CAPITULO I 1. JUST IN TIME 1.1 CONCEITO JUST IN TIME

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO I 1. JUST IN TIME 1.1 CONCEITO JUST IN TIME"

Transcrição

1 7 INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just in time ou JIT. Ao falarmos de just in time surge de imediato a idéia de produção sem estoque, inventários ao nível de zero, produção magra e sistema de produção japonês. É que esta técnica, se assim a podemos chamar, é uma das características mais visíveis de muitas das empresas do Japão, cada vez mais disseminada pelo tecido empresarial mundial. O presente trabalho tem como principal objetivo encontrar o ponto de equilíbrio da empresa atendendo a demanda com o mínimo de matéria-prima e mão-de-obra agregada e respeitando os prazos estabelecidos. Porem como ser competitivo no mercado, se uma das principais limitações do Just in Time está ligada a própria flexibilidade de faixa do sistema produtivo, no que tange a variedade de produtos oferecidos e as variações de demanda de curto prazo. Isso de certa forma provoca limitações no mix. No seio de um ambiente competitivo de algo modo turbulento, as empresas mais do que nunca precisam definir uma estratégia que especifique o tipo de vantagem competitiva que devem seguir no seu setor, e como a pretendem alcançar. O sistema just in time foi um tema bastante abordado nos anos setenta/oitenta, altura em que todo o mundo se voltava com curiosidade para a forma produtiva das empresas japonesas. Muitos se interrogavam se tal adviria da cultura própria deste país, mas a aplicação desta técnica em outros países, provou que a base se encontra na organização em si. Muitos artigos e livros foram escritos acerca do JIT e dos seus vários elementos. Atualmente é dada mais atenção não ao sistema em si, mas às suas condições de aplicabilidade e às suas reais vantagens/proveitos. Existem vários motivos que levam a que a aprendizagem e compreensão deste tema seja de grande importância. Com vista ao desenvolvimento de alguns processos e

2 8 conceitos inerentes a este sistema, subdividiu-se o trabalho em três partes, uma primeira parte teórica e uma segunda parte de índole prática. Na primeira parte apresenta-se uma breve resenha histórica do just in time, após o que são desenvolvidos alguns princípios gerais sobre os quais o sistema assenta: conceitos gerais, seus elementos críticos. Na segunda parte apresenta-se os objetivos e vantagens que o just in time traz para as empresas, como: Eliminação de estoques, redução de tempos envolvidos nos processos, redução de custos e das bases de fornecedores e melhoria continua. Na terceira parte apresenta-se como implantar o just in time na empresa, mostrando a importância da mudança de cultura tanto da própria empresa como dos funcionários, de modo que o sistema funcione.

3 9 CAPITULO I 1. JUST IN TIME A utilização de Just in Time visa atender a real demanda instantaneamente, com qualidade e sem desperdícios. Ela possibilita a produção eficaz em termo de custo, assim como o fornecimento da quantidade necessária do produto, no momento e em locais corretos, utilizando o mínimo de recursos. Just in Time é uma derivação do sistema japonês Kanban. Os cartões Kanban de processo de produção especificam quanto será feito (a quantidade de reabastecimento) e quando será necessário (o momento da necessidade do reabastecimento). Os cartões Kanban de requisição especificam quanto será retirado do estoque do fornecedor 1.1 CONCEITO JUST IN TIME O sistema Just in Time (JIT) foca na coordenação de produção com demanda especifica, produzindo em cada estagio somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário. Contudo, o JIT é muito mais do que uma técnica ou um conjunto de técnicas de administração da produção, sendo considerado com uma completa filosofia, a qual inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão de recursos humanos. O sistema JIT apresenta diversas diferenças de abordagem em relação aos sistemas tradicionais de produção. Talvez a principal seja, sua característica de "puxar" a produção ao longo do processo, de acordo com a demanda. Neste sistema, o material

4 10 somente é processado em uma operação se ele é requerido pela operação subseqüente do processo. Os sistemas tradicionais são sistemas que "empurram" a produção, desde a compra de matérias primas e componentes até os estoques de produtos acabados. Neste caso, as operações são disparadas pela disponibilidade de material a processar. Uma vez completada a primeira operação, o lote é "empurrado" para a operação seguinte, esperando sua vez de encabeçar a fila de lotes a serem processadas, de acordo com seu nível de prioridade. Outra característica importante do sistema JIT é a de ser um sistema ativo, enquanto os sistemas tradicionais são sistemas passivos. Na abordagem tradicional, os sistemas de administração da produção assumem como dada uma serie de características do processo produtivo como, por exemplo, níveis de refugo, tempos de preparação de equipamentos, freqüência de quebra de maquinas, entre outros. Dadas estas características, os Sistemas da Administração de Produção tradicionais procuram minimizar os custos envolvidos no processo. Consequentemente surgem ordem de produção maiores, em função do índice esperado de peças defeituosas, sugerem a produção de lotes capazes de "ratear" os custos de preparação por uma quantidade maior de itens processados e sugerem excesso de capacidade para dar conta das paradas de maquinas por problema de manutenção. O sistema JIT, por outro lado, incentiva o questionamento e a melhoria daquela característica do processo que os sistemas tradicionais assumiam como dadas. Desse modo, os problemas do processo não são aceitas passivamente. Ao contrario, a eliminação destes problemas, que são encobertos pelos estoques gerados, constitui um beneficio e um pressuposto para a utilização do sistema JIT. O objetivo da redução dos estoques presentes na filosofia JIT, é atingido pela eliminação das causas geradoras das necessidades de se manterem os estoques.

5 Controle de estoques Pode-se dizer que os estoques são mantidos por duas causas principais. A primeira refere-se á eventual dificuldade de coordenação entre a demanda de um item e o seu processo de obtenção, ou seja, ainda que se possa determinar o momento em que a certa quantidade deste item será necessária, pode-se difícil determinar com precisão o momento e quantidade de sua produção. Esta dificuldade pode ser causada pelo grande numero de produtos diferentes as serem produzidos ou mesmo da quantidade de componentes e submontagens destes produtos. A segunda razão para a manutenção de estoques é a presença de incertezas. Estas incertezas podem ser associadas a demanda dos itens a serem fabricados, em termos de quantidade e datas, ao processo de obtenção, compra ou produção, destes itens. As incertezas em relação a obtenção podem referir-se a qualidade dos itens produzidos ou comprados, resultando numa quantidade incerta de itens aproveitáveis, e também, a momento em que os itens estarão disponíveis, em função das incertezas com a disponibilidade dos equipamentos, com os tempos de espera em filas e com as datas de entrega dos suprimentos. A visão tradicional é de que os produtos devem ser mantidos em estoque por diversas razões. Seja para acomodar variação nas demandas, seja para produzir lotes econômicos em valores substancialmente superiores aos necessários, seja pára não perder vendas. No entanto, essa visão acarreta para as empresas: Custos mais altos de manutenção de estoques Falta de tempo na resposta ao mercado Risco do inventario tornar-se obsoleto O controle de estoque exerce influencia muito grande na rentabilidade. Os estoques absorvem capital que poderia estar sendo investido de outras maneiras, desviam fundos de outros usos potenciais e tem o mesmo custo de capital de qualquer outro projeto de investimento da empresa. Aumentar a rotatividade do estoque libera o

6 12 ativo e economiza o custo de manutenção do inventario. Os custos associados aos estoques podem ser divididos em três categorias: Custo de pedir. Incluem os custos fixos administrativos associados aos processos de aquisição de quantidades requeridas para reposição do estoque custo de preencher pedido de compra, processar os serviços burocrático, na contabilidade e no almoxarifado, e de receber o pedido e verificação contra a nota e a quantidade física. Os custos de pedir são definidos em termos monetários por pedido. Custo de manter estoque. Estão associados a todos os custos necessário para manter certa quantidade de mercadorias por um período. São geralmente definidos em termos monetários por unidade, por período. Os custos de manter incluem componentes como custo de armazenagem, custo de seguro, custo deterioração e obsolescência e custo de oportunidade de empregar dinheiro em estoque (que poderia ser empregado em outros investimentos de igual risco fora da empresa). Custo total. É definido como a soma dos custos de pedir e de manter estoques. Os custos totais são importantes no modelo do lote econômico, pois o objetivo deste é determinar a quantidade do pedido que os minimiza. O objetivo de custo é estabelecer os níveis de estoque e sua localização, é apenas uma parte do problema de controle de estoque. Considerando este objetivo mais amplo, uma questão critica é balancear os custos de manter e de pedir, por que estes custos têm comportamentos conflitantes. Quanto maiores as quantidades estocadas, maiores serão os custos de manutenção. Quanto maior for a quantidade do pedido, maior será o estoque médio e mais alto será o custo de mantê-lo. No entanto, se maiores quantidades forem solicitadas, menos pedidos serão feitos e, por conseqüência, menores custos de pedir serão incorridos. A função do custo total mostra o formato da letra U, o que significa que existe um valor mínimo para esta curva, que ao ponto em que os somatórios dos custos de manter de pedir é mais baixos. O objetivo é

7 13 encontrar um plano de suprimento que minimize o custo total. Já os objetivos de nível de serviço, encontram a dificuldade em estimar custo de faltas levam aos estabelecimentos de um objetivo ligeiramente diferente para o controle de estoque. Ao fixar a disponibilidade conforme a política de que, por exemplo, 98% dos pedidos de um item qualquer devem ser atendidos em 48 horas, devem ajustar-se os custos de manter e de pedir de modo que sua soma seja minimizada. Repare que, ao fixar-se a disponibilidade-alvo, os custos de falta de estoque são considerados indiretamente. Deve-se ter grande cutela para fixar o nível de serviço de estoque desta forma. Aumentar a disponibilidade em apenas alguns pontos percentuais, por causa de pressões da aérea de vendas, tem o efeito dramático do capital investido em estoque. Uma vez que o nível de estoque cresce explosivamente com disponibilidades elevadas, o nível de serviços utilizado, na maioria das vezes é menor que 100%. Deve-se obter o maior equilíbrio possível entre a produção e o custo total de estoque, de um lado, e o nível de serviços prestados aos clientes, de outro lado. Um dos sistemas de empurrar estoques mais simples e comum é o método de estoque por demanda. A idéia básica é manter os níveis de estoques proporcionais a sua demanda e baseia-se nos seguintes pontos: Verificação da duração do tempo de ressuprimento para o item considerado Previsão da demanda do item em determinado período Determinação do período de segurança a considerar pela incerteza na previsão da demanda e o tempo de ressuprimento, necessário para compor o estoque de segurança. Imaginemos que a duração do tempo de ressuprimento para um item seja de duas semanas. A seguir, deve-se fazer uma previsão da demanda desse item para cada quatro semanas. Como as previsões de demanda e do tempo de ressuprimento tem incerteza, uma semana extra de demanda é adicionada para servir como estoque de segurança.

8 14 Como se pode perceber os estoques estarão em proporção direta a um nível de demanda. Isto pode não ser conveniente com demandas sazonais. Além disso, a forma com que o tempo de ressuprimento e a incerteza de previsão foram estimados não é precisa Controle de qualidade O controle de qualidade total é um novo modelo gerencial centrado no controle do processo, tendo como meta a satisfação das necessidades das pessoas. O controle da qualidade, no contexto do Controle da Qualidade Total (TQC) é exercer o controle sobre as dimensões da qualidade. O objetivo mais importante deste controle é garantir a qualidade do seu produto (seja ela qual for) para seu cliente externo ou interno. É deste objetivo que provem o famoso conceito O próximo processo é o seu cliente A pratica consciente do controle de qualidade por todas as pessoas da empresa, assumindo a responsabilidade (fins) sobre os resultados do seu processo e a autoridade (meios) sobre seu processo (conhecido quando da definição de sua função), é a base do gerenciamento participativo e o pilar de sustentação do Controle de Qualidade Total. Não se pode conceber e nem se pode imaginar Garantia da Qualidade (GQ) no estilo japonês sem que haja a participação dedicada e metódica de todos os setores e pessoas da empresa praticando o controle da qualidade. A participação das pessoas não é conseguida por exortação, mas por educação e treinamento na prática do controle da qualidade. O controle da qualidade é abordado com três objetivos:

9 15 a. Planejar a qualidade desejada pelos clientes; isto implica num esforço de localizar o cliente, saber de suas necessidades (muitas vezes eles não as conhece e você deve colocar-se em seu lugar), traduzir estas necessidades em características mensuráveis, de tal forma que seja possível gerenciar o processo de atingi-las; b. Manter a qualidade desejada pelo cliente, cumprindo padrões e atuando na causa dos desvios. O processo para manter a qualidade desejada pelo cliente. Neste caso o controle (PDCA) é exercido para manter os resultados. c. Melhorar a qualidade desejado pelo cliente, neste caso é preciso localizar os resultados indesejáveis (problemas) e utilizar o método de solução de problemas A forma ideal do Controle de Qualidade Total será atingida quando a Rotina for gerenciada a nível individual por todas as pessoas da empresa. Do presidente ao operador, todos devem gerenciar a Rotina de seu próprio processo. O processo de cada um é definido pela definição da função. Esta definição a função deve delimitar a área de autoridade (meios, causas, processo) e a área de responsabilidade (fins, resultados).

10 CONTEXTO HISTÓRICO DO JUST IN TIME O JIT nasceu no Japão no inicio da década de 50 e muitos fatores que contribuíram para a criação deste método. estão as adversidades enfeitadas por este país na época. O país recentemente, havia saído de uma guerra, além de possuir poucos recursos por sua geografia acidentada e montanhosa. Ainda possuía o agravante de ser um arquipélago, dificultando muito a logística e o transporte dos recursos a serem transportados. JIT (livre tradução: "em cima da hora") é o principio, re-introduzido na gestão empresarial pelos japoneses (já havia sido utilizado no principio do século XX por Henry Ford), que se caracteriza pela a administração eficiente dos recursos, com a manutenção apenas de quantidades suficientes, sem nenhum excesso, tanto das matérias primas ou insumos, quanto dos produtos acabados. Este é o tipo e gestão da produção diminui os gastos com armazenagem, espaço e pessoal. Exige, toda via, dinamismo na relação com fornecedores e clientes, além de sistemas confiáveis de controle. Mas foi na década de 70 que a Toyota Motor Company criou a idéia básica do JIT e seu desenvolvimento, a qual buscava um sistema de administração que pudesse coordenar a produção de veículos com o mínimo de atraso O desenvolvimento do Sistema Toyota de Produção A Toyota Motor Corporation lutou na década de 1930, primeiramente produzindo caminhões simples. Nos primeiros anos, a empresa produziu veículos de baixa qualidade com tecnologia primitiva (por exemplo, moldar placas de carroceria sobre toras de madeira) e não teve muito sucesso. Nos anos 30, os líderes da Toyota visitaram a Ford e a GM para estudar suas linhas de montagem e leram atentamente o

11 17 livro de Henry Ford, Today and Tomorrow(1926). Testaram o sistema te transporte, os ferramentais de máquinas de precisão e a idéia da economia de escala na fabricação de teares. Mesmo antes da segunda guerra mundial, a Toyota percebera que o mercado japonês era muito reduzido e que a demanda era muito fragmentada para suportar os grandes volumes de produção nos Estados Unidos (uma linha de montagem de automóveis neste país poderia produzir 9 mil unidades por mês, enquanto a Toyota produziria somente cerca de 900 unidades mensais; a Ford era aproximadamente dez vezes mais produtiva). Os administradores da Toyota sabiam que, para sobreviver a longo prazo, teriam que adaptar a abordagem em produção em massa ao mercado japonês. Mas como? Agora vejamos a situação da Toyota após a segunda guerra mundial, Era uma industria automotiva que começava a florescer. O país havia sido dizimado por duas bombas atômicas, a maioria das fabricas havia sido destruídas a plataforma de abastecimento era nula e os consumidores tinham pouco dinheiro. A tarefa consistia em aperfeiçoar o professo de produção da Toyota de modo que se igualasse a produção da Ford. Com base no paradigma da produção em massa da época, as economias de escala devem ter imaginado que isso seria impossível para a pequena Toyota. O sistema de produção em massa da Ford fora criado para produzir grandes quantidades de um numero limitado de modelo. Essa é a razão pela qual todos os modelos T originalmente eram pretos. Por outro lado, a Toyota precisava fabricar pequenos volumes de modelos diferentes usando a mesma linha de montagem, pois a demanda do consumidores de seu mercado de automóveis era muito baixo, para sustentar linhas de montagem dedicadas a um so veículos. A Ford possuía tonelada de dinheiro e um grande mercado domestico e internacional. A Toyota não tinha dinheiro e operava em um país pequeno. Com poucos recursos e pouco capital, a Toyota precisava girar rapidamente o dinheiro (desde o recebimento do pedido até o pagamento do produto). A Ford tinha um sistema completo de fornecimento. A Toyota não podia se dar ao luxo de proteger-se sobre o grande volume e as economias de

12 18 escala proporcionado pelo sistema de produção de massa da Ford. Precisava adaptarse ao processo de produção da Ford para atingir simultaneamente alta qualidade, baixo custo, menor lead time e flexibilidade A criação do sistema de produção que mudou o mundo Na década de 1950, deu inicio a suas varias jornadas pelas poucas fabricas da Toyota aplicando os princípios de autonomação e de fluxo unitário de peças. A pos anos de década de pratica, propôs o sistema Toyota de produção. Juntamente com as lições de Henry Ford, Sistema Total de Produção buscou varias idéias nos Estados Unidos. Uma idéia muito importante foi o conceito do sistema de puxar, inspirado nos supermercados americanos. Em qualquer supermercado bem administrado, itens individuais são recolocados assim que cada um deles começa a descascar na prateleira. Isto é, a recolocação do material é provocado pelo consumo, aplicando a uma fabrica, o conceito significa que o passo um e um processo não deve produzir (reabastecer) peças antes que o próximo processo (passo 2) utilize todo o suprimento de peças do passo 1 (até chegar a um pequeno estoque de segurança ). No Sistema Total de Produção quando o passo 2 chega a esse estoque de segurança, aciona-se um sinal para requisição de mais peças no passo. Na produção em massa. Na Toyota, cada passo do processo de produção tem o equivalente a um medidor (chamado Kanban) para indicar a volta ao processo anterior quando o reabastecimento de peças é necessário. Isto cria o puxar, que continua a acontecer para trás, no sentido do inicio do ciclo de produção. Por outro lado, a maioria das empresas utilizam processos com muitas perdas, pois o trabalho no passo 1 é desempenhado em grandes lotes antes de se tornar necessário no passo 2. O resultado desse estoque em processo deve então ser armazenado, registrado e mantido até que seja requisitado pelo passo 2 uma perda de muitos recursos. Sem esse sistema de puxar, o just in time (JIT), uns dos pilares do Sistema Total de Produção (o outro é autonomação, a qualidade intrínseca) jamais teria evoluído.

13 19 O JIT é um conjunto de princípios, ferramentas e técnicas que permitem que a empresa produza e entregue produtos em pequenas quantidades, com lead time curtos, para atender as necessidades especificas do cliente. Dito na forma mais simples o JIT entrega os itens corretos na hora certa e na quantia exata. O poder do JIT é permitir que você responda as mudanças diárias da mudanças, o que era precisamente o que a Toyota precisava. A Toyota também levou a serio os ensinamentos do pioneiro americano em qualidade, W. Edwards Deming. Ele ensinou sobre a qualidade e a produtividade americana em seminário no Japão e apontou que, em um sistema empresarial típico, atender e exercer as exigências do cliente é a tarefa de cada individuo em uma organização. Ele ampliou drasticamente a definição de cliente, incluindo os clientes internos e externos. Deming também incentivou os japoneses a adotarem uma abordagem sistemática para solução de problemas, o que mais tarde ficou conhecido como ciclo Deming ou ciclo PDCA, uma base para a melhoria contínua e tendo como objetivo exercer o controle dos processos, podendo ser usados de forma continua para seu gerenciamento em uma organização, por meio do estabelecimento de uma diretriz de controle (planejamento de qualidade), do monitoramento do nível de controle a partir de padrões da manutenção da diretriz atualizada, resguardando as necessidades do público alvo.

14 20 Figura 1.1 Ciclos PDCA e circuito de controles A produtividade é aumentada pela melhoria da qualidade. Este fato é bem conhecido por uma seleta minoria W. E. DEMING O caminho do sucesso para obter melhorias continuas nos processos é o de conjugar os dois tipos de gerenciamento: manutenção e melhorias. Melhorar continuamente um processo significa melhorar continuamente seus padrões (padrões de equipamento, padrões de materiais, padrões técnicos, padrões de procedimento, padrões de produtos, etc). Cada melhoria corresponde ao estabelecimento de um novo nível de controle (novo valor-meta para um item de controle). Em outras palavras cada melhoria corresponde ao estabelecimento de uma nova diretriz de controle. A utilização do ciclo PDCA para melhorar as diretrizes de controle é a grande responsabilidade de todas as chefias, desde o presidente até o nível de supervisor. Os operadores utilizam o PDCA para melhorias quando das atividades dos Círculos de Contorle da Qualidade (CCQ).

15 21 O termo japonês para melhoria continua é Kaizen, o processo de realizar melhorias, mesmo pequenas, e atingir a meta enxuta de eliminar todo o desperdício que adiciona custo sem agregar valor. Kaizen ensina aos indivíduos as habilidades para trabalhar de modo eficiente em pequenos grupos, resolver problemas, documentar e melhorar processos, coletar e analisar dados e auto administrar-se num grupo de colegas. Leva a tomada de decisões (o propostas) até os trabalhadores exigem uma discussão aberta e o consenso do grupo antes implementação de qualquer decisão. Kaizen é uma filosofia total que luta pela perfeição e sustenta o STP no dia a dia. No segundo capitulo o Just in Time tem como objetivo a redução do desperdício e com isso a vantagem do tempo, custo, qualidade e flexibilidade do processo assim tendo a confiabilidade do cliente no processo como um todo.

16 22 CAPITULO II 2. OBJETIVOS E VANTAGENS DO JUST IN TIME 2.1 OBJETIVOS DO JUST IN TIME A filosofia Just in Time é fundamentada em um objetivo principal, a eliminação de desperdícios e com isso redução dos estoques, de modo que os problemas fiquem visíveis e possam ser eliminados O objetivo do Just in Time também consiste em entrega de produtos e serviços, na hora certa para o uso imediato, tendo como objetivo principal a busca contínua pela melhoria do processo produtivo, que é obtida e desenvolvida através da redução dos estoques. Este sistema permite a continuidade do processo, mesmo quando há problemas nos estágios anteriores a sua produção final. Mas ao reduzir o estoque, os problemas que antes não afetavam a produção, torna-se agora visíveis, podendo, assim serem eliminados, permitindo um fluxo mais suave da produção. Segundo Heizer e Render (2001, p. 349) Quando falamos de desperdícios na produção de bens e serviços, estamos descrevendo algo que não agrega valor. Porem é exigido do administrador o abastecimento ou desabastecimento da produção no tempo certo, no lugar certo e na quantidade certa, visando capacitar à empresa a produzir somente o necessário ao atendimento da demanda, com qualidade assegurada. O objetivo do JIT é promover a otimização de todo o sistema de manufatura, desenvolvendo políticas, procedimentos e atitudes requeridos para ser um fabricante

17 23 responsável e competitivo. Para que isso ocorra da melhor forma possível, é necessário atingir algumas metas, tais como: projetar a otimização dos processos, interagirem bem com o cliente, obter relações de confiabilidade com fornecedores e clientes, adotar compromisso de melhoria contínua. Estas metas que juntas resultarão no objetivo final. 2.2 ELIMINAÇÃO DE PERDAS Para que o Just in Time funcione deve-se diminuir o nível de estoque, embora ele seja utilizado para evitar a descontinuidade do processo produtivo. O problema do processo é causado pela tolerância de desperdícios e mau gerenciamento e tendo como causa raiz atrasos de produção, padrão de qualidade impróprio, demanda desconhecida e entre outras. Reduzir estoques de modo que os problemas fiquem visíveis e possam ser eliminados através de esforços concentrados e priorizados. E também, segundo Heizer e Render (2001, p. 350) O just in time reduz o material em toda a rede de fornecimento e nos permite focalizar naquilo que agrega valor em cada etapa... (CORRÊA E GIANESI, 2009, p. 57). Com isso o JIT também passou a significar a eliminação do desperdício pela redução do investimento em estoques. Com o principio de produzir bons produtos em pequenos lotes. A redução do tamanho dos lotes pode ser uma grande ajuda na redução dos estoques e dos custos dos estoques. Como os layouts JIT reduzem a distancias a serem percorridas, também reduzem o estoque, eliminado o espaço reservado para essa finalidade. Quando existe pouco espaço, o estoque deve ser movimentado em lotes pequenos, ou mesmo em unidades isoladas. As unidades estão sempre se movimentando porque não existe armazenamento. Com os estoques em sistema de produção e distribuição muitas vezes existem somente em caso ( just in case ) de alguma coisa saia errada. Istoé são usadas

18 24 somente no caso de ocorrer alguma variação proveniente do plano de produção. O estoque extra é então para cobrir variações ou problemas. As táticas eficazes de estoque exigem just in time, e não just in case. O just in time é o estoque mínimo necessário para manter em funcionamento um sistema perfeito. Com o estoque just in time, a quantidade exata de produtos chega no momento em que é necessária, e nem um minuto antes nem depois. Segundo Correa e Gianesi (2009, p. 57) estoque tende a camuflar problemas. Inadmissível no ambiente do JIT aceitar determinado nível de produção defeituosa e muito menos a idéia de amostragem ou controle estatístico por um departamento de controle de qualidade, pois isso pressupõe a existência de um percentual mínimo de produtos defeituosos. Toda perda com tempo de set-up e de espera, produção em excesso, refugos, retrabalhos etc e com atividades que não agregam valor, como inspeção, controle de qualidade, movimentação de material precisam ser eliminados. Segundo Heizer e Render (2001, p. 358) Enquanto o estoque oculta a ma qualidade, o just in time a expõem imediatamente. O estoque e o custo de sua armazenagem diminuem à proporção que a quantidade de reposição do que o estoque e o nível Maximo do estoque caem. Entretanto, como o estoque exige que se incorram em custos de emissão ou de setup que devem ser aplicados às unidades reduzidas, os responsáveis tendem a comprar (ou produzir) pedidos grandes. Com pedidos grandes cada unidade comprada ou produzida absorve somente uma pequena parte do custo do setup (ou de preparação). Em conseqüência o meio para diminuir os tamanhos dos lotes e reduzir o estoque médio é reduzir o custo do setup, que por usa vez diminui o tamanho ótimo do pedido (lote econômico).

19 25 Em muitos ambientes, os custos de preparação está altamente correlacionado com o tempo de preparação Redução de tempos envolvidos no processo A redução dos tempos envolvidos no processo de produção JIT tem um efeito muito importante: o aumento de flexibilidade de resposta. Esta flexibilidade resulta do fato de a produção não esta comprometida com determinado programa de produção por um prazo muito longo, podendo adaptar-se de forma mais ágil às flutuações moderadas e de curto prazo na demanda. A importância da meta de reduzir a zero o lead time de produção não pode ser subestimada, considerando-se a pressão exercida pelo mercado junto ás empresas de manufatura nos sentido de responder rápido a pedidos A idéia de reduzir o lead time é reforçada pela constatação de que apenas numa pequena parcela de lead time total estão sendo realizadas atividades que agregam valores aos produtos. Para que se analisem estratégias de redução dos lead times é convenientes que se entenda sua composição. Em geral, o lead time de produção, tempo que decorre desde o momento em que uma ordem de produção é colocada até que o material esteja disponível para uso, é composto pelos seguintes elementos: Tempo de tramitação da ordem de produção; O tempo burocrático da ordem de produção geralmente não é muito relevante, mas pode chegar a 1 ou 2 dia, depende da empresa. Já com JIT o sistema de liberação de ordens está no nível da fabrica, sendo extremamente ágil, podem assim utilizar os cartões (Kaban) ou outro meio de fácil comunicação. Dessa forma, este tempo e praticamente reduzido a zero.

20 26 Tempo de espera em fila; Esta parcela do lead time responde por mais de 80% Do tempo total, O tempo que uma ordem de produção deve esperar em file é resultante da soma dos tempos de preparação de maquina e processamento de cada uma das ordens que serão executadas anteriormente a esta. Uma forma de reduzir o tempo da file é reduzir os lotes de produção de todas as ordens na fábrica, assim como reduzir os tempos de preparação das máquinas. Estas duas providencias já fazem parte do sistema JIT. Tempo de preparação da maquina; Pode ser obtida com a ajuda das seguintes prescrições práticas: 1. Enfocar a redução de tempo de preparação. Isto significa documentar como o setup é feito atualmente (o uso de videotape é recomendado) e procurar eliminar passos e reduzir os tempos dos passos remanescentes. 2. Separar criteriosamente o setup interno do externo. Atende para o fato de que apenas o primeiro se refere a atividades que requeriam que a maquina esteja totalmente parada para que sejam realizados. 3. Saber para que a maquina será preparada. Não dar a maquina usos mais cariados do que o necessário. Isto significa que deve ter preparação de de um produto e outro

21 27 4. Pratica o processo de preparação da maquina. A pratica é tão i,portante para a redução do tempo de setup quanto a é para a redução do tempo de execução das tarefas de operação. Tempo de processamento; O tempo de processamento é o único que vale a sua duração, segundo a filosofia do JIT, pis agrega valor ao produto. O foco é utilizar o tempo da melhor forma para que a produção seja com qualidade e sem erros. Tempo de movimentação; O tempo de movimentação é reduzido pela utilização do layout celular, reduzindo-se assim as distâncias de transporte. Outro foco é reduzir este tempo com lotes pequenos que podem ser movimentados rapidamente.

22 28 Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p.82) Para redução do lead time de produção, os produtos, o sistema de manufatura e o processo de produção devem ser projetos de forma a facilitar o rápido fluxo das ordens de produção Redução da base de fornecedores Há duas razões para tentar reduzir o número de fornecedores, uma delas é estabelecer com o fornecedores compromissos de longo prazo; e a outra razão e limitar esforços no desenvolvimento de fornecedores. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 85) O coração do fornecimento de materiais no sistema JIT é o estabelecimento de compromissos de longo prazo com os fornecedores, embora este aspecto não seja exclusivo da filosofia JIT Porém é essencial que a empresa seja um cliente valorizado pelo fornecedor e que o compromisso seja demonstrado pelos dois lados. Os contratos de longo prazo com um único ou poucos fornecedores oferecem, em retorno, altos níveis de qualidade e entregas confiáveis. Alguns fornecedores podem não ser, inicialmente, capazes de atingir os níveis de qualidade desejada ou, ainda, de garantir entregas confiáveis. Nesses casos, o auxilio da empresa cliente na forma da cessão temporária de seus especialistas em qualidade ou administração da produção pode ser de grande valia. Este processo é conhecido por desenvolvimento de fornecedores. Esta situação costuma ocorrer em

23 29 relação em relação a uma série de empresas pequenas fornecendo para um grande cliente (isso acontece nas redes de suprimento de indústria automobilística) Redução dos custos de aquisição Como os fornecedores não mudam com freqüência, há uma redução imediata nos custos de negociação de pedidos. A confiabilidade nas entregas praticamente elimina a necessidade de acompanhamento dos pedidos dos fornecedores. A garantia da qualidade pode eliminar, também, os custos de inspeção e contagem do material recebido. Custos de movimentação de materiais podem ser reduzidos, da mesma forma se o material for entregue no local de uso. A redução dos custos de aquisição tem, sobre o dimensionamento dos lotes de compra, o mesmo efeito que a redução dos custos de setup tem sobre o dimensionamento dos lotes de produção, ou seja, permite que as compras sejam mais freqüentes e em lotes menores. Dessa forma, o fluxo continuo e suave de matérias que se busca conseguir na logística interna da fabrica pode ser estendido, também, aos fornecedores, que passam a fazer parte da mesma linha de fluxo continuo. 2.3 PROBLEMAS DE QUALIDADE Quando alguns estágios do processo apresentam problemas de qualidade, gerando sucata de forma incerta; o estoque colocado entre as fases do processos permite trabalhar continuamente nos mantendo focando na produção e não na solução do problema. Desta forma. Segundo Correa e Gianesi (2009, p. 57) O estoque gera independência entre os estágios de processo produtivo. Por isso o Just in Time é importante, pois expõem as fraquezas do processo antecipadamente e não nos permite a continuar a produzir erroneamente.

24 Problemas de quebra de maquina Quando uma maquina para por problemas de manutenção, as fases anteriores do processo que são alimentados por esta maquina teriam que parar, caso não houvesse estoque suficiente para que o fluxo de produção continuasse, até maquina fosse reparada e entrasse em produção normal novamente; nesta situação. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 57) O estoque gera independência entre o estagio do processo produtivo ; atrapalhando o funcionamento macro, proporcionando saldo em todas as áreas do processo Problemas de preparação de maquinas Quando uma maquina processa operações e mais de um componente ou item, existe a necessidades de prepara-la para cada mudança do processo. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 57) Esta preparação representa custos ao período inoperante do equipamento, a mão de obra requerida na operação de preparação, a perda de matéria no inicio da operação, entre outros. Quanto maiores estes custos, maior tendera a ser lote executado, para que os custos sejam rateados por uma quantidade maior de peças reduzindo por conseqüência o custo por unidade produzida. Lotes grandes de produção geram estoques, pois a produção é executada antecipadamente a demanda, sendo consumida por esta em período subseqüente. Como se vê o estoque funciona como fôlego para que possamos eliminar os problemas do processo produtivo, embora diversas empresas o utiliza para outros fins.; o objetivo da filosofia just in time. S

25 31 Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 57) Reduzir estoques de modo que os problemas fiquem visíveis e possam ser eliminados através de esforços concentrados e priorizados. E também, segundo Heizer e Render (2001, p. 350) O just in time reduz o material em toda a rede de fornecimento e nos permite focalizar naquilo que agrega valor em cada etapa. Com esta pratica, o just in time visa o alcance de melhores índices de qualidade, maior confiabilidade de seus equipamentos e fornecedores e maior flexibilidade de resposta; principalmente através da redução do tempos de preparação de maquinas, permitindo a produção de lotes menores e mais adequado a demanda de mercado; com isso eliminado qualquer tipo de desperdício. Segundo Corrêa e Geanesi (2009, p. 67) Eliminar desperdícios significa analisar todas atividades realizadas na fabrica e eliminar aquelas que não agregam valor a produção 2.4 FIM AOS DESPERDÍCIOS E MELHORIA CONTINUA Alguns autores defendem o JIT como uma ferramenta que nos permite detectar pontos que agregam valor dentro do processo e outros pontos que alem de não agregarem valor ainda geram diversos desperdícios, como: Desperdício de super produção: O JIT considera um desperdício o habito de produzir antecipadamente a demanda, para o caso que os produtos serem requisitados no futuro. A produção antecipada, isto é, maior do que o necessário no momento, provém, em geral, de problemas e restrições do processo produtivo, tais como: altos tempos de preparação de equipamento, induzindo a produção de grandes lotes; incerteza da ocorrência de problemas de qualidade e confiabilidade dos equipamentos, levando a produzir mais do que o necessário; falta de coordenação entre as necessariedades e a produção.

26 32 Desperdício de espera: Este desperdício refere-se ao material que esta esperando para ser processado, formado filas que visam garantir altas taxas de utilização dos equipamentos. A filosofia JIT coloca a ênfase no fluxo de matérias e não nas taxas de utilização dos equipamentos, os quais somente devem trabalhar se houver necessidade. Desperdício de produtos defeituosos: Produzir produtos defeituosos significa desperdiçar matérias, disponibilidade de mão-de-obra, disponibilidade de equipamentos, movimentação de matérias defeituosas, armazenagem de matérias defeituosos, inspeção de produtos, entre outros. Os defeitos não devem ser aceitos e não devem ser gerados. Desperdício de estoques: Os estoques, além de ocultarem outros tipos de desperdícios, significam desperdícios de investimento espaço. A redução dos desperdícios de estoques deve-se feita através da eliminação das causas geradoras da necessidade de manter estoques. Eliminando-se todos outros desperdícios, reduzem-se, por conseqüência, os desperdícios de estoque. Isto pode ser feito reduzindo-se os tempos de preparação de maquinas e os lead time de produção sincronizando-se os fluxos de trabalho, reduzindo-se as flutuações de demanda, tornando as maquinas confiáveis e garantido a qualidade dos processos. 2.5 AS VANTAGENS DO JUST IN TIME As vantagens do sistema de gestão Just in Time podem ser mostradas através da análise da sua contribuição nos principais critérios competitivos. Esta filosofia também esta fundamentada na administração do tempo, custo, qualidade, flexibilidade e confiabilidade.

27 33 Atualmente as empresas devem reduzir o tempo de resposta (lead time) a fim de conquistarem a lealdade dos clientes. As vantagens que os tempos de resposta mais curtos trazem para os clientes são claras: eles passam a necessitar planejar suas compras com antecedência menor e, por tanto, decidir com maior grau de certeza... (CORRÊA E GIANESI, 2009:46) O custo do produto tem uma grande importância, pois podem existir fases do processo que não agregam valor ao produto, e estas devem ser eliminadas a fim de diminuir o custo de produção e agilizar o processo. Dados os custos dos equipamentos, materiais e mão-de-obra, o Just in Time procura que eles sejam reduzidos ao essencialmente necessário. As características do sistema Just in Time, o planejamento e a responsabilidade dos encarregados da produção pela melhoria do processo produtivo favorecem a redução dos desperdícios. Existe também uma redução significativa dos tempos de preparação (setup), além da redução dos tempos de movimentação. A produção JIT busca reduzir os custos através da minimização de estoques, não pode haver informação desnecessária de estoque em processo. Matérias-primas e componentes comprados são mantidos em volumes baixos, através de entregas freqüentes de pequenas quantidades. O estoque de produtos acabados representa apenas a quantidade planejada na programação mensal e diária. Lotes pequenos e tempos curtos de preparação de maquinas resultam em menores ciclos de produção (lead time). A rápida adaptação às variações da demanda não só deixa os clientes satisfeitos, mas também previne contra produção de estoques excessivos.

28 34 Lead times curtos também minimizam a ocorrência de produção insuficiente e faltas, permitindo previsões de demanda com prazos mais curtos. Quanto menor o horizonte das previsões, mais acuradas estas serão, reduzindo a possibilidade de excessos ou falta de produtos. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 98) Não pode haver formação desnecessária de estoque em processo. O sistema promove a qualidade que os defeitos fluam ao longo do processo produtivo. O único nível aceitável de defeitos é zero, motivando a procura das causas dos problemas e das soluções que eliminem essas mesmas causas. Os colaboradores são treinados em todas as tarefas que executem, incluindo a verificação da qualidade (sabem, portanto, o que é um produto com qualidade e como produzi-lo). Também, se um lote inteiro for produzido com peças defeituosas, o tamanho reduzido dos lotes minimizará os produtos afetados. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 99) O aprimoramento da qualidade faz parte da responsabilidade dos trabalhadores da produção, estando incluída na descrição de seus cargos. Outra vantagem do just in time é sua flexibilidade, com relação ao tempo de respostas a demanda. Devido a manutenção de baixos estoques e eliminação de fases que não agregam valor ao produto; torna o processo mais leve e dinâmico. Segundo Corrêa e Gianesi (2009, p. 99) O sistema JIT aumenta a flexibilidade de resposta do sistema pela redução dos tempos envolvidos em processos. A velocidade também é outra vantagem do JIT; e esta trabalha em conjunto com a flexibilidade, e juntos promovem cada vez mais a diminuição do tempo de resposta criando um processo curto e veloz.

29 35 Segundo Corrêa e Gianesi (2009 p. 99) A partir de componentes padronizados, de acordo com as técnicas de projeto adequado a manufatura e projeto adequado a montagem permite entregar os produtos em prazos mais curtos. A confiabilidade das entregas também é aumentada através da ênfase na manutenção preventiva e da flexibilidade dos trabalhadores, o que torna o processo mais robusto. As regras do Kanban e o principio da visibilidade permitem identificar rapidamente os problemas que poderiam comprometer a confiabilidade, permitindo sua imediata resolução. No terceiro capitulo apresenta-se como implantar o just in time na empresa, mostrando a importância da mudança de cultura tanto da própria empresa como dos funcionários, de modo que o sistema funcione.

30 36 CAPITULO III 3 IMPLEMENTAÇÃO DO JUST IN TIME A implementação e manutenção de um sistema JIT envolve pelo menos quatro elementos fundamentais para seu sucesso: a) E empresa deve aprender a trabalhar com poucos fornecedores, de confiança e que assegure a qualidade e prazos de entrega de matérias; b) Os fornecedores devem ter condições de entregar os materiais em lotespequenos, de forma rápida, contínua e integrada com o fluxo de produção de empresa compradora, em intervalos de tempo pequenos, diários ou até horários; c) A empresa deve implementar a filosofia da qualidade total de forma que a qualidade durante todo o processo de fabricação seja assegurada e que nenhum defeito seja permitido durante o processamento fabril; d) A empresa deverá ter operários multiespecializados, atendendo a produção de forma flexível, e provavelmente deverá reestruturar a fábrica dentro do conceito de ilhas ou células de produção. A implantação do JIT também requer mudanças em vários campos da empresa, onde vários aspectos devem ser estudados e analisados anteriormente. A implementação do sistema Just in Time requer um enfoque sistêmico no qual uma serie de aspectos da empresa tem que ser modificada. Não é apenas uma questão de aplicação de uma técnica especifica, mas, antes de mais nada, mudanças em vários campos, alguns dos quais são pré-requisito para a implantação da filosofia. Entre estas aspectos pode-se citar:

31 37 Comprometimento da alta administração: O sucesso da implantação do just in time não pode ser obtidos sem um implantação clara da crença da alta administração do sistema JIT. Mudanças de atitudes em toda a empresa são necessárias para a integração das diversas áreas, desenvolvendo uma mentalidade global para a resolução de problemas. Programas de treinamento neste sentido devem ser suportados pela administração. Os procedimentos para autorização de investimento de capital para aprimoramento dos processos devem ser claramente estabelecidos e simplificados. Medidas de avaliação de desempenho: A forma de avaliar o desempenho dos diversos setores deve ser modificada para ser clara, objetiva e voltada a incentivar o comportamento de todos os funcionários de forma coerente com os critérios competitivos da empresa e com os princípios da filosofia JIT. Em particular, medidas de desempenho exclusivamente relacionadas a taxas de utilização de equipamentos e volume de produção são contra-recomendadas. Estrutura organizacional: A estrutura organizacional deve-ser modificada para reduzir a quantidade de departamentos especialistas de apoio os quais costumam ser responsáveis por aspectos que, segundo a filosofia JIT passam a ser de responsabilidade da própria produção. Entre eles, a qualidade, a manutenção (ao menos parte da manutenção preventiva), o balanceamento das linhas e o aprimoramento dos processos. Os especialistas devem atuar no sentido de capacitar os funcionários da produção para que possam assumir tais responsabilidades, executando auditorias periódicas. Organização do trabalho: A organização do trabalho deve favorecer e enfatizar a flexibilidade dos trabalhadores, a comunicação fácil entre os setores produtivos e o trabalho em equipe

32 38 Conhecimento dos processos: A compilação de fluxogramas de matérias e de informação para todas as atividades, seja na área de manufatura, seja de projeto, seja de escritório, seguida da eliminação metódica das atividades que geram desperdícios ou apenas não agregam valor, é pré-requisito importante. Em particular a aplicação desses procedimentos nos processos de preparação de equipamentos é um pré-requisito fundamental. Ênfase nos fluxos: Tanto na administração de escritórios como manufatura, devem ser criadas estruturas celulares, baseadas nos fluxos naturais de materiais e/ou informações. Essas estruturas devem facilitar os seguintes aspectos: a) estabelecimento de sistema simples de controle da produção, baseados no relacionamento cliente-fornecedor entre as células; alocação de responsabilidade pela célula a uma equipe; b) implementação passo a passo dos sistema Kanban, célula a célula com estoque de segurança temporários, eliminados os gradativamente, assim como sistema tradicional do controle. c) definição clara da responsabilidade pela qualidade de cada célula, fornecendo técnicas de medida e avaliação da qualidade; d) criação de uma estrutura organizacional leve, com a passagem de funções da mão-de-obra indireta para mão-de-obra direta; e) adequação dos controles financeiros e fiscais a nova realidade;. f) estabelecimento de medidas de avaliação de desempenho das células coerentes com a filosofia JIT como: Taxas diárias de rotação de estoques, lead time representativo da célula, percentual diário do atingimento do programa de produção, atingimento das metas diárias de qualidade em peças defeituosas por milhão entre outras.

33 39 Há duas áreas de operação do sistema JIT, que devem ser desenvolvidas sequencialmente o paralelo: dentro da fabrica, onde matérias e informação devem fluir de célula a célula, maquina a maquina, e, entre a fabrica e seu ambiente esterno, seja no relacionamento com fornecedores ou com os consumidores. O fato de determinada empresa considerar a aplicação da filosofai JIT junto a seus fornecedores um processo difícil e de longo prazo não pode ser utilizado como desculpa para a não implementação do JIT internamente, onde os benefícios são justamente maiores. 3.1 GERÊNCIA DA LINHA PARA JUST IN TIME A gerência de uma linha de produção geralmente enfatizar o balanceamento da linha, ou seja, a alocação de diversas tarefas necessárias a execução completa da montagem ou fabricação, aos postos de trabalho que compõem a linha, de modo a garantir que todos os postos tenham cargas de trabalho equivalentes. Deste modo, o tempo de ciclo da linha (intervalo de tempo entre a finalização de dois itens consecutivos) é dado pelo tempo de ciclo das estações de trabalho, que devem ser iguais. Quando a linha esta desbalanceada, determinada estação de trabalho tem um tempo de ciclo maior do que das outras, fazendo com que este seja o tempo de ciclo da linha. As estações que levam menos tempo para executar suas tarefas permanecem ociosas, pois somente recebem outro produto para processar a intervalos iguais ao tempo de ciclo da linha como um todo. Como conseqüência, grande ênfase é dada ao balanceamento das linhas, visando aumentar a produtividade. É comum que sejam utilizados sofisticados programas de computador para este balanceamento que, uma vez executado, é mantido por um longo período, produzindo-se uma grande quantidade de produto para os quais a linha foi balanceada. A ênfase prioritária do sistema JIT para linhas de é a flexibilidade, ou seja, esperase que as linhas de produção JIT sejam balanceadas muitas vezes, para que a produção esteja a justada as variações da demanda. Para conseguir esta flexibilidade a gerencia de linha do sistema JIT apresenta algumas características especiais.

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA?

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? Claudia Carrano Almeida davidv@fatecnet.ufsm.br David V. de Oliveira davidv@fatecnet.ufsm.br Helga H. S. Perlin helgaperlin@zipmail.com.br Ramaswami

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES Fernando Santos Carlomagno (G-UEM) Resumo Este trabalho trabalhar o tema uma abordagem custos na formação de estoques, nele através de pesquisa iremos relatar

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais