pneumonia em 4, sangramento em 3, coágulo intrapleural em 2, hematoma de parede em 2 pacientes, empiema em 1, dor Foram encontradas doenças associadas em 18% dos pacientes, dentre elas: sinusite, asma, hipertensão e miastenia gravis. O tempo médio da cirurgia foi de 287 minutos (4,7h), o tempo para a retirada do dreno torácico foi de 4,4 dias e 18 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 18

19 FERNANDO LUIZ WESTPHAL, LUIZ CARLOS LIMA, JOSÉ CORREA DE LIMA NETTO, CINTIA TEIXEIRA SOARES, BRENA LUIZE FERREIRA o tempo de internação no pós- operatório dos pacientes operados foi de 16,6 dias. A mortalidade foi de 1,85%. DISCUSSÃO As bronquiectasias adquiridas podem acometer o paciente em qualquer idade, desde que ele seja submetido a condições desencadeantes durante alguma fase de sua vida, tais como: processos infecciosos, aspiração de corpo estranho e outros. Por outro lado, quando a etiologia é congênita, a ocorrência dos sintomas ocorre em uma faixa etária mais jovem, como, por exemplo, nos casos de fibrose cística. 9 A faixa etária média encontrada em nosso trabalho foi de 42,6 anos, semelhante ao em outras séries. 10 No passado, as infecções de infância, sarampo e coqueluche, eram as principais causas de bronquiectasias em adultos jovens, porém houve um declínio acentuado nesta incidência com a implantação de programas de vacinação efetivos. 3 Entretanto, em nosso meio, a tuberculose é considerada uma doença endêmica e determina uma alta incidência de complicações pulmonares como as bronquiectasias. Em nosso estudo, a tuberculose foi a principal causa de bronquiectasias, diferentemente do apresentado por outros autores 10,11 que demonstraram o antecedente de infecção pulmonar na infância como o fato etiológico mais comum. A etiologia desconhecida das bronquiectasias, neste estudo, foi de 48,2%, um índice elevado, porém esta dificuldade foi relatada por Gomes e cols. (2000), que não identificaram a etiologia em 16,4%, um valor inferior ao nosso, talvez pelo caráter prospectivo do seu estudo. O sinal mais freqüente na nossa casuística foi a hemoptise, diferente de outras séries (10) nas quais os sintomas de tosse e infecção pulmonar de repetição são os mais freqüentes. A maior ocorrência de hemoptise em nossa casuística devese ao fato de operarmos pacientes em que os sintomas são mais alarmantes, como a hemoptise, visto a alta demanda do serviço com o baixo grau de resolutividade, conseqüente às condições do Hospital Universitário, que não comporta um volume maior de cirurgias de grande porte, impossibilitando a realização de procedimentos cirúrgicos como nos casos de infecções recorrentes. O advento de antibióticos potentes e o tratamento precoce das infecções pulmonares diminuíram a incidência de bronquiectasias, porém há o espaço para o tratamento cirúrgico como nas bronquiectasias localizadas, nas obstruções brônquicas e na resistência ao bacilo da tuberculose. 3 Na prática médica os resultados são significativamente melhores nos pacientes tratados cirurgicamente. Annest e cols. (1982) relataram um índice de cura de 46% de pacientes submetidos à ressecção pulmonar, no seguimento de 40 pacientes, enquanto somente 2% dos pacientes tratados clinicamente ficaram assintomáticos. Estes resultados, aliados à redução da mortalidade cirúrgica para cifras próximas de 1%, contribuíram definitivamente para a retomada do espaço da cirurgia no tratamento da bronquiectasia. 12 Outro estudo comparativo 10 entre doentes operados e pacientes tratados clinicamente demonstrou a superioridade da cirurgia. No pósoperatório imediato verificou-se transitoriamente, em todos os casos, 88 pacientes que foram submetidos à ressecção pulmonar, apreciável redução de secreções broncopulmonares. Houve complicações maiores em 12 (13,6%), cinco pacientes apresentaram pneumonia, três pneumotórax, dois empiemas e dois coágulos intrapleurais. Não foi registrado nenhum óbito entre os pacientes cirúrgicos. O seguimento destes mostrou que ficaram praticamente livres de secreções e infecções broncopulmonares. A maioria dos pacientes cirúrgicos (84,0%) não necessitou ser reinternada, e somente um deles foi readmitido mais de duas vezes no pósoperatório. Os pacientes tratados clinicamente foram internados repetidas vezes (dois deles mais de 10 vezes), ou freqüentemente tiveram de ser atendidos ambulatorialmente. 19 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 19

20 AVALIAÇÃO CLÍNICO-CIRÚRGICA DOS PACIENTES SUBMETIDOS À RESSECÇÃO PULMONAR POR BRONQUIECTASIAS O sucesso do tratamento cirúrgico está diretamente relacionado à adoção rigorosa dos critérios de operabilidade. Nos casos em que a ressecção completa de todos os segmentos dilatados é possível, os resultados cirúrgicos são excelentes. Nos pacientes com doença multissegmentar é de fundamental importância que se determine claramente no préoperatório a extensão da ressecção a ser feita, porque é difícil fazer tal avaliação durante a cirurgia (6). O objetivo da cirurgia é remover todos os segmentos comprometidos ao mesmo tempo em que se preserva o máximo de função pulmonar. 13 O tipo de ressecção pulmonar vai depender da localização e comprometimento pulmonares pela bronquiectasia. A ressecção mais comum é a dos segmentos basilares juntamente com o lobo médio do pulmão direito ou a língula do pulmão esquerdo. Os resultados da cirurgia na doença localizada serão sempre melhores do que na doença difusa ou multissegmentar. 8 Esse fato reflete o resultado obtido em nosso estudo quanto à prevalência de bronquiectasias localizadas nos pacientes submetidos à ressecção pulmonar. As complicações pós-operatórias incluem fuga de ar prolongada, fístula broncopleural, empiema e pneumonia por contaminação intraoperatória do pulmão normal. 14 Em conclusão, a análise desta amostra revelou, em nossa realidade, que a bronquiectasia acomete principalmente mulheres e indivíduos em uma faixa etária relativamente jovem. A principal etiologia da bronquiectasia foi a tuberculose e os achados clínicos mais encontrados foram a hemoptise e a tosse. Houve um grande número de complicações, mas isto é um achado esperado, visto que os pacientes operados tinham seqüelas de tuberculose ou comprometimento nutricional acentuado. A cirurgia é um método de tratamento definitivo na bronquiectasias localizadas e com baixa mortalidade quando devidamente indicada. REFERÊNCIAS 1. SILVA, L. C. «Bronquiectasias». In: SILVA, S C. PORTO, N. S. CAMARGO, J. P. Compêndio de Pneumologia. 4.ª ed. São Paulo: Fundo Editorial BYK, 1988, p BETHLEM, N. et al. «Supurações broncopulmonares». In: BETHLEM, N. Pneumologia. 4.ª ed. São Paulo: Atheneu, 1995, p BARKER, A. F. «Medical Progress: Bronchiectasis». N. Eng J. Med, 2002, 346(18): LIMA, L. S., BOGOSSIAN, M. «Avaliação da resposta clínica ao uso de antibióticos por via oral e via inalatória em pacientes portadores de bronquiectasias». Assoc. Méd. Bras., 1999, 45(3): ROMALDINI, H. «Supurações Pulmonares». In: PRADO, F. C., RAMOS, J. A., VALLE, J. R. Atualização Terapêutica. 21.ª ed. São Paulo. Ed. Artes Médicas, 2003, p SCHNEITER, D., MEYER, N., LARDINOIS, D. et. al. «Surgery for non-localized bronchiectasis». Brit. J. Surg, 2005, 92: GUIMARÃES, A. G. «Bronquiectasias: uma abordagem baseada em evidências». In: AIDÊ, et. al. Pneumologia: aspectos práticos e atuais. Rio de Janeiro: Revinter, 2001, p MAZIÈRES, J., MURRIS, M., DIDIER, A. et. al. «Limited operations for severe multisegmental bilateral bronchiectasis». Ann Thorac Surg, 2003; 75: WHEELER, D. «Bronchiectasis: a brief review». J. Resp. C. S. Med. Fall, 2004, 2: MOREIRA, J. S., PORTO, N. S., CAMARGO, J. J. P. et al. «Bronquiectasias: aspectos diagnósticos e terapêuticos: estudo de 170 pacientes». J. Pneumol, 2003, 29(5): GOMES, N. A., MEDEIROS, M. L., GIFONI, J. M. M. «Bronquiectasia localizada e multissegmentar: perfil clínico-epidemiológico e 20 MIOLO DO HUGV 2006.pmd 20

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS UNIDADE DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIAS

Leia mais

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Atenção Integrada às Doencas Prevalentes na Infância - AIDPI AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Colaboradores: Antonio José Ledo Alves da Cunha Eduardo Jorge da Fonseca Lima Maria Anice S. Fontenele e Silva Maria

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR Vitor Key Assada 1 ; Kristoffer Andreas Wendel Ribas 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: Condições

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica O que é Vigilância Epidemiológica Infecções Adquiridas em Serviços de Saúde Coleta e análise sistemáticas de dados de interesse sanitário. Vigilância Epidemiológica Vigilância de situações potenciais ou

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA ALARCON, Bruna Santana 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 2 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 2 ; DIAS, Raquel Vieira 2 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo Meira

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA Período de envio dos resumos: 08/10/15 à 10/11/15. Envio dos resumos: os resumos deverão ser enviados

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 1) O que é Tuberculose? A tuberculose (TBC) é uma doença infecciosa provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (e menos comumente

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005

L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005 L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005 DIRECTIVA 2005/61/CE DA COMISSÃO de 30 de Setembro de 2005 que aplica a Directiva 2002/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS

VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS Ana Leça - HDE Maria João Branco - ONSA / INSA Maria João Brito - HFF / HDE Catarina Gouveia HDE João Farela Neves - HDE Baltazar Nunes - ONSA / INSA Introdução

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos Gerência de Riscos no HUWC Tatiana Campos Gerente de Riscos Comissão de Riscos Hospitalares Criada em Janeiro de 2002 Composição multidisciplinar Membros: Eugenie (farmacêutica) Magno (engenheiro) Tatiana

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais