Município de Guimarães

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Município de Guimarães"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE Município de Guimarães Resultados Globais 2010/2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Co-financiamento Parceria

2 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais ÍNDICE Introdução 1 Resultados do Município de Guimarães e da Sub-região do Minho 2 Satisfação, Recomendação e Revisita do Turista 3 O Perfil do Turista 4 A Imagem do Município e da Sub-região 8 Os Recursos Turísticos 9 As Infra-estruturas de Suporte ao Turismo 10 Época Alta vs. Época Baixa 12 Comparação de Resultados entre as Épocas 13 Recomendações para o Município de Guimarães 14 Recomendações 15 Síntese de Recomendações 20 Conclusões 21 Anexos 23 Ficha Técnica 29

3 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 1 INTRODUÇÃO A análise apresentada neste relatório incide apenas sobre os turistas hospedados em alojamentos colectivos (i.e., excluem-se os turistas que ficaram em casas privadas), pelo que os resultados relativos à Sub-região do Minho poderão ser diferentes daqueles apresentados no relatório correspondente. O estudo realizado pelo consórcio constituído pela Qmetrics - Serviços de Consultadoria, Gestão e Avaliação da Qualidade e Satisfação, S.A., e pelo Instituto Superior de Estatística e Gestão da Informação da Universidade Nova de Lisboa (ISEGI/UNL) resulta de uma iniciativa da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRn), ecom aparticipaçãoactivadoturismodeportugal,ip, com o objectivodeaferiraqualidadeeasatisfação dos turistas com a Região Norte de Portugal. Este estudo inovador permite, pela primeira vez, uma visão bastante completa de toda a realidade do turismo na Região Norte, contemplando a avaliação dos seus vários aspectos, ao nível das atracções turísticas ou das infraestruturas que suportam o turismo na Região. Os resultados são representativos dos meses de Abril de 2010 a Março de 2011 ao nível das quatro Sub-Regiões de destino (Douro, Minho, Porto e Trás-os-Montes), de cinco municípios de projectos-piloto (Braga, Bragança, Guimarães, Porto e Vila Real) e de seis mercados de origem (Alemanha, Espanha, França, Portugal, Reino Unido e Outros Países). Visto que a recolha de dados abrangeu 12 meses, os resultados reflectem também características específicas das Épocas Alta e Baixa. A população-alvo deste estudo é constituída pelos turistas em visita à Região Norte, excluindo os que estão em visita a familiares ou amigos, cuja visita não tenha um carácter de lazer, recreio ou férias, como são o exemplo dos visitantes que efectuam assistência a familiares por motivos de saúde ou outra situação; os que se alojam em pousadas de juventude e parques de campismo; e os que se instalam em alojamentos privados e que cheguem por outra via que não o aeroporto Francisco Sá Carneiro. Foram efectuadas entrevistas em dois tipos de pontos de inquérito distintos: o aeroporto Francisco Sá Carneiro, e mais de sessenta alojamentos colectivos representativos das diferentes tipologias de empreendimentos turísticos da Região Norte. Na Sub-região do Minho, foram realizadas entrevistas em 14 alojamentos colectivos distintos, sendo que, no Município de Guimarães, foram 5 os alojamentos que serviram de ponto de intercepção dos turistas. Estes estabelecimentos foram visitados de forma recorrente ao longo do período analisado. No aeroporto Francisco Sá Carneiro, além do objectivo já enunciado, de modo a dar resposta ao objectivo central deste estudo, foi efectuada uma caracterização dos passageiros, com vista a identificar a percentagem de turistas entre os que estão de partida. O presente relatório contém a análise dos resultados do município de Guimarães (i.e., relativos à subpopulação de turistas que visitam este destino), bem como a análise dos resultados da Sub-região do Minho, de modo a evidenciar as particularidades do turismo no Município face ao turismo na Sub-região. Nota: Foram excluídas as não respostas das percentagens apresentadas neste relatório.

4 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 2 Resultados do Município de Guimarães e da Sub-região do Minho

5 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 3 Satisfação, Recomendação e Revisita do Turista Foram realizados estudos específicos para cinco municípios-piloto da Região Norte e a análise que se apresenta seguidamente refere-se aos turistas que visitam um destes municípios, precisamente Guimarães. Nesta secção são também efectuadas comparações com os resultados da Sub-região em que se insere o município, que neste caso é a Sub-região do Minho. Particularmente neste relatório, como já referido, são analisados apenas os turistas no Minho que se hospedaram em alojamentos colectivos. O Município de Guimarães regista um valor de Satisfação de 7,5 pontos, obtendo a Recomendação e a Revisita, respectivamente, 7,9 e 7,0 pontos. A probabilidade de Recomendação de Guimarães tem uma avaliação de 7,9 pontos, sendo considerada positiva. Figura 1: Valorizações Médias da Satisfação e das suas Dimensões Antecedentes e Consequentes entre Turistas em Guimarães e no Minho ,4 8,1 8,1 7,9 8,0 8,0 7,9 7,9 7,5 7,6 7,7 8 6,9 7,0 7, Imagem Recursos Turísticos Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Preço Apercebido Satisfação Recomendação Revisita Guimarães Minho Para Guimarães, de entre as dimensões antecedentes da Satisfação, o Preço Apercebido, com 6,9 pontos, tem a valorização mais baixa. Nas demais dimensões não há diferenças significativas entre as valorizações obtidas por Guimarães e pelo Minho. Seguidamente, apresentam-se as características associadas aos turistas mais satisfeitos, bem como aquelas associadas aos turistas menos satisfeitos: Provêm da Alemanha Os turistas com índices mais elevados de Satisfação: Viajam entre Abril e Junho Têm habilitações superiores Deslocam-se de avião ao Norte Têm entre 45 e 64 anos de idade Os turistas com índices mais baixos de Satisfação: Têm habilitações ao nível do ensino básico Viajam entre Julho e Setembro Realizaram 2 a 3 visitas ao destino Têm entre 25 e 44 anos de idade Provêm de Espanha

6 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 4 O Perfil do Turista Seguidamente comparam-se alguns aspectos que caracterizam os turistas que visitam o Município de Guimarães e a Sub-região do Minho. Em Guimarães, assim como no Minho, a maioria dos turistas provêm do mercado português. No entanto, em Guimarães, o peso do mercado interno é ligeiramente inferior. Figura 2: Mercado de Origem do Turista em Guimarães e no Minho DE ONDE VEM? 10 72,6% Guimarães Minho 63,3% 5 15,9% 10,5% 9,7% 9,6% 5,1% 3,7% 5,0% 2,0% 1,1% 1,7% Portugal Outros Espanha França Alemanha Reino Unido Relativamente ao motivo da viagem, também em Guimarães a maioria dos visitantes vêm em lazer, recreio ou férias. De notar, contudo, em comparação com o Minho, o peso mais acentuado dos que visitam o Município em negócios ou actividades profissionais. Figura 3: Principal Motivo da Viagem PORQUE VEIO? 10 79,0% 81,9% 5 LRF 19,1% 12,8% Negócios/ activ. profissionais Guimarães Minho 1,9% 4,2% 1,1% Visita fam./amig. (LRF) Visita fam./amig. (outros) Outros Mais de 70% dos turistas em Guimarães chegam ao Norte de automóvel, percentagem um pouco inferior à dos turistas no Minho que utilizam este mesmo meio de transporte. Figura 4: Meio de Transporte para Deslocação ao Norte COMO VEIO? 10 78,3% 71,7% Guimarães Minho 5 19,0% 15,4% 6,1% 0,7% 3,3% 4,8% 0,8% Automóvel Avião Comboio Autocarro Outros

7 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 5 O Perfil do Turista Mais de 50% dos turistas visitam Guimarães pela primeira vez, em contraste com os turistas mais recorrentes do Minho. Figura 5: Número de Visitas ao Destino (Últimos 5 Anos) QUANTAS VISITAS FEZ? 10 Guimarães 58,5% 54,0% 5 26,1% 27,3% 19,9% 14,1% 1 vez 2 a 3 vezes 4 ou mais vezes Minho Em Guimarães, os turistas hospedam-se essencialmente em hotéis ou pousadas, numa percentagem superior à observada no Minho. Figura 6: Último Alojamento em que o Turista se Hospedou ONDE SE HOSPEDOU? 10 92,3% Guimarães Minho 66,1% 5 27,0% 7,7% 6,3% 0,6% Hotel e Pousada Estalag., Pensão, etc. TER Outros Tal como no Minho, os visitantes de Guimarães viajam na sua grande maioria em família. Figura 7: Quem Acompanhou o Turista na Viagem COM QUEM VEIO? 100,00% 75,5% 76,1% Guimarães Minho 50,00% 16,7% 7,8% 7,3% 7,6% 7,8% 0,3% 0,2% 0,7% 0,00% Em família Com amigos Sozinho Com famil. e amig. Em excursão

8 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 6 O Perfil do Turista Também em Guimarães, mais de metade dos turistas despendem menos de 50 euros por dia, excluídos os custos do alojamento e da viagem. Figura 8: Gasto Diário Médio (Exclusive Alojamento e Viagem) QUANTO GASTOU? 10 Guimarães 55,0% 55,7% 5 39,2% 38,8% 5,8% 5,5% Menos de 50 euros 50 a 100 euros Mais de 100 euros Minho Os principais meios de conhecimento do Município, tal como da Sub-região, são as visitas anteriores e a recomendação de familiares e amigos. Contudo, destaca-se no Município a importância da internet. Figura 9: Meios de Conhecimento do Destino COMO CONHECEU O DESTINO? (1) ,4% 35,3% 41,7% 33,3% 31,0% 17,0% 20,7% Visit. anteriores Por famil./amig. Internet Folhetos ou guias turísticos Guimarães 16,8% 2,1% 3,2% Televisão Minho Em Guimarães, é com visitas a locais históricos que o turista despende mais de metade do tempo, percentagem significativamente superior à que o turista no Minho despende na mesma actividade. Figura 10: Actividades Realizadas pelo Turista Durante a Estadia (em Percentagem de Tempo) COMO OCUPOU O TEMPO ÚTIL? (2) 100,00% 50,00% 0,00% 50,5% 32,5% 15,3% 11,9% 14,7% 10,1% Visitar locais hist. Lazer na terra Negócios/ activ. prof. Guimarães 7,4% 4,5% 7,5% 2,8% 3,2% 39,5% Compras Vinho/ gastron. Outras Minho (1) Aqui são apresentadas apenas as cinco classes mais referidas. (2) Para os efeitos deste relatório, entende-se por tempo útil o tempo de que o turista dispõe durante a viagem para realizar actividades de diversa natureza (recreativas ou profissionais), exceptuando-se o tempo diário destinado ao sono e a refeições sem motivação turística (isto é, refeições que simplesmente atendam a necessidades fisiológicas).

9 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 7 O Perfil do Turista Síntese: Perfil do Turista do Município de Guimarães Resumidamente, o turista que visita Guimarães maioritariamente É proveniente do mercado português Tem como principal motivo da viagem lazer, recreio ou férias Hospeda-se em hotéis ou pousadas Viaja em família Tem entre 45 e 64 anos (58,1%) e habilitações superiores Está em 1ª visita ao Município Utiliza o automóvel para a deslocação à Região Norte Gasta menos de 50 euros por dia (excluídos os custos de alojamento e viagem) Tomou conhecimento de Guimarães através das visitas anteriores ou da recomendação de familiares e amigos Despende a maior parte do tempo em visitas a locais históricos

10 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 8 A Imagem do Município e da Sub-região Assim como ocorre no Minho, os turistas em Guimarães têm uma imagem positiva do Município. A singularidade do Município e a simpatia das pessoas para com os visitantes (ambos com 8,3 pontos), a segurança e a limpeza nas ruas e locais visitados (ambos com 8,1 pontos) são os indicadores mais bem avaliados. Já as percepções sobre a qualidade ambiental (com 7,8 pontos) e a imagem de modernidade (com 7,6 pontos) apresentam as valorizações médias menos positivas. Ainda assim, a imagem de modernidade de Guimarães tem uma valorização média superior à da Sub-região em 0,6 pontos (1). Figura 11: Valorizações Médias da Dimensão Imagem e Respectivos Indicadores entre Turistas em Guimarães e no Minho ,1 8,1 8,3 8,5 8,1 8,0 7,6 7,0 7,1 8,3 8,3 8,1 8,0 7,8 8, Imagem Simpatia Segurança Modernidade Saúde Singularidade Limpeza Qualidade Ambiental Guimarães Minho Aspectos que mais positivamente marcaram o turista Figura 12: Aspectos positivos do Município de Guimarães Património histórico Acolhimento 11,2% 49,9% São marcantes a paisagem, o património naturale edificado, a historia... Toda a história, os edifícios, o castelo, beleza e esplendor característicos, conservação dos monumentos. Cidade muito bonita, calma, boa gente, histórica. Arquitectura 10,2% Tranquilidade 9,6% Cultura 4,1% Natureza 3,3% 25,0% 5 (1) Para o indicador Existência de serviços de saúde em caso de necessidade em Guimarães, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresentam os respectivos valores médios.

11 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 9 Os Recursos Turísticos Os Recursos Turísticos apresentam em Guimarães um desempenho semelhante ao do Minho. O Património Histórico (8,3 pontos) apresenta a valorização mais elevada, sendo superior à registada para o Minho. Por seu turno, o Meio Natural e Rural (7,6 pontos) obtém a valorização menos positiva. (1). Figura 13: Valorizações Médias da Macro Dimensão Recursos Turísticos e Respectivas Dimensões entre Turistas em Guimarães e no Minho ,9 Recursos Turísticos 8,0 8,3 Património Histórico 7,6 7,9 Gastronomia 8,5 7,6 Meio Natural e Rural 7,8 8,0 7,9 Meio Urbano Guimarães Minho A análise ao nível dos indicadores que compõem cada uma das dimensões constituintes da macro dimensão dos Recursos Turísticos (2) evidencia semelhanças entre as avaliações dos turistas em Guimarães e no Minho quanto à harmonia e enquadramento dos edifícios na paisagem do meio natural e rural e também quanto à paisagem edificada no meio urbano. Os indicadores do Património Histórico apresentam-se, em Guimarães, como sendo mais bem avaliados do que no Minho, sobretudo a preservação do património histórico, cuja avaliação é superior em 0,8 pontos à da Sub-região. (1) Para a dimensão Cultura tanto em Guimarães como no Minho, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresentam os respectivos valores médios. (2) Ver os anexos para uma apresentação pormenorizada dos indicadores das dimensões que compõem os Recursos Turísticos e respectivas valorizações médias.

12 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 10 As Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Em relação às Infra-estruturas que suportam o turismo em Guimarães, denota-se principalmente uma avaliação superior da Informação Turística e qualidade da rede de Internet relativamente ao Minho (1). As valorizações médias mais altas são observadas no Alojamento, Telemóvel e Acessibilidades, obtendo valores superiores a 8,0 pontos. À excepção das Actividades de Lazer, que registam 7,3 pontos, as restantes dimensões registam valorizações médias iguais a 7,8 pontos. Figura 14: Valorizações Médias da Macro Dimensão Infra-estruturas de Suporte ao Turismo e Respectivas Dimensões entre Turistas em Guimarães e no Minho ,0 7,9 7,8 Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Informação Turística 7,3 7,3 7,3 Actividades de Lazer 8,3 Telemóvel 8,6 7,8 7,8 8,0 7,3 Internet Restauração 8,3 Alojamento 8,3 8,1 Acessibilidades 7,9 Guimarães Minho Na macro dimensão das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo (2), identificam-se os indicadores acolhimento e atendimento e qualidade do serviço prestado no Alojamento (ambos com 8,4 pontos) como os que apresentam as mais elevadas valorizações médias. Entre os aspectos com avaliação menos positiva, destaca-se a diversidade de actividades de lazer, com 7,3 pontos, avaliação superior em 0,1 pontos à registada para o Minho. (1) Para as dimensões Negócios, Transportes Públicos e Saúde e Bem-estar, tanto em Guimarães como no Minho, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresentam os respectivos valores médios. (2) Ver os anexos para uma apresentação pormenorizada dos indicadores das dimensões que compõem as Infraestruturas de Suporte ao Turismo e respectivas valorizações médias.

13 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 11 As Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Na sequência da apresentação da valorização média da dimensão Restauração, indicam-se os cinco principais motivos referidos pelos turistas para a escolha de um restaurante. No Município, a localização é o factor mais importante; já na Sub-região, os pratos regionais são o factor que mais condiciona a escolha. Figura 15: Motivos Determinantes para a Escolha de um Restaurante ESCOLHA DE RESTAURANTE (1) ,5% 26,7% 50,4% 30,5% 29,4% 24,7% 25,3% 22,4% A localização Os pratos regionais O preço A recomendação por A recomendação por guias turísticos/revistas amigos/familiar 9,9% Guimarães Minho 27,8% Da mesma forma, é apresentada seguidamente a distribuição de frequências dos meios de transporte utilizados pelos turistas para circularem dentro do destino visitado. Comparando o Município com a Sub-região, constata-se que o mais utilizado em ambos é a viatura individual, contudo, no Minho esta apresenta uma preponderância(quase 80%). Denota-se ainda que os transportes públicos são preteridos em relação aos restantes. Em Guimarães, a percentagem de turistas que andaram unicamente a pé é também relevante. Figura 16: Meios de Transporte Utilizados para Circular dentro do Destino TRANSPORTE NO DESTINO (1) 10 Guimarães Minho 79,5% 5 54,8% Viatura individual 24,6% 2,2% Andou unicamente a pé 10,2% 7,9% 5,8% 8,2% 5,3% Viatura alugada Autocarro privado Taxi 3,9% (1) Aqui são apresentadas apenas as cinco classes mais referidas. (2) Autocarro público, comboio e táxi.

14 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 12 Época Alta vs. Época Baixa

15 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 13 Comparação de Resultados entre as Épocas Quer o perfil do turista, quer a sua apreciação relativamente aos aspectos que compõem a experiência turística podem variar de acordo com a época analisada. Relativamente ao perfil do turista que visita o Município de Guimarães foram identificadas algumas diferenças significativas ao nível do principal motivo da viagem e do acompanhante do turista durante a viagem, apresentadas nos gráficos a seguir. Figura 17: Principal Motivo da Viagem (Ép. Alta e Baixa) PORQUE VEIO? LRF Negócios/ activ. profissionais Visita fam./amig. (LRF) Visita fam./amig. (outros) 3,3% 16,2% 23,2% 80,5% 76,8% Ép. Alta Ép. Baixa Figura 18: Quem Acompanhou o Turista na Viagem (Ép. Alta e Baixa) COM QUEM VEIO? Em família 73,7% 78,2% Com amigos 19,5% 12,5% Sozinho 6,0% 9,3% Ép. Alta Com famil. e amig. 0,5% Ép. Baixa Outros Em excursão 0,3% ,00% 50,00% 100,00% Verifica-se que na Época Baixa a percentagem de turistas em lazer, recreio ou férias decresce ligeiramente comparativamente com a Época Alta, por oposição, a percentagem de turistas em negócios aumenta. Em relação ao acompanhante do turista durante a viagem, verificou-se que na Época Baixa a percentagem de turistas que viajam em família ou desacompanhados aumenta, enquanto a percentagem de turistas com amigos diminui. Nesta secção, serão destacadas as diferenças mais significativas na avaliação dos turistas entre Época Alta e Baixa. Tabela 1: Diferenças Significativas entre as Épocas Alta e Baixa ao Nível das Dimensões e Indicadores da Experiência Turística Dimensão/Indicador Época Alta Época Baixa Revisita 6,8 7,3 Zona com modernidade e virada para o futuro 7,9 7,2 Meio Urbano 8,3 7,6 As principais diferenças estão ao nível da probabilidade de Revisita, cujo valor da Época Baixa é superior ao da Época Alta. Por outro lado, a imagem de modernidade da zona e o Meio Urbano são aspectos cujos valores da Época Alta são superiores aos da Época Baixa.

16 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 14 Recomendações para o Município de Guimarães

17 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 15 Recomendações Seguidamente apresentam-se os aspectos da experiência turística(ou dimensões) que podem ser considerados como pontos fortes, constrangimentos e/ou áreas prioritárias de actuação, tendo em vista a Satisfação e a Revisita dos turistas ao Município de Guimarães. Estas dimensões são identificadas com base na distância entre as valorizações médias atribuídas pelo conjunto dos turistas e as valorizações médias atribuídas por um grupo de referência (neste caso, os 20% turistas mais satisfeitos), e também com base no impacto (ou importância) que cada dimensão tem na Satisfação do turista, calculado através do Modelo de Satisfação. Para o efeito, utilizam-se dois instrumentos: Mapa de Recomendação: representa visualmente o desempenho das dimensões analisadas bem como a sua importância na explicação da Satisfação. O mapa divide-se em quatro quadrantes: a. Quadrante I: encontram-se as variáveis com menor distância ao grupo de referência (os 20% turistas mais satisfeitos) e simultaneamente mais importantes para a Satisfação do turista. São variáveis para as quais se recomenda a sua valorização. b. Quadrante II: encontram-se as variáveis com menor importância para a Satisfação do Turista, mas cuja distância ao grupo de referência é relativamente pequena (está abaixo da média). São variáveis sobre as quais a actuação é menos prioritária, requerendo, se possível, a manutenção dos actuais níveis de desempenho. c. Quadrante III: assim como no Quadrante II, encontram-se as variáveis com menor importância para a Satisfação do turista. No entanto, a distância ao grupo de referência está acima da média, pelo que se requer forte vigilância, bem como algum esforço de melhoria (embora com menor prioridade relativamente às variáveis que se encontram associadas ao Quadrante IV). d. Quadrante IV: encontram-se as variáveis com maior distância ao grupo de referência, mas muito importantes para a Satisfação do Turista. Estas variáveis constituem assim as mais fortes prioridades de actuação no sentido de melhorar a Satisfação dos turistas. Tabela Síntese de Recomendações: de entre os aspectos constituintes das dimensões apresentadas nos Mapas de Recomendações, identifica aqueles com maior prioridade de actuação com vista ao aumento da Satisfação do turista. São apresentados os indicadores com maior prioridade de actuação, independentemente da dimensão a que pertencem. Importa referir que, quando ordenados de acordo com a prioridade da dimensão a que pertencem, estes indicadores podem apresentar diferentes prioridades de actuação. De reforçar que, para um aspecto ter prioridade de actuação, não basta que tenha obtido valorizações médias baixas; é necessário conjugar esta informação com a importância que este tem na Satisfação do turista.

18 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 16 Recomendações Figura 19: Mapa de Recomendação das Dimensões Explicativas da Satisfação MAPA DE RECOMENDAÇÃO Distância aos 20% mais Satisfeitos -0,50-0,65-0,80-0,95-1,10 0,00 II MANTER Preço Apercebido IIIVIGIAR 0,15 Recursos Turísticos Imagem VALORIZAR I Infra-estruturas de Suporte ao Turismo MELHORAR IV 0,30 Importância na Satisfação (1) Com vista ao aumento da satisfação dos turistas que visitam Guimarães, recomenda-se dar prioridade: À valorização e melhoria contínua das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo; À melhoria dos Recursos Turísticos do Município; À valorização e melhoria contínua da Imagem do Município. O Preço Apercebido não evidenciou ter importância para a satisfação dos turistas que visitam o Município, pelo que não constitui um aspecto com prioridade de actuação. Apresentam-se de seguida as acções que devem ser empreendidas para melhorar cada uma das dimensões prioritárias. (1) A Importância na Satisfação é traduzida pelo impacto total de cada dimensão na Satisfação.

19 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 17 Recomendações - Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Figura 20: Mapa de Recomendação das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo MAPA DE RECOMENDAÇÃO Distância aos 20% mais Satisfeitos -0,54-0,74-0,94-1,14 0,00 II MANTER Internet IIIVIGIAR Telemóvel Actividades de lazer 0,04 Informação Turística Acessibilidades Alojamento 0,08 VALORIZAR I Restauração MELHORAR IV 0,12 Importância na Satisfação (1) Relativamente às Infra-estruturas de Suporte ao Turismo, as intervenções com maior efeito na satisfação do turista que visita Guimarães são: A melhoria dos aspectos relacionados com o serviço de Restauração, sobretudo ao nível da simpatia e amabilidade dos funcionários, do serviço prestado (ementas, variedade de pratos, etc.) e da qualidade global da alimentação destes estabelecimentos; O aprimoramento dos aspectos relacionados com os Alojamentos, sobretudo ao nível da qualidade do acolhimento e atendimento nestes estabelecimentos. Intervenções ao nível das Acessibilidades, das Actividades de Lazer, da Informação Turística, da rede de Telemóvel e da rede de Internet afiguram-se como menos prioritárias para a melhoria da satisfação dos turistas que visitam Guimarães (2). (1) A Importância na Satisfação é traduzida pelo impacto total de cada dimensão na Satisfação. (2) Devido à base amostral reduzida (inferior a 30), as dimensões Negócios, Transportes Públicos e Saúde e Bem-estar não foram incluídas no Modelo de Satisfação.

20 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 18 Recomendações - Recursos Turísticos Figura 21: Mapa de Recomendação dos Recursos Turísticos MAPA DE RECOMENDAÇÃO Distância aos 20% mais Satisfeitos -0,25-0,55-0,85-1,15 II Património Histórico MANTER Meio Urbano Gastronomia VALORIZAR Meio Natural e Rural -1,45 0,054 III VIGIAR 0,056 I0,059 MELHORARIV Importância na Satisfação (1) Ao nível dos Recursos Turísticos, as acções prioritárias, isto é, que mais podem contribuir para o aumento da satisfação do turista que visita Guimarães, são: A melhoria da Gastronomia, sobretudo ao nível da qualidade dos vinhos regionais; A melhoria do Meio Natural e Rural, sobretudo ao nível da sua qualidade em termos de beleza natural e preservação. Intervenções ao nível do Meio Urbano e do Património Histórico afiguram-se como menos prioritárias para a melhoria da satisfação dos turistas que visitam Guimarães (2). (1) A Importância na Satisfação é traduzida pelo impacto total de cada dimensão na Satisfação.(2) Devido à base amostral reduzida(inferior a 30), a dimensão Cultura não foi incluída no Modelo de Satisfação.

21 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 19 Recomendações - Imagem Figura 22: Mapa de Recomendação da Imagem MAPA DE RECOMENDAÇÃO Distância aos 20% mais Satisfeitos -0,20-0,65 II MANTER Modernidade Qualidade Ambiental Segurança Limpeza VALORIZARI Singularidade -1,10 III VIGIAR Simpatia MELHORARIV 0,13 0,16 0,20 Importância na Satisfação (1) Para a melhoria da Imagem de Guimarães, as intervenções recomendadas prioritariamente estão ao nível: Da sensibilização para uma atitude simpática e hospitalidade das pessoas para com os visitantes; Da promoção das características singulares (naturais, culturais ou edificadas) do Município. Intervenções ao nível da Segurança, da Qualidade Ambiental, da Limpeza e da imagem de Modernidade afiguram-se como menos prioritárias para a melhoria da satisfação dos turistas que visitam Guimarães (2). (1) A importância na Satisfação é traduzida pelo peso de cada indicador na formação da Imagem. (2) Devido à base amostral reduzida (inferior a 30), o indicador Existência de serviços de saúde em caso de necessidade não foi incluído no Modelo de Satisfação.

22 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 20 Síntese de Recomendações Cada uma das dimensões analisadas nos mapas de recomendações anteriores desagrega-se em um ou mais indicadores, ou seja, aspectos concretos da experiência turística, sobre os quais se pode efectivamente actuar com vista ao aumento da satisfação do turista. De acordo com a importância que o indicador tem para a satisfação do turista e face ao desempenho relativo que o Município de Guimarães obteve neste indicador, foi elaborada uma síntese de recomendações que destaca os indicadores de actuação preferencial, isto é, aqueles cujo aperfeiçoamento produziria maior efeito na satisfação do turista. Neste sentido, a Tabela 2 apresenta as sete acções preferenciais para o aumento da satisfação do turista (1). Tabela 2: Síntese dos Indicadores de Actuação Prioritária Ordem de prioridade 1º Acção recomendada Sensibilizar a população para a importância de acolher bem o turista, demonstrando simpatia Importância para a Satisfação Elevada Desempenho relativo do Município de Guimarães no indicador* Fraco 2º Promover e valorizar os vinhos regionais Moderada Fraco 3º Promover a qualificação da paisagem edificada no meio urbano Elevada Elevado 4º Formar e qualificar os recursos humanos, de modo a aperfeiçoar o tratamento aos turistas Elevada Fraco 5º Valorizar e promover as características únicas da região Elevada Elevado 6º Investir na formação e qualificação comportamental dos recursos humanos da restauração Elevada Fraco 7º Preservar e valorizar o meio natural e rural Elevada Fraco * Foi calculada a distância da valorização média de cada indicador ao grupo de referência (20% turistas mais satisfeitos). Com base nesta distância, os indicadores foram divididos em três grupos: a) Desempenho Fraco, constituído pelos indicadores com as maiores distâncias ao grupo de referência; b) Desempenho Mediano, constituído pelos indicadores com distâncias moderadas ao grupo de referência; c) Desempenho Elevado, constituído pelos indicadores com as menores distâncias ao grupo de referência. Importa ressaltar que, tendo em vista as valorizações positivas de todos os indicadores apresentados na tabela (superiores a 7,7 pontos), as classificações "Desempenho Fraco" e "Desempenho Elevado" devem ser entendidas em termos relativos. Verifica-se que indicadores de actuação preferencial destacados apresentam importância elevada ou moderada para a satisfação do turista, associada a um desempenho relativo fraco ou elevado do Município de Guimarães nos mesmos. De referir que, não obstante o desempenho elevado, por ser mais importante para a satisfação do turista, a promoção da qualificação da paisagem edificada no meio urbano de Guimarães é mais prioritária do que a formação e qualificação dos recursos humanos dos alojamentos do Município. (1) Aqui são apresentados apenas os 7 indicadores com maior prioridade de actuação, independentemente da dimensão a que pertencem. Ver os anexos para uma apresentação pormenorizada dos indicadores de actuação prioritária, ordenados por dimensão prioritária.

23 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 21 CONCLUSÕES A Satisfação do turista com o Município de Guimarães enquanto destino turístico, bem como a Recomendação e a Revisita, são explicadas por aspectos como: A Imagem que os turistas têm do Município. A qualidade percepcionada dos Recursos Turísticos (ou Atracções) e das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo. O Preço Apercebido dos produtos e serviços dada a sua qualidade. Guimarães apresenta valorizações positivas para a Satisfação (7,5 pontos), a Recomendação (7,9 pontos) e a Revisita (7,0 pontos). Quanto às dimensões explicativas da Satisfação, o Preço Apercebido tem a valorização mais baixa(6,9 pontos), sendo a única abaixo dos 7,5 pontos. As demais dimensões (Imagem, Recursos Turísticos e Infra-estruturas de Suporte ao Turismo) apresentam valorizações positivas, cabendo ressaltar o desempenho das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo, melhor do que o observado na Sub-região do Minho. Os turistas em Guimarães têm uma imagem positiva do Município, igual à avaliação dos turistas no Minho (8,1 pontos). Nos indicadores da Imagem, a simpatia das pessoas para com os visitantes e a singularidade do Município (ambos com 8,3 pontos), além da segurança e da limpeza nas ruas e locais visitados (ambos com 8,1 pontos) são os mais bem avaliados. A imagem de modernidade (com 7,6 pontos) apresenta a valorização média mais baixa. Contudo, note-se que a imagem de modernidade de Guimarães tem uma valorização média superior em 0,6 pontos à da Sub-região(7,6 para o Município e 7,0 pontos para a Sub-Região), sendo esta a diferença mais significativa entre o Município e a Sub-região. Os Recursos Turísticos apresentam um desempenho positivo. Neste domínio, o Património Histórico (8,3 pontos) e o Meio Urbano (8,0 pontos) apresentam as mais elevadas valorizações, sendo também superiores às registadas para a Sub-região. Com valorizações mais baixas em Guimarães estão o Meio Natural e Rural e a Gastronomia (7,6 e 7,9 pontos). Nas Infra-estruturas que suportam o turismo em Guimarães e comparativamente com o Minho, distingue-se essencialmente uma avaliação mais positiva da Informação Turística e da rede de Internet e uma avaliação menos positiva da rede de Telemóvel e da Restauração. O Alojamento, a rede de Telemóvel e as Acessibilidades apresentam as valorizações médias mais altas, superiores a 8,0 pontos. As valorizações das dimensões estão todas acima dos 7,5 pontos. A qualidade do Alojamento quanto ao acolhimento e atendimento e ao serviço prestado (8,4 pontos) são os indicadores com a mais elevada valorização média. A diversidade de actividades de lazer (com 7,3 pontos) é o indicador com valorização mais baixa, sendo superior em apenas 0,1 pontos à registada para o Minho. Não obstante as valorizações médias já positivas, os aspectos que mais podem contribuir para a melhoria da Satisfação do turista que visita Guimarães são as intervenções ao nível das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo, dos Recursos Turísticos e Imagem. Nas Infra-estruturas de Suporte ao Turismo, que se apresentam como a dimensão mais prioritária com vista à maximização da Satisfação do turista em Guimarães, deve-se dar prioridade a intervenções ao nível da Restauração e do Alojamento. Na Restauração, deve-se actuar nomeadamente na simpatia e amabilidade dos funcionários, qualidade do serviço prestado e da alimentação. Ao nível do Alojamento, a actuação deve ser prioritária na qualificação dos recursos humanos quanto ao acolhimento e atendimento.

24 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 22 Relativamente aos Recursos Turísticos, que no Minho se apresentam como primeira prioridade, mas em Guimarães aparecem como segunda, sugere-se que se dê prioridade às acções ao nível da Gastronomia. A este nível, recomendase a qualificação e valorização dos vinhos regionais. Deve-se também ter atenção à qualidade e beleza natural do Meio Natural e Rural, bem como à sua preservação, aspectos que fascinam o turista. Ainda que a Imagem não seja uma das dimensões mais prioritárias, deve ser tida em conta como uma importante impulsionadora da Satisfação do turista que visita Guimarães. Neste sentido, deve-se apostar primeiramente na sensibilização da população para a importância do acolhimento dos visitantes. Seguidamente, deve-se investir na promoção das características únicas do Município e da sua qualidade ambiental. Embora o Preço Apercebido detenha, entre as dimensões explicativas da Satisfação, a mais baixa valorização média, esta dimensão não evidenciou importância na Satisfação do turista em Guimarães. Identificam-se muitas características comuns aos perfis dos turistas em Guimarães e no Minho. Tal como no Minho, a maioria dos turistas em Guimarães são provenientes do mercado interno e visitam o destino em lazer, recreio ou férias. Optam por viajar em família e escolhem hotéis ou pousadas para pernoitar. Tiveram conhecimento do destino por visitas anteriores ou por recomendação de familiares e amigos. E, assim como na Sub-região, mais de metade dos turistas que visitam o Município despendem menos de 50 euros por dia, excluídos os custos de viagem e alojamento. Contudo, a maioria dos turistas visitam Guimarães pela primeira vez, ocupam mais de metade do tempo a visitar locais históricos, quase o dobro do tempo destinado pelos turistas no Minho a esta mesma actividade. Algumas diferenças significativas foram identificadas entre turistas da Época Alta e da Época Baixa. No que concerne ao perfil do turista, observa-se que na Época Alta a percentagem de turistas em lazer, recreio ou férias é superior, sendo que na Época Baixa é superior a percentagem de turistas que viajam na companhia da família ou desacompanhados.

25 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 23 ANEXOS

26 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 24 Tabela 3: Valorizações Médias das Dimensões que Compõem os Recursos Turísticos e Respectivos Indicadores entre Turistas em Guimarães e no Minho Dimensão (1) Património Histórico Preservação do património histórico Qualidade e diversidade do património histórico Gastronomia Qualidade dos vinhos regionais Qualidade da gastronomia regional (pratos típicos da região) Qualidade dos produtos típicos da região (artesanato, enchidos, pão, mel, doçaria, etc.) Meio Natural e Rural Qualidade do meio natural e rural (beleza natural, preservação, etc.) Harmonia e enquadramento dos edifícios na paisagem envolvente Meio Urbano Paisagem edificada no meio urbano Valor médio Guimarãe Minho 8,3 s 7,6 8,2 7,4 8,3 7,9 7,9 8,5 7,8 8,3 8,1 8,5 8,0 8,5 7,6 7,8 7,8 8,2 7,5 7,5 8,0 7,9 8,0 7,9 (1) Para a dimensão Cultura e respectivos indicadores tanto em Guimarães como no Minho, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresentam os respectivos valores médios.

27 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 25 Tabela 4: Valorizações Médias das Dimensões que Compõem as Infra-estruturas de Suporte ao Turismo e Respectivos Indicadores entre Turistas em Guimarães e no Minho Dimensão (1) Informação Turística (2) Disponibilidade da informação Qualidade e rigor Qualidade do atendimento e simpatia Actividades de lazer (3) Diversidade de actividades de lazer Qualidade das actividades de lazer Telemóvel Qualidade da rede (cobertura, fiab. ligação, qual. som, etc.) Internet Qualidade da rede (cobertura, fiab. ligação, etc.) Restauração Qualidade das instalações interiores Qualidade dos funcionários quanto à simpatia e amabilidade Qualidade dos funcionários quanto à competência e profissionalismo Qualidade do serviço prestado (ementas, variedade de pratos, etc.) Qualidade global da alimentação Alojamento Acolhimento e atendimento Qualidade das instalações interiores Qualidade do serviço prestado (peq. almoço, serv. quarto, limpeza, etc.) Acessibilidades Facilidade em chegar à Região Norte Facilidade em chegar aos locais pretendidos Facilidade de deslocação entre diferentes cidades Qualidade global da sinalização nas vias rodoviárias Valor médio Guimarãe Minho 7,8 s 7,3 7,8 6,9 7,7 7,4 8,0 8,1 7,3 7,3 7,3 7,2 7,4 8,3 8,6 8,3 8,6 7,8 7,3 7,8 7,3 7,8 8,0 7,6 7,9 8,0 8,5 7,7 7,7 7,7 8,0 7,8 8,0 8,3 8,3 8,4 8,2 8,6 8,0 8,4 8,2 8,1 8,2 7,9 8,4 8,1 8,1 8,0 8,1 7,9 7,0 (1) Para as dimensões Negócios, Transportes Públicos e Saúde e Bem-estar e respectivos indicadores tanto em Guimarães como no Minho, devido à base amostral reduzida(inferior a 30), não se apresentam os respectivos valores médios. Pelo mesmo motivo, as dimensões não foram incluídas no Modelo de Satisfação.(2) Para o indicador Qualidade dos guias turísticos, da dimensão Informação Turística, tanto em Guimarães como no Minho, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresenta o respectivo valor médio. Pelo mesmo motivo, o indicador não foi incluído no Modelo de Satisfação. (3) Para o indicador Qualidade das actividades de lazer da dimensão Actividades de Lazer em Guimarães, devido à base amostral reduzida (inferior a 30), não se apresenta o respectivo valor médio.

28 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 26 Tabela 5: Indicadores de Actuação Prioritária das Infra-estruturas de Suporte ao Turismo Indicador (1)(2) Restauração Qualidade das instalações interiores Qualidade dos funcionários quanto à simpatia e amabilidade Qualidade dos funcionários quanto à competência e profissionalismo Qualidade do serviço prestado (ementas, variedade de pratos, etc.) Qualidade global da alimentação Alojamento Acolhimento e atendimento Qualidade das instalações interiores Qualidade do serviço prestado (peq. almoço, serv. quarto, limpeza, etc.) Acessibilidades Facilidade em chegar à Região Norte Facilidade em chegar aos locais pretendidos Facilidade de deslocação entre diferentes cidades Qualidade global da sinalização nas vias rodoviárias Informação Turística Disponibilidade da informação Qualidade e rigor Qualidade do atendimento e simpatia Telemóvel Qualidade da rede (cobertura, fiab. ligação, qual. som, etc.) Internet Qualidade da rede (cobertura, fiab. ligação, etc.) Guimarães 14% 23% 19% 22% 22% 43% 27% 30% 36% 29% 35% 0% 17% 34% 48% 100% 100% Relativamente às Infra-estruturas de Suporte ao Turismo, a maior prioridade de actuação concentra-se na Restauração. Enquanto na Sub-região os maiores esforços de melhoria devem centrar-se na competência e profissionalismo dos funcionários, no Município destacam-se os indicadores relacionados com a simpatia e amabilidade destes profissionais, a qualidade do serviço prestado e a qualidade global da alimentação. Ao nível do Alojamento, os aspectos relacionados com a qualidade do atendimento e acolhimento são os que mais podem contribuir para o aumento da Satisfação do turista em Guimarães. (1) Devido à base amostral reduzida(inferior a 30), as dimensões Negócios, Transportes Públicos e Saúde e Bem-estar e os respectivos indicadores não foram incluídos no Modelo de Satisfação.(2) Devido à base amostral reduzida(inferior a 30) do indicador Qualidade das actividades de lazer, da dimensão Actividades de Lazer, não se apresentam os índices de prioridades dos indicadores desta dimensão.

29 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 27 Tabela 6: Indicadores de Actuação Prioritária dos Recursos Turísticos Indicador (1) Guimarães Gastronomia Qualidade dos vinhos regionais 49% Qualidade da gastronomia regional (pratos típicos da região) 34% Qualidade dos produtos típicos da região (artesanato, enchidos, pão, mel, doçaria, etc.) 17% Meio Natural e Rural Qualidade do meio natural e rural (beleza natural, preservação, etc.) 59% Harmonia e enquadramento dos edificios na paisagem envolvente 41% Meio Urbano Paisagem edificada no meio urbano 100% Património Histórico Preservação do património histórico 20% Qualidade e diversidade do património histórico 80% Nos Recursos Turisticos, a maior prioridade de actuação em Guimarães refere-se à aposta na qualidade dos vinhos regionais, sendo este o indicador da Gastronomia- a dimensão com maior índice de prioridade- que apresenta maior peso na formação da dimensão e que tem menor desempenho. Seguidamente, em menor grau, os aspectos relacionados com a qualidade do meio natural e rural (beleza, preservação, etc.), assumem-se também como relevantes para o aumento da Satisfação do turista em Guimarães. (1) Devido à base amostral reduzida (inferior a 30), a dimensão Cultura e os respectivos indicadores não foram incluídos no Modelo de Satisfação.

30 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 28 Tabela 7: Indicadores de Actuação Prioritária da Imagem Indicador (1) Guimarães Pessoas simpáticas e preocupam-se com os visitantes 30% Segurança relativamente a actos criminosos 19% Zona com modernidade e virada para o futuro 4% Características únicas (culturais, naturais ou edificadas) Limpeza e higiene nas ruas e locais visitados 20% 8% Qualidade ambiental (poluição da água, ar ou ruído) 19% Dos sete indicadores que compõem a dimensão Imagem, a simpatia das pessoas para com os visitantes deve ser o alvo prioritário de actuação, havendo mais três indicadores com forte prioridade de actuação, visto apresentarem índices de prioridade semelhantes. A imagem de uma zona com características únicas e com qualidade ambiental, cujos índices de prioridade são ligeiramente inferiores, também requerem atenção. (1) Devido à base amostral reduzida (inferior a 30), o indicador Existência de serviços de saúde em caso de necessidade não foi incluído no Modelo de Satisfação.

31 Avaliação do Nível de Satisfação dos Turistas na Região Norte : Município de Guimarães : Resultados Globais 29 Ficha Técnica Estudo para Avaliação do Nível de Satisfação do Turista na Região Norte: Resultados Globais 2010/2011 Versão Final - Data: 27/09/2011 Entidade Promotora: Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRn) Número de entrevistas realizadas: 2363 Período de realização das entrevistas: 15 de Fevereiro de 2010 a 31 de Março de 2011 Locais de intercepção dos turistas: Aeroporto Francisco Sá Carneiro (Porto) e estabelecimentos hoteleiros da Região Norte

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE. Minho. Resultados Globais 2010/2011. Co-financiamento

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE. Minho. Resultados Globais 2010/2011. Co-financiamento AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE Minho Resultados Globais 2010/2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Co-financiamento Parceria Avaliação do Nível de Satisfação dos

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas Avaliação da Satisfação dos Turistas Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Turistas Índice RESUMO EXECUTIVO... 03 1. INTRODUÇÃO... 06 2. METODOLOGIA... 07

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas Avaliação da Satisfação dos Turistas 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Turistas 2011 Índice SÍNTESE... 03 1. INTRODUÇÃO... 05 2.

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação Avaliação da Satisfação dos Turistas 2014 Direção Regional do Comércio, Indústria e Energia Avenida do Mar e das Comunidades Madeirenses, n.º 23, 1º 9000-054 Funchal Região Autónoma da Madeira Portugal

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014 Barómetro Regional da 2014 RESUMO EXECUTIVO O constitui um mecanismo de avaliação periódica dos níveis de na Região Autónoma da Madeira (RAM). Para o efeito baseia-se no paradigma e lógica subjacente aos

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Perfil do Turista Do Território Douro Alliance

Perfil do Turista Do Território Douro Alliance Perfil do Turista Do Território Douro Alliance Vila Real Peso da Régua Lamego 2º Semestre de 2011 O Gabinete de Turismo da Douro Alliance em colaboração com o Observatório Económico e Social desta Associação,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Inquérito a Turistas Novembro de 2014. Com o apoio de:

Inquérito a Turistas Novembro de 2014. Com o apoio de: Inquérito a Turistas Novembro de 2014 Com o apoio de: 1 Índice 1 Síntese 4 2 Principais resultados 8 3 Ficha técnica 29 2 Contextualização do Projecto O grupo Controlinveste pretendeu realizar um estudo

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo. Enquadramento. Vice-Presidência

Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo. Enquadramento. Vice-Presidência Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Resumo do Barómetro 2011 Barómetro Regional da Qualidade O Barómetro Regional da Qualidade

Leia mais

Diagnóstico de Sustentabilidade

Diagnóstico de Sustentabilidade Realizado para a Câmara Municipal de Aljustrel Diagnóstico de Sustentabilidade Resultados dos inquéritos às empresas Abril de 2011 Conteúdo Introdução... 3 Caracterização das empresas... 4 Indicadores

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA 2011 1 INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO INTRODUÇÃO Na continuidade do estudo que vem sendo realizado pelo, em conjunto

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner Estudo de Satisfação de Turistas Your Business Innovation Partner Índice Enquadramento 3 1.1 Objectivos 4 1.2 Metodologia 6 Síntese 9 Análise 16 3.1 Caracterização da Amostra 18 3.2 Caracterização das

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Estágios Desportivos - Participantes

Estágios Desportivos - Participantes Estágios Desportivos - Participantes 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 6 3 Metodologia 19 Contextualização do Projecto 3 O grupo Controlinveste pretendeu realizar um inquérito

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO. Serviços públicos de apoio ao turismo. Alojamento. Restauração. Atividades de animação turística

ÁREAS DE ATUAÇÃO. Serviços públicos de apoio ao turismo. Alojamento. Restauração. Atividades de animação turística BALANÇO DO OBSERVATÓRIO TURÍSTICO DE MELGAÇO APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DE 12 ÁREAS DE ATUAÇÃO Serviços públicos de apoio ao turismo Alojamento Restauração Atividades de animação turística Serviços públicos

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

ESTUDO TURISMODA MADEIRA- DRT RESULTADOS PRELIMINARES ACUMULADO GLOBAL

ESTUDO TURISMODA MADEIRA- DRT RESULTADOS PRELIMINARES ACUMULADO GLOBAL ESTUDO TURISMODA MADEIRA- DRT RESULTADOS PRELIMINARES ACUMULADO GLOBAL sa DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL, MARKETING E PUBLICIDADE, SA Rua do Capitão Pombeiro, 13-15 4250-373 PORTO Tels. 351 22 509 19 43-351

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

Perfil do visitante de Évora

Perfil do visitante de Évora Perfil do visitante de Évora Universidade de Évora Escola de Ciências Sociais Maria do Rosário Borges Maria Noémi Marujo Jaime Serra Évora, Maio de 2012 41-60 anos (45%) Idade 21-40 anos (39%) Habilitações

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança (Retirado do estudo promovido pela CCDR-N) Introdução A Comissão de Coordenação da Região Norte,

Leia mais

Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Setembro de 2013

Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Setembro de 2013 1 Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Setembro de 213 Índice 2 11 Metodologia 3 2 Análise Síntese 6 3 Análise Descritiva Global 12 1. Caracterização

Leia mais

Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Março de 2014

Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Março de 2014 1 Estudo Satisfação de Turistas Análise de Resultados Preparada para: Turismo de Portugal Março de 2014 Índice 2 11 Metodologia 3 2 Análise Síntese 6 3 Análise Descritiva Global 10 1. Caracterização da

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO Planificação anual de: T.I.A.T. (Turismo - Informação e Animação Turística) Turma, L Professor: Jaime Murta 10.ºAno 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise Movimento de Turistas - Ano de 2009 Breve análise Base de dados Não nos sendo possível saber a taxa de ocupação das unidades hoteleiras do concelho, foi elaborada esta breve análise, unicamente, com base

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 27 de Janeiro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA)

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA) SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJETOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS (RETIFICADA) 1.

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) HOLANDA Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 82.600 78.557 75.546 76.601 75.636 74.305

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO:

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO: ENQUADRAMENTO: O Observatório do Turismo de Lisboa é uma estrutura interna da Associação Turismo de Lisboa, criada em 1999. A ATL é uma associação privada de utilidade pública, que conta actualmente com

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 11 Refúgios na natureza O clima ameno que se faz sentir durante todo o ano em Portugal convida-nos a desfrutar em pleno dos bons momentos

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 2.ª série N.º 80 23 de Abril de 2008 18537 - Direcção -Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; - Direcção -Geral dos Recursos Florestais; - Direcção Regional de Agricultura e

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo O potencial competitivo de Portugal Vinhos únicos no mundo Porto e Madeira Vinhos

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA

INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA 2011 ÍNDICE: 1. Introdução Pág 3 2. Resumo dos principais resultados Pág 4 3. Características da amostra Pág 6 a. Género Pág 6 b. Idade

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito Estudo de mercado sobre a atractividade Estudo de mercado sobre a atractividade Objectivos: Qual o papel, importância e significado das Caves de Vinho do Porto na atractividade turística do Porto e do

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE. Douro. Resultados Globais 2010/2011. Co-financiamento

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE. Douro. Resultados Globais 2010/2011. Co-financiamento AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS NA REGIÃO NORTE Douro Resultados Globais 2010/2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Co-financiamento Parceria Avaliação do Nível de Satisfação dos

Leia mais

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura Enoturismo em Portugal 2014 Caraterização das empresas e da procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Caraterização das Empresas Promoção de Serviços Procura das (2014) 3 4 5 7 O Enoturismo em Portugal

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISOS N. OS 33 E 34 / SI/ 2009 CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA 2011 ÍNDICE: 1. Introdução Pág 3 2. Resumo dos principais resultados Pág 4 3. Características da amostra Pág 6 a. Género Pág 6 b. Idade Pág 6 c. Habilitações

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Prazos De 24.10.2012 a 05.09.2013 Área Tipo de Projecto Incentivos às Empresas Inovação - Empreendedorismo

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Training Center. Localização

Training Center. Localização Localização Este centro localiza- se no sul de Portugal (no Alentejo) e dista 190km de Lisboa e 165km de Faro. A vila onde está situado chama-se Santa Vitória e fica a apenas 30km de uma capital de districto,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais