Estudo do Efeito do Horário de Verão sobre o ciclo Vigília/Sono de Universitários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo do Efeito do Horário de Verão sobre o ciclo Vigília/Sono de Universitários"

Transcrição

1 Estudo do Efeito do Horário de Verão sobre o ciclo Vigília/Sono de Universitários Monografia apresentada ao Departamento de Ciências Fisiológicas, Setor de Ciências Biológicas, da Universidade Federal do Paraná. Aluna: Alline Flores e Brito Professor orientador: Prof. Dr. Fernando Mazzilli Louzada Curitiba, dezembro de 2009.

2 Agradecimentos Aos meus pais, Irma Alice F. Brito e Gilberto D. Brito, pelo apoio, afeto, princípios morais e principalmente, pela herança maior que poderiam me deixar: a educação. Ao meu namorado, Daniel Huzioka pela compreensão e paciência pela falta de tempo, pelo apoio e carinho nos momentos de dificuldade e por me lembrar sempre que o melhor caminho nem sempre é o mais fácil. Aos meus amigos pelo carinho, torcida, risadas e incontáveis momentos divertidos, tão necessários nos momentos de cansaço. Ao meu orientador, Prof. Dr. Fernando Mazzilli Louzada, por ter acreditado que eu seria capaz de completar este estudo, apesar das dificuldades em relação ao tempo, pelos conselhos e, sobretudo, por todo o conhecimento que me foi transmitido. Ao professor Manoel Carlos Toth Quintilham pela parceria na coleta de dados, pela ajuda na análise destes e por todos os momentos divertidos. Aos colegas de laboratório pela ótima companhia, especialmente à Taísa Adamowicz pela ajuda na análise dos dados. Aos universitários participantes da pesquisa e à grande lista de professores da Universidade que cederam tempo de suas aulas para que pudéssemos aplicar os questionários necessários ao estudo. À Universidade Federal do Paraná pelo ensino de qualidade e por todo aprendizado ao longo do curso. Ao Beakman, personagem de Paul Zaloom no programa "O mundo de Beakman", por ter feito as tardes de minha infância mais divertidas e ter iniciado em mim o desejo de um dia poder me considerar Cientista.

3 Sumário RESUMO... 3 ABSTRACT INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA POPULAÇÃO COLETA DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS RESULTADOS Horário de início de sono Horário de acordar Duração de sono Eficiência de sono DISCUSSÃO CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA ANEXOS Anexo Anexo Anexo

4 RESUMO Todo ano, no início do horário de verão, os ritmos circadianos precisam passar por um ajuste e têm que sofrer um adiantamento de fase. Este ajuste não ocorre imediatamente e o tempo para que o mesmo ocorra pode variar entre as pessoas. O objetivo deste trabalho foi avaliar as alterações do ritmo vigília/sono decorrentes da entrada no horário de verão e identificar fatores associados a um melhor ou pior ajuste. Para tal, 515 alunos voluntários responderam ao questionário de Horne e Östberg para avaliação do cronotipo. Deste grupo foram selecionados 17 indivíduos, de acordo com seus cronotipos, sendo oito matutinos e nove vespertinos, a quem foram entregues diários de sono que deveriam ser preenchidos durante uma semana anterior e outra posterior ao início do horário de verão, totalizando duas semanas. Além disso, os 17 estudantes utilizaram um actímetro de punho para a avaliação das variáveis relativas ao ciclo vigília/sono. A análise dos dados demonstrou que o horário de início de sono é afetado pelo horário de verão apenas entre os sujeitos vespertinos, que passam a dormir mais tarde, diferença não observada entre os matutinos. Os horários de acordar não sofreram alteração significativa após o início do horário de verão, nem para matutinos (p=0,0508), nem para vespertinos (p=0,0705). Entretanto, a maioria dos indivíduos, de ambos os grupos, apresentaram uma tendência a acordar mais tarde. A duração e a eficiência de sono não apresentaram diferenças significativas em relação aos cronotipos (p= 0,7594; p= 0,0901, respectivamente) ou às etapas (p= 0,1920; p= 0,4867 respectivamente). Os resultados sugerem que indivíduos matutinos apresentam maior capacidade em adequar-se aos novos horários de dormir quando comparados aos vespertinos. 3

5 ABSTRACT Every year, at the beginning of daylight saving time (DST), circadian rhythms must be adjusted. This adjustment does not occur immediately and its time can vary depending on the person. The objective of this study was to evaluate sleep/wake cycle changes caused by the beginning of the DST. 515 undergraduate students answered to the Horne and Östberg questionnaire to evaluate their chronotype. Seventeen students were selected according to their chronotypes, eight morning-types and nine evening-types. They received a sleep log that was completed during two weeks, one before and another one after the beginning of DST. In addition, the 17 students wore a wrist actigraph for assessment of variables related to sleep/wake cycle. Data analysis showed that evening-type individuals showed a significant delay in their sleep onset time after DST beginning. Such delay was not observed among morning-type individuals. Sleep offset time was not affected by DST beginning (p = for morning-types and p=0,0705 for evening-types). However, most individuals of both groups presented a tendency to wake up later. Sleep duration and sleep efficiency did not differ significantly for the chronotypes (p= 0,7594; p= 0,0901, respectively) or the week of analysis (p= 0,1920; p= 0,4867, respectively). The results suggest that morning-type individuals have greater ability to adjust to DST beginning when compared with evening-types. 4

6 1. INTRODUÇÃO O horário de verão tem como objetivo o melhor aproveitamento da luz natural do sol pela população, já que no verão este costuma nascer antes que a maioria das pessoas inicie seu ciclo diário de atividades. Acredita-se que com isso haja uma redução na utilização de energia elétrica, gerando economia. Hoje cerca de 30 países utilizam o horário de verão ao menos em parte de seu território, dentre os quais se encontra o Brasil, onde foi introduzido por Getúlio Vargas em Neste, é aplicado nas regiões sul, sudeste e centro-oeste, sendo o único país equatorial a adotá-lo (Costa, 2002). Devido à baixa variação de luminosidade durante as estações do ano na grande maioria do território nacional, as autoridades afirmam que o horário de verão é adotado neste país predominantemente pela segurança do sistema. Ao se introduzir uma diferença de uma hora entre o horário de escurecimento natural, quando a iluminação publica é ativada, e a chegada da população em suas casas, quando diversos tipos de aparelhos eletrônicos são ligados, evita-se uma sobrecarga do sistema energético. No entanto, a única região que apresenta real economia de energia no período do horário de verão é a região sul (até 5% de economia em horário de pico) (Costa, 2002). Até o ano de 2007 a duração e a abrangência do horário de verão no Brasil eram decididas anualmente pela Presidência da República. Isto foi alterado em 2008 através do decreto nº de 8 de setembro, segundo o qual o horário de verão terá sempre início no terceiro domingo de outubro e o fim no terceiro domingo de fevereiro. Caso a data de término coincida com o carnaval o horário será prorrogado em uma semana. O sistema foi criado pelo londrino William Willett, um integrante da Sociedade Astronômica Real, com a intenção de economizar a luz artificial e estimular o lazer entre os britânicos. Foi adotado pela primeira vez na Alemanha, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, quando era considerado primordial economizar energia (Costa, 2002). Porém, desde a publicação do primeiro panfleto com a sugestão da mudança temporária no horário, ainda na Inglaterra, a proposição foi muito 5

7 questionada, principalmente entre os fazendeiros que não seguiam horários artificiais para o início de suas atividades e, no entanto, podiam ser afetados pelo horário legal de outras formas (Costa, 2002). Ainda hoje esta mudança artificial dos horários é muito polêmica. Questiona-se se os benefícios econômicos, ou quaisquer que sejam, compensam os danos à saúde que tais mudanças podem ocasionar à população. Acredita-se que a subtração de uma hora de sono pode afetar o relógio biológico dos indivíduos, em especial nos primeiros dias após a mudança, quando ocorre uma fase de adaptação (Lahti et al., 2006 a). Assim como inúmeras espécies animais e vegetais, os humanos possuem ritmos endógenos fortemente relacionados aos ritmos ambientais. Tal capacidade permite aos organismos antecipar certas variações ambientais periódicas, como os ciclos de claro/escuro e as estações do ano, tornando mais fácil a adaptação a estas mudanças. Isto permite também prever a necessidade de recursos e providenciá-los a tempo (Menna-Barreto, 2003). Os ritmos biológicos são controlados pelos núcleos supraquiasmáticos, localizados no hipotálamo anterior, acima do quiasma óptico. Este controle permite a sincronização dos ritmos biológicos aos ciclos ambientais (Wyatt, 2004; Allen et al., 2005; Kantermann et al., 2007). O organismo se ajusta ao ciclo claro/escuro e este é seu principal sincronizador. Como este ciclo não muda com o inicio do horário de verão, é improvável que nossos ciclos ajustem-se a esta transição abrupta e de caráter puramente social (Kantermann et al., 2007). Parte do controle do ciclo vigília/sono é feito pela melatonina, que funciona como um sincronizador interno do sistema circadiano. Esta é produzida na glândula pineal, órgão endócrino comum a praticamente todos os vertebrados. A produção deste hormônio é controlada pelo ciclo claro/escuro, de forma tal que qualquer espécie de vertebrado, seja ela noturna ou diurna, secreta-a durante a noite. Sendo assim, a secreção e a concentração estão obrigatoriamente ligadas ao período noturno. Devido a este controle, a concentração de melatonina varia também de acordo com a duração das noites, que podem ser mais curtas ou mais longas dependendo da estação do ano. Logo, a glândula pineal sinaliza ao meio interno, através da flutuação na 6

8 concentração de melatonina, se é dia ou noite, e ainda qual é a estação do ano (Markus et al., 2003). Evidências mostram que apesar da espécie humana possuir um padrão noturno de sono, diferenças consideráveis podem ser encontradas entre os indivíduos. São observadas variações nas preferências de horário de início e de duração de sono e estas não estão relacionadas apenas às influências ambientais as quais tais indivíduos são expostos. Isto quer dizer que mesmo indivíduos que vivem sob as mesmas condições ambientais e com cotidianos semelhantes podem possuir diferenças rítmicas (Wittmann et al., 2006). Estas diferenças entre as preferências individuais constituem o cronotipo, que possui caráter genético (Lopes et al., 2003; Pereira et al., 2005). Diferentes cronotipos possuem diferentes relações de fases circadianas. Existem diversas formas de se estabelecer quais são as preferências individuais relativas ao sono, sendo muito utilizada a idealizada por Horne e Östeberg em 1976, na qual um questionário de dezenove questões enfoca preferências de horário e duração de sono, além do estado de vigor físico e mental dos indivíduos após uma noite de sono (Horne e Östberg, 1976). O questionário origina uma pontuação que pode variar entre 16 e 86, dividindo os indivíduos em cinco grupos: vespertinos (pontuação de 16 a 30), moderadamente vespertinos (31 a 41), indiferentes (42 a 58), moderadamente matutinos (59 a 69) e matutinos (70 a 86). A tendência de acordar e dormir em um horário consideravelmente anterior ao da média populacional caracteriza indivíduos matutinos. Estes possuem maiores níveis de alerta durante o dia, além de apresentarem a secreção de cortisol e melatonina adiantada em relação à média da população. Já uma preferência por acordar e dormir em horários posteriores aos da maioria da população, maior capacidade para concentrar-se durante o período noturno, e secreções tardias de cortisol e melatonina caracterizam indivíduos vespertinos. Estes parecem ser mais maleáveis quanto a mudanças em seus horários e duração de sono, possuindo padrões mais inconstantes, embora normalmente necessitem de sono compensatório nos finais de semana (Taillard, 1999; Wittmann et al., 2006; Alam et al., 2008; Korczak, 2008). 7

9 Em ambos os casos, variações bruscas nos horários do ciclo vigília/sono podem acarretar danos aos ritmos individuais. Devido a isso, podese questionar os possíveis efeitos de mudanças artificiais, como por exemplo, o início e o fim do horário de verão, capazes de causar tais variações. Nesse período, aspectos como eficiência e amplitude do sono sofrem uma redução, enquanto a fragmentação do sono e o nível de agitação são aumentados (Lahti et al., 2008). É importante elucidar que nem sempre os horários preferenciais podem ser seguidos, sobretudo devido a pressões sociais. Portanto, muitas vezes o relógio endógeno é conflitante com o relógio social. Deve-se considerar ainda que apesar da necessidade de acordar uma hora mais cedo, devido a exigências sociais, muitas vezes isso não significa deitar-se uma hora antes já nos primeiros dias da mudança, o que compromete ainda mais a estabilidade destes ritmos. Ou seja, uma mudança de horário não causará apenas um atraso na fase de sono, mas também um encurtamento temporário na duração deste. O processo de preparo para o início do sono e para o final deste é algo que ocorre gradualmente no organismo. Diversos mecanismos são ativados para sinalizar ao organismo que o momento do repouso ou da vigília está se aproximando. Isso é facilmente observado, por exemplo, nas mudanças da temperatura corpórea. Nas etapas finais da fase de repouso a temperatura começa a subir, advertindo ao organismo que a hora de despertar se aproxima. Da mesma forma, a queda da temperatura do corpo significa proximidade do momento de iniciar o sono. Também podem ser observadas variações na concentração de determinados hormônios regulatórios, como cortisol e melatonina, indutores de vigília e sono, respectivamente, como anteriormente citado (Wyatt, 2004). Cada uma destas etapas para a mudança do estado de sono ao estado de vigília é de grande importância. Dormir uma hora aquém do habitual equivale a uma interrupção brusca no sono. A supressão de algum tempo de sono, mesmo que curto, desajusta o ritmo do indivíduo e altera o humor, principalmente nos primeiros dias que seguem à mudança (Lahti et al., 2008). É fácil notar que o corpo leva algum tempo para se adaptar, redefinir o horário 8

10 de início e a duração de cada um destes rituais executados diariamente por nosso organismo. Além disso, a alteração no horário de secreção de certos hormônios pode causar outros efeitos, como o aumento no nível de fadiga apresentado quando há atraso na secreção de melatonina (Heukelom et al., 2006). Tendo em vista todos estes fatos, torna-se importante analisar o impacto de tais mudanças sobre o padrão de sono da população. Este trabalho tem por intuito investigar o efeito da entrada do horário de verão sobre os diferentes cronotipos, verificando sobre qual dos fenótipos os impactos são maiores e se há diferença na velocidade com que vespertinos e matutinos adaptam-se à mudança. 9

11 2. OBJETIVOS 2.1. OBJETIVO GERAL Avaliar as alterações do ciclo vigília/sono que ocorrem na implantação no horário de verão em uma população de universitários, identificando diferenças entre indivíduos matutinos e vespertinos OBJETIVOS ESPECÍFICOS a. Comparar a duração do sono antes e imediatamente após a transição do horário de verão em indivíduos matutinos e vespertinos. b. Comparar o horário de início do sono antes e após a transição do horário de verão em indivíduos matutinos e vespertinos. c. Comparar o horário de acordar antes e após a transição do horário de verão, em indivíduos matutinos e vespertinos. d. Comparar, a eficiência do sono antes e imediatamente após a transição do horário de verão em indivíduos matutinos e vespertinos. 10

12 3. METODOLOGIA 3.1. POPULAÇÃO A população de estudo foi constituída de alunos voluntários provenientes de cursos de nível superior, que freqüentam aulas ministradas no Setor de Ciências Biológicas, Campus Centro Politécnico, da Universidade Federal do Paraná. A princípio 515 alunos foram convidados a participar da primeira etapa, na qual foram divididos por cronotipo. Após uma triagem buscando cronotipos de interesse, foram selecionados 20 indivíduos para a segunda etapa. O presente trabalho teve seu projeto aprovado junto ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná. Participaram do projeto como voluntários apenas estudantes que estivessem de acordo com o termo de aceitação fornecido a eles juntamente com os diários de sono COLETA DE DADOS Em um primeiro momento, os voluntários do estudo responderam ao questionário de Horne e Östberg (HO) (Anexo 01) para avaliação do cronotipo. Esses questionários foram preenchidos em horário de aula, com a presença de um dos pesquisadores. A coleta destes dados foi iniciada no dia 10 de setembro, duas semanas após o início das aulas do segundo semestre, seguindo até a data de 18 de setembro. Decidiu-se aguardar duas semanas antes da aplicação dos questionários, para que não houvesse alteração nos dados, devido à diferença no padrão de sono que os alunos podem apresentar durante as férias e nos primeiros dias que se seguem ao fim destas (Korczak, 2008). Foi obtida a pontuação para cada questionário analisado, a partir da qual os indivíduos foram categorizados em cinco grupos: matutinos, moderadamente matutinos, intermediários, moderadamente vespertinos e vespertinos. 11

13 Em um segundo momento, foram distribuídos diários de sono (Anexo 02) a 20 estudantes anteriormente selecionados de acordo com seus cronotipos, sendo um grupo de 10 moderadamente vespertinos ou vespertinos (escores entre 24 e 41, segundo o questionário HO) e outro de 10 moderadamente matutinos ou matutinos (escores entre 59 e 73). A seleção dos indivíduos moderadamente matutinos e moderadamente vespertinos teve como critério que estes possuíssem as maiores e as menores pontuações entre os 515 voluntários, respectivamente, aproximando-se o máximo possível das pontuações de matutinos e vespertinos. Estes diários tiveram que ser preenchidos diariamente durante duas semanas, uma anterior e outra posterior à entrada do horário de verão. Devido à existência de um feriado, cerca de uma semana antes da entrada do horário de verão, e aos possíveis efeitos sobre os padrões de sono que esse prolongamento do final de semana pode gerar (Wittmann et al., 2006; Alam et al., 2008), optou-se por realizar a coleta de dados duas semanas antes da entrada do novo horário. A coleta posterior à troca foi feita na semana subseqüente à mudança do horário Actimetria Durante as duas semanas de coleta de dados, os indivíduos selecionados tiveram seu padrão de sono registrado através da utilização de um acelerômetro de punho denominado actímetro para avaliação de características dos episódios de sono. Os actímetros de punho são instrumentos de medida de atividade que foram inicialmente desenvolvidos pelo exército americano no final da década de 70. O actímetro (Mini Motionlogger Actigraph Ambulatory Monitoring, Inc.) é um acelerômetro miniaturizado, usado no punho não dominante, que permite o registro dos movimentos e a totalização e armazenamento em uma memória a intervalos pré-definidos. Estes dados são submetidos a um algoritmo (Cole et al., 1992) para que seja inferido o estado de sono ou vigília. Estes aparelhos permitem uma abordagem não invasiva em condições de laboratório ou campo, com a obtenção de uma série temporal longa, de até várias semanas consecutivas (Binkley, 1993). A validade e confiabilidade do método foram 12

14 verificadas em diversos trabalhos (Cole et al., 1992), sendo que a identificação dos estágios de sono e vigília apresenta uma concordância de 85 a 95% com aquela obtida por meio da polissonografia (Sadeh et al., 1989) Diários de sono Os voluntários responderam a um diário de sono padronizado onde incluíram os horários de início e término de todos os episódios de sono, e outras informações relevantes, tais como níveis de sonolência ao dormir e ao acordar e se foi necessária a utilização de despertador para acordar. A utilização simultânea dos dois instrumentos, diários de sono e actímetros, permite a obtenção de informações mais precisas sobre o padrão do ciclo vigília/sono, como os horários de início e término dos episódios de sono, duração de sono, número de despertares noturnos e eficiência de sono. 3.3 ANÁLISE DOS DADOS Apenas os dias úteis foram considerados na análise. As médias das variáveis de sono, consideradas variáveis dependentes, foram comparadas através da análise de variância. A semana de coleta, antes ou depois do início do horário de verão, e o cronotipo, foram consideradas variáveis independentes. Estas análises, e seus respectivos gráficos, foram feitos com o auxílio do software Statistica, versão 5.1. As médias das variáveis dependentes foram comparadas por meio da análise de variância seguido do teste de Tukey. 13

15 4. RESULTADOS Dos 20 voluntários convidados, 17 (85%) concluíram a coleta de dados. As exclusões dos dados de três sujeitos foram feitas devido a falhas no funcionamento do actímetro ou ao uso inadequado destes. Como resultado da actimetria obteve-se, além dos dados estatísticos provenientes das medições de atividade, um gráfico onde se podem visualizar os episódios de sono, bem como os momentos de atividade, denominado actograma. Os actogramas dos 17 voluntários deste estudo podem ser observados no Anexo 3 deste trabalho. Dos 17 indivíduos, 12 são do sexo feminino (70,6%) e cinco do sexo masculino (29,4%) e possuem idade média de 20,9 (± 5,89). Os participantes anteriormente distribuídos em quatro categorias (matutinos, moderadamente matutinos, vespertinos e moderadamente vespertinos) foram agrupados em duas grandes categorias: Matutinos, em numero de oito indivíduos, e vespertinos, em numero de nove. A distribuição por sexo e cronotipo pode ser observada na Tabela 1. Variável Idade Média do n % média escore do HO Matutinos Feminino 22,2 65,4 5 29,4 Masculino 17,7 63,7 3 17,7 Total 19,9 64,5 8 47,1 Vespertinos Feminino 20,7 34,1 7 41,2 Masculino 23 33,0 2 11,7 Total 21,8 33,6 9 52,9 Total 20,9 49, ,0 Tabela 1. Distribuição dos indivíduos de acordo com a idade, o sexo e o cronotipo (n=17). Foi utilizado o teste de normalidade de Shapiro-Wilk para as variáveis dependentes (início de sono, término de sono, duração de sono e eficiência de 14

16 sono), o qual mostrou que todas apresentam distribuição normal, permitindo assim, uma análise paramétrica. 4.1 Horário de início de sono A figura 1 apresenta os dados individuais do horário de início de sono. Pode-se observar que, de maneira geral, os indivíduos atrasaram seus horários de dormir após o início do horário de verão. Na figura 2 observam-se as médias do horário de início de sono para os dois grupos, matutinos e vespertinos, antes e após o início do horário de verão. A análise de variância detectou influência do cronotipo (F=15,51; p=0,0013) e da semana de coleta (F=11,41; p=0,0041) sobre o horário de início de sono. Figura 1: Gráfico demonstrando as diferenças do horário de início de sono antes (Início de sono Pré) e após (Início de sono Pós) a entrada do horário de verão, para cada um dos indivíduos. O teste de Tukey identificou diferença significativa entre o horário de início de sono dos vespertinos antes do horário de verão e o horário do início do sono dos mesmos após a mudança (p=0,0173). Outra diferença significativa foi entre o inicio de sono de matutinos e vespertinos após a mudança (p=0,0322). As análises nas quais foram comparados o início de sono de matutinos antes da entrada do novo horário com os horários após esta entrada não demonstraram diferença significativa (p=0,5168). O mesmo aconteceu para a 15

17 comparação do início de sono de matutinos antes da mudança com o mesmo dado para vespertinos (p=0,1088). Figura 2: Gráfico comparativo apresentando as médias do horário de início de sono antes e após a entrada do horário de verão, para matutinos e vespertinos. 4.2 Horário de acordar Na figura 3 podem-se observar os dados individuais do horário de acordar antes e após o início do horário de verão. A maioria dos indivíduos apresentou uma tendência ao atraso no horário de acordar após a mudança. A figura 4 apresenta as médias dos horários de acordar para os dois grupos, matutinos e vespertinos, antes e após o início do horário de verão. A análise de variância identificou efeito do cronotipo (F=14,74; p=0,0016), bem como da semana de coleta (F=15,53; p=0,0013) sobre o horário de acordar. 16

18 Figura 3: Gráfico demonstrando as diferenças do horário de término de sono antes e após a entrada do horário de verão, para cada um dos indivíduos. Entretanto, o teste de Tukey não identificou diferenças entre os grupos, embora seja possível observar uma tendência à significância na comparação entre horário de despertar antes e após a entrada no horário de verão. Em ambos os grupos, matutinos e vespertinos, houve uma tendência de atraso no horário de acordar após o início do horário de verão. (p=0,0508 e p=0,0705, respectivamente). Anteriormente ao início do horário de verão, também se pôde observar uma tendência à significância na diferença do horário de acordar entre matutinos e vespertinos (p=0,0524), tendência esta que se manteve após a mudança de horário (p=0,0881). 17

19 Figura 4: Gráfico comparativo apresentando as médias do horário acordar antes e após a entrada do horário de verão, para matutinos e vespertinos. 4.3 Duração de sono A figura 5 mostra a duração de sono individual antes e após o início do horário de verão. Pode-se observar que, de maneira geral, os indivíduos não sofreram alteração na duração de sono. Na figura 6 observam-se as médias da duração de sono para os dois grupos, matutinos e vespertinos, antes e após o início do horário de verão. Não foi detectado efeito do cronotipo (F= 0,09; p= 0,7594) e da semana de coleta (F= 1,86; p= 0,1920) sobre a duração de sono. 18

20 Figura 5: Gráfico demonstrando as diferenças na duração de sono antes e após a entrada do horário de verão, para cada um dos indivíduos. Figura 6: Gráfico comparativo apresentando as médias de duração de sono antes e após a entrada do horário de verão, para matutinos e vespertinos. 19

21 4.4 Eficiência de sono A figura 7 mostra os dados individuais de eficiência de sono. A figura 8 apresenta as médias dos valores de eficiência de sono para os dois grupos, matutinos e vespertinos, antes e após o início do horário de verão. A análise de variância mostrou que a eficiência do sono não é afetada pelo cronotipo (F= 3,28; p= 0,0901) ou pela semana da coleta dos dados (F= 0,51; p= 0,4867). Figura 7: Gráfico demonstrando as diferenças de eficiência de sono antes e após a entrada do horário de verão, para cada um dos indivíduos. 20

22 Figura 8: Gráfico comparativo apresentando as médias de eficiência de sono antes e após a entrada do horário de verão, para matutinos e vespertinos. 21

23 5. DISCUSSÃO Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da alteração em uma hora no horário social decorrente do início do horário de verão sobre o ciclo vigília/sono de jovens universitários. Nossa hipótese é de que estas alterações variassem em função de diferenças individuais na preferência diurna ou cronotipo. Cronotipos diferentes possuem preferências distintas em relação ao início e duração de sono, portanto é esperado que não reajam da mesma forma a alterações nos sincronizadores sociais (Korczak, 2008). Devido a isso, seria esperado que matutinos e vespertinos respondessem de formas diferentes à interferência causada pelo início do horário de verão (Schneider & Randler, 2009). Devido à existência do compromisso de freqüentar as aulas pela manhã, acreditava-se que a tentativa de adiantamento de uma hora no horário de acordar não seria acompanhada pelo adiantamento no horário de dormir. Como conseqüência, haveria uma redução na duração de sono nos dias letivos. Entretanto, os resultados do presente estudo sugerem que esta pressão social, a dos horários escolares, talvez não tenha sido tão forte. Ao avaliar os dados relativos à duração de sono, observou-se que não houve a redução esperada após o início do horário de verão. Não foram detectadas diferenças antes e após o início do horário de verão para esta variável. Apenas três indivíduos, todos vespertinos, seguiram a tendência esperada de redução da duração de sono. Os outros vespertinos mantiveram a duração de sono e, em alguns casos, até mesmo aumentaram-na. Esse aumento foi também observado para todos os matutinos, exceto para dois indivíduos do grupo, um que manteve sua duração inalterada, e outro que sofreu uma redução de cerca de 75 minutos em seu tempo de sono. Este fato é surpreendente, já que o esperado seria uma redução, devido à dificuldade de adaptar-se ao novo horário de dormir prevista para os sujeitos estudados (Lahti et al., 2006 b). Para que tal adaptação fosse perfeita, seria necessário um adiantamento de uma hora no horário de dormir e de uma hora na hora de acordar, em relação aos horários ambientais. Os resultados mostram que a antecipação no horário de dormir apresentou influência do cronotipo. Entre os matutinos, não houve diferença 22

24 nos horários de dormir antes e depois do início do horário de verão, ou seja, houve um adiantamento na hora ambiental em que os indivíduos deitaram-se, após a mudança. Já para os indivíduos vespertinos, a tendência de dormir mais tarde em relação ao horário social, e mantendo, ou até mesmo atrasando seu horário em relação ao tempo ambiental, foi uma regra, da qual apenas um voluntário foi exceção. Esta talvez tenha sido a principal diferença observada entre matutinos e vespertinos. Antes do início do novo horário, não havia diferenças significativas entre o inicio de sono de vespertinos e matutinos. Depois da mudança, todavia, essa diferença passou a ser significativa, sugerindo que matutinos teriam mais facilidade para adaptar seu horário de dormir. Os resultados confirmam a tendência do grupo dos vespertinos a dormir mais tarde que a maioria da população, dado este amplamente conhecido, e que inclusive caracteriza o grupo (Wittmann et al., 2006; Alam et al., 2008). Sendo assim, se os vespertinos não adiantaram seu horário de dormir junto com o ponteiro do relógio, e os matutinos mantiveram seu horário normal, como pode ter havido aumento da duração de sono, levando-se em consideração que todos estavam expostos às mesmas pressões sociais? Como todos os alunos estavam em período de aulas, era de se esperar que acompanhassem o relógio social e adiantassem em uma hora seus horários internos de despertar na mudança para o horário de verão. Contudo, esse adiantamento não aconteceu. Com exceção de um indivíduo vespertino, todos os participantes, independentemente de cronotipo, atrasaram seu horário de acordar, demonstrando uma tendência a tal atraso. Esse atraso variou de poucos minutos até quase três horas. E foi ele o responsável pelo aumento da duração de sono, quando o esperado seria sua redução. Acredita-se que estes despertares posteriores ao horário habitual resultem em atraso, ou em alguns casos, em perda das aulas do período matinal. Esta aparente dificuldade na adaptação aos novos horários pode ser atribuída ao fato do principal sincronizador dos ritmos biológicos humanos ser o ciclo claro/escuro. O sinal de nascer do sol estaria se sobrepondo aos horários sociais (Roenneberg et al., 2007). Apesar dos relógios mudarem, o horário do poente do sol não muda, expondo as pessoas à luminosidade em horários 23

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

Grupo Multidiscilpinar de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. Universidade de São Paulo

Grupo Multidiscilpinar de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. Universidade de São Paulo Grupo Multidiscilpinar de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Grupo Multidiscilpinar de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos Escola de Artes,

Leia mais

QUESTIONARIO DE MATUTINIDADE-VESPERTINIDADE Versão de Auto-Avaliação (MEQ-SA) 1. Nome: Data:

QUESTIONARIO DE MATUTINIDADE-VESPERTINIDADE Versão de Auto-Avaliação (MEQ-SA) 1. Nome: Data: QUESTIONARIO DE MATUTINIDADE-VESPERTINIDADE Versão de Auto-Avaliação (MEQ-SA) 1 Nome: Data: Para cada questão, por favor selecione a resposta que melhor descreve você checando o icone correspondente. Faça

Leia mais

Trabalho em Turnos e Impactos na Saúde

Trabalho em Turnos e Impactos na Saúde Avaliação dos impactos do trabalho em turnos noturnos na produção de citocinas inflamatórias salivares e na secreção dos hormônios rítmicos melatonina e cortisol Érica Lui Reinhardt Trabalho em Turnos

Leia mais

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE O CRONOTIPO, GÊNERO E TREINAMENTO PERSONALIZADO NA ADERÊNCIA AO EXERCÍCIO FÍSICO

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE O CRONOTIPO, GÊNERO E TREINAMENTO PERSONALIZADO NA ADERÊNCIA AO EXERCÍCIO FÍSICO ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE O CRONOTIPO, GÊNERO E TREINAMENTO PERSONALIZADO NA ADERÊNCIA AO EXERCÍCIO FÍSICO Tiago Durães Coelho 1, Débora Alves Guariglia 2 RESUMO De acordo com a cronobiologia, as funções

Leia mais

ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR

ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 3 a 6 de outubro de 007 ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR Márcia Marta Hoff 1 ; Aline

Leia mais

HORÁRIO DE VERÃO. Cláudio Viveiros de Carvalho Consultor Legislativo da Área XVI Saúde e Sanitarismo ESTUDO ESTUDO

HORÁRIO DE VERÃO. Cláudio Viveiros de Carvalho Consultor Legislativo da Área XVI Saúde e Sanitarismo ESTUDO ESTUDO ESTUDO HORÁRIO DE VERÃO Cláudio Viveiros de Carvalho Consultor Legislativo da Área XVI Saúde e Sanitarismo ESTUDO NOVEMBRO/2009 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III -

Leia mais

1- Professor do curso de Fisioterapia do Campus Universitário Tubarão.

1- Professor do curso de Fisioterapia do Campus Universitário Tubarão. ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR VERSUS CRONOTIPO DOS ALUNOS DE TURNO NOTURNO DOS CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE DE TUBARÃO Msc. Ralph Fernando Rosas 1 Introdução: As atividades de aula no turno noturno nos cursos

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

CRONOTIPO E QUALIDADE DE SONO EM ESTUDANTES UNIVERSÍTARIOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA

CRONOTIPO E QUALIDADE DE SONO EM ESTUDANTES UNIVERSÍTARIOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA Recebido em: 27/02/2009 Emitido parece em: 17/03/2009 Artigo original CRONOTIPO E QUALIDADE DE SONO EM ESTUDANTES UNIVERSÍTARIOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA RESUMO Jackson Farias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MINTER-UFRGS-UPF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MINTER-UFRGS-UPF UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MINTER-UFRGS-UPF Estudo do cronotipo em estudantes universitários de turno integral

Leia mais

Identificação dos Tipos Cronobiológicos da Equipe de

Identificação dos Tipos Cronobiológicos da Equipe de Identificação dos Tipos Cronobiológicos da Equipe de Atletismo de Paranavaí-Paraná, Qualidade do Sono e a Prática de Exercícios Físicos Identification of chronobiologycal types of athletics team of Paranavai-Parana,

Leia mais

Correlação entre ritmo circadiano, turno escolar e rendimento escolar de estudantes de 11 a 17 anos de idade em escolas de ensino fundamental e médio

Correlação entre ritmo circadiano, turno escolar e rendimento escolar de estudantes de 11 a 17 anos de idade em escolas de ensino fundamental e médio Correlação entre ritmo circadiano, turno escolar e rendimento escolar de estudantes de 11 a 17 anos de idade em escolas de ensino fundamental e médio Márcia Finimundi, Eduardo Pacheco Rico, Heloisa Junqueira

Leia mais

Relação Entre Ritmo Circadiano, Turno e Rendimento Escolar de Alunos do Ensino Fundamental

Relação Entre Ritmo Circadiano, Turno e Rendimento Escolar de Alunos do Ensino Fundamental doi: 10.4181/RNC.2013.21.805.9p Relação Entre Ritmo Circadiano, Turno e Rendimento Escolar de Alunos do Ensino Fundamental Relationship Among Circadian Rhythm, Starting Time To School, And School Performance

Leia mais

Uma conexão entre o sono e a fome

Uma conexão entre o sono e a fome ciência FISIOLOGIA y Uma conexão entre o sono e a fome Hormônio que indica ao corpo a hora de dormir também regula a ingestão de alimentos e o acúmulo de gordura A melatonina, hormônio produzido pela glândula

Leia mais

Katie Moraes de Almondes John Fontenele de Araújo

Katie Moraes de Almondes John Fontenele de Araújo 37 Estudos de Psicologia 2003, 8(1), 37-43 Padrão do ciclo sono-vigília e sua relação com a ansiedade em estudantes universitários Katie Moraes de Almondes John Fontenele de Araújo Universidade Federal

Leia mais

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Recupere do sono o ritmo Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Prefácio O sono é fundamental na vida de todos nós. Dormir não é um luxo, mas sim uma necessidade fisiológica que devemos respeitar.

Leia mais

Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação

Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação QUÍMICA DO SONO Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação combinada de diversas substâncias químicas

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

Artigos científicos / Scientific articles

Artigos científicos / Scientific articles Artigos científicos / Scientific articles Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 1, p. 62-68, jan./jun. 2011 CRONOTIPAGEM DE SURFISTAS PROFISSIONAIS BRASILEIROS Leandro dos Santos Afonso Universidade de Ibirapuera

Leia mais

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Sono com qualidade apresentação Uma boa noite de sono nos fazer sentir bem e com as forças renovadas. O contrário também vale. Uma péssima noite

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O HORÁRIO BRASILEIRO DE VERÃO

INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O HORÁRIO BRASILEIRO DE VERÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O HORÁRIO BRASILEIRO DE VERÃO SRT Data atualização: 10/02/2004 pág. ================================================================ HORÁRIO BRASILEIRO DE VERÃO ================================================================

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE RITMO CIRCADIANO/RENDIMENTO ESCOLAR/TURNO ESCOLAR DE ESTUDANTES DE ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE FARROUPILHA/RS MÁRCIA FINIMUNDI

A RELAÇÃO ENTRE RITMO CIRCADIANO/RENDIMENTO ESCOLAR/TURNO ESCOLAR DE ESTUDANTES DE ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE FARROUPILHA/RS MÁRCIA FINIMUNDI UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE A RELAÇÃO ENTRE RITMO CIRCADIANO/RENDIMENTO ESCOLAR/TURNO

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

* Quando voce teve problema para adormecer ou continuar SIM NAO dormindo ou dormindo muito?

* Quando voce teve problema para adormecer ou continuar SIM NAO dormindo ou dormindo muito? Inventario Pessoal para Depressao e DAS Versao de auto-avaliaçao (PID-SA) Este questionario pode ajudar voce a decidir se deve consultar um clinico sobre depressao, caso depressao afetiva sazonal (DAS)

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Resumo Sistema de registo de eventos em diário electrónico, implementado em telemóvel, para auxílio no diagnóstico de distúrbios do sono

Resumo Sistema de registo de eventos em diário electrónico, implementado em telemóvel, para auxílio no diagnóstico de distúrbios do sono Resumo Sistema de registo de eventos em diário electrónico, implementado em telemóvel, para auxílio no diagnóstico de distúrbios do sono O presente evento é um diário electrónico do sono para registo de

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR 20 a 24 de outubro de 2008 INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR Ilario Eing Granado 1 ; Fernanda Ferreti Vasconcelos¹; Joaquim Martins

Leia mais

MUSICOTERAPIA E RITMOS BIOLÓGICOS : O Ciclo Vigília/Sono de Crianças Portadoras de TDA/H Submetidas à Musicoterapia. Estudo de Casos.

MUSICOTERAPIA E RITMOS BIOLÓGICOS : O Ciclo Vigília/Sono de Crianças Portadoras de TDA/H Submetidas à Musicoterapia. Estudo de Casos. FACULDADE PAULISTA DE ARTES CURSO GRADUAÇÃO EM MUSICOTERAPIA MUSICOTERAPIA E RITMOS BIOLÓGICOS : O Ciclo Vigília/Sono de Crianças Portadoras de TDA/H Submetidas à Musicoterapia. Estudo de Casos. MARIA

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC 01) Qual o seu estado civil? A) Solteiro(a). B) Casado(a). C) Separado(a)/desquitado(a)/divorciado(a). D) Viúvo(a). E) Outro. 02) Como você se considera? A) Branco(a). B) Negro(a). C) Pardo(a)/mulato(a).

Leia mais

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo)

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 11:14:46 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/9 Índice analítico Índice

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA

O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA Dra. Betina Tschiedel Martau Arquiteta e Urbanista, Professora Adjunta III

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT Igor Madson Fernandes dos Santos 1, Bruno dos Santos Guimarães 1, Renato Vieira Costa 1, Luiz Carlos Baldicero Molion² e João Rafael

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 Modalidade: Mesa Redonda TÍTULO DA MESA: UTILIZAÇÃO DOS SUBTESTES RACIOCÍNIO MATRICIAL E CÓDIGOS DO BETA III EM DIVERSOS CONTEXTOS Coordenador da mesa:

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO SONO ¹

REFLETINDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO SONO ¹ REFLETINDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO SONO ¹ Conceição, D.²; Feltrin, J.²; Gracioli, M.³; Moro, A.²; Oliveira, D.²; Pereira, S.²; Rodrigues, A.² 1-Trabalho de pesquisa-unifra 2-Acadêmicos do curso

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Ensino. Análise Estatística. Desempenho Matemático. Abstract. Key words: Teaching. Statistic Analysis. Mathematic Performance.

Resumo. Palavras-chave: Ensino. Análise Estatística. Desempenho Matemático. Abstract. Key words: Teaching. Statistic Analysis. Mathematic Performance. Desempenho dos alunos do curso de matemática-habilitação licenciatura: do vestibular ao º ano de curso Desempenho dos alunos do curso de matemática habilitação licenciatura: do vestibular ao º ano de curso

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

DCHEIMY JANAYNA BAESSA NÍVEIS DE ATIVAÇÃO E CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE NADADORES ADULTOS COM DIFERENTES CRONOTIPOS

DCHEIMY JANAYNA BAESSA NÍVEIS DE ATIVAÇÃO E CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE NADADORES ADULTOS COM DIFERENTES CRONOTIPOS DCHEIMY JANAYNA BAESSA NÍVEIS DE ATIVAÇÃO E CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE NADADORES ADULTOS COM DIFERENTES CRONOTIPOS CURITIBA 2011 DCHEIMY JANAYNA BAESSA NÍVEIS DE ATIVAÇÃO E CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP JAROSKEVICZ, L.; MARIN, T. Resumo: A fase da adolescência e adulta é o momento de maior impacto na vida do indivíduo

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Proposta do Programa de Fadiga Avianca Brasil

Proposta do Programa de Fadiga Avianca Brasil Proposta do Programa de Fadiga Avianca Brasil Marcia Fajer Coordenadora de Fator Humano Diretoria de Segurança Operacional Elizeth Lacerda Coordenadora de CRM e LOFT Diretoria de Operações Roteiro Contexto

Leia mais

A Escolha Profissional de Estudantes dos Cursos Técnicos Integrados da UTFPR sob a perspectiva de gênero

A Escolha Profissional de Estudantes dos Cursos Técnicos Integrados da UTFPR sob a perspectiva de gênero A Escolha Profissional de Estudantes dos Cursos Técnicos Integrados da UTFPR sob a perspectiva de gênero The Professional Choice for Students of Integrated Technical Courses the UTFPR from the perspective

Leia mais

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET L. Tomás A. de Mello 1, Lauro T. G. Fortes 1, Paulo S. Lucio 1, Francisco de P. Manhaes 1, Edmundo

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Uma cidade localizada a 70º de longitude está adiantada em quantas horas do meridiano de Greenwich? a) 3 horas b)

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Verbs - Simple Tenses

Verbs - Simple Tenses Inglês Prof. Davi Verbs - Simple Tenses Simple Present Simple Past Simple Future Simple Present - Formação Infinitivo sem o to Ausência do auxiliar (usa-se to do ) Inclusão de s na 3ª pessoa do singular

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina

Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina Liga Acadêmica de Farmacologia Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina Prof. Dr. Luiz Carlos dos Reis Melatonin, human aging, and age-related diseases M Karaseka Experimental Gerontology

Leia mais

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ Ângela Beatriz F. da Costa, Heverly Morais, Paulo Henrique Caramori, Wilian da Silva Ricce,, Letícia Trindade Ataíde,, Inês Fumiko

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015

CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015 CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015 A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

BRUXISMO EM CRIANÇAS COM DENTIÇÃO MISTA (A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO)

BRUXISMO EM CRIANÇAS COM DENTIÇÃO MISTA (A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO) BRUXISMO EM CRIANÇAS COM DENTIÇÃO MISTA (A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO) Dissertação apresentada à Universidade Católica Portuguesa Para obtenção do grau de Mestre em Medicina Dentária Por: Carla Sofia

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA.

UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA. UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA. Felipe Daniel C. Espindola, 12 Ernani de Lima Nascimento 1, Lincon T. Carabagialle 1

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

ENADE: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA PUCSP SOBRE O EXAME

ENADE: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA PUCSP SOBRE O EXAME 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 EDUCAÇÃO ENADE: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA PUCSP SOBRE O EXAME DÉBORA VALIM CIRINO - Curso de Pedagogia Faculdade de Educação PROF.ª

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio alemanha Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética

Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética André Luis Boaventura Nathália Aparecida Lopes João Ricardo Neves Ana Maria Osório Araya Resumo A motivação para essa pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

EDUCAÇÃO E VIOLÊNCIA: ANÁLISE DE POLÍTICAS IMPLEMENTADAS NA CIDADE DE SÃO PAULO

EDUCAÇÃO E VIOLÊNCIA: ANÁLISE DE POLÍTICAS IMPLEMENTADAS NA CIDADE DE SÃO PAULO EDUCAÇÃO E VIOLÊNCIA: ANÁLISE DE POLÍTICAS IMPLEMENTADAS NA CIDADE DE SÃO PAULO Aluno: Caio Praes Orientador: João Manoel Pinho de Mello Introdução A questão principal do estudo envolve entender os meandros

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 3 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC Lúcio Flávio Nunes Moreira luciof@fumec.br Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC Rua Cobre, 200 Cruzeiro 30.310-190 -

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Tempo e qualidade de sono autoinformada versus alerta e atenção em trabalhadores de dois turnos

Tempo e qualidade de sono autoinformada versus alerta e atenção em trabalhadores de dois turnos Tempo e qualidade de sono autoinformada versus alerta e atenção em trabalhadores de dois turnos Sleep quality and total sleep time reported versus alertness and attention in shiftworkers Moreno de Souza

Leia mais