Síndrome de Cushing Avaliação Bioquímica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síndrome de Cushing Avaliação Bioquímica"

Transcrição

1 Síndrome de Cushing Avaliação Bioquímica Harvey Cushing 1. Introdução Síndrome de Cushing é um termo aplicado ao estado clínico resultante da exposição prolongada a quantidades aumentadas de glicocorticóides. Pode ser o resultado da administração exógena de glicocorticóides, situação responsável pelo maior número de casos, ou da produção endógena de cortisol (Cushing endógeno). Esse último será abordado a seguir. Desde sua descrição em 1932, por Harvey Cushing, grande progresso tem sido feito em sua investigação e tratamento (1). As manifestações clínicas envolvem muitos sistemas orgânicos e processos metabólicos. Hipertensão, obesidade (centrípeta), diabetes, hirsutismo e acne, miopatia, osteoporose, estrias violáceas, manifestações psiquiátricas, fácies de lua cheia, giba de búfalo entre outras, estão invariavelmente presentes na apresentação clássica da síndrome (1). O Cushing endógeno é uma doença rara, com uma incidência anual de 2 por milhão. É mais freqüente nas mulheres na proporção de 3 a 15 mulheres para cada homem acometido. A faixa etária mais freqüentemente acometida está entre 20 a 40 anos (2). Causas de Síndrome de Cushing (2) Pseudo-Cushing Alcoolismo < 1% Depressão Grave 1% ACTH-Dependente Adenoma Pituitário (Doença de Cushing) 68% Síndrome do ACTH Ectópico 12% Secreção Ectópica do CRH <1% ACTH-Independente Adenoma Adrenal 10% Carcinoma Adrenal 8% Hiperplasia Nodular 1% Em muitos casos, os testes iniciais podem ser conduzidos em regime ambulatorial. No entanto, a confirmação e o diagnóstico diferencial, freqüentemente, requerem internação e supervisão hospitalar. O processo básico de investigação consiste em confirmar o hipercortisolismo e prosseguir ao seu diagnóstico diferencial. 2. Diagnóstico Bioquímico do Hipercortisolismo Comumente os testes bioquímicos mais utilizados são a dosagem do cortisol livre urinário e o teste de supressão com baixa dose de dexametasona à noite (overnight). Outros testes são também utilizados e serão abordados. A determinação da concentração do cortisol sérico é um método conveniente para avaliação da função adrenocortical. Métodos para sua determinação incluem: radioimunoensaios, ensaios de ligação competitivos, ensaios fluorimétricos e, raramente, ensaios imunoenzimáticos e cromatografia. O radioimunoensaio é a técnica mais utilizada. É simples, custo-efetiva e reprodutiva. As concentrações séricas de cortisol geralmente correlacionam-se com as dosagens plasmáticas do ACTH, mas devido às diferenças de biodisponibilidade e farmacocinéticas entre os dois hormônios, a correlação entre suas concentrações não é perfeita (4). O ACTH é um peptídeo de 39 aminoácidos. É um produto da proteólise de um grande precursor, a opiomelanocortina (POMC). A maior parte do ACTH imunoreativo em indivíduos normais, Doença de Cushing, Síndrome de Nelson e Doença de - 1 -

2 Addison é o ACTH Deve-se observar que o ACTH é secretado episodicamente, tendo uma meia-vida de 10 minutos. A determinação do ACTH é útil no diagnóstico e no diagnóstico diferencial da insuficiência adrenal e Síndrome de Cushing (4). 2.1 Cortisol Livre Urinário Apresenta a vantagem de demonstrar a secreção integrada do cortisol uma vez que, em pacientes com doença de Cushing e em pessoas normais, as concentrações plasmáticas de cortisol podem demonstrar acentuada variação (3,4). Apresenta boa performance como teste inicial. Sensibilidade de 96,6% e especificidade de 94,3% (3). As desvantagens estão relacionadas com a coleta do material e a variável faixa de normalidade entre os laboratórios. 2.2 Teste de Supressão com Baixa Dose de Dexametasona (overnight) Largamente utilizado como teste de rastreio devido à sua praticidade e segurança. Consiste na administração de dexametasona 1mg às 23 horas com dosagem do cortisol basal no dia seguinte entre 8 e 9 horas. Possui excelente sensibilidade (98 a 100%) e variável especificidade (87,5 a 100%) (4-8). Fatores que alteram o metabolismo da dexametasona ou aumentam a concentração de cortisol devem ser afastados: uso de drogas (anticonvulsivantes, contraceptivo oral, simpaticomiméticos). Situações clínicas onde há aumento no número de falsos positivos: variabilidade individual de absorção e metabolização da dexametasona, senilidade, perda substancial de peso recente, depressão, estresse em pacientes hospitalizados, alcoolismo, insuficiência renal crônica e tratamento hemodialítico (5). O teste tem boa reprodutibilidade. Ao contrário do cortisol livre urinário (3), o teste overnight parece não alterar-se com a obesidade simples (5). Mas esse não é um dado consensual (9). O valor de corte apresenta grande variabilidade sendo sugerido o valor de 1,8 mcg/dl (5). Valores acima desse valor indicariam Síndrome de Cushing Hidroxicorticosteróides em Urina de 24 horas Praticamente abandonado devido ao alto índice de falso positivo (27%) e falso negativo (11%) (3). Entretanto, parece ser ainda de utilidade na investigação da Síndrome de Cushing na faixa pediátrica (10). 2.4 Supressão com Dexametasona em Dose Baixa - Liddle 1 Consiste na administração a cada 6 horas de 0,5 mg de dexametasona durante 48 horas com dosagem subseqüente do cortisol plasmático. Originalmente foi descrito empregando-se as dosagem urinárias do 17 hidroxcicorticosteróides e cortisol livre urinário, atualmente, suplantadas pela dosagem do cortisol sérico (4). Apresenta a mesma indicação, interpretação e restrição que o teste overnight. É preferido ao overnight, em alguns centros, devido à sua maior especificidade (97a 100%) e mesma sensibilidade (98 a 100%) (5,6). Ressalta-se o incoveniente do uso da dexametasona por 48 horas com horários pré-estabelecidos. 2.5 Ritmo Circadiano Uma das características bioquímicas da Síndrome de Cushing (SC) é a alteração do sistema de retroalimentação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e alteração do ritmo circadiano. O cortisol dosado à meia-noite tem sensibilidade próxima de 100% se o valor de corte utilizado for o de 1,8 mcg/dl. No entanto, a coleta deve ser feita em regime hospitalar, com o paciente internado há pelos menos 48 horas (de preferência, desconhecendo o processo de coleta) e ausência de comorbidades significativas. O paciente deve estar dormindo e a amostra coletada entre 5 a 10 minutos após o despertar (3,8). Ao optar pelo ritmo circadiano com as coletas às 9 e 18 horas deve-se lembrar que 17% dos pacientes com SC apresentarão ritmo normal (3). De uma forma geral 80% dos pacientes com SC apresentarão distúrbio do ritmo circadiano (10). 2.6 Teste da Hipoglicemia Consiste na observação da elevação do cortisol após a administração de insulina e conseqüente hipoglicemia. Classicamente utilizado para diferenciar os quadros de Pseudo-Cushing (PC) da verdadeira SC. Nesse aspecto, 80 a 90% dos pacientes portadores de SC não respondem ao estímulo, enquanto os portadores de PC respondem (4). Pouco utilizado atualmente devido ao risco da hipoglicemia e ao alto percentual de falso positivo

3 2.7 Teste do Estímulo do Hormônio Liberador de Corticotropina (CRH) após Dexametasona Em pacientes com comprovado hipercortisolismo o teste do CRH isolado não consegue diferenciar a SC do PC. A administração da dexametasona suprime a produção normal de cortisol nos quadros de PC. Após a supressão, os pacientes com PC não apresentarão resposta ao CRH, ao passo que os portadores de SC apresentaram elevação ou manutenção do níveis do cortisol. Consiste na administração de 0,5 mg de dexametasona iniciada às 12 horas do primeiro dia, com doses posteriores a cada 6 horas. A última dose será administrada às 6 horas do terceiro dia. A coleta para a dosagem do cortisol será às 8 horas, portanto, duas horas após a última tomada. A acurácia pode chegar a 100% ao se usar o valor de corte < 1,4 mcg/dl para os pacientes com PC (11). Deve-se ter as mesmas precauções na interpretação dos resultados com relação ao uso da dexametasona (ver overnight e Liddle 1). Vide figura 1. Figura 1 Acurácia para o teste CRHdexametasona. O cortisol foi obtido 15 minutos após o CRH. Círculos fechados indicam Doença de Cushing; triângulos, secreção ectópica de ACTH, quadrados, doença adrenal primária e círculos abertos, Pseudo-Cushing. (Cutler GB. Corticotropin-Releasing Hormone (CRH): Clinical Studies and Use. The Endocrinologist 1997;7:10s-16s.) Confirmação do hipercortisolismo: teste com baixa dose de dexametasona (1 mg) ou Liddle 1; cortisol livre urinário e estudo do ritmo circadiano. 3. Diagnóstico Diferencial entre ACTH-Dependente e ACTH-Independente A dosagem do ACTH plasmático oferece o melhor método de investigação nessa etapa. No entanto, sua interpretação ainda deve ser cautelosa. Valores inferiores ao limite de detecção do ensaio, no caso do radioimunensaio (RIA) ou, indetectáveis, no caso do ensaio imunorradiométrico (IRMA) apontam para o diagnóstico de SC ACTH independente. Esses valores devendo ser confirmados em duas dosagens diferentes (3,6). Uma abordagem menos rigorosa sugere que a etiologia adrenal seria corroborada por uma dosagem de ACTH < 10 pg/ml (RIA) ou < 5pg/ml (IRMA), também em duas dosagens. Em caso de dúvida o estímulo com o CRH demonstrando incremento inferior a 10 a 15 pg/ml seria um outro indicativo de SC ACTH independente (8,12). A atenção deve ser redobrada para a coleta do ACTH. Sua interpretação pode ser prejudicada caso não sejam observadas algumas particularidades. A coleta deve ser em tudo plástico, com anticoagulante. O material deve ser, idealmente, centrifugado em centrífuga refrigerada e transportado congelado em caso da realização do exame fora do local de coleta e/ou sua realização não imediata. O ensaio pode apresentar reação cruzada com alguns precursores do ACTH presentes, principalmente, nos casos de secreção ectópica (5). Síndrome de Cushing (diagnóstico diferencial) ACTH-Dependente x ACTH-Independente: Dosagem do ACTH (vide Figura 2) - 3 -

4 Figura 2 Níveis plasmáticos de ACTH (9 horas da manhã) em pacientes com Doença de Cushing, tumor adrenal e Secreção Ectópica de ACTH. (Cushing s Disease. In Turner HE, Wass JAH editors. Oxford Handbook of Endocrinology and Diabetes. Oxford University Press, Oxford 2002: ) 4. Diagnóstico Diferencial entre Doença de Cushing (DC) e ACTH-Ectópico (AE) 4.1 ACTH A dosagem basal do ACTH acrescenta pouco ao diagnóstico diferencial entre DC e AE. Valores extremos podem sugerir AE, por exemplo, dosagens superiores a 300 pg/ml. Na DC os valores são habitualmente inferiores a 200 pg/ml. No entanto, há uma grande sobreposição de valores entre os dois grupos, principalmente quando analisamos os pacientes com DC e AE não maligno (3). Vide figura Teste de Supressão com Altas Doses de Dexametasona Liddle 2 O teste consiste na administração, via oral, de 2 mg de dexametasona a cada 6 horas por um período de 48 horas. É realizada a dosagem basal (imediatamente antes do início do uso da dexametasona) e outra dosagem ao final do preparo medicamentoso. O valor de corte é muito variável, sendo reportado mais comumente a redução igual ou acima de 50% do cortisol, comparado ao seu valor basal (também descritas as reduções de 64% e 90%), como indicativo de Doença de Cushing (3,4). Há grande variação na avaliação da performance desse teste. Isso ocorre devido ao desenho da pesquisa, à seleção dos pacientes, ao material analisado (originalmente as dosagens eram de 17 hidroxicorticosteróides e cortisol livre urinários) e aos diferentes valores de corte propostos. Foi concebido em 1960 para diferenciar Doença de Cushing do tumor da adrenal. Dentre os pacientes com DC 78% mostrarão redução igual ou maior do que 50% nos valores do cortisol após a dexametasona. Por outro lado, 11% dos pacientes com AE também terão tal comportamento (3). Outro autor encontrou, para o teste, 81% de sensibilidade e 79% de especificidade (13). Existem pesquisadores que acreditam ser o Liddle 2 dispensável ou de utilidade muito questionável(8,12). Esse teste fica sujeito às mesmas limitações apontadas para os testes com baixa dose de dexametasona. 4.3 Teste de Supressão com Dexametasona 8mg em Dose Única Consiste na administração de uma única dose de dexametasona de 8mg às 23 horas. Nesse dia é feita uma coleta de cortisol basal pela manhã. No dia seguinte é feita nova coleta para determinação do cortisol sangüíneo e os valores são confrontados. Uma redução igual ou superior a 50% é indicativo de Doença de Cushing (4). A exemplo do teste overnight, esse teste é uma simplificação do Liddle 2. Apesar do seu artigo original apresentar uma alta acurácia (93%), sua performance não é muito diferente do que é descrito para o teste com altas doses por 48 horas - 4 -

5 (8,14). Não se deve esquecer das limitações à interpretação do teste quando da exposição do paciente a alguns medicamentos e aos portadores de PC. 4.4 Potássio Sérico A presença de alcalose metabólica hipocalêmica representa uma apresentação freqüente aos portadores de secreção ectópica do ACTH. Porém, 10% dos portadores de DC apresentam hipocalemia. É um exame simples e barato, porém pode perder sua especificidade frente a uma enormidade de situações clínicas e tratamentos medicamentosos para condições associadas (2,3). 4.5 Teste da Metirapona Consiste na administração de metirapona na dose de 30 mg/kg às 23 horas. A dosagem do composto S e cortisol é feita na manhã seguinte às 8 horas (4). A metirapona bloqueia a conversão do 11-desoxicortisol em cortisol. Pacientes com DC têm um aumento supranormal nos níveis de 11-desoxicortisol comparado ao discreto ou ausente incremento nos pacientes com AE. Além da indisponibilidade da metirapona em nosso meio, existem relatos de resposta ao teste por até 60% dos tumores ectópicos (3). 4.6 Marcadores Tumorais Em até 70% dos tumores ectópicos, ocorre uma co-secreção de substâncias que, eventualmente podem ser dosadas servindo como parâmetro para localização do tumor e/ou seguimento do doente. Dentre as substâncias, vale a pena relacionar a calcitonina, a somatostatina, a gastrina, o polipetídeo pancreático, o glucagon, o β-hcg, a α-fetoproteína, a subunidade α, a enolase neurônio-específica, o GHRH, o CRH e/ou CEA (3,8). 4.7 Teste do CRH Um dos testes mais utilizados. Apresenta respostas diferentes quando a administração é feita empregando-se o CRH ovino ou humano (15). Outros autores acreditam que a resposta seja semelhante (3,4). Utilizado desde meados da década de 80 do século passado, assumiu uma simplificação em 1993 (16-20). O teste consiste na administração do CRH na dose de 1 µg/kg endovenoso com dosagem do ACTH no tempos 15 e 30 minutos e do cortisol aos 30 e 45 minutos. Respostas do ACTH igual ou acima de 35 ou 50% e/ou do cortisol > 20% representam DC e não AE. Esses valores representam a média das duas dosagens de cada um dos dois exames (8,20). Observe a tabela 1 e verifique o desempenho desse teste no diagnóstico diferencial da SC ACTHdependente. O CRH humano é preferido por alguns autores (3,15) por ser menos imunogênico. No entanto, a grande maioria dos trabalhos foram feitos utilizando-se o CRH ovino (3,4,6,20) além de haver citações de ausência de resposta ao CRH humano em até 15% dos portadores de DC. A resposta ao cortisol é considerada mais específica (3). Tabela 1 Sensibilidade e especificidade do Teste do CRH no diagnóstico diferencial da Síndrome de Cushing ACTH-Dependente Critérios* Sensibilidade (%) Especificidade (%) ACTH > 50% (8,20) Cortisol > 20% (8,20) ACTH > 35% (8) Cortisol > 20% (8) Entre parênteses, as referências bibliográficas. 4.8 O Teste da Desmopressina Consiste na administração endovenosa da desmopressina (10 µg) e coleta do ACTH e cortisol nos tempos 15, 30, 45 e 60 minutos. Os critérios de interpretação são os mesmos para o teste do CRH. Esse fato é devido à simples transposição de dados de um trabalho para o outro. Devido à expressão de receptores para ADH (V 3 ) em alguns tumores ectópicos, notadamente nos carcinóides, esse teste perde em especificidade quando comparado ao teste do CRH. Apresenta senbilidade de 84% com especificidade de 83% para a dosagem de cortisol. A avaliação através da dosagem do ACTH apresenta níveis bem mais modestos com 77% de sensibilidade e 73% de especificidade (8)

6 4.9 Cateterização do Seio Petroso Constitui-se no exame de melhor acurácia para o diagnóstico diferencial da Síndrome de Cushing ACTH-Dependente. No entanto, é um exame que exige aparato técnico adequado e pessoal especializado para sua realização. Consiste na cateterização do seio petroso inferior bilateral e simultaneamente, com coletas de amostras central e periférica de ACTH no estado basal e após estímulo com CRH (1µg/Kg ou 100 µg). A coleta do ACTH é feita nos tempos 3 e 5 minutos após a administração do CRH. Um gradiente basal central/periférico maior do que 2 é muito sugestivo de doença pituitária; um gradiente > 3 após a administração do CRH permite uma acurácia próxima de 100% para a Doença de Cushing (2,4,8,13). Caso ocorra a cateterização unilateral, a sensibilidade do teste cai para 80% no estado basal e somente 86% após CRH (13). Já a localização do tumor na glândula hipófise (lateralização) possui uma acurácia muito inferior ao exposto para o diagnóstico diferencial. Usualmente não ultrapassa 70 a 78%, mesmo com o estímulo do CRH. O valor para lateralização é de 1,4 comparando-se o valor do ACTH nos seio petroso direito e esquerdo (3,8,13). Vale a pena ressaltar que o exame do ACTH deve ser realizado imediatamente, caso contrário a amostra deverá ser congelada. Diagnóstico Diferencial da Síndrome de Cushing ACTH-Dependente Liddle 2 ou 8 mg dose única (?) Teste do CRH Teste da Desmopressina (?) Cateterização do Seio Petroso O Instituto de Patologia Clínica Hermes Pardini dispõe: Dosagem sérica de cortisol Método: Quimioluminescência Material: 0,5 ml de soro Valor de referência: 5 a 25 µg/dl Dosagem do Cortisol Livre Urinário Método: Quimioluminescência Material: Urina de 24 horas Valor de referência: 10 a 90 µ/24 horas Dosagem do ACTH Método: Quimioluminescência Material: 0,7 ml de plasma (EDTA) Valor de referência: 12 a 70 pg/ml Testes de Supressão com Dexametasona Teste de Estímulo com Desmopressina Teste de Estímulo com CRH ovino 5. Bibliografia 1. Schteingart DE. Cushing Syndrome. In Becker KL editor. Principles and Practice of Endocrinology and Metabolism 3 rd edition. Lippincott Williams & Wilkins, Philadelphia 2001: Turner HE, Wass JAH. Cushing s Disease. In Turner HE, Wass JAH editors. Oxford University Press, Oxford 2002: Perry LA, Grossman AB. The role of the laboratory in the diagnosis of Cushing s syndrome. Ann Clin Biochem 1997;34: Tsigos C, Kamilaris TC, Chrousos GP. Adrenal Diseases. In Moore WT, Eastman RC editors. Diagnostic Endocrinology 2 nd edition. Mosby, St. Louis 1996: Freedman DB, Perry L, Sheridan B. Evidence for the low dose dexamethasone suppression test to screen for Cushing s syndrome recommendations for a protocol for biochemistry laboratories. Ann Clin Biochem 1997;34: Ross RJM, Trainer PJ. Endocrine investigation: Cushing s syndrome. Clin Endocrinol 1998;49:

7 7. Caro JF, Meikle AW, Check JH et. al. Normal suppression to dexamethasone in Cushing s disease: an expression of decresead metabolic clearance for dexamethasone. J Clin Endocrinol Metab 1978;47: Newell-Price J, Jorgensen JO, Grossman A. The diagnosis and differential diagnosis of Cushing s Syndrome. Horm Res 1999;51 Suppl 3: Klee GG. Maximizing Efficacy of Endocrine Tests: Importance of Decision-focused Testing Strategies and Appropriate Patient Preparation. Clin Chem 1999;45: Magiakou MA, Chrousos G. Cushing s syndrome in children and adolescents: current diagnostic and therapeutic strategies. J Endocrinol Invest 2002;24: Yanovski JA, Gordon BC, Chrousos GP et. al. Corticotropin-Releasing Hormone Stimulation Following Low-Dose Dexamethasone Administration. JAMA 1993;269: Findling JW. Differential Diagnosis of Cushing s Syndrome. The Endocrinologist 1997;7:17S- 23S. 13. Oldfield EH, Doppman JL, Nieman LK et. al. Petrosal sinus sampling with and without corticotropin-releasing hormone for the differential diagnosis of Cushing s Syndrome. N Engl J Med 1991;325: Tyrrel JB, Findling JW, Aro DC et. al. An Overnight High-Dose Dexamethasone Supression Test for Rapid Differential Diagnosis of Cushing s Syndrome. Ann Intern Med 1986;104: Newell-Price J, Morris DG, Drake WM et. al. Optimal Response Criteria for the Human CRH Test in the Differential Diagnosis of ACTH-Dependent Cushing s Syndrome. J Clin Endocrinol Metab 2002;87: Chrousos GP, Schulte HM, Oldfield EH et. al. The Corticotropin-Releasing Factor Stimulation Test An Aid in the Evaluation of Patients with Cushting s Syndrome. N Engl J Med 1984;310: Grossman LN, Perry L, Tomlin S et. al. Corticotropin releasing factor: responses in normal subjects and patients with disorders of the hypothalamus and pituitary. Clin Endocrinol 1984;20: Schurmeyer TH, Avgerinos PC, Gold PW et. al. Human corticotropin-releasing factor in man: pharmacokinetic properties and dose-response of plasma adrenocorticotropin and cortisol secretion. J Clin Endocrinol Metab 1984;59: Nieman LK, Chrousos GP, Oldfield EH et. al. The Ovine Corticotropin-Releasing Hormone Stimulation Test and the Dexamethasone Suppression Test in the Differential Diagnosis of Cushing s Syndrome. Ann Intern Med 1986;105: Nieman LK, Oldfield EH, Wesley R et. al. A Simplified Morning Ovine Corticotropin-Releasing Hormone Stimulation Test for the Differential Diagnosis of Adrenocorticotropin-Dependent Cushing s Syndrome. J Clin Endocrinol Metab 1993;77:

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO Causada pela elevação crônica e inapropriada dos níveis séricos de glicocorticóides livres Incidência: 2,3 por milhão/ano Alta mortalidade 50% em 5 anos - Doenças cardiovasculares

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Ana Isabel Oliveira. Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING

Ana Isabel Oliveira. Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING Ana Isabel Oliveira Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING Síndrome de Cushing O interesse no SC tem crescido gradualmente especialmente na última década cada vez maior número

Leia mais

Provas de Função Tireoidiana

Provas de Função Tireoidiana Provas de Função Tireoidiana imunologia 1. INTRODUÇÃO Nos últimos 40 anos, ocorreu uma melhora substancial na sensibilidade e especificidade dos testes tireoidianos principalmente com o desenvolvimentos

Leia mais

HIPERCORTISOLISMO RECORRENTE Após Remoção de Adenoma Hipofisário Secretor de ACTH Associado a Macronódulo da Glândula Supra-Renal

HIPERCORTISOLISMO RECORRENTE Após Remoção de Adenoma Hipofisário Secretor de ACTH Associado a Macronódulo da Glândula Supra-Renal CASO CLÍNICO Acta Med Port 2010; 23: 107-112 HIPERCORTISOLISMO RECORRENTE Após Remoção de Adenoma Hipofisário Secretor de ACTH Associado a Macronódulo da Glândula Supra-Renal Jacinta SANTOS, Isabel PAIVA,

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal Função adrenal ADRENAL A glândula adrenal é uma glândula endócrina (secreta hormonas na corrente sanguínea, as quais são mensageiros químicos dentro do corpo) localizada na superfície anterior do rim.

Leia mais

CORTISOL ÀS 8h. Mnemônico: CO8 CORTISOL ÀS 16h. Mnemônico: C16 CORTISOL SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona).

CORTISOL ÀS 8h. Mnemônico: CO8 CORTISOL ÀS 16h. Mnemônico: C16 CORTISOL SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona). POP n.º: B39 Página 1 de 7 1. Sinonímia:, HIDROCORTISONA. Mnemônico: COR ÀS 8h. Mnemônico: CO8 ÀS 16h. Mnemônico: C16 SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona). Mnemônico: CSS 2. Aplicabilidade:

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

Trabalho em Turnos e Impactos na Saúde

Trabalho em Turnos e Impactos na Saúde Avaliação dos impactos do trabalho em turnos noturnos na produção de citocinas inflamatórias salivares e na secreção dos hormônios rítmicos melatonina e cortisol Érica Lui Reinhardt Trabalho em Turnos

Leia mais

IncidentalomaAdrenal. Apresentador: Denise D. Lima. DrLuis Gris Coordenador

IncidentalomaAdrenal. Apresentador: Denise D. Lima. DrLuis Gris Coordenador IncidentalomaAdrenal Apresentador: Denise D. Lima DrLuis Gris Coordenador Introdução Massa adrenal descoberta incidentalmente em exames de imagem durante a investigação de condições clínicas não relacionadas

Leia mais

Provas funcionais para o diagnóstico do carcinoma medular da tireóide 23. Estímulo para calcitonina com infusão de cálcio - pentagastrina

Provas funcionais para o diagnóstico do carcinoma medular da tireóide 23. Estímulo para calcitonina com infusão de cálcio - pentagastrina Provas funcionais da supra-renal 01. Estímulo para cortisol com hipoglicemia induzida por insulina 02. Estímulo rápido para cortisol com ACTH Cortrosina 03. Estímulo rápido para 17-OH-progesterona com

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Avaliação do eixo hipotálamohipófise adrenal no diagnóstico e na remissão da doença de Cushing

Avaliação do eixo hipotálamohipófise adrenal no diagnóstico e na remissão da doença de Cushing revisão Avaliação do eixo hipotálamohipófise adrenal no diagnóstico e na remissão da doença de Cushing Assessment of the hypothalamic-pituitary-adrenal axis in Cushing s disease diagnosis and remission

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: ENDOCRINOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: ENDOCRINOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: ENDOCRINOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AUTOR: GUILHERME ALCIDES FLORES SOARES ROLLIN ORIENTADOR:

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

Síndrome de Cushing Independente do Hormônio Adrenocorticotrófico (ACTH)

Síndrome de Cushing Independente do Hormônio Adrenocorticotrófico (ACTH) Síndrome de Cushing Independente do Hormônio Adrenocorticotrófico (ACTH) Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Colégio Brasileiro de Radiologia Elaboração Final: 14 de novembro

Leia mais

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal Estrutura adrenal Função da medula adrenal O córtex compreende a zona glomerulosa, secretora dos minelocorticóides, e a zona reticulada, secretora de glicocorticóides e dos androgênios adrenais. A medula

Leia mais

Síndrome de Cushing. Patrícia Mesquita MR1, UED -HAM Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador

Síndrome de Cushing. Patrícia Mesquita MR1, UED -HAM Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador Síndrome de Cushing Patrícia Mesquita MR1, UED -HAM Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador INTRODUÇÃO Diagnóstico e diagnóstico diferencial desafio para endocrinologia Tto só deve ser realizado

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Fígado Estômago e Intestino delgado Localização Córtex

Leia mais

Cirurgia da Supra-Renal: a nossa experiência

Cirurgia da Supra-Renal: a nossa experiência Hospital Fernando Fonseca Serviço Cirurgia C Director: Dr. Francisco Carneiro Cirurgia da Supra-Renal: a nossa experiência 16 Janeiro de 2014 Clara Rocha Paula Sanchez Carlos Leichsenring Glândula SR zonas

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Adrenais e Pâncreas endócrino. Ms. Roberpaulo Anacleto

Adrenais e Pâncreas endócrino. Ms. Roberpaulo Anacleto Adrenais e Pâncreas endócrino Ms. Roberpaulo Anacleto Anatomia Adrenal Z. Glomerular Aldosterona Cortex Z.Fasciculada Cortisol Z. Reticular Andrógenos Introdução Os Incidentalomas são tumores achados incidentalmente,

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Incidentaloma da supra-renal

Incidentaloma da supra-renal Incidentaloma da supra-renal Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hospital de Santa Maria - CHLN, EPE (fmsbaptista@gmail.com) Mulher de 45 anos com nódulo da supra-renal direita,

Leia mais

Perfil Testosterona. Detecção precisa e segura

Perfil Testosterona. Detecção precisa e segura Perfil Testosterona Detecção precisa e segura Agilidade A plataforma utilizada permite análise com alta velocidade e segurança. Metodologia Precisa Separação de partículas magnéticas com detecção quimioluminescente,

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

Doenças do córtex da supra-renal

Doenças do córtex da supra-renal Doenças do córtex da supra-renal Eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal Em indivíduos normais, o hipotálamo produz o fator de liberação da corticotrofina (CRF). O CRF age sobre a hipófise estimulando-a a

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaborador Texto Introdutório MARCADORES TUMORAIS CIRCULANTES USOS E LIMITAÇÕES Adagmar Andriolo. Médico Patologista Clínico, Professor Livre Docente de Patologia Clínica do Departamento de Medicina

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

SÍNDROMA DE CUSHING ACTH-DEPENDENTE Estudo retrospectivo de 43 casos

SÍNDROMA DE CUSHING ACTH-DEPENDENTE Estudo retrospectivo de 43 casos ARTIGO ORIGINAL Acta Med Port 2004; 17: 367-374 SÍNDROMA DE CUSHING ACTH-DEPENDENTE Estudo retrospectivo de 43 casos ISABEL PAIVA, CRISTINA RIBEIRO, LEONOR GOMES, CARLA BAPTISTA, FERNANDO GOMES, MANUEL

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS:

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS: PSA - LIVRE E TOTAL PSA - COMPLEXADO CBHPM 4.07.12.14-1 AMB 28.06.251-5/99 CBHPM 4.07.12.15-0 Sinonímia: tpsa. PSA total. PSA EQM. PSA Equimolar. PSA total imunologicamente detectável. fpsa. PSA livre.

Leia mais

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE Nice Testa Rezende HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE INSUFICIÊNICA ADRENAL PRIMÁRIA HIPERINSULINISMO DOENÇA METABÓLICA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOPITUITARISMO OU DEFICIÊNCIA ISOLADA DE GH 1 DOENÇA

Leia mais

Testes Dinâmicos em Endocrinologia. Organização: Profa. Dra. Berenice B. de Mendonça

Testes Dinâmicos em Endocrinologia. Organização: Profa. Dra. Berenice B. de Mendonça 1 Testes Dinâmicos em Endocrinologia Organização: Profa. Dra. Berenice B. de Mendonça 2014 2 Índice I-Indice...1-5 1) Avaliação da Função Hipofisária...6 1.a) Teste do GnRH...6 1.b) Teste do TRH...6 1.c)

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOCRINOLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOCRINOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOCRINOLOGISTA QUESTÃO 21 Em relação ao metabolismo do iodo e dos hormônios tireoidianos, é correto afirmar, EXCETO: a) A biossíntese dos hormônios tireoidianos

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

Profª Leticia Pedroso

Profª Leticia Pedroso Profª Leticia Pedroso Sistema Endócrino O homem apresenta em seu organismo várias glândulas endócrinas (glândulas que secretam hormônios para dentro do sangue). Hormônios são mensageiros químicos responsáveis

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina Introdução ao Sistema Endócrino Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Manifestações neuropsiquiátricas no Síndrome de Cushing

Manifestações neuropsiquiátricas no Síndrome de Cushing UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde Manifestações neuropsiquiátricas no Síndrome de Cushing Mara Cristina Moreira Ventura Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Medicina

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Nanismo hipofisário. Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele

Nanismo hipofisário. Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele Nanismo hipofisário Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele Fortaleza-2006 1 1. Introdução 1.1. Conceito: A deficiência do Hormônio do Crescimento não tem uma etiologia uniforme, sendo conseqüência de vários

Leia mais

ALTERAÇÕES LABORATORIAIS OCASIONADAS PELO HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES E GATOS : UMA REVISÃO.

ALTERAÇÕES LABORATORIAIS OCASIONADAS PELO HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES E GATOS : UMA REVISÃO. INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA ALTERAÇÕES LABORATORIAIS OCASIONADAS PELO HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES E GATOS : UMA REVISÃO. Vanessa

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica. Aula Teórica: Hormônios I

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica. Aula Teórica: Hormônios I Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica Aula Teórica: Hormônios I Disciplina: Bioquímica Curso: Ciências Farmacêuticas Priscilla Stela Santana de Oliveira

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 67/2014 Solicitante: Juiz Alex Matoso Silva Município de Itaúna - MG Número do processo: 0338.14.003128-1 Data: 07/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Pegvisomanto para acromegalia

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

Função endócrina. Função endócrina Glândula Hipotálamo/Pituitária SISTEMA ENDÓCRINO HIPOTÁLAMO/HIPÓFISE

Função endócrina. Função endócrina Glândula Hipotálamo/Pituitária SISTEMA ENDÓCRINO HIPOTÁLAMO/HIPÓFISE Função endócrina SISTEMA ENDÓCRINO CÉLULAS ESPECIALIZADAS (tecido endócrino difuso, ex.: epitélio gastrointestinal) GLÂNDULAS (unidades d funcionais i de células secretoras de hormonas localizadas em diversos

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS

NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS Apresentação: R3 Larissa Pakuszevski Savi Orientadores: Dr. César Luiz Boguszewski e Dr. Cléo Otaviano Mesa Jr. Curitiba, Junho de 2013 Roteiro de Aula Fisiologia

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso Mariane Pacheco dos Santos 1, Gabriela Morais Madruga 2, Renato Linhares Sampaio 3, Rodrigo Supranzetti

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a Declarar AVANÇOS LABORATORIAIS NO DIAGNÓSTICO DO PACIENTE COM RESISTÊNCIA À INSULINA José Gilberto Henriques Vieira Fleury Medicina e Saúde 41 o CBPC/ML, Salvador,

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Depuração da Creatinina

Depuração da Creatinina Depuração da Creatinina Importância fisiológica A creatinina é um composto orgânico nitrogenado e não-protéico formado a partir da desidratação da creatina. A creatina é sintetizada nos rins, fígado e

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcardores Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcadores Os biomarcadores são componentes corporais de fluidos ou tecidos que apresentam

Leia mais

Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Mensagem Química: Hormônios Os hormônios são substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

Síndrome de Cushing Endógena: Características Clínico- Laboratoriais em 73 Casos

Síndrome de Cushing Endógena: Características Clínico- Laboratoriais em 73 Casos : Características Clínico- Laboratoriais em 73 Casos artigo original LUCIO VILAR LUCIANA A. NAVES MARIA DA CONCEIÇÃO FREITAS ELIANE MOURA VIVIANE CANADAS EDMUNDO LEAL LUCIANO TEIXEIRA AMARO GUSMÃO VERA

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Desmame dos Glicocorticóides (Prednisona)

Desmame dos Glicocorticóides (Prednisona) Desmame dos Glicocorticóides (Prednisona) Fernanda Geórgia de Oliveira Andrade Yamada 1 Bruno Gedeon de Araújo 2 Ana Tereza Silva Gonçalves 3 Neiza Freire Veleda 3 Rodolfo Corrêa 3 Indicações para o desmame

Leia mais

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Softderm dipropionato de betametasona

Leia mais

Insuficiência adrenal secundária dificuldades de diagnóstico

Insuficiência adrenal secundária dificuldades de diagnóstico Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina Ano lectivo 2009/2010 Insuficiência adrenal secundária dificuldades de diagnóstico Autora: Orientadora: Doutora Maria Helena Cardoso Afiliação:

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE Data: 04/12/2013 NOTA TÉCNICA 242 /2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0433.13.017726-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura X EXAMES PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são?

Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são? Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são? Multirule and Westgard Rules : What are They? James O. Westgard Este artigo foi traduzido pela ControlLab, com a permissão da AACC e James O. Westgard,

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC QUIMIOLUMINESCÊNCIA pg/ml 5,6 1,9 ACTH B-HCG CALCITONINA CORTISOL ESTRADIOL DPC MEDLAB / IMMULITE / SIEMENS pg/ml 6,5 2,4 TODOS OS PARTICIPANTES pg/ml 6,7 2,5 TODOS OS ANALISADORES pg/ml 5,6 2,1 ELISA

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos.

DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos. COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Sistema de Comunicação Corpórea: Endócrino Nervoso Produtos = Hormônios: ajudam a enviar informações para outras células

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina

Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina APRESENTAÇÕES E FORMAS FARMACÊUTICAS Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml: Cada seringa contém 1 ml de solução injetável S.C. contendo 105 mcg de acetato de triptorrelina

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília PARALISIA PERIÓDICA Constitui um grupo heterogêneo de doenças genéticas pertencente ao grupo das canalopatias. Ocorre distúrbio nos canais iônicos

Leia mais

NEDO 2012 Cursos NEDO 20º-14e15Abril Évora 21º-16e17Junho Luso 22º-13e14Out. Viseu 23º-24e25Nov.-Algarve

NEDO 2012 Cursos NEDO 20º-14e15Abril Évora 21º-16e17Junho Luso 22º-13e14Out. Viseu 23º-24e25Nov.-Algarve NEDO 2012 Cursos NEDO 20º-14e15Abril Évora 21º-16e17Junho Luso 22º-13e14Out. Viseu 23º-24e25Nov.-Algarve 19º CURSO PÓS GRADUADO NEDO 2012 Causas Secundárias de Diabetes A. Galvão-Teles Lisboa Auditório

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais